clube   |   doar   |   idiomas
A pobreza extrema ao redor do mundo despencou na medida em que a economia de mercado se expandiu

O Banco Mundial recentemente anunciou que o mundo alcançou um novo marco.  A pobreza extrema, disse o Banco, provavelmente cairá para menos de 10% da população mundial pela primeira vez na história em 2015.

Pobreza extrema, de acordo com o Banco Mundial, é uma situação em que uma pessoa vive com uma renda menor que US$ 1,90 por dia.  Em outras palavras, trata-se de uma pobreza genuinamente opressiva, e não uma pobreza "americana", em que os pobres possuem celulares e ar-condicionado.  Ou seja, esta medida de pobreza não é uma medida relativa (por exemplo, os pobres nos EUA são mais ricos que a classe média de boa parte da Europa), como é frequentemente feito pelas Nações Unidas em relatórios como os da UNICEF.

De acordo com o Banco:

O Banco Mundial projeta que a pobreza global terá caído de 902 milhões de pessoas, ou 12,8% da população global, em 2012, para 702 milhões de pessoas, ou 9,6% da população global, este ano.

Naturalmente, qualquer tendência de queda na extrema pobreza é uma ótima notícia.  Mas a pergunta óbvia que tem de ser feita é por que os níveis de extrema pobreza têm caído. 

O Banco Mundial alega que as melhorias "se deveram às fortes taxas de crescimento econômico nos países em desenvolvimento nos últimos anos, aos investimentos na educação e na saúde, e à ampliação das redes de seguridade social, o que impediu que pessoas voltassem para a pobreza".

expoverty.jpg

Gráfico 1: pobreza extrema mundial, em porcentagem da população total.  Fonte: Banco Mundial.

Essa conclusão, a princípio, é aceitável.  Com efeito, transferir fundos de um grupo de pessoas para outro grupo de pessoas realmente tende a aumentar a renda deste último grupo.  Pelo menos no curto prazo.  Adicionalmente, aumentar investimentos na educação e na saúde é uma coisa boa. (É difícil dizer se, para o Banco Mundial, "investimento" significa um genuíno investimento privado ou simplesmente gastos governamentais).

Entretanto, independentemente do que se pense a respeito de redes de proteção social e gastos governamentais, o fato imutável é que, para que a riqueza possa ser redistribuída, ela tem antes de ser criada.  Essa é uma realidade incontornável.  Não se pode redistribuir aquilo que não se criou. 

[N. do E.: para que uma economia continue crescendo ao mesmo tempo em que o governo redistribui a renda de um grupo (geradores de riqueza) para outro grupo (consumidores de riqueza), a produtividade dos geradores de riqueza tem de ser muito alta.  E para a produtividade ser alta, a criação e a acumulação de capital pela economia têm de ser muito altas.  Apenas um alto grau de capital criado e acumulado pode permitir uma alta produtividade.]

Consequentemente, se uma economia não consegue aumentar a produtividade de seus trabalhadores por meio da poupança e da criação e acumulação de capital, não haverá a criação de novos excedentes que possam ser redistribuídos.  Você pode querer redistribuir riqueza indefinidamente; no entanto, se alguns trabalhadores e empreendedores não mais estiverem criando riqueza real, o resultado final será simplesmente a redistribuição da pobreza.

Portanto, a que podemos atribuir essa contínua queda na pobreza extrema, que é a pior pobreza que existe?

Para se ter uma melhor perspectiva das causas do declínio na pobreza, vejamos em que parte do mundo a pobreza extrema persiste.

Primeiramente, temos de notar que os países mais ricos do mundo já erradicaram a pobreza extrema.  Não há pessoas que vivem com menos de US$ 1,90 nos EUA, no Canadá, na Austrália e na Europa Ocidental.  Tais países simplesmente não possuem um número nem sequer ínfimo de pessoas que vivem em palhoças, que têm de andar quilômetros diariamente apenas para conseguir água potável, e que não possuem acesso a serviços de saúde modernos.  Mesmo no Leste Europeu, onde o socialismo de estilo soviético durou até o início da década de 1990, é difícil encontrar uma população com mais de 1% das pessoas vivendo em níveis de extrema pobreza.

Portanto, temos de olhar para América Latina, Ásia e África para encontrar as populações que continuam padecendo condições de pobreza extrema.

Todos os dados são do Banco Mundial e foram coletados ao longo de 20 anos, de 1992 a 2012, o último com dados disponíveis.  Durante esse período, ao redor de todo o mundo, a pobreza extrema caiu de 34,7% para 12,7%.

A América Latina é a menos pobre das regiões que estão fora das ricas América do Norte e Europa.  Os maiores países da América Latina ficaram bem abaixo das taxas mundiais de pobreza extrema ao longo dos 20 anos que vão de 1992 a 2012:

wb.jpg

Gráfico 2: porcentagem de pessoas vivendo na pobreza extrema na Argentina, no Brasil, na Colômbia, no México e no mundo em 1992 (azul) e em 2012 (laranja)

Além de constatar que a América Latina possui menos pobreza extrema do que o mundo como um todo, também é possível observar que houve uma substancial melhora ao longo desse período de 20 anos.  No México, por exemplo, a pobreza extrema caiu de 9,7% para 2,7%.  No Brasil, a queda foi ainda mais intensa [N. do E.: graças, majoritariamente, à estabilização da economia e ao fim da hiperinflação], de 20,8% para 4,9%.  Na Colômbia (que já tinha menos pobreza que o México e muito menos que o Brasil), a queda foi menor, mas se manteve no caminho certo, com a pobreza extrema caindo de 8% para 6%.

Já no sul e sudeste da Ásia, as condições são consideravelmente piores, podendo ser encontradas taxas de pobreza extrema que excedem 40%.

wb2.jpg

Gráfico 3: porcentagem de pessoas vivendo na pobreza extrema em Bangladesh, na China, Na Índia, na Indonésia, no Irã, no Paquistão, nas Filipinas e no mundo em 1992 (azul) e em 2012 (laranja)

Não obstante, nestes casos também observamos profundas melhorias ao longo do período de 20 anos.  Na China, por exemplo, a taxa de pobreza extrema caiu de 57% para 11%.  Na Indonésia, a taxa caiu de 57% para 15%.  O menor progresso ocorreu em Bangladesh.  Mas, mesmo lá, a pobreza extrema caiu 20 pontos percentuais, de 63% para 43%.

A pior situação, no entanto, é encontrada na África, onde as taxas de pobreza extrema são maiores e as melhorias observadas foram as menores.

wb3.jpg

 Gráfico 4: porcentagem de pessoas vivendo na pobreza extrema na República Democrática do Congo, na Etiópia, na Nigéria, na África do Sul e no mundo em 1992 (azul) e em 2012 (laranja)

Dentre os maiores países da África, percebe-se que a pobreza extrema continua flagelando uma grande fatia da população, embora tenha havido uma significativa melhoria na África do Sul e na Etiópia.  Na Etiópia, de 1992 a 2012, a pobreza extrema caiu de 67% para 33%, e na África do Sul, de 32% para 17%.

Por que as disparidades entre regiões e países?

Se o Banco Mundial alega que a pobreza é reduzida por programas de seguridade social e investimentos em saúde e educação, então a pergunta inevitável é: como uma população obtém um excedente grande o suficiente para financiar programas de seguridade social, educação e saúde?

A resposta está em uma mão-de-obra mais produtiva, uma maior inserção no comércio mundial, e mais atividades empreendedoras.  Igualmente essencial é um sistema legal confiável que proteja a propriedade privada.

[N. do E.: em suma, o que permite que um país gere riqueza — riqueza essa que então poderia ser redistribuída — é divisão do trabalho, poupança, acumulação de capital, capacidade intelectual da população (se a população for despreparada, a mão-de-obra terá de ser importada), respeito à propriedade privada, baixa tributação, segurança institucional, desregulamentação econômica, moeda forte, ausência de inflação, empreendedorismo da população, leis confiáveis, previsíveis e estáveis, arcabouço jurídico sensato e independente].

Ou seja, a resposta está em uma maior liberdade empreendedorial e em maior segurança para as pessoas que atuam no mercado.

O mundo desenvolvido, por exemplo, onde a extrema pobreza deixou de existir, é dominado por economias de mercado.  Mesmo as supostas economias "socialistas" de países como Suécia e Dinamarca estão entre as economias mais liberais do mundo. (Leia detalhes sobre as economias de Suécia e Dinamarca aqui e aqui).

Com efeito, se olharmos para os países nórdicos em um contexto mais geral, veremos que a região é obviamente formada por mercados que são, ao menos parcialmente, livres.  Suécia e Dinamarca não têm nada em comum com as economias "planejadas" que eram populares no mundo em meados do século XX.  Sim, esses países são menos ricos do que poderiam ser graças a uma variedade de regulamentações governamentais e políticas redistributivas; porém, se olharmos no contexto global, não haverá nenhuma dificuldade em entender por que a Dinamarca é muito mais rica do que, por exemplo, a Índia, país este que, até a década de 1990, padeceu sob um ambiente extremamente regulador e burocrático.  A Índia ainda está tentando alcançar a Dinamarca, mas não será capaz pelas próximas décadas, se não pelos próximos séculos.

[N. do E.: assistencialismo e redistributivismo só podem funcionar — e, ainda assim, por tempo determinado — em sociedades que já enriqueceram e já alcançaram altos níveis de produtividade. Apenas países ricos, que já têm capital acumulado, podem se dar ao luxo de consumir esse capital com políticas redistributivistas. Não dá para redistribuir aquilo que não foi criado.  Adotar um modelo sueco em um país sudanês não daria muito certo.]

A América Latina, por sua vez, reduziu suas taxas de pobreza extrema tão intensamente graças à adoção, ainda que tímida, de economias de mercado.  O Chile é uma grande história de sucesso, e, se o país permanecer em seu atual caminho relativamente pró-mercado, provavelmente entrará no clube dos países mais ricos do mundo na próxima geração. 

Embora mais pobre que o Chile, o México também é uma história de êxito, e a ascensão de uma classe média no país ao longo dos últimos vinte anos é um sinal do comprometimento do país em se afastar, ainda que lentamente, de séculos de domínio do governo sobre a economia.  As pessoas que se referem à América Latina como "terceiro mundo" estão paradas no tempo.

E, obviamente, México, Chile e outros países da América Latina em que a pobreza extrema está desaparecendo simplesmente já vêm participando da economia global há mais tempo do que grande parte do mundo.

Não obstante todos os avanços e retrocessos políticos, todos os ciclos de expansão e recessão, a América Latina tem se voltado para uma economia de mercado.  Já o mesmo não pode ser dito da Ásia e da África.  Dominados há muito tempo por, de um lado, políticas econômicas marxistas e, de outro, mercantilismo colonialista, os países africanos fizeram muito pouco para criar condições favoráveis para o desenvolvimento econômico.  Flagelada por guerras, sistemas judiciários corruptos, e ideologias que desprezam a propriedade privada — como o islamismo e o marxismo —, a população do continente africano continua sofrendo com a pobreza que domina a paisagem do local.

Enquanto isso, na Ásia, o cenário é bem mais variado.  China, Índia e o sudeste asiático estão continuamente abrindo suas economias.  Os maiores países da região (com a exceção de Bangladesh) reduziram suas taxas de pobreza extrema pela metada ao longo dos últimos anos.

A China, obviamente, adotou uma economia mais aberta na década de 1980, ao passo que a Índia vem abandonando a opressão do seu bizantino e extremamente burocrático sistema de licenças e regulamentações.

Para uma  evidência dessa difusão da economia de mercado não é necessário ir mais além do que contemplar a variedade de publicações de esquerda que deploram a difusão do "neoliberalismo" pela América Latina e Ásia.

Nós defensores do laissez-faire não temos nenhuma simpatia pelo neoliberalismo, pois os neoliberais defendem corporativismo, subsídios para as grandes empresas, agências reguladoras para proteger as empresas aliadas do regime, e uma "Terceira Via" que permite um contínuo controle estatal sobre vários aspectos da economia.

O problema com o neoliberalismo não é o "liberalismo", como afirmam os críticos anti-capitalistas.  O problema é o prefixo "neo".

E, embora o neoliberalismo perpetue vários malefícios vigentes nas economias controladas pelo estado, o fato é que — no que diz respeito à redução da pobreza — algum liberalismo é melhor do que nenhum liberalismo.


4 votos

autor

Ryan McMaken
é o editor do Mises Institute americano.


  • Batista  03/12/2015 14:49
    A pobreza extrema pode ter certa parcela de culpa dos governos, mas muitas pessoas amam regalias, paternalismo estatal, bolsas, direitos e mais direitos... mas não querem produzir, não pensam em agregar valores à sociedade.

    A economia de mercado exige responsabilidades. Nem todos cidadãos estão dispostos a assumir as suas. Assim, sempre haverá pobreza. Nos primórdios da humanidade não foi diferente. Sempre foi assim, é assim, e continuará por algum tempo.
  • Aprendiz  04/12/2015 13:22
    Infelizmente, a doutrinação de dependência criada pelo estado está enraizada na maioria da população, e boa parte dela sequer consegue enxergar outra solução. Você não vê o povo nas ruas falando "o estado deve acabar". O máximo que se é ouvido é um "todos os políticos são ladrões" ou "isso não vai mudar", e ao final você sente aquela sensação de que o sujeito implicitamente poderia concluir: "como não vai mudar, deixemos tudo como está".

    É incrível a falta de capacidade de reflexão sobre esse problema. O que parece para mim é que quando está reclamando, o sujeito vê esse problema estatal como algo próximo a ele, mas logo quando ele fecha a boca, tudo o que foi dito, o problema enfrentado, torna-se algo distante, e então o sujeito volta-se para si e diz: "é, agora é hora de eu tocar minha vida, já que com os governantes não vou resolver nada".
  • Rogério Celso Hansen  03/12/2015 15:30
    E a continuar esse desgoverno petralha no Brasil, infelizmente seremos estatística contrária aos números dessa matéria, ou seja, estaremos empurrando mais gente para a pobreza extrema, lamentavelmente. A considerar que os números propagandeados pelo lula e cia. nunca foram confiáveis e tampouco tão significativos quanto propagandeado pois muito se mentiu a respeito.
  • Batista  03/12/2015 16:03
    A solução seria trocar esquerda por esquerda?

    Até que ponto vale a pena a saída? Alguns pensam diferente.
  • Viking  03/12/2015 17:26
    no momento, a única solução palpável e real é o NOVO.
  • Anderson  03/12/2015 19:39
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=1034
  • Batista  04/12/2015 11:37
    Ah, sim, então na saída da atual entraria o Novo?
  • Viking  03/12/2015 17:26
    somente o livre mercado nos salvará!
  • Viking  04/12/2015 11:47
    Anderson e Batista.
    eu disse que a melhor solução no momento seria eleger alguém do NOVO.

    obviamente não é o melhor dos mundos, mas qualquer passo em direção a um pais mais livre já ajuda um bocado.

    sei que o NOVO ainda fica bem aquém dos nossos ideais, mas melhor lutar por um pouco mais de liberdade do que deixar esses sociocomunistas no poder por mais alguns mandatos.
    esse é meu ponto de vista.

    Batista, se ocorrerem novas eleições, porque não?
  • Minimim  03/12/2015 15:57
    Alguém notou que a Argentina, continuou a mesma coisa na porcentagem de pessoas vivendo na pobreza extrema, na comparação entre 1992 e 2012?
  • Romulo  17/07/2016 16:55
    Eu notei..
  • Tiago silva  03/12/2015 15:58
    Excelente artigo.
    Contrariando os grunhidos dos esquerdopatas,a pobreza tem caído a olhos vistos,havendo uma certa correlação,entre mais estado ou menos estado,mais liberdade económica,maior abertura comercial,mais riqueza e menor pobreza.
  • José  03/12/2015 17:01
    E atualmente, no Brasil, maioria vive na pobreza moderada.
  • krlsdu  03/12/2015 17:06
    Lendo o artigo veio me a seguinte pergunta:
    "Qual a diferença entre os minarquistas e os neoliberais?"

    Ambos acreditam na necessidade da existem do estado, regulações estatais mínimas, intervenções de N tipos.
    Ambos acreditam que o estado não tem que intervir nas decisões do indivíduo.

    Caso alguém tenha uma distinção clara, poderia esclarecer, obrigado!
  • anônimo  03/12/2015 18:27
    Minarquistas acreditam que o Estado deve apenas se incumbir da justiça e da segurança, ponto.

    Já o ''neoliberalismo'' ou ''neoestatismo''(como preferimos chamar), foi um conceito que veio do Consenso de Washington onde foram propostas reformas para desinchar os Estados de países da América Latina(altamente deficitários por conta dos gastos com o Estado de Bem-Estar Social). Porém, ainda admitia um órgão como o Banco Central(incompatível com uma minarquia), empresas estatais ''eficientes''(outro ponto de incongruência), etc.

    Enfim, o ''neoliberalismo'' nada mais é/foi(?) uma medida para ''modernizar'' e tonar o Estado mais eficiente. Por isso me referi acima como neoestatismo.
  • Taxidermista  03/12/2015 18:56
    Meu caro:

    O Ryan McMaken é um libertário, de sorte que, caso ele não seja ancap, só resta a ele ser um libertário minarquista.

    Dito isso, veja o que ele diz na conclusão do texto:

    "Nós defensores do laissez-faire não temos nenhuma simpatia pelo neoliberalismo, pois os neoliberais defendem corporativismo, subsídios para as grandes empresas, agências reguladoras para proteger as empresas aliadas do regime, e uma 'Terceira Via' que permite um contínuo controle estatal sobre vários aspectos da economia".

    Percebe a diferença entre um minarquista e um "neoliberal"?
  • Thiago Teixeira  03/12/2015 17:29
    Receio que na África não haja condições mínimas de segurança e justiça para que a integridade física das pessoas e a acumulacao de bens sejam respeitadas. Isso é condicão necessária para o livre-mercado.

    No meio de tanta barbárie, a única coisa que eu acho que resolveria seria um ajuste a la Cowperthwhaite.
  • Aprendiz  04/12/2015 12:06
    Creio que a respeito disso deveríamos nos informar melhor sobre a situação dos países da África, que pode ter sub desnutridos, mas também há regiões (que não são poucas) com cidades semelhantes as nossas. Há espaço sim para a acumulação de riquezas e liberalismo no continente africano.

    Acho que essa matéria seria interessante de ler.
  • Lucas Braga  03/12/2015 17:33
    Confessa, Leandro... foi você que escreveu esse artigo!

    O McMaken está muito bem informado, parabéns por ter pego esse artigo. Mais parece que foi escrito por um de vocês aqui do IMB.
  • Tannhauser  03/12/2015 17:42
    Gostaria de ver os dados entre 2012 e 2015 (período em que dólar subiu muito) e também os dados da Venezuela.
  • Leandro  03/12/2015 18:09
    A última publicação do Banco Mundial contém dados até 2012.

    Mas já se sabe que o Brasil regrediu em 2013.

    oglobo.globo.com/economia/ipea-mostra-que-aumentou-numero-de-miseraveis-no-pais-em-2013-14471753
  • Tannhauser  03/12/2015 20:01
    Obrigado!
  • Sociólogo da USP  03/12/2015 17:46
    ''variedade de publicações de esquerda que deploram a difusão do "neoliberalismo" pela América Latina e Ásia.''

    Foi pra mim isso?
    ---------------------------------------------------------------------------------------------
    Alors, de nada adianta diminuir a pobreza se a desigualdade social dispara. O que os neoliberais têm dificuldade de entender é que a quantidade de riqueza é finita, logo, se algum grupo acumula mais que os outros, a tendência é essa disparidade (1% detêm metade da riqueza de todo o planeta) culminar em um futuro onde ''poucos têm muito, e muitos têm pouco'' -escusado dizer que esse arranjo é auto-destrutivo no longo prazo, como previu sabiamente Karl Marx.

    Economia é um jogo de soma zero: se uns ganham, outros perderam para isso. Não à toa, um padrão-ouro no qual, como já dito alhures, a massa monetária é constante, é uma medida burguesa de impedir que os mais abastados tenham acesso à bens que eles têm acesso(uma vez que, se a quantidade é fixa, uma acumulação de uma parte geraria falta para outra). Escrevi a necessidade de se imprimir dinheiro e distribuir aos mais pobres e fui vilipendiado aqui. Novamente indago: porque tolher à alguns algo que todos podem ter?

    Doravante, passo até a ver o fenômeno inflacionário com outros olhos: nada mais é do que uma reação leviana da burguesia de aumentar os preços em resposta ao ''aumento de dinheiro'' dos mais pobres(para que os mesmos não tenham o padrão de vida da elite). Por isso um ESTADO forte controlando abusos como esse é fulcral para a sociedade.

    Retomando ao escopo do artigo, a queda da pobreza(que na verdade foi uma redução da sua aceleração) é resultado do fim do neoliberalismo(na crise de 2008) e a adoção de sistemas que se importam um pouco mais com o social(Welfare State). Malgrado que ainda seja uma capitalismo travestido de socialismo, é bem menos agressivo que os ideais liberais.

    Apenas um adendo: se o Sudão não pode aplicar politicas de distribuição de riquezas como Suécia e Dinamarca, é porque o primeiro fora espoliado indecentemente pelos dois últimos. No entanto, em um patamar global, o ''bolo de riqueza'' não cresceu, apenas tiraram a fatia do Sudão para distribuir a Suécia e Dinamarca. Não tem nada a ver com ''criação de riquezas''.

    Menos Mises, mais Marx.
  • cmr  03/12/2015 18:31
    Tinha que ser um sociólogo da "uspi" mesmo.
  • Edujatahy  03/12/2015 21:26
    Economia é um jogo de soma zero... Kkkkkk...
    E os egipcios andavam de ferrari em frente as pirâmides a milhares de anos atrás tb.
  • Paraninfo  04/12/2015 03:30
    Mais um discurso canalha de um parasita da USP.

    A USP é uma instituição de ensino sustentada por assaltantes de trabalhadores.

    O estado agride as pessoas para pagar as contas da USP.

  • Repetente  04/12/2015 10:42
    Calma, rapaz. O sociólogo da USP é apenas um personagem. Você me lembrou agora daquele pessoal que achava que novela era coisa real e brigava com o ator que fazia o papel de mau quando o encontrava na rua.
  • Tannhauser  03/12/2015 20:13
    Leandro, no link que você passou a renda para se considerar extremamente pobre é de 70 reais. Está bem abaixo de US$ 1,90 diários (por volta de R$ 200,00 mensais). Acredito que teria aumentado bem mais, considerando a destruição da nossa moeda correto? Imagine em 2014 e 2015 o estrago que está sendo feito no Brasil. Ótimo artigo!
  • Paraninfo  04/12/2015 01:32
    Um lixeiro americano ganha mais do que um médico cubano.

    Um brinde ao capitalismo.

    PS: Com Le Chandon !
  • Emerson Luis  05/12/2015 10:45

    1- A pobreza só pode ser reduzida pela criação de riqueza em um ambiente de liberdade econômica e isonomia, não por políticas de "redistribuição de renda".

    2- Senti falta do texto (ou pelo menos algum comentário) lembrar que "redistribuição de renda" é um eufemismo para roubo institucionalizado. Ou será que existe outro sentido para essa expressão que desconheço?

    * * *
  • junior  02/02/2017 01:54
    Quem acompanha a economia sabe que a pobreza reduziu porque a riqueza aumentou pra todos, inclusive pros menos favorecidos ! Não, não foi nenhum milagre socialista comunista ! O conceito de acabar, erradicar a pobreza é um conceito totalmente imbecil pois não existem ricos sem pobres e vice-versa, pra não falar daqueles que escolheram viver na simplicidade e facilidade da pobreza, ainda mais quando o Estado comuna favorece com muitos benefícios os miseráveis e desvalidos ! Outro conceito que só cabe na cabeça do Comuna é o erradicar o rico, quem é racional e acompanha a historia sabe que os ricos sempre foram ricos e sempre serão e nada, nem ninguém vai mudar isto, independente do regime, da cultura, da política ou da sociedade ! O comunismo é totalmente utópico e nada pragmático não resultando em nenhum beneficio útil para a humanidade !


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.