clube   |   doar   |   idiomas
Dez lições de economia austríaca para iniciantes
Introdução

Sem dúvida, você já deve ter percebido a importância da economia, porque ela está presente em nossa vida diariamente: quando vamos à padaria, ao cinema, compramos uma camisa no shopping, vendemos alguma coisa para alguém, sacamos dinheiro no nosso banco, fazemos um depósito de poupança etc. Acontece que todas essas operações e, por extensão, todas as ações que realizamos no campo da economia são decididas, na grande maioria das vezes, por intuição, ou por experiência, ou por nossos gostos, desejos e preferências. A importância da economia é enorme, porque, quando a economia de uma pessoa ou de um país vai bem, essa pessoa ou esse país estão melhorando de vida ou, na linguagem dos economistas, crescendo. E quando ela vai mal, isso significa uma só palavra: empobrecimento (da pessoa ou do país).

É importante você entender, então, que existe uma economia no mundo real, prática, que se desenrola a partir da ação de milhões de pessoas no dia a dia, e uma economia mais teórica, aquela que é estudada pelos economistas e que está nos livros. Para a Escola Austríaca de Economia, no entanto, a segunda só faz sentido se for capaz de explicar a primeira. Isto quer dizer que o papel principal da economia teórica deve ser o de explicar a economia do mundo real.

É exatamente com esse objetivo, o de ajudar você a entender a economia do dia a dia, de pensar nela de uma forma mais articulada, que o Instituto Ludwig von Mises Brasil pensou no curso Dez Lições de Economia Austríaca para Iniciantes. Como o nome indica, são dez pequenas aulas sobre os temas mais relevantes da economia, redigidas de maneira a que quem não é economista possa ter acesso, de modo fácil e sem complicações, aos conhecimentos essenciais da Escola Austríaca de Economia, que vão com certeza auxiliá-lo a compreender o mundo econômico.

Um grande problema que a equipe do IMB identifica nos jovens (tanto nas faculdades como nos alunos do ensino secundário) é que desde muito cedo eles são doutrinados por professores ideólogos, que lhes ensinam, por exemplo, que "os capitalistas exploram os trabalhadores" e coisas do tipo "os empresários são uns safados", como se essas afirmativas fizessem sentido e fossem sempre verdadeiras. Mas dificilmente esses mesmos jovens têm ou tiveram algum professor que lhes ensinasse que as atividades dos empreendedores são muito importantes e benéficas para todos, porque são essas atividades que geram empregos e — o que é mais importante — são elas que atendem da melhor forma possível às exigências dos consumidores, que devem ser sempre soberanos.

O curso Dez Lições de Economia Austríaca para Iniciantes vai mostrar que, ao contrário do que a maioria dos professores de História martela na cabeça dos estudantes, você não deve ficar de braços cruzados esperando que o governo faça cair do céu a fórmula da sua felicidade na economia, mas sim que você mesmo deve ir à luta e fazer acontecer o que você acha que é melhor para a sua vida. Não é um curso baseado em ideologia, mas um conjunto de ensinamentos básicos do que é a economia no mundo em que vivemos.

O curso é dirigido para todos os que não são economistas ou que não tiveram cadeiras de economia em sua formação universitária. Logo, é voltado para estudantes, tanto os do ensino secundário como os do ensino superior (que não sejam alunos de Economia nem de Administração); para médicos, comerciantes, sacerdotes, advogados; em suma, para o público não especializado em geral.

Serão dez lições, a serem publicadas aqui no site do IMB em dez artigos, todos eles curtos e redigidos em linguagem bastante acessível e com indicações de leituras adicionais para aqueles que se interessarem em se aprofundar nos assuntos tratados. A estrutura do curso é a seguinte:

As dez lições serão publicadas regularmente a cada semana, durante dez semanas consecutivas, no site do IMB e você não precisa se inscrever ou pagar qualquer importância, basta apenas ler com atenção cada uma delas. Ao final, o "diploma" que você receberá não será um pedaço de papel com o seu nome, mas uma coisa que vai ter valor inestimável em toda a sua vida: entender como funciona a economia no mundo real. Anunciaremos em breve as datas em que cada lição será publicada.

Se você se enquadra no perfil a que o curso está voltado, o convite para a leitura está feito. E, também, o convite para que você divulgue o curso entre os seus conhecidos.


7 votos

autor

Ubiratan Jorge Iorio
é economista, Diretor Acadêmico do IMB e Professor Associado de Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).  Visite seu website.

  • Gabriel Miranda  01/09/2012 05:44
    Gente, aproveitando o espaço, vocês viram que o governo acabou de instituir cotas para canais nacionais na TV por assinatura para "incentivar a indústria audiovisual brasileira"? É reedição da Lei da Informática, um bom tema para ser tratado pelo IMB.

    Segue trecho da reportagem:

    "A Ancine (Agência Nacional do Cinema) divulgou ontem a lista dos canais brasileiros aptos a cumprir as novas cotas obrigatórias em pacotes de TV por assinatura. Essas mudanças, previstas na lei nº 12.485/11, cuja regulamentação entra em vigor amanhã, devem chegar aos assinantes a partir de 1º de novembro. Com o objetivo de incentivar a indústria audiovisual brasileira, a nova lei da TV paga determinou cotas nacionais para canais e produções."

    Abraços!
  • Julio dos Santos  01/09/2012 07:42
    Vamos lá Prof. Iorio, papel e caneta na mão! Estou pronto!\r
    Até a primeira lição!
  • Henrique P.  01/09/2012 08:26
    Sr.Ubiratan, eu como estudante de arquitetura e urbanismo agradeço por essa iniciativa e certamente estarei acompanhando todas as lições.
    Eu que já levantei bandeiras do PT e UNE. Hoje eu morreria de vergonha graças ao conhecimento adquirido lendo os artigos da EA que abriram minha cabeça. Aos poucos tenho divulgado a EA aos alunos da minha universidade mesmo sendo sempre contrariado pelos professores (a última encerrou a conversa se utilizando dos dizeres "Brasil ame-o ou deixe-o", é mole? kkkk).
    Enfim, novamente muito obrigado!
  • Neto  01/09/2012 08:55
    E o pior é que ela ta certa.Não vejo a hora de ir embora
  • Augusto  02/09/2012 04:49
    voce podia ter perguntado para ela: como ir embora, se a policia federal esta de greve e sequer consigo um passaporte?
  • anônimo  02/09/2012 18:08
    Na minha cidade o passaporte é feito por terceirizados dentro da PF e está funcionando.
  • Leonardo Couto  01/09/2012 08:39
    Excelente iniciativa. Como de costume, mais uma vez o IMB entrega de graça um irretocável serviço a nós. Parabéns.
  • Rene  01/09/2012 10:09
    Muito bom! Aguardo ansioso...
  • Pedro  01/09/2012 11:19
    Muito bom!!
    Sugiro colocar também uma "bibliografia" básica e de aprofundamento e exemplificações práticas.
  • Daniel Mascarenhas  01/09/2012 11:26
    10 semanas não é muito tempo não ? Já que serão artigos curtos, como diz o texto.
  • maria de lourdes  01/09/2012 12:48
    O curso vai ficar disponível só por dez semanas ou vai ficar arquivado no site?
  • Nyappy!  01/09/2012 15:30
    Cada lição estará disponível como um artigo semanal.
  • mcmoraes  01/09/2012 13:00
    Muito boa a figura associada a este artigo. Muitas vezes eu acho que me sinto igual ao garoto olhando para aqueles livraos gigantes :)
  • Lucas Nutels  01/09/2012 15:38
    "As dez lições" - Ubiratan
  • Fabio  01/09/2012 16:28
    Vou indicar aos meus alunos, além de obviamente fazer o curso.
  • Renato  01/09/2012 16:56
    Meu irmão e eu estavamos debatendo sobre economia recentemente. Eu sou um ex-esquerdista que a cada dia que passa percebo que o marxismo é um lixo. Meu irmão se define sem ideologia, mas estranhemente só vota em alguns canditos de esquerda.
    Estavamos debatendo sobre libertarianismo e ele ironicamente disse vocês são muito teóricos. Falei para ele que o libertarianismo prega o fim dos impostos, ele comentou que isso é inviável.
    Ele acha que o ponto de vista passado por mim sobre o libertarianismo não quer acabar totalmente com os impostos e sim diminuí-lo ao máximo para que o mercado dirija por si só a economia.
    No momento do debate eu falei que o libertaianismo acabaria com impostos e citei, como exemplo, o IPTU. Meu irmão virou para mim e disse : "Se você for atropelado como você vai se socorrido na rua se não terá mais impostos para fazer um salvamento de emergência, em caso de acidentes na rua."
    Ele citou outros exemplos, tais como:
    Como vai pagar a dívida pública, já que ele não admite o calote do pagamento da dívida?
    Como será o sistema de educação pública e saúde pública?
    Depois colocarei outras coisas que ele disse, mas para tirar as primeiras dúvidas dele sobre o sistema anacocapitalista, tá de bom tamanho.
  • Marcelo  02/09/2012 00:55
    Pergunte ao seu irmão como teríamos café se não fosse a escravidão.
    Espero que ele entenda o recado.
  • Neto  02/09/2012 06:08
    Uma pessoa sofrendo um acidente na rua, é claro que os outros vão ajudar.
    E mesmo que ela não tenha seguro, não tenha nada, se for pra depender de caridade, a caridade privada sem o parasita governo como intermediário iria ser muito mais eficiente
  • Renato  02/09/2012 12:45
    Marcelo, ele não entendeu o seu exemplo.

    Neto meu irmão achou a sua resposta muito genérica.

    O primeiro ponto é sobre os impostos. Ele quer saber se é para acabar totalmente com os impostos ou diminuir. Em relação a teoria anarco-capitalista é para acabar de vez com os impostos ou apenas para diminuí-lo.




  • Andre Cavalcante  02/09/2012 14:06
    Por partes,

    Todos os serviços hoje prestados pelo governo são PAGOS! Só que este pagamento é unilateral, ou seja, o governo manda e tu tens que pagar, você querendo ou não o serviço, por isso o nome de IMPOSTO.

    Como tal, isto tem que acabar! Primeiro porque tal procedimento é eticamente um roubo! E ninguém deve roubar ninguém, muito menos uma instituição que se justifica por ser "boa para o povo!"

    Achar que uma rua não terá serviço de emergência porque não tem imposto é não saber a diferença entre o roubo do governo, a escravidão e o pagamento de um serviço por vontade própria, a liberdade. O governo, agindo assim, torna-nos todos escravos de sua vontade e não da nossa.

    A questão da escravidão é o exemplo clássico. Uma das grandes bandeiras contra os abolicionistas no século XIX era: "Sem escravos, como podemos ter café?" Hoje não temos escravos nas lavouras de café e o Brasil continua a ser um dos maiores consumidores e exportadores mundiais do café. O discurso do seu irmão é o mesmo dos fazendeiros contra abolicionistas: se não tivermos governos não termos X (aqui coloque o que você quiser). É claro que X, se pode ser feito pelo governo, também o pode pela iniciativa privada, se houver mercado para esse X. Se não houver mercado para esse X é porque ninguém quer e então se deve gastar dinheiro com isso, principalmente do governo que se justifica como o dinheiro de todos (o que, é claro, não é verdade).
  • Renato  02/09/2012 14:51
    Ele ainda está na dúvida se o anarco capitalismo é para acabar com todos os impostos.

  • Gojira no sakebi  02/09/2012 16:57
    Sim, Renato, TODOS os impostos, e TODAS as regulações. Acabar com toda ação, mesmo que não seja oficial, que parta deste mesmo princípio: violação dos direitos de propriedade (iniciação de agressão). Aliás, é para acabar com TODO o estado.
  • Renato  02/09/2012 21:59
    Gojira no sakebi, você acredita que meu irmão ao ler o seu comentário, de acabar com todo o Estado, ele teve um ataque!
    Ele achou pura loucura de acabar com o Estado. É claro que ele usou os mesmos argumentos da mesmice:
    Como ficará a situação da justiça?
    Como ficará a situação da segurança?
    Tudo ficará uma baderna!
    Ele continua achando que o sistema libertário é pura fantasia.


    Engraçado que meu irmão mencionou sobre Falhas de Mercado: às vezes acredito que ele acha que vocês não sabem o que é isso.
    Vocês poderiam falar sobre falhas de mercado?
    Eu tenho quase certeza que esse negócio de falhas de mercado é coisa de ecomonia esquerdista.

    Se eu estiver errado, por favor, me corrijam.
  • Rafael Franca  03/09/2012 05:32
    Renato, falha no mercado existe pq o mercado age de forma não natural por conta da influência do estado. Crise de 2008-2009, a do subprime, aconteceu pq o governo interferiu no mercado imobiliário, o que causou distorções até o ponto de ficar insustentável. Os amigos daqui são capazes de citar mais exemplos, mas todas as "crises do capitalismo" tem influência do estado, que altera as regras do jogo (para "proteção, justiça social ou qualquer outra desculpa mequetrefe) e leva o mercado a uma espiral viciada.
  • Marcus Benites  02/09/2012 17:02
    Sim, acabar com todos os impostos. Não pode existir nada "imposto" dentro de uma visão libertária. Parece óbvio pelo próprio sentido básico do termo. "Imposto" e "liberdade" são tão coerentes quanto a sigla do PSOL, que une "socialismo" e "liberdade". Seria como unir "doença" e "remédio", por assim dizer, afirmando que se trará o "benefício" dos dois às pessoas. Nenhum imposto e, qualquer coisa em contrário disso, não passa de uma defesa de que lombrigas tenham o direito de viver em nosso intestino, consumindo nosso alimento de modo parasitário, e que isso é importante pra nós e deve continuar.
  • Cebolinha  02/09/2012 19:46
    Dúvida: existe alguma diferença entre o anarco-capitalismo e o anarquismo?
  • Rafael  02/09/2012 19:47
    Acredito que essas perguntas do seu irmão refletem seu desconhecimento econômico, reflexo da doutrinação estatal. Explicar COMO funcionaria uma sociedade libertária, antes que ele entenda o PORQUE de acabar com o estado, será inútil e uma perda de tempo - já que mesmo se dermos todas as possíveis respostas, mais uma infinidade de perguntas sobre os mínimos detalhes surgirão. Faça-o perceber a similaridade de seus questionamentos com estes, feitos a mais de 100 anos atrás: bem, e depois de acabar a escravidão, como o algodão será colhido? Como as tarefas domésticas serão feitas? O que garante que os negros não sairão se matando?

    O fato é que a escravidão é tão imoral quanto roubar (impostos e inflação), sequestrar (alistamento militar e crimes sem vítima), vender as futuras gerações (guerras e dívida pública) e os mais jovens (previdência social), etc.

    Entendido que o estado é imoral, mostre como este destrói destrói riqueza e causa sofrimento, indicando livros e artigos daqui do site sobre economia (Bastiat, Hazlitt, Mises, Rothbard, Hoppe).

    Seguindo esse caminho, ele saberá o PORQUE e aí, sim, fará sentido pensar no COMO. Um bom livro para começar a perder os preconceitos com a palavra anarquia é:

    www.libertarianismo.org/index.php/biblioteca/230-stefan-molyneux/1049-anarquia-cotidiana

    E se ele souber inglês, a continuação explica o funcionamento de uma sociedade anárquica:

    www.freedomainradio.com/free/books/FDR_5_PDF_Practical_Anarchy_Audiobook.pdf
  • Renato  03/09/2012 06:50
    Rafael, obrigado pelas suas indicações.
    o problema que meu irmão é tão arrogante que depois que ele leu o comentário de se acabar com o Estado, ele não leva mais vocês e disse que não vai mais ler nada do que vocês escreverem.

    Eu disse para ele ler os artigos que vocês colocaram sobre "Dez lições de economia austríaca para iniciantes", mas ele disse que não vai ler porque ele acha que o anarco capitalismo é pura teoria fantasiosa.

    Começo a desconfiar que ele deve achar que o anaco capitalismo é um sistema econômico que surgiu a pouco tempo.
  • Andre Cavalcante  02/09/2012 18:55
    Ooops, errata:

    Onde se lê "Se não houver mercado para esse X é porque ninguém quer e então se deve gastar dinheiro com isso,..." deve-se ler: "Se não houver mercado para esse X é porque ninguém quer e então NÃO se deve gastar dinheiro com isso,...".

    É claro.
  • Pedro Lima  03/09/2012 05:38
    tem dois artigos do imb que falam sobre essa diferença entre anarcocapitalismo e anarquismo

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=416

    e

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=69
  • Peterson Mota  01/09/2012 18:37
    Excelente Notícia Professor!
  • Cesar  01/09/2012 20:04
    Parabens ao IMB ao fomentar a prosperidade intelectual! Parabens para professor Iorio por esta iniciativa. Quando começa o curso?
  • Thyago Schio  02/09/2012 06:28
    Parabéns ao professor e ao IMB pela iniciativa!

    Certamente trará bons frutos...
  • Davi  02/09/2012 08:57
    Apesar de ser economista farei o curso, pois a "teoria" que aprendi se mostra cada vez mais furada. Mas aguardo um curso mais "hard" no futuro. Kkkk. Espero as aulas.
  • israel  02/09/2012 09:15
    Isso é pura filantropia,lecionar à luz da verdade sem petição de valor e é benéfico ao progresso,enquanto o governo do PT-PSEUDOALTRUÍSTA- dá uma aula pra burro aplaudir e gente esperta ser espoliado por essa corja que só suga os bens alheios.
    Parabéns!!!!!
  • Maherbson  02/09/2012 11:45
    Muito obrigado pela iniciativa, estarei aguardando ansiosamente pelos artigos, desde que entrei em contato com a escola austríaca, tenho observado a economia de outra maneira: "a vida/economia como ela é". vamos partir para a divulgação!!
  • José Ricardo das Chagas Monteiro  02/09/2012 11:55
    Saudações, professor Iório sempre com generosidade,aliás, essa muito normal por aqui, nada de estranho àqueles que frequentam o sítio IMB. Embora tenha feito várias apostilas ,dos mais diversos assuntos, do IMB para incautos amigos e filhos, teremos mais do professor, sinto-me um privilegiado, e agora ansioso.
  • Diego Vasconcelos  02/09/2012 14:04
    IMB, Apenas agradecer pela oportunidade.\r
    Sera de grande valia os textos, principalmente para todos de outras areas (sou médico), acompanho sempre o site e recomendo a colegas, sempre que posso imprimo textos mais interessantes e os deixo na recepção do hospital, lugares publicos em geral, enfim.. \r
    No aguardo.\r
    \r
  • Marcos  02/09/2012 14:41
    Ótima iniciativa, parabéns. Algumas vezes é um pouco difícil que alguém que não esteja familiarizado consiga seguir alguns textos daqui. Isso é natural, pois somos bombardeados desde cedo com o estatismo. Claro que já existem artigos introdutórios, mas este curso certamente dará uma base melhor para quem se interessa pelo tema.
  • amauri  03/09/2012 03:41
    Bom dia!
    Lara Resende no Jornal Valor deu uma entrevista sobre os rumos do capitalismo e sitou os austriacos tambem. O que voce achou da entrevista? abs
  • Davi  03/09/2012 05:40
    Senhores IMB, tem uma coluna do Lara Rezende na Valor que trata, de forma bem superficial, dos austriacos, não é muito coisa, mas é uma citação.
    turmadochapeu.com.br/rumos-capitalismo/
  • pensador barato  03/09/2012 06:08
    Sensacional este curso introdutório pois irá desmistificar o pensamento econômico e ampliar o conhecimento do assunto de forma detalhada,enriquecendo nossos amigos libertários e tapando a boca dos críticos e caluniadores.Parabéns IMB por mais está iniciativa e nossas academias de economia sintam-se envergonhadas de não incluir a escola austríaca em seus currículos nem mesmo mencionando a existência da mesma,prevalecendo a politicagem nas publicas e a omissão nas particulares, infelizmente empobrecendo o debate.
  • Deilton  03/09/2012 06:16
    Além de fazer o curso, vou divulgá-lo exaustivamente. Haverá um capítulo sobre ciclos econômicos, mas seria bom se tivesse um especificamente sobre a crise atual, explicando passo a passo o por que da crise e por que é impossível que os gastos do governo resolva o problema.
    Muito boa a iniciativa.
  • Rodrigo DSP  03/09/2012 07:27
    Ótima notícia! Aguardo ansiosamente as aulas!
  • tibartz  04/09/2012 11:28
    Ótima idéia. Junto de cada texto poderiam ser selecionados autores e livros para que quem se interessasse em ir além já tivesse um ponto de partida.
  • Fred  05/09/2012 17:57
    O IMB deveria firmar convênio com um desses grupo de ensino a distancia, como a COC, Estácio, Anhaguera e criar um curso de economia a distancia voltada à escola austriaca. Ter um diploma de curso superior abre muitas portas( principalmente dentro da máquina estatal). E ter um diploma de curso superior em economia austriaca me faria bem feliz. Será que o IMB tem algum projeto nesse sentido?
  • Diego E.  09/10/2012 04:45
    Bela iniciativa, IMB.
    Passarei para todos os meus amigos interessados.
  • Nyappy!  11/11/2012 11:46
    Tá na hora de transformar os nomes das lições em links, assim podemos compartilhar uma URL só.
  • Jonathan Freire  11/11/2012 12:36
    Leandro Roque, coloca os links de todas as lições neste artigo para facilitar a procura.
  • Fernando Chiocca  11/11/2012 19:08
    Done!
  • gabriel  12/01/2013 14:07
    Valeu, mas o link do oitavo tá quebrado!
  • Leandro  12/01/2013 14:12
    Corrigido. Obrigado pelo alerta. Abraço!
  • Abelardo Peixoto  10/01/2014 14:22
    Primeira lição de economia:
    Saber somar e subtrair.
    Soma-se o que é produzido e subtrai-se o que é consumido.
    Tudo funciona dessa maneira, até os tão enigmáticos cálculos integral e diferencial descobertos pelo gênio de Isaac Newton. São soma de infinitésimos ou subtração de infinitésimos.

    Segunda lição de economia:
    A economia funciona exatamente igual às leis da Física.
    Não é possível gerar-se qualquer coisa do nada. Essa é um faculdade exclusiva de um ente que é identificado como Deus.
    Não há milagre nem mágica.

    Terceira lição de economia:
    O dinheiro é simplesmente uma medida de valores. Só tem valor se corresponder a um bem que se deseja adquirir e corresponder ao bem produzido por quem detém esse dinheiro. Bem esse, que ao ser vendido a um consumidor, esse lhe pagou com dinheiro no valor de mercado corresponde.
  • João  14/03/2014 13:12
    Parabéns pela iniciativa, tenho muito interesse por este site.Faltava para mim uma formação básica em economia para compreender melhor os textos publicados aqui.
    E o tipo de formação que eu mais me identifico é exatamente esta, liberal.
  • Douglas Silva  06/04/2015 14:38
    Olá, alguém poderia me dar um ajuda? Esse ano estou fazendo cursinho, quero fazer Economia, porém como todos sabem, o pensamento esquerdopata domina o ensino superior neste país. Moro em São Paulo, sonho em fazer na FGV, mas como é particular e o custo é alto penso numa pública, tenho que ajudar em casa e não tenho uma boa condição financeira, por isso se passar irei fazer na FEA-USP, queria saber o que vocês fariam? Qual instituição indicariam e optariam? Sei que tem excelentes instituições, Insper, FAAP, FECAP, já pensei até no MACK; quero ter uma boa formação, mas existe algumas dificuldades, penso que tenho que me adaptar ao sistema que está ai.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.