clube   |   doar   |   idiomas
A esquerda “anti-fascista” tem muito em comum com os fascistas originais
Ela não é oponente do fascismo, mas sim uma genuína representante

As ideias anti-capitalistas são hoje propagadas de maneira mais colérica por integrantes de movimentos ditos progressistas e "anti-fascistas".

Mas eis a grande ironia: embora estes auto-proclamados anti-capitalistas (e declarados "inimigos da direita") se rotulem de "anti-fascistas", a realidade é que, mais do que qualquer outra ideologia, o fascismo é exatamente o que caracteriza suas idéias.

Mas, afinal, o que é o fascismo e qual o conteúdo desta ideologia?

O "Manifesto Fascista"

O Manifesto Fascista foi proclamado em 1919 por Alceste De Ambris e Filippo Tommaso Marinetti.

Em seu panfleto, os autores defendiam a implantação de um salário mínimo estipulado pelo governo e de uma jornada de trabalho de apenas oito horas diárias (um valor pequeno à época). Defendiam também que os trabalhadores tivessem representantes no alto escalão administrativo das indústrias e que os sindicatos tivessem o mesmo poder decisório que os executivos do setor industrial e os funcionários públicos.

Os autores do Manifesto Fascista também exigiam um imposto de renda progressivo (alíquotas mais altas para quem ganhasse mais), seguro-invalidez bancado pelo estado, e outros tipos de benefícios sociais, além da redução da idade de aposentadoria.

Mais: o Manifesto exigia o confisco da propriedade de todas as instituições religiosas, bem como a estatização da indústria de armas.

E não parava por aí: os autores do Manifesto Fascista também defendiam a criação de um sistema corporativista de "Conselhos Nacionais" (semelhantes aos sovietes), os quais seriam formados por especialistas eleitos por suas respectivas organizações profissionais, os quais teriam poderes legislativos em suas respectivas áreas.

Finalmente, De Ambris e Marinetti exigiam um pesado imposto progressivo sobre os lucros e os ganhos de capital com o intuito de expropriar uma fatia de toda a riqueza dos capitalistas.

Em 1922, o socialista Benito Mussolini ascendeu ao poder na Itália sob o estandarte do fascismo, e prontamente colocou em prática grande parte deste programa fascista que havia sido proclamado no Manifesto alguns anos antes.

Comparado ao Manifesto Comunista

Uma comparação com o Manifesto do Partido Comunista, escrito por Marx e Engels, e publicado em 1848, revela a relação siamesa entre fascismo e comunismo.

O Manifesto Comunista de 170 anos atrás apresentava 10 medidas necessárias para que um país se tornasse socialista. Dentre elas:

  • Imposto de renda fortemente progressivo.
  • Centralização do crédito nas mãos do Estado, por meio de um banco nacional com capital do Estado usufruindo monopólio exclusivo.
  • Centralização, nas mãos do Estado, de todos os meios de comunicação e transporte.
  • Unificação do trabalho agrícola e industrial com o objetivo de eliminar gradualmente o contraste cidade e campo.
  • Educação gratuita para todas as crianças nas escolas públicas, eliminação do trabalho infantil nas fábricas em sua forma atual, e unificação da educação com a produção industrial.

Todos estes itens foram implantados pelos fascistas.

Ainda de acordo com o Decálogo Comunista, os itens que faltavam para que o socialismo pleno fosse alcançado sob o fascismo eram:

  • Expropriação da propriedade sobre a terra e aplicação de toda a renda obtida com a terra nas despesas do Estado. (Item 1)
  • Confisco da propriedade de todos os emigrantes e rebeldes. (Item 4)
  • Trabalho obrigatório para todos. Criação de exércitos industriais, em especial para a agricultura. (Item 8)

Mas melhora. Tanto os comunistas quanto os fascistas serviram de inspiração aos nazistas, que copiaram suas idéias no programa oficial do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, lançado em 1920.

As exigências do Partido Nazista

O próprio Adolf Hitler em pessoa estava presente quando os 25 pontos do programa do Partido Nazista foram anunciados no dia 24 de fevereiro de 1920. O termo nazismo já dizia tudo: era a abreviação de NSDAP, que significa Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei (Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães).

Em 1925, a Assembléia Geral do NSDAP declarou que o programa lançado em 1920 era "imutável". E, em 1941, Adolf Hitler determinou que todos os futuros líderes do Reich deveriam jurar obediência aos 25 pontos.

O Programa do Partido Nazista incluía demandas como:

  • Socialização de empresas monopolistas
  • Municipalização de grandes lojas de departamento
  • Expropriação de terras para propósitos caritativos
  • Proibição da especulação imobiliária
  • Expansão de todo o sistema educacional estatal
  • Um abrangente sistema de escolas públicas gratuitas, com generosos estipêndios e bolsas estudantis
  • Defesa do meio ambiente em conjunto com a promoção da saúde e do preparo físico da população

Em particular, o programa do Partido Nazista exigia:

  • abolição do "rentismo", isto é, a renda fácil não-oriunda do trabalho (item 11)
  • confisco dos lucros oriundos de atividades de guerra (item 12)
  • estatização de todas as empresas monopolistas (item 13)
  • distribuição dos lucros das grandes empresas (item 14)
  • generosa expansão de pensões e aposentadorias (item 15)
  • criação de uma classe média saudável (item 16)
  • reforma agrária adaptada às necessidades nacionais; criação de uma lei para a livre expropriação de terras para propósitos caritativos. Abolição do consumo da terra e proibição de toda e qualquer especulação imobiliária (item 17)

No item 20, o programa do partido exigia que "o estado deve garantir que todo o nosso sistema educacional nacional seja completamente expandido" por meio de um amplo sistema de subsídios para a educação.

No item 21, o programa estipulava que "o estado tem o dever de ajudar a elevar o padrão da saúde nacional fornecendo centros de maternidade, proibindo o trabalho adolescente, aumentando a capacitação física por meio da introdução compulsória de jogos, olimpíadas e ginásticas, e encorajando ao máximo possível a formação de associações voltadas para a educação física dos jovens".

Os nazistas defendiam a criação de um "Exército Popular" — nada diferente daquilo que, mais tarde, os socialistas implantariam na Ásia e no Leste Europeu.

Não há diferença

Essa seleção de demandas existentes nas plataformas dos socialistas, fascistas e nazistas mostra o alto grau de similaridade entre as linhas de pensamento dessas três ideologias.

Aquilo que os socialistas expressam em seu slogan 'de cada qual, segundo suas capacidades; a cada qual, segundo suas necessidades' é igual à máxima nazista de que 'o bem comum vem antes do bem privado'('Gemeinnutz vor Eigennutz') e igual ao lema fascista do 'tudo dentro do estado, nada fora do estado, nada contra o estado'.

Não é surpresa nenhuma que governos socialistas, fascistas e nacional-socialistas tenham agido como regimes repressores que não geraram nem prosperidade e nem paz, mas sim miséria, supressão de direitos humanos básicos e guerras.

Os atuais movimentos socialistas, que se definem como progressistas e anti-fascistas, simplesmente utilizam uma falsa terminologia para esconder sua verdadeira agenda. Ao mesmo tempo em que se rotulam "anti-fascistas" e declaram que o fascismo é seu inimigo, esse movimento "anti-fascista" é, essencialmente, fascista. Seus membros não são oponentes do fascismo, mas sim seus genuínos representantes.

Conclusão

No final, comunismo, socialismo, nazismo e fascismo são rótulos que se unem sob o estandarte do anti-capitalismo e do anti-liberalismo. São contra o indivíduo, contra a propriedade privada, e contra a liberdade empreendedorial.

O movimento progressista "anti-fascista" é, em si mesmo, um movimento fascista. O inimigo desse movimento não é o fascismo, mas sim a liberdade, a paz e a prosperidade.

__________________________________________

Leia também:

Cinco coisas que Marx queria abolir (além da propriedade privada)

O que os nazistas copiaram de Marx

Afinal, os nazistas eram capitalistas, socialistas ou "terceira via"?



autor

Antony Mueller
é doutor pela Universidade de Erlangen-Nuremberg, Alemanha (FAU) e, desde 2008, professor de economia na Universidade Federal de Sergipe (UFS), onde ele atua também no Centro de Economia Aplicada. Antony Mueller é fundador do The Continental Economics Institute (CEI) e mantém em português os blogs Economia Nova e Sociologia econômica




  • Aquele que enxerga  02/04/2018 16:02
    No espectro da ideologia existe apenas a liberdade, num extremo, e vários níveis de controle via força/violência, até chegar ao extremo oposto, que é a escravidão total.

    Existe apenas a liberdade e vários níveis de escravidão via força/violência.

    A liberdade sempre significou liberdade em relação à coerção. Liberdade em relação ao estado. Liberdade em relação àqueles que querem iniciar violência e coerção contra você. Liberdade em relação àqueles que querem confiscar sua propriedade. Liberdade em relação àqueles que querem escravizar você.

    Nós não abolimos a escravidão. Apenas colocamos um adorno sobre ela e a colocamos sob nova direção.

    Mesmo os escravos do século XIX tinham um certo nível de liberdade. Os senhores de engenho descobriram que os escravos seriam mais produtivos se tivessem um pouco mais de liberdade, e então criaram um sistema escravagista que confundia os escravos fazendo-os pensar que eram livres (pois tinham moradia e alimentação gratuitas, coisas que alguns escravos imaginavam que não iriam conseguir caso a escravidão fosse abolida).
  • Marcelo  27/12/2019 11:24
    A única diferença entre fascismo e comunismo é que o primeiro é nacionalista e o segundo é expansionista.
    Foi só uma estratégia para vencer a resistência comunista na Itália.
  • guilherme  04/06/2020 19:12
    Caros amigos,
    Digo-vos que a diferenciação entre as três ideologias é bastante evidente. Entretanto, logicamente, é de fácil constatação que ambas as ideologias provém do Marxismo, sendo, portanto, coletivistas e centralizadoras ("tudo para o Estado nada contra ele"). Com isso, para melhor informá-los cito-vos a diferença que, na minha opinião, é a mais importante de se conhecer: O MOTOR DA CENTRALIZAÇÂO. Nesse sentido, vê-se que quando analisamos o comunismo é fácil perceber que essa centralização está nas mãos do "povo", pois este é a fase final do governo, em que todos devem seguir aos mesmos princípios, assim sendo, não há diferenciação entre países, regiões ou até culturas. Os seres são parte uníssona que grita por uma só voz ("foda-se o individuo", claro que o poder fica nas mãos de uma minoria que só receber o dinheiro do seu imposto). Por outro lado, tratando-se do Fascismo esse poder não está mais nas mãos do governo "povo", mas sim na de um grupo de seres guiado pelos interesses do Duce, onde sempre preza-se por um nacionalismo forte , um xenofobismo e um sentimento de liberdade (dado pelo fato da propriedade privada não ter sido totalmente abolida, como ocorre na fase final do socialismo, o comunismo), no entanto, claro que essa minoria, tirando-se os pontos já mencionados, age meio que da mesma forma que no socialismo. Por fim, o último movimento, o Nazismo, é nada mais que um rearranjo socialista, em que diferencia-se deste pelo fato do poder estar nas mãos do fuhrer, homem "escolhido por Deus" para guiar os interesses da nação. Dessa forma, assim como no fascismo, o nazismo pauta-se em um nacionalismo, xenofobismo e crença na superioridade étnica das pessoas pertencentes ao Império.
    Espero ter expandido a visão de vocês com essa explicação
    Um abraço, Guilherme
  • Hans  04/06/2020 19:49
    Você está errado quanto ao comunismo. Nunca houve "povo" no comunismo.

    Marx profetizou que o estado desapareceria sob o comunismo. Só que ele nunca explicou como ou por que isso iria acontecer.  Sua teoria era bizarra.  Ele dizia que, para abolir o estado, era necessário antes maximizá-lo. A ideia era que, quando tudo fosse do estado, não haveria mais um estado como entidade distinta da sociedade; se tudo se tornasse propriedade do estado, então não haveria mais um estado propriamente dito, pois sociedade e estado teriam virado a mesma coisa, uma só entidade — e, assim, todos estariam livres do estado.

    O raciocínio é totalmente sem sentido.  Por essa lógica, se o estado dominar completamente tudo o que pertence aos indivíduos, dominando inclusive seu corpo e seus pensamentos, então os indivíduos estarão completamente livres, pois não mais terão qualquer noção de liberdade — afinal, é exatamente a ausência de qualquer noção de liberdade que o fará se sentir livre.

    Igualmente, Marx nunca mostrou como o sistema de produção poderia ser organizado nessa etapa suprema do comunismo, na qual não haveria nem um livre mercado e nem um planejamento centralizado pelo estado.  Ele nunca forneceu qualquer detalhe sobre como seria uma sociedade comunista, exceto em uma breve passagem que foi publicada em um livro escrito conjuntamente com Engels e com o homem que os havia apresentado em 1843, Moses Hess. O livro foi intitulado "A Ideologia Alemã" (1845).  Só foi publicado em 1932.  Hess jamais ganhou créditos por sua co-autoria, mas parte do manuscrito aparece em sua coletânea de escritos.

    Eis a descrição do comunismo:

    Assim que a distribuição do trabalho passa a existir, cada homem tem um círculo de atividade determinado e exclusivo que lhe é imposto e do qual não pode sair; será caçador, pescador, pastor ou um crítico, e terá de continuar a sê-lo se não quiser perder os meios de subsistência

    Na sociedade comunista, porém, onde cada indivíduo pode aperfeiçoar-se no campo que lhe aprouver, não tendo por isso uma esfera de atividade exclusiva, é a sociedade que regula a produção geral e me possibilita fazer hoje uma coisa, amanhã outra, caçar da manhã, pescar à tarde, pastorear à noite, fazer crítica depois da refeição, e tudo isto a meu bel-prazer, sem por isso me tornar exclusivamente caçador, pescador ou crítico.

    Esta fixação da atividade social, esta petrificação do nosso próprio trabalho num poder objetivo que nos domina e escapa ao nosso controlo contrariando a nossa expectativa e destruindo os nossos cálculos, é um dos fatores principais no desenvolvimento histórico até aos nossos dias.



    E foi só.

    Ou seja: não obstante o fato de que há aproximadamente 70 volumes das obras de Marx e Engels, essa é a passagem mais longa que descreve o funcionamento de uma sociedade comunista e de como seria a vida sob esse arranjo. Piada total.
  • Guilherme  02/04/2018 16:06
    Seriam os atuais socialistas a terceira onda dos fascistas? Tipo, Mussolini (que era do Partido Socialista) foi a primeira onda. Hitler (também do Partido Socialista) foi a segunda onda. É correto dizer que os atuais socialistas (que utilizam uma linguagem mais progressista, porém igualmente totalitária, redistributivista e "socialmente consciente") são a terceira onda?
  • Boulos  02/04/2018 16:21
    Fascista! Em nome da tolerância, não irei tolerar a sua intolerância!
  • shadow  17/10/2018 11:38
    Você é o fascista por ter um intelecto de um ser bestializado, não duvido nada. Você deve ter um conhecimento de um rinoceronte.... Você deve ser um analfabeto intelectual e funcional, por sinal, ainda tem problemas de alta agressividade. Você deveria estudar, ver que venezuelanos estão fugindo para o Brasil, isso ta afetando o Brasil. Comunismo nunca deu certo em lugar nenhum.
  • Trader  28/07/2020 04:41
    Brasileiros também fogem do Brasil muito antes dos militares.
  • Trader  02/04/2018 16:27
    Não tinha percebido isso, mas parece fazer bastante sentido.
  • Ulysses  02/04/2018 16:23
    "Os fascistas do futuro serão chamados de anti-fascistas" - autor desconhecido.
  • Marcos  02/04/2018 17:49
    Winston Churchill
  • Adolfo  22/07/2019 17:08
    Só que não!!!
  • Bento  03/06/2020 23:31
    Tem que colocar "autor desconhecido" porque os esquerdistas não conhece Winston Churchil. kkk.
  • Rodrigo  19/06/2020 02:03
    A questão é que o Churchill realmente nunca disse isso.
  • Drink Coke  19/06/2020 14:50
    Churchil não disse isso, mas disse algo muito mais interessante sobre facismo e comunismo:

    "Churchill said communism and fascism reminded him "of the North Pole and the South Pole. They are at opposite ends of the earth, but if you woke up at either Pole tomorrow morning you could not tell which one it was"

    winstonchurchill.org/publications/churchill-bulletin/bulletin-122-aug-2018/churchillian-drift/
  • Emerson  02/04/2018 16:26
    Coletivismo: a total submissão do indivíduo e seus direitos naturais "às necessidades do povo (nação)". Você existe para glorificar a sociedade, e é em nome dela que toda a sua individualidade é abolida (e você é aniquilado caso não aquiesça).

    Comunismo, socialismo, fascismo, nazismo e progressismo: no fundo, é tudo exatamente a mesma coisa.
  • Jairdeladomelhorqptras  26/12/2019 19:16

    Caro Eemerson,

    Incluiria entre os teus "ismos" o "militarismo". Creio que não existe um sistema político-ideológico chamado militarismo. De qualquer maneira os militares, por definição, são coletivistas.
    Historicamente temos o caso de Esparta (cidade-estado militarista), cujas crianças eram cedidas ao Estado.
    E onde regimes baseados na força militar foram implantados a liberdade individual sempre sofreu.
    Abraços
  • César  30/12/2019 21:13
    Não é o caso do Brasil. O militar aqui teve e tem outras funções, que não as políticas de Estado. A tomada do poder em 64 foi uma emergência dado ao descontrole do governo e da própria sociedade desgovernada!... O episódio justificou-se, na necessidade de barrar a implantação do socialismo no país, tanto que, vinte anos depois a administração do Estado foi devolvida, melhor organizada, à sociedade!...
  • Drink coke  31/12/2019 20:21
    "administração do Estado foi devolvida, melhor organizada, à sociedade"

    Tu estás de brincadeira? devolveram o governo com uma crise monetária que só seria resolvida com o plano real e as reformas administrativas. Seria melhor ter deixado Jango afundar o país, ao menos hoje não teriamos esse monte de esquerdistas velhos que ascendaram a elite política, cultura e acadêmica do país graças a oposição aos militares
  • Rodrigo de Castro Morais Filho  05/06/2020 09:36
    Sim, também endosso essa tese de que os militares abriram caminho pra nova esquerda no Brasil.
  • Amante da Lógica  02/04/2018 16:33
    "De cada qual, segundo suas capacidades; a cada qual, segundo suas necessidades" cria incentivos para que o sujeito demonstre a mínima capacidade e a máxima necessidade.
  • 4lex5andro  03/04/2018 16:26
    É o anagrama daquele experimento em sala de aula, onde as notas de toda a classe eram somadas e depois divididas, e no final, tanto os estudiosos quanto os irresponsáveis acabavam com a mesma nota no boletim.

    Continuando nesse raciocínio, como seria se este 'método' valesse nos cursos das universidades, onde a maioria dos DCE e a UNE estão a disposição dos partidos comunas do Brasil?

  • anônimo  02/04/2018 16:44
    A partir do momento que os socialistas atuais perceberam que abolir a propriedade privada e tabelar preços de produtos é o caminho inevitável pro colapso econômico, mas ainda abraçam os outros pontos socialistas, eles escolheram o caminho do fascismo. Só ver os exemplos da Rússia e China.
  • Souza  02/04/2018 18:07
    A partir do momento que a esquerda moderna abandonou o marxismo e abraçou o intervencionismo, ela virou o que tanto demonizava.
  • Kira  02/04/2018 16:58
    Comunismo, Facismo, Nazismo, consistem todos de meios mais ou menos diferenciados de atingirem o mesmo objetivo final, que é uma espécie de biopolítica, onde o indivíduo é substituído pelo coletivo.

    O mais curioso é ver excressências como "O bem comum vem antes do bem privado" O que os idiotas não percebem é que, a sociedade é nada mais do que um conjunto de indivíduos privados, interagindo entre si, se o bem privado não vier antes de qualquer "bem comum" bem algum virá, e indivíduo algum terá direito algum, pois não existe "coletivos" existem indivíduos, se o direito privado não é prioridade o direito de ninguém será prioridade, pois o que sobrará? se a prioridade não está no bem privado dos indivíduos onde está esse bem, visto que a sociedade é nada mais que isso, um conjunto de indivíduos? estará no construto abstrato imaginário de ditadores? bem comum, é nada mais que o espantalho usado por uma minoria de perversos para direcionar a vontade deles sobre outros indivíduos pela força e somente pela força e coerção do estado.
  • marco antonio Lopes  23/07/2019 11:57
    Simples assim.
  • Marcelo  27/12/2019 18:02
    Fascismo = coletivismo e nome do Estado.
    Comunismo = coletivismo e nome das classes sociais.
    Nazismo = coletivismo em nome da raça.
    Enquanto o capitalismo luta para proteger a esfera de liberdade individual do cidadão frente ao Estado, o esquerdismo coletivista luta para sujeitar o indivíduo, anulando a individualidade e neutralizando a inteligência em prol de um coletivo dominado pelos seus administradores sociais.
  • Insurgente  02/04/2018 17:05
    Off topic

    No contexto ambiental, qual seria as premissas liberais para o tema?
  • Insurgente  03/04/2018 19:47
    Vladimir, agradeço a atenção dispensada!
  • Lucas-00  13/10/2018 18:12
    Ué, ele te deu os links e vc acha que ele te dispensou kkkkk
  • Rodrigo Wettstein  14/10/2018 16:49
    Acho que ele falou em dispensada no sentido de "concedida". E você pensou em despendida em confronto com dispendida, que não existe. "O medicamento foi dispensado de obrigações legais" em confronto com o sentido de "Este medicamento foi dispensado pelo farmacêutico ao paciente". Língua portuguesa é uma tortura e nem sei se estou correto.
  • Insurgente  15/10/2018 15:11
    Sugiro que releia sobre aposto, vocativo e uso de vírgulas.

  • WDA  27/12/2019 12:50
    Uai, o Insurgente mostrou-se agradecido e expressou seu agradecimento em bom português. E eis que vem um doido reclamar! O analfabetismo é mesmo um problema no Brasil...
  • keila lopez  02/04/2018 19:16
    Fascistas eram aqueles agroboys que bloquearam estradas com suas caminhonetes importadas e atacaram até onibus de linha que nao tinha nada a ver com a história. E são fascistas porque queriam impedir o livre transito e manifestação de ideias de um homem que implementou políticas sociais que tirou milhoes de brasileiros da miséria. Quem não tem argumentos parte pra ignorancia mesmo.
  • danir  03/04/2018 14:46
    Por favor Keila Lopez, contextualize para que possamos entender. Se você está falando de um grupo de agricultores (que sustentam a economia do pais) que estavam protestando (sem usar de violência), contra as ações políticas de um homem que está condenado em segunda instância em um dos vários processos que estão em andamento contra ele; então eu NÃO concordo com você. Se você está falando de algum grupo de guerrilheiros, que invadem propriedades rurais produtivas, agridem e até matam, além de se arrogarem a denominação de exército daquele criminoso condenado, então EU ESTOU com você. Por favor contextualize e coloque seus argumentos, para que se possa discutir a respeito.
  • keila lopez  03/04/2018 15:44
    acho que a direita cansou dessa tal de democracia. Quando as chances politicas da direita dependem da prisão de um homem, é porque chegaram ao fundo do poço. Sabem que nao vão poder contar com os votos do povo, então a esperança é o tapetão.
  • Karna  03/04/2018 18:07
    A direita eu não sei, mas os libertários odeiam a democracia, mesmo...
  • keila lopez  03/04/2018 19:17
    do dicionário Aurélio: democracia: Governo em que o povo exerce a soberania, direta ou indiretamente.

    karna, eu ja sei que os libertarios odeiam a democracia, odeiam o povo, não é novidade. Ainda vem que vcs ao menos admitem isso.
  • Rafael  03/04/2018 19:46
    Só otários acreditam nisso. A democracia é exatamente a abolição da soberania. A democracia é a espoliação da minoria pela maioria. A democracia é a anulação do indivíduo em prol da turba. Na democracia, apenas os larápios e espertalhões chegam ao poder. Na democracia, só se dá bem aquele que sabe recorrer aos instintos mais básicos do populacho.

    Como a democracia destrói riqueza e liberdade

    A democracia, os políticos e o retrocesso da civilização

    Como os piores são eleitos

    Sociopatia e ausência de caráter - características fundamentais para se ter sucesso na democracia

    A democracia estimula o pior tipo de competição

    A tragédia social gerada pela democracia

    Democracia é o oposto a liberdade e tolerância

    A liberdade é mais importante que a democracia
  • Kiko  16/06/2018 21:46
    Keila Lopez, entendo sua dor, desespero e frustração em ver seu deus, sua ideologia fracassada e seus sonhos comunistas e criminosos de poder desmoronar bem na frente dos olhos. É muito triste de ver a idolatria, a doutrinação e o fanatismo dominarem a pessoa a ponto de aceitar valores imundos e mal cheirosos como a corrupção, o roubo, a enganação, a mentira, a falsidade. Sinceramente espero que um dia esse sofrimento todo saia de você.
  • Insurgente  03/04/2018 19:42
    Keila lopez

    O povo e a maioria desse país, infelizmente, não tem informação e conhecimento suficiente para atrelar uma coisa à outra, sequer para votar. E por essa razão acredita que ele, esse ser que mesmo de maneira oculta aparece no seu comentário como o salvador, na verdade, não sabe ou não quer saber ou tem vergonha em aceitar que foi um dos responsáveis por essa conjuntura a qual encontramos.

  • S.Scussiato  18/10/2018 17:55
    Keila, acho mesmo que essa sua amargura é o fruto de uma negação da realidade. O que você defende desviou milhões para o partido e para os sindicatos que o sustentam. O projeto de manter-se no poder contava com o auxílio até de países onde a ditadura autoritária de instalou, pois o governo financiou obras faraônicas nesses países e perdoou dívidas enormes. O Mais Médicos era somente uma forma de enviar dinheiro para Cuba, pois para os profissionais que atuavam pouco sobrava. Para tudo isso seus admiradores fecham os olhos. Não adianta culpar outros, o partido que se manteve por 14 anos no poder poderia ter feito diferente, essa corrupção poderia ter acabado e nosso país se transformado numa nação com menos desigualdades para todos. Se não o fizeram, falharam e a prova disso são as declarações do braço de ferro do Lula, o Palocci.
  • L Fernando  20/08/2018 00:42
    Esta Keila (sic) só pode ser um troll.
  • Trump  17/10/2018 13:52
    Para de defender bandido, minha teoria diz que quem defende coisa errada é porque também faz.
    Parem de defender bandeiras e partidos, quem faz isso sao babacas, me desculpe a expressão.

    Vão trabalhar mais e depender menos de esmola de governo.
    Abraço

  • Eugênio Barboza  18/09/2019 03:46
    Ué!?...pensei que ia comentar o texto do Danir... Que é que houve?... o gato comeu seus dedos?
  • danir  28/12/2019 00:17
    Como todo comunista, os seus argumentos alem de não se sustentarem, não merecem resposta. O comunista padrão "inocente útil", não percebe a realidade, não enxerga um palmo além do nariz e não aceita discutir ideias a partir de argumentos e fatos. Deixar de perceber um mecanismo de roubo e exploração da sociedade, apoiar pessoas sem nenhuma condição de administrar um pais, seja pela total incapacidade de concatenar mais do que tres palavras, ou ter um minimo de articulação para ler um texto de duas linhas, é uma caracteristica que impede qiualquer tipo de diálogo. Você deveria estar se comunicando em outro espaço que digamos assim; tenha a mesma capacidade intelectual que você, que aceita ladrões como salvadores da pátria.
  • 4lex5andro  03/04/2018 16:29
    Por que não vai postar essas excrescências em uma lan house de havana ou pyongyang?

    Então saberás o que é fascismo de verdade.

    MAV fraco esse daí.
  • anônimo  16/06/2018 18:25
    Keila, então para ti seria melhor Lula livre??? Não há provas contra o Lula? Também não há provas contra o Zé Dirceu? Não há provas contra o Vaccari? Não há provas contra o Palocci? Não há provas contra o João Santana? Não há provas contra a Mônica Moura? Não há provas contra o Leo Pinheiro? Não há provas contra o André Vargas? Não há provas contra o Delúbio Soares? Não há provas contra o Eduardo Cunha? Não há provas contra o Sérgio Cabral? Não há provas contra o Geddel? Não há provas contra o Fernando Schain? Não há provas contra o Marcelo Odebrecht? Não há provas contra o Gim Argello? Não há provas contra o Luiz Argôlo? Não há provas contra o Cerveró? Não há provas contra o Pedro Correia? Não há provas contra o Renato Duque?

    Todos os mencionados acima faziam parte do maior esquema de desvio de recursos públicos que a Humanidade já teve conhecimento. Estratégia não só para se ficar rico mas para manter o PT eternamente no Poder, onde os corruptos dos outros partidos da base aliada (incluindo o PMDB de Temer) eram "alimentados" com propinas roubadas da Petrobrás e de outras estatais para continuarem a dar apoio ao governo corrupto do PT chefiado pelo Lula. Keila. acreditas que o Lula não sabia de nada?
  • Historiador  02/04/2018 21:58
    E todos esses três (socialismo, fascismo e nazismo) também são variantes do keynesianismo.

    No prefácio da edição alemã da Teoria Geral, publicada em 1936, Keynes escreveu:

    A teoria da produção agregada, que é o que este livro tenciona oferecer, pode ser adaptada às condições de um estado totalitário com muito mais facilidade do que a teoria da produção e da distribuição sob um regime de livre concorrência e laissez-faire. (John Maynard Keynes, "Prefácio" da edição alemã de 1936 da Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda, traduzido e reproduzido in James J. Martin, Revisionist Viewpoints (Colorado Springs: Ralph Myles, 1971), pp. 203-05.)
  • Leo  02/04/2018 22:51
    Os adeptos do fascismo encontraram a perfeita justificativa teórica para suas políticas na obra de Keynes. Ele alegava que a instabilidade do capitalismo advinha da liberdade que o sistema garantia ao "espírito animal" dos investidores.

    Ora guiados por rompantes de otimismo excessivo e ora derrubados por arroubos de pessimismo irreversível, os investidores estariam continuamente alternando entre gastos estimuladores e entesouramentos depressivos, fazendo com que a economia avançasse de maneira intermitente, apresentando uma sequência de expansões e contrações.

    Keynes propôs eliminar esta instabilidade por meio de um controle estatal mais rígido sobre a economia, com o estado controlando os dois lados do mercado de capitais. De um lado, um banco central com o poder de inflacionar a oferta monetária por meio da expansão do crédito iria determinar a oferta de capital para financiamento e estipular seu preço, e, do outro, uma ativa política fiscal e regulatória iria socializar os investimentos deste capital.

    Em uma carta aberta ao presidente Franklin Delano Roosevelt, publicado no The New York Times em 31 de dezembro de 1933, Keynes aconselhava seu plano:

    Na área da política doméstica, coloco em primeiro plano um grande volume de gastos sob os auspícios do governo. Em segundo lugar, coloco a necessidade de se manter um crédito abundante e barato. ... Com estas sugestões . . . posso apenas esperar com grande confiança por um resultado exitoso. Imagine o quanto isto significaria não apenas para a prosperidade material dos Estados Unidos e de todo o mundo, mas também em termos de conforto para a mente dos homens em decorrência de uma restauração de sua fé na sensatez e no poder do governo. (John Maynard Keynes, "An Open Letter to President Roosevelt," New York Times, December 31, 1933 in ed. Herman Krooss, Documentary History of Banking and Currency in the United States, Vol. 4 (New York: McGraw Hill, 1969), p. 2788.)

    Controle estatal do dinheiro, do crédito, do sistema bancário e dos investimentos é a base exata de uma política fascista. Historicamente, a expansão do controle estatal sob o fascismo seguiu um padrão previsível. O endividamento e a inflação monetária pagaram pelos gastos estatais. A resultante expansão do crédito levou a um ciclo de expansão e recessão econômica. O colapso financeiro gerado pela recessão resultou na socialização dos investimentos e em regulamentações mais estritas sobre o sistema bancário, ambos os quais permitiram mais inflação monetária, mais expansão do crédito, mais endividamento e mais gastos. O subsequente declínio no poder de compra do dinheiro justificou um controle de preços e salários, o qual se tornou o ponto central do controle estatal generalizado. Em alguns casos, tudo isso aconteceu rapidamente; em outros, o processo se deu de maneira mais lenta. Porém, em todos os casos, o fascismo sempre seguiu este caminho e sempre descambou no total planejamento centralizado.
  • AGB  13/10/2018 15:03
    Exatamente o que aconteceu na Alemanha nazista. Em 1939 a economia estava quebrada e a população ameaçada pela fome, pois não tinham como importar produtos essenciais. A solução adotada foi a invasão de países vizinhos para extorquir sua produção agrícola e mineral.
  • Kira  02/04/2018 23:07
    [i]"Ora guiados por rompantes de otimismo excessivo e ora derrubados por arroubos de pessimismo irreversível, os investidores estariam continuamente alternando entre gastos estimuladores e entesouramentos depressivos, fazendo com que a economia avançasse de maneira intermitente, apresentando uma sequência de expansões e contrações. "[i]

    O mais idiota de tudo é que ele criticava oque as ideias dele mesmo causam, e de forma bem desastrosa. Inflacione a economia com crédito farto, roube dinheiro "socializando o capital alheio" não amiguinho isso nem vai criar bolhas e baques intermitentes na economia não.

    A única arma contra esses desonestos, é o tendendimento de que a economia não é estática e que contém externalidades e que há ajuste de mercado, além da preferência do consumo que por si só influencia e determina os agentes do mercado que se mantém, regula o preço, e os investimentos das empresas.
  • Natalia Matiazzo  03/04/2018 03:16
    O que acham da tal Economia Solidária? Já ouviram falar?
  • Pobre Paulista  03/04/2018 11:57
    Eufemismo pra comunismo
  • 4lex5andro  03/04/2018 16:33
    Por enquanto sem opinião, contra ou a favor.

    Contanto que não agrida a liberdade de livre associação e não conte com reservas de mercado junto a agentes de Estado.
  • Natalia Matiazzo  04/04/2018 17:46
    Bom, eu fiquei com um pé atrás com isso aqui pela questão política envolvida e por charlatões marxistas como um tal de Paul Singer, dizendo que agora sim é um meio pacífico para o comunismo, ou seja, o verdadeiro socialismo, já que seria uma alternativa ao modelo econômico dominante, que possui características de autogestão e igualdade entre os membros.

    Aqui tem algumas fontes:

    "A Economia Solidária pode ser definida em três dimensões:

    Economicamente, é um jeito de fazer a atividade econômica de produção, oferta de serviços, comercialização, finanças ou consumo baseado na democracia e na cooperação, o que chamamos de autogestão: ou seja, na Economia Solidária não existe patrão nem empregados, pois todos os/as integrantes do empreendimento (associação, cooperativa ou grupo) são ao mesmo tempo trabalhadores e donos.

    Culturalmente, é também um jeito de estar no mundo e de consumir (em casa, em eventos ou no trabalho) produtos locais, saudáveis, da Economia Solidária, que não afetem o meio-ambiente, que não tenham transgênicos e nem beneficiem grandes empresas. Neste aspecto, também simbólico e de valores, estamos falando de mudar o paradigma da competição para o da cooperação de da inteligência coletiva, livre e partilhada.

    Politicamente, é um movimento social, que luta pela mudança da sociedade, por uma forma diferente de desenvolvimento, que não seja baseado nas grandes empresas nem nos latifúndios com seus proprietários e acionistas, mas sim um desenvolvimento para as pessoas e construída pela população a partir dos valores da solidariedade, da democracia, da cooperação, da preservação ambiental e dos direitos humanos."

    "Economia Solidária é um termo recente, da década de noventa, criado com o objetivo de reunir diversos movimentos e iniciativas, novas e antigas, que possuem como valores comuns:

    posse e/ou controle coletivo dos meios de produção, distribuição, comercialização e crédito;
    gestão democrática, transparente e participativa dos empreendimentos econômicos e/ou sociais;
    distribuição igualitária dos resultados (sobras ou perdas) econômicos dos empreendimentos."

    "O movimento de economia solidária tem crescido de maneira muito rápida, não apenas na Europa e no Brasil mas também em diversos outros países.

    Compreender um tipo de sistema econômico autossustentável visando o contexto Brasileiro é significativo, pois proporciona uma relação confortável entre os membros afetados (capital e proletário). Este modelo vêem se desenvolvendo em todas as partes do mundo, porém o Brasil merece destaque, isto é, esse tipo de princípio colabora para a exclusão de determinadas propriedades exploratórias e sociais promovidas pelo capitalismo."




  • Rafael  20/05/2018 03:16
    Paul Singer não é marxista...
  • Walterson Almeida  22/10/2019 16:28
    NÃO É COOPERATIVISMO?
  • anônimo  03/04/2018 04:29
    Não existe maior exemplo de fascismo senão a tributação. E também seu motor principal, que é a fabricação de leis via democracia.
  • Nordestino Arretado  03/04/2018 13:44
    "o Manifesto exigia o confisco da propriedade de todas as instituições religiosas"

    Mas e o tratado de Latrão assinado por Mussolini?
  • Edson  03/04/2018 14:00
    Assinado em 1929, representando uma capitulação de Mussolini nesta questão. Ele, espertamente, percebeu que era muito mais sábio se aliar a esta instituição extremamente poderosa (a Igreja Católica na Itália) do que tentar combatê-la.

    Aliás, essa é exatamente a tática dos fascistas: aliar-se aos grandes em benefício próprio e ferrar os pequenos. Vários artigos neste site exatamente sobre isso: fascismo é mercantilismo, e mercantilismo é o conluio entre estado e grandes empresas.

    Vou recomendar só um:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=2643
  • 4lex5andro  15/10/2018 13:08
    E coincidentemente - ou não - houve um exemplo disso nas eleições do Brasil.

    Um templo católico usado como palanque, com o beneplácito de adeptos da TL e da CNBB, com a qual dois dias antes, um acordo cooperativo foi fechado.

    Vigie sempre Igreja, vigie.
  • Skeptic  29/12/2019 16:27
    Ah, sempre foi assim, sempre teve a bancada da Bíblia. Procure fotos de Dilma ou Lula com Edir Macedo e cia. A influência das instituições religiosas sempre fizeram parte da briga política, exceto quando foram completamente proibidas.
  • Revoltado  30/12/2019 13:25
    Situações como esta me dão até ataques de risos!

    Presenciei ao menos, em meia-dúzia de vezes, progressistas malharem com a IURD (a popular Universal) por explorar os pobres pela fé. Mas, coitados, nem sabem (e quiçá desejam não lembrar) que a mesma instituição sectária apoiou desde sempre Lula e Dilma, de 2002 a 2017, para dizer o mínimo. Fora a inauguração do chamado "Templo de Salomão" em São Paulo, contando com a presença da Marmota, em 2014, parece.
  • Minarquista  03/04/2018 19:42
    Por essas e por outras, acho que deveríamos rejeitar totalmente a escala esquerda x direita.

    O libertarianismo é o oposto de:
    a) socialismo de esquerda (que viola os direitos naturais econômicos dos indivíduos),
    b) social-democracia
    c) fascismo (ou socialismo de direita, se é que você concorda que isso exista)
    d) conservadorismo (facção da direita que contém uma violação dos direitos naturais civis dos indivíduos)

    Ou seja: não aceito que classifiquem o libertarianismo em nenhum lugar do espectro clássico. Simplesmente, seja qual for o lugar em que tentem me colocar, não suporto as companhias....

    Prefiro enxergar um único eixo vertical: o eixo percentual de liberdade, de 0 a 100%. Em baixo, fica todo esse lixo que mencionei (estado grande; violência). Em cima fica a liberdade (ancap no topo; minarquia um pouco abaixo).

    O jogo é se aproximar do topo tanto quanto possível...

    []s
  • Ancap  03/04/2018 20:58
    Falou um sujeito que se chama minarquista. Minarquismo é tão violador das liberdades alheias quanto qualquer um desses que citou.
  • Leigo  04/04/2018 11:59
    Ele ainda foi bonzinho de colocar essa ideologia utópica como algo a ser almejado.
  • Cristian  11/10/2018 17:47
    Qual ideologia utópica você está falando?
  • 4lex5andro  15/10/2018 13:30
    Os dois anarquismos são utópicos, e a realidade hoje, sem purismos, é votar no "17".

    Pois é preciso entender o momento do Brasil, o momento é de defesa urgente das liberdades individuais, mesmo que ainda atrelada a democracia formal do país.

    E também de valores conservadores cristãos, com os quais é possível a médio-longo prazo, engendrar as reformas {previdenciária, eleitoral, trabalhista e tributária, por exemplo} de base.
  • WDA  27/12/2019 13:05
    Que bobagem! Se se pode conceber uma escala de 0 a 100, na vertical, pode-se concebê-la também na horizontal - o que dá no mesmo.

    E pela tradição política que se consolidou ao longo da história - e na qual o comunismo é sistematicamente considerado (inclusive por seus adeptos) como de esquerda -, pode-se legitimamente colocar no extremo, à esquerda, da escala o comunismo e no extremo oposto (que não pode ser senão à direita), o seu contraditório: o libertarianismo. E, assim, está reabilitada a divisão esquerda-direita, pelo próprio critério do sr. "Minarquista", que queria eliminá-la.
  • Padawan  04/04/2018 16:19
    O fascismo derivou diretamente do comunismo?
  • Amante da Lógica  04/04/2018 17:45
    O fascismo é uma variante (um pouco mais light) do comunismo.
  • Imperion  14/10/2018 06:49
    Quando o comunismo surgiu e ameaçou tomar o mundo com sua falta de liberdade e estatismo, inventaran o fascismo pra combatelo, com falta de liberdade e estatismo.
    Funciona assim, ja que a tendência é acabar com as liberdades, entre os países e concentrar poder, vamos fazer nosso próprio sistema pra concentrar poder, antes que os outros ( facção) faça e nos domine. Vamos roubar as liberdades dos outros antes e dominar di nosso jeito
    Assim o fascismo surgiu em resposta a ascensão dos comunistas, com aspectos semelhantes, pra tornasr um grupo elite.
    Os fascistas sao um grupo de elite, os comunistas outro. Mas sao inimigos e nao podem ser aliados pra concentrar poder. E ambos sao inimigos dis liberta rios, que querm a liberdade do individuo.
  • Pedro  04/04/2018 18:50
    Perigoso achar que as coisas ruins encontram -se só na esquerda. Enquanto somos coniventes com as ráposas.
  • Skeptic  29/12/2019 16:29
    O texto não disse que tudo isso é "de esquerda" e isso pouco importa.
  • Roger  05/04/2018 04:06
    A Esquerda é assim mesmo, não se enxerga, antes de chegar a este site eu estava lendo um Blog nojento de esquerda que apóia o Lula (ate demais) que dizia assim "A repulsa ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao PT é pura alienação" Chega a ser irônico um alienado chamar os outros de alienado.
  • Patriota  08/04/2018 16:05
    A intolerância é uma benção, na qual não irei abdicar!
    E é a maior arma contra nossos inimigos!
    A tolerância vos dar liberdade para fazerem o que bem entenderem!
    Digam não à tolerância!
    Tolerar porcos é comer farelo!
  • Emerson Luis  23/04/2018 10:56

    Já viram um anti-cachorro?

    Ele tem cabeça, corpo e membros de cachorro, late e balança o rabo como um cachorro, corre atrás de carros como um cachorro.

    O anti-cachorro faz tudo o que um cachorro faz.

    Mas o anti-cachorro não é um cachorro!

    * * *
  • Emerson Luis  26/10/2018 19:45

    De acordo com o especialista da USP, o anti-cachorro é um gato.

    Em quem você vai acreditar, no especialista da USP ou nos seus olhos?

    * * *
  • Rodolfo Andrello  20/06/2018 18:36
    O mais interessante no artigo são as citações diretas das propostas e programas fascistas. Estou certo, depois de ler os 25 pontos do programa nazista, que seria muito provável que uma corrente de WPP ou semelhante atingisse um número insano de compartilhamentos, sem que as pessoas se dessem conta de estarem a apoiar um pensamento hitlerista.
  • Mídia Insana  13/10/2018 17:43
    Sugiro que façamos isso mesmo, Andrello. É um pequeno experimento social que já foi feito na Câmara dos Deputados com muito sucesso:

    - pegue os pontos de alguma ideologia estigmatizada como o fascismo
    - envie às pessoas, especialmente àquelas que têm aversão pelo fascismo, para ver se concordam

    Quando foi feito na Câmara dos Deputados, o fascismo foi extremamente popular ainda em 2012. Não tenho dúvidas que continuaria popular hoje.
  • anônimo  08/08/2018 19:13
    O contexto geopolítico deve ser levado em consideração.
    No mundo real o anarco capitalismo é realizável? Você pode até se dizer um anarco capitalista, mas enquanto houver militância estadista, o seu projeto seria realizável. Enquanto o Islã estiver vivo seria este projeto realizável? Seria possível convencer as pessoas sobre idéias anarco capitalistas no mundo real?
    Suponhamos que você, anarco capitalista, fosse munido de todo o poder legislativo necessário para impor o seu modelo. Se ele fosse implementado hoje, qual a chance de amanhã sermos invadidos pelo ESTADO VENEZUELANO com suas centenas de milhares de soldados socialistas? Como iríamos combatê-los? Com exércitos privados?
    No mundo real IMPOSTOS existem entre outras coisas para manter as forças armadas e o Exército é uma instituição essencialmente estatal. Seria possível levar a sério uma proposta como esta em um contexto geopolítico em que vivemos?
    Liberalismo clássico ainda é o melhor modelo proposto em um contexto onde existe a idéia de garantir e preservar as liberdades individuais. Não tenho dúvidas quanto a isso.
    O que fazer com os estados constituídos e sociedades que não entendem muito bem a idéia de livre mercado e liberdade individual? Como negociar com o bloco russo/chinês que possuem projetos claramente globais? Como negociar com o mundo muçulmano, que também possui uma agenda de dominação global e que sequer separaram o estado da religião? Como negociar com as demais sociedades em que o estado ainda terá um papel fundamental e que serão ao longo do século XXI influenciadas pelos ideais socialistas?
    Até que ponto será possível levarmos de forma doutrinária o modelo liberal sem levar em conta os propósitos dos players que existem no mundo hoje?
    Seria sensato permitir que os chineses comprem todas as terras agriculturáveis no Brasil?
    O que fazer nestes casos?
  • Louco  13/08/2018 19:38
    E o fascismo é fascinante deixa a gente ignorante e fascinada. Ié Ié....
  • Sônia Andrade  19/08/2018 16:30
    O corporativismo é um sistema político que atingiu seu completo desenvolvimento teórico e prático na Itália Fascista (que foi a principal diferença entre o regime fascista e o nazista). De acordo com seus postulados o poder legislativo é atribuído a corporações representativas dos interesses econômicos, industriais ou profissionais, nomeadas por intermédio de associações de classe, que através dos quais os cidadãos, devidamente enquadrados, participam na vida política.

    Seu discurso, que propugnava a eliminação da luta de classes em prol de um modelo de colaboração entre elas, poderia a princípio ser confundido com a doutrina social e econômica do Marxismo, porém a diferença fundamental entre o comunismo e o corporativismo é que o primeiro acredita ser impraticável qualquer tentativa de colaboração entre classes em uma sociedade onde permanecem as distinções entre classes dominantes e dominadas, como é o caso nos regimes corporativistas. Já no caso do fascismo corporativista, apesar de ser mantida a existência do mercado, a propriedade privada não é mantida de maneira absoluta, pois todos os meios de produção teoricamente se agregam ao Estado, constituindo uma ditadura: "Tudo no Estado, nada contra o Estado, e nada fora do Estado". O argumento fascista era o de que as diferentes vontades políticas das classes estariam representadas nas associações.

    A ênfase nas negociações coletivas e na intermediação política dos conflitos com a participação de sindicatos e representantes estatais caracteriza este meio de organização das relações entre empresários e trabalhadores. Embora a propriedade privada dos meios de produção tenha sido preservada, esta extensiva intervenção do estado na sociedade capitalista industrial significou o declínio da doutrina liberal nos países onde foi adotada. Representou igualmente o ressurgimento de um tipo de organização da sociedade análogo ao que vigorara na Idade média e durante o período Mercantilista, em que o direito ao trabalho era regulado por guildas, e que fora justamente superado pelo triunfo das ideias liberais nos séculos XVIII e XIX.

    Esta transição todavia marcou, de certa forma, a autonomia dos mercados em relação às instituições nacionais.

    O regime Salazarista que vigorou em Portugal de 1933 até 25 de Abril de 1974 era expressamente corporativista. Também no Brasil, entre os anos de 1930-45, sob a liderança do presidente Getúlio Vargas implantou-se um modelo corporativo de Estado, o chamado Estado Novo. De igual forma, muitos outros países, tais como a França sob o governo do Marechal Pétain (1940-1945), a Argentina sob Juan Domingo Perón (1943-1952), o México sob Lázaro Cárdenas (1934-1940) e a Espanha do Generalíssimo Franco (1939-1973) estabeleceram uma imensa quantidade de leis e organizações inspiradas do ideário corporativista. Corporativismo tem sido também descrito como uma cartelização da economia.

    oglobo.globo.com/opiniao/origens-do-corporativismo-22222742
  • Fernando  10/10/2018 19:47
    Parabéns pelo artigo, muito esclarecedor.
  • Carlos  13/10/2018 17:59
    Permitam-me:

    Tive o desprazer de estudar este tema na década passada, quando estava na faculdade. Essencialmente a economia solidária visa a criação de uma economia paralela ao mercado "formal". Seriam, em tese, arranjos organizacionais "democráticos", nos quais, muitas vezes os donos seriam os próprios trabalhadores.
    Na teoria, como foi transcrito acima, é algo que parece ser interessante aos olhos dos desavisados e até, muito forçadamente, poderia ser comparado ao conceito libertário de contraeconomia. Porém, na prática, esta ideia de economia solidaria torna-se um arranjo de finalidades políticas. Se vocês analisarem o PL 4685/2012 (www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=559138) que está parado no senado, verao que as organizações terão status juridico semelhante a uma empresa formal, ganharão incentivos e subvenções fiscais, alem de cotas para participar em processos de compras governamentais. Ou seja, terao privilégios. Este projeto é uma porta aberta para ONGs de todos os tipos e objetivos conseguirem, mais do que ja conseguem na surdina, acesso fácil a dinheiro dos pagadores de impostos.
    Para empresas com fins lucrativos e de administração hierárquica, impostos, taxas e regulações mil.
    Para empresas "solidárias", benefícios e verba facilitada.
  • Imperion  14/10/2018 07:07
    Em suma é um arranjo pra transferir renda do setor produtivo pra setores inventados , que fingem que trabalham ou fazem algo util. Toda vez que se cria orgaos e empregos nao genuinamente solicitados pela sociedade, se destrói riqueza e produção.
    No gov lula e dilma , falou se muito em economia solidaria, inumeras ongs começaram a receber dinheiro dos pagadores de impostos, sindicatos comecaram a funcionar como orgaos juridicos e assembleias, decidindo pelos trabalhadores sem anuência desse, como nos soviets russos, onde nao tinha eleicao pra o governo, mas supostamente os soviets eram eleitos pelos trabalhadores, na pratica era uma maneira de excluir uma parte imensa da sociedade das tomadas de decisao.
    Esses orgaos criados na economia solidária tem o mesmo poder. Acabam tendo decisao propria e acabam tomando os direitos individuais de escolha dos cidadãos e se o giv controla esses orgaos , fica a um passo de eliminar tb a pluralidade na política e implantar o partido unico.
    É um comunismo disfarçado. Ja comeca errado em considerar o lucro errado, considerar correto tomar o lucro das empresas, querer impor regras ao consumo.
  • Imperion  14/10/2018 07:15
    Na economia solidária, teria se o absurdo de limite ao consumo. Cada um teria uma cota maxima para consumir. Acima disso a pessoa tem que depositar o excente de ganho na poupanca solidária. Que supostamente o gov iria usar ora dar pros menos favorecidos. Gannhar mais vira pecado. Comunismo puro disfarçado na pratica.
    Economia solidaria é um belo nome, mas esconde aquele velho problema, quem produz menos ou no prodyz quer ficar com a parte de auem produz mais , como um parasita. É um estimulo pra se produzir menos e provocar escacez na economia. Corra quando quem produz cruza os bracos. Nem tofo xinheiro do mundo compra o que se parou de produzir. E vai ser a mesma velha ladainha, o gov vai culpar os capitalistas que pararam de produzir pra sustentar quem colaborou menos ou nao colaborou.
  • Rodrigo Wettstein  14/10/2018 15:03
    Os termos Liberdade, Fascismo, Socialismo, Capitalismo, Nacionalismo, Populismo, são hoje confusos conceitos nas mentes de quem nunca discutiu abertamente e sem preconceitos. E a confusão de termos é insana lá fora. Por isso venho aqui sempre buscar um retorno à sanidade.

    Sobre as eleições para presidente, discuto apenas o Estado e não os candidatos. Se um pilar do Estado, o Executivo, se tornasse Liberal ao extremo, quais seriam os movimentos para os outros dois pilares, o Legislativo e o Judiciário? E a governabilidade? Um liberal conseguiria ter matéria aprovada no Legislativo e não desobedecida a favor da liberdade de expressão IRRESTRITA individual e jornalística? Conseguiria torná-la inatacável juridicamente? Lembro que chamar outro de "nazista" é por si só uma liberdade de expressão, mas o ataque em si leva indivíduos a procurarem a própria proteção (ou ataque) do Estado para censurar e/ou punir o primeiro. Estamos tão enraizados no Estado que nós mesmos pedimos a restrição da liberdade de expressão de outrem. E, pedindo, nós aceitamos perder também a liberdade (e aqui eu faço um elogio ao artigo que, em nenhum momento cerceou a liberdade dos detratores de esquerda, mas explicou e denunciou).

    Resumindo, qual seria a ação política de um liberal verdadeiro no Executivo frente a outros pilares que têm suas próprias existências calcadas na regulação? Talvez uma rediscussão dos três poderes no tocante às fronteiras da liberdade entre indivíduos e entre o Estado e os cidadãos? Uma refundação dos conceitos básicos de Liberdade, a saber, 1) propriedade não poder ser taxada, nem usurpada, nem ocupada ou dividida (exceto se em contrato for negociada; 2) liberdade de expressão total, desde que não cause violência física ou restrinja a liberdade de outro se expressar (pessoas gritando para abafar discursos contrários é um belo exemplo de cerceamento da liberdade de expressão que a esquerda utiliza frequentemente); 3) taxação de todos os contratos de negociação existentes a partir daí, para garantir a segurança dos próprios contratos pelo Estado. Pronto, estas seriam as cláusulas pétreas da refundação de uma Nação brasileira, a meu ver. A constituição brasileira deveria respeitar estas cláusulas, assim como o judiciário, o legislativo, o executivo, os governos estaduais e municipais.

    Não sei. Cada vez que escrevo, menos fico convencido de que isto possa acontecer.
  • Rodrigo Wettstein  14/10/2018 17:24
    Por outro lado, independente de quem ganhe a eleição, o executivo lidará com um judiciário em confronto com o legislativo. Sabendo de antemão que o fascismo é a concordância irrestrita dos três poderes a uma ideologia (ao contrário da ditadura, que é a amputação de um ou mais poderes), temos aqui conclusões coerentes frente ao que pode vir: 1) um executivo pró-judiciário ou 2) um executivo pró-legislativo. É difícil pensar em um executivo neutro frente a tantos eventos passados de confrontos, apesar de sabermos que houve uma grande renovação do legislativo. Desta forma, o fascismo está muito distante da nossa realidade, nos restando apenas pensar no caos, na anarquia, na desobediência de um poder perante o outro, caso haja mais conflitos de poderes. Outro caminho futuro possível, mas improvável e até com toques de conspiração, seria a união de dois poderes contra um e não sei que nome se daria a isso, mas estaria longe de ser uma democracia.

    Enfim, os libertários têm trabalho duro pela frente. Principalmente em esclarecer e evitar que seja engolfado pela esquerda ou outros enganos usados pelo Estado.
  • L Fernando  15/10/2018 16:36
    Como assim chamar alguém de Nazista é liberdade de expressão?
    "chamar uma pessoa de fascista ou nazista é crime contra honra. É considerado Injúria. Quem declarou isso foi a Justiça do Brasil em dois casos recentes."
    Chamar uma pessoa de "comunista" nesta situação retratada não configura crime, pois o comunismo é uma corrente política vigente, autorizada internacionalmente, presente em vários países e com partidos estabelecidos oficialmente, como no Brasil, em que há, por exemplo, o PC do B (Partido Comunista do Brasil) e o PCB (Partido Comunista Brasileiro).
  • Rodrigo Wettstein  17/10/2018 03:25
    Se você proíbe alguém de gritar Nazista, passará a condenar à censura todos aqueles que defendem argumentos históricos não oficiais do nazismo, as origens do nazismo, a confirmação histórica abafada de que muitos, principalmente os progressistas, apoiavam a eugenia, condenará à censura as afirmações estranhas de Tacito da Grécia sobre os judeus, condenará as conspirações elaboradas nas mentes mais férteis. Por fim, levará a um falso silêncio com ódio ressentido. E digo falso silêncio porque uma idéia passará cautelosamente para desavisados e sem que tenha alguém que converse com calma, sem censura e punição, explicando de onde vêm os vários ódios do mundo. Assim também vale para as etnias, gêneros, preferências sexuais, etc. Resumindo, mesmo que haja lei punitiva pelo Estado para cada ódio, o ódio só tenderá a se multiplicar, seja pela falta de liberdade de se expressarem, mesmo que sendo ódio, e serem debatidos com argumentos claros, mas também pela ineficiência e inalcançabilidade do Estado
  • Skeptic  29/12/2019 16:32
    Não existe isso de "crime contra a honra", o que eu penso ou digo dos outros é propriedade minha e liberdade minha.
    Os maiores beneficiados dessas leis de censura são aquelas que nada têm de honra, os políticos.
    Liberdade de expressão é falar o que quiser.
  • Rodrigo Wettstein  14/10/2018 15:25
    Os termos Liberdade, Fascismo, Socialismo, Capitalismo, Nacionalismo, Populismo, são hoje confusos conceitos nas mentes de quem nunca discutiu abertamente e sem preconceitos. E a confusão de termos é insana lá fora. Por isso venho aqui sempre buscar um retorno à sanidade.

    Sobre as eleições para presidente, discuto apenas o Estado e não os candidatos. Se um pilar do Estado, o Executivo, se tornasse Liberal ao extremo, quais seriam os movimentos para os outros dois pilares, o Legislativo e o Judiciário? E a governabilidade? Um liberal conseguiria ter matéria aprovada no Legislativo e não desobedecida a favor da liberdade de expressão IRRESTRITA individual e jornalística? Conseguiria torná-la inatacável juridicamente? Lembro que chamar outro de "nazista" é por si só uma liberdade de expressão, mas o ataque em si leva indivíduos a procurarem a própria proteção (ou ataque) do Estado para censurar e/ou punir o primeiro. Estamos tão enraizados no Estado que nós mesmos pedimos a restrição da liberdade de expressão de outrem. E, pedindo, nós aceitamos perder também a liberdade (e aqui eu faço um elogio ao artigo que, em nenhum momento cerceou a liberdade dos detratores de esquerda, mas explicou e denunciou).

    Resumindo, qual seria a ação política de um liberal verdadeiro no Executivo frente a outros pilares que têm suas próprias existências calcadas na regulação? Talvez uma rediscussão dos três poderes no tocante às fronteiras da liberdade entre indivíduos e entre o Estado e os cidadãos? Uma refundação dos conceitos básicos de Liberdade, a saber, 1) propriedade não poder ser taxada, nem usurpada, nem ocupada ou dividida (exceto se em contrato for negociada; 2) liberdade de expressão total, desde que não cause violência física ou restrinja a liberdade de outro se expressar (pessoas gritando para abafar discursos contrários é um belo exemplo de cerceamento da liberdade de expressão que a esquerda utiliza frequentemente); 3) taxação de todos os contratos de negociação existentes a partir daí, para garantir a segurança dos próprios contratos pelo Estado. Pronto, estas seriam as cláusulas pétreas da refundação de uma Nação brasileira, a meu ver. A constituição brasileira deveria respeitar estas cláusulas, assim como o judiciário, o legislativo, o executivo, os governos estaduais e municipais.

    Não sei. Cada vez que escrevo, menos fico convencido de que isto possa acontecer.
  • Rodrigo Fernandes  15/10/2018 14:32
    Leandro,

    Qual é a sua opinião sobre isto?

    medium.com/s/powertrip/universal-basic-income-is-silicon-valleys-latest-scam-fd3e130b69a0

    Abraço!
  • Intruso  15/10/2018 15:48
    Mostra como a esquerda está cada vez mais delirante e despreparada. Segundo o gênio, empresas só prosperam com consumidores pobres. Quanto mais empobrecidos forem os consumidores, maiores os ganhos das empresas (deve ser por isso que as empresas da Venezuela são potências globais).

    Ainda mais bizarro é o sujeito dizer que a economia digital, em que os preços estão continuamente em queda, é um golpe para empobrecer consumidores (e, com isso, enriquecerem as empresas). Hoje, quanto mais os preços caem, mais os consumidores ficam pobres. E quanto mais os consumidores ficam pobres, mais as empresas obtêm lucros.

    Bizarrice assim é difícil de ser encontrada até mesmo em um programa do PCdoB.

    Acho que até o discurso do Andrade faz um pouquinho mais de sentido do que esse cara do Medium.
  • Revoltado  31/12/2019 19:32
    Mostra como a esquerda está cada vez mais delirante e despreparada. Segundo o gênio, empresas só prosperam com consumidores pobres. Quanto mais empobrecidos forem os consumidores, maiores os ganhos das empresas (deve ser por isso que as empresas da Venezuela são potências globais).

    ==== Eis uma variante deste mantra que tive o desprazer de ouvir em meu trabalho: "A classe média não quer que os pobres prosperem e por isto atacam o PT e o governo que faz pelos pobres". Ainda queria entender como uma classe-média (da qual grande parte dos empreendedores vem) não desejaria que pessoas enriquecessem e consequentemente progredirem devido ao valor atribuído a seus produtos. A prostituta (que vive no mundo real) entende mais a respeito que o socialista de iPhone que proferiu a baboseira que descrevi.
  • Vladimir  15/10/2018 15:53
    Lembrando que a Finlândia -- a rica Finlândia -- implantou a Renda Universal Básica e, um ano depois, aboliu o programa. O que não foi novidade nenhuma para leitores do site.

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=2599
  • Alex  15/10/2018 15:06
    Os nazistas privatizaram muitas empresas, como a Companhia de Trens da Alemanha...

    Uma monte de grandes empresas capitalistas como a Siemens, Bayer e outras se beneficiaram com a mão-de-obra escrava dos prisioneiros do regime nazista:

    "O trabalho na unidade da Siemens era obrigatório para todas as prisioneiras, independentemente da classificação que tivessem, da idade ou do estado de saúde. Mediante acordo celebrado com o governo, a indústria pagaria ao comando do campo 30 centavos de marco por mulher-dia, sem que isso implicasse qualquer forma de remuneração às prisioneiras. As indústrias que, para preservar sua imagem internacional, preferissem não instalar fábricas dentro dos campos de concentração, não tinham por que se preocupar: a SS se encarregava de transportar os prisioneiros até a sede da empresa."

    Trecho do livro Olga.
  • Skeptic  15/10/2018 15:30
    Comprei o último livro do Antony Muller 'Os Fundamentos do Anarcocapitalismo' faz poucos dias, vou demorar um pouco antes de começar a ler, há alguns na fila. Mas o recomendo desde já:

    www.amazon.com.br/FUNDAMENTOS-DO-ANARCO-CAPITALISMO-Ordem-Brasil-ebook/dp/B07G2SC7JW
  • Rodrigo Wettstein  15/10/2018 16:06
    Pois é Skeptic. O Brasil está caminhando para o anarcocapitalismo. Pela perda de força política em geral com seus dois poderes, junto a um judiciário confuso, parece estar claro isto. O único porém é o caminho para o anarcocapitalismo, que é a substituição final e desesperadora pelos poderes ou pelo povo de um líder que termine amputando, com o apoio de um poder, os outros dois poderes e assim terminarmos no totalitarismo. Por isso, os poderes teriam que perder forças igualmente para se chegar a um liberalismo ou um anarcocapitalismo. E o nosso histórico brasileiro só demonstra o totalitarismo. Nunca houve um consenso para um fascismo e nem houve desinflação do Estado para um liberalismo ou anarcocapitalismo.
  • Skeptic  18/10/2018 06:39
    Que???
  • Rodrigo Wettstein  19/10/2018 00:33
    Odeio quando fazem pouco caso. E se isso acontece foi porque não alcançou a inteligência exigida. Vou resumir: Estado forte produz autoridade, liberalismo e anarcocapitalismo reduzem esta autoridade. Ficou fácil agora?
  • Skeptic  29/12/2019 16:34
    "O Brasil está caminhando para o anarcocapitalismo."

    Minha indignação foi com esse absurdo dito acima.
  • Cristiane de Lira Silva  20/10/2018 00:51
    Mas em comum com os facistas originais, só o Coiso tem. Ou teria mais a ver com o integralismo de Plínio Salgado? Olha só, isso não é opinião minha foram textos da própria direita que afirmaram tal coisa.
  • Cristiane de Lira Silva  20/10/2018 00:54
    Infelizmente, entre o facismo do coiso que também é uma representação do Talibã cristão e o Haddad, acho que vou tapar o nariz e apertar 13. Por hora me mantenho no nulo, mas estou perdendo a neutralidade.
  • EDUVANDERLEI  21/10/2018 14:24
    Ou seja, esses idiotas que chamam quem não concorda com eles de fascistas vivem no fascismo desde sempre e não se dão conta, provavelmente idiotizados pelo mec do maternal à universidade.
  • Cristiane de Lira Silva  21/10/2018 22:37
    Tem dos dois lados. Tá cheio de gente no mundo a chamar de comunista todo mundo que não concorde com eles.
  • Angelo (sem ^) mount  30/10/2018 19:01
    Tanto a esquerda e direita vivem numa falsa definição de fascismo, e não entendem quem é o verdadeiro inimigo da liberdade.
  • Nômade  23/03/2019 12:25
    A esquerda do século passado teria ódio mortal do que se tornou a esquerda moderna.
  • JOAO ZANGIROLAMI  23/07/2019 23:09
    Matéria extensa, mas esclarecedora. Nenhum esquerdista irá ler, com certeza.
  • Roger  12/05/2020 14:30
    Eu li.
  • Marcelo  26/07/2019 20:42
    As ações dos fascistas e de outros partidos que lhe correspondiam eram reações emocionais, evocadas pela indignação com as ações perpetradas pelos bolcheviques e comunistas. Ao passar o primeiro acesso de ódio, a política por eles adotada toma um curso mais moderado e, provavelmente, será ainda mais moderado com o passar do tempo.

    (…)

    Tal moderação resulta do fato de que os pontos de vista tradicionais do liberalismo continuam a exercer influência inconsciente sobre os fascistas.

    (…)

    Ora, não se pode negar que o único modo pelo qual alguém possa oferecer resistência efetiva contra assaltos violentos seja por meio da violência. Contra as armas dos bolcheviques, devem-se utilizar, em represália, as mesmas armas, e seria um erro mostrar fraqueza ante os assassinos. Jamais um liberal colocou isto em questão.

    (VON MISES, Ludwig. Liberalismo – Segundo a Tradição Clássica / Ludwig von Mises. — São Paulo: Instituto Ludwig von Mises Brasil, 2010. pp. 75 e 76)

    Nesta obra, Mises também não hesitou em legitimar, elogiar e, até mesmo, enaltecer o Fascismo:

    Não se pode negar que o fascismo e movimentos semelhantes, visando ao estabelecimento de ditaduras, estejam cheios das melhores intenções e que sua intervenção, até o momento, salvou a civilização europeia. O mérito que, por isso, o fascismo obteve para si estará inscrito na história. Porém, embora sua política tenha propiciado salvação momentânea, não é do tipo que possa prometer sucesso continuado. O fascismo constitui um expediente de emergência.
  • David  26/07/2019 21:01
    E está corretíssimo, quando se olha sob a perspectiva daquela época.

    Houve fascismo clássico em Portugal (Salazar), Espanha (Franco), Itália (Mussolini), e Áustria (Dollfus, que era anti-nazista).

    A França (com Vishy) e a Alemanha nazista embarcaram no nacional-socialismo, que era a terceira-via da época.

    Todo o resto da Europa (exceto Suíça) virou comunista.

    Aí eu pergunto: quais destes países ficaram em melhor situação: os fascistas ou os comunistas? (Estou falando de realidade, e não de fantasias do tipo "ah, mas poderia ser diferente se tivessem adotado a democracia e tal...")

    Responda sem fazer beicinho.


    Criticar hoje, em pleno conforto do século XXI, o que foi escrito por um judeu acossado por totalitarismo de todos os lados na Europa da década de 1930 (onde a democracia e o liberalismo haviam sido completamente abolidos e não mais estavam no cenário) é coisa de frouxo covarde. À época, na Europa, era ou fascismo, ou nazismo ou comunismo. Não havia uma quarta opção. Mas imaginar que ignorantes saibam disso é querer demais.
  • Fabrício  26/07/2019 21:07
    Pra quem mora na Venezuela, o Brasil e a Colômbia (sua democracia e sua economia) são uma maravilha. Mas para os isentões de hoje, se um Venezuelano fizer um elogio ao Brasil e à Colômbia, dizendo que ambos são a salvação para um venezuelano faminto e oprimido, eles entenderão que o venezuelano está dizendo que o arranjo brasileiro e o colombiano são perfeitos e invejáveis, e que devem se tornar um modelo a ser seguido pelo mundo.

    É cada ignaro que despenca por aqui...
  • anônimo  27/07/2019 04:37
    Não precisa ir muito longe para entender o que Mises disse, basta observar o que acontece na América Latina hoje. O Brasil é um país demasiado intervencionista (e numa associação à primeira metade do século XX seria classificado como fascista, como de fato era classificado sob Vargas) e a Venezuela é demasiada socialista (e numa associação à primeira metade do século XX representaria a URSS). Em qual país os burgueses e trabalhadores preferem viver? Os dados de imigração falam por si só.

    Corporativismo/Fascismo é muito menos pior do que Socialismo/Comunismo. O primeiro usa a força para manter a ordem social inalterada e o segundo destrói a civilização de forma quase irreversível. Ninguém em sã consciência prefere o segundo, nem mesmo os próprios socialistas.
  • Drink coke  01/01/2020 19:39
    Esse livro de Mises é de 1927, a concepção do facismo era outra, na época o comunismo era uma ameaça sobre toda a europa, como o liberalismo estava em total decadência, coube ao facismo segurar o avanço político do comunismo. Já em 1946 Mises escreveu um outro livro chamado Caos Planejado, nesse livro ele analisa o facismo já com outro concepção.
  • Sage  24/08/2019 07:57
    Um dos melhores artigos do site. Muito bom.
  • anônimo  10/09/2019 13:44
    Artigo magnífico. Poucos textos definiram resumidamente o fascismo tão bem sem distorções de seu real significado.

    A verdade é que socialistas demonizam o fascismo, pois ele possui um poder de atração popular muito maior que o socialismo. Basta ver a popularizadade de Vargas e Perón e comparar com Fidel e Guevara, não há nem comparação.
  • Bode  26/12/2019 18:53
    A foto que ilustra o artigo é deprimente. Essas tristes figuras representam o que há de pior na política nacional. A simples visão desses indivíduos causa asco e repulsa. Vade retro, satana!
  • Liberalzinho   26/12/2019 22:31
    Aí fica fácil, focam nas semelhanças e afirmam: é tudo igual! Agora foquem nas diferenças e verão se é igual. Vocês liberais não admitem, mas comunismo e fascismo são "filhos"do liberalismo.
  • Conservador  26/12/2019 22:55
    É mesmo? Fiquei curioso. Por favor, ilumine o mundo com sua sapiência, a qual só você tem.
  • Rdn  28/12/2019 01:55
    Liberdade econômica, abertura de mercado, não tem nada haver com o liberalismo ideológico, ok?!

    Paulo Guedes defende o livre comércio, a liberdade econômica.

    João Amoedo defende o liberalismo, a ideologia. Inclusive ele é signatário da política ideológica da Agenda 2030 da ONU.

    João Amoedo e Illona Szabó, por exemplo, são amigos de George Soros e Fernando Henrique Cardoso.

    Quando há oportunidade, João Amoedo não espera um segundo para atacar o governo Bolsonaro. Tem se demonstrado oportunidade.

    Como liberal gosta da esquerda e de suas idéias.

    Os liberais, são à favor da abolição da nacionalidade e do patriotismo. Tem como objetivo principal dissolver as soberanias, e entregar o poder mundial à ONU, passando este à ser o Estado Maior de todas as nações com poderes ilimitados.

    Pense em um fascismo global.

    Todos teriam que se curvar perante esse monstro estatal, pois uns tem que produzir, e outros que usufruirão do resultado destes que produzirão.

    Não vou nem entrar no aspecto ideológico: liberação de todas as drogas, aborto, zoofilia, pedofilia, e de tudo que há e ruim no mundo.

    P.S.: O liberalismo defendido não é o econômico, mas sim, o ideológico.

    Se quiserem tirar tudo isso à prova, basta vasculhar a imensidão da internet, vocês AINDA conseguirão encontrar tudo isso saindo da boca e das páginas pessoais dos mesmos.

    Ninguém mais esconde suas reais intenções.

    Diga com quem andas, ou o que defendes, que lhe direi quem és.
  • Estado o Defensor do Povo  27/12/2019 02:30
    E vocês soças não admitem, vocês são pura maldade e se vestem de cordeiro.
  • Sou direito - sou direita  27/12/2019 12:44
    Eu gostaria de saber como é isso que o fascismo e o comunismo são filhos do liberalismo. Porque nada é mais distante do liberalismo do que o fascismo e comunismo. Na escala das liberdades individuais e de mercado, estão em extremos opostos.
  • Luz da Razão  27/12/2019 16:26
    O sujeito simplesmente quis dizer que para o fascismo ou comunismo existirem, é necessário que o liberalismo tenha existido em algum grau antes. Afinal, fascistas e comunistas só aparecem onde se tenha algo para roubar.
  • Sideshow Bob  28/12/2019 13:53
    Podem fechar os comentários.
  • Estado o Defensor do Povo  28/12/2019 17:24
    Balela, o sujeito só quis causar, não falou nada com nada, esse pessoal fala coisas confusas e ambíguas assim só pra gerar treta.
  • Rdn  30/12/2019 19:12
    Como falei, liberdade econômica é uma coisa, liberalismo, é outra coisa.

    Essas palavras são parecidas, mas possuem aspectos distintos.

    Um está no aspecto literal (liberdade econômica, direitos inalienáveis, etc).

    Já o outro (liberalismo / liberalistas), está no sentido figurado da palavra, pois seu aspecto é ideológico.

    Liberalista está condicionado à ideologia. Está no mesmo nível fascista do socialismo e comunismo. Todos são irmãos siameses. Possuem o mesmo projeto de poder. O fascismo. Esses nunca governarão para a população, mas sim, para os seus, em benefício próprio.

    A maior prova disso é o Canadá. Veja o que o Canadá está se tornando. O Canadá está completamente atolado no liberalismo político. Um liberalismo que possui caráter ideológico.

    Já o contrário, governa para o povo, e para benefício do povo (exemplo, o atual governo do Brasil - Bolsonaro).


    ----- Fascismo -----

    "Célebre por seus estudos sobre a França de Vichy, Robert Paxton dizia que o fascismo se caracteriza por uma sucessão de cinco momentos históricos: a criação de seus movimentos; o aparelhamento do setor público; a conquista do poder legal; a conquista do Estado; e, finalmente, a radicalização dos fins e dos meios – incluída a violência política – por intermédio da guerra."


    O fascismo de hoje se disfarça de "liberalismo" no plano político e de neoliberalismo no plano econômico.

    Como ensina Paxton, na maioria das vezes os grupos fascistas iniciais sobrevivem para uma segunda fase, quando, como movimentos ou ainda como mera tendência, discurso ou doutrina – muitas vezes ainda não oficialmente elaborada – passam a se infiltrar e impregnar setores do Estado.

    É por meio de iniciativas aparentemente "populares", que ele desafia a Constituição e aumenta o poder jurídico-policial do Estado no sentido de eliminar, impedir, sufocar, o surgimento de qualquer tipo de oposição à sua vontade.

    Para manter-se depois, de forma cada vez mais absoluta, no controle, por meio de amplo e implacável aparato repressivo dirigido contra qualquer um que a ele venha a oferecer resistência.

    Aprimorando um discurso hipócrita e mentiroso que irá justificar a construção, durante alguns anos, de um nefasto castelo de cartas, do qual, no final do processo, sobrarão quase sempre apenas miséria, desgraça, destruição e morte.

    É aí que está a imbecilidade ilógica do fascismo.

    Tudo que eventualmente constrói, ele mesmo destrói.

    Não houve sociedade fascista que tenha sobrevivido à manipulação, ao ódio e ao fanatismo de seus povos, ou ao ego, ambição, cegueira, loucura e profunda vaidade e distorção da realidade de "líderes" cujos sonhos de poder costumam transformar-se – infelizmente, depois de muito sangue derramado – no pó tóxico e envenenado que sobra das bombas, das granadas e das balas."

    Fonte: www.redebrasilatual.com.br/blogs/blog-na-rede/2016/07/o-fascismo-e-sua-imbecilidade-ilogica-4186/

    -------------------


    Detalhe:

    O patriotismo do fascista, seu nacionalismo, é a ideologia, são vossos símbolos (foice e o martelo, suástica, punho serrado, saudação nazista, e afins). Eles lutam pelas suas causas, causas essas que são atreladas aos seus desejos. Eles tem sede de poder, e tentam oprimir à todos que não vivam os seus desejos.
  • Estado o Defensor do Povo  27/12/2019 02:28
    Luladrão roubou meu coração >.<
  • anônimo  27/12/2019 13:46
    Liberais nao deveriam se polarizar na esquerda ou direita. Ao fazerem se enfraquecem e acabam fortalecendo os estatistas de esquerda ou direita
  • Cara qualquer  27/12/2019 18:13
    Off Topic:
    Essa desaceleração da China é por causa da bolha imobiliária ou tem outros fatores causando isso?
    E vocês acham que a China pode vir a ultrapassar os EUA no quesito riqueza e qualidade de vida nas próximas décadas?
  • Rdn  28/12/2019 01:35
    A mamata acabou, jovem.

    Pararam de receber dinheiro da corrupção do Brasil.

    Com o novo governo (Bolsonaro), a era de colonização travestida de República Democrática chegou ao fim.

    União Européia e companhia que o digam. Por isso estão desesperados.

    Acredito que só o livre mercado ajudaria a China. Eles terão que ser mais flexíveis e começar a fazer negócio, de fato, com os EUA e Brasil.

    Vão ter que trabalhar de verdade dessa vez.
  • anônimo  28/12/2019 13:40
    Ambos, mais por outros fatores.

    Não, sem chances. O PIB já deveria ser maior, mas a riqueza nunca.
  • Felipe  28/12/2019 00:14
    Existe hoje um artigo que compile exatamente a Argentina de 2002 até a eleição do Macri?
  • Nyxolaz  28/12/2019 17:58
    Chamar qualquer lado de fascista por pura divergência ideológica virou moda. Não há necessidade de bons argumentos para se desvencilhar de um espectro político, todos os lados chamam uns aos outros de fascistas na tentativa de esgotar o argumento dos lados políticos contrários aos seus.
    Não queria precisar dizer como isso é uma perda de tempo, apenas um birra política na tentativa de ofender uns aos outros sem precisar apontar coisas empíricas que façam questionarmos as políticas publicas dos partidos.
    Fazer comparações ao fascismo pode se encaixar a todo lado, ao modo que pegamos pequenas semelhanças e atribuímos ao todo a comparação.
    Sou a favor da liberdade e blábláblá, mas encaixar a esquerda moderna nesse quadro é no mínimo ingênuo.
  • Boafag  28/12/2019 23:44
    E por que é ingênuo?
  • Nyxolaz  30/12/2019 17:42
    Porque usa apenas algumas semelhanças, que pode ser feita com qualquer espectro político, para difamar algum lado.
  • Gramsci  28/12/2019 18:27
    "fascistas não passarão!"

    Durante anos, este é um dos bordões favoritos da esquerda, visando aqueles à direita. Agora mais do que nunca.

    Este rótulo baseia-se na ideia de que o fascismo é um fenômeno da direita. A esquerda diz que é, então deve ser verdade...

    Mas eles estão corretos?

    Para responder a esta questão, temos que perguntar o que o fascismo realmente significa: qual é a sua ideologia ? De onde esse nome vem mesmo?

    Estas não são questões fáceis de responder. Conhecemos o nome do filósofo do capitalismo: Adam Smith. Conhecemos o nome do filósofo do marxismo: Karl Marx. Mas quem é o filósofo do fascismo?

    Sim, exatamente. Você não sabe. Não se sinta mal. Quase ninguém sabe. Isso não é porque ele não existe, mas porque os historiadores, a maioria dos quais estão na esquerda, tiveram que apagar-lo da história para evitar confrontar as crenças reais do fascismo. Então, deixe-me apresentá-lo a você. O nome dele é Giovanni Gentile.

    Nascido em 1875, ele foi um dos filósofos mais influentes do mundo na primeira metade do século XX. Gentile acreditava que havia dois tipos de democracia "diametralmente opostos". Uma é a democracia liberal, como a dos Estados Unidos, que Gentile rejeita como individualista - muito centrada na liberdade e nos direitos pessoais - e, portanto, egoísta. O outro, diz Gentile, é a "verdadeira democracia", em que os indivíduos voluntariamente se subordinam ao estado.

    Como seu mentor filosófico, Karl Marx, Gentile queria criar uma comunidade que se assemelhe à família, uma comunidade onde estamos "todos juntos". É fácil ver a atração dessa idéia. Na verdade, continua a ser um tema retórico comum da esquerda.

    Por exemplo, na convenção de 1984 do Partido Democrata, o governador de Nova York, Mario Cuomo, comparou a América com uma família extensa onde, por meio do governo, as pessoas se cuidam umas das outras.

    Nada mudou. Trinta anos depois, um slogan da convenção do Partido Democrata de 2012 foi: "O governo é a única coisa a que todos pertencemos". Eles também poderiam ter citado Gentile.

    Agora, lembre-se, Gentile era um homem da esquerda. Ele era um socialista comprometido. Para ele, o fascismo é uma forma de socialismo - de fato, é a forma mais viável. Enquanto o socialismo de Marx mobiliza as pessoas com base na classe, o fascismo mobiliza as pessoas atraindo a sua identidade nacional e sua classe. Os fascistas são socialistas com identidade nacional. Os fascistas alemães na década de 1930 eram chamados nazistas - basicamente uma contração do termo "socialista nacional".

    Para Gentile, toda ação privada deve ser orientada para servir a sociedade; não há distinção entre o interesse privado e o interesse público: os dois são idênticos. E quem é o braço administrativo da sociedade? Não é outro senão o estado. Conseqüentemente, submeter-se à sociedade é submeter-se ao estado - não apenas em questões econômicas, mas em todos os assuntos. Como tudo é político, o estado começa a dizer a todos como pensar e o que fazer.

  • Nyxolaz  28/12/2019 22:59
    No final das contas você usou todo esse argumento para fazer uma falácia lógica, ao dizer que: porque o socialismo se baseia numa política totalitária, e sendo Gentili um totalitário, logo ele é socialista.

    É importante lembrar que Gentili, junto com Mussolini fazem o livro "a doutrina do fascismo", onde há um capítulo claro diferenciando o fascismo do liberalismo e comunismo.

    Contudo o Estado não se apropria dos meios de produção nem abole o capital. Economicamente pode-se dizer que o fascismo é de esquerda por sua visão econômica nacional, mas o costume conservador estaria ligado à direita.

    Querer afastar o fascismo da direita está mais no fato de não querermos nos associar a ele. Mas eu que me vejo como direitista sei que passo longe do fascismo, assim como sei que a esquerda vai muito além do comunismo.

    Em geral, definir algo como esquerda e direita foi sempre muito raso, logo a gente acaba esquecendo o que de fato cada partido busca.
  • Drink coke  29/12/2019 15:37
    Não vi falácia lógica nenhuma. O fato é que o Facismo é uma derivação do socialismo, sua origem diz isso. O único motivo para jogarem o facismo na direita é porque facismo e socialismo foram inimigos na política, porem facismo e socialismo são doutrinas irmãs: Coletivista, antiliberalismo, totalitarios e estadistas. Agora nada mais bizarro do que jogar o Facismo na mesma cesta que o liberalismo e ainda ver liberais sendo chamado de facista, eu já tive que ler na internet que Mises era Facista.
  • Ex-microempresario  29/12/2019 16:29
    Concordo que os termos "esquerda" e "direita" são rasos e não tem mais significado prático (se é que um dia tiveram).

    Apenas dois detalhes: o fascismo não se "apropria" dos meios de produção mas os controla. Na prática, dá na mesma. E não "abole o capital" porque isso é impossível, a não ser que voltemos ao tempo dos neandertais.
  • Che  28/12/2019 22:00
    Esse site de direita tenta jogar a pecha de fascista na esquerda. Vocês são fascistas, muitas vezes racistas, ao se posicionar contra o pagamento da dívida histórica com os negros, contra os direitos trabalhistas, contra os movimentos sociais legítimos como o MST, contra a função social da propriedade. Toda a agenda desse site é fascista e reacionária. Quebraram a cara quando acreditaram que um liberal poderia governar a Argentina com sucesso. Vão quebrar a cara com esse governo de milicianos. Acreditamos que as forças progressistas unidas podem reverter o caos liberal na America Latina e no mundo.
  • Estado o Defensor do Povo  29/12/2019 00:53
    É isso aí, assino embaixo camarada.
  • Thiago  29/12/2019 13:49
    Ao menos vamos terminar o ano lendo umas piadas!

    Governo do macri foi liberal, governo do Bolsonaro também está sendo liberal.

    Mais outra, nós aqui temos dívidas com pessoas que viveram há centenas de anos.

    Eu tento ver alguma ironia no texto, mas não consigo. O pior é que ten muita gente que pensa do jeitinho que está esse texto aí.
  • Ex-microempresario  29/12/2019 16:26
    Tua mãe sabe que você está na Internet a esta hora da noite?
  • Skeptic  29/12/2019 16:37
    Em momento algum o artigo diz que fascismo e nazismo são/foram de esquerda e, como eu já falei acima, isso é completamente irrelevante.
    Espero que um dia essa babaquice de esquerda vs direita desapareça e seja substituída pela verdadeira dicotomia, liberdade vs estado.
  • Drink coke  29/12/2019 20:31
    "ao se posicionar contra o pagamento da dívida histórica com os negros"

    Sou Branco e descendente de imigrantes europeus e Sirios do começo do século XX, nenhum proprietario de escravo, então eu estou fora dessa dívida certo? não quero que nenhum tributo que eu pague seja destinado a esse fim
  • Carlos Lima  01/01/2020 18:15
    ô che, seu animal vagabundo, eu quero receber indenização pelo que o seu tataravô fez com o meu, que foi roubado, explorado, perdeu tudo que havia conseguido com anos e anos de trabalho árduo, e ficou com uma mão na frente e outra atrás, ao ser expulso, pelo seu ancestral direto, das terras que havia comprado e escriturado, tudo legalmente, como manda o figurino.
    você, que descende desse ancestral bandido, tem que ser forçado a me pagar, pois dívida histórica (a única que realmente importa e não pode ser questionada) não se esconde debaixo do tapete.
    abaixo os cartórios, e viva a palavra de mentirosos como você, que construíram essa sub-raça brazilêira, em cima da burrice (tipo a sua), da desonestidade (tipo a sua), e da mentira (tipo a sua), uma sub-raça que inclusive hoje é ridicularizada pelo mundo afora, com justa razão.
    e vamos acabar logo com este papo furado. vou por a polícia no seu encalço, para que me pague o que deve... por bem ou por mal.
  • Felipe  29/12/2019 01:31
    Vi hoje esse gráfico histórico da inflação de preços israelense. O que me surpreende é essa hiperinflação monstruosa que ocorreu entre 1976 e 1989. Alguém sabe o motivo disso ocorrer?
  • Humberto  29/12/2019 19:06
    A hiperinflação israelense da década de 1980 é famosa. Ainda mais famosa foi a receita adotada para acabar com ela. O governo israelense:

    1) Reduziu os déficits;

    2) aboliu a capacidade do Banco Central de financiar diretamente o governo;

    3) o mais importante de tudo, adotou uma política de câmbio atrelado (sem a qual nenhuma hiperinflação é domada).

    Nada de muito diferente do que foi feito no Plano Real.
  • Branco Libertário  29/12/2019 10:15
    "Chê", você está vivo? Você não morreu quando tentou implantar o comunismo na Bolívia? Ah, deve estar escrevendo, ao lado de Fidel, direto do Inferno, lugar que pessoas como você costumam morar para sempre, claro, já que serviram ao diabo por aqui, não é?

    Sendo você mesmo ( sei lá, pode ser apenas um troll, um libertário zoando por aqui...), aproveito e peço que pague a minha "dívida histérica, ops, histórica", com os negros. Pensando bem, eu, branco, também tenho direitos, benefícios sociais, cotas em universidades públicas e concursos públicos, pois Roma tem " dívida histórica", com quase todas as raças ( brancos, asiáticos, negros), já que havia muitos escravos em Roma, sendo que naquela época, quem não era cidadão romano, era escravo. Muitos brancos de olhos azuis eram escravos também.

    Ah, a minha parte que mereço receber por ter ancestrais brancos que foram escravos em Roma ( um querido ancestral esteve em espírito ao meu lado e disse que tenho direito a indenização que deve ser paga por Roma...), eu quero em dólares, pois não confio no Euro. Obrigado.

    Quanto as outras bobagens e idiotices ditas por você ( eu sabia que tinha internet no Inferno!), caro "Chê", nem perco tempo em responder.

    Mises manda lembranças! ( depois que Mises foi para o céu, ficou com dó dos que estão no Inferno...). Ah, o atual governo conservador, manda você e toda a esquerda, para o Inferno, ops, novamente! esqueci que vocês já estão no Inferno, tá okay?

    Volte aqui quando o Diabo te liberar, ou seja, nunca mais!
  • Revoltado  30/12/2019 13:31
    Branco libertário,

    Usando o mesmo raciocínio equestre da "dívida histórica", devemos começar a cobrar sobretudo dos árabes muçulmanos, que escravizaram mais de 20 milhões de nós, do litoral britânico às costas do Mediterrâneo, por ao menos 1.300 anos, em que mulheres iam para os haréns multi-étnicos dos califas, sultões e os homens tinham de trabalhar até morrer (isto quando sofriam castração antes). Quem sabe nós dois (também sou caucasiano) não tenhamos ancestrais vítimas dessa atrocidade séculos atrás, né não?
    Cobrar "dívida externa" contra quem quer que seja só geraria a Terceira Guerra Mundial!
  • Revoltado  30/12/2019 16:20
    "dívida histórica" era o que queria dizer na realidade...
  • Ex-microempresario  22/01/2020 23:33
    Quando é que os homo sapiens vão pagar sua dívida histórica com os neandertais?
  • Leigo  29/12/2019 14:08
    g1.globo.com/economia/noticia/2019/12/28/o-que-ha-por-tras-da-aparente-melhora-da-economia-da-venezuela.ghtml

    Vale um artigo, mais um acerto dos austríacos em relação a moeda.
  • Vladimir  29/12/2019 18:58
    Da reportagem:

    "A maior circulação da moeda americana, processo chamado de dolarização, coincide com uma inesperada sensação de bonança que acendeu também novas luzes de Natal, colocadas por autoridades, no curso do Guaire, rio repleto de esgoto que atravessa a capital.

    Depois de anos em um colapso econômico, que levou para fora do país mais de 4 milhões de pessos, alguns estão se perguntando na Venezuela: o dólar está ajudando o país a sair da crise?"


    Ou seja, o país está em rápido processo de dolarização, o que é essencial para qualquer estabilização econômica duradoura. Maduro certamente sabe disso e, se for esperto, não irá impedir.

    E, se o governo não tentar impedir, em menos de um ano acaba toda a inflação de preços. E aí, se ele moderar o discurso socialista e abrir a economia, os investimentos estrangeiros irão bombar (principalmente no setor de petróleo). O país pode tranquilamente desbancar a Argentina na disputa por capital estrangeiro. E se o Banco Central brasileiro continuar bobeando com a moeda, pode até haver fuga de capital daqui para lá (como a economia la está destruída, ela está partindo de uma base extremamente baixa, o que permite altos retornos percentuais para qualquer investimento).

    Em suma, bastou permitir a circulação de moeda forte, e toda a economia já começa a renascer. É realmente fácil e simples assim.
  • Elias  04/01/2020 22:42
    Em que sentido a Venezuela pode ser "dolarizada"? Seria no caso a substituição propriamente dita da moeda deles por Dólares Americanos? Lembrando que no Panamá, El Salvador e no Equador, eles fizeram isso e a moeda utilizada por eles é o Dólar.
  • Daniel Cláudio  04/01/2020 23:19
    Correto. Mas a dolarização na Venezuela está acontecendo espontaneamente, e não promulgada pelo governo.
  • Elias  07/01/2020 12:24
    Entendi, o dólar está sendo usado informalmente pelos venezuelanos. Até achei uma reportagem falando justamente sobre isso:

    valor.globo.com/mundo/noticia/2020/01/07/com-hiperinflacao-venezuela-vive-uma-dolarizacao-informal.ghtml
  • anônimo  08/01/2020 23:45
    Lamento "desapontar", mas moeda estável é apenas UM requisito de economia forte. A economia venezuelana é quase totalmente estatizada (e só pararam no meio do processo porque o país começou a entrar em colapso muito rápido).

    Os socialistas do Equador apostaram em algo parecido (muito menos radical do que o "socialismo do século XXI", obviamente), resultado: economia estagnada e a direita venceu as últimas eleições.
  • Kennedy  30/12/2019 12:13
    Com certeza vale um artigo, e as discussões e desdobramentos que surgiriam nos comentários provavelmente seriam proveitosos também.
  • Rdn  30/12/2019 19:23
    - O artigo é claro e vai direto ao ponto, explicando tintin por tintin o que é o fascismo. Mas existem pessoas que para entender, precisam explicar o desenho, do desenho, do desenho.


    ---- Liberdade Econômica vs Liberalismo / Liberalista -----



    Liberdade econômica é uma coisa, liberalismo, é outra coisa.

    Essas palavras são parecidas, mas possuem aspectos distintos.

    Um está no aspecto literal (liberdade econômica, direitos inalienáveis, etc).

    Já o outro (liberalismo / liberalistas), está no sentido figurado da palavra, pois seu aspecto é ideológico. Mercado aberto só vale se for para eles, para os deles (como já ocorria em governos anteriores). Para os demais, mercado fechado. Eles decidem quem vai usufruir das riquezas, ou seja, só os que fizerem parte do mesmo eixo de poder Eles também eliminam a concorrência, detendo todo o mercado para si (como também ocorria nos governos anteriores). Tomam a riqueza dos impostos para si. Tratam tudo que fosse seus, e tratam os contribuintes como meros escravos. Os impostos são progressivos, sempre.

    Liberalista está condicionado à ideologia. Está no mesmo nível fascista do socialismo e comunismo. Todos são irmãos siameses. Possuem o mesmo projeto de poder. O fascismo. Esses nunca governarão para a população, mas sim, para os seus, em benefício próprio.

    A maior prova disso é o Canadá. Veja o que o Canadá está se tornando. O Canadá está completamente atolado no liberalismo político. Um liberalismo que possui caráter ideológico.



    Já o contrário governa para o povo, para benefício do povo (exemplo, o atual governo do Brasil - Bolsonaro).


    ----- Fascismo -----

    "Célebre por seus estudos sobre a França de Vichy, Robert Paxton dizia que o fascismo se caracteriza por uma sucessão de cinco momentos históricos: a criação de seus movimentos; o aparelhamento do setor público; a conquista do poder legal; a conquista do Estado; e, finalmente, a radicalização dos fins e dos meios – incluída a violência política – por intermédio da guerra."


    O fascismo de hoje se disfarça de "liberalismo" no plano político e de neoliberalismo no plano econômico.

    Como ensina Paxton, na maioria das vezes os grupos fascistas iniciais sobrevivem para uma segunda fase, quando, como movimentos ou ainda como mera tendência, discurso ou doutrina – muitas vezes ainda não oficialmente elaborada – passam a se infiltrar e impregnar setores do Estado.

    É por meio de iniciativas aparentemente "populares", que ele desafia a Constituição e aumenta o poder jurídico-policial do Estado no sentido de eliminar, impedir, sufocar, o surgimento de qualquer tipo de oposição à sua vontade.

    Para manter-se depois, de forma cada vez mais absoluta, no controle, por meio de amplo e implacável aparato repressivo dirigido contra qualquer um que a ele venha a oferecer resistência.

    Aprimorando um discurso hipócrita e mentiroso que irá justificar a construção, durante alguns anos, de um nefasto castelo de cartas, do qual, no final do processo, sobrarão quase sempre apenas miséria, desgraça, destruição e morte.

    É aí que está a imbecilidade ilógica do fascismo.

    Tudo que eventualmente constrói, ele mesmo destrói.

    Não houve sociedade fascista que tenha sobrevivido à manipulação, ao ódio e ao fanatismo de seus povos, ou ao ego, ambição, cegueira, loucura e profunda vaidade e distorção da realidade de "líderes" cujos sonhos de poder costumam transformar-se – infelizmente, depois de muito sangue derramado – no pó tóxico e envenenado que sobra das bombas, das granadas e das balas."

    Fonte: www.redebrasilatual.com.br/blogs/blog-na-rede/2016/07/o-fascismo-e-sua-imbecilidade-ilogica-4186/

    -------------------


    Detalhe:

    O patriotismo do fascista, seu nacionalismo, é a ideologia, são vossos símbolos (foice e o martelo, suástica, punho serrado, saudação nazista, e afins). Eles lutam pelas suas causas, causas essas que são atreladas aos seus desejos. Eles tem sede de poder, e tentam oprimir à todos que não vivam os seus desejos.
  • Elias  02/01/2020 22:16
    Meus parabéns! Esse é um artigo que todos deveriam ler, principalmente as pessoas mais desavisadas que acabam sendo levadas por pensamentos esquerdistas. É bastante didático e esclarecedor, e mostra o quanto a esquerda é totalmente contraditória.
  • Professor  05/01/2020 12:24
    O primeiro a taxar trabalhistas e socialistas como "reacionários" não foi nenhum direitista, foi o próprio Marx. Para ele, qualquer modelo que 'amenizasse' a situação precária do proletariado estaria impedindo a inevitável revolução e, portanto, era um modelo reacionário perante a "grande marcha da história".
    Na visão dele, o capitalismo teria que ser levado ao seu grau máximo para que a situação o povo ficasse cada vez pior e resolvesse se rebelar contra a ordem vigente. Não obstante, chegou a apoiar o imperialismo e colonialismo. Também não faltou críticas ao assistencialismo, chamando de migalhas.
    Lênin, em seu livro "Esquerdismo, a doença infantil do comunismo", fez taxações semelhantes aos social-democratas da Europa. Dizia ele, que suas atuações estavam ajudando muito mais a manutenção do capitalismo do que o avanço do comunismo.

    Percebe-se que a esquerda moderna (os anti-fascistas) continua cometendo os mesmos "erros" que os primeiros comunistas já denunciavam. A grande questão é que os comunistas pós-guerra não pensavam que o socialismo fosse falhar de forma tão humilhante após tomarem metade da Europa.
    Mas lógico que depois da gigantesca propaganda anti-fascista não jogariam tudo no lixo, afinal, pragmatismo e mentira sempre foram o forte deles.
    Então a taxação de "fascista" não caiu sobre os social-democratas, que outrora eram tidos como reacionários e inimigos da revolução por comunistas, mas caiu sobre liberais e conservadores. Justamente os defensores de um modelo completamente oposto ao corporativismo do fascismo (e que social-democratas amam).
    Mesmo sendo absurda, não deixa de ser engraçada tal mudança nos rótulos que comunistas (e esquerdistas) colocam nos outros.
  • anônimo  03/02/2020 11:11
    A maioria dos direitistas não sabem a quantidade de pérolas que existem nos livros do começo do Marxismo (quando o mundo ainda não havia visto o comunismo na prática).

    Esse livro de Lênin é como uma lavagem de roupa suja em público, só faltou o cara chamar esquerdistas não-comunistas de nazistas (palavra que ainda não existia). Mas pra compensar, Trotsky e Stalin se xingavam de nazistas depois que a 2ªGG acabou.
  • Ex-microempresario  30/04/2020 19:16
    Li uma edição dos anos 70 de um livro do Reich com uma nota do editor "lamentando" que a União Soviética havia "traído os ideais do comunismo e adotado o neo-fascismo". Anos 70.

    A esquerda troca seus ideais e seus ídolos com a mesma velocidade que os times brasileiros trocam de técnico.
  • Regonaldo Borges  02/06/2020 01:34
    Forçou a barra para vincular o "de ontem com o de hoje".
  • Curioso  02/06/2020 02:35
    Do que exatamente você está falando, prezado Regonaldo?
  • Helton  02/06/2020 14:02
    Bom eu sei que no Brasil a discussão se resume a: (spoiler - conceitos-modinha não embasados na história)

    - Comunismo: por muitos uma utopia, ninguém sabe o que significa, mas que imaginam ser uma coisa boa;

    - Capitalismo: abolido por muitos, mas abraçado por todos;

    - Socialismo: a solução para todos os problemas da sociedade;

    - Fascismo: Mussolini vem de imediato à mente, portanto é uma coisa totalmente abominável;

    - Nazismo: a transfiguração do diabo.
  • Luz da razão  03/06/2020 19:26
    E o bolsonarismo é o que?
  • Alfredo  03/06/2020 19:50
    Por enquanto, um social-democrata mais modernista e que, ao contrário dos anteriores, respeita mais as liberdades individuais.

    E você? O que acha? Como o classifica? Cite fatos para sustentar sua avaliação.
  • Verdades  03/06/2020 19:52
    Desde a redemocratização, foi o que mais respeitou as liberdades individuais.

    * Aboliu radares das rodovias federais — mas o Supremo revogou a medida.

    * Aboliu o DPVAT — mas o Congresso revogou a medida

    * Acabou com a multa para quem não tem cadeirinha de criança no carro — mas o STF revogou.

    * Acabou com a obrigatoriedade de empresas publicarem seus balanços em jornais de papel (algo caríssimo e que ninguém lê, pois pode ser consultado de graça na Internet) — mas o Congresso revogou a medida

    * Facilitou a posse de armas para civis — ainda longe do ideal, mas um passo definitivo na direção correta (esta medida milagrosamente ainda se mantém; aproveitem).

    * Foi contra o congelamento do preço da carne no fim de 2019, quando toda a imprensa era a favor — como consequência, hoje não há nenhum risco de desabastecimento mesmo em plena pandemia (desabastecimento esse que seria uma certeza caso tivesse havido congelamento, pois aí nem haveria mais oferta de boi).

    * Reduziu drasticamente o repasse de dinheiro público para a imprensa via propagandas oficiais — jornalistas jamais perdoaram e por isso seguem dinamitando seu governo.

    * Vetou qualquer ideia de recriação da CPMF.

    * Foi abertamente contra proibir o povo de trabalhar e já se manifestou verbalmente contra os autoritarismos de governadores, que estão prendendo feirantes (e confiscando seus alimentos), donos de barbearia e até mesmo mulheres e crianças nadando na praia. A imprensa aplaudiu o autoritarismo.

    * Nunca defendeu qualquer medida que atente contra a propriedade privada.

    Não me lembro de uma única medida sua que tenha ido contra as liberdades individuais. Não me lembro de vê-lo defender abertamente uma única medida que tenha aumentado a intromissão do estado na vida dos brasileiros.

    Exatamente por isso a imprensa e a elite intelectual e artística o desprezam, mas o povão, mesmo em meio a este colapso econômico causado por políticos, simpatiza com ele.
  • O Estado salvando o povo  04/06/2020 22:42
    www.terra.com.br/noticias/coronavirus/coronavirus-na-suecia-a-sincera-admissao-do-epidemiologista-que-criou-estrategia-do-pais-contra-pandemia,e60e005057a4d804ed19b5b69d6b2369agft325y.html

    Por isso que o Estado tem que agir. Os indivíduos só fazem m...
  • Chat Noir  03/06/2020 21:24
    **OFF-TOPIC**

    Eu gostaria de saber na concepção de vocês o que ocasionou de fato a queda dos preços de dólares no governo Dilma e Lula?.

  • Fonseca  03/06/2020 22:53
    O Manifesto Comunista de 170 anos atrás apresentava 10 medidas necessárias para que um país se tornasse socialista. Dentre elas:

    To curioso pra conhecer! Nunca li esse Manifesto, mas já que vocês me fazem o favor de apresentar, seguirei a leitura.

    Imposto de renda fortemente progressivo.

    Estão falando da Suécia? Aliás, estão de toda a Europa e mundo desenvolvido? Bom mesmo deve ser o paraíso fiscal dos superricos chamado TerraBrasilis e que está em vias de ser ainda mais regressivo por esse governo "socialdemocrata" para alguns
    www.redebrasilatual.com.br/economia/2018/08/brasil-e-um-grande-paraiso-fiscal-para-os-mais-ricos/

    Centralização do crédito nas mãos do Estado, por meio de um banco nacional com capital do Estado usufruindo monopólio exclusivo.

    Centralização de crédito? Estão falando da Islândia?
    revistaforum.com.br/blogs/blogdorovai/bblogdorovai-como-a-islandia-que-empatou-com-a-argentina-derrotou-de-goleada-bancos-e-fmi-em-2008/

    Centralização, nas mãos do Estado, de todos os meios de comunicação e transporte.

    Agora estão falando da UK com a BBC?
    www.otempo.com.br/diversao/magazine/bbc-e-o-melhor-exemplo-de-tv-publica-1.315066

    Ou dos EUA com seus aeroportos praticamente todos estatais?
    praondevaisaopaulo.com.br/porque-a-maioria-dos-aeroportos-nos-eua-sao-estatais/

    Ou do maior porto do mundo em Roterdã (Holanda) que é estatal?
    blogs.opovo.com.br/jocelioleal/2017/03/21/porto-holandes-e-estatal/

    Ou será que estão falando do melhor aeroporto do mundo em Cingapura que é estatal?
    www.istoedinheiro.com.br/aeroporto-de-cingapura-e-eleito-melhor-do-mundo-pelo-oitavo-ano-consecutivo/

    Quem sabe do sistema de onibus urbanos da Austrália, que é estatal e gratuito?
    www.terra.com.br/noticias/tecnologia/cidade-australiana-oferece-onibus-movido-a-energia-solar-gratuitamente,335053da5b55b38a621067b41ccb73669l76htrv.html#:~:text=Enquanto%20muitos%20brasileiros%20sonham%20com,tarifa%20zero%20para%20o%20servi%C3%A7o.

    Unificação do trabalho agrícola e industrial com o objetivo de eliminar gradualmente o contraste cidade e campo.

    Sabe-se lá o que quer dizer por unificar trabalho agricola com industrial, mas sei que na Europa a diferença de renda entre o campo e a cidade é pequena. Aliás, isso é tão ultrapssado que desconsidera a grande economia de serviços que temos atualmente.

    Educação gratuita para todas as crianças nas escolas públicas, eliminação do trabalho infantil nas fábricas em sua forma atual, e unificação da educação com a produção industrial.

    Deve ser terrível um lugar onde se tenha escolas públicas para todas as crianças.
    E mais absurdo ainda: eliminar o trabalho infantil.

    Acho que os antifacista do Mises podiam fazer um movimento em comemoração ao trabalho infantil. Talvez um Dia Internacional do Trabalho Infantil, como forma de exaltação da expressão genuína das liberdades das nossas crianças e seus pais poderem trabalhar desde os 5 anos de idade, se assim desejarem!
    No próximo congresso dou essa ideia
  • Deodoro  04/06/2020 02:03
    "Imposto de renda fortemente progressivo. Estão falando da Suécia? Aliás, estão de toda a Europa e mundo desenvolvido? Bom mesmo deve ser o paraíso fiscal dos superricos chamado TerraBrasilis e que está em vias de ser ainda mais regressivo por esse governo "socialdemocrata" para alguns"

    Putz, tanto exemplo prático que o cara podia pegar, e ele foi escolher exatamente a Suécia, cujo Imposto de Renda de Pessoa Jurídica é de 21%, sendo que o do Brasil é de 34%.

    Na Suécia, qualquer um pode se tornar pessoa jurídica (não há regulação contra) e pagar 21% de IR.

    Aqui no Brasil, assalariado CLT da iniciativa privada paga 27,5% de IR.

    Já começou dando um belo tiro no pé.

    "Centralização de crédito? Estão falando da Islândia?"

    Não, do Brasil mesmo. Aqui temos BNDES, BB e Caixa. Juntos, esses três bancos estatais foram responsáveis por mais da metade do crédito concedido no governo Dilma, que foi aquela maravilha.

    mises.org.br/article/2466/como-a-crescente-estatizacao-do-credito-destruiu-a-economia-brasileira-e-as-financas-dos-governos

    Ah, e sobre a Islândia:

    mises.org.br/article/1731/irlanda-versus-islandia--quem-se-saiu-melhor-apos-a-crise-financeira-de-2008

    mises.org.br/article/309/a-crise-bancaria-da-islandia-o-colapso-de-um-sistema-financeiro-intervencionista

    "Centralização, nas mãos do Estado, de todos os meios de comunicação e transporte. Agora estão falando da UK com a BBC?"

    O fato de o Reino Unido lamentavelmente ter uma televisão estatal (o governo federal brasileiro também tem; o governo paulista também tem) significa que ele centraliza toda a comunicação?

    Você é burro assim mesmo, ou tá só fazendo charme?

    "Ou dos EUA com seus aeroportos praticamente todos estatais?"

    No Brasil também. E nem por isso todo o nosso sistema de transporte está centralizado nas mãos do estado.

    "Ou do maior porto do mundo em Roterdã (Holanda) que é estatal?"

    Aulinha básica e gratuita para você (aproveite, não haverá outras):

    O porto de Roterdã é o décimo-primeiro maior do mundo. Em termos de movimentação, é o terceiro. É estatal no papel. Na prática, seus diretores são pessoas de mercado (não são políticos e nem apadrinhados políticos). Com efeito, o site da empresa é .com e não .gov.

    Informe-se melhor.

    www.portofrotterdam.com/en

    "Ou será que estão falando do melhor aeroporto do mundo em Cingapura que é estatal?"

    Mas hein?! O aeroporto de Changi é operado por uma empresa privada: a Changi Airport Group.

    Conheça-a e pare de falar bosta:

    www.changiairport.com/
    Aliás, duas observações:

    1) A Changi é uma das concessionárias do Aeroporto de Confins, em BH;

    2) O fato de você ter dito que um aeroporto gerido por uma empresa privada (mas que você pensar ser estatal) é o melhor do mundo contém uma deliciosa ironia.

    "Quem sabe do sistema de onibus urbanos da Austrália, que é estatal e gratuito?"

    Puta que o pariu! Você citou um projeto de ônibus movido a energia solar de uma única cidade na Austrália, e você está dizendo que, por causa disso, todo o sistema de transporta daquele país está centralizado nas maos do estado?!

    Sério, o fato de você ser um asinino não significa que todo o resto da humanidade é igualmente relinchante.

    "Sabe-se lá o que quer dizer por unificar trabalho agricola com industrial"

    Pergunte a Marx.

    "mas sei que na Europa a diferença de renda entre o campo e a cidade é pequena"

    Não, sério. Não dá mais. Pra mim já tá bom.

    Alô, moderação. É uma vergonha esse seu desrespeito à sua própria propriedade privada. Deixar pessoas como essa emporcalhar o site espalhando mentiras e desinformações é lamentável. Isso apenas diminui o normalmente alto nível que se vê por aqui. Dica: anote o IP e coloque numa blacklist. Faça isso com os burros e tumultuadores, e todo o nível vai disparar.
  • Humberto  04/06/2020 17:56
    O Deodoro foi quase perfeito, mas vou apenas fazer duas correções pontuais (que em nada afetam o que ele disse):

    a) A Changi gerencia o Galeão, e não Confins. Confins está com a empresa que gerencia o aeroporto de Zurique.

    b) No governo Dilma, os bancos estatais passaram a deter mais de 50% do saldo do crédito, e não apenas das concessões. Se fosse só das concessões estaria até bom, mas foi o saldo mesmo. Deter mais de 50% dos saldos do crédito é ainda pior, pois mostra que o crédito foi efetivamente estatizado.

    De resto, tudo perfeito.
  • anônimo  04/06/2020 04:41
    Até agora não entendi qual o intuito desse comentário. Qual seu intuito? Dizer que políticos fazem práticas econômicas destrutivas? Porque é exatamente isso o que seu comentário está dizendo.
  • Ex-microempresario  04/06/2020 16:04
    O intuito do Fonseca, que é claramente um adolescente, é mostrar para si mesmo como ele é inteligente, bacana, esperto. Dentro da cabeça dele, o mundo inteiro leu a maravilha que ele escreveu, e imediatamente caiu de joelhos reconhecendo que o Fonseca é o maior gênio da história da humanidade.
  • Gabriel  04/06/2020 17:47
    Volte para a página do anarcomiguxos, Fonseca, pois aqui você só vai tomar paulada nesse nível.
  • Gabriel Santos  05/06/2020 16:11
    Mais uma prova que os "antifa" são os verdadeiros fascistas.

    "Professores antifa saem em defesa da luta armada contra o "capitalismo opressor""

    "Quem aqui de Salvador topa a participação em protestos de rua com potencial conflituoso? (...) A ideia é partir para o enfrentamento nas ruas e f*da-se coronavírus. Serão necessárias muitas pessoas, armas brancas, material incendiário e coragem (...)".

    O post acima, publicado na semana passada, seria de um supremacista branco dos Estados Unidos ou de um brasileiro favorável à intervenção militar? Não. A autoria é de um professor de sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA), que diz ser contra o fascismo"[...]


    E a matéria segue:

    [...]"Uma busca simples nas principais redes sociais e lá estão os professores "antifascistas" com propostas bastante questionáveis.

    Um professor de Direito de uma das maiores faculdades privadas do país compartilha um vídeo da quebradeira generalizada no Centro de São Paulo, do dia 31, e comemora: "Viva os antifas!!". Uma professora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) escreve "#ForaPM #ForaFascistas #NãoPassarão #ForaMilicos". Já uma docente da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com selo de "Resistência Antifascista" em sua foto de perfil, diz que "a escória maldita está no poder!"[...].


    Que coisa estranha. "Antifascistas" pedindo perseguição dos que pensam diferente, agressões, quebra-quebra e, principalmente, estado gigantesco em oposição ao capitalismo... Isso é exatamente o que os fascistas defendem. Inacreditável.

    Pior, financiamos essa gente para ficar fazendo proselitismo político. Quando será votada a privatização de todas as universidades públicas? Ao menos não irei financiar, com o meu dinheiro, professores "antifa".
  • ANTIFA  05/06/2020 18:49
    docdro.id/QwMcj9R

  • Régis  05/06/2020 19:13
    Opa, utilidade pública isso aí!

    Aqui está o .pdf com os nomes, fotos e endereços de todos. É só olhar as caras e ver que só tem derrotados.

    Observem se não há nenhum vizinho seu aí.

    www.docdroid.net/file/download/QwMcj9R/doxxing-de-antifas-pdf.pdf
  • WMZ  05/06/2020 21:48
    Não me leve a mal mas o cara que posta uma lista assim é uma pessoa irracional.

    Não sou o "bastião da moralidade" mas penso (e acho que é válido):

    1)E se eles não forem antifas? E se o Fulano ,que está na lista, não for um antifa? O cara que FEZ pode ser um difamadorzinho barato. Checar as fontes.

    2)E se for ilegal expor as pessoas assim (tem até telefone de contato), inclusive em repassagens? Nem me interesso por essas leis complicadas mas qualquer brecha é brecha (e os opositores deste site farão questão de encontrar uma brecha."Comentários serão exibidos após aprovação do moderador".Não li algo do tipo: o conteúdo postado na seção dos comentários é de total responsabilidade dos internautas...isso pode ser uma brecha e o dono e a reputação podem sofrer, talvez injustamente, as consequências...nessa era do mimimi )

    3) E como assim "serviço de utilidade"? Nem responda

    4)Como seria uma situação dessas no ancapistão?

    Só aviso que a lei não está nem aí se é anarco ou não é, os hômi é brabo
  • João Caio  06/06/2020 13:31
    g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/06/06/vitimas-que-tiveram-dados-vazados-em-dossie-relatam-medo-de-perseguicao-mp-sp-analisa-representacoes-contra-deputado.ghtml

    Manifestantes opositores do governo federal autodenominados "antifascistas" que tiveram o nome e dados pessoais divulgados em um dossiê vazado relatam que estão com medo de perseguições e tiveram de trocar números de telefone e apagar contas pessoais em redes sociais.

    Jovens revolucionários são piada pronta.
  • Dick Jones  07/06/2020 18:36
    If you can't stand the heat, get out of the kitchen.
  • Lando  06/06/2020 00:10
    Esse tipo de entrevista justificando vandalismo e violência precisa ficar gravada e ser replicada. É uma admissão pública do que é verdadeiramente o Antifa.

    Antifa é uma ideologia anarquista e anticapitalista, portanto os casos de vandalismo e violência não são apenas "casos isolados" de uma minoria. O vandalismo contra propriedades e a violência contra "fascistas" é ELOGIADO e INCENTIVADO pelas lideranças do movimento A TODO MOMENTO.

    Ao contrário das polícias que tentam punir e afastar os agressores das corporações, Antifas não apenas não punem manifestantes violentos, como ainda elogiam manifestantes que destroem propriedades pela causa e atacam "fascistas" nas ruas.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.