Há muito governo na nossa gasolina
Com o preço médio da gasolina acima de R$ 3,50 na maior parte do país, e chegando a R$ 4,51 em algumas localidades (dependendo do tipo da gasolina escolhida) — e tudo isso justamente em um momento em que o preço da gasolina está em queda no resto do mundo —, a conclusão é que há muito governo em cada litro da gasolina brasileira.

No entanto, tudo isso é ainda muito pior do que parece.

Embora as principais intervenções diretas do governo sejam claras e visíveis a todos — o retorno da CIDE e a decisão da Petrobras de aumentar o preço para refazer seu caixa, esfacelado pela corrupção —, há também outras intervenções que o cidadão comum não consegue visualizar, mas que são ainda mais deletérias do que essas duas intervenções explícitas do governo.

A seguir, uma lista das 9 principais contribuições do governo brasileiro para o preço e para a qualidade da nossa gasolina:

1) O mercado de combustíveis no Brasil está longe de ser um genuíno mercado.  Há uma vasta e complexa rede de subsídios, obrigações e proibições.

O setor energético é certamente um dos mais regulados da economia brasileira.  Começa pelo fato de a Petrobras deter um monopólio prático da extração de petróleo.  Após mais de 40 anos de monopólio jurídico (quebrado apenas em 1997), a Petrobras já se apossou das melhores jazidas do país.  Nem tem como alguém concorrer.  É como você chegar atrasado ao cinema: os melhores assentos já foram tomados, e você terá de se contentar com os piores. 

Depois da Petrobras, vem a ANP (Agência Nacional de Petróleo), cuja função autoproclamada é a de fiscalizar todo o setor petrolífero brasileiro, inclusive os setores de comercialização de petróleo e seus derivados, e o de abastecimento.

A ANP é uma burocracia enorme que possui, além de sua diretoria, uma secretaria executiva, 15 superintendências, 5 coordenadorias, 3 núcleos (Segurança Operacional, Fiscalização da Produção de Petróleo e Gás Natural, e Núcleo de Informática) e 3 centros (Relações com o Consumidor, Centro de Documentação e Informação, e Centro de Pesquisas e Análises Tecnológicas).

Além da Petrobras e da ANP, que regula tudo que diz respeito ao setor, há toda uma cornucópia de regulamentações ambientais, trabalhistas e de segurança que fazem com que abrir um posto de combustíveis seja uma atividade quase que restrita aos ricos — ou a pessoas que possuem contatos junto ao governo.  Livre concorrência nesta área nunca existiu.

2) Há toda a carga tributária.  Como anualmente demonstrado pelo IMB no Dia da Liberdade de Impostos, caso todos os impostos sobre a gasolina (PIS, Cofins, CIDE e ICMS) fossem abolidos, o preço do litro, hoje, cairia 53%, que é exatamente a carga tributária desses impostos que incidem sobre a gasolina. 

Uma carga tributária tão voraz como esta incidindo sobre os preços estimula a criação de todos os tipos de métodos burlescos que possibilitem a obtenção de um máximo de receitas através do menor volume possível de vendas do produto real — daí os recorrentes casos de gasolina batizada, por exemplo. 

3) Uma fatia do caríssimo preço da gasolina é utilizada pelo governo para subsidiar o preço do diesel.  O argumento é que o diesel é um "combustível social" por ser utilizado no transporte público e no transporte de cargas.

Os empresários donos de concessões de ônibus e de transportadoras agradecem.

4) Por conta desse subsídio ao óleo diesel, é proibida a circulação de carros de passeio movidos a diesel no Brasil.  Quem já foi à Europa sabe que veículos de passeio a diesel não apenas são muito comuns por lá, como já estão se tornando a maioria.

No Brasil, os únicos automóveis que podem utilizar o diesel são aqueles vistosos utilitários, de propriedade apenas dos mais ricos.  Justamente por serem considerados "veículos utilitários", e não veículos de passeio, eles têm esse privilégio.

Os fazendeiros e os ricaços, que podem andar com combustível subsidiado pelo povo, agradecem o suado esforço da boiada.

5) A gasolina no Brasil vinha com 25% de álcool.  Agora, por determinação do governo, esse percentual foi elevado para 27%.  O que isso significa?

5.1) Em primeiro lugar, maior consumo.  Quanto maior o volume de álcool na gasolina, maior é o consumo, pois o álcool possui menos poder calorífico em relação à gasolina. Isso faz com que seja necessária uma maior quantidade de combustível para que o motor realize o mesmo trabalho.  Ou seja, seu carro consumirá mais e você terá de reabastecer com mais frequência.  Prepare seu bolso.

5.2) O álcool é péssimo para o motor, pois é corrosivo. Isso afeta tanto a bomba de combustível do carro quanto a vida útil dos componentes do sistema de injeção.  Mais álcool, mais estrago.

5.3) Os motores a gasolina não foram calibrados para tamanho teor de álcool, e nenhuma pesquisa de campo concluiu que os microprocessadores da injeção eletrônica têm a capacidade de processar uma mistura contendo mais de 25% de álcool para chegar a uma mistura ar-combustível ideal.  Consequentemente, haverá a tendência de a mistura ar-combustível ficar mais pobre, gerando redução de potência e hesitações sob aceleração.  Haverá mais emoção a cada ultrapassagem.

5.4) Se você quiser continuar comprando gasolina com "apenas" 25% de álcool, você terá de desembolsar mais para comprar a gasolina Premium, que não foi agraciada com essa resolução do governo.  Seu litro custa bem acima de R$ 4 na maioria das cidades brasileiras.

5.5) Utilizar essa nova gasolina com 27% de álcool em motores anteriores a 2003 será um risco, pois as peças desses motores não foram fabricadas para suportar esse ataque químico.  Lindamente, a ANFAVEA apenas pede que os proprietários desses carros paguem mais de R$4 pelo litro da gasolina Premium.

5.6)  Moramos em um país no qual, se um dono de posto resolver vender gasolina pura, ele será preso por falsificação de combustíveis.

6) Como consequência disso tudo, no Brasil, todo proprietário de veículo de passeio, de um simples Corsa até o Fusion, é obrigado a colocar álcool no seu carro. Trata-se de um dos maiores mercados cativos para um produto do mundo.

Lembrem-se disso sempre que virem reportagens sobre usineiros reclamando que as coisas não vão bem e que precisam de mais dinheiro do BNDES.

7) Uma lei aprovada em janeiro do ano 2000 (Lei nº 9.956/2000) proíbe o funcionamento de bombas automáticas em postos de gasolina.  Uma bela forma de iniciar o terceiro milênio, não? Tanto na Europa quanto nos EUA não existem frentistas.  No Brasil, o governo tornou essa profissão obrigatória (assim como trocador de ônibus), o que só encarece os custos de se ter um posto de combustível.

Mas pensemos pelo lado positivo: ainda bem que esses gênios não legislavam nos anos 1950.  Eles teriam proibido as colheitadeiras em nome da preservação do emprego.

8) A tudo isso acrescente toda a legislação trabalhista, urbanística e ambiental, que impede o surgimento de novos postos de gasolina para aumentar a concorrência, e encarece as operações daqueles já existentes. 

9) Nos EUA, cujo setor petrolífero é dominado por empresas privadas "malvadas e gananciosas", o preço da gasolina caiu e voltou ao mesmo valor nominal de dez anos atrás.  Hoje, um litro de gasolina nos EUA está custando, em média, R$ 1,90.  Já no Brasil, cujo setor petrolífero é controlado por uma estatal que ama os pobres, o preço da gasolina está hoje no maior valor da história do real, chegando a R$ 4 em algumas localidades.

Sinceramente, qualquer que seja o preço do combustível, trata-se de uma gigantesca fraude.  E vamos continuar aceitando.

_________________________________

Leandro Roque contribuiu para este artigo.


0 votos

SOBRE O AUTOR

Daniel Marchi
é economista graduado pela FEA USP Ribeirão Preto e membro do Instituto Carl Menger, em Brasília.



Dinheiro monopolístico "de verdade" não pode ser criado do nada nem lastreado em outra coisa criada do nada (dívida), pois haverá sempre o nefasto flagelo do moral hazard de para quem e em que quantidade irá o financeiro mais recentemente parido do vento em moto-perpétuo pelo "dono do morro", o que exclui daquela categoria de sound money tanto o "dinheiro de banco central" (seu passivo em fiat money no padrão atual predominante) como também os meios de pgto criados pelos bancos comerciais, cujas reservas no caso americano a propósito só se encontram em níveis elevados recordes (porém ainda assim bem inferiores aos demais agregados monetários frequentemente empregados como se fossem depósitos à vista mas dispensados de recolhimentos compulsórios, apesar de causadores dos "busts") justamente porque foram prontamente recompostas pelo emprestador de última instância via QE's (e agora c/ "hell"icopter$ ?!) após o estouro da bolha creditícia imobiliária de 2008 por ele anteriormente permitida e estimulada como saída p/ o estouro da bolha predecessora em 2000 das "ponto.com" por ele anteriormente permitida e estimulada como saída p/...
Ou seja, é a eterna festa do "wash, rinse, repeat" da qual só participam permanentemente os integrantes da cabala bancária e uma ínfima parte da sociedade que consegue se aproveitar do super-privilégio de criação de moeda outorgado e garantido pelo estado (!) exclusivamente àquele cartel, sendo imediatamente criminalizado e preso como "falsificador" atentando contra a "economia popular" todo sujeito que resolver entrar na farra produzindo seu próprio "bilhete de ingresso" num fundo de quintal qualquer ! :-(

Se o governo não impôr o curso de nenhuma moeda oficial, aceitando passivamente a livre circulação de todo tipo de meios de troca na economia, rapidamente surgirão dezenas de formas de dinheiro c/ oferta controlada naturalmente pelo próprio mercado selecionando voluntariamente as melhores em detrimento das mais abundantes, configurando não um problema (conforme prega o zeitgeist keynesiano perma-inflacionista do último século) mas sim um excelente acontecimento a deflação de preços decorrente de eventual (e, neste arranjo, desejada) escassez monetária.

Vejo como o maior perigo essa racionalização do status-quo vacilando em condená-lo sumariamente e denunciá-lo como a verdadeira estrutura imoral que é.
"a precificação inicial do Brexit previa reação imediata da UE"

Ok, vamos analisar os fatos. Desde o início do ano, ninguém apostava no Brexit. Até as vésperas da votação, todas as pesquisas davam que o "permanecer" ganharia. Ou seja, não havia nenhuma precificação para a "saída". Todos apostaram no "permanecer". E, ainda assim, o FTSE só andava de lado, mês após mês. Pode conferir aqui:

cdn.tradingeconomics.com/charts/united-kingdom-stock-market.png?s=ukx&v=201609281355o&d1=20160101&d2=20160928&area

Imediatamente após a votação, que surpreendeu a todos, houve a turbulência inicial (posições sendo desfeitas). Hoje, no entanto, o FTSE está no nível máximo do ano, muito maior do que onde estava em qualquer outro período do ano, quando todos davam como certo que o "permanecer" ganharia. De novo, pode conferir no gráfico acima.

E confira também os da indústria:

cdn.tradingeconomics.com/charts/united-kingdom-manufacturing-pmi.png?s=unitedkinmanpmi&lbl=0&v=201609072315o&d1=20160101&d2=20160928&type=line

Pergunta inevitável: se, como você diz, a saída será uma tragédia, e se os números só melhoraram porque a efetiva saída foi postergada, então por que diabos os números de hoje são muito melhores que os dos meses anteriores, quanto todos davam como certa a permanência?

Seu raciocínio não faz sentido nenhum. Ele faria sentido se os números tivessem apenas "parado de piorar". Aí sim seu argumento estaria certo. Afinal, há um evento ruim se aproximando, mas com data ainda incerta. Nesse cenário, haveria uma interrupção da piora.

Agora, não foi isso o que aconteceu. Não é nem que os números pararam de piorar; eles simplesmente melhoraram, e muito. Estão muito melhores do que estavam durante todos os outros meses do ano, quando todos davam como certa a permanência.

Como você explica?

"a reformulação do cálculo após o início das tratativas responde em parte por melhora na expectativa."

De novo: "reformulação do cálculo após o início das tratativas" explicaria uma interrupção da piora. Agora, qual a explicação para os números terem disparado, ficando muito melhores do que estavam durante todos os outros meses do ano, quando todos davam como certa a permanência?

"Depois eu que sou ignorante"

De fato.

ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS

  • Daniel Rigon   13/02/2015 13:17
    Texto irrevocável.
  • Cristiano  13/02/2015 20:56
    5.2) O álcool é péssimo para o motor, pois é corrosivo. Isso afeta tanto a bomba de combustível do carro quanto a vida útil dos componentes do sistema de injeção. Mais álcool, mais estrago.

    5.3) Os motores a gasolina não foram calibrados para tamanho teor de álcool, e nenhuma pesquisa de campo concluiu que os microprocessadores da injeção eletrônica têm a capacidade de processar uma mistura contendo mais de 25% de álcool para chegar a uma mistura ar-combustível ideal. Consequentemente, haverá a tendência de a mistura ar-combustível ficar mais pobre, gerando redução de potência e hesitações sob aceleração. Haverá mais emoção a cada ultrapassagem.


    Estas duas afirmações não valem para os carros de hoje. Pelo contrario, a potência só melhora com álcool e os materiais são preparados para receber os componentes do álcool.

    Mas o texto é muito bom.
  • Bob Sharp  13/02/2015 21:41
    Errado, cidadão. Esse seu raciocínio só vale para carros flex., por motivos óbvios. Só que nem todo brasileiro tem carro flex.

    1. Segundo a própria Anfavea, não há certeza de que os motores a gasolina — seus elastômeros diversos e suas peças metálicas em contato com o combustível, inclusive a bomba — sejam capazes de resistir ao maior ataque químico resultante de mais álcool na gasolina. Os carros fabricados antes de 2003 (quando surgiu o primeiro flex) com certeza não.

    2. Sendo assim, utilizar gasolina comum ou comum aditivada com 27% de etanol em motores anteriores a 2003 é um risco. Nos importados, pode-se esperar problemas. Tanto é assim que a Anfavea recomenda abastecer esses motores com gasolina premium (com apenas 25% de etanol).

    3. O grande problema é a dificuldade de encontrar a gasolina premium, como se fosse uma espécie em extinção. Há varias cidades do interior que não têm.

    4. Quanto mais antigo o veículo, pior o efeito da gasolina com mais álcool. Por exemplo, os fabricados do começo de 1980 até setembro de 1996 eram calibrados para gasolina com 10% d etanol. Com 25% já não funcionavam bem, sendo necessário recalibrar carburadores e alterar a curva da avanço.

    5. Vale lembrar que o comportamento das misturas de combustíveis (blend) não é linear. Isso significa que os 2 pontos percentuais a mais de álcool (que significam um aumento de 8%) podem ser mais nocivos para o funcionamento do motor do que se imagina.

    6. Nos motores a gasolina fabricados nos países de vanguarda é possível utilizar gasolina com até 10% de álcool (E10), informação que consta dos manuais de proprietário. Há coisa de um ano começou a ser vendida nos EUA a gasolina E15 (com 15% de álcool), o que levou vários fabricantes a avisar que qualquer problema resultante do uso de E15 não teria cobertura de garantia. Portanto, trata-se de assunto dos mais sérios.

    7. Facilita aos consumidores americanos as bombas nos postos indicarem o porcentual de álcool (E10, E15 etc.). Aliás, existe nos EUA gasolinas E20 e E30 para os motores flex de lá.

    8. Na Alemanha existe gasolina Super Plus com 5% ou 10% de etanol.

    9. Se a adição de álcool só trouxesse resultados positivos como você sonha, por que a timidez? Por que não aumentar logo para 50%? Por que a própria Anfavea não aprovou os 27%? Não seja uma marionete do regime.
  • sandro lima  13/02/2015 23:18
    Acredito que irá chegar um momento, em que, quem sonega imposto será considerado herói pela população e não criminoso.
    Meu limite de tolerância com esse governo já estourou faz é tempo, e, o que me deixa perplexo, é ver gente que está na merda como todos os outros chicoteando os que não aceitam tais injustiças.




  • Cesar Massimo  15/02/2015 14:37
    Caro
    O etanol (nosso álcool) gera menos trabalho (Joules) por unidade de Real (R$) investido quando comparado com a gasolina. Resumindo: para cada real do novo combustível que você colocar no tanque, vai andar menos km e vai gastar mais dinheiro para andar a mesma distância.
    E isso interessa.
  • Pobre Paulista  13/02/2015 13:27
    Já li bastante por aí que o aumento da porcentagem de álcool na gasolina é prejudicial ao setor sucroalcooleiro, alguém poderia me explicar qual o racional (ou o irracional) por trás dessa afirmação?
  • Rico goiano  13/02/2015 13:38
    Hein? São eles próprios que fazem essa demanda! Pode ir direto à fonte:

    [link]revistagloborural.globo.com/Noticias/Agricultura/Cana/noticia/2015/02/anfavea-e-setor-sucroalcooleiro-fecham-acordo-sobre-mistura-de-gasolina-e-etanol.html

    archerconsulting.com.br/imprensa/noticias/aumento-da-gasolina-o-que-muda-para-o-setor-sucroalcooleiro/

    stia-alagoas.com.br/site/index.php/noticias/22-aumento-do-etanol-na-gasolina-deve-amenizar-crise-no-setor-sucroalcooleiro
  • anônimo  13/02/2015 14:43
    Pobre paulista, o aumento de álcool na gasolina resulta em alteração da octanagem, a qual exige correção com adição de nafta na gasolina, que é um produto em falta no mercado nacional atualmente que irá gerar todo tipo de distorção na indústria petroquímica, alias sugiro adicionar esta distorção como mais um tópico ao artigo.
  • robson santos  14/02/2015 15:57
    anônimo 13/02/2015 14:43:52: desculpe-me, mas seu raciocínio não faz sentido, pois a octanagem na gasolina classificada como Comum no Brasil deve possuir IAD 87, assim sendo o aumento na adição de álcool faz aumentar a octanagem na mistura ( aliás bem mais na gasolina Comum do que nas Premiums devido as diferenças na cadeia de hidrocarbonetos presente nos dois tipos de combustíveis ) e com isso para se manter o mesmo índice anti-detonante ( 87 ) a Petrobras acaba retirando mais nafta nobre da composição, deixando a octanagem da gasolina tipo "A" mais baixa ainda, então obviamente conclui-se que isso acaba facilitando um pouco mais no refino, não é mesmo ? A Petrobras está pouco se lixando para o aumento do porcentual de etanol na gasolina...
  • Andre  13/02/2015 15:46
    "...o aumento da porcentagem de álcool na gasolina é prejudicial ao setor sucroalcooleiro..."

    Quem escreveu isso devia estar alcoolizado.
  • Pobre Paulista  13/02/2015 20:42
    Provavelmente. Achei algo aqui, destaco um trecho:

    "A principal questão imediata, que atinge todo o setor de biocombustíveis e não só o do etanol, é a política de tabelamento dos preços dos derivados de petróleo, sobretudo da gasolina e do óleo diesel. Esse achatamento não debilita apenas a capacidade de investimento da Petrobrás. À medida que deprime também os preços do etanol, bloqueia investimentos tanto na cultura de cana-de-açúcar como na construção de usinas de destilação. E concorre para afundar um segmento altamente promissor da economia brasileira."
  • João  13/01/2016 00:08
    Preço poderia ser maior para outro fim do que para a venda para a Petrobrás que são obrigados a vender por preço tabelado, conforme governo sobe o preço do litro.
  • Observador do blog  13/02/2015 13:36
    Grande artigo!

    Mas, infelizmente (ou felizmente, dependendo do ponto de vista), revoltante.
  • leitão  13/02/2015 13:44
    Daniel Marchi, faltou comentar que nos EUA você pode comprar tudo na bomba, gasolina pura, gasolina com até 10% de etanol, E20, E50, E85, etc...

    Confiram:

    sdcorn.s3.amazonaws.com/legacy-content/sdcornblog/uploads/2013/05/photo.jpg

    Tem também postos que vendem "racing fuel" com 100 octanas (sem etanol, com chumbo, apesar de ser baixo teor). E essa idiotice de "aditivada" não existe lá, todas gasolinas mais caras tem performance melhor e não só detergente:

    https://drivetofive.files.wordpress.com/2014/09/100_octane.jpg

    E muitos donos da carros antigos usam Avgas (100LL), por ser mais parecida com as gasolinas de antigamente, pela fórmula ser fixa e não mudar e por ter maior shelf life.

    Comparar nossos postos de gasolina com os dos EUA é como comparar um supermercado soviético com um americano: preços absurdos, de um fornecedor só, com pouca variedade.
  • Leandro  13/02/2015 13:52
    Excelente adendo, leitão. Obrigado!
  • Henrique  15/02/2015 23:16
    Prezado Leandro, parabéns pelo artigo!
    Gostaria de entrar em contato contigo.
    Por favor, me mande um email que eu possa entrar em contato.
    Abraços
  • Bob Alex, na Terra dos Livres  17/02/2015 18:54
    So para constar: paguei, no galao da gasolina Regular, 87 octanas, o equivalente a R$ 1,31 o litro, mesmo com esse dolar pornografico.

    Para quem quiser saber, US$ 1,74 o galao, Albuquerque, NM.
  • Lucas Timm Lima  13/02/2015 13:46
    Leandro Rocks! Mais uma vez, certeiro. Acho excelente quando você mostra que os pobres são os mais prejudicados. Assim, não sobra argumento moral para os intervencionistas e socialistas, que adoram usar dessa artimanha, já que não conseguem usar a lógica.

    O pior é que tem gente defendendo o governo e usando como justificativa a queda das ações da Oasis Petroleum e da Goodrich Petroleum, dos EUA. Só não sabem que isso também é resultado de interferências do governo americano no setor e que o setor petrolífero é altamente estatizado em outros países também (muitos em crise). Enfim, os ignorantes em economia e ideólogos apaixonados agora buscam justificar um erro através de outro.

    Acredito que seria muito interessante um artigo esclarecendo como as interferências governamentais afetaram outras empresas do setor no mundo, e não somente no Brasil.

    Abraços.
  • Leandro  13/02/2015 13:58
    Obrigado, Lucas, mas o mérito da ideia é do Daniel. Eu apenas acrescentei alguns floreios. Grande abraço!
  • Lucas  13/02/2015 13:49
    Olhando para isso, toda a regulação de um setor, vale a pergunta: existe algum setor realmente na economia brasileira?
  • Leandro  13/02/2015 14:01
    Totalmente livre, não.

    Mas há aqueles cuja entrada é mais fácil, cujos preços são mais livres, e não há agências reguladoras e nem ministérios específicos para cuidar deles (o setor de produção de clipes de papel e de almofadas são exemplos; tanto é que você nunca ouviu falar de crise nesse setor).

    No momento, isso o máximo de liberdade a que podemos aspirar.
  • Silvio  13/02/2015 18:33
    A fabricação de dindin, geladinho, gelinho ou sacolé (o nome varia dependendo da região), até onde eu sei, também não sofre regulamentação estatal e os preços são mais livres. É por isso que, para a alegria da garotada, é fácil encontrá-lo e é baratinho.
  • Tio Patinhas  13/02/2015 23:03
    E tem até geladinho gourmet:

    www.hypeness.com.br/2014/10/food-bike-de-geladinho-gourmet-promete-refrescar-o-verao-paulista/

    Um burocrata não conseguiria imaginar esses sabores...
  • Sergio  14/02/2015 17:30
    Esses dias me surpreendi que vendem o geladinho já envasado no mercado, e só chegar em casa e jogar no freezer.
  • Sergio  14/02/2015 17:11
    Almofadas de carimbo? Você desenterrou hem, mas acho que nao tem crise neste setor mesmo, estes dias vi uma 'carimbeira' nova, é uma na cor bege, não vou lembrar a marca, mas o logotipo deles não muda tem mais de 20 anos, pois me lembro dela dos meus tempos de office-boy. Uma empresa que nao precisa mudar nada, é porque está indo bem, certo? Em time que está ganhando nao se mexe... :)
    Se bem que esta carimbeira é do tempo que fui menor aprendiz no banco do brasil, e eu revi ela na ultima eleicao, quando fui votar. Entao nao seria de se duvidar que seja alguma empresa que fornece material pro governo :|
  • Ze da Paraiba  13/02/2015 14:18
    O número 7 me deu muita raiva.
  • Raphael  13/02/2015 15:47
    "Moramos em um país que, se um dono de posto resolver vender gasolina pura, ele será preso por falsificação de combustíveis."

    Esta frase vai para piadas de fim de semana!!
  • Pedro  13/02/2015 16:05
    E calma que tem mais: Tá rolando um boato por aí de que segunda-feira de carnaval, dia 16/02, a gasolina subirá mais 7%. Isso ainda não foi noticiado na TV mas o boato já tá circulando entre os distribuidores e revendedores de combustíveis, também não sei se isso ocorrerá no país inteiro ou se será apenas aqui no interior de SP, o jeito é aguardar para ver se é verdade...
  • Santista  14/02/2015 02:57
    Para mim já subiu 1,8% (R$ 0,05). Deve ser por causa do ICMS.
  • Pedro  16/02/2015 13:02
    Correto, foi por causa do ICMS, aqui subiu 7 centavos, porém me passaram que ia subir 7%, provavelmente o pessoal não soube diferenciar % de centavo...
  • Anarca da floresta  13/02/2015 16:18
    Haverá mais emoção a cada ultrapassagem

    Considerando que a tarefa do governo é prover a felicidade do coletivo,
    não vejo como não considerar isso um meio de prover, por baixo custo,
    a sensação de montanha russa para os mais necessitados.

    O anarca se mostra satisfeito.
  • lorivaldo  13/02/2015 18:38
    Principalmente quem dirige os nossos "potentes" carrinhos 1.0 e sua flandagem de lata de óleo.
  • Dalton C. Rocha  13/02/2015 16:38
    Dei-me um país que tenha monopólio estatal do petróleo e, eu lhe darei um país pobre. O petróleo é dos árabes. E a Petrobrás é dos políticos e de seus funcionários.
    Cuba é o futuro da Venezuela.
    A Venezuela é o futuro da Argentina.
    E a Argentina é o futuro do Brasil.
    Dilma é Lula. E Lula é Sarney.
  • Henrique  13/02/2015 16:57
    Mas, então, qual é o motivo dos recentes prejuízos e falências no setor usineiro?

    Abraços
  • Meirelles  13/02/2015 17:11
    A única crise e falência que houve nesse setor foi com as usinas do político João Lyra, em Alagoas.

    O resto do setor apenas vivenciou dificuldades normais geradas pela seca. Dificuldades, aliás, qualquer dono de padaria também vivencia. Só que nenhum deles sai correndo chorando atrás do governo, clamando por subsídios. Só usineiros incompetentes fazem isso.
  • Lucas  14/02/2015 04:57
    Bom, ao menos essa matéria do JN cita 58 fechamentos nos últimos 6 anos. Não creio que todas essas usinas entrem no caso do sr João Lyra.

    O que imagino que tenho prejudicado o setor sucroalcooleiro seja o subsídio ao preço da gasolina perpetrado pelo governo Federal (para manipular a inflação de preços).

    Ainda assim não acho que seja só isso. Pelo endividamento do setor, poderia dizer que o setor caiu no drible do ciclo econômico: pegou dinheiro "barato" e alocou em maus investimentos, os gastos cresceram e a vaca foi para o brejo. Mas como sou mais um entusiasta da TACE do que um especialista, deixo a sugestão para quem tem o domínio completo da teoria confirmar se minha hipótese confere ou não.

  • Lucas  14/02/2015 05:02
    Ah, no meu comentário anterior esqueci o link da matéria que comentei:

    g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2015/01/fechamento-de-usinas-de-acucar-e-alcool-afeta-economia-em-sp.html
  • Yuri  14/02/2015 05:00
    O motivo de suas dificuldades é justamente por que esse setor não precisa evoluir, uma vez que o governo o mantém vivo na marra. Daí ficam obsoletos e com tendência a falir a cada crisezinha meia boca que aparece.

    Se o setor tivesse liberdade e concorrência, já teria aumentado absurdamente sua eficiência, tornando o Álcool um combustível muito barato, concorrente direto da gasolina.

    Desde que surgiram os carros Flex, o preço do Álcool passou a ser proibitivo no mercado e só a adição de 25% (agora 27%) consegue segurar esse setor ineficiente.

    Repito: Esse setor está fadado à falência no longo prazo. Veremos o governo usar Estatais para produzir essa joça uma vez que a iniciativa privada "de mentirinha" está mamando nas tetas do governo, impedindo a iniciativa privada "de verdade" de surgir.
  • Ricardo  14/02/2015 12:30
    O Yuri matou a questão. O setor de etanol só existe por causa do governo. Não há demanda genuína por essa porcaria. Sem subsídios do governo, isso vai à bancarrota. Querer manter setor de etanol hoje é o equivalente a querer manter as indústrias fabricantes da máquinas de escrever ou de charretes. Ou o o setor de etanol faz igual ao setor de velas -- aceita que se tornou obsoleto e passa a existir em escala muito menor -- ou vamos continuar sendo espoliados para sustentar esses magnatas.
  • Silvio  20/02/2015 04:04
    Ricardo, você acertou em cheio, mas errou na forma. O pessoal do setor de etanol vai fazer igual ao pessoal do setor de velas sim, mas só que desse jeitinho bem maroto.
  • Pobre Paulista  14/02/2015 15:31
    Isto está em linha com meu comentário das de 13/02/2015 20:42:18.

    Basicamente, o preço da gasolina é artificial (ainda que caro), dado que não existe um genuíno mercado produtor. Então não há a menor chance do álcool competir com ela, e qualquer investimento neste setor é basicamente inútil.

    É o que Hayek diz: Não dá para regular preços em um único setor, você acaba sempre tendo que regular preços na economia inteira. Acho que é isso que está acontecendo com o setor sucroalcooleiro.

    Não é de se estranhar que eles se associem ao governo, mesmo os produtores "bem intencionados": Esta é a única forma deles sobreviverem.

    Intervenção só gera mais intervenção.
  • Lucas  13/02/2015 19:05
    E qual seria as vantagens e desvantagens de veiculos de passeio á oleo diesel no Brasil ?? A unica coisa que sei sobre o assunto é que o motor a diesel é mais eficiente(economico), potente e menos poluente que o de gasolina/alcool/etanol, mas não consigo vislumbrar os tais beneficios de veiculos de passeio á diesel, sem contar que o motor ainda é mais caro que o convencional.
  • Pereira  13/02/2015 21:22
    Oi?! Você próprio cita "mais econômico, mais potente, menos poluente" e ainda pergunta quais as vantagens?

    Outra coisa: a questão não é nem a vantagem em si, mas a proibição e os subsídios.
  • Pobre Paulista  13/02/2015 21:33
    O Ciclo Diesel, usado nos motores a Diesel, é muito superior ao Ciclo Otto, usado em motores à álcool e gasolina. Sem contar que ele é menos complexo de se produzir e possui menos partes móveis, portanto seu custo de fabricação e de manutenção tende a ser menor. Isso sem falar que a curva de torque dos motores diesel apresenta seu pico à baixas rotações, o que faz com que veículos equipados com este motor tenham tempo de resposta muito melhor que os outros (nas mesmas condições, obviamente).
  • Silvio  13/02/2015 20:06
    É um prazer sádico, eu sei, mas queria tanto que aparecesse um MAV ou um paraquedista aqui na seção de comentários para ser devidamente achincalhado.
  • Novak  14/02/2015 01:56
    Parabéns pelo texto.
    Votei no atual governo e estava pesquisando sobre o assunto, apesar de não utilizar esse produto. Curiosamente, abri o seu artigo e outro um tanto quanto desconfiável, sob o título de "guia para não pagar mico quando falar do preço da gasolina", esse segundo muito compartilhado pelos meus colegas eleitores do PT. O que me surpreende é a falta de senso crítico: estamos claramente pagando pelos prejuízos da corrupção e vem gente que, numa tentativa de defesa cega de ideologia, justifica o aumento com argumentos do tipo "A gasolina brasileira já esteve entre as 20 mais caras do mundo em 2002" (SIM, esse é um dos tópicos do guia mencionado!). O item 9 do seu artigo, infelizmente, acaba resumindo tudo o que está acontecendo.
  • Vinicius  14/02/2015 12:22
    Só por curiosidade, e ideologias a parte, quais motivos te levaram a votar no atual governo?
    E por favor não comece com blablabla PSDB pois anular/abster voto é uma opção.
  • Sergio  14/02/2015 17:44
    Eu tenho um amigo petista que nao vota no PSDB, alias ex-petista, e que anulou o voto na ultima eleicao pq disse que nao vota mais no PT. E estes dias ele falou que nem no Lula nao vota mais, caso ele se candidate.
  • Vinicius  15/02/2015 22:56
    Sergio, também tenho amigos assim, estão amargamente arrependidos de ter votado PT nas ultimas eleições, acreditaram como vacas dóceis nas propagandas do governo e começam a acordar que a fantasia da era Lula era somente fantasia, mas o Novak me chama atenção, pois para vir ao mises, ele com toda certeza não é um desinformado economicamente e criminalmente.
  • Ateufeliz  14/02/2015 19:40
    Pois é Vinicius. Eu também fiquei curioso com a declaração de voto do colega. Considero tão injustificável votar no Governo que achei sua pergunta feita a Novak bastante oportuna. Só gostaria de lembrar que se abster de ir votar é um pouco diferente de anular o voto. Considerando que esse lixo chamado de urna eletrônica permite fraudes impossíveis de serem descobertas e que a lei neste país de imbecis impede qualquer auditoria nas mesmas, pra que sair de casa pra fazer papel de idiota numa enorme fila, se não existirá nenhuma garantia de que seu voto anulado será tratado como tal? Faz tempo que não saio de casa pra votar e estou super feliz por isso. Melhor do que saber que meu voto - teoricamente nulo - será colocado numa caixa preta e manipulado por indivíduos inescrupulosos que se acham donos do Brasil.
  • Pobre Paulista  14/02/2015 20:26
    Eu vou às urnas para votar nulo para me poupar de perder uma tarde de trabalho e uma multa de R$4,00. Acho mais barato e eficiente participar do teatro.

    9, 9, Confirma!
  • AteuFeliz  15/02/2015 13:53
    "Pobre paulista" eu respeito totalmente seu ponto de vista, mas no meu caso eu me sentiria um completo idiota perdendo parte do meu domingo para, debaixo de sol ou chuva, ficar numa fila enorme, onde estarei condenado a esperar incontáveis minutos, às vezes até horas, pra digitar números numa urna eletrônica fraudável e proibida por lei de ser auditada. Aliás, impedir que haja auditoria nas urnas já é motivo mais que suficiente para não se passar nem perto das seções de votação. Sem auditoria as fraudes jamais aparecerão. Todo mundo sabe que encobrir fraudes é especialidade dos bandidos que estão no poder e esse impedimento de se fazer auditorias tira totalmente a seriedade do processo de votação. Vira tudo uma tremenda palhaçada e eu não gosto de ser tratado como palhaço. Mas se pra você isso que acabei de falar ainda não for suficiente, informo que professores da UNB já mostraram ao mundo como é fácil fraudar essa máquina de eleger canalhas para cargos públicos. Se você não tem conhecimento disto, por favor assista à denúncia feita pelos referidos professores através do vídeo intitulado "VERGONHA !! SEU VOTO É MANIPULÁVEL NA URNA ELETRÔNICA !!", à disposição no YouTube, clicando no link a seguir: https://www.youtube.com/watch?v=5NAQbIJHh3c
    Então você irá entender porque simplesmente digitar 99 e CONFIRMA não lhe dá a menor garantia de que seu voto foi realmente anulado.
  • Rodrigo Amado  15/02/2015 19:43
    "Então você irá entender porque simplesmente digitar 99 e CONFIRMA não lhe dá a menor garantia de que seu voto foi realmente anulado.".

    Então faltar à votação também não garante que seu voto não será computado.
  • AteuFeliz  16/02/2015 15:48
    Tem razão, Rodrigo. Mas pelo menos eu não fui lá fazer papel de palhaço. Perder horas preciosas do meu dia pra participar de um espetáculo circense, e ainda ficar do lado errado, já é demais para os meus pobres neurônios. Eu gosto de ir ao circo, mas sempre fico do lado da platéia, apreciando os palhaços. Passar pro lado deles? Jamais!
  • Goku  16/02/2015 16:17
    Grande coisa vai ter que ir pagar a taxinha lá no cartório eleitoral.
  • AteuFeliz  16/02/2015 18:26
    Prezado faz mais de 20 anos que não voto e até hoje nunca fui pagar taxinha nenhuma em cartório eleitoral nenhum. Quem disse que sou obrigado a ir pagar multa porque me recusei a fazer papel de imbecil entrando numa fila pra votar? Você deve assistir muito a Rede Bôbo de Televisão, que divulga essas mentiras pra amedrontar as ovelhinhas. Outro dia me disseram que estava aparecendo na tv uma mensagem / ameaça de que o CPF de quem não votasse ou justificasse seria cancelado. Bem, nem precisa dizer que eu adorei a notícia. Esse é o meu sonho. Adoraria ter o CPF cancelado, pra nunca mais pagar impostos a esses FDPs. Vou lhe dizer com toda sinceridade: recuse-se a ser tratado como um idiota. Não compareça à votação. Pague mil vezes a multa, mas não dê seu aval a esses canalhas que estão destruindo o Brasil. Se não fizer isso, se continuar votando, será considerado cúmplice da bandalheira que assola o país.
  • Goku  16/02/2015 18:45
    Acho que você nunca tirou passaporte, sem está quite com o cartório eleitoral você não é capaz de tirar o passaporte, simples.

    Eu não estou nem ai para esse mimimi de liberais revoltados. Tento ser prático, vou as urnas sim, para tentar frear o governo o máximo que posso. Ao menos faço algo mais útil do que fica em casa reclamando do sistema e chamando todos de ovelha. Votando ou não o sistema não irá mudar.

    A solução só quando fomos capazes de mudar a mentalidade do povo, coisa que esse site tem feito bem.
  • AteuFeliz  16/02/2015 23:54
    Goku 16/02/2015 18:45:38
    Acho que você nunca tirou passaporte, sem está quite com o cartório eleitoral você não é capaz de tirar o passaporte, simples.

    [BEM, PARECE QUE, ASSIM COMO EU, MILHÕES DE BRASILEIROS TAMBÉM NÃO TIRARAM O PASSAPORTE. NEM VÃO TIRAR. SERÁ QUE NÃO SERIA O CASO DE OBRIGAR APENAS A QUEM VAI TIRAR O PASSAPORTE ESSA HISTÓRIA DE AVALIZAR COM SEU VOTO ESSES CANALHAS DE PALETÓ? AGORA EU LHE PERGUNTO: VOCÊ SE SUBMETE A ESSA EXCRESCÊNCIA (O ATO DE VOTAR) SOMENTE POR CAUSA DO PASSAPORTE? UM CONHECIDO, QUE TAMBÉM NÃO GOSTA DE FAZER PAPEL DE IDIOTA NUMA FILA DE VOTAÇÃO, UM DIA PRECISOU VIAJAR PARA A EUROPA E FOI AO TRE PEGAR A TAL QUITAÇÃO. ELE ME CONTOU QUE PAGOU R$ 3,00 E LEVOU MAIS TEMPO PRA ATRAVESSAR A RUA DO QUE PRA CONSEGUIR O PAPEL. SEM FILA, SEM SOL, SEM SACRIFICAR METADE DO DOMINGO, SEM PERDER HORAS ESPERANDO. EXPLICO: OS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DA JUSTIÇA ELEITORAL, QUE SÃO MUITÍSSIMO BEM REMUNERADOS COM O DINHEIRO ROUBADO NA FORMA DE IMPOSTOS, PARECE QUE NÃO TÊM MUITA COISA PRA FAZER FORA DA ÉPOCA DAS ELEIÇÕES. ELE VIU ALGUNS NAVEGANDO ALEGREMENTE NA INTERNET, TALVEZ ESTUDANDO NOSSA AVANÇADÍSSIMA LEI ELEITORAL PARA APLICÁ-LA CONTRA QUEM NÃO SE SUBMETE À HUMILHAÇÃO DE SER OBRIGADO A ESCOLHER SEU LADRÃO PREFERIDO. EM RESUMO, ELE DISSE QUE É BEM MELHOR JUSTIFICAR DO QUE SOFRER NUMA FILA DE VOTAÇÃO. JÁ NÃO GOSTAVA DE IR VOTAR E AGORA ENTÃO É QUE NÃO VAI MAIS VAI SE SUBMETER A ESSE CONSTRANGIMENTO.]

    Eu não estou nem ai para esse mimimi de liberais revoltados. Tento ser prático, vou as urnas sim, para tentar frear o governo o máximo que posso.

    [VOCÊ VAI ÀS URNAS PRA TENTAR FREAR O GOVERNO? ...HÁ HÁ HÁ HÁ HÁ... AO MÁXIMO???? QUANTAS VEZES VOCÊ JÁ VOTOU, CIDADÃO??? TEM TIDO SUCESSO NA SUA EMPREITADA???? JÁ CONSEGUIU FREAR O MALDITO GOVERNO ALGUMA VEZ? COMO FOI A ÚLTIMA FREADA QUE VOCÊ DEU NO GOVERNO? PODE CONTAR PRA NÓS? TÁ TODO MUNDO CURIOSO PRA SABER POR AQUI, ACREDITE. OLHE, EU QUERIA VER VOCÊ DIZENDO ISSO AO VIVO, OLHO NO OLHO. ACHO QUE VOCÊ ESTÁ TENTANDO FAZER PIADA, NÃO É? COMO UM VOTO INSIGNIFICANTE PODE FREAR O GOVERNO AO MÁXIMO? ...KKKKKKK.... NÃO ME FAÇA RIR. O PESO DO SEU VOTO É INSIGNIFICANTE, Ô NOBRE ELEITOR. SE 142.822.046 ELEITORES VOTARAM EM 2014, COMO DISSE O TSE, ENTÃO O PESO DE UM ÚNICO VOTO – O SEU – EM TERMOS PERCENTUAIS, SERÁ DE 0,000000007%. QUE FORÇA, HEIN? QUEM DIRIA QUE DIGITAR UNS NÚMEROS NUMA URNA ELETRÔNICA QUE PODE SER FRAUDADA E NUNCA AUDITADA LHE DARIA TANTO PODER ...KKKKKKKKKK... AGORA TENHO CERTEZA QUE VOCÊ ASSISTE MESMO À REDE BÔBO DE TELEVISÃO. OS APRESENTADORES DE LÁ PENSAM TODOS EXATAMENTE DO MESMO JEITO: MANDAM PRA PESSOAS COMO VOCÊ MENSAGENS FALANDO QUE O VOTO, ALÉM DE SER UM DIREITO (QUE POR SINAL EU DESPREZO COM TODAS AS MINHAS FORÇAS), TAMBÉM É IMPORTANTÍSSIMO, POR SER UMA MANEIRA EFICIENTE ...KKKKK.... DE MELHORAR O BRASIL ATRAVÉS DA ESCOLHA CONSCIENTE ...HUÁ HUÁ HUÁ HUÁ HUÁ... DO SEU LADRÃO, DIGO, POLÍTICO PREFERIDO. ...HIHIHIHIHIHIHIHI...... SINCERAMENTE? EU ACHO QUE VOCÊ TÁ TIRNDO O MAIOR SARRO COM A MINHA CARA. ]

    Ao menos faço algo mais útil do que fica em casa reclamando do sistema e chamando todos de ovelha. Votando ou não o sistema não irá mudar.

    [MELHOR CHAMAR DE OVELHINHA DO QUE DE BOVINO, COMO FEZ DIOGO MAINARDI, REVOLTADO COM A REELEIÇÃO DE DILMA DO CHEFE. MAS ENTÃO VOCÊ VOTA PARA PROVOCAR UMA MUDANÇA RADICAL NO SISTEMA, NÃO É MESMO? VOCÊ DIZ ABERTAMENTE QUE QUER FREAR O GOVERNO AO MÁXIMO E ACHA QUE SEU VOTO SEM PESO TEM PODER PARA ISSO. E AO MESMO TEMPO DIZ QUE VOTANDO OU NÃO VOTANDO O SISTEMA NÃO IRÁ MUDAR. ENTÃO O QUE DIABOS VOCÊ VAI FAZER NUMA FILA DE OVELHINHAS QUE FINGEM VIVER NUMA DEMOCRACIA, APESAR DE SEREM OBRIGADAS POR LEI A CUMPRIR UMA DAS MAIS INÚTEIS OBRIGAÇÕES QUE O SER HUMANO JÁ INVENTOU? SINCERAMENTE, AGORA ESTOU EM PARAFUSO. NÃO CONSIGO ENTENDER A SUA LÓGICA. MAS NEM VOU PEDIR A VOCÊ PARA EXPLICAR, PORQUE DESCONFIO QUE VOCÊ TAMBÉM NÃO VAI CONSEGUIR]

    A solução só quando fomos capazes de mudar a mentalidade do povo, coisa que esse site tem feito bem.

    [MUDAR A MENTALIDADE DO POVO. FICOU BONITO ISSO. TAÍ, GOSTEI. MAS VOCÊ ERROU FEIO QUANDO DISSE QUE ESTE SITE TEM FEITO ISSO BEM. PELO MENOS COM VOCÊ NÃO FEZ, JÁ QUE VOCÊ PENSA QUE O VOTO É UMA SOLUÇÃO PARA O BRASIL. PELO QUE ENTENDO A TURMA QUE MANTÊM ESTE SITE NO AR (UM GRUPO DE VERDADEIROS HERÓIS, DIGA-SE DE PASSAGEM) CHEGA ATÉ A APOIAR PESSOAS QUE DEFENDEM QUE O VOTO DEVERIA SER PROIBIDO (COISA QUE EU CONCORDO PLENAMENTE). PELO MENOS É O QUE PRECONIZA UMA DUPLA DE ESCRITORES, NUM DOS LIVROS QUE ESTÁ SENDO VENDIDO NO SITE, E QUE EU TIVE O PRAZER DE ADQUIRIR OUTRO DIA.]
  • Goku  20/02/2015 12:57
    AteuFeliz,

    "O PESO DO SEU VOTO É INSIGNIFICANTE, Ô NOBRE ELEITOR"

    Mas ainda é mais útil do que ficar em casa reclamando.

    "NÃO CONSIGO ENTENDER A SUA LÓGICA. MAS NEM VOU PEDIR A VOCÊ PARA EXPLICAR, PORQUE DESCONFIO QUE VOCÊ TAMBÉM NÃO VAI CONSEGUIR"

    Você não entendeu por que é burro.

    Eu nunca disse que quero mudar o sistema com meu voto, apenas quero tentar frear o governo, só isso. São duas coisas diferentes; mudar o sistema e frear o governo.

    Mudar o sistema requer uma mudança na mentalidade do povo, algo que está além das urnas.

    "JÁ QUE VOCÊ PENSA QUE O VOTO É UMA SOLUÇÃO PARA O BRASIL. "

    Jesus, nunca disse que é a solução. Apenas uma forma mais útil de frear o governo do que ficando em casa, só isso.

    "TURMA QUE MANTÊM ESTE SITE NO AR (CHEGA ATÉ A APOIAR PESSOAS QUE DEFENDEM QUE O VOTO DEVERIA SER PROIBIDO"

    E daí? Eu não sou obrigado a seguir a risca o que eles dizem. Concordo com toda linha de pensamento, mas participo das eleições por que considero, na prática, algo mais útil para frear o governo do que ficando em casa. O que também não quer dizer que defendo a democracia.

    Ah, e tente não usar caps lock da próxima vez, obrigado.
  • Tio Patinhas  14/02/2015 20:26
    Vou ser sincero, não me abstenho pois terei que pagar multa e quanto menos dinheiro o governo toma de mim, melhor. Por isso que voto nulo, vai menos dinheiro pro governo.
  • AteuFeliz  15/02/2015 04:55
    Eu pagaria multas iguais a essa (e até maiores!) todos os anos. Principalmente sendo um valor tão irrisório como o que está em vigor atualmente. A propósito, quantas vezes você já precisou comprovar sua quitação com a maravilhosa justiça eleitoral? Esse ridículo título de eleitor não serve para absolutamente nada. Pelo menos para a esmagadora maioria dos brasileiros. Sabendo disso, você não acha fraquinha essa sua justificativa de dizer que não quer pagar R$ 4,00 ao governo e por isso aceita fazer papel de dócil ovelhinha, comparecendo às urnas pra tentar eleger seu ladrão preferido????? Seu cérebro não reclama quando você vota no ladrão que irá roubá-lo? Você sabia que, se na hora de pagar a "enorme" multa, você declarar que não tem condições de pagá-la, ela será dispensada? Você confia na honestidade dos políticos e na lisura do pleito? Veja no link abaixo que as urnas eletrônicas brasileiras são facilmente fraudáveis: https://www.youtube.com/watch?v=5NAQbIJHh3c Mesmo sabendo que seu voto poderá ser facilmente manipulado, você ainda acha legal se submeter a essa palhaçada?
  • Felipe  15/02/2015 16:54
    Eu perdi meu título de eleitor em 2008 e nunca o usei mais. Você foi extremamente feliz em dizer que "Esse ridículo título de eleitor não serve para absolutamente nada."
  • Tio Patinhas  15/02/2015 20:28
    "Eu pagaria multas iguais a essa (e até maiores!) todos os anos. Principalmente sendo um valor tão irrisório como o que está em vigor atualmente."

    É dinheiro meu que vai pro governo, quanto menos for, melhor é.

    " A propósito, quantas vezes você já precisou comprovar sua quitação com a maravilhosa justiça eleitoral?"

    Na última vez que tirei passaporte tive que comprovar.

    "[...] comparecendo às urnas pra tentar eleger seu ladrão preferido?"

    Como eu disse antes, não voto em ninguém.

    "Você sabia que, se na hora de pagar a "enorme" multa, você declarar que não tem condições de pagá-la, ela será dispensada?"

    Moro em uma cidade não muito grande e se declarar isso todos sabem que tenho como pagar, daí a multa é ainda maior por causa de má-fé.

    Obrigado.



  • AteuFeliz  16/02/2015 18:14
    Uma vez rebanho, sempre rebanho. Mas você não tem culpa. Culpa consciente, digo. Porque a culpa é do seu inconsciente, Tio. Essa caixa preta inacessível que toma decisões lamentáveis a maior parte do tempo e dá a você a falsa impressão de que sua decisão está correta porque foi conscientemente trabalhada. Mas não foi. Não é novidade para quem já se aventurou pelos campos da neurociência e da psicologia comportamental que o ser humano, por uma questão de conforto cognitivo, prefere errar com a maioria do que acertar sozinho e ser tratado como a ovelha negra do rebanho, apenas porque tomou atitudes que destoam do pensamento dominante. Eu estou convencido que não basta anular o voto. Tem que se recusar a comparecer, pra não contribuir com a palhaçada. Infelizmente sou obrigado a engolir quem gosta de fazer papel de palhaço. O que me causa profundo desconforto é que sua subserviência está me prejudicando terrivelmente. Sua dócil participação nessa farsa conhecida por democracia pelo voto, seu receio de combater indivíduos abjetos que fizeram da mentira um meio de vida, é tudo que os canalhas precisam para continuarem drenando os cofres públicos em benefício próprio. Deixando bem claro: eu sou vítima da sua omissão, do seu medo, da sua incapacidade de reagir às maldades engendradas pelo grupo que reúne o que existe de pior neste país: os políticos. Se sua atitude de ovelhinha que se deixa conduzir docilmente para o abatedouro não me atingisse eu não estava nem aí, mas infelizmente...
  • Bob Alex  14/02/2015 02:17
    Desculpe Daniel, mas gasolina a R$ 1,90 eu ainda não vi. Aqui na Terra dos Livres, paguei o equivalente a R$ 1,20 a gasolina comum (Regular, Unleaded, 87 octanas) - na última vez, US$ 1,74 o galão.

    Sem contar que consigo, mesmo com a comum, o consumo médio de 15km/l, a 75 milhas por hora, carro automático, é claro.

  • John  14/02/2015 02:34
    Então o preço caiu ainda mais! Caramba, essas petrolíferas privadas americanas são muito gananciosas...

    Lembro-me de que, em 2004, quando morei, o galão custava US$ 1,84.
  • Marcelo Simoes Nunes  14/02/2015 17:02
    Leandro, quando você fala em subsídio do diesel, está se baseando em que? Como no Brasil o preço dos combustíveis é arbitrariamente fixado pelo governo, como falar que esse ou aquele subproduto esteja sendo subsidiado? Normalmente o Brasil importa petróleo e exporta gasolina. No exterior é possível que haja formação de preços de combustíveis pelo mercado. Imagino que um país não produtor e não refinador possa adquirir de um fornecedor diesel ou gasolina. É com base no preço internacional do diesel que você fala em subsídio? De qualquer modo, com 53% de impostos, sobra pouco espaço para subsídio, não é? Outro ponto correlato, que já tentei entender sem muito sucesso, é o seguinte: usinas produtoras de etanol normalmente vendem à parceiros e fornecedores o etanol por elas produzido. Isso é normal e legal. O preço é mais ou menos a metade do que custa na bomba do posto. A explicação que me deram, mas não consegui verificar, é que essa diferença de preço se deve ao fato de que a Petrobrás exige que o etanol saia da usina e vá até Paulínea (no caso de São Paulo), seja entregue a Petrobrás para então ser distribuído a rede varejista. Espero que você saiba explicar esse processo.
    Quanto a questão da falência de usinas, esse processo, ainda em curso, se deve ao fato do preço do etanol ser dependente do preço da gasolina. Se o preço do etanol for maior do que setenta por cento do preço da gasolina, o consumidor passará a preferir a gasolina. Como a Dilma vinha segurando o reajuste do preço dos combustíveis, isso vinha afetando negativamente o preço do etanol, o que levou mais de 40 usinas a encerrarem suas atividades e outro tanto a pedir concordata. Desde o governo Lula, os governos vinham incentivando a criação de usinas de etanol com fartos empréstimos subsidiados do BNDES. Quem quebrou essas usinas foi o desgoverno Dilma, com a ajuda do mal tempo etc.
    Quanto a questão do carro a diesel é o seguinte: no Brasil sobra gasolina. Que razão levaria o governo a promover carros a diesel? Nenhuma, não é mesmo. Não temos trens, não temos hidrovias, e temos enormes distâncias a percorrer de caminhão para recolher nossa safra, o que não nos deixa alternativa. Além disso, não vejo vantagem alguma num automóvel diesel. Nos preços dos combustíveis atuais, sai mais caro andar a diesel. O motor diesel custa mais que o dobro do preço do motor flex. O motor a diesel é bom para carga, porque tem mais torque, mas, de outro lado, o motor funciona a baixa rotação e não acelera. Comparado ao motor a gasolina é uma carroça.
    Curiosidade a respeito do etanol. Henry Ford, ao fazer seu primeiro carro pensou em usar um motor a etanol. Só mudou de ideia porque o petróleo à época brotava do solo e não valia nada. Em mil novecentos e trinta e alguma coisa, usineiros do nordeste redescobriram o carro a etanol, depois esquecido. Na década de setenta, após choque do petróleo, o governo militar, criou o programa Pró Álcool, depois abandonado, e retomado com outro nome na era Lula. É uma bobagem acreditar que o etanol esteja com os dias contados. A tendência do petróleo a longo prazo é se extinguir e, muito antes disso acontecer, seu preço irá a estratosfera. Quanto mais cara fica a gasolina, mais viável fica o etanol.
    Por último, ao contrário dos filósofos, os empresários pesam de maneira pragmática. Um empresário pode ser simpático as teorias de misses. Pode acreditar que seria melhor o governo não se meter na economia, não elaborar planos desenvolvimentistas, não tentar dirigir a economia com subsídios etc. Mas se se coloca a questão de se retirar subsídios costumeiros de seu setor ele será sempre contrário, não pela questão teórica, mas porque sabe que, na prática, aquilo é um ato isolado que não alterará a estrutura produtiva do país.
  • Vin Diesel  14/02/2015 19:37
    Até onde eu sei, o diesel é muito mais difícil e caro de ser fabricado que a gasolina, porque a temperatura de refino do diesel é muito mais alta e porque cerca de 40% do petróleo nacional só serve pra ser refinado como gasolina.

    Sendo assim, era para o diesel ser mais caro que a gasolina. Mas não é. E é aí que entra o governo. De um lado, para baratear o diesel, a União não cobra Pis/Pasep nem na venda nem na distribuição (cf. art. 23 da Lei n.º 10685/2004), também não cobra imposto de importação e também não cobra Cide.

    Aí, para compensar essa arrecadação nula com o diesel, o governo arranca o couro em cima da gasolina, cujo imposto pago tem de compensar toda a perda de arrecadação do diesel.

    De resto, e com todo o respeito, pouco me importa o que você acha sobre o diesel. Pouco me importa que você "não veja vantagem nenhuma num automóvel a diesel". Você não é a palmatória do mundo. Há pessoas que acham que você deve andar só de bicicleta. E aí, você deve satisfação a elas? Quero saber que direito tem o governo de proibir a fabricação de carros de passeio a diesel. E quero saber que direito tem o governo de me proibir de ter um carro a diesel. Só isso.
  • Marcelo Simoes Nunes  15/02/2015 05:34
    "De resto, e com todo o respeito, pouco me importa o que você acha sobre o diesel" Vin, com todo o respeito você se permite ser mal educado, e isso provavelmente porque não consegue apresentar nenhum argumento para defender sua ideia. "Há pessoas que acham que você deve andar só de bicicleta. E aí, você deve satisfação a elas?" Satisfação, não. Mas se elas me derem bons argumentos para isso, posso aderir. Eu dei razões. Disse que o motor custa o dobro, disse que o custo do combustível do diesel sai mais caro e disse que o veículo diesel não anda, entendeu? Só não disse que nos últimos trinta anos devo ter andado mais de um milhão de quilômetros em caminhonetes diesel, não por prazer, mas por necessidade. "Quero saber que direito tem o governo de proibir a fabricação de carros de passeio a diesel. E quero saber que direito tem o governo de me proibir de ter um carro a diesel. Só isso." Respondo: o mesmo direito que tem de proibir qualquer outra coisa. Você pode ser um anarco capitalista e achar que sequer deveria haver um governo como o que temos. Mas o fato é que há um governo, e mesmo que ele não existisse, alguém teria de resolver os problemas que há, não é? No Brasil existem sim autos a diesel, como a Pagero ou a Toyota Rav. Agora você não ia querem andar em um diesel 1.0, não é? Outra coisa que não disse, mas vou dizer é que até o povo mais humilde e pobre desse país parece entender melhor esse assunto do que os entendidos do Mises: quando o diesel sobe, tudo o mais sobe também, inclusive a inflação. Não entendeu. Vou explicar: são os tratores movidos a diesel que produzem o alimento que você come todo o santo dia, são também eles que produzem o etanol que você usa no seu carro, as fibras de algodão com as quais você se veste; são os caminhões a diesel desse país que levam o alimento da roça para o mercado, mas antes disso levam, das indústrias até o agricultor, o fertilizante, o calcário, os defensivos agrícolas etc.; são esses caminhões que levam os produtos industrializados até as lojas e as matérias primas até as indústrias; são os maquinários a diesel das empreiteiras que constroem a infra estrutura do país e é o diesel que, quando falta água nas hidroelétricas, quebra o galho para que você não fique sem luz . Resumindo, você, isto é, todo o consumidor, usa o tempo inteiro o diesel, ainda que nunca tenha posto uma única gota no tanque do carro. Conclusão: toda essa choradeira a respeito do subsídio do diesel (que ainda não me provaram que exista) não leva a nada, já que a conta, com ou sem ele, vai parar no bolso do consumidor. Em tempo, sua explicação sobre o custo do diesel não me convenceu. Que eu saiba, a destilação do diesel se dá pelo processo conhecido como destilação fracionada, onde numa única operação todos os subprodutos do petróleo são destilados simultaneamente. Portanto, não há como separar o custo dessa ou daquela destilação. E a ideia de que haja compensação de impostos, isso, até prova em contrário, não passa de uma ilação de sua cabeça. Abraços!
  • Guilherme  15/02/2015 13:07
    Ih, não, esse Marcelo é muito delicado. Fazem duas perguntas pra ele em tom incisivo (após ele ter defendido medidas totalitárias), e o delicado sai reclamando que foi ofendido.

    Ele diz, corretamente, que a produção do diesel é mais cara que a da gasolina. Mas aí, logo em seguida, ele diz que o mundo ainda não o convenceu de que há subsidios (não obstante o Vin Diesel ter indicado até o projeto de lei que trata do assunto). Falta, então, ele explicar como algo que é mais caro para ser produzido é vendido mais barato.

    Por fim, o argumento dele é que o diesel é o combustível usado para o transporte de mercadorias. Ele deve se achar o descobridor da pólvora. Ei, Marcelo, aqui vai uma informação gratuita para você: no mundo inteiro é assim!

    Em todos os países do mundo o diesel alimenta os caminhões e os tratores. Mas só o Brasil proíbe que seus cidadãos tenham carros de passeio a diesel.

    Por que sofremos com esse exclusivismo? Você não só não respondeu a isso (esperneou dizendo ser falta de educação fazer esta pergunta), como ainda disse que "se o governo assim decreta, então é porque está certo".

    Patético.
  • Gustavo  15/02/2015 01:19
    Pra início de conversa, quem destruiu a indústria alcooleira foram os subsídios do governo, jogando todas as ineficiências do setor para debaixo do tapete. Ao primeiro sinal de problemas, elas fecharam as portas - e fechar as portas devendo ao BNDES não é propriamente um mal negócio.
    Segundo, você deve lembrar que em 2007, sob a presidência do molusco, o presidente americano George W Bush visitou o Brasil para conhecer o etanol de cana de açúcar. A visita serviu de vitrine para o Brasil e chegou-se a falar que o etanol brasileiro iria salvar o planeta, pois é menos poluente que os combustíveis fósseis. Foi um grande acontecimento para o presidente molusco e ele não perdeu a chance de marcar uns pontinhos, principalmente para a dócil platéia brasileira. Acontece que pouco menos de um ano após essa visita a PTBRAS anunciou formalmente a descoberta do pré-sal. E o que aconteceu com o etanol salvador do mundo? FUCK THE WORLD, WE HAVE OIL!
    Terceiro, o Brasil importa óleo leve para refinar (caro) e exporta óleo pesado (mais barato). Nossa tão propalada autossuficiência em matéria de petróleo só ocorre em termos quantitativos e não qualitativos. Até dá para refinar óleo pesado, mas é um processo mais caro e a planta da PTBRAS é projetada para óleo leve.
    Quarto, no último pronunciamento de Graça Foster, descobrimos que a PTBRAS irá "reduzir ao mínimo possível" sua atividade de prospecção de petróleo para minimizar custos. Com a prospecção ao mínimo, como eles irão produzir gasolina? Ora, aumenta a importação de óleo leve. A PTBRAS será um tipo de atravessadora de combustível.
    Quinto, se no Brasil "sobra gasolina" como você mesmo disse, prq custa tão caro? Não é contraditório que um produto em excesso (segundo suas fontes) esteja tão caro?
    Minha opinião é, o capitalismo da esquerda é muito mais selvagem do que o capitalismo da direita.
  • Diego S  15/02/2015 23:28
    Por favor, alguém consegue me explicar e me dar dados se essas informaçoes são verdadeiras?
    3 - Ao contrário do que dizem por aí, a gasolina do Brasil está longe de estar entre as mais caras do mundo. Após os recentes reajustes, a gasolina brasileira ocupa a posição 73 neste ranking. Fonte: pt.globalpetrolprices.com/gasoline_prices/
    4 - A gasolina brasileira já esteve entre as 20 mais caras do mundo em 2002. Fonte: www.nationmaster.com/country-info/stats/Energy/Gasoline-prices
    5 - O custo da matéria prima (petróleo) no preço da gasolina não chega a 20% no Brasil. Além disso, boa parte da matéria prima é nacional, não dependendo do preço do barril no mercado internacional. É por isso que quando o preço do barril subiu, o preço da gasolina brasileira não subiu. Pelo mesmo motivo, quando o preço do barril despencou, o preço da gasolina não acompanhou a queda.
    6 - De 95 a 2002, o preço da gasolina teve reajuste de 350% em 8 anos. Média de 44% ao ano. De 2003 a 2015, a gasolina foi reajustada em 45%, média de 3.75% ao ano. Ou seja, o reajuste nos últimos 12 anos foi equivalente a média de 1 ano do período anterior.
    7 - Em 1994, era possível comprar 127 litros de gasolina com um salário mínimo. 8 anos depois, em 2002, o poder de compra da gasolina diminuiu e era possível comprar 97 litros do combustível com o salário mínimo. Atualmente, após os reajustes, é possível comprar 220 litros com o mesmo salário mínimo.

    Estou achando difícil ser verdade, mas não encontrei outras fontes que me apontem o contrário. Faço isso até para estimular a discussão e dizer que sou contra o governo e os impostos, mas preciso de bons argumentos para tentar mudar a opinião de amigos meus que são a favor deste bando de ladrões.
    Obs: Neste site especifico sobre estes dados da gasolina, é um site petista que um amigo meu postou no facebook, tentando comparar a época de FHC com a de hoje, eles tem certa dificuldade de entender a importância social da criação do real e atribuem créditos ao bolsa família, fica difícil discutir.
    Obrigado
  • Alves  16/02/2015 12:39
    "Ao contrário do que dizem por aí, a gasolina do Brasil está longe de estar entre as mais caras do mundo. Após os recentes reajustes, a gasolina brasileira ocupa a posição 73 neste ranking. Fonte: pt.globalpetrolprices.com/gasoline_prices/"

    este ranking diz que a gasolina brasileira é a 36ª mais cara do mundo.

    Mas isso é o de menos. Os petistas conseguiram ludibriar você direitinho ao fazê-lo se concentrar no trivial e ignorar o essencial.

    E o essencial é: se o Brasil é auto-suficiente em petróleo, por que nossa gasolina está entre as mais caras do mundo?

    A resposta para essa pergunta passa por dois quesitos que nenhum petista irá abordar:

    1) O Brasil nunca foi auto-suficiente em petróleo (o que significa que toda aquela pompa e circunstância feita por Lula em 2006 ao anunciar a tal auto-suficiência nunca passou de bravata populista);

    2) Após a quadrilha do PT ter devastado o caixa da Petrobras com seus esquemas de corrupção, o preço da gasolina teve de subir para recompor o caixa da empresa. Os brasileiros estão pagando a fatura do que os corruptos do PT fizeram com a empresa.

    "A gasolina brasileira já esteve entre as 20 mais caras do mundo em 2002. Fonte: www.nationmaster.com/country-info/stats/Energy/Gasoline-prices"

    Nem discordo. Ao contrário de petista, nós libertários não estamos nesse ramo para defender um governo para proteger o outro. São todos a mesma m... Agora, só queria saber por que eles têm obsessão exclusiva com o ano de 2002, cujos desarranjos foram acentuados pelas perspectivas de vitória de Lula. Um desses desarranjos foi a disparada do dólar, cuja consequência imediata é o encarecimento do petróleo importado e, logo, o preço da gasolina.

    "O custo da matéria prima (petróleo) no preço da gasolina não chega a 20% no Brasil. Além disso, boa parte da matéria prima é nacional, não dependendo do preço do barril no mercado internacional. [...]"

    E isso é um argumento em defesa do governo?! Se o petróleo não é nem 20% do preço da gasolina (e deve ser verdade, pois nossa gasolina só tem álcool), por que ela é tão cara?


    "De 95 a 2002, o preço da gasolina teve reajuste de 350% em 8 anos. Média de 44% ao ano. De 2003 a 2015, a gasolina foi reajustada em 45%, média de 3.75% ao ano. Ou seja, o reajuste nos últimos 12 anos foi equivalente a média de 1 ano do período anterior."

    Como esse é um assunto que acompanho bastante, as pessoas simplesmente não deveriam tentar sacar pra cima de mim. No início de 2003, eu pagava 1,83 no litro da gasolina. Hoje, no mesmo local, pago R$3,53, segundo meus cálculos, isso representa um aumento de 93%.

    Mas os petistas dizem que o aumento foi "apenas" de 45%...

    Isso me lembra aquela tirada de Groucho Marx: "Em quem você vai acreditar, em mim ou em seus olhos?"

    "Em 1994, era possível comprar 127 litros de gasolina com um salário mínimo. 8 anos depois, em 2002, o poder de compra da gasolina diminuiu e era possível comprar 97 litros do combustível com o salário mínimo. Atualmente, após os reajustes, é possível comprar 220 litros com o mesmo salário mínimo."

    De novo a tara com o ano de 2002. É impressionante. Como o disco não vira, não irei repetir as mesmas coisas que já escrevi lá em cima.

    É impressionante como essa gente faz de tudo para justificar as consequências da roubalheira na Petrobras.
  • Eduardo R., Rio  16/02/2015 01:32
    O autor do projeto de lei, que resultou na Lei nº 9.956/2000, é (surpresa!) o comunista Aldo Rebelo. Por outro lado, está em trâmite um outro projeto de lei (projeto de lei do senado, nº 407 de 2014), de autoria de Blairo Maggi, que revoga a referida lei.
  • Zé da gasolina  16/02/2015 12:18
    Já estou até vendo quando este projeto for para votação, vai começar o quebra-quebra dos frentistas, e ainda vamos ter que aguentar aqueles que vão sair na mídia se fazendo de vítima.
    Bom tomará que esse projeto vire lei, logo.
  • Pedro  16/02/2015 16:19
    Lei esta que foi sancionada por ninguém menos que o "neoliberal" FHC. Alguém aqui realmente acha que mesmo na remota hipótese da nova lei que revoga essa antiga passar no Congresso a Dilma a sancionará? Podem esquecer.
  • gabriel  17/02/2015 22:19
    É cômico, não sei se estou no mundo real ou em um sonho quando vejo que coisas malucas como proibição em bombas de autosserviço é um crime.
  • Jo  19/02/2015 11:38
    Cômico é lembrar a frase do Aldo Rebelo quando a lei foi aprovada:

    "Rebelo disse que a automação pode causar prejuízos à saúde da população, que não sabe manusear corretamente as bombas. "Além de gerar desemprego, o sistema de auto-serviço exige do usuário prática e treinamento específicos. A automação não traz nem economia""
    (www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi2210199910.htm)
  • Andre  19/02/2015 13:29
    "A automação não traz nem economia".

    Então daqui a pouco ele vai criar um lei para eliminar as bombas de combustível já que elas automatizam o processo de transferência e medição do combustível do reservatório do posto para o tanque do carro.

    Ou quem sabe ele tenha mais imaginação e proponha a proibição de todo e qualquer meio de transporte aéreo, marítimo e terrestre.
    Afinal de contas, esse negócio de automatizar o movimento de pessoas e cargas de um lugar para o outro não traz economia.
    De voltas à era das carroças!!!
    Quer dizer, de volta à antes da era das carroças, pois as carroças são, ainda que arcaicas, uma terrível forma de automação.
    Vamos transportar tudo no LOMBO e andando A PÉ. Assim finalmente teremos ECONOMIA!!!

    Esse daí é mesmo um completo retardado mental.
    O que até faz sentido, já que ele é do PC do B, e todo comunista é, por definição, um completo retardado mental.
  • Marcio Cajado  16/02/2015 03:05
    precisamos derrubar o estado, como fazer? Isso é imediato, todos os setores da economia estão gritando contra tamanha coerção, precisamos deslegitimar o Estado...
  • Roberto  16/02/2015 10:58
    O que vendem nos postos de combustíveis deixou de ser gasolina, agora é gasolálcool. E para piorar, cada vez misturam mais álcool na coitada da gasolina que sai da refinaria.
  • Juliana  16/02/2015 11:50
    Sendo bem direta, qual o propósito da última frase: "E vamos continuar aceitando."? Fiquei em dúvida se é uma afirmação, uma sentença, uma conclusão, uma provocação...

    Mas, Daniel e Leandro, isto que vocês fizeram é - além de excelente - muito importante. A gente até sabe de uma coisa aqui, outra ali. Mas eu mesma, por exemplo, jamais seria capaz de estabelecer três destes pontos que vocês colocaram. Muito bom ter estes detalhes sobre a "composição" da gasolina à disposição. Parabéns e muito obrigada!

    Grande abraço!
  • Leandro  16/02/2015 12:43
    É uma afirmação, uma sentença, uma conclusão e uma provocação.

    Se o povo nos provar errados, teremos imenso prazer nisso.

    Grande abraço e obrigado pelas palavras!
  • Juliana  16/02/2015 14:00
    Mas tudo assim é melhor ainda. É infinitamente mais interessante aceitar o desafio do que a situação. Perfeito!
  • Raphael Vianna  19/02/2015 02:39
    Olha o discurso de defesa da não privatização da Petrobras por um amigo.

    meu mas vc n entende, quem determina sobre o preço, é o governo Brasileiro. Seguindo o modelo da Statoil(Petroleira de economia mista da Noruega), a petrobras atuará como uma empresa privada, exatamente como uma, só que os lucros ainda virão para os cofres públicos. A gasolina é cara, pq a gnt exporta boa parte do pétroleo q a petro produz nao é dela, já está vendido por contrato, a petrobras opera em inumeros campos, mas em parceria.com.outras multinacionais. Além disso, ela é obrigada pela governo, por motivos politicos economicos a comprar a gasolina mais cara do que ela vende, fazendo com isso q o preço suba. O governo usa a petrobras e a gasolina p controlar os rombos. Como disse, nao.precisa privatizar, apenas se livrar das deliberaçoes do governo.

    49% ficaria com a Petrobras os outros 51% era privada. A parte privada teria mais autonomia, não seria submissa ao governo e ganharia parte dos lucros para o Estado, ele assim investiria em educação, saúde e segurança e blá blá blá. Eh um modelo que seria bom para todos?
  • Alfredo Gontijo  19/02/2015 11:23
    A opinião dele é ininteligível. Nota-se apenas a tara -- comum a todos os brasileiros -- de dar ainda mais dinheiro para governo e políticos. Aliás, brasileiro realmente é um bicho estranho: reclama de corrupção, mas faz de tudo para criar políticas que dêem ainda mais dinheiro para políticos. Deve ser a espécie humana mais burra do mundo.
  • Gunnar  19/02/2015 11:31
    Não, é um péssimo modelo. Privatizar é o de menos. Aliás, sequer é necessário. O que realmente faz a diferença é a liberdade de mercado. Deixa o governo com a sua querida Petrobrás. Com o preço internacional do petróleo nos patamares atuais, eu quebraria a Petrobrás inundando o mercado nacional com petróleo importado.
  • Andre  19/02/2015 13:18
    "Como disse, nao.precisa privatizar, apenas se livrar das deliberaçoes do governo."

    "...apenas se livrar das deliberaçoes do governo..."

    Certamente ele deve imagina que isso é algo possível, e que basta uma canetada governamental para realizar isso.

    Esse daí também deve achar que é possível eliminar toda a criminalidade do mundo, bastando para isso se livrar das deliberações dos criminosos que insistem em atacar as suas vítimas para proveito próprio.

    Essas pessoas possuem uma fé inabalável no estado. O pensamento deles é assim:

    "Há um problema? Solicitemos ao estado que ele irá resolver para nós."
    "Passaram-se 30 anos, ou mais, muito mais, e o problema ainda não foi resolvido, foi AUMENTADO? Continuemos solicitando uma solução ao estado.".

    "Esse problema inexiste ou é ínfimo em um país com economia mais liberal? E existem pessoas explicando a correlação entre a redução do problema e o liberalismo/estado mínimo e até propondo a inexistência do estado?
    Acusemos esses céticos de serem homens de pouca fé. O estado nos salvará de TODOS OS PROBLEMAS!".

    Fanáticos.
  • Raphael Vianna  19/02/2015 14:43
    Sabe oque ele pensa?

    Que é preferível que 40% do lucro da empresa vá para o Estado(Detentor de uma parcela menor da empresa) do que os 100% seja lucrado só pelo empresário. Porque com esses 40% o Estado vai melhorar a educação , saúde e talz.

    Sendo assim com o mercado petrolífero aberto para concorrência e gerido por 60% da parte Privada, seria a melhor solução para a Petrobras.

    A questão é, porque isso não seria bom para a população?
  • Rodrigo Amado  19/02/2015 15:35
    "Que é preferível que 40% do lucro da empresa vá para o Estado(Detentor de uma parcela menor da empresa) do que os 100% seja lucrado só pelo empresário.".

    Isso já refuta essa primeira parte:
    "Empresas pagam impostos no valor de 45,9% dos lucros"
    www.dn.pt/inicio/economia/interior.aspx?content_id=3552010

    E na verdade os países que possuem as melhores educação e saúde são justamente aqueles em que o estado menos fornece tais serviços.

    Mas adoradores do estado ignoram tais fatos.

    Adoradores do estado acham que é possível ter uma padrão de vida Suíço, que é ALTAMENTE CAPITALISTA, com uma intervenção governamental Cubana, que é altamente socialista:

    www.heritage.org/index/ranking

    Eles querem o bem estar no padrão dos suíços com as boas intenções declaradas, apenas declaradas, dos governantes de Cuba.

    Mas quando mandamos eles irem para Cuba estranhamente eles se sentem ofendidos.

    Já se eles me mandassem ir para a Suíça eu diria que só não fui ainda porque o estado Suíço,
    mesmo sendo bastante liberal, possuí regras anti-imigração que me dificultam enormemente, se
    não fosse por isso eu já estava lá, rindo dos que ficaram.
  • Túlio  19/02/2015 21:50
    Prezado Leandro,
    Poderia verificar, por gentileza, se essas informações estão corretas? Tirando a que foi postado os links eu não soube verificar.

    "Sete informações importantes pra não pagar mico ao falar sobre o preço da gasolina

    1 - 27% do preço da gasolina é o Imposto ICMS, de responsabilidade do governador do seu Estado. Portanto cobre dele.
    fonte: www.br.com.br/…/como+sao+formados+os+precos+da+gasol…
    2 - 6% referem-se a Impostos Federais, tais como CIDE, PIS e COFINS. Aqui você pode e deve cobrar do Governo Federal.
    3 - Ao contrário do que dizem por aí, a gasolina do Brasil está longe de estar entre as mais caras do mundo. Após os recentes reajustes, a gasolina brasileira ocupa a posição 73 neste ranking. fonte: pt.globalpetrolprices.com/gasoline_prices/
    4 - A gasolina brasileira já esteve entre as 20 mais caras do mundo em 2002. fonte: www.nationmaster.com/countr…/…/Energy/Gasoline-prices
    5 - O custo da matéria prima (petróleo) no preço da gasolina não chega a 20% no Brasil. Além disso, boa parte da matéria prima é nacional, não dependendo do preço do barril no mercado internacional. É por isso que quando o preço do barril subiu, o preço da gasolina brasileira não subiu. Pelo mesmo motivo, quando o preço do barriu despencou, o preço da gasolina não acompanhou a queda.
    6 - De 95 a 2002, o preço da gasolina teve reajuste de 350% em 8 anos. Média de 44% ao ano. De 2003 a 2015, a gasolina foi reajustada em 45%, média de 3.75% ao ano. Ou seja, o reajuste nos últimos 12 anos foi equivalente a média de 1 ano do período anterior.
    7 - Em 1994, era possível comprar 127 litros de gasolina com um salário mínimo. 8 anos depois, o poder de compra da gasolina diminuiu e era possível comprar 97 litros do combustível com o salário mínimo. Atualmente, após os reajustes, é possível comprar 220 litros com o mesmo salário mínimo."
  • Thiago  19/02/2015 22:50
    Todas essas perguntas já foram respondidas exatamente aqui nesta seção de comentários. Em vez de poluí-la repetindo perguntas já feitas, você poderia ao menos ler os comentários antes de fazer suas perguntas, pois ela podem já ter sido respondidas (e já foram). Veja, por exemplo, as perguntas do Diego S.
  • rodrigo d.  19/02/2015 23:38
    O cara dá um crlt c e crlt v no pragmatismo politico e vc quer que ele leia? Kkkkk
  • Tulio  20/02/2015 00:17
    Thiago, obrigado pelas observações e desculpe-me por não ter lido os comentários. Porem, o ítem 5 foi respondido com outra pergunta. Reproduzo aqui:

    5 - O custo da matéria prima (petróleo) no preço da gasolina não chega a 20% no Brasil. Além disso, boa parte da matéria prima é nacional, não dependendo do preço do barril no mercado internacional. É por isso que quando o preço do barril subiu, o preço da gasolina brasileira não subiu. Pelo mesmo motivo, quando o preço do barril despencou, o preço da gasolina não acompanhou a queda.

    Fiquei na dúvida sobre a afirmação de que, pelo fato de a matéria prima ser nacional, ela é independente do preço do barril internacional. Achei essa afirmação meio suspeita, mas não compreendo, por isso a pergunta.

    Rodrigo d., não sei se as afirmações foram retiradas do pragmatismo político, mas como voce esbanjou ironia no seu comentário, imagino que voce tenha uma capacidade superior para argumentar em cima delas, caso contrário não teria se metido.
  • Ricardo  20/02/2015 01:03
    "O custo da matéria prima (petróleo) no preço da gasolina não chega a 20% no Brasil."

    Isso quer dizer o quê? Que os outros 80% são impostos e álcool (a quantidade de ambos sob total controle do governo)?

    Isso piora ainda mais a situação para o governo, e é inacreditável que tal argumento tenha sido usado para defender o governo.
  • Brant  20/02/2015 01:59
    Eu achei engraçado quando li o item 5. Quem escreveu acreditava estar escrevendo um argumento pró governo quando na verdade é exatamente o contrário. Na ânsia de querer defender o papai estado essa gente esquece até de raciocinar.
  • rodrigo d.  20/02/2015 03:26
    Acho que vc e novo aqui. Nos nao somos famosos.por ter paciência com caçadores.
    Segue o link dá matéria que vc usou:

    www.pragmatismopolitico.com.br/2015/02/guia-para-nao-pagar-mico-quando-falar-preco-da-gasolina.html

    Se isso nao for copiar e colar, o que seria?
  • Pedro  20/02/2015 20:38
    Só um adendo ao excelente artigo.

    Em New Jersey, por conta de uma lei, não existe auto-atendimento nas bombas de gasolina. O abastecimento só pode ser feito por um funcionário do posto.
  • Emerson Luis  22/02/2015 12:16

    Brasileiro, não pergunte-se como seria viver em um país socialista;

    pergunte-se como seria viver em país liberal/capitalista.

    * * *
  • Eduardo R., Rio  18/03/2015 04:48
    Reportagem do Estadão: "Segundo informou a Petrobrás, em nota ao Estado, as reduções [no preço dos combustíveis no Paraguai] são possíveis porque o mercado de distribuição de combustíveis no Paraguai é livre e desregulado."

    De novo: "Segundo informou a PETROBRÁS, em nota ao Estado, as REDUÇÕES são possíveis porque o MERCADO DE DISTRIBUIÇÃO DE COMBUSTÍVEIS no Paraguai é LIVRE e DESREGULADO."
  • Andre  18/03/2015 12:40
    A própria Petrobrás admite que o LIVRE MERCADO resulta em menores preços.
    Pena que a maioria dos brasileiros seja formada por tapados incapazes de perceberem isso.
  • Amarilio Adolfo da Silva de Souza  29/03/2015 00:00
    O estado é especialista em prejudicar pessoas. O brasileiro, principalmente.
  • Amadeu de Freitas  06/04/2015 18:54
    De um autoentusiasta para outros: os senhores também perceberam uma sensível alteração no consumo de seus veículos (os que não são flex, é claro) em decorrência desse aumento de 8% de álcool na mistura?

    Assustei com minhas marcas. Um trecho rodoviário que eu fazia a 13,7 km/l caiu para 11,6 km/l. Mantenho o mesmíssimo estilo de direção e continuo abastecendo no mesmo posto.

    Obrigado.
  • Jorge  07/04/2015 00:20
    O meu consumo também aumentou. Viajo semanalmente em uma estrada sinuosa. Fazia 11,7 por litro. Agora 10,6. Uma vergonha o que o governo desse país faz com as pessoas.
  • Krugman  07/04/2015 00:47
    ...A demanda agregada foi estimulada!
  • brunoalex4  02/09/2015 16:58
    E o meu carro (parati gl 1.8 1990) de estimação, não sai mais da oficina!
  • Jorge Carlos Rodrigues de Freitas  14/05/2015 14:32
    Só faltou dizer que a proibição do Diesel para carros de passeio e o subsídio do Diesel para frota e utilitários é mais uma burrice da época da ditadura militar, A portaria MIC nº. 346, de 19 de novembro de 1976 foi que estabeleceu isso e vem até hoje.

    Período esse que vira e mexe tem um autor por aqui "passando a mão de cabeça"... o que me parece um tremendo contra senso.
  • Porta-Voz  14/05/2015 14:35
    "Período esse que vira e mexe tem um autor por aqui "passando a mão de cabeça"... o que me parece um tremendo contra senso."

    É mesmo? Pois então aponte-nos um -- um só! -- artigo que "passa a mão na cabeça da ditadura militar".

    Faça isso e fechamos este site na hora.

    Por outro lado, caso você não consiga localizar tal artigo (dica: não conseguirá), tenha ao menos a hombridade de se desculpar pela calúnia.
  • Jorge Carlos Rodrigues de Freitas  14/05/2015 18:25
    Caro "Porta-Voz", sou chegado a estas expressões popularizadas que nos remetem à imagens do cotidiano, e quanto penso em "passando a mão de cabeça" logo me vem à mente a imagem da mãe que eu descobrir o erro do filho apieda-se dele e, pensando estar correta e zelosa, não o corrige. Apenas em silêncio afaga seus cabelas. Não o corrige (critica) mas também não o elogia (pois sabe que ele está errado) o que já é um começo, mas não o suficiente.
    Outra imagem é a do falso colega, que não tem coragem de repreender o outro, talvez por medo do tamanho, por pura covardia ou timidez mesmo. Quando questionado "-Você acha que eu estou certo?" responde apenas um "-Hum" de canto de boca, resposta dúbia, mas que o isenta, e é quase silenciosa.

    Bom, me pediste um exemplo, pois dou, este texto: "Há muito governo na nossa gasolina", este mesmo que discutimos. Quando o autor cita o subsidio do Diesel, em meio a uma crítica às praticas dos recentes governos, sem citar onde este subsídio teve inicio, ocorre duas coisas: 1. Sugere que o início disto se deu nestes recentes governos (Você vai me dizer "não estamos falando destes governos" , estão sim, quando citam o preço atual, a mudança na combinação gasolina-etanol, esta falando de atualidade, quando fala da mudança no modelo de extração de 97 pra cá esta falando de governos atuais.
    2. "Passa a mão na cabeça" da governo militar, pois o isenta da crítica, silencia.

    Mas há ainda outros exemplos deste silêncio sistemático:
    - "A maldição do petróleo continua a atormentar o Brasil" - ainda sobre o tema, fala dos falhos modelos de extração de petróleo. Mas o faz apenas da década de 90 pra cá, esquece que no governo militar era "Monopólio", pra mim, menos libertário até que Concessão e Partilha.

    - Em "Uma breve história do Plano Real, aos seus 18 anos" e "A tragédia da inflação brasileira - e se tivéssemos ouvido Mises?" - Sabiamente critica e expõe a responsabilidade da inflação na geração do abismo social e da pobreza. Justo, me convenceu plenamente, melhorou minha visão do tema da pobreza. Mas senti falta de discutir a origem dessa "inflação" fruto da besteira chamada de "milagre econômico". Expõe o equívoco esquerdista na questão das "diferenças sociais" mas não discute o equivoco da direita militar no campo econômico que gerou a inflação.

    Intencional ou não, estes silêncios, me soam como "afagos", e nisto posso estar errado. Mas ao isentar discutir este assunto os autores deram margem para erro, assim minha interpretação pode estar errada, mas a exposição dos autores esta severamente incompleta.

    Exposta minha visão, restituída aos seus olhos "minha hombridade" não vejo necessidade de me desculpar. (aos seus olhos pois ao meu ela nunca esteve maculada)
    Aliás, questionar a "hombridade" ou "honra" de alguém pela internet é muito cômodo, ainda mais protegido por um nick "Porta-voz", poderia restituir a sua honra agora e se apresentar, revelando quem você é, e de onde vem o seu poder de falar em nome do "Site" a ponto de comprometer sua palavra em fechá-lo, isso me honraria também.

    Provavelmente minha exposição não será suficiente para persuadi-lo a "fechar" o site. Nem, tao pouco, o desejo, uma vez que sou leitor assíduo e muito me contribui. Além do mais sua honrar sua palavra prejudicaria além de mim outros leitores e todos os outros colaboradores.

    Num mundo imaginário, onde todos são responsáveis pela sua palavra em último grau, você poderia se desligar do site ao invés de exclui-lo. Assim manteria a sua palavra e não prejudicaria ninguém, mas sei que isso não acontecerá, pois você irá argumentar que estou errado e não entendi nada.

    Nem é isso também que desejo, prefiro que "Cresça tu, cresça a mim, cresçamos nós" juntos nestas partilhas.

    Atenciosamente, assinado Jorge Carlos Rodrigues de Freitas.
  • Rodrigo Amado  20/05/2015 17:13
    "Intencional ou não, estes silêncios, me soam como "afagos", e nisto posso estar errado. Mas ao isentar discutir este assunto os autores deram margem para erro, assim minha interpretação pode estar errada, mas a exposição dos autores esta severamente incompleta.".

    Por essa sua lógica o Instituto Mises estaria afagando também a
    Era Vargas (1930-1945) e a República Nova (1945-1964), só pra citar
    os regimes em que havia exploração do petróleo.

    Posso então supor que o seu silêncio com relação à Era Vargas e à República Nova
    significa que você está afagando esses regimes.

    E fora do assunto "petróleo", que só foi descoberto no Brasil na década de 30,
    todas as vezes que o Instituto Mises critica algo de errado que o regime atual faz ele deveria
    mencionar também todos os regimes que já governaram o Brasil desde 1500 que tenham iniciado tal erro,
    ou "a exposição dos autores esta(ria) severamente incompleta".
    Assim todas as vezes que o Instituto Mises critica a cobrança de impostos e não cita o fato de que essa
    cobrança começou na época das capitânias hereditárias ele estaria afagando o império português.

    Já parou para pensar que é mais relevante criticar o regime atual do que os regimes que já se foram?
    Afinal de contas, é possível fazer alterações e correções no regime atual, enquanto que os regimes
    que já se foram são imutáveis.

    No final das contas você não citou nenhum artigo que passa a mão na cabeça da ditadura militar.

    Só usou retórica para dizer que qualquer crítica à algo que esteja acontecendo de errado hoje,
    que tenha começado na época no regime militar, que esteja desacompanhada da citação desse fato
    seria um afago ao regime militar.
    Mas ao fazer isso você afagou a Era Vargas que estatizou a exploração do petróleo em primeiro lugar.

    Deixe de ser conivente com a Ditadura Vargas.
  • Marcosm  03/06/2015 01:26
    O subsídio ao diesel ainda causa outra distorção. Privilegia o transporte de mercadoria por caminhões, em detrimento de outros modais que seriam mais eficientes para determinadas situações. Com esse tipo de deficiência, a dificuldades dos produtores para escoar a produção para o exterior é aumentada, e eles acabam perdendo competitividade em relação aos produtores estrangeiros.

    Boa parte da razão para as cargas imensas serem transportadas por inúmeros caminhões enquanto há estradas de ferro ociosas por todo país vem dos vários subsídios governamentais ao transporte rodoviário, principalmente o diesel. Por mais que uma locomotiva também possa usar esse combustível, o caminhão depende muito mais desse insumo do que um trem.

    Nunca haverá eficiência no transporte de mercadorias enquanto o estado intervir nos setores e impedir a livre competição.
  • Bruno  28/08/2015 20:17
    Esqueceram de falar sobre a octanagem da gasolina comum que é uma das coisas que mais prejudica os motores(causa bate pino).Ou seja a gasolina aqui tem preço alto,grande quantidade de alcool e baixa octanegem.Quase verdadeiros venenos para os carros,ja não basta as ruas destruirem o sistema de amortecedores do carro e ainda tem uma gasolina lixo dessas.Consequentemente os carros duram menos aqui e gasta-se mais com manutenção!
  • Machado  28/08/2015 21:45
    Bruno, a octanagem da gasolina comum é a mesma da aditivada (embora menor que as da Premium e Podium), e está nos mesmos níveis das gasolinas comuns internacionais.

    Sim, eu sei que isso só ocorre por causa da adição de etanol anidro (o que é prejudicial para o motor, como bem descrito no artigo) a um volume muito maior do que nos outros países. Mas, em termos unicamente de octanagem, a nossa gasolina já está (finalmente, após décadas) nos mesmos valores internacionais.
  • JOSE OLIVEIRA  13/01/2016 00:44
    Sugiro que os ARTIGOS FUTUROS Englobassem as Demais "SAURUS/ESTATAIS BRASILEIRA".......:BB, CEF, CVM, SUSEP,EBCT,INFRAERO, EMBRAPA, BNDES, IBR,etc.Lista Wikipédia..................( https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_empresas_estatais_do_Brasil)
  • Marcelo Lopes  13/01/2016 01:09
    Primeiramente gostaria de dizer que o Brasil não é auto-suficiente em petróleo como li em um comentário, nosso produção de petróleo te alguns problemas como: 1 - Faltam refinarias para refinar o petróleo prospectado; 2 - As nossas refinarias estão preparadas para um tipo de petróleo (usarei o jargão popular) fino e não o petróleo grosso que são de formação geológica mais antigo; 3 - Quase metade de nosso petróleo é do tipo grosso (de formação geológica antiga); 4 - Quase que a totalidade de nosso poços de petróleo estão na plataforma continental (no oceano) e as novas descobertas - o pré sal - além de serem bem mais cara para prospectar é de uma formação geológica antiga.
    Segundo, os EUA estão importando menos petróleo porque estão extraindo petróleo do xisto diminuindo assim a dependência de importação. O EUA não prospectam todos os poços descoberto, eles lacram e deixam em estrategicamente inoperante para o caso de um cenário de guerra global.
  • Batista  13/01/2016 13:24
    Como dizem os ufanistas: "O petróleo é nosso!"

    Passa pra cá minha cota então...
  • Danilo  14/01/2016 15:47
    Artigo do Mises falha ao confundir E&P, que inferiria pouco nos preços dos derivados, já que uma refinaria privada poderia importar ou comprar petróleo da Petrobras. Nestas duas hipóteses, o preço do petróleo segue a cotação internacional.

    Se esquecem de mencionar também que a Petrobras subsidiou gasolina e diesel entre 2010 e 2014, e que outras empresas poderiam refinar no Brasil ou até mesmo importar, mas 'preferiram' comprar estes derivados da Petrobras.
  • Gentili  14/01/2016 16:14
    "falha ao confundir E&P"

    E&P por acaso seria "estatal e privado"? Se sim, você já começou mal.

    Nos 9 pontos levantados pelo artigo, em 8 deles não há absolutamente nada dessa dicotomia. No 9º e último ponto há apenas uma informação sobre o setor petrolífero nos EUA, informação essa que não configura nenhuma teoria -- se muito, uma tentativa de humor.

    De modo algum o artigo se baseia na dicotomia estatal versus privado. Aprenda a interpretar textos.

    "que inferiria pouco nos preços dos derivados, já que uma refinaria privada poderia importar ou comprar petróleo da Petrobras."

    Se ela importar petróleo, ela não tem de comprar da Petrobras. E ao não ter de comprar da Petrobras, ela é livre para seguir os preços do mercado internacional, os quais estão abaixo dos praticados pela Petrobras. Informe-se.

    "Nestas duas hipóteses, o preço do petróleo segue a cotação internacional."

    O atual preço da Petrobras está acima do praticado no mercado internacional. Informe-se.


    "Se esquecem de mencionar também que a Petrobras subsidiou gasolina e diesel entre 2010 e 2014,"

    Sobre o diesel, citados nos itens 3 e 4. (Começo a concluir que você não leu absolutamente nada).

    Sobre "gasolina subsidiada", de que adianta ficar 2 anos (foi a partir de 2012 e não 2010) vendendo abaixo do preço e todos os outros anos acima do preço? Brasileiro é uma espécie facilmente ludibriada, impressionante.

    "e que outras empresas poderiam refinar no Brasil ou até mesmo importar, mas 'preferiram' comprar estes derivados da Petrobras."

    Falei que era um desinformado. A Petrobras detém um monopólio prático da extração de petróleo. Após mais de 40 anos de monopólio jurídico (quebrado apenas em 1997), a Petrobras já se apossou das melhores jazidas do país. Nem tem como alguém concorrer. É como você chegar atrasado ao cinema: os melhores assentos já foram tomados, e você terá de se contentar com os piores.

    Informe-se:

    www.gazetaonline.com.br/_conteudo/2015/01/noticias/dinheiro/3887284-monopolio-da-petrobras-prejudica-consumidor.html
  • Danilo  15/01/2016 12:40
    Informe-se você: E&P é exploração e produção.
    Os preços do petróleo comercializado pela Petrobras (e por todas as empresas de petróleo do mundo) seguem uma cotação internacional, vinculada principalmente ao Brent. Assim, o tal monopólio no E&P tem pouca interferência nos preços dos derivados. Até pq já foram ofertados bons campos de petróleo desde 97, em que várias empresas entraram em parceria com a Petrobras (que só é obrigatória no Pré-sal)


    Período 2010-2014:
    brasileconomico.ig.com.br/negocios/2014-05-13/perda-da-petrobras-com-preco-da-gasolina-ja-supera-r-55-bi.html


    Defasagem gritante em 2013:
    g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2013/08/preco-da-gasolina-no-brasil-esta-defasado-em-relacao-ao-exterior.html

    Defasagem 2014:
    g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2014/02/petrobras-gastara-140-mais-com-importacao-de-combustivel-ate-2020.html

    Alguns meses de 2015:
    economia.uol.com.br/noticias/reuters/2015/05/07/gasolina-volta-a-ficar-mais-barata-no-brasil-e-importacoes-podem-afetar-petrobras.htm


    Realmente, você foi muito ludibriado! Quando falamos em subsídios da PEtrobras, são os preços praticados na refinaria e comparados à cotação internacional, que também é sem impostos. Este é o preço de 'responsabilidade' da Petrobras. Não dá para comparar preços com tributos de diferentes países e culpar uma empresa ou outra.


    Sobre o Refino, em nada tem a ver com o tal 'monopólio prático na extração de petróleo'. São atividades bem diferentes. Desde 97 o mercado está aberto para refinadores independentes, empresas como Shell, Texaco e Ipiranga atuam na distribuição, mas não quiseram bancar refinarias por aqui. Empresas como statoil, Shell, Chevron e outras atuam no E&P, mas não no refino por aqui também.

    Um abraço.
  • Alexandra Moraes  25/03/2016 16:15
    O governo Dilma acabou com o setor energético do Brasil.
    Conseguiu quebrar as usinas de alcool, a produtoras e distribuidoras de energia elétrica. Conseguiu ainda, contribuir decisivamente pelo rombo na Petrobras. Cabe lembrar que o subsidio da gasolina gerou um rombo de mais de 60 bilhões de reais.
  • Danilo Cuzzuol Pedrini  28/03/2016 22:59
    Tem razão, Alexandra. Longe de elogiar esta política danosa, há de se reconhecer que a empresa e seus acionistas merecem o ressarcimento pelos prejuízos.
  • Beth Prado  19/04/2016 21:31
    O governo Dilma destruiu o setor energético do Brasil. Os preços da gasolina e da energia elétrica foram congelados o que destruiu de vez o setor.
    Um dos setores mais penalizados foi os usineiros. Grande parte deles estão falidos juntamente com o Proalcool. É uma pena.
  • Beth Prado  22/04/2016 21:59
    Realmente há muita governo na gasolina. O que a Dilma fez subsidiando a gasolina arrasou com a Petrobrás. Este subsidio deixou um rombo de R$ 60 bi. Além disso, arrasou com o Proalcool.
    Há muito governo, e de péssima qualidade, na nossa gasolina.
  • Alexandra Moraes  23/04/2016 14:02
    Não só na gasolina há muito governo.
    Há excesso de governo em todas as áreas da sociedade. Precisamos de menos governo. Governo não gera riqueza, não produz nada. A primeira regra instalada no Brasil é que quem não produz tem que estabelecer regras para quem produz. E regras absurdas que atrapalham muito o desenvolvimento do paísl Se o governo não atrapalhar a sociedade e o mercado, já está muito bom.
  • Alexandra Moraes  26/04/2016 13:35
    A intervenção feita na gasolina pelo governo Dilma para segurar a inflação gerou uma série de dificuldades para a Petrobrás.
    Não é possível um governante interferir dessa forma em uma empresa que tem acionistas. Quem irá bancar estas perdas?
  • Pilates-Perdizes  09/05/2016 23:14
    O que foi feito na Petrobrás nos últimos anos foi uma vergonha. Acabaram com a maior empresa da América Latina através da corrupção e do subsídio da gasolina dado pelo governo que resultou em perdas de mais de R$ 60 bilhões.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.