clube   |   doar   |   idiomas
Na França, a população descobriu que ambientalismo e social-democracia custam caro
Eis o preço da mistura de assistencialismo com Acordo de Paris

taxes1.png

O governo francês, um dos mais ativistas na causa das mudanças climáticas, quer reduzir o consumo de petróleo. Para isso, o governo de Emmanuel Macron aumentou em 12 pontos percentuais a TICPE, um acrônimo para taxe intérieure de consommation sur les produits énergétiques (tributo interior sobre o consumo de produtos energéticos).

Esse aumento de 12 pontos percentuais no imposto sobre combustíveis fósseis foi implantado com o intuito de restringir as emissões de CO2, financiar a substituição do petróleo por "energia mais limpa" e deixar o país mais próximo de cumprir seus objetivos climáticos, os quais foram determinados pelo Acordo de Paris (do qual os EUA se retiraram).

No entanto, tudo indica que os preços da gasolina na République, que já eram muito maiores que os dos países vizinhos, subiram para um valor acima do tolerável para os franceses. O diesel encareceu 23% e a gasolina, 15%.

Em um website criado pelo governo francês em um esforço para ajudar os consumidores a compararem os preços, isso se torna bem visível: na região de Paris, um litro de gasolina chega a custar até € 1,90 (aproximadamente R$ 8,22 por litro).

Ou seja, ao passo que nos EUA um litro de gasolina sai por US$ 0,67, na França ele sai por US$ 2,15.

Só que este preço para abandonar o petróleo foi alto demais para os franceses. Ambientalismo, sim, mas nem tanto. Como resultado, mais de 300.000 pessoas trajando coletes amarelos (gilets jaunes) tomaram as ruas em imensas e crescentes manifestações que já duram um mês.

O problema é que ocorreu aquilo que sempre acontece em qualquer grande manifestação de massa: o movimento não só passou a agregar outras insatisfações — como as de desempregados e de sindicalistas que querem manter privilégios e reverter algumas reformas trabalhistas —, como também foi infiltrado por baderneiros que querem apenas praticar selvageria. A violência está ficando fora de controle, com três mortos, centenas de detidos e feridos, e a ameaça de decretação de estado de emergência.

Algumas manifestações transformaram o centro de algumas cidades em campos de batalha, com amplas multidões entrando em confronto violento com a polícia.

Como também não poderia deixar de ser, o movimento passou a ser explorado politicamente por figuras como Jean-Luc Mélenchon (líder da extrema-esquerda) e por Marine Le Pen (da direita nacionalista), agora pedem novas eleições.

Tudo isso está bem documentado pela mídia. Mas é apenas metade da história

Os outros impostos

Sim, o ímpeto inicial para que indivíduos tomassem as ruas da França trajando coletes amarelos era protestar contra o aumento dos preços dos combustíveis em decorrência do aumento do "imposto ecológico".

No entanto, os protestos rapidamente escalaram e se transformaram em uma manifestação generalizada contra o nível da carga tributária. Entrevistas confirmam que uma revolta tributária mais ampla está ocorrendo.

O governo francês impôs um novo tributo sobre as pensões no início deste ano, o que gerou uma considerável pressão econômica sobre os idosos. Há também rumores de que o governo quer elevar o imposto sobre propriedades e sobre a herança.

E, adicionalmente — algo que praticamente não foi mencionado pela cobertura da grande mídia —, o governo francês anunciou que irá, a partir de janeiro de 2019, passar a coletar o imposto de renda diretamente na folha de pagamento, mensalmente. Sim, a França, surpreendentemente, ainda não havia introduzido o nefasto esquema de imposto de renda retido na fonte, pois os franceses consideravam isso (corretamente) uma inaceitável invasão de privacidade.

O objetivo de todos estes aumentos de impostos, obviamente, é bancar o crescentemente ruidoso estado de bem-estar social francês — o país foi recentemente declarado o campeão dos gastos com assistencialismo.

Tudo isso exaltou ainda mais os ânimos da população.

Por décadas, os trabalhadores franceses vêm arcando com aquela que é simplesmente a mais alta carga tributária da União Europeia. Muitos já não conseguiam fechar suas contas ainda antes de o governo francês impor esse dilúvio de novos impostos ano passado.

Referências a "roubo" e "assalto" estão em todos os cartazes e slogans dos coletes amarelos. "Morte aos impostos", lê-se nos cartazes. Longe de ser um mero distúrbio civil extremista, a raiz do movimento foi nada menos do que uma clássica revolta tributária.

Uma agenda contraditória

Eis a realidade: a França — ou, mais apropriadamente, o governo francês — sempre foi a favorita da mídia e dos progressistas, e tida como um exemplo a ser seguido tanto em termos de assistencialismo quanto em termos de agenda ambientalista. Recentemente, o país provocou suspiros apaixonados por "assumir a liderança" na questão das 'mudanças climáticas'.

Adicionalmente, na França (como na maioria dos países da União Europeia), os salários do setor público superam amplamente os do setor privado [mas não supera o Brasil, que é o campeão], algo que, sem dúvida nenhuma, ajuda a impulsionar estatizantes projetos idealistas e utópicos que prometem criar um lendário estado de "sustentabilidade".

Porém, para o cidadão francês comum, estes devaneios estatais geram custos, e estes custos se traduzem em dificuldades financeiras que são reais, rotineiras e desesperadoras. A fatia trabalhadora do povo francês, ao que tudo indica, está se aproximando do ponto de ruptura, e novas promessas assistencialistas do governo poderão apenas postergar o dia do acerto de contas.

A ideia de afastar todo um país dos combustíveis fósseis ao mesmo tempo em que fornece assistencialismo generosos para todos pode parecer algo humanista, compassivo e até mesmo visionário. Mas isso é só no abstrato. No mundo de verdade, a realidade econômica inevitavelmente sempre se impõe, fazendo a incômoda pergunta: qual o tamanho da coerção — a pilhagem da população trabalhadora — necessária para tornar este sonho uma realidade?

O povo francês está descobrindo a resposta agora. E a resposta está se comprovando profundamente impopular.

Qual o limite?

Do ponto de vista do cidadão comum, a sustentabilidade de suas finanças pessoal e doméstica sempre será mais importante do que programas estatais que soam belos e doces. Políticos e ativistas ambientalistas que jubilosamente acreditam que a adesão popular a seus projetos grandiosos (e arrogantes) é automática são ou obtusos ou tiranos.

Mesmo na França, a terra dos sonhos dos progressistas, os trabalhadores não mais estão querendo saber de ver sua riqueza pessoal sendo cada vez mais esbulhada para servir aos planos altivos da elite política e intelectual. Mesmo na França há um limite para o ambientalismo e para a social-democracia, e o povo francês, ao que tudo indica, está se aproximando deste ponto de ruptura.

No final, tudo é contraditório

Mais de 200 anos atrás, Jean-Baptiste Colbert alertou o rei Luis XIV que "A arte da tributação consiste em depenar o ganso de modo a obter a maior quantidade de penas com o menor volume possível de grasnido." O som que hoje se ouve na França é o de franceses grasnando indignados. Os gansos com mais penugem — Gérard Depardieu, membros da família Peugeot e da Chanel — já deixaram o país em busca de um futuro melhor.

Os que ficaram continuam sendo crescentemente depenados. E continuam querendo bem-estar social — de novo, o país foi recentemente declarado o campeão dos gastos com assistencialismo.

Por isso, a lição continua impávida: de nada adianta protestar contra elevação de impostos e, ao mesmo tempo, querer social-democracia, estado assistencialista e agenda ambientalista. Enquanto a mentalidade francesa for a do estado de bem-estar social com "economia verde", os custos deste arranjo continuarão garantindo protestos urbanos a uma frequência praticamente anual.

No final, não há escapatória: ou a população francesa celebra o Acordo Climático de Paris e sua social-democracia ou sai queimando pneus para protestar contra a acentuada elevação de impostos que visam a reduzir as emissões de carbono e bancar a social-democracia. Não dá para ter as duas coisas ao mesmo tempo.

38 votos

autor

Peter Earle
é economista do American Institute for Economic Research. Seu interesse está em mercados financeiros, política monetária, e história econômica. possui mestrado em Economia Aplicada pela American University, e MBA em Finanças e bacharelado em engenharia pela Academia Militar Americana, em West Point.


  • Aluno  03/12/2018 17:19
    Eu nunca entendi muito bem essa questão ambiental. Se a França faz de tudo para que a gasolina fique cara e as pessoas troquem de carro e os EUA continuam vendendo gasolina barata e "poluindo" adoidado.
    Ambos os países vivem no mesmo planeta. De que vale o esforço da França se os EUA continua agindo "errado" ?


  • Ronaldo  03/12/2018 18:49
    Eu entendo perfeitamente o seu ponto, mas isso soa como querer aparar por baixo. Mesmo que haja controvérsias sobre o aquecimento global, ainda é planamente razoável almejar um futuro onde os combustíveis fósseis sejam eliminados, visto a poluição que eles geram, então os esforços de um país são louváveis, mesmo que não sejam generalizados. Pena que devido à natureza competitiva da economia os países que tomam esse caminho fiquem em desvantagem em relação aos poluidores.
  • vitor carvalho  04/12/2018 11:21
    Aquecimento global causada por humanos?
    Quem são as pessoas beneficiadas pelo Terrorismo Climático?
    Procurem no YouTube Professor Luiz Carlos Molion
    Viva o Terrorismo climático
  • Capitalista  09/12/2018 17:26
    Aumentam os impostos com a desculpa de uma agenda, mas não diminui os impostos de energias mais limpas, querem que todos usem carros elétricos, mas os mesmos custam uma fortuna e ainda é bem tributado.

    Ambientalismo? Só mais uma desculpa para roubar mais o povo através de impostos, a conta é sempre para o povo, pois eles mesmos nunca cortam na própria carne?
  • Luzimar  13/12/2018 11:38
    Completamente de acordo com sua colocação. São desculpas que parecem sérias, que no fundo estão apenas se mobilizando para destruir a sociedade que trabalha e paga impostos. O que nunca vou entender, porque ainda hoje, no mundo informado de todas as maneiras, existem pessoas que acreditam no socialismo? Nunca deu certo. Será que ainda não ficou claro, que se não houver quem banca as manobras do Estado, ele não existiria? Os franceses não aprendem, e de queda em queda, viva a Bastilha.
  • Raul RB  04/12/2018 13:40
    Vou continuar o raciocínio do Ronaldo, dentro do questionamento "Porque não obrigar a todos a preservar o meio ambiente"?

    Não temos como negar que um centro urbano é muito mais poluído (gases, partículas, ruídos, luzes são todos exemplos de poluição) do que um campo aberto. Poluições tendem a ter mais impacto regional do que global. De imediato pode resultar de que se a França querer cidades com melhores meio ambientes não precisa dos USA.

    Mas, afinal, porque o estado não consegue decretar o bem estar ecossistêmico global? Resumindo, tudo se reverte ao interesse do consumidor, se esse não vê vantagem em consumir outro tipo de recurso, outro tipo de fonte de energia ou transporte ou fonte de madeira não tem como forçar ele a mudar. A melhor solução para preservação global dos recursos natureis é o consumidor achar vantagem em mudar seus hábitos, com a livre oferta tecnologia e serviços, cada vez mais barata e abundante, para solucionar os seus problemas.

    Então, se você acha que os consumidores vêm a poluição ou intervenção humana nos ecossistemas como um problema utilize argumentos lógicos, econômicos ou crie tecnologias e ou serviços para mudar a forma como agem. Se forem bons argumentos ou tecnologias/serviços sendo ofertadas dentro de um livre mercado, pq elas não iriam mudar seus hábitos?

    A mudança ocorre de forma voluntaria.
  • Cristian  04/12/2018 17:21
    Raul RB

    Resposta brilhante com um final sintetizador.

    Mudanças quando são voluntarias, acontecem e funcionam bem. Quando elas são impostas, termina em conflitos que só geram mais e mais conflitos.
  • Sóstenes  04/12/2018 18:58
    O sonhado bem estar social que segue uma linhagem de esquerda e levanta a bandeira ecológica está ligado a uma elevada carga tributária para manter benefícios sociais e salários de funcionários públicos acima da média do mercado, isso só cria um ambiente hostil ao livre mercado, fazendo com que os empresários e investidores ( empregadores ) deixem de investir, gerando desemprego e possivelmente a entrada de pessoas em programas sociais aumente de forma que o governo tenha que elevar ainda mais a carga tributária. O aumento de impostos é o verdadeiro sufocador da população e geram indignação de todos quando chega a um ponto de ruptura ( quando o povo qualifica a taxação como absurda). É preciso deixar que o ambiente de negócio baseado na competição gerem tecnologias que resolvam o problema, tendo em vista que o petróleo deixará de ser economicamente viável em alguns setores.
    O Livre mercado já proporcionou mudanças nesse sentido, é o caso dos carros híbridos e elétricos, então, na minha opinião esse "imposto ambiental" é só pretexto para sustentar o Estado.
  • Skeptic  04/12/2018 22:22
    Exatamente, meio ambiente estatizado é tragédia dos comuns.

    Sobre Molion, o homem disse há alguns anos que o planeta estava esfriando, de lá pra cá foram vários recordes de temperatura máxima na média do planeta. Errou e errou feio.

    A causa humana é simples de verificar, assinatura química do CO2 prova isso. Todas as outras possíveis causas já foram examinadas e descartadas.

    Não é pq o estado é um lixo para solucionar qualquer problema que eu devo negar fatos científicos.
  • Another Skeptic  05/12/2018 09:52
    Alguém conhece alguma refutação ao artigo abaixo:

    mises.org/library/skeptics-case

  • Skeptic  05/12/2018 17:37
    Não confunda ceticismo científico com negacionismo. Inclusive, existe um quadrinho criacionista mto tosco (sorry, pleonasmo) que se chama "O Cético", hahahaha.

    Pelo que vi, o artigo usa dados muito antigos, previsões velhas, e não vou verificar agora se estão corretas. Os modelos e simulações melhoraram consideravelmente, tanto que estão sendo usados em larga escala em áreas como astronomia, incluindo modelos para climas e atmosferas de exoplanetas. Sem dúvida que a computação avançou como nunca e o entendimento das variáveis climáticas também.
    Sim, haverá muitos cenários catastróficos e muito além da real medida, e há vários motivos para isso.

    Fora isso, já vi muitos truques de colocar um gráfico pela metade e várias desonestidades do gênero por partes dos negacionistas.

    Molion é outro que diz coisas aparentemente sérias mas que já foram comprovadas falsas. Felicio é uma piada total.

    A solução é levar a ciência a sério, nem a insanidade de ecologistas anti-capitalistas nem a de conservadores que adoram distorcer fatos científicos e 'cientistas' de mídia que não têm nenhuma fama ou boas publicações no meio acadêmico, principalmente sobre o que estão defendendo.

    E duvido que o AG seja revertido, tarde demais para desestatizar o cuidado com o meio ambiente e acabar com o corporativismo do setor petrolífero. Na verdade, parece que nenhum tipo de burocrata no mundo defende isso, só subsídios e outras bobagens. Ou a tecnologia vai solucionar o problema ou ela vai criar as adaptações necessárias no futuro.

    Tem um canal libertário no youtube que defende que a Terra é plana, se alguém discorda deles, eles chamam de estatistas. É ridículo demais, não? Bom, muito libertários agem da mesma forma quanto o assunto é aquecimento global.
  • Tarabay  05/12/2018 17:09
    Muito contraditório alguém que se diz cético acreditar na mídia.

    "Sobre Molion, o homem disse há alguns anos que o planeta estava esfriando, de lá pra cá foram vários recordes de temperatura máxima na média do planeta. Errou e errou feio."

    Acredito que o PHD em meteorologia está certo e vou explicar.

    Anos mais quentes e anos mais frios são comuns em qualquer lugar do mundo, mas o que de fato existe é uma grande mentira inventada acerca de um suposto "aquecimento global"

    Não é o CO2 quem controla o clima e sim o sol. Nota-se que desde o ano passado não se observam as manchas solares e, consequentemente, haverá menos calor enviado do astro à terra. Por isso a terra está esfriando.

    A extrema-mídia mente na cara dura utilizando pseudos intelectuais com viés socialista para justificar uma intervenção estatal no meio ambiente, onde os mesmos não passam de melancia(verde por fora e vermelhos por dentro). Isso ocorre em quase todos os países.

    Contudo, os métodos utilizados por estes falsos cientistas é mui duvidoso, tudo para distorcer a realidade, colocando estações de medição de temperatura em locais quentes. Mais de dois terços dos sensores de temperatura utilizados para se estimar o aquecimento global estão localizados próximos a fontes artificiais de calor, como respiradouros de ar condicionado, concreto de asfalto e edifícios. Essas fontes provavelmente introduzem erros artificiais maiores do que 2 °C nos históricos de temperatura.

    "A causa humana é simples de verificar, assinatura química do CO2 prova isso. Todas as outras possíveis causas já foram examinadas e descartadas."

    Fale por você, mas tanto este instituto quanto o phd supracitado discordam do teu raciocínio. O Sr. Cético chegou a conclusões sem ao menos argumentar ou apresentar fontes.

    Para evidenciar a hipocrisia dos defensores do aquecimento, dê uma pesquisada na mansão na praia de Al Gore, autor do livro e documentário (2006) "Uma Verdade Inconveniente". Este ser afirmou que os litorais iriam sumir em 2010 e aqui estamos. Nenhum litoral sumiu e não houve avanço do mar, aliás, as ilhas dos oceanos estão aumentando.

    betoorcy.blogspot.com/2010/05/nova-mansao-do-all-gore-paga-pelo.html

    Observa-se que a mansão do escroto supracitado foi comprada após o documentário, ou seja, ele mentiu!

    Para complementar sua leitura segue alguns artigos deste site e de outras fontes que eu considero confiáveis acerca do resfriamento global.

    "Não existe aquecimento global", diz representante da OMM na América do Sul
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=547

    Choque e espanto! WikiLeaks revela verdade inconveniente sobre "aquecimento global"
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=848

    O aquecimento global é uma fraude
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=324
    Proeminente cientista muda de ideia sobre aquecimento global
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=604

    Aquecimento global congela a Europa
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=556

    Al Gore pediu pra sair
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=538


    sandcarioca.wordpress.com/2018/09/20/gelo-arctico-crash-com-simulacoes-climaticas/

    sandcarioca.wordpress.com/2018/09/14/as-ilhas-dos-oceanos-nao-desaparecam-e-estao-aumentando/

    sandcarioca.wordpress.com/2018/08/07/crescimento-do-gelo-no-artico-desde-2012/

    sandcarioca.wordpress.com/2018/07/19/cientista-pai-do-aquecimento-global-finalmente-admite-que-a-teoria-esta-errada/

    sandcarioca.wordpress.com/2018/06/08/resfriamento-global-2017-2053-erupcoes-vulcanicas-terremotos-e-clima-extremo/
  • Skeptic  07/12/2018 16:52
    De tantos links e tanta baboseira, nenhum artigo científico. Não estou nada surpreso.
    Analfabeto científico querendo definir o que é ceticismo é osso.

    Sobre os erros/mentiras do Molion:

    genereporter.blogspot.com/2009/12/jogo-dos-erros.html
    genereporter.blogspot.com/2012/05/jogo-dos-erros-4-carta-dos.html
    genereporter.blogspot.com/2012/08/jogo-dos-erros-6.html

    Olha o belo resfriamento global do seu Molion:

    grist.files.wordpress.com/2016/05/resizedspiral.gif

    O Sol, claro, cientistas esquecem que o Sol existe, ele nunca foi estudado mesmo.
    Parabéns, gênio!

    www.skepticalscience.com/images/Temp_vs_TSI_2009.gif

    A mídia que se dane (inclusive é uma das maiores culpadas pela imbecilidade científica que vemos nesse câncer chamado Brasil). E desejo profundamente que Al Gore tenha uma morte bem dolorosa.

    Quando uma ideia revolucionária surge dentro da ciência, ela precisa de uma quantidade enorme de evidências para tomar o lugar da teoria corrente, e o negacionismo climático nunca produziu nada de evidência científica.
    Se vc acha que entrevista na Band e entrevista no Jô são suficientes, sinto muito, vc é um caso perdido.

    Daqui a pouco vão que Adauto Lourenço é um cético também...
    Típico de pseudociência se basear em "cientistas" excêntricos, midiáticos, que defendem maluquices que agradam grupos ideológicos sem apresentar evidências necessárias e usam muitas teorias conspiratórias.
  • Tarabay  10/12/2018 12:08
    "De tantos links e tanta baboseira, nenhum artigo científico. Não estou nada surpreso.
    Analfabeto científico querendo definir o que é ceticismo é osso.

    Sobre os erros/mentiras do Molion:

    genereporter.blogspot.com/2009/12/jogo-dos-erros.html
    genereporter.blogspot.com/2012/05/jogo-dos-erros-4-carta-dos.html
    genereporter.blogspot.com/2012/08/jogo-dos-erros-6.html "


    Os três links também não tem nada de científico, aliás, o autor deles, Roberto Takata, é biólogo. Nota-se, também, que o mesmo concordou com algumas afirmações de Molion.

    As fontes que os textos que o Roberto Takata exibe são de agências globalistas, infestadas de pseudos-cientistas que praticamente se prostituem para receber dinheiro dos governos. É isso que você considera científico?

    Por acaso, você chegou a ler os artigos que eu lhe indiquei? Me parece que não.

    "Olha o belo resfriamento global do seu Molion:

    grist.files.wordpress.com/2016/05/resizedspiral.gif "


    É sério isso meu caro? Um gif animado? É isso que você considera científico? Um gif?

    Tá "Serto" cara, esse link refuta a tese de um phd em meteorologia e do resfriamento global. Gênio! Tragam um oscar e um nobel para você, ou melhor, tragam dois, para a possibilidade de perder os primeiros.

    "O Sol, claro, cientistas esquecem que o Sol existe, ele nunca foi estudado mesmo.
    Parabéns, gênio!

    www.skepticalscience.com/images/Temp_vs_TSI_2009.gif"


    Outro link que "refuta" a tese de Molion, de uma agência que também recebe dinheiros de globalistas. Brilhante fonte! Sou eu quem lhe dou parabéns.

    Quer uma verdade? Veja como as estações de medição de temperatura são colocadas pelos ambientalistas:

    www.lavoisier.com.au/articles/greenhouse-science/climate-change/climate-corruption-lavoisier.pdf

    Viu só, são idôneos.

    "A mídia que se dane (inclusive é uma das maiores culpadas pela imbecilidade científica que vemos nesse câncer chamado Brasil). E desejo profundamente que Al Gore tenha uma morte bem dolorosa."

    Nisso eu estou de pleno acordo, sem ironias.

    "Quando uma ideia revolucionária surge dentro da ciência, ela precisa de uma quantidade enorme de evidências para tomar o lugar da teoria corrente, e o negacionismo climático nunca produziu nada de evidência científica. Se vc acha que entrevista na Band e entrevista no Jô são suficientes, sinto muito, vc é um caso perdido. "

    Se você analisar direito, a ideia revolucionária foi a do aquecimento global, vide que os "cientistas" estavam preocupados com o resfriamento da terra na década de 70. Inclusive a CIA.

    trove.nla.gov.au/newspaper/article/110818238

    documents.theblackvault.com/documents/environment/potentialtrends.pdf

    www.nytimes.com/1976/07/18/archives/the-genesis-strategy-a-chilling-prospect.html?_r=0

    Como soluções, sugeriram derreter o gelo do Ártico, em 75:

    www.denisdutton.com/cooling_world.htm

    A ONU estava tão preocupada com o resfriamento causado pelo homem de 1970 que eles estavam avaliando "várias propostas" para "eliminar o gelo", incluindo espalhar "fuligem ou pó preto no mar congelado para absorver o calor do sol e aumentar o derretimento no verão e na primavera".

    trove.nla.gov.au/newspaper/article/101755296?searchTerm=arctic%20melt%20climate&searchLimits=

  • Murilo   15/12/2018 11:55
    Como não acredito no aquecimento global e sim, no resfriamento isso não faz muita diferença.
  • Libertariozinho  03/12/2018 17:23
    A social-democracia se caracteriza pela INSUSTENTABILIDADE. Qualquer arranjo com qualquer grau, ainda que mínimo, de assistencialismo, tende à falência.
  • Aluno  03/12/2018 19:30
    A vida também é insustentável... visto que as células envelhecem, os órgãos desgastam e todo sistema vivo um dia vai morrer.

    Mas é importante pensar no que você faz enquanto a morte não acontece.
  • Gustavo  04/12/2018 01:00
    Não. A vida é efêmera, com data de validade. O importante é pensar no legado que vai ser deixado após a morte.

    E quando formos o Brasil ainda vai continuar por aqui por muito tempo. Então temos sim que pensar em medidas que sejam sustentáveis ao longo prazo - o que a social-democracia não é - apenas o liberalismo assim se mostrou.
  • Circle of life  04/12/2018 11:11
    A vida também é insustentável... visto que as células envelhecem, os órgãos desgastam e todo sistema vivo um dia vai morrer.

    Mas é importante pensar no que você faz enquanto a morte não acontece.


    Por outro a vida tenta manter seu legado via reprodução e mantendo seu gene ao longo dos descendentes.
    Todos os animais naturalmente tentam preservar seus filhos (sacrificando até mesmo sua vida) para preservar seu gene.
    Anti-natural, cruel, imoral e criminoso é gastar recursos hoje para seus filhos pagarem no futuro.
  • Propriedade é PODER.   04/12/2018 13:20
    Não faz sentido nenhum esse ranço pela "social democracia", pelo Welfare state.

    Tudo isso é consequência do Liberalismo... Foi com o liberalismo querendo limitar o poder dos reis que surgiu o anseio pela democracia, pelo Estado Democrático de Direito.

    Foi com as benesses materiais do capitalismo que surgiu o Welfare state, o vulgarmente chamado social democracia. As pessoas querem direitos, elas querem serviços públicos de qualidade, elas querem igualdade. Tudo isso é filho do liberalismo, do capitalismo...

    Ao contrário do que prega esse site, na verdade as duas coisas caminham juntas.

    As pessoas pagarem impostos para terem serviços de qualidade é "insustentável" é "criminoso" mas o particular cobrar JUROS (juros sobre juros) e escravizar os outros com juros é altamente sustentável é moralmente correto rsrs(a famosa USURA). A violência do Estado é condenável mas a do indivíduo não é condenável.
    Existe uma incoerência completa nesse ambiente aqui.


  • Circle of life  05/12/2018 11:50
    Vide a diferença. Se seu pai se endivida (a tal mal falada "usura") não irá implicar em dívida a ser paga pelo filho. O pai pode perder toda sua propriedade e não ter herança a dar ao filho mas isso não implicará em uma dívida a também ser paga pelo filho.

    Já no caso do estado de bem estar social, que gasta mais do que arrecada, ele se sustenta deixando uma divida gigantesca para a geração futura.

    É uma ação absolutamente e totalmente [b]criminosa[/b[ criar uma dívida obrigatória a ser paga por pessoas que nem nasceram ainda por querer "direitos" presentes.

    Querer comparar isso a juros incorridos entre duas partes que voluntariamente aceitam um acordo é totalmente absurdo.
  • thiago  04/12/2018 12:02
    não existe almoço grátis.. como os modelos estatistas geram um crescimento de custos do estado mais rápido que o próprio crescimento econômico de médio a longo prazo mais criam pobres do que salvam pobres... exemplo do brasil com um custo efetivo de tributação sobre a renda bruta de quem ganha até 2 salários mínimos entre 40% e 60% ,ou seja, entre R$ 381,60 e 572,40... no caso de 1 salario minimo. achar que R$ 89,00 de bolsa família por filho tira alguém da miséria é ridículo....o que os governos assistencialistas fazem a marketing baseado em estatísticas feitas por eles para beneficiar eles!!! A frança é a próxima nação a quebrar se esse imbecil não cair fora e entrar um governo realmente liberal!!!!
  • Miguel Sales  03/12/2018 17:26
    Na França, imigrantes (legais e ilegais) são cheios de direito e quase não têm deveres. Não pagam impostos mas têm acesso a saúde, educação e alimentação gratuitas. Quem já fez intercâmbio na França sabe disso. O sistema de "tudo grátis" parece ser uma maravilha.

    Só que sempre tem muita gente pagando por isso. Gente sem rosto, mas que é obrigada a trabalhar em dobro para receber a metade (com a outra metade indo para aqueles cheios de direito e sem dever).

    É claro que é um sistema insustentável.
  • Juliano  04/12/2018 13:02
    Na França, imigrantes (legais e ilegais) são cheios de direito e quase não têm deveres. Não pagam impostos mas têm acesso a saúde, educação e alimentação gratuitas. Quem já fez intercâmbio na França sabe disso. O sistema de "tudo grátis" parece ser uma maravilha.

    A ideia por trás de qualquer sistema assistencialista é que alguns possam ter mais acesso a recursos do que pagam. Não faz o menor sentido cobrar que todos contribuam com aquilo que vão usar de serviços. Se assim fosse, não haveria necessidade de um sistema assistencialista. A essência do sistema é que alguns pagam sem poder usar e outros usam sem precisar pagar.

    Assim, o problema não está restrito aos imigrantes, mas ao conceito do sistema de bem estar social.

  • Carlos  03/12/2018 17:30
    Macron foi eleito prometendo reformar todo sistema, modernizar, reduzir impostos e enxugar o governo. Tão logo foi eleito, fez tudo ao contrário: saiu aumentando impostos e mantendo privilégios do setor público e dos imigrantes. Não houve nenhum corte. E agora ainda dá tarifaço na gasolina para satisfazer uma agenda progressista.

    Ele está garantindo Le Pen em 2022.
  • Foucault  03/12/2018 17:38
    Conheço pessoalmente alguns franceses que trabalham no setor privado. Embora vivam em um país tido como rico e avançado (e realmente é em vários aspectos), a situação financeira deles não é nada invejável. Dificilmente conseguem poupar. E quase nunca conseguem viajar. Os franceses que viajam para o exterior são praticamente todos membros do nababesco setor público, este sim de causar inveja a nós meros mortais. Ou então são do alto escalão de grandes empresas que vivem de contratos com o governo.

    O sistema quase-socialista do país destruiu o mercado de trabalho (o desemprego na França é simplesmente o triplo do alemão) e os empregadores que ainda insistem em contratar alguém vivem sob chantagem.

    Não, essas revoltas não darão em nada (afina, já viraram rotineiras, como o próprio artigo afirma). Mas ao menos servem para mostrar ao resto do mundo que há limites para a tributação: até mesmo países filosoficamente favoráveis a ela não mais querem saber de impostos.
  • Funça  03/12/2018 17:37
    França e Espanha são exemplos perfeitos de como a social-democracia destrói um país sem precisar de nenhuma crise.
  • Vladimir  03/12/2018 17:44
    Eu não tenho nenhuma simpatia (ou seria empatia?) pelos franceses. Além de arrogantes e mal educados (alemães são uma flor comparado aos franceses) eles próprios pediram por tudo isso. Eles próprios pediram para que o governo os esfolasse, e esfolasse também as colônias africanas. Sempre estiveram na vanguarda do atraso (ou do progressismo, o que dá no mesmo). Agora as galinhas estão apenas se revoltando porque os ovos não estão mais dourados.

    Que se explodam.

    Como bem dito acima, a vantagem disso tudo é servir de alerta para outros governantes que queiram elevar impostos, principalmente sobre a gasolina. Temer fez isso em 2017 e o país quase entrou em convulsão em maio de 2018.
  • Francês  03/12/2018 18:23
    Que preconceito é esse? Xenofobia é crime, França é um país lindo e merece respeito, Macron pode ter cometido erros, mas o assistencialismo tirou pessoas da pobreza e melhorou o país.
    Talvez tenha que rever excessos, mas não precisa partir para essa ignorância fascista.

    Tenha coerência amigo, você crítica algo que você mesmo faz.
  • Libertariozinho  03/12/2018 18:34
    Uma coletivização e generalização muito infeliz, Vladimir. Algo que eu pensei que nunca veria nesse site.

    Mas caro Francês, para começar, nenhuma forma de pensamento é criminosa. Um crime consiste na violação de propriedade. O fato de o Vladimir não gostar de franceses por terem nascido dentro de um território demarcado por uma linha imaginária ilegítima não o torna um criminoso, só um babaca mesmo.

    O assistencialismo, por definição, não tira ninguém da pobreza. O assistencialismo é só um termo bonito para subsídio à pobreza. Tal política apenas fornece incentivos para quem não quer produzir e custos para quem quer.

    Ignorância não é fascismo.

    A única incoerência do Vladimir está na coletivização supracitada.
  • Nathan  03/12/2018 19:20
    Qual foi o problema com a opinião do Vladimir? Não vi nenhuma. Será que agora é proibido um indivíduo dizer que não foi bem tratado pelas pessoas de um país? Isso agora é "xenofobia"? Recuso-me a crer que o coitadismo, a delicadeza e o "não-me-toques" estão afetando alguns leitores deste site. Lamentável.
  • cmr  03/12/2018 21:09
    Eu não gosto nem de muçulmanos nem de africanos. Quero me manter longe dessa gente.
    E não sou lá muito fã de indianos e latino americanos.

    Sou um criminoso por isso ?, sendo que nunca defendi genocídios.
    Onde é que está o meu direito a autodeterminação e a minha livre associação ?.

    Eles na deles, e eu na minha... Sem mais.
  • Francês  03/12/2018 21:51
    Latino-americanos? Você é O que?
    E é crime sim de ódio, gera violência contra minorias. Ou você não vê os ataques contra os imigrantes?
    Parece que vive em outro mundo.


    O outro pede pros franceses se explodirem porque votaram em socialistas, o Macron foi eleito como Liberal, e ta falando o que, elegemos o PT por 14 anos e agora um conservador reacionário super estatista, Paulo Guedes ta ali só pra vender estatal que o Bolsonaro deixar.

    Discurso de ódio só porque algum francês não lhe tratou bem, provavelmente porque não fez por merecer.
    A França é receptiva, de braços abertos aos imigrantes que precisam de ajuda, faz políticas públicas, ajuda quem precisa.
    Pare com isso, esse ódio com um povo a troco de nada.
  • Carlos Alberto  03/12/2018 22:09
    Calma, o tal Francês é só um fake liberal fazendo troça com o discurso mimimi progressista. Obviamente nenhum ser minimamente racional faria um discurso tão mimizento assim. Trata-se de ironia pura. Impressionante como ainda caem nessa.
  • Libertariozinho  04/12/2018 15:28
    Olha o que vocês estão falando:

    "franceses escolheram um esquerdista e é justo que recebam sua recompensa"

    Tecer louvores à democracia nesse Instituto é algo bizarro.
    Não é porque alguns escolheram um esquerdista que isso representa o pensamento de todos. O que acontece ali é uma alta violação de propriedade e existem vítimas nessa história toda. Não há nada de justo nisso!

    Vocês não são criminosos por discriminar pessoas(pode ser qualquer pessoa, discriminar é um ato legítimo), apenas disse que essa discriminação se originar contra uma nacionalidade específica sem qualquer fundamento é um pensamento um tanto quanto "babaca". Mas vocês são livres para pensar assim.

    Não estou defendendo o Francês, já rebati ele lá em cima. Mas continuo achando que as falas de vocês estão muito equivocadas.
  • Eu mesmo  04/12/2018 19:25
    Francês, você é uma comédia!!! Ou o Zé Dirceu esta comentando no site? hahaha
  • William  03/12/2018 22:21
    Bem colocado, Vladimir! Acredito que a esquerda é assim mesmo, sempre com sonhos de um mundo perfeito, sempre às custas dos outros. Infelizmente tem muitos idiotas e retardados que seguem essa ideologia e mesmo quando a água bate na bunda, eles culpam os outros.
    Sim a França escolheu um esquerdista, é justo que receba a devida recompensa. Se as ideias progressistas fossem boas, com certeza os paises mais ricos agora seriam Venezuela e Cuba!
  • Henrique  03/12/2018 17:49
    Pessoal, qual é a opinião de vocês sobre a geografia de um país ser um fator decisivo para o seu desenvolvimento, mais importante até que o livre mercado?

    Por exemplo, o Brasil tem falta de rios navegáveis e os poucos que são desaguam em porto estrangeiro (Buenos Aires) e os da Amazônia não conectam nenhuma região economicamente relevante. Isso encarece os custos de transporte. A título de comparação, os EUA têm a maior área de rios navegáveis do mundo. O Brasil também possui várias áreas de geografia difícil para a construção de rodovias, ferrovias etc. A região amazônica é praticamente inviável economicamente por ser uma região de selva, o que a torna muito difícil para adaptá-la ao ambiente humano.

    As únicas terras naturalmente boas para a plantação estão no sul do País. Nordeste é pobre para agricultura. A Amazônia tem o solo muito pobre e, graças à tecnologia atual, o Cerrado pode ser usado para a agricultura, mas a custa de investimentos no preparo da terra e de sua fertilização prévia, demanda construção de transporte terrestre, que é caro, além de ser uma região longe de portos, encarecendo muito o custo do frete. Em comparação, os EUA possuem terreno majoritariamente plano e a maior área de terras de alta fertilidade do mundo, principalmente na região de seu Midwest, dentre outras.

    Os EUA ainda possuem grandes reservas de carvão de alta qualidade e de fácil extração. Extraem petróleo desde 1960 e agoram tem o "shale gas".

    O que acham disso tudo?

    PS: o começo desse vídeo fala sobre as vantagens da Alemanha para se desenvolver economicamente: www.youtube.com/watch?v=NNUriy9bq-E

  • Libertariozinho  03/12/2018 18:40
    Acho que a iniciativa privada tem infinitamente mais incentivos para explorar essas vantagens do que o Estado. O Estado se caracteriza, economicamente, pela má alocação de recursos.

    Os altos subsídios para setores brasileiros são a causa dessa má alocação desses espaços. Ainda não deu para aprender com o Getúlio queimando café pelo visto...
  • Petroleiro  03/12/2018 21:11
    Venezuela que o diga.
  • Imperion  04/12/2018 00:11
    Geografia ajuda ou atrapalha. Mas o peso maior é o que se faz com o que tem . A maiiria dos paises desenvolvidos brigam com a geografia. Nao tem sol o ano todo. Pelo menos 3 meses neva e nao tem agricultura. Produzen menos alimentos . Deveriam ser pobres, mas não são. Por brigarem von a geografia aprenderam a poupar e nao disperdicar.
    A geogragia brasileira tem seus proprios desafios. Não tem rios navegaveis? Dava pra se fazer estradas, canais, mas o povo é predatório, receber sem trabalhar e deixsr os outros que trabalham trabalhar a mais.
    O brasil é que nao deixa se explorar o territorio. Todos os problemas aqui são contornaveis. A franca e a inglarerra cabem em sao paulo, por exemplo. A amazonia nao ter terras ferteis do atrapalha a produtividade em tais lugares. Mesmo assim o brasil tem mais e produz menos.
  • Alexandre  04/12/2018 07:08
    Sobre esse assunto, recomendo a leitura do excelente livro: "POR QUE AS NAÇÕES FRACASSAM - As origens do poder, da prosperidade e da pobreza" dos autores Daron Acemoglu e James Robinson.
  • Pedro  04/12/2018 16:41
    Não me parece que os Japoneses se queixem da geografia ser má... tem montanhas, poucas terras aráveis, quase nenhuns recursos naturais (gás, petróleo, metais) e são um país prospero.
  • Pedro  04/12/2018 16:45
    Eu morando em Portugal (onde a gasolina está a 1,6 euros) uso GPL no carro à muitos anos, o gás fica a 0,6 euros o litro. Cada um pode se desenrascar e tentar ser esperto. :)
  • Eduardo  03/12/2018 17:57
    As pessoas gostam de impostos altos apenas quando outras pessoas irão arcar com tudo. Eu nunca vi um esquerdista/progressista implorando para que o governo aumentasse os impostos que ele paga. Ele sempre agita para que o governo aumente os impostos dos outros.

    A "beleza" de um imposto indireto é que ele faz com que todos tenham de pagar. Aí os progressistas ficam putos. Ambientalismo e social democracia sim, mas só com o dinheiro dos outros. Nunca com o meu.
  • Libertariozinho  04/12/2018 15:33
    O legal é que não existe imposto nos outros. Em última instância, todos pagarão por isso.

    Um imposto nos mais ricos, por exemplo, faz com que investimentos privados, fundamentais em economias livres, deixem de ser atraentes e alocados aqui no Brasil, gerando desemprego, falta de maquinário, concorrência, etc.

    Até mesmo um imposto nos pobres tem um efeito semelhante. Por serem os maiores consumidores, são os responsáveis pela demanda de bens e serviços que geram a oferta dos mesmos. Caso seu poder de compra seja diminuído por impostos, comercializar seria um negócio menos rentável, gerando o mesmo efeito do primeiro caso.
  • Jean  03/12/2018 18:02
    Será o Brasil assim que o Bolsonaro negociar com o congresso um ajuste fiscal aguado ao trocar metas de corte de gastos para preservar os investimentos sociais por aumento de impostos na classe média.

  • Pérsio   03/12/2018 23:29
    Bolsonaro tem um liberal no Ministério da Economia, o Paulo Guedes. Também decidiu extinguir o Ministério do Trabalho e votar a reforma da Previdência no primeiro ano de governo. Quanto a outras mudanças necessárias como a que você mencionou, é esperar pra ver.
    Estou otimista!
  • Servidor Federal  04/12/2018 10:46
    Persio, Bolsonaro pode ressuscitar o próprio Milton Friedman para ser seu Ministro da Fazenda, quem decide o que é ou não é, é o Congresso Nacional, no caso da Câmara dos Deputados a inteligência média não é superior a de uma sala de aula do ensino médio de uma escola estadual de periferia de grande cidade brasileira, acreditam no almoço grátis e que linhas escritas num pedaço de papel garantem direitos.

    O cenário descrito pelo Jean é o mais provável, uma reforma da previdência aguada, privatizações de estatais sem expressão nenhuma e de pedaços da Eletrobras em currais políticos que caíram em desgraça e o restante do ajuste ser feito pelo aumento de impostos. 2019 e 2020 o Brasil vai entrar em ebulição.
  • Libertariozinho  05/12/2018 18:38
    Bolsonaro é um arregão, e os filhos dele também.
    O tal do Eduardo tem pós em EA e vive falando baboseiras protecionistas e coletivistas como "não podemos exportar ferro e importar aço"...
    Neocons como esses aí não têm capacidade de fazer muitas mudanças.
    Meu fio de esperança está no Paulo Guedes, que, embora chicagoboy, tem muita coisa em comum com os austríacos.
  • Mike - livin' in the USA  03/12/2018 18:24
    Os governos europeus sempre estiveram na vanguarda de punir o populacho que se atreve a usar gasolina. O mais inacreditável é que este mesmo populacho continua tendo fé em eleições democráticas, mesmo após todo esse tempo sendo ordenado e comandado por déspotas patéticos.

    Aqui nos EUA isso ainda não chegou.

    Vamos ver se isso chegará ao Brasil ou se será barrado.
  • Guilherme  03/12/2018 18:32
    Esses "impostos verdes" nada mais são do que um esquema de transferência de renda do povo trabalhador para as elites progressistas com fortes laços com o governo. É um imposto utilizado para subsidiar a "descoberta" de "fontes limpas" por empresas ecológicas ligadas a políticos. Os cofres destes ficam abarrotados enquanto o povo vai pra penúria.

    Essa agenda ambientalista/progressista é a mesma em todos os lugares do mundo: espoliar o povo e beneficiar as elites chiques e verdinhas. O PT estava avançado em impô-la aqui. Resta ver se ela será barrada.
  • Paulo Henrique  03/12/2018 20:46
    Macron usou a desculpa ambientalista para aumentar impostos, a frança vem tendo deficits faz décadas. E nada como subir imposto em um setor de demanda pouco elastica.(A não ser que você compre uma bicicleta ou um jegue, vai ter de usar gasolina,diesel) Seria muito mais popular simplesmente isentar energia limpa de impostos, junto de carros elétricos.. Os incentivos sempre vem da forma errada. Mas bem, é apenas mais um erro, dos infinitos, vindo dos governos.
  • Felipe Lange  03/12/2018 21:00
    O motivo para o aumento de impostos é pior do que o imaginava: um imposto ambientalista.

    Não é mais um imposto para usar como fundo o fato da situação fiscal estar ruim e então enfiar mais dinheiro em ânus de político e burocrata para ter intercurso sexual com prostituta e ir em festa chique. E sim um imposto para controlar a sua vida baseado em uma clara ideologia totalitária. Parte da Europa está contaminada por essa ideologia assassina.

    "E, adicionalmente — algo que praticamente não foi mencionado pela cobertura da grande mídia —, o governo francês anunciou que irá, a partir de janeiro de 2019, passar a coletar o imposto de renda diretamente na folha de pagamento, mensalmente. Sim, a França, surpreendentemente, ainda não havia introduzido o nefasto esquema de imposto de renda retido na fonte, pois os franceses consideravam isso (corretamente) uma inaceitável invasão de privacidade."

    Realmente, esse trecho me surpreendeu.

    Agora, já que estamos falando de Europa, tenho uma dúvida que talvez possam me responder, especialmente quem viaja bastante. Minha mãe quando foi para Roma, ficou encantada com a qualidade da comida disponível por lá, dizendo que é algo bem melhor do que no Brasil. Ela que tem um estômago não muito bom não teve nenhum problema quando consumiu essas comidas lá (talvez tenha relação também com o clima; era um inverno com 15 graus Celsius para baixo).

    Se isso de fato for verdade e não uma mera evidência anedótica, por que isso acontece? Seria um fator cultural ou teria algum fundo econômico? Apesar da economia italiana ser severamente controlada pelo estado, o fato do euro ser uma moeda forte interfere em alguma coisa? Vi evidências anedóticas parecidas, só que de Portugal, com uma situação parecida com a da Itália.
  • Pobre Mineiro  03/12/2018 21:18
    Quanto à comida, eu estive no Japão e na China em 2016.

    As comidas de rua lá são uma maravilha, melhor do que muito restaurante chique daqui.
    Na Alemanha eu já morei e digo a mesma coisa.

    Deve ser porque nós brasileiros estamos acostumados a comer lavagem, só pode.

    Um ex chefe que tive, que era formado em história da arte, disse que o brasileiro não tem senso de estética, por isso as ruas daqui no geral são sujas e feias, o mesmo se reflete na comida.
    É uma dissonância cognitiva muito grande, intencionalmente fomentada. O povo já perdeu parte da noção do que é belo.
    No caso da comida, do que é saboroso.
  • Felipe Lange  04/12/2018 12:57
    E no caso dos EUA, o que muda com relação à qualidade da comida existente? Sei de que há um estereótipo de que lá só tem porcaria comestível. Eu comi algumas coisas lá (na Flórida, porque sei que a comida deve mudar de federação para federação) e percebi que a laranja deles é melhor que a nossa (que é floridense), não precisa ficar escolhendo entre várias porcarias estragadas como no Brasil por exemplo. Uma bolacha Oreo também é muito melhor, não tem falta de recheio que infesta as bolachas existentes aqui. Algumas coisas não gostei, mas acredito que tenha muito mais coisa para se comer (incluindo alimentação saudável).
  • Propriedade é PODER.   04/12/2018 13:22
    Você deveria mudar o nome para "VIRA LATA MINEIRO"...


    Pobre Brasil...
  • Pedro  03/12/2018 21:27
    Até onde sei, a Itália sempre foi famosa por sua culinária. A França também. Questão de tradição (assim como samba e futebol no Brasil). Qual a surpresa em haver países com pessoas que sabem como mexer a comida na panela?
  • Americano  03/12/2018 21:30
    URGENTE! CHINA REMOVE TARIFAS DOS EUA E TRUMP ESTA VENCENDO GUERRA COMERCIAL:

    scontent.fssz2-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/47571760_10161854502080725_3232568115556515840_n.jpg?_nc_cat=1&_nc_pt=1&_nc_ht=scontent.fssz2-1.fna&oh=20ad9e1a6d9541161c7e79b5b7d067cd&oe=5C6FDDEC

    Gostaria de ver o comentário dos nobres leitores e administradores do instituto.


    Abraços
  • Pobre Mineiro   04/12/2018 00:57
    O livre mercado, mesmo quando adotado unilateralmente, só traz benefícios para quem o adota.

    Trump está desburocratizando a China, tornando a mais livre economicamente. Quanto aos EUA eu não sei o que ele está fazendo lá na Casa Branca, além de disparar sandices no Twitter, e "tretar" com todo o resto do mundo.
  • Eduardo  05/12/2018 16:14
  • Vini Al  03/12/2018 21:52
    Uma nova Revolução Francesa vem aí, e pra acabar com o socialismo de vez.
  • danir  04/12/2018 00:01
    Não consigo sentir simpatia pelos "ecologistas" que acreditam que o mundo será um lugar maravilhoso pelo simples fato de obrigarmos as pessoas a fazerem aquilo que um bando de idiotas querem, por deterem o poder. Emissões de motores a explosão estão cada dia menores, graças à tecnologia, menos poluentes, e a tendência é que se possa chegar a um nível de emissão que não cause graves problemas (acreditem, é possível). Os gases da combustão tambem podem ser uteis se absorvidos pela massa vegetal, acelerando sua velocidade da recuperação. As fontes alternativas de energia aparentemente são uma panacéia, até o momento em que começarem a aparecer as contra indicações como acontece com os derivados de petróleo. Como ficarão as áreas cobertas de paineis solares em relação a uma mata original? O que fazer para que os geradores eólicos não prejudiquem as aves, que constantemente são atingidas pelas suas pás, alem da turbulência que as espanta, despovoando os locais que antes eram seus habitats? Por ai vai. Problemas desaparecem ou são eliminados para dar lugar a novos e interessantes problemas. Na minha opinião as leis que impoem certos progressos, como por exemplo a substitução de veículos a gasolina por veículos eletricos, a velas ou qualquer outro meio, subintendem uma idéia de agregar valor que é mais importante na cabeça dos donos da produção do que propriamente no benefício gerado pelas mudanças. As mudanças provocadas pelas novas tecnologias e pelo espírito desbravador do ser humano não só são necessárias, mas inexoráveis. O que não entra na minha cabeça é que tecnologias imaturas nos sejam enfiadas goela abaixo só porque algum cretino pensa que está salvando a humanidade. Todas estas tecnologias novas e antigas podem e devem conviver, de forma que cada uma seja consumida por aqueles que as preferirem, enquanto amadurecem e até que um dia lá na frente uma se sobressaia e domine, até que outra mais adiante a substitua. Tudo por ação do mercado. Foi assim com o cavalo, depois com o motor a vapor, depois com o motor a explosão depois com o motor elétrico e só o futuro nos dirá qual será o proximo salto. Enquanto uns europeus histéricos estão seguindo o caminho frances, e tornando a vida das pessoas um inferno (de dividas, questionamentos e incertezas) os americanos estão aproveitando o combustível mais barato, mais eficiente do que antes e menos poluente e ao mesmo tempo vão se ambientando com as outras alternativas de maneira suave e natural. Alguem pode afirmar que os americanos poluem mais do que a China, a Russia ou a India ? Alguem em sã consciencia pode dizer que o Brasil, pais com a maior cobertura vegetal original é um antro de destruidores da natureza e uma ameaça a sobrevivência da humanidade? Por acaso os criticos europeus podem assumir que suas matas estão preservadas e que tudo está da melhor forma possível com harmonia, preservação e integração; ou tudo não passa de uma histeria de pessoas que não entendem muito bem como a humanidade caminha? Não acredito em salvadores da humanidade, que precisam de forçar a barra para gerar soluções, que usam os nossos parcos recursos para fazerem o que suas mentes insanas ditarem sem ao menos nos perguntarem o que pensamos a respeito e o que nos proporíamos como alternativa. A ideia e deles e o dinheiro é nosso. O problema não é pontual. Este tumulto na frança é mais uma manifestação da doença que corroe a Europa e em níveis diferentes outras partes do mundo. Educação deficiente, tibieza, preguiça, desinteresse, egoismo, ideologia , desonestidade e autoritarismo. Nós estamos questionando se psicopatas e dementes devem nos sacrificar em nome de alguma idéia insana enquanto ficarmos parados apreciando o espetáculo.
  • Leandro Rock'n'roll   04/12/2018 00:36
    A França embarcando em estúpidas utopias de centro académico de universidade chique, nada de novo sob o sol. Afinal, foi ela mesma que inventou, desde a Revolução, essa fé tosca na ação política, praticamente é a encarnação da ideologia de Estado. Qual não foi minha perspectiva quando vi como o Macron era endeusado pela imprensa esquerdista. Os franceses apenas colhem o que semearam. Vive là France!!!
  • alex ballzi  04/12/2018 03:40
    RESUMINDO: NAO EXISTE ALMOÇO GRÁTIS!!!
  • Jean  04/12/2018 10:39
    Macron desistiu dos aumentos:

    g1.globo.com/mundo/noticia/2018/12/04/para-encerrar-protestos-governo-frances-suspendera-aumento-nos-combustiveis-dizem-jornais.ghtml

    O país não consegue fazer reformas econômicas para reduzir os gastos estatais e nem aumentar impostos para resolver seus déficits, quanto tempo mais vai aguentar?
  • anônimo  04/12/2018 16:38
    França se tornará a Grécia dentro de duas décadas.
  • FL  04/12/2018 11:54
    Esquecendo um pouco essa bobagem de "esquerda x direita", a ideia sobre essas políticas ambientais (e vale para todo estado de bem estar social) é essa:

    A iniciativa faz você se sentir bem (é lindo falar que vai salvar o ambiente, certo?), ou tem algum efeito real?


  • Pobre de Direita  04/12/2018 14:01
    Esses protestos na França me lembram dos protestos aqui no Brasil contra o aumento nas passagens de ônibus, que acabou por impeachmar a Dilma e elegendo o Bolsonaro.
  • Libertariozinho  04/12/2018 15:21
    Esses protestos eram anti-liberais, por isso tiveram esse desfecho. A argumentação da galera do passe livre era grotesca. Querendo ou não, o MBL teve um importante papel nessa história(hoje em dia o L do MBL é o mesmo L do PSOL).

    Se esse engajamento todo fosse contra a ideia de o transporte urbano ser um direito(Constituição afirma isso e direciona essa responsabilidade aos municípios, que, por sua vez, podem realizar concessões[todos fazem isso, porque sabem da sua incapacidade de prestar serviços]) e que fosse tratado como qualquer outro bem ou serviço, aí era o Amoêdo quem ganhava...rsrs
  • curioso  04/12/2018 14:24
    alguém sabe dizer se existe um movimento libertário nascente na frança? Ou pelo menos liberais?

  • Tio Patinhas  04/12/2018 18:18
    Existe.

    Esses são os sites mais conhecidos:

    www.liberaux.org/

    h16free.com/

    leblogdenathaliemp.com/

    www.contrepoints.org/ (ligado ao liberaux.org)

    www.institutcoppet.org/ (escola austríaca, acho que é o mais próximo do IMB)
  • Antonio de Almeida Ramos  04/12/2018 15:43
    O tema ambiental traz exageros, sobretudo dos ambientalistas, que enxergam a aproximação do caos, enquanto outros estudiosos da matéria observam que a ação humana não é a causadora do propalado desastre ambiental, mas o comportamento dos fenômenos naturais. Entendo que inicialmente, o importante é identificar os benefícios pecuniários dos atores envolvidos no assunto e buscar-se uma política que permita o funcionamento das Economias sem os desequilíbrios fiscais que levam, com certeza, ao verdadeiro caos, punindo principalmente as classes menos favorecidas
  • Bruno Feliciano  04/12/2018 18:40
    Aquecimento Global causado por humanos é uma FARSA, posso provar com um argumento lógico e não técnico fora do espectro ambientalista.

    O simples fato do humano não deter capacidade cognitiva pra falar sobre o assunto.
    Melhor dizendo, para a astronomia, o tempo em que o ser humano estudou o Planeta Terra, equivale a míseros segundos para nós, nos temos apenas centenas de anos de estudos precisos, isso é completamente insuficiente para poder afirmar alguma coisa. O sol é a maior variável, é a principal, não sabemos nada sobre ele, sobre seu ciclos, estamos a alguns anos o estudando. Erramos previsões do tempo, se vai chover amanha, e temos a arrogância de achar que em centenas de anos sabemos tudo sobre um planeta que habitamos a algum tempo, porém que estudamos apenas recentemente.
    Ou seja, é muito pouco estudo, muito pouco tempo pra afirmar alguma coisa. Quem garante que isso não é um clico de 20 mil anos de esfriar e esquentar? Quem garante que não há uma era glacial no meio? Quem garante que o Sol não se esfria nos próximos 50 anos devido a um ciclo que desconhecemos?

    É muita pouca informação, pouco tempo de estudo, é um impasse cronológico, pra se entender economia precisou algum tempo de estudo sobre as relações da humanidade, o direito a mesma coisa.
    Porem tais temas detêm menos complexidade e menos variáveis do que a astronomia, e mais ainda, tais temas são oriundos da AÇÃO HUMANA, a astronomia é simplesmente oriundo do DESCONHECIDO.

    Por fim, costumo argumentar isso, não sou especialista em climatologia e nem precisa ser, apenas tendo bom senso e usando a lógica obvia, constato o absurdo que é esse alarmismo e como tudo não faz sentido.

    Estamos chegando em 2020 e todas as previsões da década de 80, 90 e 2000 até então FALHARAM.

    Pensem nisso toda vez que um ''INTELECTUEL'' sobre o clima vier com essa história cheio de tesão querer arrumar um pretexto pra regular a vida alheia, querer impor estado na economia.

    Abraços
  • Paulo  07/12/2018 12:33
    Concordo inteiramente..Como sou da área de TI só acho que vc esqueceu de uma variável (a população) é obvio que num cercadinho cabem 1000 pessoas (apertadas e em pé) , qual será o número viável de pessoas para que uma parte dele possa produzir o alimento e outra parte seja usada para transformar os resíduos mesmo com todas a tecnologias que ainda estão por aparecer...
  • Libertariozinho  07/12/2018 15:44
    Um adendo:

    O conhecimento das Ciências da natureza derivam do empirismo. Portanto, seu argumento relacionado ao tempo está perfeito. Entretanto, a comparação desse conhecimento com Economia é meio "torta".

    O conhecimento econômico, mais precisamente, da ação humana, não necessita de tempo da mesma forma que ciências empíricas, pois a economia é uma ciência a priori.

    Um ser humano no vácuo do espaço consegue deduzir as verdades sobre a ação humana, ou seja, a ética e a economia, pois a única ferramenta necessária para isso é a razão, diferentemente das ciências que exigem testes para verificar a veracidade.

    De fato, essas reflexões demandarão tempo, mas a verdade não passa a existir após as reflexões ou experiências, ela é anterior a tudo isso.
  • Edison  04/12/2018 21:53
    Não seria mais fácil criar incentivos fiscais as alternativas mais ecologicamente corretas, fomo os carros elétricos? Nos Estados Unidos a quantidade e a projeção de vendas de carros elétricos só aumentam, e isso não aconteceu através de uma política pública que inibe a opção de compra do cidadão, mas justamente o inverso, através do aumento da liberdade da iniciativa privada, onde os estadunidenses perceberam que os mesmos são as melhores opções no mercado.
  • Halto  05/12/2018 02:28
    Recentemente li "Sapiens: uma breve história da humanidade", livro que me deixou com uma pulga atrás da orelha.
    O autor menciona a Companhia Holandesa das índias Orientais - "Vereenigde Oost-Indische Compagnie"- uma empresa dita privada, formada por burgueses holandeses, que sistematicamente ocupou o Sudeste Asiático, escravizou o povo e explorou matérias-prima para o comércio. Então surge a dúvida:
    A separação entre ESTADO e INICIATIVA PRIVADA não me parece tão distinta mais, e sim acinzentada;
    A classe comercial da Holanda se uniu, criou um aparato bélico, militar, e foi à conquista. Quando isso deixa de ser livre iniciativa e vira governo ? Agora me parece que os dois emanam da mesma fonte, da mesma forma como atualmente há grandes multinacionais que se assemelham a organismos de governo.
    Assim, só um ESTADO pode forçar que, na economia, haja pouca intervenção e livre concorrência (para esse fim, não deve haver órgãos reguladores, mas ao mesmo tempo o Estado não pode ser extinto ), enquanto num local onde ele inexista uma força que começa como privada inevitavelmente assume poder e institui um governo. Por isso anarcocapitalismo é um sistema instável que falhará sempre se for implantado.
  • Régis  05/12/2018 10:19
    As Companhias das Índias Orientais eram subsidiadas e protegidas pelos reis. Gozavam de um monopólio protegido pelo estado. Inclusive mantinham escravos. Qualquer um que estudou o mercantilismo (caracterizado pelo protecionismo estatal) sabe disso.

    mises.org/library/east-india-company-and-its-17th-century-defenders

    Aí vem você e diz que só o estado pode impedir coisas que só existem exatamente por causa do estado. Lógica sensacional.
  • Tauan Victor  05/12/2018 13:13
    Estou com uma dúvida, se algum libertário/anarcocapitalista puder me responder, ficarei agradecido.
    Como ficariam as Forças Armadas em um país anarcocapitalista? Haveria um exército centralizado, ou vários exércitos? E se grandes empresas pegassem seus exércitos e fizessem uma cooperação para se consolidar no livre mercado? E o que é melhor: exércitos privados ou exércitos estatais? Por favor me respondam, estou com dúvidas.
  • Pobre Paulista  05/12/2018 14:51
    Sei lá ué, cada lugar seria de um jeito. O mercado decidiria.

  • Libertariozinho  05/12/2018 15:29
    Serviços de segurança privados(um exemplo recente que conheço é a segurança da ViaQuatro, empresa que presta serviços de transporte na linha amarela em SP).

    Exércitos é algo muito difícil de acontecer, eu nunca vi alguém demandar uma segurança nesse nível(me refiro a indivíduos).

    Entretanto, caso algum outro Governo tente invadir um TERRITÓRIO(não existe país ancap) anarcocapitalista, é bem provável que 90% dos habitantes se unam contra ele, visto que uma sociedade libertária, por questões culturais, vê o Governo como a instituição mais nociva existente. Portanto, cada um, visando defender sua propriedade, se uniria para destruir a ameaça.

    Bem provável que existam outras perspectivas, a minha é essa.
  • Mouro  06/12/2018 21:34
    www.oantagonista.com/mundo/protesto-de-estudantes-na-franca-tem-mais-de-700-presos/

    Eu gosto de comparar o Intervencionismo e a Social-democracia às drogas. Você não aguenta mais as consequências, mas simplesmente não consegue abandonar o vício.
  • anônimo  14/12/2018 17:06
    Boa comparação.
  • omar abbud  08/12/2018 19:44
    Vejam o seguinte artigo sobre gases de efeito estufa:


    agfdag.wordpress.com/2013/05/31/aquecimento-global-desmascarado/
  • Stuart Mill  10/12/2018 16:44
    O texto ignora que um dos principais motivos da revolta dos franceses com seu Governo é que Macron reduziu
    impostos dos ricos e, depois, vem impor um imposto sobre um produto como a gasolina, alegando razões ambientais. Ou seja: quer legislar sobre os impostos como liberal por um lado e como ecologista esquerdista por outro lado.

    Eu acredito, de modo geral, no liberalismo, mas não acredito que a melhor politica governamental é favorecer os ricos. Tal coisa é um desequilíbrio econômico, gerador de crises e falhas, gerado pelo Governo, e do mesmo modo que se critica o assistencialismo eu critico tal politica.

    Não vou entrar aqui na polêmica se aquecimento global existe e se é provocado pelo homem.
  • anônimo  14/12/2018 17:00
    O Macron NÃO abaixou impostos sobre os ricos, quem fez isso foi o François Hollande ainda no final de 2016. A França não atrai mais investimentos faz uma década porque os impostos sobre ricos está em um nível insustentável. Então aumentar ainda mais impostos, como o ex-presidente socialista fez, já se provou que definitivamente não é a solução (tanto que ele próprio voltou atrás).

    Antes de começar a ter opiniões, conheça os fatos corretamente.
  • Leonardo Souza  11/12/2018 00:42
    Todos os países do mundo deveriam ajudar Macron a tornar a França um pais com ZERO emissões de carbono, deixando de importar todos os produtos da França que causam poluição, deixar consumir todo e qualquer produto dos conglomerados de automóveis a PSA Peugeot Citroën S.A. e Renalt, como também deixar de importar petróleo e gás da Total S.A.e da Engie deixar essas empresas que contribuem com o aquecimento global antropogênico falir, isso com certeza ajudará Macron, claro vai levar a França a um caos sem precedentes, mas é isso que ele quer não é mesmo?
  • anônimo  14/12/2018 16:55


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.