clube   |   doar   |   idiomas
A geração e o estouro da bolha imobiliária nos EUA - e suas lições para o Brasil

N. do T.: com as notícias cada vez mais constantes sobre fartura de crédito aqui no Brasil para o setor imobiliário, preços em constante ascensão e, agora, a possibilidade de utilizar o próprio imóvel para garantir mais empréstimos (ver aqui e aqui), vale a pena rever como se deu a bolha imobiliária nos EUA, e tentar aprender com suas lições.

 

Toda a turbulência gerada nos mercados de crédito americano e mundial, causada pelo colapso da bolha imobiliária americana, pode ser entendida à luz da teoria dos ciclos econômicos desenvolvida por Ludwig von Mises e F.A. Hayek.  Esses autores mostraram que a expansão do crédito distorce o padrão de gastos e de investimentos no sistema econômico.  Essa distorção, por sua vez, leva a um desperdício de capital (materiais e equipamentos) em larga escala, gerando prejuízos e, consequentemente, preparando o terreno para uma subsequente contração do crédito, exatamente o que ocorreu no segundo semestre de 2007 e que gerou toda a crise em 2008.  (Em prol dos leitores não familiarizados com a expressão, expansão do crédito é a criação de dinheiro pelo sistema bancário e seu consequente empréstimo a juros artificialmente baixos).

A origem de todo esse problema remonta ao estouro da bolha formada na bolsa de valores americana no início da década de 2000.  Em um esforço para evitar as inevitáveis consequências deflacionárias de todo estouro de bolha, o Banco Central americano (o Fed) cortou a taxa básica de juros, reduzindo-a de 6,25% no final de 2000 para apenas 1% já em 2003.

 Fedfunds 2000-2004.jpg

Esses cortes nos juros foram feitos por meio de várias injeções de dinheiro criado do nada pelo Banco Central no sistema bancário.  A taxa básica de juros é a taxa que os bancos cobram entre si no mercado interbancário para tomar e conceder empréstimos de dinheiro que compõe suas reservas monetárias, reservas essas que eles são obrigados pelo BC a manter em determinado percentual do total de suas contas-correntes. (Ver mais sobre esse mecanismo aqui).

O dinheiro criado pelo BC cai direto na conta que os bancos têm junto ao BC.  Essa conta forma suas reservas. Esse contínuo influxo de novas e adicionais quantidades de dinheiro nas reservas do sistema bancário possibilitou aos bancos criarem mais contas-correntes, para benefício dos tomadores de empréstimos.  Essas novas contas-correntes foram criadas em um múltiplo de dez ou mais vezes a quantidade de novas reservas criadas pelo BC, e possibilitaram a concessão de mais empréstimos em uma escala correspondentemente maior. 

Essa acentuada queda nas taxas de juros particularmente encorajou os americanos a pegarem empréstimos para financiar a compra de imóveis.  A razão para tal foi o forte declínio no valor do pagamento mensal das hipotecas, resultado do substancial declínio nas taxas de juros.  Veja o gráfico do declínio nos juros das hipotecas:

 Hipotecas.jpg

As novas contas-correntes criadas eram formadas por dinheiro criado do nada pelo sistema bancário de reservas fracionárias, e que foi emprestado para tomadores de empréstimo de histórico duvidoso.  O colateral utilizado nesses empréstimos era o imóvel que o tomador estava adquirindo.

Enquanto esse dinheiro recém-criado ia sendo jogado no mercado imobiliária a taxas crescentes, os preços dos imóveis subiram e a maioria das pessoas parecia estar prosperando.

Porém, começando em 2004, e continuando durante todo o ano de 2005 até a primeira metade de 2006, por medo das consequências inflacionárias de sua política, o Fed começou a aumentar gradualmente a taxa básica de juros.  Ele fez isso reduzindo a injeção de dinheiro nas reservas do sistema bancário.  Veja a escalada da taxa básica de juros americana:

Subida juros.jpg

Assim que essa política teve êxito em estancar a aceleração da expansão do crédito que até então estava indo para o mercado imobiliário, os fundamentos para um aumento contínuo nos preços dos imóveis foram removidos — pois a redução da expansão do crédito significou uma redução na demanda por imóveis.  Ademais, a redução da expansão do crédito provocou um aumento nos juros das hipotecas:

subida hipoteca.jpg

Como houve de fato uma queda na expansão do crédito, a demanda por imóveis inevitavelmente teve de cair.  Isso porque um dos principais componentes da demanda por imóveis eram exatamente os fundos gerados pela expansão do crédito.  Um declínio nesse componente gerou um equivalente declínio na demanda geral por imóveis.  O declínio na demanda por imóveis foi, obviamente, seguido de um declínio nos preços dos imóveis. 

Os preços dos imóveis também tiveram de cair simplesmente por causa do repentino aumento da oferta de imóveis a venda: como vários imóveis haviam sido comprados na expectativa de que seus preços iriam aumentar continuamente, tão logo ficou comprovado que isso não mais iria acontecer, seus moradores trataram rapidamente de colocá-las a venda e lucrar o que fosse possível.

Essa queda na demanda e nos preços dos imóveis deixou a mostra algo assustador: uma massa de dívida hipotecária que era literalmente impagável.  Ela também revelou uma correspondente massa de capital mal investido e desperdiçado: o capital utilizado para conceder os impagáveis empréstimos hipotecários.  Não apenas, dinheiro, mas também recursos, materiais, mão-de-obra, ferramentas — coisas naturalmente escassas — foram retirados de outros setores e empregados em uma área que se revelou um completo erro.  Houve desperdício de bens que não mais poderão ser utilizados produtivamente.

A perda dessa vasta quantia de capital acabou por solapar todo o resto do sistema econômico americano.

Os bancos e outras entidades que concederam tais empréstimos tornaram-se imediatamente incapazes de continuar com suas operações de empréstimo na mesma escala de antes — e, em alguns casos, em escala nenhuma.  Como seus devedores não mais tinham condições de quitar seus empréstimos, os bancos ficaram sem fundos com os quais conceder mais empréstimos ou mesmo renovar os empréstimos pendentes.  Pra continuarem operando, os bancos não apenas não mais podiam continuar concedendo empréstimos no mesmo volume de antes, como também, em muitos casos, eles próprios tiveram de começar a pedir empréstimos, com o intuito de cumprir compromissos financeiros assumidos anteriormente e que agora estavam vencendo.

Consequentemente, gerou-se uma situação em que havia tanto uma redução da oferta de fundos disponíveis para empréstimo quanto um aumento na demanda por fundos para empréstimo, situação essa que foi apropriadamente descrita pela expressão "sufocamento do crédito" (credit crunch).

O fenômeno do sufocamento do crédito foi reforçado pelo fato de que a expansão do crédito, assim como qualquer outro aumento na quantidade de dinheiro, acaba por elevar os salários e os preços das matérias-primas.  A expansão do crédito, portanto, reduz o poder de compra de todos os fundos de capital da economia.  Isso também gera os mesmos resultados de um sufocamento tão logo as torneiras da expansão do crédito sejam fechadas.  Isso ocorre porque as empresas agora precisam de mais fundos do que imaginavam precisar para completar seus projetos e, por isso, precisam pegar mais empréstimos (ou emprestar menos para os bancos) a fim de obter esses fundos.

(O mesmo fenômeno ocorre em projetos de infraestrutura, para os quais os custos aumentaram dramaticamente ao longo dos anos, o que fez com somas correspondentemente maiores de capital passassem a ser necessárias para completar os mesmos projetos.)

Ademais, o declínio que inevitavelmente ocorre no mercado de ações e no mercado de títulos privados após a expansão do crédito ser interrompida gera uma redução nos ativos disponíveis para o financiamento de atividades empreendedoriais, o que só faz aumentar o fenômeno do sufocamento do crédito.

A situação americana foi essencialmente similar a todos os episódios anteriores de ciclos econômicos criados pela expansão do crédito.  A única diferença é que, no caso americano, a expansão do crédito alimentou um aumento da demanda por imóveis e, ao mesmo tempo, a maioria dos fundos de capital criados por essa expansão do crédito foi investida em imóveis.  Tão logo a demanda por imóveis caiu — como resultado da redução da expansão do crédito —, a maior parte dos fundos de capital investidos no setor imobiliário revelou-se um investimento errôneo.

Na maioria dos ciclos econômicos anteriores, a expansão do crédito alimentava uma demanda adicional por bens de capital, e grande parte dos fundos de capital criados pela expansão do crédito era investida na produção de bens de capital.  Quando a expansão do crédito se reduzia, a demanda por bens de capital caía, e grande parte dos fundos de capital investidos na produção de bens de capital acabava se revelando um investimento errôneo.

Em todos os exemplos de expansão do crédito, o fator que está sempre presente é a introdução no sistema econômico de uma grande massa de fundos de capital que, enquanto dura, tem a aparência de riqueza real e fornece a base para um acentuado aumento no poder de compra e um correspondente aumento nos preços dos ativos.  Infelizmente, assim que a expansão do crédito que criou esses fundos de capital diminui, as bases para a lucratividade dos fundos até então criados pela expansão do crédito são extintas.  Isso ocorre porque esses fundos são normalmente investidos em projetos cuja lucratividade depende de uma demanda que só pode ser mantida pela contínua expansão do crédito.

Após a expansão do crédito ser interrompida, tanto hoje quanto no passado, o sistema econômico sofre uma real implosão do crédito e dos gastos.  A massa de fundos de capital jogada no sistema econômico pela expansão do crédito rapidamente começa a se evaporar (os hedge funds da Bear Stearns e o Lehman Brothers foram um ótimo exemplo), com o potencial de aniquilar outros fundos de capital já existentes na economia.

Como consequência do sufocamento do crédito, empresas com dívidas vincendas simplesmente se tornam incapazes de pagá-las.  Elas não conseguem renovar os empréstimos que pegaram e nem substituí-los.  Essas empresas se tornam insolventes e vão à falência.  Tentativas governamentais de se aliviar as condições de tais empresas podem facilmente precipitar um processo de contração financeira e deflação.

Isso ocorre porque a iminência da incapacidade de se honrar as dívidas leva a um aumento na demanda por dinheiro em caixa.  As empresas precisam elevar seu efetivo em caixa com o intuito de ter os fundos necessários para quitar as dívidas que estão para vencer.  Elas não mais podem contar com a facilidade de obter tais fundos de maneira fácil e lucrativa por meio de empréstimos junto ao sistema bancário — o que elas faziam durante o período da expansão do crédito.  Tampouco elas serão capazes de lucrativamente obter fundos vendendo títulos ou outros ativos em sua posse.  Assim, além da quantidade qualquer de fundos que elas venham a obter de tal forma, elas devem também tentar acumular fundos reduzindo seus gastos.  Essa redução nos gastos, entretanto, gera uma redução nas receitas e nos lucros de todo o sistema econômico, o que reduz ainda mais — e agora de forma generalizada — a capacidade de pagamento das dívidas de toda a economia.

Se tal processo de insolvência gerar um processo de falências bancárias — como houve nos EUA —, a quantidade de dinheiro no sistema econômico será reduzida, pois o dinheiro eletrônico criado pelo sistema bancário de reservas fracionárias desaparece junto com os bancos.  É como se tal dinheiro assumisse a forma de títulos podres que ninguém aceita como pagamento em troca de bens e serviços.

Declínios na quantidade de dinheiro, e no volume de gastos que depende em parte da quantidade de dinheiro que sumiu, resultam em mais falências e mais quebras bancárias, o que por sua vez gera ainda mais declínios na quantidade de dinheiro, bem como mais aumentos na demanda por dinheiro em caixa.  Foi assim que ocorreu na Grande Depressão de 1929-1933.

Dados os poderes ilimitados que o Fed tem hoje para a criação de dinheiro, tal deflação da oferta monetária foi evitada, ao custo de uma injeção de mais de um trilhão de dólares no sistema bancário, o que dobrou a base monetária.  Como explicou Gary North,

Isso significa que os bancos comerciais americanos estão hoje legalmente autorizados a dobrar seu número de empréstimos, algo que iria dobrar a oferta monetária.  Mas os banqueiros estão tão assustados com o atual estado da economia que eles têm se recusado a emprestar.  Eles voluntariamente têm preferido deixar todo o seu excesso de reservas depositado junto ao Fed, valor esse que chega a US$ 1,2 trilhão.  É isso que tem contrabalanceado o aumento da base monetária feito pelo Fed.

O provável resultado futuro, tão logo esse dinheiro começar a ser liberado pelo sistema bancário, será um aumento nos gastos e nos preços de todos os bens, em um grau de magnitude suficiente para superar mesmo o extremante poderoso ímpeto de contração e deflação gerado como resultado do estouro da bolha imobiliária.

Outro resultado do estouro da bolha, este já implementado quase que em sua totalidade, foi a promulgação de ainda mais leis e regulamentações sobre a atividade financeira.  Ignorantes em relação ao papel essencial desempenhado pela expansão do crédito e ao papel do governo na ocorrência dessa expansão creditícia, os políticos e a mídia iniciaram uma implacável campanha acusatória, culpando a débâcle nos poucos aspectos da atividade econômica e financeira que ainda estavam livres do total controle do governo.

Uma enorme depressão só foi evitada pela criação de mais de um trilhão de dólares pelo Fed, algo que inevitavelmente cobrará seu preço futuro.  Se algum dia o mundo quiser se ver livre dessa montanha-russa econômica, com seus altos e baixos, gerada pelo papel-moeda fiduciário e de curso forçado, livremente manipulado por burocratas, a única solução é a adoção de uma moeda livre de manipulações e ingerências, uma moeda que seja escassa por natureza e de difícil criação: o ouro.

________________________________________


Leia também: A bolha imobiliária em 4 etapas


2 votos

autor

George Reisman
é Ph.D e autor de Capitalism: A Treatise on Economics. (Uma réplica em PDF do livro completo pode ser baixada para o disco rígido do leitor se ele simplesmente clicar no título do livro e salvar o arquivo). Ele é professor emérito da economia da Pepperdine University. Seu website: www.capitalism.net. Seu blog georgereismansblog.blogspot.com.

  • Helio  22/09/2010 10:51
    Excelente sumario da cries de credito.
  • caminho certo  22/09/2010 11:29
    Pela Teoria Austríaca, o Brasil está no caminho certo: mantendo os maiores juros do mundo. Este é o sonho da Escola Austríaca.
  • Leandro  22/09/2010 12:12
    Ironia errada, anônimo. Os juros do Brasil são altos porque a criação de moeda fiduciária (moeda sem lastro) é alta. Quanto a maior a taxa de expansão de moeda fiduciária, maior os juros nominais que você vai cobrar.

    No Brasil, a moeda fiduciária se expande a uma taxa média que varia de 15 a 20% ao ano. Na Europa e nos EUA, esse valor fica na casa dos 5%.

    Quanto a maior a criação de dinheiro durante um determinado período, maiores os juros nominais que você vai cobrar para obter um determinado juro real.

    Assim, no Brasil, se você pegar $10.000 emprestados hoje, a juros de 25% (taxa média cobra nos empréstimos para empresas), você terá de pagar $12.500 daqui a um ano. Porém, como a oferta monetária cresceu 15%, haverá 15% mais dinheiro na economia no momento em que você for quitar seu empréstimo do que havia quando você pegou o empréstimo. Nesse exemplo, seu "juro real" foi de 8,7%.

    A intuição é óbvia: uma coisa é você ter de arranjar R$ 12.500 em uma economia com oferta monetária rígida. Outra, bem diferente, é você ter de arranjar R$ 12.500 em uma econômica cuja oferta monetária esteja aumentando. Quanto maior for o aumento da oferta monetária no período, mais fácil será para você arranjar o dinheiro devido (considerando-se um igual crescimento da economia para os ambos os cenários). Logo, quanto maior for a expansão monetária, maioresserão os juros nominais cobrados. Quanto maior for a expansão monetária projetada pelo banco que concede o empréstimo, maior será a taxa de juros nominal que ele irá cobrar.

    Se você quiser que os juros nominais sejam reduzidos no Brasil, você terá de restringir a criação de meios fiduciários. Ou seja, você terá restringir o sistema bancário de reservas fracionárias.

    É claro que também há outros fatores, sendo o principal deles a insegurança jurídica e toda a proteção jurídica que se dá ao credor, dificultando coisas como alienação fiduciária.
  • Fernando Ulrich  22/09/2010 14:55
    Leandro,\r
    Que dados você está usando? Base Monetária? M1? M2? M3?
  • Leandro  22/09/2010 15:10
    Ulrich, peguei uma construção baseada nas teorias do de Soto e do próprio Reisman: depósitos em conta-corrente, depósitos em poupança, e quotas em fundo de investimento (compostas por Fundos Cambial; Curto Prazo; Renda Fixa (inclusive extramercado); Multimercado; Referenciado).

    Desse valor, você subtrai as reservas bancárias, de modo a ficar unicamente com os valores "sem lastro", ou seja, os meios fiduciários.

    Se você analisar a taxa anual de crescimento vai ficar sempre entre 15 e 22%.

  • Felipe André  22/09/2010 16:18
    Não compreendi muito bem esta parte:\r
    \r
    "Essa queda na demanda e nos preços dos imóveis deixou a mostra algo assustador: uma massa de dívida hipotecária que era literalmente impagável."\r
    \r
    Por que a queda de preço dos imóveis tornou as hipotécas impagáveis?\r
    \r
    Agradeço à quem puder esclarecer.
  • Leandro  22/09/2010 16:55
    Prezado Felipe,

    Os americanos utilizavam um artifício curioso -- que já começou a ser adotado aqui no Brasil, como mostra o primeiro link da introdução do artigo.

    Eles pegavam empréstimo no banco e utilizavam como colateral o imóvel a ser adquirido. O tempo passava e quando chegava a hora de quitar o empréstimo, o imóvel tinha se valorizado muito - o que significava que o tomador de empréstimo agora podia utilizar seu imóvel valorizado para barganhar mais empréstimos.

    E assim prosseguia: a cada nova rodada, o imóvel valorizado era utilizado como colateral para conseguir cada vez mais empréstimos. E o sujeito ia só se endividando, confiando no fato de que seu imóvel para sempre ia se valorizar e ele nunca teria realmente de pagar a dívida

    Até o dia em que o valor do imóvel (o colateral) caiu, o que fez com que todo o seu endividamento se tornasse impagável.

    Isso gerou uma série de calotes, fazendo com que grande parte dos ativos bancários se desvalorizassem. Consequentemente, e por causa do sistema bancário de reservas fracionárias, houve um efeito dominó, com bancos quebrando em cascata.

    Caso ainda não tenha visto, a palestra do Peter Schiff explica esse fenômeno em detalhes: mises.org.br/FileUp.aspx?id=25
  • Edik  22/09/2010 19:25
    Leandro,

    Nao podemos afirmar que ocorre na realidade o contrario? A criacao de moeda sem lastro na realidade diminui a taxa de juros nominais, pois representa maior oferta de dinheiro para uma determinada quantidade de titulos de divida. Baseio essa ideia, em parte, em um artigo seu sobre a SELIC aonde vc mostra que o BC intervem na taxa de juros comprando titulos com dinheiro que ele cria "do nada", aumentando assim a base monetaria e diminuindo os juros. A taxa de juros nominal aumenta quando os "estimulos" monetarios atingem os bens de consumo final, ou pelo menos quando quando os agentes do mercado comecam a ter essa percepcao de maneira mais claro. E mesmo com os juros altos, em uma expansao monetaria, seu valor e' menor do que seria se nao fosse a inflacao.

    Entendo que a taxa de juros e' melhor determinada pelo nivel de poupanca real de uma economia. Assim nesse seu exemplo, o que define a taxa de juros em uma economina de oferta monetaria rigida e' o nivel de poupanca, e nao exatamente o cresimento monetario.

  • Leandro  23/09/2010 00:18
    Prezado Edik, essa é uma confusão bastante comum. Permita-me tentar esclarecê-la.

    Quando o BC injeta dinheiro nas reservas bancárias, tal medida de fato tem o efeito de reduzir os juros. Porém, vale lembrar que as taxas de juros influenciadas por tal medida são taxas de curto prazo -- a SELIC nada mais é que a taxa anualizada para empréstimos de 1 dia.

    Porém, no longo prazo, quanto maior a oferta de dinheiro, maiores serão as expectativas inflacionárias, as quais serão consideradas nas taxas de juros nominais cobradas.

    Essa errônea noção de que um aumento na quantidade de dinheiro irá para sempre reduzir a taxa de juros é resultado de se pensar a taxa de juros como sendo o "preço do dinheiro". Daí, a conclusão lógica, pela lei da oferta e demanda, seria dizer que um aumento na oferta reduz os preços. Entretanto, uma descrição muito mais correta da taxa de juros seria dizer que ela "é a diferença entre a quantia que é tomada emprestada e a quantia que é devolvida ao emprestador."

    Sendo assim, a taxa de juros de 25% ao ano para um empréstimo de R$ 10.000 não deve ser vista como sendo o preço a ser pago pelo empréstimo, mas sim como a diferença entre os R$ 12.500 que serão pagos na maturação do empréstimo e os R$ 10.000 que foram tomados emprestados.

    Ao se pensar assim, não será surpresa alguma percebermos que os juros tendem a ser maiores em decorrência de uma grande expansão monetária. Afinal, como no momento da quitação da dívida existe mais dinheiro do que existia ao momento da concessão do empréstimo -- uma consequência inevitável do aumento na quantidade de dinheiro --, então logicamente haverá mais dinheiro disponível para ser utilizado no montante a ser devolvido ao emprestador.

    Tal teoria, inclusive, é adotada também pela teoria convencional ortodoxa: um aumento da oferta monetária reduz os juros no curto prazo. Porém, com o tempo, os juros vão se elevando para se adaptar às crescentes expectativas inflacionárias, de modo que chegará um momento em que eles, os juros, serão maiores do que eram antes da expansão monetária.

    Ou seja: no longo prazo, uma expansão monetária acaba fazendo com que, no final, os juros se tornem maiores do que eram antes da expansão monetária.

    É exatamente essa manipulação monetária, e os inevitáveis efeitos dela sobre os juros -- que caem e depois sobem -- a principal causa dos ciclos econômicos.
  • Rhyan Fortuna  23/09/2010 03:16
    Algumas dúvidas:

    Por que austriacos defendem o aumento do juros em épocas de recessões? Só para incentivar a poupança?

    Dá pra perceber qual a situação de um país analizando apenas a taxa básica de juros?
  • Leandro  23/09/2010 10:27
    Rhyan,

    Em uma resposta curta e direta, basta dizer que, caso não houvesse intervenções governamentais no período da recessão, os juros subiriam naturalmente -- afinal, todo o período da expansão econômica artificial foi caracterizado como sendo de queima e desperdício de capital. Com uma economia descapitalizada, o normal seria de fato que a taxa de juros subisse, pois agora há menos capital (poupança) disponível para financiar empreendimentos.

    É por isso que os juros devem subir: para inibir o consumo de algo escasso (capital) e para estimular a poupança, que é o que forma o capital.

    Reduzir juros em uma recessão serve apenas para estimular a gastança e desestimular a poupança, arranjo esse que trará consequências mais graves no futuro.

    Um bom artigo falando exatamente sobre isso, em termos mais populares: www.mises.org.br/Article.aspx?id=238
  • Marcelo Boz  23/09/2010 10:52
    Rhyan,\r
    \r
    Em complemento ao Leandro, se me permite:\r
    Os austriacos não defedem o aumento de juros em crise, eles perceberam que isso ocorre naturalmente se o governo não intervir. Só isso.\r
    Seria uma atitude natural dos mercados em tempos de crise, e os austriacos viram que isso é benéfico para a economia sair da crise. Parece contraditório? Sim, parece!\r
    \r
    Acho que voce deveria dar uma lida na 'Teoria Austriaca dos Ciclos Economicos' desenvolvida por Mises e Hayek.\r
    Há varios artigos no site a respeito.\r
    Boa leitura.
  • Rhyan Fortuna  23/09/2010 13:23
    Obrigado aos dois!

    Abraço!
  • Maurício  23/09/2010 15:43
    Olá, Leandro,\r
    \r
    Gostaria de acrescentar ao que você relatou outras anomalias, que no meu entendimento, têm mais peso no aumento da taxa de juros. A parte relativa a antecipação das expectativas inflacionárias está mais relacionada à manutenção da alta taxa de juros do que na deformação em si.\r
    \r
    Eu colocaria como maiores fatores, sem saber qual deles vem primeiro, os seguintes:\r
    \r
    Cartelização do sistema bancário;\r
    Baixa poupança;\r
    Efeito crowding out;\r
    Compulsório;\r
    Tributação do crédito;\r
    Insegurança jurídica.\r
    \r
    Acredito que um dos efeitos mais graves deste cenário é a distorção da percepção da relação de risco e retorno.\r
    \r
    O pequeno e médio investidor pensa mil vezes antes de colocar o seu dinheiro num ativo de risco ou entrar como sócio num negócio, dado os retornos pífios na média. Prefere deixar o dinheiro dormindo no CDI.\r
    \r
    Abraços
  • Fernando Ulrich  23/09/2010 16:55
    Mas o Brasil nunca teve juros baixos... certo?
  • Nilo BP  23/09/2010 19:58
    @Maurício: vale lembrar que a cartelização do sistema bancário é resultado do monopólio do Banco Central como "coordenador" dos bancos. Aqui na FEA volta e meia um professor fala da cartelização dos bancos, e sobre como o BC "deveria" quebrar o cartel. É tragicômico como eles se recusam a perceber que o BC É o cartel. Não é necessário uma grande teoria da conspiração; simplesmente, critérios "técnicos" (para nossa própria segurança, claro!) impedem que novos competidores entrem no sistema bancário.
  • Juliano Camargo  30/09/2010 12:50
    Os estudos do Banco Central sobre o alto spread na taxa de juros, que elevam bastante a taxa básica já alta, concluíram que a inadimplência é o principal fator. Essa é mais ou menos a explicação oficial, mas tudo que o Maurício citou realmente influencia.

    Entre esses citados, fatores que distinguem bastante o Brasil de outros sistemas:

    alta inadimplência, insegurança jurídica, morosidade de se cobrar, e extensiva análise do 'dano social' antes do banco poder tomar a garantia.

    crowding out ( BNDES, coisa quase única do Brasil )

    compulsório - o mais alto do mundo, como legado de um sistema monetário que quebrou antes.

    Tributação, elevadíssima.

    Estas coisas todas realmente colocam o país em um território diferente dos outros países. E, naturalmente, nossa baixa taxa de poupança e a recusa em receber capitais externos, por causa do efeito no câmbio, também não ajudam em nada.

    Lendo este texto sobre rehipotecar propriedade, lembro das propagandas da TV quando eu morava na Irlanda, país que passou por uma forte bolha: 'release equity from your home'. Era a senha para o 'otário' que já pagou pela casa se endividar mais ainda para passar umas férias de 6 meses na Espanha... A bolha imobiliária incentivou na população comportamentos econômicos completamente deploráveis. Obviamente tem uma minoria que soube aproveitar e cair fora, mas a maioria, como em toda bolha, sobra com a bucha na mão.
  • vanderlei  27/02/2011 09:48
    Ninguém enxerga, escuta ou fala...\r
    \r
    Qual Governo vai alterar o mercado imobiliário?\r
    A ciranda especulativa e a cultura Urbana \r
    \r
    No mercado financeiro existe a interferência do estado, habitação é o principal problema no Brasil\r
    \r
    E pessoas ganhando terras de graça para morar.\r
    \r
    \r
    Existe uma bolha especulativa no setor, Igual à crise americana, supervalorização ou superfaturamento.\r
    \r
    O promotor quer apurar superfaturamento ou supervalorização das contas públicas ?\r
    \r
    \r
    Maluf é procurado pela Interpol por crimes também de supervalorização ou superfaturamento.\r
    \r
    O custo do metro quadrado construído passa de R$ 1.118,00 (real) para R$ 4.901,85 (superfaturado)\r
    \r
    O banco recebia num financiamento de 50 meses a uma taxa de 10% a.a 49% ao mês sobre os valores reais, agora passa a receber 552% ao mês sobre valores reais - superfaturados.\r
    \r
    \r
    Tem melhor investimento ?\r
    \r
    Contratos superfaturados em bancos \r
    \r
    Esta supervalorização é apoiada pelos Bancos, porque eles financiam em cima de tudo isto, o promotor vai se esconder.\r
    \r
    A tecnologia e a engenharia financeira devem prestar apoio à população e não à elite.\r
    \r
    A metade da cidade de São Paulo (Migrantes) vivem em áreas Irregulares 6 milhões\r
    \r
    \r
    \r
    As imobiliárias definem os preços dos imóveis, os comerciantes definem os preços dos produtos que compramos, os banqueiros definem os juros sobre o capital. E o que definem os compradores ? Você acha que isto é uma democracia ? Um povo sem vergonha merece morrer na miséria, discórdia e na confusão.\r
    \r
    25% das casas americanas valem menos que a hipoteca\r
    \r
    www.horadopovo.com.br/2011/fevereiro/2935-11-02-2011/P6/pag6b.htm\r
    \r
    \r
    \r
    "Um quarto dos lares dos EUA estão 'submersos'", denunciou o economista Joseph Stiglitz, referindo-se às casas cujo valor caiu tanto que hoje valem menos que a hipoteca. Segundo ele, são esperados 2 milhões de notificações judiciais aos mutuários este ano, em acréscimo aos 7 milhões que aconteceram desde o colapso de 2008.\r
    \r
    \r
    \r
    \r
  • Vagner  18/10/2012 13:58
    Muito bom. Havia pensado no ouro no meio do artigo. No final, ele é citado. HAHAHA. Muito bem explicado.
  • Emerson Luis, um Psicologo  28/07/2014 21:46

    Como as pessoas podiam acreditar que o valor de suas casas continuaria aumentando perpetuamente e que eles poderiam continuar rolando suas dívidas sem nunca pagá-las? É o poder do autoengano!

    * * *
  • Fernando  02/02/2016 19:11
    O ouro, no longo prazo, se resulta empecilho para o crescimento econômico. Isso porque o crescimento é exponencial, e a quantidade de ouro sempre será escassa, e um dia as reservas de ouro serão exauridas. Daí vem a conclusão: se preciso de ouro para as trocas comerciais e este ouro for insuficiente, então a produção ficará estagnada pois não haverá ouro nas mãos das pessoas para realizar as trocas comerciais. Vou trocar mercadoria pelo quê? Prata? e quando as reservas dela acabarem? Fim. Resolvi o mistério. Leandro e camaradas, desculpe. Falei.
  • Leandro  02/02/2016 19:40
    Avise à Alemanha do final de 1923 -- e, mais especificamente, a Hjalmar Schacht, presidente do Rentenbank à época -- dessa sua embasbacante descoberta. Aí eles descobrirão praticaram um genuíno milagre.

    Explico: quem foi que falou de "quantidade de ouro"? Quem falou em "reservas de ouro"? É perfeitamente possível criar um padrão-ouro sem ter nenhum ouro físico circulando na economia. E nem nos cofres do Banco Central. Foi isso o que fez a Alemanha no final de 1923, e foi assim que ela estancou -- literalmente do dia para a noite -- sua hiperinflação.

    O Rentenbank surgiu no final de 1923 com uma missão apenas: fazer com que o valor de sua nova moeda se mantivesse relativamente constante em termos de ouro (como, aliás, faz o BC de Cingapura, desde 1982, em relação a uma cesta de moedas). Havia um cidadão (Hjalmar Schacht) no comando do Rentenbank e ele fazia apenas três coisas durante o dia: fumava charutos, ficava ao telefone o dia inteiro se informando da cotação do ouro, e fazia as políticas monetárias correspondentes (vendia e comprava ativos, contraindo e expandindo a base monetária) para manter o valor do rentenmark estável em termos do ouro.

    Veja os detalhes aqui.

    A oferta monetária seguiu crescendo normalmente, só que a agora a moeda, em vez de ser algo sem nenhuma definição, passou a ser definida em termos de ouro. E sem que houvesse um único grama de ouro circulando na economia alemã e nem nos cofres do Rentenbank.
  • Rodrigo Pereira Herrmann  02/02/2016 21:56
    ...que é a melhor ideia pra se aplicar no Brasil, by far (o bacen, na sua configuração institucional atual, até poderia fazê-lo. se a ideia de independência formal prosperar, mais fácil ainda). isso encaminharia a solução pra metade dos nosso problemas (a outra metade, de natureza política, é mais complexa e demorada de se resolver).
  • Asiatico  02/02/2016 19:48
    Foi uma piada isso? Quantos artigos há aqui no site dizendo que esse seu "argumento" aí é uma falácia? No mínimo uns 20 falando sobre essa falácia da "quantidade de dinheiro na economia"...

    Achou que descobriu a pólvora ao dizer essa besteira...


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.