clube   |   doar   |   idiomas
As falências são o verdadeiro estímulo econômico

Há muita discussão hoje em dia sobre socorros financeiros e estímulos - o caso mais recente é o da GM.  Eles são mesmo necessários?  Eles são justos?  A resposta para ambos é não e não.  Entretanto, vários economistas, políticos e empresários seguem dizendo que os socorros são medidas emergenciais necessárias para se impedir o agravamento de recessões.  Sem levar em consideração a justiça e a moralidade dessas medidas, eles nos alertam que haverá um enorme e desnecessário sofrimento se ficarmos inertes e permitirmos que o mercado faça seu serviço, liquidando os ineficientes.  Os socorros podem estancar essa dor, alegam eles, e restaurar ordem e calma a uma economia.

Sim, sabemos que uma onda de falências significa desemprego maciço e uma economia em contração - isto é, recessão.  Mas o risco moral por trás de medidas supostamente tidas como benfeitoras não pode ser desprezado. (Fora isso, a ideia de que estímulos podem curar recessões está bem debatida aqui e aqui).

O capitalismo depende de três instituições fortemente complementares, porém distintas: preços, propriedade e o mecanismo de lucros e prejuízos.  Os liberais clássicos demonstraram a função essencial que esses pilares da prosperidade tiveram durante séculos.  Essas instituições fundamentais da economia de mercado são como as pernas de um tamborete.  Se formos debilitando gradualmente uma perna, inevitavelmente iremos fazer com que o tamborete desmorone - um colapso econômico.

Quando uma empresa obtém um lucro, é sinal de que ela está utilizando racionalmente seus recursos, aumentando seu valor ao mesmo tempo em que controla seus custos.  Quando uma empresa opera com prejuízos, é sinal de que ela está ou diminuindo o valor de seus recursos ou deixando que seus custos operacionais superem o valor daquilo que ela esteja criando.  Portanto, uma empresa que opera com prejuízo é uma máquina de destruição de riqueza.  (O mecanismo sinalizador que orienta todas as decisões e fornece os resultados é o sistema de preços).

Falências são algo positivo para uma economia porque permitem que aqueles concorrentes mais produtivos tenham a oportunidade de comprar os ativos das empresas falidas a preços de barganha, permitindo-os fortalecer suas operações.  Em uma economia que permita esse tipo de crescimento e mudança, os empregos perdidos em um processo de falência serão rapidamente repostos por outros, uma vez que as empresas mais eficientemente geridas ganham acesso a mais ativos e se expandem.

Dito isso, as implicações das ajudas financeiras são claras.  Esses socorros são concebidos para imunizar alguns empreendedores dos efeitos de suas decisões ruins.  Quando os preços de mercado se alteram dramaticamente, deixando a descoberto as más escolhas de investimento, os socorros financeiros "vêm ao resgate", prometendo àqueles que erraram em seus cálculos que eles não terão de sofrer as conseqüências de seus erros.

Mas quem está na área de empreendedorismo precisa entender uma questão básica porém crucial: os preços estão sujeitos a mudanças.  Mudança é uma característica indelével dos mercados.  Empreendedores ganham dinheiro pesquisando e buscando preços "errados" - preços que seus concorrentes estão superestimando ou subestimando - e apostando em qual direção esses preços irão se mover no futuro.  Os empreendedores de sucesso, aqueles que corretamente antecipam as mudanças de preços, são recompensados com lucros.  Os empreendedores mais inaptos, aqueles que não estimam corretamente os movimentos desses preços, são penalizados com prejuízos.  Essa é a essência do processo de mercado.

As ajudas financeiras dadas pelos governos, portanto, são uma tentativa de abolir os efeitos dos prejuízos, do insucesso econômico.  Mas tais esforços inevitavelmente solapam o aspecto "prejuízo" do mecanismo de lucros e prejuízos.  Lucro e prejuízo andam lado a lado - como direita e esquerda, bem e mal.  Se tentarmos abolir os prejuízos, acabaremos diluindo o significado dos lucros.  Afinal, por que se esforçar para servir bem o consumidor e obter lucros se no final o governo vai cobrir seus prejuízos com o dinheiro do contribuinte?  Por que se esforçar para competir e ter sucesso se, ao invés, você pode apenas se recostar e reclamar sua fatia num pacote de ajuda financeira?  Os socorros governamentais destroem a busca pelo lucro - e todos os benefícios trazidos por uma economia concorrencial.

Falências não são o fim do mundo.  Ao contrário, elas fazem com que haja menos máquinas de destruição de riqueza atuantes no mundo.  O exemplo do Japão não deve ser esquecido.  A década de 1990 foi para os japoneses a "década perdida" por causa de seus bancos zumbis que foram mantidos artificialmente vivos pela ajuda do governo japonês.  Toda a produtividade e riqueza gerada pela economia japonesa foi redirecionada para essas máquinas de destruição de riqueza, o que resultou em uma estagnação de longo prazo. 

Pra finalizar, um último detalhe, quase nunca mencionado: por causa da grande acumulação de riqueza trazida pelo capitalismo, vivemos em um mundo de relativa abundância, o que suaviza enormemente as agruras e privações de um desempregado.  Quando um indivíduo perde o emprego em uma recessão, certamente ele terá de apertar os cintos e procurar outro emprego.  Mas ele não corre o risco de morrer de inanição.  E quanto mais livre for o mercado, maiores serão as oportunidades para ele ir se ajustando às mudanças econômicas.  Sim, esse indivíduo irá sofrer um bocado durante a transição, mas essa dor oriunda do fracasso econômico irá guiá-lo para escolhas mais produtivas e exitosas.

O fracasso não é divertido, mas ele nos ensina lições essenciais.  Não devemos ignorar essas lições só porque acreditamos que o certo é despejar dinheiro do contribuinte nos cofres de empresas insolventes.  Ao invés de tentar abolir as falências por meio de socorros financeiros, deveríamos deixar o mercado funcionar, deixar que os ineficientes quebrem e aprender a lição.



0 votos

autor

Ron Paul
é médico e ex-congressista republicano do Texas. Foi candidato à presidente dos Estados Unidos em 1988 pelo partido libertário e candidato à nomeação para as eleições presidenciais de 2008 e 2012 pelo partido republicano.

É autor de diversos livros sobre a Escola Austríaca de economia e a filosofia política libertária como Mises e a Escola Austríaca: uma visão pessoal, Definindo a liberdade, O Fim do Fed – por que acabar com o Banco Central (2009), The Case for Gold (1982), The Revolution: A Manifesto (2008), Pillars of Prosperity (2008) e A Foreign Policy of Freedom (2007).

O doutor Paul foi um dos fundadores do Ludwig von Mises Institute, em 1982, e no ano de 2013 fundou o Ron Paul Institute for Peace and Prosperity e o The Ron Paul Channel.


  • João Santos  08/02/2010 16:47
    Concordo inteiramente com o artigo. O estado não devia intervir neste aspecto, ajudando as empresas com prejuízos, devia sim ajudar as que obtêm lucros, isso é como na escola quando os professores passam maus alunos e são pouco exigentes com estes passando assim uma mensagem de que não é preciso muito esforço para conseguir o objectivo que cada estudante tem que neste caso é passar de ano, o que provoca que a mão de obra a longo prazo seja cada vez menos qualificada e eficiênte o que leva a consequências negativas a longo prazo para toda a sociedade. Deixando assim as empresas "más" irem à falência leva a que os activos e espaço que deixou no mercado desta sejam absorvidos por empresas mais eficientes contribuindo para o seu crescimento/expanção levando à absorção posterior de mão de obra.
  • Pedro Valadares  01/06/2012 13:23
    "Falências não são o fim do mundo. Ao contrário, elas fazem com que haja menos máquinas de destruição de riqueza atuantes no mundo". Genial!
  • Emerson Luis, um Psicologo  17/02/2014 20:21

    O governo que salva empresas estimula a irresponsabilidade.

    * * *
  • Amarilio Adolfo da Silva de Souza  20/03/2015 21:40
    Só os melhores vencem.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.