71º Podcast Mises Brasil - Lobão




logo_baixa.jpgENTREVISTA 71 - LOBÃO

Estar no centro do turbilhão de salitre e breu, para usar uma imagem do poeta inglês William Blake, não é novidade na vida do cantor, compositor e escritor Lobão. Mas a polêmica da vez é diferente das anteriores e tem origem na crítica político-cultural do seu novo livro “Manifesto do Nada na Terra do Nunca”.

Nas entrevistas de divulgação, Lobão foi contundente nas críticas à dominação cultural da esquerda e no alerta para as consequências do aparelhamento ideológico. A polêmica, que começou na imprensa, transbordou para as redes sociais com a gritaria de sempre da minoria histérica, mas com uma reação vigorosa de pessoas que compartilham ou descobriram que compartilhavam a visão do artista.

Além do fato incomum de um representante do universo musical passar com um bulldozer por cima do hype esquerdista, a perspectiva também libertária que embasa a sua visão crítica soou completamente estranha aos suspeitos de sempre. Pois, para escrever o livro e fundamentar a sua crítica, Lobão afirmou ter lido dezenas de livros e artigos, alguns dos quais de autores libertários e da Escola Austríaca publicados no site do IMB.

“Sou leitor do site, que me ajudou muito a escrever o livro e a ampliar a minha visão de mundo. O site tem textos maravilhosos e indicações de livros fundamentais. Você tem acesso a livros que não estão disponíveis em outro lugar. Eu devo muito ao site do Instituto Mises”, disse Lobão nesta entrevista ao Podcast.

A conversa abordou temas como o individualismo metodológico (“Frouxo unido jamais será um indivíduo”), libertarianismo, estatismo, esquerdismo, capitalismo de estado, doutrinação, cultura e política brasileira, e a necessidade de unir todos aqueles que acreditam no livre mercado, na livre iniciativa, na propriedade privada, na liberdade de expressão para combater o inimigo comum e alterar o panorama atual.

“Estamos num momento histórico em que naturalmente ou forçosamente, pela nossa boa vontade e bom senso, temos (conservadores, liberais e libertários) que sentar e tentar um alinhamento para reformular a situação atual. Estamos num momento muito rico e temos que ter uma visão de ponta de lança rompedor; saber o que fazer com a bola quicando na área”.

Neste Podcast, um Lobão como certamente vocês nunca ouviram. 

 







85 comentários
85 comentários
Neto 10/05/2013 09:51:35

'Gente, vcs não podem se dar a esse luxo'.
Perfeito.

Responder
João 10/05/2013 11:03:52

Muito bom...comprem o livro

Responder
Arthur Gomes 10/05/2013 11:29:59

Parabéns;
Lobão

Precisamos cada vez mais de livros e obras literárias desse tipo para balançar o chamado status quo que existe no Brasil, não se pode criticar nada neste país. O que vemos hoje a total degradação de tudo que é bom e valioso no país. Família, educação, convivência entre as pessoas, religião. Tudo está contaminado por esse pensamento marxista e coletivista.

Parabéns Lobão; tenho certeza que essa geração ainda vai mudar esse pensamento.

Responder
Carlos 14/05/2013 04:08:58

É Artur,em poucas palavras foi certeiro.

Entretanto :

" Tenho certeza que essa geração ainda vai mudar esse pensamento."

Temo que isso não vá acontecer.Não nesta geração.Infelizmente.

Ainda há o agravante : nossas crianças cada vez mais cedo sendo obrigadas a irem para a escola.Mais tempo levando lavagem cerebral,mais tempo sendo doutrinadas.É trágico.

"Escola não educa ninguém.Quem educa,são os pais.A escola instrui."

E o mais trágico:como educar uma criança com uma massa cada vez maior de pais sofrendo de letargia mental?Como pode alguém desenvolver a percepção numa criança se ela mesma não possui tal percepção?

Sinistro: muitas distrações,muitos cartões de crédito ( cartões de dívida ),muita alienação..... tudo em excesso....incluindo vaidades de todos os tipos.

Temos uma sociedade que se corrompeu completamente.O que se vê no meio político nada mais é que o reflexo desta sociedade!



Responder
João 10/05/2013 12:52:36

Me impressiona até onde o Estado pode chegar, e até onde as pessoas podem se acostumar.

Responder
Bruno D 10/05/2013 12:59:55

Os neurônios que sobraram ainda estão trabalhando, bom, muito interessante essa entrevista.

Responder
Bruno D 10/05/2013 13:07:28

Vejo, realmente o libertarianismo ou mesmo o próprio conservadorismo se tornado um novo filão na mídia, vamos ver cada vez mais e mais artistas "cons" e "liber"...

Responder
Cristiano 10/05/2013 14:09:17

Lobão puxou a fila. Nos EUA muitos artistas estão embarcando no movimento libertário que está em ebulição!

Responder

Acho louvável a honestidade do Lobão em ir contra a "maré vermelha" quando quase todos os artistas têm tido um posicionamento cômodo em posar de intelectuais de esquerda. A proposta do Lobão e tentar fazer a articulação entre libertários e conservadores é extremamente importante. Certamente ainda tem muito esquerdista se perguntando como pode alguém poder defender isso que o Lobão defende, ou pior, como pode o próprio Lobão fazê-lo. Escrevo do interior do Ceará uma cidade chamada Crato de notável importância histórica onde houve o primeiro grito de independência do Brasil dado pela heroína Bárbara de Alencar, envolvida na confederação do equador. Como os filhos da Bárbara, personagens históricos da mais notável importância era conservadores (José Martiniano de Alencar e Tristão Gonçalves de Alencar) no sentido moral, foram prontamente esquecidos pela inteligentzia local (Vide URCA - Universidade Regional do Cariri, hoje em vias de federalização). Não é de se surpreender. Quem não está com as esquerdas é prontamente declarado como inimigo.

Responder
mauricio barbosa 10/05/2013 15:50:48

Os inconfidentes foram os primeiros a idealizar a independência do Brasil.

Responder
Antonio Savio Nunes de Queiroz 10/05/2013 16:48:18

Será? rsrs Já temos uns 10 gritos da independência antes do oficial então.

Responder
Hilton Neves 12/05/2013 06:57:42

@Antônio: muito legal esse dado acerca do pioneirismo! Lembro terem nos mostrado um pouco da Confederação do Equador na 6ª série, mas não lembrava que foi no Crato que ela teve seu início!

Responder
Hilton Neves 10/05/2013 15:16:15

Chamberlain ter ido conversar com Hitler não levou a coisa boa, amigos...

Olavo de Carvalho é a piada-pronta. Ele está ali, na linha da lateral, ensebando a bola, próximo ao círculo central... Se ele joga no meu time, prefiro ir eu mesmo ali e dar um bicão no tendão-de-aquiles do sujeito, ao menos assim ele sai de maca e o treinador aciona outro no bullpen.

Olavo não tem escrúpulos. Uma coisa é você discordar do Constantino no que quer que seja. Firmeza. Outra é você bater palma pra Ciro Gomes, um esquerdalhaço que usou de truculência num debate, só queria interromper o RC etc; e ainda dizer que o Ciro "ganhou o debate de lavada", só porque o Rodrigo é seu desafeto.

Pode me chamar de omisso, do que for... sorry, Lobão, se pra derrotar comunismo, gramscismo, PT... nós tivermos que nos aliar ao astrólogo; racho fora do país também. Aliás, coisa que o Olavo fez há anos, né? Faço igual os cubanos, parto de caiaque, jangada, velocípede... vou morar no Paraguai, Zimbábue, Chile... tudo, menos essa malta de neo-cons e RINO's.

Responder
Alexandre R. 10/05/2013 17:31:21

O Partido Republicano nos EUA só é forte por unir libertários e conservadores. Não adianta ficarmos nos dividindo por divergências secundárias. Entendo que essas divergências podem ser resolvidas por cada um representar setores diferentes dentro de um mesmo partido. Agora nós, anti-esquerdistas já somos poucos e não temos representação. Se formos nos dividir e discutir internamente, aí sim seremos aniquilados para sempre.

Responder
Felipe 10/05/2013 22:06:28

O Partido Republicano americano, hoje, é formado em sua maioria por neocons - socialistas reformados da época da guerra fria, adeptos do capitalismo de estado e do "estado guia".

Responder
Francisco 10/05/2013 18:46:24

Pelo menos 70% dos que acessam este site ouviram falar do Mises pelo Olavo ou por algum de seus alunos ou ex. Olavo pode ser caricato e as vezes tomar posturas ridículas, mas é um dos poucos grandes pensadores. Não há ninguém no meio liberal brasileiro capaz de debater com o Olavo.
Sempre que vejo os comentários por aqui, percebo que em sua maioria as pessoas só entendem ou macaqueiam algum conhecimento de economia, só. Sem um conhecimento cultural, sério, de literatura, filosofia, psicologia, direito, economia... de nada adianta. Dos nomes conservadores e liberais só o Olavo abrange todas essas áreas. Nos anos noventa o próprio Olavo dava palestras no IL, quando a moçada que aqui comenta ainda estava no ginásio. É preciso reconhecer os méritos de quem tem!

Além do mais, esse confronto entre liberais e conservadores é coisa de bocó, não faz sentindo quando o PT ta metendo o chicote em todo mundo.

Essa é minha opinião, mas os libertários brasileiros podem continuar celebrando os méritos do Ron Paul e tentando criar um partido anarco-capitalista (sic) sem nem mesmo tirar o PT e sua corja do poder. Só considero isso tão utópico quanto o comunismo.

Responder
anônimo 10/05/2013 19:38:53

Pelo menos 70% dos que acessam este site ouviram falar do Mises pelo Olavo ou por algum de seus alunos

Comigo foi justamente o contrário, primeiro conheci o IMB, pra depois conhecer o Olavo. Depois disso, tudo começou a ficar mais claro pra mim a respeito do aspecto político-cultural vigente no nosso país. Antes não tinha a mais remota idéia de nada disso.

Responder
Douglas Becker 10/05/2013 20:43:42

Foi exatamente o que ocorreu comigo. Conheci os austríacos através do Olavo, que me auxiliou a compreender o básico sobre a Escola Austríaca, sobretudo sobre a praxeologia, e lançou as bases do que sei hoje.

Hoje continuo lendo tudo o que ele escreve e acesso diariamente o Mises Brasil. Em minha opinião, Olavo de Carvalho está para a conjuntura política brasileira como os austríacos estão para a Economia. Cada um esbanja competência em seu próprio campo de atuação.

Mas, a bem da verdade, o que mais admiro no Olavo são seus escritos filosóficos. Ele é um grande pedagogo, um grande divulgador e também um grande filósofo, com contribuições originais importantíssimas que talvez demorem a ser reconhecidas.

Responder
André Ribeiro 10/05/2013 21:06:23

Comigo aconteceu exatamente isso. O Olavo me apresentou a Escola Austríaca e me ajudou inclusive a abrir mão da minha adesão quase que completa à Escola de Chicago.

Responder
anônimo 10/05/2013 21:30:41

Pelo menos 70% dos que acessam este site ouviram falar do Mises pelo Olavo ou por algum de seus alunos

Citação, por favor.

Pessoalmente, nunca li nada do tal Olavo. Conheci o Mises Brasil pelo Mises internacional. E fico com o Hoppe no que ele diz de nunca flexionar no campo das idéias. Essas idéias não se misturam com as das melancias, das madres terezas ou das viúvas. Mas em campo prático, apóio qq diminuição da criminalidade legitimada.

E sobre filosofia, recomendo Butler Shaffer, Roderick Long e Hoppe.

Responder
Francisco 10/05/2013 22:08:12

Com citação, creio que esteja se referindo a fonte. São estatísticas minhas!

Seleção de artigos do Olavo onde Mises e a EA são citados antes da maioria aqui entrar na faculdade.

www.olavodecarvalho.org/textos/borronicas.htm
www.olavodecarvalho.org/textos/naosabendo.htm
www.olavodecarvalho.org/semana/05272002globo.htm
www.olavodecarvalho.org/textos/capitalismoecristianismo.htm

Agora uma resposta do Olavo aos liberais
www.youtube.com/watch?v=rpNKiWDMY7g&feature=relmfu

E por último, um artigo do Flávio Morgentern, que nada tem a ver com Olavo e com essa história toda, que demonstra porque 90% dos libertários (novamente estatística minha!) estão completamente equivocados em suas abordagens. Não é falando economês ou de praxeologia que conseguiremos algum resultado. É somente através da CULTURA, e isso leva tempo. Na verdade, fazendo essa abordagem cultural não é certo que colhamos nossos próprio frutos. Mas e daí se nossas ideias causarem nossa morte? Foi assim que a esquerda se tornou hegemônica. E é assim que temos que fazer.

O Olavo é o intelectual mais xingado e desrespeitado, mas é também o que mais contribuiu pela causa liberal, não só conservadora, até o momento.

Responder
anônimo 10/05/2013 22:30:45

O Olavo respeita a escola austríaca, só não é anarquista.

Responder
Marcus Benites 10/05/2013 23:06:12

E Marx escreveu milhares de páginas muito antes de o Olavo chupar chupeta... Qual a validade desse tipo de argumentação? Francamente... Olavo é bom? Sim: por causa disto e disto... E seus argumentos são estes e têm validade por causa disto e daquilo. Olavo é ruim? Sim: por causa disto e disto também... E seus argumentos não têm validade por causa disto e daquilo... Agora podem parar de agir como torcedores de um time de futebol, apresentando afirmações sem desenvolvimento lógico ("ele é gênio, foi meu professor, adoro ele, cheguei ao IMB através dele" x "ele é um astrólogo, só fala bobagem, etc") e começar um debate de verdade, caso queiram que haja algum nível de argumentação por aqui... Por enquanto está parecendo uma seção de comentários de um site esquerdista, com gente repetindo afirmações sem prova (como porcentagens tiradas da cabeça) de acordo com seus dogmas. Desculpem o desabafo, mas é como estou vendo a coisa.

Responder
saoPaulo 11/05/2013 23:44:28

Francisco, realmente, dá gosto de ler alguns textos dele.

Agora o vídeo... este é lamentável! Basta adotar a definição de liberdade defendida aqui (ausência de coerção) para ver o espantalho criado por Olavo cair por terra.

O artigo roga por união entre liberais e conservadores e você vem me postar um vídeo dele dizendo que liberais são fanáticos, burros, ignorantes, bestas quadradas, liberaizinhos de bosta e instrumentos da esquerda. Tudo isso por não acharem que o Estado deva se meter em questões individuais, como o sexo da pessoa com a qual alguém queira se casar. Passa a impressão de que Olavo, como outros que já comentaram por aqui, seja a favor da PROIBIÇÃO de tal ato! Realmente, ideologias fossilizadas.

Fico sem saber o que pensar. Você acha mesmo que "esse confronto entre liberais e conservadores é coisa de bocó", ou quer fomentar mais intriga para nos dividir? Acredito que não são espantalhos e insultos que nos farão mudar de posição (falo por mim mesmo). Não é com tal posicionamento maniqueísta de "ou vocês concordam 100% conosco ou são instrumentos da esquerda, suas bestas quadradas", que algum diálogo será mantido. Pelo menos não com os discípulos deste tal professor.

Desculpe, mas este vídeo foi um desserviço.

Responder
Neto 12/05/2013 10:01:57

Não precisa nem mudar a definição
@3:08
'a sociedade começa com a limitação da liberdade, essa é a coisa mais óbvia do mundo'
Mas se a liberdade termina onde começa a do outro, não há o que limitar. Se alguém faz algo invadindo o espaço do outro, isso sim tem que ser limitado mas isso não é liberdade.

Responder
anônimo 12/05/2013 10:18:27

'vídeo dele dizendo que liberais são fanáticos, burros, ignorantes, bestas quadradas, liberaizinhos de bosta e instrumentos da esquerda. Tudo isso por não acharem que o Estado deva se meter em questões individuais, como o sexo da pessoa com a qual alguém queira se casar.'

Isso sim é um espantalho. Ele já falou mil vezes que o problema do gayzismo não é que ele se incomoda 'com o sexo da pessoa com a qual alguém queira se casar' mas sim que que isso dá direitos e poderes artificiais a um grupo de pessoas se sentirem acima dos outros.
E nisso ele está certíssimo, uma das lutas do movimento gayzista é a tal da lei que proíbe um comerciante de tirar de seu estabelecimento um casal gay que esteja se agarrando.Ou seja pra combater a 'homofobia' sua casa não é mais sua, é o governo que manda lá.
Outra coisa que ele fala é como todo crime contra gay agora é prova de 'homofobia', aí os ativistas gays mostram aqueles números lá mas não falam da maioria dos casos que o gay foi morto por outro gay! O namorado ou ficante ou sei lá como chama.

Responder
saoPaulo 12/05/2013 16:08:25

"Ele já falou mil vezes que o problema do gayzismo não é que ele se incomoda 'com o sexo da pessoa com a qual alguém queira se casar' mas sim que que isso dá direitos e poderes artificiais a um grupo de pessoas se sentirem acima dos outros."

Caso fosse apenas isto, eu estaria de pleno acordo com ele. Porém, ouça o vídeo postado a partir dos 8:15.

"Ora, se o sujeito é liberal e diz: [...] 'como eu sou um defensor da liberdade, então eu aceito que o estado não possa se meter nesse negócio de de aborto, CASAMENTO GAY, etc, etc, etc.' [blá blá blá] Então, você é um instrumento da esquerda, sua besta quadrada [verborragia]."

Ora, ou o Estado pode se "meter nesse negócio de casamento gay", ou não pode. Na minha opinião, o Estado não deve se meter em questões individuais, como o sexo da pessoa com a qual alguém queira se casar. Ao associar tal posição a bestas quadradas, Olavo está nitidamente tomando um posicionamento contrário, qual seja, "o Estado pode se meter em questões individuais, como o sexo da pessoa com a qual alguém queira/possa se casar." Onde está o espantalho? Estou simplesmente interpretando o que ele disse no vídeo.

"E nisso ele está certíssimo, uma das lutas do movimento gayzista é a tal da lei que proíbe um comerciante de tirar de seu estabelecimento um casal gay que esteja se agarrando.Ou seja pra combater a 'homofobia' sua casa não é mais sua, é o governo que manda lá."

Novamente, caso fosse apenas isto, eu estaria de pleno acordo com ele. Como acredito que pessoas deveriam ser livres para serem imbecis com mulheres, negros, estrangeiros, homossexuais, etc, acho tais excessos dos "gayzistas" execráveis.

Mas o que dizer quando gays não podem autorizar cirurgia de risco no cônjuge? Ou quando gays não podem assumir a guarda do filho do cônjuge? Ao meu ver tais exigências, que seriam prontamente atendidas ao se reconhecer legalmente o casamento gay, são mais do que razoáveis.

Há espaço para muita discussão sobre assuntos como este. O que não dá pra aguentar é esse maniqueísmo de "ou estão conosco, ou são fanáticos, burros, ignorantes, bestas quadradas, liberaizinhos de bosta e instrumentos da esquerda".

Responder
Francisco Costa 12/05/2013 18:40:21

SaoPaulo, se considerarmos o conceito de liberdade apenas como a ausência coerção, devemos considerar Mises com um anti-liberal, pois, para ele, podemos definir liberdade como "o estado de coisas no qual a faculdade de o indivíduo escolher não é mais limitada pela violência do governo do que o seria, de qualquer forma, pela lei praxeológica". (Ação Humana. pág. 341)

Quanto aos insultos, eu discordo de sua forma agressiva. Mas, convenhamos, os argumentos do Olavo estão corretíssimos. Ele aponta principalmente os erros dos liberais ao levantarem as mesmas bandeiras da esquerda.

Hayek, no Caminho da Servidão, já apontava os erros dos liberais em suas abordagens.

"Os princípios básicos do liberalismo não contêm nenhum elemento que o faça um credo estacionário, nenhuma regra fixa e imutável. O princípio fundamental segundo o qual devemos utilizar ao máximo as forças espontâneas da sociedade e recorrer o menos possível à coerção pode ter uma infinita variedade de aplicações. Há, em particular,
enorme diferença entre criar deliberadamente um sistema no qual a concorrência produza os maiores benefícios possíveis, e aceitar passivamente as instituições tais como elas são. Talvez nada tenha sido mais prejudicial à causa liberal do que a obstinada insistência de alguns liberais em certas regras gerais primitivas, sobretudo o princípio do laissez-faire. Contudo, de certa maneira, essa insistência era necessária e inevitável. Diante dos inumeráveis interesses a demonstrar que certas medidas trariam benefícios óbvios e imediatos a alguns, ao passo que o mal por elas causado era muito mais indireto e difícil de perceber, apenas regras fixas e imutáveis teriam sido eficazes. E como se firmara uma forte convicção de que era imprescindível haver liberdade na área industrial, a tentação de apresentá-la como uma regra sem exceções foi grande demais para ser evitada.

No entanto, essa atitude assumida por muitos vulgarizadores da doutrina liberal tornava quase inevitável que, uma vez abalados alguns de seus pontos, logo toda ela desmoronasse. "(O Caminho da Servidão. págs. 41-42)

Acho que nossos "liberais" mais atrapalham do que ajudam. Como já afirmei, é necessário montar uma base cultural antes de defender o libertarianismo. Afinal, ninguém quer parar de receber bolsa família. Ninguém que recebe benefício do governo acha isso errado. Mas nossos liberais propõem o fim de tudo que vem do governo antes mesmo do povão ter consciência de todo o caminho que o dinheiro percorre antes de chegar até a sua mão, e propõem também "liberdade" de abortar, quando até a candidata do PT foi à TV mostrar fotos suas com a netinha recém nascida, uma vez que estava sendo acusada de defender o aborto e seria provável que perdesse as eleições por isso. Só lembrando que ela é do PT, o mesmo que quer legalizar o aborto.

Defender o que o povão desconhece e considera como "maligno" é um erro de abordagem que só retarda reais resultados. É preciso DOUTRINAÇÃO, por mais feio que soe esta palavra.

Abraços

Responder
Blue Eyes, Na Resistência 12/05/2013 07:53:54

Concordo... bater no Olavo é coisa de esquerdista... mesmo aqueles que se acham libertarios... ser libertario não implica necessariamente não ter simpatia pela esquerda revolucionaria ou pelos conservadores... o libertario só não quer estar no olho do furacão... mas seriam muito bem vindos na luta conservadora, pois entre um governo conservador ou socialista, teriam mais liberdade no primeiro...

Responder
Hilton Neves 13/05/2013 20:37:27

@Blue Eyes: uai, ocê não viu o que tá ululante nisso tudo? O Olavinho É o esquerdista, meu prezado resistente cyber-sinatra. Ele escolheu o lado do Ciro Gomes num debate de economia, ahahahaha! Que mais você quer?

Responder
Hilton Neves 11/05/2013 08:15:15

@anônimo: obrigado! Cabei de ler um artigo do Butler Shaffer, chamado Less Dangerous Targets(Alvos Menos Perigosos). Faz refletir, super bacana o texto!

Responder
Hilton Neves 11/05/2013 00:18:40

@Francisco: digo o mesmo que o Marcus Benites.

Sim, tal confronto é coisa de bocó. Acontece que o Olavo não é um conservador de boa estirpe, se é desse princípio que cê parte. Logo... não se trata dum confronto de conservador com liberal, e sim dum comercial das balas Ice-Kiss com horóscopo, famosas nos anos 90.

Lmao!... É tão utópico que juntaram-se o GOP e a lamestream media e fizeram tudo pra ofuscar o Ron Paul da televisão em três anos de campanha; e o homem só bombou no período. Cê deve ter visto a covardia que fizeram na convenção em agosto em Tampa, né?

Responder
Míriam Martinho 10/05/2013 20:57:31

Lobão, se pra derrotar comunismo, gramscismo, PT... nós tivermos que nos aliar ao astrólogo; racho fora do país também.

Tamo junto, colega! Os conservadores, em geral, são tão reacionários, dogmáticos e autoritários quanto os socialistas. São farinha do mesmo saco autoritário. O Olavo é um paranoico, decrépito, embusteiro....

Em todo o mundo, mesmo na América Latina, existem partidos libertários, liberais e conservadores. Aqui não existe nem um nem outro e se fica aí nesse desespero de causa de juntar alhos com bugalhos. Vão dar com os burros n'água. Os conservadores são repelentes para muita gente, inclusive para mim. Com eles no meio, tô fora! Nada tenho de reacionária.

Responder
Francisco 10/05/2013 21:30:22

"Lobão, se pra derrotar comunismo, gramscismo, PT... nós tivermos que nos aliar ao astrólogo; racho fora do país também. "

"Os conservadores são repelentes para muita gente, inclusive para mim. Com eles no meio, tô fora! Nada tenho de reacionária."


Tens certeza que são os conservadores que são dogmáticos? Há idiotas entres conservadores, libertários, liberais... Mas eles são piores do que o PT? Prefiro ter a liberdade de discutir com alguém que acredita em anarco-capitalismo do que financiar as lentes azuis da presidANTA. Mas se você acha que somos "repelentes", tudo bem. Vá no DCE e tente conversar com um militante do PSOL. Boa sorte.

Abraço

Responder
Fabio MS 10/05/2013 21:48:46

Esse comentário foi dogmático e autoritário.

Responder
Neto 10/05/2013 22:29:25

Geralmente os libertários que tem aversão aos conservadores são os que não gostam dos valores das sociedades tradicionais que os conservadores defendem.
O que mostra como eles são sem noção, tire o governo da jogada e o que vai ser de feministas, abortistas etc? Nada.

Responder
Cleiton 11/05/2013 14:46:33

Geralmente "libertários" que tem aversão a conservadores são esquerdistas que finalmente entenderam a superioridade do livre mercado sobre o estatismo, mas não querem largar de suas crenças nos campos de comportamento.

Responder
Hilton Neves 10/05/2013 22:27:26

@Míriam: obrigado pela força! Permita-me dizer que gosto muito do conservadorismo. E por gostar, acho ainda mais absurdo gente feito o astrólogo ter esse Ibope todo cá no Brasil. Isso ajuda a explicar o atraso em que caímos.

Gosto muito de ler João Pereira Coutinho, Edmund Burke... li um tiquinho de Denis Rosenfield e gostei até aqui. Ah, sim! Concordo 150% com a sua descrição sobre o Olavo.

Responder
Miriam Martinho 12/05/2013 17:21:07

Hilton, até onde conheço o conservadorismo, não gosto nem um pouquinho do mesmo, se bem que tenha respeito pelo João Pereira Coutinho, pois, pelo menos, não é embusteiro. Para mim, o conservadorismo nem é uma ideologia - como o socialismo - nem uma doutrina como o liberalismo. É mais um estado de espírito... mórbido. Tem mais sintomas do que propostas, uma verdadeira síndrome: pessimismo existencial, visão trágica e melancólica da vida; descrença na razão humana como norte das ações humanas e consequente crença em delusões de entidades divinas a quem a humanidade deve recorrer porque imperfeita demais para guiar-se a si mesma e consequente crença na repressão moral e sexual (é o retorno do pensamento medieval); falta de força vital, de estamina, de ousadia...etc. A medicina moderna cura tudo isso com prozac ou viagra, minha gente.

Entre os socialistas que têm a cabeça lá no século XIX e os conservadores que têm a deles entre os séculos XII e XVII, eu fico com nenhuma das opções e salve-se quem puder. Fora que não ponho no meu altar nem o Deus-estado nem o Deus-mercado porque sou ateia.

Responder
anônimo 12/05/2013 18:17:57

A princípio achei que era uma "left-libertarian". Vejo que é só mais uma esquerdistazinha alheia aos fatos e a realidade.

Responder
Hilton Neves 13/05/2013 19:55:27

Acho que você traçou um raio-x de bastante acuidade, Miriam, lol. Pra bem ou pra mal, temos muito disso, sim. Quase caí em depressão nesse outubro último, ao passar num bairro belo-horizontino e ver as casas mais antigas em mau estado.

Claro que o mercado tem minha escolha. No entanto, tampouco o levo a altar. Ele soluciona muita coisa, só que não explica. Na TV, e.g., creio na influência que ele exerce - parte do que ela exibe a platéia quer ver - e atst, pra mim todo canal tem sua agenda. De maneiras que ficou legal esse distanciamento que você adotou.

Responder
J. Galt 13/05/2013 20:49:44

"Ele soluciona muita coisa, só que não explica."

Exemplos?

Responder
Hilton Neves 13/05/2013 21:24:20

Na própria televisão, Galt, conforme acima: é uma troca, não é só o gosto da platéia que influencia a programação futura. O canal também molda a sua platéia.

Responder
J. Galt 13/05/2013 21:56:54

E existe concorrência entre emissoras de TV? Ou seria um mercado altamente cartelizado com imensas barreiras de entrada, sujeito a todo tipo de conluio com as autoridades? Dá pra dizer que as emissoras estão sob o crivo dos consumidores neste caso? Não há concorrência. Distorções, como a que você apontou, acontecem justamente em cenários como este.

Pronto, o livre mercado explicou.

Responder
Hilton Neves 13/05/2013 22:26:13

Claro que não, Galt. Ele continua sem explicar a programação que sai de cada canal. Você misturou um bocado de assuntos. É óbvio que há concorrência, ainda que longe da ideal. Várias vezes a TV Globo tirou programas do ar ou mudou-os de horário porque a Band ou SBT lhe tomavam a audiência naquela mesma hora.

Responder
J. Galt 13/05/2013 23:07:00

Lhe faltam vários conceitos econômicos básicos, inclusive o que é concorrência. Familiarize-se com o que, de fato, é o livre mercado, e suas diferenças para com o corporativismo que vivemos. Em minha resposta, parti do pressuposto que você estava familiarizado com tais conceitos. Sugiro que leia alguns artigos aqui neste site antes de sair proferindo sentenças. Sugiro começar pelos seguintes:

As diferenças essenciais entre uma genuína economia de livre mercado e uma economia intervencionista

As seis lições: Terceira Lição - O Intervencionismo

A irresistível força da concorrência de mercado

Responder
Hilton Neves 14/05/2013 11:12:09

@Galt: e como faltam! Só sei as quatro operações, e potência e raiz. Tô satisfeito com elas, por ora.

Li os três artigos todos, agradeço-lhe por tê-los sugerido, foram certamente enriquecedores. Só que nenhum invalidou o fato de que os donos dos canais moldam suas platéias.

Ainda que haja tal corporativismo, há uma certa concorrência. Sim, apesar de haver obstáculos do governo à entrada, conforme explicou o 1572; e não se dar o processo concorrencial que a escola austríaca expõe, é óbvio que um canal de TV concorre com o outro.

Responder
Livre-mercado 13/05/2013 23:10:24

Ele continua sem explicar a programação que sai de cada canal.

Livre-mercado responde: a programação que sai de cada canal é altamente cartelizado e com imensas barreiras de entrada, sujeito a todo tipo de conluio com as autoridades. Se eu quiser um canal de TV independente, tenho que ser super-amigo dos Marinho ou dos Cásper Libero.

Você misturou um bocado de assuntos.

Livre-mercado responde: você começou dizendo que exerço influência no que é exibido para a platéia ver. Este é o assunto. Aqui vai minha explicação: televisão não é troca, é cartel. A agenda dos canais são fechadas, sem o consentimento dos próprios consumidores - tal qual sua operadora de telefone. Sintonize a sua TV em qualquer canal que denuncie explicitamente este crime, se achar.

Várias vezes a TV Globo tirou programas do ar ou mudou-os de horário porque a Band ou SBT lhe tomavam a audiência naquela mesma hora.

Livre-mercado responde: nunca passou pela sua cabeça que as agendas fechadas são passadas de mão em mão entre as emissoras? Pobre ingênuo... fruto de sessenta e três anos de lavagem cerebral passiva.

Explique agora a solução para isso.

Responder
J. Galt 13/05/2013 23:12:34

Citando o Leandro em Tributação X Regulamentação - O que é pior?

(...)MALES DA REGULAMENTAÇÃO

Uma empresa estrangeira de telefonia celular, após estudar o mercado brasileiro e todo seu potencial de crescimento, percebe que teria grandes chances de lucro se ofertasse seus serviços aqui. Em um livre mercado genuíno, essa empresa simplesmente chegaria, faria sua propaganda e, através do sistema de preços, ofertaria seus serviços. Quem quisesse utilizá-la estaria livre para fazê-lo. Quem não quisesse, beleza. Continuaria com os serviços da VIVO, TIM, CLARO e OI.

Mas isso não pode ocorrer atualmente. O governo não deixa. Só entra no mercado as empresas que ele aprova. É óbvio, também, que há forte lobby das quatro empresas de telefonia celular, que não querem mais concorrência. Mas esse lobby só existe por causa dos poderes econômicos concedidos ao governo, que, em última instância, decide os rumos da economia.

Esse exemplo de telefonia celular é válido para absolutamente todas as áreas da economia.

Por exemplo, telefonia fixa. Se você quiser criar uma empresa de telefonia fixa, ou se uma estrangeira quiser vir pra cá, não pode. Todo o aparato regulatório do estado cria ostensivamente barreiras burocráticas que aumentam proibitivamente o custo final, impedindo a concorrência e o livre mercado nesse vital setor da economia.

Se uma empresa quiser abrir estradas - por exemplo, uma estrada entre Rio e São Paulo, para concorrer com a Via Dutra -, não pode. Há toda uma gama de regulamentações ambientais - entre outras burocracias - proibindo-lhe disso.

Se uma empresa quiser operar no setor elétrico, concorrendo livremente com as estatais do setor, aumentando a oferta de energia, também não pode, por todos os motivos acima.

Se uma empresa quiser prospectar petróleo aqui no Brasil e nos vender, ela não pode. Os preços cairiam muito, e preço baixo não é algo de que a Petrobras goste. (Vide que os preços estão em queda no mundo todo, enquanto aqui eles se mantêm estacionados lá em cima, no mesmo nível de quando o petróleo estava a 140 dólares o barril; hoje está em 45). Ademais, após mais de 40 anos de monopólio (quebrado apenas em 1997), a Petrobras já se apossou das melhores jazidas do país. Nem tem como alguém concorrer. É como você chegar atrasado ao cinema: os melhores assentos já foram tomados, e você terá de se contentar com os piores.

Bancos também não podem operar livremente, o que traria uma muito necessária desconcentração do setor. Só entra quem o banco central quer.

Aeroportos. Se eu quiser construir e operar um aeroporto por conta própria, desafogando outros aeroportos e melhorando o tráfego aéreo, não posso. O governo não deixa. É só ele que pode operar, sempre com muita competência, esse setor fútil e sem qualquer importância.

E esses são apenas os grandes setores. Não nos esqueçamos das regulamentações que inibem o surgimento e o desenvolvimento dos pequenos setores.

Empresas de ônibus, estações de rádio, de televisão, TV a cabo, provedoras de internet, de seguro-saúde, hospitais, escolas, açougues, restaurantes, churrascarias, padarias, borracharias, oficinas mecânicas, shoppings, cinemas, sorveterias, hotéis, motéis, pousadas, saunas gays, etc. Nada disso pode surgir sem antes passar por incontáveis processos burocráticos que envolvem licenciamento, taxas, propinas, inspeções, alvarás, registros cartoriais, reconhecimentos de firmas e o diabo.

É impossível haver livre mercado se o "livre" é uma mera abstração. É impossível haver uma genuína concorrência - que é o que de fato melhora os serviços e diminui os preços - quando o estado faz de tudo para impedi-la. E depois de tudo isso, quando os preços sobem e a qualidade dos serviços cai, a quem as pessoas reclamam e cobram mais intervenções?(...)



Lhe pergunto, Hilton Neves, existe livre mercado, ou mesmo concorrência, entre as emissoras de TV? Ou o que temos é um enorme cartel monopolizado protegido pelo governo? Sua quantidade de estudo é que vai determinar sua resposta.

Responder
Hilton Neves 14/05/2013 12:14:12

@Galt: tldr.

Tô brincando, li, sim. Concordo com você, e, sim, é um círculo vicioso; as atrapalhadas do estado levam a uma subida de preço e uma queda do serviço; e mesmo assim geral clama por mais intervenção, erroneamente.

Não obstante, ainda que com toda a panelinha que você explicou, há uma concorrência entre canais. E mesmo vivendo esta, o dono da emissora não abre mão de colocar seu toque pessoal, por assim dizer, na sua programação. Exemplo: o estado do RJ tem 15 milhões de habitantes. A TV Globo impõe há anos a cultura carioca a todo o Brasil. Supondo-se que o consumidor de outro estado queira se ouvir e ver na tela, ele não deve ficar mui satisfeito com isso. Na existência do mercado, por que ela mantém sua liderança e não se ouve reclamações expressivas do resto do país, uma vez que este se compõe de 185 milhões de consumidores?

Responder
J. Galt 14/05/2013 00:30:00

Aliás, o que é o livre-mercado, senão as pessoas interagindo livremente, livres de coerção? Ser contra isto, ou achar que isto não funciona, é acreditar que as pessoas não devem ser livres para tomar suas próprias decisões.

Responder
Hilton Neves 14/05/2013 12:24:14

Perdão, então há um lance interpretativo...

Aliás, o que é o livre-mercado, senão as pessoas interagindo livremente, livres de coerção? Ser contra isto, ou achar que isto não funciona, é acreditar que as pessoas não devem ser livres para tomar suas próprias decisões.

Ora, claro que sou pró-livre-mercado! E desejo que ele aconteça. Só disse que ele não explica tudo. Cada um que tome sua decisão. Tenho pra mim que quanto menos o estado se meter nisso, melhor.

Responder
J. Galt 14/05/2013 14:41:49

Você que sabe. O livre-mercado explicou a "concorrência" que existe entre as emissoras de tv. Se você tem exemplo de alguma outra situação onde o livre-mercado é falho, manda ver. Estamos aqui para debater e aumentar o conhecimento.

Responder
anônimo 14/05/2013 10:52:26

Medieval só se for na sua cabeça, o que os conservadores querem conservar são os valores que na economia criaram a nação mais rica da terra e na cultura eram praticamente os mesmos que existem desde sempre, e que poucas décadas de feminismo e estatismo estão tentando mudar sem sucesso, forçando uma igualdade artificial.
'Repressão sexual', traduzindo, esse é o conservador opressor que não quer deixar a filha de onze anos dançar o funk do cu de cabeça pra baixo, ou ir pra escola pra aprender como se masturbar, ou aprender que não tem problema nenhum abortar depois de ser irresponsável e engravidar.
Esses conservadores cruéis, medievais, são os que se opõe a tudo isso aqui:


'A medicina moderna cura tudo isso com prozac ou viagra, minha gente. '
Afff...se eu tivesse lido isso logo nem teria me dado o trabalho de comentar...
Prozac é pra você e pros seus iguais, produtos sem salvação de um mundo decadente que vocês mesmos ajudam a criar

Responder
Francisco Costa 14/05/2013 12:05:55

Veja só... Essa senhora Miriam é feminista e a favor da "educação livre", aquela em que as crianças são incentivadas a brincar com boneca e usar lápis cor de rosa.

E eu achando que poderia conversar seriamente... Por favor, comparem um texto do Leonardo Sakamoto com um do blog desta senhora

blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2013/01/06/por-uma-sociedade-melhor-meninos-deveriam-brincar-de-boneca-e-de-casinha/

www.contraocorodoscontentes.com.br/2013/05/educacao-diferenciada-so-serve-para.html

E me digam, são os conservadores que atrapalham?
Quando um liberal assume o mesmo discurso dessa turma autoritária, não somos nos que nos fortalecemos, só estamos validando os seus discursos. Mas a culpa é do Olavo que aponta justamente estes erros.

emfim...
Abraços

Responder
Blue Eyes, Na Resistencia 12/05/2013 09:32:59

Como eu disse, em um mundo REAL, os libertarios não teem escolha... ou se alinham aos conservadores, que diga-se de passagem, não são tão radicais como os comunistas em defesa de seus ideais e apregoam um estado MINIMO, ou se calam e são massacrados pela maquina PESADA estatal guiada pelos socialistas... a logica, caso eu fosse uma anarco-liberal seria buscar refugio no caldeirão menos quente... não tenho tendencias masoquistas...

Responder
Livre-mercado 13/05/2013 23:20:15

os libertarios não teem escolha... ou se alinham aos conservadores,

Livre-mercado responde: tire o nome dos bois, e eles continuarão a pastar. Pare de achar que por defender a liberdade você será o herói do mundo! Se quer mudar o mundo, comece arrumando sua própria cama.

ou se calam e são massacrados pela maquina PESADA estatal guiada pelos socialistas...

Livre-mercado responde: o mundo já passou por séculos de dor-de-escravo, que prefere servir a casa grande do que dormir na senzala. Dessa vez o vigésimo primeiro centenário merece coisa melhor, por quê insistir em ser açoitado?

a logica, caso eu fosse uma anarco-liberal seria buscar refugio no caldeirão menos quente... não tenho tendencias masoquistas...

Livre-mercado responde: eu vivo materializado em dinheiro e você é meu jantar. Vou cozinhá-lo a trinta e três graus célsius, para que não perca o sabor. Continue trabalhando, se esforçando para se alimentar de migalhas. Suas horas estão contadas.

Responder
Camarada Friedman 10/05/2013 15:48:00

Vou comprar o livro dele, fiquei curioso.

Responder
André 10/05/2013 18:31:21

Lobão é altamente necessário.

Responder
Felipe 10/05/2013 19:09:07

Show a entrevista do Lobão.

Agora uma coisa, o Hilton falou de Olavo de Carvalho acima e tocou o pau...

Ora, que melhor tática a esquerda tem usado do que criar desavenças no time contrário ?

É fato que Constantino e Olavo são vaidosos e isso torna um debate difícil, porém não impossível. Essa briguinha boba gera orgasmos na esquerda genocídica que a alimenta.

E no fim das contas o velho Olavo tem um ponto de razão, implantar a liberdade de mercado pura é um sonho, mas como desvincular isto do ambiente filosófico cultural da sociedade ?
Não seria a cultura a base estrutural necessária para implantar o pleno capitalismo; bem como a mediocrização é a base para implantar o comunismo ?

Vamos apaziguar e reunir forças contra o inimigo, as pazes entre os dois devem ser feitas de imediato pois cada um tem algo a acrescentar.

Responder
Hilton Neves 10/05/2013 23:36:38

Pois é, Felipe... mas não entendi uma parte do que você disse. Quer dizer que o Brasil é inculto?

Que cultura os súditos da Rainha tinham na época do Adam Smith? Eles ficavam deslumbrados com True Outspeaks da vida pra poder enxergar o simples?

O dia que o Rodrigo unir-se ao Olavo, paro imediatamente de lê-lo. De capachões feito o Cristóvam Buarque, Serra ou Afif estamos saturados.

Ainda que a esquerda goste da briga deles, Felipe; isso é benéfico em médio prazo: o indeciso vê que o joio tá separado do trigo. Quando ele quiser uma análise séria de economia, saberá a quem recorrer; quando quiser tirar mapa astral, idem.

Responder
Carlos 12/05/2013 11:59:15

Acerca do Rodrigo, não é o que alguns membros do Mises acham. Basta olhar nos comentários deste artigo: www.mises.org.br/Article.aspx?id=1117. Aqui um exemplo: "E o Rodrigo Constantino é alguém de intelecto limitadíssimo, sem um mínimo de honestidade intelectual, incapaz de sustentar uma argumetação com qualquer ser que seja um pouco mais inteligente que um comunista. Hoje em dia ele "sai arranhado" até de discussões com garotos iniciantes na teoria libertária, que tem humilhado um sujeito que usa argumentos como "se anarquia é bom, vá para a Somália", ou "quem defende trocas voluntáris quer que um pedófilo troque com uma menina de 6 anos um doce por um boquete"..."

Responder
Roberto 16/05/2013 20:44:41

Pode parar de ler o Rodrigo Constantino, Hilton. Ele cada vez mais se aproxima do Olavo e o recomenda.

Responder
Nilo BP 11/05/2013 18:06:45

Não adianta diluir a mensagem e fazer alianças duvidosas. O problema é de aplicação, não de conteúdo... essa ansiedade de querer resultados AGORA E A QUALQUER CUSTO é contraproducente.

Não adianta querer que o povão tenha uma epifania. É necessário aguardar aqueles momentos inevitáveis de inconsistência entre a realidade e a doutrinação estatista, e então dar o bote.

Aí, talvez, TALVEZ, aqueles neurônios empoeirados no sótão do caboclo se conectem e causem uma saudável dissonância cognitiva.

Responder
Igor 10/05/2013 21:43:46

Também conheci o Instituto von Mises e as ideias libertárias através do Olavão. Creio que a maioria aqui do site/IMB admira ele, não vamos ficar trocando tapas gente. Como o próprio Olavo disse, quantos realmente conhecem a obra dele apenas para rotular astrólogo? Que tolice! É o mesmo que alguém querer desprezar von Mises o chamando: Capitalista! ou Dinheirista! Fala sério...

Responder
Itamar Flavio 12/05/2013 19:23:46

Opá.
Não podemos esquecer também do Reinaldo Azevedo o direitista mais lido do Brasil.
Quem admiro muito.
Que além das questões política ele tem muita perspicácia para tratar de questões de Direito.

Responder
Mariane 10/05/2013 22:02:26

Lobão, se eu já era sua fã, agora sou mais ainda!!! Obrigada, lavou a minha alma!

Responder
Um Filósofo 10/05/2013 23:41:25

Lobão age como evidência de que o pensamento reacionário permanece firme na mentalidade da alienada classe média brasileira pós-moderna, muito além do que é visível nas redes sociais. Como previsto, ai de nós, defensores da igualdade! Sigamos com força o desejo de um mundo melhor distante do deboche dos zombadores, mercenários e adoradores da cobertura midiática neoliberal!

Lobão, antes jovem compromissado para com a causa social, vendeu-se oportunisticamente à polêmica; acusou nossa causa de infantil e advogou pela exploração individualista, crendo nela em detrimento do sonho de eliminar o ciclo de pobreza na qual milhões ainda vivem graças ao capitalismo. Jogou fora Caio Prado Jr, Drummond de Andrade, Milton Santos e incontáveis outros que lograram construir em sociedade tão dominada pela burguesia como o Brasil, um reduto revolucionário forte. Perante Renato Russo e Chico Buarque, como ousa ele criticar os guerreiros que almejaram transformar a mais ferrenha governança direitista em uma democracia do povo. Absurdo.

Defender o individualismo é negar a incapacidade do homem como indivíduo de coordenar suas ações. O Ocidente, terra da alienação promovida pela exuberância capitalista, exemplifica tal fenômeno. A causa popular acredita no povo, que permanece incapacitado e condenado a seguir as cismas da burguesia graças à propaganda. Desejamos a liberdade de construirmos sob o desserviço da elite feita à mente do proletariado, formas um novo homem através de nossa educação física e mental.

Lutamos contra a ditadura. Resistimos contra o consumismo. Lutamos contra a indiferença da classe média. Enfrentamos o preconceito de amarmos as gentes em prol do indivíduo. Insistimos em eliminar a exploração e seus impactos espirituais. Utilizamos o dinheiro público para o que é educacional ao povo em detrimento do mante-los no circo. Lutamos por negros e indígenas marginalizados pela maioria egoísta, infantil e megalomaníaca. Almejamos a salvação do homem contra si mesmo. E Lobão nos chama de crianças adultas com síndrome de Messias. Absurdo inaceitável.

Fechemos o congresso e iniciemos a censura contra a vanguarda popular.
O Brasil acabara por voltar ao passado.

Responder
Camarada Friedman 11/05/2013 00:23:26

Vc precisa fazer um blog, cara. To falando sério, muitos esquerdistas vão cair nessa! hahaha

Responder
Marcio 11/05/2013 01:00:49

Reitero a sugestão, tamanha erudição e lógica impecável não podem ficar restritos na página de comentários. Um filósofo precisa se sentir livre para dar substância às suas idéias.

Responder
anônimo 11/05/2013 01:27:23

Seria engraçado se, no meio das postagens, o filósofo fosse, aos poucos, reconhecendo suas incoerências e reconhecendo as vantagens do livre mercado. Claro, tudo as vistas de um público socialista.

Responder
Luis 11/05/2013 04:34:02

Resumindo essa papagaiada recheada de bordões carcomidos e mofados, você acha "lindo" uso de falácias e eufemismos para reduzir as pessoas a uma massa nivelada por baixo, pois mérito e esforço individual são "indiferença da classe média", "opressão de minorias" e etc. Falando em minorias, aproveite para nos contar sobre os negros africanos que vendiam os membros de outras tribos derrotadas para os escravagistas. Ah, não dá, senão acaba o combustível do vitimismo que alimenta o politicamente correto e os bolsos desses pulhas que você citou. O mesmo vale para os índios, coitadinhos, que se matavam em guerras e disputas antes da chegada do "malvado homem branco burguês" e hoje tiram também um belo proveito do coitadismo institucional, inclusive "vendendo" terras na Amazônia para estrangeiros. Por favor, leia o Guia Politicamente Incorreto do Brasil antes de pagar mico na net.

Todos são vítimas, menos o homem branco heterossexual de classe média, esse "monstro" que em 2013 tem que pagar por uma suposta "dívida histórica" do tempo do seus tataravós.

Vá falar em opressão e pobreza lá com seu amigo Fidel, Evo Morales e com o Nicolas Maduro. Tem também o reizinho da Coreia do Norte, que do alto de sua obesidade assiste seu povo matar os próprios filhos para se alimentarem. Estes aí entendem do assunto!

É como eu digo: esquerdistas são tão obtusos e prepotentes que acham que todo mundo é idiota o suficiente para acreditar num monte de sandices como esse.

Responder
Lucas 11/05/2013 05:00:15

Esse Filósofo é um gênio, estou rindo muito aqui.
Em alguns comentários eu achava que poderia ser forçação de barra da parte dele, porém ao analisar melhor e lembrar das minhas disciplinas que fiz em Psicologia (e acabei não concluindo felizmente) como Psicologia Social e Políticas Públicas, essa fala, aliada às falas dos integrantes de DCE's é praticamente a mesma. A diferença é que, infelizmente, eles levavam efetivamente a sério.

Responder
Camarada Friedman 11/05/2013 17:23:21

Pra quem não sabe, nosso amigo Filósofo deu uma entrevista na Folha de S.Paulo:

link: www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/05/1276933-rentistas-e-defensores-da-producao-travam-luta-no-governo-dilma-diz-filosofo-do-direito.shtml


É ou não é ele ? Vejam só:

Folha - O sr. escreve que o poder do capital cresce e se renova com as crises. Isso está ocorrendo agora? Como esse fenômeno pode ser identificado no mundo?

Alysson Leandro Mascaro - Há quem tenha esperança na crise. Não é meu caso. A visão tradicionalmente estabelecida sobre as crises no capitalismo costuma presumir que, a esses momentos extremos, corresponda uma alteração substancial nos padrões de ação econômica, política e social.
Minha insistência, em "Estado e Forma Política", é justamente a de alcançar as formas sociais, que são o núcleo da sociabilidade na reprodução capitalista, para, a partir daí, entender que as crises, no molde pelo qual se apresentam na atualidade, têm servido apenas para um rearranjo das mesmas formas, sem superá-las.
Um mundo da mercadoria e da valorização do valor é ainda o horizonte político que resulta da crise. De algum modo, o capital se revigora quando abalado neste contexto presente.


----
hahahaha :)

Filósofo ou qualquer outro esquerdista inteligente, vcs poderiam me explicar o que o cara disse na entrevista ?
Vcs esquerdistas usam alguns termos estranhos como:
"formas sociais", "núcleo da sociabilidade na reprodução capitalista", "valorização do valor"

Poderiam traduzir ?

Responder
Rodolfo 11/05/2013 23:51:31

Realmente, o discurso é muito semelhante. Infelizmente, no entanto, Alysson Leandro Mascaro não está sendo irônico. Este "jurista" representa o que há de mais repugnante na filosofia do direito brasileira. Em seus livros faz uma apologia descarada à Escola de Frankfurt, pregando o fim da economia de mercado e, portanto, da propriedade privada, o massacre da cultura ocidental e a total supressão do indivíduo pelo estado.

As letras jurídicas brasileiras, de fato, foram invadidas pelo esquerdismo através da chamada "Teoria Crítica", que possui como representação mais extremada o "Direito Alternativo" (ou "Direito Achado na Rua"). A ignorância econômica reina absoluta e se defende a mão forte do estado para mitigar as liberdades, econômicas, de expressão e religiosas, dar privilégios a grupos "minoritários" (raciais, sexuais, etc), mitigar os direitos de propriedade e elevar ao extremo a chamada "função social" (do contrato, da propriedade, da empresa...)via interpretação extensiva.

Realmente, para a Direita (liberal, libertária ou conservadora) ocupar algum espaço será uma dura batalha, afinal não há veículo de imprensa, esfera do poder ou repartição universitária que não esteja atulhada de idéias estatistas e frankfurtianas. Em todos os cantos e em todos os artigos, teses e livros nascidos na universidade brasileira não há um lugar ou página sequer que a ideologia esquerdista não esteja impregnadas.

Quem irá nos salvar?

Responder
Camarada Friedman 14/05/2013 01:49:46

Rodolfo,

Depois que li o seu comentário fui procurar pelo cara, não deu outra... pra quem for louco tá aqui:

Alysson Leandro Mascaro - I Curso Livre Marx-Engels - Crítica da Filosofia do Direito de Hegel: www.youtube.com/watch?v=iCBt8uwrH98

Depois de ler algumas coisas desse senhor, começo a pensar que o Filósofo não é tão irônico assim.

Responder
Itamar Flávio 12/05/2013 17:57:49

Cara.... você tá de ironia, né!!!
Ou está de gozação ou queimou alguma pedra vencida....
Até ia fazer uma resposta, mas.... sei que vc só está brincando com os argumentos....
Você é gozador...hehehheeh

Responder
Henrique Simões 11/05/2013 15:18:58

Muito boa a entrevista. Impressionante como as pessoas estão acordando para tudo. Um abraço ao pessoal do Instituto Von Misses.

Responder

Vamos nos organizar de uma vez por todas.

Vamos nos adicionar no Facebook.

Abraço a Todos
Osvaldo Aires

Responder
Bruno D 12/05/2013 14:03:57

Pessoal,

O Mises.orb.br já esta fazendo barulho mesmo, mesmo que sútil, o chargista oficial do Pravda brasileiro o Chico fez uma caricatura no lobão:

Enquanto isso na MPB...

oglobo.globo.com/ (no canto direito inferior da tela0

A charge só esta na versão impressa do jornal.

Comprei (o que fiz muito erradamente, como Olavo diz não comprem essas m..rdas!) por causa do aumento do número de licenças para comprar armas no brasil, a cada duas horas no brasil alguém está adquirindo de forma legal armas (enquanto a cada dois minutos alguém compra uma ilegalmente).

A reportagem é um desabafo dos movimentos desarmamentistas como não poderia deixar de ser.

O resto do jornal nao presta é claro, propaganda da ONU estão entre as "notícias".


Responder
Itamar Flávio da Silveira 12/05/2013 17:40:18

"TMOS QUE NOS UNIR AGORA PARA NÃO PARA NÃO TER QUE NOS UNIRMOS NA CADEIA".

Achei excelente o posicionamento do Lobão com respeito ao momento que estamos vivendo no Brasil (que não é só no Brasil). Acho que está na hora de lideranças agirem como timoneiros mesmo. Luta política não é concurso de beleza,como imaginam muitos. Liderar não é representar irmãos de fé, mas representar pessoas com as quais discordamos. É ter a capacidade de formar frente para combater o inimigo comum. Temos que nos unirmos agora para não ter que nos unirmos na cadeia. Para enfrentarmos um perigo maior aceito até aliança com os libertários (uma espécie de direitistas ingênuos e revolucionários, muito popular por aqui...hehehheheh). Temos que aproveitar esta visibilidade do assunto que o Lobão produziu e levar ele para dar palestras em todas as universidades brasileiras. Precisamos turbinar suas falas, principalmente por ele ser ouvido por um público que nós acadêmicos não temos acesso. A hora é agora.
Sou professor de História Econômica da Universidade Estadual de Maringá, há 22 anos e desde de o início da minha vida docente fui liberal. Aprendi sobre liberdade lendo os fundamentos da Economia Política Clássica. Desde a década de 1990 trabalho com textos dos economistas austríacos, da escola de Chigado, com os liberais clássicos etc.
Vi na fala do Lobão muita clareza na questão teórica. Fiquei realmente surpreso com firmeza na defesa da propriedade privada, do respeito ao indivíduo e, acima de tudo, pragmatismo político que tanto faz falta para nossos coleguinhas.
Parabéns ao Lobão e ao Instituto Mises Brasil pela iniciativa.

Responder
anônimo 12/05/2013 17:47:18

Olá Bruno.
Vc tem o email (ou outra forma de contato)do Lobão?
Gostaria de entrar em contato com ele para marcar uma conversa com ele.
Grato.

Responder
ITAMAR FLÁVIO DA SILVEIRA 12/05/2013 17:50:06

Olá Bruno.
Perdão, mandei um recado para você, mas esqueci de identificar.....hehhe
Gostaria de saber se vc tem o email (ou outra forma de contato) do Lobão.
Gostaria de entrar em contato com ele.
Grato.

Responder
Sérgio 13/05/2013 23:14:23

Parabéns Lobão!

É bom ter gente do meio artístico e cultural ao lado do Bem. Isso é necessário para promover o contra-gramscismo, já que a esquerda atua no âmbito cultural há tempo.

Responder
Mauro Mendes 15/06/2013 02:14:52

Lobão é gênio!!!

Responder

Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
  Nome
  Email   (também utilizado para o Avatar, crie o seu em www.gravatar.com)
  Website
Digite o código:

Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.







Blog  rss Assine o RSS de Blog da Mises.org.br
  Comedimento e sobriedade
        por Helio Beltrão - 10/06/2014
  Comunicado
        por Equipe IMB - 10/06/2014
  O que fazer com a Petrobras?
        por Leandro Roque - 07/04/2014
  Mises ou Marx? O jogo
        por Fernando Chiocca - 03/04/2014

Multimídia   
  Podcast Mises Brasil
        por Bruno Garschagen - 06/01/2015
  Fraude - Explicando a grande recessão
        por Equipe IMB - 31/10/2012
  III Conferência de Escola Austríaca
        por Equipe IMB - 25/06/2012
veja mais...



Instituto Ludwig von Mises Brasil



contato@mises.org.br      formulário de contato           Google+
Desenvolvido por Ativata Software