Por que a China vai implodir
por , sexta-feira, 23 de maio de 2014

versão para impressão


china.bmpO segredo para se entender a China é que o país não é apenas mais uma economia emergente que vivenciou um forte crescimento e que, agora, está momentaneamente se esforçando para conter seus excessos.  Também não se trata de mais uma economia que incorreu em uma farra de investimentos errôneos em ativos fixos, como imóveis, e que agora quer fazer uma transição para algum tipo mais "normal" de economia, como uma baseada no consumo. 

Não.

A China é uma grotesca aberração econômica, cujo modelo econômico simplesmente não tem semelhança a nenhum outro modelo econômico já adotado por algum outro país em algum momento da história — nem mesmo ao modelo mercantilista de estímulo às exportações originalmente criado pelo Japão, e que já se comprovou insustentável. 

O governo chinês está nas mãos de um grupo de velhos comunistas que foram criados sob o regime de Mao.  Eles acreditam em planejamento central, ainda que de uma maneira mais diluída.  Eles enviaram seus jovens mais inteligentes para estudar economia nas universidades americanas.  Esses jovens retornaram para a China keynesianos.

A economia chinesa é hoje uma mistura maluca de empreendedorismo de livre mercado, de investimentos subsidiados e dirigidos pelo Banco Central, de mercantilismo keynesiano, e de planejamento central comunista.  Trata-se de um acidente monumental que está na iminência de acontecer.

A China é uma nação que, em decorrência de uma monumental bolha de crédito, incorreu em uma insana mania especulativa direcionada majoritariamente para a construção civil.  As implicações desse endividamento (todo crédito é um endividamento) e dessa especulação imobiliária estão sendo resolutamente ignoradas por analistas que ainda estão iludidos pela noção de que a China criou um modelo econômico singular chamado "capitalismo vermelho".

Quando a dívida total (pública e privada) de um país explode de US$1 trilhão para US$25 trilhões em apenas 14 anos, isso não é capitalismo, nem mesmo vermelho.  Trata-se de insanidade monetária conduzida pelo estado.

Há ocasiões em que uma imagem vale mais que mil palavras.  Eis a seguir um gráfico que apareceu em uma matéria do Financial Times que falava sobre a rápida deterioração do mercado imobiliário chinês.  Ao que parece, de acordo com dados da US Geological Survey e do Comitê Nacional de Estatísticas da China, durante um período de apenas dois anos, 2011 e 2012, o qual representou o ápice da tão aclamada "agressiva política de estímulos" do governo chinês em resposta à recessão do mundo desenvolvido, a China consumiu mais cimento do que os EUA consumiram durante todo o século XX!

China Cement.jpg

Consumo de cimento per capita (eixo Y) versus PIB per capita (eixo X)

Esse fato insano tem de ser corretamente digerido.  Eis uma maneira de colocar as coisas em suas devidas proporções.

Pense em todo o processo de urbanização ocorrido nos EUA ao longo dos últimos 100 anos.  Pense na construção de todos os edifícios comerciais, de todos os prédios residenciais, de todas as casas, de todos os arranha-céus, e de todos os shoppings que adornam as milhares de cidades americanas da costa leste à oeste.  Pense também na construção de toda a infraestrutura do país, desde as simples ruas e avenidas das cidades até as grandiosas represas Hoover, TVA e Grande Coulee, passando por toda a malha de rodovias, aeroportos, portos, rodoviárias, estações de trem, de metrô.  Pense em todos os estádios de futebol americano, de beisebol, de basquete, de hóquei; em todos os auditórios e estacionamentos que já foram construídos no país. 

Todo o volume de cimento gasto nesse processo de 100 anos foi o mesmo que a China gastou em dois anos.

O resultado?  Cidades completamente vazias.

Eis o busílis.  É impossível olhar apenas para os frios números do PIB chinês e ter qualquer compreensão sobre o estrondoso colapso que irá ocorrer quando todo esse frenesi de obras acabar.  A noção de que o governo, de maneira indolor, será capaz de reduzir os investimentos em ativos fixos de seu atual valor de 50% do PIB para "apenas" 25% — o que ainda seria consideravelmente alto — ignora o que realmente é a economia chinesa: um projeto de construção civil de dimensões continentais, na qual tudo está relacionado a transportar, fabricar, erigir e vender infraestrutura — públicas e privadas, varejista e industrial.

Portanto, quando as construções pararem — seja porque os preços inflados dos imóveis estão caindo ou porque a expansão creditícia não mais será capaz de continuar sustentando a bolha —, a implosão será trovejante.  A produção de cimento pode cair dos atuais 2 bilhões de toneladas por ano para meros 500 milhões; o consumo de aço irá despencar proporcionalmente; frotas industriais de caminhões de cimento e de transporte de aço ficarão ociosas; a demanda por pneus, por componentes de motores, e por combustível para caminhão irá evaporar; empreendedores que fornecem os serviços que suprem este gigantesco fluxo de cimento e aço irão à bancarrota; os apartamentos vazios — ainda chamados de "investimentos" — em posse de seus proprietários serão inúteis.

E quando essa implosão ocorrer, mais de um bilhão de pessoas irá vivenciar em primeira mão como planejamento central, expansão do crédito e inflação monetária produzida por um Banco Central são eficientes em destruir recursos escassos.

Esse será o maior desafio dos oligarcas comunistas.  Os chineses conhecem apenas dois sistemas econômicos: o sistema comunista sob Mao e o atual sistema, que é baseado na inflação monetária gerenciada pelo Banco Central e na alocação keynesiana de capital.  As massas depositaram sua fé nesse sistema econômico.  Quando ele entrar em colapso, as consequências serão interessantes.

Atualmente, há aproximadamente 90.000 manifestações populares por ano na China.  O governo é relativamente eficaz em escondê-las do mundo.  Quantas mais ocorrerão quando houver a implosão?


David Stockman é ex-congressista americano e ex-membro do governo Reagan.  Escreveu o livro The Great Deformation (resenhado aqui), que cita detalhes desconhecidos sobre os favorecimentos do governo americano aos grandes bancos do país.  Atualmente, Stockman é o editor do site David Stockman's Contra Corner.



181 comentários
181 comentários
Josias Luna 23/05/2014 14:57:58

Sempre desconfiei disso. Mínimos conhecimentos de economia austríaca são suficientes para não levar a China a sério.

Responder
roberto da silva rocha 23/05/2014 17:42:44

portuguese.ruvr.ru/2014_05_11/japao-e-china-agrava-se-a-luta-pela-influencia-na-africa-2160/
Não haverá explosão.
Lula estava (está) certo.
O umbigo do mundo nunca se lembra da África.
Lá falta de tudo.
Todo este investimento em capital reprodutivo já está em direção para a África, que seria o escoadouro para a nova fronteira capitalista se os europeus e os neoeuropeus um dia pensassem na África diferentemente com sempre a viram como colônia, e visse pessoas desejosas de melhorar o seu estilo de vida. Simples assim, China e Japão está guerreando pela demanda de investimentos na África.

Responder
Morpheu 23/05/2014 17:58:51

"Todo este investimento em capital reprodutivo já está em direção para a África"

Entendi. Quer dizer então que todos os prédios, todas as pontes, todas as estradas, e todas as obras de infraestrutura feitas na China estão sendo levadas até a África?

Desculpe a minha ignorância, mas exatamente como está sendo feito esse transporte? Como estão levando prédios, pontes e estradas da China para África?

Meu, é cada coitado que despenca de pára-quedas aqui...

Responder
Douglas 23/05/2014 20:46:14

A frase "Lula estava certo" pra mim é pior do que imaginar os caras tirando os prédios lá da China e levando de barco pra África.

Responder
Reinado 24/05/2014 00:18:29

Lula está tão certo quanto os chineses estão em sua grande economia e negócios imobiliários! kkkk

Responder
Bruno HL 24/05/2014 15:14:30

Boa !! hahaha

Responder
BHL 24/05/2014 15:19:53

Depois da crise mundial a Europa e os EUA pararam de comprar tanto volume da china, o que criou uma crise de excesso de mão de obra parada.
Ai o governo ao invés de pagar bolsa familia, deu trabalho para toda essa gente construindo infra estrutura, mesmo aonde não precisa, para quando a crise mundial passar e a produtividade voltar eles vão tirar melhor proveito com uma infra melhor.
Nao tem especulação na china, é tudo controlado pelo estado, e tem q ser assim pelo volume de pessoas que vivem lá, tem muita gente!

Responder
Andre 24/05/2014 23:35:29

"Nao tem especulação na china, é tudo controlado pelo estado, e tem q ser assim pelo volume de pessoas que vivem lá, tem muita gente!"

Sim, o estado chinês seria muito burro se perdesse a chance de ROUBAR dinheiro de mais de 1,3 bilhões de pessoas.
Tem que ROUBAR! É o seu lema.

Pela sua lógica devíamos ter um governo mundial, pois tem um volume muito grande de pessoas vivendo nesse planeta.

Responder
Max 18/07/2014 18:31:06

Petismo/esquerdismo é mesmo uma doença mental...

Responder
anônimo 11/07/2015 01:36:34

Acho que vc não entendeu em oque ele disse.
O camarada aí falou da possibilidade de realocação dos excedentes do capital no continente africano. Mencionou que a África deveria ser o novo pólo de aplicação dos investimentos. Não citou o transporte dos produtos da construção civil. O que seria impensável. Ele é o coitado?

Responder
Torrano 24/05/2014 13:19:43

Hoje sou descrente sobre a possibilidade de povos subsaarianos adaptarem-se ao mundo pós-industrial. Acho que forçá-los à urbanização é algo cruel e que só gera conflito. Não deveríamos intervir, esses povos devem ser deixados em suas tribos. É uma pena, a África é cheia de recursos.

Sei que logo logo aparece alguém com os "casos de sucesso". A África do Sul foi construída sob regime de apartheid, e desde que o regime acabou, a única coisa que cresce naquele país é o índice de estupros. Os tswanas, etnia majoritária de Botswana, podem ser diferentes dos demais subsaarianos, ou talvez haja uma elite chinesa e indiana no país. Eu não estou dizendo que são todos iguais. Dinkas sudaneses são o povo com a maior estatura média do planeta enquanto o pigmeus são pequeninos.

Responder
anônimo 22/05/2016 23:00:26

e a África vai ter como pagar por tudo isso? Ninguém vai investir se não houver retorno, ou então os chineses estarão planejando "colonizar" a África?

Responder
joao marcelo 26/05/2014 00:44:33

vcs chegaram ao fim do posso. Não entendo o que vocês tem a reclamar dos malucos socialistas. Qualquer pessoa com um pouco de noção consegue ver que a economia chinesa é muito boa. Nem um marxista do PC do B vai gasta o seu tempo pra discutir com vcs. Se vcs tentarem explicar isso para qualquer pessoa que sabe ler ela vai dar as costas para vcs.
Segundo vcs economia da China, India são uma porcaria e a economia da Alemanha, mexico são perfeitas e é claro a culpa da crise é do estado. Pelo amor de deus vcs deviam propor um duelo de revolver com os marxistas que dai morriam os dois e o mundo ficaria mais alegre.

Responder
Rodrigo Amado 04/06/2014 12:40:53

"vcs chegaram ao fim do posso".

Analfabeto detectado.
Escrever "posso" ao invés de "poço" não é erro de digitação.

"Não entendo o que vocês tem a reclamar dos malucos socialistas."

Analfabetos têm dificuldade para entender a língua escrita.
O simples fato de serem "malucos" como você mesmo disse já é um bom motivo para reclamar.
E o fato de que querem roubar loucamente (como bons malucos) da população é outro bom motivo.

"Qualquer pessoa com um pouco de noção consegue ver que a economia chinesa é muito boa."

Claro, é por isso que as pessoas preferem imigrar para a china do que para os EUA ou Canadá, por exemplo.

"Nem um marxista do PC do B vai gasta o seu tempo pra discutir com vcs."

Não seria possível mesmo discutir com quem quer apenas se apoderar do estado para ROUBAR toda a população.
Eu não discuto com ladrões.

"Se vcs tentarem explicar isso para qualquer pessoa que sabe ler ela vai dar as costas para vcs.".

Se essa pessoa for analfabeta como você é bem provável mesmo que isso aconteça.
Mas se ela for mais inteligente, ela vai dar as costas, após ouvir os argumentos, para emigrar pros EUA, ao invés de emigrar pra China.

"Segundo vcs economia da China, India são uma porcaria e a economia da Alemanha, mexico são perfeitas"

Nunca vi ninguém dizer que são "perfeitas", apenas menos piores, por ter menos roubo e intervenção estatal.
E os fluxos de imigração confirmam isso. Só não entendi porque você colocou o México no mesmo patamar da Alemanha, a diferença é MUITO GRANDE.

"e é claro a culpa da crise é do estado."

Para um esquerdista, analfabeto ou não, a culpa da pobreza nunca pode ser atribuída ao maior ladrão de todos, o estado.

"Pelo amor de deus vcs deviam propor um duelo de revolver com os marxistas que dai morriam os dois e o mundo ficaria mais alegre."

Mentalidade revolucionária: sempre querendo ver sangue derramado.
Mais de 100 milhões de mortos não foram o bastante?

Só queremos que parem de nos roubar e querer controlar nossas vidas. É simples.

Responder
anônimo 04/06/2014 14:25:04

"Qualquer pessoa com um pouco de noção consegue ver que a economia chinesa é muito boa."

'Claro, é por isso que as pessoas preferem imigrar para a china do que para os EUA ou Canadá, por exemplo.'

O Jim Rogers prefere

Responder
Marcos 04/06/2014 14:30:14

Até onde sei, Jim Rogers mora em Cingapura, que não tem nada a ver com a China. Mas talvez você saiba de detalhes mais íntimos do que eu…

Responder
Andre 04/06/2014 15:55:15

"O Jim Rogers prefere".

Como foi dito pelo Marcos, o Jim Rogers mora em Cingapura.
E, ainda que ele morasse na China, um único exemplo não serve para demonstrar que "as pessoas preferem emigrar para a China".

Seria preciso que o número TOTAL de imigrantes tentando entrar na China superasse o número total de imigrantes tentando entrar nos EUA.
Eu disse "tentando", pois não é relevante quantos conseguem, e sim quantos tentam.

A até onde eu saiba não existem filas de espera de pessoas nas embaixadas chinesas esperando ANSIOSAMENTE pelo SONHO de imigrar para a China.

Mas se você acha que a economia chinesa vai bem, sugiro que emigre pra lá.

Responder
anônimo 06/06/2014 18:26:35

'E, ainda que ele morasse na China, um único exemplo não serve para demonstrar que "as pessoas preferem emigrar para a China".'

Você está perdendo muito o foco.A questão nunca foi se 'as pessoas preferem migrar pra china' ou não, a questão é que essa frase foi colocada num contexto para dar a entender que a economia da china, no longo prazo, não vai ser grandes coisas, e é justamente isso que o Jim Rogers nega, independentemente de morar lá ou não, ou de uma ou outra cagada do governo, no longo prazo ele sempre se mostra otimista com o futuro da china, com a moeda, chegando inclusive a fazer com que as filhas aprendam mandarim.

Responder
anônimo 18/07/2014 08:00:51

/sarcasmo

E pior que conheço gente que fez isso... Não que seja impossível prosperar na China, mas o cara saiu do Brasil pra morar na Austrália, e como fracassou lá resolveu ir pra China, sendo Canada a "opção C" (A=Austrália, B=China).

Responder
anônimo 29/10/2014 23:11:52

'"vcs chegaram ao fim do posso".
Analfabeto detectado.'


A intenção do coitado foi o seguinte: imagine um ser combalido, enfraquecido, que luta contra as intempéries da vida, que sofre derrotas mas não desanima! Quando ele cai ele pensa: 'eu POSSO me reerguer, eu POSSO!' E aí ele volta pra luta! Mas um dia os problemas são tantos que ele desiste, ele cai e não reage mais.Então, é esse o sentido que o nosso amigo disse, o seu POSSO chegou ao fim.

Responder
Eu 23/05/2014 15:21:40

O sistema bancário da China é semelhante ao nosso? É de reservas fracionárias?

Responder
Leandro 23/05/2014 15:38:04

Sim.

Responder
Bancario 23/05/2014 15:26:25

A única coisa que me "assusta" nisso tudo é que a China continua "crescendo". Os indicadores da economia chinesa mostram que ela cresce a altas taxas ano após ano.

Embora haja grande possibilidade de que os dados sejam manipulados e distorcidos, leigos tem a visão de que o modelo econômico a ser perseguido é o de grandes intervenções econômicas, planejamento central, etc como se isso permitisse qualquer país crescer a mais que 7% ao ano.

Uma dúvida: não sou especialista em China, fico curioso pra imaginar quais sinais procurar para antecipar o "início do fim". Alguém tem noção?

Responder
Leandro 23/05/2014 15:38:27

Após quase quatro décadas de comunismo, a economia estava em frangalhos. Logo, partindo-se de uma base tão baixa, qualquer crescimento gera um grande aumento percentual. Isso é matemática pura.

Adicionalmente, tendo o país mais de um bilhão de indivíduos dispostos a trabalhar duro, o PIB cresce quase que por inércia.

Só que o PIB per capita, que é o que realmente interessa, ainda é extremamente baixo, como mostra o gráfico.

Responder
Lucas 23/05/2014 15:54:17

A china é uma ilusão. Lembra até o Brasil. Uma pessoa disse ontem que a Alemanha vai passar o Japão na economia...com PIB maior. O que você acha disso? Você levaria a sério? E o que você pensa sobre o Putin? Acha que ele pode ameaçar o século XXI com guerras(ou seja, o mundo vai parar de produzir p/ fazer guerra de novo)?

Responder
Leandro 23/05/2014 16:04:23

Tem grande potencial. Aliás, o PIB per capita da Alemanha (em termos de paridade do poder de compra) já é maior que o do Japão. Também creio - embora isso seja um total subjetividade de minha parte - que a qualidade de vida na Alemanha é maior que a do Japão.

Frente a isso, uma mera posição no ranking dos PIBs nominais passa a ser aalgo secundário.

Responder
Guilherme 23/05/2014 23:59:00

Não sei se uma informação realmente relevante, ainda há muitos na zona rural, é uma grande reserva que sustentará o crescimento.

Responder
Renan 24/05/2014 15:23:34

Estou morando na china desde o inicio do ano e estou vendo essa "china é uma ilusão". Comprar as coisas muito mais baratas pq as multinacionais estão aqui, pagar o equivalente a R$ 0,80 em um ticket de metro que possui linhas por toda a cidade, R$ 0,10 na passagem de onibus (que nunca precisei pegar) são ilusões que estão me parecendo muito reais aqui, "lembra até o brasil" foi a pior...hahaha!! Não entendo nada de economia, mas falar sobre mercado imobiliario não deveria citar tambem a população do pais? Acho que comparar China(1.347.000.000 habitantes) e os EUA(303.824.646 habitantes) eh um pouco complicado...

Responder
Pablo 24/05/2014 18:17:18

É exatamente por isso que esse modelo é insustentável. O dinheiro que você está economizando ou está sendo pago por alguém agora ou vai ser pago por alguém no futuro.

Responder
P.V 11/07/2015 22:28:52

Certíssimo!

Responder
Curioso 25/05/2014 14:36:37

Cara, o que você tem que se informar na China para se inteirar sobre
o que está acontecendo não são os preços das coisas que, tenho certeza,
devem ser mesmo muito baratos. Em qualquer parte do mundo, preços podem
subir muito em pouco tempo. É a tal da inflação. O ponto é você aproveitar
essa sua vista privilegiada pra tentar entender o que é que está sustentando essa pujança toda que você vê por aí. Você diz que a população é muito grande. Será então que ela está cada vez mais bem abrigada? Será que a pobreza rural está acabando?
Ou sera que é verdade essa questão de cidades fantasmas que você viu no video aí? Se eu fosse você eu procurava me informar sobre esse tipo de coisa. Agora, com um certo cuidado, porque embora talvez não te pareça a china ainda é um país muito fechado e talvez te cause problemas fazer perguntas demais. Que você acha?

Responder
Thiago Augusto 16/07/2015 20:03:49

Uma questao demográfica: o japao tem 127 milhoes de habitantes, a alemanha tem quantos? Acho que uns 80 milhoes.
Nao acredito que a Alemanha passe o Japao.

Responder
Luiz Goerck 19/07/2015 01:19:25

Thiago, a população da Alemanha é muito mais jovem do que a população do Japão, que e mais velha. Logo, logo esses velhos morrerão e não serão substituídos, pois a taxa de natalidade lá é extremamente baixa.

Responder
Jose 27/08/2015 02:23:05

A última desvalorização do yuan e um bom prenúncio. ...

Responder
Marcel 23/05/2014 15:35:53

Infelizmente, mesmo que ocorra uma catástrofe, a propaganda vermelha continuará a fazer o que faz de melhor: mentir. Então talvez a lição seja maior para quem está de fora.

Responder
Hudson 23/05/2014 15:36:30

Por que é que eu fiquei com medo aqui no Brasil desta informação?

Responder
Diogo 23/05/2014 15:37:22

O vídeo é assustador.

Responder
Edson 23/05/2014 15:39:03

E o que é pior: em vez da população ocupar todos estes imóveis e viver com dignidade, veremos é a destruição de tudo isso pra reduzir a oferta, exatamente como ocorreu na Irlanda pós bolha.

Responder
Douglas 23/05/2014 20:49:19

Legal esse seu comentário Edson, mas eu não entendi o que ocorreu na Irlanda. Como se deu isso que você falou de eles destruírem o que tinham. Você teria algum link para eu poder dar uma lida? Obrigado!

Responder
Edson 23/05/2014 21:49:14

veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/vasto-mundo/a-irlanda-esta-eliminando-da-paisagem-os-sinais-da-bolha-imobiliaria-as-residencias-fantasmas/

Responder
Douglas 23/05/2014 22:50:54

Valeu brother!

Responder
Allan 23/05/2014 15:40:09

E o que vai acontecer com o Brasil nessa?

Responder
Leandro Levlavi 23/05/2014 15:40:30

Muito mais importante que saber as consequências nefastas que ocorrerão na China, é saber o que acontecerá com a economia mundial quando os chineses pararem de "comprar o mundo"... Uma dúvida para quem souber responder: Quanto custa um imóvel em tais cidades?

Responder
Giovani 23/05/2014 16:39:02

A informação quanto aos valores dos imóveis consta no vídeo.

Responder
Típico Filósofo 23/05/2014 16:10:52

Absurdo. A China possui cidades-fantasma desde Mao. Embora por razões diferentes.

A eventual queda nos preços de imóveis na forma de promoções é pura competição desleal promovida por empresários internacionais para gerar uma crise de desconfiança no ambiente de investimentos, juntamente ao pensamento econômico retrógrado 'anti-calote' de que o tomador de empréstimos deve deter 50% do valor do ativo para dar entrada; assim como o absurdo aparelhamento neo-liberal do 'Currency Board', que torna o governo incapaz de plenamente gerenciar as mudanças sociais do país além da capitalização por exportações.

É mister que o governo chinês, se vítima da especulação do capital internacional, adote de imediato um sistema de câmbio flutuante para que liberte sua política monetária e estimule ainda mais a economia contra a conspiração do capitalismo norte-americano.

(Respectivo ao consumo de cimento, repito: o homem comunista está livre das amarras polilógicas e existenciais da luta de classes sobe a perspectiva trotsky-leninista, o que significa que é perfeitamente possível que o cimento esteja a ser consumido para fins alimentícios)

Responder
Marcos 23/05/2014 18:01:00

Típico Filósofo, sempre em grande forma (principalmente em seu último parágrafo).

Responder
Pedro Matematico 24/05/2014 02:11:21

Como assim? Comer cimento?

Responder
Torrano 24/05/2014 15:40:29

Por que não? Qual o problema?

www.youtube.com/watch?v=e49iVNXqiDI

Responder
Torrano 24/05/2014 15:42:01

Sim, qual é o problema?

www.youtube.com/watch?v=e49iVNXqiDI

Responder
Giancarlo 26/05/2014 13:29:57



"competição desleal"; "promovida por empresários internacionais"; "crise de desconfiança".

Começo a desconfiar que o 'Típico Filósofo' é a alcunha que o Delfim Netto usa para comentar aqui no site.

Responder
Saulo 27/05/2014 04:04:50

Habilidade dialético-retórica magistral..... Eu ri hediondamente!!!!!! hahahahahaha. Voce está de parabéns típico filósofo... Comer cimento hahahahah

Responder
Alexandre 09/07/2015 01:37:40

Ótimo comentário. Alguns não conseguem detectar o sarcasmo, mas adorei o início: A China possui cidades fantasmas desde a época do Mao, embora por motivos diferentes. Brilhante!

Responder
Fabio 23/05/2014 16:11:32

Sabem no que acredito ? Em um futuro nao tão distante; os países que conhecemos hj ira ser quase uma monarquia,porém com donos próprio,tipo uma empresa privada hoje. E com isso, o que ira valer em um pais e aquele que oferece melhores qualidade de vida,trabalho,clima e etc e os países irão concorrer entre si para ver quem mais atrai moradores para produzir riquesas.

Responder
Gustavo 28/05/2014 14:23:29

Isso já acontece com algumas cidades globais...

Responder
Felipe 15/07/2015 22:14:26

Bem, eu defendo isso, existirá uma família real dona da cidade, como no passado. As pessoas que vivem nas terras do rei pagam tributos, que nada mais são do que um aluguel da terra que não é sua. O rei se esforçaria para manter a população produzindo cada vez mais, e se esforçaria para que todos os que vivem na cidade dele tenham altos lucros e isso atraia mais gente para que ele ganhasse mais dinheiro.

Responder
Felipe Jauch 23/05/2014 16:24:50

China está entre os maiores consumidores do agronegócio brasileiro (carro-chefe da economia brasileira). Um rombo na economia chinesa provocaria um belo estrago no Brasil.

Responder
Eduardo Bellani 23/05/2014 16:29:27

A parte mais interessante pra mim no artigo é a entrevista que começa aos 10:00 do vídeo. Ali você entende a causa de tudo isso. Um sujeito comum sendo explorado, chicoteado, e humilhado pelo estado, e ainda pedindo pro estado fazer mais.

Lembrou-me os protestos aqui no Brasil. Como uma analogia gráfica, fica esse vídeo:

Responder
Douglas 23/05/2014 20:52:20

Cara, pensei exatamente a mesma coisa! Você tem uma entidade que causa todo o seu sofrimento e o que você pede é mais desta mão pesada e assassina pra melhorar a sua vida, triste, muito triste!

Responder
Ricardo 25/05/2014 20:02:47

Realmente é a parte mais interessante, como funciona a lavagem cerebral feita nas pessoas. O governo faz toda a lambança, bota no furico do povo, joga a culpa nos capitalista e sai como o mocinho.

Responder
Arthur Gomes 23/05/2014 16:33:30

Leandro,
E quando isso tudo estourar de vez, o que vai acontece com o mundo.
Haverá um imigração maciça de chineses para outros lugares(Brasil, por exemplo)
Países que exportam para china o que vai haver?(soja, minério de ferro, carne)?
Quando poderemos notar essa implosão chinesa?

Responder
Mohamed Attcka Todomundo 17/07/2015 13:44:24

"Haverá um imigração maciça de chineses para outros lugares"

tomara. vai baratear a mão de obra. hahahahahahaha

piadas a parte, o estado chines afirma q locais em q tem uma minoria chinesa q keira ser fiel à china, eles garantem a ela essa possibilidade de escolher estar sob jurisdiçao da china. isso cria tensoes p/ todo lado, como na indonesia, onde 2% da população é chinesa, concentrada, a maior partem numa única ilha do arquipelago.

ta vendo o tamanho da piroca na nossa reta se isso acontecer? imagina uns 10 milhoes de chinas vivendo aki!

bem, fora isso, os imigrantes chineses ao redor do mundo sempre foram uma benção. trabalham muito, aceitam os trabalhos q ninguem ker fazer, fazem muita poupança, educam os filhos p/ ascenderem socialmente pelo estudo poupança e trabalho, integram-se na sociedade q os recebe a partir da 1ª geração de nascidos/educados no lugar; e são muito aplicados e disciplinados no trabalho e estudo, criando uma geração de pessoas aplicadas, disciplinadas e aguerridas.

se eu fosse rei de um lugar inóspito, como a groenlandia, me esforçaria p/ ter mão de obra chinesa no lugar, mas mante-la leal ao local, e hostil à china

Responder
PESCADOR 23/05/2014 16:34:49

Os "economistas" keynesianos pensam que a China não irá quebrar. Ontem mesmo, debatendo informalmente num almoço com amigos do mercado financeiro aqui em São Paulo, eles teciam enormes elogios à economia chinesa, pelas notícias de que será a maior economia do mundo até o final do ano e pelo planejamento dos manda chuvas de lá, que supostamente teriam tudo sob controle. Qualquer coisa que eu contestava, baseando-me na Escola Austríca, era motivo de chacota para o pessoal. Acredito que com o estrondoso IPO do Alibaba, as pessoas continuem acreditando na solidez da economia chinesa. Mas à longo prazo, ela irá para o buraco.

Responder
Mohamed Attcka Todomundo 17/07/2015 13:47:40

teciam enormes elogios à economia chinesa, pelas notícias de que será a maior economia do mundo até o final do ano e pelo planejamento dos manda chuvas de lá, que supostamente teriam tudo sob controle

kkkkkkkkkkkkk. "tudo sob controle". kkkkkkkkkkkkk

mercados ñ se controlam! eles transbordam a qq definição! kkkkkkkkkkkk

se estes idiotas lessem Tomás de Aquino...

Responder
anônimo 23/05/2014 16:36:25

...'e que agora quer fazer uma transição para algum tipo mais "normal" de economia, como uma baseada no consumo. '

Só eu que achou essa parte meio estranha?

Responder
Sem Nome 23/05/2014 17:34:18

Deve ser, pois os outros leitores certamente notaram as aspas em "normal".

Responder
Douglas 23/05/2014 20:57:12

Resposta ótima!

Responder
anônimo 24/05/2014 12:27:54

Resposta burra, não notaste que com ou sem aspas não faz diferença nenhuma,a transição pra uma economia baseada no consumo ia apenas gerar outra bolha independente de achar isso 'normal'

Responder
leonardo 05/06/2014 21:56:23

Cara, vc viajou. O autor só disse que os planejadores chineses querem fazer uma transição para uma economia mais baseada no consumo. Não quer dizer que ele concorde com essa transição também dirigida

Responder
Andre 23/05/2014 16:47:51

A Arabia Saudita, mesmo sendo infinitamente menor do que a China, conseguiu torrar um pouco mais de cimento do que a China?
Que estranho...

Quando estourar a bolha Chinesa vai ser o maior auê!!!

Responder
Leandro 23/05/2014 17:26:54

Ela não torrou mais cimento que a China. Muita atenção nesse ponto. O gráfico é de consumo per capita, e não de consumo absoluta. A população da Arábia Saudita não é nada se comparada à da China.

Responder
Andre 24/05/2014 12:03:25

"Ela não torrou mais cimento que a China. Muita atenção nesse ponto. O gráfico é de consumo per capita, e não de consumo absoluta. A população da Arábia Saudita não é nada se comparada à da China.".

É verdade, Leandro. Foi distração minha. Obrigado pelo aviso.

Agora sim, faz sentido.

Responder
Marcos 09/07/2015 01:21:00

Também temos que lembrar que a Arábia Saudita está cheio de milionários que adoram obras faraônicas. Isso somado a uma população não muito grande pode explicar a alta média per capita.

Responder
Rene 23/05/2014 16:49:19

O artigo que apresenta este gráfico explica o alto consumo de cimento da Arábia Saudita?

Responder
Leandro 23/05/2014 17:28:29

O gráfico fala de consumo per capita. Dada a pequena população da Arábia Saudita, tal consumo, embora seja alto, etá longe de ser tão estrondoso quanto o da China.

Responder
Adalberto 23/05/2014 16:49:38

Até quando a China conseguirá sustentar essa bolha? E o que isso representa de perigo e oportunidades para os brasileiros?

Responder
Marconi 23/05/2014 17:05:12

Creio que o autor ignora que os Chineses vivem na miséria a muitos anos e, após a "explosão" da bolha, esses imóveis continuarão lá e acabarão por dar milhares de moradias dignas aos Chineses. Ou alguém aqui pensa que essa "explosão" será realmente uma explosão ?

Creio que, mesmo que o sistema seja insustentável, ao final terá cumprido com sobras o seu papel de elevar de forma gigantesca o padrão de vida dos Chineses.

Responder
Andre 24/05/2014 23:52:35

"Creio que, mesmo que o sistema seja insustentável, ao final terá cumprido com sobras o seu papel de elevar de forma gigantesca o padrão de vida dos Chineses.".

Quem elevou o padrão de vida dos chineses foram eles próprios, trabalhando, e não o governo deles, roubando-os e criando dinheiro falso para poder exportar os produtos que os chineses fabricam à preços bem baratos.

Responder
Mohamed Attcka Todomundo 17/07/2015 14:15:52

"após a "explosão" da bolha, esses imóveis continuarão lá e acabarão por dar milhares de moradias dignas aos Chineses"

kem dera! mas duvido!

pensa comigo: se este artigo estiver certo e tem uma sobrevalorização de uns 560% no imoveis da china, então os apartamentos da repostagem q ilustra este artigo (com preços entre US$ 17 mil e US$ 100 mil) teriam preços entre US$ 2575,75 e US$ 15151,51.

entao fica parecendo q, vindo a ajuste de contas de um colapso, se, e somente se, o estado deixar o ajuste ser feito e os preços se deprimirem (vão tentar sustentar os preços de todo jeito, mas no final sim, vai colapsar) entao o chines medio vai poder comprar uma casa na liquidaçao, pois a mesma reportagem diz q o salario mesio do trabalhador é US$ 6000 por ano. mas quando vier o colapso, os salarios tb vão pro saco. ñ vai dar p/ sustentar US$ 6000 por ano. e muitos empregos vão apenas desaparecer, criando desemprego e sub-emprego. e as economias das pessoas tb vao evaporar. logo, salvo tenham guardado o $$ embaixo do colchão, as cidades fantasmas ficarão lá: fantasmas.

salvo uma ocupaçao e favelizaçao das mesmas.

por isso, acho q vc ta sendo otimista, pq a likidação dos investimentos erroneos leva à likidaçao dos empregos erroneos e da poupança posta nos investimentos erroneos.

chato, né?

Responder
José Ricardo das Chagas Monteiro 23/05/2014 17:11:11

Saudações, a pergunta que fica no ar: e quando irá estourar a bolha imobiliária brasileira?

Responder
Pobre Paulista 23/05/2014 18:26:18

É impossível dar uma data. Além do mais, dentre os maiores economistas que vem alertando sobre a bolha (e coloque o Leandro Roque nesta conta), há um consenso que não haverá um "estouro" e sim um "esvaziamento", dado pela queda gradual nos preços nominais, o que significa uma queda moderada em termos reais dada a alta inflação. A propósito isso já vem acontecendo atualmente.

Responder
Paulo Henrique 23/05/2014 17:28:38

Nesses momentos eu gostaria que a teoria austríaca estivesse errada.

O que ocorreria com o dólar? Visto a china ter milhares em posse. E com o Brasil? Exportador e parceiro comercial da china.

Triste



Responder
Emerson Luis, um Psicologo 23/05/2014 17:45:42


E quando o keynesianismo mais uma vez falhar, a explicação será que não houve intervenção suficiente.

E a China já teve pensamento liberal:

www.mises.org.br/Article.aspx?id=673

* * *

Responder
Emerson 24/05/2014 03:58:02

É, me lembrou aquele documentário "Overdose: a próxima crise" (inclusive, recomendo que veja).

"Quando empresas quebraram, o governo as salvou. Mas quem salvará o governo?"
Tem uma frase mais ou menos assim que fala lá. É espetacular.

Responder
Mohamed Attcka Todomundo 17/07/2015 14:59:02

"Overdose: a próxima crise" - tem transcrito no meu blog

Responder
Luis Filipe 25/05/2014 11:09:36

Sim, e provavelmente a culpa vai ser do capitalismo neoliberal, e não da economia centralizada.
Por isso é importante divulgar a informação

Responder
Rogério 23/05/2014 17:53:55

As previsões austríacas macroeconômicas para o mundo do início do século XXI são assustadoras. Estados Unidos, Zona do Euro, Reino Unido e Japão (principais pilares da economia mundial no século XX) estão rumo ao precipício. China - A Rainha Emergente, também está.

Após a economia dos citados países implodir, teremos a volta do padrão ouro? Será o padrão ouro a única solução para os estragos keynesianos ainda tratados paliativamente? Poderemos chamar Hong-Kong de "A Ilha da Salvação"?






Responder
Clistenes 23/05/2014 19:09:38

US Geological Survey?

Como assim? O que o serviço geológico americano tem a ver com isso?

Responder
Demóstenes 23/05/2014 19:39:24

Eles mexem com mais coisas do que você imagina.

en.wikipedia.org/wiki/United_States_Geological_Survey#USGS_publications

Responder
Leonardo Faccioni 23/05/2014 19:28:36

Eventual quebra do sistema chinês, rompendo as muralhas daquele continental campo de concentração, poderia desencadear fluxos migratórios análogos, digamos, aos dos povos germânicos em fins do Império Romano? Estaríamos diante de um drama apto a ensejar mudança radical na geografia humana, talvez em escala planetária?

Responder
Torrano 24/05/2014 17:41:57

Bom site. Abordagem interessante.

Seria interessante mudar a demografia do imigrante no Ocidente, mas será que o Partidão chinês vai permitir a evasão de seu povo? Eles controlam até a migração interna! Se no fim da bolha os imóveis em excesso são comprados pelo governo para serem demolidos, se o café é queimado, só posso imaginar que estamos prestes a ver o maior genocídio do planeta. Ainda mais tratando-se da China, que já não tem mais respeito algum pela vida humana desde os tempos de Mao.

Some-se a isso a vitória dos nacionalistas hindus sobre a família Gandhi no país vizinho, que alguns comentaristas já veem como prenúncio de uma guerra civil iminente. O número de refugiados no subcontinente mais densamento povoado poderia chegar a centenas de milhões, levando o conflito para as nações próximas, também superpopulosas.

E não podemos esquecer o velho costume anglo-americano de se meter em todos os conflitos do mundo.

Será que ninguém está vendo o que está acontecendo? Todas essas bolhas vão estourar e serão solucionadas de forma pacífica e ordeira? Ou será que tem um plano muito mais sinistro por trás de tudo isso?

O melhor investimento hoje não é ouro nem bitcoins. É um bunker blindado anti-radiação, com fonte alternativa de água e energia, muita comida liofilizada e muitas MUITAS armas.

Responder
Flavio B 27/05/2014 04:59:48

Prefiro viver sob qualquer ilusão do que acordar e dormir todos os dias com essa sua perspectiva para o mundo. Mesmo você estando certo, não queria 1 dia vivo no seu lugar.

Responder
anônimo 06/06/2014 18:28:35

Pra quê bunker podendo ter seasteading?

Responder
Occam's Razor 23/05/2014 19:52:44

Alguém tem ideia do que poderia explicar esse consumo de cimento tão alto da Arábia Saudita? Fiquei curioso

Responder
Torrano 24/05/2014 17:01:14

Provavelmente aquelas obras faraônicas e inúteis financiadas por petrodólares que a família Al-Saudi faz para mostrar o quanto são descolados.

Se EAU e Qatar e Bahrain tivessem entrado na imagem, provavelmente estariam acima da Arábia Saudita.

revistapiaui.estadao.com.br/edicao-33/carta-de-dubai/rachaduras-no-paraiso
Dubai já declarou moratória e sem Abu Dhabi teria voltado a ser o deserto de pescadores famintos que sempre foi.

Responder
Luciano 09/07/2015 17:58:39

Desviam para o hamas construir túneis e atacar Israel

Responder
Javan 23/05/2014 20:11:12

Não entendi uma coisa: no vídeo, é dito que os apartamentos variam de $17 mil a $100 mil, sendo que a renda média mensal de um trabalhador Chinês é de $6 mil (vide gráfico). O casal mostrado - que dispõe de uma renda mensal média de $900 - vive num buraco com mais 20 pessoas pagando 25% da renda em aluguel ($225) e reclama que o preços dos imóveis é demasiadamente alto.

O quão alarmante é essa situação? Porque um indivíduo com renda de $6 mil (ou o casal com renda de $10 mil) não consegue comprar um imóvel que custa $20 mil? O governo Chinês não poderia simplesmente criar um Minha Casa Minha China para estimular a ocupação desses imóveis? Uma comparação com o Brasil é inevitável: a relação preço dos imóveis vs. renda per capita daqui não é mais assustadora que a chinesa?

Responder
anônimo 24/05/2014 00:55:25

O valor varia entre 70M e 100M usd, não 17M.

Responder
Ronaldo 24/05/2014 01:03:08

Erro de tradução. O correto é de 70 mil a 100 mil. O inglês para 17 é parecido com 70.

Responder
Mohamed Attcka Todomundo 19/07/2015 22:56:10

- numa postagem anterior respondi a essa kestao mas c/ valores errados dos imoveis [valores certos: US$70 mil à US$100 mil - valores errados: US$17 mil à US$100 mil]. vou reciclar a ideia

"após a "explosão" da bolha, esses imóveis continuarão lá e acabarão por dar milhares de moradias dignas aos Chineses"

kem dera! mas duvido!

pensa comigo: se este artigo estiver certo e tem uma sobrevalorização de uns 560% no imoveis da china, então os apartamentos da repostagem q ilustra este artigo (com preços entre US$ 70 mil e US$ 100 mil) teriam preços entre US$ 10606,06 e US$ 15151,51.

entao fica parecendo q, vindo a ajuste de contas de um colapso, se, e somente se, o estado deixar o ajuste ser feito e os preços se deprimirem (vão tentar sustentar os preços de todo jeito, mas no final sim, vai colapsar) entao o chines medio vai poder comprar uma casa na liquidaçao, pois a mesma reportagem diz q o salario mesio do trabalhador é US$ 6000 por ano. mas quando vier o colapso, os salarios tb vão pro saco. ñ vai dar p/ sustentar US$ 6000 por ano. e muitos empregos vão apenas desaparecer, criando desemprego e sub-emprego. e as economias das pessoas tb vao evaporar. logo, salvo tenham guardado o $$ embaixo do colchão, as cidades fantasmas ficarão lá: fantasmas.

salvo uma ocupaçao e favelizaçao das mesmas.

por isso, acho q vc ta sendo otimista, pq a likidação dos investimentos erroneos leva à likidaçao dos empregos erroneos e da poupança posta nos investimentos erroneos.


- ai vc diz javan:

Não entendi uma coisa: no vídeo, é dito que os apartamentos variam de $17 mil a $100 mil, sendo que a renda média mensal de um trabalhador Chinês é de $6 mil (vide gráfico). O casal mostrado - que dispõe de uma renda mensal média de $900 - vive num buraco com mais 20 pessoas pagando 25% da renda em aluguel ($225) e reclama que o preços dos imóveis é demasiadamente alto.

O quão alarmante é essa situação? Porque um indivíduo com renda de $6 mil (ou o casal com renda de $10 mil) não consegue comprar um imóvel que custa $20 mil?


- so conseguem se os preços implodirem e o estado ñ sustentar o preço (reflacionar: inflacionar de novo) p/ esconder os malinvestimentos e a consequente perda de riqueza q eles são. e mesmo assim se, e somente se, salários ñ implodissem junto dos d+ preços e dos investimentos (salario é preço do trabalho, e é proporcional às expectativas pelo investimento, e à realidade do investimento quando essa se consuma).

O governo Chinês não poderia simplesmente criar um Minha Casa Minha China para estimular a ocupação desses imóveis?

- pode e tlv faça. mas é + do dirigismo estatal q, pra começo de conversa, gerou a crise e tornou necessaria + essa interferencia. quando der errado, seja lá pelo q for, vc intervem + uma vez?

Uma comparação com o Brasil é inevitável: a relação preço dos imóveis vs. renda per capita daqui não é mais assustadora que a chinesa

- nem tanto. mas mesmo q seja: o descasamento entre o valor dos salarios (ou do poder de compra) numa sociedade, e os preços do q quer q seja, tendo sido resultado de uma expansão crediticia, é cria do intervencionismo e do poder dos BCs de controlar a moeda. entao, qq conparaçaõ entre brasil e china q foque em proporço~es de preços relativos, ao inves da causa deste descasamento entre preços e renda, perde de vista o centro da questao




Responder
Mohamed Attcka Todomundo 27/03/2016 04:52:34

documentario de 2007 sobre a china, quando todos se achvam espertos e privilegiados, a negociavam informações privilegiadas sobre um mercado imobiliário que sempre traria ganhos, porque a bonança duraria para sempre

Responder
Diones Reis 23/05/2014 21:29:25

Não é a toa que um dos homens mais ricos da Ásia fez "queima de estoque", e se prepara para o pior.

"O homem mais rico da Ásia está vendendo tudo na China"

www.zerohedge.com/news/2014-04-16/richest-man-asia-selling-everything-china


Responder
Primo 23/05/2014 23:26:21

Pelo visto teremos uma reforma imobiliária por lá.

Responder
IRCR 23/05/2014 22:30:54

Javan,

A China é o país mais caro para a população local comprar um imovel, mais que que HK e Singapura que não tem espaço para construir.
O preço médio do M² lá é de 3836 dolares, enquanto os salarios médios são de 687 dolares, isso na média, pq a maioria da população ganha muito menos do que isso algo em torno de 200\300 dolares mes.

Responder
TL 23/05/2014 22:55:42

A reportagem de Adrian Brown, destacada no artigo, foi ao ar em 2011.

Ao pesquisar no site do programa Dateline, é possível assistir uma nova reportagem de Adrian Brown sobre as vazias cidades chinesas, que foi ao ar em setembro de 2013.

Recomendo também a análise das fotos de satélite desses empreendimentos fantasmagóricos.

Responder
Eduardo Bellani 23/05/2014 23:27:17

Belos links. +1

Responder
Marcelo Simões Nunes 24/05/2014 00:05:19

O texto diz que, economicamente, a China adotou um modelo singular. Fora o desempenho econômico, pouco se fala desse antigo e grandioso país. Aproveitando o gancho do assunto gostaria de propor os amigos do site mises uma provocação sobre a seguinte questão: após a morte de Mao, o regime comunista chinês passou por profundas transformações que a levaram ao modelo descrito acima. No meu entender, tanto do ponto de vista econômico quanto do ponto de vista político,mas principalmente desse último ponto de vista,a China migrou de um regime tipicamente comunista para um regime com características típicas do nazismo ou do fascismo. Ou seja, a combinação de um totalitarismo político com uma economia privada, mas não exatamente de mercado, isto é, com uma economia privada atrelada ao Estado, exatamente como ocorria nos Estados de extrema direita.

Responder
josuel 26/05/2014 19:14:50

Nazismo e fascismo são regimes de esquerda. Ledo engano e doutrinação marxista. Ou então canalhice intelectual.

Responder
Rodrigo Amado 24/05/2014 01:02:47

Tenho uma dúvida.
Se é o governo que gasta dinheiro público ainda assim é uma bolha imobiliária?
Ou é só o governo torrando dinheiro à toa, como todo governo faz?

Responder
Leandro 24/05/2014 02:01:41

O que determina uma bolha é a criação de dinheiro via crédito e seu subsequente direcionamento para um determinado setor.

O governo chinês cria uma bolha concedendo empréstimos para projetos de infraestrutura via bancos estatais (algo idêntico ao que o Brasil vem fazendo, só que, obviamente, em uma escala várias vezes maior).

Responder
Luiz Camargo 24/05/2014 02:23:22

A China quebrou a industria de muitos países com seus produtos feitos num regime de quase escravidão!, produzindo muito mais barato para o mundo!, aqui no Brasil, arrebentou com várias indústrias texteis, Calçados e outros seguimentos!.. eles são máquinas humanas de produção!..Eu acredito que a bolha não trará maiores dores de cabeça para o mundo!, eles já cortaram as cabeças do mundo...é ísso...

Responder
IRCR 24/05/2014 03:51:06

Leandro,

Tem algum conhecimento da manipulação do preço do ouro e das constantes compra de ouro da China feitas atraves de HK ? Será quem querem se desfazer dos dolares e fazer o Yuan a moeda global ?
Sobre as altas taxas de poupança da população tem alguma vantagem nesse cenario todo chines ?

Ademais, teria como vc nos agraciar com um artigo sobre como os bancos estão criando dinheiro com base naquele paper do BoE que vc já ate postou aqui, que pegou de surpresa até economistas laureados como Krugman. Explicando para os mais leigos esse processo de crédito "On demand" não necessitando de um deposito previo.

Responder
Emerson 24/05/2014 05:42:08

Estranho, resolvi abrir o site que fala ao final do vídeo e ver as cidades no Google Maps.

Para meu espanto, em várias delas era possível ver carros nas ruas e em estacionamentos... Pensei que estivessem totalmente desertas. Em especial na Ordos, Inner Mongolia (https://www.google.com.hk/maps/@32.1345144,119.4406449,165m/data=!3m1!1e3?hl=en), é possível ver diversos pontos muito parecidos com carros e caminhões em diversos pontos do mapa.

Também achei um texto falando que essas cidades estão sendo ocupadas, com fotos: www.newgeography.com/content/002159-zhengzhou-ghost-city-alive

Também encontrei fotos do South China Mall cheio de gente, é só jogar no Google Imagens.

O que vocês tem a dizer sobre isso? Acredito fortemente na hipótese de uma bolha chinesa, mas pelo visto esse vídeo é mais sensacionalista do que parece.

Responder
TL 25/05/2014 01:14:54

Caro Emerson,

A foto de satélite que você publicou não é referente a cidade de Ordos, mas sim Zhenjiang. Veja aqui a mesma foto de satélite com o endereço da rua e aqui você confere a rota de Zhenjiang até Ordos. Se você, a partir do seu link, se afastar, você verá que a região que você indicou é chamada de Dantu (distrito de Zhenjiang).

Quanto a reportagem "Zhengzhou Ghost City Alive", é importante algumas considerações. Zengzhou é a capital da província de Henan e não é uma cidade fantasma, pois lá vivem aproximadamente 8.600 milhões de habitantes. A parte que deveria ser fantasma é o distrito chamado "Zheng Dong New District". Veja o site do empreendimento e sua localização.

Sobre o "South China Mall", recomendo você assistir a reportagem da Bloomberg de Janeiro de 2012 e o vídeo do "Vagabond Journey". Os vídeos mostram que o shopping está totalmente subutilizado. Com esses dois vídeos mais a continuação da reportagem destacada no artigo, que você pode conferir no meu comentário anterior, é seguro afirmar que esse empreendimento tem um fluxo insignificante de pessoas.

Responder
Lawson 25/05/2014 05:30:00

Além dessa excelente explicação do TL, vale enfatizar que o mais normal e esperado é que tais cidades deixem de ser fantasmas e atraiam ao menos algumas pessoas. Afinal, os preços dos imóveis devem estar lá embaixo e a maciça propaganda feita pela mídia mundial ajuda a alavancar um interesse migratório.

Responder
Vito Fontenelle 24/05/2014 07:07:39

Manda os vagabundos do MTST pra China que eles ocupam as cidades fantasmas.

Responder
anônimo 29/05/2014 00:20:48

Se mandarmos os vagabundos do MST para essas cidades da China, eles é que se tornarão fantasmas.

Responder
pedro 15/07/2015 15:09:41

E o que estamos esperando????

Responder
Luiz Parussolo 15/07/2015 20:31:36

Esquecem que os maiores vagabundos animalizados estão nas elites, na burguesia, nos poderes e nas instituições.
Vocês nem ao menos sabem o que é o sistema fundiário no país desde a invasão?

Responder
Rodrigo Amado 24/05/2014 11:43:57

No vídeo do artigo, aos 10 minutos e trinta segundos um pobre coitado diz:

"Pessoas especulando no mercado tem colocado os preços muito alto, precisamos que o governo intervenha".

Parece os brasileiros, que quando vêem os preços atuais dos imóveis aqui não percebem que os preços estão elevados JUSTAMENTE porque o governo ESTÁ INTERVINDO.

Dá até pena da ignorância dessas pessoas.

Responder
Torrano 24/05/2014 13:02:51

Muito bom artigo. Lembrou-me [url=www.mises.org.br/Article.aspx?id=1175]deste[/url]. Ainda não entendi se Jim Rogers está só sendo demagogo, se é wishfull thinking ou então por que raios ele continua sendo otimista quanto à China.

Responder
anônimo 06/06/2014 18:37:44

Não se esqueça que ele ficou rico apostando em coisas que todo mundo duvida.

Responder
Torrano 24/05/2014 13:39:03

É uma pena que quando tudo explodir, aqueles que sempre apoiaram o nacional-desenvolvimentismo chinês vão fingir que nunca o fizeram e vão culpar o "livre-mercado chinês", expressão que dói os ouvidos.

E aqueles que sempre alertaram que ia dar merda, Peter Schiff, Marc Faber, Christoph Blocher, os austríacos, serão ignorados.

Pelo menos poderemos dizer que não gostamos de dizer que avisamos.

Responder
Torrano 24/05/2014 13:41:15

A pergunta mais importante de todas: Há como prever o timing para a implosão ou quais são os setores podres que estão inflados? Pergunto porque austríacos e aristotélicos geralmente desprezam qualquer modelagem matemática.

Se for possível, esta pode ser a oportunidade do século. Podemos ter novos John Paulsons, só que muito maiores.

Responder
Eduardo 24/05/2014 13:42:45

Olha eu não sou entendedor de economia
mas acredito que se a china implodir explodir.....falir......etc
o mundo todo vai cair no buraco....

imagina a cena....

se com todo esse consumismo que a china vive....ela consegue colocar fora do mercado dela produtos a preços absurdamente barato que é impossível concorrer.
Imagina todos os produtos sendo empurrado pra fora da china a preços ainda mais baratos empurrados pela própria concorrência chinesa (em recessão) pro restante do mundo.
Quero ver qual país que não vai tomar medidas intervencionistas fortíssimas pra não sofrer um enxurrada de produtos chineses quebrando a industria nacional.

tenho aqui um boneco que veio da disney......um mickey mouse... tu vai ver aonde foi produzido....china... o boneco vendido na disney veio da china... tudo é feito na china...

eu só imagino o colapso global......

Responder
Andre 24/05/2014 23:39:33

Ofertas de produtos baratos causa problemas?
Só em países governados por retardados mentais, como o Brasil.
Os outros países vão se dar bem.

Responder
Dalton C. Rocha 24/05/2014 17:01:26

Aberrante e insustentável é a economia brasileira, nos últimos 35 anos.

Responder
Bruno 24/05/2014 19:26:23

Um link de um depoimento gravado de jornalista da Epoch Times, jornal de Taiwan que envia informnação para China e obtem também as informações do que esta verdadeiramente acontecendo no país:

radiovox.org/programas/epoch-times-na-radiovox/

Não deixem de escutar é muito interessante.

Responder
Dom Comerciante 24/05/2014 22:21:36

É impossível não se perguntar: O que irá ocorrer quando a China implodir? Se for uma crise econômica mundial sem precedentes(e que levaria países como Brasil e EUA a uma situação crítica, só que os americanos se recuperariam rápido) então provavelmente o partido comunista chinês se desfaria para dar lugar a um governo mais ao modo russo pós-URSS e iniciaria a criação da União Asiática Ciontinental. O certo é que com uma população tão grande e um sistema mercantilista mais ao modo da Europa continental ou russo, eles poderiam reerguer sua economia em relativamente pouco tempo. Enfim, o culto ao estado regulador é tão grande hoje, que o capitalismo será novamente o culpado por causar crises e como sempre os "especialista irão apontar" a causa como solução.

Responder
Industrial 24/05/2014 23:54:53

Não importa se o setor imobiliário na China está em risco ou não. O nosso problema é que eles estão se tornando o "chão de fábrica" do mundo. Enquanto isso, nossas industrias estão sendo sucateadas, juntamente com os profissionais capazes de fazer máquinas. Quando a desindustrialização do Brasil não tiver mais volta, aí tanto faz a situação da China, pois seremos dependentes e pronto...

Responder
Andre 25/05/2014 16:42:10

"O nosso problema é que eles estão se tornando o "chão de fábrica" do mundo.".

O sucesso de uma país só é um problema para países invejosos.
Para mim o sucesso de qualquer país é algo bom.


"Enquanto isso, nossas industrias estão sendo sucateadas, juntamente com os profissionais capazes de fazer máquinas.".

Mas não é por causa dos chineses que as industrias estão sendo sucateadas, é por causa do nosso governo.

"Quando a desindustrialização do Brasil não tiver mais volta, aí tanto faz a situação da China, pois seremos dependentes e pronto...".

Sempre tem volta. É só o governo liberar as leis que controlam o mercado e pronto.
Claro que isso depende da maior parte do povo concordar com isso.

Mas vai perguntar à alguém na rua se ele apoia o fim da lei de salário mínimo e ele ficará bem irritado.
Enquanto isso, em vários países com economias muito mais liberais que o Brasil, não existem leis de salário minimo, e esse é justamente um dos motivos pelo qual esses países estão em melhor situação que o Brasil "podril".

Responder
Lúcio Sátiro 24/05/2014 23:59:06

Marcelo Siões Nunes. O Nazismo e o Fascismo são a extrea Direita ? Aprendeu isso nas universidades do nosso combalido méqui, do nosso ministério da "educassaum" ? Ou por influência do "gênio" historiador Eric Hobsbow, que confessou que, caso o comunismo tivesse vencido no undo todo, todas as 110 milhões, duzentos e oitenta e seis mil mortes(número que só aumenta) seriam justificadas, e que tem influenciado grandemente os historiadores ocidentais ?
O Nazi-Fascismo é uma ideologia totalmente de esquerda.Não são adeptos do socialismo marxista, internacionalista e contra a propriedade privada, são socialistas pré-marxistas. Não foi Marx que criou o socialismo ao contrário, o próprio Marx foi duramente criticado por socialistas anteriores a ele, por sua obsessão em acabar com a propriedade privada. s
Sugiro, para fins de enriquecimento cultural e esclarecimento do tema, o link que segue. Se você tiver argumentos para sustentar que o Nazi-Fascismo é de direita, adoraria você argumentar com o autor dessa página:

visaopanoramica.net/2013/08/31/o-nazismo-era-mesmo-de-direita

Responder
Peruibense 25/05/2014 01:41:36

Suspeito que o Tibete alcançará a independência, como um dos efeitos dessa crise. A China ficará tão caótica, que será inevitável um levante budista em Lhasa. E sem dúvida que a Rússia, EUA e Índia adorarão apoiar os rebeldes.

Responder
IRCR 25/05/2014 05:54:35

Lucio Satiro,

Nazi-fascismo não era bem defensor da propriedade privada
austroanarquistas.com/wp-content/uploads/2011/04/chart-huerta.gif

Responder
EU SÓ QUIS DIZER!! 25/05/2014 13:00:44

Muito reflexivo e inquietante!
Eu vi um pensamento de Einstein que diz:
'Os problemas significativos que enfrentamos não podem ser resolvidos no mesmo nível de pensamento em que estávamos quando os criamos."
Então pra dar um nó no pensamento e manter o alerta ligado,vi um escrito de Voltaire assim:
"Só se servem do pensamento para autorizar as suas injustiças e só empregam as palavras para disfarçar os pensamentos."
...

Responder
Fernando 25/05/2014 13:55:37

Não sou conhecedor profundo de economia, mas qualquer sistema pode entrar em crise e o que percebo é que o governo chinês tem ofertado trabalho onde há uma população aproximada de 2 bilhões de pessoas. É muita gente.
China investe em infraestrutura -- Brasil em Assistencialismo
China terá estradas, portos aeroportos -- Brasil tem bolsa família e um monte de preguiçosos querendo ganhar mais sem trabalhar.
China coloca no paredão de fuzilamento os corruptos e seus parceiros -- Brasil elege com louvor condenados e pune quem protesta.

Diante do que foi dito na matéria, fatalmente irá ocorrer tais previsões, mas de uma coisa ninguém pode negar: A famosa palavra adotada pelo governo brasileiro ao receber a copa do mundo "o ,tal legado" na china ele permanecerá.

Tem bala,
Estradas,
Ferrovias,
Portos,
Aeroportos,
Etc...

E no Brasil? ELEFANTES BRANCOS, DÍVIDAS DE OBRAS SUPERFATURADAS, CIDADES COM OBRAS INACABADAS E SEM DINHEIRO PARA CONCLUÍ-LAS, ETC...

E quem somos nós para fazermos comentários sobre corrupção.

Responder
anônimo 25/05/2014 18:26:27

"mas qualquer sistema pode entrar em crise"
O sistema certo não. Não de uma forma macro.

"o que percebo é que o governo chinês tem ofertado trabalho onde há uma população aproximada de 2 bilhões de pessoas."
Percebo que sua mente segue uma lógica que já a princípio acredita que ofertar trabalho seja um direito e que o governo tem que fazer isso.

"China investe em infraestrutura"
Estou vendo... inclusive com shoppings vazios...muito bom hein.

"China terá estradas, portos aeroportos"
Que interessante, você comemora que um poder comunista esteja no comando de tudo.

"China coloca no paredão de fuzilamento os corruptos e seus parceiros"
Uau! Que coisa não? E por que motivo será que eles não se fuzilaram ao fazer esse gasto todo de cimento desnecessário?

"Tem bala,
Estradas,
Ferrovias,
Portos,
Aeroportos,
Etc..."
Interessante, tem de tudo, menos gente para andar nisso tudo. (Você viu mesmo o vídeo?)

"E no Brasil? ELEFANTES BRANCOS, DÍVIDAS DE OBRAS SUPERFATURADAS, CIDADES COM OBRAS INACABADAS E SEM DINHEIRO PARA CONCLUÍ-LAS, ETC..."
Sim, vamos chamar os líderes comunistas Chineses para "comandar" o Brasil, que tal? Afinal, parece muito difícil o caminho da liberdade. Tem que ter alguem para ditar as regras né? Interessante sua mentalidade.

"E quem somos nós para fazermos comentários sobre corrupção."
Uau! Mais um que acredita em "boa política"!!!!

Responder
William 25/05/2014 22:31:17

Gostaria de entender o seguinte. Ok, um consumo de cimento, em dois anos, igual ao consumo total do mesmo produto em cem
anos pelos EUA indica realmente um absurdo. Mas na China há mais de 1 bilhão de pessoas. Nos EUA não há nem 300 milhões.
Estou certo de que a maioria das pessoas não mora bem na China. Ora, a explosão dessa bolha imobiliária não poderia ter como consequência um grande número de casas a baixíssimo preço, acessível até mesmo à barata mão de obra chinesa?

Talvez muitos chineses acorressem para essas regiões e estimulassem o comércio por lá, tornando tais regiões produtivas. Isso poderia ser um efeito auspicioso para China. Pelo menos para muitas famílias chinesas.

Tudo bem, o que se pratica na China não é capitalismo de fato. O sistema chinês pode ser muito falho, e até mesmo insustentável.
Mas utilizar a provável explosão da bolha imobiliária chinês como prova definitiva de que o sistema chinês é insustentável é uma extrapolação excessiva.

É provável que isso pulverize os lucros dos investimentos neste setor, mas não parece algo que vá "acabar" com o sistema chinês. Não me parece nem mesmo um bom exemplo de como o sistema chinês possa ser autodestrutivo e insustentável.

Responder
anônimo 26/05/2014 00:19:34

"Estou certo de que a maioria das pessoas não mora bem na China. Ora, a explosão dessa bolha imobiliária não poderia ter como consequência um grande número de casas a baixíssimo preço, acessível até mesmo à barata mão de obra chinesa? "
Então quer dizer que se alguém quebrar um vidro da sua casa, aí voc? diria: "Olha pelo lado bom, vai empregar mais vendedores de vidro"? No fundo você quer ver algo positivo nisso tudo aí, o que demonstra que você tem um certo apreço por estatistas sem limites. Isso por si só me impede de ter respeito por sua pessoa, mas está escrito ali em cima: "Envie-nos seu comentário inteligente e educado:", então vou tentar ser educado com alguém que ao meu ver não merece.

"Tudo bem, o que se pratica na China não é capitalismo de fato. O sistema chinês pode ser muito falho, e até mesmo insustentável."
Você diz aqui que a China pode ser muito falha e insustentável.

"Mas utilizar a provável explosão da bolha imobiliária chinês como prova definitiva de que o sistema chinês é insustentável é uma extrapolação excessiva."
Ninguém está fazendo extrapolação nenhuma, até porque o método austríaco não tem raiz empírica, isso é uma coisa criada na sua mente dialética. O artigo só está mostrando uma das trilhões de farsas da "Maravilhosa China Moderna", uma ótima forma aliás de mostrar até onde vai a capacidade dos estatistas de cometer bizarrices para sustentar uma mentira, mentira essa que está estampada em milhares de revistas dizendo coisas como "O boom da China", ou "A China, um caso de sucesso!", o que o Mises faz com esse artigo tem um valor não de mostrar a teoria mas um propósito verdadeiramente jornalistico de mostrar que toda essa propaganda não é nem de longe verdade, e sim um amontado de resultados numéricos bizarros criados por pessoas bizarras para atender pessoas com mentalidade bizarra.

"É provável que isso pulverize os lucros dos investimentos neste setor, mas não parece algo que vá "acabar" com o sistema chinês. Não me parece nem mesmo um bom exemplo de como o sistema chinês possa ser autodestrutivo e insustentável."
Mas você disse ali em cima que pode ser falho e insustentável!!! Ou seja, ideias contraditórias convivendo em harmonia, um típico comunista.
É impressionante, um artigo demonstrando uma bizarrice completa e o que passa pela sua mente, é sobre a sobrevivência desse sistema ou não, ninguém aqui está pensando a nível de Poder central, o que tem que ser sustentável é o indivíduo. A china pode ficar aí desse jeito pra sempre ou pior, mas o indivíduo ainda vai estar em uma situação pior do que estaria caso estivesse livre, mas não parece ser esse o seu interesse, a sua paixão está no poder central, é uma doença.

Responder
TL 26/05/2014 04:39:41

Caro Willian,

compreendo sua nobre intenção em identificar algo bom (imóveis a preços mais baixos) como consequência dessa possível tragédia. Receio que você está subestimando as consequências dessa política de estimulo ao consumo.

A consequência mais grave, que não está explícita no texto, é a insolvência sistemática das instituições financeiras, ou em outras palavras, a falência simultânea de vários bancos. Independentemente do desfecho dessas falências bancárias, haveria uma subtração generalizada de riqueza.

Se você não é leitor assíduo do IMB, provavelmente você iria questionar: "Por que o estímulo estatal ao consumo, através do fomento do crédito bancário à construção civil, poderia ocasionar uma falência sistemática de instituições financeiras?" A resposta dessa pergunta não é trivial e exigirá muita leitura. Recomendo iniciá-la aqui. O artigo referido tem vários links a outros artigos, que também devem ser lidos.

Sobre a crise financeira americana de 2008, o Leandro Roque escreveu um excelente artigo.

Tão logo você compreender a magnitude do desastre da insolvência generalizada de instituições financeiras, você entenderá que esses imóveis com preços mais baixos não significam melhoria da condição de vida das pessoas.

Responder
Gredson 25/05/2014 22:54:16

Fugindo um pouco do assunto, existe algum site voltado mais para a administração de um negócio? eu vejo muito ruido nos sites que dizem ser de administradores, mas ensinando pouca coisa na pratica. e o instituto mises é o contrario está sempre ensinando de forma objetiva. a pergunta é existe algum site ou livro que ensina de objetiva a administrar uma empresa bem?

Obrigado.

Responder
igor 29/10/2014 15:35:06

procure por israel kirszner,um escritor que adaptou os conceitos da escola austriaca para administraçao

Responder
Hugo 26/05/2014 03:56:56

Olá Leandro!

Dei uma pesquisada sobre o desempenho econômico da China nos anos 2000,porém na área monetária só consegui achar o desempenho do M1 e M2,porém do crédito só achei a partir de 2010. Você sabe de algum link que mostre o desempenho do crédit desde o início do milênio?

Responder
Lucas Alconforado 26/05/2014 17:00:32

Leandro,

Estão dizendo que o PIB chinês ultrapassará o americano ainda em 2014.

https://publications.credit-suisse.com/tasks/render/file/?fileID=BCDB1364-A105-0560-1332EC9100FF5C83

Mas isso não quer dizer que os EUA deixarão de ser o país mais rico do planeta, né?

Por esse relatório do Credit Suisse, a total de riqueza dos EUA são de mais de 72 trilhões de dólares contra cerca de 22 trilhões da China.

Responder
Ricardo 26/05/2014 17:18:37

Prezado Lucas, este seu link não fala nada disso. E nem poderia, pois é um nonsense total.

Responder
anônimo 06/06/2014 18:40:12

Dólar é uma coisa, riqueza é outra.

Responder
Rodrigo 26/05/2014 19:38:51

Leandro,

Se você tiver um tempo e for do seu interesse, eu gostaria de saber a sua opinião a respeito do seguinte artigo:

hbr.org/2014/06/the-capitalists-dilemma/ar/pr

Abraço!

Responder
Antonio 26/05/2014 23:59:48

Prezados,

Tenho ouvido de mtos austríacos, como Peter Schiff e Jim Roggers (ainda que não se declara austríaco, suas análises indubitavelmente têm inspiração nessa escola), que a China não colapsará pq é uma nação credora, com um povo poupador. Tentei obter a relação Crédito p/ o setor imobiliário sobre PIB na China, mas não achei. Creio ter já visto que é apenas 13,4%. Alguém sabe?

Outra coisa que falam mto é dos bancos sombra (shadow banking). Os créditos originários destes perfazem 84% do PIB. Apesar de altos, como eles não são garantidos pelo governo, a tendência é que os empréstimos sejam feitos de forma prudente, e com taxas de juros já embutindo os riscos. O nível do crédito/PIB é mto alto na China (250% do PIB), mas há indicadores mto sólidos no país por outro lado: reservas internacionais da ordem de US 4 trilhões, dívida bruta do gov federal/PIB em 30%, dos entes subnacionais, outros 30% (ainda que haja pouca transparência), superávit em conta corrente em torno de 2% do PIB, poupança perto de 50% do PIB, déficit fiscal de 2,1%, crescimento de 7,5% etc. Então, realmente não vejo uma situação tão ruim, apesar da magnitude dos nºs do crédito.

É verdade que mtos malinvestimentos foram feitos, como a construção dessas cidades fantasmas, com as demandas mais urgentes da sociedade tendo deixadas de serem atendidas, mas parece que o país poderia absorver essas perdas. Na parte Oeste do país, há 100 milhões a serem incorporados no mercado de trabalho nos próximos anos vindo da zona rural. Esses imóveis vão acabar sendo ocupados, ainda que haja mta destruição de riqueza em relação ao que aconteceria numa alocação ótima com livre mercado.

Outra coisa que me anima é que, diferentemente de mtos governos intervencionistas, a nova cúpula está consciente desses malinvestimentos, e tem anunciado mtas medidas que estão de acordo com a cartilha austríaca, como a liberalização das taxas de juros, permissão da quebra de empresas sem o governo socorrer (isso já tem ocorrido, e não está só no campo das intenções), privatização de terras, maior flexibilidade do câmbio, reforma fiscal etc. Há inclusive um professor austríaco da universidade de Pequim com gde prestígio com a nova cúpula. Por outro lado, o país é ainda tão estatizado que a paulatina desestatização dele compensará pro lado positivo o crescimento da economia. Sendo assim, vejo poucos riscos de uma aterrissagem forçada. Ademais, o Brasil seria pouco afetado por uma eventual desaceleração chinesa, pois a maior parte de suas exportações pra China é de itens ligados ao agronegócio, cuja elasticidade-renda da demanda é baixa.

Sobre o consumo de cimento, temos de levar em conta que a população americano média no século XX talvez tenha estado na casa dos 100 milhões (1/14 da chinesa), e a renda per capita da China hj em PPP é equivalente à americana de 1950. Fazendo os ajustes, a diferença não é tão gritante.

Responder
Rennan Alves 27/05/2014 21:43:55

Para complementar as cidades fantasmas, da série "Estado fazendo 'Estadice'":

Chinese City Tries to Create Artificial Lake Ends Up with Sahara-Like Desert Instead

Responder
Salim Levi 28/05/2014 00:56:58

Vou reproduzir o que um amigo meu,grande estudioso sobre a China me respondeu ao consulta lo sobre isso,

Amigos, para não ter que entrar em muita elucubração própria vou transcrever artigos pró e contra a teoria do Sr Stockman. Acho muito interessante observar como economistas renomados ainda não aprenderam a lidar com o Tsunami positivo da incorporação ao mercado de 12 a 15 milhões de pessoas anuais como ocorre na China. Devemos sempre ter em conta que o processo de urbanização da China ainda prevê a inclusão de pelo menos 300 milhões de pessoas em 10 anos, ou seja, mais do que a população dos USA e mais de uma vez e meia a população do Brasil. Com a tecnologia da Informação disponível hoje, mais o que vira nesses 10 anos,teremos na China pelo menos 900 milhões de consumidores de tudo que a vida urbana requer. Há que se acrescentar os 500 milhões de habitantes da Zona Rural com necessidades pelo menos de 60% dos bens e serviços dos moradores urbanos.

Lembro aos amigos que um Best Seller do renomado economista Gordon G Chang publicado em 2001, repito 2001, já tinha o sugestivo titulo: The Coming Collapse of China. Acho que não é preciso dizer mais nada.
Abs.

7 Signs China's Economy Is Headed For Collapse

May. 18, 2014 9:21 AM ET

Summary
•China has a unique, state-driven model of capitalism that clueless economists have hailed as the "new model for economic success.".
•Bubbles get so extreme — and China's bubble is the most extreme of all — that once they start to unwind, you get an avalanche of deleveraging and defaults.
•I expect major problems in China likely by the summer or fall.

I have been warning for years that the greatest - and final - bubble to burst, in this century of bubbles, would be China. Now that cracks in the great red dragon's economy are widening, it's time to prepare for the worst.

China has a unique, state-driven model of capitalism that clueless economists have hailed as the "new model for economic success."

But I say China's model (and economy) will fail drastically, proving once and for all that government-planned economies do not work as well as free market capitalism balanced by democracy.

China has massively overbuilt everything: industrial capacity, housing, offices, malls, infrastructure, you name it.

It's overbuilt twice as much, and for twice as long, as any other government-driven emerging economy ever has. In fact, the last government-driven overinvestment spree occurred in Southeast Asia, and it resulted in a financial crisis between late 1997 and late 2002. And China has made that situation look puny by comparison.

There is no way this can end any way other than very, very badly. The question is: when will an economic collapse come? The answer is, sadly: sooner than you'd like.

Here are the seven signs the end is near…

Sign #1: Recently, a large Chinese property developer decided, for the first time, to discount condos by 40% when sales stalled.

The thing is, this is a shocking step to take in China. It's just not done.

The affluent Chinese line up to buy overbuilt, empty condos at insanely overpriced levels. They don't rent them out because there is no rental culture in the country. Ninety percent of homes are owned. They simply buy the property and let it stand empty… so when a developer cuts prices and thus devalues their investment, they get bitterly angry.

But this discounting trend is likely to spread rapidly now as more developers are forced to discount prices just to raise cash and avoid bankruptcy.

Sign #2: The richest man in China, with $31.9 billion, is Li Ka-shing. He and his son, Richard, have sold $3 billion of prime commercial properties in the last nine months. That tells me the smart money is leaving before the bubble bursts!

Sign #3: A Bain & Company/Chinese bank survey of affluent households showed that 60% of the rich are considering moving overseas because they don't trust government or the bubble, pollution levels are getting intolerable, and they want to get their kids an English-speaking education.

Sign #4: A number of major developers have gone bankrupt. These developers are highly leveraged and pose the greatest threat to the banking system, which has grown more through shadow banking and sub-prime lending in the last few years than anything sustainable. The worst new statistic, as developers pull back, is that housing starts in floor space dropped 37% in the first four months of 2013.

Sign #5: Bad loans are rising fast in China. The country's private debt is now higher than that of the U.S. or Europe, as you can see in the chart below. At 190% and rising, it's higher than emerging countries in Asia in 1998, when private debt peaked at 160% before a five-year currency and financial crisis.

static.cdn-seekingalpha.com/uploads/2014/5/16/27102343-14002691850870464-Harry-Dent.png

But note that this chart doesn't include financial sector or government debt. When you add those numbers into the pot, my estimates of the country's total debt is around 277% of GDP. That's much higher than other emerging countries like Brazil, which is at 152%, India at 130%, and Russia at 78%.

Emerging countries don't have nearly the private debt of developed nations because their incomes are low and their citizens and businesses are less creditworthy. So for China to have a total debt of around 277% is unprecedented for an emerging country.

Sign #6: A major agricultural co-op closed its doors and investors couldn't withdraw their deposits.

Sign #7: A major Chinese solar company defaulted on its bonds - the first to occur in China.

Thus far, the government has quietly bailed out or covered over the defaults and cracks. But they're now hinting that they're going to let more defaults happen to "slowly let the air out of the balloon."

The Chinese government simply doesn't have a clue. Actually, no government does. They always think they can deflate bubbles slowly to ensure a soft landing.

Soft landings never occur in major bubbles.

Bubbles don't correct. They burst.

They get so extreme - and China's bubble is the most extreme of all - that once they start to unwind, you get an avalanche of deleveraging and defaults that build on each other.

Bubbles become black holes.

I expect major problems in China likely by the summer or fall.

IN OTHER SIDE, TO READ BELOW..

When China blows, there won't be an effective stimulus policy from the U.S., Europe, or Japan, to counter such a shock. It will make the U.S. sub-prime crisis look like a Sunday afternoon picnic.

7 signs China will NOT collapse anytime soon, less than 20 years.
1. Chinese government control all major banks.
2. Chinese government can print money indefinitely.
3. Chinese save over 30% of their income.
4. Chinas foreign reserve will be over $4 trillion before the end of 2014.
5. Chinese growth will be more than 7% in 2014.
6. China will be very busy building water recycling plants, water desalting plants, all kinds of power plants, transmission lines and subway systems in the next 20 years.
7. Chinas PM Li has a PHD in economics.




Responder
Valente D 28/05/2014 14:58:32

Acredito que a China ainda tenha lenha pra queimar, justamente por alguns destes últimos "7 sinais"... Mas que eles estão se esforçando pra estragar tudo, isto sim.

É possível que haja uma crise na china, mas não creio que um colapso, não ainda.

Responder
Maicon 28/05/2014 02:39:05

China tenta fazer lago artificial, não consegue e acaba criando um deserto

Autoridades em Zhengzhou, China, queriam criar um lago artificial na periferia da cidade, mas tudo deu errado. A fonte de água que eles pretendiam usar secou, e as centenas de milhares de toneladas de areia destinadas à praia artificial começaram a se espalhar, cobrindo uma área do tamanho de quatro campos de futebol, com até 10 m de altura.

A ideia era bacana: criar um lago artificial usando uma fonte natural de água, o Lago Dragão, e removendo a areia ao redor dele. Mas a fonte subterrânea de água secou, e a areia começou a se espalhar.

gizmodo.uol.com.br/galerias/china-lago-deserto/

Responder
Deilton 10/06/2014 17:44:26

Acho que desta vez o mises se equivocou, a carta capital já fez um artigo refutando a idéia de que a China irá implodir:

www.cartacapital.com.br/economia/temor-de-crise-na-china-ignora-a-forca-da-urbanizacao-e-da-economia-2150.html

"No livro The One Hour China, identificam seis megatendências poderosas alimentadoras do crescimento econômico chinês:
Urbanização acelerada
Escala gigantesca da manufatura
Crescimento do mercado interno
Dinheiro abundante
População com elevada capacidade de aprendizagem
Uma internet única"

Responder
Vive la liberte! 10/06/2014 19:06:32

Só lendo o livro para avaliar as ideias. O artigo falou muito pouco. Basicamente sustentou sua tese na opinião alheia. Podia ter falado um pouco sobre cada megatendência, principalmente as duas última:

População com elevada capacidade de aprendizagem
Uma internet única

Queria saber como foi avaliada a primeira e como a segunda contribui para o desenvolvimento do país.
A última frase do artigo só me causou confusão...
"Porque a ecologia da internet da China é diferente da Ocidental e vende muito mais"
Ah? Ecologia da internet??

Responder
anônimo 09/07/2015 15:03:17

Claro, porque a carta capital fez um artigo está tudo certo e ponto.

Esse mesmo pessoal da Carta capital elogiou a política econômica da Dilma no primeiro mandato.

E ai?

Intervenções continuas na economia cobram seu preço um dia.

Responder
Filos 29/06/2014 03:13:19

www.infomoney.com.br/bloomberg/mercados/noticia/3429367/manhattan-china-nao-vinga-vira-cidade-fantasma

Responder
Eduardo 31/08/2014 17:40:26

E em relaçao a suposta desregulamentaçao das zonas de livre comercio? Ausencia de legislaçao trabalhista, livre empreendedorismo? Isso nao estaria ligado a uma melhor qualidade de vida mesmo com renda mais baixa visto que os produtos seriam mais baratos? Ao que me parece o setor imobiliario esta alheio a essa realidade devido a uma bolha de credito, mas e os outros setores, nao se beneficiam da liberdade economica?

Responder
Jose 22/05/2015 20:28:06

O resultado dessa politica empresarial é o aumento de produtos falsificados e com melhor qualidade nunca vista antes. Já é possivel comprar iphone falsificado na China com componentes iguais aos do original. Vi reportagem recente no NetGeo que mostrava todo este esquema...
O mundo ocidental tem alimentado o Dragao Chines fazendo outsourcing de fabricas, fechando postos de trabalhos legítimos em seus países e derivando para a China o trabalho de montagem de seus produtos para baratear custos... infelizmente isso terá resultados desastrosos a longo prazo.
A China é um pais potencialmente perigoso, nao dá pra ignorar essa quantidade imensa de pessoas trabalhando lá em condicoes miseráveis que em nossos países seria algo proibido por leis trabalhistas no minimo honestas para conosco.
O futuro é bastante sombrio, tenho muita pena de quem estiver vivo para ver a quebra do dragao chines, é capaz de estourar uma guerra pra que alguns empresarios possam lucrar tal como tem sido feito historicamente. Nao tenho ideia de como será mas existe essa chance.

Responder
Matias 08/07/2015 19:28:31

Pessoal, comentem as últimas notícias da China... finalmente vai implodir?

Responder
Rennan Alves 09/07/2015 12:57:57

E precisa comentar? China proíbe grandes acionistas de venderem ações nos próximos 6 meses.

O resultado é demasiado óbvio.

Responder
Itamar Esteve 09/07/2015 14:13:08

É isso aí, o ESTADO resolve tomar conta da economia (comunismo) e acaba se perdendo pelo caminho. A economia precisa andar sozinha, sem interferência do Estado.

Responder
Alessandro da Silveira Ferreira 09/07/2015 15:03:16

Atribuir ao Lula algum tipo de inteligência é estupidez. O que esse idiota já produziu ou fez de bom?

Responder
Luiz Parussolo 09/07/2015 16:46:46

A imobilização da China segundo auditorias atinge próximo dos US$ 4 trilhões em imóveis sem geração de de receitas, mas o rombo está nas dívidas corporativas, isto é o setor produtor e gerador de riqueza, estimada em US$14 até US$ 19 trilhões e o governo está bancando e fizeram um programa de estímulo ao consumo e o resultado gerou fracasso e perdas. Já existe falências em empresas e dificilmente bancos privados aceitarão a transferência dos micos dos bancos públicos.
A paralisação do setor produtivo é a morte da China, como o Japão, vivendo da produção em série e a redução de exportações deve ser cosidsderada visto a redução do consumo mundialmente.
Parece-me essa a dedução dos especialistas de economia.
Só que a China é uma ditadura disfarçada e possui 1,1 bilhões de escravos, no mínimo para serem depenados a qualquer momento.

Responder
Joao Girardi 10/07/2015 00:19:35

To só esperando os esquerdistas e keynesianos dizerem depois que a culpa foi do livre mercado.

Responder
Elias 11/07/2015 00:44:16

Uma economia baseada na escravidão de seu povo (é o que acontece hoje na China)Usando da escravidão para enriquecer seus líderes comunistas e oprimindo seu povo com um sistema opressivo comunista, não era e nem é de se esperar um bom futuro. Hoje os chineses recebem um salário de miséria para poder os produtos saírem competitivos (Se quiserem comer alguma coisa)Hoje a China é uma republica que em breve estará em decadência e não há outra saída.

Responder
Luiz Parussolo 11/07/2015 05:10:14

Só que mesmo contando com a escravidão chegaram a um ponto altamente crítico, segundo especialista da própria China, a rentabilidade dos empreendimentos industriais (lucro líquido das empresas) está em 5 a 6 por cento, metade da média global, enquanto a dívida corporativa é 3 a 4 vezes superior à média global.
Para elevar a margem de lucro perde competitividade onde setores como o siderúrgico e vários outros estão paralisados e com excesso de produção em estoque e buscando financiamentos subsidiados do governo. Cortar custos em pessoal já não tem mais onde e com o estímulo ao consumo já existem inadimplementos e cortando na carne dos trabalhadores corta no consumo e gera mais inadimplências e falências.
Esses dados vêm de especialistas chineses e é difícil sair pois tomou o setor empresarial e a partir de 2008, enquanto outros países, como o Japão por exemplo, muito mais endividados, embora os países devem mais de R$ 200 trilhões e todos estão em iminência de uma grande depressão, as dívidas são antigas e administradas e não estão condenando como na China os setores não financeiros, principalmente o industrial.
Os sinais da globalização mostrados de maneira a não causar pânico, na verdade assustam.

Responder
Thiago Augusto 17/07/2015 16:50:24

Com isso, acaba-se a ilusão de que a China ultrapassará os Estados Unidos nas próximas 2 décadas.

Responder
cmr 17/07/2015 17:03:40

Com os Estados Unidos flertando perigosamente com o socialismo, sei não...
De qualquer jeito, o futuro dirá.

Responder
anônimo 19/07/2015 11:43:32

E se ultrapassar, e daí? E se NÃO ultrapassar, e daí?
Abra sua cabeça, países não existem, patriotismo é uma desculpa pra meia dúzia de putos controlarem mais fácil as massas de lemmings.

Responder
RUY CÂMARA 20/07/2015 03:09:03

CHEQUE ESPECIAL CHINÊS
O vigo da economia chinesa nada mais é do que o resultado da utilização do limite do cheque especial crescente e é graças ao crédito obtido com o modelo mercantilista, associado à sofreguidão e miséria da sociedade, que a roda da economia chinesa continua moendo. Mas todo limite tem um fim.
Há 30 anos eu estudo os regimes comunistas e isso me obrigou a passar por situações bastante vexaminosas durante as viagens de pesquisas que empreendi aos diversos países vermelhos. Hoje eu me sinto bastante seguro para afirmar que, ao longo da histórica trajetória humana, não houve e não há uma única Nação no planeta que tenha confiado o seu destino a governos socialistas (eufemismo envergonhado de comunistas) que tenha conseguido planificar a prosperidade; que tenha eliminado ou reduzido as desigualdades sociais, econômicas e culturais; que tenha atendido às demandas prometidas pelo regime à população; que tenha capacidade de produção de riquezas duradouras; que ofereça segurança jurídica aos parceiros comerciais e aos próprios concidadãos; que tenha honrado os compromissos assumidos com a comunidade internacional; e que não tenha condenado seus filhos aos sofrimentos de uma devastadora crise econômica e moral.
Os comunistas são os coveiros do progresso e do bem-estar da humanidade. Na ânsia de uniformizar o pensamento humano com a patologia derivada da mente insana de Marx, acabam condenando as massas a um suplício que durou séculos e que pode durar décadas, culminando sempre em sangue e mortes. Durante o século XX o sonho da liberdade do indivíduo foi acorrentado no tronco da ferocidade comunista e nele, a vida de milhões foi esganada com um simples despacho do déspota.
O comunismo é a combinação mortífera do canibalismo ideológico com a carnificina perpetrada pelo tirano em nome do Estado. O comunismo infunde a visão ufanista de que livrará o mundo dos fundamentos capitalistas, mas implora pelo capital alheio para uso nas inconsequências do regime. Os comunistas são ardilosos por vocação e vingativos por convicção. A propaganda comunista faz o sujeito acreditar que fez uma ótima opção, mesmo estando arrebentado.
O comunismo ou socialismo só pode existir com o amparo de um capitalismo supremamente monopolista, cujo patrão é o Estado dirigido por um grupo de lacaios cruéis e sanguinários, que corrompem uma classe privilegiada formada por comissários burgueses, por políticos corruptos e por burocratas incompetentes, todos eles de mentalidade fossilizada e dispostos a eliminar qualquer obstáculo para não perderem seus privilégios.

Responder
Luiz Parussolo 20/07/2015 04:31:43

Respeitável e conciso comentário, sem dúvidas?

Responder
Luiz Parussolo 20/07/2015 14:40:01

Só tem uma interrogação equivocada após a última frase não intencional.

Responder
Luiz Parussolo 20/07/2015 05:25:20

A China parece mostrar claramente exaustão em seu sistema e tende ao declínio irreversível.
Dois hábitos que não consigo assimilar em uma grande elite são buscas de milagres afrodisíacos sem nenhum fundamento científico e que estão condenando espécies terrestre e marítima à extinção onde pagam fortunas em busca da ativação do libido.
Os cornos dos rinocerontes africanos devido eles valem mais que pedras preciosas e entorpecentes e as barbatanas dos tubarões azuis retiradas pelos pescadores e devolvido o animal ainda vivo ao oceano é vendido a US$ 100/kg.
Deixa-me a sensação de que existe algo não evoluído embora seja um dos povos históricos e conhecidos do mundo e esse desenvolvimento vindo de Mao Tsé-Tung é imposto e não qualificado.

Responder
Marcello 25/08/2015 18:29:55

Prezados,

Acho que o artigo tira algumas conclusões baseado em premissas equivocadas... Releiam o texto abaixo que foi extraído do artigo:

"Eis a seguir um gráfico que apareceu em uma matéria do Financial Times que falava sobre a rápida deterioração do mercado imobiliário chinês. Ao que parece, de acordo com dados da US Geological Survey e do Comitê Nacional de Estatísticas da China, durante um período de apenas dois anos, 2011 e 2012, o qual representou o ápice da tão aclamada "agressiva política de estímulos" do governo chinês em resposta à recessão do mundo desenvolvido, a China consumiu mais cimento do que os EUA consumiram durante todo o século XX!"

Primeiro: o gráfico apresentado não indica que a China consumiu mais cimento do que os EUA consumiram durante todo o século XX... Este gráfico indica o consumo de cimento per capita X o PIB per capita do país (assumo que no ano de 2011, mas mesmo isso não fica totalmente claro). São coisas distintas...

Segundo: a afirmação de que a China consumiu mais cimento do que os EUA consumiram durante todo o século XX incia-se com a pouco precisa afirmação - "Ao que parece..."
Consumo de cimento é um dado mensurável. Período também. No mínimo tem que apresentar uma tabela informando:
Exemplo:
- Consumo de cimento nos EUA de 1901 até 2000: X toneladas
- Consumo de cimento na China nos anos de 2011 e 2012: Y toneladas

Se Y é maior que X; logo o consumo de cimento na China em dois anos foi maior do que o dos EUA durante todo o século XX. Qualquer informação diferente disto é especulação...

Não li a matéria do Financial Times (aliás qual, que ano, mês, etc...) por isso não posso comentar sobre ele, mas o artigo postado acima não permite chegar às conclusões apresentadas.

Atenciosamente,

Marcello

Responder
da Nóbrega 25/08/2015 18:52:36

"Não li a matéria do Financial Times (aliás qual, que ano, mês, etc...) por isso não posso comentar sobre ele, mas o artigo postado acima não permite chegar às conclusões apresentadas."

Pois você não acha que deveria ao menos ler algo antes de sair comentando sobre algo não lido?

O link para a matéria do Financial Times foi indicado no artigo (sabe aquele trecho em azul em que está escrito "uma matéria do Financial Times"? Pois é, é um hyperlink. Basta você clicar nele, e você será levado à matéria).

Aqui está novamente o link:

www.ft.com/intl/cms/s/0/4f74c94a-da77-11e3-8273-00144feabdc0.html

E aqui está a matéria:

China's economy is sputtering as evidence mounts that a nationwide property bubble is on the point of bursting.

Virtually every indicator for economic growth in China turned down in April as the all-important real estate market saw sales fall 7.8 per cent in renminbi terms in the first four months from the same period a year earlier.

Investment in real estate is the single most important driver of the Chinese economy and a crucial factor in global commodity demand and pricing.

But in the first four months newly started construction projects fell 22.1 per cent compared with a year earlier, according to government figures released on Tuesday.

The sustainability of the Chinese real estate market has become a concern for policy makers everywhere as they start to worry that a property crash in the world's second-largest economy could ripple round the globe.

The scale of China's building boom and the country's reliance on infrastructure investment for growth is unprecedented.

In just two years, from 2011 to 2012, China produced more cement than the US did in the entire 20th century, according to historical data from the US Geological Survey and China's National Bureau of Statistics.


In an indication of just how exposed China's economy is to a property downturn, Moody's Analytics estimates that the building, sale and outfitting of apartments accounted for 23 per cent of Chinese gross domestic product last year.

That is higher than in the US, Spain or Ireland at the peaks of their housing bubbles.

Trouble in Chinese property also has implications for the financial system, in particular the shadow banking sector, which has lent huge amounts to developers and relies on highly priced land for collateral.

"Self-fulfilling expectations of falling house prices, financial difficulties among developers on the back of a highly leveraged economy with huge local government debt, and a fragile financial system with a large shadow banking sector, suggest the risks of a disorderly adjustment [in the Chinese economy] are real and rising," said Barclays' chief China economist, Jian Chang.

Partly as a result of slumping real estate investment, growth in China's industrial production, a measure that correlates closely with gross domestic product, slowed marginally to 8.7 per cent from a year earlier in April.

Retail sales growth also slowed from 12.2 per cent expansion in March to 11.9 per cent in April.

In a worrying sign for western luxury brands that have become more reliant on Chinese demand in recent years, gold, silver and jewellery sales plummeted 30 per cent in April from a year earlier.

Electricity production, a closely watched proxy for economic activity in China, grew at its slowest pace in nearly a year in April, up 4.4 per cent from a year earlier, compared with 6.2 per cent growth in March.

In spite of much discussion of a "mini-stimulus" for China's economy, Beijing has so far been reluctant to take strong actions to prop up growth.


Agora, se você acha que as informações acima não procedem, então entre em contato com o Financial Times.

Responder
olivio Kilumbo 25/08/2015 19:08:16

Achei bastante interessante,análise curta e muito profunda...
Primeiro é importante reconhecer que houve um milagre na China feito em 20 anos, mas que ainda assim prevalece um Estado com dois sistemas.

Responder
João Batista C. Ribas 26/08/2015 13:14:17

Eu estive na China há três anos e apesar de seu crescimento ainda estar no ápice verifiquei em Pequim dezenas talvez centenas de edifícios residenciais e comerciais vazios e sem compradores. Os já comprados provavelmente eram pelos mesmos operários que vieram do interior para construir. Além da crise econômica, o desemprego vai ser muito grande com suas repercussões sociais.
Guardando as proporções foi o que aconteceu no Brasil no Governo Militar que planejava a economia no outro extremo de sistema de governo. Tivemos uma transição para regime democrático e de mercado
Porém ainda ficaram resquícios da estatização com Petrobras e Eletrobrás que com intervenções errôneas nos levou a nossa atual crise
Lá PC aqui PT. É um paralelo. Acho que a economia e a democracia vai se encarregar de corrigir isto. Porém o mundo vai sofrer com o freio da China. Principalmente o Brasil
Esperamos que África seja caminho para solução do equilíbrio econômico.
Ribas








Responder
Rodrigo Amado 26/08/2015 16:17:59

"Guardando as proporções foi o que aconteceu no Brasil no Governo Militar que planejava a economia...".

Boa analogia, pois lembro que já li muitos relatos de que o Brasil cresceu muito na década de 70, e depois chegamos na famigerada década ferrada de 80.

Imagino que algo pior vá acontecer na China, já que lá o governo controla a economia muito mais do que o regime militar controlava por aqui.

"Esperamos que África seja caminho para solução do equilíbrio econômico.".

Realmente, como a África é um continente completamente miserável ele poderia crescer MUITO durante várias décadas impulsionando a economia mundial.

Mas no momento me parece improvável que isso vá acontecer já que lá está cheio de warlords e ditadores socialistas.
A única hipótese para o crescimento da África que me parece que possa estar ocorrendo é que muitos chineses estão indo pra lá. Então isso poderia mudar uma mudança de "estagando" para "algum desenvolvimento".

Responder
Ricardo 02/09/2015 20:32:41

É a economia! Estúpido!
Finalmente o sonho desmesurado de dominação, e a implementação de uma ditadura Chinesa com suporte da corrupta esquerda americana chega a seu final e se revela ao mundo suas tramoias.
A dobradinha dos malfeitores liberais pornográficos americanos com os assassinos psicopatas chineses sofre punição econômica severa. A manipulação econômica, a fraude estatística e a imposição de temas neoliberais através do circo mediático mundial estão sendo confrontados com a realidade da superprodução industrial que nunca será consumida, obras faraônicas que nunca serão usadas e de centenas e milhares de cidades fantasmas chineses.
A ideia de que se poderia enganar a todos o tempo todo acabou. Pode-se sim enganar alguns, algum tempo, mas não todos o tempo todo. Talvez, o alienado povo americano, submetido à propaganda massiva de temas bizarros, possa por algum tempo se esquecer que perdeu o salário de US$ 40 a hora em Detroit e agora ganha apenas US$ 7 nos Mcdonalds da vida. Mas em algum momento acordará como está acontecendo com o povo brasileiro, farto dessa elite brasileira tosca da periferia americanizada que fala português com pesado sotaque americano.
Esse está sendo um amargo despertar tanto para os brasileiros quanto para os chineses que finalmente se dão conta que não são ou nunca serão a Inglaterra do século 19. Não vivemos mais em um mundo onde apenas alguns podem se industrializar, condenando países como o Brasil a eterno produtor de commodities. Os tempos são outros, agora o Brasil tem uma economia de 200 milhões de pessoas e os títeres fazendeiros de soja não podem com suas exportações alavancar o desenvolvimento de uma classe média com produtos agrícolas.
Mas, diga-se de passagem, esses títeres, dessa tosca elite brasileira de periferia, não são muita coisa, não! Depois de viajar 150.000 quilômetros através do Brasil inteiro e, principalmente, por essas regiões produtoras do agronegócio em Mato Grosso e Goiás pude verificar in loco sua pequinês.
O fato de serem os maiores produtores de soja não implica que ditem preços ou condições no mercado exportador de soja. Isso é feito pela Bunge, Cargill e Louis Dreyfus. Os outros são sócios menores, sujeitos às condições que essas multinacionais ditam como regras na comercialização do agronegócio mundial. Isso implica na definição de preços, rotas de exportação e portos para escoamento do produto aqui no Brasil, na Argentina e na América Latina.
Esse discurso exaltado sobre as condições da logística brasileira que eles costumam fazer na televisão é uma piada, para não dizer patético. Não só porque eles mal entendem as questões principais de transportes do Brasil, na América latina e no Mundo, mas com também, não têm qualquer influência de como e onde a safra que eles produzem será escoada ou comercializada. Está em dúvida? Vá ao site da Alice Web (Ministério da Indústria e Comércio) que contém dados do comércio exterior brasileiro e verifique quem são os donos das cargas embarcadas (exportadores) da soja e do agronegócio brasileiro.
Para essa elite tosca de fazendeiros de soja cabe apenas colocar a produção na porteira da fazenda para ser recolhida pela Bunge, Cargill e Dreyfus. Assim, para ganharem mais eles têm que aumentar sua produtividade, ganhando uma foto de bom comportamento que são espalhados pelas estradas da região onde moram por ter comprado o Kit soja de qualquer multinacional do ramo de sementes e defensivos agrícolas. Outra alternativa, é comprar mais terras e, assim, aumentar a produção. Suas influências sobre o mercado do agronegócio brasileiro ou mundial é nenhuma! Eles morrem de medo que a Cargill não venha buscar a safra que fica nas portas das fazendas na época da colheita. Exibir vistosos maquinários, tais como, colheitadeiras e tratores é apenas a ponta reluzente de um tremendo fracasso de não compreenderem ou influenciarem o mercado do agronegócio, mas de serem subalternos aos caprichos estrangeiros nesse setor. Patéticos!
O que acontece da porteira para fora ou dos silos da Bunge em diante na cadeira logística da exportação e comercialização internacional da soja eles são totalmente ignorantes, essa questão é para chineses e americanos.
É triste ver que a elite brasileira é tosca e fracassada por que justamente não tem ambições de liberdade ou atuem com desenvoltura como senhores de suas próprias terras. É triste, mas são capachos, não passam de moleques de recado desse obscuro mentor das esquerdas que os usam para desindustrializar o Brasil e submetê-lo a tirania de chineses que sofre desse obcecado complexo de superioridade, achando que são a nova versão do imperialismo britânico do século 19 no século 21.
No entanto, a realidade econômica não perdoa fraudes e mentiras. Assim, eles (os malfeitores sino-americanos) colapsam diante de um mercado que verifica (tardiamente) que eles não podem entregar o que prometeram.
É a economia! Estúpido!
2 de setembro 2015

Responder
Gabriel 04/11/2015 04:11:59

Se eu tivesse que apostar em quando a China vai estourar, apostaria que isso aconteceria ou quando o Governo Chines começasse a diminuir os estímulos (oque parece que não vai ocorrer), ou quando isso começar a gerar inflação de preços e aumento das taxas de juros.

Aliás, ter visto que para conter as quedas na bolsa de valores chinesas o Governo tomou como uma das medidas injetar mais dinheiro na economia só faz eu ter mais certeza disso.

"China corta taxa de juros após forte queda das bolsas Banco Popular da China cortou juros do crédito e de depósitos. Medidas vêm em reação à turbulência nos mercados de ações."

g1.globo.com/economia/mercados/noticia/2015/08/china-corta-taxa-de-juros-apos-forte-queda-das-bolsas.html

Sinceramente, não consigo ver isso sem me passar na hora toda a TACE que vem sendo pregada a tanto tempo.

Responder
jose wandasson 12/04/2016 14:23:24

e estamos em Abril de 2016 e nada ocorreu ainda, acho que esta previsão tá furada, a China caminha pra se consolidar como a nação mais poderosa e rica do mundo. divida por divida todos os países tem, então é apenas mais um player no mesmo moldes dos demais.

Responder

Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
  Nome
  Email   (também utilizado para o Avatar, crie o seu em www.gravatar.com)
  Website
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.







Multimídia   
  Podcast Mises Brasil
        por Bruno Garschagen - 06/01/2019
  Conferência de Escola Austríaca 2014
        por Diversos - 23/10/2014
  Fraude - Explicando a grande recessão
        por Equipe IMB - 31/10/2012
veja mais...



Instituto Ludwig von Mises Brasil



contato@mises.org.br      formulário de contato           Google+
Desenvolvido por Ativata Software