clube   |   doar   |   idiomas
Abram, e deixem que pessoas livres façam suas escolhas
Apenas pessoas livres podem produzir informações vitais

Os defensores do lockdown e do isolamento horizontal alegam estar "seguindo a ciência". Mas essa é apenas uma frase de efeito criada exatamente para encerrar a discussão e interditar o debate.

Hipóteses científicas devem ser refutáveis por observação. O método científico é o processo de testar hipóteses refutáveis por meio de observações empíricas que ou respaldam ou rejeitam essas hipóteses. A ciência e o debate científico nunca estão "concluídos". Muito menos estão fechados a qualquer desafio ou discussão. 

O que os defensores do lockdown e do isolamento horizontal querem realmente dizer ao alegaram que estão "seguindo a ciência" é que as declarações feitas por determinados cientistas deveriam ser aceitas como axiomas inquestionáveis (pleonasmo intencional) e que qualquer um que questione essas declarações é um ignorante, um reacionário ou um maluco que acredita em teorias da conspiração.

Só que o problema se torna óbvio quando diferentes cientistas fazem declarações conflitantes. E o problema se torna pior ainda quando o mesmo cientista faz declarações contraditórias em momentos distintos.

Ademais, já há evidências concretas de que o lockdown não altera o número de mortos per capita. Estatísticos não conseguem encontrar nenhuma diferença de excesso de mortalidade entre os países que se trancaram e os que não.

Como bem disse Jeffrey Tucker:

O que temos de concreto é que os governos ao redor do mundo embarcaram em um grande experimento de controle social que não tinha nenhuma comprovação científica. Ninguém consegue apresentar um único estudo acadêmico, revisado por pares, multi-cêntrico, que tenha utilizado grupos de controle e que tenha feito estudos randomizados controlados (RCT) demonstrando irrefutavelmente que o lockdown é a maneira mais garantida de se combater uma epidemia.

A única coisa que foi apresentada foi um modelo matemático do Imperial College, de Londres. Só que os modelos do Imperial College possuem vinte anos de histórico pavoroso; suas previsões sempre se revelaram astronomicamente erradas, e é apavorante que eles tenham sido utilizados para nortear decisões tão importantes. A própria imprensa britânica não se cansa de ridicularizá-los.

Tudo isso, em suma, significa que os governos ao redor do mundo embarcaram em um grande experimento de controle social baseados em teorias não-comprovadas e utilizando métodos não-testados.

Mas o objetivo aqui não é discutir estatísticas ou metodologias. Por isso, o que vem a seguir é apenas um apelo. Um apelo por liberdade e, acima de tudo, por responsabilidade individual.

"Quero voltar, mas tenho medo!"

"Sim, eu quero reabrir meu empreendimento exatamente neste segundo. Mas temos de ser cautelosos e sensatos. O que acontecerá se reabrirmos muito cedo e contribuirmos para um novo surto? E se esse novo surto for rastreado e apontar como origem meu estabelecimento? Aí ele seria fechado e eu não teria mais nada!"

Essas foram as palavras de um cidadão chamado Chris Escobar. Ele é o proprietário do Plaza Theater, um complexo de salas de cinema em Atlanta (que é considerado o quinto melhor do mundo). Ele disse isso em uma entrevista ao The New York Times.

As palavras de Escobar são sensatas e certamente são compartilhadas por vários empreendedores ao redor do mundo, de modo que se trata de um exemplo que pode ser tido como genuinamente universal.

E são exatamente essas palavras de cautela que demonstram vividamente por que os governos devem reabrir suas economias, por que é seguro fazer isso, e por que nem sequer deveria ter havido um desligamento forçado das economias.

Por mais paradoxal que pareça, as palavras deste empreendedor são a comprovação de que pessoas e empresas não precisam de uma lei impondo desligamentos e nem de legislações norteando reaberturas.

E é assim porque, em geral, não é do feitio do indivíduo fazer coisas que podem matá-lo. Que o novo coronavírus represente uma ameaça desconhecida significa que, com ou sem lockdown ou isolamento horizontal, consumidores e empreendedores teriam sido bem mais do que cautelosos. E ainda continuariam sendo. Em uma sociedade livre, não existe algo como "não fazer nada" em resposta a algo que tem o potencial de matar.

Se há algo que a história do mundo comprova é que indivíduos livres estão constantemente respondendo a desafios, e organizando maneiras de atacar esses desafios. Acreditar que, se não houvesse políticos e burocratas dando ordens e apresentando diretrizes, as pessoas simplesmente ficariam sentadas inertes e apáticas em resposta ao novo coronavírus não é nada realista. Elas teriam se mobilizado. Elas sempre fizeram isso. Na melhor das hipóteses, a brutal intervenção política — por mais bem intencionada que fosse — simplesmente revogou essa possibilidade.

Indivíduos empreendedores, com iniciativa, sempre formaram associações e entidades com o objetivo de lidar efetivamente com ameaças potencialmente graves. Como estamos vivenciando diariamente em meio este desnecessário lockdown, inovações feitas por indivíduos tornaram possível que os cidadãos ao redor do mundo se comunicassem instantaneamente por telefone, computador e cada vez mais face-a-face (pense no Zoom, no Skype ou mesmo no WhatsApp). Com fartas informações disponíveis graças a esses avanços, a ideia de que indivíduos precisam de diretrizes emitidas por políticos para criarem respostas a um vírus de maneira segura é totalmente irrealista.

Mais realisticamente, a simples pressuposição entre alguns de que o vírus é fatal para determinados grupos de pessoas já basta para explicar por que os indivíduos deveriam ter sido deixados livres para organizar respostas por contra própria.

Como bem disse o poema chinês (que depois foi parodiado por Mao Tsé-Tung), "Que flores de todos os tipos desabrochem, que diversas escolas de pensamento se enfrentem!". Se os estados são laboratórios de ideias em épocas boas, por que limitar as experimentações e as interações em épocas ruins, recorrendo a lockdowns homogêneos e uniformes?

É desnecessário enfatizar que a reação política a um vírus, a qual limitou amplamente nossas liberdades "para o nosso próprio bem", nada mais foi do que um arrogante non sequitur. A morte é sempre uma possibilidade à espreita, e sempre pode surgir do desconhecido. Exatamente por isso, não faz nenhum sentido restringir o exato capital humano que já aniquilou várias outras doenças no passado com criatividade, engenho, crescimento econômico e avanços trazidos pela combinação de acumulação de capital e inteligência.

E, no entanto, é exatamente isso o que foi feito.

Alguns responderão que não estão dispostos a arriscar e arcar com a possibilidade de terceiros não obedecerem às normas sociais que se originariam destas respostas voluntariamente implantadas por indivíduos livres. Ok, mas assim como não existe algo como "não fazer nada" em resposta a um vírus, também não existe uma sociedade na qual absolutamente todas as pessoas seguem todas as regras. E isso vale até mesmo para os mais brutais e autoritários estados policiais. 

Aplicado a uma sociedade livre, sim, alguns indivíduos iriam desdenhar das regras voluntárias para aplacarem seu desejo de ficar perto de outros. Sendo assim, os mais temerosos teriam uma resposta fácil para isso: auto-isolamento. 

Assim como usuários de heroína produzem informações cruciais para os seguidores da lei ao utilizaram aquilo que políticos não permitem, indivíduos descuidados e negligentes em relação à Covid-19 também forneceriam informações cruciais para o resto da sociedade. Goste ou não, é assim que funciona uma sociedade livre.

Vale a pena enfatizar aquilo que já deveria estar óbvio: essa abolição das liberdades individuais, que muitos dizem ser a solução para o novo coronavírus, é exatamente o que nos afasta de uma solução. Há tanto o que ainda não sabemos, e um dos motivos para ainda não sabermos é que há muitas regras, e muitos continuam proibidos, por decreto, de produzir informações sobre quais seriam as implicações de pessoas livremente se movendo e interagindo.

E o mesmo vale para empreendedores.

Como demonstrado acima, Chris Escobar não está seguro para reabrir seu empreendimento. Para ele, há muitas incertezas e muita coisa desconhecida em relação ao vírus. Consequentemente, ele não quer tomar uma decisão econômica que poderá macular a marca de seu empreendimento. Escobar deve ser totalmente livre para continuar fechado.

Ao mesmo tempo, não é desarrazoado sugerir que vários outros empreendedores não compartilham do pessimismo de Escobar. Ou isso, ou então não é um luxo ao qual podem se dar. Logo, para que seus empreendimentos possam sobreviver, eles precisam reabrir urgentemente, para ontem, de modo que eles irão arriscar a possibilidade de o vírus se disseminar em seu estabelecimento, o que afetará para sempre sua imagem. 

Sim, essa é uma possibilidade, e caso aconteça, uma enorme quantidade de informação será produzida, estudada e entendida. Informação que seria revertida para Escobar e o ajudaria em seus planos de reabertura.

De novo: goste-se ou não, é assim que funcionaria em uma sociedade livre.

Com efeito, deve-se enfatizar que, embora Escobar esteja relutante em reabrir seu empreendimento hoje, é também possível que ele este disposto a esperar meses ou até mesmo anos (o tempo que alguns dizem ser necessário para se criar uma vacina) para reabrir. Com o tempo, empreendimentos terão de retomar suas operações ou então irão à falência — o que simplesmente nos remete de novo à importância de termos liberdade hoje.

Deixem que os intrépidos comecem suas experimentações com sua propriedade. Permitam que pessoas livres voltem a voluntariamente frequentar estes estabelecimentos (ou alguém realmente acha que iremos ficar enclausurados para sempre?). E vamos todos aprender com o que essas ações irão revelar.

Sem estas pessoas livres e intrépidas, não será possível realmente conhecermos a verdade sobre o vírus, entender como ele se dissemina, e quem é o mais vulnerável a ele. Pessoas livres produzem informações.

Isso é liberdade.

Não adianta fugir; outros virão

O Sars-Cov-2 não será o último vírus deste tipo a se disseminar pelo mundo. Pode ter a certeza de que, tão logo a próxima cepa surgir, cientistas alarmistas, médicos e auto-declarados especialistas irão, sem nenhum esforço, convencer  políticos assustados e ávidos por "fazerem alguma coisa" a nos protegerem da doença, e até mesmo da morte. Políticos adoram isso.

E é exatamente por isso que as pessoas traumatizadas pelo lockdown deveriam se concentrar no argumento da liberdade. Afinal, será que realmente precisamos de políticos para evitarmos ficar doente? Precisamos de burocratas para nos protegerem da morte? É realmente possível alguém afirmar isso sem nenhuma vergonha?

Os lockdowns são inaceitáveis não porque destroem empregos, empresas e o espírito humano. Eles são inaceitáveis porque tudo aquilo que retira a liberdade é, por definição, contra a própria vida humana. Os lockdowns nos cegam para aquilo que é melhor para nós, impossibilitando que enxerguemos o que irá nos manter seguros quando nossa segurança estiver em risco.

Em suma, embora também estejam a nosso favor, números e estatísticas não são a maneira correta de se debater a Covid-19, os lockdowns e o isolamento horizontal. Se formos debater exclusivamente em termos de números, estaremos entregando para os próprios políticos que criaram toda essa catástrofe econômica o poder para fazerem tudo isso de novo. Não incorramos novamente neste erro. 

E, acima de tudo, que não permitamos que os lockdowns e as imposições de isolamento horizontal voltem novamente, pois aquilo que esmaga a liberdade também aniquila o conhecimento necessário para prolongar a vida e o bem-estar.

Deixemos que pessoas livres e responsáveis descubram, por meio dos sinais de mercado, como serão o presente e o futuro, agora que um novo vírus entrou em nossa vida.

____________________________________________

Leia também:

Mais do que nunca, é exatamente em épocas de crise que precisamos de liberdade

Após quatro meses de pandemia, restou uma certeza: o fracasso dos governos é retumbante

Políticos destruíram o mercado e ignoraram direitos humanos com um alarmante entusiasmo



  • Bruno Souza  16/06/2020 19:49
    Excelente abordagem. E é exatamente isso mesmo: o argumento é filosófico, e não numérico. Nunca entendi esse negócio de ficar comparando número de mortes da cada país. Coisa completamente macabra e sem nenhum sentido.

    As perguntas são:

    1) Tem o estado o direito se suprimir as liberdade básicas de indivíduos inocentes?

    2) Tem o estado o direito de abolir o ganha-pão de indivíduos inocentes?

    3) Se todo mundo ficar trancadinho em casa, morrendo de medo, aumentam ou diminuem as chances de se produzir informações que podem levar à cura?

    4) Se, na Peste Negra, todo mundo tivesse ficado trancado em casa, sem trabalhar e produzir, a humanidade existiria hoje?

    5) Por que na Gripe Espanhola de 1918 (quando as condições sanitárias eram muito piores e mal havia medicina), não houve lockdown, não houve contração econômica e quase não mais se fala naquela pandemia?
  • Fabrício  16/06/2020 20:25
    O pior de tudo é a hipocrisia. Quarentena, isolamento vertical e lockdown, tudo é uma hipocrisia elitista. Rico e classe média alta defendem o "fique em casa", mas exigem que motoqueiros, caminhoneiros e mais pobres em geral se locomovam diariamente para produzir e transportar comida. Ai destes se resolverem "ficar em casa".

    Uma pessoa minimamente lógica defenderia toda a população confinada em casa, com caminhões do exército ou coisa parecida deixando pacotes de comida na porta para a população não morrer de fome. Mas não. Criaram aqui o lockdown da classe média. Os pobres continuam andando de ônibus e metrô para manter funcionando os "serviços essenciais", enquanto a classe média finge que pobre não pega nem transmite vírus.
  • Régis  16/06/2020 20:32
    Ei, cês tão por fora. Quarentena e lockdown já acabaram. Isso era até ontem. Hoje, as ordens dadas pela própria mídia é pra todo mundo ir pra rua lutar, juntinho com torcidas organizadas, para lutar "pela democracia" e contra o "racismo" e o "fascismo".

    Do nada o vírus morreu. Quase não se fala mais disso — exceto, é claro, quando ocorrerem passeatas de direita. Aí o vírus volta com tudo, segundo a mídia.
  • anônimo  16/06/2020 20:37
    Mas é cientificamente comprovado: o vírus não se propaga em aglomerações de pessoas de esquerda que saem quebrando tudo. Apenas em reunião de pessoas que defendem mais liberdade.

    Isso é ci-ên-cia.
  • Gabriel  16/06/2020 20:54
    E não é só no Brasil. Foi só o Trump anunciar a volta dos comícios eleitorais da sua campanha que, pronto, a mídia já caiu em cima. A mesma mídia que está passando pano para o protesto "antifa", tanto lá como aqui, se voltou contra a aglomeração que os apoiadores do Trump irão fazer.

    Já estão contando, detalhadamente e com estardalhaço, os números de casos (que segundo a mídia, está "subindo como nunca antes") na cidade onde irá acontecer o comício!

    Quando que alguém aqui viu uma matéria dessa antes de aglomeração "antifascista"?


  • WMZ  16/06/2020 21:55
    Que palhaçada essa atitude da esquerda, pena que não é tão explorada pela direita (sem estratégia alguma, aparentemente)

    O cidadão comum, humildemente e no geral, aceitou as exigências da OMS. Muitos perderam os empregos, muitos estão desesperados e muitos tem família para sustentar mas, apesar de tudo, eles concordam com a OMS (aliás, nem se quer questionam, aceitam humildemente)

    Face ao sacrifício coletivo, o que a esquerda faz? Convoca uma manifestação que, apesar dos nobres ideais, rompe com todas as exigências da OMS e piora ainda mais a situação da pandemia . Por causa de uma pessoa, outras 2 morreram diretamente nos protestos mas outras milhares morrerão contaminados.

    Não vejo diferenças ,quanto à eficácia para atingir o objetivo de diminuir a truculência policial, entre uma manifestação realizada agora, na pandemia, e uma realizada depois da pandemia... só teremos mais mortes por covid

    E a mídia, que se diz preocupada? Apoiou! Fez vista grossa! Só acusa quando é manifestação da direta

    E aquela notícia, provavelmente fake ou mal interpretada, falando que "os pacientes não sintomáticos não transmitem coronavírus"? Parece que ela foi divulgada, corretamente, depois das manifestações...ora, é prudente o paciente sair do hospital antes do médico da alta? É prudente ir contra as recomendações médicas antes do veredito do especialista? Sem falar que se pode uma manifestação de 50000 pessoas, por que não podemos trabalhar?

    Pelo visto, o coletivismo não funciona mesmo...os próprios defensores são individualistas que só se preocupam com a politicagem e com as próximas eleições...e não é aquele individualismo bom que promove o bem de todos

    Eu, apesar de chiar muito, estou seguindo as orientações da OMS
  • anônimo  16/06/2020 20:42
    É a MESMA coisa na questão do desarmamento. Dados, mesmo favoráveis à liberdade, pouco importam. A defesa lógica da liberdade é absoluta. Não se negocia a liberdade por causa de números.
  • Amante da Lógica  16/06/2020 20:56
    Correto. O direito do indivíduo de se defender a si próprio não depende de estatísticas. Ele poder ou não ter uma arma independe de se ele vive em uma cidade violenta ou em uma cidade extremamente pacífica. Seu direito à auto-defesa não pode ser suprimido e não é função de probabilidades. Trata-se de um direito baseado na dignidade do indivíduo, e não em médias estatísticas.

    O direito à defesa própria é uma liberdade que qualquer indivíduo possui pela simples virtude de ele ser um ser humano. Ninguém pode me tirar esse direito baseando-se em estatísticas e probabilidades. Eu não perco esse direito só por causa de algumas estatísticas. Se fosse assim, esse mesmo argumento poderia também ser usado para se proibir qualquer outro tipo de auto-defesa, como aulas de artes marciais e defesa própria.

    Ou seja, permitir armas é uma política de respeitar as liberdades individuais.

    Igualmente, o confinamento é um ataque às liberdades individuais e ao padrão de vida de toda uma população. E, de quebra, ainda acaba com a saúde do indivíduo. Ninguém tem o direito de privar um inocente de sua liberdade com base em estatísticas (e, pior, estatísticas totalmente furadas).
  • Gabriel  16/06/2020 21:19
    Enquanto isso, os prefeitos continuam mandando fiscal e polícia pra cima de vendedor ambulante.



    Estão praticamente condenando o cidadão à miséria. Se ele estivesse mascarado quebrando a cidade, a imprensa estaria batendo palmas. Mas ele está tentando trabalhar, aí não pode. Mundo invertido.
  • Julio  17/06/2020 07:41
    Apesar do nome "gripe espanhola", sua origem foi o estado americano do Kansas. Se propagou pela europa em razão da 1ª guerra, quando os soldados americanos foram enviados para lá.
    E na época, o governo americano (Woodrow Wilson ) não deu a mínima bola para o problema. Estava mais preocupado com a guerra.
  • Drink Coke  17/06/2020 20:32
    "sua origem foi o estado americano do Kansas"

    Não existe nenhuma prova substâncial de que se originou nos EUA. Existem hipóteses.

    É no mínimo estranho o fato de que o vírus que se "originou" no Kansas tenha sido muito brando e pouco mortal na região, para depois devastar o resto do mundo e até posteriormente os EUA com o "retorno" do vírus.
  • Constatação  16/06/2020 19:50
    Uma das coisas que ouvi, não apenas uma ou duas vezes (de políticos e de seus asseclas) é a necessidade de uma "governança global" para combater os efeitos dessa pandemia.

    Quem achava que governo mundial era teoria da conspiração já está tendo que reconsiderar.

    "Então, é assim que a liberdade morre: com um estrondoso aplauso" (Padme Amidala, Star Wars Ep. III)
  • Paulo Henrique  16/06/2020 19:56
    Sim, e ninguém menos que o Fórum Econômico Mundial, que aglutina a nata da elite globalista, já está falando abertamente de um "grande reset".

    www.weforum.org/focus/the-great-reset

    E nem disfarçam: dizem que o Covid é uma "oportunidade de ouro".

    www.weforum.org/agenda/2020/06/great-reset-launch-prince-charles-guterres-georgieva-burrow/
  • Guilherme  16/06/2020 20:35
    E ainda há quem continue achando que não tem nada de mais nesse esquema criminoso de lockdown. Querem de todo jeito causar uma revolução. Se não foi pelo vírus e pela fome, será pela pancadaria ou então pelo colapso das moedas.
  • Imperion  16/06/2020 21:07
    Esse tal reset já está virando briga da direita vs esquerda. Quando falarem em reset, vai ser pelo sistema voltar ao padrão ouro, ou pelo sistema da esquerda, dando calote nos credores pra recomeçar de novo a fazer dívida.
  • Estado o Defensor do Povo  16/06/2020 20:53
    Se fizerem uma consituição mundial prefiro que eles escrevam umas duas páginas :)
  • Felipe L.  16/06/2020 20:38
    A maior sorte da humanidade é que nem na Peste Negra, nem nos surtos de varíola, nem na Gripe Espanhola, tivemos "artistas" e "especialistas" fazendo histerias e apologias às proibições e quarentenas feitas por políticos e burocratas.

    Eu vi essa postagem dias atrás, e ela mostra como tem gente que realmente acha que a economia consegue ser moldada (ou mesmo deve ser moldada) por burocratas e políticos.
  • Igor  16/06/2020 20:46
    As mortes diárias no Brasil já caíram bem. E mesmo utilizando uma média móvel de 7 dias, a curva já mais do que achatou.

    Não há mais desculpa.

    twitter.com/igordunamansour/status/1272923409752653826
  • Fernando  16/06/2020 20:41
    O lockdown foi inventando com a desculpa de que impediria os assintomáticos de contaminar os outros.

    Só que, segundo a OMS, assintomáticos NÃO transmitem covid!

    www.cnbc.com/amp/2020/06/08/asymptomatic-coronavirus-patients-arent-spreading-new-infections-who-says.html

    Ou seja, segundo a sacrossanta OMS, todo o isolamento social foi um equívoco.

    É só isso.
  • Kemuel  22/06/2020 17:18
    Sou liberal por convicção, porém, antes de sê-lo, sou uma pessoa aberta à possibilidade de que minha visão central de vida não sirva para alguns contextos específicos. Em se tratando deste contexto de pandemia, me pergunto: por mais que seja adepto a uma visão liberal, não seria plausível admitir que talvez seja pertinente a ação estatal num momento em que, caso as pessoas "falhem", o caos será instaurado por conta da insuficiência do sistema de saúde existente? Dada as especificidades desta situação, não é melhor usar o poder do estado interferindo (em alguns momentos), buscando implementar ações que diminuam o contágio, ao invés de nada fazer, delegando o futuro e possível caos às ações livres das pessoas? Creio que a liberdade total seja perigosa nesse momento. ALGUMAS intervenções são compreensíveis. Este é um ponto. O outro ponto do debate é se os nossos governantes estão interferindo de maneira correta e nos momentos corretos. Você determinar, como um gestor público, que todo um segmento da economia seja fechado sem que existam evidências plausíveis de que tal ação irá ajudar no combate à pandemia é, com toda a certeza, um ato de tremenda irresponsabilidade. Agora você, como um gestor e detentor do poder, determinar que as casas noturnas fechem por um período (ação que nitidamente traz resultados positivos para o combate à pandemia), ao meu entender, não CONFIGURA uma má interferência. Tudo depende do tipo, da amplitude e do momento da intervenção. Esse realmente é um tema a se pensar.
  • Fabrício  22/06/2020 17:25
    O que você defende é exatamente o que já foi feito, com resultados péssimos. Ademais, trancar todo mundo em casa (inclusive os jovens, produtivos e imunes) com o argumento de que o sistema de saúde estatal "precisa se preparar" é o ápice da admissão de incompetência do estado.

    E você ainda diz que este ente incompetente, que não consegue nem gerir um hospital, deve ter o inquestionável poder de trancar todo mundo em casa com a justificativa de que é incompetente para gerir a saude e por isso precisa de "mais tempo"?

    Na prática, você está dizendo que liberdades individuais básicas (como andar na rua) devem ser suprimidas porque a saúde estatal é uma bosta.

    Eis aí a perfeita definição de "palhaçada". Só que sem nenhuma graça. E desastrosa.
  • Prisão domiciliar  16/06/2020 20:50
    é da natureza do "governo" querer controlar tudo e todos, como um "deus" que nunca se sacia... isso vem desde o primeiro império estabelecido no mundo, ao sul do Egito por volta do ano 3.200 a.c.... como foi escrito entre os anos 450 ac e 200 ac "... não há nada novo debaixo do sol." Eclesiastes 1:9b

    Mesmo quando é dado o poder de escolher, as pessoas tem um desejo subconsciente em serem lideradas (ou mesmo dominadas), por mais que digam que não... vide I Samuel, capítulo 8. (escrito entre 630 ac e 540 ac)...

    só sei que isso cansa... saudades de uma democracia ateniense (melhorada) a qual nunca vivemos... e se depender de todo e qualquer governo não viveremos...
  • WMZ  16/06/2020 21:20
    Pelo que eu entendi...

    O não há, ainda, uma cura ou uma vacina para o covid, então a única opção é alcançar a imunidade de rebanho.Isso até descobrirem a vacina, o que não está nada garantindo (podemos passar milênios sem ter descobrido uma vacina eficaz para o covid)

    O modelo que explica a imunidade de rebanho é um modelo estatístico considerado bastante fiel. Utilizando esse modelo, pressupõe que a imunidade de rebanho será alcançada quando 70% da população estiver resistente ao vírus (pegar a doença e sobreviver, como na catapora)

    Então, só resta esperar que 70% da população seja contaminada e, dessa porcentagem, 3% morra e 67% sobreviva (então o número ideal ou é 67% ou é 73%...que seja 67% para o bem do debate)

    Entretanto, esses 3% é uma variável que está em função da qualidade do suporte médico que o paciente recebe. Se o atendimento de uma nação for ruim, de 3% poderemos ir para 10%. Se for bom, de 3% poderemos ir para apenas 1%.

    Sabe-se que a qualidade do atendimento é inversamente proporcional ao número de pacientes e que a mortandade é inversamente proporcional à qualidade do atendimento, então, por exemplo:

    Se um hospital Alfa tem 1000 pacientes e um hospital Beta tem 100 pacientes, a situação do hospital Beta é melhor, com menor mortandade, do que a do alfa, considerando que os dois hospitais sejam idênticos no número de leitos e na qualidade.


    O governo tem duas opções: a primeira é permitir que os 70% sejam alcançados rapidamente ou que os 70% sejam alcançados lentamente

    Se for a opção rápida, teremos a quantidade absoluta de casos num curto espaço de tempo, caindo na situação do hospital Alfa do exemplo anterior, ou seja, com muitos pacientes para poucos leitos e, portanto, uma maior mortandade.

    Se for a opção lenta, teremos a quantidade absoluta de casos num espaço de tempo maior, caindo na situação do hospital Beta, menos pacientes por intervalo de tempo (lembrando que os pacientes nos dois casos vão sendo tratados ou vão morrendo)

    A quantidade absoluta é a quantidade de casos que ocorrerão até que a pandemia acabe.

    A opção lenta é a do lockdown, que não irá sobrecarregar o sistema. Se serão 1000 casos, com o lockdown serão 100 casos em 10 meses com 30 mortos e não 500 casos em 2 meses com 50 mortos


    Dizem que os efeitos na economia do lockdown serão mais severos do que a própria doença... poderiam fazer um estudo mas, até a verdade não chegar, como Mises já dizia:

    "Os médicos que há cem anos empregavam certos métodos
    no tratamento do câncer, métodos esses rejeitados pelos médicos
    contemporâneos, estavam, do ponto de vista da patologia de nossos
    dias, mal informados e eram consequentemente ineficientes. Mas
    eles não agiam irracionalmente; faziam o melhor possível. É prová-
    vel que daqui a cem anos os médicos tenham à sua disposição mé-
    todos mais eficientes para o tratamento dessa doença. Serão, então,
    mais eficientes, mas não mais racionais que os médicos atuais"






  • David  16/06/2020 21:38
    Você estava indo bem até chegar aqui:

    "A opção lenta é a do lockdown, que não irá sobrecarregar o sistema. Se serão 1000 casos, com o lockdown serão 100 casos em 10 meses com 30 mortos e não 500 casos em 2 meses com 50 mortos"

    Isso é puro achismo seu. As próprias evidências não comprovam isso. Países que fizeram lockdown severo não apresentaram menos casos no mesmo espaço de tempo que países que fizeram isolamento mais brando.

    Compare Itália, Espanha e França com Alemanha e Holanda. E isso para não mencionar Japão, Coreia do Sul, Taiwan, Hong Kong e Cingapura, que fizeram apenas distanciamento social.

    Muitos citam a Nova Zelândia como caso de sucesso (o que é um fato), mas ninguém fala que o país simplesmente fechou suas fronteiras para todo e qualquer estrangeiro (os únicos vetores do vírus). Quem chegava ao país era obrigado a ficar em 15 dias em quarentena.

    Se Bolsonaro tivesse fechado os aeroportos e proibido a entrada de todo e qualquer estrangeiro, a Globo estaria hoje fazendo reportagens 24 horas por dia mostrando como o setor de turismo foi dizimado e como os empregados deste setor estão passando fome.
  • Ariano  16/06/2020 21:26
    Aquele que quer que um deus lhe guie o destino ou que um estado lhe faça tudo tem medo da liberdade e de viver num mundo cujo futuro é desconhecido. Ao mesmo tempo, tem medo de se responsabilizar pelo que faz, pelo seu crescimento, por sua evolução na vida e por sua obtenção de sabedoria. E assim coloca os motivos de suas falhas pessoais nas coisas externas, ja que é mais fácil agir assim que se auto-cultivar. E com a vantagem de arranjar motivos pra ter uma mentalidade parasita.
  • Drink Coke  16/06/2020 23:04
    Esse deboche do economista Leonardo Siqueira com a escola austriaca.

    twitter.com/leosiqueirabr/status/1203676089110929408

    Espantalhou pouco em


  • Pepsi  16/06/2020 23:17
    Mas isso é realmente o máximo de crítica que conseguem fazer.
  • Felipe L.  17/06/2020 14:23
    Estão desesperados. Pior que ele é seguido por pessoas que eu sigo também.
  • Drink Coke  16/06/2020 23:26
    Sejamos justos, não havia como ter provas cientificas para adotar ou não adotar um lockdown, só que como precisamos tomar uma decisão logo, segue um bom senso, adota aquilo que pareça mais prudente com algum tipo de fundamento. As informações sobre o virus estão mudando o tempo o todo, ainda há muitas incertezas e o fato é que o ocidente se assustou após ver o que acontecia na Italia, até então ninguém fora da Asia levava muito a sério o vírus.

    Me parece racional até um certo ponto a postura que a maioria do mundo tomou, ninguém queria correr o risco de um colapso social, ao mesmo tempo sabiam que tentar evitar isso poderia gerar um colapso econômico, então a maioria dos países agiu meio que como um pendulo, buscando um equilibrio.

    Claro que depois que tudo passar e ai sim teremos estudos robustos para falar se o lockdown foi um erro ou não, ou qual deveria ter sido a melhor política.

  • Fabrício  17/06/2020 00:27
    a) Isso que você falou não faz sentido, pois lockdown nunca foi implantado antes e nunca teve nem sequer base científica:

    www.gazetadopovo.com.br/ideias/infectologista-sueco-diz-que-lockdowns-nao-tem-base-cientifica/

    b) A diretora da agência de saúde pública da Noruega, Camilla Stoltenberg, disse que lockdowns não foram necessários para conter a disseminação do COVID-19.

    www.spectator.co.uk/article/norway-health-chief-lockdown-was-not-needed-to-tame-covid

    "Nossa avaliação agora, e acho que há um amplo consenso em relação à reabertura, é que provavelmente seria possível obter o mesmo efeito – e evitar parte das consequências lastimáveis – se não tivéssemos fechado, e, em vez disso, ter permanecido aberto com precauções para impedir a disseminação."

    Segundo elas, as evidências sugerem que o distanciamento social pode ser alcançado sem lockdown.

    c) Estudo sugere que no Reino Unido o pico da contaminação teria ocorrido antes do Lockdown e põe em dúvida a necessidade das duras medidas adotadas no combate à pandemia:

    www.dailymail.co.uk/news/article-8391141/Did-UKs-coronavirus-crisis-peak-lockdown.html

    "• Modelling by a mathematician at University of Bristol shows Britain's infection rate peaked on March 18

    •The calculation is based on data that indicates average Covid-19 victim dies 23 days after being infected

    •The study throws into question whether Britain's lockdown - imposed on March 23 - was actually needed"



    d) Sobre o modelo convencional de lockdown adotado:
    www.telegraph.co.uk/technology/2020/05/16/coding-led-lockdown-totally-unreliable-buggy-mess-say-experts/

    "The model, credited with forcing the Government to make a U-turn and introduce a nationwide lockdown, is a "buggy mess that looks more like a bowl of angel hair pasta than a finely tuned piece of programming", says David Richards, co-founder of British data technology company WANdisco."

    e) Primeiro estado a decretar lockdown, Maranhão tem mais mortes por milhão do que muitos lugares com menor restrição

    sensoincomum.org/2020/06/08/juiz-lockdown-maranhao/

    f) Lockdown é perda de tempo e pode matar mais, diz cientista de Stanford

    Michael Levitt, professor da Universidade de Stanford e vencedor de um prêmio Nobel de química, acredita na volta à rotina, mas com máscaras

    exame.com/ciencia/lockdown-e-perda-de-tempo-e-pode-matar-mais-diz-cientista-de-stanford/

    noticias.r7.com/saude/bloqueio-total-nao-foi-eficaz-contra-pandemia-diz-estudo-da-jp-morgan-27052020


    Em suma: além de não existir nenhum modelo científico estabelecendo a correlação exata entre níveis de confinamento e de evolução da epidemia, a própria OMS já voltou atrás e, além de alertar que o contágio está se dando em casa, falou que os países mais pobres não devem adotar isolamento. O lockdown é uma aventura mística.
  • Felipe L.  17/06/2020 01:22
    Eu vou colocar o comentário aqui, pois o artigo é novo e o tema é o mesmo... fiz uma curta pesquisa sobre os auxílios governamentais ao redor do mundo, e eis um fenômeno interessante e esperado:

    O mostra em quais países estão sendo adotadas medidas de auxílio governamental com relação a salários e afins, para quem perdeu emprego ou renda.

    - Nos países em azul, onde os auxílios são mais fartos, grande parte deles é composta de países ricos, produtivos e com alguma abertura econômica.

    - Em países de vermelho, sem qualquer auxílio desse tipo. Grande parte de países mais pobres.

    No México na verdade está tendo auxílio, mas com coisas como empréstimos para pequenas e médias empresas, entre outras coisas. AMLO tem adotado algumas medidas muito esquisitas. Misturou corte de ministério e salário do funcionalismo com projetos de refinaria, trem e aeroporto estatais.
  • Antifas  17/06/2020 01:28
    Ah, então vamos liberar o limite de velocidade nas rodovias. Cada um anda do jeito que quiser, correndo os riscos livremente. O problema é que o motorista prudente vai acabar pagando o pato, porque o que anda a 200 por hora leva quem não tem nada a ver com isso junto. Da mesmo forma aqueles lunáticos que rejeitam as vacinas. Prejudicam quem não tem nada a ver com suas escolhas. Vcs não falam do princípio da não agressão? Quem arrisca se contaminar e contaminar os outros está iniciando uma agressão.
  • Arthur  17/06/2020 02:57
    "Ah, então vamos liberar o limite de velocidade nas rodovias."

    Em vários estados americanos não há limite de velocidade. Na Alemanha e na Suíça também não.

    E se você acha que o que define a maneira como as pessoas dirigem são as regras inventadas por políticos, e não o próprio indivíduo, então você realmente não está qualificado para viver no mundo.

    "Cada um anda do jeito que quiser, correndo os riscos livremente."

    Deixa eu lhe trazer para o mundo real: em 99% das estradas brasileiras, aquelas do interior do país, onde não há polícia nem nada, é exatamente isso o que acontece.

    E os acidentes ali não menos numerosos do que nas auto-estradas, policiadas e cheias de radares.

    "O problema é que o motorista prudente vai acabar pagando o pato, porque o que anda a 200 por hora leva quem não tem nada a ver com isso junto."

    Duzentos por hora só cabem em estradas suíças e alemãs (sei do que falo pois já dirigi em ambas a essa velocidade). Os acidentes são praticamente nulos.

    Você parece ter dificuldades de entender o óbvio: se é possível atingir 200 km/h em uma estrada, então essa estrada por definição é de boa qualidade, e permite fazer isso com segurança.

    Palavras de quem já fez isso.

    "Da mesmo forma aqueles lunáticos que rejeitam as vacinas. Prejudicam quem não tem nada a ver com suas escolhas."

    Até onde acompanho, há uma correlação explícita entre a explosão dos casos de autismo observados nos últimos anos e as vacinas injetadas nestas crianças quando bebês.

    Até o fim da década de 1980, autismo era algo raro. Tão raro que era tema de filmes. Hoje, todo mundo conhece alguém autista. Minha filha de 4 anos tem uma colega autista. O filho da minha prima é autista. Conheço outras três pessoas (que não são da minha família e que não têm qualquer relação entre si) que têm filhos autistas.

    Essa explosão do autismo não surgiu do nada.

    Dito isso, sou contra proibir vacinas por causa disso. Qualquer um que corra seus próprios riscos (e, principalmente, de seus filhos).

    Por fim, você criou um espantalho. Quem deixa de tomar vacina não está colocando ninguém em risco. Isso é uma fake news que criaram exatamente para fazer com que tolos como você acreditassem na histeria e saíssem denunciando qualquer um que se recusasse a ser gado, como você gostosamente o é.

    "Vcs não falam do princípio da não agressão?"

    Sim.

    "Quem arrisca se contaminar e contaminar os outros está iniciando uma agressão."

    O PNA afirma que você não tem o direito de agredir um indivíduo inocente.

    Quem se arrisca a se contaminar não está cometendo agressão nenhuma. Já quem contamina terceiros estará ferindo o PNA apenas se ele fizer isso de maneira acintosa e premeditada. Aí cabe a você demonstrar que pessoas que transmitem Covid-19 o fazem propositalmente, com o claro intuito de dolo.

    Ademais, é perfeitamente possível você não se contaminar. Basta não entrar em contato com ninguém, ser cuidadoso e sempre se higienizar. No extremo, você pode ficar trancado em seu quarto, debaixo da cama. Ninguém está lhe proibindo isso.

    Por fim, por que parar na Covid-19? Uma pessoa que transmite uma doença sexualmente transmissível para outra, mas que não sabia que estava infectado, merece ser presa? Um sujeito que espirra no ônibus (ou no metrô) e transmite um resfriado comum para outros, merece ser linchado?

    É necessário haver políticos para regular todas as situações acima? Será impossível você responder sem cair em contradição.
  • Felipe L.  17/06/2020 03:39
    Concordo com quase tudo. Agora essa de vacina e autismo é interessante, não sei como que um amontoado de microrganismos ou pedaços de antígenos poderia mudar o desenvolvimento neurológico de uma criança. Só se essas vacinas foram adulteradas e colocaram alguma coisa que atacasse o cérebro. Nem se sabe direito a causa exata do autismo...

    Não é que até a década de 80 tinha pouco autista, é que as pesquisas sobre isso são extremamente recentes. Então os diagnósticos foram melhorando ao longo das décadas. É a mesma coisa que falar que na Grécia Antiga não existia depressão. Claro, muitas pessoas sequer chegavam à velhice (faixa de idade onde a incidência tende a ser maior), além da medicina à época ser mais precária.

    E evidência anedótica com viés de confirmação não quer dizer nada. E décadas e décadas atrás, quando muitas crianças ainda tinham que trabalhar, como ter o luxo de realizar pesquisas desse tipo?

    Quer um exemplo? Síndrome de Asperger, até anos atrás, não estava dentro dentro da categoria de autismo. Agora já está (Brasil irá incluir no próximo ano). Pronto, o número de autistas subiu.
  • Anônimo  17/06/2020 03:46
    Correlação não implica causalidade.
    Você pode afirmar que existe uma correlação entre o número de computadores e o número de diagnósticos de autismo.
    sites.nationalacademies.org/BasedOnScience/vaccines-do-not-cause-autism/index.htm
  • Drink Coke  17/06/2020 11:41
    "Até onde acompanho, há uma correlação explícita entre a explosão dos casos de autismo observados nos últimos anos e as vacinas injetadas nestas crianças quando bebês."


    Opa, virou anti-vax?

    É verdade que há uma explosão de casos de autismo, mas ai ligar com a vacina que o bebe recebe, pera aí. Até onde a ciência sabe austimo é uma doença genética e hereditária, já está na pessoa ao nascer.

    É possível que a explosão do austimo esteja relacionada com o uso de anticoncepcionais que as mães fazem ou a questão alimentar da mãe ou a exposição da gravida a poluição ou radiação - são possibilidades, mas até agora ninguém sabe o motivo e pode não ser nada disso, mas certamente não tem relação com vacinas que só fortalecem o sistema imunológico de uma pessoa.


    "Quem deixa de tomar vacina não está colocando ninguém em risco"

    Em tese sim, coloca em risco aqueles que ainda não foram vacinados, bebês e crianças.

  • Arthur  17/06/2020 14:39
    Em vez de vocês utilizarem sua total ignorância sobre algo como prova de que esse algo não existe, que tal ao menos se informarem minimamente a respeito?

    Eis aqui um compilado, repleto de fontes científicas, sobre essa relação entre vacinas e autismo.

    jbhandleyblog.com/home/2018/4/1/international2018
  • Dúvida  17/06/2020 16:22
    "Em tese sim, coloca em risco aqueles que ainda não foram vacinados, bebês e crianças."

    Se surgir uma suposta vacina chinesa contra a Covid, e o governo do seu estado (que recebe propina do governo chinês) falar que você é obrigado a injetar essa merda no seu corpo, no corpo da sua mulher e de seus filhos, você bovinamente aceita?

    Aliás, se eu não aceitar, você defende que eu seja preso?

    Responda sem tergiversar.
  • Drink Coke  17/06/2020 20:22
    "Se surgir uma suposta vacina chinesa contra a Covid, e o governo do seu estado (que recebe propina do governo chinês) falar que você é obrigado a injetar essa merda no seu corpo, no corpo da sua mulher e de seus filhos, você bovinamente aceita?"

    Claro que aceito, vacina fortalece nosso sistema imunológico. Só por ignorância alguém recusaria ser vacinado.


    "Aliás, se eu não aceitar, você defende que eu seja preso?"

    Não defendo. Agora eu espero que você tenha o bom senso de avisar outras pessoas do seu convívio que você não é vacinado, até para quem tiver uma criança que ainda não foi vacinada possa ficar longe de você.
  • Jairdeladomelhorqptras  18/06/2020 18:43
    Caro Drink coke,
    Só para ilustrar. Trabalhei a vida toda com vacinas. Vacinas e os antibioticos é que foram responsáveis pelo grande salto na estimativa de vida da população em geral.
    Agora, uma vacina mal elaborada pode ter efeitos bem deletérios. Por exemplo, vacina com virus vivo atenuado. Pode, no processo não ter sido "tão atenuado". Poderia reverter e causar a doença. Já com vírus morto é praticamente impossível de causar problemas. Algumas vezes o próprio diluente da vacina pode estar contaminado. O que quero dizer é que em qualquer processo laboratorial pode ocorrer erro. Mas só nestes casos. No mais, as vacinas são absolutamente necessárias.
    Abraços
  • Gustavo M.  17/06/2020 02:57
    Comentário típico de quem nem sequer leu o artigo, que aborda essas questões. Provavelmente viu o artigo sendo compartilhado em alguma rede social, leu só o título ou algum excerto, e já veio aqui cheio de si, jurando que estava abafando. Típico.
  • L. Mendes  17/06/2020 04:51
    Ah, então vamos liberar o limite de velocidade nas rodovias.

    Sim, vamos liberar! Impor limites artificiais de velocidade em uma via não tem lógica. Características da via, características do veículo e a habilidade do condutor já limitam naturalmente a velocidade dos veículos. Não precisa de um burocrata estabelecer um limite de velocidade para via.

    Se não houvesse limite de velocidade imposto artificialmente por burocratas, haveria mais investimento em automóveis que pudessem ir do ponto A ao ponto B em cada vez menos tempo, com segurança. A demanda por veículos mais estáveis em curvas, com melhor aerodinâmica e com freios mais eficientes seria maior. Hoje em dia, isso é coisa para poucos, restrita somente a luxuosos supercarros. Os veículos motorizados deveriam ficar cada mais rápidos e mais seguros com o tempo, mas o que se prega hoje é justamente o contrário: que se limite cada vez mais a velocidade dos veículos, a ponto de desestimular seu uso. Quer atraso e involução maiores que isso? Se continuar assim, é questão de tempo para a volta da Lei da Bandeira Vermelha!

    Cada um anda do jeito que quiser, correndo os riscos livremente. O problema é que o motorista prudente vai acabar pagando o pato, porque o que anda a 200 por hora leva quem não tem nada a ver com isso junto.

    Alto lá! Imprudência é uma coisa, velocidade alta é outra. É possível ser imprudente em baixa velocidade, assim como é possível dirigir em alta velocidade sem ser imprudente.

    Velocidade incompatível com a via existe, mas não é a legislação de trânsito que determina isso, são as leis da Física! É impossível determinar qual velocidade é segura e qual não é, por que isso varia de veículo para veículo e de pessoa para pessoa. Não dá para cravar que 200 km/h é uma velocidade em segura. Há vias com características que suportam essa velocidade e vias que não suportam. Mesmo que a via suporte, vai ter veículos capazes de trafegar a essa velocidade e há veículos incapazes. Mesmo que o veículo consiga trafegar a essa velocidade, há condutores que têm habilidade para andar a essa velocidade e condutores que não têm. E daí? Vai fazer o quê? Limitar tudo por baixo? Exatamente como é hoje, impedindo a produção de veículos que poderiam tornar as viagens cada vez mais rápidas?

    Sem falar que dirigir devagar também causa acidentes. Se eu andar a 80 km/h em uma via em que todos os outros andam a 200 km/h eu me tornarei um obstáculo para os outros! É tão perigoso quanto andar a uma velocidade mais alta. E se, além disso, eu andar a essa velocidade no centro da via, dificultando que os veículos mais rápidos desviem de mim, aí o imprudente serei EU, que estarei colocando em risco a minha vida e a dos outros. Como já dito, imprudência também ocorre em baixa velocidade.

    Sim, imprudência coloca em risco a vida dos outros e deve ser combatida. Mas isso nada tem a ver com velocidade. Se velocidade matasse, as rodovias alemãs sem limite de velocidade seriam verdadeiras carnificinas! E não é isso que se verifica lá. Logo, velocidade não é o problema.
  • Renegado  19/06/2020 15:41
    Então tome a sua vacina e seja feliz. Se vc toma vacina e eu não e vc pegar algo cujo o qual vc está vacinado, o problema é da ineficácia da vacina que vc tomou e acredita e não de quem não tomou nada. Questão de lógica....
  • Bostileiro  17/06/2020 06:42


    Enquanto prendem os trabalhadores em casa, soltam os bandidos. Inversão TOTAL de valores.
  • Drink Coke  17/06/2020 20:44
    Essa de soltar os presidiários é o cúmulo da imbecilidade. Se os presos já estão isolados, logo o estado não deveria ter medo de uma contaminação lá. Bastaria suspender as visitas e os funcionários do presidio tomarem todas as preocauções recomendadas.
  • 4lex5andro  22/06/2020 03:11
    Distópico, digno de filme orwelliano.

    Inversão de valores, duplipensar, lumpemproletariado, captura ideológica e relativização das liberdades individuais (que está até na CF88 do Br);

    Como o atual governo federal é contra isso, já sabe o porquê de tanto ativismo midiático e judiciário por um novo impeachment, ainda que arruine de vez a economia do país.
  • Hugo   17/06/2020 12:07
    Falando no popular: agora a m**** já está feita, 3 meses de comércios fechados, economia em frangalhos, milhões desempregados, parabéns aos envolvidos. Desde o início que foi provado que lockdown não era a bala de prata, mas insistiram. Nos empurraram goela abaixo.
  • r.raphael  17/06/2020 19:13
    vejamos :

    cov-SARS ja era conhecido da ciencia , o virus de wuhan é "primo" do virus da SARS de 2002

    gripe é uma infecção viral no nariz e garganta , então os sistemas de contágio são mais que estudados

    MERS - SARS , assim como pneumonia , é um agravo da infecção , atingindo demais pontos do corpo

    toda gripe pode agravar mas não quer dizer que vá , o ser humano por si só tem um sistema imunológico que ao encontrar uma ameaça contra o desconhecido corre pra lidar com aquilo , febre é uma evidência que o corpo está lutando contra uma infecção

    a maioria dos indivíduos ou não vai ficar debilitado , ou vai adoecer e se recuperar , em ambos os casos os individuos passarão a ter uma resistencia biologica melhor , pois o sistema imunologico vai ter "entedido" aquela infecção

    assim tem funcionado a humanidade atraves dos seculos , pra ciencia nao tem nada de novo

    mas praticamente todas as decisoes tomadas foram politicas baseadas em pura histeria

    terminou o carnaval os corongalovers e a imprensa funeraria prometeram corpos empilhados pelas ruas caso não nos prendessemos numa jaula , 3 meses depois na rua só vejo desempregado e o crescimento da franquia "VENDE-SE" ou "ALUGA"

    burocratas roubaram como nunca e conseguiram aumentar o controle sobre as nossas vidas como sempre

    as politicas publicas nunca seguiram qualquer metodo cientifico , o brasil nem tem protocolo definido pra uma ameaça biologica , tem um ministerio na uniao que nao manda em nada pois o judiciario decidiu que as decisões eram baseadas de acordo com a vontade do gestor dos estados e municipios ... mas bastou os gestores quererem abrir o comercio e la foi o judiciario dizer que agora o gestor tambem nao poderia mais decidir e somente ele, o judiciario, é que toma decisões políticas e sanitárias no brasil

    nesse tempo mantive minha rotina , levo mascara pela necessidade de entrar em ambientes fechados , como o mercado , mas me recuso0 a usar na rua , no meu carro

    o senado tornou obrigatorio o uso de mascara , mas e dai ? vai impor isso como ? a imprensa marrom daqui deu destaque pra questao de aumentar o valor da multa pra quem nao usa (de 100 para 200) e alguns leitores mais exaltados queriam ate prisão ... a questao nao eh a mascara , a questao eh o que fazer a respeito , a lei da mascara nao eh diferente da lei do cinto de segurança , voce pune com a premissa de aquilo PODE OU NAO fazer mal pra voce ou alguma outra pessoa

    e não é com canetada ou com policiamento que você cria hábitos simples de higiene, como não ficar espirrando nos outros , não lamber o corrimão , nao ficar enfiando o dedo no olho quando tá na rua , sair de perto do tio tossindo seco ... pois é assim que funciona contágio .. sair de casa não implica contágio assim como ficar na sala durante 3 meses também ... voce pode morrer de 500 coisas diferentes que não o coronga se não ter os devidos cuidados e nem por isso a gente deixa de ir na praia , de atravessar a rua , de apertar a mão de uma pessoa que você acabou de conhecer ou de se entupir de fritura e refrigerante assistindo filme no fim de semana

    são riscos calculados que fazem parte da vida , é irracional virar a sociedade de pernas pro ar pra cada nova doença que aparece , na vida toda pessoa é uma potencial vetora de doenças , isso também nao é novidade , é por isso que as creches precisam verificar a carteira de vacinação - e nem por isso alguem faz histeria disso

    pior mesmo é a conversa de que o coronga foi otimo pro estado ou pedir mais estado, quando na verdade expos toda a incompetência do pesado aparato estatal de impedir uma simples força da natureza , a peste negra era completamente relacionada com a falta de higiene veja a liçao que ficou pra humanidade , mas considerando que milhoes de brasileiros sequer tem tratamento de esgoto do que adianta mandar se trancar em casa ? as pessoas continuam ficando doentes por causa de cocô boiando na calçada e o papai-estado finge que saneamento básico não é uma das coisas que ele deveria entregar (e que cobra horrores por isso de todos)

    no fim vimos tambem como foi uma histeria completamente elitista, quando eh uma cacetada de gente pegando dengue ou colera que se dane , isso nao acontece no bairro nobre... ja o pobre coitado que vai ficar na portaria do condominio de luxo pode ta carregando virus dai viram que corriam perigo ... completamente hipocrita o discurso de evitar doenças , gente que nunca tinha limpado o celular na vida virou o guru de como eu me cuido

    e agora estamos no ponto do coronga que só transmite se for sair pra trabalhar ou na igreja , se for pra aglomerar torcida organizada pra bater em quem ta na rua , quebrar propriedade alheia e afins ta liberado - apenas lave as mãos e vá pela sombra
  • Engenheiro e Economista  17/06/2020 23:53
    Rapaz....linguagem simples e perfeitas colocações.....
    Incrível como as pessoas podem ser tão facilmente manipuladas pela mídia.
  • WMZ  17/06/2020 21:08
    Estamos entrando na Idade Média? Um novo clero está surgindo?

    Mais uma tese de um "filósofo" famosinho amado pela esquerda:
    ----------------------------------------------------------------------------------------
    Você já ouviu falar sobre necropolítica? Então, vejamos. O termo foi elaborado pelo filósofo camaronês Achille Mbembe, Ph.D. em história pela Universidade de Sorbonne. Ele analisa, em sua obra, a forma com que governos determinam quem viverá e quem morrerá —e de que maneiras poderão viver e morrer.
    ?????????
    Mbembe investiga formas únicas e novas de existência social, nas quais vastas populações são submetidas a condições de vida que lhes conferem o estatuto de "mortos-vivos". O autor explica: "sublinhei igualmente algumas das topografias recalcadas de crueldade (plantation e colônia, em particular) e sugeri que o necropoder embaralha as fronteiras entre resistência e suicídio, sacrifício e redenção, mártir e liberdade."
    ?????????
    Embora o Estado tenha o dever de garantir saúde e segurança para todos (e o direito à vida seja universal) a realidade social, num país como o Brasil por exemplo, é marcada por profundos contrastes. Que ficaram ainda mais evidentes em meio a Pandemia.
    ?????????
    "O sistema capitalista é baseado na distribuição desigual da oportunidade de viver e de morrer", diz Mbembe. "Essa lógica do sacrifício sempre esteve no coração do neoliberalismo, que deveríamos chamar de necroliberalismo. Esse sistema sempre operou com a ideia de que alguém vale mais do que os outros. Quem não tem valor pode ser descartado."
    ------------------------------------------------------------------------------------------

    Neoliberalismo e liberalismo está virando coisa do capiroto. Essas universidades estão mais para "igrejas" que querem impor as suas crenças...os liberais antigos gostavam de atacar a Igreja
  • Nycolas  18/06/2020 14:05
    Seguidores do Insituto Mises, desafio vocês à responderem esse artigo ominhocario.wordpress.com/2019/04/19/de-volta-ao-debate-sobre-o-calculo-socialista-calculo-complexidade-e-planejamento/ sobre o cálculo economico no socialismo. Especialmente, queria a resposta de um tal de Leonardo ou Leandro, não sei. Desafio lançado!
  • Leitor Antigo  18/06/2020 15:04
    Já feito. Há muito tempo.

    cdn.mises.org/qjae7_1_6.pdf

    Saudações.
  • Leandro  18/06/2020 15:11
    Peraí, que não vai ter passe livre, não.

    Agora, eis o meu desafio para o Nycolas: explique com suas próprias palavras o que está sendo proposto no artigo do seu link, onde está o erro na teoria de Mises da impossibilidade do cálculo econômico, por que isso seria um erro, e como seria o jeito certo de fazer.

    Para deixar mais organizado:

    (1) descreva de maneira acurada a tese de Mises, (2) mostre em que ponto ela está errada, (3) explique por que ela está errada, (4) explique a tese que está sendo proposta, e (5) mostre em que ponto esta tese supera a de Mises.

    Substancie suas argumentações apontando exatamente os trechos do pensamento de Mises dos quais você discorda, aponte os do planejamento central com os quais você concorda, demonstre a superioridade deste sobre a tese de Mises, e mostre como deveria ser um arranjo no qual a economia mundial é planejado centralizadamente.

    Em suma: explique aí, com suas próprias palavras, a superioridade da economia planejada e por que a economia planejada seria melhor. Demonstre o "erro" na crítica de Mises a ela, e a comprovação inquestionável de que o planejamento econômico é possível e superior.

    Provavelmente o texto para o qual você linkou não é seu, então vai uma dica: se você não é capaz de, só pela sua memória, descrever os três principais argumentos de um artigo, então ignore o artigo: ele não é importante.

    Se você não é capaz de sintetizar para uma pessoa leiga, de maneira coerente, quais são os argumentos do artigo, então ignore os argumentos. Eles provavelmente são incoerentes.
  • Nycolas  26/06/2020 17:37
    Leandro, eu sei que demorei na resposta e não tem problema se não ver. Desculpe pela maneira que dei o artigo e como deixei algumas impressões erradas. Eu não sou marxista, pelo contrário sou da EA, mas quando eu vi esse texto fiquei com medo, não conseguia realmente responder por mim mesmo um texto de tamanha complexidade. Sou um pre adolescente de 13 anos, então meus conhecimentos são muito fracos para dar uma resposta suficiente à esse artigo. O IMB era meu único recurso de obter uma resposta. Desculpa pelo transtorno e obrigado a todos pelas respostas. Abraços!
  • Ex-microempresario  19/06/2020 16:50
    Quarenta anos após o fim da II Guerra, o lado capitalista da Alemanha produzia Mercedes, BMW e Porsche. O lado socialista produzia Trabant.

    luizberto.com/porque-o-socialismo-e-uma-utopia/
  • Drink Coke  19/06/2020 18:36
    O texto é bem chato e longo. Eu não tive paciência de ler tudo, mas foquei em alguns pontos

    Selecionei 2 pontos que me chamou a atenção:


    1)"Porém, adotar a posição de Mises – de que a alocação do poder de compra sob o capitalismo seria um elemento endógeno ao sistema produtivo – é admitir que a produção de mercadorias pelo lucro não é governada pela "satisfação máxima dos desejos humanos", a menos que se tente argumentar que os desejos humanos são gerados numa correlação milagrosa com os rendimentos monetários...Mises não pode ter as duas coisas ao mesmo tempo."

    Primeiro ele não entendeu o funcionamento do mercado na perspectiva austriaca. Ele não entendeu que existe uma harmonia entre o interesse financeiro e a satisfação dos desejos mais urgentes dos consumidores.



    2) "Este não é o lugar para uma explicação das complexas razões históricas por trás da crise do socialismo soviético,....embora fossem também em parte o resultado de políticas equivocadas, eram em certa medida consequências inevitáveis ??da tentativa de operar um sistema de planejamento central "antes do seu tempo". A ironia é óbvia: o socialismo estava sendo rejeitado no exato momento em que estava se tornando uma possibilidade real."

    Essa foi a melhor. o Socialismo não deu porque estava além do seu tempo, se tivesse esperado só um poquinho teria dado certo. Vamos aguardar que logo logo Cuba e Coréia do Norte serão uma potência.
  • Humberto  19/06/2020 18:53
    É sério que tem gente aqui que ainda perde tempo em discutir educadamente com imbecil totalitário que diz que economia inteiramente planejada e precificada por políticos e burocratas daria mais certo que economia de mercado?!

    Coréia do Norte deu mais certo que Suíça?

    Puta. Que. O. Pariu! Acordem! Gente que defende a abolição da propriedade privada e a imposição de uma economia planificada e inteiramente controlada por burocratas não quer debate nenhum. Vocês realmente acham que defensor do regime norte-coreano quer debate? O que eles realmente querem é a sua escravização em prol de um arranjo no qual eles estarão no controle! Acordem!
  • Richard Stellman  18/06/2020 15:35
    Eu decidi que não vou me preocupar com Covid.
    www.youtube.com/watch?v=_QKkZbEvSSM
  • Fernando  18/06/2020 22:20
    Eu também concordo que a economia deve ser reaberta, o problema é que o discurso dos defensores do lockdown que obviamente são de esquerda, dizendo que se "a economia se recupera, vidas não", "se você defende a abertura muitos vão morrer", "você é um genocida", etc. - que infelizmente muitas pessoas ingênuas acabam seguindo. Claro que a esquerda não se importa com vidas perdidas, muito pelo contrário, eles defendem o lockdown justamente porque querem um colapso econômico, com uma grande depressão maior que a crise de 1929 para depois jogar a culpa no capitalismo e no livre mercado e com isso arrumar mais um meio para tentar implantar o socialismo, mesmo que com isso milhões morram de fome - muito mais que os mortos por coronavírus.
  • Guilherme  18/06/2020 23:05
    Ou seja, você está dizendo que está com medo de debater com a esquerda porque não saberia como reagir às mentiras e ao pseudo-coitadismo dela? Por que você não simplesmente aponta essa farsa na cara dela?

    Se tem medo, então realmente fique longe do debate. Você já concedeu a vitória ao oponente.
  • anônimo  19/06/2020 12:21

    Prezados,

    O Brasil caminha para o platô

    veja.abril.com.br/saude/coronavirus-brasil-registra-1-238-mortes-em-24h/

    Depois do platô, virá a fase de declínio, e fico imaginando qual será a próxima "desculpa" para manter o lockdown.
  • Intruso  19/06/2020 18:09
    Esse artigo só vai ter credibilidade se o seu autor e seu grupo de apoiadores se utilizarem de um transporte público superlotado como esse aqui da região metropolitana de São Paulo. Aí eles correrão os riscos como qualquer um dos trabalhadores. E suas palavras não ficarão apenas na fácil retórica.
  • Fabrício  19/06/2020 18:38
    1) Quem causou a superlotação do transporte público em SP foram políticos, especialmente o senhores Bruno Covas e João Doria (queridíssimos dos coronalovers), que literalmente bloquearam ruas, proibiram a circulação de carros, reduziram o número de ônibus e obrigaram os pobres a se enfiarem nos poucos metrôs e ônibus que continuaram circulando.

    2) O fato de haver políticos fazendo merda em locais pontuais não invalida um argumento. Seria, aliás, o primeiro caso de argumento lógico invalidado por incompetência de políticos. Bizarro.

    3) Apesar de tudo, todas as estatísticas oficiais apontam que o contágio está se dando em casa, de modo que toda a sua arenga não se sustenta. Eis o que disse a Universidade de Hong Kong.

    O caso mais simbólico é o do estado de Nova York, que é o território com a maior contaminação do mundo. Eis o que diz a notícia, com a própria participação do governador do estado de Nova York:

    "Most new Covid-19 hospitalizations in New York state are from people who were staying home and not venturing much outside, a "shocking" finding, Gov. Andrew Cuomo said Wednesday. […]

    It shows that 66% of new admissions were from people who had largely been sheltering at home. The next highest source of admissions was from nursing homes, 18%."
     

    Ou seja: quem se contaminou era gente que estava fazendo quarentena em casa, de resguardo, e não pessoas que estavam saindo de casa para passear. 84% dos hospitalizados com covid-19 estavam cumprindo a quarentena horizontal (66% em casa e 18% em asilos), a mesma quarentena que os ignaros juram ser a salvação.

    "If you notice, 18% of the people came from nursing homes, less than 1% came from jail or prison, 2% came from the homeless population, 2% from other congregate facilities, but 66% of the people were at home, which is shocking to us," Cuomo said.

    "This is a surprise: Overwhelmingly, the people were at home," he added. "We thought maybe they were taking public transportation, and we've taken special precautions on public transportation, but actually no, because these people were literally at home."


    Ou seja, segundo o próprio governador, ele ficou estupefato ao descobrir que 66% dos contaminados estavam de quarentena em casa, 18% dos contaminados estavam em casas de repouso e mais 4% em asilos, e 2% eram mendigos.

    E ainda arremata: "Pensávamos que seriam pessoas que estavam usando o transporte público, e tomamos precauções especiais nos transportes públicos, mas na realidade não, essas pessoas estavam literalmente em casa".

    Ou seja, no final, você vaio aqui apenas apresentar um show de contradições. Fez bem em manter o anonimato.


    P.S.: E, se quiser se divertir um pouquinho, veja o exemplo de Cláudia Raia. Ela e a família inteira foram contaminados em casa. Eles estavam sem sair havia dois meses, e pegaram. Segundo ela, a contaminação "deve ter ocorrido" quando ela entrou no elevador para pegar delivery na portaria (pode rir).
  • Guilherme  19/06/2020 18:40
    Lógica sensacional: segundo o "intruso", defender a liberdade e a livre iniciativa, e criticar confinamento bovino e destruição coercitiva do padrão de vida, é uma atitude que "só terá credibilidade" se políticos e burocratas não fizerem merda…

    Gênio completo.
  • Humberto  19/06/2020 18:45
    Nem precisava se dar ao trabalho de recorrer a argumentos lógicos para responder. Isso aí é um totalitário. Ele está dizendo que a liberdade (inclusive o direito de manter-se vivo por meio do trabalho e da livre iniciativa) deve estar completamente subordinada a estatísticas publicadas por burocratas.

    Isso é um argumento de fazer inveja à extinta URSS.

    Qualquer contra-argumento educado a isso aí — que foi o que infelizmente fez o Fabrício — já significa conceder totalmente a vitória a essa escumalha.

    Entendem isso: não se responde educadamente a gente que está sedenta pela destruição do seu padrão de vida (e da sua família) por motivos puramente políticos. Ser educado com gente assim é o ápice da covardia.

    Enquanto direitistas e libertários educadinhos estão preocupadíssimos com argumentos e debates de alto nível, a esquerda (em conluio com a mídia e o STF) já está mandando prender todo mundo pelo exato "crime" de opinar, argumentar e discordar. Acordem! Se esses caras chegarem à presidência, é fim total.
  • Felipe L.  19/06/2020 22:52
    Zema parece que vai também pelo mesmo caminho do João Doria:

    "Governo de Minas recua em abertura de 101 cidades e já admite lockdown"
  • Fabrício  20/06/2020 00:58
    No final, todos os políticos farão exatamente o que a mídia mandar, pois se borram de medo de seus ataques afetar sua popularidade (o que, aliás, de fato ocorre).

    E o que a mídia quer é pânico e colapso econômico, pois isso mata dois coelhos com uma cajadada só: garantidamente aumenta sua audiência (vide os números da Globo, os melhores em décadas; todos os petistas se tornaram globistas fanáticos) e ainda arrebenta o governo Bolsonaro, que está aniquilando várias regalias da Globo (acabaram os repasses via propagandas estatais e agora perderão até a mamata das transmissões de futebol).

    Se o Zema — que até agora vinha se mostrando impressionantemente sensato — realmente embarcar nessa, é fim de linha pra ele. Vai até conseguir afagos da mídia, mas vai arrebentar ainda mais a economia do estado.
  • 4lex5andro  22/06/2020 03:31
    É um caso a se analisar e refletir.
    O governo de MG pode ser alvo de possível impeachment.

    www.em.com.br/app/noticia/politica/2020/05/15/interna_politica,1147529/impeachment-de-zema-governo-de-minas-dara-resposta-a-assembleia.shtml

    É ironicamente, um estado pego quebrado após sucessivos (des)governos do teatro das tesouras do vermelhinho e do azulzinho e aparelhado em seu judiciario.

    Que se opõe a um programa privatizador do atual chefe de governo (Furnas e Cemig).

    Se notar qualquer semelhança com o Brasil, não terá sido uma obra de ficção.
  • Carlos  22/06/2020 14:33
    A notícia é um pouco antiga, mas você está corretíssimo em mostrar a impostura intelectual dessa gente. Quebraram financeiramente o estado, e, agora que há outro lidando com as consequências nefastas e tentando resolvê-las, querem impugná-lo.

    É nojento.
  • Imperion  22/06/2020 17:19
    Que falta faz uma lei que proíba um congresso de aprovar orçamento deficitário. Assim, o nacional, os estaduais e municipais não poderiam armar essa armadilha a um chefe de executivo e acabaria com essa farra de só aprovar gastos.
    Minas tá deficitária e tem que economizar. Senão acaba como o Rio, que é muito mais rico que Minas, mas foram deixando os políticos gastarem à vontade muito acima da produtividade do estado. 
  • Herbert  20/06/2020 22:17
    O canal Visão libertária ( antigo ancap.su) fez um vídeo muito bom argumentando que não existe defesa ética para o lockdown. Rebate inclusive aquele questionamento que alguns fazem: "ah mas se você sair na rua, corre o risco de pegar a doença e ocupar os leitos de hospitais, logo está me agredindo."

    youtu.be/jAtBII5fDR8
  • LG Camp  22/06/2020 22:56

    Assim como não possuímos comprovação científica a favor do isolamento
    social, também não possuímos comprovação científica contra ele.
    Diferente do que o texto diz, não há evidências concretas que o lockdown
    não altere o número de mortos per capita. O fato de estatísticos não conseguirem
    encontrar diferença de excesso de mortalidade entre os países que se trancaram
    e os que não (se correta a afirmação), também não promove conclusões:
    não há como comparar maçãs com cadeiras.
    Acredito ser dificílimo que um dia ainda encontremos a resposta, uma vez
    que não conseguiremos jamais ter 2 países idênticos, com movimento populacional idêntico,
    climas idênticos, costumes idênticos, cuidados de saúde idênticos - e submetermos
    1 deles ao lockdown e o outro não (2 Brasis por exemplo).

    Também, é válido definirmos os termos:
    - Isolamento/distanciamento social: medidas que visam evitar o contato
    interpessoal, mantendo espaço entre indivíduos para que não haja transmissão
    - Lockdown: trancafiamento de estabelecimentos em que as pessoas circulam,
    para obter um distanciamento social forçado.


    As medidas mundiais gerais se basearam nas seguintes premissas:
    P1- A transmissão do vírus requer contato interpessoal
    P2- Não havendo contato interpessoal, não há transmissão
    C- Portanto, isolamento social bloqueia a transmissão

    P1- Isolamento social bloqueia a transmissão
    P2- Muitas pessoas não conseguem manter isolamento social, expondo-as e às outras
    ao risco de contágio
    C- Portanto, o lockdown deve ser eficaz na manutenção do isolamento social

    Apesar de totalmente infantil e rudimentar, trata-se do único conhecimento que se tinha
    a respeito da doença - e sobre ele as medidas foram construídas.

    Também acho que, até certo ponto, as pessoas podem ser livres nas suas escolhas,
    porém é extremamente difícil generalizar. Isolamento social é fundamental.
    Lockdown não é fundamental.

    No entanto, acredito que culpa maior da queda da economia seja da percepção humana em relação ao vírus,
    e não do lockdown. Temor, expectativas, comportamento - a percepção mudou o rumo da história.

    Enfim, acredito que esta questão irá durar muito tempo. Mesmo após o término
    da pandemia. Porque mesmo depois do vírus ter desaparecido, os fatos observados retrospectivamente
    para fundamentar conclusões poderão facilmente ser vistos da maneira que nos
    convém.
  • Felipe L.  23/06/2020 03:30
    "Scott Atlas, da Hoover Institution, estima que as conseqüências do desemprego, da falta de consultas médicas e de outros fatores durante os dois meses de lockdown levarão a tantas mortes extras que os americanos perderão 1,5 milhão de anos acumulados de vida, o dobro do total perdido até o momento com a Covid-19. " (notícia aqui

    Mais uma vez, os austríacos tinham razão de que as quarentenas e lockdowns impostos seriam piores do que o próprio vírus.

    Claro que muitos não irão admitir a cagada que fizeram. Igual com o socialismo: "Lockdown não está sendo o suficiente, vamos tentar de novo e intensificar mais! "
  • anônimo  23/06/2020 17:23
    exato , uma das maximas em medicina e : "o remedio nao pode ser pior que a doença"

    mas esperar o que ? burocratas nao sabem nem administrar uma dipirona , o importante era "jogar pra torcida" , a fatura de mais uma lambança e toda nossa
  • Gabriel Santos  23/06/2020 20:16
    E vai ficando cada vez mais difícil para o pessoal do "fique em casa":

    Sol forte pode matar o novo coronavírus em até 34 minutos, aponta estudo

    "Os cientistas apontaram ainda que as medidas de isolamento social , que mantiveram as pessoas dentro de casa em diversos países, pode ter causado mais prejuízos do que benefícios no combate à pandemia.

    "Pessoas saudáveis que fossem expostas aos raios solares receberiam cargas virais menores, o que seria mais eficiente para criar uma resposta de imunização na população", aponta um trecho do estudo."


    Que estranho... Jurava que um certo presidente tinha falado algo parecido lá no início, antes de simplesmente detonarem com toda a economia e, consequentemente, a vida das pessoas.

    Aos poucos a verdade vai aparecendo. Foi um erro ter trancado todo mundo em casa.

    Governadores e prefeitos merecem, no mínimo, um impeachment coletivo. Um crime o que fizeram.
  • Alberto  23/06/2020 20:24
    O que é realmente espantoso nisso que estamos vivenciado é a regressão da inteligência.

    Sempre se soube que o sol é um potente remédio para tudo. Antigamente, quando uma pessoa adoecia, ela ficava sob o sol melhorava. O doutor Lair Ribeiro passou sua vida inteira citando os benefícios medicinais do sol. E aí agora, por pura ideologia, a imprensa resolve mentir e desinformar abertamente, apenas para conseguir pânico e, consequentemente, audiência.

    Mas pior ainda é o silêncio cúmplice da classe médica (toda ela ligada ao establishment por meio dos Conselhos, os quais o governo federal é contra).

    Cadeia é pouco para toda essa gente.
  • Sem nome  01/07/2020 13:42
    Alberto. Essa gente quer muito dinheiro,pouco trabalho e muito controle estatal para manter isso. E isso nao é exclusivo do Brasil,é mundial. Eles fazem isso pois sabem bem que se as pessoas tiverem informaçoes,se cuidarem e evitarem ir no medico ou procurarem medicina alternativa,eles perdem. No Eua,estados mais controlados por democratas tem uma medicina mais engessada,burocratica e cara,porem em estados controlados controlados por republicanos a medicia é melhor,menos burocratica,menos cara e engessada.
  • Sem nome  01/07/2020 18:37
    Alberto. Essa gente quer muito dinheiro,pouco trabalho e muito controle estatal para manter isso. E isso nao é exclusivo do Brasil,é mundial. Eles fazem isso pois sabem bem que se as pessoas tiverem informaçoes,se cuidarem e evitarem ir no medico ou procurarem medicina alternativa,eles perdem. No Eua,estados mais controlados por democratas tem uma medicina mais engessada,burocratica e cara,porem em estados controlados controlados por republicanos a medicia é melhor,menos burocratica,menos cara e engessada.
  • Lucas  24/06/2020 09:02
    Que estranho... Jurava que um certo presidente tinha falado algo parecido lá no início, antes de simplesmente detonarem com toda a economia e, consequentemente, a vida das pessoas.

    É só esperar que já-já aparece um novo "estudo" afirmando que "não há comprovação científica", só para contradizer o presidente - tal como fizeram com a hidroxicloroquina.
  • anônimo  23/06/2020 22:38

    "Apresentadora e ex-modelo disse que respeitou isolamento e não sabe como foi infectada."

    g1.globo.com/pop-arte/noticia/2020/06/23/gravida-mariana-weickert-testa-positivo-para-covid-19-ficamos-assustados-com-diagnostico.ghtml

    pros corongalovers la na rede social a culpa da quarentena gourmet da menina ser um fracasso é do entregador do ifood

    os proximos meses serao uma tentativa desesperada de salvar a narrativa do #fiqueemcasa , acompanhemos ...
  • Rafael  01/07/2020 01:01
    Pois é. E agora concluíram que a hidroxicloroquina realmente salva vidas.

    www.zerohedge.com/political/global-hydroxychloroquine-study-resume-after-positive-trial-results

    Depois de toda a campanha contrária, e exclusivamente por motivos puramente políticos, estudaram, pesquisaram, testaram e descobriram que este remédio realmente SALVA VIDAS.

    Quem assistiu à última entrevista do Alexandre Garcia com os médicos sabe.

    Quem acompanhou a situação de Belém sabe.

    Mas não sairá na mídia.
  • Felipe L.  01/07/2020 03:40
    Essa de Belém eu realmente não fiquei sabendo.
  • Judeu  01/07/2020 11:00
    Já sabem isso desde 2005. O protocolo Cloroquina + Zinco destrói o coronavírus e quanto mais cedo usar, melhor a eficácia. A grande questão é: a mídia e os políticos nunca quiseram resolver o problema da pandemia.
  • Engenheiro e Economista  01/07/2020 18:42
    O que houve com a hidroxicloroquina em Belem?


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.