Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


O preço justo e a "bananalização" da economia
por Leandro Roque, quinta-feira, 17 de setembro de 2009

O problema das leis inventadas em São Paulo é que elas possuem alto poder de dispersão e difusão.

Assim como a lei de revogação da propriedade privada - isto é, a lei do fumo - já está sendo analisada com carinho por governantes de outros estados, não vai demorar muito para que a 'lei da banana' também seja adotada Brasil afora.

Como o leitor já sabe, o estado de São Paulo decretou que a banana agora só pode ser vendida por quilo, na balança. Segundo os burocratas, essa é a única maneira de se determinar o "preço justo".

Por "preço justo" entenda-se "o preço que é do agrado do estado e de suas contrapartes".  Longe de querer fazer teoria da conspiração, porém o fato é que, quando era vendida à dúzia - como ocorre nas feiras livres - a banana saía mais barata do que quando vendida a quilo - como ocorre nos supermercados.  Logo, não é desarrazoado imaginar que as grandes redes de supermercado estejam por trás do lobby que pressionou pela mudança.    

Com muita razão, os consumidores já começaram a chiar da carestia.  Ingratos!  O estado tenta salvá-los - pois são muito imbecis para fazer trocas voluntárias - e eles ainda reclamam?

O mais aviltante são as punições: o pobre feirante que insistir em vender por dúzia - isto é, vender mais barato - será multado em até R$1.585.  Já os supermercados desobedientes que burlarem a regra - isto é, furarem o cartel protegido pelo estado e ofertarem banana abaixo do preço combinado - poderão levar multa de até R$317.000.  Isso mesmo: 317 mil reais por estarem vendendo banana por dúzia.

Para fiscalizar o totalitarismo, 108 parasitas do IPEM (Instituto de Pesos e Medidas) estarão fazendo blitz.

Você tem de estar fora de si para achar que vive num país livre.

P.S.: veja este vídeo e observe, no marco 1:36, o relaxado e altamente bem pago burocrata do IPEM, carregando uma pasta de couro, salivando para conseguir extorquir dinheiro de trabalhadores - dinheiro esse que será transformado em honorários para sua classe.