Artigo extremamente triste.

Em primeiro lugar, não existe espaço para críticas, uma vez que não há a possibilidade de comentar o artigo. Por que esta necessidade de se blindar contra críticas?

Em segundo, não consegui passar do parágrafo 7. Os autores são totalmente ignorantes em economia, não entendendo nem como se dá a formação de preços.

As a producer of a high demand commodity and a voracious consumer of food imports, Venezuela became firmly inserted into the global economy in ways that have rendered it particularly vulnerable to fluctuations in global oil and food prices and to domestic inflation. The companies responsible for food imports and distribution have been able to use these conditions to their advantage in certain ways. For instance, since 1983, when the Venezuelan bolivar suffered a sharp devaluation against the US dollar, driving up inflation, a common practice has been to align product prices with black market currency rates as opposed to official (regulated) currency rates, further fueling inflation in the process.

Ual! Então, segundo os autores, a inflação foi causada pelas importadoras e distribuidoras de comida, já que elas se recusaram a usar os preços tabelados pelo governo! Estes dois autores são dois imbecis ignorantes, do mesmo nível dos Fiscais do Sarney!
Inflação nunca é uma consequência dos governos socialistas gastando feito loucos e criando dinheiro a rodo para cobrir despesas. Não, inflação é causada pelos malditos Ianques e por importadoras e distribuidoras de alimentos!
Ora, vão pro inferno!

Por fim, a autora Christina Schiavoni é PhD em... Estudos Sociais (sic!). Já o autor William Camacaro tem um mestrado em Belas Artes (uaaaaaal!!!) e é cofundador do Círculo Bolivariano de Nova Iorque. Ou seja, os dois não somente não têm capacidade nenhuma em entender as leis mais básicas da economia, conforme comprovado pelo texto medíocre, como estão mais que afundados na ideologia bolivariana, os cegando com relação a qualquer realidade objetiva.
50 Top Online Learning Sites

Separado por assunto: Art and Music; Math, Data Science and Engineering; Design, Web Design/ Development; General – Children and Adults; General College and University; IT and Software Development.

Cada um dos 50 links possui uma infinidade de cursos sobre os assuntos citados. Isso tudo com uma googlada de 2 minutos.


Sim, o autor, que é americano (eis o verbete da Wikipédia sobre ele), estava em Moscou na data dos acontecimentos. Por isso ele escreveu esse artigo: para contar aquilo que vivenciou ao vivo. Isso não é óbvio?

Aliás, ele também tem um artigo fazendo o mesmo sobre a Lituânia.

www.epictimes.com/01/18/2016/how-lithuania-helped-take-down-the-soviet-union/

Está tudo bem com você?
E quem disse que o culpado pela crise da Venezuela é o socialismo?
Preparem-se, aí vem mais um corno do socialismo, daqueles que vê a mulher transando com outro em cima do sofá e resolve jogar o sofá fora...

Na verdade é a grande empresa capitalista Herrera S.A, que controla a distribuição de produtos alimentícios, de higiene pessoal e enlatados.
Sério?!? Tomemos sua afirmação por correta.

Ela que tem exclusividade na distribuição das marcas Kellog's, Nestlé, General Mills e Avelcasa em oito estados venezuelanos e também monopólio na venda dos produtos de higiene pessoal fabricados pela "Protect&Gamble" (sabão, detergente, fraldas e absorventes) e pela Pfizer (higiene bucal e cremes para o corpo).
É mesmo? Não vou me dar ao trabalho de pesquisar se isto está correto.
Apenas pergunto: e quem é que garante estes monopólios? Não seria o governo Maduro?
E mais: você está afirmando que Porcos Capitalistas Burgueses Gananciosos não estão interessados em lucrar com as dificuldades dos venezuelanos, vendendo-lhes produtos concorrentes? Sério?
Então por que você não une o útil ao agradável e vai lá vender estes produtos de primeira necessidade aos venezuelanos? Você vai salvar milhares de vidas e ficar podre de rico no processo! Mas como você é comunista, sabemos que doaria todo o dinheiro feito para os pobres da Venezuela.

Assim, com todo esse controle, fica fácil esconder ou transferir para países vizinhos fazendo com que o próprio país fique sem, já que ela mantém um monopólio sobre alguns produtos.
Uai, então é simples. Basta abrirem as fronteiras com os países vizinhos, não é mesmo?
Veja que linda é a liberdade. Um rio de gente aproveitando a abertura da fronteira para poder não morrer de fome.
O exemplo da Venezuela mostra: precisamos de mais fronteiras e mais estados
Viu o vídeo? Então vamos para mais perguntas:
Qual é a única entidade capaz de fechar as fronteiras venezuelanas? Resposta: o governo venezuelano.
Qual entidade detém o monopólio sobre o dinheiro na Venezuela? Resposta: o governo venezuelano.
Qual entidade, além de esfacelar o valor na moeda venezuelana, também proíbe seu povo de usar outras moedas? Resposta: o governo venezuelano.

Mas claro, Maduro não é socialista de verdade. E a culpa foi do sofá.
"No caso de justiça privada, com investigação privada, os custos deveriam ser pagos pelas partes envolvidas."

Errado. Poderiam também ser pagos por qualquer um que se voluntariasse a pagar em nome de terceiros. Seria, tenho certeza, o seu caso em relação ao catador de papelão.

"Suponhamos que um senhor que cata papelão (e outros recicláveis) na rua seja atropelado por um motorista bêbado que, depois de atropelar e matar o tal senhor, fugiu da cena sem prestar socorro e se escondeu rapidamente (para tentar continuar sua vida como se nada tivesse acontecido)."

Isso ocorre diariamente no arranjo estatal em que vivemos. E nunca o atropelador é punido.

Aliás, houve um caso em que uma adolescente e modelo foi atropelada em Belo Horizonte, num bairro chique. Ela ficou aleijada (teve a perna amputada) e a motorista embriagada teve apenas uma multa de R$ 1,5 mil.

www.em.com.br/app/noticia/gerais/2014/12/29/interna_gerais,603237/jovem-atingida-por-carro-na-raja-gabaglia-tem-perna-amputada.shtml

www.em.com.br/app/noticia/gerais/2015/04/20/interna_gerais,639299/a-superacao-de-paola.shtml

revistaglamour.globo.com/#/noticia/Na-Real/noticia/2015/11/modelo-que-perdeu-perna-posta-foto-de-biquini-e-recebe-elogios-dos-fas.html

Que bela justiça estatal!

Ou seja, o pior cenário que você vislumbra num ambiente anarcocapitalista já ocorre rotineiramente no arranjo de justiça estatal em que vivemos.

Já no caso do catador de papelão, haveria ao menos uma chance: você poderia começar uma campanha nas redes sociais para coletar o dinheiro necessário para processar é punir o motorista. Seria até fácil.Se hoje as pessoas arrecadam dinheiro até para abrir hamburgueria, certamente não faltariam doadores para ajudar nesta causa tão mais nobre.

Solução tem pra tudo; o que é realmente difícil é nêgo conseguir pensar fora da Matrix estatal a qual foi condicionado.
Aos que acompanham Instituto Mises Brasil:
Deixo aqui uma pergunta para reflexão dos que acompanham esta página. Para haver justiça, é necessário investigação.
No caso de justiça privada, com investigação privada, os custos deveriam ser pagos pelas partes envolvidas (e não por um Estado).
Suponhamos que um senhor que cata papelão (e outros recicláveis) na rua seja atropelado por um motorista bêbado que, depois de atropelar e matar o tal senhor, fugiu da cena sem prestar socorro e se escondeu rapidamente (para tentar continuar sua vida como se nada tivesse acontecido).
Suponhamos também que a vítima vivia em uma casa extremamente simples, sozinho (por ter abandonado o contato com a família há muitos anos), e que seus escassos bens fossem insuficientes para cobertura de gastos de investigação e justiça privadas.
Neste caso, para que a investigação descubra a autoria do crime e a sociedade possa vislumbrar a possibilidade de justiça, quem arcaria com os custos? Quem faria a opção pelo tribunal que poderia julgar a causa? Quem acompanharia a causa para que fosse devidamente solucionada?
Lembrando que o motorista irresponsável teria fugido e não deixado vestígios suficientes (à princípio) para ser encontrado e responsabilizado pelo ato.
A sociedade que consistisse em justiça e investigação privadas (com custos 100% privados) não se importaria com a elucidação e punição em casos como o descrito acima? Ficaria o motorista embriagado livre, mesmo tendo atentado contra a vida de outro?
Na suposição, usei como exemplo um catador de papelão, mas a análise serviria para qualquer possível vítima de injustiça que não dispusesse de recursos suficientes para cobrir os custos de investigação e justiça privadas.
O que acham?
É uma dúvida real. Gostaria de verificamos possíveis respostas com educação e respeito.
Grato!

mais artigos
mais eventos


mais posts