Palavras em defesa da Liberdade

Milhares de anos atrás, a tecnologia limitava severamente a quantidade de palavras que a média dos indivíduos instruídos poderiam ler durante suas vidas. Manuscritos estavam disponíveis apenas para aqueles que eram privilegiados o bastante para ter acesso a edições copiadas manualmente (e demos graças a elas). E então vieram as impressoras. Mesmo assim, há apenas dois séculos, era possível ler quase tudo que era impresso em seu próprio idioma em um dado ano. Hoje, no entanto, vivemos em uma era de palavras: blogs, sites, ensaios, newsletters, e uma abundância de revistas, e mais de um bilhão de livros vendidos aos consumidores americanos, sendo que a biblioteca do Congresso Americano mantém um acervo de mais de 26 milhões de livros.

Apesar de haver uma espantosa proliferação de palavras atualmente, há uma escassez drástica de algo que é essencial à sobrevivência da civilização: a defesa da liberdade contra seus inimigos onipresentes e contra seu principal inimigo, o estado. Os princípios essenciais têm em si o poder de perpassar e desmascarar bilhões de outras palavras triviais e falaciosas. Apesar de não termos o número suficiente de soldados e de armas em nosso front, acreditamos no poder das idéias para fazer a diferença. É por isso que os libertários escrevem.

Uma reação comum a um bom artigo é dizer ao autor: você deveria escrever um livro! Ouvi isso durante anos, mas pelo que pude ver desses esforços, a maioria dos artigos deve permanecer artigos. Examinando toda a coleção de escritos na tradição austríaca, desde o século passado até os mais recentes publicados pelo Mises Institute, há livros mais do que suficientes disponíveis, contendo exposições sistemáticas sobre teoria e história, que precisam ser lidos e estudados. Não há nada que eu possa dizer sistematicamente em um livro que iria adicionar algo aos artigos que eu escrevo semanalmente. Artigos e livros constituem gêneros literários independentes, cada um tendo o seu passo e propósitos distintos.

O mesmo vale para discursos públicos não-acadêmicos. Eles não têm a intenção de fazer uma exposição sistemática de idéias, mas, sim, de fazer uma introdução das idéias e aplicá-las ao momento atual de tal maneira que prenda a atenção do público. A prosa tem um formato diferente do artigo ou do livro. Ela é mais imediata e mais retórica no sentido clássico do termo. Tive o prazer de fazer vários desses discursos nos últimos anos para estudantes, patrocinadores e defensores do Mises Institute, profissionais financeiros, e outros. Agora eu os coletei, com poucas mudanças, em um volume único: Speaking of Liberty ("Falando de Liberdade", Mises Institute, 2004).

Esse material permanecerá para sempre relevante por dois motivos. Primeiro, os princípios que ele defende são sempre os mesmos. Segundo, os eventos tendem a se repetir constantemente. Por exemplo, assisti recentemente a um vídeo sobre o Fed, produzido pelo Mises Institute em meados dos anos 1990. Ele descrevia o ambiente de recessão daquele momento. Vendo-o novamente em 2003, ele parecia ainda mais atual. (E agora em 2008, ele assume ares de profecia). É por esse motivo que chamamos esse fenômeno de ciclos econômicos.

Lendo toda a coleção de ensaios, encontramos temas comuns em todos eles: a corrupção dos políticos, a universalidade e a imutabilidade das idéias da liberdade, o papel central de uma moeda forte e da livre iniciativa, o imperativo moral da paz e do livre comércio, a importância da esperança e da tenacidade na luta pela liberdade, e a necessidade de que todos se juntem nessa briga intelectual. Esses são os temas que eu espero ter transmitido em meus discursos no passar dos anos.

Pessoalmente, encontro valor nesse gênero literário, as coletâneas. Espero que você também. Principalmente, espero que você apóie as idéias que me levaram a escrevê-las e propagá-las.

Nessa época de proliferação literária, aprendemos que devemos ser leitores discriminadores. Algumas palavras importam mais que outras. E se realmente nos preocupamos com o bem-estar de nossos filhos e netos, palavras em defesa da liberdade são as mais importantes de todas.

 

Trechos

Ao livre mercado devemos toda a nossa prosperidade material, todo o nosso tempo de lazer, nossa saúde e longevidade, nossa enorme e crescente população e praticamente tudo o que chamamos de vida em si. O capitalismo, e somente o capitalismo, salvou a humanidade da pobreza degradante, das enfermidades desenfreadas, e da morte prematura.

* * * * *

Na ausência da economia capitalista e de todas as suas instituições essenciais, a população mundial iria, com o passar do tempo, definhar até uma pequena fração do seu tamanho atual, sendo que o que sobrasse da raça humana seria sistematicamente reduzida à subsistência, comendo apenas o que pudesse ser caçado ou recolhido. A instituição que é em si a fonte da palavra civilização - a cidade - depende das trocas e do comércio, e não poderia existir sem isso.

* * * * *

Todos os inimigos do capitalismo agem como se sua eliminação não gerasse conseqüências maléficas para nossas vidas. Nas salas de aula, na televisão, nos filmes, somos continuamente apresentados a um quadro que mostra o quão perfeito e alegre o mundo seria se apenas pudéssemos nos livrar daqueles que ganham a vida através da criação, da especulação e da acumulação de riqueza. Por centenas de anos, de fato, a classe intelectual exigiu a expropriação e até mesmo o extermínio dos capitalistas expropriadores. Desde os tempos antigos, os comerciantes e suas atividades foram considerados ignóbeis. E, na verdade, a ausência deles nos reduziria ao barbarismo e à absoluta pobreza.

* * * * *

A economia de livre mercado tem um histórico ímpar de oferecer progresso econômico para todos, não importa qual a sua situação na vida. No entanto, ela não oferece igualdade de resultados e nem mesmo igualdade de oportunidade. O livre mercado não oferece uma sociedade sem classes, mas oferece algo de muito maior valor: a liberdade em si. A lição geral que podemos extrair é que economia é, na verdade, apenas uma palavra elegante para designar a qualidade de nossas vidas, e que a maior ameaça à qualidade de nossas vidas são os governos que tentam restringir nossa liberdade econômica.

* * * * *

Processos envolvendo direitos civis estão diariamente quebrando vários pequenos negócios. Muitos capitalistas em potencial decidem não abrir seus negócios por temor das políticas de igualdade definidas pelo governo. Pequenas empresas rotineiramente fazem tudo que esteja dentro da lei para evitar anúncios de contratações. Por quê? Porque o governo, em todos os seus níveis, agora envia examinadores disfarçados com o intuito de armar uma cilada para as empresas que cometerem o crime de simplesmente contratar a pessoa mais qualificada para o trabalho, independente da cor da pele e de outras deficiências. Tenho dó do pobre agente imobiliário e do dono dos imóveis alugados, que diariamente andam sobre esse campo minado que constitui os direitos civis. Se alguma dessas pessoas demonstrar mais lealdade ao consumidor do que ao governo, eles arriscam levar seus negócios à ruína financeira.

* * * * *

Nunca nos esqueçamos da grande verdade que nossos pais fundadores se empenharam tanto para nos conceder: a tirania destrói, enquanto a liberdade é a mãe de tudo que é bonito e verdadeiro no nosso mundo. Eu não peço desculpas por ser um defensor da prosperidade e de sua fonte, a economia de livre mercado. É ela que dá à luz a civilização em si. Está na moda rejeitar inquietações a respeito da economia sob o pretexto de que se trata de coisas rasas e desinteressantes, um interesse meramente burguês.  Se essa atitude vier a prevalecer, temos fortes motivos para nos preocupar com nosso futuro. Se, por outro lado, pudermos nos educar sobre o funcionamento das forças econômicas, e sobre como elas realmente são os alicerces da liberdade e da paz, não apenas sairemos da futura recessão preparados para entrar em um novo caminho de crescimento, mas, também, estaremos mais aptos a nos proteger de futuros ataques ao nosso direito de sermos livres.

* * * * *

Se a propriedade privada está garantida, podemos contar com todos os outros aspectos da sociedade para sermos livres e prósperos. A sociedade não pode se administrar a si própria a menos que seus membros realmente controlem suas propriedades; ou, inversamente, se a propriedade está nas mãos do estado, ele vai administrar a sociedade gerando os resultados catastróficos que já conhecemos tão bem.

* * * * *

Os benefícios monetários de um padrão-ouro são muito claros, e eles incluem uma vida sem inflação, o fim dos ciclos econômicos, o cálculo econômico racional para a contabilidade e para o comércio internacional, o estímulo à poupança, e a destituição da elite financeira que tem conexões com o governo. Mas são também considerações políticas que levam as pessoas a apoiar o padrão-ouro. O ouro limita o poder do estado e restitui o poder às mãos do povo.

* * * * *

Desde que vivemos neste mundo, há certas relações fixas de causa e efeito que não podem ser repelidas. Dentre elas está o fato de que uma economia aditivada por crédito artificial irá eventualmente entrar em recessão. Quando isso vai ocorrer e quais serão os efeitos são questões em aberto. Mas que a recessão ocorrerá é um fato que não pode ser contestado.

* * * * *

Dificilmente alguém quer falar sobre os efeitos irreconciliáveis das escolas públicas: o que elas fizeram e continuam fazendo com o caráter dos alunos. Abarrotar milhares de crianças em um ambiente semelhante a uma penitenciária solapa seu vigor intelectual e inevitavelmente dá ao mais forte o comando, como resultado da omissão - exatamente como ocorre em uma penitenciária. Mas um sinal encorajador é o aumento das alternativas, seja através de mais escolas privadas ou através do homeschooling, que, por sua vez, está sendo cada vez mais usado pelas pessoas mais espertas. Não causa nenhuma estranheza que membros da elite do poder estejam defendendo a idéia de vouchers governamentais. A intenção é fazer com que essas ilhas de genuíno aprendizado fiquem permanentemente vinculadas ao estado, impedindo que este perca o controle total da situação.

* * * * *

As mais absurdas pesquisas de opinião pública são aquelas sobre impostos. Se tem algo que sabemos sobre impostos, é que as pessoas não querem pagá-los. Se elas quisessem pagá-los, não haveria necessidade de impostos. As pessoas alegremente descobririam quanto do seu dinheiro o governo necessitaria e, em seguida, elas simplesmente mandariam essa fatia. Mas, ainda assim, constantemente ouvimos pesquisas de opinião que revelam que o povo está satisfeito com o nível atual de impostos, e que poderia até gostar que ele fosse maior. Extrapolando, o próximo passo será nos dizer que o público acha que a criminalidade está muito baixa, ou que ele realmente gostaria que houvesse mais acidentes rodoviários.

* * * * *

Temos que rejeitar os princípios que governam a medicina socializada. Dentre esses temos as idéias de igualdade e de serviços ilimitados mandados pelo estado, bem como a concepção de que é responsabilidade das empresas, e não do indivíduo, pagar os custos dos planos de saúde. Acima de tudo, precisamos superar essa idéia de que cuidados médicos são um direito. Não são. Trata-se de um serviço como qualquer outro.

* * * * *

SOL-cover.gifA ênfase duradoura da velha tradição liberal a respeito de guerras é essa: mesmo o vencedor perde. Em uma guerra, perdem-se recursos. Perde-se o dinheiro dos impostos. Perdem-se relacionamentos comerciais e a boa vontade em todo o mundo. Acima de tudo, perde-se a liberdade. E eis aí o maior custo da guerra para nós, pois não há como manter um livre mercado - que é a base da prosperidade - ao mesmo tempo em que se tenta criar um planejamento central militar em escala global. Um governo inchado lá fora é incompatível com um governo pequeno em casa. Se aplaudimos a guerra, estamos aplaudindo o socialismo doméstico e a nossa própria destruição como civilização.

* * * * *

Como cidadãos desse país, como parte do nosso dever civil, se não como a soma total do nosso dever civil, temos que fazer nosso melhor para denunciar e restringir nossos tiranos. Não podemos parar a carnificina em Ruanda ou o conflito étnico na Turquia, mas nossas vozes podem fazer diferença naquilo em que o nosso próprio governo pretende se safar. Quando um regime que governa em nosso nome se envolve em alguma forma de assassinato em massa, a questão primordial que nos será feita é: você se pronunciou contra isso? Você fez tudo o que podia para parar isso? Ou você ficou em silêncio?

* * * * *

Mises compreendeu que, não importa o quão desanimadoras sejam as presentes circunstâncias, o futuro pode ser bem diferente. Mesmo com o mundo em total colapso ao seu redor, ele acreditou que a liberdade poderia triunfar, contanto que as idéias certas emergissem na vanguarda da batalha intelectual. Ele estava convencido de que a liberdade tinha uma chance de vitória, e - essa é a parte crucial - que ele tinha uma certa responsabilidade pessoal em fazer essa vitória acontecer.

* * * * *

Ao contrário de Mises, não nos confrontamos com obstáculos que parecem desanimadoramente altos. Devemos à sua memória nosso comprometimento em nos atirarmos por completo nas batalhas intelectuais para fazer da liberdade não só uma esperança, mas uma realidade em nossa era. Adotemos como nosso lema as palavras que Mises sempre utilizou em toda a sua vida. "Não se entregue ao mal, mas proceda ainda mais audaciosamente contra ele."

* * * * *

Qualquer um que trabalhe no ou para o Mises Institute pode confirmar que nossa meta nunca foi somente o crescimento próprio, nem somente a atenção geral, nem somente fazer relações públicas, nem somente promover conferências grandiosas. Nunca intencionamos criar uma grande instituição que fosse um fim em si mesma. A meta, a paixão que move o Mises Institute, tem sido a de criar as condições para que a verdade seja dita, para disponibilizar um arranjo onde a liberdade é valorizada e praticada. À medida que olhamos para frente, graças ao Mises Institute e àqueles que o apoiaram, não precisamos nos desesperar, mas, sim, considerar um futuro em que a liberdade e o aprendizado triunfam contra todas as probabilidades. Sua fé é a evidência da liberdade ainda inobservada, mas, Deus tal o permita, nossas crianças, nossos netos, e cada geração posterior, irão vivenciá-la e respirá-la. Que eles nunca a considerem como garantida.


 

0 votos

SOBRE O AUTOR

Lew Rockwell
é o chairman e CEO do Ludwig von Mises Institute, em Auburn, Alabama, editor do website LewRockwell.com, e autor dos livros Speaking of Liberty e The Left, the Right, and the State.




Olá xará!obrigado pela resposta.

Então,do avião eu entendo.Mas eu vejo o conflito na questão dos consumidores assumirem o risco,a liberdade gera responsabilidades.Só que o problema é ate onde é um ''crime'' e ate onde é a responsabilidade de cada um.No caso do avião,a falta de manutenção ocasionar em um acidente pode ser considerado crime,mas e se o consumidor era consciente disso?
É ai a questão que você me disse,o contrato não prevalece em relação a vida.A grande questão aqui é, até quando a morte do consumidor pode ser ocasionada pelo seu próprio risco e responsabilidade ou por um ''crime'' do empresario.Entende?
Mas enfim,é um tema polemico e gostaria de ver a galera debatendo aqui.

Coisas implícitas é quando você usufruiu de um bem ou serviço ''rápido'', sem que haja um contrato, certas coisas são implícitas por serem tão obvias e consequentemente subentendidas por qualquer um.
Se eu comprar um carro,é subentendido que o mesmo não vai explodir na primeira partida.
Se eu comprar um navio,é implícito que o mesmo não vai pegar fogo e naufragar nas suas primeiras milhas.
Mas há uma diferença: Os exemplos que eu citei, há um contrato assinado(comum).
Agora, ao frequentar uma casa noturna por exemplo, você não assina nenhum contrato, mas é implícito que a casa noturna não vai desmoronar e muito menos pegar fogo, como foi o caso de Santa Maria.Por isso, argumentar que não houve um contrato entre os jovens e a boate, seria uma aberração pois diante o acontecimento, era implícito que tal fatalidade não poderia ocorrer.Entende mais ou menos?
Não tenho duvidas de que infelizmente, tais jovens detêm uma parcela de ''culpa'', por não serem responsáveis de frequentar uma casa noturna naquelas condições.Entendo perfeitamente também que, os incentivos de mercado garantiriam a segurança e não um alvará estatal.O ponto aqui não é esse!Só um exemplo...
Outro exemplo de implícito,é você ir a um restaurante, é implícito que a comida não virá estragada ou contaminada, logo é um contrato implícito que o restaurante não vai ti vender veneno...Entende?
Se eu for na banca comprar um jornal ou revista, é implícito que o vendedor não irá me vender algo com uma tinta toxica,ao menos que tenha um aviso prévio e um consentimento da minha parte(um contrato).

E sobre venda do ''ponto'',o que achas?

Abraços!

Séries Temporais do Banco Central. Vá a www.bcb.gov.br/?serietemp, e então clique em "Acesso ao Sistema de Séries temporais", e aí, na coluna da esquerda, onde está escrito "Por código", apenas digite o número do código de cada gráfico do artigo (o número está na parte inferior esquerda de cada gráfico).
Friddi. Eu discordo de sua afirmação: "2o O plano Morgenthau poderia ter ajudado caso que Alemanha não teria perdido seus territorios no leste (o que é hoje parte de Polonia e Russia; Silesia, Prussia leste e Oeste)."

Até o final do século XVIII a Polônia fazia da Comunidade Polaca-Lituana, independente. Entre os anos de 1792 e 1795 esta comunidade foi dissolvida na marra pelos Império Russo, pelo Reino da Prussia e pelo Império Austriaco dos Habsburgos, que a dividiram entre os três no que foi chamado de "Tripartição da Polônia".


Esta partição criou uma grande emigração de poloneses para outros paises da Europa.

A Polônia só recuperou sua independência quando os impérios alemão e austro-húngaros foram derrotados na Primeira Guerra Mundial.

Com o advento da Segunda Guerra Mundial, Hitler e Stalin dividiram novamente a Polônia, ficando a parte ocidental para a Alemanha nazista e a oriental para a URSS.

Ao final da Segunda Guerra novamente a Polônia foi libertada.

Inclusive, áreas atuais do leste da Alemanha, pré-historicamente eram habitados por povos eslavos e não germânicos (originários da região ocidental da atual Alemanha e países nórdicos (Dinamarca e etc.), como já demonstrado por descoberta arqueológicas realizados na atual Alemanha por alemães

Assim sendo, a Alemanha não perdeu terreno para a Polônia mas recuperou pois eram territórios pré-historicamente e historicamente eslavos, e que desde a pré-história habitavam inclusive terrritório que hoje pertence a Alemanha e não o contrário.

O vale do Rio Elba (nasce na República Tcheca, corta o leste da Alemanha, a oeste de Berlim, e desagua no Mar Báltico era habitado na idade média por povos eslavos, osSlowianie polabscy.

PS:
1) Sou descendente de alemães por parte de mãe: meus avós maternos vieram ao Brasil no entre-guerras. Tenho muitos primos na Alemanha;
2) de poloneses por parte de pai: meus quatro bisavôs paternos eram eslavos, nasceram, cresceram, casaram numa pequena comunidade situada a cerca de 50 km a leste da Alemanha.
Os quatro só falavam polonês, tinham feições e raizes eslavas e se consideravam poloneses, não prussianos. Mas, ao virem ao Brasil na segunda metade do século XIX vieram com passaportes prussianos, o passaporte dos dominantes da Polônia à época.

Aliás, por conta disto não consegui a nacionalidade polonesa pois quando a Primeira Guerra acabou meus bisavôs já haviam morrido e, portanto, não trocaram seus documentos de prussianos para poloneses.

Algumas fontes:

-
https://global.britannica.com/event/Partitions-of-Poland

- Norman Davies, God's Playground: A History of Poland in Two Volumes, Oxford University Press, 2005, ISBN 0-19-925339-0

- Bideleux, Robert; Jeffries, Ian (1998). A History of Eastern Europe: Crisis and Change. Routledge. p. 156

- Batt, Judy; Wolczuk, Kataryna (2002). Region, State and Identity in Central and Eastern Europe. Routledge. p. 153

Estudos sobre a presença de povos eslavos na atual Alemanha, escritos por alemães:

- The Archeology of Medieval Germany, by Günther P. Fehring :
https://books.google.com.br/books?id=7RMcBQAAQBAJ&pg=PA196&lpg=PA196&dq=slavic+settlement+Germany&source=bl&ots=DnBMN4Yl37&sig=oS9F03wUrlqh54GxzF-aZV58at0&hl=en&sa=X&ved=0ahUKEwjWr7-k2LXPAhVLCpAKHd_OB8AQ6AEIbzAQ#v=onepage&q=slavic%20settlement%20Germany&f=false


- Herrmann, Joachim (1970). Die Slawen in Deutschland (in German). Berlin: Akademie-Verlag GmbH
Boa noite xará! Grandes questões tem levantado...

Penso que independente de cláusula, morte e ferimentos sempre estarão cobertos pois trata-se de integridade física. Qualquer um que fere a integridade de outro está cometendo crime.
A ocorrência de morte ou ferimentos não exclui a aplicabilidade das normas contratuais, por consequência essas poderão ser cobradas perante o tribunal.

Quanto ao avião. Sim, o proprietário assume riscos. Seus passageiros também. Em uma economia de livre mercado, se tal empresa utilizasse dessa vantagem competitiva de maneira transparente, ela certamente teria consequência de morte com o acidente. Mas no caso que você citou (falta de manutenção), não é necessário nem mesmo que a empresa ofereça serviços em aeronaves inseguras e precárias. Caso uma empresa que ofereça serviços excelentes, em aviões de última geração, deixe de fazer manutenção na aeronave, e isso fique comprovado no tribunal, ela também deveria ser responsabilizada civil e penalmente (morte e ferimentos). Entendo que a empresa seria responsabilizada civil e penalmente, com direito de regresso contra o funcionário se este agiu com a intenção ou se agiu descumprindo as normas da empresa.

Essas questões que parecem coisa de crianças lotam os tribunais no dia hoje. É só uma das formas de entregar as coisas do dia a dia para o Estado cuidar. No caso da fumaça, a melhor saída seria uma boa conversa com o vizinho. Se isso não resolver, você que feche sua casa ou mude de casa. Querer regular, de qualquer forma, o hábito do sujeito viver dentro de sua própria casa, ao meu ver, destrói todos os valores liberais.

Ponto: valor subjetivo, utilidade marginal. Pede quem tem, paga quem quer e pode.

Ainda não consegui compreender o "coisas implícitas"...

ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS

  • Amarilio Adolfo da Silva de Souza  22/06/2013 18:01
    O fim do "estado" é a meta diária de todo libertário.
  • daniel  15/09/2014 20:14
    Que assim seja.
  • Emerson Luis, um Psicologo  23/08/2013 18:02
    Grandes palavras, atuais como sempre.

    * * *
  • RichardD  14/09/2015 05:56
    Grande compilação.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.