O problema da inflação chinesa é de interesse mundial

A economia global tornou-se tão desequilibrada, que até mesmo políticos que normalmente teriam problemas para entender as leis da oferta e demanda já estão claramente reconhecendo que alguém terá de ceder.

Em grande parte, as distorções foram causadas pela duradoura política da China de atrelar sua moeda, o yuan, ao dólar americano.  Porém, na medida em que a economia chinesa se fortalece, e a economia americana vai ficando enfraquecida, o custo e a dificuldade de se manter a atrelagem vão ficando cada vez maior, até o momento em que certamente irão sobrepujar os benefícios que tal política supostamente concede à China.  Nas primeiras semanas de 2011, surgiram vigorosas novidades que mostram o quão difícil tal arranjo se tornou para Pequim.

Vinte anos atrás, os líderes chineses decidiram se livrar do desastre econômico criado pelo comunismo e adotar uma economia de mercado, comandada por indústrias privadas voltadas para exportações.  O plano funcionou em grande medida.  De lá pra cá, a China comprovadamente retirou mais pessoas da miséria no menor intervalo de tempo da história do planeta.  Porém, em algum momento ao longo desse período, os líderes chineses tornaram-se viciados em um plano estratégico cuja utilidade já se exauriu.

Para manter seu câmbio fixo em relação ao dólar, a China tem de continuamente comprar dólares no mercado.  Porém, quanto mais fraco o dólar vai ficando, mais dólares a China tem de comprar para manter sua cotação.  E com o Banco Central americano criando sua inflação monetária sem precedentes, o que joga o valor do dólar lá pra baixo, a tarefa de Pequim tornou-se praticamente impossível.  Há duas semanas, a China anunciou que suas reservas internacionais — a quantidade de moeda estrangeira comprada e mantida por seu banco central (a maior parte dela formada por dólares americanos) — aumentaram US$ 199 bilhões apenas no quarto trimestre de 2010, um aumento recorde, chegando a um total de US$ 2,85 trilhões.  Essas reservas atualmente representam espantosos 49% do PIB anual da China (se a mesma quantidade, em termos proporcionais, fosse mantida pelos EUA, os miseráveis US$ 46 bilhões em reservas internacionais do país teriam de aumentar 163 vezes, indo para um total de $ 7,5 trilhões).

Para comprar esses dólares e manter sua cotação cambial, o Banco Central da China tem de imprimir dinheiro.  Essencialmente, a China está adotando a mesma política monetária expansionista do Federal Reserve.  Nos EUA, o impacto inflacionário de tal estratégia do Fed tem sido mitigado pelo fato de que, como o dólar é a moeda internacional de troca, o país usufrui o privilégio de poder exportar o papel pintado que produz em troca de produtos chineses baratos.  Embora os preços estejam sim subindo nos EUA, eles não estão nem de longe subindo o tanto que iriam subir caso os americanos tivessem de gastar todos esses dólares recém-criados em sua própria economia, comprando bens produzidos domesticamente.  O grande problema para a China é que, ao contrário dos EUA, os yuanes que o Banco Central chinês imprime para comprar dólares não são exportados.  Eles permanecem dentro da China pressionando para cima os preços dos bens de consumo.  Como resultado, a inflação de preços — em níveis preocupantes — está se tornando a principal questão política da China.

Recentemente foi anunciado que, em novembro de 2010, o índice de preços ao consumidor chinês aumentou 5,1% no acumulado dos últimos 12 meses, com os preços dos alimentos subindo mais de 10%.  Isso provocou inquietações na população, e o governo chinês, por conseguinte, começou a implementar uma série de políticas para atacar os sintomas da doença, ao mesmo tempo em que ignorava suas causas básicas.

A mais ignóbil dessas medidas foi a imposição de controle dos preços dos alimentos em várias cidades chinesas.  Como vários países do mundo que já adotaram essa medida dolorosamente sabem, as leis da oferta e da demanda não podem simplesmente ser suspensas por decreto.  Os líderes chineses sabem disso e mais recentemente começaram a implementar uma grande quantidade de outras medidas mais sofisticadas.

Norteando-se pelo errôneo princípio econômico keynesiano de que a inflação de preços é resultado de uma economia forte, e não da expansão da oferta monetária, a China está tentando resolver seus problemas restringindo seu crescimento econômico.  Para fazer isso, o país aumentou sua taxa básica de juros e adotou medidas para limitar os empréstimos bancários.

Na semana passada, o Banco Central chinês elevou o compulsório (porcentagem dos depósitos bancários que os bancos devem manter junto ao banco central) em meio ponto percentual.  Foi o sétimo aumento seguido no período de um ano (o quarto aumento em apenas dois meses).  Quanto à taxa básica de juros, o Banco Central chinês está ponderando novos aumentos, os quais, segundo muitos analistas, virão ainda nesse primeiro trimestre.  Entretanto, se essas medidas não forem acompanhadas de uma interrupção na compra de dólares, elas não terão efeito algum sobre a inflação de preços.

No recente encontro ocorrido entre os presidentes Hu Jintao e Barack Obama, os representantes do governo americano, previsivelmente, fizeram apelos para que a China deixasse o yuan apreciar.  O interessante é que os americanos parecem não entender todas as implicações dessa medida: a valorização do yuan em relação ao dólar será ruim para a economia americana.  Se os chineses pararem de comprar dólares, os americanos irão enfrentar uma inflação de preços em sua economia, tanto por causa da menor exportação de dólares quanto pelo maior preço dos produtos chineses importados.  E isso levará a um aumento dos juros na economia americana.  Se o governo Obama crê que a economia americana pode aguentar esse tranco, ele terá uma surpresa desagradável.

O real despertar ocorrerá quando a China perceber que ela amarrou sua economia a uma moeda sem futuro.  E já há vários sinais de que muitas lideranças chinesas estão começando a se dar conta dessa realidade.

Por exemplo, Zhou Qiren, um conselheiro acadêmico do Banco Central chinês, disse em uma recente entrevista que a China tem de encontrar uma maneira de valorizar o yuan sem ter de incorrer na impressão de mais yuans para manter a estabilidade da taxa de câmbio.  Ele argumentou que elevar as taxas de juros não resolverá os problemas fundamentais que estão gerando inflação.  Para fazer isso, a China deve controlar sua oferta monetária.  Creio que ele está planejando algo.

Ele também comentou que o dólar americano, que se tornou um substituto do ouro após o acordo de Bretton Woods em 1944, não mais pode continuar servindo como âncora para as moedas mundiais.  Adicionalmente, ele sugeriu que o yuan seja ancorado a algo mais objetivo.  Para mim, parece que ele está se referindo a um certo metal amarelo.

O ponto principal é que os chineses finalmente estão acordando pra realidade.  Quando o dólar era lastreado em ouro, ele era uma âncora confiável.  Entretanto, desde que essa âncora foi abolida em 1971, o dólar ficou à deriva, e não mais tem condições de fornecer estabilidade.  Durante algum tempo, mesmo sem o ouro, a força da economia americana e da competitividade de suas exportações propiciou estabilidade ao dólar.  Porém, esses tempos já acabaram.

Por ora, a velha guarda que está no comando da China ainda tem forças e o status quo se mantém intacto.  Porém, estima-se que novas lideranças já estejam no poder até 2014.  Quando mentes novas assumirem o comando, é possível que finalmente vejamos alguma mudança substantiva no sistema monetário global.

0 votos

SOBRE O AUTOR

Peter Schiff

é o presidente da Euro Pacific Capital e autor dos livros The Little Book of Bull Moves in Bear Markets, Crash Proof: How to Profit from the Coming Economic Collapse e How an Economy Grows and Why It Crashes.  Ficou famoso por ter previsto com grande acurácia o atual cataclisma econômico.  Veja o vídeo.  Veja também sua palestra definitiva sobre a crise americana -- com legendas em português.




"ajustar as atividades produtivas de acordo com as mais urgentes demandas dos consumidores não pode ser redução de salário?"

Não. Ajustar as atividades produtivas de acordo com as mais urgentes demandas dos consumidores significa produzir e vender exatamente aquilo que o consumidor quer. Se o empreendedor vai pagar salário astronômico ou mínimo para a mão-de-obra, isso é totalmente irrelevante para o consumidor.

"o trabalho não é fator de produção (um dos)"

Sim.

"o trabalho é um recurso escasso?"

Mão-de-obra é, por definição, algo escasso. Por isso mesmo, sempre haverá mais demanda por mão-de-obra do que mão-de-obra efetivamente disponível.

Falta mão-de-obra para tanto emprego disponível.

Sendo assim, a taxa de desemprego sempre deveria ser zero e os salários dos empregados sempre tende ao aumento. E por que o desemprego não é zero?
Por causa disso.

"demanda pode ser "criada" pelo marketing?"

Desejo pode ser criado pelo marketing, não demanda. Demanda significa aquisição. Eu tenho desejo por uma mansão, por um helicóptero e por uma Ferrari, mas não tenho como demandá-los porque não tenho o poder aquisitivo para os três. E não há marketing que me faça demandar esses três itens. Resta-me apenas desejar.

"sobre o trabalho escravo, nem entrei no mérito e na discussão sobre quando havia mais lucro e riqueza. Mas, o trabalho escravo é um fato que ainda existe. Existe por interferência governamental ou porque tem muitos empresários gananciosos e que buscam o lucro a qualquer custo (humano inclusive)?"

Ué, ainda existe trabalho escravo? Não sabia. Ainda existem pessoas trabalhando sem salário, sob chicotadas, proibidas de pararem de trabalhar e proibidas de pedirem demissão? Não sabia. Manda aí um link, por favor.

Até onde sei, nenhum indivíduo sai escravizado de sua casa e é levado a contragosto para trabalhos compulsórios. Um indivíduo, por definição, encontra trabalho porque saiu à procura de trabalho. Sua intenção sempre é melhorar de vida. Ele faz isso porque quer; porque a situação atual (sem trabalho) não lhe é atraente. Se ele está disposto a "trabalhar muito" é porque ele acha que assim ficará em situação melhor do que aquela em que se encontrava até então.

A menos que você comprove que o indivíduo está sendo [u]obrigado[u] a trabalhar sob a ameaça de um chicote, sem a opção de sair do emprego quando quiser, tal escolha sempre será benéfica para ele.

E se ele se sujeita a condições que para nós parecem degradantes é porque, para ele, aquilo ainda é melhor do que a situação econômica em que ele se encontrava antes. Cabe a você provar que esse indivíduo foi seqüestrado, levado a um emprego e ali mantido em cativeiro, contra sua vontade, sendo proibido de parar de trabalhar. Caso isso não tenha acontecido, então a única conclusão empírica é que esse indivíduo ainda prefere seu atual trabalho (assalariado) ao desemprego.
Errado.

Na economia, conhecemos a causa de tudo, pois a ação humana, ao contrário do movimento das pedras, é motivada. Sendo assim, é possível construir a ciência econômica partindo de axiomas básicos -- como a existência incontestável da ação humana e as implicações lógicas da ação --, axiomas estes que são originalmente reconhecidos como verdadeiros.

Destes axiomas, podemos deduzir passo a passo várias leis que também são reconhecidas como incontestavelmente verdadeiras. E este conhecimento é absoluto, e não relativo, exatamente porque os axiomas originais já são conhecidos. Eis alguns exemplos:

• Sempre que duas pessoas, A e B, se envolvem em uma troca voluntária, ambas esperam se beneficiar desta troca. E elas devem ter ordens de preferência inversas para os bens e serviços trocados, de modo que A valoriza mais aquilo que ele recebe de B do que aquilo ele dá para B, e B avalia as mesmas coisas do modo contrário.

• Sempre que uma troca não é voluntária e ocorre em decorrência de uma coerção, uma parte se beneficia à custa da outra.

• Sempre que a oferta de um bem aumenta em uma unidade, contanto que cada unidade seja considerada idêntica em utilidade por uma pessoa, o valor imputado a esta unidade deve ser menor que o da unidade imediatamente anterior.

• Entre dois produtores, se A é mais eficiente do que B na produção de dois tipos de bens, eles ainda assim podem participar de uma divisão de trabalho mutuamente benéfica. Isto porque a produtividade física geral será maior se "A" se especializar na produção de um bem que ele possa produzir mais eficientemente, em vez de "A" e "B" produzirem ambos os bens autônoma e separadamente.

• Sempre que leis de salário mínimo forem impostas obrigando os salários a serem maiores do que os salários que vigorariam em um livre mercado, um desemprego involuntário será o resultado.

• Sempre que a quantidade de dinheiro na economia aumentar sem que a demanda por dinheiro também seja elevada, o poder de compra da moeda irá diminuir.

Por outro lado, não existem elementos simples ou "fatos da natureza" na ação humana; os eventos da história são fenômenos complexos, os quais não podem "testar" nada. Eles, por si sós, somente podem ser explicados se forem aplicadas várias teorias relevantes aos diferentes aspectos de um determinado "fato" complexo que está sendo analisado.

Por que a matemática é tão útil na física? Exatamente porque os próprios axiomas utilizados, bem como as leis deles deduzidas, são desconhecidos e, com efeito, sem significado. Seu significado é exclusivamente "operacional", uma vez que eles são significantes somente na medida em que podem explicar determinados fatos.

Por exemplo, a equação da lei da gravidade, por si só, não tem sentido nenhum; ela só adquire sentido quando nós humanos observamos determinados fatos que a lei pode explicar. Consequentemente, a matemática, que efetua operações dedutivas sobre símbolos por si só inexpressivos (sem significado), é perfeitamente apropriada para os métodos da física.

A ciência econômica, por outro lado, parte de um axioma que é conhecido e possui significado para todos nós: a ação humana. Dado que a ação humana, em si própria, possui significado (o que não quer dizer que ela sempre será avaliada como racional e correta), todas as leis deduzidas passo a passo da ação humana são significativas.

Esta é a resposta para aqueles críticos que exigiram que Mises utilizasse métodos da lógica matemática em vez da lógica verbal. Ora, se a lógica matemática tem de lidar com símbolos inexpressivos, então seu uso iria destituir a economia de todo o seu significado.

Por outro lado, a lógica verbal permite que toda e qualquer lei tenha sentido quando deduzida. As leis da economia já são conhecidas aprioristicamente como significativamente verdadeiras; elas não têm de recorrer a testes "operacionais" para adquirir significância. O máximo que a matemática pode fazer, portanto, é converter laboriosamente símbolos verbais em símbolos formais inexpressivos e, então, passo a passo, reconvertê-los em palavras.

www.mises.org.br/Article.aspx?id=1690
O melhor a fazer, no caso de dúvida, é perguntar a quem conseguiu sobreviver à Cuba, ou imigrou de certa forma. Conheci uma cubana que imigrou há alguns anos, formada em Teologia por lá. Ela contou, e parecia ter medo de falar ou vergonha, que muitos do que vivem em Cuba, necessitam dois empregos para conseguirem viver pelo menos dignamente. Como ela fazia. E quanto aos médicos tão bem falados na boca dos brasileiros, têm de ir de bicicleta para o trabalho e chegam com as mãos tremendo para realizar cirurgias.
O que me faz questionar como seria se o mundo todo fosse socialista e Cuba não tivesse sido isolada tantos anos pelo embargo econômico americano. E por esta mesma linha de pensamento me perguntou porque não olhamos para países como Zimbabwe. A solução não está na mudança drástica para o socialismo, mas em uma evolução gradual do capitalismo que minimize as diferenças tão abruptas que temos em nosso mundo. Será possível um hemisfério sul e norte com os mesmo índices de desenvolvimento humano ? Fico nessa dúvida.

Alguns fatos sobre Zimbabwe.
Desde 2000 encontra-se em uma profunda crise, além da hiperinflação, há um alto índice de desemprego, pobreza e uma crônica escassez de combustíveis, alimentos e moedas estrangeiras.

A hiperinflação vem destruindo a economia do país, arrasando com o sector produtivo. Uma medida governamental congelou os preços, causando desabastecimento, fortalecimento do mercado negro e prisão de comerciantes contrários à medida.[3]

Em Julho de 2007, foi lançada a cédula de 200 mil dólares zimbabweanos, que apesar do elevado valor de face, é capaz de comprar pouco mais do que um quilo de açúcar. No mercado paralelo, a moeda era cotada a 1 dólar americano.[2] Em maio de 2008, foi lançada a cédula de 500 milhões[4] e em julho do mesmo ano foram lançadas cédulas com valores a partir de 100 biliões de dólares zimbabweanos.

Houve uma reforma monetária que entrou em vigor em agosto deste mesmo ano, no entanto, a taxa inflacionária parece não ceder, havendo projeções de que haja a necessidade de nova reforma em breve.

ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS

  • Capitale  22/01/2011 10:41
    Dada esta situção, suponhamos que alguém tenha uma grande quantidade de yuan em mãos.

    Qual a melhor opção para não perder dinheiro? Além de comprar ouro, naturalmente.

    Talvez trocar por outra moeda agora? Esperar para trocar depois?
  • André Luis  22/01/2011 11:19
    O interessante é saber até quando a China vai aguentar comprar dólares para manter sua moeda subvalorizada.De uma hora para outra a bomba pode estourar,uma vez que essa situação é totalmente artificial.A inflação chinesa com certeza é bem maior que essa de 5,1% oficialmente declarada e o rombo em suas contas para comprar dólares com certe4za tambem deve ser imenso.ogo a bomba estourara e o yuane disparara.
  • Andre Poffo  22/01/2011 12:38
    Como esse cara escreve bem! Impressionante.

    Uma dúvida apenas, de lingüística.
    "Por ora, a velha guarda que está no comando da China ainda tem forças e o status quo se mantém intacto."
    O que significa: "status quo" ?

    Abraço
  • anônimo  22/01/2011 19:58
    google
  • Miguel A. E. Corgosinho  22/01/2011 22:25
    ESTAMOS APTOS A ENTENDER O FIM DO DO ESTADO IMPERIALISTA?\r
    \r
    Certo dia minha filha Angel Mikaela, advogada da justiça federal, 30 a, casada, fazia trabalho voluntário para crianças de uma fraternidade espírita quando um assaltante procedeu como aqueles que, com uma ação de mercado, praticam o massacre do real, subjetivamente, contra o ponto espacial que estiver oposto, para o seu próprio efeito suscetível.\r
    \r
    Ora, a ação nada mais é do que a negação dos sistema A/X (sujeito-objeto) do puro desenvolvimento científico, que oscila ao acaso, pois nos refletem a causa oculta, para o ponto da passividade (o poder fora). \r
    \r
    Angel deixou no quadro negro sua ultima frase: "a luta é pela paz", como explicativo que o real intuído no valor oposto (sem todavia renunciar a capacidade de assenhoriar-se do concreto) é uma necessidade do objeto natural que entra em cena.\r
    \r
    Por sua condição exterior, o papel da necessidade transita as atividades objetivas (postas), nas perturbações da órbita. \r
    \r
    Mas doravante, ambos (poder for e necessidade) se tornaram a verdade do objeto e exterioridade, que produziram as ações de refletir a humanidade. Logo, serão qualificados por um modo de ver uma descoberta causal.\r
    \r
    Por isto, tinha ânsia de contemplação, por relações mutuas, dos significados dos fenômenos numa razão de referencia, para justificação da violência. Esta razão determinava o começo do Todo organizado de "A", cuja síntese tenha: Passividade, ocupação e o sistema da natureza X - ponto fixo das atividades. \r
    \r
    E eis que é tempo de mostrar os fenômenos do ponto fixo, no encontro real perante a História de seus martires, para sucessão do estado que não tem total explicativo, mas nos correlaciona como seus. \r
    \r
    Pelo Mundo Real se universaliza o ponto fixo da passividade diante dos seus testemunhos - na medida que não há como se fazer um outro Todo de ordem planetária (o poder fora dos países) sem o espaço e tempo.\r
    \r
    Temos aqui os termos do valor do espaço ligado a sua estrutura: 1) O ponto fixo da passividade precede no tempo a sociedade industrial. 2) Pelas atividades refletidas, em razão oposta, se emite moeda dos termos A/X; isto é, os opostos têm um pelo outro a abstração (determinação). 3) Nenhum objeto precisa alienar o seu valor no espaço a nenhum estado para gerar sua própria riqueza.\r
    \r
    Um dia, o lugar da ciência embalsamada entrará em paz no espaço, para dar a moeda o ponto de partida - de tudo que for feito - porque as partes do espaço devem estar fixas, simultaneidade, no tempo. Neste caso, em que o insensível, assim como os objetos, não sofrem as opções do caos, deixo em memória de Angel Mikaela a invenção da consciência externa - na qual o "ser" seja o suscetível da natureza X, porque, depois do seu componente fundamental, minha consciência se anula na ordem lógica - já que a vivencia no espaço vazio não pode mais estar fora do inventário dos tempos de evolução.\r
    \r
    A CIÊNCIA COMO VALOR NO FUNDAMENTO DO ESPAÇO NÃO CONHECERÁ SEUS HERÓIS FORA DO TEMPO.\r
    \r
    \r
  • Erick Skrabe  23/01/2011 21:03
    Clodovil (ainda ñ tinham inventado o Tiririca) tinha uma ótima frase para estes momentos: "É tudo parte de um processo carmico."
  • Miguel  24/01/2011 12:13
    Amigo, Deus abençoe sua família.
  • Rhyan Fortuna  23/01/2011 01:49
    Ótimo texto!\r
    \r
    Uma dúvida: O que aconteceria se a China adotasse o câmbio flutuante?\r
    \r
    Obrigado, abraços!
  • Helio  23/01/2011 15:12
    Foi uma bela surpresa positiva que o Schiff tenha abandonado a previamente insistente retórica de que "a China manipula sua moeda" para a mais correta: "A China adotou uma âncora ruim, o US$." O Schiff me soou bastante mais maduro neste artigo.

    Rhyan, se a China adotasse o câmbio flutuante, as reservas parariam de crescer, e o Renminbi valorizaria substancialmente (na meu chute grosseiro, iria para cerca de RMB4:US$1 ao invés do atual RMB6.6:US$1). A identidade contábil do balanço de pagamentos ajuda a visualizar o fenômeno.

    Variação de reservas = (a) saldo em conta-corrente + (b) saldo em conta de capital

    A conta-corrente (a) é a soma do (i) saldo comercial (exportações menos importações), (ii) juros e dividendos (recebidos menos pagos) e outros (como transferências de expatriados, viagens, doações).

    A conta de capital (b) é a soma dos (iii) investimentos estrangeiros em ativos (FDI ou IED em português) e (iv) os investimentos de portfolio e outros (em bolsa e ativos financeiros).

    Atualmente a conta-corrente anual da China (a) está grosso modo da seguinte forma: cerca de (i) US$250bilhões (saldo comercial) e (ii) US$50bi (juros, dividendos e outros) = US$300bi

    A conta de capital (b) está assim: (iii) US$100bi (FDI) + (iv) US$50bi (inv portfolio/outros) = US$150bi

    As reservas da China (a) + (b) estão crescendo ao assustador ritmo de US$450bi/ano!

    Se o câmbio flutuar, significa que o BC chinês interromperá a compra/venda de dólares/renminbis, e a variação de reservas será ZERO.

    Isto significa que a soma de (a) e (b) terá que ser ZERO, por definição. Isto envolverá uma substancial apreciação do Renminbi de tal forma que haja equilíbrio entre entradas e saídas de dólares. Provavelmente a conta de capital ficará substancialmente negativa (US$100bi/ano?) e a conta-corrente positiva no mesmo valor.



  • Rhyan Fortuna  23/01/2011 22:54
    Valeu, Helio!\r
    Abraço!
  • Helio  23/01/2011 15:36
    O Schiff está correto ao afirmar que o fim da simbiose cambial China/USA será detonado pela inflação chinesa.

    A quantidade da moeda na China cresceu 30% em 2009 e 20% em 2010. Para um crescimento de PIB de 10%, isso significa que o potencial inflacionário da China está entre 10 e 20% ao ano! Obviamente, é impossível esterilizar a entrada de US$450 bi ao ano. Essa quantia representa 2/3 do crescimento da moeda. Se o câmbio flutuasse, seriam eliminados 2/3 do potencial inflacionário.

    A única arma que pode adiar esse final inevitável é o drástico aumento dos depósitos compulsórios. A China tem hoje um requerimento de 19.5% de depósito compulsório pelos bancos no BC chinês (15.5% para os bancos menores). Cada ponto percentual de aumento do compulsório retira da economia cerca de US$100bi (os chineses tem cerca de US$11tri em depósitos). Isso significa que o BC chinês pode esterilizar a entrada de doláres aumentando o compulsório em 4.5 pontos percentuais a cada ano. O BC chinês tem, portanto, cerca de quatro anos ou cinco anos até que atinja um depósito compulsório similar ao brasileiro (acima de 40%), considerado altíssimo pelos países centrais.







  • Helio  23/01/2011 16:48
    Obviamente o acúmulo acelerado de reservas não estaria ocorrendo caso o governo chinês liberasse totalmente a conta de capital. Hoje os chineses não podem enviar sua poupança ao exterior e as companhias e institucionais chineses tem sérias limitações a remessas ao exterior. Caso houvesse livre remessas, seguramente as reservas não cresceriam neste ritmo.

    O mesmo ocorre no Brasil. O governo reclama do câmbio "valorizado", mas não libera os investidores institucionais e os fundos de pensão para investimentos no exterior.
  • Maurício  23/01/2011 18:06
    Excelente comentário, Helio! Vc poderia escrever mais sobre o assunto, realmente muito proveitoso!

    Para servir como base de consulta, onde vc obteve estes dados da China? Tem alguma fonte direta ou estão dispersas?

    Abraços,

    Maurício
  • Helio  23/01/2011 20:51
    Maurício, as estatísticas estão dispersas. Eu não assino embaixo dos números que citei, exceto os US$450bi de variação de reservas em 2010, que é o dado mais importante, e que pode ser checado por fontes externas à China. De acordo com o Bloomberg, o saldo comercial em 2010 foi de US$183bi, e o de 2008 foi de US$295bi. (O saldo da balança também pode ser checado via os dados das contrapartes).

    As estatísticas chinesas de balanço de pagamentos são divulgadas pela SAFE - State Administration of Foreign Exchange.
  • aliancaliberal  23/01/2011 19:28
    Pra não ser somente assuntos serios
    .....
    Dois esqueletos, um de um funcioanrio publico(Aspone) e um de um PATO (PAgador de imposTOs), encontram-se. O PATO diz ao Aspone, com admiração: - Rapaz, que esqueleto tão baril: grande, forte, de ossos grossos e brancos, um tremendo esqueleto! .
    O esqueleto Aspone responde: - É que eu comi muita carne, tomei muito leite, muitas vitaminas.
    Mas, olhe, você ê, para um esqueleto de um contribuinte, até não está nada mal. Você tinha direito a algum desconto de impostos quando estava vivo? - Não, não. Eu ainda estou vivo!
    ..........
    Em Cuba, um menino chega da escola faminto e pergunta à sua mãe:

    - Mamãe, o que vamos comer?

    - Nada, filhinho.

    O menino vê o papagaio da casa e diz:

    - Nem papagaio com arroz?

    - Não temos arroz, filhinho.

    - E papagaio assado?

    - Não temos gás.

    - Assa na churrasqueira elétrica!

    - Não temos eletricidade, filho.

    - Que tal papagaio frito?

    - Não temos óleo, querido.

    Grita o papagaio:

    - VIVA FIDEL!!! VIVA FIDEL!!!
  • mcmoraes  23/01/2011 19:38
    Schiff disse: "...A mais ignóbil dessas medidas foi a imposição de controle dos preços dos alimentos em várias cidades chinesas..."

    Essa me fez lembrar de uma palestra de Gary North

    ...Há aprox. 50 anos, o senador Bennet disse, em uma conferência, na presença de grandes acadêmicos, entre os quais Mises e Hayek: Eu estava na estrada, em uma das minhas turnês eleitorais e parei em um posto de gasolina. Comecei a conversar com um dos atendentes do posto e perguntei: qual sua opinião a respeito de combate à inflação através de controle de preços? O atendente respondeu: olha, eu acho que tentar combater a inflação com controle de preços é semalhente a tentar segurar diarréia com fita adesiva.
  • Miguel A. E. Corgosinho  23/01/2011 21:01
    "A China adotou uma âncora ruim, o US$." O Schiff me soou bastante mais maduro neste artigo."\r
    \r
    Âncora = intervencionismo. \r
    \r
    No fundo a âncora atual é uma mentalidade contrária ao libertárianismo: provoca a regressão; pois significa mais emissão de dinheiro, em que o estado paga juros, por causa de investimentos externos na propriedade privada (numa forma de credito frouxo aos empresários), e coersivos aos investimentos do estado em moeda nova. \r
    \r
    Pode-se dizer que esse tipo de internvencionismo cria bolhas monetárias, além de cair na conta de outra civilização, na vida de um povo - retirando os investimentos em obras sociais, da receita fiscal, para pagar mensurações (âncora) - por capacidade de natureza ciêntifica (?), não.\r
    \r
    O PIB é a única premissa de âncora, para o desenvolvimento da técnica de cálculo da correlação com a moeda, segundo o qual a economia acumula a ciência do patrimonio do conhecimento que se origina o emprego de seu valor, conseguindo-se chegar, com certeza, às significativas conquistas de assegurar a produção ao nível da realidade.\r
    \r
    "O Schiff está correto ao afirmar que o fim da simbiose cambial China/USA será detonado pela inflação chinesa."\r
    \r
    A distinção da âncora, pode parecer de escasso significado para inflação, mas é o âmbito indireto de cientificidade de um ponto fixo da ciência (cambial), ou seja: é uma contraprova, antes de um aprofundamento coerente de hipóteses e consequências do modo tangível de uma premissa do valor.\r
    \r
  • Helio  23/01/2011 23:26

    Âncora = intervencionismo.

    Não vou falar sobre o resto do post do Miguel Corgosinho, pois é uma sopa de letrinhas que não sei decifrar. Quanto à assertiva acima de que toda âncora representa intervencionismo, cabem alguns comentários.

    Há várias âncoras adotadas por Bancos Centrais - no Brasil a âncora adotada é a das metas de inflação. Em Hong Kong é o currency board. No século XIX era o ouro. Cada uma destas âncoras tem por objetivo dar mais credibilidade à gestão da moeda pelo monopolista. A história mostra que esses monopolistas continuamente abusaram deste poder (alguém se surpreende?). Em certos momentos a população exigiu menos poder discricionário pelo monopolista, e estes foram obrigados a entregar parte de seu poder destrutivo - em geral adotando uma âncora como as acima. Portanto, toda gestão monopolista de moeda configura intervencionismo. Mas a âncora, quando estabelecida, diminui o poder destrutivo intervencionista, e portanto não concordo com a assertiva.

  • Miguel A. E. Corgosinho  24/01/2011 01:38
    Eu respeito o seu banquete de idéias a esse mero comentarista.\r
    \r
    Mas, vc acha justo pagarmos bilhões por uma âncora pirata (JURO = PROMETER FUTURO) porque "Em certos momentos a população exigiu menos poder discricionário pelo monopolista,..."? \r
    \r
    Passado isso, não estamos pulando etapas destrutivas reais - quero dizer, se o mercado impõe uma parte do seu monopólio, para uso monetário, ao estado, obrigándo-o a emitir dinheiro pelos investimentos externos, não se personifica a destruição intervencionista do estrangeiro contra o princípio de um padrão de referência original?\r
    \r
    Bem, se a primeira questão é o padrão de referência em dólar (âncora - moeda x moeda), que surgiu pela ruina de uma moeda como força motriz do valor da sociedade; logo, a meta de inflação (juros), é só uma âncora imaginada como uma consequência da falibilidade da ciência.\r
    \r
    Abrs
  • Erick Skrabe  24/01/2011 13:25
    "se o mercado impõe uma parte do seu monopólio"

    ? ? ?
  • Miguel A. E. Corgosinho  24/01/2011 16:19
    Monopólio privado (de venda de moeda estrangeira ao estado) de uso forçado - ou você acha que quem deve a emissão para o próprio mercado financeiro, intervencionista, é o monopolista?
  • Erick Skrabe  23/01/2011 21:19
    "O interessante é que os americanos parecem não entender todas as implicações dessa medida"

    O arranjo é notável: os americanos imprimem dólares, mandam pros chineses e recebem produtos. O banco chinês imprime yuans para pagar o fornecedor e tem q guardar os dólares (talvez devesse botar fogo, assim ñ gastaria yuans com os custos de armazenagem: seria mais barato. Ele ñ vai poder usar os USDs para ñ desvalorizar o yuan).

    O BC Chinês paga a conta do consumo americano.
  • Rafael  24/01/2011 01:39
    E quem paga a conta do BC chinês?
  • Erick Skrabe  24/01/2011 08:58
    A conta vem na forma de inflação para o consumidor chinês pagar comodamente junto com a compra do supermercado ou da feira.
  • Lucas  24/01/2011 14:40
    Uma coisa ninguém me explica. Se os EUA não tem grana, só déficits sempre crescentes na sua balança comercial e suas reservas são ínfimas (até mesmo menores que as reservas brazucas!), então como, COMO!? que o dólar se mantem acima de moedas como a chinesa e a brasileira?
    Alguém escreveu aí acima que seu chute era de uma valorização que do renminbi fosse de 6,6:1 US$ pra 4:1 US$... se a China parasse totalmente de influenciar sua moeda, ela não deveria subir para mais de 1:1 US$? Afinal os EUA "só" importam e imprimem dólares e a China "só" exporta.
  • Leandro  24/01/2011 14:54
    Lucas, como explicado nos dois artigos abaixo, o que determina a taxa de câmbio entre duas moedas é o poder de compra de cada uma delas.

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=829
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=419

    Pronto. Agora não tem mais essa desculpa de que "ninguém explica" isso.

    Grande abraço!
  • mcmoraes  24/01/2011 17:02
    Dêem uma olhada no seguinte trecho de reportagem. Olhem só a linguagem que os caras adotam por aí:

    First, let's define inflation so we're all on the same page. Inflation is, depending on one's orientation, too much money chasing too few goods and services or, in the extreme case favored by Austrian economists, an increase in the money supply. In other words, money is key.

    Ora, se há "too much money chasing too few goods and services" é porque houve, obrigatoriamente, "an increase in the money supply". As duas coisa são a mesma. Onde está o "extreme case favored by Austrian economists"? É isso que eu chamo de miopia conceitual.

  • Miguel A. E. Corgosinho  24/01/2011 19:53
    Nenhuma maquina de imprimir dinheiro, substituindo o homem pensante (em substância identificavel com o sistema formal) pode construir um valor que se possa provar ou refutar.\r
    \r
    Esse resultado de inflação monetária, fazendo brotar, por assim dizer, varios pontos fixos fora do sistema central, já trouxe muitos resultados suficientes para formalizar um processo ao infinito da riqueza dos BRICS e a incompleteza semântica da epistemologia econômica pelos EUA.\r
    \r
    Depois de um decênio de pesquisas, demonstrou-se em 1931 um célebre teorema de Kurt Godel, onde se estabeleceu que nenhum sistema axiomático coerente, cuja cumplicidade seja ao menos de grau suficiente para formalizar a aritimética, poderá domonstrar a proposição que, nele, afirma sua coerência interna. Noutras palavras, a prova para todo sistema formal suficientemente expressivo deve-se buscá-lo fora do próprio sistema: é manifesto que assim se desencadeia um processo infinito, a não ser que se concorde, a certa altura, em aceitar um ponto fixo fora do sistema formal e em considerá-lo e homologá-lo, em si intuitivo ou evidente. \r
    \r
  • Emerson Luis, um Psicologo  06/09/2014 14:35

    "Se um cego guiar outro cego, ambos cairão em uma cova"

    Se uma moeda sem lastro se lastrear em outra moeda sem lastro...

    * * *
  • Corsario90  11/08/2015 14:34
    Bom dia Leandro!
    Essa desvalorização do yuan ajudará o EUA? A China desvalorizada vai acabar com as nossas comoditties minerais? Como fica a relação de reservas em dólar que a China tem é a sua subida desvorizazao da moeda??
  • Leandro  11/08/2015 15:16
    Se eu soubesse a resposta já estaria arrumando minhas malas para fazer um longo cruzeiro pelas Bahamas e pelo Havaí, de tão rico eu estaria.

    P.S.: o atual valor do renminbi em dólares é o mesmo que vigorava em 2012.

    P.S.2: a coisa tá tão feia com o real, que, neste exato momento, ele está se desvalorizando perante o renminbi.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.