clube   |   doar   |   idiomas
A carga tributária brasileira e os impostos sobre os mais pobres

A imprensa vem alardeando com pompa e circunstância o fato de que a carga tributária brasileira em 2009 — em porcentagem do PIB — foi menor que a média dos países da OCDE (33,6% contra 35%).

Não sei muito bem qual a grande vantagem de termos uma carga tributária 1,4 ponto percentual menor que a de Portugal, mas, se a imprensa está eufórica, então deve ser coisa boa.

Mas a questão a ser abordada aqui não é essa.  Houve um detalhe embutido nessa notícia que fez a imprensa verter lágrimas, compensando sua euforia com a notícia principal: o Brasil, em média, tributa bem menos a renda e a propriedade, e sobrecarrega de impostos os bens de consumo e os serviços.

Aparentemente, o pessoal quer assistencialismo e bem-estar social, mas não quer a dureza de financiá-los.  Querem ir a um restaurante fino, empanturrar-se de escalopes, belugas e vinhos franceses, mas não querem fazer cara de espanto quando chega a conta.

Em primeiro lugar, vale notar que, não fosse o Banco Central e sua capacidade de expandir continuamente a oferta monetária, a carga tributária necessária para financiar todos os serviços e funcionários estatais seria muito maior.  Estamos trocando mais impostos por inflação monetária.  A consequência desse arranjo é inevitável: preços constantemente em ascensão ao invés de preços em queda, o que realmente seria bom para os mais pobres.  Mas como são muito poucas as pessoas que realmente entendem a perversidade desse mecanismo fraudulento, todo mundo acha normal.

Porém, e finalmente entrando na questão principal, uma coisa precisa ser dita, sem qualquer juízo de valor: se os gastos do governo não caírem, se é para ter impostos para financiar um estado deste tamanho, e se é para permitir que haja um mínimo de crescimento econômico, então o único arranjo correto é de fato tributar o consumo, e não a renda e a propriedade.  Mais ainda (só para deixar evidente a perversidade da coisa): é preferível que a carga tributária seja pequena sobre os ricos e mais alta sobre os mais pobres.  E tudo isso para o bem destes.

Explico.

Poupança, produção e consumo

Para uma economia enriquecer e melhorar o padrão de vida de todos, ela precisa produzir bens e serviços de qualidade.  Quanto maior a abundância desses bens e serviços de qualidade, menor o preço deles.  O nível de riqueza de um país é proporcional à quantidade e à variedade de bens disponíveis em sua economia.

Porém, para que eles sejam produzidos, é necessário haver capital.  Capital, no caso, refere-se não a dinheiro, mas a ativos físicos das empresas e indústrias.  Capital são as instalações, os maquinários, as ferramentas, os estoques e os equipamentos de escritório de uma fábrica ou de uma empresa qualquer.  Ou seja, capital é tudo aquilo que auxilia um modo de produção

Quanto maior a quantidade desse capital, maior será a intensidade, a abundância e a qualidade dos produtos criados.  Portanto, para uma economia crescer e melhorar o padrão de vida das pessoas, ela precisa ser intensiva em capital.

Qualquer outra maneira de melhorar o padrão de vida de um país que não seja por meio do aumento do capital acumulado será completamente insustentável.  Essa, aliás, é a grande falácia do pensamento keynesiano, que diz que é o consumo que gera a riqueza.  Porém, se não houver produção, como pode haver consumo?  Como você pode consumir algo que não foi produzido?  Antes do consumo, tem de vir a produção.  E, para haver produção, é preciso acumular capital.

O problema é que o capital não surge do nada; ele não cai do céu.  Para haver um acúmulo de capital que possibilite toda essa produção, é preciso antes haver poupança.  E poupança nada mais é do que a abstenção do consumo.  O sujeito que poupa é aquele que deixa de consumir.  Ao se abster do consumo, esse indivíduo estará liberando bens de consumo para serem usados nos processos de produção que irão criar os bens de capital.

Funciona assim: se grande parte da população deixa de comprar computadores, laptops, carros, motos, celulares, iPhones, televisões, DVDs etc., isso fará com que haja uma maior abundância desses bens, reduzindo seus preços e liberando as indústrias da necessidade de produzir mais destes bens apenas para suprir a escassez deles.  Tal atitude estará liberando os fatores de produção dessas indústrias, que agora poderão utilizá-los em outros processos de produção, resultando em uma abundância ainda maior de bens de consumo.

Mais ainda: os bens que já foram produzidos e não consumidos — isto é, os bens que foram poupados — poderão ser empregados em outros processos de produção cujos produtos finais, embora irão estar prontos somente daqui a algum tempo, trarão óbvias satisfações para os consumidores.

Como disse Mises,

Aqueles que poupam — isto é, que consomem menos que a sua parcela dos bens produzidos — inauguram o progresso em direção à prosperidade geral.  As sementes que eles semearam enriquecem não apenas eles próprios, mas também todas as outras camadas da sociedade.  Sua poupança beneficia os consumidores.

Portanto, a poupança dos indivíduos permite que haja uma maior quantidade de bens (recursos) a serem empregados na produção, ajudando na criação de bens de capital, os quais, por sua vez, irão produzir mais e ampliar a abundância de produtos na economia.

O capital advém da poupança.  É a poupança que permite a formação de capital, o qual, por sua vez, irá produzir uma maior quantidade de bens de consumo.

Gastos do governo, tributação, pobres e ricos

O governo atrapalha esse processo de formação de capital de três maneiras: gastando, tributando e incorrendo em déficits orçamentários.

Quando o governo gasta — seja comprando recursos para fazer obras, seja comprando bens para políticos, seja dando salários para funcionários públicos, os quais irão consumi-los —, ele está impedindo diretamente a formação de capital.  Afinal, os gastos do governo fazem com que haja uma menor quantidade de bens na economia, anulando a poupança dos indivíduos (eles se abstiveram do consumo mas não terão o benefício da abundância futura de produtos, pois o governo consumiu boa parte) e interrompendo o processo de formação de capital acima descrito.

Para financiar seus gastos, o governo utiliza em grande parte as receitas provenientes de impostos.  Se a incidência de impostos for sobre a renda — e sobre a poupança advinda dessa renda —, então o governo estará impedindo que esses recursos sejam destinados a investimentos produtivos, levando aos mesmos efeitos acima.

Por fim, se o governo incorre em déficits orçamentários, ele terá de pegar empréstimos para cobrir esse rombo.  Na maioria dos casos, ele venderá títulos em troca do dinheiro poupado por indivíduos e empresas, e utilizará esse dinheiro para cobrir seus gastos.  Obviamente, essa apropriação de renda de indivíduos e empresas também surtirá os mesmos efeitos acima.

Portanto, se uma economia quiser aumentar a poupança e a formação de capital, o governo terá de ter um orçamento equilibrado, impostos baixos e gastos idem.  E, principalmente, os impostos não devem recair sobre a produção e nem sobre a renda, pois isso seria um enorme obstáculo à poupança e à formação de capital.

Sendo assim, o artifício de reduzir impostos sem uma concomitante redução de gastos — uma medida que soa muito positiva para muitos liberais —, não ajuda no processo de formação de capital.  Ao contrário, pode piorá-lo ainda mais, pois, os fundos que o governo agora deixou de confiscar via impostos, ele irá recolher via empréstimos.  O governo está trocando um real de impostos por um real de endividamento.  Cada real adquirido pelo governo desta forma significa um real a menos disponível para o resto do sistema econômico, e com um agravante: a pressão sobre os juros que tal medida pode criar.  Afinal, como o governo está desviando poupança para si próprio, haverá menos fundos disponíveis para investimentos produtivos, aumentando o preço (juros) deles.

Portanto, cortes de impostos que causam um aumento no déficit do governo não promovem a poupança e nem a formação de capital.  São, portanto, contrários a esse propósito.  O mesmo é válido para os déficits que, ao invés de serem financiados por mais endividamento, sejam financiados pelo aumento da expansão monetária praticada pelo banco central.  A inflação desestimula a poupança e estimula o consumo do capital numa velocidade ainda maior — afinal, poupar deixa de ser uma atividade benéfica, dado que seu dinheiro está perdendo poder de compra. 

Da mesma forma, dado que a inflação provoca um aumento nominal da renda e dos lucros, isso faz com que as empresas tenham de pagar uma quantidade maior de impostos sobre a renda e sobre o lucro — a tabela do imposto de renda não é corrigida anualmente pela inflação —, reduzindo ainda mais sua capacidade de investimento.

Os críticos da alta carga tributária que recai sobre os bens de consumo — prejudicando, portanto, os mais pobres — querem que haja mais impostos sobre a renda e sobre a propriedade dos mais ricos, exatamente a medida mais destrutiva para a formação de capital, algo que seria ainda mais prejudicial para os mais pobres no longo prazo.  É dos ricos e das grandes empresas que vem a poupança necessária para os investimentos produtivos.

Ironicamente — e essa é a parte chocante —, a única maneira de haver um estado assistencialista, provedor e gastador, sustentado por uma alta carga tributária, e que, ao mesmo tempo, permita uma relativa formação de capital, é fazendo com que a carga tributária se concentre majoritariamente sobre os mais pobres (tanto sobre sua renda quanto sobre os bens de consumo).  Isso simplesmente porque os pobres poupam relativamente menos de sua renda do que os ricos, de modo que eles pouco contribuem para o processo de formação de capital.

Assim, a única forma de haver uma maior poupança e uma maior formação de capital em uma economia como a brasileira, cujo governo só faz aumentar seus gastos, é mantendo um orçamento equilibrado por meio de impostos que recaem maciçamente sobre os mais pobres.  Mais ainda: para aumentar a poupança, e com isso acelerar o processo de formação de capital, os impostos sobre os ricos teriam de ser reduzidos, o que significa que os impostos sobre os pobres teriam de ser aumentados ainda mais — dado que o governo se recusa a cortar gastos.

Portanto, se uma pessoa se recusa a aceitar que o governo tem de reduzir gastos, e ao mesmo tempo ela quer que haja crescimento econômico, então ela está logicamente obrigada a defender aumentos de impostos sobre a renda dos mais pobres e sobre os bens de consumo, de modo a compensar a necessária redução de impostos sobre a renda dos mais ricos.

Como bem explicou George Reisman,

Ironicamente, um aspecto dessa abordagem existe — dentre todos os lugares — justamente na Suécia!  O que permite que a Suécia tenha uma das mais altas cargas tributárias do mundo e, ao mesmo tempo, se mantenha como um país moderno, com avanços moderados, é o fato de que a carga tributária na Suécia recai mais pesadamente no assalariado sueco médio, e não nas empresas suecas, cuja carga tributária é na realidade menor do que a das empresas de muitos outros países ocidentais. (Por exemplo, quando consideramos o fato de que as empresas suecas podem deduzir 50 por cento de seus lucros para reinvesti-los no futuro, o que os torna uma reserva isenta de impostos, o imposto de renda de pessoa jurídica efetivo se torna menor na Suécia do que nos EUA: 26 por cento versus 35 por cento). Se as empresas suecas tivessem de arcar com a mesma carga tributária que incide nos assalariados suecos, a economia sueca há muito já estaria em ruínas.

Conclusão

Um estado inchado como o brasileiro não oferece almoço grátis.  Ao contrário: ele cobra muito caro até pelo couvert. 

Se os brasileiros querem manter um estado com esse mesmo nível de gastos, então não apenas a carga tributária não pode ser reduzida, como, pior ainda, ela tem de ser aumentada sobre os mais pobres e concomitantemente reduzida sobre os mais ricos, de modo que a arrecadação final se mantenha.  Esse seria o único arranjo compatível com um crescimento econômico sustentável — embora muito abaixo do crescimento possível caso houvesse uma redução dos gastos do governo.

Portanto, um estado desse tamanho pode até permitir que haja crescimento econômico, mas não será nada bondoso com os mais pobres, que só começarão a se beneficiar do capital acumulado em um futuro longínquo — e isso levando-se em conta um nível constante de gastos do governo.  Quanto mais estes forem elevados, pior para eles.

Finalmente, uma vez compreendida a real natureza da poupança, torna-se compreensível por que a mera expansão monetária — isto é, criação de dinheiro pelo banco central — não pode gerar investimentos.  Como Mises nunca se cansou de explicar, bens de capital não podem ser criados por meio de uma expansão monetária.  Inundar uma economia de dinheiro não vai fazer com que os bens de capital necessários para os processos de produção surjam do nada.  O que importa não é a quantidade de dinheiro em circulação, mas sim a quantidade de capital acumulado pela economia.  E esse capital só pode crescer se houver poupança — isto é, abstenção do consumo.

Resta saber o que os intelectuais acham disso.  Por que não defender a redução de gastos do governo?  Não é nada impossível.

___________________________________________________

Leituras recomendadas:

Trabalho, emprego, poupança e capital

Imposto de renda vs. imposto sobre o consumo - uma abordagem liberal clássica

Por que todos deveriam ser a favor de se diminuir impostos para os "ricos"

A sociedade voluntária, os impostos, e os subsídios


2 votos

autor

Leandro Roque
é economista e tradutor do site do Instituto Ludwig von Mises Brasil.

  • Bernardino  03/09/2010 11:19
    Prezado Leandro, Boa analyse e sobretudo em termos gastronomicos, \r
    \r
    Gostaria dizer que a diferfença de intensidade de capital é um fator realmente de primeira ordem para o nivel de renda per capita à longo termo, boa analise e enfase.\r
    \r
    Mas visto que o crescimento do nivel de capital per capita ou intensidade capitalistica, à longo termo, não é suficiente para garantir um aumento na taxa de crescimento da renda per capita, assim como o fato de aumentar a poupança e logo a capacidade de financiamento do capital, que não tem efeito na taxa de crescimento da renda per capita, mas somente no nivel geral de renda; Eu gostaria de colocar uma pergunta. \r
    \r
    Todos Sabemos que os modelos de crescimento endogeno são mais falantes no que tange à estimular a taxa de crescimento, que sejam modelos onde à preferencia pela diversidade de bens é o fator de estimulo, ou onde o investimento no capital humano e logo a parte do capital consacrada no capital humano(poupança) para que se estimule o progresso tecnico, diversidade e crescimento sustentavel à longo termo.\r
    \r
    Minha pergunta é\r
    \r
    " você nao esqueceu de incluir o fato que dentre as atividades consacradas ao governo uma delas diz respeito à alocaçao do trabalho, poupança e invenstimento em capital, logo em diversidade e nivel de renda per capita?" \r
    Não estou justificando a pressao tributaria e nem aumento do estado. \r
    \r
    Esta pergunta diz respeito também ao fato de, como todos sabemos, a intensidade capitalistica( e variaçoes na poupança) não é suficiente para garantir uma taxa de crescimento sustentavel à longo termo, e que assim um dos papeis do governo é de garantir a concorrencia e investir em progresso tecnico em setores onde, como diria Schumpeter, a renda privada nao é superior à renda publica, ou melhor dizendo existencia de externalidades e concorrencia imperfeita. \r
    \r
    Boa sexta feira\r
  • Mauad  03/09/2010 11:43
    Caro Leandro,

    Como você bem disse logo no início, a riqueza de uma nação é medida pela quantidade de bens e serviços a disposição dos consumidores. Eu acrescentaria que, quanto menores forem os preços desses bens e serviços, mais rica é a sociedade em geral, e quanto mais rica é a sociedade, maiores serão as taxas de poupança e, consequentemente, a acumulação de capital. Só que, neste caso, a acumulação se dará de forma muito mais pulverizada e muito menos concentrada.

    Eu acredito que, quanto menos concentrada estiver a poupança (e o capital) numa economia, mais dinâmica e eficiente ela será. A economia americana, por exemplo, é, de longe, uma das mais dinâmicas do mundo, entre outras coisas porque taxa muito pouco o consumo - não por acaso, os preços das mercadorias por lá são muito mais baratos do que em qualquer lugar do planeta. O forte da tributação nos Estados Unidos é justamente a renda das pessoas físicas.

    Por outro lado, não podemos esquecer - e você cita isso no texto - que os capitais, sejam tangíveis (máquinas e equipamentos) ou intangíveis (educação, tecnologia, etc) também são mercadorias, que por sua vez são taxadas, a exemplo dos bens de consumo. Assim, se o governo desonera os impostos incidentes sobre os bens e serviços em geral, estará também reduzindo o ônus sobre os bens de capital.

    Enfim, eu não acho que esta questão seja simples, pois há "vantagens" e desvantagens em qualquer das formas de tributação. Nos EUA, a maior parte da turma liberal (clássica) é absolutamente contra a idéia do IVA, por exemplo. O que é incontestável, sob qualquer aspecto que se olhe, no entanto, é que o problema central são os gastos do governo, que destroem riqueza.

    Grande abraço
    Mauad
  • Daniel M.  03/09/2010 12:26
    Além da carga tributária, temos que suportar essa forma indireta de expropriação patrocinada pelas agências reguladoras, cujo objetivo é "regular" e "planejar" a demanda nos míííííínimos detalhes. A notícia, como de praxe, é puro surrealismo orwelliano.

    Conselheira quer que Anatel verifique se há demanda de cabo antes de abrir o mercado
    www.teletime.com.br/02/09/2010/conselheira-quer-que-anatel-verifique-se-ha-demanda-antes-de-abrir-mercado-de-cabo/tt/197929/news.aspx
  • Leandro  03/09/2010 13:34
    Prezado Mauad,

    Uma enorme satisfação tê-lo entre nossos leitores!

    Bom, talvez o único ponto que acrescentaria à sua análise é que ambos os impostos de renda americanos (pessoa física e jurídica) são altos. As alíquotas chegam a 35%.

    O diferencial americano está de fato na menor burocracia e regulamentação sobre as atividades empreendedoras nos EUA, o que possibilitou o surgimento de pessoas como Bill Gates e Steve Jobs, que começaram do nada. Isso aqui no Brasil é praticamente impossível. Pena que esse espírito empreendedor americano esteja sendo destroçado pela administração Obama.

    Ademais, até o final da década de 1970, o americano era um indivíduo poupador. Depois ele tornou-se consumista e, com a febre da bolha imobiliária, ele simplesmente passou a destruir capital. Ainda vai demorar um pouco para destruir todo o capital acumulado pelo país, mas o governo vem se esforçando ao máximo para adiantar esse prazo.

    Há um antigo provérbio chinês que diz que a primeira geração acumula a riqueza, a segunda geração a consome sem nada acrescentar a ela, e a terceira geração acaba com tudo que havia restado. No atual ritmo, os americanos estão bem avançados na terceira geração.



    Caro Bernardino, aí cabe ao defensor dessa ideia provar que o governo tem o conhecimento necessário e capacidade prática para tal empreendimento.

    Quem leu Hayek entendeu por que é impossível uma entidade inerentemente burocrática como o governo apreender todas as informações e conhecimentos dispersos na sociedade e condensá-los em informações economicamente úteis. Apenas um mercado livre e desimpedido pode fazer isso.

    Ademais, para entender como seria uma taxa de crescimento sustentável de longo, é preciso entender como se dá o processo de poupança e acúmulo de capital.

    De início o crescimento seria lento, pois essa é a fase da acumulação do capital. As pessoas privam-se do consumo (ou seja, poupam) para possibilitar a criação do capital que será utilizado para a produção de bens futuros. Essa é uma fase um tanto penosa e dificilmente seria implementada numa democracia, sistema que privilegia resultados de curto prazo em detrimento dos de longo prazo.

    A partir do momento em que já há uma boa quantidade de bens de capital acumulado, começa a haver uma maior abundância de bens de consumo disponíveis, cujos preços tendem a cair - o que provoca uma substancial elevação no padrão de vida.

    E dependendo da educação, cultura e nível tecnológico da economia, aqueles bens de capital que foram inicialmente criados para produzir bens de consumo poderão ser aprimorados e, com isso, ser capazes de criar mais bens de capital - o que implica que a poupança já não precisaria ser tão grande quanto antes.

    Assim, o consumo poderia aumentar, o nível de poupança poderia cair, e tudo isso sem gerar conseqüências deletérias para a continuidade da acumulação de capital. Se isso ocorresse, a economia cresceria num ritmo ainda maior.

    Mas é óbvio que esse cenário só poderia ocorrer suavemente se não houvesse manipulações monetárias e de juros, regulamentações e burocracias impeditivas e carga tributária escravizante, além de ser amplamente necessário um aparato judicial que garantisse segurança de contratos.
  • Erick Skrabe  04/09/2010 05:37
    Bom ponto Leandro,

    "O diferencial americano está de fato na menor burocracia e regulamentação sobre as atividades empreendedoras nos EUA, o que possibilitou o surgimento de pessoas como Bill Gates e Steve Jobs, que começaram do nada. Isso aqui no Brasil é praticamente impossível. Pena que esse espírito empreendedor americano esteja sendo destroçado pela administração Obama."

    Eu costumo perguntar: "quantas empresas grandes brasileiras com menos de 30 vc conhece ?" - eu tenho q pensar muito antes de responder.
  • CR  05/09/2010 09:36
    Leandro,
    Apreciei sua abordagem. Dos gastos do governo a maior parte é prejuízo por apropriação indébita, furto simples, dos gestores e associados. Aliás, os gastos são apenas apanágios, subterfúgios às grandes peripécias. Lembro do programa do leite, de Sarney. Questionado para justificar o gasto, o gangster disse impossível, porque o povo já tinha bebido tudo. Tudo some no Triângulo das Bermudas, nas cercanias das Cayman. Entre o crash e o fim da II Guerra Keynes multiplicou seu patrimônio por mil. Assim foi com Roosevelt, Mussolini e Getúlio. E assim foi com Sarney, FHC, e o atual.
  • vanderlei  27/05/2012 09:00
    CVV = (18 + 0,65 +2,00 +0,96 +5,00 +1,20 + 10) = 37,81
    CVV (Icms, Pis, Cofins, Contribuição, Comissão, Previsão IR, Lucro)

    R$ 100 = Custo total incluindo os encargos trabalhistas
    R$ 85 = Custo total sem os encargos trabalhistas

    PV = 100/ 0,6219= 161
    PV = 85/ 0,6219= 137

    Redução de 18% (tirando todos os encargos trabalhistas)

    O comércio encarece o valor do produto em até 100%, dobra o valor do produto, paga mal, e se analisarmos o estudo de mercado com o preço do produto sem o custo do comércio, verificamos que este encarece mais que o custo brasil.

    As tarifas cobradas são quase todas abatidas no incentivo fiscal (IR) o próprio PLR é abatido, vale-transporte, auxilio alimentação, entre outros.

    Reindustrialização: Câmbio, Melhora no processo produtivo, tributação, crédito do pré-sal para a produção e aumento do mercado interno, e estudo do comércio na valorização do produto.

    O comércio deve ser repensado no Brasil, o consumo por encomenda deve ser análisado com uma alternativa viável
  • Kalecser  16/07/2013 18:44
    Caro Leandro, onde entra em seu artigo a economia de escala, só consigo comprar um IPhone por 'apenas' R$ 2000,00 porque ele é produzido aos milhões. Caso grande parte da população deixasse de comprar IPhone essa economia seria menos efetiva e com certeza cada IPhone custaria mais para ser produzido. Exemplo canônico: quase ninguém compra uma Ferrari e isso não faz ela ser mais barata, muito pelo contrário, ela seria muito mais barata se todo mundo comprasse uma: seria produzida na China e se chamaria Jac. :D


    Além da economia de escala existe outro fator que você desconsiderou, as indústrias de bens não são facilmente reconfiguradas para produzir bens para as quais não foram inicialmente projetadas.

    "Tal atitude estará liberando os fatores de produção dessas indústrias"

    Se as indústrias ficassem com seu maquinário parado, sem se aproveitar da produção em escala logo o lucro iria diminuir. Diminuindo o lucro diminuiria também o retorno aos investidores e isso geraria um efeito cascata na economia (recessão?).

    Vivemos uma economia DEPENDENTE de consumo crescente, taxar o consumo é uma atitude insensata. Aliás, taxar é insensato mas pior ainda se for o consumo.

    E sempre vale lembrar que o bem também é poupança a não ser que seja comida perecível :p
  • Leandro  16/07/2013 19:39
    É justamente essa idéia de que é o consumo o deve comandar a economia que gera ciclos econômicos e estagnações. Há inúmeros artigos aqui no site sobre isso.

    Não, o que deve conduzir uma economia é a poupança, a acumulação de capital e o investimento, e não o consumismo e o endividamento. Políticas que estimulam o consumo (inclusive reduzindo impostos sobre o consumo) foram recentemente tentadas aqui mesmo no Brasil, e apenas pioraram a situação -- como também previu este site.

    Adicionalmete, e agora sobre sus crítica em específico, é claro que a carga tributária teria de ser muito menor que a atual. E este é exatamente o ponto. A carga tributária que defendo -- e que seria consequência deste modelo de tributação -- seria muito menor em relação ao PIB. Isso, por si só, já baratearia os produtos, ao contrário do que você diz.

    A tributação do consumo (a qual defendo como sendo a menos ruim dentre todos os tipos de tributação) seria extremamente baixa (muito menor que a atual), pois está dentro de um contexto de estado mínimo.

    Sendo assim, eu é que lhe pergunto: como é que uma carga tributária de meros 5% do PIB (atualmente é de 40%) iria acabar com as economias de escala e desintegrar todo o processo de produção, sendo que a carga atual de 40% do PIB não logrou este feito?

    Recomendo este artigo, que fala especificamente sobre este ponto que você levantou:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=667
  • Leandro  16/07/2013 19:47
    Só um adendo: o modelo "defendido" por mim nada mais é do que o modelo atual, o qual é preferível em relação a um hipotético aumento do imposto sobre a renda dos mais ricos. Portanto, o cenário "defendido" já é justamente o vigente, de modo que ele não acarretaria esses problemas que você listou.
  • Phill  05/12/2016 03:01
    "só consigo comprar um IPhone por 'apenas' R$ 2000,00 porque ele é produzido aos milhões. Caso grande parte da população deixasse de comprar IPhone essa economia seria menos efetiva e com certeza cada IPhone custaria mais para ser produzido. Exemplo canônico: quase ninguém compra uma Ferrari e isso não faz ela ser mais barata, muito pelo contrário, ela seria muito mais barata se todo mundo comprasse uma: seria produzida na China e se chamaria Jac. :D"

    Existem duas maneiras de um produto baratear, isto é produzir em larga escala com preços reduzidos ou produzir em larga escala com preços reduzidos e não houver demanda para tal produção, isso significa que pessoas estão se abstendo do consumo ou estão em crise. Portanto, as pessoas que pouparam ontem, hoje podem estar consumindo Iphones e ferraris ou investindo em bens de capital e assim aumentando ainda mais a abundância dos produtos.
    Essa situação da demanda aconteceu recentemente com o consumo reduzindo e os preços acompanhando essa redução do consumo praticando menores preços.

    "Além da economia de escala existe outro fator que você desconsiderou, as indústrias de bens não são facilmente reconfiguradas para produzir bens para as quais não foram inicialmente projetadas."

    Para produzir bens tem que haver capital e o último advém de poupança. Contudo, para haver poupança para a população, os impostos sempre terão que ser baixos e isso possibilitaria empresas de várias partes do mundo vir produzir aqui pelas novas medidas do governo. As indústrias vindas do exterior automaticamente estaria trazendo seu conhecimento e técnicas para tal trabalho, isso significa que o país poderá produzir bens que não eram bons. Essa situação ocorreu na Coreia do Sul, Hong Kong, Taiwan, Japão e Singapura.
    Coreia do Sul não tinha LG, SAMSUNG e Hyundai, e em pouco tempo pelos investimentos estrangeiros obteve conhecimento necessário para produzir o que não sabiam, produtos de alta tecnologia e carros.
    Hong Kong seria tecnologia.
    Taiwan idem de Hong Kong.
    Japão acho que seria o setor automobilístico.
    Singapura seria produtos de alta tecnologia.
    Até tempo atrás não eram bons no que fazem hoje, e em pouco tempo conseguiram a façanha de realizarem tal ato.

  • Phill  05/12/2016 03:09
    Leandro

    Países com grandes populações como Índia e China, mas colocando-os em uma economia que permita a poupança teria diferença em países com as mesmas características, exceto com uma população menor?
    Quanto mais pessoas em uma economia poupar melhor, correto? Então se a China permitir poupar, ela certamente tem mais chance de crescimento econômico do que país com uma menor população? Se for correto, então Índia e China teriam um enorme potencial de crescimento econômico pela poupança de suas determinadas populações?

    Obrigado
  • Emerson Luis, um Psicologo  24/07/2014 22:22

    No Brasil pune-se a produtividade e a poupança e colhe-se as consequências.

    * * *
  • Estevam  26/09/2014 20:48
    "Lógica burguesa" dirá o socialista científico.

    Este texto me lembrou outro artigo de título sugestivo "Capitalismo para os ricos, socialismo para os pobres".


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.