clube   |   doar   |   idiomas
Teoria e história - evidências empíricas dos ciclos econômicos

1.  Introdução

Este artigo tem o objetivo de evidenciar como se encaixa a teoria austríaca dos ciclos econômicos (TACE) nos fatos econômicos da história pós-revolução industrial.  Trata-se de saber se a análise teórica proporciona ou não um esquema interpretativo adequado aos fenômenos de expansão econômica e recessão que a civilização experimentou depois desse marco histórico.

É preciso, no entanto, ressaltar a cautela frente a esse objetivo.  Isso porque, ao contrário do que afirma a escola positivista, a evidência empírica não é suficiente para confirmar ou refutar uma teoria econômica válida.  Como afirma Mises, a praxeologia busca conhecimento que seja válido sempre que as condições correspondam exatamente àquelas consideradas na hipótese teórica.  Sua afirmação e sua proposição não decorrem da experiência; antecedem qualquer compreensão dos fatos históricos. Tendo clara essa relação, podemos seguir adiante.

2.  A Teoria

Uma forma de intervencionismo se dá através de controle monetário.  A moeda é um poderoso indutor econômico, uma ferramenta poderosa e, por isso, a detenção do monopólio sobre ela proporciona uma vantagem aos governos em relação à moeda livre: a moeda estatal, fiduciária e de curso legal forçado, traz consigo o aumento de possibilidades de financiamento dos gastos dos governos, bem como o estímulo ou desestímulo de setores que atendam aos seus interesses.

Como instrumento, os governos necessitam do sistema bancário para fluir o dinheiro aonde lhe interessa e, por isso, é de seu interesse que ele seja saudável.  Tem-se, assim, a origem da relação entre o aspecto político e o aspecto financeiro indutor da atividade econômica:

A causa se encontra (...) no privilégio concedido aos banqueiros para que, em violação dos princípios tradicionais do direito[1] (...) exerçam, portanto, seu negócio com coeficiente de reserva fracionária. Privilégio este de que também se aproveitam os governos para obter financiamento fácil em momentos de apuros e, depois, por meio dos bancos centrais, para garantir facilidade creditícia e liquidez inflacionária que até agora se considerava serem muito necessárias e favoráveis como estímulo para o desenvolvimento econômico. (HUERTA DE SOTO, 2009, p.392). Tradução livre.

Porém, essa relação traz consigo efeitos colaterais sobre a economia real. A expansão monetária e creditícia não sustentada por uma poupança real causa graves distorções na estrutura produtiva da economia.  O conflito entre as etapas de produção torna-se inevitável, bem como o aparecimento das recessões. Como resultado, tem-se a concentração forçada de renda devido ao processo de inflação monetária e à dilapidação de capital devido aos investimentos errôneos e insustentáveis.

Tal situação econômica gera desemprego e descontentamento da população. Ela, por desconhecer a teoria econômica, advoga em favor da expansão monetária e creditícia como saída da crise, devido aos benefícios aparentes que ela proporciona na fase de expansão econômica.  Nas próprias palavras de Mises:

Quanto maior tiver sido o seu otimismo nos dias do boom, maior será a sua resistência ao ajuste.  Chegam a deixar passar boas oportunidades por terem perdido momentaneamente a autoconfiança e a capacidade de iniciativa. Mas o pior é que as pessoas são incorrigíveis. Depois de alguns anos redescobrirão a expansão do crédito e a velha história, uma vez mais, se repetirá. (MISES, 1990, p. 803).

3.  A História

Com o início da Revolução Industrial, os ciclos econômicos começaram a se reproduzir com uma grande regularidade, adquirindo os traços típicos expostos pela teoria. No entanto, enquanto Marx culpava a economia de mercado capitalista por esses ciclos, Hume e Ricardo viram o desenvolvimento de outra instituição junto com o sistema industrial e que era a legítima responsável pelos ciclos econômicos: o sistema bancário comercial com reserva fracionária.

A seguir, será exposta uma síntese dos principais ciclos econômicos pós-revolução industrial até a atualidade, assim como suas características:

a) O pânico de 1819 — Afetou essencialmente os EUA.  O pânico foi precedido por uma expansão da oferta monetária e do crédito sem respaldo de poupança real.  Neste processo, o recém criado Banco dos Estados Unidos teve atuação protagonista. A expansão foi bruscamente interrompida em 1819, quando o banco deixou de expandir o crédito e reclamou o pagamento das notas emitidas por outros bancos e que estavam em seu poder;

b) A crise de 1836 — Ocorreu em consequência da crise essencialmente inglesa de 1825. Novamente, os bancos iniciam uma expansão creditícia, gerando um boom em que se multiplicam as sociedades por ações.  Os créditos financiam vários setores e aquecem demasiadamente a economia, refletindo uma subida vertiginosa nos preços. A crise começa quando os bancos decidem deixar de aumentar os créditos por estarem cada vez mais perdendo suas reservas em ouro, as quais fluíam principalmente para os EUA.  A partir de 1836, os bancos quebram ou suspendem pagamentos, iniciando uma profunda depressão até 1840;

c) A crise de 1847 — Em 1840, reinicia-se a expansão creditícia artificial no Reino Unido, estendendo-se pela França e pelos EUA.  A bolsa de valores inicia um enorme movimento especulativo puxada pelas empresas de trem, até seu fim em 1846, com a crise na Grã Bretanha. Vale ressaltar que, em 1844, a Inglaterra havia adotado a proibição da emissão de notas bancárias que não tivessem o respaldo de 100% em ouro (Peel's Bank Act). No entanto, tal medida não se estabeleceu em relação aos depósitos e créditos, cujo volume se multiplicou por cinco em 2 anos. A depressão se estendeu à França, especialmente às empresas de bens de capital, agravando o desemprego. É nesse contexto histórico que se insere a revolução de caráter tipicamente socialista que se produziu nesse país em 1848;

d) A crise de 1866 — Etapa expansiva se inicia em 1861. Têm papel protagonista o desenvolvimento dos bancos na Inglaterra e a expansão creditícia pelo Credit Foncier na França. A influência da expansão é maior sobretudo na indústria do algodão.  Em 1866, quebras generalizadas acontecem e se suspende a lei (Peel's Bank Act) que exigia reservas de 100% em ouro para todas as notas bancárias emitidas.  A finalidade de tal suspensão é defender as reservas de ouro do Banco da Inglaterra;

e) A crise de 1907 — Desta vez, as companhias de energia elétrica são as protagonistas e beneficiárias dos novos créditos artificialmente expandidos. A indústria química também participa dessa expansão creditícia. A crise ocorre em 1907, após a qual inicia-se um novo período de expansão econômica artificial, o qual dura até 1913 e a Primeira Guerra Mundial;

f) A grande depressão de 1929 — A causa dessa crise em nada se difere das anteriores: a expansão creditícia artificial ocorrida na década de 1920 (sob batuta de uma nova entidade chamada Federal Reserve).  No entanto, o que a caracteriza é a sua duração e gravidade, que só pode ser entendida pelos erros de política econômica e monetária. Hoover e Roosevelt tomaram medidas contraproducentes para a recuperação, forçando uma manutenção artificial de salários, aumentos de gasto público (aumentando o déficit e decidindo-se equilibrar o orçamento via impostos), aumento de imposto de renda para os mais ricos, entre outros.  O financiamento das obras públicas, sobretudo, se deu via emissão de dívida, o que absorveu a escassa oferta de capital disponível, afetando gravemente o setor privado;

g) A recessão do final dos anos 1970 — A característica mais típica dos ciclos econômicos posteriores à Segunda Guerra Mundial é que tiveram sua origem em políticas deliberadamente inflacionistas dirigidas e coordenadas por Bancos Centrais.  Assim, sob inspiração keynesiana, durante as décadas seguintes considerava-se que. mediante uma política fiscal e monetária expansionista, seria possível evitar qualquer crise.  Não foi o que ocorreu, sendo a crise manifestada em finais de 1970;

h) A recessão do início dos anos 1990 — A experiência da década de 1970 poderia ter trazido aos responsáveis econômicos e financeiros do ocidente lições para evitar uma nova crise. Desafortunadamente, uma nova expansão creditícia se iniciou nos EUA em meados dos anos 1980, alimentando um importante boom da bolsa de valores.

i) A crise de fins da década de 2000 — essa crise, conhecida como bolha imobiliária, foi caracterizada pelo boom no mercado imobiliário americano.  Assim como todas as crises anteriores, foi precedida de expansão creditícia artificial, dessa vez possibilitando a expansão e a criação de diversos produtos financeiros.  A subida dos juros e o risco de inadimplência dos financiamentos subprime detonaram a crise em 2008, evidenciada com a quebra do banco Lehman Brothers. Essa crise ainda está vigente.

4.  Conclusão: A teoria e a história conjuntamente

O esquema das crises parece apresentar um padrão claro em sequência: expansão creditícia artificial; boom no mercado financeiro, o qual elege algum setor em destaque no mercado de capitais; elevação de riscos no setor bancário devido, justamente, ao esquema Ponzi praticado pelas instituições financeiras devido às reservas fracionárias; crise financeira e quebras bancárias, seguidas de crise econômica com a quebra de empresas, sobretudo de bens de capital (por tornarem inviáveis seus investimentos sustentados por crédito até então artificialmente barato); demissões em massa, já que as etapas produtivas intermediárias são as maiores empregadoras na economia; recessão.

Um novo ciclo se inicia com uma nova expansão creditícia, justamente para tentar sair da recessão que até então atingia a economia.

Nota-se, assim, uma grande coerência na interpretação da história econômica quando submetida a uma teoria prévia.  Sob luz da TACE, os fatos históricos nesse período se "encaixam" nas conclusões teóricas.  Não enquadremos por isso os eventos históricos em algum padrão quantitativo a fim de predizer algo sobre a economia, até porque, segundo Mises, não é possível saber até quando as pessoas terão fé em alguma ideia errada. Tomemos, sim, essa associação consistente entre a teoria e a história para diagnosticar os erros e não cometê-los novamente.  Se as coisas tornarem-se recorrentes, então no futuro só poderemos tirar duas conclusões sobre os (ir)responsáveis financeiros dos governos: ou são ignorantes ou são mal intencionados.

__________________________________

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

GARRISON, R. Tiempo y dinero. 2.ed Madrid. Unión Editorial, 2005.

HAYEK, F. Desestatização do dinheiro. Disponível em: http://www.mises.org.br/Ebook.aspx?id=57

HUERTA DE SOTO, J. Dinero, crédito bancário y ciclos económicos. 4.ed. Madrid: Unión Editorial, 2009.

MISES, L.; Ação Humana: um tratado de economia; 3.ed. Rio de Janeiro: Instituto Liberal. 1990.

________;Teoría e História. Madrid: Unión Editorial, 2003.

ROTHBARD, M. Depressões econômicas: causa e cura. Disponível em: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=228



[1] Há uma diferença jurídica entre os contratos de depósito, em que o dinheiro fica em custódia e à disposição imediata do depositante, não havendo transferência de propriedade; e o de empréstimo, em que há a transferência da propriedade do dinheiro e prazos definidos para a devolução. O sistema de reserva fracionária naturalmente provoca o descompasso de prazos entre entradas e saídas de caixa dos bancos em decorrência disso, o que gera um esquema Ponzi que tende a uma grave crise financeira. Devido a essa natureza fraudulenta do sistema bancário baseado na reserva fracionária, o sistema bancário é o único setor da economia que vai á bancarrota de forma sistêmica.

 

0 votos

autor

Domingos Crosseti Branda
é mestre em Economia da Escola Austríaca pela Universidade Rey Juan Carlos, Madri.

  • Rhyan  29/08/2011 07:29
    E a crise de 1920-21? E a crise do dotcom?
  • João  29/08/2011 07:47
    Alguém aí se lembra daquele banco de Microcrédito de Bangladesh, que era considerado um modelo, quase uma salvação do mundo? Pois bem, o governo brasileiro, como sempre, copia os "ótimos" exemplos de fora:

    Empréstimos do 'Crescer' vão atingir 3,5 milhões de brasileiros, diz Dilma (fonte: Portal G1)

    Quanto tempo vai durar essa palhaçada de endividamento eterno para levar o país ao paraíso?
  • Cristiano  29/08/2011 10:36
    João, veja esse artigo aqui sobre o microcrédito: www.mises.org.br/Article.aspx?id=442
  • Erick Skrabe  29/08/2011 10:05
    João,

    O "Notícias do Planalto" tem uma ótima história sobre este tema. Os caars sugeriram ao Collor esta idéia de micro crédito (acho que foi o Saad da Tv bandeirantes por sinal).

    Passado algum tempo o pessoal procurou ele porque queria usar a mesma metodologia para cobrar propina. Bem, ñ podemos dizer q o governo em geral, e o Collor especificamente, não tem criatividade.

    Erick
  • Inácio Neto  29/08/2011 11:10
    Ótimo artigo.

    Eu acredito que na verdade esse problema é uma mistura de ignorancia da parte de uns e mas intencões da parte de outros.
  • Felix  29/08/2011 11:13
    Alguém saberia explicar a crise de 1998 na ásia e na Rússia?
  • Pedro  29/08/2011 12:37
    wiki.mises.org/wiki/1998_Russian_financial_crisis
  • Alan  29/08/2011 12:49
    Não entendo como os EUA conseguiram sair da crise com essas medidas keynesianas. A guerra, afinal de contas, realmente trouxe benefícios a eles?
  • Luis Almeida  29/08/2011 12:53
    Alan, veja o que realmente tirou os EUA da Grande Depressão:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=849
  • Nina   29/08/2011 12:58
    Poxa, estava navegando agora mesmo em uns sites americanos e encontrei um texto sobre políticos messias em ternos sob medida, como sou ruim em inglês achei um site que traduziu o texto: verdadesitiada.com
    Excelente texto, vale a pena ler.
    Beijos, da Nina.
  • rodrigo meira  29/08/2011 13:06
    muito bom artigo, apesar de curto, minha monografia vai seguir a mesma linha desse artigo, quero começar fazendo uma apresentação da Escola Austríaca de Economia, apresentando os principais nomes juntamente com a TACE, que é praticamente ignorada pelos professores e pouco conhecida pelos alunos do curso de economia da minha cidade, depois quero descrever algumas crises e no final apontarei a maior probabilidade de dois destinos possíveis para os próximos anos, que seria estagflação(na minha opinião já estar ocorrendo) ou hiperinflação.

    eu já estou selecionando alguns artigos aqui do instituto, mas quem quiser me ajudar e indicar artigos, videos, livros,... eu agradeço.
  • Domingos  29/08/2011 16:55
    Prezados leitores,\r
    \r
    Agradeço os elogios sobre o artigo e as críticas a respeito de crises não mencionadas. Concordo com vocês que tais crises existiram, mas não poderia citar todas sob pena de tornar o artigo massante. \r
    \r
    Um abraço.
  • Getulio Malveira  29/08/2011 17:43
    Muito bom texto, Domingos! Só tenho uma dúvida: há registros de que o fenômeno tenha ocorrido antes de 1819?
  • Domingos  29/08/2011 18:38
    Há sim. Os que conheço são os casos de Florença (séculos XIV e XVI), Médicis em Veneza (quebra em 1494) e Sevilla na época de Carlos V.\r
    \r
    Autores citados por Huerta de Soto sobre o tema são:\r
    \r
    1)Carlo Cipolla com sua obra " El gobierno de la moneda: ensayos de historia monetária";\r
    2)R.C Muller com " The role of bank money in Venice: 1300-1500";\r
    3)Hayek com seu artigo " First paper money in eightteenth century France".\r
    \r
    Um resumo pode ser encontrado no proprio livro de Huerta de Soto (citado como referencia neste artigo) pg 375.\r
    \r
    Um abraço.\r
    \r
  • Getulio Malveira  30/08/2011 18:45
    Muito obrigado pelas informações, Domingos. Forte abraço!
  • Nina  29/08/2011 19:59
    Ops...postei errado. O certo é:

    verdadesitiada.blogspot.com
  • anônimo  31/08/2011 13:22
    É muito esclarecedor e ótimos exemplos de causas para as crises. Será que nos tempos atuais as crises ainda são inevitáveis, ou estamos falando de um revés inerente a qualquer processo evolutivo? E só nos caberia o poder de amenizar o impacto? Até 2030 quantas crises veremos?

    É tão claro, que não poderiamos sobreviver cosumindo apenas água.
  • Fernando Z  01/09/2011 21:12
    Muito útil esse artigo, Obrigado!!
  • Artur  10/10/2012 09:33
    Por favor, será que alguém poderia me explicar ou indicar alguma literatura sobre a declaração do Milton Friedman sobre a teoria austríaca dos ciclos econômicos, onde, em 1969 e depois em 1993, ele afirma que a teoria é contradita pelas observações empíricas e portanto é falsa? Também gostaria de saber qual foi a refutação da Escola Austríaca para esta afirmação do M. Friedman.

    As afirmações dele se encontram, de acordo com a wikipédia, na seguinte bibliografia:

    Friedman, Milton. "The Monetary Studies of the National Bureau, 44th Annual Report". The Optimal Quantity of Money and Other Essays. Chicago: Aldine. pp. 261–284.

    Friedman, Milton. "The 'Plucking Model' of Business Fluctuations Revisited". Economic Inquiry: 171–177.

    Obrigado.
  • Emerson Luis  14/06/2018 10:25

    Além disso, há casos em que princípios da EA foram aplicados (mesmo sem conhecê-la, pois são leis naturais) e os resultados foram bons.

    * * *


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.