clube   |   doar   |   idiomas
A arma de fogo é a civilização
Ela anula a tirania do mais forte e protege a integridade do mais fraco

Os seres humanos têm apenas duas maneiras de lidar uns com os outros: por meio da razão e por meio da força.

Se você quer que eu faça algo por você, há duas opções: ou você me convence por meio de um argumento racional ou você recorre à ameaça de violência.

Toda e qualquer interação humana necessariamente recai em uma dessas duas categorias. Sem exceção. Razão ou força. E só.

Em uma sociedade genuinamente moral e civilizada, as pessoas interagem exclusivamente por meio da persuasão. A força não é um método válido de interação social. 

Sendo assim, e por mais paradoxal que isso possa parecer para alguns, a única ferramenta que pode remover a força dessa lista de opções é uma arma de fogo pessoal.

E o motivo é simples: quando estou portando uma arma de fogo, você não pode lidar comigo por meio da força. Você terá de utilizar apenas a sua razão e a sua inteligência para tentar me persuadir. Portando uma arma de fogo, eu tenho uma maneira de neutralizar a sua ameaça ou o seu uso da força.

A arma de fogo é o único objeto de uso pessoal capaz de fazer com que uma mulher de 50 kg esteja em pé de igualdade com um agressor de 100 kg; com que um octogenário esteja em pé de igualdade com um marginal de 20 anos; e com que um cidadão sozinho esteja em pé de igualdade com 5 homens carregando porretes. 

A arma de fogo é o único objeto físico que pode anular a disparidade de força, de tamanho e de quantidade entre um potencial agressor e sua potencial vítima.

Há muitas pessoas que consideram a arma de fogo como sendo o lado ruim da equação, a fonte de todas as coisas repreensíveis que acontecem em uma sociedade. Tais pessoas acreditam que seríamos mais civilizados caso todas as armas fossem proibidas: segundo elas, uma arma de fogo facilita o "trabalho" de um agressor. 

Mas esse raciocínio só é válido, obviamente, se as potenciais vítimas desse agressor estiverem desarmadas, seja por opção ou por decreto estatal. Tal raciocínio, porém, perde sua validade quando as potenciais vítimas também estão armadas.

Pessoas que defendem a proibição das armas estão, na prática, clamando para que os mais fortes, os mais agressivos e os mais fisicamente capacitados se tornem os seres dominantes em uma sociedade — e isso é exatamente o oposto de como funciona uma sociedade civilizada. 

Um criminoso só terá uma vida bem-sucedida caso viva em uma sociedade na qual o estado, ao desarmar os cidadãos pacíficos, concedeu a ele o monopólio da força. Quando as armas são restringidas por lei, não há nenhum motivo para se acreditar que criminosos irão obedecer a esta lei. Pessoas que utilizam armas para infringir a lei também infringirão a lei para obter armas. A máxima segue irrefutável: se as armas forem criminalizadas, apenas os criminosos terão armas.

E há também o argumento de que uma arma faz com que aquelas brigas mais corriqueiras, as quais em outras circunstâncias resultariam apenas em pessoas superficialmente machucadas, se tornem letais. Mas esse argumento é multiplamente falacioso. 

Em primeiro lugar, se não houver armas envolvidas, todos os confrontos serão sempre vencidos pelo lado fisicamente superior, o qual irá infligir lesões e ferimentos avassaladores ao mais fraco. Sempre.

Ademais, pessoas que acreditam que punhos cerrados, porretes, pedras, garrafas e cacos de vidro não constituem força letal provavelmente são do tipo que acreditam naquelas cenas fantasiosas que vêem nos filmes, em que pessoas tomam variados socos, pauladas e garrafadas na cabeça e ainda continuam brigando impavidamente, no máximo com um pouco de sangue nos lábios.

O fato de que uma arma de fogo facilita o uso de força letal é algo que funciona unicamente em prol da vítima mais fraca, e não em prol do agressor mais forte. O agressor mais forte não precisa de uma arma de fogo para aniquilar sua vítima mais fraca. Já a vítima mais fraca precisa de uma arma de fogo para sobrepujar seu agressor mais forte. Se ambos estiverem armados, então estão em pé de igualdade.

A arma de fogo é o único objeto que é tão letal nas mãos de um cadeirante quanto nas mãos de um halterofilista. Se ela não fosse nem letal e nem de fácil manipulação, então ela simplesmente não funcionaria como instrumento equalizador de forças, que é a sua principal função.

Quando estou portando uma arma, eu não o faço porque estou procurando confusão, mas sim porque quero ser deixado em paz. A arma em minha cintura significa que não posso ser coagido e nem violentado; posso apenas ser persuadido por meio de argumentos racionais. 

Eu porto uma arma não porque tenho medo, mas sim porque ela me permite não ter medo. A arma não limita em nada as ações daqueles que querem interagir comigo por meio de argumentos; ela limita apenas as ações daqueles que querem interagir comigo por meio da força.

A arma remove a força da equação. E é por isso que portar uma arma é um ato civilizado. 

Uma grande civilização é aquela em que todos os cidadãos estão igualmente armados e só podem ser persuadidos via argumentos racionais, jamais coagidos.

_____________________________

Leia também:

Vinte fatos que comprovam que a posse de armas deixa uma população mais segura

O estado é cúmplice dos 50 mil homicídios que ocorrem anualmente no Brasil

Desarmamento e genocídios

Como o porte irrestrito de armas garantiu a liberdade dos suíços

Três comentários sobre o desarmamento no Brasil

A soberania do indivíduo gera o seu direito de portar armas defensivamente

83 votos

autor

Marko Kloos
é escritor de livros de ficção científica de cunho militar.  Nasceu na Alemanha, mas atualmente mora e trabalha nos EUA.  Seu website.


  • Felipe  23/07/2015 14:30
    Texto sensacional, acho que foi o melhor sobre armamento.

    Incrível é que não precisou utilizar um único dado empírico para demonstrar os benefícios das armas, apenas utilizando a boa lógica.

    Acrescento algumas observações.

    - É bem Curioso que a arma de fogo, que pode trazer de fato uma igualdade entre seres humanos, no que tange a força física, seja tão odiada por aqueles que dizem sonhar com uma sociedade igualitária.

    - Armas de fogo não são objetos para matar, são objetos de defesa pessoal. Matar ou não é consequência do seu uso.

    - Uma sociedade armada tem menos probabilidade de recorrer a violência em pequenos atritos do que uma sociedade desarmada.

    - Outra curiosidade, se Feministas tivessem coerência, elas deveriam ser a maiores defensoras do porte de arma.

    - Chacinas em ambiente públicos só são possíveis em ambientes em que as pessoas estão desarmadas, como igreja, escola e cinema.
  • Beto  23/07/2015 17:57
    Sensacional é a moderação do mises. Quando se faz uma critica construtiva e racional, mas opositora, os moderadores simplesmente omitem seu comentário. Esse texto é tão bom quanto a censura dos moderadores daqui. O segundo comentário que fiz, a favor do armamento foi publicado.

    Realmente só vale a pena vir aqui para ler os artigos de economia, porque o fanatismo é evidente na ideologia e moderação.

    Mas vai ser engraçado se esse post for publicado e o meu primeiro não. Vai parecer que sou louco.
  • Zelador da propriedade privada  23/07/2015 18:21
    Prezado Beto, do que você está falando? Se vocâ mandou um comentário e ele não foi publicado, então certamente ele não foi enviado (isso acontece com certa frequência). Faça-o novamente.

    E cuidado com suas acusações. O que mais se vê aqui é a publicação de comentários contraditórios (os quais são devidamente refutados). Se você está dizendo que só se publica comentários a favor, então você nunca leu a seção de comentário de nenhum artigo -- o que depõe bastante contra você, pois não se acusa aquilo que não se conhece.

    Gentileza ser mais comedido em seu fervor acusativo. Isso lhe deixa a descoberto.
  • Beto  23/07/2015 19:38
    Zelador, enviei 3 comentários, 4 com este. O segundo e o terceiro foram publicados. O primeiro, que enviei exatamente da mesma forma, não.
  • Rafael  08/04/2016 17:58
    Cara, te falo como desenvolvedor web: as vezes dá erro. Acontece, bicho. Mas na verdade o que me parece é que vc tá querendo causar. Todo cara com sua postura usa o mesmo discurso e as mesmas acusações de sempre. Parecem bots.
  • Curioso  26/01/2019 15:40
    Numa situação hipotética, caso vocês estivessem tentando "conversar" presencialmente (...)
    Se ele não conseguisse dialogar contigo, considerando que os argumentos não estão sendo eficazes, você utilizaria uma arma de fogo para alcançar a persuasão desejada?
  • Anonimo  18/06/2018 19:26
    Sou feminista, lgbt, de direita e totalmente a favor de armas de fogo. Não generaliza. Gente idiota tem em todo lugar e infelizmente gostam de aparecer. Não significa que representam qualquer um alem deles mesmos.
  • Yuri Vittorelli  04/07/2018 22:33
    Como você pode ser feminista e de direita ao mesmo tempo?
  • Rodrigo  13/09/2018 22:07
    Desde quando o real feminismo é de esquerda?

    Quer igualdade não é querer ser superior, o Feminismo prega a igualdade e o respeito aos direitos das mulheres e não a superioridade das mulheres.

    As mulheres devem ter os mesmos direitos que um homem tem. SIMPLES!
  • Leandro C  17/01/2019 15:36
    "Desde quando o real feminismo é de esquerda?"
    Desde sempre e é só para isso que ele serve; aliás, o que é real pra vc!? O irreal e ideológico!? Ou o que de fato existe? falando desse jeito vc parece o pessoal socialista argumentando que a Rússia, a Venezuela ou qualquer outro lugar socialista só deram errado porque nunca levaram a efeito o verdadeiro socialismo.


    "Quer igualdade não é querer ser superior, o Feminismo prega a igualdade e o respeito aos direitos das mulheres e não a superioridade das mulheres."
    Querer igualdade não deveria ser querer privilégios, mas é o que se tornou, nada mais que isso. Busca por privilégios.

    "As mulheres devem ter os mesmos direitos que um homem tem. SIMPLES!"
    Ok; Vida, propriedade e liberdade,não mais que isso; e se fosse só isso, não existiriam grupos, ou coletivos, do tipo LGBT ou feministas.
    Na prática, uma feminista quer mais diretos que homens e gays mais direitos que mulheres, então é como se fosse uma dobradinha, se der certo sou gay, senão sou mulher e vou carteirando conforme os ventos... Mas, claro, não bastasse, tb exijo respeito!!
  • Raul Domingues Porto Junior  08/02/2019 02:03
    FALACIA! O Feminismo é contra tudo que é FEMININO! Então é o maior inimigo das Mulheres! O Feminismo só se mantém ativo porque a Esquerda o incentiva e não tem nada a ver com igualdade e sim em destilar ódio contra os homens e a família judia cristã em vez de ajudar ou ensinar as mulheres a serem empreendedoras e independentes!
  • BS  24/07/2018 15:57
    "Sou feminista, lgbt, de direita e totalmente a favor de armas de fogo".....

    Um paradoxo intrigante...
  • cmr  23/07/2015 14:40
    O estado brasileiro seguiu com o estatuto do desarmamento, mesmo com o povo maciçamente votando pelo não. Antes era possível ter arminhas fuleiras, como pistolinhas 7,65, revólveres .38, etc... Daqui uns dias nem espingardas de chumbinho serão permitidas.
    Os seja, o estado não respeitou o 'não' do povo.
  • Geraldo  23/07/2015 19:13
    Na verdade, o referendo de 2005 era só para determinar se o comércio de armas de fogo e munição deveria ser proibido. O restante do Estatuto do Desarmamento, incluindo a parte que determina a proibição de porte de armas, não foi submetido a referendo. Ou seja, de um jeito ou de outro, quando esse Estatuto foi aprovado, ficamos reféns não só de bandidos, mas também de uma polícia que só serve para impor a vontade do Estado.
  • anônimo  23/07/2015 20:16
    Então acho que toda mídia foi enganada, pois eu lembro que a discussão era os prós e contra do porte de arma civil. Inclusive a Veja com os 7 motivos para dizer não.
  • J Gabriel C Lopes  23/07/2015 14:44
    Simples e direto. Ótimo artigo.
  • Veron  23/07/2015 14:53
    Excelente artigo.
  • Edson Da Costa  23/07/2015 15:08
    "Quem preza pela paz esteja pronto para guerra".

    Se o cara 'do bem' não estiver pronto para defender sua 'paz' ficará a mercê do outro; se o outro não quiser paz e o sujeito do 'bem' não tiver como defendê-la, o cara violento, covarde ou da 'lei do mais forte' vai conseguir lhe agredir, constranger, oprimir, submeter...

    Estando preparado, sabendo utilizar e sendo do bem a arma não é problema, pode ser a solução.
  • Carlos Tiba  23/07/2015 15:50
    Totalmente equivocado. Quando portamos uma arma "apenas para assustar ou intimidar" estamos blefando e isso pode ter consequencias piores. Nunca faça uma ameaça que voce não pode cumprir ou não tem condições de cumprir. Armas são para policiais que tem treinamento para isso, o que além da habilidade inclui treinamento psicológico. Não para cidadãos de paz.
  • anônimo  23/07/2015 16:32
    Concordo com tiba em um ponto, se vc é um cidadão que não consegue usar uma arma, talvez por não ter psicologico pra isso, não acho que é prudente ter a arma apenas para ameaçar. É preciso estar consciente de que pode precisar usá-la quando necessario. Existem alternativas mais caras a esse tipo de cidadão, que pode contratar algum segurança que possua essa habilidade que lhe falta por exemplo. Dependendo do que se tem pra defender, mais se deve investir em defesa.

    A verdade da natureza é que a subjulgaçao fisica é a regra, e não tendo meios de se defender você vira uma potencial vítima, subordinado aos mais fortes. (Não é exatamente dai que vem o poder do estado?)
    Melhor vitima é alguem muito bom em produzir riquezas e valor, mas que não tem como se defender.
  • ohfmann  23/07/2015 20:42
    Meu amigo, divergências de opinião existem, e devem ser respeitadas numa sociedade civilizada. Portar uma arma não é sinal de ameaça nem de intimidação, apenas é uma coisa que impõe um certo respeito a quem quer intimidar ou agredir! E são muito poucas pessoas que tem condições de contratar um guarda costas, se você for uma meus parabéns, és um privilegiado!
  • Ricardo  27/07/2015 14:09
    A arma de fogo é civilizatória pq anula a diferença de força física. Uma velhina de 90 anos pode se proteger contra um rapaz de 19, um homem sozinho contra 3 outros, um sedentário contra um faixa preta de jiu-jitsu.

    "Abraham Lincoln tornou todos os homens livres mas Samuel Colt os tornou iguais"
  • Bruno Rohden  17/04/2018 13:48
    Carlos Tiba,

    Você coloca que "Armas são para policiais que tem treinamento para isso, o que além da habilidade inclui treinamento psicológico." e eu tiro disso que você quer dizer que não precisamos de armas de fogo pois já temos a policia para nos defender, estou certo?

    Usando a mesma lógica, não precisamos de extintores de incêndio pois temos os bombeiros?

    Não é necessário que todos tenham a sua arma de fogo particular, mas que as pessoas de bem possam escolher se querem ou não te-la.
  • Christian Fusse Madeira  23/07/2015 15:51
    Cidadão de paz não pode ser treinado e nem pode se defender??? Você blefa com o zap na mão?
  • Bruno Barreira  23/07/2015 15:52
    Concordo plenamente, Carlos Tiba. Se você não pode ou não tem condições de cumprir, não porte. Agora para quem não tem restrições para se auto defender, que porte!
  • Felipe Elias   23/07/2015 15:53
    Certo, explica isso para os bandidos, Carlos Tiba

    E me explica por que lugares que permitem porte de arma, como Texas e a Suíça, estão longe de serem perigosos. E o Brasil que não permite está um caos.

    Sociedade segura é onde "cidadãos de paz" podem se defender.
  • Elvis Estevao   23/07/2015 15:55
    Carlos Tiba, você seria assim tão incapaz? Meus avós portavam arma e sempre protegeram nossas famílias, o que quebra suas ideias. Hoje morremos como moscas porque não há quem nos proteja. Ninguém tem essa tal "policial treinado e com habilidades psicológicas" mágicas 24h por dia.

    Muito melhor uma arma na cinta do que um celular na mão na hora que um bandido vem abordar. Covarde.
  • Ademir Alvim  23/07/2015 15:56
    Carlos, eu gostaria de portar uma arma de fogo porque levar esse policial treinado que você citou comigo seria algo pesado demais de se carregar.
  • Lina Araujo  23/07/2015 15:56
    A arma funciona como prevenção e serve sim para intimidar. A bandidagem está tão à vontade atualmente porque sabe que a população está desarmada. Ser contra o porte de arma e dizer que só a polícia tem este direito é o mesmo que dizer que não podemos ter extintores de incêndio para prevenir, porque temos um corpo de bombeiros.
  • Alfano Holset Garrett  23/07/2015 15:59
    "Totalmente equivocado" está o senhor Carlos Tiba. Se ele quer ser o juíz de quem pode ou não se defender e não tem nem receio de falar isto, já demonstra o caráter psicopata dele.
  • Leandro C  12/06/2018 11:46
    ... apenas lembrando que o porte seria opcional, não obrigatório; quem não quiser que não tenha, sem qualquer problema, aliás, pelo contrário, até quem escolha não ter arma será beneficiado; beneficiado por saber que mais gente honesta estará armada, não apenas os desonestos; uma sociedade armada teria menos medo e poderia cumprir o que diz o art. 144 da CF no sentido de que a segurança pública é direito, mas também RESPONSABILIDADE de todos; não tem como ser diferente.
    Ao contarmos apenas com o Estado para nos defender só sobram duas opções: aceitar uma defesa apenas parcial, onde os bandidos se aproveitam muito bem das brechas, como hoje ocorre; ou, aceitar uma defesa total, com um policial ao seu lado, de forma muito importuna, em tempo integral, com custos altíssimos que um país pobre obviamente não pode bancar, o que podemos chamar de Estado policialesco, desviando, como também hoje ocorre, um contingente de mão de obra gigante para atuar como policiais, vigilantes, porteiros etc, que, a despeito do número enorme, pouco também podem fazer; enfim, em qualquer cenário, parece que os resultados não parecem bons... e porque? porque em qualquer cenário em que se terceiriza completamente ao Estado, ou aos outros, o que deveríamos fazer o resultado nunca será o melhor.
  • Vanderson Bernardes  23/07/2015 15:09
    Quem é do bem e não comete crimes, não será uma arma que o fará cometer crimes. Já o criminoso, mesmo sabendo que sua potencial vítima está armada e mesmo assim ataca, para este será maravilhoso se a vítima não tiver o mínimo para se defender. E com a maior certeza deste mundo, afirmo que o marginal faria os mesmos estragos na vítima desarmada.
  • Vanderson Bernardes  23/07/2015 15:44
    Armas não são feitas para intimidar (quem faz isso é marginal), é para defender a integridade do mais fraco. Por tanto, com o devido amparo legal, quem é do bem deve possuir arma, e usá-la se necessário.
  • Lina Araujo  23/07/2015 18:23
    Concordo. A arma funciona como prevenção e serve sim para intimidar. A bandidagem está tão à vontade atualmente porque sabe que a população está desarmada. Ser contra o porte de arma e dizer que só a polícia tem este direito é o mesmo que dizer que não podemos ter extintores de incêndio para prevenir, porque temos um corpo de bombeiros.
  • venon  23/07/2015 15:09
    https://www.youtube.com/watch?v=MfAwDnfJOTo

    Otimo video sobre a mentira do desarmamneto
  • anônimo  23/07/2015 15:10
    Tem esquerdista que defende o seguinte aranjo: desarmamento civil + fim da PM.

    o que seria de nós num cenário desse?
  • Rafael R  23/07/2015 16:05
    Num arranjo desses só bandidos dariam um jeito de contrabandear armas de fogo e imporiam suas vontades a todos.
    Seria um novo Estado, na verdade. A PM seriam os capangas, o presidente/prefeito seria o chefão do bando.
  • Matias  23/07/2015 16:09
    Basta olhar para a janela do tempo chamada Venezuela
  • Beto  23/07/2015 16:48
    Não sou esquerda e sou a favor. Desarmamento civil já é fato. Mas bandido tem arma e cidadão de bem não, pois tem medo de arrumar problema com a PM. Se a PM não existir, vou poder andar armado igual bandido. Infelizmente é essa a lógica no nosso pais.

    Se pudesse optar entre ser atendido pela PM, mas andar desarmado, ou andar armado, mas não ser atendido pela PM...qual opção escolheria? Para mim a escolha é bem fácil.

    Obs: Já precisei da PM algumas vezes, em nenhuma delas ajudou. Minha casa de praia foi roubada e a PM não fez nada, sendo que os bandidos continuaram rondando a casa dias depois, se eu tivesse arma teria resolvido o problema sozinho. Já fui assaltado, reagi e passou um carro da PM para o qual corri...adivinha o que aconteceu com os bandidos? Nada. Nem presos foram, pois como eu reagi e eles não roubaram nada, "não havia provas". Amigos e familiares tem histórias parecidas. PM e nada, para mim é a mesma coisa. Falo isso por experiência de vida, não porque apanhei merecidamente de um PM porque fumava um baseado na USP ou qualquer coisa do tipo.
  • Gilmar  23/07/2015 16:51
    "Tem esquerdista que defende o seguinte aranjo: desarmamento civil + fim da PM.
    o que seria de nós num cenário desse?"

    Quando a coisa degringolar para a bestialidade o gobierno iluminado vai propor o Ministério da Segurança Geral e Irrestrita, como poderes plenos para "combater" a violência.Daí tu imagina no que dá.

    Sério, não assuma que alguém de esquerda, principalmente frequentadores de círculos universitários, tenha qualquer noção de causa e efeito e/ou vergonha na cara.
  • Magno  23/07/2015 17:03
    O Beto levantou um ponto importante: a polícia não é amiga, mas sim inimiga. E pode até ser pior que bandido.

    E o motivo é simples: o braço do estado que impinge o desarmamento do cidadão de bem é justamente a polícia.

    Sim, políticos fazem as leis do desarmamento, mas quem impinge a lei é o braço armado do estado. Se eu quiser comprar uma arma no mercado negro, a minha maior preocupação será a polícia me flagrar e me jogar em cana. Ou seja, paradoxalmente, é a polícia quem garante o sossego da bandidagem; é a polícia quem garante à bandidagem que o cidadão comum está desarmado. É a polícia a maior responsável pelo desarmamento.

    Tenho uma fazenda que fica bem no meio do mato. Recentemente, a polícia invadiu a casa de uma vizinha minha -- uma senhora de idade -- e tomou a garrucha antiga que ela sempre teve, que pertenceu ao pai dela. Suplicando ao policial, ela perguntou quem iria defendê-la do ataque de bandidos (roubos sao frequentes na região). O policial respondeu: "Lamento, minha senhora, estou apenas cumprindo meu dever".

    E a velha ficou desarmada. (Mas logo em seguida comprou outra arma, mais moderna, no mercado negro. E com o meu apoio).
  • Paul Kersey  23/07/2015 17:17
    Se um ladrão invade a sua casa e você dá cabo do vagabundo, a ÚLTIMA coisa que você deve pensar em fazer é chamar a polícia.

    Se você fizer isso, não só a sua arma será confiscada -- deixando a sua família totalmente vulnerável --, como você irá em cana.

    O que fazer? Leve o corpo para um lugar deserto (você tem de conhecer a sua cidade), desove, e volte pra casa. Dá trabalho? Dá. É perigoso? É. Mas ainda assim é muito melhor do que perder sua arma, ser preso e deixar sua família desprotegida.

    cgn.uol.com.br/noticia/36092/morador-e-preso-apos-matar-bandido-que-pulava-o-portao
  • Mike  26/07/2015 01:23
    Gostei do nym. :)

    Na verdade, "desovar" o corpo configura ocultação de cadáver. Desapareça com a arma e diga à polícia que tem um morto na sua casa. O fato dele estar lá não o incrimina, não o faz o ator do homicídio. Ah, tome outros cuidados antes como lavar a roupa que estiver usando (sapatos também) e tome um bom banho.
  • Silvio  26/07/2015 12:55
    Poxa, você está querendo discutir esse assunto justamente com o lendário Paul Kersey? Quando se trata de lidar com vagabundos sem a interferência da polícia, pode apostar que ele tem muita experiência. Nessa situação, ele está certo, melhor mesmo é fazer com que a polícia nem chegue a tomar conhecimento da sua casa. Além disso, de nada adianta se limpar, pois o luminol pode ser usado para encontrar manchas de sangues ocultas, que são detectáveis mesmo após a lavagem.
  • Gunnar  23/07/2015 21:20
    Gostei dessa velha!
  • Rogério  15/04/2018 01:13
    Já fui em palestra de Rede de Vizinhos "Protegidos" onde a PM foi enfática em não ter arma em casa. No fundo querem o monopólio de força perante os civis. Aposto que fazem lobby a favor do desarmamento.
  • brunoalex4  02/03/2018 13:31
    Profético!!!

    Governo Temer propõe Ministério Extraordinário da Segurança Pública.
  • Insurgente  16/04/2018 12:00
    A maioria deles pensa assim. Me dá muito nervoso ao ouvir essas insanidades ideológicas.
  • Vinicius  23/07/2015 15:53
    Deus criou os homens, Sam Colt os fez iguais.
  • atorres1985  23/07/2015 22:37
    Eu conheço de outra forma:

    Deus criou os homens livres.
    Sam Colt tornou os homens iguais.
  • BS  24/07/2018 17:32
    Na verdade a frase é: "Abraham Lincoln tornou todos os homens livres, mas Samuel Colt os tornou iguais".
  • BS  24/07/2018 17:35
    "Deus criou os homens, Sam Colt os fez iguais'. Esta citação é derivada do cinema.
  • Matheus  23/07/2015 16:45
    Excelente texto Major L. Caudill!

    Eu acredito que cada um é sempre o principal responsável pela própria defesa.
    Justamente por isso, o desarmamento é uma agressão e é um dos grandes responsáveis pela crescente violência principalmente nas grandes capitais.
  • bruno  23/07/2015 17:04
    Sou totalmente contra as armas, mais sou a favor de testes, seria interessante o governo liberar as armas durante uma década,pegar estatísticas antes e depois,so assim saberemos o que é melhor. O que é bom para países desenvolvidos pode ser péssimo para países com mentalidades de esquerdas.
  • Mr Citan  23/07/2015 18:46
    É por isto mesmo que todo cidadão tem o direito sagrado de ter sua arma, pois assim vai se defender do princípio básico dos esquerdistas e demais governos autoritários, que é construir a estrada da servidão com as pedras das boas intenções.
  • Felipe R  24/07/2015 09:17
    Já há situações reais que são parecidas com sua proposta. Procure o livro " More Guns, Less Crimes"
  • Leopoldo Antunes  23/07/2015 17:22
    Chega desse mito de confundir 'paz' com subserviência. Para que eu tenha paz sem ter de me submeter aos caprichos alheios, devo ter os meio de me defender das imposições e agressões injustas. Ser 'da paz' não deveria significar ser covarde e nem capacho, e nem impor sua covardia aos demais que não o são.
  • Adelson Paulo  23/07/2015 17:35
    Quando os Estados Unidos eram o único país que possuía a bomba atômica, não hesitou em usá-la contra o Japão na Segunda Guerra. Quando outros países passaram a dominar o armamento atômico, as armas atômicas nunca mais foram utilizadas. Isto se chama dissuasão.
  • Joao Girardi  24/07/2015 15:56
    Olha, creio que esse raciocínio esteja correto, mas quando lembramos que países como URSS e China utilizaram as armas nucleares como uma forma do Ocidente aceitar que mantivessem mais de 1 bilhão de pessoas em cativeiro atrás da cortina de ferro, talvez esse não seja o exemplo mais feliz sobre o assunto.
  • Clint  24/07/2015 16:03
    Correto. Utilizar como exemplo positivo o poderio bélico de governos é o equivalente a utilizar como exemplo positivo o poderio bélico de bandidos.

    Cidadãos têm de estar armados, e não políticos e burocratas.
  • 4lex5andro  07/02/2017 13:13
    Depende. Não por acaso, os países que mandam no planeta o g5 do conselho de segurança da onu, são potências nucleares.

    E impedem que outros países desenvolvam suas armas e mísseis lançadores.

    O poder de dissuasão é fato, o argumento é válido. E o que cada país faz dentro de suas fronteiras, é problema desse país.

  • Constatação  15/01/2019 18:41
    Os EUA usaram a bomba atômica contra o Japão simplesmente para evitar que o conflito se prolongasse ainda mais e para poupar os dois lados do preço de uma invasão às ilhas metropolitanas japonesas (para a qual já haviam planos).

    Os números variam, mas a estimativa é de que a invasão custaria cerca de 500 mil soldados norte-americanos e muitíssimos mais japoneses, inclusive civis. Não se trata aqui de justificar o uso de uma arma terrível, mas era o mal menor. Aliás, os bombardeios incendiários e convencionais sobre o Japão mataram bem mais gente do que as bombas atômicas.

    E é possível que, se o Japão fosse poupado dessa desgraça, ela poderia ter ocorrido em uma escala muito maior anos mais tarde durante a guerra da Coréia, quando os russos já tinham a bomba também.
  • João Magalhães   23/07/2015 18:24
    Não sou a favor de armas, muito menos de violência e agressão, sou a favor da liberdade e do respeito ao próximo, mas não tenho como negar que vivemos em uma época violenta, sem respeito, não falo como crítica ou julgamento, pois não tenho moral para julgar ninguém, então porque compartilho um texto como este? Porque tem lógica nos argumentos, se é válida esta lógica ou não, cada um deve decidir por si e ponderar sobre o real valor de uma vida, e se tem lógica merece ser debatido. Eu ainda prefiro que todos tenhamos consciência do real significado de uma vida e que não precisamos de armas para nos sentirmos seguros, mas a realidade esta ai e me pergunto, quem está feliz com esta realidade?
  • Ricardo Rocha  23/07/2015 18:26
    É exatamente por saber que o outro pode estar armado que os ânimos serão bem mais contidos. Se um cidadão lhe dá uma fechada no trânsito, a hipótese de ele estar armado fará com que você pense várias vezes antes de abaixar o seu vidro e xingá-lo. A sociedade fica muito mais civilizada assim.

    Como diz o ditado americano: boas cercas criam bons vizinhos.
  • Antônio De Pádua Passos  23/07/2015 18:25
    Essa argumentação é convincente porque justifica com propriedade o uso da arma de fogo.
  • Amarílio Adolfo da Silva de Souza  23/07/2015 18:31
    Ilusão.
  • Mister M  23/07/2015 21:08
    Desenvolva.
  • Rubens  23/07/2015 18:43
    Sou a favor da arma de fogo, pois deixaria todos igualitários e não mais a mercê desta bandidagem que cada dia mais cresce.
  • Dam Herzog  23/07/2015 19:18
    Os bandidos levam vantagem sobre pessoas desarmadas. A arma de fogo é o equalizador de forças. População armada é população + segura. O direito a autodefesas é um direito natural dos humanos. Já dissemos não ao desarmamento pois o estado não nos pode dar segurança, só desculpas a posteriori.
  • idiotice  23/07/2015 20:24
    Só os idiotas incapazes andam armados.
    O dia em que todos andarem armados ninguém leva desaforo pra casa e as cidades vão virar o velho oeste americano.
    Ridículo. Vocês deviam arrumar um trabalho em vez de ficarem idolatrando as baboseiras americanas.
  • é a sua  23/07/2015 21:40
    "Só os idiotas incapazes andam armados."

    Já os inteligentes e espertos entregam toda a féria do mês para o primeiro pé-de-chinelo que os ameaça com uma faca. Certo?

    "O dia em que todos andarem armados ninguém leva desaforo pra casa e as cidades vão virar o velho oeste americano."

    Velho Oeste americano? Sonho meu. O Velho Oeste era, comprovadamente, um dos locais mais seguros daquele país. Se as cidades brasileiras virassem um Velho Oeste, o número de homicídios despencaria.

    "Ridículo. Vocês deviam arrumar um trabalho em vez de ficarem idolatrando as baboseiras americanas."

    A definição da ironia: um otário que acreditou no mito do "Oeste Selvagem" -- falácia essa orgulhosamente difundida pelos americanos, pois é bom para manter a imagem de "durões" deles -- vem aqui dizer que os outros é que estão idolatrando americanos (quando não há uma única menção sequer àquele país no artigo).

    Boçal.
  • Lucas Braga  26/07/2015 09:07
    É verdade, deveríamos parar de idolatrar os costumes ianques.

    Vamos começar a copiar os seguintes povos:

    armênios, chineses, judeus e outros povos "não arianos", cambojanos, todos os que caíram nas garras de Lênin e Stalin, moriori, povos do leste europeu e cubanos, australianos, canadenses e britânicos.

    Tá bom ou quer mais?
  • anônimo  26/07/2015 13:09
    Liberdade não é um costume ianque.
    Pode ter sido um dia, mas hoje não é mais.
    https://www.youtube.com/watch?v=rQD0Lde9O8A
  • Lous rondon  23/07/2015 20:34
    Liberdade
  • Só um cristão pensando...  23/07/2015 20:41
    Pode até ser...

    Mas eu não tenho a mínima vontade de ter uma arma: não sei usar e não sei se tenho psicológico para isso. Para mim, ter uma arma é ter a capacidade de usar. Essa de ter uma bomba atômica e não usar, não funciona (os norte-americanos que o digam!). Uma ora ou outra vai precisar usar. Aí deixa de ser apenas um "equalizador" de forças, passa a ser uma medida de força. Deixa de ser persuação e passa a ser ação. Não sei se gostaria de viver com a consciência de ter matado uma pessoa, mesmo que seja um bandido. Tudo bem, tem um racionalismo por detrás que ajuda: "foi por legítima defesa". Mas, para um Cristão, a regra de ouro diz: "fazei aos outros o que gostaria que os outros te fizessem!" Com certeza matar não é algo que gostaria que alguém fizesse a mim! E o mandamento diz: Não matarás! E é assim mesmo, sem condicionantes.

    Mas, com certeza, seria o primeiro a defender a quem tem a capacidade de portar uma arma, o direito de o fazer... Até porque se ninguém "de bem" o fizer somente os "do mal" vão reinar.

    Até +

  • Renato Gaio  24/07/2015 11:44
    Meu caro, você na atual situação de comodismo pode não ter vontade de usar por acreditar no mandamento de "não matarás", mas quando alguém ameaça você ou a sua família, eu duvido que não gostaria de estar com uma arma para defender as pessoas que você mais ama nessa vida, portar uma arma não é virar bandido, criminoso, assassino, etc..., e sim ter proteção diante de outras pessoas que possuem armas e querem fazer o mal para você.
    Quanto a saber usar a arma é simples, treinamento, ou você acha que a PM são pessoas que nasceram sabendo usar arma.
    No caso de armamento civil não existe o bem e o mal, e sim um direito de proteção e liberdade, isso deveria ser garantido a todo homem, mas quando pessoas criminosas estão no poder infelizmente fazem leis absurdas para controlar e limitar a liberdade.

    Abraços
  • Bruno  16/04/2018 16:55
    Mas a lei também diz em Êxodo 22:2
    Se o ladrão for achado roubando, e for ferido, e morrer, o que o feriu não será culpado do sangue.
  • 5 minutos de ira!!!  31/08/2018 14:15
    Moisés também disse ao seu povo que a liberdade tinha um preço, o de não se deixar curvar perante a agressão, tanto que levou seu povo à guerra contra os, se não me engano, amaquelitas ou algo assim. Estou errado?!
  • 5 minutos de ira!!!  31/08/2018 14:15
    Uma pergunta aos libertários. Sem críticas ou julgamento de valor, só pra definir exatamente o ponto....
    A doutrina libertária tem a propriedade privada como sagrada, portanto, mesmo que o ladrão já tenha me roubado, tenha virado de costas e esteja fugindo, ainda posso dar um tirombaço nele porque ele está portando, violando, minha propriedade?
  • Conservador libertário  31/08/2018 14:45
    Matá-lo seria desproporcional, pois ele "apenas" roubou de você. O certo seria capturá-lo dando um tiro de alerta para cima para que ele possa parar de correr. Caso isso não funcione, um tiro na perna.

    Uma vez capturado, ele não apenas deve restituir a sua posse (reparação), como ainda deve produzir (trabalhando) o equivalente que ele roubou de você (punição).

    Perto dos reais libertários, Jair Bolsonaro é uma donzela.
  • Gunnar  23/07/2015 21:15
    "E há também o argumento de que uma arma faz com que aquelas brigas mais corriqueiras, as quais em outras circunstâncias resultariam apenas em pessoas superficialmente machucadas, se tornem letais. Mas esse argumento é multiplamente falacioso. "

    A principal falácia reside no fato de que, sabendo que o outro está armado, o esquentadinho tem muito mais incentivos para NÃO entrar num confronto do que para entrar.

    Os casos que os desarmamentistas costumam citar são na verdade contra-exemplos (como o caso do policial a paisana que recentemente sacou a arma e matou outro rapaz) - afinal, se deram justamente no Brasil, justamente num país de pessoas DESARMADAS. O cara só sacou a arma pois tinha certeza que o outro não poderia fazer o mesmo.
  • Marcelo  23/07/2015 21:59
    Parece que nesta "equação" faltaram as variáveis representando a situação em que tanto o agressor mais forte quanto a vítima mais fraca portam armas de fogo.
  • Courege  23/07/2015 22:49
    Só para quem leu o texto apressadamente. Vou facilitar pra você: quinto parágrafo de baixo para cima.

    "O fato de que uma arma de fogo facilita o uso de força letal é algo que funciona unicamente em prol da vítima mais fraca, e não em prol do agressor mais forte. O agressor mais forte não precisa de uma arma de fogo para aniquilar sua vítima mais fraca. Já a vítima mais fraca precisa de uma arma de fogo para sobrepujar seu agressor mais forte. Se ambos estiverem armados, então estão em pé de igualdade."

    Mais atenção na próxima.
  • Marcelo  24/07/2015 11:16
    Muito gentil e esclarecedor de sua parte.
  • Marat  23/07/2015 23:06
    Eu não quero uma arma, tampouco andar armado.
    .
    Quero sim, respeito ao meu livre-arbítrio e o poder de decidir se adquiro ou não uma arma de fogo.
    .
    Quero o respeito ao direito natural de auto-defesa se necessário, pois sem ele ainda
    seríamos bárbaros.
  • Thiago Augusto  23/07/2015 23:26
    Uma arma na cintura, uma barra de ouro no cofre.
    Liberdade à moda austríaca.
  • Lopes  23/07/2015 23:48
    A polícia brasileira é somente uma caríssima emissora de boletins de ocorrência, pois sua incompetência em quaisquer outras atividades é absoluta. Segundo o Avante Brasil, somente 8% dos homicídios são devidamente apurados; o Brasil é um dos países mais perigosos do mundo e se não bastasse, ainda possui uma legislação restritiva à posse de armas ao cidadão de bem (criminosos desrespeitariam uma lei de controle de armas tanto quanto desrespeitam qualquer outra lei. Somente o cidadão de bem entregaria seu armamento).

    Dê ao seu cartório local o direito de emitir documentos para que você mostre à sua seguradora - pois é o único serviço provido pelas polícias que tenta justificar seu custo. Ao menos as chances de abuso policial - recorrente no Brasil - seriam menores.

    Lembrar-vos-ei: os guardiões da paz das nossas cidades foram justamente os cidadãos criados pelo estado da creche até o vestir da farda. A incapacidade de negociar, a neurose por autoridade através da força, a completa indiferença à satisfação do consumidor - somada à completa irrelevância da satisfação do consumidor em qualquer serviço público (o serviço continuará a receber fundos mesmo se for incompetente. Sua incompetência é remunerada à força. Como exigir - ou determinar - a qualidade de um serviço pelo qual o cidadão foi obrigado a pagar?); todos esses comportamentos são produto primo da família brasileira, da crença nos serviços providos pelo estado brasileiro e pelo sistema educacional brasileiro que eventualmente passou mais tempo "educando" estas pessoas que seus próprios pais.
  • Raphael  24/07/2015 01:53
    Existe um erro no texto: seres humanos não lidam uns com os outros somente por razão e força. A palavra razão não abrange todo o contexto de interações civilizadas entre seres humanos (sensibilidade, por exemplo, não está contemplada em uma argumentação lógica, e influencia comportamentos).

    Talvez a melhor forma de referir-se a esse assunto seria "Comunicação civilizada", ou até "Diplomacia Social".

    No entanto, isso não invalida a tese interessante do texto.
  • Michelangelo  24/07/2015 02:12
    "A palavra razão não abrange todo o contexto de interações civilizadas entre seres humanos (sensibilidade, por exemplo, não está contemplada em uma argumentação lógica, e influencia comportamentos)."

    Engano seu.

    Se eu, por meio de apelos sentimentais, convenço você a fazer algo, estou sim utilizando minha inteligência. Foi o uso arguto da minha inteligência que me permitiu manipular você como eu queria.

    Você, ao cair na minha efusão sentimentalista, pode realmente não ter usado a razão. Mas eu, ao recorrer à emoção para lhe afetar, usei perfeitamente a minha inteligência. Foi ela que me permitiu manipular você. Foi ela que me levou a conseguir o que eu queria.

    Quem sabe utilizar a sensibilidade para tocar terceiros está fazendo seu mais perfeito uso da razão.

    O argumento do autor segue irretocável.
  • Raphael  24/07/2015 09:12
    Eu esperava pela chegada desse argumento logo após ter enviado o comentário, pensei que deveria ter dado um exemplo para esclarecer que nem sempre é assim.

    O uso "arguto" da razão, manipulando a sensibilidade alheia, é sim um fato irrefutável, mas não compreende todas as atuações sensíveis. Se fosse sempre assim, um ser que não possui habilidades básicas para razoar com argúcia não conseguiria nunca impor suas vontades. Não é o que se vê acontecendo em várias situações que compreendem o amor materno por um bebê, por exemplo (se você é daqueles que considera um bebê manipulador, pense em um bebê mais novinho, que ainda não aprendeu sequer a observar o mundo), ou até na piedade por um animal sendo maltratado (apesar de não ser uma interação humana, esclarece melhor um comportamento que utilizamos para lidar com humanos, poderia ser um ser humano na mesma situação do animal).

    Reitero que há retoques, mas que o núcleo do argumento dele continua bastante forte.

    Abraço!
  • Michelangelo  24/07/2015 12:03
    "Não é o que se vê acontecendo em várias situações que compreendem o amor materno por um bebê, por exemplo (se você é daqueles que considera um bebê manipulador, pense em um bebê mais novinho, que ainda não aprendeu sequer a observar o mundo), ou até na piedade por um animal sendo maltratado (apesar de não ser uma interação humana, esclarece melhor um comportamento que utilizamos para lidar com humanos, poderia ser um ser humano na mesma situação do animal)."

    Deus do céu! O artigo fala claramente sobre a interação entre dois seres humanos estranhos um ao outro, que é a interação mais propensa a trazer riscos de vida.

    A interação entre uma mãe e seu bebê não configura uma interação entre dois estranhos. (E, mesmo nesse caso, é seu o ônus de provar que a mãe não está sendo guiada pela razão. O que a guiaria? Afeto e amor são manifestações da razão).

    A interação entre um indivíduo e um cachorro não configura uma interação entre dois seres humanos estranhos.

    Se esse é o seu melhor argumento, piorou ainda mais.

    "Reitero que há retoques, mas que o núcleo do argumento dele continua bastante forte."

    Sim, há uma urgência de retoques na sua argumentação.

    Abraços!
  • Raphael  24/07/2015 12:59
    Prezado Michelangelo,

    Não vim até aqui discutir com você, e não vou te dar palco para isso. Você tem suas razões para pensar dessa forma, e meus exemplos foram ilustrativos, como mencionei ao falar do animal, reconhecendo que ele não é um ser humano mas que poderíamos colocar um no lugar e a analogia persistiria (você insistiu em ignorar meu reconhecimento da sua verdade e a utilização de um exemplo mais forte analogicamente do que o com um ser humano, felizmente não cabe a mim ter que te provar nada).

    Confesso que estava gostando do nosso intercâmbio de ideias antes dos seus ad-hominem velados. Por isso vou continuar esclarecendo para que as pessoas mais dispostas a entender a visão dos demais possam, se considerarem conveniente, tirar algum proveito do que estou defendendo.

    O fato é o seguinte: a sensibilidade possui, sim, situações em que prescinde totalmente da razão para atuar. Era isso que meus exemplos queriam demonstrar. (Um mendigo, parado quieto em um canto pode influenciar o comportamento de alguém sem sequer pretender, dormindo. Não podemos afirmar que a pessoa agiu com a razão. Só ela sabe). Aliás, admitir isso é uma vantagem para a teoria liberal como um todo. A visão filosófica clássica inspirada em um ser humano completamente guiado pela razão ou força está muito mais adequada ao pensamento realista do que ao liberal, e parte do pressuposto de que há uma maldade inerente nos comportamentos humanos. Essa espécie de maniqueísmo é muito corriqueira da defesa de pontos ideológicos, mas pouco produtiva.

    Um abraço!
  • Thomaz  24/07/2015 14:36
    "O fato é o seguinte: a sensibilidade possui, sim, situações em que prescinde totalmente da razão para atuar. Era isso que meus exemplos queriam demonstrar. (Um mendigo, parado quieto em um canto pode influenciar o comportamento de alguém sem sequer pretender, dormindo. Não podemos afirmar que a pessoa agiu com a razão. Só ela sabe)."

    Esse mendigo dormindo não interagiu com o transeunte. O mendigo não coagiu o transeunte a nada. Ponto.

    Qualquer que tenha sido a reação do transeunte, ele o fez com base em sua inteligência. Pode não ter sido a reação mais inteligente (qualquer que tenha sido a atitude), mas ele estava com o pleno controle de suas faculdades mentais.

    "Aliás, admitir isso é uma vantagem para a teoria liberal como um todo. A visão filosófica clássica inspirada em um ser humano completamente guiado pela razão ou força está muito mais adequada ao pensamento realista do que ao liberal, e parte do pressuposto de que há uma maldade inerente nos comportamentos humanos."

    Isso é totalmente alheio ao ponto do artigo. Aliás, desconheço que a teoria liberal/libertária diga que há uma maldade ou uma bondade inerente ao ser humano. Isso é espantalho.

    "Essa espécie de maniqueísmo é muito corriqueira da defesa de pontos ideológicos, mas pouco produtiva."

    Qual maniqueísmo? Quem realmente introduziu o maniqueísmo na conversa foi você, ao dizer que as maldades e os sentimentalismos substituem a razão.
  • Raphael  24/07/2015 17:13
    Olá, Thomaz

    Grato pela sua resposta. Vi que no pouco tempo que tive para expressar-me deixei um ponto pouco explicado, e foi exatamente um que você mencionou. Antes de explicá-lo é importante fazer uma ressalva: o meu discurso todo não trata de coação, como você mencionou em seu comentário, até porque o que o autor diz é que temos duas formas de "lidar com os outros", e não "coagir os outros".

    Aliás, o maniqueísmo que eu estava falando era exatamente esse. É arriscado dizer que só existem duas posições possíveis em um espectro tão grandes de possibilidades. O que nos faria pensar que um comportamento como o supostamente refutado pelo Michelangelo, na minha analogia sobre os bebês ou animais, não seria reproduzido em uma interação entre seres racionalmente capazes? Estaria a interação entre seres capazes com incapazes regida por uma espécie diferente de faculdades psicológicas? Isso é difícil de sustentar.

    Para encontrar as bases daquilo que você considera o argumento do espantalho, é necessário regredirmos até discussões que envolvam Rousseau e Maquiavel, enquanto defendiam as bondade e maldade da natureza humana, que deu origem a toda a teoria realista que conhecemos. Concordo com você, é totalmente alheio ao ponto do artigo, ao menos como argumentação. É mais relacionado ao propósito liberal como um todo, e a necessidade de consolidar uma teoria que possua solidez na sua coerência...

    Gosto dos comentários aqui, e, apesar de o seu ser bem colocado, às vezes me parece que as pessoas utilizam-se da distância física proporcionada por discussões na web para tornarem-se temerariamente ofensivas em suas posturas, boas argumentações, limpas dessa espécie de propósitos, como a sua, acabam mergulhadas em um mar de ironias e construções pernósticas... Triste

    Abraço!

    Raphael

  • Edujatahy  24/07/2015 17:39
    Raphael, você está desvirtuando totalmente da questão. O artigo demonstra claramente que a relação humana quando envolve conseguir algo (ou seja, algum recursos escasso) o fazemos de duas formas, uma delas é através da força e a outra da razão. Caridade não sequer entrou no âmbito do artigo. Veja bem o que está escrito no segundo páragrafo:

    "Se você quer que eu faça algo por você, há duas opções: ou você me convence por meio de um argumento racional ou você recorre à ameaça de violência."

    Eu te pergunto. Existe alguma terceira maneira de EU (Eduardo) fazer algo por VOCÊ (Raphael)? Algo simples, como por exemplo, eu te dar dinheiro.

    Se sim. Me explique por favor.

    Não é necessário complicar o simples só para querer discordar do autor.

  • Raphael  24/07/2015 19:23
    Olá, Edujatahy.

    Não posso concordar que eu esteja desvirtuando, porque tentei tomar o cuidado de manifestar mais de uma vez que estava tratando de um tema acessório, que não retira força da argumentação do autor, mas que é pertinente para a coerência teórica, já que trata de comportamento e constituição humana.

    Você começa a tratar do texto a partir da sua segunda frase, e todo meu argumento se embasa na primeira frase (que, justo por ser a primeira, me parece ser a premissa básica a partir de onde o autor retira todas as suas inferências posteriores). Ela diz:

    "Os seres humanos têm apenas duas maneiras de lidar uns com os outros: por meio da razão e por meio da força".

    Em nenhum momento aqui possui uma troca comercial, uma diálogo, um interesse que involva ganhos ou perdas para as partes na premissa (e, reitero, é dela que estou tratando).

    É sob essa ótica, e somente sob ela, que defendo que não se pode atribuir a miríade de interações humanas com o meio (inclusive outros seres humanos racionais, que fazem parte desse meio) ao uso incondicional da razão.

    Trazer um ponto que não concordo não significa picuinha com o autor, só tenho direito de considerar sua premissa simplista demais em um ambiente que não admite essa simplicidade. O que não sei é porque isso pode incomodar tanto. O mundo está muito longe da lógica booleana, ou já teríamos resolvidos todos os seus problemas... Comportamento humano está nesse nicho de problemas ainda por resolver.

    Grato por sua resposta, abraço!
  • Carlos Dias  24/07/2015 08:26
    Toda unanimidade é burra, vejo que a grande maioria dos comentários assim como o artigo expôs somente um lado o que impedido de se realizar aqui um debate confrontando os argumentos de cada um a favor ou contra o desarmamento, assim poderíamos entender melhor quem está com a razão, Na minha opinião concordo que o ser humano de bem deveria ter o direito de se defender porém a liberação da arma abre um precedente para que os bandidos justifiquem seus portes impedindo assim que pudessem ser detidos em batidas policiais, pode observar que todo bandido alega defesa pessoal ao ser pego com uma arma ninguém ali é inocente, existem muitos casos em que uma simples briga acaba em morte e neste caso é onde o artigo peca ao comparar a lesão corporal por briga com uma briga de um ou dois indivíduos armados onde sempre acabará em morte, acabo de ver hoje no noticiário um exemplo onde uma briga acabou em morte onde um cara derramou cerveja no outro e a discussão acabou em morte pois um dos indivíduos tinha uma arma e acabou atirando no rapaz indefeso, porém o agressor era um PM e por isso tinha porte e já havia sido excluído da corporação por já ter ferido outra pessoa em um caso similar, neste caso o PM entrou para polícia apenas para adquirir o porte e assim poder impor sua força Se o cidadão morte tivesse uma arma isso não anularia esta fatalidade pelo contrário um tiroteio iria ferir e matar muito mais pessoas dentro da boate, o grande problema é que aqui não é o texas, vivemos em um país miserável cheio de corrupção onde esse grande mal que muitas vezes é chamado de "jeitinho brasileiro" já está no nosso sangue, e dar o poder da arma a qualquer cidadão poderá transformar pessoas de bem em criminosos se todos se sentirem no direito de ameaçar o próximo com uma arma para impor sua opinião muitas vezes indo contra as leis desse país que deverão ser revistas se não puderem mais ser aplicadas pela força policial, pronto apesar de expressar toda essa opinião não posso afirmar que concordo plenente com a proibição estou apenas sendo racional e expondo o outro lado para que possamos refletir, porém meu desejo pessoal é ter uma arma apenas para poder pipocar qualquer vagabundo que ousar roubar o frudo de muito trabalho duro mais para isso as leis deveriam ser mudadas para possibilitar que a legítima defesa não desse cadeia ao cidadão de bem porém mesmo com a liberação existe uma lacuna até se provar isso onde poderia ocorrer erros, já fui assaltado e a patir desse dia repensei sobre estas questões, essa semana um indivíduo com uma moto parou ao lado do meu carro no sinal e colocou a mão na cintura eu logo fiquei assustado e confesso se tivesse uma arma teria disparado contra o suspeito porém como não tinha vi que ele apenas tirou o celular do bolso, mesmo tomando uma atitude de vacilo este cidadão de bem poderia ter morrido se eu estivesse armado, então por isso precisamos rever nossos conceitos, penso que no futuro haverá a figura do justiceiros armados fazendo valer a lei estes sim receberão o apoio da população, porém entendam que arma não são para todos concordo que o porte deveria ser menos restritivo porém somente terá direito ao porte o indivíduo que tem plena convicção do seus direitos respeito das leis e se poder provar psicologicamente que somente utilizaram a arma para se defender da violência contra o seu patrimônio ou sua vida, existe uma Querência tudo que foi dito porém esqueceu que vivemos no Brasil e aqui meoirmao a coisa é bem diferente...
  • Angelo Viacava  24/07/2015 12:07
    Aqui não é o Texas justamente porque não podemos portar armas. Inté.
  • Rene  24/07/2015 13:43
    Carlos Dias, confesso que tentei ler o teu texto, mas não entendi o teu argumento. Tem partes do teu comentário onde parece que vc é a favor do desarmamento. Em outras partes, parece que vc é contra. Entretanto, teu texto é muito contínuo, simplesmente não consigo seguir a tua linha de raciocínio.

    Tente esquematizar teus textos com pontos, para o leitor ter uma pausa na leitura para respirar. Também divida-o por parágrafos, quando for tratar de assuntos diferentes. Além disso, tente escrever textos com início, meio e fim bem definidos, para que o leitor consiga entender exatamente qual a mensagem que vc está tentando passar.

    Sucesso


  • Jarzembowski  24/07/2015 11:46
    Aparece cada asinino aqui.
    O argumento é sempre o mesmo: se todo mundo andar armado vai virar um caos! Onde vamos parar?
    Você vive no país COM O MAIOR NÚMERO DE HOMICÍDIOS DO MUNDO. Já virou um caos faz tempo, e a culpa é de progressistas tapados como você, que chama bandido de vítima e que acha um absurdo o cidadão ter direito de se defender.
    Qualquer pessoa a favor do desarmamento é cúmplice moral de 60 mil homicídios por ano.

  • Marcelo  24/07/2015 13:25
    Quanto à arma de fogo ser a civilização, que tal informar o índice de porte de armas de fogo (e não estou falando do direito de portar em casa, mas de transportar) nos países mais civilizados do mundo - Nova Zelândia, Austrália, Japão, Inglaterra, Holanda, Dinamarca etc.?
  • Rezende  24/07/2015 14:28
    Sem problemas.

    Honduras = 6,2 armas para cada 100

    El Salvador = 5,8 armas para cada 100 pessoas

    Jamaica = 8,1 armas para cada 100 pessoas.

    Brasil = 8 armas para cada 100 pessoas.

    Áustria, Alemanha, França, Suíça, Suécia e Noruega = média superior a 30 armas por cada 100 pessoas. (O que significa que essas populações são 4 vezes mais bem armadas que os brasileiros).

    A Finlândia é a mais bem armada de todas, com mais de 45 armas para cada 100 pessoas.

    Já Portugal, Espanha, Itália e Inglaterra ficam bem para trás entre os europeus (mas, ainda assim, sua população é mais armada que a brasileira).

    Fonte:

    www.theguardian.com/news/datablog/2012/jul/22/gun-homicides-ownership-world-list

    Aquele abraço!
  • Marcelo  24/07/2015 14:51
    Parece que não fez diferença eu ressaltar o seguinte no meu comentário: "não estou falando do direito de portar em casa, mas de transportar".

    Arma em casa é uma coisa (sou a favor - apenas em casa). No trabalho, comércio, bar, trânsito, é outra bem diferente.
  • Edujatahy  24/07/2015 15:54
    Porte de arma não significa arma em casa.
    O dono do bar pode ter sua arma dentro do bar, o dono da padaria da esquina pode ter sua arma dentro da padaria.
  • Marcelo  24/07/2015 16:22
    Obrigado pelo alerta.


    Corrigindo:

    Parece que não fez diferença eu ressaltar o seguinte no meu comentário: "não estou falando do direito de ter posse de arma e mantê-la em casa, mas de portá-la".
  • Revoltado  16/01/2019 19:45
    Hahahahahahahahahahaha

    Rezende, lembrei-me agora de um parente meu ironizando o fato de que no decreto ontem assinado houvesse a possibilidade de obter-se até 4 armas, como se fosse munição suficiente para começarmos uma guerra qualquer...

    Daí essa galera não compreende porquê moramos num país com média de 65.000 mortes anuais. Morre mais que a Guerra do Vietnã por ano no Brasil e ainda não lhes cai a ficha!
  • Henrique Zucatelli  24/07/2015 14:57
    É como eu sempre digo: O bom liberal tem duas armas nesse país: a pistola e o advogado.

    A pistola te defende dos marginais de baixo.

    E o advogado te defende dos marginais de cima.

  • João souza  15/01/2019 23:54
    Para ter os dois é preciso grana. Salvemos nossa pele e o resto dane-se. Parabéns.
  • Ali Baba  24/07/2015 15:09
    Olá... Só um heads up:

    Vocês sabem que o tal Major L. Caudill não existe né? O autor do texto é Marko Kloos e seu original pode ser lido aqui. O autor discute com alguns comentaristas sobre o plágio na própria seção de comentários do artigo.
  • Wilken Mendes  24/07/2015 19:19
    Achei muito interessante o raciocínio do autor do texto, porém não seria tão simples assim uma arma na mão de qualquer um. Existem pessoas que podem não ser criminosas, mas são emocionalmente descontroladas e se irritam com facilidade, nada a impediria de sair ai arrumando confusão e atirar em qualquer um. O autor pode ter o emocional tranquilo, mas nem todos são assim. Pra algum dia isso acontecer no Brasil, acredito eu que seria necessário uma espécie de pesquise e acompanhamento da pessoa interessada no porte de arma de fogo, quanto ao seu dia a dia, natureza psicológica e vários outros fatores, afim de não entregar armas a qualquer louco.
  • Marcos  24/07/2015 20:11
    Deus fez os homens diferentes, uns fortes e outros fracos, Samuel Colt os igualou.
  • joselito  24/07/2015 20:38
    Com prazer elogio este comentário com o melhor que já vir. Concordo plenamente com tudo que esta explanado.
    Gostaria de agregar ou associar do excelente escrito, os seguintes pensamentos:
    Acredito que a forma da exposição de uma arma uma vez permitida sobre a vigilância das autoridades, estas jamais poderiam ser exposta as vistas, nem sequer o volume do porte. Por outro lado, caso venha ser permitido o porte, que a arma seja de pequena e pouca munição, talvez dois projeteis com capacidade de atingir um alvo em até no máximo 12 metros à neutraliza-lo.
    Na historia do mundo e atualmente as nações mais fortes sempre tiveram os maiores exercitos, portando maior poderio em armamento, desta maneira impondo mais respeito, com resultado favorecidos em todos os sentidos. Então o mundo certamente é regido pelo poder imposto, derivando as maneiras de respeito, prudência, liberdade de se estabelecerem.
    Então a pergunta é, porque os homens podem ser postos uns contra os outros de maneira desigual, causadora de humilhações de todas os tipos perversos, sem a capacidade legitima de se defenderem? Simplesmente devem engolir as humilhações mais absurdas, se calarem, se entregarem, serem despedaçados em seu meio e deixados com sua feridas incuráveis ao tempo/?????

  • Bruna DeLarge  25/07/2015 01:52
    Olá,
    Descobri recentemente esse site e adorei os textos e compartilho da maioria dos pensamentos.
    Porém, confesso que ainda não tenho opinião formada em relação ao desarmamento, acho um assunto bastante complicado e nunca procurei pesquisar profundamente.
    Apesar de ser leiga no assunto, tenho uma dúvida (pode parecer idiota), mas eu gostaria muito de saber a opinião das pessoas que são contra o desarmamento, o que elas acham da política dos EUA em relação as armas já que lá é fácil para qualquer um adquirir uma. O ponto que eu gostaria mesmo de saber é se dessa forma que acontece nos EUA está certa ou se tem algo que tem que ser melhorado. A primeiro momento, penso que não deveria ser totalmente liberado do jeito que é, mas também não concordo com a proibição, enfim... dúvidas de principiante que não conhece muito o assunto rsrs
  • Pobre Paulista  25/07/2015 02:58
    Ou você é a favor da total e irrestrita liberdade das pessoas fazerem o que querem de suas vidas - incluindo aí a liberdade de comprar e vender o que quiserem - ou você é contra isso. Não tem meio termo.
  • Bruna DeLarge  25/07/2015 18:58
    Então, Pobre Paulista, é justamente nesse ponto que eu fico com o pé atrás, não acho que seja uma simples questão de liberdade de ir e vir, de liberdade de compra e venda, não acho que tem que ser algo tão banal assim, acredito que as coisas não devem ser tratadas com dicotomia, como se só existissem dois lados, duas possibilidades, enfim, entre liberar e proibir tem muita coisa que precisa ser pensada... uma vez compararam a arma de fogo com uma faca, porque todos podem comprar uma faca que também pode matar, mas nem todos podem comprar uma arma ou nem podem comprar uma arma de fogo (no caso do Brasil)... eu não acho que uma faca deve ser comparada a uma arma, mas essa não é a questão. A questão é que especificamente nos EUA, eu acho que a forma que é tratada a questão das armas de fogo é muito banal, como se fosse apenas uma questão de liberdade individual, e sabemos que não é apenas isso. Acho que a total liberação sem visar o mínimo de responsabilidade de quem compra é querer relativizar as tragédias que não são de hoje que acontece nos EUA e que são contínuas. No final das contas, o que eu queria expor é que existem países onde as armas de fogos são liberadas e não acontecem um terço das tragédias que acontecem quase que diariamente nos EUA, então onde está o problema? Porque de fato existe um problema que só cresce nos EUA e acho que não podemos isentar a compra discriminada de armas dessa história...
  • Ali Baba  26/07/2015 04:00
    @Bruna DeLarge 25/07/2015 18:58:37

    Em primeiro lugar, bem vinda ao site. Pronta pra tomar a pilula vermelha?

    Qto a sua pergunta, perceba q o Pobre Paulista resumiu muito bem. Ou você é a favor da liberdade ou você é contra. Ao contrario do q vc (ainda) pensa, não existe meio-termo. Qqer concessão ao meio-termo acaba com a liberdade de fato no longo prazo.

    Veja q as armas não matam. Quem mata é quem a empunha. A arma é tao inerte quanto um carro ou uma faca. Ambos podem matar tanto quanto uma arma. Pq parar na proibição às armas? Pq nao proibir os carros? Percebe?

    Algumas pessoas argumentam: mas a arma tem a finalidade primeira de matar, enquanto um carro ou uma faca não. Mas isso é falacioso. Como pode ser lido nesse texto, a finalidade primeira da arma é a defesa. Ela é como um seguro: você compra para não usar. Evidentemente o argumento dos opositores não se sustenta.

    Mas calma... Você chegou agora e o tema é polêmico. Se você é a favor da liberdade, em breve vai se dar conta, por si mesma, que portar armas é um direito natural que deriva do direito a autodefesa, que, por sua vez, deriva do direito a liberdade. E se, no final das contas, você não gostar de armas, é simples: não as tenha!
  • Lucas Braga  26/07/2015 09:14
    Bruna, não há "compra discriminada de armas nos EUA". Pelo contrário, as cidades com maiores taxas de homicídio do país são governadas por democratas, todos desarmamentistas.

    A grande tragédia dos EUA é o desarmamento deliberado das pessoas inocentes. Para resumir de forma simples: quando a presa está armada, o predador dorme com fome.
  • anônimo  26/07/2015 13:22
    Você está misturando duas coisas diferentes.
    Sim, os EUA tem uma sociedade disfuncional e frequentemente entra um doido em colégio, cinema ou igreja atirando em todo mundo, mas a culpa disso está longe de ser o porte de armas.
    Veja esse último maluco por ex, uma tonelada de coisas que ninguém comenta:
    https://www.youtube.com/watch?v=fELRvpvtifU

    A sociedade americana vem sendo corroída por dentro há décadas pelo marxismo cultural, a sociedade desequilibrada de hoje é apenas um produto disso, e um produto bem conveniente porque prepara o terreno pra que os esquerdistas de lá possam falar:'mas X é um absurdo! Logo, o governo tem que fazer algo!'
  • Magnum  26/07/2015 15:06
    Outra coisa que absolutamente ninguém comenta: todos -- absolutamente todos, sem exceção! -- esses malucos que saem dando tiros em público estão sob o efeito de fortes remédios que foram autorizados pela FDA (a ANVISA americana).

    Ou seja, todos eles estavam sob o efeito de remédios que o próprio governo determinou serem perfeitamente eficazes. Estranhamente, ninguém vem a público condenar o governo e dizer que tal acontecimento configura uma explícita falha de governo.

    Por que o governo sempre tem um passe livre? Por que preferem culpar um simples objeto inanimado em vez de apontarem o dedo para a instituição que realmente criou o maluco?
  • Pobre Paulista  26/07/2015 14:25
    Bruna, não é uma dicotomia. Ou as pessoas podem comprar ou que querem ou elas não podem, pois qualquer "regulamentação" significa que elas "não podem comprar o que querem".

    Não existe meia liberdade, nem 99.9% de liberdade.
  • Bruna DeLarge  27/07/2015 02:51
    É sempre bom um debate saudável em que as opiniões façam outros refletirem... enfim, acho que o Brasil com a sua política desarmamentista não é um exemplo a ser seguido jamais, mas pelo menos para mim, ainda tenho muito que pensar a respeito desse assunto. Obrigada e até um próximo debate! rs
  • 4lex5andro  07/02/2017 13:18
    Não ter armas é luxo de poucos países como o Japão. Enquanto isso Canadá, Suíça e até os Estados Unidos (comparado com o Brasil) permitem porte de armas e são territórios pacíficos.
  • 4lex5andro  07/02/2017 13:23
    Bom link com informações pra enriquecer este tópico: www.swissinfo.ch/por/multimedia/os-su%C3%AD%C3%A7os-e-suas-armas/29206832
  • Emerson Luis  14/10/2015 12:07

    Na Venezuela houve desarmamento, não houve?

    * * *
  • Ronaldo  14/10/2015 16:44
    Sim.
  • brunoalex4  18/11/2015 12:49
    Toda vez que entro em discussão com algum desarmamentista "saco" logo os argumentos utilizados nesse texto.
  • Gabriel  06/02/2017 23:30
    O meu estado (Espírito Santo) está sendo, em tempo real, a prova mais visível de que o desarmamento da população civil - ao contrário do senso comum - não evita a barbárie, apenas a fomenta.
  • Iago  06/02/2017 23:32
    "O fato de que uma arma de fogo facilita o uso de força letal é algo que funciona unicamente em prol da vítima mais fraca, e não em prol do agressor mais forte. O agressor mais forte não precisa de uma arma de fogo para aniquilar sua vítima mais fraca. Já a vítima mais fraca precisa de uma arma de fogo para sobrepujar seu agressor mais forte. Se ambos estiverem armados, então estão em pé de igualdade.

    Desarmamentistas, na prática, querem que os mais fortes, os mais agressivos e os mais fisicamente capacitados se tornem os seres dominantes em uma sociedade -- e isso é exatamente o oposto de como funciona uma sociedade civilizada. Um bandido, mesmo um bandido armado, só terá uma vida bem-sucedida caso viva em uma sociedade na qual o estado, ao desarmar os cidadãos pacíficos, concedeu a ele o monopólio da força."

    Colocação fantástica. Eu nunca tinha pensado dessa maneira.
  • Insurgente  16/04/2018 12:37
    Na verdade, desarmamentistas pensam, a priori, no sentimento que vão causar nos familiares do possível ferido. Todo o restante é esquecido. É emoção pura, 0 razão!

  • Marcos Rocha  06/02/2017 23:34
    "Armas não trazem segurança. Quando invadirem sua casa, tenha em mãos um livro de sociologia".

    Vi esse meme e achei sensacional.
  • Rafael Bortoli Debarba  07/02/2017 12:29
    Bom texto!
  • Kaio Lacerda da Silva  07/02/2017 16:05
    O texto não fala sobre a corrupção das pessoas, mas só a partir da ótica do cidadão de bem. O que me garante que um portador de arma (por mais frágil que seja fisicamente) não usará isso para ameaçar os outros? Pode até ter análise psicológica mas isso não garante algo deste tipo aconteça pois sendo assim não teríamos policiais corruptos.

    Há também a questão do treinamento pois se até os policiais que tem preparação matam inocentes involuntariamente, imagina cidadãos comuns? O que a sociedade menos precisa é que todo mundo saia dando tiros imprudentemente por aí.

    O texto falou também sobre equilíbrio de conflito entre a vítima e o agressor que é até interessante eu admito, no entanto a parte da letalidade me deixou em dúvida. Quando rebateu o argumento contra o porte de armas de que brigas que resultariam em alguns machucados passariam a ter mortes, falou que o mais fraco sempre perderá e sobre outras meios de provocar a letalidade.
    Sobre o primeiro argumento, se o mais fraco for agressor, não há problema algum dele sair ferido. Já se o mais fraco for a vítima, então seria preferível o agressor morto do que a vítima ferida? Fiquei imaginando um corno furioso querendo meter a porrada no amante de sua esposa tomar um tiro e morrer. Ou seja, morreu só porque se descontrolou emocionalmente. O ideal é que isso vire caso de polícia porque numa sociedade minarquista situações como essas seriam bastante incomuns já que o estado deixaria de oferecer outros serviços públicos e se concentraria mais em manter a segurança tornando assim o policiamento mais eficiente, dispensando o uso de arma da vítima.
    Sobre o segundo argumento, por mais que tenha outros meios letais existe o fator grau de letalidade. Uma pistola causa mais danos que uma faca (porque ainda dá pra se defender da facada se uma pessoa por exemplo usar uma mochila para se escapar do golpe), assim como uma bomba e uma bazuca causam mais danos que a pistola. Agora vão sugerir que as pessoas andem com granadas para se defender de um grupo de agressores que se aproximam?

    Mas não vou bancar o esquerdista em só criticar e não apresentar soluções, que no caso seria o melhoramento do policiamento. Por mais que os polícias se corrompam e sejam despreparados, ainda sim as armas nas mãos deles é menos pior do que nas mãos de qualquer um que passou por uma "análise psicológica".
  • Kersey  07/02/2017 17:42
    "O que me garante que um portador de arma (por mais frágil que seja fisicamente) não usará isso para ameaçar os outros?"

    O fato de que os outros também estarão armados.

    Mas eu também sei jogar o seu jogo:

    O que me garante que um motorista com carteira não irá jogar seu carro sobre os pedestres e fugir?

    O que me garante que, ao passar embaixo de uma janela de um prédio, um morador não irá jogar um copo de vidro sobre minha cabeça?

    O que me garante que, ao almoçar em um restaurante, outra pessoa não irá pegar uma faca e me atacar?

    Como você resolve tudo isso?

    "Pode até ter análise psicológica mas isso não garante algo deste tipo aconteça pois sendo assim não teríamos policiais corruptos."

    Oi?! E quem aqui está defendendo que o estado ministre análises psicológicas nas pessoas?

    Aliás, quem aqui está defendendo essa raça de funcionários públicos chamados "policiais", que são justamente os parasitas que impingem o desarmamento dos cidadãos de bem?

    Sim, políticos aprovam as leis, mas quem as impingem e executam são os policiais. É exatamente a polícia quem de fato proíbe a população de ter uma arma. Ao inferno com eles.

    "Há também a questão do treinamento pois se até os policiais que tem preparação matam inocentes involuntariamente, imagina cidadãos comuns?"

    E desde quando funcionários públicos com estabilidade no emprego e praticamente imunes a punições são parâmetro ou modelo para algo? Se muito, eles são exatamente o oposto a ser seguido.

    "O que a sociedade menos precisa é que todo mundo saia dando tiros imprudentemente por aí."

    Ah, sim, pois é exatamente isso o que o artigo defende, né?

    Puta que o pariu, é cada imbecil que vem aqui dizer ao mundo o que pensa...

    Depois destes dois primeiros parágrafos, nem tive estômago para ler o resto. Se alguém quiser que o faça.
  • Marcos  17/04/2018 13:30
    Pois é... resumindo......... nos próximos parágrafos foi defendido que a solução é mais polícia, pois arma na mão de policial (que pode ser até corrupto) ainda é melhor do que na mão de alguém que passou num teste psicológico...................................................... genial, né?
  • Olavo de Carvalho  07/02/2017 18:34
    Se o cidadão não pode ter armas para se proteger mas, se tiver dinheiro, pode contratar seguranças armados para protegê-lo, a conseqüência mais óbvia e inevitável é que SÓ OS RICOS TÊM DIREITO À PROTEÇÃO ARMADA.

    Desarmamento civil é isso e nada mais.
  • Vinicius  07/02/2017 18:53
    Exagero, mantenho minha quadrada raspada sempre em ótima forma, se precisar usar, usarei, prefiro ser algemado a ser carregado.
  • Joaquim Saad  08/02/2017 00:08
    Sou favorável ao ctrl de armas.

    ps: por isso que sempre as empunho c/ ambas as mãos !
  • Wasabi  25/07/2017 17:11
    Se fossemos um país com uma ótima distribuição de renda e educação Ok.
    Mas com quase 14 milhões de desempregados e quase 60 mil vítimas fatais por ano, sem mencionar os feridos.

    É mais provável que isto vire a África.


  • Afrânio   25/07/2017 21:54
    Ué, e como você explica os 60 mil homicídios exatamente em um cenário em que a compra legal de armas é proibida?! Era para ser zero.

    Como disse um amigo meu: "Tirando a nossa total incapacidade de correlacionar causa e consequência, tudo vai bem no Brasil."
  • Sandro Moreira Mattar  14/04/2018 10:44
    Gostei muito do artigo, mas com relação à afirmação" A arma não limita em nada as ações daqueles que querem interagir comigo por meio de argumentos", tenho minhas dúvidas. Talvez se as duas partes estiverem armadas isso seja possível, entretanto se uma delas estiver desarmada poderá ficar com medo de apresentar seus argumentos, mesmo que eles estejam certos. Sou favorável a que todo cidadão possa ter uma arma para se defender, mas na prática imagino que uma sociedade em que todos tenham uma arma na cintura seja uma situação um tanto quanto surreal.
  • Paul Kersey  14/04/2018 11:21
    "entretanto se uma delas estiver desarmada poderá ficar com medo de apresentar seus argumentos"

    Sem sentido. Digo apenas o seguinte: não tenha medo.

    Eu só ando na rua com um .32 no meu bolso. Jamais pensei em usá-lo contra qualquer um que viesse argumentar comigo civilizadamente. Aliás, sinceramente, nunca vi e nem ouvi falar de alguém que atirou em outro porque estavam debatendo civilizadamente.

    Isso, sinceramente, é espantalho.
  • Jalin Habbey  14/04/2018 17:51
    vcs so podem estar de brincadeira. Permitir arma na mao do cidadao brasileiro é a receita pra trajedias rotineiras. O sujeito só é a favor do armamento até alguem da familia dele ser morto em uma discussão de transito banal.
  • Rod  14/04/2018 21:34
    Alguns pontos sobre esse assunto que gostaria de comentar:

    1- Tenho um amigo que envolveu-se numa briga de trânsito, o outro motorista parou o carro, pegou uma barra de aço e partiu para cima. Meu amigo apenas mostrou a arma de fogo no coldre e o ofensor virou um cordeirinho e foi embora. Daqui tiro 2 conclusões, a primeira é que o porte de arma para fins defensivos até pode levar a um tiroteio ou morte, mas suponho que a larga maioria dos casos em que a arma é usada defensivamente, não é necessário nem mesmo sacá-la ou dispará-la. Em segundo, todos esses casos em que a situação foi resolvida sem alarde não geram estatística a favor das armas. Ainda, não fosse o porte de arma de meu amigo, ele poderia ter saído ferido ou até talvez morto, e essa estatística seria excluída de uma comparação de taxa de homicídio por armas de fogo. Fica a crítica às comparações estatísticas que escondem o uso da arma sem disparo ou sem empunhá-la e que descartam a violência sem arma de fogo envolvida.

    2- Um outro amigo que eventualmente porta arma e é esquentado me disse numa oportunidade que, quando está portando, fica muito mais "na dele", portanto menos propenso a entrar numa briga por besteira. Suponho que o porte traz consigo um senso de responsabilidade que também é beneficial ao convívio social. Este é um argumento que não lembro de ter visto em lugar algum, mas entendo que ele possa ser contraditório.

    3- Uma questão filosófica, um indivíduo que tenha cumprido pena por assalto a mão armada, uma vez solto, poderia comprar uma arma? Conservadores certamente dirão que ele não tem esse direito, mas o que os liberais dizem?

    Sds
  • Paul Kersey  14/04/2018 22:38
    É isso aí. Você foi direto ao ponto: armas apaziguam os esquentadinhos e, de quebra, fazem com que o armado fique muito mais na dele (palavras aqui de um portador).

    Outra coisa: existe coisa mais estúpida e inútil do que briga de trânsito? O fato de o cara saber que o outro pode estar armado certamente irá diminuir em muito as imbecilidades no trânsito. Como diz o ditado americano, "Cercas criam bons vizinhos". E armas criam civilidade.

    Quanto a ex-criminosos, particularmente sou contra. Quem comete crime perdeu seus direitos naturais.
  • Leandro C  12/06/2018 12:08
    Pois é, sou da opinião que é um eventual mal uso da arma que deve suprimir o direito ao uso dela, tal qual o mal uso do veículo faz perder o direito à sua condução.
    Há inúmeras figuras típicas no universo penal, o que, por si só, já é um absurdo, então algumas figuras estão associados a uma eventual utilização de arma, outras não; a condenação por crime de sonegação de impostos, por exemplo, poderia trazer efeitos sobre o porte de arma? tenho que não, pois são completamente distintos; agora, no exemplo proposto, praticou assalto a mão armada, então tenho que isto é diferente; nosso direito só vai até onde começa o direito do próximo, usou do direito para roubar, então fica sem o direito, atualmente já é assim, em tese, o condenado fica sem liberdade.
  • Andre Padua  15/04/2018 02:51
    Plágio horrível. Falta total de civilidade roubar a ideia alheia. Anula qualquer posição tomada pelo autor.

    theconservativetreehouse.com/2011/05/21/the-gun-is-civilization-by-maj-l-caudill-usmc-ret/
  • Justiceiro  15/04/2018 11:51
    Errado. O autor original é exatamente este que foi creditado:

    munchkinwrangler.wordpress.com/2007/03/23/why-the-gun-is-civilization/

    (O autor discute com alguns comentaristas sobre ter sido plagiado na própria seção de comentários do artigo).

    Eis um verbete sobre ele na Wikipédia:

    en.wikipedia.org/wiki/Marko_Kloos

    Já esse Major que você citou copiou o texto, mandou para uma lista de e-mails e começou a ganhar o crédito pelo artigo.

    Veja os comentários que surgiram quando creditaram esse texto a esse tal Major Caudill.

    www.reddit.com/r/guns/comments/1pey7d/the_gun_is_civilization_by_maj_l_caudill_usmc_ret/

    Tenha mais cuidado antes de sair fazendo acusações.
  • Andre Padua  15/04/2018 15:05
    Obrigado pela correção.
  • Eduardo  15/04/2018 11:53
    - Por que você quer carregar uma arma?

    - Porque eu não posso carregar um policial.
  • Tarantino  15/04/2018 20:38
    Sou 100% favorável ao porte de armas de fogo, mas por outro lado, a população tem de estar preparada para tal, e não sei exatamente se é o caso do Brasil. Em países ditos civilizados, tais como a Alemanha, país de origem do autor, seus argumentos são totalmente válidos, pois o nível de cultura, até mesmo em relação às armas, e a educação, são muito superiores à do Brasil.
    No caso brasileiro, creio eu que o fator humano na equação tem um peso diferente daquele adotado em outros países. Infelizmente, a maioria dos nascidos aqui têm desde criança uma educação na qual impera a Lei de Gérson, e neste tipo de educação, o respeito à propriedade alheia e às própria pessoas não é exatamente uma prioridade...
  • Paul Kersey  15/04/2018 22:04
    Esse tipo de comentário, além de ser elitista, é totalmente vira-lata. Essa tese de que as coisas não funcionariam no Brasil "por causa do brasileiro" é vira-latice em estado puro.

    Aliás, é o mesmíssimo argumento utilizado pela esquerda contra o livre mercado: "não funcionaria no Brasil por causa de nossas características intrínsecas".

    Ora, quem fizer besteira com armas será punido de acordo. Qual o problema? Eu, quando estou armado na rua, adoto uma postura completamente avessa a problemas.

    E por dois motivos: 1) Se eu me envolver em encrenca e atirar em alguém, serei preso. 2) Se um grupo resolver me atacar fisicamente, há o risco de descobrirem minha arma e a usarem contra mim.

    Resumo: quem está armado quer se manter totalmente longe de confusão. Exatamente o contrário da sua tese.
  • Insurgente  16/04/2018 12:52
    Ainda não tenho arma, pois estou avessa a comprar no mercado informal. Houve muitas mortes e há alguns adolescentes criminalizados carregando pistolas, no bairro onde moro trazendo terror a ele. Me sinto inclinada a fazer uso de uma arma para defesa pessoal e familiar. Meu filho adquiriu síndrome do pânico devido a violência instaurada.

    Poderia informar qual a melhor forma de adquirir hoje uma boa arma?
  • Paul Kersey  16/04/2018 13:29
    Você pode, se tiver muita paciência, ir pelas vias legais.

    Você tem de se matricular em um Clube de Tiro (procure, na internet, algum próximo da sua região; ou então, melhor ainda, procure aquele mais conceituado, e que também esteja relativamente próximo de você), fazer o curso, fazer o psicotécnico, pagar uma montanha de taxas, ser inspecionada pela Polícia Federal, responder questionários, ser entrevistada, fazer uma prova, e lidar com mais uma montanha de carimbos e despachantes. Com muita sorte -- mas com muita sorte mesmo -- você estará autorizada a comprar um .38 (e alguns cartuchos) dali a um ano.

    Ou então você pode ir ao mercado paralelo. Não sei em qual cidade você mora, mas é arriscado. Como eu moro no interior, cidade pequena, é bem mais fácil você conhecer um advogado com boas conexões ou mesmo um policial aposentado que pode lhe suprir com armas e munição. Na cidade grande, é mais perigoso, pois você pode cair numa emboscada.

    Entretanto, se você conseguir informações sobre isso com alguém realmente de confiança, creio que não será um grande problema.

    Desejo-lhe muito boa sorte e, acima de tudo, mantenha-se viva e segura.
  • Capixaba Capitalista  16/04/2018 10:13
    É justamente nos lugares onde "o respeito à propriedade alheia e às própria pessoas não é exatamente uma prioridade"que mais se precisa da liberação do porte de armas de fogo.
    Para haver real respeito à propriedade privada, é necessário uma população armada.


  • Luiz Moran  16/04/2018 09:34
    Veja uma lista de DESARMAMENTISTAS famosos e diga você mesmo o que eles tem em comum:
    - Lênin
    - Stalin
    - Hitler
    - Mussolini
    - Getúlio Vargas
    - Mao Tse Tung
    - Pol Pot
    - Fidel Castro
    - Putin
    - Erdogan
    - Ahmadinejad
    - Hugo Chavez
    - Maduro
    - Hussein Obama
    - Xi Jinping
    - FHC
    - Lula
    - Dilma
    - Gordinho coreano.
  • Revoltado  16/01/2019 19:41
    Luiz Moran,

    Vamos dar uma dica aos adivinhantes: temos maçãs e melancias na lista! (risos)
  • JAILTON NOVAIS  16/04/2018 13:49
    MINHA OPINIÃO NO PRIMEIRO TEXTO

    A arma de fogo torna o mais fraco fisicamente mais forte que o seu agressor, fato. Porém desde que o mais fraco fisicamente tenha habilidade para usar tal arma antes de ser dominado e agredido. Desde que o mais fraco tenha a inteligência e auto domínio para usar a arma apenas diante de uma injusta agressão.

    Por fim a arma não inibe quem está disposto a agredir, sabendo o criminoso que pessoas não criminosas estão armadas, não irão simplesmente render essas pessoas usarão o fator surpresa e já chegarão atirando para anunciar depois.

    As armas só torna o mais fraco mais forte se o outro também não estiver armado. Em uma briga de trânsito, se os dois cidadão estiverem armados? Numa briga feia de casal, se os dois estiverem armados? Uma briga em família com pessoas alcoolizadas?

    Segurança de carros fortes, vigias de banco e empresas estão sendo rendidos e tendo suas armas roubadas, casas de policiais são furtadas em busca de armas. imagine o cidadão comum.

    Por fim o instrumento que mais simboliza a barbárie desde a espada até a evolução à pólvora não pode ser considerada retrato de civilização, afinal não é o Faroeste mais civilizado que o Texas atual, a Líbia e Síria é menos civilizada agora que está guerra civil, o mundo é menos civilizado quando está em guerra. SER CIVILIZADO NÃO É SE IMPOR COM ARMAS, MAS COM ARGUMENTOS, e a arma não força ninguém a conversar, pelo contrário força ao confronto direto.
  • Amante da Lógica  16/04/2018 15:05

    "A arma de fogo torna o mais fraco fisicamente mais forte que o seu agressor, fato. Porém desde que o mais fraco fisicamente tenha habilidade para usar tal arma antes de ser dominado e agredido."

    Óbvio.

    "Desde que o mais fraco tenha a inteligência e auto domínio para usar a arma apenas diante de uma injusta agressão."

    Imaterial. Estando o mais fraco portando uma arma, o mais forte já estará automaticamente dissuadido de qualquer agressão, justa ou injusta.

    "arma não inibe quem está disposto a agredir"

    Tal afirmação é meramente achismo. Não há nenhuma pesquisa científica concluindo isso. Não há nenhum conjunto de dados abrangentes que mostrem que "o criminoso decidiu atacar a vítima após saber que ela estava armada".

    Ataques a policiais e a carros-fortes entram em uma categoria completamente distinta: estes não são ataques a um cidadão comum, mas sim ataques planejados por quadrilhas altamente especializados nesta própria atividade.

    Cabe a você argumentar que se os policiais estivessem desarmados ou o carro-forte não possuísse segurança armada a situação deles seria melhor.

    "sabendo o criminoso que pessoas não criminosas estão armadas, não irão simplesmente render essas pessoas usarão o fator surpresa e já chegarão atirando para anunciar depois."

    Cenário completamente fictício (e ignaro). Se o bandido "chegar atirando antes e rendendo depois" ele irá chamar uma desnecessária atenção para si próprio. Estando as outras pessoas à volta armadas, a chance desse cara escapar ileso é nula.

    Há um motivo de bandidos optarem pela rendição e não simplesmente pelo tiro: um disparo é algo extremamente barulhento e chamativo. Se o cara chegar atirando para só depois tomar a carteira e o celular, ele chamará a atenção de todos à sua volta, dando tempo para qualquer contra-reação.

    Bandidos não são tão burros quanto você quer fazer parecer.

    "As armas só torna [sic] o mais fraco mais forte se o outro também não estiver armado. Em uma briga de trânsito, se os dois cidadão [sic] estiverem armados? Numa briga feia de casal, se os dois estiverem armados? Uma briga em família com pessoas alcoolizadas?"

    Se os dois estiverem armados, aí tudo fica exatamente igual. E o próprio artigo salientou isso. esta escrito lá:

    'O fato de que uma arma de fogo facilita o uso de força letal é algo que funciona unicamente em prol da vítima mais fraca, e não em prol do agressor mais forte. O agressor mais forte não precisa de uma arma de fogo para aniquilar sua vítima mais fraca. Já a vítima mais fraca precisa de uma arma de fogo para sobrepujar seu agressor mais forte. Se ambos estiverem armados, então estão em pé de igualdade.'

    Agora, resta a você dizer que, estando os dois armados, ambos estarão mais propensos à violência. Isso é um total contra-senso, e é um delírio criado apenas por teóricos que nunca nem seguraram uma arma.

    Quando eu sei que a outra pessoa também está armada, a minha tendência é de ficar muito mais quieto, muito mais "na minha", pois sei que, se eu sacar a arma, o outro também irá sacar. E aí duas coisas poderão acontecer: ou eu serei morto, ou eu matarei e irei preso. Não há terceira hipótese. E nenhuma dessas duas me agrada.

    Já se ambos os lados estiverem desarmados, o mais forte sempre irá prevalecer.

    "Segurança de carros fortes, vigias de banco e empresas estão sendo rendidos e tendo suas armas roubadas, casas de policiais são furtadas em busca de armas. imagine o cidadão comum."

    Já abordado lá em cima. Você pega ações de quadrilhas especializadas exatamente neste tipo de ação (roubo a bancos, a carros-fortes, ataques a policiais etc.) e diz que isso ocorrerá também para cidadãos comuns. Ora, se nem hoje isso ocorre, por que começará a ocorrer quando o cidadão comum estiver capacitado para oferecer resistência? Sua lógica é reversa.

    "Por fim o instrumento que mais simboliza a barbárie desde a espada até a evolução à pólvora não pode ser considerada retrato de civilização, afinal não é o Faroeste mais civilizado que o Texas atual"

    Duh! E onde você acha que havia mais armas: em 1872 ou hoje?!

    Você simplesmente acabou de comprovar a tese que você queria refutar.

    P.S.: ah, sim, se você é daqueles que acreditam que o Velho Oeste era selvagem -- porque acredita em tudo que é produzido em Hollywood -- tenho notícias para você: O anárquico Velho Oeste não era nada selvagem

    "a Líbia e Síria é menos civilizada agora que está guerra civil, o mundo é menos civilizado quando está em guerra."

    What the Fuck?! Isso são guerras feitas por governos! São governos que bombardeiam e lançam mísseis em outros países, e não cidadãos comuns com revólveres e pistolas!

    Cacete, isso é o cúmulo da desonestidade intelectual: pegar ações feitas por políticos e burocratas, que utilizam armas de destruição em massa encomendada sob demanda por governos, e dizer que tal barbárie decorre de pessoas comuns terem revólveres, pistolas e espingardas.

    Nível petista de desonestidade.

    "SER CIVILIZADO NÃO É SE IMPOR COM ARMAS, MAS COM ARGUMENTOS, e a arma não força ninguém a conversar, pelo contrário força ao confronto direto."

    Concluiu em nível fecal seu "encadeamento" de idéias. Já que pessoas sabidamente armadas tendem ao confronto direto, então Suíça e Wyoming (as duas regiões mais armadas do planeta) devem ter chacinas e diárias, né?

    É cada coitado sem o mais elementar domínio da lógica básica que despenca por aqui...
  • Insurgente  17/04/2018 11:52
    Parabéns pela refutação!
  • Edson  17/04/2018 12:41
    O Amante da Lógica realmente destruiu.
  • Jarbas Profeta  16/04/2018 18:06
    Continuamos como patinhos na lagoa.

    Só vejo um militante solitário que chama atenção nesse assunto, o Bene Barbosa.

    Não temos mesmo nenhuma perspectiva para reverter esse estatuto?
  • Anônimo  18/04/2018 19:38
    Às vezes, o uso da força não necessariamente vem da ideia de querer algo em troca- as brigas estão ai para mostrar isso. Quando há uma briga, por exemplo, ela, normalmente, ocorreu pois alguém não suportou algo e resolveu descontar com a agressão, "o sangue da pessoa subiu", ela não pensou "vou dar somente socos, pois será menos letal", ela só quer agredir- e é ai que está o problema. Já pensou se o uso da arma de fogo é liberado e "o sangue de alguém sobe"? Ela não vai nem pensar em bater no outro, já que ela quer, de qualquer maneira, causar dano à outrem, causará direito. Portanto, as brigas corriqueiras podem sim se transformar em tiroteios facilmente.
  • Antônimo  18/04/2018 20:38
    "Já pensou se o uso da arma de fogo é liberado e "o sangue de alguém sobe"? Ela não vai nem pensar em bater no outro, já que ela quer, de qualquer maneira, causar dano à outrem, causará direito. Portanto, as brigas corriqueiras podem sim se transformar em tiroteios facilmente."

    De novo isso? Se um esquentadinho deixar "o sangue subir" e sacar uma arma, ele não será terá de lidar com a arma da potencial vítima, como também terá de lidar com as armas de todos os outros cidadãos à sua volta. As chances de ele se dar bem são abaixo de zero.

    Aliás, as chances de isso ocorrer são nulas. Prova disso que é que você não encontra uma notícia de brigas de bar em regiões extremamente armadas (como Suíça e Wyoming) que foram resolvidas na bala.

    Esse argumento de "ai, em uma briga vai haver chacina" é tão tosco que é incrível que ainda seja levado a sério. Eu mesmo nem tenho opinião formada sobre essa questão de liberar geral o porte de armas, mas esse argumento da "briga" não só é extremamente fraco, como nem sequer faz o mínimo sentido.
  • anônimo  20/04/2018 21:52
    Ótimo!parabéns
  • Emerson Luis  01/05/2018 11:38

    Duas razões pelas quais americanos são mais educados (gentis) entre si do que os brasileiros:

    (1) O americano acredita que o outro é livre e tem os mesmos direitos fundamentais que ele, tendo assim que ser persuadido e não coagido.

    Já o brasileiro (em geral) sempre se considera intrinsecamente superior ou inferior ao outro como ser humano;

    (2) O americano nunca tem certeza de que o outro está desarmado, então é melhor ser diplomático.

    Já o brasileiro quase sempre tem certeza de que o outro está desarmado...

    ___________________________


    Por que o povo tinha tanto medo do Lampião?
    Porque Getúlio Vargas desarmou a população.

    Algumas pessoas podem usar mal as armas? Se é assim, então você também não pode ter carro.

    * * *
  • Geraldo  30/08/2018 14:45
    Oi, tudo bem?

    Assim como vocês, sou contra o desarmamento civil. Só que, ao mesmo tempo, acredito que não é todo mundo que pode ter uma arma. Desequilibrados mentais, como aqueles que promovem chacinas em escolas nos EUA, e pessoas com ficha criminal, por exemplo, não devem ter armas, pois estas, na mão dessas pessoas, podem levar vários inocentes à morte.

    Sendo assim, algum controle tem que existir (claro, não como o que temos no Brasil, onde é quase impossível ter arma legalmente): exigir exame psicológico e atestado de bons antecedentes já seria suficiente.
  • Thomaz  25/09/2018 11:39
    O que vejo é! São pessoas contraditórias ao seu próprio argumento. Pessoa que se denomina ser algo, mas não é. Sim, como as coisas estão no Brasil, eu apoio o porte de arma, ainda, temos leis sobre porte de arma. Não pode ter problemas psicológicos, tem que ter pelo menos 21 anos de idade, morar em locais perigosos, ser ameaçado de morte, não possuir ficha na policia por ilegalidades, em si parece o suficiente, né?! Mas, vemos traficantes e bandidos com fuzis, lança foguetes, metralhadoras, granadas e entre outros. Vocês acham que não devíamos nos proteger?! Isso é certo? Fala serio! Oras! Por isso que Estados Unidos é um pais bom, lá os cidadãos tem direito de defesa. Lá não possui um índice de violência alto, só nas cidades que não possui armas ou Estados. Pois, cada Estado no EUA possui leis diferentes uma das outras, só a lei Federal que é para todo EUA (Estados Unidos da America). EUA é muita prática em relação a leis, já o Brasil é uma vergonha!
  • Valnei  27/12/2018 18:27
    A questão não é tão simples quanto relatada no texto. Nao é apenas um caso de igualar as forças entre mocinho e bandido. Armar o "cidadão de bem" mostra a incompetência e a falência do Estado em impedir que as armas cheguem até os bandidos. E essa deveria ser a discussão: como impedir que bandidos estejam armados até os dentes.

    Armando a população, o Estado está automaticamente assinando um atestado de incompetência. Ele está dizendo: cidadão de bem, eu não sou capaz de impedir que armas cheguem até os bandidos. Ele está nos passando a responsabilidade de nos defender, mesmo pagando altos impostos que vão para a segurança.

    A prova disso é que vc não vê nenhum político a favor do porte de armas falar da incapacidade do Estado de impedir que as armas cheguem até o bandido, e nem o cidadão o cobra pois sabe o quanto os políticos brasileiros são incompetentes.

    Além disso, muitos políticos da bancada da bala são financiados pela Taurus, empresa Brasileira que tem o monopólio na venda de armas de pequeno calibre no Brasil. Então, essa lei do porte de armas TB passa por interesses econômicos de fabricantes, mesmo que a população se mate tentando se defender.

    Mas é natural que muitos queiram se armar. Não está fácil se defender de tantos bandidos.
  • Kersey  27/12/2018 18:31
    Sim, você está certo. Trata-se de um atestado de incompetência assumida do estado. Mas você quer colocar sua família sob a proteção deste ente assumidamente fracassado?

    Eis a lógica direta: o governo proibir o porte de armas é imoral, pois se trata de uma medida que clara e diretamente viola nosso direito à auto-defesa. E é assim porque o governo claramente não cumpre — e nem tem como cumprir, pois é fisicamente impossível — sua auto-declarada obrigação de garantir a segurança de todo e qualquer indivíduo em todo e qualquer canto do país.

    Sendo assim, por definição, nós, na condição de indivíduos detentores do direito de defender nosso corpo e nossas posses contra agressores (estejam eles armados com armas de fogo, facas ou mesmo punhos cerrados), não podemos ter suprimido o nosso direito de portar armas em locais públicos.

    Por fim, uma palavra sobre a atitude de delegar à polícia (o aparato estatal de proteção) a sua segurança e a de sua família. Se você é incapaz de se proteger e é desejoso de ser protegido por terceiros, isso é um direito seu. Entretanto, tal postura é também imoral. Pois, se você próprio não quer defender a sua família, como você pode esperar que outro indivíduo arrisque a vida dele para defender a sua família em vez da dele?

    O governo proibir o porte de armas é, acima de tudo, um problema de ordem moral
  • Valnei  28/12/2018 00:33
    Como disse anteriormente, a questão vai muito além de mocinhos se defendendo de bandidos. Por mais que o cidadão de bem passe por treinamento para usar armas, além do teste psicológico, muitos, na hora da pressão da ocorrência perderão totalmente o bom senso, podendo ferir e matar pessoas inocentes.

    Policiais passam constantemente por treinamento físico e psicológico. O cidadão comum não passará por treinamento psicológico constante. Ele será apenas avaliado se ele tem condição psicologica ou não de portar arma. É aí que entra a polícia, a segurança pública.

    Ter uma arma não é garantia de segurança, pois uma coisa que todos esquecem é que o bandido trabalha com o fator surpresa. Se o bandido souber que vc tem uma arma em sua casa, ele simplesmente vai mudar o modus operandi mas não vai impedi-lo. Se ter uma arma fosse sinônimo de segurança, então não teríamos carros fortes explodidos, bancos roubados, casa de policiais invadidas por bandidos a procura de armas, assim como agentes penitenciários, etc, que estão sempre armados. Conheço várias pessoas que tem arma em casa, mas foram roubadas, rendidas, mortas ou estupradas.

    Já a questão da moralidade, se o estado se propôs a nós proteger (é lei) e nos cobra por isso através dos impostos, então é óbvio que eu espero que ele vá nos proteger. A diferença entre eu e o policial é que ele está preparado.

    Se o policial colocar sua vida em risco para nos proteger for imoral para mim, então é imoral que nós deixemos o funcionário que trabalha em manutenção de redes de alta tensão para levar energia até nossas casas, é imoral que o bombeiro arrisque sua vida para salvar a dos outros, é imoral que o agente penitenciário fique na vigília de presos, é imoral que os limpadores de janelas de prédios altos limpem as janelas dos apartamento, os próprios moradores deveriam se arriscar. É imoral deixarmos que agentes de saúde visitem áreas de risco de contaminação, coletores de resíduos recicláveis e não recicláveis, etc. São algumas profissões de alta periculosidade, onde pessoas colocam a vida em risco por nós. Segundo a sua lógica da imoralidade, cada cidadão deveria realizar estás tarefas.

    Não sou contra o cidadão ter armas, desde que ela fique restrita a sua residência, pq se ele a levar para a rua, a tragédia será grande. Pessoas vão morrer numa briga de trânsito, num hospital onde não houve atendimento por falta de médicos, num bar onde o cidadão não concorda com o valor da conta, o vizinho que vai levar um tiro pelo som alto, o professor universitário que será alvejado por um aluno por não concordar com a nota, etc. E eu apenas citei possíveis brigas entre "pessoas de bem" e não brigas entre "cidadãos de bem" e verdadeiros bandidos, onde TB pessoas inocentes podem morrer com uma bala perdida.

    Como disse no post anterior, se o estado fosse competente para impedir que armas entrassem no país e fossem para nas mãos de bandidos nós estaríamos mais seguros (isso claro, conjuntamente com outras políticas de segurança, educação, emprego, diminuição da desigualdade social, etc).

    Votei no Bolsonaro e votaria novamente, mas isso não quer dizer que tenho que concordar com tudo que ele propõe. Mas espero que se ele mudar o estatuto do desarmamento, que ele invista nos projetos que citei no parágrafo anterior.

    O que eu estou propondo não é a revogação ou não do estatuto do desarmamento, mas sim ampliar a discussão sobre outras propostas que nos levaria a viver numa sociedade mais segura. Se a discussão se pautar apenas no desarmamento, estamos fadados ao fracasso. Seu eu tiver que possuir uma arma para me "tornar mais forte", me impor diante dos outros, então um claro sinal que falhamos no respeito ao próximo, na educação, na justiça social, etc.

    Países que são considerados seguros, como Noruega, Suécia, Suiça não é pq seus cidadãos estão armados, mas sim pq tem menor desigualdade social, educação de qualidade, emprego, saúde, saneamento, etc e é claro, políticos que trabalham em prol do povo. Se acharmos que isso é uma utopia aqui no Brasil, bom aí seremos sempre esse país violento, com arma ou sem em nossas mãos.

    Grande abraço.

  • Vinicius  15/01/2019 19:27
    Pela sua lógica países igualmente desiguais, de educação péssima, mercado de trabalho marcado pela informalidade, saúde pública periclitante, quase sem saneamento, fraca infraestrutura geral e com políticos terríveis como nossos vizinhos Ecuador, Peru, Paraguay e Bolívia deveriam ter índices de violência iguais aos do Brasil, quando na realidade é o oposto, apresentam índices de homicídios que são uma fração do brasileiro e inclusive mais baixos que o do pacato Uruguay. Brasileiro é um povo que se odeia, mesmo que proíbam as facas, este povo violento e sem empatia pelo próximo saciará sua sede de sangue com colheres e saquinho de mercado se for preciso.
  • cmr  15/01/2019 22:27
    O Brasil é um país de gente degenerada moralmente e eticamente, com valores questionáveis.

    Quando eu fazia faculdade numa universidade do Rio de Janeiro, conheci um estudante bolsista de pós
    Graduação angolano, que dizia estar horrorizado com a falta de civilidade do povo brasileiro.

    "Achava que o povo brasileiro era mais amigável, menos prepotente, menos egoísta. Me parece que as pessoas aqui se acham superiores às outras, que nenhuma lei ou regra de convívio social se aplica a elas, que isso é para os outros." Disse ele.
  • Euber Castro de Menezes  15/01/2019 23:28
    Vinicius, não é bem assim não por vários motivos: 1º o Brasil não pode ser comparado com os outros países da América do Sul, devido o seu tamanho (mais de 60% do território da América do Sul, e isso complica na gestão de segurança pública aliada a impunidade. Só para se ter uma idéia: menos de 10 % dos crimes praticados no Brasil são apurados. E dos que são condenados, só passam 2 ou 3 anos presos, depois a Justiça libera. 2º A população brasileira é muito grande (mais de 221 milhões de pessoas), portanto mim perdoe em discordar de você, pois a violência no Brasil é fruto de um povo mal educado, leis fracas e fajutas que beneficiam os marginais e de políticos corruptos, não de cidadões de bem que usam a arma para se defender e defender sua família.
  • Vinicius  16/01/2019 13:32
    Euber, o índice de violência é medido em porcentual da população: assassinatos/100 mil habitantes, o tamanho da população não interfere na taxa de homicídios, se tamanho do país fosse fator decisivo para controle de violência Honduras e El Salvador deveriam ser paraísos e não o inferno que são, o país perfeitamente comparável ao Brasil no continente é a Colômbia, taxa de violência muito semelhante porque também são habitados por gente degenerada moralmente e eticamente, com valores questionáveis.

    Defendo a posse e o porte de armas pelo cidadão porque ao estado não lhe cabe regular direitos naturais, o país é violento porque o povo é violento, não importa se os tupiniquins sejam autorizados a comprarem mísseis ou sejam proibidos de possuírem facas, seguirão se matando por motivos banais com o que estiver na mão, é o determinismo do povo brasileiro ser violento.
  • Andre  16/01/2019 00:58
    "me impor diante dos outros, então um claro sinal que falhamos no respeito ao próximo, na educação, na justiça social, etc."

    Sim, o Brasil falhou como sociedade e está caminhando para que as pessoas falhem como indivíduos, colapsando moralmente, falhando na capacidade de solucionar problemas simples e procurando sua redenção no estado.

    Existem muitas cidades no Brasil onde a violência é quase inexistente, maioria pequena, pobre e nos interiores, onde existe coesão social, respeito e empatia com o próximo, mas infelizmente essas pequenas cidades não são capazes de reativar a cordialidade do brasileiro e estão sendo arrastadas para o abismo da imoralidade também.

    Gostaria de saber o que causou tamanho fracasso, além da resposta fácil de culpar esquerdismo, pois já nos anos 80 as grandes cidades brasileiras eram infernais para se viver e repleta de gente mal educada e sociopata.
  • Vinicius Eduardo Lucio Silva  15/01/2019 17:57
    Geralmente as pessoas argumentam "quando liberar as armas, um monte de gente irá morrer no trânsito", eu já digo que se um agressor enfurecido por causa de um acidente de transito querer matar uma outra pessoa, ele vai ter que lidar com outras pessoas igualmente armadas, que poderão "persuadir" o agressor a abaixar sua arma ou em caso extremo ser eliminado.
  • Bene Barbosa  15/01/2019 19:32
    Ponto para o Bolsonaro, mas não fez o trabalho completo. As exigências para ter uma arma ainda continuam muito "absurdas".

    A mais absurda, ou seja, autorização de um burocrata da Polícia, foi retirada, mas ainda não é o suficiente. Ele precisa entender que um cara com a fama dele não pode fazer reformas tímidas, precisa meter o pé na porta e mergulhar de cabeça no que seus seguidores acreditam.

    Deturparam completamente o que era previsto no projeto de lei do Peninha, é simplesmente triste. Pagaremos um preço caro se a criminalidade não diminuir em 4 anos, é capaz do desarmamento voltar ainda mais severo.
  • Thomas  15/01/2019 21:23
    Concordo. Achei o decreto completamente tímido. Na prática, não mudou quase nada.
  • Leigo  15/01/2019 22:56
    Só quem pode alterar a Lei 10.826/03 são parlamentares, o decreto só serve para regulamentar a lei. O Poder Executivo não tem competência para alterar a lei. O decreto foi tímido, pois deve respeitar a lei. O próximo passo é alguma proposta de lei, se não me engano, já tem uma para o porte em área rural.
  • Revoltado  16/01/2019 11:19
    O Bene Barbosa concorda plenamente contigo!
  • Um liberal  16/01/2019 11:36
    "Achei o decreto completamente tímido. Na prática, não mudou quase nada."

    Muito engano meu caro, o decreto facilitou muito para quem quer uma arma.

    Antes você tinha que justifica a PF o porquê você precisa da arma e a PF decidia se aceitava ou não. O critério de aprovação era subjetivo e quase sempre negado.

    A partir do decreto esse critério ficou objetivo, basta ser morador de um estado com mais de 10 assasinatos por 100 mil habitantes (todos os estados preenchem esse quesito).

    De resto você ainda tem algumas etapas burocráticas, mas com um pouco de paciência você consegue sua arma legalmente.
  • Paul Kersey  16/01/2019 13:26
    "A partir do decreto esse critério ficou objetivo, basta ser morador de um estado com mais de 10 assassinatos por 100 mil habitantes (todos os estados preenchem esse quesito)."

    Suponhamos que a taxa de homicídios de um estado caia para menos de 10 por 100 mil habitantes. E aí? A concessão de pedidos passa a ser negada? Haverá um programa de confisco das armas já adquiridas pelos cidadãos?

    Perceberam a merda que dá ao deixar que políticos e governos infrinjam um direito básico do cidadão?
  • Felipe Lange  15/01/2019 22:44
    Bene, o que seriam os bump stocks, que o Trump quis banir aqui nos EUA?
  • Swagger  16/01/2019 00:58
    É uma coronha adaptada que transforma uma arma semi-automática em full auto. Essa coronha tem um sistema de amortecimento: você puxa o gatilho e mantém o dedo firme; o rifle recua com o tiro, bem mais que o normal, arma o próximo tiro e, pela inércia, faz com que o gatilho vá de encontro a seu dedo. É algo genialmente simples:


  • Felipe Lange  18/01/2019 15:47
    Por que o Trump proibiu isso?
  • Pobre Paulista  16/01/2019 00:12
    Esse é o problema. Essa seria, em tese, a principal bandeira dele... E fez só esses remendos pra inglês ver. Imagina então como será a reforma da previdência... Espero que possamos contar com o Sachsida e o Guedes.
  • Revoltado  16/01/2019 10:56
    Ontem mesmo, almoçando com parentes, tive o (des)prazer de vê-los dando piti pela notícia...

    Sabem as pessoas que pertencem à Esquerda-caviar, que amam o socialismo nos luxos que o capitalismo pode oferecer? Eis o perfil do povo em questão. Considerando que o Jornal Hoje de ontem dedicou meia-hora da edição para falar sobre a assinatura do Bolsonaro em relação ao decreto das armas, acabei ouvindo lamentações dos desinformados pela mídia, crentes de que agora teremos um Wild West por todo o Brasil. Cheguei mesmo a argumentar com eles de que era favorável ao decreto, dado que era o cumprimento prático do referendo de 2005.

    Detalhe: vivem em uma villa romana com cerca eletrificada ao redor. Em termos de segurança, estão melhores que sei lá... 80% da população comum.
  • Marcos Farias  16/01/2019 11:50
    Faria apenas um pequeno retoque à argumentação: "Toda e qualquer interação humana necessariamente recai em uma dessas duas categorias. Sem exceção. Razão ou força. E só."

    Há estudos que indicam que as pessoas são mais movidas pela emoção do que pela razão.

    Considerando isso, eu diria que há três categorias sobre as quais toda e qualquer interação humana necessariamente recai: Emoção, Razão ou força.

    Parabéns pelo texto.
  • Humberto  16/01/2019 13:20
    A emoção não é uma interação. Você pode, sozinho, fazer as coisas movido pela emoção, mas a sua emoção não tem como me impulsionar a fazer nada.
  • Paulo Henrique  16/01/2019 15:06
    Quando mises diz que o homem age, ele diz que sua ação é propositada. Ele não chega a dizer que a causa dessa ação propositada deve ser inteiramete racional. Uma pessoa sobre efeitos de drogas age, age com um propósito. Alguém poderia dizer que vai convence-lo sobre argumentos racionais? Dependendo da droga, a pessoa se torna agressiva e menos racional.

    Então surge um problema. O propósito dessa pessoa drogada pode ser usar uma arma de fogo. Percebeu o risco? Ela vai pagar penalmente por sua ação caso faça besteira. Mas não seria melhor evitar a ação impedindo que usuários de drogas comprem armas por meio de Exame toxicológicos?
  • Emerson Luis  18/01/2019 16:50

    Essa questão já foi debatida nos primeiros comentários desse mesmo artigo.

    Basicamente, as emoções estão inclusas naquilo que o artigo chama de "razão".

    * * *
  • Gustavo A.  16/01/2019 12:45
    Fez o que dava via decreto. A questão é se não foi uma estratégia errada e se isso não pode atrapalhar a aprovação de uma lei.
  • Alface  16/01/2019 15:33
    Uma pergunta aos defensores do porte e da posse de arma.

    Por que os EUA, país tido como um dos mais flexíveis no porte de arma, tem a pior relação de taxa de homicidio intercional dos países desenvolvidos.

    No estudo de 2012, os EUA chegava a ter 4,88 homicidios por 100 mil habitantes. Reino Unido (país com porte restrito) tem 0,92 homicios por 100 mil habitantes.

    Fonte: pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_pa%C3%ADses_por_taxa_de_homic%C3%ADdio_intencional
  • Amante da Lógica  16/01/2019 16:37
    É simples: porque imbecis (ou seriam desonestos?) cometem o erro básico de agregar distintas taxas de homicídios de todos os estados americanos em uma só, e então saem comparando esta fictícia taxa única nacional (de um país enorme e totalmente diversificado como os EUA) com a taxa de países bem mais homogêneos e menores, como os europeus.

    Não existe -- e nem pode existir -- uma "taxa nacional de homicídios" para os EUA. O que há são várias e distintas taxas para 50 estados americanos (cada um do tamanho de um país europeu), sendo que cada estado possui leis próprias para armas.

    Logo, qualquer ser minimamente sensato tem de pegar as taxas de homicídio de cada estado americano, levar em consideração suas respectivas leis sobre armas, e então, aí sim, comparar com europeus e canadenses.

    Ao fazer isso, você descobre coisas interessantíssimas.

    1) Sabe em quais estados americanos há maiores taxas de homicídio? Exatamente nos mais desarmamentistas. Só as taxas de homicídios em Chicago, Detroit e Washington -- as três cidades mais desarmamentista dos EUA -- mandam toda a taxa de homicídios dos EUA lá pra cima

    Ou seja, aquele valor de 4,8 homicídios por 100 mil pessoas está inflado pelos numerosos homicídios que ocorrem nas regiões metropolitanas desarmamentistas, como Chicago, Detroit e Washington. Tire essas da lista e o número desaba.

    E não precisa confiar em mim, não. Pode ver aqui:

    www.disastercenter.com/crime/uscrime.htm

    www.disastercenter.com/crime/index.html

    Quais as cidades mais violentas? Baltimore, Chicago, Cleveland, Milwaukee e Washington.

    Por outro lado, segundo essas mesmas estatísticas, New Hampshire, Idaho e Vermont, estados com as leis mais liberais sobre armas, possuem as mais baixas taxas de criminalidade. O mesmo, aliás, vale para os estados do meio-oeste.

    Todos os gráficos foram compilados aqui:

    mises.org/blog/handful-cities-are-driving-increase-murder-rates


    2) Se você pegar os estados americanos e comparar cada um com os países mais ricos do mundo, a taxa de criminalidade deles é menor.

    Pode conferir aqui:

    mises.org/wire/mistake-only-comparing-us-murder-rates-developed-countries


    3) A taxa de homicídios americana só se torna alta em relação aos países europeus quando você joga na estatística cidades como Chicago, Detroit e Washington, que são as mais violentas do país, e justamente onde o controle de armas é o mais rigoroso do país.


    4) Por fim, aquela estatística que ninguém tem o direito de ignorar: a taxa de homicídios nos EUA desabou 50% nos últimos 20 anos, "coincidentemente" ao mesmo tempo em que a posse de armas disparou.

    www.pewresearch.org/fact-tank/2015/10/21/gun-homicides-steady-after-decline-in-90s-suicide-rate-edges-up/


    5) Quer comparar com o Reino Unido? Sem problemas:

    A taxa de crimes violentos no Reino Unido é aproximadamente 4 vezes superior à dos EUA. Em 2009, houve 2.034 crimes violentos para cada 100.000 habitantes do Reino Unido. Naquele mesmo ano, houve apenas 466 crimes violentos para cada 100.000 habitantes nos EUA.

    O Reino Unido apresenta aproximadamente 125% mais vítimas de estupro por 100.000 pessoas a cada ano do que os EUA.

    Anualmente, o Reino Unido tem 133% mais vítimas de assaltos e de outras agressões físicas por 100.000 habitantes do que os EUA.

    O Reino Unido apresenta a quarta maior taxa de arrombamentos e invasões de residências de toda a União Europeia.

    O Reino Unido apresenta a segunda maior taxa de criminalidade de toda a União Europeia.


    6) Dica: se quiser fazer comparações minimamente sensatas e racionais, compare os estados americanos de população mais fortemente armada com países europeus.

    Compare, por exemplo, Wyoming, Montana, Idaho, Utah, Vermont e New Hampshire. Pode comparar também Texas, Arizona e Novo México, mas aí, por questão de honestidade intelectual, você tem de descontar as matanças ocorridas nestes estados devido a acerto de contas entre quadrilhas latinas, que infestam estes estados fronteiriços, e as quais simplesmente não existem na Europa.
  • Pessanha  16/01/2019 16:43
    Mano do céu! Acho que isso pode ser enquadrado como "estupro intelectual". O alface virou fungo.
  • As cidades mais violentas dos EUA  17/01/2019 13:13
    "Só as taxas de homicídios em Chicago, Detroit e Washington -- as três cidades mais desarmamentista dos EUA -- mandam toda a taxa de homicídios dos EUA lá pra cima "

    Só tem um porém. As cidades com maiores taxas de homicídios nos EUA (inclusive estão na lista das 50 cidades com mais homicídios no mundo) são: Saint Louis em Missouri (estado que tem uma das leis de armas mais liberais dos EUA), Baltimore em Maryland (onde as leis são mais rígidas), New Orleans em Louisiana (que também tem as leis mais liberais dos EUA) e Detroit. Aliás, Louisiana é o estado com as maiores taxas de homicídios dos EUA. Depois de Louisiana parece que é Mississippi (onde também o porte é liberado).

  • Guilherme  17/01/2019 13:47
    St. Louis sempre foi um esgoto, repleta de brigas de gangues. Ainda assim, os homicídios lá hoje estão nos menores níveis, menores do que estavam em 1970.

    www.stltoday.com/news/local/crime-and-courts/st-louis-city-county-police-report-overall-crime-down-in/article_aadc93e7-b615-5e3d-8c27-5b90b43030d8.html

    Já Nova Orleans é uma cidade orgulhosamente subdesenvolvida, com carnaval e cultura vodu. Só que praticamente toda a matança se concentra nos guetos formados por pobres, negros e imigrantes (sorry, são os dados).

    www.roadsnacks.net/worst-neighborhoods-in-new-orleans-la/

    Já Detroit e Baltimore têm leis desarmamentistas tão rígidas quanto as brasileiras.

    Tenta de novo.
  • Everytown for Gun Safety  17/01/2019 14:34
    Espere um momento. Missouri só se tornou um estado "shall-issue" em 2003.

    Antes de Missouri se tornar "shall-issue State" Saint Louis já tinha diminuido substancialmente o número de homicídios: de 1980 a 2002. Depois em 2004 e 2005, voltou a subir:

    www.disastercenter.com/missouri/crime/6629.htm

    E em 2017, ocorreram 187 homicídios em Missouri. Menor que em 1980, mas maior que em 2002, antes de Missouri se tornar um estado "shall-issue":

    www.slmpd.org/images/Homicide_Stats_for_Website.pdf


    Falando em Missouri, entre 1994 e 2002, antes de Missouri se tornar "shall-issue", o estado reduziu 40% o número total de homicídios. Em 2003 se tornou "shall-issue" e atingiu as mais baixas cifras, e a partir de 2004 só aumentou, nunca mais chegou às baixas cifras de 2002 e 2003:

    www.disastercenter.com/crime/mocrimn.htm

    O que a NRA ou a GOA responderia pro Bloomberg se ele apontasse estes dados sobre Missouri?
  • Amante da Lógica  17/01/2019 16:30
    O gozado é que segundo as próprias estatísticas que você postou, a taxa de praticamente todos os crimes no Missouri caiu forte de 2006 a 2015.

    www.disastercenter.com/crime/mocrimn.htm

    * A taxa de crimes violentos caiu de 545,6 para 498,5 (chegando a esbarrar em 433 neste meio tempo).

    * A taxa de crimes contra a propriedade teve uma queda fragorosa: de 3.826 para 2.860 (e depois para 2.799).

    * A taxa de roubos caiu de 130 para 105 (tendo esbarrado em 90 neste meio tempo).

    * A taxa de assaltos violentos caiu de 380 para 342 (chegando a cair para 298 neste meio tempo).

    * A taxa de arrombamentos a domicílios desabou: de 764 para 520.

    * O mesmo para Larceny-Theft: de 2.627 para 1.978.

    * Finalmente, roubo de carros: de 435 para 300 (tendo chegado a 255 neste ínterim).

    A taxa de estupros caiu forte de 2006 a 2012. Depois voltou a subir e está hoje no mesmo patamar de 2006. Conclusão: de início, os agressores ficaram com medo de que as mulheres pudessem estar armadas, e reduziram os ataques. Com o tempo, ao constatarem que as mulheres infelizmente não têm essa prática, os estupros simplesmente voltaram ao normal.

    Já a taxa de homicídios se manteve rigorosamente igual entre 2005 e 2014. Aí, em 2015 e 2016, por algum motivo estranho, houve um surto, o qual certamente necessita de alguma explicação (pois destoa completamente do resto da série histórica).


    Conclusão: a julgar pela frieza dos números (e note que basear-se em estatísticas está longe de ser argumento para um libertário, pois a ética e a moral sobrepujam totalmente estatísticas e probabilidades), a política de armas no Missouri está no caminho correto.
  • Silvio  17/01/2019 16:33
    Rapaz, mas esse mapinha que o tal "Everytown for Gun Safety" postou é sensacional. Por si só, ele encerra toda a discussão: à medida que as restrições às armas foram diminuindo, a taxa de homicídios foi desabando. Apenas compare a evolução deste mapa com a evolução da taxa de homicídios nos EUA. Os homicídios eram altos na década de 1980, quando ninguém podia portar. E foram caindo ao longo do tempo, quando mais gente passou a portar.

    O cara que posta um mapa desses está pedindo para acabar com todo o debate.
  • anônimo  16/01/2019 15:36
    Artigo espetacular do Bene:

    www.ilisp.org/artigos/como-o-paraguai-destroi-toda-a-argumentacao-desarmamentista-usada-no-brasil/
  • Revoltado  16/01/2019 18:03
    Putz! Queria ter postado este artigo hoje pela manhã e tinha me esquecido! Valeu, Anônimo!
  • estatístico  17/01/2019 00:03
    Nos EUA, para cada 1 bandido morto em legítima defesa, 34 inocentes são assassinados por arma de fogo, segundo dados do FBI..

    Em 2012, ocorreram 8.855 homicídios por arma de fogo, de acordo com o banco de dados de homicídios do FBI, mas apenas 258 foram considerados justificáveis, o que o FBI define como "a morte de um criminoso durante a prática de um crime por um cidadão."

    www.washingtonpost.com/news/wonk/wp/2015/06/19/guns-in-america-for-every-criminal-killed-in-self-defense-34-innocent-people-die/?utm_term=.ed52e7a9fa8a
  • Humberto  17/01/2019 03:40
    8.600 homicídios em uma população de 325,7 milhões dá 10 mortes para cada 379 mil habitantes.

    No Brasil, são 62 mil homicídios para 209,3 milhões, o que dá 10 mortes para cada 33,7 mil habitantes.

    Ou seja, no desarmado Brasil, há simplesmente 11 vezes mais homicídios.

    Uma maravilha.

    P.S.: suas estatísticas são de 2012. As de 2014 indicam um número bem menor de homicídios totais. Em vez de 8.855, o número cai para 8.124, o que dão 10 mortes para 401 mil habitantes, o que faz com que a taxa brasileira seja quase 12 vezes maior.

    Que furada a sua, hein?
  • anônimo  17/01/2019 03:40
    Aproveitando a deixa, esse comentário do Amante da Lógica deveria até virar artigo:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=2146#ac229199
  • Gustavo A.  17/01/2019 11:33
    Tem um número que não está e nunca estará nas estatísticas com precisão, que é quantos homicídios, assaltos, roubos, estupros e outros crimes foram evitados por alguém ter uma arma. É praticamente imensurável.
  • AGB  20/01/2019 15:26
    Ao citar um artigo para endossar seu argumento, é aconselhável ler tal artigo e estudá-lo com atenção. Em primeiro lugar, a fonte: o jornal Washington Post ("liberal") e uma organização chamada "Violence Policy Center", favorável ao banimento das armas de fogo. Como eles utilizam dados fornecidos pelo FBI, vejamos o que significam. A agência estatal norte-americana divide esses homicídios em 4 grupos. "Justificáveis" ou resultantes de defesa contra criminoso que ameaça o autor. "Criminosos" quando a intenção primária é causar dano à vítima. "Suicídios", de óbvio significado. "Acidentais", também desnecessária a explicação. No desenho ilustrativo, constata-se que para cada morte "justificável" há 34 "criminosas", 78 "suicídios" e 2 "acidentais". O que nos interessa aqui são os 34 eventos "criminosos". O artigo não explica o que o FBI considera não-justificável: Rixas? Agressões? Latrocínios? Reação contra invasor de propriedade? E quem foi o agente? Um cidadão que respeita as leis? Ou um delinquente que adquire a arma ilegalmente? Para responder, basta considerar o que acontece no Brasil.
  • Janga  17/01/2019 12:49
    O que vou dizer não é possível provar.

    Tenho sérias suspeitas de que a queda abrupta da taxa de homicídios em 2003 tenha sido forjada por alguma mudança de metodologia na contagem.

    Lula assumiu em 2003, ou seja, suas políticas (que não foram radicais) não teriam tempo suficiente de provocarem mudanças profundas na sociedade para em apenas 1 ano a taxa cair da forma que caiu. E fica pior, o Estatuto do Desarmamento somente entrou em vigor em 23/12/2003, ou seja, em 2004. Mas apenas foi vigorosamente cumprido em 2005, quando teve o Referendo.

    E mesmo se isso fosse alguma suspeita furada, por que a taxa de homicídios voltou a aumentar de forma explosiva a partir de 2007?
  • fator supresa  17/01/2019 13:51
    Não necessariamente a arma de fogo torna tudo igual.

    Na verdade, quem supreende e aponta a arma primeiro está com a vantagem.

    O bandido tem "fator supresa" que o favorece.

    Como vcs desmascaram essa objeção?

    Vamos supor, open carry é liberado, como em alguns estado americanos. E vc tá andando com a arma visível a todos. Vc tá andando traquilamente numa rua pública. Tem como vc prevenir? Tem como saber quem é o bandido que vai te assaltar? Aí vc tá andando tranquilamente numa rua, e de repente, um bandido te supreende, aponta a arma na sua cabeça e diz: "pássa a tua arma pra cá". Acabou. Vc perdeu a sua arma. Isso aconteceu até com o proprio Bolsonaro em 1995. Ele foi assaltado, e os bandidos levaram a arma dele.

    Ao menos que vc seja um cavaleiro medieval ou um profissional treinado, como aquela policial que matou o bandido mesmo ele apontando a arma pra ela...
  • Paul Kersey  17/01/2019 16:19
    Só otário usa open carry. Ansioso para não desobedecer às ordens de políticos, o bobalhão sai às ruas com a arma à mostra, colocando em risco a própria segurança ao dar uma enorme vantagem a seus potenciais agressores. E tudo apenas para obedecer político.

    Ninguém em são consciência fica se mostrando por aí com arma. Quem é minimamente inteligente anda com a arma oculta (concealed carry), pois sabe que deixar a arma à mostra para seu agressor tira toda a sua eventual vantagem. (Você já viu policiais à paisana andando com a arma à mostra? Deve ter um motivo, não?).

    Outra coisa: você, ao citar uma imbecil lei criada por políticos como prova de que um determinado comportamento pode piorar a situação, está simplesmente comprovando a máxima libertária de que qualquer intervenção estatal só piora tudo. Parabéns pela conclusão.
  • anônimo  17/01/2019 17:02
    Então a mulher da foto do artigo é uma otária? Ela tá open carry.

    Open carry o cara usa se quiser. Pelo contrário, pelo que eu lí, os estados open carry são os mais liberais. O cara não é obrigado a usar open carry, mas o estado liberou pra ele usar como quiser. Grupos como NRA e GOA apóiam...
  • Paul Kersey  17/01/2019 17:28
    Informe-se melhor, cidadão. Open carry é uma concessão que o estado faz. "Quer portar arma? Ok, mas vai ter que mostrar e deixar todo mundo saber disso!". Ou seja, é uma obrigatoriedade. Isso não tem nada de liberal.

    Open carry, aliás, é o mais baixo na escala de liberdade que há. Open carry é usado nos estados menos liberais. Nos estados um pouco mais liberais, há o concealed carry com permissão do estado. Já nos estado totalmente liberais (Wyoming, Vermont, Utah, Arizona) há o concealed carry sem a necessidade de permissão estatal. Você é livre para portar sua arma da maneira que quiser. Não precisa de autorização de burocrata para isso.

    Nenhum libertário genuíno defende open carry, exatamente por causa da vulnerabilidade. Você porta exatamente para ser o elemento surpresa. Ao ser obrigado pelo governo a fazer open carry, você se torna desguarnecido. (Aliás, isso é tão óbvio e instintivo, que nenhum assaltante, por mais burro que seja, faz open carry).

    Massad Ayoob, o grande especialista americano no assunto, tem vários livros dedicados inteiramente ao concealed carry, ensinando desde vestuário adequado até a melhor arma pra ser usada.

    www.amazon.com/Gun-Digest-Book-Concealed-Carry/dp/1440232679

    Sugiro mais leitura sobre o assunto antes de palpitar em público. Brasileiro querer falar sobre porte de armas é o equivalente a americano querer falar sobre samba e futebol.
  • anônimo  17/01/2019 20:50
    Wyoming, Vermont e Arizona, open carry é Permissive. Em Utah é Licensed:

    Apenas estado onde há controle rígido de armas como District of Columbia, Illinois é proibido:

    en.wikipedia.org/wiki/Open_carry_in_the_United_States
  • anônimo  17/01/2019 15:24
    Mas uma coisa vcs tem que concordar: antes das armas de fogo existirem, havia menos mortes...

    Pronto, refutado...
  • Antônimo  17/01/2019 16:17
    Não sei, você tem fontes? Qual era a taxa de assassinatos antes, quando apenas os mais fortes se impunham? Olha que eram maior, hein? Nisso você tem de concordar. Pronto, refutado.
  • Lógica  17/01/2019 16:43
    A taxa de assassinato hoje em dia é bem menor se compararmos no tempo de Caim e Abel onde a taxa de assassinato era de 50%.
    Embora que muitos governos "comunistas" tentam chegar a essa marca e até ultrapassa-la.
  • Revoltado  18/01/2019 11:18
    Anônimo

    Antes das armas de fogo já haviam guerras e o fio da espada derramou bastante sangue ao longo da História só no Ocidente. Na Antinguidade, por exemplo, Júlio César gabava-se de ter assassinado cerca de um milhão de gauleses (onde hoje é a França), isto no século I a.C. Isto para ficar num só exemplo...
  • Raquel  17/01/2019 16:46
    Engraçado que os EUA,com uma população quase o dobro do Brasil,conseguem ter bem menos homicídios.
    Outro dia estava discutindo sobre o porte de armas com meu irmão,ele falando que morar nos EUA é tão perigoso quanto morar no Brasil(detalhe,ele é funça,e é totalmente de esquerda,apesar de negar isso).Não sei da onde ele tirou essa estatística.Nunca morei nos EUA,mas duvido que lá seja tão violento quanto no Brasil.E usar o argumento do cidadão que invade escolas para matar inocentes para permitir ao estado o controle de armas,me soa tão ditatorial.
  • Revoltado  17/01/2019 18:12
    Raquel

    Lembrei-me certa feita de numa rede social ver uma conhecida minha vermelhinha postar que devido aos atiradores juvenis em escolas americanas seria perigosíssimo liberar-se o porte de armas.
    Tive que argumentar que se num ataque covarde desses morrem cerca de 20 pessoas, no Brasil, com desarmamento, morrem oito vezes mais gente por dia. E que o conflito da Síria não mata tanto como viver aqui. Resposta não obtive, mas o recado teve de ser deixado...
  • Murilo  17/01/2019 18:15
    Discordo, a arma não só vai por também em pé de igualdade as pessoas, como vai lhes dar mais desigualdade, pois o agressor (mais forte) também terá uma arma, então o que vai acontecer é que se tornaram mais letais sim, as brigas de transito, discussões de transito, e outros embates fúteis. "O fato de que uma arma de fogo facilita o uso de força letal é algo que funciona unicamente em prol da vítima mais fraca, e não em prol do agressor mais forte." Geralmente para agredir vai querer uma arma!
    Mas economicamente parece uma boa.
  • Gustavo A.  18/01/2019 12:02
    Foi irônico? Uma asneira dessas não pode ser sério...

    O mais forte do seu hipotético exemplo tem resistência a tiros na testa? Sabendo que a outra pessoa estará armada, o risco de entrar numa briga é muito maior. Você usaria sua arma numa discussão fútil? Você arriscaria tirar uma vida e ser preso por uma discussão de trânsito?

    Liberdade envolve responsabilidade.
  • Rafael  18/01/2019 12:58
    Nessa frase "Razão ou força. E só" trocaria por "convencimento ou força". Nem sempre por haver um acordo entre as partes se tem algo "racional"(que faça sentido lógico). Se tem um entendimento entre as partes, normalmente algo com sentido, mas dependendo das pessoas envolvidas uma engana a outra, mas a outra aceita...fazer o que, né? Mas não há conflito. Um cara pode querer trocar um carro por uma maçã e se ambos aceitam...rs

    Por isso seria melhor colocar que as duas possibilidades são: entendimento entre as partes por bem (pacífica, com diálogo) ou à força (coerção, ameaça, etc)
  • Samuel Cordeiro Barbosa  18/01/2019 14:44
    a) EFEITO SURPRESA: O bandido escolhe o momento.
    b) RISCO ZERO: O bandido não tem (praticamente) nada a perder. E você? Vida (sua e da família)
    c) AÇÃO E REAÇÃO: Só o fato de você está armado fará com que a abordagem do bandido seja MUITO mais agressiva e potencialmente fatal.
    d) COMPARSA: Já imaginou que o bandido pode ter um comparsa? Você matou um só que tem outro só esperando uma oportunidade pra se vingar.
    e) REGRA - PATRIMÔNIO. Em regra, o bandido só quer levar patrimônio.
    f) INÓCUO : Na maioria das vezes, ter arma é inócuo. Pior, o bandido acaba LEVANDO a sua arma.
  • André Azevedo  21/01/2019 22:45
    Muito interessante a perspectiva enredada no texto.

    A parte que articula o porte de arma de fogo com a retirada da força da equação que descreve as relações sociais lança luz sobre um aspecto da isonomia que eu ainda não havia observado. Realmente, o porte de arma de fogo, na medida em que institui a equiparação de forças, torna-se instrumento a serviço da isonomia nas relações.

    O desafio parece ser o método de implantação dessa realidade em países como o Brasil, recém saído de um modelo progressista, que resultou na concentração da força nas mãos do Estado, constrangimento legal, e do crime organizado, constrangimento ilegal.

    Entendo, smj, que deveriam ser difundidos os clubes de tiro, a fim de estimular a prática de tiro. Dessa forma o porte de arma poderia ser normalizado antes mesmo da liberação. A meu sentir, a ideia de portar armas de fogo não deve representar apenas uma mudança de procedimento, mas sim mudança de cultura.
  • Fernando Moreira  27/01/2019 22:36
    Boa tarde ! Recebi este artigo de um amigo e resolvi lê-lo.
    Bem, talvez para um cidadão socializado sob regras de civilidade, respeito e limites bem antigos nas relaçoes entre as pessoas, a lógica usada neste artigo tenha razoabilidade e aplicabilidade imediata.
    Em nossa sociedade, onde a imensa maioria das pessoas não respeita limites básicos como regras de trânsito, linguajar adequado para contra-argumentar opinioes diversas, dentre outros, como dar direito de que todos tenham acesso à algo que pede exatamente a maior racionalidade possível ?
    Sou policial, e já vi centenas de casos de más decisoes acerca do uso de um recurso que deveria ser o último. Respeito opinioes em contrário, mas sinceramente há pessoas que não deveriam ter o direito sequer de de ter uma arma, e muito menos portá-la.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.