As elites naturais, os intelectuais, e o estado

 

O estado é um monopolista territorial da coerção, uma agência que pode se dedicar a violações contínuas e institucionalizadas dos direitos de propriedade e a espoliar todos os donos de propriedades privadas através da expropriação, da tributação e da regulamentação.

Mas como os estados vieram a existir? Há duas teorias sobre a origem dos estados. Uma visão está associada a nomes como Franz Oppenheimer, Alexander Ruestow e Albert Jay Nock, e alega que os estados surgiram como resultado da conquista militar de um grupo sobre outro. Esta é a teoria da origem exógena do estado.

Mas esta visão tem sido severamente criticada, tanto em bases históricas como em bases teóricas, por etnógrafos e antropólogos como Wilhelm Muehlmann. Essas críticas afirmam que nem todos os estados se originaram da conquista externa. Na realidade, os críticos consideram cronologicamente falsa a idéia de que os primeiros estados foram o resultado de vaqueiros nômades que se sobrepuseram sobre fazendeiros já estabelecidos. Além disso, esta visão sofre do problema teórico de que essa conquista em si parece pressupor a existência, dentre os conquistadores, de uma organização semelhante a um estado. Consequentemente, a origem exógena dos estados requer uma teoria mais fundamentada sobre as origens endógenas do estado.

Tal teoria foi apresentada por Bertrand de Jouvenel. De acordo com sua visão, o estado é o fruto do crescimento das elites naturais: o resultado natural de transações voluntárias entre donos de propriedade privada é algo não-igualitário, hierárquico e elitista. Em todas as sociedades, alguns poucos indivíduos adquirem o status de elite através do talento. Devido às suas conquistas superiores em termos de riqueza, sabedoria e bravura, esses indivíduos ganham o reconhecimento de autoridade natural, e suas opiniões e julgamentos passam a gozar de vasto respeito. Além disso, devido ao acasalamento seletivo, o matrimônio, e às leis da herança civil e genética, as posições de autoridade natural estão fadadas a serem passadas para os herdeiros seguintes de poucas e nobres famílias, que assim mantêm sua tradição. É para os chefes dessas famílias, que têm longos e firmados históricos de conquistas supremas, sagacidade e conduta pessoal exemplar, que os homens comuns levam suas queixas e conflitos contra outros homens. Esses líderes das elites naturais agem como juízes e pacificadores, frequentemente sem cobrar nada por esse serviço, seja porque ele é considerado como uma obrigação de uma pessoa munida de autoridade, seja pela preocupação de a justiça civil estar sendo tratada como um "bem público" produzido privadamente.

O pequeno, porém decisivo passo para haver a transição para um estado consiste precisamente na monopolização da função de juiz e pacificador. Isso ocorreu quando um único membro da voluntariamente reconhecida elite natural foi capaz de conseguir, não obstante a oposição dos outros membros da elite, que todos os conflitos dentro de um território especificado fossem trazidos para ele. Assim, as partes conflitantes não mais podiam escolher algum outro juiz ou pacificador.

 

A origem da monarquia

OnPower_T.jpgUma vez que a origem do estado foi vista como resultado do crescimento de elites naturais, formadas por uma ordem prévia e hierarquicamente estruturada, torna-se claro por que a humanidade, a partir do momento em que esteve sujeita a qualquer tipo de governo, tem estado sob um regime monárquico (ao invés de democrático) por grande parte da história. Houve exceções, é claro: a democracia ateniense, Roma até 31 A.C., as repúblicas de Veneza, Florença e Gênova durante a Renascença, os cantões suíços desde 1291, as Províncias Unidas (os Países Baixos) de 1648 até 1673, e a Inglaterra sob Cromwell. Mas essas foram ocorrências raras, e nenhuma delas se assemelhava sequer remotamente aos modernos sistemas democráticos de um homem/um voto. Ao contrário, elas também eram altamente elitistas. Em Atenas, por exemplo, não mais do que 5% da população podia votar e era elegível para posições de comando. Foi apenas após o fim da Primeira Guerra Mundial que a humanidade verdadeiramente saiu da era monárquica.

 

O poder monopolizado

"O pequeno, porém decisivo passo para haver a transição para um estado consiste precisamente na monopolização da função de juiz e pacificador."

A partir do momento em que um único membro da elite natural obteve sucesso em monopolizar a função de juiz e pacificador, as leis e a execução delas se tornaram mais caras. Ao invés de serem oferecidas gratuitamente ou em troca de pagamento voluntário, ambas passaram a ser financiadas por impostos compulsórios. Ao mesmo tempo, a qualidade das leis se deteriorou. Ao invés de preservar as antigas leis da propriedade privada e de aplicar princípios universais e imutáveis de justiça, um juiz monopolista, que não precisava temer perder clientes como conseqüência de sua parcialidade, passou a desvirtuar as leis existentes para seu próprio proveito.

Como foi possível ocorrer esta pequena, porém decisiva ação de se monopolizar a lei e a ordem através de um rei, o que previsivelmente levou a preços maiores e a uma menor qualidade da justiça? Certamente, outros membros das elites naturais teriam resistido a qualquer tentativa deste tipo. No entanto, é exatamente por isso que os reis da época eventualmente se alinhavam com "o povo" ou "o homem comum". Apelando ao sempre popular sentimento da inveja, os reis prometeram ao povo uma justiça melhor e mais barata em troca — e à custa — da tributação de seus superiores (no caso, os concorrentes do rei). Além disso, os reis recrutaram a ajuda da classe de intelectuais.

 

O papel dos intelectuais

Era esperado que a demanda por serviços intelectuais aumentasse à medida que o padrão de vida também aumentasse. No entanto, a maioria das pessoas estava preocupada era com assuntos terrenos e mundanos, e não viam objetivo em empreitadas intelectuais. Além da Igreja, as únicas pessoas que demandavam serviços dos intelectuais eram os membros da elite natural — que queriam professores para seus filhos, conselheiros pessoais, secretárias e bibliotecários. Empregos para os intelectuais eram precários e o pagamento era tipicamente baixo. Ademais, apesar do fato de que os membros da elite natural apenas raramente eram compostos de intelectuais (isto é, pessoas gastando todo o seu tempo em atividades eruditas), mas que, ao contrário, eram pessoas preocupadas apenas em conduzir empreendimentos mundanos, elas tipicamente eram pelo menos tão brilhantes quanto seus empregados intelectuais. Assim, a estima pelas conquistas de "seus" intelectuais era apenas modesta.

Por isso, não é nada surpreendente que os intelectuais, que haviam inflado enormemente sua auto-imagem, se ressentissem desse fato. Como era injusto que aqueles — as elites naturais — que foram ensinados por eles fossem agora seus superiores e levassem uma vida confortável, enquanto que eles — os intelectuais — estivessem comparativamente pobres e dependentes! E justamente por isso não é de se estranhar que os intelectuais pudessem ser seduzidos facilmente por um rei que estivesse tentando se estabelecer a si próprio como o monopolista da justiça. Em troca de uma justificativa ideológica para o regime monárquico, o rei poderia oferecer aos intelectuais não apenas empregos melhores e de maior prestígio, mas sendo agora intelectuais da corte real eles poderiam finalmente dar o troco nas elites naturais por sua falta de consideração.

Ainda assim, a melhora da posição da classe intelectual foi apenas moderada. Sob o regime monárquico, havia uma distinção nítida entre o governante (o rei) e os governados, e os governados sabiam que jamais poderiam se tornar governantes. Conseqüentemente, houve considerável resistência não apenas por parte das elites naturais, mas também por parte das pessoas comuns contra qualquer aumento do poder do rei. Era, portanto, extremamente difícil para o rei aumentar impostos, e com isso as oportunidades de emprego para os intelectuais permaneceram altamente limitadas. Além disso, uma vez que já estava seguramente resguardado e garantido em seu poder, o rei não tratava seus intelectuais melhor do que as elites naturais faziam. E dado que o rei controlava territórios maiores do que as elites naturais jamais chegaram a controlar, sair fora deste favorecimento real era ainda mais arriscado, e isso fez com que a posição dos intelectuais fosse de alguma maneira ainda mais caprichosa.

"Sendo agora intelectuais da corte real, eles poderiam finalmente dar o troco nas elites naturais por sua falta de consideração."

Uma inspeção nas biografias dos principais intelectuais — de Shakespeare a Goethe, de Descartes a Locke, de Marx a Spencer — mostra praticamente o mesmo padrão: até quase meados do século XIX, seus trabalhos eram patrocinados por doadores privados, membros das elites naturais, príncipes, ou reis. Sempre dependendo de favores de seus patrocinadores, eles frequentemente mudavam de emprego e eram altamente móveis, em termos geográficos. Conquanto isto significasse insegurança financeira, essa situação acabou contribuindo não apenas para um cosmopolitanismo único de intelectuais (como indicada por sua proficiência em inúmeros idiomas), mas também para uma atípica independência intelectual. Se um doador ou patrocinador não mais os apoiasse, haveria muitos outros que alegremente preencheriam esse vazio. E de fato, a vida cultural e intelectual prosperou mais, e a independência dos intelectuais era a maior, nas regiões onde a posição do rei e do governo central era relativamente fraca e as elites naturais se mantiveram relativamente fortes.

 

A ascensão da democracia

Uma mudança fundamental na relação entre o estado, as elites naturais, e os intelectuais ocorreu somente com a transição do regime monárquico para o democrático. Foi o inflado preço do serviço da justiça e as deturpações das leis antigas feitas por reis que se arrogavam o monopólio da justiça e da paz que motivaram a oposição histórica contra a monarquia. Mas confusões quanto às reais causas desse fenômeno prevaleceram na época. Havia aqueles que reconheciam corretamente que o problema estava nos monopólios, e não nas elites ou na nobreza. Entretanto, eles estavam em número bem menor do que aqueles que erroneamente culpavam o caráter elitista do governante pelo problema, e que defendiam a manutenção do monopólio da lei e de sua execução, porém meramente substituindo o rei e a altamente visível pompa real pelo "povo" e a suposta decência do "homem comum". Daí advém o sucesso histórico da democracia.

É irônico que o monarquismo tenha sido destruído pelas mesmas forças sociais que os reis tinham previamente estimulado e recrutado quando eles começaram a excluir a possibilidade de as autoridades naturais concorrentes agirem como juízes. Essas forças sociais seriam, no caso, a inveja do homem comum em relação a seus superiores e o desejo dos intelectuais de conquistar seu supostamente merecido lugar na sociedade. Quando as promessas do rei sobre uma justiça melhor e mais barata se revelaram vazias, os intelectuais apontaram a artilharia de sentimentos igualitários que os próprios reis haviam anteriormente cortejado contra esses próprios governantes monárquicos. Consequentemente, parecia lógico que os reis também deveriam ser derrubados, e que as políticas igualitárias — que os próprios monarcas haviam iniciado — deveriam ser levadas à sua conclusão suprema: o controle monopolístico do judiciário pelo homem comum. Para os intelectuais, "pelo homem comum" significava "por eles mesmos", que assumiriam o papel de porta-voz do povo.

Como a mais elementar teoria econômica poderia prever, com a transição da monarquia para o sistema democrático de um homem/um voto e a substituição do rei pelo povo, as coisas pioraram. O preço dos serviços de justiça subiu astronomicamente, enquanto a qualidade das leis se deteriorou constantemente. O que aconteceu foi que um sistema de controle privado da administração — um monopólio privado — acabou sendo substituído por um sistema de controle público da administração — um monopólio publicamente controlado.

A "tragédia dos comuns" estava criada. Todos, e não apenas o rei, estavam agora autorizados a tentar roubar a propriedade privada uns dos outros. As conseqüências foram mais exploração governamental (taxação), deterioração da lei até o ponto em que a idéia de um corpo de princípios de justiça universais e imutáveis desapareceram e foram substituídos pela idéia da lei como mera legislação (leis fabricadas, ao invés de leis estabelecidas e eternamente "dadas"), e um aumento na taxa social de preferência temporal (um aumento na orientação voltada para o tempo presente, isto é, preocupação exclusiva para com o presente, em detrimento do futuro).

Um rei era o proprietário de todo o território e poderia passá-lo adiante para seu filho, e por isso tentaria preservar ao máximo o seu valor. Um governante democrático sempre será apenas um zelador temporário, e por isso tentará maximizar a receita atual do governo de todas as formas, à custa do valor do capital alheio. Sendo assim, inevitavelmente haverá desperdícios e estragos.

"É irônico que o monarquismo tenha sido destruído pelas mesmas forças sociais que os reis tinham previamente estimulado e recrutado quando eles começaram a excluir a possibilidade de as autoridades naturais concorrentes agirem como juízes"
Eis algumas das conseqüências: durante a era monárquica anterior à Primeira Guerra Mundial, os gastos do governo como porcentagem do PIB raramente ultrapassavam 5%. Desde então, eles têm previsivelmente subido para até 50%. Antes da Primeira Guerra, os empregos públicos consistiam em menos de 3% dos empregos totais. Desde então, os números subiram para entre 15 e 20%. A era monárquica foi caracterizada por uma moeda-commodity (ouro) e o poder de compra da moeda aumentava gradualmente. Em contraste, a era democrática é a era do dinheiro de papel, cujo poder de compra tem decrescido permanentemente.

Os reis, por sua vez, contraíam dívidas cada vez maiores, mas pelo menos durante períodos de paz eles reduziam sua carga devedora. Já durante a era democrática, a dívida do governo tem aumentado, tanto na guerra como na paz, a níveis inacreditáveis. As taxas de juros reais durante a era monárquica foram caindo gradualmente para algo em torno de 2,5%. Desde então, as taxas de juros reais (taxas nominais ajustadas pela inflação) aumentaram para algo em torno de 5% —- igual às taxas do século XV. Legislações praticamente não existiam até fins do século XIX. Hoje, em um único ano, dezenas de milhares de leis e regulamentações são aprovadas. As taxas de poupança estão declinando ao invés de estarem aumentando com o aumento da renda, e indicadores criminais e de desagregação familiar estão constantemente se movendo para cima.

 

O destino das elites naturais

Enquanto o estado melhorou em muito a sua situação sob o regime democrático, ao passo que o "povo" só piorou desde que ele começou a "governar a si próprio", o que aconteceu com as elites naturais e com os intelectuais? Em relação ao primeiro grupo, a democratização teve sucesso naquilo em que os reis começaram a fazer apenas modestamente: a destruição derradeira da elite natural e da nobreza. As fortunas das grandes famílias foram dissipadas em impostos confiscatórios, durante a vida e mesmo após a morte. A tradição de independência econômica, sagacidade intelectual e liderança moral e espiritual dessas famílias foi perdida e esquecida.

"Existem ricos atualmente, é claro, mas mais do que frequentemente eles devem suas fortunas direta ou indiretamente ao estado." 

Existem ricos atualmente, é claro, mas mais do que frequentemente eles devem suas fortunas direta ou indiretamente ao estado. Por isso, eles geralmente são mais dependentes dos favores contínuos do estado do que muitas pessoas de riqueza bem menor. Eles não mais são os típicos chefes de antigas famílias proeminentes, mas "novos ricos". Suas condutas não são caracterizadas pela virtude, sabedoria, dignidade ou gosto, mas são o reflexo da mesma cultura proletária de massa — que preza a orientação voltada para o presente, o oportunismo e o hedonismo — que os ricos e famosos agora compartilham com todo o resto. Consequentemente — e ainda bem —, suas opiniões não têm mais peso sobre a opinião pública do que a opinião da maioria das outras pessoas.

A democracia conseguiu aquilo que Keynes apenas sonhou: a "eutanásia da classe rentier". A declaração de Keynes de que "no longo prazo todos estaremos mortos" expressa acuradamente o espírito democrático dos nossos tempos: hedonismo orientado para o presente. Mesmo sendo perverso não se pensar além da própria vida, tal pensamento se tornou característico. Ao invés de enobrecer e dignificar os proletários, a democracia acabou por proletarizar as elites e a deturpar sistematicamente o pensamento e o julgamento das massas.

 

O destino dos intelectuais

Por outro lado, enquanto as elites naturais estavam sendo destruídas, os intelectuais assumiram uma posição mais proeminente e mais poderosa na sociedade. De fato, eles atingiram seu objetivo quase que inteiramente, e se tornaram a classe dominante, controlando o estado e fazendo o papel do juiz que tem o monopólio das virtudes.

Isso não quer dizer que políticos eleitos democraticamente são todos intelectuais (apesar de que com certeza existem atualmente mais intelectuais que se tornaram presidentes do que houve intelectuais que se tornaram reis). Afinal, o talento e a habilidade necessários para ser um intelectual são um tanto diferentes das qualidades necessárias para se ter o encanto das massas e saber angariar fundos. Mas mesmo os não-intelectuais são produtos da doutrinação feita por escolas e universidades públicas e por intelectuais com cargos públicos — e quase todos os seus conselheiros são recrutados desse reservatório.

Quase não existem economistas, filósofos, historiadores ou sociólogos de qualidade empregados privadamente por membros da elite natural. E aqueles poucos remanescentes da velha elite que poderiam ter comprado seus serviços não mais podem bancar financeiramente esses intelectuais. Por isso, os intelectuais de hoje são tipicamente funcionários públicos, mesmo que eles trabalhem para instituições ou fundações nominalmente privadas. Por estarem completamente protegidos contra os caprichos da demanda do consumidor ("sinecura"), seus números aumentaram dramaticamente e seus salários estão, na média, bem acima de seu genuíno valor de mercado. Ao mesmo tempo, a qualidade de sua produção intelectual vem despencando constantemente.

O que você irá descobrir nessas produções serão, na maioria das vezes, coisas irrelevantes e incompreensíveis. Pior, das poucas produções intelectuais que são relevantes e compreensíveis, a maioria é ferozmente estatista. Há exceções, mas dado que praticamente todos os intelectuais estão empregados nas múltiplas sucursais do estado, não deve ser nenhuma surpresa que a maioria de seus cada vez mais volumosos trabalhos será, seja por comissão ou omissão, pura propaganda estatista. Existem mais propagandistas do regime democrático atualmente do que jamais houve para o regime monárquico em toda a história da humanidade.

Essa aparentemente irrefreável guinada em direção ao estatismo é bem ilustrada pelo destino da chamada Escola de Chicago: Milton Friedman, seus predecessores e seus seguidores. Nas décadas de 1930 e 40, a Escola de Chicago ainda era tida como de esquerda, e corretamente, considerando que Friedman, por exemplo, defendia a existência de um banco central e de um regime monetário baseado em um papel-moeda ao invés de em um padrão-ouro. Ele apoiava animadamente a idéia de um estado assistencialista, sendo o exemplo clássico a sua proposta de uma renda mínima garantida (imposto de renda negativo), sobre a qual ele não chegou a impor qualquer limite. Ele defendia um imposto de renda progressivo com a intenção de atingir seus objetivos explicitamente igualitários (e ele ajudou pessoalmente a implementar o imposto de renda retido na fonte). Friedman endossava a idéia de que o estado impusesse taxas com a intenção de financiar a produção de todos os bens que trouxessem externalidades positivas — ou, ao menos, daqueles que ele achava que iriam trazer tal efeito. Isso implica, é claro, que não há praticamente nada que o estado não possa financiar com impostos!

"Ao invés de enobrecer e dignificar os proletários, a democracia acabou por proletarizar as elites e a deturpar sistematicamente o pensamento e o julgamento das massas." 

Além disso, Friedman e seus seguidores eram proponentes da mais superficial de todas as filosofias superficiais: o relativismo ético e epistemológico. Não existe algo como uma verdade moral suprema, e todo o nosso conhecimento factual ou empírico é, na melhor das hipóteses, apenas hipoteticamente verdadeiro. No entanto, eles nunca duvidaram de que deveria sim haver um estado, e de que esse estado deveria ser democrático.

Hoje, meio século depois, tanto a Escola de Chicago como Friedman, sem que tenham mudado de maneira essencial qualquer uma de suas posições, são tidos como de direita e pró-livre mercado. E na verdade, Chicago define a linha fronteiriça da opinião respeitável da Direita política, linha essa que somente os extremistas cruzam. Essa é a magnitude da mudança na opinião pública que esses funcionários públicos trouxeram.

Consideremos mais alguns indicadores de deformação estatista trazida pelos intelectuais. Se olharmos as estatísticas eleitorais, perceberemos claramente a seguinte situação: quanto maior o tempo gasto por uma pessoa em instituições educacionais — alguém com PhD, por exemplo, em relação a alguém que tenha apenas um bacharelado —, maior a probabilidade de essa pessoa ser ideologicamente estatizante. Ademais, quanto maior a quantidade de impostos utilizada para financiar a educação, menores serão as pontuações do SAT e de outras medidas similares de performance intelectual. E suspeito ainda que os padrões tradicionais de comportamento moral e de conduta civil continuarão a declinar inexoravelmente.

Ou apenas considere o seguinte indicador: em 1994, nos EUA, houve uma "revolução" e o presidente do Congresso americano, o republicano Newt Gingrich, foi chamado de "revolucionário" quando ele endossou publicamente o New Deal e a Previdência Social, e louvou a legislação dos direitos civis, isto é, as ações afirmativas e a integração forçada, que são responsáveis pela quase total destruição dos direitos de propriedade privada, e pela erosão da liberdade de contrato, de associação e de desassociação. Que tipo de revolução é essa, em que os revolucionários animadamente aceitam as premissas estatistas e causam o presente desastre? Obviamente, isso só pode ser rotulado de revolução em um ambiente que já é estatista até a medula.

 

História & Ideias

A situação pode parecer desanimadora, mas não é. Primeiro, deve-se reconhecer que essa situação dificilmente pode continuar para sempre. A era democrática não tem como ser "o fim da história", como os neoconservadores querem que acreditemos, simplesmente porque há um aspecto econômico nesse processo.

As intervenções no mercado inevitavelmente irão causar mais dos mesmos problemas que elas supostamente querem curar, o que levará a mais e mais controles e regulamentações até que finalmente chegaremos ao socialismo completo. Se a tendência atual continuar, pode-se seguramente prever que os estados assistencialistas da democracia ocidental irão finalmente entrar em colapso, assim como ocorreu com as "repúblicas populares" do Leste Europeu no fim dos anos 1980. Por décadas, a renda real do Ocidente se estagnou ou mesmo caiu. A dívida do governo e o custo dos esquemas de "seguridade social" trouxeram o prospecto do colapso econômico. Ao mesmo tempo, conflitos sociais se elevaram a níveis perigosos.

Talvez será necessário esperar que haja um colapso econômico para que a atual tendência estatizante sofra uma mudança. Mas mesmo no caso de um colapso, algo mais é necessário. Um desarranjo não resultaria automaticamente em um recuo do estado. As coisas podem ficar ainda piores.

E de fato, na recente história do Ocidente, houve apenas dois exemplos claros onde os poderes do governo central foram de fato reduzidos, mesmo que apenas temporariamente, como resultado de uma catástrofe: na Alemanha Ocidental pós-Segunda Guerra Mundial sob o comando do Chanceler Ludwig Erhard, e no Chile sob o General Pinochet. Além de uma crise, são necessárias idéias — idéias corretas — e homens capazes de entendê-las e implementá-las uma vez que a oportunidade surja.

Mas se o curso da história não for inevitável (e não é), então uma catástrofe não é necessária e nem irrevogável. Em última instância, o curso da história é determinado por idéias, sejam elas falsas ou verdadeiras, e por homens agindo sobre — e sendo inspirados por — idéias falsas ou verdadeiras. Apenas enquanto idéias falsas estiverem comandando, uma catástrofe será inevitável. Por outro lado, uma vez que idéias corretas forem adotadas e prevalecerem na opinião pública — e idéias podem, a princípio, ser mudadas quase que instantaneamente — não será mais necessário haver qualquer catástrofe.

 

O papel dos intelectuais

Isso nos leva ao papel que os intelectuais devem ter na necessária, radical e fundamental mudança da opinião pública, e ao papel que os membros das elites naturais, ou o que quer que tenha sobrado delas, também terão de ter. As exigências sobre ambos os lados são grandes, no entanto por maiores que sejam, com o intuito de prevenir uma catástrofe ou para emergir com sucesso dela, essas exigências terão de ser aceitas por ambos como sua tarefa natural.

naturalelites.jpgMesmo que a maioria dos intelectuais tenha sido corrompida e seja grandemente responsável pelas perversidades atuais, é impossível haver uma revolução ideológica sem a ajuda deles. O domínio dos intelectuais públicos só pode ser quebrado por intelectuais anti-intelectuais. Felizmente, as idéias de liberdade individual, propriedade privada, liberdade de contrato e de associação, responsabilidade e obrigações pessoais, e do poder governamental como sendo o inimigo principal da liberdade e da propriedade não irão morrer enquanto houver raça humana, simplesmente porque elas são verdadeiras e a verdade se fortalece a si própria. Além disso, os livros dos pensadores passados que expressam essas idéias não irão desaparecer. Entretanto, também é necessário haver pensadores vivos que tenham lido esses livros e que possam relembrar, reafirmar, reaplicar, afiar e fomentar essas idéias, e que sejam capazes e estejam dispostos a dar a elas uma expressão pessoal e que se oponham abertamente, ataquem e refutem seus companheiros intelectuais.

Dessas duas exigências — competência intelectual e caráter —, a segunda é a mais importante, especialmente nestes tempos. Do ponto de vista puramente intelectual, as coisas são comparativamente fáceis. A maioria dos argumentos estatistas que ouvimos diariamente são facilmente refutadas como sendo meras tolices econômicas. Também não é raro encontrar intelectuais que pessoalmente não acreditam naquilo que eles próprios proclamam com grande fanfarronice em público. Isso não quer dizer que eles simplesmente se enganaram. Eles deliberadamente dizem e escrevem coisas que sabem não serem verídicas. A eles não falta intelecto; falta moral. Isso por sua vez implica que deve-se estar preparado para lutar não apenas contra a falsidade, mas também contra o mal — e esta é uma tarefa muito mais difícil e temerária. Além do melhor conhecimento, ela exige coragem.

Sendo um intelectual anti-intelectual, pode-se esperar que subornos sejam oferecidos — e é incrível o quão facilmente algumas pessoas podem ser corrompidas: algumas centenas de dólares, uma viagem legal, uma sessão de fotos ao lado de poderosos frequentemente são mais do que suficientes para comprar alguém. Tais tentações devem ser rejeitadas como desprezíveis. Além disso, ao lutar contra o mal, deve-se estar disposto a aceitar que provavelmente nunca se obterá "sucesso". Não haverá ganho de riquezas, não haverá promoções magníficas, não haverá prestígio profissional. E na realidade, "fama" intelectual é algo que deve ser tratado com a máxima desconfiança.

E de fato, não apenas deve-se aceitar o fato de que tal pessoa será marginalizada pelo establishment acadêmico, como também ela deverá esperar que seus colegas tentarão de tudo para arruiná-la. Apenas veja o que aconteceu com Ludwig von Mises e Murray N. Rothbard. Os dois maiores economistas e filósofos sociais do século XX foram ambos inaceitáveis e não-empregáveis para o establishment acadêmico. Entretanto, por toda a suas vidas, eles nunca cederam, nem um milímetro. Eles nunca perderam a dignidade e nunca sucumbiram ao pessimismo. Ao contrário, em face de constantes adversidades, eles permaneceram destemidos e até mesmo animados, e trabalharam a um nível espantoso de produtividade. Eles estavam satisfeitos em serem devotos da verdade e de nada mais do que a verdade.

 

O papel das elites naturais

É nesse ponto que o que restou das elites naturais entra em cena. Verdadeiros intelectuais, como Mises e Rothbard, não poderiam ter feito o que precisavam fazer não fossem as elites naturais. Apesar de todos os obstáculos, foi possível que Mises e Rothbard se fizessem ouvir. Eles não foram condenados ao silêncio. Eles conseguiram lecionar e publicar. Eles ainda foram capazes de discursar para platéias e inspirar pessoas com seus insights e idéias. E isso não teria sido possível sem o apoio de terceiros. Mises tinha Lawrence Fertig e o William Volker Fund, que pagou seu salário na NYU, e Rothbard tinha o Ludwig von Mises Institute, que o apoiou, ajudou a publicar e promover seus livros, e forneceu a estrutura institucional que permitiu-lhe dizer e escrever o que era necessário ser dito e escrito, e que já não pode mais ser dito e escrito dentro de instituições acadêmicas e pelo establishment midiático oficial e estatista.

Ainda na época da era pré-democrática, quando o espírito do igualitarismo ainda não havia destruído a maioria dos homens de riqueza independente e de independência mental e opinativa, essa tarefa de apoiar intelectuais impopulares foi levada adiante por indivíduos. Mas hoje em dia qual o indivíduo que pode, sozinho, empregar um intelectual privadamente, como seu secretário pessoal, conselheiro, ou mesmo professor para seus filhos? E aqueles poucos que ainda podem estão cada vez mais profundamente envolvidos na crescentemente corrupta aliança entre o governo e as grandes corporações — e além disso eles promovem os mesmos cretinos intelectuais que dominam o meio acadêmico estatista. Pense em Rockefeller e Kissinger, por exemplo.

Assim, a tarefa de apoiar e manter vivas as verdades sobre a propriedade privada, a liberdade de contrato e de associação e desassociação, a responsabilidade pessoal, e de lutar contra as falsidades, as mentiras, e os malefícios do estatismo, do relativismo, da corrupção moral e da irresponsabilidade pode hoje ser mantida apenas coletivamente, doando recursos e apoiando organizações como Mises Institute, uma organização independente, dedicada aos valores fundamentais da civilização Ocidental, inflexível, e distante, até mesmo fisicamente, dos corredores do poder. Seus programas de bolsas de estudos, aulas, publicações e conferências representam uma ilha de decência moral e intelectual em um mar de deturpação.

Para deixar claro, a primeira obrigação de qualquer pessoa decente é para com ela mesma e sua família. Ela deveria — no livre mercado — conseguir juntar o máximo de dinheiro que puder, porque quanto mais ela conseguir, maiores os benefícios que terá levado aos seus semelhantes.

privateproperty2.jpg

Mas isso não é suficiente. Um intelectual deve estar comprometido com a verdade, mesmo que ela não tenha qualquer possibilidade de sucesso no curto prazo. Similarmente, a elite natural tem obrigações que se estendem para muito além dela própria e de suas famílias.

Quanto mais sucesso os membros das elites naturais tiverem como empresários e profissionais, e quanto mais os outros reconhecerem-nos como prósperos, mais importante será que eles dêem o exemplo: que eles se esforcem para viver de acordo com os mais altos padrões de conduta ética. Isso significa aceitar como sua tarefa — na realidade como sua nobre tarefa — apoiar da maneira mais aberta, orgulhosa e generosa possível os valores que eles reconheceram como certos e verdadeiros.

Eles receberão em troca a inspiração intelectual, o suporte e a força, bem como o reconhecimento de que seus nomes para sempre serão sinônimos de indivíduos excepcionais que se elevaram sobre as massas e fizeram uma contribuição duradoura para a humanidade.

O Ludwig von Mises Institute pode ser uma instituição poderosa, um modelo para a restauração do genuíno aprendizado, e algo próximo a uma universidade de ensino e difusão do conhecimento. Mesmo se não chegarmos a ver nossas idéias triunfando durante nossas vidas, para sempre saberemos e estaremos eternamente orgulhosos de que fizemos o nosso máximo, e que fizemos aquilo que cada pessoa honesta e nobre teria feito.

 

0 votos

SOBRE O AUTOR

Hans-Hermann Hoppe
é um membro sênior do Ludwig von Mises Institute, fundador e presidente da Property and Freedom Society e co-editor do periódico Review of Austrian Economics. Ele recebeu seu Ph.D e fez seu pós-doutorado na Goethe University em Frankfurt, Alemanha. Ele é o autor, entre outros trabalhos, de Uma Teoria sobre Socialismo e Capitalismo e The Economics and Ethics of Private Property.




"uma proposta legislativa que congele os gastos públicos por 20 anos."

Esse aí é de uma ignorância ímpar.

Querido Henrique, os gastos não serão congelados. Os gastos crescerão à mesma taxa da inflação do ano anterior. A menos que a inflação passe a ser zero, não haverá nenhum congelamento de gastos.

Outra coisa: os gastos com educação, saúde e assistência social poderão continuar aumentando aceleradamente, sem nenhum teto, desde que os gastos em outras áreas sejam contidos ou reduzidos.

Isso será um ótimo teste para ver o quanto os progressistas realmente amam os pobres. Se quiserem que mais dinheiro seja direcionado à educação, à saúde e à assistência social, então menos dinheiro terá de ser direcionado ao cinema, ao teatro, aos sindicatos, a grupos invasores de terra e, principalmente, aos salários dos políticos (descobriremos a verdadeira consciência social dos políticos de esquerda).

Se quiserem mais dinheiro para educação, saúde e assistência social, então terão de pressionar o governo a reduzir os concursos públicos e os salários nababescos na burocracia estatal. Terão de pressionar o governo a fechar emissoras estatais de televisão. Terão de pedir para o governo parar de injetar dinheiro em blogs progressistas.

Terão de pedir por um amplo enxugamento da máquina pública. Terão de ser extremamente vigilantes em relação à corrupção, impedindo superfaturamentos em obras contratadas por empresas estatais.

Terão de exigir a redução do número de políticos. Terão de exigir a abolição de várias agências reguladoras custosas. Terão de exigir menores gastos com a Justiça do Trabalho, que é o mais esbanjador dos órgãos do Judiciário.

Acima de tudo, terão de pedir para que o estado pare de administrar correios, petróleo, eletricidade, aeroportos, portos e estradas, deixando tais áreas a cargo da livre iniciativa e da livre concorrência.

De bônus, para que tenham um pouco de diversão, terão também de pedir para que o estado pare de gastar dinheiro com anúncios publicitários na grande mídia (impressa e televisiva) e em times de futebol. E que pare de conceder subsídios a grandes empresários e pecuaristas.

Se os progressistas não se engajarem nestas atividades, então é porque seu amor aos pobres era de mentirinha, e eles sempre estiveram, desde o início, preocupados apenas em manter seus próprios benefícios.

Com a PEC, o dinheiro que vai para a Lei Rouanet, para a CUT, para o MST e para o alto escalão do funcionalismo público passará a concorrer com o dinheiro do Bolsa-Família, do Minha Casa Minha Vida, da Previdência Social e do SUS.

Vamos ver quão sérios são os progressistas em seu amor aos desvalidos. Veremos o real valor de sua consciência social.

Pela primeira vez, incrivelmente, os burocratas do governo perceberam que o dinheiro extraído pelo governo da sociedade não é infinito.

A tímida PEC 241 possui falhas, mas é um passo no rumo certo - e suas virtudes apavoram a esquerda

"Gostaria de abordar aqui, como causa da crise e do desajuste das contas do governo, o vertiginoso aumentos dos juros ocorrido nos últimos anos"

Ignorância econômica atroz.

Ao contrário do que muitos acreditam, o governo gasta menos com juros quando estes estão subindo.

Sim, é isso mesmo: quando os juros estão subindo, há menos despesas com juros.

E a explicação é simples: quando os juros estão subindo, os preços dos títulos públicos estão caindo. Com os preços caindo, há menos resgates de títulos. Consequentemente, há menos gastos do Tesouro com a dívida.

Não precisa confiar em mim, não. Pode ir direto à fonte. Esta planilha do Tesouro mostra os gastos com amortização da dívida. Eles caem em anos de juros em ascensão e diminuem em anos de juros em queda.

Eis os gastos do Tesouro com amortização da dívida a partir de 2011:

2011 (ano em que os juros foram de 10,75% para 12,50%): R$ 97.6 bilhões

2012 (ano em que os juros caíram para 7,25%, o menor valor da história): R$ 319.9 bilhões (sim, o valor é esse mesmo)

2013 (ano em que subiram de 7,25% para 10%): R$ 117.7 bilhões

2014 (ano em que subiram para 11,75%): R$ 190.7 bilhões

2015 (ano em que os juros subiram para 14,25%): R$ 181.9 bilhões

Conclusão: o ano em que o governo mais gastou -- e muito! -- com a amortização da dívida foi 2012, justamente o ano em que a SELIC chegou ao menor nível da história.

Vá se educar em vez de ficar falando besteiras em público.

Quanto ao nível dos juros em si, durante todo o primeiro mandato do governo Lula eles foram muito maiores do que os atuais. E, ainda assim, houve crescimento e investimentos.

Quando o cenário é estável, confiável e propício, juros não impedem investimentos. Quando o cenário é instável e turbulento, juros não estimulam investimentos.

No mais, a subida dos juros foi uma mera conseqüência inevitável das políticas econômicas heterodoxas de dona Dilma.

"Nada disso precisava ocorrer caso o governo continuasse com sua política de contenção de preços, como o da gasolina e da energia elétrica"

Putz, e eu perdendo meu tempo escrevendo isso tudo achando que o sujeito era sério...

Por fim, quer saber por que os juros são altos no Brasil? Você só precisa ler esses dados aqui.

ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS

  • jose vivareli  06/04/2010 18:52
    Maravilhoso!\r
    \r
  • Flavio Ortigao  21/02/2011 11:36
    Excelente artigo. Desfaz muitos mitos, falacias e nao-entendimentos em relacao as origens dos estados, que sao repetidas inclusive por muitos debatedores que se dizem libertarios. Como vemos, um discussao baseada em evidencia, e' bastante mais esclarecedora que uma discussao ideologica.

    So discordaria da discussao contrapondo a Monarquia a Democracia. Monarquia se contrapoe a Republica, mas nao necessriamente a Democracia, como a existencia de muitas Monarquias democraticas poderia facilmente comprovar. Democracia se contrapoe com TIRANIA, ou oligarquia.

    Em luz da contribuicao de artigos como este, valeria a pena revisitar a Historia da Formacao do Estado Brasileiro e a rever conceitos erroneos que sao muitas vezes difundidos aqui sobre sua formacao. Mesmo, ou talvez, exatamente aqueles que rejeitam o estado, deveriam ter o esmero de conhece-lo.
  • Roberto Elias Costa  01/07/2011 13:11
    Artigo interessante, mas que erra ao afirmar que todo governo (Estado) é ruim.\r
    Nesse tópico, Hoppe encara a realidade apenas do ponto de vista humano e materialista.\r
    Evidente que o homem não é o centro do universo!\r
    Ora, o governo em si mesmo é uma coisa boa (o seu abuso pelos socialistas é que é uma coisa má), como demonstra - superiormente - São Tomás de Aquino, em seu clássico "Do Governo dos Príncipes", disponível grátis na internet.\r
  • Fernando Chiocca  01/07/2011 13:37
    Roberto, se você acha que violência contra inocentes não é ruim, se você acha que a formação de uma gangue de ladrões que assalta sistemáticamente seus súditos é em si uma coisa boa, isto é um problema sério de critérios seu.

    Você inclusive vai contra a unanimidade dos liberais clássicos e mesmo sociais democratas, que dizem que o estado é um mal necessário, dizendo que ele é uma "coisa boa"!

    Evidentemente que o estado, que a iniciação de agressão, não é uma coisa nem boa e nem necessária.
  • roberto elias costa  01/07/2011 16:52
    Prezado Fernando, sinto muito, mas em momento algum afirmei ou dei a entender ser favorável "à violência contra inocentes" ou a uma "guangue (sic) de ladrões que assalta sistemáticamente seus súditos".\r
    Tais afirmações são presunções suas, e, lamento, absolutamente gratuitas e infundadas.\r
    Não coloque, prezado, palavras nas bocas dos outros.\r
    E, acredite, engana-se voce redondamente ao atribuir-me tais disparates.\r
    Com efeito, basta consultar meu outro comentário nesse site, escrito hoje mesmo, no artigo sobre o massacre na escola do Rio de Janeiro, para perceber, com a devida clareza, que defendo o direito dos cidadãos portarem armas.\r
    Não só para se defenderem de bandidos, mas também para exercerem o "direito de revolução", previsto no Direito Natural e defendido por São Tomás de Aquino. Direito de derrubar governos iníquos.\r
    Portanto, não defendo automáticamente todos os governos. Compreendeu?\r
    Afirmei, e reafirmo, que em si mesmo considerado o governo é uma coisa boa.\r
    E não falei isso sózinho, mas acompanhado de São Tomás de Aquino.\r
    Apenas os governos ruins devem ser combatidos.\r
    Os bons governos devem ser apoiados.\r
    Seu erro - e o de Hermann Hoppe - é generalizar que todos os governos são essencialmente ruins. \r
    Que a própria existencia de um governo seria algo intrínsecamente ruim.\r
    Trata-se, sem dúvida, de uma enorme e equivocada presunção.\r
    Veja, prezado, se o nosso corpo não fôsse governado pelo cérebro (inclusive nas ações involuntárias, como respirar, etc), a vida não, seria possível.\r
    Nem todo cérebro é ruim, meu amigo.\r
    Só aqueles que não funcionam...\r
    Aguardo pois sua resposta, pedindo porém, que venha em forma de\r
    argumentos, e não de presunções.\r
    um abraço\r
    \r
    ROBERTO ELIAS COSTA\r
  • Fernando Chiocca  01/07/2011 17:17
    Falando em presunção.. o governo não só é bom como ele é o CÉREBRO da sociedade!! Essa foi demais! Nem mesmo dos mais autoritários socialistas eu tinha ouvido essa. Inédita.

    A definição de estado (e está não é uma definição particular, esta é a definição amplamente aceita por toda filosofia política) é que ele é uma instituição caracterizada por (1) deter o monopólio do uso da força e de tomador de decisão final em determinado território e (2) obter seus rendimentos através do uso da força (=imposto, roubo)

    Portanto, ninguém está fazendo generalizações. Os estados, QUALQUER estado, seja socialista, mínimo, democrático, república, monarquia, é baseado na violência contra inocentes e representa a instituição do roubo generalizado. (entre inúmeros outros crimes)

    Aprenda mais sobre a natureza do estado, por gentileza.
  • anônimo  01/07/2011 17:39
    Favor nao confundir Estado com Governo.
  • Fernando Chiocca  01/07/2011 17:59
    Favor não confundir seis com meia-dúzia.
  • anônimo  01/07/2011 18:19
    Chiocca,\r
    \r
    Pode deixar. Vou avisar ao Jay Nock para nao mais mencionar o assunto, por exemplo em:\r
    \r
    www.lewrockwell.com/orig3/nock1.html\r
    \r
    pois eh claro que trechos como,\r
    \r
    "It may now be easily seen how great the difference is between the institution of government, as understood by Paine and the Declaration of Independence, and the institution of the State. Government may quite conceivably have originated as Paine thought it did, or Aristotle, or Hobbes, or Rousseau; whereas the State not only never did originate in any of those ways, but never could have done so. The nature and intention of government, as adduced by Parkman, Schoolcraft and Spencer, are social. Based on the idea of natural rights, government secures those rights to the individual by strictly negative intervention, making justice costless and easy of access; and beyond that it does not go. The State, on the other hand, both in its genesis and by its primary intention, is purely anti-social. It is not based on the idea of natural rights, but on the idea that the individual has no rights except those that the State may provisionally grant him. It has always made justice costly and difficult of access, and has invariably held itself above justice and common morality whenever it could advantage itself by so doing."\r
    \r
    nao fazem o menor sentido, afinal, Governo e Estado sao a mesma coisa. Sao seis e meia-duzia, nao verdade?
  • roberto elias costa  01/07/2011 18:12
    Se o prezado, e ao que parece algum outro leitor, não conseguem distinguir entre um afirmação concreta e uma analogia, não há condições de se prosseguir racionalmente.\r
    Acessei este site em busca de respostas, mas parece que voces não as tem.\r
    Mas tem muita agressividade, isso não posso negar.\r
    Não vai ser com esse discurso emocional e vazio que a teoria libertária irá se firmar neste país.\r
    Uma pena, esta polêmica tinha tudo para esclarecer a um grande número de pessoas.\r
    Que falta faz Murray Rothbard!\r
    Farewell
  • Fernando Chiocca  01/07/2011 18:36
    Que polêmica?

    E pelo visto você não sabe, mas o texto em azul é um link. E se vc clicar onde eu escrevi natureza do estado, vai te levar para um texto do Murray Rothbard, em que você poderá se curar da falta que sente dele e ele pode te ensinar o que você demonstrou desconher sobre a natureza da instituição criminosa e violenta que você diz ser uma coisa boa.

    Boa leitura
  • Fernando Chiocca  01/07/2011 18:38
    E falando em agressividade, você vai poder ver que o único que esta defendendo agressividade física e ainda dizendo que a agredir inocentes é uma coisa boa, é você.
  • Fernando Chiocca  01/07/2011 18:31
    Caro anônimo.. obrigado por nos destacar a inescapável contradição do grande Albert Jay Nock. "by strictly negative intervention".... Realmente, totalmente negativa a ação de meter a mão no meu bolso para angariar impostos...

    Nock era bom, mas como todo liberal clássico, continha incosistências inescapáveis.

    Sobre a distinção estado/governo fico com o Chodorov:

    "The anarchists say the State is evil. They are wrong. The State are evil. It is not a system that creates privilege, it is a number of morally responsible people who do so. A robot cannot declare war and a general staff cannot conduct one; the motivating instrument is a man called a king or a president, a man called a legislator, a man called a general. In thus identifying political behavior with persons, we prevent the transference of guilt to an amoral fiction; we place responsibility where it rightly belongs.

    Having fixed in our minds the fact that the State consists of a number of people who are up to no good, we should proceed to treat them accordingly."


    Você consegue conceber o estado sem o governo??? Ou o governo sem o estado?
    O governo nada mais é do que os criminosos que formam e personificam
  • anônimo  01/07/2011 18:37
    "Você consegue conceber o estado sem o governo??? Ou o governo sem o estado?\r
    O governo nada mais é do que os criminosos que formam e personificam."\r
    \r
    Eu consigo sem dificuldade nenhuma conceber organizacoes inteiramente voluntarias onde algumas pessoas cedem a lideranca de um projeto de interesse comum a alguem visto como capacitado. Essencialmente, qualquer empresa privada, especialmente as sociedades por acoes.
  • Rafa  27/04/2012 22:26
    Sou visitante do site há pouco tempo. É meu primeiro comentário. Fiquei curioso pela tréplica do Fernando Chiocca ao anônimo acima. Não houve?

    Fernando, como evitar, na ascensão de novas elites naturais, uma recorrente e gradativa concentração monopolística da função judicante com o passar do tempo?
  • Fernando Chiocca  28/04/2012 07:56
    Tréplica de que Rafa? O anônimo deixou claro que não estava falando de governantes de um aparato de coerção (= estado, gang de ladrões, pilhadores, etc). Ele estava usando uma definição de governo como se fosse liderança, ou seja, nem tem o que responder.

    E não existe nenhuma necessidade de se evitar qualquer concentração de uma função, se está for a decisão livre dos consumidores. E isto não é monopólio.
    Monopólio é quando se impede a concorrência, e isso que deve ser evitado. E deve ser evitado da maneira que tudo deve ser evitado, através das ideias.
  • Rafa  28/04/2012 09:22
    Certo, mas permita-me reproduzir o trecho que me deixou com a pulga atrás da orelha:"O pequeno, porém decisivo passo para haver a transição para um estado consiste precisamente na monopolização da função de juiz e pacificador. Isso ocorreu quando um único membro da voluntariamente reconhecida elite natural foi capaz de conseguir, não obstante a oposição dos outros membros da elite, que todos os conflitos dentro de um território especificado fossem trazidos para ele. Assim, as partes conflitantes não mais podiam escolher algum outro juiz ou pacificador."

    Esse "não obstante a oposição dos outros membros da elite" me deu a entender que só a boa vontade do líder mais competente é que pode evitar uma tirania.

    Outra dúvida: qual a visão libertária sobre a influente (não digo boa ou má) teoria da separação de poderes de Montesquieu? Foi um suspiro de ar fresco em meio á opressão? Ou foi idéia de jerico?rs.

    Havendo links relacionados ao assunto no site, pode mandar! Estou aqui pra aprender mesmo.
    Abraço
  • Paulo Sergio  28/04/2012 10:29
    ' Foi um suspiro de ar fresco em meio á opressão? Ou foi idéia de jerico?'

    Mas uma coisa n exclui a outra né
    E uma tirania depende do apoio dos dominados, por mais competente que o 'lider' seja
    Num país de idiotas, até um imbecil como o lula vira um grande lider
  • Rafa  28/04/2012 14:29
    Sim, Paulo Sérgio, mas repare que o autor do artigo ressalta que o passo decisivo é a impotência dos demais membros da elite para reverter o monopólio da resolução de conflitos, apesar dos protestos destes. A busca de apoio dos dominados é exposta como meio de manutenção (ou expansão) desse poder exclusivo, não de conquista. A dúvida que me fica é: existiria meio de conter essa transfiguração (o líder natural que se destaca e vai se tornando um caprichoso manda-chuva) sem alguma coerção pré estabelecida entre as elites? Ou apenas os escrúpulos do mais competente poderiam contê-lo?
    Lembrando a frase famosa do Spengler: "Um poder só pode ser derrubado por outro poder, nunca por um princípio". Será assim mesmo? Queria a perspectiva libertária sobre isso. Afinal, a diplomacia européia antes da Primeira Guerra era mais ou menos isso, né? Equilíbrio de poder, acertos entre as elites dirigentes.

    Sobre o Montesquieu, vc tem razão, ser um pouco menos jumento não anula a jumentice essencial. Valeu.
  • Paulo Sergio  28/04/2012 15:40
    'Lembrando a frase famosa do Spengler: "Um poder só pode ser derrubado por outro poder, nunca por um princípio". Será assim mesmo? '

    Eu acho que não.Olhe a independência da India...
  • Rafa  28/04/2012 16:31
    Boa lembrança o caso da Índia! Mas o problema ali foi (e todos sabiam já na época) que após a passagem de Gandhi a unidade de propósito iria degringolar...e até hoje a Índia se consome em seus problemas internos, relevados apenas enquanto houve o Mahatma...o que nos joga naquele problema do início. Até que ponto a coesão, a espontaneidade e a paz são dependentes das qualidades do líder natural? Mas em verdade eu já "sinto" a resposta porque a minha "tresleitura" do artigo iluminou várias coisas. Cliquei no nome do Hoppe para ler os outros textos dele e acho que vai ser suficiente para esclarecer bastante a respeito. Ademais, no artigo acima ele ressalta direto o papel deletério dos intelectuais bundamoles (no próprio título). É que eu tinha ficado especialmente impressionado com aquele parágrafo das elites julgadoras e acabei focando ali.
    Também fui no link recomendado pelo Fernando ao Roberto Elias nos comentários (Rothbard).
    Aos poucos eu vou fazendo uma idéia geral das propostas "austríacas" e libertárias.
    Abraço
  • Fernando Chiocca  28/04/2012 15:55
    Não Rafa, somente a opinião popular é que pode evitar uma tirania.

    Veja mais aqui:A filosofia política de Étienne de La Boétie

    E sobre a separação de poderes, veja aqui: A anatomia do estado
  • Rafa  28/04/2012 20:16
    Ótimos textos sugeridos, Fernando. Obrigado pela atenção. Há bastante coisa aqui pra meditar antes de postar outro comentário. Já estou lendo o "A Ética da Liberdade". Entre ler, reler e intercalar com outras leituras vai levar algum tempo.
    Fui nessa.
    Abraço.
  • Rafa  28/04/2012 15:30
    Epa, esqueçam o que eu disse no comentário anterior sobre a cooptação do povo ser uma etapa posterior á rendição das elites. Acabo de reler o artigo e a resposta já está lá. Foi mal...:)
    Este site é do caramba. Parabéns pela coragem de vcs e sucesso. Vou continuar lendo outros textos.
    Abraço
  • Paulo Sergio  29/04/2012 01:57
    'Também não é raro encontrar intelectuais que pessoalmente não acreditam naquilo que eles próprios proclamam com grande fanfarronice em público. Isso não quer dizer que eles simplesmente se enganaram. Eles deliberadamente dizem e escrevem coisas que sabem não serem verídicas. A eles não falta intelecto; falta moral. Isso por sua vez implica que deve-se estar preparado para lutar não apenas contra a falsidade, mas também contra o mal'

    O cara tem seus defeitos mas vcs tem que admitir, isso tb o Olavo já falava há mto tempo
  • Frederico Moreira  04/04/2013 18:30
    O Hoppe é muito fraco quando faz abordagens históricas. Um dos erros capitais é não fazer um recorte histórico e geográfico. Quando fala-se de intelectuais no Egito Antigo são os ecribas e sacerdotes, assim como na mesopotâmia que cuidavam da religião que fazia aquelas culturas agirem, tudo era em torno da religião. Reduzir a formação dos Estados em único processo não é sensato. Será que o Hoppe já ouviu falar do reino do Congo ou das culturas africanas que eram matriarcais e tinham um processo de formação extremamente diferente da Europa?
  • Hans-Hermann Hoppe  04/04/2013 19:08
    Prezado Frederico, por favor, mande-me um link para um artigo que você tenha escrito.

    Você escreveu para dizer que não concorda com algo que escrevi. Disse também que não sei de nada. Como eu não conheço você, como eu não conheço seu histórico, e como eu não sei o tanto que você já estudou sobre o assunto, gostaria de saber o quanto você realmente sabe para que eu possa aprender.

    Seu comentário acima contém apenas a sua opinião. Ele não cita estudos detalhados que comprovem que o que eu escrevi no presente artigo -- que nada fala sobre Egito e afins -- esteja errado.

    Você também não forneceu nenhum link para um artigo que você tenha escrito sobre o assunto. Talvez você tenha se esquecido. Se a sua opinião está postada em algum website ou blog, por favor, mande-me um link para ele. Isso mostraria que você está disposto a vir a público com sua opinião sobre este tópico de elites naturais, intelectuais e estado.

    Confesso que nunca entendi o que faz alguém mandar objeções malcriadas pela internet. Preciso entender melhor esse fenômeno. Nenhum autor irá mudar de opinião só porque leu um amontoado de palavras escritas por um estranho enfezado que nunca publicou nada. Não entendo o que leva alguém a incorrer nesta perda de tempo. Seu tempo seria mais bem gasto editando um blog sobre um assunto do qual você saiba algo a respeito. É uma sugestão.

    Obrigado.


    P.S.: de fato, o Reino do Congo e as culturas matriarcais da África exerceram uma influência incomensurável sobre a cultura do resto do mundo, principalmente sobre a formação de seus estados...
  • anônimo  04/04/2013 20:13
    Mas esse fake está muito fraco.Um filósofo da estatura do Hoppe saberia que esse negócio de 'nunca publicou nada' é um ad hominem. A verdade não depende de quem a diz.
  • Hans-Hermann Hoppe  04/04/2013 20:49
    Meu caro anônimo, antes de se aventurar a palpitar, sugiro que antes aprenda a básica arte da interpretação de texto. Em momento algum acusei o prezado Frederico de "não ter publicado nada". Muito pelo contrário: pedi a ele que me mandasse links contendo a opinião dele sobre o assunto em questão, pois quero me aprofundar naquilo que ele sabe e escreveu.

    Isso é o básico do básico de qualquer discussão intelectual: se meu texto é atacado, o agressor tem de produzir um texto que mestre especificamente meus erros. Só isso. Um simples blog.

    Em momento algum pedi monografias acadêmicas nem absolutamente nada do tipo. Fui bastante explícito: mande-me um link de um website ou um blog no qual ele tenha escrito. Criar um blog e escrever um texto mostrando especificamente meus erros é algo que ele pode fazer em 10 minutos. Considerando-se que ele certamente gastou mais de 10 minutos para ler o artigo e redigir um comentário, tal tarefa será um picnic para ele.

    No que mais, se pedir um simples link de blog que contenha um escrito mais aprofundado feito pelo meu acusador -- pré-requisito básico para qualquer debate intelectual minimamente sério -- é ad hominem, então acho que o senhor não deveria sequer sair da cama, pois está totalmente despreparado para as exigências da vida.

    Saudações e trate de fazer um curso básico de interpretação. Sem essa habilidade, o país corre o sério risco de ver você se elegendo presidente da República.
  • Emerson Luis, um Psicologo  25/02/2014 17:25

    É interessante como a História se repete de diferentes formas! Muito motivador esse texto!

    A única ressalva é a confusão entre "democracia" e "república". Uma monarquia pode ser democrática e uma república pode ser ditatorial.

    * * *
  • philip  05/08/2014 18:45
    Que texto fantástico. Absolutamente emocionante!
  • Ramon  05/08/2014 23:59
    bom pelo que eu entendi, numa economia completamente livre, se eu acumular uma fortuna do tamanho da do bill gates e quiser iniciar a compra te milhares de hectares de terra, e comprar uma área equivalente ao estado de são paulo por exemplo, eu posso permitir que pessoas vivam ali desde que cumpram as minhas ordens, pois a propriedade é minha. É assim que surgiram os primeiros estados?
  • Amarilio Adolfo da Silva de Souza  03/04/2015 17:45
    Não há ilusão maior, para as camadas pobres de qualquer sociedade, a de que o estado os serve. O mito do "bom ladrão" que tira dos ricos para dar aos pobres é uma criação de grupos que se beneficiam diretamente desse arranjo estatal, explorando a ingenuidade alheia.
  • anônimo  09/05/2016 22:22
    Então o estado é fruto das elites naturais? Então ele é provem da ordem natural....
  • Guido  09/05/2016 22:48
    Onde está escrito isso?
  • anônimo  09/05/2016 23:51
    O texto diz com todas as letras:

    "o estado é o fruto do crescimento das elites naturais: o resultado natural de transações voluntárias entre donos de propriedade privada é algo não-igualitário, hierárquico e elitista. Em todas as sociedades, alguns poucos indivíduos adquirem o status de elite através do talento. Devido às suas conquistas superiores em termos de riqueza, sabedoria e bravura, esses indivíduos ganham o reconhecimento de autoridade natural, e suas opiniões e julgamentos passam a gozar de vasto respeito. Além disso, devido ao acasalamento seletivo, o matrimônio, e às leis da herança civil e genética, as posições de autoridade natural estão fadadas a serem passadas para os herdeiros seguintes de poucas e nobres famílias, que assim mantêm sua tradição. É para os chefes dessas famílias, que têm longos e firmados históricos de conquistas supremas, sagacidade e conduta pessoal exemplar, que os homens comuns levam suas queixas e conflitos contra outros homens. Esses líderes das elites naturais agem como juízes e pacificadores, frequentemente sem cobrar nada por esse serviço, seja porque ele é considerado como uma obrigação de uma pessoa munida de autoridade, seja pela preocupação de a justiça civil estar sendo tratada como um "bem público" produzido privadamente.

    O pequeno, porém decisivo passo para haver a transição para um estado consiste precisamente na monopolização da função de juiz e pacificador. Isso ocorreu quando um único membro da voluntariamente reconhecida elite natural foi capaz de conseguir, não obstante a oposição dos outros membros da elite, que todos os conflitos dentro de um território especificado fossem trazidos para ele. Assim, as partes conflitantes não mais podiam escolher algum outro juiz ou pacificador."


    Então o estado provem da ordem natural....
  • Bertrand  10/05/2016 00:51
    O "estado" descrito nesse primeiro parágrafo nada tem a ver com os estados modernos atuais. Suas características são completamente opostas.

    Naquele tipo de "estado", "é para os chefes [das famílias das elites naturais], que têm longos e firmados históricos de conquistas supremas, sagacidade e conduta pessoal exemplar, que os homens comuns levam suas queixas e conflitos contra outros homens. Esses líderes das elites naturais agem como juízes e pacificadores, frequentemente sem cobrar nada por esse serviço, seja porque ele é considerado como uma obrigação de uma pessoa munida de autoridade, seja pela preocupação de a justiça civil estar sendo tratada como um "bem público" produzido privadamente."

    Uma ordem natural gera um estado? Bom, se por "estado" entendemos aquela descrição que foi dada no primeiro parágrafo, então a resposta é sim. E é exatamente um estado daqueles que eu quero para mim.

    Agora, se você está querendo dizer que a ordem natural gera o estado como o conhecemos hoje, então você fez um inacreditável salto lógico, daqueles que anulam todas as leis da física.
  • anônimo  10/05/2016 01:48
    Então os libertários não tem que combater o Estado como fazem, mas combater o TIPO de estado que existe hj. Tem que combater o Estado moderno e não o Estado... Pois o Estado é fruto das elites naturais.
  • Jouvenal  10/05/2016 02:50
    Tá começando -- começando! -- a entender.

    A única coisa que libertários querem é serem deixados em paz, sem ter o saco enchido por ninguém. Pra começar, queremos nos separar do seu estado para criarmos um estado próprio. Você deixa?

    Se você não gosta do governo sob o qual vive, deve ter o direito de se separar e criar um outro
  • Amonino  12/07/2016 21:43
    Não!

    E aí?
  • anônimo  10/05/2016 22:30
    "O pequeno, porém decisivo passo para haver a transição para um estado consiste precisamente na monopolização da função de juiz e pacificador. Isso ocorreu quando um único membro da voluntariamente reconhecida elite natural foi capaz de conseguir, não obstante a oposição dos outros membros da elite, que todos os conflitos dentro de um território especificado fossem trazidos para ele. Assim, as partes conflitantes não mais podiam escolher algum outro juiz ou pacificador."

    Agora entendí. O que deu origem ao Estado foi a monopolização da função de juíz e pacificador. Alguém pode explicar como se deu essa monopolização? Como ele conseguiu, apesar da oposição dos outros membros da elite, monopolizar a função de juiz e pacificador? Foi com o uso da força?


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.