O que a lei da utilidade marginal decrescente pode nos ensinar?

A lei da utilidade marginal decrescente está no âmago da explicação de vários fenômenos econômicos, dentre eles a preferência temporal e o valor dos bens.  Uma outra função crucial sua é mostrar por que o socialismo é ética e economicamente inferior ao capitalismo.

A lei da utilidade marginal decrescente, demonstrada por Carl Menger (1840—1921), é axiomática por natureza; isto é, trata-se de uma lei irrefutavelmente verdadeira.  Para os economistas convencionais, entretanto, esta fundamental lei econômica é tipicamente interpretada como se fosse uma lei psicológica.  Eles a confundem com a lei da saciação dos desejos.

Tal interpretação, contudo, não entende a lei da utilidade marginal decrescente como sendo uma lei econômica fundamental — isto é, que é verdadeira independente da época e do lugar —, mas sim como uma mera e efêmera explicação para certos fenômenos econômicos, explicação essa que pode ser válida ou não para determinadas situações.

Dada a importância da lei da utilidade marginal decrescente para a teoria econômica, é importante insistir na afirmação de que a lei da utilidade marginal decrescente é irrefutavelmente verdadeira — pois ela é resultado do axioma da ação humana, isto é, ela é resultado do fato indiscutível de que todo ser humano age.

Ignorar essa verdade leva a conclusões falaciosas e errôneas.  Em última instância, leva à adoção de teorias econômicas sem fundamentos e políticas econômicas desastrosas.

O Axioma da Ação Humana

Ludwig von Mises (1881—1973) reconstruiu a ciência econômica como uma ciência axiomática, a qual ele denominou praxeologia (práxis = ação): a ciência da lógica da ação humana.  O elemento central da praxeologia é o axioma da ação humana.[1]

O axioma da ação humana basicamente diz que os seres humanos agem.  Isso pode soar banal à primeira vista.  Entretanto, uma observação mais detida irá deixar óbvio que o axioma misesiano da ação humana e suas implicações estão longe de ser banais:

Para começar, um axioma é uma proposição — ou um arranjo de proposições — tida como verdadeira a priori.  Ele é aprioristicamente verdadeiro por uma questão de lógica.  Um axioma serve para apresentar diferentes temas na forma de teorias formais e coerentes, sendo que todas essas teorias são proposições que podem ser deduzidas do axioma.  Por exemplo, o teorema de Pitágoras pode ser deduzido dos axiomas da geometria euclidiana.

O axioma da ação humana é de natureza especial: ele representa uma proposição sintética a priori, para utilizar a terminologia de Immanuel Kant (1724—1804).  Uma proposição sintética a priori é um conhecimento que (1) não pode ser negado sem que se caia em contradição intelectual, e (2) é derivado da reflexão, e não da observação.

O axioma da ação humana não pode ser negado sem que o indivíduo caia em uma insolúvel contradição.  Afinal, para negar o axioma da ação humana, o individuo está incorrendo em uma ação humana — trata-se do ato humano de negar.  Argumentar que humanos não podem agir é, portanto, uma contradição em si mesmo, uma absurdidade.

Ademais, o axioma da ação é derivado da reflexão humana: ele independe da experiência.  Isso porque um indivíduo não pode observar humanos fazendo uma ação propriamente dita.  Para saber o que "ação" significa, é preciso antes saber o que é uma ação — o que significa que o conhecimento sobre o que é ação deve existir antes da ação. 

Dito isso, o axioma da ação humana satisfaz ambos os requisitos de Kant para ser qualificado como uma proposição sintética a priori: é uma verdade autoevidente e é derivada da reflexão.  Dito isso, deduções lógicas extraídas do axioma da ação humana também devem ser absolutamente e irrefutavelmente verdadeiras.

Por meio do seu desenvolvimento da praxeologia, Mises demonstrou que a teoria econômica é a manifestação lógica desse irrefutavelmente verdadeiro axioma da ação humana.  De acordo com Mises, a teoria econômica não está preocupada com psicologia, mas sim com as implicações do axioma da ação humana.

A Lei da Utilidade Marginal Decrescente

A lei da utilidade marginal decrescente pode ser logicamente deduzida do axioma da ação humana.  Para mostrar isso, comecemos com algumas observações sobre 'utilidade'.

Utilidade é um conceito subjetivo.  Denota "satisfação" (ou "felicidade" ou "contentamento").  Ela aumenta se e quando um indivíduo aumenta seu estado de satisfação.  Inversamente, ela diminuiu se e quando um indivíduo considera que sua situação piorou.

Mais ainda: utilidade é um conceito ordinal (contrário de cardinal), o que significa que a utilidade não pode ser mensurada cardinalmente.  Ela pode apenas ser ordenada em série, como em um ranking.  Da mesma forma, alterações na utilidade de diferentes pessoas não podem ser mensuradas.  Tudo o que se pode dizer é que a utilidade é maior ou menor desde o ponto de vista de um indivíduo. 

Rothbard explicou por quê:

Para que qualquer mensuração fosse possível, teria de haver uma unidade objetivamente determinada e eternamente fixa, com a qual outras unidades pudessem ser comparadas.  Mas não existe tal unidade objetiva no âmbito das valorações humanas.  O indivíduo, por si próprio, deve determinar subjetivamente se ele está em melhor ou pior situação em decorrência de alguma mudança sofrida.[2]

Utilidade marginal significa a utilidade trazida por aumentos na quantidade de bens; significa a utilidade trazida pelo usufruto de um bem adicional.  Utilidade marginal não significa incrementos na utilidade — o que implicaria que a utilidade poderia ser mensurada.[3] Portanto, o que a lei da utilidade marginal decrescente diz?

A lei diz, em primeiro lugar, que a utilidade marginal de cada unidade (homogênea) decresce à medida que a oferta de unidades aumenta (e vice versa); segundo, que a utilidade marginal de uma unidade de maior tamanho é maior do que a utilidade marginal de uma unidade de menor tamanho (e vice versa).  A primeira lei denota a lei da utilidade marginal decrescente; a segunda lei, a lei da utilidade total crescente.

Essas duas dimensões da lei da utilidade marginal decrescente advêm diretamente do axioma da ação humana; elas podem ser deduzidas logicamente dele, e de maneira alguma dependem da psicologia ou de qualquer outra pressuposição comportamental.  Isso será mostrado a seguir.

A Natureza Apriorística da Lei da Utilidade Marginal Decrescente

Apriorismo denota uma teoria que gera proposições verdadeiras; proposições cuja verdade independe de conhecimentos derivados da empiria: seu verdadeiro valor pode ser estabelecido a priori, independentemente de experiências (sensoriais).

A praxeologia, baseando-se no axioma da ação humana, afirma algo sobre a realidade que pode ser confirmado sem que se recorra a experimentos; trata-se de uma ciência apriorística.  Ademais, a lei da utilidade marginal decrescente é uma consequência lógica do irrefutavelmente verdadeiro axioma da ação humana, e, como tal, é também uma verdade apriorística.  Essa conclusão não tem nada a ver com psicologia.

Para mostrar isso, devemos nos lembrar tanto das implicações óbvias quanto das implicações menos obvias do axioma da ação humana.

O axioma da ação humana implica que os humanos agem, e que a ação humana é intencional, propositada, objetivando determinados fins.  A ação humana é distinguível daqueles tipos de comportamento humano que são despropositados ou puramente involuntários.  Supor o contrário resultaria em uma contradição intelectual insolúvel.[4]

O axioma da ação humana implica substituir uma situação menos satisfatória por uma situação mais satisfatória.  Caso houvesse um perfeito contentamento com tudo (e, logo, plena satisfação), não haveria nenhuma ação humana — algo que, como notado anteriormente, é impensável.

A ação humana implica a utilização de meios para a satisfação de fins, e o axioma da ação humana implica que esses meios são escassos.  Se não fossem escassos, os meios não serviriam como objetos da ação humana.  Mais ainda: se os meios não fossem escassos, não haveria ação — e isso é impensável.

Dado que os meios são escassos — em relação aos fins a que eles podem servir —, eles devem, portanto, ser economizados.  Como resultado da escassez, o agente tem de saber como alocar esses meios escassos para que eles sirvam aos seus mais desejados fins.  Sendo assim, certos fins inevitavelmente permanecerão não satisfeitos.  Disso, conclui-se que, quanto maior a oferta de meios disponíveis, mais fins podem ser satisfeitos.

Como os meios são escassos, a ação humana implica que o indivíduo deve classificar em ordem de preferência seus diferentes fins.  A ação humana, portanto, é um indicativo do julgamento e da valoração do indivíduo — ou, como disse Rothbard, trata-se de preferências demonstradas: os fins classificados no topo das preferências são aqueles que o indivíduos valora mais favoravelmente.

Desta perspectiva, torna-se óbvio que a lei da utilidade marginal decrescente advém do axioma da ação humana.

Primeiro, quanto maior é a oferta de um bem, menor é a utilidade de uma unidade adicional: quanto mais bens estiverem disponíveis, maior será a quantidade dos fins menos urgentes que poderão ser satisfeitos.  As pessoas, portanto, valoram os bens "na margem": se, por exemplo, um indivíduo tiver de abrir mão de um de seus bens que está sendo utilizado para a satisfação de seus fins, ele irá abrir mão do fim menos importante possibilitado por esse bem — isto é, a unidade marginal.  É esse fim que agora foi deixado de lado que irá determinar o valor desse bem, do ponto de vista do indivíduo.

Segundo, a utilidade total de uma maior oferta de bens sempre será maior do que a utilidade de uma menor oferta de bens — uma vez que a primeira condição permite a satisfação mais fins que a segunda condição.

Mises resumiu a lei da utilidade marginal decrescente de maneira sucinta:

Ao tratar da utilidade marginal, não estamos lidando nem com prazer sensorial nem com saturação ou saciedade. Não transpomos a esfera do raciocínio praxeológico ao estabelecermos a seguinte definição: a utilização que um indivíduo faz de uma unidade de um conjunto homogêneo de bens, se ele dispõe de n unidades, e que não faria se só dispusesse de n-1 unidades, mantidas iguais as demais circunstâncias, constitui a utilização menos urgente, ou seja, a sua utilização marginal. Por isso, consideramos a utilidade derivada da unidade em questão como utilidade marginal. Para chegar a esta conclusão, não precisamos de nenhuma experiência fisiológica ou psicológica, de nenhum conhecimento ou raciocínio. Decorre necessariamente de nossa premissa o fato de que o homem age (escolhe) e de que, no primeiro caso, tinha n unidades de um conjunto homogêneo de bens e, no segundo caso, n-1 unidades. Nestas condições, não se pode conceber outro resultado. Nossa afirmativa é formal e apriorística, e não depende de nenhuma experiência.

Três aplicações da Lei da Utilidade Marginal Decrescente

Finalmente, consideremos três aspectos econômicos em que a irrefutavelmente verdadeira lei da utilidade marginal decrescente possui um papel importante — algo que, entretanto, é frequentemente ignorado pela economia convencional.  Essa abordagem errada e incompleta da ciência econômica, por sua vez, resulta — intencionalmente ou não — em políticas destrutivas.

(1) Um aumento na quantidade de dinheiro.  Um aumento na quantidade de dinheiro irá, por razões lógicas, reduzir o valor de troca de uma unidade monetária.  É assim porque a unidade monetária adicional pode ser utilizada para satisfazer um fim adicional que é necessariamente menos urgente que a satisfação do fim imediatamente anterior (em termos de importância) a este.  Um aumento na quantidade de dinheiro, portanto, irá necessariamente levar a uma redução na utilidade marginal da unidade monetária (comparada à situação em que a quantidade de dinheiro permaneceu inalterada).

Como resultado, um aumento na quantidade de dinheiro jamais pode ser "neutro" em termos econômicos.  Tal aumento necessariamente leva a um declínio no valor troca do dinheiro — quando comparado a uma situação em que a quantidade de dinheiro permaneceu inalterada.  Também é válido observar que um aumento na quantidade de dinheiro afeta de modo diferente os diferentes agentes de mercado. (Veja mais aqui).

Uma política monetária que busca aumentar a quantidade de dinheiro, portanto, jamais poderá ser "neutra": ela necessariamente reduz o valor de troca da unidade monetária, e ela necessariamente beneficiará algumas pessoas (aqueles que recebem esse novo dinheiro antes do resto da população) à custa de outras (aquelas que recebem esse novo dinheiro por último).

(2) Uma redução na taxa de juros de mercado.  A taxa de juros vigente em um mercado livre e desimpedido — isto é, a taxa de juros pura — reflete a preferência temporal da sociedade — a qual, por sua vez, também está implícita no axioma da ação humana.  Preferência temporal significa que os agentes de mercado valoram os bens disponíveis hoje (bens presentes) de maneira mais elevada do que os bens que só estarão disponíveis no futuro (bens futuros).

E quanto mais os indivíduos mostrarem que preferem bens presentes (adquiridos com sua renda atual) em detrimento de bens futuros (os quais serão adquiridos por meio da poupança que terão de fazer até lá), maior será a valoração dada aos bens presentes em relação aos bens futuros — e isso é resultado da irrefutavelmente verdadeira lei da utilidade marginal decrescente.  A taxa de juros pura, portanto, expressa a relação entre as valorações dos bens presentes e as valorações dos bens futuros.

Se o governo intervir no mercado temporal — por exemplo, aumentando a oferta monetária, criando crédito do nada, sem lastro em poupança —, ele necessariamente fará com que a taxa de juros de mercado seja diferente da taxa de juros pura (no caso, ele fará com que a taxa de juros de mercado seja menor que a taxa de juros pura), algo que subsequentemente irá de provocar investimentos errôneos e ciclos de expansão e recessão econômica.

(3) Violação dos direitos de propriedade dos indivíduos.[5]  Violações dos direitos de propriedade individual (por exemplo, por meio de tributação, regulamentações etc.) farão com que os proprietários valorem os bens presentes de modo cada vez mais favorável em relação aos bens futuros — uma conclusão que advém da lei da utilidade marginal decrescente.

Violações dos direitos de propriedade individual, portanto, aumentam a preferência temporal das pessoas, tornando-os mais imediatistas, mais voltadas para o presente, fazendo-as aumentar o consumo em detrimento da poupança e do investimento, o que reduzirá (ou até mesmo reverterá) o ritmo da acumulação de capital.  Uma sociedade intervencionista-socialista necessariamente irá, por conseguinte, ser mais pobre do que poderia ser caso adotasse uma ordem social de livre mercado, em que não há violações sistemáticas dos direitos de propriedade dos indivíduos.

___________________________________________________

Notas

[1] Para uma explicação mais aprofundada, ver Hoppe, H.-H. (1995), "Praxeologia e a Ciência Econômica", em A Ciência Econômica e o Método Austríaco, Instituto Ludwig von Mises Brasil.

[2] Ver Rothbard, M. N. (2007 [1962]), Man, Economy, and State, Scholar's edition, Ludwig von Mises Institute, pp. 21-33.

[3] Ver sobre isso Rothbard, M. N. (1959), "Toward a Reconstruction of Utility in Welfare Economics," originalmente publicado em On Freedom and Free Enterprise: The Economics of Free Enterprise, May, Sennholz, H. F., ed., Princeton, N.J: D. Van Nostrand, 1956; reimpresso em in The Logic of Action One: Method, Money, and the Austrian School by Murray N. Rothbard, London: Edward Elgar, 1997, pp. 211-255.

[4] Mises, L. (2007 [1957]), Theory and History, Ludwig von Mises Institute, p. 3, observa:

Seria algo simplesmente tolo negar o fato de que o homem manifestamente se comporta como se estivesse de fato buscando atingir fins definidos.  Logo, a negação de que há propósitos nas atitudes do homem é algo que somente pode ser aceito se for assumido que a escolha dos fins e dos meios é algo apenas aparente; que o comportamento humano é, em última instância, determinado por eventos fisiológicos que podem ser completamente descritos na terminologia da física e da química.

Mesmo os mais fanáticos defensores da "Unidade da Ciência" [dogma central do positivismo lógico], os quais formam uma seita, evitam propagandear inequivocamente essa formulação rude e grosseira de sua tese fundamental.  E há boas razões para essa reticência.  Enquanto não for descoberta uma relação clara e distinta entre ideias e eventos físicos ou químicos — dos quais as ideias seriam a consequência lógica —, a tese positivista permanecerá sendo apenas um postulado epistemológico originado não da experiência cientificamente estabelecida, mas de uma visão metafísica do mundo.

[5] Nesse contexto, ver, por exemplo, Hoppe, H.-H. (2010), Theory of Socialism and Capitalism, Ludwig von Mises Institute.

1 voto

SOBRE O AUTOR

Thorsten Polleit
é economista-chefe da empresa Degussa, especializada em metais precisos, e co-fundador da firma de investimentos Polleit & Riechert Investment Management LLP.  Ele é professor honorário da Frankfurt School of Finance & Management.



Ambos trazem cenários e fatos possíveis, plausíveis. Todavia, meu entendimento pessoal é de que o Estado tende a ver fortalecido seu desígnio de maior controle. Maior significando mais amplo, intenso e profundo. O maior volume de dados não é, de modo algum, limitante para uma ação controladora. Antes, a facilita! E a razão disso o próprio North expõe: a evolução tecnológica. Na minha pré-adolescência o sumo da capacidade de processamento e memória estava em um DGT-100, suplantado em seguida pela capacidade de uma mera calculadora científica Dismac. Os muitíssimos Tera serão coisa pouca para as tecnologias que estão por vir, algumas das quais já existem no estado prototípico. É bem possível que a tecnologia também seja utilizada para dar proteção às pessoas, mas a tecnologia, ou ao menos o seu uso mais legal, sempre estará do lado do Estado ou de quem terá o poder de controlar a pessoa comum. Ademais, penso ser uma visão ingênua a de que a versão futura de aplicativos, empresas de TI e Zuckerbergs da vida venham a nos salvar de alguma coisa, vez que eles mesmos hoje já servem ativamente ao controle estatal sobre os indivíduos. Pior, hoje já servem ao policiamento das ideias e a projetos de controle social. Quem conhece uma coisa simples como marketing digital sabe que se pode ter perfeita ideia dos hábitos e padrões de uma quantidade incalculável de pessoas. Um amigo me disse querer viver centenas de anos para poder testemunhar como se daria esse embate entre as forças da liberdade e as da servidão. Ainda que eu aprecie uma boa e justa luta, não tenho a mesma veleidade. A história mostra que não há motivo especial algum para imaginar que a liberdade prevaleça inconteste ou que sobrepuje, campeã, os que a tolhem.
Jeff, imagino que esteja começando a descobrir a Escola Austríaca, essa dádiva deixada por Mises ainda pouco divulgada pelo senso comum.

Vou ser lúdico ao extremo, para que entenda as diferenças entre desigualdade e injustiça - essa sim, combatida pelos austríacos. Adiante:

- Em economia, existem dois tipos de desigualdade de renda, a seguir:

1- Desigualdade espontânea: Essa, como o nome pressupõe, é causada pelo enriquecimento do agente por meios próprios. Um exemplo bem comum seria um sujeito que começa a vida poupando uma parte de sua renda, e com essa poupança ano a ano investe em imóveis, comprando barato, reformando e alugando, ou vendendo por um preço mais alto. O lucro realizado é reinvestido em mais negócios. Se ele souber enxergar as distorções no mercado e fizer o correto, provavelmente ele estará muito mais rico que a maioria de seus pares após algumas décadas.

Seu enriquecimento não faz mal a ninguém, aliás muito pelo contrário: é graças a sua poupança que pessoas podem alugar um imóvel sem ter de compra-lo, ou mesmo comprar um imóvel ou compra-lo sem ter de se preocupar em comprar terreno, construir, etc. Paralelamente mas não menos importante, seu investimento gera empregos diretos e indiretos, seja na obra em si, seja para os fabricantes de insumos para construção, além dos mais indiretos, como corretagem de imóveis, serviço cartorial etc.

Ou seja, essa desigualdade é BOA. Ela gera riqueza a todos, independente para onde se olhe. É a alquimia de Flamel se fazendo presente em nossas vidas, transformando chumbo em ouro a olho nu.

2- Desigualdade provocada: Ao contrário da primeira, esta só pode acontecer quando o Estado interfere na economia, gerando distorções que enriquecem alguns e empobrecem a maioria, e vou citar os exemplos mais fáceis para que enxergue bem:

Barreiras econômicas: Quando se proíbe ou taxa a importação de bens e serviços, o privilégio a certas empresas é certo. E todo privilégio acarreta na obrigatoriedade do consumo, e com isso, a reserva de mercado traz crescimento absurdo a certas empresas, em detrimento do consumidor, que é obrigado a pagar mais caro por produtos e serviços pífios. Os setores mais consagrados são:
- Telefonia
- Segurança
- Medicamentos

Serviços e obras estatais: Ao passo que o Estado extorque o cidadão com impostos e taxas, ele monopoliza quantias absurdas de capital para realizar obras ao gosto de seus governantes. Nesse meio são escolhidas empresas alinhadas com o Estado, conseguindo concessões e direitos a fornecimento com preços altos e qualidade pífia. O resultado? Enriquecimento compulsório de poucos, em detrimento de muitos.

Cargos públicos: Se o valor dos salários e a métrica de manutenção dos empregos no livre mercado é o lucro, para o Estado vale o corporativismo e a ideologia. Contrata-se sem necessidade, paga-se mais do que se deve, criam-se empregos por pura força eleitoral. Este movimento injusto gera além de desigualdade, mais pobreza a maioria, pois tais postos são pagos com o dinheiro surrupiado de quem gera riqueza.

Câmbio: pouco se fala a respeito no senso comum, mas uma das formas mais objetivas de gerar desigualdade em um país é enfraquecendo a moeda, pois uma minoria exportadora enriquece vendendo barato ao exterior em detrimento da grande maioria, que perde poder de compra, logo empobrece.

Conclusão: enquanto a desigualdade espontânea é justa e depende somente de quem poupa, investe e toma as decisões corretas, carregando implicitamente riqueza a todos, a desigualdade provocada pelo Estado é injusta, pois proíbe pessoas não alinhadas prosperadas, e protege aqueles que estão ao lado do Estado, mantendo castas eternas.

Abraços,

Não, Xiba. Continua sendo pirâmide do mesmo jeito.
(...)
Eis o fato irrevogável: contra a demografia e a matemática, ninguém pode fazer nada.


O colega começou discordando de mim, mas no final me pareceu que não. :-)

Vejamos, em uma sociedade em que alguém precise de $10/mês para atender suas necessidades, bastam 10 trabalhadores contribuindo com $1. Essa sociedade sobrevive assim e, após 1.000.000 anos, (ignorando inflação) continuarão sendo preciso 10 trabalhadores contribuindo $1, porque haverá sempre novas pessoas entrando no mercado contribuinte, e outras deixando de precisar de assistência (i.e. morrendo).

Ora, mas se só há 2 trabalhadores para cada 1 aposentado nesta sociedade (exemplo seu, arredondado pra facilitar), então a contribuição terá que ser de $5/trabalhador. E enquanto os números não mudar, sobrevimentos assim por mais 1.000.000 anos.

Matemática, certo?

Agora... Em sua resposta você ignorou completamente o fator tempo de contribuição/expectativa de vida, e ele é fundamental para se equilibrar qualquer previdência.

Exemplificando, em um sistema de 40 anos de contribuição e 20 anos de expectativa de vida, em média 1 só trabalhador contribui para 2 beneficiários.

(Existem outros fatores que criam mais complexidade, como por exemplo valor contribuído x renda, mas vamos ignorá-los de propósito agora para facilitar nossa vida.)

Bom, isto posto, os números do IBGE contêm basicamente este fator ignorado. Porém, os números do IBGE não vão diminuir pra sempre. Eles não tendem a zero, mas a 1, porque não é factível que a população ativa seja menor que a não-ativa, a não ser em casos de guerras, catástrofes, etc.

Ora, partindo da premissa de que em um futuro infinito nosso IBGE vai calcular um relação ativos/inativos = 1, neste ponto cada trabalhador (num regime de 40 anos de contribuição e 20 anos de expectativa de vida) tem que contribuir com 50% do salário para se haver uma previdência estável.

Ou seja, no extremo teórico, a previdência é financeiramente sustentável (ainda que extremamente sacrificante para o contribuinte.)

A título de curiosidade, se os 1,43 do IBGE se confirmarem em 2060, pela matemática a contribuição por trabalhador terá de ser de "apenas" 28% do salário. Ainda um absurdo, mas devo lembrar que hoje a alíquota de autônomos, dentre outras categorias, é de 20%.

Veja: em nenhum momento quis colocar que é fácil ou até factível se criar um sistema justo aqui no Brasil. Meu único objetivo foi contribuir pra discussão mostrando que previdência é matemática e estatística, e que aplicando os cálculos certos é fácil ver que ela pode ser um sistema financeiramente sustentável, ainda que instável e/ou injusto.

E sistema financeiramente sustentável, por definição, não é uma pirâmide (vide texto da Wikipédia, citado no artigo).

Não representa. O próprio Rothbard explicou que, se existisse um botão que destruísse o Estado imediatamente, ele o apertaria já; mas este botão infelizmente não existe, então temos que ir lutando para reduzi-lo na medida do possível (ou pelo menos conter seu crescimento), mas advertiu que existem formas de fazê-lo coerentes com a ética liberal e existem formas incoerentes.

Rothbard explicou que nem toda isenção ou redução de impostos promove o liberalismo e a diminuição do Estado, então temos que prestar atenção a COMO uma determinada isenção ou redução de impostos será feita para não corrermos o risco de promover sem querer o crescimento do Estado pensando que estamos promovendo sua redução.

PS: Percebi certa dificuldade de comunicação entre os colegas, então vou dar um toque de psicologia cognitiva/programação neurolinguística:

"Juízo de Realidade": Afirmação reconhecendo que algo existe (ou que não existe), sem entrar do mérito disso ser bom ou ruim, certo ou errado, melhor ou pior, importante ou sem importância, etc.

"Juízo de Valor": Afirmação de que algo deve/deveria existir porque é/seria bom, ou certo, ou melhor, ou importante, etc. (ou que não deve/não deveria existir pelos motivos inversos), sem que a afirmação queira dizer que este algo de fato existe (ou que não existe).

Exemplos:

JR: "Mulheres devem evitar andar sozinhas e desarmadas em locais isolados e desconhecidos à noite"

JV: "Não diga às mulheres para evitar o estupro, diga aos estupradores para não estuprar"

Notem como a aparente incompatibilidade entre estas duas afirmações desaparece quando percebemos que elas pertencem a categorias diferentes de afirmativas e não são mutuamente excludentes, mas sim complementares. O mesmo ocorre com grande parte do debate minarquistas x anarcocapitalistas.

* * *
Qual o padrão de vida em Auroville? A população tem acesso a uma grande variedade de bens e serviços? Se a pessoa ficar doente, ela tem pronto acesso a serviços médicos? Há escolas? Há universidades?

Isso meio que me lembra a experiência da cidade espanhola de Marinaleda, que passou a ser venerada pela esquerda como "exemplo de coletivismo que deu certo".

Primeiro,
assista ao vídeo. É rapidinho.

Assistiu? Então vamos lá.

Em primeiro lugar, você deve ter visto que se trata de um arranjo que não tem nada de novo ou original. É como se fosse uma comunidade amish (com 2.700 pessoas não pode ser uma cidade), na qual as pessoas subsistem e trabalham apenas para se alimentar.

Ali, como relatou a reportagem, há pleno emprego. Qualquer pessoa que quer trabalhar encontra trabalho.

Só que o padrão de vida ali é extremamente precário. Note o semblante das pessoas e veja se há algum conforto ali. Tem gente ali que nem tem dente (certamente não deve ter dentista na comunidade). O local é parecido com o interior do Piauí. O trabalho agrícola mostrado é totalmente precário e pouco produtivo. Não há nenhuma máquina no campo (ou seja, não há a "temida" acumulação de capital). Tudo o que eles conseguem fazer na cooperativa é transformar a colheita (pimenta, azeitona e alcachofra) em azeite. Isso é vida do século XIX. Isso é algo que pode ser classificado como "imune à crise"?

A veneração a este arranjo é a prova suprema de como as pessoas perderam completamente o senso de proporção. Não discuto que há quem goste de viver assim, e defendo totalmente a liberdade destas pessoas de fazerem isso. Mas dizer que aquela pobreza maranhense é um oásis invejável é de uma imbecilidade econômica grotesca.

Ademais, qualquer pessoa que goste de trabalhar muito sem poder usufruir os frutos do trabalho -- isso é, trabalhar duro de sol a sol mas viver sem conforto nenhum e sem usufruir da tecnologia moderna -- é adepta da escravidão voluntária. Nada contra; só uma constatação.

Mas dizer que quem vive ali sob aquelas condições de trabalho precárias está "bem" e que tal arranjo é um "oásis a ser imitado", bom, aí já é forçar bastante. Isso aí é desejo de retornar às condições de vida do século XIX. Bom proveito pra quem quer. Eu preferiria ser desempregado em Madri. A qualidade de vida é muito mais alta.
Isso segundo a Oxfam, esse portento da imparcialidade. Pergunta: você por acaso conhece a metodologia utilizada por essa Oxfam?

Segundo a bizarra metodologia da Oxfam -- que diz que 8 pessoas têm mais dinheiro do que metade da população mundial --, se você tirar um real do bolso e der para seu sobrinho de dez anos, ele vai ter uma riqueza maior do que "2 bilhões de pessoas somadas".

Sim, seu sobrinho instantaneamente passa a ser um magnata com mais riqueza que bilhões de pessoas juntas.

Como isso é possível? Porque a metodologia considera apenas a riqueza "líquida" (ou seja: patrimônio menos dívidas) das pessoas. E 2 bilhões de pessoas, tendo dívida, têm riqueza negativa.

Segundo essa metodologia, alguém que se formou em Harvard, vive num apartamento de cobertura em Nova York e ganha 100 mil dólares por ano mas tem 250 mil dólares em dívidas estudantis é mais pobre do que um camponês indiano que tem uma bicicleta, vive com um dólar por dia e não tem dívida.

Não importa se o cara de Harvard gasta centenas de dólares tomando McCallahan's 18 anos todas as vezes em que sai para a balada. Para a Oxfam, ele é mais pobre que o camponês indiano.

Ainda segundo esta metodologia, quando você compra um jatinho, você se torna imediatamente mais pobre. Como? Você acaba de assumir uma dívida de 25 milhões de dólares (incluindo juros) e adquiriu um patrimônio de valor de mercado de uns 20 milhões de dólares. Logo, você está 5 milhões de dólares mais pobre.

Para a Oxfam, quem viaja de jatinho usando financiamento é mais pobre do que quem viaja de ônibus pagando à vista.


Dica: não seja apenas mais um desavisado repetindo chavões ignorantes.

Classificar o "Relatório da Desigualdade" da Oxfam de farsa seria pouco
Esse debate precisa de uma comprovação de tal relação:

www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/11/1836839-commodities-pressionam-petrobras-e-vale-e-ibovespa-cai-3-dolar-sobe.shtml

oglobo.globo.com/economia/com-commodities-em-alta-bolsa-ganha-092-dolar-cai-043-20265162

extra.globo.com/noticias/economia/dolar-cai-abaixo-de-r325-com-recuperacao-de-commodities-japao-19834792.html

www.valor.com.br/financas/4530505/alta-de-commodities-impulsiona-bovespa-e-dolar-cai-para-r-355

https://economia.terra.com.br/dolar-cai-mais-de-1-com-valorizacao-de-commodities-e-fluxo,e48105674452ef52d0892d0a457891d2u3jzcvnm.html

https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/reuters/2016/08/02/dolar-cai-abaixo-de-r325-com-recuperacao-de-commodities-e-japao.htm

www.jornaldepiracicaba.com.br/economia_negocios/2016/11/commodities_pressionam_petrobras_e_vale_e_bolsa_cai_3_d_lar_sobe

https://www.poderjuridico.com.br/ibovespa-ganha-forcas-com-commodities-e-com-dados-dos-eua-dolar-cai-e-encosta-nos-r-320/

m.folha.uol.com.br/mercado/2016/09/1812849-commodities-derrubam-mercados-bolsa-cai-3-e-dolar-sobe-a-r-330.shtml

https://massanews.com/blogs/agronegocio/eugenio-stefanelo/precos-das-commodities-aumentam-em-outubro-e-dolar-cai-vDkl5.html

www.fiorde.com.br/wordpress/blog/bolsa-sobe-092-com-commodities-e-expectativa-de-aprovacao-de-pec-dolar-cai/

portalcm7.com/negocios/bovespa-sobe-2-5-e-d-lar-cai-1-com-salto-das-commodities/

www.aviculturaindustrial.com.br/imprensa/dolar-cai-commodities-sobem/20100615-105531-O832

www.referenciagr.com.br/china-e-commodities-animam-mercados-bolsa-sobe-4-e-dolar-cai/

www.arenadopavini.com.br/acoes-na-arena/com-commodities-em-alta-ibovespa-ganha-180-dolar-cai-r-255

www.istoedinheiro.com.br/commodities-incentivam-apetite-por-risco-e-dolar-fecha-em-queda/

https://economia.uol.com.br/noticias/valor-online/2013/12/10/dados-da-china-beneficiam-moedas-atreladas-a-commodities-e-dolar-cai.htm

www.valor.com.br/financas/4354060/dolar-sobe-194-puxado-por-cenario-politico-e-queda-de-commodities

exame.abril.com.br/mercados/dolar-abre-em-leve-queda-apos-japao-aprovar-medidas/

www.arenadopavini.com.br/acoes-na-arena/ibovespa-sobe-15-com-cenario-externo-e-commodities-em-alta-dolar-cai-para-r-392

g1.globo.com/economia/noticia/2011/05/derrocada-das-commodities-e-alta-do-dolar-pautaram-a-quinta-feira.html

https://economia.terra.com.br/panorama-dolar-sobe-commodities-e-bolsas-caem,50ae95246a40b310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html

exame.abril.com.br/mercados/panorama2-acoes-commodities-sobem-e-dolar-cai-na-vespera-do-fed/

https://economia.uol.com.br/ultnot/2008/08/22/ult29u62955.jhtm

economia.estadao.com.br/noticias/geral,dolar-fraco-sustenta-commodities-imp-,709088

economia.estadao.com.br/noticias/geral,queda-do-dolar-ajuda-alta-de-commodities-diz-meirelles,206267

https://noticias.bol.uol.com.br/economia/2007/02/14/bolsa-quebra-3-recordes-num-dia-e-sobe-177-dolar-cai-abaixo-de-r-210.jhtm

Existem notícias de 2007 a 2017, todas com essa relação entre o dólar e commodities, é claro que existe exceções como o dólar caindo e o apenas o petróleo subindo ou do café, mas não postei por ser "simplista" demais. Veja que sempre tentam dar outras explicações sobre esse fenômeno.

Mas agora a parte que mais me agradou nessa pequisa foi exatamente isso:
https://tradingcafe.wordpress.com/2011/02/03/correlacao-entre-precos-de-commodities-e-a-moeda-de-cotacao/
economia.estadao.com.br/noticias/geral,dolar-fraco-sustenta-commodities-imp-,709088
economia.estadao.com.br/noticias/geral,commodities-caem-com-alta-do-dolar,528831
https://tradingcafe.wordpress.com/2011/02/23/o-dolar-enfraquece-udo-que-e-cotado-em-dolar-sobe-de-preco-petroleo-e-ouro-em-alta/
www.planetaforex.pt/relaciones_economicas_entre_divisas/


Embora alguns deles tentaram dar outras explicações sobre essa relação de dólar e commodities, enfim...
Juros não controlam inflação? Vou só deixar esse gráfico aqui, que mostra a variação da SELIC e dos preços livres mensurados pelo IPCA (os preços que são controlados pelo governo, de fato e obviamente, são imunes à SELIC).

s4.postimg.org/f5pq6k64d/cewolf.png

Observe que, quanto mais a SELIC (linha vermelha) cai, maiores vão se tornando o nível dos preços livres (linha azul).

Observe, mais especificamente, a queda ocorrida na linha vermelha de 01/2006 a 06/2013. E veja o que ocorre com a linha azul neste mesmo período.

ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS

  • Miguel A. E. Corgosinho  14/02/2011 12:36
    Bom exemplo ao axioma:

    "Dito isso, o axioma da ação humana satisfaz ambos os requisitos de Kant para ser qualificado como uma proposição sintética a priori: é uma verdade autoevidente e é derivada da reflexão. Dito isso, deduções lógicas extraídas do axioma da ação humana também devem ser absolutamente e irrefutavelmente verdadeiras."

    Existe a chave pronta da verdadeira estrutura social autoevidente das três funções sociais duradouras, na posição encabeçada pelo axioma reflexivo para uma total transformação, a priori, retirada da "ação do homem", com a prática de todo o seu significado autentico, historicamente datado e, pelo que se apreende uma redução axiomática da economia: politicamente neutra.

    A história costuma pagar mal a esses serviços de utilidade marginal que rompem a estrutura evolutiva, simultânea e externa (ponto fixo, abstração, reflexão). O que quer dizer que a teoria social é como peixe na água; noutro meio qualquer ela morre.

    Maus exemplos da lei de utilidade marginal para além do axioma:

    (1) Um aumento na quantidade de dinheiro.
    (2) Uma redução na taxa de juros de mercado.
    3) Violação dos direitos de propriedade dos indivíduos.

    Portanto, sem uma teoria dos modos-de-produção, o axioma à serviço da ciência da "ação da humana" não pode ser substituído por questões de fonte da lei marginal da sua própria utilidade - razões de crise ou que negam as variantes principais do "axioma original" - para se deixar ser no que resta, tendencialmente à custa de "políticas destrutivas", repassadas aos países explorados pelo capitalismo.

    Não será de estranhar que o mérito do axioma social seja ignorado, e a ciência econômica só descubra o peixe morto.
  • Getulio Malveira  14/02/2011 15:23
    Bom texto. Contudo, a argumentação peca pela falta de clareza em alguns momentos. Primeiro, na utilização do conceito de axioma: se considero que a proposição "os homens agem" é um axioma e que a lei de utilidade marginal pode ser deduzida diretamente desse axioma, então a própria lei não é um axioma, mas um teorema. Está certo que o autor não afirmou que tal lei é um axioma, mas que é axiomática; donde, devo deduzir que o que ele quer dizer é que ela pertence, como teorema, a um sistema axiomático. Assim, a lei não é ela mesma auto-evidente como o axioma da ação humana, mas deve ser demonstrada a partir do axioma. Daí a importância da demonstração de que a lei de utilidade marginal decorre diretamente do axioma da ação humana. Nesse ponto confesso que o texto me parece bastante obscuro, principalmente quando da introdução do conceito de escassez:

    "A ação humana implica a utilização de meios para a satisfação de fins, e o axioma da ação humana implica que esses meios são escassos. Se não fossem escassos, os meios não serviriam como objetos da ação humana. Mais ainda: se os meios não fossem escassos, não haveria ação - e isso é impensável."

    O essencial aqui é demonstrar que os meios são escassos, mas isso não é feito. O autor simplesmente diz que o axioma implica na escassez dos meios. Se assim fosse eu poderia dizer: "os homens agem, logo os meios da ação são escassos". Aqui não consigo ver nenhuma conexão formal, muito menos a necessidade fazer tal dedução. O autor poderia ter introduzido a premissa dos meios escassos sem querer deduzí-la do axioma e o raciocínio ainda seria válido, com a vantagem de ser mais claro.
  • Leandro  14/02/2011 15:43
    Agradecemos a crítica, caro Getulio.

    Quanto à questão de os meios serem escassos, trata-se de algo perfeitamente deduzido da prática. Basta pensar em qualquer objetivo que você tenha em mente (comprar um carro, ir para a Europa, dormir até mais tarde, comer um sanduíche de presunto, ir ao cinema) e você concluirá que os meios para se atingir tais fins são escassos (trabalho para juntar dinheiro, tempo, pão, presunto, facilidade de locomoção e meios de locomoção, por exemplo. Sem falar na terra e nos fatores de produção necessários para possibilitar o seu trabalho, bem como para produzir o pão, o presunto, os meios de transporte etc.).

    Caso houvesse abundância desses meios, você sequer se preocuparia em classificar em ordem de preferência seus objetivos; eles seriam realizados sempre que você quisesse.

    Sou suspeito em falar, é óbvio, mas não vejo como o autor poderia sair dando esses exemplos sem deixar o texto um tanto arrastado. Ademais, qualquer pessoa que tentar refutar as afirmações feita no artigo (por exemplo, tentando mostrar que os meios não são escassos) irá inevitavelmente 1) cair em contradição ou 2) concluir que as afirmações do autor estão corretas.

    Não há terceira alternativa.

    Grande abraço!
  • Getulio Malveira  14/02/2011 16:44
    Perfeito, Leandro. Justamente dos seus exemplos me parece que é possível dizer que a escassez dos meios da ação é auto-evidente. Se assim for, a proposição que a afirma é um outro axioma que, adicionado ao axioma da ação humana, permite deduzir a lei de utilidade decrescente. No fundo trata-se somente de distinguir na praxeologia o que seriam axiomas e o que seriam teoremas: mera questão de formalização.

    grande abraço
  • Rhyan Fortuna  15/02/2011 22:03
    Excelente!

    Vocês estão camprichando nas escolhas dos textos!

    Abraços!
  • Pedrenrique  26/02/2014 22:49
    Eu gostaria que me fosse tirada uma dúvida, surgida na leitura desse texto.
    Se eu entendi bem, à medida que se soma à primeira unidade, outras, a sua utilidade marginal diminui. E que tal lei aplica-se a todos os casos, justamente por ser fundada na própria ação humana.
    Pensando, vi que de fato aplica-se isto a muitos casos. Mas não no caso do dinheiro, considerado enquanto propriedade individual.
    Tomemos o irredutível de um valor monetário enquanto unidade: 0,01 centavos.
    A utilidade marginal de cada centavo decresce à medida que a oferta de centavos aumenta. À primeira vista, parece-me correto. A inflação é um exemplo disso. Porém, a oferta de dinheiro não é necessariamente correlata do aumento da emissão deste. A oferta, termo que neste caso tomo com certa ambiguidade, só é redutível ao aumento de emissões de centavos quando relacionada a uma flutuação cambial.
    Mas quando circunscrita à ação de um indivíduo, e as formas individuais de obtenção de centavos, verifica-se que a oferta toma a forma e o conteúdo de oportunidade (que implica uma disposição prévia para aproveitá-la), sorte, entre outros. E pode ser que a relação entre utilidade marginal e oferta seja direta.
    Tomemos o caso da oportunidade enquanto oferta:

    A utilidade marginal de cada centavo aumentada à medida que a oportunidade de obtê-los aumenta. Mais simplesmente, dinheiro nunca é demais, mesmo que desvalorizado. A "satisfação dos fins" aqui é, a priori, infinita.

    Talvez decorra daí que o ouro, como produto escasso, não pode ser critério da emissão monetária.

    Gostaria que me sanassem essa questão. Obrigado, um abraço.

  • Leandro  27/02/2014 01:41
    Não confunda satisfação com utilidade marginal decrescente. São teorias distintas. Vou dar um exemplo de utilidade marginal decrescente determinando o valor de um bem:

    Se um indivíduo possui 5 carros idênticos, os quais satisfazem completamente todos os seus desejos, então o valor de cada carro será determinado pela importância que esse indivíduo atribui ao quinto carro que ele possui (no sentido de que há um ranking de preferências pelos carros, e supondo que o quinto carro é o menos importante para ele).

    Assim, se ele por exemplo perder esse quinto carro, o valor de um carro aumentaria de acordo com a satisfação que ele agora tira do quarto carro no seu ranking de importância.

    Caso ele perdesse 4 carros, ficando com apenas um, o valor desse único carro restante aumentaria enormemente, e o indivíduo agora passaria a valorizá-lo de acordo com a importância que esse único carro tem para ele na satisfação de todos os seus afazeres diários.

    Por outro lado, caso ele ganhasse num sorteio 100 carros iguais -- um número que excede em muito a hipótese inicial de que 5 carros o satisfazem completamente --, então a utilidade marginal e o valor de cada carro agora seria de zero, pois a satisfação de todos os seus desejos automobilísticos não dependeria da posse de um centésimo carro -- aliás, não dependeria nem mesmo de um sexto carro.

    Portanto, o valor que um indivíduo atribui a uma unidade de uma determinada quantidade de bens é igual à importância que ele dá à satisfação da necessidade menos importante propiciada por essa unidade.

    Outro exemplo:

    Se você está com fome e tem várias cédulas de 5 reais, perder uma cédula não lhe fará diferença alguma. Por outro lado, se você, estando com a mesma fome de antes, porém tendo agora apenas uma cédula de 5 reais, perder essa cédula, isso pode significar a diferença entre comer e morrer de fome. Logo, sua utilidade marginal para a cédula de 5 reais é nula no primeiro caso e, no segundo caso, possui o valor de sua vida.


    Ou seja, tanto no exemplo do carro quanto no exemplo da cédula, o valor de ambos os bens variou totalmente, sempre dependendo da situação.


    Se você quer aplicar o conceito de utilidade marginal à moeda, você tem de raciocinar em termos de "quantidades adicionais de unidades monetárias". Quanto maior for a renda de um indivíduo, menos importante será uma quantidade adicional unitária de moeda.

    R$ 1,00 tem mais importância para alguém que ganha um salário mínimo do que para alguém que ganha muito mais do que um salário mínimo.
  • Emerson Luis, um Psicologo  19/10/2014 16:28

    "Não confunda satisfação com utilidade marginal decrescente. São teorias distintas."

    Sim, são duas teorias diferentes, uma é psicológica enquanto a outra é econômica. Mas ambas possuem um funcionamento parecido.

    Um sujeito que possui um carro e adquire mais um ficará mais contente por certo tempo, mas depois se habituará e voltará a ser tão satisfeito ou insatisfeito com a vida quanto era antes. O mesmo vale para quem tinha dois carros e deixa de ter um. E uma pessoa que possui dez carros não é necessariamente dez vezes mais feliz do que alguém que possui apenas um.

    * * *
  • eduardo  06/03/2015 18:43
    Leandro,
    Vc poderia explicar melhor a terceira aplicação, q fala sobre o direito de propriedade?

    Obrigado,

    Eduardo
  • Leandro  06/03/2015 19:54
    Não creio que possa colocar de maneira mais clara que o próprio autor.

    Se o governo institui uma tributação que irá aumentar o valor confiscado da sua renda, ou uma regulamentação que irá diminuir o valor do seu ativo no longo prazo, você inevitavelmente adotará um comportamento mais imediatista em detrimento de um comportamento mais frugal e de uma visão mais voltada para o longo prazo.

    Você irá querer explorar sua renda ou seu ativo ao máximo hoje, pois sabe que, no futuro, ele valerá menos.

    Se o governo anuncia que irá tributar mais da sua renda -- por exemplo, jogando a alíquota do IRPF de 27,5% para 70% --, você não terá nenhum incentivo para produzir mais e ganhar mais. Por que faria isso, se praticamente todo o adicional que você produzir será confiscado pelo governo? Melhor trabalhar menos e se divertir mais.

    Se o governo anuncia que irá regular mais intensamente seu ativo -- por exemplo, sua terra, de modo que o valor futuro dela será menor --, você irá explorá-la ao máximo hoje, sem se preocupar com sua fertilidade futura, pois, quando o futuro chegar, sua terra valerá menos.

    Na cidade em que moro, um casarão antigo, ainda em processo de inventariado, foi anunciado como "em processo de tombamento" pela prefeitura. No entanto, como o processo de inventariado ainda não foi concluído -- e o tombamento só pode ocorrer após o inventariado --, o proprietário está literalmente deixando o imóvel apodrecer. Qual o interesse que ele tem em acelerar o inventariado e, consequentemente, perder sua propriedade o controle de sua propriedade? Sua visão de longo prazo simplesmente foi abolida.

    Um exemplo prático, e extremo, que mistura tudo isso de que falei aconteceu na União Soviética. Quando os agricultores perceberam que o governo iria confiscar uma grande parte da colheita futura, eles simplesmente reduziram a quantidade de tempo e esforço investidos no cultivo de suas plantações, e passaram a abater e a comer animais ainda jovens, os quais, em circunstâncias normais, seriam mantidos e alimentados até se tornarem prontos para a venda.
  • André Carvalho  14/03/2015 02:15
    Caros economistas,
    Gostaria muitíssimo que os senhores me esclarecessem quanto ao significado da palavra "marginal" na expressão Utilidade marginal decrescente.
    Sei que marginal é o que está à margem. Mas onde se fixa a margem? é o enésimo termo dos recursos de que disponho? Ou é o mais importante?
    Quando tenho 5 copos d'água, para matar a sede, onde entra a margem? No quinto copo?

    Eu estou estou estudando um artigo publicado em "www.mises.org.br/Article.aspx?id=903 " sobre a Utilidade marginal decrescente.
    Pois bem, em um determinado ponto, o articulista diz:
    Primeiro, quanto maior é a oferta de um bem, menor é a utilidade de uma unidade adicional: quanto mais bens estiverem disponíveis, maior será a quantidade dos fins menos urgentes que poderão ser satisfeitos. As pessoas, portanto, valoram os bens "na margem":

    A margem é o enésimo termo? É o termo preterido?

    Desde já, agradeço imensamente o esclarecimento.
  • Leandro  14/03/2015 13:19
    O conceito de margem diz respeito aos incrementos que ocorrem, sem se considerar o todo existente. Marginal significa adicional.

    Por exemplo, na economia, existe a teoria da "produtividade marginal decrescente". Ela significa que a sua produtividade vai aumentando de maneira decrescente.

    Exemplo: você entra com capital e mão-de-obra de 100 e produz 120.

    Aí, se você acrescentar mais uma unidade de capital (mantendo a mão-de-obra), você terá agora, um capital e mão-de-obra de 101 e vai produzir, suponhamos, 122.

    A sua produção aumentou, mas de forma decrescente. Um aumento de 1% no capital (de 100 para 101) aumentou sua produção em menos de 1% (o aumento foi de 120 para 121, o que dá 0,83%).

    Isso se chama aumento na margem.

    Outro exemplo: pense em água e em diamantes e veja o preço de cada. Nós não valoramos a categoria "diamantes" em relação à categoria "água"; não fazemos uma comparação direta entre ambos os produtos, que são distintos não apenas em sua composição, como também em suas finalidades.

    O que realmente fazemos é valorar uma unidade a mais de diamante em relação a uma unidade a mais de água. Este é o conceito de margem.

    O conceito de marginalidade é muito importante e muito utilizado na economia. Termos como "custo marginal", "utilidade marginal", "produção marginal" são extremamente utilizado.


    Veja também minha resposta ao leitor Pedrenrique logo acima.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.