clube   |   doar   |   idiomas
Erramos
Por ter sido publicado indevidamente, apagamos do nosso site o texto "Uma verdade politicamente incorreta sobre a desigualdade".

O referido texto não foi aprovado pelo Comitê Editorial e não condiz com os princípios e valores do Instituto Mises Brasil. 

Pedimos desculpas pela falha.

1 voto

autor

Equipe IMB

CATEGORIA
  
POST POR DATA
comentários (35)

  • Pobre Paulista  20/12/2017 22:36
    Dúvida: Não vão deixar o conteúdo original como da outra vez? Que ao menos sirva de consulta aos leitores para que saibam exatamente qual o problema do artigo...
  • 4lex5andro  21/12/2017 12:02
    Pois então. Sugerido no artigo em www.mises.org.br/Article.aspx?id=2823 na resposta do primeiro post.
  • CLEIDISON  20/12/2017 23:40
    Fiquei sem chão quando li este artigo.
  • Without Rules  21/12/2017 13:17
    Pelo Amor de Deus. A dificuldade de interpretação é absurda. Aqui no Mises não havia isso, mas parece que o nível intelectual decaiu aqui.

    Não concordo com o artigo, mas as acusações são absurdas. Mais absurdo ainda é alguém que tenta se fazer valer da razão para analisar dados pensar isso.


    Do lado dos esquerdistas é absolutamente normal encarar dessa maneira já que pensar de maneira racional não está dentro da capacidade deles. Mas aqui, por favor.
  • Eurípedes  21/12/2017 14:14
    Dois aqui. O texto apenas dizia algo completamente trivial para o leigo inteligente e não doutrinado: ao contrário do que jura a esquerda, é impossível querer igualdade em sociedades heterogêneas. Só isso. Isso era tudo o que dizia o texto. E tal constatação do texto é tão óbvia que até entra na categoria senso comum (ou alguém acha que é possível Brasil e EUA terem o Gini da Suécia?!). Agora, se dizer tamanha obviedade passou a ser proibido até mesmo em sites libertários que desprezam o politicamente correto, então a coisa tá feia mesmo. Batalha perdida.
  • Felipe Lange  24/12/2017 00:17
    Pois é. Esse pessoal politicamente correto precisa buscar tratamento psicológico e psiquiátrico.
  • lucas  01/02/2018 16:13
    concordo, não se espera tamanho analfabetismo funcional de leitores de MIses.
  • Pedro  21/12/2017 16:37
    Tinha q ser retirado mesmo. E eu critiquei aqui já vieram os caras querendo rebater!!
  • Capital Imoral  21/12/2017 17:48
    Quando os neoliberais se tornam censores.

    Devido a grande repercursão do artigo postado recentemente, eu pude perceber brevemente a hipocrisia da doutrina neoliberal. Na teoria eles afirmam que a liberdade de expressão é irrestrita e que "somente ideias podem superar idéias", mas na prática a coisa muda de figura quando a opinião pública bate a porta.

    Nas redes sociais do Instituto Mises podemos encontrar o seguinte comentário de um neoliberal: " Como que um cara pode postar um negócio desse livremente numa página desse tamanho?". Em um primeiro momento eu pensei que essa pessoa fosse uma camarada, irmão de sangue que luta comigo contra o Capital. Mas me deparei com algo totalmente oposto: encontro apenas mais um neoliberal curtidor das páginas do MBL e do Raphael Ride a bike. Se ele estudar um pouquinho mais sobre como agir a favor do politicamente correto poderá quem sabe se tornar um irmão de luta.

    O politicamente correto chegou no Instituto Mises.
    Eu fico muito feliz em constatar que a agenda da ONU está começando a adentrar dentro do instituto Mises Brasil. Não é de hoje que venho fazendo propaganda e mostrando minha arte para sensibilizar todas almas em torno do grande amor mundial, amor esse que não tem julgamento de valor sobre raça, gênero e cultura, afinal, a verdade é muito preconceituosa. Vamos respeitar todo mundo. Finalmente estamos conseguindo através do politicamente correto mudar a mente desses trogloditas neoliberais e conservadores.

    Finalmente a maioria e a gritaria irá vencer a razão e a discussão. Finalmente o mundo de diversas culturas será como um grande conjunto de restaurantes onde temos comida do oriente, do ocidente, da ásia e de tudo quanto é canto. Todo mundo irá se amar; a cultura islâmica não irá querer cortar a cabeça de uma mulher ocidental; não irá haver pessoas de uma cultura africana querendo costurar a vagina de meninas de 12 anos; não irá haver índios que enterram bebês vivos. Tudo irá girar em torno do amor. Pois o socialismo é isso: todas culturas reunidas em torno do amor, como uma grande roda da amizade.

    Vamos acabar com essa bobagem de que existe culturas e sociedades umas melhores que outras; tudo tem que ser igualmente respeitado. Todo mundo tem que se amar, e ai daquele que ousar dizer que uma cultura é melhor que outra, ai daquele que não querer uma mistura de raças e gêneros, este deveria ser severamente castigado e morto. Afinal, o amor tem um preço.

    Capital Imoral é filósofo, escritor e já refutou Mises.
  • iury  16/01/2018 18:39
    Adorei o final desta insano relato, bem louco e contraditório.
  • Marko  30/01/2018 15:41
    fala fala fala fala fala, mas não diz coisa nenhuma. Só mais um esquerdista com suas visões de ácido.
  • Britão  16/02/2018 15:27
    eu ri mas valeu pelo esforço
  • Jailma Viana  21/06/2018 13:56
    Capital Imoral,
    Vc é fantástico! Te adoro! Beijos! Longa vida p/ Vc e o capital imoral!
  • anônimo  21/12/2017 18:40
    O que o artigo falava? Não tive a oportunidade de ler.
  • Porco Capitalista  22/12/2017 21:13
    Aqui está o artigo salvo.
  • Paulo Mubarack  23/12/2017 06:44
    Obrigado
  • Porco Capitalista  22/12/2017 06:26
    Entro no site pra minha leitura diária, e me deparo com esta citação de mises:
    Ao físico, pouco importa se alguém estigmatiza suas teorias como burguesas, ocidentais, ou judias; da mesma maneira, o economista deveria ignorar a calúnia e a difamação. Deveria deixar os cães latirem e não prestar atenção aos seus latidos.

    Logo após me deparo com este 'pedido de desculpas', o que está acontecendo neste site?
    Estão cedendo ao 'politicamente correto'?
  • Pobre Paulista  22/12/2017 15:22
    Pois é, foi muito estranho isso aí. Não gostei também, ao contrário do outro caso, que fizeram muito bem em tirar o artigo.
  • Porco Capitalista  22/12/2017 21:02
    Eu mesmo já sofri com esse tipo de silenciamento esquerdista, ao me afirmarem que 85% dos desempregados no brasil são negros, eu respondi: 'e dai se são negros ou brancos?', rapidamente fui acusado de racismo, e recebi uma advertência da coordenadora do curso.
  • iury  16/01/2018 18:41
    Foi retirado por isso ou pela ideia do texto não ser condigna ao pensamento liberal da página ?
  • lucas  01/02/2018 16:15
    É vdd, espero que o site volte assunto que por sinal é fundamental para entendimento da economia e geopolítica atual.
  • Alexandre Schmitt  22/12/2017 18:10
    Não erraram em nada. Junte 10 habitantes de qualquer país africano, 10 brasileiros e 10 escandinavos. Coloquem todos para produzir. A remuneração de todos será de acordo com a produtividade de cada um. Acham mesmo que todos terão a mesma capacidade produtiva e com isso terem a mesma renda? Obviamente não. Produtividade como vocês mesmo sempre publicam, tem a ver com a educação de cada indivíduo, pegue o QI dos lugares que eu citei, e vejam como é diferente cada número.
    Vocês mesmo já publicaram que descendentes de escandinavos que hoje são americanos , possuem uma produtividade avançada que média da população (evidenciando que cultura de fato influencia a capacidade produtiva do individuo).
    Obviamente, essa não é a causa de uma sociedade desigual. Entretanto causa sim um diferença de renda. A única coisa decepcionante que vocês fizeram, foi abaixar a cabeça para um bando de SJW.
  • Thiago  23/12/2017 12:22
    Exatamente, Alexandre. Aproveitando seu exemplo, isso não significa dizer que o escandinavo produz mais por ser branco, mas por um conjunto de características que permitem a ele ser mais produtivo em relação aos demais. O que também não impede que 10 quenianos não possam mudar, criar novas estratégias produtivas, e se tornarem mais produtivos que 10 escandinavos, mas sabemos que, no momento, isso é muito improvável por inúmeros fatores. Mas, progressistas se apressam em criar relação de causa e efeito e atribuir conclusões que não existem no texto a fim de criar um espantalho a quem bate.
  • Paulo Mubarack  23/12/2017 06:43
    Lamentável a posição de censores. Lamentável.
  • Pobre Paulista  24/12/2017 01:58
    "[I]A lição disso? Se o seu objetivo é aproximar as culturas e povos, isto deve ser feito de maneira voluntária, pacífica, via a criação de um sistema legal que incentiva a aproximação daqueles que enxergam vantagem nessa aproximação e pune criminosos corretamente, independente de quem são, e a sociedade libertária é o melhor exemplo disso. Quase todos reconhecem que um casamento à força é algo repudiável. Devemos reconhecer que este mesmo princípio se aplica ao "casamento" de culturas. [/I]"

    O Mises Brasil discorda dessa conclusão?
  • Marcio  24/12/2017 14:54
    Eu acho que o IMB fez bem em retira o texto, se o causador das "desigualdades" fosse só a cultura. Beleza. Mas, tem trechos no texto que deixam claro a opinião do AUTOR que se tivermos MISCIGENAÇÃO e RAÇAS diferentes convivendo juntas teremos também desigualdade. Ele diz isso e nem tenta provar no decorrer do texto e conclui como se fosse verdade.
    Vejam bem: se raças diferentes convivendo juntos é um causador de desigualdades, então essas raças produzem valor desigual, uma está inclinada para a prosperidade e outra para a pobreza e ou o autor adora escrever redundâncias ou ele deixou bem claro e separado que raças, miscigenação e culturas diferentes convivendo juntos é um causador de desigualdades.
    Não que isso não seja nem um pouco verdade, é só olhar para a Africa e virar a cabeça para a Europa e constatar essa diferença, mas então o problema da riqueza seria biológico? Não, é uma questão de estatismo, pode se considerar um fator inteiramente cultural, mas biológico?
    Eu sei que o artigo não falava sobre riqueza, falava sobre desigualdade, mas o autor falava de raças diferentes convivendo juntas e miscigenação como causas de desigualdades e para haver desigualdade um raça precisava empurrar para cima e outra para baixo. Sei também que o IMB defende a liberdade expressão absoluta, mas eles podem se resguardar de dizer certas coisa, ainda mais num texto que só diz e nem tenta provar.
  • iury  16/01/2018 18:43
    Mas é verdade, sociedades com culturas diferentes integradas, geralmente de maneira forçada, são muito mais violentas e com graves crises sociais entre os grupos que sociedades quase homogênea como Japão e Noruega por exemplo.
  • Dam Herzog  27/12/2017 19:47
    Acho que o Mises Brasil está se sujeitando ao patrulhamento ideologico da esquerda e isto é muito ruim para quem defende a liberdade de expressão e pensa que possa existir algum "libertário" esquerdista infiltrado no site. Lembrei me que se Mitt Romney estivesse na presidencia dos Estados Unidos em lugar do Trump para reconhecer Jerusalem como capital de Israel ele teria teria ido até o Vaticano pedir aprovação previa do Papa. A verdade tem muitas facetas, e ninguém é dono da verdade. Tem gente que diz que fica com a verdade mas não é neutra. Quem diz a verdade já é neutro. Tenho uma grande admiração por este instituto e acho que que o Sr Helio Beltrão uma pessoa etica, de moral ilibada e que na minha humilde opinião mereceria uma estatua em praça pública como um dos 100 maiores brasileiros de todos os tempos. As suas ideias que esta site propaga tem como consequencias encurtar a distancia que nos separa do fim da miseria e minorar o sofrimento deste povo que almeja um melhor estilo de vida para si e para os seus neste mundo moral, etica e politicamente desajustado. Se houvesse uma votação teria votado contra a retirada do artigo do site. Mesmo assim sou um dos leitores entusiasmado deste site. Que Deus abençõe a todos, paz, saude e amor no ano que se iniciará.
  • Rafael  03/01/2018 02:00
    Moro no RS e vou muito pro nordeste. Sabe... fiquei com a impressão que o texto anterior não tinha muito de errado não...
  • Felipe  06/01/2018 16:44
    Erraram mesmo. Em retirar o artigo.
  • Hermano  09/01/2018 20:46
    Colocasse uma nota no começo, poderia ser essa mesma nota que clocaram aqui. Mas deletar o artigo? Péssimo. Censura em peso..
  • Plínio  10/01/2018 19:06
    Analogue poderia por gentileza disponibilizar o artigo que foi removido? Indicaram nos comentários um link que leva ao artigo mas está aparecendo uma mensagem de erro.
  • reinaldo  26/01/2018 17:35
    DEviam ter colocado uma nota, informando que o tal texto não condiz com a linha editorial do site e pedir desculpas.
    Mas JAMAIS retirar do ar. Se era uma opinião pessoal do autor, que deixassem claro e não se colocassem como censor da opinião alheia.
    Para quem se interessar, o boletiim da liberdade tem o texo na integra: www.boletimdaliberdade.com.br/2017/12/20/publicado-por-engano-artigo-do-imb-gera-polemica-confira-a-integra/
  • lucas  01/02/2018 16:11
    Bom dia aos administradores da página, não li o artigo completo, vi apenas alguns recortes da internet, mas entendi tanto a ideia do escritor como o motivo da retirada. Realmente haviam alguns termos e até frases que pela simplicidade e superficialidade com que foram colocadas abrem margem p distorções torpes da patrulha do politicamente-correto. Por outro lado não discordo da ideia central do texto pois é fato mais que obvio que a nossa cultural engloba nossa história e nossa história contém elementos dos quais não temos controle e muitas vezes nem ao menos temos ciência, herdamos costumes, manias, ritos, doenças, habilidades e diversos outros elementos de forma hereditária. É evidente que todos esses elementos dificultam ou ajudam a conquistar uma condição social mais elevada, sem falar de heranças que as vezes vem de dinastias como acontece na família Rockefeller.
    Em resumo achei a ideia do texto muito inteligente porém a forma superficial como foi dita abriu margem para más interpretações. Por favor espero que vcs repensem o assunto para ser republicado pois o msm consiste em um dos principais fundamentos da ciência política econômica e Mises, na minha opinião foi o maior cientista político da história.
    Só p finalizar, não permitam nunca que essas ideias homogêneas de igualdade impeçam vcs de dizerem a vdd, afinal uma sociedade totalmente igualitária foi alcançada pelo comunismo/nazismo, sempre que nós que temos um compromisso com a vdd e com o bem social permitimos que essas ideias coletivistas,(que via de regra são totalmente totalitárias) não sejam rebatidas com o devido argumento, genocídios e desrespeitos aos direitos individuais são claramente o produto do nosso silêncio.
    Aguardo a resposta do Instituto e espero sinceramente que esse assunto retorne ao portal.
  • Joãozinho  03/02/2018 19:20
    De fato. Quando li o artigo, achei bastante estranho ele estar aqui no IMB e discordei em grande parte.

    Mas a censura e a remoção do texto não devia ter acontecido. Uma vergonha para o IMB.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.

É óbvio, Cármen Lúcia, que a saúde é mercadoria

Por Leandro Narloch - 18/09/2018

Temos de doar para nada mudar

Por Joe Galt Freeman - 30/08/2018

/ palavra do presidente

Empreendedorismo: nem espiritual, nem carnal

Por Helio Beltrão - 01/11/2016