Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


Nacionalismo olímpico
por Leandro Roque, segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Está difícil aguentar a dose maciça de ufanismo barato que inundou a mídia nesses dias pós-decisão do COI.

Para quem achava que o ápice do ridículo já havia sido atingido quando o presidente chorou copiosamente em frente às câmeras de todo o mundo, o padrão foi elevado pelas propagandas nacionalistas apresentadas pela mídia de dois em dois minutos.  É difícil escolher uma, mas a mais patética até agora parece ser mesmo a da Embratel, na qual um sujeito -- aparentemente acelerado por alguma substância que não apenas a endorfina -- sai correndo pela praia com a bandeira do Brasil em suas costas, ajoelha-se na areia e beija lacrimosamente o lábaro enquanto olha para os céus e, em seguida, coloca-se novamente em marcha rumo a lugar nenhum.  Como voz de fundo, um locutor com aquele trinado pateticamente nacionalista diz que tal feito é uma conquista de todo o povo brasileiro.

O intuito é condicionar a população à ideia de que ser espoliada para construir estádios, campos de golfe, campos de tiro com arco, piscinas, quadras de rúgbi, de softbol, de esgrima, de halterofilismo e pistas de atletismo -- coisas que obviamente virarão um elefante branco tão logo as olimpíadas acabem -- de alguma maneira será para seu próprio bem.

É claro que haverá ganhadores: os grupos de interesse de sempre -- empreiteiras, redes de hotéis e a própria mídia -- já estão de olho no butim.  Os jogos Pan-americanos de 2007, por exemplo, foram orçados em R$ 400 milhões e acabaram custando R$ 4 bilhões.  Boa parte do dinheiro foi utilizada para fortalecer a máquina política carioca e para enriquecer os empresários com boas conexões políticas.  O mesmo vai acontecer agora, só que em escala olimpicamente maior.  Mas, de alguma forma, a mídia quer nos fazer crer que isso deve ser uma inspiração para o Brasil.  O festival de histeria nacionalista está apenas começando.  O poder e a arrogância presidencial irão atingir níveis paroxísmicos.

As olimpíadas sempre foram um empreendimento financiado pelo contribuinte.  Os Jogos Olímpicos de Montreal, realizados em 1976, até hoje são famosos pelo seu desastre financeiro.  Pelo motivo oposto, tornaram-se famosos também os Jogos Olímpicos de 1984, sediados em Los Angeles: esta foi a única Olimpíada que de fato trouxe lucro para a cidade que a realizou, o que foi uma grande surpresa.  (O engraçado é que na época de se escolher a cidade-sede, logo após o desastre canadense de 1976, nenhuma outra cidade se apresentou, temerosas que estavam de repetir o fiasco canadense.  Isso deixou LA sozinha na disputa.)  Um dos motivos desse lucro é que a cidade utilizou o Los Angeles Memorial Coliseum, que fora construído para as Olimpíadas de 1932 (outra época em que ninguém queria sediar os jogos).  Sendo assim, a cidade não precisou gastar tanto dinheiro na construção de novas instalações -- algo que não ocorrerá no Rio, onde toda uma vila olímpica está sendo planejada.

Mas há algo ainda mais ultrajante: após as Olimpíadas de Atlanta, em 1996, o COI alterou as regras e determinou que dali em diante todas as futuras Olimpíadas teriam de ser empreendimentos geridos exclusivamente pelos governos.  O COI, uma entidade dominada por socialistas europeus ricaços, nunca viu com bons olhos a ideia de as Olimpíadas serem geridas por organizações privadas, pois considera que isso estaria "abaixo do ideal olímpico" (seja lá o que isso signifique).  Alguns desses burocratas chegaram inclusive a reclamar que durante os Jogos Olímpicos de Atlanta havia muitas tendas e barracas na cidade vendendo penduricalhos relacionados às Olimpíadas.  Tais demonstrações de iniciativa privada eram "inaceitáveis", pois feriam o espírito olímpico (de novo, seja lá o que isso signifique).

A política olímpica, portanto, passou a ser de puro e completo socialismo -- embora, é óbvio, o COI fique bastante contente em adquirir receitas pra lá de capitalistas com a transmissão dos jogos.  Os lucros são privados e os prejuízos, socializados.  E é isso que a mídia e os desinformados estão comemorando.

Por fim, vale mencionar um último detalhe: poucas organizações são tão combativas na proteção de sua propriedade intelectual quanto o COI.  Essa gente processa absolutamente qualquer um que ousar adotar um logotipo que tenha cinco anéis, não importa a configuração.  Da mesma forma, o uso da palavra "olimpíadas" em qualquer projeto que não tenha sido previamente aprovado pelo COI é estritamente proibido. 

Vê-se que todo esse discurso politicamente correto de "espírito fraterno" é mera distração para tomar o seu dinheiro -- ao mesmo tempo em que você aplaude fervorosamente e sai correndo emocionado com uma bandeira para mostrar seu orgulho de ser saqueado.

 

P.S.: 87% dos moradores de Chicago, cidade para a qual Barack Obama fez campanha pessoal, eram contra as Olimpíadas serem realizadas na cidade.  O lema da revolta era: They play, we pay!  Tal nível de sagacidade em massa ainda não chegou por aqui.