clube   |   doar   |   idiomas
O apriorismo de Mises contra o relativismo na ciência econômica


Ludwig von Mises e Karl Popper

Os seguidores da obra de Ludwig von Mises (1881-1973), um dos principais pensadores da Escola Austríaca de Economia, afirmam que a economia é uma ciência apriorística, "uma ciência cujas proposições apresentam uma rigorosa justificação lógica, algo que distingue os austríacos, ou mais precisamente os misesianos, de todas as outras atuais escolas econômicas".[1]

Com efeito, tal visão é totalmente oposta à moderna economia convencional de hoje, a qual foi vitimada pelo fascínio do positivismo: em uma tentativa de investigar a verdade de alguma hipótese no campo das ciências sociais, os positivistas declaram ser necessário mensurar as ações das pessoas, analisando continuamente seus testes empíricos (tomando como base afirmações do tipo "se... então"), algo que levaria ao progresso científico.[2]

Entretanto, a abordagem positivista-empiricista não cumpre, e nem poderia, as suas promessas.  Ela promove falsas doutrinas, uma vez que ela interpreta erroneamente o conceito lógico da ciência econômica.  O positivismo-empiricismo estimula, em termos intelectuais, um distanciamento da ordem de livre mercado, pavimentando o caminho para o coletivismo, o socialismo e até mesmo para o totalitarismo.

A doutrina positivista-empiricista estimula o relativismo social: ela renega qualquer verdade apriorística inerente à realidade social da ação humana, aderindo à visão de que "vale tudo".  Como tal, o relativismo social cai como uma luva para os inimigos de uma ordem social livre: via de regra, não há nada que poderia impedir recomendações da doutrina positivista-empiricista que defendam a violação dos direitos de propriedade dos indivíduos.

Em 1945, Friedrich August von Hayek (1899-1992) formulou as consequências de uma filosofia social que ignora princípios:

A aversão aos princípios gerais, e a preferência por procedimentos pontuais e graduais, é o produto do movimento que, com a ideia da "inevitabilidade da progressão gradual", nos distancia de uma ordem social baseada no reconhecimento de certos princípios e nos leva de volta a um sistema cuja ordem é criada por ordens diretas.[3]

Em praticamente todos os países do mundo, a atividade governamental - medida, por exemplo, em termos de gastos do estado como porcentagem da renda total e em termos do alcance das regulamentações autoritárias - tem se expandido em detrimento das liberdades individuais e da ordem de livre mercado, sempre em concordância com - ou mesmo publicamente defendida por - economistas seguidores da corrente tradicional.

É por isso que o trabalho de Mises sobre o fato de a economia ser uma ciência lógica precisa ser trazido de volta à atenção do público: sua obra realmente fornece o baluarte intelectual contra a deterioração da ordem social livre.  Portanto, no artigo que se segue, as fundações metodológicas da economia austríaca serão brevemente revisadas.[4]  Nosso ponto de partida será, e tem necessariamente de ser, o campo da epistemologia.

A Epistemologia como Ponto de Partida

A epistemologia é o ramo da filosofia voltado para a origem, a possibilidade, o escopo e base geral do conhecimento humano.  Uma das principais questões epistemológicas é: de onde vem o nosso conhecimento?

O racionalismo sustenta a visão de que nosso conhecimento é baseado na razão.  O conhecimento não vem da experiência (percepção sensorial).  Ele advém unicamente dos princípios que a mente humana possui e que são anteriores a ele.

O empiricismo afirma que todo o nosso conhecimento é baseado na experiência.  Suas raízes estão na ideia de que tudo o que podemos saber sobre o mundo vem daquilo que o mundo se limita a nos dizer, e nós devemos observá-lo com atenção e cuidado.

O racionalismo não afirmaria que não podemos adquirir nenhum conhecimento por meio da experiência.  Entretanto, sempre que alguém quiser ser científico, sempre que se quiser identificar regras e leis que possam ser aplicadas universalmente, um racionalista argumentaria que a experiência não tem a mesma validade do raciocínio dedutivo.

Dito isto, um indivíduo pode confirmar regras e leis por meio da experiência, porém ambas são adquiridas pela dedução lógica de leis superiores e universais, as quais já estão contidas na razão.  É aqui que temos de dar uma rápida olhada no grande filósofo Immanuel Kant (1724-1804) e em sua revolucionária obra A Crítica da Razão Pura.

As Proposições Sintéticas e Apriorísticas de Kant

Kant tentou resolver o problema epistemológico mostrando que o conhecimento que os seres humanos têm dos objetos, ou da realidade natural em geral, não depende dos objetivos em si.  Ele sustentava que os objetos empíricos dependem - meio que paradoxalmente - do nosso conhecimento sobre eles.

Kant afirmava que a constituição mental dos seres humanos iria ela própria gerar o conhecimento.  Tal conhecimento não advém da experiência e da observação da realidade.  Na verdade, ele é derivado de princípios universais, os quais as mentes dos seres humanos possuem antes de qualquer experiência.

Kant faz uma distinção entre o a priori e o a posteriori.  O primeiro se refere a um julgamento que expressa conhecimento adquirido antes de qualquer observação, ao passo que o último se refere ao conhecimento que é adquirido com base na experiência.

Além disto, Kant traçou uma distinção entre julgamentos sintéticos e julgamentos analíticos.  Um julgamento analítico é restrito à informação já contida na definição de um conceito, ao passo que um julgamento sintético significa que um julgamento sobre objetos fornece informação sobre a matéria que está sendo examinada.

Essa distinção permite as quatro combinações a seguir:

1. Julgamentos analíticos a posteriori não podem ocorrer, já que nunca há a necessidade de recorrer a experimentos para dar respaldo a uma afirmação puramente explicativa.

2. Julgamentos sintéticos a posteriori são as questões relativamente triviais e incontestáveis que passamos a conhecer em decorrência de nossa experiência sensorial.

3. Julgamentos analíticos a priori incluem todas as verdades lógicas e todas as questões que são definidas de modo direto e óbvio; elas são necessariamente verdade.

4. Julgamentos sintéticos a priori são o caso crucial, já que apenas eles poderiam fornecer uma nova informação que seja necessariamente verdadeira.

Julgamentos sintéticos a priori não repetem a informação que já está contida nas definições e tampouco fornecem novas informações, baseadas em experimentos, sobre o tema pesquisado.  Eles se referem a características que a mente humana possui anteriores ao experimento, e moldam o conhecimento que é derivado empiricamente, e que falam sobre a natureza do mundo, baseando-se na razão - trata-se da razão investigando-se a si própria.

A pergunta-chave, portanto, é: como podemos identificar a verdade de tais proposições sintéticas apriorísticas, uma vez que a lógica formal não é suficiente e que observações são desnecessárias?  De acordo com Kant, a verdade de proposições sintéticas apriorísticas pode ser definitivamente estabelecida por meio de axiomas autoevidentes.  Uma proposição é autoevidente quando não podemos negar sua verdade sem cairmos em uma autocontradição; uma tentativa de negar a verdade de uma proposição sintética apriorística seria igual a admitir sua verdade.

O Axioma da Ação Humana de Mises

O "axioma da ação" de Mises - a proposição de que os humanos agem - é uma real proposição sintética apriorística.  A proposição de que os humanos agem não pode ser refutada, uma vez que tal negação seria ela própria uma ação; a verdade dessa afirmação não pode ser revogada.

Todas as categorias com as quais a economia se preocupa - valor, fins, meios, escolhas, custos etc. - estão implícitas no axioma da ação de Mises.  Elas podem ser interpretadas apenas se assumirmos que os seres humanos agem.  Elas são verdadeiras a priori, podendo ser deduzidas logicamente do axioma da ação.

Para Mises, a ciência econômica segue a disciplina da lógica aplicada, e ele consequentemente utilizou o termo praxeologia - a ciência da lógica da ação humana - para caracterizar a teoria da lógica da ação humana.[5]

Mises concluiu sobre a ciência econômica,

Suas afirmativas e proposições não derivam da experiência.  São, como a lógica e a matemática, apriorísticas.  Não estão sujeitas a verificação ou falsificação com base na experiência e nos fatos.  São tanto lógica como temporalmente anteriores a qualquer compreensão de fatos históricos.  São um requisito necessário para qualquer percepção intelectual de eventos históricos.[6]

Hans-Hermann Hoppe expõe sucintamente essa grande constatação de Mises:

A grande constatação de Mises é que o raciocínio econômico está fundamentado apenas nesse entendimento sobre a ação; e que o status da economia como um tipo de lógica aplicada deriva do status do axioma da ação como sendo uma proposição sintética apriorística e verdadeira.[7]

Alguns Exemplos de Julgamentos Apriorísticos na Ciência Econômica

Vamos considerar algumas implicações que podem ser logicamente derivadas do axioma misesiano da ação humana.  Sabemos que os humanos agem; trata-se de uma proposição apriorista verdadeira, uma vez que não se pode logicamente pensar que os humanos não agem.[8]

A ação humana implica logicamente a existência de trocas, uma vez que agir significa estar trocando uma situação ou um estado de coisas por outra situação ou outro estado de coisas.

A ação humana ocorre no tempo.  A mente humana não pode pensar em qualquer coisa diferente.  Se o homem pudesse atingir agora, instantaneamente, seus fins desejados, não haveria qualquer motivo para ele agir - porém, como sabemos, agir é algo necessário em decorrência da natureza do homem; não se pode imaginar o homem não agindo.

O tempo é escasso, dado que o homem é mortal.  E como o homem precisa fazer uso do tempo para atingir seus fins, o tempo é um meio para se atingir um fim desejado.

Com o tempo sendo um meio escasso, surge a necessidade de se fazer uma escolha entre fins distintos: escassez significa que um determinado fim só pode ser atingido se abrirmos mão de outros fins.

Tendo de fazer escolhas, a ação humana é na verdade um comportamento propositado: ele tem o objetivo de atingir certos fins.

Quando ainda está decidindo quais fins perseguir, o agente tem de atribuir valores diferentes para cada fim que tem em mente, sendo que tal procedimento representa um processo de valoração.

O homem, ao agir, precisa ter uma ideia de como atingir seus fins desejados.  Se o homem pensa que não poderá atingir seus fins, então ele não poderá agir.  Porém, como vimos acima, isso seria uma impossibilidade lógica - mesmo porque, o simples fato de ele decidir não agir é, em si, uma ação.

Ademais, a causalidade - o elo entre causa e efeito - é uma categoria da ação humana.  Se não há nenhuma relação causal, o homem não pode agir - o que é impossível.

O futuro do homem é incerto.  Se o homem soubesse seu futuro, sua ação não poderia alterá-lo e, portanto, a ação humana comprova que o futuro é incerto para o agente.

Outra verdade relacionada ao axioma da ação humana de Mises é que apenas indivíduos agem.  Conceitos como "governo", "grupos" e "o coletivo" não possuem uma existência própria.  Eles não têm qualquer realidade; eles apenas se baseiam nas ações de indivíduos.

Hoppe fornece perspicazes exemplos das proposições econômicas apriorísticas de Mises:

A ação humana é a busca propositada de um agente por um fim que ele considera valioso, e para o qual ele se utiliza de meios escassos.  Ninguém pode propositadamente não agir.  Toda ação é voltada para melhorar o bem-estar subjetivo do agente em relação à situação em que ele se encontra atualmente.  Uma maior quantidade de um bem é preferível a uma menor quantidade daquele mesmo bem.  A satisfação precoce é preferível à satisfação tardia.  A produção deve preceder o consumo.  Aquilo que é consumido hoje não pode ser consumido novamente no futuro.  Se o preço de um bem for diminuído, haverá um maior consumo desse bem - ou, no mínimo, a quantidade consumida será a mesma.  Preços fixados abaixo dos preços de mercado irão gerar escassez.  Sem a propriedade privada dos fatores de produção, não há como se formar preços para esses fatores, e sem preços para esses fatores é impossível fazer qualquer contabilidade de custos.  Tributos são uma imposição sobre produtores e proprietários de riquezas, e reduzem a produção e a riqueza para níveis menores do que aqueles que seriam vigentes na ausência de tributos.  Conflitos interpessoais são possíveis apenas e na medida em que as coisas são escassas.  Absolutamente nada pode ser propriedade exclusiva de mais de uma pessoa ao mesmo tempo.  A democracia (o governo da maioria) é incompatível com a propriedade privada.  Nenhuma forma de tributação pode ser uniforme (igual), mas toda tributação envolve a criação de duas distintas e desiguais classes: pagadores de impostos versus recebedores de impostos.  Propriedade e títulos de propriedade são entidades distintas, e um aumento da última sem um correspondente aumento da primeira não eleva a riqueza social, mas leva a uma redistribuição da riqueza existente.[9]

O Dualismo Metodológico de Mises

Em seu livro Theory and History, Mises, logo no início, aborda a questão do dualismo metodológico: a constatação de que as ações dos seres humanos não podem ser analisadas de acordo com os métodos aplicados às ciências naturais, nas quais o positivismo-empiricismo tornou-se a abordagem dominante.

Murray Rothbard observou que os objetos das ciências naturais diferem radicalmente dos seres humanos, pois "é da essência dos seres humanos que eles tenham objetivos e propósitos, e que eles tentem atingir esses objetivos.  Pedras, átomos e planetas não têm objetivos e propósitos; logo, eles não têm de escolher entre distintos modos de ação."[10]

E mais,

átomos e pedras podem ser investigados, seus movimentos e caminhos representados num gráfico e previstos, ao menos em princípio, no mais exato detalhe quantitativo.  Já as pessoas, não podem; a cada dia, as pessoas aprendem, adotam novos valores e objetivos, e mudam suas mentes; as pessoas não podem ser segmentadas e previstas como podem os objetos sem mentes ou sem a capacidade de aprender e escolher.[11]

A abordagem metodológica feita pela economia tradicional - que segue aquela mesma aplicada no campo das ciências naturais - é o empiricismo.  Mises rejeitou essa abordagem devida à incompatibilidade da matéria estudada pelas duas disciplinas.[12]

As ciências naturais baseiam-se em experimentos de laboratório: o efeito das mudanças de um elemento individual sobre outros elementos podem ser observados em separado.  O pesquisador constroi uma hipótese e faz as necessárias observações para descobrir se tal hipótese é certa ou errada.

A abordagem empírica se resume a um procedimento interminável de tentativa e erro.  Tal abordagem rejeitaria a noção de uma verdade definitivamente estabelecida para as proposições, a qual hoje talvez seja melhor ilustrada pelo raciocínio (quase niilista) de Sir Karl Raimund Popper (1902-1994).

Popper sugeriu que uma hipótese não pode ser verificada de uma vez por todas, dado que nenhuma quantidade finita de observações poderia jamais demonstrar sua exatidão.  Uma teoria pode ser provisoriamente mantida até que ela seja finalmente falsificada; nesse sentido, o verdadeiro conhecimento é provisório.

Entretanto, essa abordagem é incompatível com a ciência econômica, pois "no que diz respeito à ação humana, nenhum experimento de laboratório pode ser realizado.  Nunca temos condição de observar a mudança em um elemento isolado, mantendo-se todos os demais inalterados."[13]

Primeiro, testes empíricos são baseados em dados históricos, os quais devem formar a base de toda a abordagem empírica das ciências sociais.  Esses dados são eventuais, pois eles sempre são o resultado de fenômenos complexos.

Segundo - e isso é categoricamente diferente das leis naturais - as pessoas podem aprender e de fato aprendem com a experiência, e tendem a mudar sua escala de valores e suas preferências.  Como resultado, não se pode assumir relações temporalmente invariáveis entre causa e efeito, como pode ser feito nas ciências naturais.

Se a economia é uma ciência apriorística logicamente dedutiva, como Mises expôs, qual então é o papel dos testes empíricos, um procedimento que atingiu uma importância central na atual ciência econômica?  Qualquer esforço de se testar empiricamente verdades logicamente deduzidas seria um exemplo de confusão intelectual.

Peguemos uma proposição sintética apriorística como o teorema de Pitágoras: a² + b² = c².  Será que um teste empírico desse teorema que foi deduzido logicamente iria trazer qualquer conhecimento adicional?  Não.  Qualquer esforço desse tipo seria em vão e sinalizaria um estado de desorientação intelectual.  O mesmo vale para os esforços voltados para se testar proposições econômicas que foram deduzidas logicamente.

Outro exemplo: a lei da utilidade marginal decrescente.  Ela afirma que se a oferta de um bem aumentar em uma unidade, a valor atribuído a essa unidade adicional necessariamente tem que ser menor - pois essa unidade adicional pode ser utilizada somente como um meio para se atingir um objetivo que é menos valioso do que o objetivo que já fora anteriormente atingido com uma unidade de tal bem, quando a oferta deste era menor.

[Por exemplo, imagine que você queira ter um carro.  Aí você ganha um Fusca.  Seu objetivo foi realizado.  Se você ganhar outro Fusca idêntico, o valor que você dará a ele será menor]

A Doutrina Empiricista-Positivista Leva ao Relativismo Social

Basear a economia na doutrina do empiricismo é, com efeito, uma realização errônea que leva a resultados falaciosos, uma vez que o empiricismo sofre de sérias deficiências lógicas.  O empiricismo afirma que nada pode ser conhecido antes de um teste empírico.  Porém, como podemos chegar a tal conclusão?

Não posso ser privado de fazer observações da realidade - alegadamente, a única fonte de conhecimento do empiricismo.  Se assumirmos que a premissa do empiricismo é categoricamente verdadeira - ou seja, que podemos dizer algo que a priori é uma verdade sobre como certos eventos estão relacionados -, então estaremos desmentindo a própria tese do empiricismo, qual seja, a de que todo conhecimento é hipotético por natureza.  O empiricismo não pode fornecer um conhecimento apriorista, como ele (implicitamente) declara fazer.

Mais ainda: o empiricismo alega ser capaz de observar e mensurar a ação humana.  Entretanto, esses conceitos não podem ser derivados da observação em si, como o empiricismo alega.  Com efeito, eles requerem uma compreensão do que significa observar e mensurar as pessoas.  De novo, o empiricismo tem de admitir que recorre ao conhecimento que se baseia na compreensão e não na observação.

Na realidade, o empiricismo carrega consigo uma semente destrutiva: ao rejeitar a possibilidade de qualquer verdade apriorística, o empiricismo estimula a prática de todos os tipos de hipóteses, não importa quão equivocadas elas possam ser.  Para o positivista, não há motivos para rejeitar qualquer hipótese desde sua formulação; ele segue o lema do "vale tudo", e ele quer deixar que apenas a experimentação decida a questão.  Nesse sentido, a doutrina empiricista-positivista leva ao nocivo relativismo social.

Embora a abordagem empiricista possa ser relativamente inofensiva no campo das ciências naturais, suas consequências nas ciências sociais são uma questão completamente distinta.  Por exemplo, se uma hipótese previr efeitos que são amplamente tido como desejáveis, os defensores do empiricismo no campo da economia terão uma justificativa para tentar implementá-la e ver o que acontece.

Se, entretanto, o resultado não for aquele previsto pela hipótese, o empiricismo não permite que se rejeite a hipótese como estando errada.  Com efeito, o empiricismo imuniza a hipótese ao dizer que o experimento que acaba de ser falsificado foi acidental, sugerindo que experimentos ulteriores provariam a verdade da hipótese.  Ou, alternativamente, o positivista iria afirmar que o fracasso da hipótese se deveu a fatores não controlados (omitidos), com isso agregando apoio para que o experimento social continue, ao invés de ser interrompido.

É esperado que os defensores da doutrina empiricista-positivista venham majoritariamente do campo dos engenheiros sociais: o grupo de pessoas - isto é, o governo e todos os seus defensores intelectuais - que quer aumentar seu poder sobre os outros membros da sociedade.

A Engenharia Social da Oferta Monetária - Um Exemplo Característico

Peguemos, por exemplo, a verdade apriorística de que qualquer aumento na oferta monetária reduz o valor de troca do dinheiro, como explicado pelo axioma da ação, e que uma política do governo voltada para a estabilização do valor do dinheiro é uma tarefa impossível e com consequências desastrosas.

Em primeiro lugar, o dinheiro é um bem e, como qualquer outro bem, está sujeito à lei da utilidade marginal decrescente.  Isso significa que a utilidade marginal de uma unidade de dinheiro nas mãos de um agente de mercado diminui se e quando a quantidade de dinheiro em suas mãos aumenta (tudo o mais constante).[14]

Como resultado, sob um regime monetário que permita que a oferta monetária aumente ao longo do tempo - seja o dinheiro controlado pelo governo ou gerado pelo livre mercado -, o valor de troca do dinheiro não tem como permanecer estável.

Os seres humanos agem.  Ação implica mudanças nas preferências das pessoas e na maneira como elas valoram bens e serviços.  O dinheiro não é uma exceção a essa regra.  Com efeito, mesmo que o estoque de dinheiro permaneça inalterado, é de se esperar que seu valor em relação a outros bens e serviços se altere ao longo do tempo, devido ao inegável fato de que os humanos agem.

Mises, trabalhando em cima da obra de Carl Menger (1840-1921), demonstrou de maneira lógica, com o seu teorema da regressão, que o dinheiro pode se originar somente das trocas ocorridas no livre mercado, e que o dinheiro tem em si um componente histórico.  Por conseguinte, a origem do dinheiro pode ser rastreada e encontrada na ação humana.  O dinheiro não pode ser estabelecido pela ação coerciva do governo.[15]

Esse vislumbre de Mises traz consequências importantes para a ordem monetária.

Mises estava ciente de que tudo o que é necessário para o cálculo econômico - para o qual o dinheiro é uma ferramenta indispensável - é evitar grandes e abruptas flutuações na oferta monetária.  Ele forneceu a fundação lógica que explica por que o mercado pode fornecer tal meio de troca, sem qualquer necessidade de intervencionismo governamental.

A doutrina positivista-empiricista, entretanto, apóia a ideia de substituir o dinheiro de livre mercado pelo monopólio governamental da oferta monetária.  Essa doutrina tornou popular a ilusória noção de que dinheiro estável seria um requisito desejável e indispensável para o cálculo econômico, e que somente o governo, e não o livre mercado, poderia fornecer tal dinheiro.

Entretanto, dinheiro estável é, sem qualquer dúvida lógica, incompatível com o axioma da ação humana:

A ideia de tornar estável o poder de compra não teve sua origem na tentativa de tornar o cálculo econômico mais preciso.  Ela decorreu do desejo de criar algo que ficasse imune ao incessante fluir da atividade humana, um campo que não pudesse ser afetado pelo processo histórico.[16]

Como indicado pelo axioma da ação humana, não há como existir dinheiro estável.  O controle governamental sobre o estoque monetário não apenas fracassa em cumprir sua promessa; ele também se torna a própria fonte das crises econômicas, pavimentando o caminho rumo a doses cada vez maiores de interferência governamental sobre a ordem de livre mercado - como descrito pela Teoria Austríaca dos Ciclos Econômicos.

Se o dinheiro tem necessariamente de surgir de uma commodity, o controle governamental sobre a oferta monetária não pode ser logicamente estabelecido sem violar direitos de propriedade.  Ademais, tal medida sempre se daria em detrimento da eficiência econômica:

Os planos de um governo com vistas a determinar a quantidade de dinheiro não podem jamais ser imparciais nem equitativos em relação a todos os membros da sociedade. Quaisquer que sejam as medidas que um governo adote com a intenção de influir no nível do poder aquisitivo, elas dependerão sempre dos julgamentos de valor dos governantes. Favorecem sempre os interesses de alguns grupos de pessoas em detrimento de outros grupos; jamais atendem o que é chamado de bem comum ou de bem-estar público. As políticas monetárias não podem estar baseadas em considerações de natureza científica.[17]

Mises estava bem ciente das consequências das crises e desigualdades econômicas criadas pelo governo (ambas resultado direto de teorias que ignoram o apriorismo nas ciências econômicas): as pessoas tornar-se-iam desiludidas com o capitalismo.  Elas passariam a ver o intervencionismo governamental - enormemente auxiliado pelo sentimento anti-livre mercado, que seria dominante - como a solução para as crises, e não como a própria causa delas, estimulando doses cada vez maiores de controle estatal sobre o indivíduo.

A Necessidade de Retornarmos ao Apriorismo de Mises

A doutrina positivista-empiricista, a qual forma hoje o núcleo da ciência econômica tradicional, não é apenas um fracasso intelectual; ela também estimula - na verdade, gera - o relativismo social, abrindo as portas para políticas anti-livre mercado, as quais, uma vez implementadas, dificilmente serão contidas, muito menos revertidas.  Nesse sentido, o positivismo, se colocado em prática, é uma doutrina anticapitalista.

Um retorno ao grande vislumbre intelectual de Mises - a saber, que a ciência econômica possui uma rigorosa fundação lógica, como exemplificada por sua praxeologia - é urgentemente necessário para que possamos impedir danos adicionais ao ideal da sociedade livre.

____________________________________________________

Notas

[1] Hoppe, H.-H. (2007), A Ciência Econômica e o Método Austríaco.

[2] O termo economia positiva pode ser atribuído a Friedman, M (1953), Essays in Positive Economics, University of Chicago Press, Chicago, em que ele de fato determina o processo epistemológico adotado pela economia tradicional de hoje.

[3] Hayek, F. A. v. (1980), "Individualism: True and False," Individualism and Economic Order, University of Chicago, p. 1.

[4] Ver, por exemplo, Hoppe, H.-H. (2006), "A praxeologia e os fundamentos praxeológicos da epistemologia".  Também Leeson, P., e P. Boettke (2006), "Was Mises Right?" Review of Social Economy, Taylor and Francis Journals, Vol. 64, June, pp. 247-265.

[5] Ver nesse contexto Rothbard, M. N. (1997),"Praxeology: The Methodology of Austrian Economics," The Logic of Action One: Method, Money, and the Austrian School, by Murray N. Rothbard, Cheltenham, UK: Edward Elgar, pp. 58-77.

[6] Mises, L. v. (1996), Ação Humana, 4th edition, Fox & Wilkes, San Francisco, p. 32.

[7] Hoppe, H.-H. (2007), p. 25.

[8] Para uma explicacação, ver Rothbard, M. N. (2004), Man, Economy, and State, with Power and Market, Ludwig von Mises Institute, Capítulo 1.

[9] Hoppe, H.-H. (2001), Democracy: The God That Failed, New Brunswick, N. J., Transaction Publishers, pp. xvii.

[10] Murray N. Rothbard, prefácio para Mises, L. v. (2007), Theory and History, Ludwig von Mises Institute, Auburn, p. xiii.

[11] Ibid.

[12] Ver Mises, L. v. (1978), The Ultimate Foundation of Economic Science, Sheed, Andrews & McMeel, Kansas City, pp. 6-7.

[13] Mises, L. v. (1996), p. 31.

[14]  Frequentemente se diz que o valor de troca do dinheiro permaneceria inalterado se o aumento na oferta monetária se der em conjunto com uma inalterada demanda por dinheiro (isto é, o agente manteria em seus encaixes a mesma quantidade de moeda de antes).  Embora tal conclusão seja indiscutível, ela não se baseia em uma análise parcial.  Afinal, o analista estaria variando um fator ao mesmo tempo em que mantém constante todos os outros fatores.  Ao fazer isso, pode-se dizer que um aumento na oferta monetária tem necessariamente de, ceteris paribus, levar a um declínio no valor de troca do dinheiro.

[15] Rothbard demonstrou que um monopólio governamental sobre a oferta monetária pode ser estabelecido apenas por meio de um ato de expropriação.  Ver Rothbard, M. N. (1990), What Has Government Done to Our Money?, Ludwig von Mises Institute, Auburn, Alabama, capítulo III, "Government Meddling with Money."

[16] Mises, L. v. (1996), p. 224.

[17] Ibid, p. 422.

0 votos

autor

Thorsten Polleit
é economista-chefe da empresa Degussa, especializada em metais preciosos, e co-fundador da firma de investimentos Polleit & Riechert Investment Management LLP.  Ele é professor honorário da Frankfurt School of Finance & Management.


  • Helio  26/03/2010 11:18
    Fantástico artigo que bem esclarece a diferença de metodologia entre a Escola Austríaca e as outras, em particular, a Escola de Chicago. Espero a segunda parte!
  • Filipe Celeti  26/03/2010 14:53
    Muito bom! Tem umas passagens fantásticas!
  • ALL  26/03/2010 15:46
    Desculpe, mas desta vez, não. O autor me causou uma confusão extraordinária. Permita-me alongar. Pontuo:
    1) O primeiro parágrafo já contempla a relatividade: a opção do valor cabe ao agente, não ao grupo.
    2)O axioma da maior quantidade de um bem ser preferível é a base da ideolodia utilitarista, platônica par excellence, portanto, avessa ao relativismo.
    4) A doutrina positivista sequer tinha idéia de relativismo. Ela baseava suas assertivas na concepção mecanicista pura e simples, na noção de força, tanto ou mais do que as formulações dialéticas de Hegel, Darwin e Marx. Eis a razão de amarrar suas velas no mastro da maioria, da maior quantidade, para estabelecer o rumo a seguir.
    3)A necessidade do consumo inclina à solução, e não o inverso.

    Quanto à epistemologia apreciada:
    1) A razão do estudo epistemológico não é de onde vem a ciência, mas em que bases, qual o método que foi utilizado na construção geral, ou em algum pavimento.
    2)O racionalismo provém de metafísica, posto calcado em matemática. O próprio termo lhe trai: ele deriva de ratio, que significa ratear, dividir, operar.
    3)Não preciso apontar que empirismo algum pode pautar a ciência, exceto como precário andaime, ou então, como tentativa de prova da hipótese ainda não testada - neste caso posterior a ciencia desenvolvida.
    4)Raciocínio dedutivo foi o que levou Platão a criar o Demiúrgo.

    Sobre Kant
    1)Kant visava atingir o racionalismo cartesiano crescente, espelhado pela estupidez de Napoleão. O argumento tinha coerência. Não há como apurar nenhuma razão. O amor, per se, é irracional. Pronto.
    2) Julgamentos são modalidades platônicas de tentar compreender a realidade. Eis onde se perdeu o ermitão de Königsberg. Dialéticos par excelence, os julgamentos olvidam enorme quantidade de vetores não-localizados, responsáveis pela constituição de qualquer ação. Dessarte, qualquer julgamento sempre será equivocado, e seu veredito, fora da realidade. Popper me dá guarida. Aliás, sempre.
    ________
    MISES
    1)O axioma de que o ser humano age é pleonasmo. Tudo age.
    2)Nem a lógica, muito menos a matemática são apriorísticas. A incerteza da trajetória do eletron ao ser observado desmonta este preconceito genuinamente platônico.
    3) As considerações de Hoppe são procedentes, e redimem.
    4)Não é o tempo que é escasso, e sim nossa trajetória. O tempo não passa. O mar não passa. Nós e os navios é que passamos por eles.
    5)Mises certamente desconhecia a Teoria da Relatividade e a Quântica. Elas vieram desenvolvidas e comprovadas na década de 20, quando ele até por taxar a Física impertinente não tomou conhecimento. Por isso refutava a concepção naturalóide emprestada às demais ciências, aliás, do mesmo modo que Locke e Smith rejeitaram as concepções cartesianas. Cogito que sequer Hayek tenha se debruçado por essas pequenas peculiaridades que regem o Universo. acertaram por intuição, tanto quanto os predecessores citados.
    6) É uma grave precipitação do meu querido Rothbard supor que as coisas não pensem. Deste modo se supos também que escravo não era gente, e também que poderíamos abater todas as árvores da face da Terra que ela, por não pensar, nem ia se dar conta.
    Também é presunção supor que átomos possam ser balizados. Como disse, o eletron ao ser observado troca de órbita sem deixar nenhum rastro. Quanto as pessoas, óbvio, mas justamente porque são compostas dos mesmos átomos, e interagem com as circunstâncias, tanto quanto seus elementos primordiais, originariamente mais simples. A complexidade do ser humano e da consciência se deve à junção dos elementos em fractais, compondo seu DNA.
    7) Um axioma autoevidente foi a presunção de que o Sol circundava a Terra. Não há cientificidade em axiomas. Eles podem ser utilizados, sim, mas apenas como andaime,o qual muitas vezes podem levar a construção da Babel, como vimos. Todo axioma não passa de heurística.
    8) A Economia não deve ser exclusivamente dedutiva ou indutiva, como nenhuma outra. Ela é interativa; portanto, só tem sucesso observando a ética, que nada mais é do que um conjunto de informações atômicas que pautam a trajetória de qualquer partícula no espaço. Em outras palavras - quando o corpo quer passar previamente indica ao espaço, que por sua vez baliza o corpo por onde ele tem que passar.
    5) Pitágoras infelizmente foi o vírus que acendeu o carma do ocidente.
    Bom, fico por aqui. Desculpe, mais uma vez, mormente se flagrada alguma heresia. Neste caso permita-me a réplica.


  • Felipe  04/05/2015 23:22
    "1)O axioma de que o ser humano age é pleonasmo. Tudo age."

    Nem aqui nem na china isso é pleonasmo.
    Ser humano e ação são dois conceitos distintos, sendo possível imaginar um ser humano que não age.

    Agora é evidente que o ser humano age e por isso que se diz que é um axioma auto-evidente.


    "2)Nem a lógica, muito menos a matemática são apriorísticas."

    Errado, falar que entre dois pontos uma reta é a sua menor distância não é um juízo determinado apriori? Preciso realmente observar para saber isso?

    Até a física tem proposições apriori, como dois corpos não podem ocupar o mesmo espaço.

    "4)Não é o tempo que é escasso, e sim nossa trajetória. O tempo não passa."

    Você não entendeu o conceito de tempo no texto.


    "7) Um axioma autoevidente foi a presunção de que o Sol circundava a Terra"

    Não, isso nunca foi um axioma auto-evidente, foi um dogma.

    Axioma são determinados apriori, e é impossível determinar algo apriori sobre o movimento do sol, já que para isso requer observação.

    Acho que já basta, a única conclusão é que você é um imbecil.
  • Primo  12/06/2016 18:17
    Felipe, você escreve certo por linhas tortas, assim como o autor do texto. O texto tenta nos convencer que o uso do relativismo na ciência econômica é um erro. Entretanto a ciência apriorística é relativista em sua essência.

    Você diz: "entre dois pontos uma reta é a sua menor distância ". É contra producente discordar da afirmação, entretanto qualquer correlação além de sua frase abstrata é sem correlação axiomática. No mundo real não existe pontos e retas abstratos.
    Transpondo sua afirmação para o mundo real, podemos dizer que entre a prefeitura de São Paulo e a prefeitura do Rio de Janeiro a menor distancia é percorrida em uma certa latitude J. Como sabemos axiomaticamente, para a mesma velocidade, na menor distância será percorrida com um menor tempo, fatalmente pode-se concluir que andar pela latitude J fará você ir de São Paulo ao Rio de Janeiro mais rapidamente. Caso você não faça uma observação, nunca verá que andar rigorosamente pela latitude J em uma mesma velocidade é impossível. Dessa forma, apêndices sobre o axioma original serão adicionados derrubando as verdades irrefutáveis.
    Quando surge a física quântica mais complexo ainda torna-se a transposição do abstrato para o real. Se pensarmos no elétron que percorre instantaneamente do ponto A ou B, o axioma de que a reta é a menor distancia torna-se um dogma, pois ao invés do elétron percorrer uma reta ele pode estar percorrendo universos paralelos curvos ao ir A ao B pela menor distancia. Hoje você conhece pontos e retas, amanhã verá que existem linhas tracejadas.
  • Hernanes  18/12/2010 11:42
    Bastante elucidativo.
  • Cesar Ramos  18/12/2010 22:32
    Há um erro crasso de avaliação à cerca do positivismo. A cîencia positivista, calcada no mecanicismo cartesiano, não admite outra hipótese que não seja a científicamente já comprovada. Ela é domágtica, impositiva, mandamental. Por tudo, é o oposto do relativismo que Mises enxerga proporcionar. Antes fosse, mesmo proporcionar o relativismo em todas as esferas, porque é o elo fundamental de tudo que conhecemos no Universo. Mas o relativismo tem que ser levado em conta não pelo aspecto numeral, justamente o que depõe contra a plêiade de Platão a Newton. O relativismo é uma questão filosófica, muito antes de tudo. A Teoria da Relatividade não foi alcançada por nenhum cálculo - apenas por raciocínio. Ela levaria o nome de Princípio da Covariança, originalmente, mas para ser melhor entendida pela massa, adotou-se o nome de Relatividade. O que rege todos os movimentos é a ética, e não a dialética. A Ciência da Relatividade e a Ciência Quântica eram completamente desconhecidas naqueles anos em que a Aústria se engalanava para receber a Sociedade Internacional do Positivismo Lógico, uma plêiade sem a menor noção de nada, sequer do átomo, o elemento básico que tudo compõe - inclusive, nosso próprio corpo humano.
    Mas este aspecto não turva o brilhante trabalho do fenomenal economista Ludwig von Mises, formador de uma escola respeitável já por quase século, infelizmente conhecida entre nosotros apenas há poucas décadas.
    Quanto as diferenças entre uma ou outra escola, igualmente parece de somenos importância. Todas pode ser complementares, e aí reside a inteligência da ciência.
  • Miguel A. E. Corgosinho  19/12/2010 00:27
    Mises disse entre aspas:

    "Quando ainda está decidindo quais fins perseguir, o agente tem de atribuir valores diferentes para cada fim que tem em mente, sendo que tal procedimento representa um processo de valoração.

    Conclui-se que o elo entre causa e efeito não está decidido.

    "O futuro do homem é incerto. Se o homem soubesse seu futuro, sua ação não poderia alterá-lo e, portanto, a ação humana comprova que o futuro é incerto para o agente."

    Por indicativos de tempos dos investimentos que equivalem a tarifar a igualdade da produção, mais juros, nunca chegaremos ao chamado processo de valoração da mais valia relativa - quer seja tomada como sistema da propriedade privada, quer seja como uma busca da potência monetária, porque precisamos usar um meio valorativo de espaço causal como razão de referência para o futuro.

    "Ademais, a causalidade - o elo entre causa e efeito - é uma categoria da ação humana. Se não há nenhuma relação causal, o homem não pode agir - o que é impossível"

    Resta ao capitalismo uma única solução: preceder o tempo socialmente necessário a econométria em relação a qualidade dos fatores que se pode agir para a produção; os quais estão excluídos dela e permitiriam medir as riquezas correspondentes à base de um bem da natureza exterior; pois o tempo serve para pensar uma expressão constante de valor matemático, a priori, da realidade bruta, que evite a aparição especulativa dos fenômenos de preços da moeda - se não há uma relação causal.

    O desenvolvimento da base monetária em ambiente da informática, através de um supremo conhecimento da natureza exterior, todavia, deve concentrar a síntese simultânea da propriedade privada como valor em passividade, segundo a qual dirigimos um sistema em si de atividades da origem, pois esta origem se transforma em finitude da objetividade universal - em fase de que um novo Mundo Real que fixa as partes da esfera da Lei da história como uma qualidade absoluta da realidade exterior. - Logo, a moeda física (política) passa a ser estrutural (tecnológica), e a nação, hoje em caos, passa a ser real mediante o conceito de determinação recíproca. Ora, em confinamento nacional, o real é em si para si. Portanto, sujeito e objeto serão partes da razão do mesmo espaço tempo fundamental - e se uma parte exclui a outra precisamos ter uma medida mundial de realidade bruta.

    Então, seremos solicitados a refletir a simultaneidade da passividade das atividades (A=A/X, em razão de um dia), para erigir a razão de referência de valor da totalidade do tempo, e com isso sermos juizes da globalização.

    Portanto, a moeda sem conversibilidade, que no presente eleva a distribuição produtiva a situação de negação da realidade, no tempo real se põe em formula de conceitos de divisibilidade da realidade, em relação ao meio exterior - o que exigiu empenho em mostrar que é preciso substituir os termos da emissão de moeda (títulos públicos) por uma existência eficiente da palavra "valor".

    Essa reflexão exterior numa analise demonstrativa dos fatores, de uma maneira geral, só será revela a partir de cada estado espacial que aceitar formalizar o seguinte: a sua marcha inversa no mundo está satisfatoriamente determinada como tempo de espaço da atuação da propriedade privada.

    A marcha inversa balizaria o todo refletindo a própria imagem transobjetiva e de interrupção do PIB trazido na medida do exterior. Em face disso, o espaço tempo é o modo de preordenar a unidade e a universalidade de dois sistemas de localização, para livrar-se do veredito da dúvida que refutava a si mesmo na posição não idealista e de abstração naquele mundo imaginário que está oposto.

    Qual é a formulação cientifica disso? Mostrar aos economistas a necessidade de chegar a razaão da estrutura genuína da totalidade e descobrir nela a passagem para o desenvolvimento concreto da construção de um modelo de ativo da sociedade, pelo qual olharemos de frente as diferentes distinções que se relacionam a valoração da realidade; e possuiremos a vantagem inicial (em sigilo) para teorizar o conjunto de demandas da propriedade privada e da Sociedade Industrial.

    ______________________________________________________________________________

    Hegel, logique, tomo I pág. 24 : "A totalidade preexiste, pois, aos momentos do devir e os funda; a contradição não é senão a pequena moeda da totalidade".
    Essa concepção hegeliana da totalidade implica, pois:

    1. A existência de um mundo e de uma história acabados.
    2. O conhecimento desse acabamento sem o que a circularidade necessária ao saber absoluto não é realizada.

    Sob esta dupla condição, a realidade pode ser perfeitamente transparente à razão
    porque no fundo, é idêntica à razão.
  • Getulio Malveira  19/12/2010 18:41
    Muito bom artigo. Excelente, na verdade. É uma pena que nosso tempo tão povoado de sábios (de wikipédia), parece pouco inclinado a compreender a genialidade de Mises nesse ponto. Para isso seria preciso ao menos compreender o debate entre os positivistas do Circulo de Viena e Karl Popper. Para somente depois compreender como essa tese de Mises é ainda mais radical e originária que a proposta de Popper.

    A idéia de uma ciência apriorística da ação humana é verdadeiramente uma "sacada" genial de Mises. Ao estabelecer a economia na base do raciocínio lógico-dedutivo, Mises retoma a boa linha da epistemologia aristotélica e escolástica.
  • Cesar Ramos  20/12/2010 15:28
    A linha aristotélica e escolástica não merece confiança. Ambas afundaram irremediavelmente nas comprovações de Galileu. O que de melhor poderia ser aproveitado desses conceitos medievais? Sequer o tratamento da ética a qual, embora como louvável meta, solapou os princípios mais elementares da própria ética. Aristóteles a colocou no meio, e a escolástica, fiel a seu norte, no além. Raciocínios lógico-dedutivos são por demais arriscados, não poucas vezes equivocados. Homens não são suscetíveis de programação, embora pretendam e até logrem êxito dedicados às ciências humanas e exercício político.
  • Getulio Malveira  20/12/2010 19:50
    Meu amigo, ao menos voce já leu alguma coisa de Aristóteles? Já leu a Metafísica, o Órganon, a Física ou simplesmente a Ética a Nicômaco? Por acaso, voce já se deu ao trabalho de ler os escritos de Galileu? Poderia me dizer qual a tese de Aristóteles foi refutada por Galileu? Já leu os Principia de Newton? Conhece alguma coisa sobre o problema do lançamento de um "projetil" que se desdobrou durante toda a idade média para tornar possível a elaboração da teoria dos corpos graves de Galileu e da da gravitação de Newton?

    Faço-te tantas perguntas porque o que afirmas é meramente o que se pode encontrar rasteiramente (e erroneamente) em livros de história do Ensino Médio. Demonstras um conhecimento extremamente superficial sobre o que afirmas. É isso o que acontece quando as pessoas abandonam a lógica e adotam os preconceitos ensinados aqui e alhures, por marxistas tresloucados.

    Por fim, meu amigo. Se voce deseja se passar por grande erudito em Filosofia, ao menos se dê ao trabalho de ler um tratado filosófico antes.

    Não me leve a mal se pareço um pouco ríspido, mas é meu dever como professor de filosofia ser a "má-consciência" do relativismo e do ecletismo do nosso tempo. Além de ser um ato de caridade cristã.

    torço para que estudes e percebas por si mesmo o absurdo de suas afirmações.

    Abraços
  • goncalves  20/12/2010 09:47
    Meus caros responsáveis pelo Mises.org,\r
    \r
    Admiro-lhes a tolerância com que recebem comentários enviados ao site. É uma atitude verdadeiramente liberal. Gostaria de os alertar, no entanto, para o limite sutil que separa a liberdade da licenciosidade. Quando alguém parece querer fazer galhofa do site, não vejo motivos para que o acolham. Acho que ninguém aqui se sente confortável ao dividir espaço com quem tenta, simplesmente, desqualificar o debate.\r
    Perdoem-me o desabafo, mas só o faço porque realmente valorizo o trabalho de todos vocês.\r
    \r
    abraços,\r
    \r
    Gonçalves
  • Maurício  20/12/2010 14:25
    Caro Gonçalves,\r
    \r
    Acredito que o IMB está correto quanto aos critérios de liberação dos comentários.\r
    \r
    Cabe a nós tirarmos o oxigênio de pessoas que vêm aqui fazer tumulto deixando-os pregarem no deserto.\r
    \r
    abraços,
  • goncalves  20/12/2010 17:19
    Caro Maurício,\r
    \r
    Na verdade, eu nem conheço esses critérios. Se o critério for, simplesmente, deixar que tudo seja publicado, bem, aí já é falta de critério, termo que, segundo o Houaiss, significa justamente a "faculdade de discernir e de identificar a verdade; prudência intelectual". Na qualidade de entidade privada, que há de zelar por sua própria reputação, não vejo razão para o IMB deixar de selecionar os comentários, pondo de lado os que, a despeito de concordarem ou divergirem dos artigos publicados, tenham um propósito nitidamente zombeteiro ou, ainda pior, sejam a expressão impressa de alguma patologia mental.\r
    Espero que tenha compreendido meu ponto de vista. Não simpatizo com a figura do bedel, mas não devemos nos esquecer de que certas formas de vida sobrevivem a quase nenhum oxigênio, para usar suas palavras...\r
    Um abraço e, mais uma vez, parabéns a equipe IMB!\r
    \r
    Gonçalves
  • mcmoraes  20/12/2010 18:22
    O Leandro já fez um comentário sobre os critérios de moderação, em mises.org.br/Article.aspx?id=788&comments=true#ac4816.
  • Getulio Malveira  20/12/2010 19:36
    Tenha meu apoio e solidariedade, Gonçalves. Como instituição privada, o IMB tem a prerrogativa de estabelecer suas regras. Só nos resta ter que conviver com certas anomalias como se fosse este um mero site de relacionamento. De minha parte, abdicaria alegremente da possibilidade de fazer comentários, apenas para não ter que ler certas coisas que aqui são escritas.

    abraço
  • Miguel A. E. Corgosinho  20/12/2010 10:30
    Malveira, li seu comentario, e tomo agora a liberdade de acrescentar uma sabedoria chineza para a "...boa linha da epistemologia aristotélica e escolástica".

    Toda mudança atual na economia mundial (não vem da Wikepédia), tem origem na nova ordem econômica que a China está impondo ao mundo, e creio que isso ainda vai dar muito "pano pra manga".
  • Vitor  20/12/2010 11:23
    Miguel, seu texto deixaria Hegel de fato orgulhoso, tamanha impenetrabilidadee abstração determinista.
  • Cesar Ramos  20/12/2010 14:38
    Isso nada tem de Hegel,pelo contrário. O que Miguel disse curto e grosso é que a escola greco-romana está irremediavelmente obsoleta.
  • Getulio Malveira  20/12/2010 19:57
    Dizer que os gregos estão obsoletos... provavelmente isso se deve porque a "Razão" estão obsoleta. Não é a toa que o Estado tem tanta facilidade para manter o vulgo ignaro na servidão. É muito mais fácil controlar um bando de loucos do que homens sensatos.

    Meu filho, leia um livro ou qualquer coisa séria. O mundo não nasceu do dia do teu nascimento, nem a Terra gira ao redor do teu umbigo. Vá ler um pouco antes de fazer essas afirmações absurdas.
  • Cesar Ramos  20/12/2010 14:51
    A questão do tempo formulada por Mises obedece os mais tradicionais parâmetros - o tempo medido more linear, pelo qual dar-se-á a ópera bufa da humanidade. Ópera bufa, mesmo! Essa idéia de tempo retilineo é apenas meia verdade. É certo que temos lá um século cada um para realizar alguns intentos, mas o tempo não passa. Somos nós que passamos pelo tempo. O tempo transcorre em todas as direções, ao mesmo tempo. É o EspaçoTempo. E a Física esta semana mesmo demonstrou que um fóton pode estar em dois lugares, ao mesmo tempo, modo passado/futuro. O tempo é uma medida que varia de acordo com o interesse, a capacidade, de cada agente. A reação à relatividade que pude perceber se atém à equação restrita, na qual à maioria corresponde a razão. Isso não é relatividade, mas dialética. A relatividade não é matemática. Não suporta números, porque variável de acordo com a intensidade dos vetores alocados no instante. Impossível calculá-los.
  • RH  20/12/2010 15:57
    Complementando o desabafo do Sr. Gonçalves sobre os "herméticos" que visitam o IMB... Parece que chegou mais um, que diz entender perfeitamente o que o outro escreve. Notável comunhão intelectual!!\r
    \r
    P/S: a "ópera bufa" caiu bem a propósito.\r
    \r
    Um pouco "off-topic":\r
    \r
    Isso me lembra uma ata de reunião do condomínio onde moro, recebida ontem. Nela consta um palavrório pseudo-jurídico de quase 2 laudas sobre um processo movido por um morador contra o condomínio, referente a uma obra nas áreas comuns que foi embargada. Confesso que li a ata umas três vezes, e ainda não consegui sequer entender se a obra vai ser concluída ou não, quem vai pagar os custos judiciais, enfim - nada!!!\r
    \r
    Este tipo de discurso confuso e vazio reflete fielmente a estratégia dos estatólatras e seus asseclas e intelectuais a serviço: criar dificuldades para vender supostas facilidades; criar códigos incompreensíveis para depois oferecerem seus préstimos como decifradores dos falsos enigmas e das mistificações por eles maquinadas.\r
    \r
    Quem dera pudéssemos ter um Mises como conselheiro do ministro de economia - como ocorreu durante um breve período na Áustria...\r
    \r
  • Cesar Ramos  20/12/2010 17:09
    Dor de cotovelo exige repouso. Nunca vi nenhum estatolatra por aqui. E para conselheiro do Ministro da Economia, quem sabe não podemos contar com Leandro!
  • RH  20/12/2010 19:19
    Dor de quê????? Não sei do que o Sr. está falando. Estava apenas admirando a sua capacidade de compreender o incompreensível.

    Quanto à estatolatria, não estava me referindo ao Sr., mas se a carapuça lhe serviu, fique à vontade para vesti-la. Estava me referindo a declarações do tipo "Viva o estado. Longa vida a autoridade" proferido por um certo Sr. num comentário sobre outro artigo deste site.

    E, apesar de não ter sugerido o Sr. Leandro como conselheiro, talvez ele seria muito mais bem-sucedido do que os atuais keynesianos e socialistas delirantes que compõem a atual equipe econômica.

  • Vinci  20/10/2011 12:03
    Sugiro que o Autor desse texto utilize também referências das obras de Popper.

    Sugiro também que os senhores leiam ao menos as 40 primeiras páginas do livro "Em Busca de um Mundo Melhor", de Popper. Nele os senhores verão o quão descontextualizadao e sem referências está esse texto quando acusa K. Popper daquilo que, sem dúvida, ele não foi: Relativista, Positivista ou Cientificista. Inclusive ele mesmo combateu essas doutrinas.
  • mcmoraes  20/10/2011 16:00
    Oi, Vinci. Será que vc poderia nos dar uma amostra do que está escrito nessas 40 páginas que você apontou? Quero dizer, resumir o que você entendeu da leitura que você fez e dar a entender de que forma ela refuta o artigo acima não deve ser tão difícil, ou será que é?
  • Vinci  08/11/2011 18:45
    Concordo que as ciências socias aplicadas, como a economia, não pode passar por todos os testes de verificação, e que o empirismo não responde tudo. Além disso, concordo também que a Lógica Miseana responde muitas questões na ciência econômica.

    O que não concordo é a aproximação de Sir Popper com o empiricismo-positivista e com o relativismo da ciencia, com a ideia do "tudo pode". Se o texto tenta fazer essa aproximação, realmente nunca li nada tão distorcido nesse site.


    Sobre alguns pontos equivocados no texto:

    I) Na mais distante do que a Doutrina empiricista-positivista e K. Popper. Poderiamos consider o positivismo, expressão introduzida por Comte, como: existe um conhecimento positivo, ou seja, não-hipotético. Esse conhecimento deve ser retido como ponto de partida e fundamento (O que vocês fazem quando fundamentam a teoria de Mises em Dogma claro e evidente). No caso do Positivismo Lógico, este seria cumulativo, baseado em evidências empíricas. Foi ai o terreno fértil para a crítica de Sir Popper.

    Popper propôs a ideia do Racionalismo Crítico, negando o conhecimento cumulativo e estritamente empírico, argumentando que não era possível saber se uma teoria - vejam, TEORIA - era a verdade. Propôs, então, que seria melhor tentar falsear uma teoria do que buscar sua verificação. Assim, as hipotéses - vejam, HIPOTESES - deveriam passar por varios testes de verificação de seus enunciados. Se resistisse aos testes ganharia o status de Teoria - vejam novamente, TEORIA. (Uma ponto importante sobre esse negocio de verificação: o problema é que vocês entendem verificação apenas como testes empíricos, e o proprio Popper ressaltou o grande papel da lógica nesse aspecto.)

    A questão aqui é que vocÊs não tratam as ideias de Mises como teoria, mas sim como uma revelação de como as coisas funcionam, assumindo então um dogmatismo que não admite nem ao menos um racionaalismo que tente, nas bases da lógica, falsear as ideias e pressupostos em que Mises se baseou.

    Hipóteses e teorias são tudo o que temos, mas para vocês, Mises, assim como jesus para os cristãos, mostrou a verdade cabal, de modo que um racionalismo crítico não teria lugar. E o que sobra é a total distorção das teorias quem não comungam os pressupostos miseanos.

    Devemos sim buscar o racionalismo crítico, seja nas bases do empirismo, no que couber, e na lógica. Assumir 'verdades' sem ao menos tentar buscar brechas ou ideias falsas é puro dogmatismo.

    Por que esse texto tenta tão fervorosamente demonstrar as ideias de Mises como verdade nua e crua, já que mesmo que a enxergassemos como Teoria em verdade provisória ainda não refutada daria no mesmo? Por que não podemos buscar a sua falseficação - dentro da própria lógica? Se não conseguirmos, ótimo! Se conseguirmos, acharemos outra.

    Continuo sugerindo que vocês leiam as 40 páginas que citei. Aliás, leim o livro todo: 'Em busca de um mundo melhor'.
  • Leandro  08/11/2011 19:39
    Prezado Vinci, você fez uma generalização totalmente descabida. O apriorismo de Mises se aplica à ciência econômica. Positivismo empiricista não cabe nas ciências econômicas (por motivos que não vou repetir aqui), assim como Popper e seu Racionalismo Crítico

    Em sua crítica, você dá a entender que Mises apresenta a solução para absolutamente todas as ciências, quando na verdade ele é explícito ao dizer que as ciências sociais nada têm a ver com as ciências físicas, por exemplo. E a economia é apenas uma ciência que faz parte de uma ciência ainda maior: a praxeologia, a ciência da ação humana.

    O insight de Mises foi justamente constatar que nós seres humanos temos uma ferramenta muito melhor do que empiricismos e do que a matemática para compreender os eventos do campo social: temos a praxeologia. E a praxeologia na verdade não está preocupada com previsões várias; ela está preocupada com as afirmações aprioristicamente verdadeiras que podem ser deduzidas de qualquer ação.

    Logo, não se trata de dogmatismo quanto às teorias de Mises. A questão é que a praxeologia em si é irrefutável, haja vista que ninguém conseguiu contestá-la até hoje. Ademais, ao contrário do que você disse, não existe um "racionalismo crítico empirista" na economia, pois a ação humana é sim composta de 'verdades' para as quais não existem "brechas".

    Você próprio admitiu ter tentado achar uma falsificação da teoria dentro da própria lógica. Conseguiu? Exato.

    Dito tudo isso, registro meu espanto e minha incompreensão em relação a tudo o que você disse, pois tudo me pareceu completamente sem nexo e fora de lugar. Você praticamente reinventou a teoria de Mises e começou a criticar essa invenção, jurando que estava criticando a original.
  • Vinci  08/11/2011 20:25
    "Em sua crítica, você dá a entender que Mises apresenta a solução para absolutamente todas as ciências, quando na verdade ele é explícito ao dizer que as ciências sociais nada têm a ver com as ciências físicas, por exemplo. E a economia é apenas uma ciência que faz parte de uma ciência ainda maior: a praxeologia, a ciência da ação humana."

    R: Não disse em momento algum que Mises apresenta a solução para todas as ciências, disse somente o que vocês fazem com o que Mises disse, e obviamente existe uma distância. Quanto a economia ser uma ciência com particularidades, concordo com você. Concordo também que a praxeologia responde a muitas indagações da ciência economica.

    "Logo, não se trata de dogmatismo quanto às teorias de Mises. A questão é que a praxeologia em si é irrefutável, ''haja vista que ninguém conseguiu contestá-la'' até hoje. Ademais, ao contrário do que você disse, não existe um "racionalismo crítico empirista" na economia, pois a ação humana é sim composta de 'verdades' para as quais não existem "brechas".

    R: Olhe o que você disse: haja vista que ninguém conseguiu contestá-la até hoje. concordo! Mas veja, até HOJE! O papel do racionalismo crítico é exatamente contestar esse status, mesmo que essa teoria nunca seja refutada, inclusive pela ferramenta da lógica.

    "Dito tudo isso, registro meu espanto e minha incompreensão em relação a tudo o que você disse, pois tudo me pareceu completamente sem nexo e fora de lugar. Você praticamente reinventou a teoria de Mises e começou a criticar essa invenção, jurando que estava criticando a original."

    Novamente, em momento algum falei sobre o apriorismo, apenas falei de como vocês o enxergam, de forma dogmática. Não tratei em momento algum de tentar refutar ou analisar a teoria miseana. Apenas tentei defender o racionalismo crítico de Popper para qualquer TEORIA que exista, inclusive o apriorismo. Mas, como disse anteriormente, vocês não a enxergam como teoria, mas sim como dogma. Portanto, minha critica ficaria fora de lugar. Portanto, não critiquei teoria alguma e nem reinventei nada.


    "Ademais, ao contrário do que você disse, não existe um "racionalismo crítico empirista" na economia"

    Não disse isso, apenas disse que, no que couber, não necessariamente à ciencia economica, o racionalismo crítico empirista é positivo. E na ciência economica temos a Microeconomia provando isso - mas me esqueci que vocês negam todo o conhecimento da macro e micro economia ortodoxa (tenho certeza que é por falta de estudo aprofundado).

    De tudo o que disse, o que realmente tentei foi demonstrar como o texto está torto no que diz respeito a Sir Popper e suas ideias. A cara do texto parece claramente ser uma oposição entre Mises e Popper, o que me parece uma bobagem sem tamanho. Tentei mostrar também como o racionalismo crítico e a busca pela refutação de uma teoria são fundamentais.

    De qualquer forma, quero deixar bem claro aqui que não nego o apriorismo de Mises. Nem tão pouco busco refutá-lo por ainda não ter base teórica suficiente. Apenas enxerguei erros em como o texto tratou as ideias de Popper e em como vocês enxergam as ideias de Mises.
  • Fernando Chiocca  08/11/2011 21:16
    Vinci, acreditar na veracidade irrefutável da proposição "se isto tem 1 metro de extensão, isto não tem 2 metros de extensão" é uma crença dogmática pra você?

    Julgamentos sintéticos a priori não são derivados de experiêmcia e nem podem ser refutados por nenhuma. Então não tem o menor sentido dizer que estas proposições só são verdadeiras até que sejam refutadas, pois nunca serão refutadas.

    E de fato, a economia não se divede entre micro e macro e quem carece de estudo aprofundado em economia é você, tanto para aprender a falácia sobre a distinção de micro e macro, quanto para entender suas bases epistemológicas.
  • Vinci  08/11/2011 21:43
    Meu caro e agressivo Chiocca,

    Juízos sintéticos a priori realmente não são refutáveis. Mas que lhe disse que o que você considera juízo sintético a priori em economia realmente o seja? Veja que lógica interessante: vamos tornar as teorias e hipotéses econômicas, sob as bases da escola austríaca, juizos sintéticos a priori e pronto. Achamos a verdade das coisas.

    Buscar os fundamentos que tentam fazer esse caminho é fundamental. Saber se esse caminho foi corretamente percorrido, se as conclusões são verdadeiras e se se aproximam da realidade não fundamentais. Porém, novamente o dogma dos liberalóides os impede de raciocinar criticamente. Portanto, falta a vocês Racionalismo crítico. Mas vocês insistem em demonstrar que não entenderam o que significa Racionalismo crítico.

    E você usou um excelente exemplo (do metro) para explicar refutações e juizos a priori. Realmente os exemplos em aconomia também são simples assim. Agora sugiro também que você leia "Crítica da Razão Pura", livrinho de bolso, muito mais fácil que "Ação Humana". Quando achar que entendeu, leia novamente e tente não falar tantos impropérios.

    Além disso, recomendo ler também um epistemólogo chamado Bas van Fraassen. Ele trata sobre modelos e arquitetura de teorias. Talvez assim você entenda o porquê da separação - pontual - entre micro e macroeconomia - além de estudar também as próprias micro e macroeconomia. Por fim, tome também um chá de camomila, Ajuda bastante.
  • Fernando Chiocca  08/11/2011 23:52
    Agressivo? Me mostre onde você viu alguma agressividade no que eu disse. Mas se quiser posso começar a usar adjetivos como você está fazendo, mas relacionados a uma caracterísca real que você demonstrou possuir em seus comentários, a ignorância.

    O exemplo do metro não é meu, é do próprio professor Thorsten Polleit, usado nesta palestra que assiste dele em Viena: 'A priori' Theory and the Sound Money Principle

    Assiste e em menos de 30 minutos você pode aprender o que é uma teoria a priori e como se deriva a partir de axiomas a teoria do dinheiro sólido.

    Isso, obviamente, se você quiser aprender algo, pois estou com a impressão que você está aqui para ensinar todos aqueles que não leram e não estudaram o bastante, a começar pelo professro Polleit, que é uma das pessoas mais eruditas que já conheci.


  • Anonimo  03/05/2014 22:38
    Leandro Roque,

    Mises remodelou a ciência econômica com base na praxeologia. Em outro texto do site diz o seguinte:

    "Para a análise de um caso em particular é necessário realizar um exercício reflexivo por meio de um encadeamento lógico-dedutivo entre categorias de ação"

    Gostaria de saber como Mises chegou nos teoremas econômicos de que concorrência é bom e monopólio, de modo gerel, a partir do axioma da ação humana.

    Preciso na verdade é contruir todo o raciocínio desde o axioma da ação humanda para um trabalho de monografia sobre privatização (desestatização) do sistema penitenciário. Então, se tiveres algumas referências de texto ou livro, ficaria agradecido.

    Obrigado.
  • Emerson Luis, um Psicologo  21/08/2014 22:50

    Até mesmo a Física e a Química partem de axiomas.

    * * *
  • Joaquim Saad  11/06/2016 21:50
    "Será que um teste empírico desse teorema [Pitágoras] que foi deduzido logicamente iria trazer qualquer conhecimento adicional? Não."

    Lembrei-me de um programa na tv sobre matemática onde os pesquisadores realizavam um "experimento" p/ avaliar a veracidade do teorema de Pitágoras em distâncias continentais, apenas p/ explicarem que sua aparente "falha" de fato se devia à sua inaplicabilidade em superfícies curvas... :D
  • Joaquim Saad  22/06/2016 03:55
    "Por exemplo, se uma hipótese previr efeitos que são amplamente tido como desejáveis, os defensores do empiricismo no campo da economia terão uma justificativa para tentar implementá-la e ver o que acontece.
    Se, entretanto, o resultado não for aquele previsto pela hipótese, o empiricismo não permite que se rejeite a hipótese como estando errada. Com efeito, o empiricismo imuniza a hipótese ao dizer que o experimento que acaba de ser falsificado foi acidental, sugerindo que experimentos ulteriores provariam a verdade da hipótese. Ou, alternativamente, o positivista iria afirmar que o fracasso da hipótese se deveu a fatores não controlados (omitidos), com isso agregando apoio para que o experimento social continue, ao invés de ser interrompido.
    "

    Cá estou de novo (provavelmente falando somente comigo mesmo, haja vista a data um tanto antiga da publicação deste interessante e intrigante artigo e de seus profundos e polêmicos comentários), apenas para registrar que o excerto acima me parece na verdade descrever um claro exemplo de desonestidade intelectual, e não de um comportamento estritamente empiricista na busca autêntica por efetiva refutação de uma hipótese a ser então devidamente descartada, cuja própria possibilidade de falsificação já a enquadraria como científica conforme tal critério popperiano (ao menos segundo o pouco de que me lembro do quase nada que "li" - e na Wikipedia - acerca de suas ideias !).

    ----------------------------------------------------------------

    "No que diz respeito à ação humana, nenhum experimento de laboratório pode ser realizado. Nunca temos condição de observar a mudança em um elemento isolado, mantendo-se todos os demais inalterados."

    Curioso: um (proverbial "amigo meu"! :D) cínico leviano não poderia denunciar o apriorismo misesiano como sendo igualmente outro tipo de artifício para não se aceitar eventual contestação experimental de seus alegados axiomas (de forma análoga à atribuída ao pitoresco positivista descrito no primeiro trecho, que reproduzi no início) ?

    Att.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.