Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


Preferem salvar pássaros e acabar com pessoas!
por Fernando Chiocca, segunda-feira, 2 de maio de 2011

Como já anunciado há algum tempo, a histeria do aquecimento global está verdadeira e finalmente acabada, mas as ameaças dos ambientalistas às liberdades individuais não se limitam a esta fraude de aquecimento... alias, elas não têm limites!  Talvez o limite seja quando conseguirem acabar com toda a vida humana na Terra -- logicamente poupando a si próprios, já que suas recomendações nunca se aplicam a eles mesmos, como nos mostram, por exemplo, Al Gore e o Príncipe Charles.

No curto vídeo Not Evil Just Wrong, que atenta para o quanto o ambientalismo está prejudicando a vida de pessoas vulneráveis, com campanhas pela proibição do DDT e campanhas de combate ao aquecimento global, o depoimento de uma mulher no minuto 1:51 denuncia um crime horrendo que também é cometido atualmente no Brasil, debaixo do nariz de uma população que o aceita (e na maioria das vezes até apóia!) passivamente:



NARRADOR: "A maioria dos ativistas ambientais ainda não conseguiu aceitar que os seres humanos também fazem parte do ambiente."
MULHER: "Comparam pássaros a pessoas.  Preferem salvar pássaros e acabar com pessoas!"

E é exatamente isto que os criminosos da Polícia Federal estão fazendo aberta e impunemente no Brasil hoje.  O cartunista comunista Ziraldo (que recebeu mais de R$1 milhão do governo e recebe uma pensão de mais de R$4 mil por mês) foi sadicamente preciso ao ilustrar o cartaz da campanha criminosa que é exibido em todos os aeroportos do país (pelo qual deve ter recebido do estado outro volumoso pagamento):

 

É isto.  Estão sequestrando seres humanos e os jogando em cadeias pelo motivo de preservar pássaros intocados no mato, longe dos olhos dos humanos que os admiram e gostariam de preservá-los perto deles.  A inversão de valores morais é assustadora, onde, conforme já denunciei em um artigo, "esta ideologia valoriza mais insetos, sapos, micos e mato do que o homem."