Mises Brasil Instituto Ludwig von Mises Brasil
http://www.mises.org.br


"É incompreensível um pobre ser de direita!", diz a esquerda — eis as duas contradições desta frase
por Juan Ramón Rallo, quinta-feira, 13 de maio de 2021

Quando a esquerda não recebe o apoio eleitoral — ou mesmo espontâneo, como passeatas de rua — daqueles indivíduos cujos interesses ela acredita representar, ela rapidamente se entrega ao discurso arrogante e elitista de que o pobre que não a apoia é "burro", "ignorante" e "alienado", pois está indo contra seus próprios interesses.

Você próprio pode conferir exemplos práticos disso aqui, aqui, aqui e aqui.

A lógica é simples: dado que a esquerda supostamente defende o aumento da tributação sobre os ricos para repassar o dinheiro aos mais pobres — tanto diretamente, via assistencialismo, quanto indiretamente, via educação e saúde "públicas" --, então todo pobre, por definição, tem de apoiar a esquerda, que seria composta por superiores seres abnegados e salvadores.

É claro que não é toda a esquerda que adota esta postura de desdém geral pelos indivíduos que "não sabem votar", mas é recorrente encontrar estes tipos nas redes sociais. (E isso é um fenômeno mundial: na Espanha, uma proeminente figura pública recentemente xingou os trabalhadores que não votam na esquerda espanhola).

Duas premissas discutíveis

Essa afirmação de que um pobre de direita é um tolo — para colocar em tons mais leves — parte de duas premissas extremamente discutíveis.

A primeira premissa é a de que "ser de direita" — no caso, defender uma política econômica que não atente contra a livre iniciativa — é prejudicial para os pobres.

A segunda premissa é a de que os pobres deveriam votar de acordo com seus interesses diretos, e não de acordo com princípios morais gerais e imparciais.

A primeira pergunta é: seria do interesse dos pobres atentar contra a livre iniciativa? 

No curto prazo, uma política de alta tributação e redistribuição até poderia ser do seu interesse, pois o pobre ganharia renda imediata à custa do confisco do capital que foi imobilizado pelo capitalista. 

No longo prazo, porém, há o alto risco de que o capitalista espoliado deixe de reinvestir esse capital, o que faria com que a economia se descapitalizasse e, consequentemente, fossem reduzidos os investimentos, as contratações e, consequentemente, os salários, o que prejudicaria acima de tudo o mais pobre, que passaria a ter um menor padrão de vida.

Capital e trabalho não são necessariamente fatores substitutivos e concorrentes. Ao contrário: eles se complementam e cooperam para se enriquecer mutuamente. Trabalho e capital não são inimigos; são aliados.

Já a segunda premissa acaba se revelando a mais interessante, pois quem a defende nem sequer se dá ao trabalho de analisar as implicações de sua própria postura, a saber: dizer que um pobre tem de votar na esquerda (porque seus interesses são defendidos pela esquerda) significa equiparar moralidade e justiça a interesse próprio.

Ora, seria possível que os pobres (ou qualquer outra pessoa de qualquer classe social) agissem não exclusivamente por interesses materiais, mas também por critérios mais gerais e abstratos de justiça e moralidade? Para a esquerda, é impossível.

Imagine um pobre que tenha a opção de roubar a carteira de seu vizinho mais rico sem que ninguém possa descobrir, ou mesmo suspeitar. Deveria este pobre efetuar o roubo? Fazê-lo, sem dúvidas, seria uma demonstração de seu interesse próprio: seu bem-estar material aumentaria à custa do de seu vizinho mais rico.

Consequentemente, se justiça e moralidade forem sinônimos de interesse pessoal — como afirma a esquerda para o caso eleitoral dos pobres —, então devemos concluir que sim, este pobre deveria roubar a carteira do vizinho. Mais ainda: se ele não o fizer, será um direitista tolo.

Entretanto, tão logo constatamos que a questão da justiça e da moralidade não está restrita a um estrito interesse material egoísta, deveria então resultar de todo compreensível, e sensato, que este pobre declinará de roubar a carteira do vizinho mais rico. Não é que ele seja um direitista tolo; ele é simplesmente uma pessoa íntegra, honesta e justa para com seu vizinho.

Exatamente o mesmo raciocínio se aplica ao pobre que se opõe a espoliar, por meio do estado, os empresários ou os ricos, mesmo quando este esbulho poderia lhe redundar em um benefício social de curto prazo: quem se opõe a algo que o beneficia porque acredita ser injusto não é um tolo direitista, mas sim uma pessoa que coloca suas convicções à frente de seu interesse próprio. Consequentemente, toda a sociedade está melhor por conviver com uma pessoa íntegra e honesta.

Para concluir

É claro que podemos debater se tais convicções são reais ou se, como parece acreditar a esquerda, derivam de uma falsa consciência da realidade ou de uma falsa "consciência de classe". No entanto, mesmo nestes casos, o pobre que não vota na esquerda estaria sobrepondo seu ideal imparcial de justiça a seus interesses egoístas — algo que não deveria ser criticado, mas sim aplaudido.

Em vez de insultar os pobres que não se mostram atraídos pela ideia de esbulhar terceiros para repartir o botim, a esquerda deveria tentar persuadi-los da superioridade de suas ideias e valores (os quais têm sido rechaçados). 

O desdém, neste caso, diz muito mais a respeito do desdenhador do que do desdenhado.