O melhor presidente do século XX

Warren G. Harding (1921-1923) foi o único que soube como acabar com uma depressão

 

Quando Barack Obama exigiu rapidez na aprovação de mais um pacote de estímulo em fevereiro - atitude essa que vem sendo emulada por quase todos os países do mundo - ele afirmou que somente uma ação ousada do governo iria impedir que a economia caísse em uma profunda depressão.  Ao fazer esse argumento, ele estava apenas papagaiando o pensamento convencional dominante, o qual afirma que os mercados não se autocorrigem - exceto em um prazo muito longo - e que a intervenção estatal é necessária para reativar a atividade econômica.

Nós, os seguidores da sólida teoria econômica (isto é, a teoria austríaca), sabemos por que esse pensamento é errôneo, bem como também sabemos por que mesmo uma eventual aparente prosperidade que tais medidas possam produzir causam danos ainda maiores e levam a uma correção ainda mais severa no longo prazo. 

Mas para aqueles que não se contentam apenas com a teoria - e por isso exigem exemplos práticos - podemos mostrar um testemunho da história.  Em particular, a depressão americana de 1920-1921, sobre a qual a maioria das pessoas nunca ouviu falar, é um ótimo exemplo de retomada de prosperidade na ausência de estímulos governamentais.  Se, como dizem os bem-pensantes, uma economia não pode se recuperar na ausência de intervenções estatais, então o que ocorreu em 1920-1921 não poderia ter sido possível.  Mas foi.

Durante e após a Primeira Guerra Mundial, o Federal Reserve (o Banco Central americano) inflacionou a oferta monetária substancialmente.  Quase toda a economia americana estava voltada para o esforço da guerra.  Com o fim desta - e com os preços em alta - a economia precisava se reorganizar.  E foi aí que começou o período de correção (recessão).  O Fed passou a aumentar a taxa de redesconto - a taxa à qual ele fazia empréstimos para os bancos - e a economia desacelerou, começando a se reajustar para a realidade.  Já em meados de 1920, a recessão havia se tornado severa, com a produção caindo 21% durante os doze meses seguintes.  O número de pessoas desempregadas saltou de 2,1 milhões em 1920 para 4,9 milhões em 1921.  A taxa de desemprego subiu de 5,2% em 1920 para 12% em 1921.

De 1929 em diante, Herbert Hoover e depois Franklin Roosevelt tentaram combater uma depressão econômica encarecendo os custos da mão-de-obra.  Warren G. Harding, por outro lado, disse em 1920, durante seu discurso de aceitação após ser confirmado como o candidato Republicano à presidência dos EUA: "Eu estaria cego às responsabilidades que marcam esse momento decisivo se eu não advertisse os assalariados americanos de que aumentos salariais conjugados com o declínio da produção podem levar apenas à ruína econômica e industrial".  Em outro momento, Harding explicou que salários, assim como os preços, precisariam cair para refletir as realidades econômicas do pós-bolha.

Poucos presidentes americanos são mais impopulares entre historiadores do que Harding, que é rotineiramente retratado como um bobo desajeitado que caiu de pára-quedas na presidência.  Entretanto, quaisquer que tenham sido suas deficiências intelectuais - e elas foram grotescamente exageradas, como recentes estudiosos vêm admitindo - e quaisquer que tenham sido seus defeitos morais (seu gabinete sofreu acusações de corrupção), ele compreendeu os fundamentos da expansão econômica, da recessão e da recuperação melhor do que qualquer outro presidente do século XX.

Harding semelhantemente condenava a inflação: "A brutal expansão da moeda e do crédito levaram a uma depreciação do dólar assim como a expansão e a inflação desgraçaram as moedas do resto do mundo.  Inflacionamos precipitada e apressadamente, e agora precisamos deflacionar cautelosamente.  Enfraquecemos o dólar com políticas monetárias negligentes, agora precisamos recuperá-lo honestamente".

E ao invés de prometer gastar somas inauditas, ele defendia o corte de gastos:

Tentaremos uma deflação inteligente e corajosa, e atacaremos a prática do endividamento governamental, algo que só aumenta o infortúnio e a nocividade, e atacaremos o alto custo do governo com todos meios e energia inerentes à capacidade republicana.  Prometemos o alívio que advirá da interrupção do gasto e da extravagância, e a renovação da prática da economia política, não apenas porque isso irá aliviar o fardo tributário, mas também porque será um exemplo para se estimular a poupança e a economia na esfera privada.

A economia, explicou Harding em seu discurso de posse no ano seguinte, "sofreu os choques e tremores relativos à demanda anormal, à inflação do crédito e ao distúrbio nos preços."  E agora o país estava sofrendo o inevitável processo de ajuste.  Nenhum atalho era possível:

As penalidades não serão leves e tampouco serão igualmente distribuídas.  E não há como fazer com que assim o seja.  Não há uma transição instantânea da desordem para a ordem.  Precisamos enfrentar uma realidade amarga, dar baixa em nossos prejuízos e começar novamente.  Esta é a lição mais antiga da civilização... Nenhuma modificação no sistema poderá operar um milagre.  Qualquer experimento aventureiro irá apenas adicionar mais confusão.  Nossa melhor garantia jaz na administração eficiente de nosso já fundamentado sistema.

Harding foi fiel às suas palavras, executando cortes orçamentários que haviam começado sob o debilitado governo de Woodrow Wilson.  Os gastos federais declinaram de $6,3 bilhões em 1920 para $5 bilhões em 1921 e $3,3 bilhões em 1922.  Simultaneamente, os impostos também foram cortados - para todos os grupos de renda.  E durante o curso da década de 1920, a dívida nacional americana foi reduzida em 33%.

Contrariamente ao Japão, que incorreu em uma maciça intervenção governamental em 1920 que paralisou sua economia e contribuiu para uma severa crise bancária sete anos depois, os EUA permitiram que sua economia se reajustasse.  "Em 1920-21," disse o economista Benjamin Anderson,

Encaramos nossos prejuízos, reajustamos nossa estrutura financeira, suportamos nossa depressão, e em agosto de 1921 recomeçamos nosso crescimento. ... A reação ocorrida na produção e no emprego, que começou em agosto de 1921, foi solidamente baseada em uma limpeza drástica do crédito malfeito, em uma drástica redução nos custos de produção, e na livre concorrência da iniciativa privada.  A reação não se baseou em nenhuma política governamental criada para subsidiar os negócios.

Eis os números: o PIB real - que foi de $146.4 bilhões em 1919, depois caindo para $140.0 em 1920 e finalmente despencando para $127.8 em 1921 - subiu para $148.0 em 1922 e $165.9 em 1923.  A taxa de desemprego - que havia sido de 1.4% em 1919, 5,2% em 1920 e 11,7% em 1921% - caiu para 6,7% em 1922 e 2,4% em 1923.  Tudo isso concomitante a um aumento nos juros (veja mais aqui).

Isso supostamente não poderia acontecer - ou pelo menos não tão rápido - na ausência de estímulos fiscais e monetários.  Mas em quem você vai acreditar: em Paul Krugman ou nos seus próprios olhos?

Naturalmente, alguns economistas modernos que analisaram o assunto ficaram estupefatos.  Como pode ter ocorrido uma recuperação econômica na ausência de suas estimadas propostas?  Robert Gordon, um keynesiano, admite que "as políticas governamentais para moderar a depressão e acelerar a recuperação foram mínimas.  As autoridades do Federal Reserve foram amplamente passivas. ... Apesar da ausência de uma política governamental de estímulo, a recuperação não demorou."  Kenneth Weiher, um historiador econômico, observa que "não obstante a severidade da contração, o Fed não utilizou seus poderes para aumentar a oferta a monetária e lutar contra a contração." Daí ele rapidamente concede que "a economia recuperou-se rapidamente da depressão de 1920-1921 e adentrou um período de crescimento bastante vigoroso."  Porém (assim como a maioria desses historiadores), ele prefere não se estender muito nesse fenômeno e nem extrair dele qualquer aprendizado.

Na realidade, Weiher, com ares superiores, diz que "isso foi em 1921, muito antes do conceito de política anticíclica ser aceito ou mesmo compreendido".  Hum... sim, e desprovida destas ferramentas 'indispensáveis', a economia americana recuperou-se mesmo assim.

O leitor provavelmente já notou que as recomendações e as ações de Harding são exatamente opostas à sabedoria convencional reinante nos círculos políticos, midiáticos e acadêmicos de hoje.  "O governo precisa fazer algo!", gritam todos.  Obama, o líder da turma, disse que declínios econômicos degeneram-se em depressões duradouras porque os governos deixam de agir com o vigor suficiente para impedi-los.

Não se trata de uma mera coincidência que a economia tenha retornado à normalidade de modo relativamente rápido após a depressão de 1920, ao passo que, diferentemente desta, as condições depressivas persistiram durante toda a década de 1930, uma década de intenso ativismo governamental.  Foi exatamente porque medidas de estímulos fiscais e monetários não foram tentadas, que a recuperação e o posterior e sólido progresso econômico ocorreram no início dos anos 1920.  E essa foi a última vez que um governo se absteve de intervir na economia em épocas de recessão.

A ideia de que estímulos fiscais e monetários são necessários para se curar uma depressão advém de um diagnóstico equivocado das causas das depressões econômicas.  Consequentemente, os remédios ministrados são completamente errados.  Por exemplo, a causa da recessão não é a ocorrência de um nível inadequado de gastos, mas sim o fato de que, no rastro de uma expansão econômica artificial induzida pelo banco central, a estrutura do capital fica em desacordo com as demandas dos consumidores.  A recessão é o período em que esse descompasso é retificado através da realocação do capital para empreendimentos mais apropriados.  Estímulos fiscais e monetários irão apenas interferir nesse rearranjo, atrasando esse processo de limpeza (dos investimentos errados) e reajuste (da estrutura do capital).

Harding, ao contrário da classe política atual, de fato entedia isso.  Desta forma, um dos mais odiados presidentes do século XX permitiu que os EUA enfrentassem uma recessão bem pior do que a atual pela qual estamos passando simplesmente deixando que o livre mercado fizesse os ajustamentos necessários.  E Harding, como seus comentários indicam, seguiu sua política de não fazer nada não por uma questão de inércia ou por ser incapaz de conceber abordagens alternativas; essa figura menosprezada era de fato um economista muito melhor do que a maioria dos gênios que presunçosamente querem nos instruir atualmente.

Atualmente, políticos de todos os cantos do mundo insistem que devemos aprender as lições da história - e de fato há lições para serem aprendidas.  Mas para o estado e seus intelectuais comprados, a história é um mero instrumento a ser colocado a serviço das propagandas exigidas pelo momento, e não uma fonte imparcial de sabedoria ou instrução.

É por isso que observar o desenvolvimento dos eventos atuais é como observar um trem indo vagarosamente para o precipício.  Você sabe que vai acabar em desastre, mas você é incapaz de fazer algo para pará-lo.  Sabemos que os políticos não irão aprender absolutamente nenhuma lição econômica que a história venha a ensinar.  Mas se eles não irão aprendê-las, nós teremos de.  Nem que seja para nos prepararmos para o desastre vindouro.

___________________________________________________

Leituras recomendadas:

O ciclo econômico em um PowerPoint animado (os triângulos hayekianos)

O desastre não é natural

Depressões econômicas: a causa e a cura

Por que os bancos devem aumentar os juros em uma recessão

Explicando a recessão japonesa

Hoover e a fraudulenta história da Grande Depressão

O New Deal ridicularizado (novamente)

Como Franklin Roosevelt piorou a Depressão

O governo destroça a economia - um estudo de caso

 

1 voto

SOBRE O AUTOR

Thomas Woods


Meu caro, pelo seu discurso você nunca foi liberal e nunca entendeu o que é ser liberal. E ainda tem coragem de vir com esse apelo sobre pobreza.

Gostaria de fazer uma pergunta a todos vocês:
Pois não.

Vocês já foram Pobres pra saber?
Nasci pobre, muito prazer.

Vocês já tiveram um parente morto por bala perdida?
O que isso tem a ver com capitalismo/liberalismo? Você está misturando segurança pública (que é MONOPOLIO do estado), que alias é altamente ineficiente (no Brasil, morrem 56.000 pessoas por ano, o maior indice do mundo, a gente perde até pra India, que é 43.000 por ano, outro país com alto controle estatal e burocrático) com conceitos economicos. O estado nega aos seus cidadãos o próprio direito de se defender com uma arma e mesmo assim é incapaz de solucionar o problema.

Falam tanto em mercado, economia. Mas nunca vi um liberal que enriqueceu graças a todo seu conhecimento na área, algum de vocês é rico por acaso? Maioria que vejo é classe média, acho gozado porque se manjam tanto de produzir valor e riqueza vocês deveriam ser ricos..Mas não é isso que eu vejo.

Ai meus deuses... essa foi triste.
1) O Brasil está muito longe de ser um país livre, economicamente. É o país que fica em 118 lugar no índice de liberdade econômica.

2) Ser liberal não é uma formula para ser rico e sim defender que as pessoas tenham a liberdade para efetuarem trocas entre si sem intervenção constante do Estado por via de impostos e regulações. É dessas trocas de valor que a riqueza é produzida. Cada um teria a liberdade de crescer de acordo com suas habilidades e viver num patamar de vida que julga confortável, mas repito, o Brasil NÃO É E NUNCA FOI UM PAÍS LIVRE, ECONOMICAMENTE. Você se dizia liberal e não sabe desse básico. Aham. To vendo.

Eu já fui liberal, ai cai na real com a vida, vi que esse papo de mercado não é bem assim.
Não, amigo, você nunca foi liberal. Sinto muito. Ou você está mentindo ou você diz ser uma coisa que nunca entendeu direito o que é (o que mostra o seu nível de inteligência).

Inclusive, um amigo meu foi pra Arabia Saudita, ele disse que lá existem muitas estatais e assistencialismo e o país enriqueceu assim mesmo...

Aham, beleza, usando a Arabia Saudita como exemplo:

Saudi Arabia's riches conceal a growing problem of poverty

"The state hides the poor very well," said Rosie Bsheer, a Saudi scholar who has written extensively on development and poverty. "The elite don't see the suffering of the poor. People are hungry."

The Saudi government discloses little official data about its poorest citizens. But press reports and private estimates suggest that between 2 million and 4 million of the country's native Saudis live on less than about $530 a month – about $17 a day – considered the poverty line in Saudi Arabia.


Opa, perai, como é que 1/4 da população da Arabia Saudita vive abaixo da linha da pobreza? Você não disse que era um país ótimo, rico, cheio de estatal e assistencialismo? Explique isso então.


Falam de acabar com o imposto mas negam toda a imoralidade que a ausência deste geraria, como injustiças e até coisas que ninguém prever.

Que imoralidades, cara-palida? Favor discorrer.

Favor, tentar novamente. Essa sua participação foi muito triste.


Poderiam responder o comentário desse Leonardo Stoppa:
Estranho, hipócrita é dizer que o socialismo atual compete com o capitalismo. Comunismo sim complete com capitalismo mas socialismo é uma forma de redistribuição que, quando interpretada por pessoas que estudam economia a partir de livros de economia (e não Olavo de Carvalho) é uma espécie de segurança ao capitalismo.

Se um dia você entender que existe conhecimento além do que você conhece você vai ver que dentro do conceito atual de socialismo estão as formas de redistribuição de renda (SUS, Fies, Bolsas). Em países de primeiro mundo a galera acaba usando essa grana inclusive para comprar iPhone, logo, é um socialismo que serve ao capitalismo pois deixar essa grana parada na conta de um milionário vai resultar na venda de 1 iPhone para apple, agora, quando redistribuído vira vários iPhones.

O problema da sua visão é que você estuda em materiais criados sob encomenda. Você deixa de estudar em livros de economia para aprender pelas palavras de um cara que é pago por aqueles que pagam os impostos, ou seja, aqueles que são contra a redistribuição, logo, você abre mão do conhecimento para a alienação.

Socialismo não é comunismo. Pode vir de certa forma assemelhado nos livros antigos, mas depois da segunda guerra mundial e principalmente depois da queda da URSS, ficou claro que não há em se falar em controle centralizado e ausência de propriedade privada, mas quem estuda um pouco de economia e sociologia sabe que a intervenção e a redistribuição são importantes atividades governamentais para salvaguardar a atividade industrial.

A final, de que adianta ter industrias de ultima geração se apenas 1% do povo compra seus produtos??

ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS

  • anônimo  13/03/2012 22:26
    Leandro, resolvi ler esse artigo (sugerido por um primo) porque um professor da minha faculdade de economia, na aula de "contabilidade social" (seja lá o que é isso) me disse uma coisa que eu não soube responder na hora.

    Estávamos aprendendo sobre agregados keynesianos e sobre aquele lance de identidades que leva à conclusão de que S = I (poupança = investimentos).

    Os colegas naõ entenderam bem isso e, em determinado momento, eu perguntei ao professor como era possível haver investimento sem poupança (isso porque ele disse que existe essa possibilidade e tudo mais).

    Perguntei também como, num sistema bancários com 100% de reservas, poderia haver expansão monetária sem uma poupança anterior. Ao final, sugeri que isso poderia ajudar a entender a crise de 2008.

    Bom, o professor deu uma bela volta para falar do "compulsório", fugiu da pergunta e, ao final, disse que isso era balela porque em 1929 o sistema bancário não operava com reservas fracionárias, que o padrão "câmbio-ouro" estava em pleno vigor e, mesmo assim, a crise foi a maior de todas.

    Isso é verdade? Será que ele blefou? Em 1929 eu sei que o padrão ouro era vigente, mas isso não impediu a expansão monetária em diversos países, certo?

    Obrigado e desculpe o incômodo, mas é que tá difícil... e eu só estou na terceira semana...

  • Leandro  14/03/2012 04:54
    Bem-vindo ao mundo acadêmico, anônimo. Nos departamentos de economia das universidades, é possível você encontrar mais pilantras por metro quadrado do que no Congresso.

    A ignorância deste seu professor é avassaladora. Afinal, ele nem precisa ser um estudioso da história. Basta ele utilizar a lógica econômica. Se não havia reservas fracionárias nos EUA naquela época, então como foi possível ter havido uma queda de mais de 30% no M1? Como é possível haver uma contração monetária, como é possível o dinheiro desaparecer em um sistema que não seja de reservas fracionárias? Será que ele acha que ouro evaporou?

    Uma das principais defesas da abolição das reservas fracionárias é justamente o fato de que tal abolição impediria estas destrutivas deflações monetárias. Só há contração monetária se houver ocorrido antes uma expansão de meios fiduciários (dinheiro criado do nada via reservas fracionárias). Como este ignaro deste seu professor explica não haver reservas fracionárias e ainda assim a oferta monetária se contrair em quase um terço?

    O que houve durante a Grande Depressão -- e eu recomendo que você leia os nossos artigos a respeito -- foi que o governo americano implementou políticas de controle de preços, controle de salários, aumento de tarifas de importação, aumento de impostos e estimulou uma arregimentação sindical de modo a impedir que as empresas baixassem seus preços.

    Ora, alie um cenário de redução da oferta monetária (por causa da quebra dos bancos que operavam com reservas fracionárias) com rigidez de preços (estipulada pelo governo) e é claro que vai haver uma profunda recessão. Mas o problema não está na oferta monetária e sim na falta de liberdade de preços, a qual foi proibida pelo governo.

    Tivessem os preços podido se reajustar para baixo, como ocorreu durante a Grande Depressão de 1921, a Grande Recessão não duraria nem dois anos.

    Grande abraço e mantenha a sanidade neste ambiente fecal. Você vai precisar.
  • Pipe  14/03/2012 04:55
    O artigo "As crises monetárias mundiais" explica muito bem o caminho do padrão-ouro até seu fim oficial em 1973.
    Em 29, o que havia era um estranhíssimo padrão "ouro-câmbio", que é explicado no texto que está no link acima.
  • Alexandre M. R. Filho  14/03/2012 10:11
    Leandro e Pipo, obrigado pelas sugestões.\r
    \r
    De fato, achei muito estranho o que o professor falou, mas como não tinha como retrucar porque não tinha conhecimentos profundos, fiquei quieto.\r
    \r
    Estou lendo os textos, o que demorará um pouquinho pra terminar.\r
    \r
    Porém, estou com uma dúvida desde já\r
    \r
    Quer dizer então que o sistema bancário americano de 1929 operava sim com reservas fracionárias, mesmo com o padrão ouro em vigência?\r
    \r
    O governo, então, interferia na economia através dos controle de preços, salários e da taxa de juros, é isso? Obrigado, mais uma vez!\r
    \r
    Leandro, posso mandar teu currículo pra dar aula aqui na UNESC?\r
    \r
  • Emerson Luis, um Psicologo  01/02/2014 21:47

    O livro Cisne Negro explica que, se algum político tivesse estabelecido alguma lei que tivesse impedido o atentado de 11/09, ele não receberia nenhum reconhecimento por isso, pois as pessoas jamais saberiam o que foi impedido.

    Harding agiu certo e a depressão de 1920 passou de forma relativamente rápida e leve - tanto é que muitos hoje nem sabem que ela ocorreu. Aliás, muitos hoje nem sequer sabem que houve um presidente chamado Harding.

    Roosevelt agiu errado e a depressão de 1929 durou pelo menos quatro vezes mais e foi muito mais severa do que poderia ser. E hoje ele é aclamado como herói.

    É deplorável!

    * * *
  • Pobre Paulista  02/02/2014 01:57
    Emerson, uma generalização do que você disse pode ser vista aqui:

    O que se vê e o que não se vê (Frederic Bastiat)
    www.mises.org.br/EbookChapter.aspx?id=342

    A propósito, cito um exemplo semelhante aqui do mundo corporativo onde trabalho, resumidamente é com desenvolvimento de sistemas. Recentemente um funcionário de longa data foi demitido, um desses que sempre chegava no horário, saía no horário e entregava seus trabalhos nos dias combinados. Um outro funcionário, recém contratado, foi promovido a coordenador. Esse fica sempre trabalhando até tarde, leva trabalho para casa e trabalha praticamente todos os finais de semana.

    Numa primeira vista parece tudo bem. Mas não.

    Tive a oportunidade de dar continuidade no trabalho dos 2 supracitados. O trabalho do que foi demitido era simplesmente impecável. Tudo o que era entregue estava 100% funcionando, sem erros, sem dor de cabeça. Já o trabalho do recém promovido era horrível, cheio de gambiarras e improvisos. Não é a toa que trabalhava demais, era o único jeito de terminar seus serviços.

    Só que é justamente esse "trabalha demais" que chamou a atenção da diretoria. Pelo o que se vê ele parece muito mais produtivo, mas, o que não se vê é a quantidade absurda de retrabalho e manutenção futura que ele gerou. Já quanto ao funcionário demitido, o que se vê parece leniência e conformismo, mas o que não se vê é que o trabalho era impecável e por isso passava sempre batido.

    Enfim, apenas um paralelo para mostrar que essa situação é corriqueira, não só na política. As pessoas simplesmente não sabem avaliar nada. Não há nada de errado com a meritocracia, o problema está em quem mede...
  • Bruno D  02/02/2014 15:47
    No final é sempre assim: o justo pagando pelo pecador, quem tem bom senso aliado com conhecimento do que é certo e errado é taxado de maluco reacionário recheado de risadinhas em acompanhamento de ahhhhhhhs e ahhhhhhhs....

    Isso é tão antigo que chega a ser bíblico.

    Att
  • Henrique  24/03/2014 13:25
    Realmente nunca havia ouvido falar dessa depressão pós I G.M.

    Agora estou curioso com o seguinte: não foi essa política desenvolvida pelo governo Harding que gerou a bolha que se viu no decorrer da década de 20 e que deflagrou a quinta-feira negra em 1929?
  • Malthus  24/03/2014 13:57
    Não. Ele saiu em 1922. A Grande Depressão ocorreu em consequências de políticas do Federal Reserve, como explicado em detalhes excruciantes neste livro.

    www.mises.org.br/Ebook.aspx?id=76
  • Henrique  24/03/2014 22:44
    Oba, leitura pro fim de semana =]
  • Vive la Liberte  17/12/2014 17:54
    Muito bom o artigo. Desconhecia o nome.

    E quanto ao Brasil? Qual foi o governante mais libertário?
  • Amarilio Adolfo da Silva de Souza  19/03/2015 21:18
    A solução é simples. Mas, são poucas as pessoas humildes para aceitar.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.