Nossos Autores

Andreas Kohl-Martinez
Abigail Blanco
Adrián Ravier
Adriano Gianturco G.
Alan Greenspan
Alan Reynolds
Alasdair Macleod
Alberto Oliva
Alceu Garcia
Alexandre Barros
Alexandre Borges
Alexandre Knoblauch
Alf Field
Alfredo Marcolin Peringer
André Bolini
André de Holanda
André Luiz Santa Cruz Ramos
André Mellagi
André Pereira Gonçalves
Andrea Faggion
Andreas Marquart
Andrei Moreira
Andrew Napolitano
Andrew Schiff
Andrew Syrios
Andy Duncan
Anthony Ling
Antony Mueller
Antony Mueller, Fabio Barbieri e Ubiratan Jorge Iorio
Arnaldo Mauerberg Júnior
Art Carden
Arthur Brooks
Astolfo Pontes Negreira
Axel Kaiser
Barry Brownstein
Ben O'Neill
Bene Barbosa
Bene Barbosa e Francisco Razzo
Benjamin Powell
Bernardo Emerick
Bernardo Santoro
Bernardo Vidigal
Bettina Bien Greaves
Bill Wirtz
Bob Pisani
Bogdan C. Enache
Brian Foglia
Brian LaSorsa
Brittany Hunter
Bruno Bodart
Bruno Garschagen
Bruno Garschagen e Leandro Roque
Bruno Leoni
Business Intelligence Middle East
Caio Augusto
Carl Svanberg
Carlos Marcelo Velloso Wendt
Carlos Stagnaro
Carmen Elena Dorobat
Cassiano Ricardo Dalberto
Chi-Yuen Wu
Chris Brown
Chris Calton
Chris Clancy
Christian Engström
Christopher Cantwell
Christopher P. Casey
Christopher Westley
Cicero Baggio
Claudio A. Téllez-Zepeda
Claudio Grass
Clifford F. Thies
Cristiano Fiori Chiocca
D.W. MacKenzie
Dalton Gardimam
Damien McElroy
Dan Mahoney
Daniel Marchi
Daniel Mitchell
Daniel Sanchez
Danny G. Leroy
Davi Lyra Leite
David Crockett
David Deming
David Friedman
David Gordon
David Howden
David J. Heinrich
David Klein
David Saied
David Stockman
David Veksler
Deirdre McCloskey
Dennis Prager
Detlev Schlichter
Diego H. F. Melo
Diego Lopes
Diego von Brixen Montzel Trindade
Diogo Costa
Diversos Autores
Dom Armentano
Domingos Crosseti Branda
Dominic Frisby
Donald Boudreaux
Donald Stewart Jr.
Douglas French
Dr. Samuel Gregg
Economic Collapse Blog
Eduardo Fernandez
Eduardo Franco
Edward P. Stringham
Edwin Dolan
Elisa Lucena Martins
Eliseu Drummond
Emílio Lacombi Lauss
Emilio Parodi e David Howden
Emily Washington
Equipe IMB
Erick Vasconcelos
Erick Vizolli
Eugen von Böhm-Bawerk
Fabio Barbieri
Felippe Hermes
Fernando Chiocca
Fernando Cruz Gabriel
Fernando Herrera-Gonzalez
Fernando Ulrich
Filipe Celeti
Finbar Feehan-Fitzgerald
Flavio Morgenstern
Flávio Pepinelli
Floy Lilley
Francisco Capella
Francisco Pompeu
Frank Hollenbeck
Frank Karsten
Frank Karsten & Karel Beckman
Frank Shostak
Frédéric Bastiat
Frida Ghitis
Friedrich A. Hayek
Garet Garrett
Garrett Petersen
Gary Danelishen
Gary Galles
Gary North
Geanluca Lorenzon
Gene Callahan
George C. Leef
George Gilder
George Pickering
George Reisman
George Selgin
Gerald Celente
Gerald P. O’Driscoll
Gerard Casey
Gerard Docherty
Gordon Crovitz
Graham Wright
Guilherme Inojosa
Hans F. Sennholz
Hans-Hermann Hoppe
Harry Browne
Harry Dent
Helio Beltrão
Helio Dehon Barbosa e Tatiana Villas Boas Gabbi
Henrique Vicente
Henry Hazlitt
Humberto Cimino
Humberto Fontova
Hunter Lewis
Igor Taam
Isaac Morehouse
Isabel Lyman
Israel M. Kirzner
Iván Carrino
Ivan Pongracic Jr.
Jacob Hornberger
Jakub Bozydar Wisniewski
James Dunlop
James E. Miller
Jarret Wollstein
Jason Riddle
Jeff Deist
Jeff Riggenbach
Jeffrey Herbener
Jeffrey Tucker
Jerry Bowyer
Jerry Kirkpatrick
Jesús Huerta de Soto
Jim Bradley
Jim Fedako
Jim Rogers
Joakim Kämpe
João César de Melo
João Luiz Mauad
João Marcos Theodoro
João Pedro Bastos
João Pereira Coutinho
Joel F. Wade
Joel Pinheiro da Fonseca
Johan Norberg
Johel Rodrigues
John Browne
John Cochran
John S. Chamberlain
John Tamny
Jonathan Finegold Catalán
Jonathan Newman
Jordi Franch
Jörg Guido Hülsmann
José Azel
José Carlos Dragone
José Carlos Zanforlin
José Roberto Baschiera Junior
Joseph Salerno
Joseph Sobran
Juan Fernando Carpio
Juan Ramón Rallo
Julian Adorney
Juliano Torres
Justin Murray
Justin Raimondo
Karel Beckman
Karl-Friedrich Israel
Kel Kelly
Kevin Currie-Knight
Klauber Cristofen Pires
Klaus Bernpaintner
Krzysztof Ostaszewski
L. do Ó
Larissa Flister
Larken Rose
Larry J. Sechrest
Laurence Vance
Lawrence W. Reed
Lawrence W. Reed e Marc Hyden
Leandro Narloch
Leandro Roque
Leonard Read
Leônidas Villeneuve
Leticia Catel
Lew Rockwell
Lew Rockwell e Ron Paul
Logan Albright
Lorenz Kraus
Louis Rouanet
Luan Sperandio
Lucas Danneskjöld
Lucas Mendes
Luciana Lopes
Luciana Lopes e Adriano Gianturco
Luciano Rocha
Luciano Takaki
Ludwig von Mises
Luis Almeida
Manuel Llamas
Manuel Lora
Marcia Christoff-Kurapovna
Marian Tupy
Mariana Piaia Abreu
Mario Rizzo
Mark R. Crovelli
Mark Skousen
Mark Thornton
Mark Thornton e William Anderson
Marko Kloos
Martín Krause
Mary Anastasia O’Grady
Mateus Bernardino
Mateusz Machaj
Matt McCaffrey
Matt McCaffrey & Carmen Dorobat
Matt Ridley
Matthew Lynn
Maurice McTigue
Michael Pento
Michael Rozeff
Mike "Mish" Shedlock
Mises Institute
Murray N. Rothbard
Nathan Lewis
Nelson Rodríguez Chartrand
Nicolás Cachanosky
Nilo Bessi Pascoaloto
Nima Sanandaji
Norman Horn
Núbia Tavares
Oriom Lisboa
Patri Friedman
Patrick Barron
Patrick Buchanan
Paul Craig Roberts
Paul Green
Paul Hudson
Paul Johnson
Paul Rosenberg
Paulo Kogos
Pedro Almeida Jorge
Pedro Borges Griese
Pedro Saad
Per Bylund
Peter Boettke
Peter G. Klein
Peter J. Hill
Peter Schiff
Peter St. Onge
Peter Thiel
Philipp Bagus
Predrag Rajsic
R.J. Rummel
Rafael Andreazza Daros
Rafael Hotz
Rafael Salomão Aguillar
Ralph Raico
Renato Furtado
Ricardo Hausmann
Richard C.B. Johnsson
Richard Ebeling
Robert Blumen
Robert Higgs
Robert P. Murphy
Robert Sirico
Roberto Campos
Rod Rojas
Roderick T. Long
Rodrigo Constantino
Rodrigo da Silva
Rodrigo Saraiva Marinho
Roger McKinney
Roger Toutant
Roger W. Garrison
Roger Young
Ron Holland
Ron Paul
Rosely Sayão
Ross McKitrick
Roy Cordato
Rui Santos
Russell Lamberti
Ryan McMaken
Ryan P. Long
Sanford Ikeda
Scott Kjar
Sem nome
Sheldon Richman
Sidney Richard Sylvestre
Silvio Medeiros
Simon Wilson
Spotniks
Stefan Karlsson
Stefan Molyneux
Stephan Kinsella
Stephen Halbrook
Stephen Mauzy
Sterling T. Terrell
Steve Hanke
Steve Horwitz
Steve Patterson
Stewart Dompe e Adam C. Smith
Tatiana Villas Boas Gabbi
The Foundation for a Free Society
Theodore Dalrymple
Thiago Beserra Gomes
Thiago Guterres
Tho Bishop
Thomas DiLorenzo
Thomas Sowell
Thomas Woods
Thorsten Polleit
Tiago Rinck Caveden
Todd Steinberg
Tullio Bertini
Tyler Watts
Ubiratan Jorge Iorio
Ubiratan Jorge Iorio e Leandro Roque
Valéria Pugliesi-Washington
Vanesa Vallejo
Vedran Vuk
Victor Hugo Lima do Nascimento
Walter Block
Walter Williams
Wendy McElroy
Willem Mantum
William Bonner
William L. Anderson
Winter Trabex
Wladimir Kraus
Yonatan Mozzini
Yonathan Amselem
Yuri N. Maltsev


OFF-TOPPIC: pessoal do IMB, seria possível vocês redigirem um artigo refutando as teorias conspiratórias sobre o Nióbio que abundam desde a época do Enéias? Quinta-feira o Instituto Liberal reiniciou o debate, e seria ótimo se vocês dessem continuidade. Eis o que comentei no website do IL, é o que resumidamente penso do assunto:

"Se há indícios concretos ou, ao menos, motivos para crer que as empresas autorizadas pelo Estado brasileiro a retirarem do solo e comercializarem este metal estão cometendo fraudes de qualquer natureza, em conluio com grupos estrangeiros ou não, a solução é, em se confirmando as irregularidades, rescindir os contratos de permissão em vigor e abrir este mercado para mais empresas interessadas no empreendimento - seja lá de onde elas forem. A que oferecer a melhor barganha leva as jazidas - e paga impostos sobre tudo o que produzir. Elevar o preço na marra? Claro, abusar desta condição de quase monopolista pode funcionar no começo, mas no médio prazo surgirão alternativas de melhor custo-benefício para atender a demanda daqueles insatisfeitos com a situação. Deixar de vender o Nióbio como comodittie e agregar valor ao mineral em nossa indústria da transformação? Seria ótimo, se nosso parque industrial não estivesse parado no tempo desde meados do século passado. Só falta criarem a estatal NIOBRÁS no Brasil, que dará origem ao escândalo do NIOBRÃO. O brasileiro não aprende mesmo: sempre achando que vai encontrar um bilhete premiado no chão e poderá passar o resto da vida bebendo e sambando."
"Tal afirmação nunca foi feita. Em ponto nenhum do artigo. E nem em nenhum outro artigo"

Não me refiro à uma frase ou texto escrito nos artigos do IMB. Estou questionando a percepção daqueles que defendem esse modelo de afrouxamento da terceirização proposto pelo governo, pois essa discussão toda é parte da realidade em que estamos vivenciando. Aliás, não creio que esse artigo seja uma mera exposição teórico-dissertativa acerca do que seria e quais os benefícios de uma terceirização segundo os liberais, muito menos um texto desvinculado da conjectura atual, como você transparece para quem lê. Logo, minha indagação é pertinente, ainda que, o que questiono, não esteja explicitamente escrito no artigo.

Em relação ao artigo linkado, em momento algum vi algo a mostra que abordasse diretamente o problema terceirização-corporativismo privado que eu levantei acima. O que mais se aproxima seria esse trecho:
"Em primeiro lugar, a ideia de que custos menores para empresas é algo ruim. Além do fato de que custos baixos permitem maior acúmulo de capital — o que possibilita mais investimentos e mais contratações —, falta explicar como que custos de contratação menores podem ser ruins para pessoas à procura de emprego."
Sim, não há problema algum em um empresário tentar reduzir seus custos para se adequar a concorrência e auferir maiores lucros. O entrave se encontra, como eu falei, no empresário monopolista que não possui um fator invísivel para motivá-lo à otimizar sua produção. A mão visível do Estado garante que seu produto inevitavelmente será consumido e, com isso, seu lucro será certeiro. Por conseguinte, não há a preocupação constante deste em inovar, melhorar a qualidade, aumentar a produtividade da sua mão de obra. Nesse sentido, a terceirização beneficia esse empresário, justamente por rebaixar seus custos com contratados (temporários ou não) à niveis abaixos daquilo que os empregados produzem, sabendo se que eles estão confortáveis em relação aos processos trabalhistas que enfrentarão (ajudinha estatal). Bem como, estagna ou retarda as inovações, tendo em vista que sua produção atual será adquirida pelos consumidores à um preço "monopolístico" durante um tempo maior que o de uma concorrência que existiria num livre mercado. Ademais, seu produto foi feito empregando mão-de-obra com um ônus muito abaixo daquilo que ela de fato produz. Desse modo, a margem de lucro é gigantesca, sendo que esse lucro pode sim ser revertido em capital para futuras melhoras, o que, na minha opinião, não aflinge ou preocupa de modo algum uma empresa monopolista, pois esta pode facilmente pegar crédito subsidiado de bancos estatais, ou ser empreendido em outros investimentos pessoais e, na minha percepção, fúteis e de pouco potencial de gerar valor no futuro.