clube   |   doar   |   idiomas

Existe uma página específica para este artigo. Para acessá-la clique aqui.

O fetiche do iPad

Eu sou um potencial consumidor de iPad. Mas quero pagar o mínimo possível por ele. Felizmente, a China já o produz a um preço muito acessível. Os EUA não têm problema com isso. Tanto que o importam sem nenhuma complicação e custa meros $ 499 dólares a versão mais básica. Por que não podemos pagar o mesmo preço aqui? Ah, sim. Impostos. Tarifas de importação. Burocracia. Infraestrutura péssima. Enfim, toda aquela realidade brasileira que já estamos cansados de tanto reclamar.

Mas por que diabos o governo está liderando o processo de investimento de uma fábrica de iPads? Por que diabos temos de forçar goela abaixo a instalação de uma fábrica para produzir "tablets" que custarão ao consumidor mais do que custa lá fora? Se a China é mais competitiva do que o Brasil, não há motivos para produzí-los aqui. Se houvesse lucro nessa empreitada, empresários privados já teriam se dado conta.

Para reduzir o preço do iPad nacional, o governo terá que dar tratamento especial a empresas, conceder incentivos fiscais e sabe-se lá que outras benesses. Ou seja, o povo brasileiro todo vai ter due pagar, via impostos, para subsidiar a produção deste produto no país. Não que eu seja contra redução de impostos para produção. Mas que seja para todos, não somente para alguns.

Além disso, segundo as normas deste investimento na indústria tecnológica brasileira, a produção deverá usar 20% de componentes nacionais no primeiro ano, e 80% em três anos. Primeiro, ou não se conseguirá atingir esse patamar, ou o preço do iPad vai para o espaço. Apenas para lembrar, por que mesmo precisamos produzir um iPad aqui se a China já o produz a um excelente custo? Ah sim, os empregos.

Precisamos gerar empregos. Precisamos de indústria tecnológica avançada. Precisamos de inovação na economia nacional. Como o conseguimos? Com o governo, óbvio. Já que o setor privado não se apresenta e investe em tecnologia, o governo arregaça as mangas e faz pela gente. Sem dúvida nenhuma criamos empregos ao subsidiar uma dada indústria. O grande problema é que não conseguimos ver todos os empregos que são destruídos por causa dessa realocação forçada de recursos.

Quantas empresas terão de ir à falência para que tenhamos uma indústria tecnológica forte? A questão é que nossos governantes querem tudo ao mesmo tempo. Impostos altos, uma teta gigante para mamar e, mesmo com tudo isso, que ainda haja pujança econômica da iniciativa privada. Para eles, empresários não investem porque são gananciosos. Na verdade, são os consumidores que são gananciosos. São eles que querem sempre comprar pelo menor preço. Mas o empresário brasileiro não consegue sempre ofertar pelo menor preço, pois esse bando de parasitas insiste em nos taxar cada vez mais.

Então o que acontece se o empresário racionalmente não pode investir? Ah, claro. O estado investe por todos! Para garantir a rentabilidade, sempre existe a possibilidade de alguma isenção fiscal. Para garantir o capital inicial necessário, sempre temos o BNDES. Pois é, o governo provavelmente será sócio de alguma empresa produtora de telas de iPad. Mais uma vez, o maldito BNDES! Duvidam?

Basta ler a recente notícia do nosso mega-empresário de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante. Em decorrência da dificuldade de encontrar produtores nacionais capazes de, ao mesmo tempo, produzir telas para o iPad e manterem-se solventes, o principal empresário do país (a União) está em busca de sócios para esta empreitada. Com tantos problemas emergenciais que nosso país enfrenta nos serviços providos pelo governo, desde a saúde, a educação, segurança, justiça, etc., temos ainda que BUSCAR SÓCIOS PARA PRODUÇÃO DE TELAS DE IPAD? Será ninguém mais enxerga estes descalabros?

Para ver se o leitor se indigna tanto quanto eu, proponho analisar apenas um breve trecho da notícia:

Mercadante cita a assinatura de um "acordo de confidencialidade" com a Foxconn para não revelar os detalhes das conversas com a empresa. "Não é simples, é uma negociação complexa", admitiu o ministro. "Há desafios, como aeroporto, logística, energia, licenciamento ambiental e o problema básico, que é o alto custo de capital no país", disse. "Quanto maior for a força dos grupos nacionais, menor será a participação do Estado."

Deixando de lado a parte em que nosso mega-empresário da tecnologia afirma que não pode revelar detalhes da negociação, sendo que qualquer subsídio oferecido a empresa virá do seu bolso, caro leitor, vou direto ao ponto: por favor, releiam a última frase. "Quanto maior for a força dos grupos nacionais, menor será a participação do estado.", afirma Mercadante. Brilhante! Basta o setor privado se fortalecer para o estado diminuir sua participação. Opa, mas como o setor privado se fortalece? Ora, diminuindo o estado. Mas o estado só vai diminuir quando o setor privado se fortalecer? Sim. Entendeu?

Qual a lição do dia?

O estado vai crescer.

E o iPad nacional seguirá custando mais do que no exterior.



autor

Fernando Ulrich
é mestre em Economia da Escola Austríaca, com experiência mundial na indústria de elevadores e nos mercados financeiro e imobiliário brasileiros. É conselheiro do Instituto Mises Brasil, estudioso de teoria monetária, entusiasta de moedas digitais, e mantém um blog no portal InfoMoney chamado "Moeda na era digital". Também é autor do livro "Bitcoin - a moeda na era digital".

 

  • Paulo  03/09/2011 21:12
    A solução para resolver este problema é cortando gastos públicos para poder reduzir impostos e privatizar o BNDES.
  • Carlos  09/09/2011 00:05
    Não tem como privatizar o BNDES. Tem é que fechá-lo.
  • Daniel M.  04/09/2011 11:00
    E por incrível que pareça essas idéias brilhantes circulam pelos cursos superiores de economia. É o estado formando gente capaz somente de pensar dentro do "quadrado".
  • Filipe Celeti  05/09/2011 11:35
    Daniel,

    Como disse Alfredo Bosi sobre a cultura universitária: "Para alguns, ela é, mesmo, um dos apoios fundamentais do aparelho do Estado enquanto a Universidade não cessa de produzir pessoal habilitado para as carreiras burocráticas e burocratizáveis do país."
  • Carlos  09/09/2011 00:08
    Sempre que alguem me fala que o país prescisa de um política que incentive uma indústria forte, eu mando fazer uma visita à 25 de março, para ver o quanto de desemprego a falta destas políticas trazem.
  • Mestre Madeira  15/09/2011 15:50
    Êhê Brasilzão... Um dia a gente ainda se transforma num grande acampamento.. (por enquanto somos pequenos)
  • anônimo  13/10/2011 19:01
    Dilma sanciona lei que isenta de impostos tablets produzidos no Brasil

    agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-10-11/dilma-sanciona-lei-que-isenta-de-impostos-tablets-produzidos-no-brasil

    LOUKO

    Boa notícia não?
  • Carlos Araujo  13/10/2011 20:14
    Não.
    A lei bebeficia apenas empresas na zona franca, além de não se extender para optantes do simples nacional.
  • Thiago  05/11/2011 19:43
    O texto do Mansueto explica bem a lógica do Ipad no Brasil. Indo mais a fundo no tópico. \r
    mansueto.wordpress.com/2011/10/18/qual-a-logica-de-producao-de-ipads-no-brasil/\r
    \r
    Em suma, o valor agregado adicionado na China é apenas de $8 dolares por Ipad. É esse valor agregado que iremos "ganhar" com a produção do Ipad. Não faz o menor sentido....
  • Igor  13/07/2012 12:43
    www.sidneyrezende.com/noticia/177758+ipad+nacional+nao+tem+reducao+de+preco


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.