clube   |   doar   |   idiomas

Existe uma página específica para este artigo. Para acessá-la clique aqui.

"A recessão nos EUA acabou!"

Toda a mídia está divulgando com grande regozijo os recentes dados sobre o PIB americano.  Âncoras brasileiros chegaram inclusive a anunciar 'o fim da recessão americana'.

Mas será que isso procede?  Uma simples analisada nos números revela um cenário bem mais desanimador.

Primeiramente convém notar que a taxa de crescimento divulgada, de 3,5%, é um taxa anualizada, e não a taxa trimestral realmente obtida entre julho e setembro.  Isso significa que a verdadeira taxa de crescimento ocorrida no período de julho a setembro (taxa trimestral) foi elevada ao expoente quatro (pois há quatro trimestres em um ano) para que assim tenhamos a taxa que teoricamente ocorreria no período de um ano.

Confuso?  Mas é assim que eles fazem.  O fato é que a taxa trimestral de crescimento entre julho e setembro foi de meros 0,86% - se fosse esse o número divulgado, os ânimos estariam bem mais contidos.

Mas como o número oficial é 3,5%, então trabalhemos com ele e vejamos o que é fato e o que é ficção.

Desses 3,5%, nada menos que 1,6 ponto percentual (quase 46% do total) se deve exclusivamente ao programa Cash For Clunkers.  Tal programa, que em uma tradução livre significa "Dinheiro por Sucata", funciona da seguinte maneira: o sujeito vai a uma revendedora e troca seu carro por um modelo mais novo, mais econômico e menos poluidor.  Nessa troca, ele ganha um desconto que varia de 3.500 a 4.500 dólares, proporcional à diferença de consumo entre o automóvel antigo e o novo.  Quem banca essa diferença?  O governo - isto é, o próprio contribuinte.

E o que é feito com o carro que foi entregue pelo comprador?  O dono da revendedora é obrigado a inutilizá-lo.  Joga-se uma solução de silicato de sódio no cárter, o motor é acionado, a solução se cristaliza e trava o motor.

É realmente algo muito racional.  Destrói-se um bem inteiramente útil e perfeitamente funcional, e a consequência disso - a compra subsidiada de outro veículo - acaba sendo computada como crescimento econômico.  Aparentemente é preciso ter um Ph.D. em economia keynesiana para achar que destruir um bem em perfeitas condições de uso é igual a criar riqueza.  É impossível dizer que tal situação configura geração de riqueza: um carro foi comprado e outro, em perfeito estado, foi destruído.

Aliás, nem com muito otimismo poderíamos dizer que houve um empate, uma vez que foi utilizado dinheiro público nessa transação - isto é, alguém foi obrigado a subsidiar a transação sem tomar parte dela.  Portanto, tal arranjo configura indubitavelmente uma destruição de riqueza.  Mas a matemática econômica consegue reverter a realidade e fazer parecer com que tenha havido geração de riqueza.  E tal raciocínio se passa por ciência econômica hoje em dia, é ensinado nas universidades e aplicado pelo governo mais poderoso do mundo.

Portanto, se o seu carro for destruído na rua, sorria e repita para si próprio: "Que legal, o PIB vai disparar!"

Outro componente que "ajudou" no crescimento do PIB foi o número de construções de imóveis.  Por que houve um aumento nas construções?  Porque o governo americano, além de estar subsidiando as hipotecas, está dando também subsídios de 8 mil dólares para pessoas que forem comprar imóveis e que não tenham comprado nenhum nos últimos três anos.  Detalhe: não importa que a pessoa já tenha um imóvel; se ela estiver há três anos sem ter comprado um, ela pode se qualificar para esse assistencialismo.

Como resultado desse estímulo, houve uma retomada na construção de imóveis.  O problema é que o país já está com um excesso de imóveis construídos (afinal, o termo bolha imobiliária tem algum significado, certo?).  Por que construir mais, se um grande número deles está desocupado?

Se não houvesse esses estímulos e se o governo não estivesse envolvido no setor, os preços dos imóveis estariam caindo, possibilitando às pessoas menos abastadas adquirirem esses imóveis.  Mas, ao contrário, as construções continuam e os programas do governo se encarregam de manter os preços dos imóveis artificialmente elevados, impossibilitando os mais pobres de finalmente adquirirem um imóvel. 

Ambas as medidas - "dinheiro por sucatas" e subsídios para a compra de imóveis - representam uma incrível malversação de recursos escassos.  Mão-de-obra, bens de capital e outros recursos que poderiam estar sendo utilizados em atividades mais produtivas, atividades que realmente criassem riqueza genuína, estão sendo desviados para atividades que nada mais são do que mero consumo de capital.  Não se está produzindo nada que tenha sido genuinamente demandado pelos consumidores, não se está investindo em nada de longo prazo; está-se apenas desperdiçando capital em atividades de efeito temporário, atividades cuja única intenção é maquiar o PIB.

Se não houvesse esses incentivos, as pessoas provavelmente estariam poupando dinheiro ou utilizando-o para saldar suas dívidas.  Mas ao invés disso, elas foram comprar carro e casa só porque o governo estava dando dinheiro.  Dados do Fed mostram que a taxa de poupança das famílias despencou nesse último trimestre.  Não tinha como ser diferente.

O terceiro e último fator que estimulou o PIB foram os gastos do governo americano.  No terceiro trimestre, a gastança cresceu 7,9% em relação ao segundo trimestre, sendo que no segundo trimestre ela havia crescido 11,4% em relação ao primeiro trimestre.

Com isso, o déficit e a dívida do país atingiram níveis pornográficos, do tipo que fariam as aventuras de Cicciolina parecer histórias de convento.  Veja os gráficos:

Déficit:

déficit.png

Dívida:

dívida.png

Por fim, vale lembrar que, durante a Grande Depressão, o período entre 1934 e 1937 foi de crescimento consecutivo do PIB.  A média de crescimento foi de 8,5% ao ano.  Será que alguém crê que a Depressão acabou em 1934 só porque ali começou uma época de "crescimento"?  O fato é que após quatro anos de PIB crescendo a 8,5% ao ano, o desemprego estava em 15%.  E disparou para 19% em 1938.

Isso dá uma boa lição sobre a diferença entre crescimento estatístico e crescimento real.


autor

Leandro Roque
é editor e tradutor do site do Instituto Ludwig von Mises Brasil.

  • Kleber Ricardo Pinto  30/10/2009 12:28
    Isso sim é um governo de imbecis! Faz parecer com que o nosso seja dirigido por Aristóteles.
  • Carlos Alexandre Machado de Mello  30/10/2009 14:57
    Este foi um dos melhores artigos que já li neste site. Atravé dele, aprendi que recessão e crescimento econômico podem coexistir; mas a mais importante lição nele veiculada é política: até nos EUA as boas notícias podem ser manipuladas! Será que aqui no Brasil não se está também ''maquiando'' os indicadores econômicos?
  • Eduardo  30/10/2009 15:16
    Só uma marolinha, rapaz...
  • Leandro  30/10/2009 16:00
    Prezado Carlos, obrigado! Na verdade, o problema está justamente na maneira (errada) como o PIB é calculado na maioria dos países do mundo (não si como fazem em Cuba, na Coréia do Norte e semelhantes). Para mais informações, tenha a bondade de ler os artigos "Por que o PIB é uma ficção" e "As falácias sobre o PIB brasileiro". É perfeitamente possível a economia de um país estar encolhendo mas o cálculo do PIB apontar crescimento. Trata-se de um problema de metodologia.
  • Rhyan Fortuna  31/10/2009 01:49
    Muito bom!
    Só não entendi o "foi elevada ao expoente quatro".
    Não é multiplicado por 4?
  • Liberdade D´Escolha  31/10/2009 18:54
    Fiz um artigo relacionado com o tema. Vejam:\nhttp://www.liberdadedescolha.com/2009/10/as-mesmas-tretas-de-sempre-basta.html\nContinuem o excelente trabalho
  • Leandro  31/10/2009 19:05
    Rhyan, esse cálculo da porcentagem segue o mesmo princípio daquele explicado no primeiro artigo da taxa Selic. Pega-se o valor da porcentagem, divide-se por 100, acrescenta-se 1 e eleva-se a 4. Logo, 0,86%, vira (1,0086)^4 = 1,035 = 3,5%
  • Rhyan Fortuna  31/10/2009 19:25
    Obrigado Leandro!
    Abraço!
  • Tiago RC  03/11/2009 10:23
    Muito bom o post!\n\nSó uma dúvida: por que está em Blog e não em Artigos?
  • Bruno  04/11/2009 01:16
    Piada a la pasquim.\n\n"A recessão acabou"\n- Acabou com quem, meu Deus?
  • Caio  04/11/2009 14:44
    Ótimo texto...
  • Juliano Camargo  12/11/2009 20:04
    Ótimo texto Leandro, parabéns.\n\nOs americanos entraram no nosso bloco! Daqui à pouco vão estar tomando lições com a Cristina Kirchner. \n\nAs medidas deles fazem as isenções tributárias seletiva do governo Lula parecerem uma 'marolinha'.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.