clube   |   doar   |   idiomas
O Rio e o Velho Oeste

Apesar do título, a cidade do Rio de Janeiro nada tem a ver com o Velho Oeste americano. Não que não houvesse violência no Velho Oeste. Havia, mas não tanto quanto se vê no Rio em pleno século XXI.

A injustiça que abunda no Rio não abundava no Velho Oeste. Tal qual no Rio, todos os criminosos do Velho Oeste portavam armas para seus crimes. Mas, muito diferente do Rio, no Velho Oeste TODOS portavam armas, de modo que, para atacar o inocente, o criminoso precisava ser bastante astuto para não acabar liquidado.

Os criminosos do Rio atacam suas vítimas com a confiança de que o estado já fez o seu trabalho sujo de desarmar a população, garantindo assim total insegurança para as vítimas e total segurança para os assassinos.

No Rio moderno, o assassino escapa muitas vezes impune. Para o criminoso do Velho Oeste, o Rio seria um lugar verdadeiramente maravilhoso, pois a impunidade que reina no Rio não reinava no Velho Oeste. O assassino americano era rapidamente julgado e enforcado. Quando fugia, era perseguido pelo xerife e cidadãos prontos para garantir que o assassino pagasse com sua vida a vida que ele tirou. Quando o criminoso fugia para um lugar desconhecido, sua cabeça era colocada a prêmio, o que significava que qualquer pessoa que o achasse ou matasse receberia um prêmio em dinheiro.

A ética de defesa pessoal para o cidadão e a pena capital para os assassinos era, no Velho Oeste, sustentada nos princípios da Bíblia. A ética protestante (ou evangélica) governava majoritariamente a sociedade americana no século XIX. Os inocentes tinham a Bíblia numa mão e o revólver na outra.

No Rio, embora o número de evangélicos e cristãos seja enorme, não existe ética que influencie as leis a dar aos cidadãos o direito de se defender nem tire do criminoso sua existência de atividades assassinas. No Brasil em geral e no Rio em particular, na mão os inocentes só podem ter a Bíblia, ficando nas mãos de todos os assassinos os revólveres, fuzis, metralhadoras etc.

No Velho Oeste, os criminosos eram enfrentados a bala pelos próprios cidadãos, que tinham seus rifles prontos para fazer feroz resistência ao crime.

No Rio, os cidadãos se escondem das balas quando conseguem. Quando não conseguem, são atingidos, até mesmo por balas perdidas.

No Velho Oeste, bastava apenas um assassinato para o criminoso — fosse adulto ou adolescente — ganhar a forca. Não havia ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) nem defensores dos direitos dos bandidos.

No Rio, os criminosos disputam quem mata mais, e assassinos adolescentes nunca ganham cadeia, tendo garantidos seus direitos — pelo ECA — de matarem quantos cidadãos quiserem. Aos 18 anos, o ECA lhes garante soltura da instituição de reabilitação, com ficha totalmente limpa, como se eles nunca houvessem matado uma mosca em toda a vida.

É de estranhar, portanto, que no Rio haja muitos defensores dos direitos dos bandidos, fartamente pagos com dinheiro de impostos?

No Velho Oeste, o bandido tinha de pensar duas vezes antes de atacar um inocente, para não acabar ele próprio com uma bala no meio da testa.

No Rio, o bandido não precisa pensar, pois só suas vítimas acabam com uma bala no meio da testa.

No Velho Oeste, a forca era o destino certo do assassino.

No Rio, a morte é o destino das vítimas dos assassinos, que podem optar por forca, torturas e quaisquer outros sadismos que desejem aplicar às vítimas.

Entre o Velho Oeste e o Rio, eu preferiria o Velho Oeste. Lá pelo menos eu poderia me defender.

E tenho certeza de que ninguém do Velho Oeste escolheria o Rio, uma cidade verdadeiramente maravilhosa para todos os tipos de crimes.

O americano do Velho Oeste no Rio perderia automaticamente sua arma e seu direito de se defender e defender sua família, ficando completamente exposto aos criminosos muito bem armados. Se, em um caso de agressão criminosa contra sua vida, ele, por "infelicidade", conseguisse tirar do criminoso sua arma e o executasse, seria automaticamente condenado pelos grupos de direitos humanos, sempre prontos a castigar qualquer ação dos cidadãos que conseguem despachar um criminoso.

Há também as redes de televisão, que denunciam qualquer atitude indelicada contra os criminosos, garantindo assim a segurança e os "direitos humanos" deles.

No Velho Oeste, havia igualdade. O bandido andava armado e atirava. Mas todos os cidadãos também andavam armados. Eram criminosos armados contra cidadãos armados.

No Rio, a desigualdade é total. Para imensa alegria dos bandidos, somente eles andam armados. São criminosos fortemente armados contra uma população fortemente desarmada, onde o assassino se sente como raposa a solta no galinheiro. Esse galinheiro se chama Rio. Esse galinheiro também se chama Brasil.

Enquanto os assassinos do Rio torturam e matam inocentes, a vítima que consegue retribuir dez por cento ao criminoso é condenada como violadora de direitos humanos. O Rio assim virou um inferno.

Se o Velho Oeste fosse como o Rio, seria um inferno para os inocentes, e um lugar maravilhoso para os assassinos.

Contudo, o Velho Oeste não era como o Rio, de modo que os caubóis diriam: Ainda bem que não estamos no Rio!

Por amor à justiça e aos inocentes, eu diria: Que pena que o Rio não é como o Velho Oeste!


Nota:
 
Esse texto foi revisto por um amigo cujos antepassados viviam no Velho Oeste. Por gerações, sua família tem tido armas. Ele próprio teve uma AK-47, mas como cristão ele me disse que não a usaria para se defender, mas para defender sua família e outros. Os cidadãos brasileiros não têm permissão de ter um AK-47 ou armas menos potentes. Contudo, os criminosos do Brasil têm armas muito mais potentes do que um AK-47!


ak47.jpg

Originalmente publicado no blog do autor.

________________________________________________________________


Leituras complementares:


O anárquico Velho Oeste não era nada selvagem


Veja também todos os nossos artigos sobre desarmamento





autor

Julio Severo
é ativista conservador.

CATEGORIA
  
POST POR DATA
comentários (19)

  • Cristiano  30/11/2010 16:38
    Parabéns ao autor do artigo e ao Instituto Mises por serem as unicas vozes a clamar contra esse absurdo que é a proibição (ou difucltarem ao máximo) do porte de armas.
  • 9x.9K  30/11/2010 18:42
    Igualdade é a solução! E todo homem é igual com uma arma na mão!
  • Ricardo  12/12/2010 18:31
    Nos EUA é fácil comprar arma e munição, há pena de morte, e o crime campeia. No Canadá, não. Qual dos dois seria o melhor modelo para o Brasil?
  • Leandro  12/12/2010 18:39
    No Brasil é praticamente proibido comprar armas e munição, não há pena de morte e a nossa taxa de homicídios, de 50 mil por ano, faz a dos EUA parecer nula.

    Aliás, cadê suas estatísticas de criminalidade para os EUA? Compare-as com as do Brasil.

    Pela experiência que eu tenho, as áreas violentas dos EUA estão justamente naqueles estados e regiões que dificultam a posse no armas. Washington e Chicago, por exemplo. Já no Texas, onde está todo mundo armado, a criminalidade é quase nula. Nos estados do sul também.

    E eu só não vou mencionar a Suíça e sua taxa de um fuzil por casa para a discussão não perder qualquer resíduo de equilíbrio.

    Abraços!
  • Fernando Chiocca  12/12/2010 19:25
    Qual o melhor "modelo"? Esse aqui ou não estar armado e dar um telefonema e esperar que funcion[arios públicos apareçam no local?

    Mas isto, Ricardo, não é uma questão para você resolver pelos outros. O dono dessa casa do vídeo está pouco ligando para seu "grande modelo".

    # My freedom is more important than your great idea. - Anonymous
  • Rhyan Fortuna  12/12/2010 19:34
    Que nem uma propaganda que vi para mulheres:

    "Se alguém for te estuprar você prefere se defender com isso (camisinha) ou isso (revólver)?

    Qual dessas opções vai deixar o estuprador com vontade de voltar?"

  • paulo  01/10/2013 13:30
    gostaria tanto de poder ter direito a igualdade para mer defender de bandidos...que pena viver num pais lindo mas ter medo de poder viver nele...queria que fosse igual ao velho oeste
  • Josias Luna  07/02/2014 19:53
    Excelente. Vou compartilhar no Facebook.
  • Felipe Alves  09/02/2014 01:23
    E quem disse que com a população tendo armas vai resolver alguma coisa? Sinto muito, mas vou ter que discordar!! É agregar um problema a outro, será que vocês pensaram bem antes de publicar esse artigo? Primeiro, resolver o problema da miséria em nosso país diminuiria consequentemente a quantidade de roubos. Segundo, quando vocês falam bandidos abrangem muitos outros, pois de forma generalizada existem aqueles que roubam por não ter outra opção e que ficam realmente à margem da sociedade, não há apenas aquele que estupra e mata por prazer... assim é o mesmo que dizer "bandido bom, é bandido morto", isso no caso quando não for um parente seu que rouba pra sustentar o vício em drogas ou porque é incitado por outros bandidos ao mundo do crime. Se há violência exacerbada a culpa é do Governo sim que não se habilita a cuidar das fronteiras do território nacional, evitando assim o contrabando de armas, vindos de países vizinhos... Armas para a população? Sério? E quando uma criança morre por causa disso, por acidentes domésticos, e os casos de suicídio com armas de fogo? Vocês pensaram nisso? Eu não tó aqui defendendo bandido e muito menos o crime, mas uma sociedade democrática, tem que saber pensar antes de agir. A eficácia de uma polícia bem treinada, e não militarizada como o FBI e a CIA, serve de exemplo para muitos países, esqueceram que também nossos policiais estão corrompidos e que também se voltam contra a própria população? É precisa mudar muita coisa, mas como na ideia de Velho Oeste não... "olho por olho e dente por dente, como diria o código de Hamurabi, também não resolve nada!
  • Paul Kersey  09/02/2014 01:59
    Uma das commodities mais escassas neste país é o pensamento original. Veja esse Felipe, por exemplo. O sujeito é incapaz de produzir uma única frase que não seja eivada de lugar-comum; uma única frase que não tenha saído diretamente de um manual de militante do DCE.

    Vamos dissecar o pensamento do cidadão.

    "E quem disse que com a população tendo armas vai resolver alguma coisa?"

    Eu não falo em nome "da população", essa coisa amorfa. Falo apenas em meu nome. E eu quero ter o direito de poder comprar uma arma sem burocracias e sem encherão de saco para defender a minha família. Você deixa, Felipe.

    "Sinto muito, mas vou ter que discordar!!"

    Discorda por quê? Quem você pensa que é para me proibir de proteger a minha família?

    "É agregar um problema a outro, será que vocês pensaram bem antes de publicar esse artigo?"

    E voce? Será que você sequer pensou antes de vir aqui expor a sua paixão pelo totalitarismo?

    "Primeiro, resolver o problema da miséria em nosso país diminuiria consequentemente a quantidade de roubos."

    Essa é uma das opiniões mais reacionárias que já vi. Você está explicitamente dizendo que pobre ladrão, e que a solução para acabar com a violência e com os roubos é acabar com a existência de pobres. Você aparentemente desconsidera que os maiores roubos deste país são efetuados por burocratas extremamente ricos, que trabalham para o estado. Para esses, você não apenas dá um passe livre, como ainda sustenta que apenas eles (por meio de sua polícia)podem ter armas. Você é um ser abjeto e desprezível.

    "Segundo, quando vocês falam bandidos abrangem muitos outros, pois de forma generalizada existem aqueles que roubam por não ter outra opção e que ficam realmente à margem da sociedade,"

    Mais reacionarismo insano da sua parte. Você está dizendo que, quando o pobre não encontra um emprego com carteira assinada, ele já pensa em sair assaltando todo mudo. Simplesmente não passa pela sua cabeça disforme a idéia de que tais pessoas poderiam perfeitamente fazer vários biscates, nem que seja sendo flanelinha ou pedinte de sinal (duas atividades, aliás, extremamante rentáveis). Não passa pela sua cabeça que quem recorre ao crime é um degenerado que quer ganhar a vida facilmente, e que irá despreocupadamente aterrorizar famílias porque sabe que poderá contar com idiotas úteis como você, que irão sair em seu socorro com essas teorias sociológicas de merda.

    "isso no caso quando não for um parente seu que rouba pra sustentar o vício em drogas ou porque é incitado por outros bandidos ao mundo do crime."

    Ou seja, o sujeito é duplamente um derrotado. Além de usar drogas (coisa de fracos e covardes), ele ainda pratica crimes só porque foi "incitado" por outros bandidos. Ora, um merda desses é incorrigível. Por que eu não posso nem sequer me defender de um bosta desses com uma arma?

    "Se há violência exacerbada a culpa é do Governo sim que não se habilita a cuidar das fronteiras do território nacional, evitando assim o contrabando de armas, vindos de países vizinhos..."

    Enquanto os AR-15 estão indo para os criminosos, um fdp como você quer me proibir de comprar um simples .38. Você não tem vergonha de defender a bandidagem de forma tão descarada?

    "Armas para a população? Sério?"

    Armas para mim. Muito sério.

    "E quando uma criança morre por causa disso, por acidentes domésticos, e os casos de suicídio com armas de fogo? Vocês pensaram nisso?"

    E quando uma criança morre ao brincar com uma faca? Já pensou nisso? E quando ela morre por vazamento de gás? Já pensou nisso?

    A propósito, após essa sua impecável linha de argumentação, fiquei curioso: seus pais eram irmãos?

    Ah, cansei. Volta aí pros seus gibis da Turma da Mônica, vai.

  • Felipe Alves  09/02/2014 21:22
    Por quê estou sendo execrado aqui, com xingamentos sobre minha pessoa, sendo que em nenhum momento usei tais palavras para denegrir a argumentação do autor? É assim que você se acha pleno em uma "discussão civilizada?".

    E ainda por cima não sabe interpretar o que eu disse, pondo "palavras em minha boca"!
    Não disse que quem comete crimes são somente os pobres (tá louco? Onde eu disse isso?), mas a MAIOR PARTE (não totalmente) dos crimes acontecem por pessoas de classe baixa, vai dizer que é mentira? Não tô falando de CRIMES DE COLARINHO BRANCO, aqueles em que seu político rouba por debaixo dos panos, crimes acontecem em diferentes graus e em diferentes classes sociais, FALO DE CRIMES NO SENTIDO DE ASSASSINATOS E ROUBOS A BANCO.

    Você tentou refutar minha argumentação sobre a defesa do território, mas não deu em nada, pois você tendo uma "misera 38" realmente não vai resolver o problema das fronteiras, certo? E mesmo assim, se você tivesse uma AK-47, acha que vai resolver o problema do contrabando?

    Eu citei de modo geral, se você quer ter uma arma, problema seu, falei apenas das consequências de tal ato se for distribuídas há uma população ignorante que não recebeu nenhum conhecimento prévio de treinamento com arma de fogo. ATÉ POLICIAIS FEDERAIS PASSAM POR UM RIGOROSO TREINAMENTO! Veja este exemplo: Por acaso a lei te deixa dirigir sem carteira de habilitação? Está ou não está sujeito de matar outros indivíduos com esse ato? Visto que o automóvel nas mãos de quem não é habilitado também se torna uma arma? Isso também acontece até com quem é habilitado mas dirige depois de consumir bebidas alcoólicas, infelizmente!

    Para de ser egoísta e não pense só em si. Existem outros meios de se resolver a criminalidade sem o uso doméstico de armas de fogo. Existem outros países como o Brasil que não adotam armas de fogo e o indicie de criminalidade é baixo. Não estou sendo utópico, mas pensando de forma mais racional sobre o caso.

    Sei que o medo da violência é grande, decorrente de um crescimento exacerbado da população e se tratando de cunho histórico, criou-se sistemas de proteção com o mundo exterior, hoje vivemos praticamente em uma prisão, muros altos, alarmes, cercas elétricas etc.

    Não, minha linha de pensamento não é socialista e muito menos comunista, visto que se você é uma pessoa esclarecida, saberia que ambas em uma sociedade como a nossa, se trata de uma grande utopia.(Pobre Marx, eles não sabem o que falam!)

    Se existisse um treinamento antes para a pessoa que portasse arma, OK, não vejo problema, o problema é justamente se as pessoas inconsequentes tivessem porte de armas. (E falo isso independente de qualquer classe social).

    PS.: Aprenda antes de tudo, argumentar pacificamente, pois você não me conhece. Respeito é bom e todo mundo gosta!
  • Gunnar  19/08/2015 16:43
    " o problema é justamente se as pessoas inconsequentes tivessem porte de armas"

    Por favor explique melhor por quê uma pessoa inconsequente iria perder tempo e dinheiro comprando uma arma legal, pagando os impostos e taxas e registrando a dita-cuja, ao invés de comprar uma arma ilegal, como todos os bandidos já fazem hoje?

    Fico no aguardo.
  • Guilherme  09/02/2014 22:33
    É sempre assim. O sujeito vem aqui defendendo totalitarismo, defendendo o confisco de propriedade e querendo proibir o livre arbítrio. Aí, quando ele toma uma merecida traulitada -- e, no caso da dada pelo Paul Kersey, uma bem completa e fundamentada --, ele sai gemendo, dizendo que foi mal compreendido e que seu interlocutor tem de ser mais delicado.

    Curiosamente, ele próprio não teve delicadeza nenhuma ao vir aqui dizendo que defende que o governo me proíba de comprar uma mísera arma para defender minha família e minha propriedade. Ele não teve delicadeza nenhuma ao dizer que eu tenho de terceirizar minha segurança para burocratas do governo, e que, se eu não fizer isso, tenho de ir para a cadeia.

    Acho que o Kersey foi ainda muito educado com este cidadão. Quem defende totalitarismo, quem defende a supremacia do estado sobre o indivíduo tem mais é que ser destratado mesmo. Não há diálogo possível com esta gente (e o sujeito ainda diz ter simpatias por Marx, o criador da teoria mais genocida da história!)
  • Felipe Alves  10/02/2014 20:35
    Pois eu acho incrível mais a inda a capacidade que os outros tem de julgar! Quando é que eu disse que defendo um governo totalitário? Coisa mais feia ficar colocando palavras em minha boca! E se vc tivesse um mínimo conhecimento sobre Marx, saberia que foram os países que deturparam a sua doutrina. E mais, não saio xingando os outros, argumentação não é feita com insultos.
    Aprenda que temos pensamentos diversos e eu apenas dei a minha opinião. Sou contra o porte de armas a uma população ignorante sim. Se você acha que tudo se resolve com selvageria e baderna, é bom não pensar com uma mente tão medieval!
  • Gunnar  19/08/2015 16:39
    "Quando é que eu disse que defendo um governo totalitário?"

    Aqui:

    "Sou contra o porte de armas a uma população ignorante sim. "
  • anônimo  11/02/2014 13:27
    Felipe Alves, o seu conhecimento sobre Marx é que é um mínimo. Vá estudar, daí quem sabe você entenda o motivo da aspereza das respostas:

    Artigos sobre o assunto 'Marxismo'
    www.mises.org.br/Subject.aspx?id=43
  • Thiago  14/02/2018 18:53
    Oito anos depois, e o texto permanece atual...
  • Renegado  22/03/2018 16:46
    Sem mais..
  • Brunoalex4  18/08/2018 13:03
    Coloquem esse texto no topo novamente!


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.

Nota Oficial

Por Equipe IMB - 03/04/2020

/ palavra do presidente

Dicas de conteúdo do IMB para este período

Por Equipe IMB - 20/03/2020

IMB contrata assistente operacional

Por Equipe IMB - 16/01/2020