clube   |   doar   |   idiomas
Últimos comentários


Estudante, seguem os passos para se preparar para o colapso econômico:

pt.wikihow.com/se-Preparar-Para-um-Colapso-Econ%C3%B4mico

Outro opção é emigrar fisicamente ou financeiramente. boa sorte.



Dispararia a carestia e não resolveria nada de pesquisa (afinal, desde quando imprimir pedacinhos de papel pintado soluciona o problema da escassez de inteligência e da escassez de recursos?).

Artigo sobre:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2663


Meu caro, não há livre concorrência exatamente por causa do estado, que, ao regulamentar os setores da economia, escolhe exatamente quem pode e quem não pode entrar em todos os setores.

Apenas olhe ao seu redor. Todos os cartéis, oligopólios e monopólios da atualidade se dão em setores altamente regulados pelo governo (setor bancário, aéreo, telefônico, elétrico, televisivo, TV a cabo, internet, postos de gasolina etc.).

Quem cria cartéis, oligopólios, monopólios e reservas de mercado, garantindo grandes concentrações financeiras, é e sempre foi exatamente o estado, seja por meio de regulamentações que impõem barreiras à entrada da concorrência no mercado (via agências reguladoras), seja por meio de subsídios a empresas favoritas, seja por meio do protecionismo via obstrução de importações, seja por meio de altos tributos que impedem que novas empresas surjam e cresçam.

Artigo inteiro sobre isso (há vários sobre isso, mas vou deixar só esse):

www.mises.org.br/Article.aspx?id=2769


Esse artigo e sua sessão de comentários é transcendental.

Foram-se o que!? 3 anos!?

Eu nem sabia que o Mises existia, assim como muitos leitores leigos. Dá pra ver, inclusive, pelo nível dos comentários, que o site era frequentado principalmente por profissionais e estudiosos das ciência econômicas.

Será possível estimar quanto a economia brasileira perdeu em comparação a uma ucronia onde nosso país ousasse implementar medidas liberalizantes como o CB desde a publicação desse artigo!?

Essa atual desvalorização do real simplesmente teria sido revertida em valorização!!!!!!!!!!!!!

Impressionante como é possível ver toda a situação se desabrochando e o quanto a liberdade econômica haveria tido poder de mudar o presente. Naquela época, o medo era inflação, agora alta do dólar.

Imaginem o quanto o estado já teria sido suplantado pela iniciativa privada. Bem, nunca é tarde.

ps: desculpem por baixar o nível dos comentários desde que comecei a seguir o IMB. Esse é o custo da expansão do ideal. Atrai leigos, mas essa é a ideia, não?


Então você acha que o DDT não teve nenhuma contribuição para acabar com a fome no mundo? Preferia que populações inteiras tanto de países ricos como pobres morressem de fome do que consumirem produtos químicos que diminuiriam a expectativa de vida em 10 anos?

Sem o DDT não existiriam os pesticidas modernos cada vez melhores. Sem o DDT as nossas condições de alimentação seriam praticamente as mesmas de 1 século anos atrás, você gostaria mesmo de ter removido o DDT da história?


É completamente ingênuo, para não dizer retardado e místico, atribuir toda a complexidade de riqueza de uma nação a um recurso natural ou mineral qualquer. É como achar que toda a economia de uma civilização consegue ser descrita por uma pedra filosofal ou panaceia mágica que pode fazer tudo evoluir. A riqueza dos países ricos não se dar pela panaceia de nenhum recurso natural específico. não importa se é algo ligado a setores base como energia ou combustível. Esse é o "discurso de ouro" usado por políticos para justificar protecionismos, mercantilismo e boicote até os dias de hoje.


Excelente leitura para complementar o artigo:

jornalhoraextra.com.br/coluna/sera-que-o-educador-brasileiro-quer-mesmo-o-sistema-educacional-da-finlandia-e-da-estonia/


Painel de promessas o Ciro Gomes explicou como vai tirar os 60 milhoes do SPC, o governo vai comprar a divida dos endividados,então esses irão ficar devendo ao Estado que vai cobra a divida a juros menores, entendeu kkkk




Interessante essa do déficit fiscal.

Como sou leigo no assunto,tem como explicar mais o menos o porquê de ser tão complicado zerar o déficit em pouco tempo ?



Digamos que tenhamos um Estado benevolente que não cobre impostos. Digamos que esse Estado comece a imprimir mais e mais dinheiro de forma "controlada" mas destinando o mesmo não para o seu próprio bolso, mas sim para pesquisas científicas e/ou tecnológicas assim como para educação, saúde e segurança. Esse ato - de imprimir mais e mais dinheiro - iria afetar negativamente a economia do país, tendo em vista que ele estaria investindo em pesquisas?



Bom dia,

No caso do Brasil. Um país em que em muitas atividades temos pouca concorrência, gerando quase que monopólios, e também há muitos carteis, como por exemplo os postos de combustíveis (que se organizam constantemente em vários estados em cartéis), como aplicar essa ideia de livre mercado? Já que não haverá concorrência.


Ciro Gomes - Tirar 60 milhões de pessoas do SPC;
Alckmin - Zerar o déficit fiscal em 2 anos (Dado o histórico do homem é coisa de ficção científica);
Bolsonaro - Zerar o déficit fiscal em 1 ano;
Hadad - Diminuir o spread bancário.

Pelo andar da carruagem eleitoral os candidatos estão armando estelionato eleitoral e governos inviáveis já em fevereiro de 2019, preparem-se para o caos econômico.



"Presidente digno que queria que sua nação fosse livre de banqueiros inescrupulosos da Europa."

*cof cof* Livrar sua nação (ou melhor, o Sul) dos banqueiros inescrupulosos da Europa apenas para sujeitá-la aos banqueiros inescrupulosos do Norte. *cof cof*



Faz todo o sentido sim!

(1) O governo é a locomotiva da economia; os gastos governamentais são absolutamente fundamentais para que um país saia da crise e se desenvolva;

(2) Para o governo poder gastar, ele tem que arrecadar; quanto mais o governo arrecada, mais ele pode gastar para tirar o país da crise e desenvolvê-lo;

(3) Portanto, quanto maior a arrecadação, maior o desenvolvimento do país.

Por isso fico contente em saber que Ciro Gomes será o próximo presidente do pais.

Ou melhor ainda, se o deus Marcha da História quiser, o STF vai impugnar a candidatura do Bolsonaro, soltar Lula e autorizar sua candidatura e ele é que vai ser o próximo presidente!

Lula, nossso novo Getúlio Vargas, vai transformar o Brasil na maior potência econômica do planeta!

* * *



Devem dar uma voltinha no setor público para entender que esta aldeia não tem o mesmo senso meritório, em namorar um título acadêmico. Ali, o mais importante é o "QI". A meritocracia passa longe. Pioir: pode ser desvantajoso ter muito títulos. Com efeito, é bom lembrar: " nos demais paises as pessoas sobem na vida mostando seus méritos: no Brasil escondendo o alheio."


Pobre Paulista, o seu questionamento alinha exatamente com o que tenho pensado.

Estatisticamente falando, ao retirar um unico elemento de uma amostra significativa de uma populacao nao se altera o resultado. Eh uma questao puramente matematica. Quem nao acreditar pode fazer a conta. A diferenca eh tao infima que ganhar loteria e tem um valor probabilistico maior (comparado com a probabilidade de um voto fazer diferenca)

Acho que algumas pessoas instintivamente entendem isso, mas se preocupam com o valor agregado do todos que votam nulo, que ai sim passam a ser estatisticamente significativos. O problema desse raciocinio, que a maioria nao analisa (ou se nega a cogitar) eh:

A nao ser que todos que votam nulo sejam considerados como uma massa homogenea, eh seguro dizer respondem a niveis de preferencias proximos ao restante da populacao.

Logo, se um candidato eh eleito com 50%(mais 1) e o segundo tem 40%, sendo os 10% restante de votos nulos, podemos dizer que numa populacao votante de 100 milhoes, esses 10 milhoes estao dividos na proporcao de 5/4 (cinco pra quatro) em relacao aos candidatos mais bem votados, o que daria 5,55 milhoes pro vencedor e 4,44 milhoes pro segundo lugar.

Ou seja, se todos que votam nulo votassem em alguem, nao mudaria os resultados, porque as proporcoes de preferencia dentro da populacao ja estao marcadas.

Tem tambem um argumento que vi acima que eh importante. Uma parcela significativa de pessoas votando nulo indica que ha espaco (mercado) para ideias/pessoas novas.

Num periodo de falencia politica sistematizada em que quase todas as cartas em jogo estao marcadas eh importante sinalizar que ha um desejo de que esse baralho atual seja substituido por um novo.



"Se as regras de livre mercado valessem de fato no modelo Uber, a plataforma informaria o motorista sobre a previsão de ganho da corrida sem puni-lo"

Sorry, mas isso não existe no mundo real. Não tem disso de "livre mercado informar antecipadamente quanto você vai ganhar". Não tem essa moleza, não. Primeiro o cara empreende. Depois, só depois, ele descobre se se saiu bem ou se se estrepou.


Sim para a primeira pergunta.

Quanto à segunda, a teoria do Currency Board não afirma que a quantidade de moeda na economia é igual às reservas internacionais. Afirma, isso sim, que a base monetária é igual às reservas internacionais.

E estas independem de reservas fracionárias.


Sabe quando isso vai acontecer na república SOCIAL DEMOCRATA das bananas do brasil ? Nunca.

O país é formado por gente atrasada e políticos profissionais jurássicos que vivem na década de 60 tentando implantar o socialismo/comunismo ou a social democracia ( socialismo democrático ). Daqui 1000 anos este país estará pior do que hoje.



"Será que o consumidor, seja brasileiro ou mundial, sabe escolher realmente bem o que consome? "

Não sabe.

Por esse motivo é que devemos entregar o nosso dinheiro suado ao estado que vai empregar pessoas intelectualmente superiores (como você), que vão tomar todas as decisões corretas no lugar do povo ignaro do qual faço parte.

Sem o auxílio de políticos e burocratas eu não saberia nem como levantar da cama de manhã.


Esse vídeo é do Marlon, ele tem contrato com a Uber, nunca a critica em seus vídeos e não trabalha com a concorrência. Além disso, ele desconsidera custos como IR e depreciação, invalidando então, sua intenção: provar a alta lucratividade do negócio. Números fantasiosos.
Por experiência de mais de 2 anos trabalhando com estes aplicativos, o principal fator, a Receita, pode-se dizer que depende 50% do motorista para conquista-la com inteligência. Os outros 50% depende de ocasiões logísticas propiciadas e previsíveis pelos aplicativos mas que são ocultados ao motorista.

*****
Falou-se tanto sobre assumir o risco do negócio mas, sem conhecimento de causa é fácil defender teoricamente este argumento. O aplicativo pune o motorista que não aceitar viagens, tudo pela confiança do passageiro na plataforma. Desconsidera diversos fatores que imputam prejuízos ao motorista e oculta informações sobre o possível prejuízo ou não do negócio.

Case: Motorista aceita uma chamada (até aqui vale o argumento da livre iniciativa empreendedora). No entanto, não sabe o destino e não é remunerado pelo deslocamento para buscá-lo, ou seja, foi submetido, sob pena de exclusão da plataforma, ao possível lucro ou prejuízo, prejuízo este previsível pelo aplicativo. Se as regras de livre mercado valessem de fato no modelo Uber, a plataforma informaria o motorista sobre a previsão de ganho da corrida sem puni-lo, caso este optasse por não realiza-lá por conta deste previsto prejuízo ou lucro baixíssimo. Ela atua de forma patronal, em todos os sentidos exceto pelo fator motorista escolher trabalhar quando quiser, mas publicitariamente e juridicamente, atua como "parceira contratada".

Situações reais: Em São Paulo, motorista recebe uma chamada em um horário e local com muito trânsito. Sem saber a projeção de ganho e o destino, aceita a chamada e verifica que o passageiro se encontra há 15 minutos e 4,5km de distância. Ao chegar no local, aguarda sem remuneração o embarque do passageiro que demora 4 minutos. Ao iniciar a viagem verifica que o passageiro realizará uma corrida de 1km e 15 minutos por conta do trânsito. A remuneração desta corrida será de R$5,25, a mesma de 4 anos atrás apesar dos custos terem aumentado. Ou seja, motorista disponibilizou 34 minutos do seu tempo e rodou 5,5km com alto desgaste do carro por conta do trânsito. É uma situação de prejuízo. O aplicativo sabia do destino do passageiro, sabia da distância do passageiro mas ocultou as informações para o motorista. E ainda, o puniria caso recuasse-a.
Existem inúmeras situações de previsíveis prejuízos que somos submetidos. Um pequeno aumento na remuneração, não necessariamente no preço da corrida para o cliente, não impactaria necessariamente na escolha do aplicativo pelo usuário.
Este tipo de situação escancara como os aplicativos estão usando motoristas para enriquecerem, e isso nada tem a ver em esquerdismo ou condenar o enriquecimento. Aliais, essa discussão de direitistas e esquerdistas, está virando doença.

Existem outros inúmeros fatores e mecanismos utilizados pelos aplicativos para sustentarem este negócio milionário para eles, que apenas quem trabalha com a plataforma consegue perceber. Fora disso, muita teoria e defesa de apenas pontos de vista sobre a realidade e autores de teorias economicas.

*****

Existem inúmeros vídeos de motoristas que questionam os baixos lucros do negócio. Também é só observar os comentários dos vídeos do Marlon, perceberá se tratar realmente de um publicitário Uber-partner tendencioso.

A publicidade usando motoristas é um dos mecanismos usados pelos aplicativos no Brasil para obterem o máximo lucro possível até que outros fatores comecem decisivamente impactar o modelo, como dito pelo Henrique Zucatelli: Aumento da oferta de empregos, aumento da publicidade negativa de outros motoristas dentre outros fatores.
Em um cenário de emprego e estabilidade economica no Brasil, ou a remuneração do motorista aumenta ou o modelo irá a falência pois poucos profissionais arriscarão o negócio com esta baixíssima margem de lucratividade.

A discussão acaba tomando vieses ideológicos: para defender o livre mercado com unhas e dentes contra possíveis esquerdistas, defenderei a Uber com unhas e dentes. Lamentável. Lamentável esta postura e a postura da Uber, que tinha tudo para ser uma empresa parceria de empreendedores mas hoje atua como um gigante demônio desprezível ávido por lucro que através da publicidade mascara a prática Sharewashing e se vende como Anjo da inovação e solução da economia compartilhada.


Como um país liberal, com política de Estado reduzido, pode se defender do globalismo?


Uma dúvida que surgiu: Se um governo adota Currency Board, os bancos continuam operando normalmente com reservas fracionárias? Em caso positivo, ainda dá para firmar, que " a quantidade de moeda nacional é idêntica à quantidade de reservas internacionais"?



Mesmo que o marketing de uma empresa conseguisse manipular as pessoas do jeito que você diz, isso apenas reforçaria a tese de que valor é subjetivo.

* * *



Prezado Helio

Não gosto do Karnal. Ele é de fato o "rei" da obviedade. Mas há que se entender que ele não critica o empreendedor. Ele apenas faz um paralelo entre a teologia cristã formatada e construída na idade média que perdura até hoje no imaginário ocidental conflitando com aquilo que ele classifica de nova "teologia empreendedora".

Ora na teologia cristã há que se perder para se ganhar, "os últimos serão os primeiros". Na nova só interessa vencer.

Na teologia cristã há uma redenção para o fracassado, "todos pecaram e por um todos foram resgatados". Na nova teologia sou um fracassado, a culpa é toda minha.

Na teologia cristã a "ousadia, coragem e iniciativa" são para ganhar o céu. Uma salvação metafísica, para além desta existência. Ora para a teologia do empreendedor basta-me esse mundo aqui e agora, a salvação é um carro top, um negócio bem sucedido, etc.

Para a teologia cristã, os modelos são os santos. Pobres, renunciaram a si mesmos. Sua ótica é servir o outro para que estes sejam beneficiados. Afinal entendem assim que servem o próprio Deus. Para a teologia do empreendedor os modelos são grandes empresários, ricos e poderosos. Sua ótica é servir o outro para benefício próprio.

Pastores e padres são os sacerdotes da teologia cristã. Seu papel é confirmar a fé em Cristo. A teologia empreendedora é o Coach seu sacerdote. Seu papel é confirmar a fé em si mesmo.

Os pecados deixaram de ser os convencionais. Pecadora agora é o desorganizado, sem metas, sem visão para o futuro.

Missas e cultos substituídos por reuniões. Liturgia são frases de efeito, dinâmicas de grupo, etc.

Enfim a Crença no Cristo, passou a ser a Crença do Empreendedor de Sucesso.

Eu, particularmente vejo beleza nas duas. E acho que o Karnal tem razão. São teologias com visões diferentes da sociedade, do ser humano, da filosofia de vida.





Desista, Ironic Alert... Você não está conseguindo ser "irônico", apenas demonstrando o quanto odeia empreendedores bem sucedidos.
Na sua visão, somente uma entidade centralizadora (se possível, você mesmo) é capaz de definir o que é "bom" para o consumidor.
Continue lendo os artigos do site, você não é o único "funça com remorso" que vem parar aqui...



Preço do Bitcoin hoje: 6.568,98 DÓLARES.
Esses otários foram otários mesmo... :D


Há um porém, como sempre. Feliz da Estônia por ter conseguido esse modo de vida. Mas por exemplo a Romênia passou pela mesma tragédia e veja como está hoje, basta acompanhar na mídia. Outro exemplo, a própria Rússia pós-privatizações, mudança da KGB para FSB e subida do Putin ao poder.

Se há mudança política na superfície, mas os agentes políticos continuam atuando sob outra nomenclatura mas com a mesma mentalidade comunista/socialista com certeza o ambiente econômico de livre mercado e de livre-iniciativa não irá prosperar.


Sou Funcionário municipal da saúde. Apenas para constatar e não defendendo o sus: Hoje, 90% dos cidadãos do meu município dependem do sus, porque não é possível, para eles, na atual conjuntura, um plano de saúde. Acabar com o SUS da noite para o dia geraria um lapso de organização que deveria ser previamente estabelecida para não deixá-los a descoberto nem por um dia. Isso custaria vidas desnecessárias. Ainda que revolução seja revolução e tenha um preço, acredito que o modelo substituto para o que temos hoje deve ser proposto antes da mudança. Como nenhum candidato tem esse material em mãos, apesar de haver diversas soluções mundo a fora, o SUS ainda vai ser, por pelo menos mais 4 anos, a estratégia vigente.

Abracei a causa libertária, penso em empreender, mas ainda não posso me dar a oportunidade de sair do meu emprego. Tenho 2 filhos.
Mesmo sabendo que, no meu caso, não sou um burocrata e nem tenho privilégios além da minha insalubridade (20% do salário mínimo), de pagar acima do teto do inss e dar mais que um braço meu para o leão, sem fgts e, logo logo, sem aposentadoria, ainda assim me sinto parte do que está errado. Meu consultório, hoje, não funciona por falta de luvas e máscaras para atendimento, graças à incompetência de gestores públicos.

Pretendo achar meu caminho fora do Estado, mesmo que tenha q mudar de profissão e a semente já está plantada.

O instituto Mises abriu meus olhos. Votarei no candidato mais liberal possível, esforçar-me-ei para espalhar a ideia, o que é tarefa árdua e desgastante psicologicamente frente a toda a doutrinação socialista que sofreu a nossa pobre sociedade e, junto com os ilustres leitores desse instituto, torço por dias melhores.



Perfeito, tem que acabar com essa cultura do brasileiro de tudo querer concurso e empresas estatais e de não querer se comparar a países bons como EUA e europa.


Saudações caríssimos, mais uma vez expresso minha gratidão a vocês.
Por favor, poderiam me dizer como posso citar esse texto?



Interessante como este artigo poderia concisamente tratar-se de uma sinopse do livro A Revolta de Atlas, de Ayn Rand. O cenário moralmente destrutivo propagado pela ação estatal e o peso da dificil decisao em aguentá-lo sobre o indivíduo, seriam um bom resumo da obra da escritora.


Pelo que percebo Amoêdo se resume a economia, mantendo todas as patifarias do politicamente correto da mesma forma
Isso para mim continuaria levando o Pais para o caos, mesmo que a economia desse sinais de melhora
Mas bastaria novo esquerdista no poder para voltarmos as trevas.


Continuo defendendo o ponto de que viveremos num mundo onde tudo passa por saber vender.
Eles sabem vender e você precisa aprender a comprar. Tá sendo passado pra trás por ai e continua comprando? Que tipo de pessoa você é? Procure serviços melhores, cuide do seu bolso. Pare de ir ao dentista que não arruma seus dentes. Pare de ir ao McDonalds que não tem milkshake (sei como é isso, você chega lá e não tem o sonhado milk shake na máquina), quando é assim, procuro um Bob's ou outro concorrente. Ah, cuidado com serviços públicos, pois eles não tem concorrentes. Não seja um consumidor idiota, bom dia.


Pelo menos pra plantar café, o Brasil é bem livre e é o maior produtor mundial.





O Lula foi outro que tirou direitos dos servidores públicos, aprovando a reforma da previdência que retirou a integralidade da aposentadoria e agora todos os servidores que ingressaram depois da reforma irão receber pelo teto do INSS que atualmente está em R$ 5.622,00, além disso para quem não sabe se aposenta mais tarde no serviço público (60 anos se homem e 55 anos se mulher, além de ter contribuído obrigatoriamente por 35 anos), na iniciativa privada ainda se exige apenas 35 anos de contribuição.


Conheço o homem e seu irmão Eugênio, que é o atual presidente da empresa, pessoalmente, e gosta da forma como ele vê as coisas.

Além de que é um empresário assumidamente liberal, tanto que agora não tendo mais funções no dia-a-dia da empresa ele tem se prestado ao ativismo.


Como assim?

Passar raiva é a melhor parte de ler os comentários.

Tanto que, quando tá todo mundo concordado muito, tem que vir o Capital Imoral salvar a pátria e refutar Mises.

Digo mais: Quanto mais sutil e melhor elaborado o comentário contrário ao artigo, mesmo que por piada, melhor o exercício do debate e melhor nos preparamos para argumentar a favor, pois qualquer falha no argumento de um libertariano pode ser uma brecha para falácias e sofismas.
Esse fórum é um curso preparatório para a disseminação da ideia libertária e quanto mais precisarmos argumentar, mais espalhamos o ideal.

Que venham os socialistas, fakes ou não.........


Esqueci.... quanto ao paciente procurar o apenas o sus, 90% dos pacientes na minha cidade são, sim, usuários do sus na odontologia. Isso não garante que o serviço é de qualidade, apenas revela que o paciente não tem poder de compra e não quer se arriscar a gastar, pois já não sabe bem se vai receber o serviço que foi prometido. É o fim da linha, por aqui....


"Ele estraga os dentes de todo mundo e mantém a clientela a 20 anos? Então as pessoas só vão ao seu consultório para receber massagem?"

Esqueci de falar que, para terminar um tratamento, ele leva, em média, dois anos. Geralmente, quando os pacientes procuram outro dentista, é por causa disso e não da iatrogenia.

"Bem, os McDonalds que costumo frequentar servem um lanche, geralmente, bem montado, com uma coca cola com gás... Agora, procure outro lugar que sirva um lanche + batata + coca por 17 reais, com padrão de qualidade semelhante. Você vai achar lanche bem mais gostosos, gourmetizados, porém vai pagar 30, 40 reias, mais bebida, garçom, etc. O preço é acessível. "

Pequei por generalizar. Deve haver lojas do macdonalds com bons lanches, mas não é regra geral. Troque o exemplo por tantos produtos e serviços que são consumidos só por causa da embalagem (produtos femininos de cabelo da Lola - porcaria, produtos infantis que as crianças exigem porque têm um desenho conhecido no rótulo...). É possível negar que isso aconteça e, não só seja caso isolado, mas que englobe um grande volume do mercado de consumo!?

Num cenário desse, não precisa ter um consultório dentário que parece uma barbearia daquelas com calendário da Carla Perez de 1997 e Pôster do título mundial do Grêmio dos anos 80 de decoração na parede. Basta falhar na sua divulgação e na sua imagem. Pecados pequenos de quem não tem visão de vendedor, num mercado saturado, são o suficiente para esvaziar sua loja.

Continuo defendendo o ponto de que viveremos num mundo onde tudo passa por saber vender. Saber capturar o desejo de consumo alheio. Num mundo perfeito, um trabalho bem feito seria o suficiente, mas há diversos exemplos que mostram o contrário. Parece plausível ser um pecado tão grande não ter tino para isso, mesmo que você tenha grande talento para o serviço em si?



Será que o consumidor, seja brasileiro ou mundial, sabe escolher realmente bem o que consome? Não há como negar o quanto se compra gato por lebre e, pelo que tenho visto, em diversas situações o consumidor (por n motivos) sai dizendo que o gato é lebre, sim!!!!!!!!!!!


Não sei se M. Dias Branco cresceu sem ajuda do governo, mas acho a indústria dele em PE fantástica. Já ouvi alguns funcionários falarem muito bem da empresa. Isso é tão raro. Normalmente os trabalhadores falam mal das indústrias.


Você citou ótimos exemplos de empresas que entregam exatamente o que o mercado procura.

Dica: Quem vai no McDonald's não está nem aí se o alface está fora da caixinha, se seu lanche foi preparado por um humano ou um robô, ou se a quantidade de sódio sei lá o quê.

Entenda o básico: Os empreendimentos de sucesso são aqueles que atendem às demandas dos consumidores, ponto.


Exercício de filosofia: advocacia do diabo.

Na minha cidade tem um dentista que estraga os dentes de todo mundo, mas é considerado um homem de sucesso, de família de nome, tem uma clinica maravilhosa, cadeira que faz massagem e faz tratamento de canal a laser (?!?!). Faz uns vinte anos que ele está no mercado e nunca ficou por baixo. Como? Ele tem lábia... ele vende... exemplo real. Não diga que não por que é verdade!!!!!!!


Ele estraga os dentes de todo mundo e mantém a clientela a 20 anos? Então as pessoas só vão ao seu consultório para receber massagem?

Vá no shopping e veja qual o buteco que nunca fica sem movimento: Macdonnalds... ai vc come aquele lanche feito por um aprendiz, sem centralização, com metade da alface já caída fora na caixinha, toma coca cola sem gas (pura água), lê as informações nutricionais deprimentes na embalagem do lanche e diz: eu juro que essa foi a ultima vez.

Bem, os McDonalds que costumo frequentar servem um lanche, geralmente, bem montado, com uma coca cola com gás... Agora, procure outro lugar que sirva um lanche + batata + coca por 17 reais, com padrão de qualidade semelhante. Você vai achar lanche bem mais gostosos, gourmetizados, porém vai pagar 30, 40 reias, mais bebida, garçom, etc. O preço é acessível.

Digo isso porque sempre há um bom dentista com um consultório modesto e uma ótima lanchonete que não chama a atenção... por causa de marketing, relações públicas, propaganda, venda, nunca por causa do produto ou do serviço.

Eu não estou entendendo, você quer que o cara abra um consultório nos fundos da sua casa e que comece chover cliente? Você tem que fazer o MÍNIMO pra atrair alguma clientela e prestar um bom serviço para manter a clientela (que irá fazer um marketing gratuito pra você, se gostar do serviço). E você ainda pode optar por ter um consultório mais modesto, sem cadeiras de massagens, cobrando valores mais baixos ou ter um consultório igual o do seu exemplo, cobrando mais pelo luxo "extra".

Quando um ótimo dentista ou chef de cozinha sabe fazer seu trabalho maravilhosamente (nada de guarda chuva furado, falo de coisa boa que qqr um quer), mas não sabe vender seu peixe, nem tão pouco administrar sua empresa, para não se frustrar na profissão, tem que achar uma saída. As vezes a saída está num concurso público.

Concurso não garante vaga para quem faz maravilhosamente bem, apenas para quem burocraticamente estudou uma apostila e passou na prova. Ou seja, um fracassado no empreendedorismo, que não consegue angariar clientela, deve entrar no Estado e tomar a força o dinheiro de gente que sequer comprará seu serviço? Beleza, bem ético.

Esse bom dentista atende muito mais gente num dia estando numa UBS e atende bem. Ganha menos por procedimento do que ganharia no particular, mas como não vende, não adianta estar no consultório. Não precisa lidar com a parte que ele não gosta (cobrar) e está, portanto, fazendo um trabalho eficiente (o custo em imposto é menor do que o custo individual no consultório). Ainda assim, ele deveria ser tratado como um receptador de carro roubado?

Deve ser por isso que ninguém mais procura dentistas particulares, todos os bons dentistas estão atendendo em UBS; e atendendo bem, igual o setor privado. Receptador de carro roubado recebe um produto que ele sabe que foi tomado a força de alguém; o dentista da UBS faz um serviço e recebe dinheiro tomado a força de alguém. Moralmente falando, tem muita diferença?



obrigado Richard.

Curiosa uma entrevista dele a um sindicato da categoria, quando foi tocado o assunto concorrência forte ele apenas citou uma união entre Varig e VW formando a Interlocadora na década de 80, que acabou fechando apenas alguns anos depois porque a principal estratégia errada é que praticavam preços baixos.. Estaria ele querendo dizer algo sobre dumping?

Li que ele era próximo de Aécio Neves, e quase se candidatou pelo Novo ao governo de Minas, que estava cansado da bagunça de governos petistas que se aproveitaram de "Collor ter iniciado as privatizações e aberto o mercado, Itamar ter implementado o Plano Real e FHC continuado com as privatizações, instituído as agencias reguladoras, regulamentado a Lei de Responsabilidade Fiscal e o tripé de combate à inflação com cambio flutuante, superávit primário e metas de inflação. ".

E ainda disse sobre os petistas: "Eles não gostam de empresário, não gostam de lucro, não gostam de mercado, então, como podem gerenciar uma economia? ".

E pra finalizar: "O SINDLOC-MG tem cumprido um papel excepcional para a indústria de aluguel de carros. A seriedade na condução do sindicato ao longo dos anos e em diferentes mandatos é um exemplo de eficiência na condução do órgão de representação das empresas de aluguel de carros. Aliás, um exemplo para os administradores da coisa pública."

O que acham ?


"algo raro"...... onde?

Quantos negócios sobrevivem ao primeiro ano no Brasil?

Comentei só porque faltou essa refutação nas respostas anteriores..............


Exercício de filosofia: advocacia do diabo.

Na minha cidade tem um dentista que estraga os dentes de todo mundo, mas é considerado um homem de sucesso, de família de nome, tem uma clinica maravilhosa, cadeira que faz massagem e faz tratamento de canal a laser (?!?!). Faz uns vinte anos que ele está no mercado e nunca ficou por baixo. Como? Ele tem lábia... ele vende... exemplo real. Não diga que não por que é verdade!!!!!!!

Vá no shopping e veja qual o buteco que nunca fica sem movimento: Macdonnalds... ai vc come aquele lanche feito por um aprendiz, sem centralização, com metade da alface já caída fora na caixinha, toma coca cola sem gas (pura água), lê as informações nutricionais deprimentes na embalagem do lanche e diz: eu juro que essa foi a ultima vez.

Digo isso porque sempre há um bom dentista com um consultório modesto e uma ótima lanchonete que não chama a atenção... por causa de marketing, relações públicas, propaganda, venda, nunca por causa do produto ou do serviço.

Quando um ótimo dentista ou chef de cozinha sabe fazer seu trabalho maravilhosamente (nada de guarda chuva furado, falo de coisa boa que qqr um quer), mas não sabe vender seu peixe, nem tão pouco administrar sua empresa, para não se frustrar na profissão, tem que achar uma saída. As vezes a saída está num concurso público.

Esse bom dentista atende muito mais gente num dia estando numa UBS e atende bem. Ganha menos por procedimento do que ganharia no particular, mas como não vende, não adianta estar no consultório. Não precisa lidar com a parte que ele não gosta (cobrar) e está, portanto, fazendo um trabalho eficiente (o custo em imposto é menor do que o custo individual no consultório). Ainda assim, ele deveria ser tratado como um receptador de carro roubado?


Foram subsídios. Detalhe que a AmBev nunca precisou disso. A única vantagem é que conseguiu comprar várias empresas com esse dinheiro.

O governo petista realmente amava oligopólios.


Muito bom esse artigo. São só coisas que já sabemos, mas de qualquer forma é importante manter fresco na memória esses problemas e argumentos.



É será que os presos não poderiam trabalhar no presídio, visto que temos 13 milhões de pessoas na sociedade desempregadas e mais uma vez mascaraqmos a babaquice do social.


Primeiro nós não somos um país sério, segundo acredito que estudos devem ser feitos sobre os prós e contras no uso de agrotóxicos, fitofármacos, defensivos..... e por aí vai . Trabalhar com resultados verdadeiros , não mascarados e muito menos por idéias do ACHISMO. Como foi dito já não podemos perder tempo em discussões políticas partidárias em assuntos de tecnologia em qualquer área. Sou agrônomo e infelizmente vivemos em um país que esqueceu a palavra estudo. não podemos também pensar o que é bom pra uns a bom pra nós. É por isso que temos várias áreas do conhecimento , CADA UM NA SUA.


Até mesmo Portugal está muito à frente do Brasil em facilidade para fazer negócios, está em 29º no ranking do Douing Businnes, enquanto o Brasil está na posição 125. Apesar de algumas burocracias, abre-se uma empresa lá com menos de 5 dias, o sistema tributário, embora haja muitos impostos também, é bem mais simples de entender.



O que é "melhor" para uns, não necessariamente é o "melhor" para outros.

Não confunda habilidade técnica com preferência dos indivíduos. Eu não compraria um guarda-chuvas furado, nem mesmo do "melhor" fabricante de guarda-chuvas furado do universo.



Não sei se foi irônico e nem entendi direito... O marketing é função essencial para empresa vender seu produto, mas a empresa jamais se sustentará só com ele, vou te dar um exemplo:

Nas propagandas e no banner do shopping o lanche do Bob's parece uma MARAVILHA. Resolvi experimentar... é uma PORCARIA, nem a batata salva. O marketing me fez experimentar, mas o produto deixou a desejar e não volto tão cedo (o que deve acontecer com outros consumidores).

Não sei a solução que você queria, mas a sua premissa estava errada.


Ambev desfruta de uma maravilhosa reserva de mercado graças ao protecionismo tupiniquim. Além de ter recebido fartos subsídios nos governos petistas.
O resultado é esse daí: cervejas péssimas e concorrência quase zero.

Mas a culpa não é do Leman, somente um idiota não aceitaria dinheiro grátis. A empresa é muito bem administrada, ao contrário da maioria que recebe subsídios do BNDES.


Nessa sociedade anarco-capitalista, só haveria espaço para bons vendedores de peixe.
Parem para pensar e, de dentro de vocês, poderão constatar um fato:
Os melhores não são os mais vendidos.

Nos mais diversos serviços e nas melhores linhas de produção, principalmente no artesanato, os melhores geralmente são pessoas que se focaram em uma habilidade por uma vida inteira e, para isso, nunca se dedicaram a aprender a vender. Muitos gênios em uma área são péssimos em lidar com outras coisas, como a administração. Alguns chegam a passear pelo espectro autista da personalidade.

Uma sociedade anarco-capitalista beneficia marqueteiros. Vejo isso na minha profissão e nas mais diversas áreas.

Apontem uma solução para isso e eu saio do meu cargo público (que para mim é uma forma de eu trabalhar da melhor maneira que eu sei sem ter que lidar com cobrança e negociação).


Jeferson, a realidade do país se tornará ainda pior do que a atual, vide RJ e RS com salario atrasado de funças, está demasiado tarde para entrar na mamata estatal.

Viver no Brasil é terrível, acostume-se, por algum motivo pouquíssimos pais e avós compartilham esse conhecimento com seus descendentes, multiplicando os brasileiros isolados do resto do mundo.

Mesmo para os funças é terrível, se por um lado podem contar com bons salários e estabilidade, seus trabalhos são completamente frustrantes para sua normalmente alta escolaridade e se entopem de remédios tarja preta para aplacar a imensa ansiedade de estar a espera da morte, viver na bolha de segurança é uma fantasia e custa caro, os assaltantes numa moto, o pedinte na porta do mercado, o limpador de para brisas no semáforo, aquele sobrinho que não consegue emprego, o amigo do peito que se desempregou e não pode mais aceitar convites para jantar, os pais idosos que consomem 40% da renda para pagar convênio médico tosco, a infraestrutura paupérrima e tantas outras mazelas estão lá para lembra-los de que vivem num país pobre, muito violento e sem o mínimo de condições para acomodar dignamente 95% de sua população.



Por quê? Não entendi a lógica. Você está dizendo que empresas aéreas só fazem manutenção em seus aviões porque políticos mandam? Se políticos não mandarem, elas não fazem manutenção e os aviões vão pro chão?

Mas, ué, se os aviões só fizerem cair, o que ocorrerá com os lucros das empresas?

Comentário sem sentido o seu.


A segurança é um fator crítico no transporte aéreo e, na minha opinião, isso dificulta muito uma desregulamentação agressiva nesse modal.


Pensei também no pessoal da AmBev, Jorge Paulo Lemann e Cia. Ou há maracutaias as quais eu desconheço?


Quantas pessoas ficaram pobres para Bill Gates ficar bilionário?

Melhor... quantas pessoas recebem bons salários da microsoft?

Ele criou riqueza!!! muitos melhoraram de vida com o empreendimento individual dele.

mas vamos pensar:

supomos que ele pague 20 mil para 1000 funcionários e ele mesmo tenha 20 bilhões. Que desigualdade, não!?

Será que esses funcionários gostariam que o ganho deles fosse pela média aritmética entre eles e Bill Gates?... tentador, sqn. Simplesmente não haveria microsoft nesse caso.




E cada carcada que os parasitas levam aqui. Deve até zumbir a orelha na hora de dormir, depois de uma dessas...


Diante de um artigo maravilhoso como esse,até fico feliz por ter escolhido como tema de TCC - " Como o Estado reprime o progresso ".
Espero conseguir mostrar pra algumas pessoas que o Estado castigando o empreendedorismo,castiga a sociedade inteira.


Uma hora a conta simplesmente não vai fechar. Aí o governo brasileiro terá duas opções: ou o país vira um gigantesco RJ ou teremos inflação mensal de 2 dígitos. Porque cortar gastos parece não ser uma opção que irá acontecer.


Concordo plenamente com o demolidor. Infelizmente é a nossa realidade. A cultura do funcionalismo público é consequência de sucessivas instabilidades econômicas(claro, causadas pelo tamanho do governo) no Brasil, e por isso temos um setor privado bastante volátil. Isso faz com que as pessoas procurem o funcionalismo público. Não podemos demonizá-los como um todo. É a lei da sobrevivência nessa Republiqueta Sociofascista.

E creio que a maior parte dos funcionários públicos ganham de acordo com a realidade e as vezes abaixo da realidade(professores, policiais militares). Os salários acima da realidade estão em sua maioria nos Estados e em Brasília.



Ou ainda: odeiam políticos, mas pedem tudo para o estado (controlado primariamente por políticos): auxílio-doença, seguro-desemprego, aposentadoria, saúde, educação, habitação, empréstimo para fazer faculdade, subsídios, proteção contra produtos estrangeiros, bolsa-família, bolsa-travesti, cotas, habitação, etc. etc.

Reclamam que "político é tudo corrupto" mas imploram de joelhos para que esses mesmos políticos sejam os controladores do dinheiro de todo mundo que produz na sociedade.


Você está correto. E a grande prova disso é a dissonância cognitiva da população em relação à FIESP e ao livre comércio: ao mesmo tempo em que a população diz odiar a FIESP, ela defende as próprias tarifas de importações que servem para proteger a FIESP e para proibir a liberdade de escolha do povo.

Outro exemplo: reclamam dos altíssimos preços dos carros nacionais, mas são contra a abolição das tarifas de importação para carros estrangeiros, pois isso "acabaria com empregos nas montadoras".

Condenam os grandes empresários, mas defendem exatamente aquela política que faz deles os maiores beneficiados.

Há também aquele exemplo clássico: odeiam políticos, mas querem que as principais empresas do país fiquem sob o comando deles.


Como o próprio hoppe sempre fala: ''o rico é rico por um motivo... ''. É uma grande ilusão achar que um sistema feito para beneficiar as massas as custas aristocracia (democracia) não seria pervertido pela própria elite intelectual.

Esses empresários são as pessoas mais inteligentes da sociedade, são as pessoas com maior QI, eles se utilizam da ignorância e ''ganância burra''(como diria bastiat) da população que pede para o Estado apontar armas para essas empresas para garantir o ''bem comum'', eles simplesmente viram essa arma para seus concorrentes o que cria seus privilégios.


Há um piso (ou uma barreira) financeiro-burocrático pra se empreender no Brasil. Só os pequenos que operam em um mercado livre, sem privilégios e proteções, que o sentem.






"Qual a diferenca entre um padrao-ouro puro e um currency board atrelado ao ouro?"

O Currency Board foi descrito no artigo. Um padrão-ouro puro foi descrito aqui:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=710

"E por que seria utopia sem reservas fracionarias?"

Porque teria de haver uma agência impondo a proibição das reservas fracionárias. Dado que essa agência não poderia ser o estado (pois o estado sempre foi historicamente a favor das reservas fracionárias, mesmo porque depende delas para financiar barato seus gastos), teria de haver uma agência privada com essa função exclusiva. Porém, dado que quase ninguém quer a proibição das reservas fracionárias, então torna-se óbvio que a existência de tal agência já seria a priori indesejada.

"Nem em paises como Singapura e HK isso seria possivel?"

Creio estar respondido acima.


www.cms.gov/Research-Statistics-Data-and-Systems/Statistics-Trends-and-Reports/NationalHealthExpendData/downloads/highlights.pdf

Ver página 2.

Apenas 11% dos gastos com saúde são "out-of-pocket"


E o fascismo é fascinante deixa a gente ignorante e fascinada. Ié Ié....


Também estou em busca deste artigo.
Bruno, qual o título do artigo mencionado pelo Prof. Aranda?
Atenciosamente, obrigada.
Stéphanie


Qual a diferenca entre um padrao-ouro puro e um currency board atrelado ao ouro? E por que seria utopia sem reservas fracionarias? Nem em paises como Singapura e HK isso seria possivel?


A fonte do crescimento econômico são as trocas voluntárias e mutuamente benéficas entre os indivíduos. Dentro de uma economia baseada em transações voluntárias, os consumidores gastam uma parte da sua renda em bens e serviços com o intuito de satisfazer seus desejos mais imediatos. Isto estimula a produção corrente.

Simultaneamente, os consumidores poupam uma parte de sua renda visando a satisfazer, no futuro, seus desejos que hoje são menos imediatos. Isto sinaliza para os empreendedores como deve ser a estrutura produtiva voltada para o longo prazo.

Esta proporção entre consumo e poupança determina a estrutura de produção da economia, mostrando quais bens são mais demandados no presente e quais bens devem ser produzidos para o longo prazo. Este arranjo leva ao desenvolvimento de mercados de capitais mais sofisticados.

Contratos privados, concorrência nos mercados e instituições privadas que possibilitam investimentos e acumulação de capital são todo o necessário para se obter um crescimento econômico ótimo.


Enquanto o sonho americano é ter uma ideia, trabalhar muito, gerar renda e ficar milionário, o sonho brasileiro é abrir uma empresa (seja de fachada ou não) e se associar criminalmente ao Estado ou parte dele, para então ficar milionário.

Ou então passar em concurso e ser funcionário público.


Na Rússia, outro país socialista lixo igual ao Brasil, só é bilionário quem é amigo do Putin e quem o Putin escolhe. Lá impera o fascismo em seu nível mais alto.