clube   |   doar   |   idiomas
Albo lapillo notare diem: eis a revista do IMB!

Clique na foto para adquirir a revista
Os romanos, em acontecimentos importantes e felizes, costumavam dizer: albo lapillo notare diem, significando que aquela data seria marcada com uma pedra branca, para realçar sua importância. Isto porque, nos hábitos e costumes de Roma, o branco era símbolo de felicidade e o preto de desgraça. Pois hoje a equipe do Instituto Mises Brasil e todos os simpatizantes da Escola Austríaca de Economia estão já com uma pedrinha cuja alvura marca o lançamento de nosso periódico acadêmico, MISES: Revista Interdisciplinar de Filosofia, Direito e Economia, publicação científica interdisciplinar do IMB, estritamente acadêmica e com periodicidade semestral com o objetivo de divulgar e debater a tradição da Escola Austríaca que, no âmbito do pensamento econômico atual, certamente é a que mais vem crescendo, se multiplicando e se revigorando, especialmente a partir das últimas três décadas e, com ainda maior intensidade, desde 2008.

A revista, além de ser a realização de um antigo sonho, vem para mostrar definitivamente que a Escola Austríaca não pode e nem deve ficar restrita a duas ou três aulas da disciplina de História do Pensamento Econômico (e, quase que invariavelmente, é deturpada por professores de índole keynesiana ou marxista). Somos a mais tradicional das escolas econômicas, pois remontamos aos pós-escolásticos, especialmente os de Salamanca, nos séculos XV e XVI; se ainda somos a menor em termos de adeptos, seguramente somos a que mais vem crescendo nos últimos anos, especialmente quando a crise econômica mundial negou todas as teorias convencionais, tanto as keynesianas, como as monetaristas e de expectativas racionais.

"A Escola Austríaca de Economia na vanguarda" é o título do Editorial que escrevi para o primeiro número de nossa revista, para tirar de uma vez por todas da cabeça de jovens mal informados por seus professores que a Escola Austríaca "acabou", ou que "está ultrapassada", ou que, como não utiliza modelos matemáticos de previsão, "é coisa dos antigos". Nada mais equivocado do que acreditar nessas concepções erradas! Por isso, o staff da revista procurou com esmero um design que, ao mesmo tempo em que mostrasse a longa tradição da Escola, sugerisse também visualmente ao leitor que seus ensinamentos são inteiramente aplicáveis aos nossos dias. E, mais do que serem, devem ser aplicados, devido à falência manifesta da mainstream economics que o mundo vem experimentando com o fracasso das receitas keynesianas e monetaristas para debelar a crise que explodiu em 2008, mas que os economistas austríacos já previam desde o final dos anos 90.

Mas a EA é ainda praticamente desconhecida na maioria das instituições de ensino brasileiras. Nesse sentido, a principal missão de nosso periódico será introduzir no debate acadêmico, em linguagem apropriada, técnica, científica e jamais panfletária, as importantes reflexões dos autores que seguem a tradição de Carl Menger, considerado o fundador da Escola. A revista também pretende garantir que seja publicada a produção intelectual de professores e pesquisadores brasileiros estudiosos da Escola Austríaca. Contudo, o periódico não assumirá uma posição apologética, contrária ao verdadeiro diálogo acadêmico, publicando apenas textos divulgando e defendendo as ideias desses autores, visto que estaremos abertos para receber e publicar artigos – desde que sejam científicos - criticando o pensamento austríaco, possibilitando o início de um verdadeiro debate intelectual de que nossa comunidade acadêmica tanto carece.

Outro objetivo importante da revista é contribuir para resgatar a importância da interdisciplinaridade — como o próprio título da revista sugere — e do humanismo nas ciências sociais. Com efeito, a tradição iniciada por Carl Menger com a publicação, em 1871, de Grundsätze der Volkwirthschaftslehree (Princípios de Economia Política), é um vasto campo do conhecimento humano, que transcende a economia para abastecer-se sistematicamente no âmbito mais abrangente das ciências sociais, nutrir-se continuamente com a discussão filosófica e impregnar-se permanentemente da boa cultura humanista.

Os economistas, desde a segunda metade do século XIX, com o abandono da tradição humanista, ao mesmo tempo em que dominavam mais conhecimentos técnicos específicos, foram se tornando cada vez menos cultos, e hoje em dia são raros aqueles realmente eruditos, no sentido de dominarem conhecimentos que ultrapassem os contidos nos manuais de Microeconomia e de Macroeconomia.

Não foi por acaso que Friedrich August von Hayek, laureado com o Nobel de Economia em 1974, em seu discurso na Academia Sueca, afirmou que um economista que só enxerga dentro dos limites estritos da teoria econômica, por mais apurados que sejam seus conhecimentos técnicos, nunca poderá ser um economista completo. Para a tradição austríaca não basta que ele domine o estado das artes em sua ciência: é preciso ir muito mais além, é preciso ser, mais do que qualquer outra coisa, um humanista. No entanto, mesmo em se tratando de um campo muito abrangente do conhecimento humano, a Escola Austríaca guarda uma simplicidade que chega a impressionar, mas que se explica pela lógica irrepreensível de suas proposições e postulados. Como escreveu Ludwig von Mises, considerado por muitos como o maior expoente da Escola, good economics is basic economics!

Como salientado anteriormente, a Escola Austríaca é interdisciplinar. Assim sendo e a partir de seu núcleo básico (os conceitos de ação, tempo e conhecimento) e de seus elementos de propagação (as ferramentas da utilidade marginal, do subjetivismo e das ordens espontâneas), ela se estende, entre outros, aos campos da Filosofia, do Direito e da Epistemologia. Apenas para dar um exemplo, a Filosofia Política da Escola Austríaca é uma tentativa de compreender e explicar a história e as instituições sociais à luz dos limites naturais do conhecimento humano. Como escreveu o filósofo italiano Raimondo Cubeddu, professor da Universidade de Pisa, a história e as instituições sociais aparecem frequentemente como produtos das ações humanas individuais, voltadas para a consecução de fins subjetivos.

Menger, Mises, Hayek, Lachmann, Rothbard e outros austríacos não foram apenas economistas que mergulharam no mundo da política, ou sonhadores de um mundo melhor de cunho utópico, mas pensadores que elaboraram uma teoria do melhor regime baseada em uma concepção da ação humana e da natureza da sociedade. E os austríacos atuais seguem rigorosamente essa linha.

Os grandes economistas austríacos do século XX — cujos nomes mais conhecidos foram Mises e Hayek — mesmo tendo vivido em uma época em que seus colegas faziam questão de se tornarem cada vez mais especializados em áreas crescentemente mais restritas da economia, não permitiram — em nenhum momento! —, que o modismo os fizesse abrir mão de serem generalistas, não no sentido mais vulgar que essa palavra vem adquirindo ultimamente, mas no de valorizarem a vasta cultura e o humanismo.

Os tempos difíceis — a era das pedras negras — vividos por Mises, Hayek e tantos outros austríacos, estão, gradualmente, porém de maneira clara e crescente, com os dias contados. Sem dúvida, a importância e o renascimento dos estudos sobre a Escola Austríaca é uma nova tendência internacional, nas áreas de Filosofia, Economia, Epistemologia, Política, Direito, Sociologia e Antropologia, bem como nas demais áreas em que se manifesta o princípio universal da Praxeologia ou estudo da ação humana, definida como escolhas individuais voluntárias que visam a passar de estados considerados insatisfatórios ou pouco satisfatórios para outros, tidos no momento das escolhas como satisfatórios, ou mais satisfatórios do que os presentes.

MISES: Revista Interdisciplinar de Filosofia, Direito e Economia manifesta, desde este primeiro número que ora lançamos, seu compromisso estritamente acadêmico, pretendendo ser um espaço de formação, de informação e de debate de ideias. Sendo assim, veiculará, além de textos clássicos dos grandes nomes da tradição austríaca, nunca publicados anteriormente em português, a produção contemporânea de pensadores do Brasil e do exterior que, como dissemos linhas atrás, vem crescendo de maneira sólida e consistente ao longo dos últimos anos.

Por se tratar de uma escola de pensamento marcadamente interdisciplinar, o diálogo com outras disciplinas, bem como com as outras correntes da ciência econômica torna-se algo natural e será uma das características de nosso periódico, que será, assim, além da primeira publicação referendada na Escola Austríaca no Brasil, uma revista aberta permanentemente ao debate intelectual de alto nível, publicando até mesmo críticas ao pensamento austríaco.

Cada uma das duas edições anuais regulares do periódico deverá conter artigos agrupados em cinco seções distintas: 1ª) Epistemologia e Ética, 2ª) Economia e Praxeologia, 3ª) História do Pensamento Econômico, 4ª) Sociedade, Legislação e Política; 5ª) Crítica Cultural. Parece claro que não é necessário discorrer extensivamente sobre a importância de cada uma dessas áreas dentro do pensamento austríaco. Distribuídos nessas cinco seções, este primeiro número enfeixa dezoito artigos.

A compreensão da visão de mundo da Escola Austríaca é caudatária do entendimento filosófico da Epistemologia e da Ética, temas abordados nos três artigos da primeira seção da revista. No primeiro artigo, Ludwig von Mises discute a Epistemologia relacionando-a ao conceito de ação e mostrando sua relevância para a Economia. Gabriel Zanotti ressalta um impasse epistemológico criado por não se levar até as últimas consequências hermenêuticas o próprio subjetivismo, propondo a retomada desse caminho, fundamentado nos elementos hermenêuticos que se encontravam em Mises e Hayek. Jesús Huerta de Soto critica o consequencialismo nas relações sociais e procura justificar o que seria uma ética voltada para a liberdade, além de desenvolver a importante contribuição do trabalho de Israel Kirzner nesse campo.

A relação entre Economia e Praxeologia é de grande relevância para a Escola Austríaca por definir o conceito de ação humana e possibilitar a integração da Economia com outros ramos do conhecimento. Dedicada a essa temática, a segunda seção da revista apresenta alguns tópicos do debate econômico desenvolvido pela Escola Austríaca em cinco artigos.

No primeiro artigo dessa seção, também de autoria de Ludwig von Mises, é discutido o conceito de atividade econômica e se argumenta que a racionalidade é elemento indispensável para a ação humana no mundo real, além de se mostrar a inviabilidade do cálculo econômico sob o socialismo e se esclarecer o significado de "econômico".

Roderick T. Long mostra como a abstração é entendida na tradição aristotélica e usa a compreensão de Aristóteles (384-322 a.C.) sobre o tema para mostrar como o argumento de Milton Friedman pró-irrealismo é confuso, demonstrando, ainda, que tal crítica aristotélica ao pensamento friedmaniano está implícita na obra de Mises, apresentando a existência de um uso austríaco legítimo para modelos irreais, orem bem diferentes dos usados por Friedman, para, por fim, explicar como a crítica austro-aristotélica ao pensamento friedmaniano contribui para a controvérsia e para os debates austríacos sobre apriorismo metodológico.

Fabio Barbieri faz um estudo do desenvolvimento da teoria austríaca do intervencionismo, em que, depois de examinar a crítica original de Mises ao intervencionismo, analisa a construção da moderna teoria austríaca dos ciclos intervencionistas, que procura explicar os movimentos de expansão e contração do estado.

A partir da "curva de Laffer" e de outros exemplos econômicos e sociais, Walter E. Block discute as implicações do Princípio da Não-Agressão (PNA) do libertarianismo, à luz de exemplos hipotéticos e mostra que tal princípio não é universal e nem fácil de analisar e aplicar.

Finalmente, na segunda seção, Leonidas Zelmanovitz argumenta que nem os atuais sistemas monetários de moedas nacionais fiduciárias e de curso legal forçado e nem qualquer variação do padrão-ouro são arranjos monetários ideais.

Ainda que os pensadores da Escola Austríaca tenham sido os responsáveis pelo descrédito da Escola Historicista Alemã de Economia, eles reconhecem que a História do Pensamento Econômico, apesar de não ser a principal fonte para o estudo da ação humana e da economia, é uma fonte inexaurível de conhecimentos para todos os que se interessam pela Economia como ciência.

Assim, a terceira seção, dedicada à História do Pensamento Econômico, apresenta, na primeira edição, quatro textos. O primeiro artigo, de autoria de Murray N. Rothbard, relata o pensamento da Igreja na Idade Média, focalizando sua atenção nos aspectos da usura, da cobrança de juros e do "preço justo", mostrando como esse pensamento foi evoluindo ao longo do tempo (este texto é a primeira parte de um ensaio, cuja segunda parte será publicada na segunda edição).

Buscando resgatar o elo histórico entre a tradição proto-austríaca e o moderno pensamento austríaco, nosso periódico sempre publicará um documento histórico medieval ou moderno que contribua para o entendimento histórico do pensamento econômico. Tal missão no presente volume é executada por intermédio da publicação — pela primeira vez em Português —, em tradução direta do latim, de uma parte da Suma dos Decretos, escrita no século XII por Rufino de Bolonha, na qual o famoso canonista medieval comenta o Decretum Gratiani, parte importante do Direito Canônico que foi lei válida até 1917, abordando à luz da teologia moral diversos temas econômicos, tais como a propriedade, o lucro, os ganhos sem esforço e a usura.

O terceiro artigo da seção, de autoria de Itamar Flávio da Silveira e de Suelem Halim Nardo de Carvalho, descreve como José da Silva Lisboa, o Visconde de Cairu, tratou a questão da industrialização nacional sob a ótica da Economia Política Clássica.

Por fim, Joseph Salerno mostra como a Escola Austríaca se desenvolveu, desde Menger até os dias atuais, analisa as divergências existentes entre os economistas austríacos e como a Escola Austríaca renasceu a partir dos trabalhos e da tenacidade de Murray Rothbard.

As integrações e inserções da Economia com o Direito e com a Ciência Política são fatores de grande importância para os pensadores austríacos, por compreenderem que a economia do mundo real é "ação humana ao longo do tempo em condições de incerteza genuína", sendo influenciada e influenciando, assim, os diferentes aspectos jurídicos e políticos das sociedades nas quais os indivíduos vivem. Por isso, a quarta seção da revista é dedicada ao tema Sociedade, Legislação e Política.

Na presente edição apresentamos quatro artigos sobre a temática. O primeiro, escrito por Friedrich Hayek, discute que tipo de conhecimento deve ser utilizado nas ciências sociais, especialmente na Economia e mostra que no mundo real o dito "conhecimento científico" falha na coordenação da atividade econômica e que o conhecimento "prático", ou "das circunstâncias de tempo e espaço", é o único relevante nas decisões dos agentes econômicos.

No segundo texto da seção, Hans-Hermann Hoppe, partindo de uma economia autista do tipo Robinson Crusoe, compara o sistema atual de monopólio do estado sobre as leis e a segurança dos indivíduos com uma sociedade em que tais serviços fossem produzidos sem o estado e sugere a superioridade desse segundo tipo de organização social sobre a primeira.

Rothbard, em um terceiro artigo da seção, discute quais devem ser as posições dos libertários em relação à defesa das liberdades individuais, às guerras, à intervenção de estados em outros estados e critica as guerras que exterminam inocentes, mostrando a total incompatibilidade entre o libertarianismo e as guerras.

Finalmente, o artigo de Bruno Garschagen discute, sob a perspectiva da Escola Austríaca, de que forma e por que a União Soviética e a Alemanha Nazista conduziram suas sociedades para a barbárie ao violarem sistematicamente os direitos de propriedade e provocarem uma elevada taxa de preferência temporal, impedindo com suas políticas econômicas a moderação dessa preferência, que tornaria possível o processo civilizacional.

As sociedades são compostas por três grandes sistemas: o econômico, o político e o moral-cultural. Cada um desses sistemas possuem ritmos diferentes de evolução e seguem normas distintas, sendo dotados de instituições especiais, bem como de métodos, disciplinas, padrões, propósitos, limites, atrações e repulsões distintos; contudo, há uma continua interação entre esses três sistemas, fator que reforça a advertência de Hayek, em sua Nobel lecture de 1974, afirmando que um economista que só enxerga dentro dos limites estritos da teoria econômica, por mais apurados que sejam seus conhecimentos técnicos, nunca será um economista completo.

Tendo em vista o objetivo de ampliar o campo de visão dos estudiosos da Escola Austríaca, a quinta seção de nosso periódico sempre veiculará ensaios de Crítica Cultural. Na presente edição incluímos dois artigos sobre temas culturais. No primeiro, Jeffrey Tucker e Llewellyn Rockwell Jr. descrevem o pensamento cultural de Mises em suas diversas nuances, abrangendo as concepções do notório economista austríaco sobre igualdade e desigualdade, sexualidade, casamento e amor-livre, feminismo, raça e etnia, multiculturalismo, literatura e artes. Por fim, Alex Catharino analisa a questão da Liberdade na saga O Senhor dos Anéis de Tolkien (1892-1973), tanto no plano filosófico quanto nos aspectos praxeológicos, a partir do conceito de Imaginação Moral de Russell Kirk (1918-1994) e segundo algumas perspectivas teóricas da Escola Austríaca de Economia, principalmente a de Mises, enfatizando, também, as principais características da obra literária tolkieniana.

As resenhas de livros de autores brasileiros que atualmente se dedicam ao estudo do pensamento austríaco em nosso país completam este primeiro número da revista.

Como Diretor Acadêmico do Instituto Mises Brasil e como Editor responsável desse novo periódico acadêmico, é com grande satisfação — e também grande esperança intelectual — que apresento o primeiro número de MISES: Revista Interdisciplinar de Filosofia, Direito e Economia. Espero que o leitor goste do material da edição inicial e que a revista venha a ser uma referência não apenas no que se refere a seu pioneirismo em termos de ser a primeira especializada na Escola Austríaca em língua portuguesa, mas, principalmente, como veículo acadêmico interdisciplinar de altíssimo nível e como espaço permanentemente aberto ao debate de ideias.

É também com bastante alegria que enfatizo a importância, para que o sonho de nossa revista se pudesse concretizar, das contribuições do presidente do IMB, Helio Beltrão; de Alex Catharino, gerente da revista; e, naturalmente, de toda a excelente equipe que compõe o board do Instituto.

Enfim, uma revista acadêmica austríaca no Brasil, a nossa revista, a revista dos que sabem que a liberdade é fundamental para que o homem se realize como tal; a revista dos que creem, como o novelista alemão Thomas Mann, que opiniões não podem sobreviver se ninguém tem chance de lutar por elas; a revista dos que sabem, como expressou Mises, que ideias são mais poderosas do que exércitos; e a revista, enfim, dos que possuem firmeza na convicção manifestada por Cícero, a de que para homens livres, ameaças são impotentes!  

Albo lapillo notare diem! Vida longa para a revista Mises!

Ravista_Mises.jpg


Clique aqui para comprar a revista.


0 votos

autor

Ubiratan Jorge Iorio
é economista, Diretor Acadêmico do IMB e Professor Associado de Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).  Visite seu website.

  • Pedro.  26/09/2013 12:46

    "Porém, a natureza intrinsecamente nociva da ideologia do Poder, que o preconiza como panacéia salvadora ou mesmo como utopia, antes mesmo de seu funesto resultado prático já tinha sido denunciada por Nietzsche, que põe por terra qualquer tentativa de embelezamento ou dissimulação da funesta ideologia, até como sonho utópico, deixando a nu esta teoria deliberadamente fraudulenta, comprovada na prática: uma farsa ética, fracasso moral e material. Mero projeto de Poder absoluto.

    --//--

    Começo citando Diderot, em sua primorosa clarividência, aconselhando:

    "Examinem todas as instituições políticas, civis e religiosas; ou eu muito me engano ou vocês verão nelas o gênero humano subjugado, a cada século mais submetido ao jugo de um punhado de meliantes"

    Aproveito ainda para citar uma frase, de autor desconhecido, imperativa em sua natureza categórica:

    "Quem tem por hábito usar a força para conseguir o que quer, tem por hábito querer sempre mais."

    --//--

    Já Nietzsche, escreveu o seguinte em seu livro "Humano demasiado humano", que com "Aurora","Genealogia da moral", "Para Além do Bem e do Mal", entre outros, é genial:

    "O Socialismo é o fantasioso irmão mais jovem do quase decrépito despotismo, o qual quer herdar. Suas aspirações são, portanto, no pleno sentido mais profundo, reacionárias. Pois ele deseja uma plenitude de Poder estatal como só a teve alguma vez o despotismo, e até supera todo o passado por aspirar ao aniquilamento formal do indivíduo: o qual lhe parece como um injustificado luxo da natureza e deve ser melhorado e transformado por ele em um 'órgão da comunidade' adequado a seus fins.
    Devido a sua afinidade, o Socialismo sempre aparece na vizinhança de toda excessiva manifestação de poder, como o antigo socialista típico, Platão, na corte do tirano siciliano: ele deseja (e em algumas circunstâncias promove) o estado ditatorial Cesário deste século, porque, como foi dito, quer ser seu herdeiro. Mas mesmo essa herança não bastaria para seus objetivos; ele precisa da mais servil submissão de todos os cidadãos ao Estado absoluto, como nunca existiu nada igual; e como nem sequer pode contar mais com a antiga piedade religiosa ante o Estado, tendo, queira ou não, que trabalhar incessantemente por sua eliminação - pois trabalha para a eliminação de todos os Estados existentes -, não pode ter esperança de existir a não ser por curtos períodos, aqui e ali, mediante o terrorismo extremo. Por isso ele se prepara secretamente para governos de terror e empurra a palavra 'justiça' como um prego na cabeça das massas semicultas, para despojá-las totalmente de sua compreensão (depois que este entendimento já sofreu muito com a semi-educação) e criar nelas uma boa consciência para o jogo perverso que deverão jogar."

    Nietzsche estava perfeitamente certo, como a história o tem provado – acertou também sobre a comunidade européia que menciona em "Humano, Demasiado Humano", inclusive já detectando a semi-educação (desinformação?) para o embelezamento do funesto objetivo.

    Ainda Nietzsche:

    "o indivíduo é nesse caso posto de lado como um inseto desagradável: está baixo demais para poder despertar por mais tempo sentimentos torturantes em um dominador do mundo. (...) Assim também se passa com o juiz injusto, com o jornalista que com pequenas deslealdades induz em erro a opinião pública."



    Nietzsche, muito apropriadamente, considerou o socialismo uma reação à redução do Poder Estatal (da súcia governante) sobre a população, e por tal reacionário. Já que almeja o velho Poder totalitário para a classe governante, como no passado. .

    É fato que os esquerdinhas sempre chamaram aqueles que a eles se opõem de reacionários, assim dizendo para induzir a que sejam eles os modernos que sofrem a reação. Dando ao termo certa conotação pejorativa, um xingamento: eles são os progressistas e os outros os reacionários. Mas não lhes ocorre que seu progressismo é um retorno ao feudalismo. ...hehehe! Isso é normal, pois ideológico não pensa e por tal tornou-se ideológico. Sem contar que estes esquerdistas gostam da fantasia de rebeldes, embora aquilo que defendem e o comportamento que dedicam às ordens de suas lideranças os fazem os mais submissos "rebeldes", ansiosos por seguirem e obedecerem suas lideranças carrancudas e cheias de manias de "salvadores da humanidade" através da imposição da própria vontade a todos. A vaidade que faz com esquerdistas se desejem valiosos salvadores deste mundo contra o qual se dizem rebela, é a mesma que os faz tornarem-se ubmissos e servis aos seus lideres representantes, nestes se representando em vez de em si mesmos. Daí o frenesi estupido e cheio de ódio que demonstram ao terem seus líderes e mentores questionados. Tornam-se violentos porque temem que a crítica espante integrantes do grupamento que forma um estapafurdio "asinum asinus fricat" como uma consciência externa (coletiva) superior a consciência individual. O ódio às críticas e aos que desprezam a submissão à lideranças ideológicas que exaltam para, por tabela, exaltarem-se por nelas desejarem-se representados, é o comportamento de quem preza mais os "representantes" ideológicos adotados como motivo de um orgulho postiço do que a si mesmos como indivíduos prezaveis e respeitaveis.
    .
    Hitler e Mussolini eram também socialistas, com a diferença do socialismo deles para o bolchevique ser que eles ainda permitiriam alguma "propriedade" privada como concessão do Estado e não como direito permanente. Ou seja, seria era um socialismo onde o Estado faz concessões pragmáticas, realistas. ...e ...TCHAM! atualmente parece ser esse o "socialismo moderno" defendido pelas viúvas do "socialismo real"...
  • Melanie Schwartz  26/09/2013 13:10
    Excelente notícia. Assim que eu encontrar um exemplar eu comprarei.
    Trivial, mas adorei a capa. Esse relógio astronômico de Praga é lindo demais. Espero que ajude a atrair a atenção de vários leitores, futuros adeptos da EA. ^^
  • Nathan  26/09/2013 13:27
    Aí sim, gostei. Excelente ideia abordar a interdisciplinariedade, tão importante para a análise econômica da Escola Austríaca, e também das ciências sociais. Também é um diferencial a abertura de espaço para o debate ideológico, tão pouco respeitado e promovido pelas grande mídia. Parabéns pela iniciativa. Sucesso.
  • Pedro Valadares  26/09/2013 13:28
    Como faço para comprar a revista?
  • Equipe IMB  26/09/2013 13:50
    Estamos aguardando a loja Singular disponibilizar o link em seu site. Tão logo isso ocorra, providenciaremos o link na foto deste artigo.
  • Fernando Chiocca  26/09/2013 14:20
  • Alessandro  26/09/2013 14:32
    É uma ótima notícia o lançamento dessa revista, pois ela é um caminho para diminuir a hegemonia do ensinamento socialista e keynesianista nas universidades brasileiras.

    A minha dúvida é, essa revista poderá ser adquirida em bancas de jornais, livrarias e/ou e-commerces, ou somente via assinatura?
  • Catarinense  26/09/2013 14:58
    Já estou pedindo a minha. Parabéns e sucesso, IMB!
  • Rene  26/09/2013 16:21
    A profissão de economista é a única na qual a pessoa pode fazer a burrada que quiser, sem o menor perigo de ter a credibilidade abalada por isso. Se o economista recomenda algo, as pessoas seguem e quebram a cara, basta dizer, com a maior cara de pau: "Então, isso aconteceu porque vocês não fizeram o que eu mandei bem o suficiente. Agora, basta fazer a mesma coisa, só que de maneira mais intensa, que tudo vai ser diferente". Então, as pessoas seguem, quebram a cara novamente, e recebem a mesma resposta, ad infinitum.

    O IMB é uma das poucas fontes confiáveis em termos de economia no Brasil. Vocês conseguem ensinar, de maneira clara e simples, fundamentos econômicos sólidos que muita gente não aprende em 4 anos de faculdade e sabe lá quantos anos de pós-graduações. E ainda colocam os charlatões no seu devido lugar, ao demonstrar que as análises econômicas clássicas só funcionariam se o mundo fosse habitado por pessoas com o mesmo senso de iniciativa daqueles bonequinhos do jogo "Lemmings".

    Espero que esta revista seja apenas mais um passo bem sucedido na longa caminhada da disseminação do conhecimento da boa economia no Brasil. Que este trabalho continue rendendo bons frutos.
  • Leonardo Couto  26/09/2013 16:58

    Excelente notícia, minhas felicitações ao IMB!

    A Escola Austríaca vai se propagar cada vez mais, podemos pelo menos agora ver a chance de uma luz no fim do túnel.

    Vamos continuar, firme e valorosamente, a espalhar os ideais e a logicidade austríaca.

    E com o ânimo de saber que certamente o futuro está mais promissor do que dez anos atrás.
  • Marcos  26/09/2013 17:55
    Ótima notícia.
  • Pobre Paulista  26/09/2013 18:09
    Espero que publiquem lá na faccamp. O Beluzzo deveria receber uma assinatura grátis.
  • IRCR  26/09/2013 19:00
    Não tem como comprar uma versão digital ? não gosto de papel
  • Julio dos Santos  26/09/2013 19:12
    Parabéns aos realizadores desta obra! Sem dúvida este é um marco na história do pensamento econômico brasileiro.
    Terá o lançamento aqui em Porto Alegre?
  • Rodrigo  26/09/2013 20:00
    Boa tarde,

    Gostaria de saber se a revista é indicada a pessoas que estão aprendendo, como eu, ou se os artigos e a linguagem utilizada é direcionada especificamente aos especialistas em economia.

    Acompanho o Instituto Mises, aproximadamente 1 ano, porém sou neófito em economia, abomino o Estado, e tenho por mim que as idéias Liberais são as chaves que acabam com a pobreza.

    Grato.
  • Equipe IMB  26/09/2013 20:35
    Prezado Rodrigo, o nível da revista é mais acadêmico, mesmo. O linguajar é claro, mas as ideias são apresentadas e desenvolvidas em tons mais acadêmicos.
  • Cassim  26/09/2013 20:21
    Sonho com o dia em que a EA será a maior voz na economia brasileira. Ela será referenciada por economistas renomados que sempre serão convidados pelos meios midiáticos a esclarecer prognósticos econômicos, políticos um dia a tomarão como referência e debaterão a eficiência de incontáveis programas públicos sob a perspectiva austríaca; fornecerá arcabouço lógico para uma explosão de ideologias pautadas na liberdade econômica e no direito natural e fará do repetitivo debate político atual em uma cruzada para o fim da política.

    Os estudos da EA transbordarão os limites da economia e da política: A obra de seus filósofos e de pensadores antecedentes estudados por essa(Juan de Mariana, Say, Bastiat, etc.) será revisitada e revolucionará a forma com que é escrita a história do pensamento humano. Estudiosos que desejam retornar os fatos aos estudos históricos em detrimento das ideologias revisitarão os livros didáticos e introduzirão conceitos como individualismo metodológico e modelo ricardiano em detrimento do materialismo dialético e da mais-valia.

    Um dia, olharão para as boas almas que escrevem excelentes artigos que infelizmente apenas serão lidos por uma pequena parcela de fortunados como pioneiros honrados por introduzirem a virtude da humildade em um meio de positivistas e ideólogos ególatras que é o meio intelectual brasileiro.

    Porém, por hora, contentar-me-ei em ler uma revista acadêmica e a sonhar que um dia o bom senso substituirá a psicopatia, a inveja e o arrogância intelectual.

    Parabéns por mais esta conquista!
  • Getulio Malveira  26/09/2013 20:29
    O lugar da Escola Austríaca é na academia. Com a revista posso agora recomendar a E.A. aos meus amigos acadêmicos. Já pedi a minha e estou ansioso para "botar as mãos" nessa edição histórica da qual muito se falará um dia.
  • Ronaldo Quinto  27/09/2013 12:29
    Parabéns ao pessoal do Instituto Mises Brasil pela iniciativa que, certamente, abrirá as portas para um real debate no meio acadêmico brasileiro.

    Agora sim as idéias da liberdade vão invadir a academia e serem notadas pelo mainstream!

    Abraço a todos,
  • Um autista  28/09/2013 00:56
    Olá, encontrar este site foi o mesmo que achar um tesouro perdido. Há alguns meses estou por aqui, silenciosamente acompanhando tudo, inclusive todos os comentários, em especial agradeço Leandro Roque, que explica tudo de forma descomplicada e seus textos são diferenciados.

    Sempre tive um modo de pensar que contrasta com o da maioria e via o Estado como uma ameaça à liberdade e não um manancial de proteção como as pessoas ao meu redor. Não me apresentei ao exército por não aceitar que regrassem a minha liberdade e jamais lutaria em uma guerra suja feita pelos vermes políticos. Faz dez anos que não vou às urnas dar o meu aval a esta democracia fajuta, aliás, sempre pensei que cada um deveria cuidar dos próprios interesses e não deixar nas mãos da maioria, enfim, não entendia o porquê de ver um sistema podre que restringe a liberdade individual quando todos que eu conheço se identificam com o sistema e não veem nada de errado, tirando é claro, a tal corrupção e mesmo assim, quando são roubados pelo Estado saem às ruas pedindo mais intervenção do Estado.

    Enfim, nunca me encaixei nessas falsas premissas e ideologias das massas. Há um ano tenho o diagnóstico de autismo, especificamente a Síndrome de Asperger e isto me mostrou, em tese, o porquê de eu pensar 'diferente', mas ainda não me deu uma resposta mais abrangente. Bom, esta resposta chegou quando conheci este site e os ideais libertários. Descobri que sou libertário e tudo aqui confirmou o que eu via. Claro que estou estudando mais, lapidando ainda mais este riquíssimo conhecimento que é nos passado diariamente. Fiquei feliz com a publicação da revista.

    Desejo sucesso a todos e espero que um dia as ideias da EA seja difundida por todo o Brasil. O que eu puder farei para difundir pontos de vistas libertários, inclusive em peças de teatro, que escrevo por hobby e estou trabalhando em uma em especial que se chama 'Uma grande nação', esteve na gaveta por algum tempo, mas agora, com tudo que estou aprendendo neste site tenho motivação para terminá-la. Por coincidência, a peça que comecei há um tempo atrás e abandonei fala justamente sobre as maracutaias do Estado.

    Abraços
  • Leonardo Couto  28/09/2013 16:41

    Seja bem-vindo! É realmente gratificante ler e aprofundar seu conhecimento em um local como este.

    Quer um sugestão? Veja esta apresentação de slides. No início do meu contato com a Escola Austríaca, ela me ajudou a entender melhor as coisas.

    Um abraço.
  • um autista  28/09/2013 22:14
    Leonardo grato pela sugestão. Realmente um ótimo conteúdo, de praxe como tudo que é feito por aqui.

    Obrigado por compartilhar.
  • Eduardo Bellani  30/09/2013 14:56
    O link esta levando a uma página 404.
  • Equipe IMB  30/09/2013 15:17
    Corrigido, Eduardo. Muito obrigado pelo aviso. Grande abraço!
  • Emerson Luis, um Psicologo  30/09/2013 18:16
    Desejo sucesso!

    * * *
  • anônimo  10/10/2013 12:26
    Recebi a minha agora, bem como alguns outros livros do IMB. Preciso dizer, o novo layout das capas está fantástico!
  • anônimo  10/10/2013 17:02
    Que tal uma edição especial capa dura com o autógrafo do pessoal do IMB? :)
  • anônimo  09/11/2013 02:40
    A revista ficará restrita a essa versão em papel, ou haverá uma versão em pdf também?
  • Vítor Höher Nunes  19/11/2014 12:05
    Pessoal,

    Para quem não sabe, a segunda publicação já foi lançada e tem o site da revista.
    www.revistamises.org.br/

    Além disso, o produto não está disponível para venda no site. Eu comprei o meu na Livraria Cultura, mas só tinha uma cópia a venda. Pode ter muita gente que teria interesse em adquirir, mas não comprou ainda por não saber que a nova edição foi lançada ou por não ter uma opção de compra da segunda edição na internet.

    No site da revista eu só achei link para compra da primeira publicação. Talvez tenha sido falha minha, mas vale verificar.

    Abraços!


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.