clube   |   doar   |   idiomas
A questão da taxa de juros



Os marxistas chamam isso de "impressionismo": pegar modismos sociais e econômicos das últimas semanas ou dos últimos meses e assumir que eles vão durar pra sempre. O problema está em não perceber que existem leis econômicas implícitas em jogo. Impressionismo sempre foi algo desenfreado; e nunca foi tanto quanto agora nas discussões públicas sobre taxas de juros. Durante grande parte de 1987, as taxas de juros foram inexoravelmente altas; durante um curto período após a Segunda-Feira Negra[1] elas caíram, e a opinião financeira virou 180 graus, e começou a falar como se elas estivessem entrado em uma tendência de queda permanente

Nenhum grupo é mais propenso a essa ladainha diária do que a imprensa financeira. Essa síndrome advém da falta de compreensão de economia, o que faz com que se reaja cegamente a eventos que mudam rapidamente. Algumas vezes, essa confusão básica está presente no mesmo artigo. Assim, nos dias ainda não tão distantes em que a inflação era de dois dígitos, um mesmo artigo predizia que as taxas de juros iriam cair porque o Fed estava comprando securities no mercado aberto (open market), e também dizia que as taxas iriam subir, porque o mercado estaria esperando um aumento da inflação.

Hoje em dia, também, lemos que taxas de câmbio fixas são ruins porque as taxas de juros terão que subir para manter o capital estrangeiro nos EUA, mas também que taxas de câmbio desvalorizadas são ruins porque os juros terão que subir pela mesma razão. Se os jornalistas financeiros estão atolados em irremediáveis confusões, como podemos esperar que o público entenda o que se passa?

Na realidade, taxas de juros, assim como qualquer preço importante, são fenômenos complexos que são determinados por vários fatores, cada qual podendo mudar de maneiras variáveis e até mesmo contraditórias. Assim como no caso de outros preços, taxas de juros se movem inversamente em relação à oferta - e diretamente em relação à demanda - de crédito. Se o Fed entra no mercado aberto para comprar títulos, isso leva a um aumento da oferta de crédito, o que tende a baixar as taxas de juros; e já que esse mesmo ato vai aumentar as reservas bancárias no mesmo grau, os bancos irão agora inflar dinheiro e crédito do nada, em um múltiplo desse montante injetado - esse múltiplo (multiplicador monetário) atualmente sendo de dez para um. Portanto, se o Fed compra $1 bilhão em títulos, as reservas bancárias vão aumentar na mesma quantidade, e então os empréstimos bancários e a oferta monetária irão aumentar em $10 bilhões. Dessa maneira, a oferta de crédito aumentou ainda mais, e as taxas de juros cairão mais um pouco.

Mas seria tolice concluir, impressionisticamente, que as taxas de juros estão destinadas a cair indefinidamente. Em primeiro lugar, a oferta e a demanda por crédito são determinadas por forças econômicas mais obscuras, em particular a quantidade de suas rendas que as pessoas desejam poupar e investir, em oposição à quantidade que elas decidem consumir. Quanto mais elas poupam, menor será a taxa de juros; quanto mais elas consomem, maior. Um aumento dos empréstimos bancários pode imitar um aumento genuíno da poupança, mas ambos estão longe de ser a mesma coisa.

Crédito bancário inflacionário é artificial, criado do nada; ele não reflete as preferências implícitas de poupança ou consumo do público. Alguns economistas de antigamente se referiam a esse fenômeno como poupança "forçada"; mais importante, elas são apenas temporárias. À medida que a oferta adicional de dinheiro perpassa o sistema, preços e quaisquer outros valores em termos monetários aumentam - e então as taxas de juros irão logo voltar a algo próximo do seu nível original. Somente uma reiterada injeção de mais crédito bancário inflacionário pelo Fed vai ser capaz de manter as taxas de juros artificialmente baixas, mantendo assim esse crescimento econômico artificial e flácido; e essa é precisamente a característica da etapa de expansão dos ciclos de expansão-recessão da economia. (boom-bust business cycle).

Mas algo mais acontece também. Assim que os preços sobem, e as pessoas começam a antecipar ainda mais aumentos futuros nos preços, um prêmio inflacionário é colocado nas taxas de juros. Os credores colocam esse prêmio inflacionário nas taxas porque eles não têm a intenção de continuarem sendo prejudicados pela queda do valor do dólar; e os devedores estarão dispostos a pagar o prêmio porque eles também percebem que estavam desfrutando ganhos inesperados.

E é por isso que, quando o público começa a esperar mais inflação, esse aumento das reservas bancárias proporcionadas pelo Fed irá aumentar, ao invés de diminuir, as taxas de juros. E quando a aceleração do crédito inflacionário finalmente é interrompida, as taxas de juros mais altas colocam um fim abrupto na expansão (boom) do mercado de capitais (ações e títulos), e uma inevitável recessão liquida os investimentos errôneos feitos nessa fase de expansão inflacionária.

Uma distorção extra no problema das taxas de juros é o aspecto internacional. Como uma tendência de longo prazo, o capital se move de investimentos de baixo retorno (sejam eles taxas de lucros ou taxas de juros) para investimentos de alto retorno, até que as taxas de retorno se igualem. Isso é verdadeiro tanto para o interior de cada país como também para todo o mundo. Internacionalmente, o capital tende a fluir de países com baixas taxas de juros para países com altas taxas de juros, aumentando os juros naqueles e diminuindo-os nestes.

Na época do padrão ouro internacional, o processo era simples. Atualmente, sob papel-moeda fiduciário, o processo continua, mas resulta em uma série de crises. Quando alguns governos tentam fixar taxas de câmbio (como fizeram desde o acordo do Louvre, em Fevereiro de 1987, até a Segunda-Feira Negra), isso faz com que as taxas de juros nos EUA não possam cair sem que isso faça com que o país perca capital ou poupança para outros países.

Na época atual, em que há um enorme déficit em sua balança comercial, os EUA não podem manter um câmbio fixo se capitais estrangeiros estão fluindo para fora; a pressão para desvalorizar o dólar seria enorme. Por isso, após a Segunda-Feira Negra, o Fed decidiu deixar o dólar retomar sua tendência de desvalorização no mercado, para que o próprio Fed pudesse então inflar o crédito e diminuir as taxas de juros.

Mas deveria estar claro que aquela queda da taxa de juros seria apenas algo efêmero e estritamente temporário - e realmente as taxas de juros retomaram, logo depois, sua inexorável marcha para cima. A atual inflação de preços é a consequência da inflação monetária injetada na economia pelo Federal Reserve durante vários anos antes da primavera de 1987 - e desde então as taxas de juros estavam destinadas a subir, assim como os preços.

Dessa forma, o Fed, assim como em várias outras questões, torna-se vítima de suas próprias atitudes, pois a tendência de longo prazo de se igualar as taxas de juros ao redor do mundo é uma medida para igualar não simplesmente os retornos monetários nominais, mas os retornos reais corrigidos pela inflação. Mas se os credores e investidores estrangeiros começarem a receber dólares que valem menos e menos em valores reais, eles vão exigir maiores taxas de juros nominais para compensar - e então teremos de volta, bem rapidamente, um motivo redobrado para que as taxas de juros subam.

Ao tentar explicar as complexidades de taxas de juros, inflação, dinheiro, sistema bancário, taxas de câmbio e ciclos econômicos para meus alunos, eu os deixo com esse pensamento reconfortante: Não me culpem por tudo isso, culpem o governo. Sem a interferência do governo, todo o tópico seria uma brisa.

 


[1] Black Monday. Em 19 de outubro de 1987, a Dow Jones teve uma queda de 22% - apenas nesse dia. Isso deu início a um declínio global das bolsas mundiais. Ao fim do mês, a maioria das bolsas havia caído mais de 20%. (N. do T.)

 

2 votos

autor

Murray N. Rothbard
(1926-1995) foi um decano da Escola Austríaca e o fundador do moderno libertarianismo. Também foi o vice-presidente acadêmico do Ludwig von Mises Institute e do Center for Libertarian Studies.


  • Amarilio Adolfo da Silva de Souza  23/06/2013 17:09
    O Fed deve ser eliminado, assim como os demais inflacionistas.
  • Emerson Luis, um Psicologo  30/08/2013 18:02
    Se o governo brasileiro tivesse lido este e outros artigos em 2008, Brasil não estaria como está no momento em que escrevo cinco anos depois.

    * * *


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.