clube   |   doar   |   idiomas
Por que Cuba é pobre

Uma dica: não é por causa do bloqueio americano.

Como escreve João Pereira Coutinho:

O embargo americano existe, sem dúvida, e deve ser condenado pelo seu óbvio anacronismo [...]. Mas é preciso acrescentar a segunda parte da frase: só existe o embargo americano. Que o mesmo é dizer: todo mundo que é mundo mantém relações com Cuba e nem assim a ilha se converteu numa espécie de Suécia do Caribe.

Antes de 1959, o problema de Cuba era a presença de relações econômicas com os Estados Unidos.  Depois o problema se tornou a ausência de relações econômicas com os Estados Unidos.

O embargo americano é obsceno, mas não é a raiz da pobreza cubana.  De fato, como indica Coutinho, os cubanos podem comprar produtos americanos pelo México.  Podem comprar carros do Japão, eletrodomésticos da Alemanha, brinquedos da China ou até cosméticos do Brasil.

Por que não compram?  Porque não têm com o que comprar.  Não é um problema contábil ou monetário — o governo cubano emite moeda sem lastro nem vergonha.  O que falta é oferta.  Cuba oferece poucas coisas de valor para o resto do mundo.  Cuba é pobre porque o trabalho dos cubanos não é produtivo.

A má notícia para os comunistas é que produtividade é coisa de empresário capitalista.  Literalmente.  É o capital que deixa o trabalho mais produtivo.  E é pelo empreendedorismo que uma sociedade descobre e realiza o melhor emprego para o capital e o trabalho.

Mesmo quando o governo cubano permite um pouco de empreendedorismo, ele restringe a entrada de capital. Desde que assumiu o poder em 2007, Raúl Castro já fez a concessão de quase 170.000 lotes de terra não cultivada para agricultores privados.  Só que faltam ferramentas e máquinas para trabalhar a terra.  A importação de bens de capital é restrita pelo governo.  Faltam caminhões para transportar alimentos.  Os poucos que existem estão velhos e passam grande parte do tempo sendo consertados.  Em 2009, centenas de toneladas de tomate apodreceram por falta de transporte.

Campanhas internacionais contra a pobreza global se esquecem dos cubanos. Parece que o uniforme dos irmãos Castro tem o poder de camuflar a pobreza em meio a discursos de conquista social.  Dizem que Cuba tem medicina e educação de ponta.  Ainda que fosse verdade, isso seria bom apenas para o pesquisador de ponta.  E triste para o resto da população que vive longe da ponta, sem acesso a informação aberta ou aos medicamentos mais básicos, como analgésicos e antitérmicos.  É como na saudosa União Soviética.  A engenharia era de ponta. Colocava gente no espaço e tanques na avenida.  Só não era capaz de colocar carro nas garagens nem máquina de lavar nas casas.

Cuba vai enriquecer quando a sua população se tornar mais produtiva para trabalhar e mais livre para empreender.  Ou seja, quando houver capitalismo para os cubanos.

___________________________________

Leia também:

A desconhecida história do embargo cubano

Um giro por Havana

Capitalismo para Cuba 


2 votos

autor

Diogo Costa
é presidente do Instituto Ordem Livre e professor do curso de Relações Internacionais do Ibmec-MG. Trabalhou com pesquisa em políticas públicas para o Cato Institute e para a Atlas Economic Research Foundation em Washington DC. Seus artigos já apareceram em publicações diversas, como O Globo, Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo. Diogo é Bacharel em Direito pela Universidade Católica de Petrópolis e Mestre em Ciência Política pela Columbia University de Nova York.  Seu blog: http://www.capitalismoparaospobres.com

  • Rosemberg Argolo  31/01/2014 12:57
    Sem palavras, muito bom!
  • Dam HerzoG  31/01/2014 13:08
    Sem mercado, que e o maior produtor de bens e produtos , o que se pode dividir e a miséria, e o socialismo não pode fazer o cálculo econômico , além de não dar incentivos para satisfazer o egoísmo dos seres humanos para produzir. Capitalismo neles.
  • mauricio barbosa  31/01/2014 14:06
    No passado creditava a culpa ao embargo americano,mas hoje conhecendo a escola austríaca acreditar nessa desculpa esfarrapada seria ma-fé da minha parte,sem falar que os subsídios soviéticos se tivessem sido investido com sabedoria estariam dando frutos até hoje mas sabemos que o estado e seus burocratas são mestres em gastar e desperdiçar dinheiro alheio,agora só uma pergunta,o embargo americano encarece qualquer importação que CUBA faça e isso é fato pois com custos maiores fica difícil competir no mercado internacional haja vista os subsídios agrícolas dos EUA e EUROPA asfixiar os concorrentes mundo afora, de maneira que esses agricultores cubanos não conseguiriam competir devido o embargo norte-americano encarecer as importações,portanto gostaria de saber o que o IMB tem a dizer sobre esse fato que não é ideológico mas um fato econômico que impacta qualquer economia ao concorrer em condições desfavoráveis.
  • Leandro  31/01/2014 14:17
    Somos totalmente contrários a qualquer embargo e a qualquer tipo de restrição ao livre comércio. Embargos servem apenas para fortalecer regimes totalitários e para aumentar o sofrimento da população oprimida, que, além da ditadura, ainda fica privada de poder adquirir bens que aliviariam um pouco do seu sofrimento.

    Basta comparar Cuba à China. Em ambos os casos, os regimes seguem firmes e fortes, mas os chineses ao menos têm acesso a produtos estrangeiros, o que ajudou a aliviar enormemente sua privação.

    Sobrepor um embargo comercial a uma ditadura é algo desumano.
  • marcelo  22/12/2014 00:03
    Leandro, aqui discordo totalmente. Existem situações em que as leis econômicas devem ficar em segundo lugar.

    O embargo à Cuba deveria continuar e ser ainda maior. A derrubada do embargo somente vai dar um bem-vindo sobrefôlego à ditadura comunista. Certamente os cubanos paulatinamente viverão um pouco melhor economicamente, mas isso levará a uma anestesia e alienação da população ainda maior. Além disso, a ditadura Cubana agora terá mais condições de se concentrar no Foro de Sao Paulo, o que é péssimo para o Brasil.

    A China foi elevada à super potência econômica com dinheiro, tecnologia e know-how americanos: criaram um monstro comunista que possui o maior exército do mundo atual com 2.300.000 homens na ativa e, junto com a Rússia, pretensões de domínio global.

    Por fim, desumano é renovar condições financeiras a um país comunista traiçoeiro, maléfico, ditatorial e daninho como o Cubano.
  • Pedro Ivo  31/01/2014 17:07
    Maurício Barbosa, respondendo à pergunta, lembre-se que o embargo encarece, mas não impede o comércio. Se Cuba fosse competitiva em algum setor (como aliás é: charutos e destilados; e talvez pescados) o valor alcançado por seus produtos justificaria os custos adicionais de importação. Sem os custos adicionais, estes produtos cubanos ou chegariam aos mercados mundiais + baratos - ou, fixo o preço, a margem de lucro seria maior. Mas o 'X' da questão não é o embargo, mas falta de bens competitivos.

    Certamente que sem embargo produtores marginais (aqueles que produzem a um custo tão próximo do preço de mercado que, dado qualquer encarecimento, são colocados para fora daquele setor) estariam aptos a exportar, ampliando a divisão do trabalho, acumulando capital - enfim, ampliando o padrão de vida de Cuba. Logo, o embargo é imoral. Mas criar uma situação social em que as pessoas são impedidas de trabalhar, empreender e prosperar é + imoral, pois sem esta ditadura, ainda que houvesse embargo, os cubanos já se teriam especializado naquilo que podem produzir com vantagens comparativas suficientes para superar a restrição estadunidense.

    Por ex.: fosse Cuba um paraíso fiscal e turístico, os EUA só poderiam embargá-la ao custo de violar a soberania de todos os outros estados que mantivessem relações com Cuba, via, por ilustração, bloqueio marítimo armado. Se as pessoas quisessem ir a Cuba passear e transacionar, quem as impediria? E se importações dos cubanos fossem transportadas por um navio liberiano, grego ou guatemalteco, os EUA os abordariam?
  • Marco Aurélio  04/11/2014 15:55
    La ventaja más grande que una persona puede tener es su libertad. El libre albedrío para hacer su propio camino. La imposición de un pensamiento único hecho por el socialismo es un ultraje. Con esto, Cuba mantiene su población en la pobreza a permanecer dependientes del gobierno. Así que todo el dinero asignado a Cuba no se dirige a su población. Los hospitas son aterradoras y sin infraestructura, la educación y la coiusa visto tan serio, pero es insuficiente, médicoa hacer lo que el gobierno determina y no tienen un amplio apoyo para la acción. Se encuentran restringidas. El Sitema de salud es donde los funcionarios corruptos de los hospitales cobran dinero a la gente para hacer los exámenes de tomografía rápido. El gran bloqueo a Cuba fue su propio gobierno. Lamento mucho que los cubanos tienen miedo a desear otra vida.
  • mauricio barbosa  31/01/2014 14:32
    Leandro, a CHINA não sofre embargo econômico feito CUBA,e ademais mesmo sem embargo econômico não acredito que CUBA estaria em melhor situação é este o meu questionamento ou seja sem embargo CUBA poderia estar melhor em que industria,serviços,comércio,enfim em que estado de coisas eles estariam,esta é também minha dúvida? relembrando que o embargo é uma desculpa para o fracasso de gestão dos castros.
  • Leandro  31/01/2014 14:42
    Eu sei que a China não sofre embargo. Foi justamente esse o ponto. Ambos os países são ditaduras, mas os chineses têm mais liberdade de comércio.

    Estaria Cuba em melhor situação sem o embargo? Provavelmente sim, mas nada de substantivo. Os americanos comprariam mais charutos e mais rum, e os dólares enviados a Cuba em troca dos charutos e do rum poderiam ser utilizados para importar mais bens de capital ou alguns produtos de luxo (como papel higiênico e sabonete). Mas é só.
  • Renato Souza  13/02/2014 13:14
    Note-se duas coisas:

    1. O embargo surgiu num momento delicado, não acho que se possa simplificar a situação e sair dizendo que foi uma grande agressão contra o povo cubano. Dentro daquela situação de quase guerra mundial, foi uma pequena medida, quase simbólica.

    2. Embora o embargo traga alguma dificuldade econômica a Cuba, seus efeitos são extremamente limitados. Cuba pode comerciar livremente com empresas de TODOS OS OUTROS países do mundo. Os preços de suas exportações não são rebaixados por não exportar para os EUA, porque os preços dos produtos são internacionais. Os preços de suas importações não ficam mais caros por não poder importar dos EUA, pois empresas de outros países produzem tudo (ou quase tudo) o que as empresas americanas produzem, a preços e qualidade, em quase todos os casos, competitivos com os americanos. Se um pais de economia livre 'sofresse' um embargo americano, após o primeiro impacto, seu efeito seria apenas marginal, talvez uma perda de crescimento anual de alguns centésimos ou milésismos. Os únicos produtos de exportação realmente prejudicados seriam aqueles que em que os EUA fosse responsável por uma parte muito grande das importações mundiais. E os únicos produtos de importação realmente prejudicados seriam aqueles em que os EUA fossem responsáveis por uma parte considerável das exportações mundiais. O mercado mundial é muito maior que os EUA sozinhos. Ser grande não é sinônimo de ser tudo.

    3. Concluo que virtualmente toda a pobreza cubana é resultado da ação perversa de seu próprio governo. Um cubano que analisasse isso concluiria que o governo cubano é responsável por 99% de sua pobreza e o governo americano é responsável por 1% de sua pobreza.

    4. Focar num fator tão secundário (quase irrelevante) não tem o menor sentido. Se sua casa está sendo inundada por uma enchente, não tem sentido dizer que seu problema é uma goteira no teto.
  • Rodrigues  17/09/2016 00:51
    Perante as afirmações aqui colocadas até parece que o Brasil não tem miséria. tem e muita e bem pior que a de Cuba. Quantos brasileiros vivem ainda sem energia, esgotos e agua potável. Em cuba não precisas e roubar a electricidade dos postes públicos, aliás o seu custo é mínimo. A assistência média é grátis para todos e com qualidade reconhecida a nível mundial. Se Cuba não tivesse feito a Revolução era provavelmente hoje mais um casino americano como Las Vegas. falta saber se isso teria alguma vantagem para a população. Acho que não e o que se diz sobre Cuba é por má fé ideológica. Quem ataca Cuba não está preocupada com a população se vive bem, ou mal. Apenas as preocupam a ideologia. Repito tanto o Brasil como muitos outros país da América Latina vivem bem pior que os cubanos. Mas evidentemente as noticias que dão sobre Cuba é que é uma miséria. Sei de gente que visitou Cuba e não pintam esse quadro negro como tanto apregoam jornais e tv's que tem por trás outros interesses, como a GLOBO e o apoio escandaloso que deu ao homens do golpe no Brasil. A verdade que o consumismo em Cuba é bem diferente, e eu não vejo as pessoas de ouros países muito mais felizes por terem Ifones e outros electrodomésticos. Mas é um mercado apetecível para o grande capital.
  • Fidel  17/09/2016 01:57
    Sobre o real custo de vida em Cuba, com fontes do próprio governo cubano:

    Os números de Cuba, divulgados pelo seu próprio governo, comprovam: socialismo é pobreza

    Sobre a "invejável" medicina cubana:

    A medicina cubana - um modelo?

    Sobre o que deve ser feito:

    Capitalismo para Cuba
  • Andre  17/09/2016 02:35
    Piada dos anos 80:

    Qual o maior país do mundo?

    Cuba, pois o governo fica na URSS, o exército em Angola, a população em Miami e o território no Caribe.
  • Valdomiro  19/12/2014 15:03
    A China é apenas uma potência socialista, uma Cuba com recursos, e um povo restrito ao regime totalitário, ou seja, sem liberdade.
  • Valterli  31/01/2014 14:34
    A situacao dos carros nao eh tao simples quanto foi dita, existe uma barreira muito grande lah
    Olhe o link
    noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2013/12/19/cuba-autoriza-livre-importacao-de-carros-proibida-durante-meio-seculo.htm
  • Ricardo  31/01/2014 14:49
    Venda de carros em Cuba começa com preços astronômicos

    "Um carro familiar Peugeot 4008 novo foi colocado à venda por 239.250 dólares na concessionária estatal SASA em Havana, enquanto que o fabricante francês oferece o mesmo veículo em seus catálogos por 46.000 dólares."


    Ou seja, exatamente como disse o texto: podem comprar, só não têm com o que comprar.


  • Daniel  31/01/2014 14:36
    O embargo é obsceno? Quem confiscou propriedades e apontou mísseis para quem, mesmo?

    Os EUA estavam moralmente autorizados a queimar tudo e jogar sal na terra, mas fizeram só um embarguinho
  • Doutrinador  31/01/2014 14:43
    Traduzindo: um burocrata lunático faz uma idiotice e todo o seu povo -- que nem sequer elegeu o cidadão -- deve pagar por isso. Um baita humanitário você.
  • anônimo  31/01/2014 15:00
    O embargo é obsceno? Quem confiscou propriedades e apontou mísseis para quem, mesmo

    O estado americano é uma entidade incrivelmente obscena, responsável por muita crueldade e mortes ao longo dos seus séculos de existência (na minha opinião, a pior foi a entrada na 1 guerra e o genocídio indígena pelos generais de Lincoln). O embargo (mais uma proibição para o livre comércio por essa entidade) só gerou sofrimento a todos os envolvidos (e a manutenção do regime castrista), como qualquer outra intervenção estatal invariavelmente o faz.


    Os EUA estavam moralmente autorizados a queimar tudo e jogar sal na terra, mas fizeram só um embarguinho

    Sua noção de moral é aterrorizante, pois consiste basicamente em punir gente
    inocente pelos crimes de terceiros.
  • Daniel  31/01/2014 15:08
    Então fica combinado assim: um país pode fazer o que quiser com outro, sem represália nenhuma, pois quem dá a ordem está no topo da hierarquia, e quem sofre as consequências é sempre o povão.

    Se o Irã finalmente "varrer Israel do mapa", nada deve ser feito em reação, pois não foi o Mohammed da padaria quem apertou o botão, e ele inevitavelmente seria afetado pela represália.

    É isso?
  • Doutrinador  31/01/2014 15:28
    Quando você fala "país", você na verdade quer dizer "governo".

    E confundir "governo" com "população" é coisa típica de gente dotada de uma infausta mentalidade estatizante.

    Ora, quem é você para dizer que é certo um burocrata impedir dois indivíduos (Joe Smith e Arturo Garcia) de comercializarem livremente? Isso é coisa de comunista.

    "Se o Irã finalmente "varrer Israel do mapa"[...]"

    Só se for com uma vassoura, dado que, segundo a própria CIA, o Irã não tem nem sombra de arma nuclear. Já Israel, que possui aproximadamente 400 bombas atômicas, pode sumir com o Irã em 3 segundos. Logo, acho que a sua preocupação tá um pouquinho invertida.
  • Eduardo Bellani  31/01/2014 17:30
    Então fica combinado assim: um país pode fazer o que quiser com outro, sem represália nenhuma, pois quem dá a ordem está no topo da hierarquia, e quem sofre as consequências é sempre o povão.

    Como o doutrinador disse, você confunde estado/governo com sociedade. E tem uma
    noção particular que sociedades agem. Pessoas agem. Pessoas são culpadas (ou não).
    Sua metáfora coletivista se rasgou nesse caso (como ela usualmente o faz).

    PS: O comentário anônimo ali foi meu. E sua noção de moral continua assustadora.
  • Um Burrinho  01/02/2014 13:43
    O site o IMB é excelente e as discussões nos comentários geralmente são tb... Mas, nesse caso, os argumentos do Doutrinador e Eduardo são inocentes demais, pra não dizer fracos... Citam situações utópicas, típicas de comunistas, desconsiderando todo o arranjo atual de países, fronteiras e nações... Desprezam que no arranjo atual, o presidente, parlamento e afins, foram eleitos democraticamente (geralmente) como representante do povo.

    Entendo que o Daniel não confundiu governo com população e nem possui mentalidade estatizante, ele apenas expôs a situação organizacional atual, que não pode ser desprezada.

    Invertendo a pergunta do Daniel, e se Israel varrer o Irã do mapa? Deve-se apenas cortar a ponta do dedo do cara que apertou o botão? Afinal, foi a atitude do indivíduo...

    O exemplo do roubo da bicicleta foi ridículo e distorceu totalmente a discussão... Por acaso, o vizinho ladrão foi eleito democraticamente como representante do quarteirão inteiro, que "justificasse" qualquer ação contr esse grupo? Confundir quarteirão com País é burrice ou má intenção...
  • anônimo  31/01/2014 17:35
    Então fica combinado assim: um país pode fazer o que quiser com outro, sem represália nenhuma, pois quem dá a ordem está no topo da hierarquia, e quem sofre as consequências é sempre o povão.

    Um 'país' não faz nada com outro, não existe esse negócio de país, só o que existe são INDIVÍDUOS. 'País', ´pátria', essas merdas, só servem pros idiotas irem morrer na guerra achando que estão fazendo alguma coisa boa

    Então bote os pingos nos is direito, quem aperta o botão e taca bomba nos outros são os governantes, os Obama da vida, se alguém tem que pagar são eles e não ficar 'sem represália nenhuma' como você disse.

    Alias, seu vizinho roubou uma bicicleta minha, acho que vou jogar uma bomba no quarteirão inteiro como represália, se você morrer junto azar, não vai nem ser hipócrita de reclamar da mesma coisa que acaba de defender né?

  • Felipe  31/01/2014 21:46
    Quantos mísseis os americanos têm apontados para todas as grandes cidades do mundo? Certamente mais que Cuba jamais sonhou ter...

    Que tal pegarmos alguns americanos, arbitrariamente, e fazerem-os pagar pelos numerosos crimes de seu país ao longo de sua existência? Ou só os americanos tem o direito de matar os outros?

    É cada um que aparece de vez em quando...
  • Marcos  05/02/2014 23:59
    Os americanos mataram pessoas com armas em punho, não foi desarmadas em paredões ou mandadas para compos de concentração, mesmo que esses tais inimigos fosse bem inferiores tecnogicamente.
  • Renato Souza  13/02/2014 13:57
    Eu diria o seguinte.

    Em relação ao tamanho de sua população e economia (seus recursos), a maldade do governo cubano é imensa. Em termos internos, Cuba escravizou totalmente toda a sua populção (todo mundo que não quiser morrer de fome, é obrigado a trabalhar para os donos do PCC). Para que o governo americano fosse tão maléfico, teria de ter feito a mesma coisa com toda a sua população, o que nem de perto é verdade.

    Externamente, em comparação, com o seu poder, as intervenções cubanas foram enorme. Pior ainda, em TODOS os casos, forma iniciações de agressões contra governos que nada fizeram contra Cuba. No caso americano, em relação ao seu tamanho, suas intervenções foram relativamente poucas. Veja o caso da URSS e EUA em relação à Europa. Ao vencer a Alemanha, a URSS ocupou militarmente e escravizou todo o leste europeu. Já os americanos, tão logo terminada a guerra, saíram de todo lugar, mantendo apenas uma força relativamente pequena na Alemanha ocidental, apenas para fazer frente ao poderio soviético. O governo alemão foi amplamente livre em praticamente todos os assuntos.

    No terceiro mundo deu-se a mesma coisa. Na grande maioira dos casos as intervenções americanas foram apenas reativas em relação às ações de governos hostis (URSS e China em particular). As ações comunistas em geral, e cubanas em particular, sempre foram pró-ativas, atuando sempre contra nações que não tinham a menor intenção de causar dano algum à população.
  • anônimo  31/01/2014 15:04
    Simples, rápido e certeiro.

    E por falar em embargo, ouvi dizer que Taiwan também sofre um. Alguém poderia me explicar como é?
  • Rafael Fernandes  09/05/2014 14:19
    Interessante o caso de Taiwan: como não podem existir duas Chinas, lhe é negado o estatus de estado nação pela ONU, ou seja temos uma sociedade livre, privada de algo que não serve para nada, o reconhecimento do governo global da ONU
  • Arthur Gomes  31/01/2014 15:18
    Daqui a pouco o Magazine Luiza vai propor abrir lojas em Cuba com financiamento do BNDES. Vai ser uma piada.
  • Um Burrinho  01/02/2014 12:48
    Depois que ela falou que não temia a Amazon, pois a Magazine Luiza vende, no Brasil, computadores via web desde 1991/1992, eu não duvido de mais nada!!!
  • Roberto  31/01/2014 15:28
    É muita choradeira com essa questão do embargo.
    Ele foi decretado em 1962, em plena guerra fria, com a União Soviética fomentando um braço comunista na America Central onde ocorreu todo tipo de violação de direito de propriedade das empresas americanas que lá estavam. Quando existe um problema geopolítico desta maginitude, pode ter certeza que "incentivo irrestrito à liberdade econômica" não vai resolver nada. Respeito à liberdade econômica só faz sentido numa perspectiva de mínima estabilidade política, o que estava longe de ser a realidade daquele momento histórico.

  • Eduardo Bellani  31/01/2014 17:35
    Então para criar a justiça sobre para as empresas americanas, o certo é criar mais
    restrições a liberdade econômica?

    Você escrever 'incentivo irrestrito à liberdade econômica' me deixa claro que você
    acha que liberdade não é um direito natural do cidadão, e sim mais uma benecesse que
    o governo dá e estimula.

    Sua dualidade ética é típica de pessoas que convivem com dissonância cognitiva, é o
    seu caso?

    Abraços.
  • Rodrigo Garcia Wettstein  01/02/2014 16:59
    Perfeito Roberto! Não se trata de considerar eticamente o início do embargo pois naquele momento histórico havia uma guerra sim, a qual toda a humanidade conseguiu evitar, uma guerra nuclear. Consideraremos sim a imoralidade do embargo é pelo fato de ele ter continuado por décadas.
  • Luciano  31/01/2014 16:13
    Ja li que além do açúcar, Cuba e um grande produtor de níquel. Sem falar no tabaco, matéria-prima de seus famosos charutos. Alguém tem como me dizer qual a situação da produção desses produtos e sua exportação?
  • Thomaz  31/01/2014 17:31
    Que Deus salve o povo cubano do ateu filho do capeta Castro.....mas veja que no Wikipédia consta:

    Apesar da vigência do embargo, é importante notar que nem todo comércio entre Estados Unidos e Cuba está proibido. Desde 2000 foi autorizada a exportação de alimentos dos Estados Unidos para Cuba, condicionada ao pagamento exclusivamente à vista (antecipado: as mercadorias devem ser pagas antes do navio zarpar do porto americano)1 , e os Estados Unidos são o sétimo exportador de alimentos para a ilha, nisso se incluindo sua ajuda humanitária (envio gratuito)2 . De 1992 a 1999, os Estados Unidos enviaram mais ajuda humanitária a Cuba que todos os então quinze membros da União Europeia e a América Latina3 . Em casos de tragédias, como o furacão Michelle, os Estados Unidos também enviaram ajuda humanitária de emergência4 . Cuba já despendeu cerca de 1,8 bilhões de dólares importando alimentos dos Estados Unidos, dos quais US$ 474 milhões em 2004 e US$ 540 milhões em 2005.
  • Deilton  31/01/2014 17:38
    "Dizem que Cuba tem medicina e educação de ponta"

    umas dúvidas que eu tenho:

    Se Cuba tem uma "educação de ponta", por que não é um país criativo, inovador, que desenvolve tecnologias?

    Se Cuba tem uma "educação de ponta" e mesmo assim sua produtividade é tão baixa, isso significa que produtividade nada tem a ver com educação. Então por que se atribui ao baixo nível da educação brasileira a nossa pouca produtividade?
  • Aspone  31/01/2014 20:07
    Óbvio que não tem nada a ver.

    Em Cuba, professoras se prostituem, médicos trabalham de garçom etc.

    Nenhum país investiu primeiro em "educação de ponta" para depois enriquecer.

    Primeiro se oferece liberdade econômica e incentivos à acumulação de capital.

    Depois, se o estado quiser brincar de cientista social, pode pegar parte disso e investir em educação que não vai atrapalhar muito.
  • Zoller  31/01/2014 20:07
    Vou me arriscar. Se eu estiver errado é só dizer.

    Raúl Rivero, jornalista cubano exilado na Espanha, disse em entrevista à Veja que é verdade que o analfabetismo é bem baixo, quase nulo (apesar das pessoas lá só lerem o que os Castro permitem). Quanto à medicina cubana, é essencialmente preventiva (presumivelmente mais barata). Foi com essa intenção (oficialmente, o que não quer dizer muita coisa) que o governo daqui contratou médicos cubanos pras periferias.

    O trabalho não tem um valor intrínseco mas sim determinado pela sua utilidade. Pense no sujeito cujo trabalho é abrir buracos pela manhã e tapá-los à tarde. Esse trabalho não produz absolutamente nada, riqueza nenhuma. Mais ou menos como o trabalho de "inspetor de mosquitos" que jovens graduados têm de desempenhar.

    Produtividade tem sim a ver com educação. O que ocorre em Cuba é que há educação mas não há oportunidade de produzir.

  • Gutierrez  31/01/2014 22:28
    É impressionante como determinados mitos perduram e são repetidos ao léu até hoje.

    A taxa de analfabetismo em Cuba durante o governo de Batista só era a quarta mais baixa da América Latina, perdendo apenas para Argentina, Chile e Costa Rica. Entre a população adulta, o analfabetismo era de apenas 18%, e o país tinha 114 instituições de ensino superior.

    www.directorio.org/cubafacts/
    www2.fiu.edu/~fcf/cubaprecastro21698.html
  • Nilo BP  04/02/2014 02:04
    Como você bem observou, alguns trabalhos não produzem nada de útil. O mesmo é verdade de algumas educações.

    Não é nem necessário sair do Brasil para ver um sistema de educação formal que custa uma fortuna (no caso de Cuba, mais que uma fortuna: toda a liberdade de um povo) e tem retornos duvidosos (eufemismo).
  • Emerson Luis, um Psicologo  01/02/2014 11:43

    Os esquerdistas dão a entender que os EUA proibiram todas as nações de comercializar com Cuba. Porém, conforme explicado, o embargo é apenas para as empresas americanas. Ou seja, 75% da economia global é aberta para eles.

    É surpreendente a incompetência do governo cubano!

    Suponho que, se os EUA removessem o embargo, isso contribuiria para o fim da ditadura.

    A educação em Cuba é mais doutrinação do que desenvolvimento intelectual.

    * *
  • Rafael  21/09/2015 18:42
    Antigamente eu achava isso, que Cuba não podia comercializar com EUA e aliados.
  • Tales   01/02/2014 15:22
    Comparando com todos os outros países da América Central, Cuba pode ser chamada de Suécia do Caribe sim.. Parece que o livre mercado e o empreendedorismo não funcionaram muito bem nos países "livres" como el salvador, haiti, costa rica, etc., etc., etc.
  • Marcio  02/02/2014 10:08
    Livre mercado no Haiti?! Você deve ser piadista. Ou um completo ignorante. Aqui um artigo sobre o país:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=978

    De resto, já estive na Costa Rica, na Guatemala e em El Salvador. A Costa Rica é sim desenvolvida (para os padrões latino-americanos) e a qualidade de vida é alta. Já El Salvador e Guatemala, embora não no mesmo nivel da Costa Rica, possuem indicadores econômicos muito mais elevados que os cubanos. Suas cidades não se parecem com cenários pós-hecatombe nuclear, como Havana.

    "Suécia do Caribe"... É cada coitado que surge aqui.
  • anônimo  02/02/2014 16:35
    Isso sem falar nas ilhas Cayman e nas ilhas virgens britânicas, provavelmente os territórios mais livres do Caribe - e mais ricos. Não há nenhum imposto direto sobre o indivíduo nesses territórios.
  • Tales  03/02/2014 14:36
    Disse Suécia do Caribe no sentido em que a população tem acesso a saúde e a educação; mesmo o país sendo miserável tem a capacidade de exportar bons médicos e de produzir atletas de ponta, só pra citar exemplos... Pra mim isso é bastante relevante, e até onde eu sei isso não ocorre nas outras nações "livres" do caribe. Indicadores econômicos não mostram a desigualdade e a estrutura econômica totalmente dependente dos países.

    O Haiti é um caso mais à parte, porque tem o problema da superpopulação e do colapso ambiental, o histórico de espoliação francesa, a revolução dos escravos, Papa e Baby Doc, etc.

    Na minha opinião ainda há muitos fatores para explicar a realidade dos países do que simplificar dizendo que é só um ou outro fator (falta de empreendedorismo, ou de capital, por exemplo), mas a maior parte da miséria caribenha está ligada ao processo histórico de exploração pelos impérios britânico e americano, do mesmo modo que a riqueza dos últimos.

    Abraço.
  • Marcio  03/02/2014 14:47
    Saúde em Cuba? Ainda existem incautos tão ignorantes a esse ponto?

    A medicina cubana -- um modelo?
  • Tales  03/02/2014 22:51
    Só sei que quem exportou médicos para o Brasil foi Cuba, e não a Costa Rica ou o Haiti.
  • Marcio  04/02/2014 09:20
    Óbvio. Apenas cubanos têm de se rebaixar ao ponto de trabalhar gratuitamente, dando todo o seu salário para o governo. Caso contrário, paredón. Um costa-riquense, acostumado com riqueza, jamais se reduziria a isso. Aliás, nem mesmo um haitiano.
  • anônimo  04/02/2014 11:48
    'Só sei que quem exportou médicos para o Brasil foi Cuba, e não a Costa Rica ou o Haiti.'

    A medicina cubana é um lixo, esses 'médicos' não sabem de P nenhuma, morrem de medo de fazer o revalida, e é idiotamente óbvio que essa importação de médicos foi uma jogada política pro PT mandar dinheiro dos brasileiros otários pro amiguinho ditador de lá, a mesma coisa que eles querem com o tal do porto.
  • anonimo  04/02/2014 13:25
    E outra coisa, na Costa Rica ninguém é obrigado a vir para o Brasil, aliás a qualidade de vida nesse país é muito maior do que na maior parte do Brasil, então eu não imagino um médico da Costa Rica querendo vir para cá.

    No Panamá a maior parte dos médicos sabe falar duas línguas, muitos estudaram e trabalharam nos EUA e Inglaterra, vários hospitais são filiados a hospitais americanos e os americanos vão para esse país, pois o tratamento é considerado similar ao que existe de mais alto nível nos EUA, por uma preço menor.

    Isso sem contar que em vários outros países do Caribe possuem conhecidas faculdades de medicina e muitas vezes os médicos formados nesses lugares preferem ir para os EUa e Inglaterra, ou mesmo continuar em seu próprio país do que vir para o Brasil.

    E diga-se de passagem eles podem sair de seu próprio país sempre que assim desejarem, ao contrário de Cuba...

    Obrigado.
  • Gunnar  03/02/2014 18:49
    Exploração pelos impérios britânico e americano? Como se explica então que Cuba era uma das mais pujantes e promissoras economias da região (e do mundo) no auge da "exploração" americana? Aliás, os próprios EUA nao foram também uma colônia britânica? Parece que a "exploração" nao os impediu de se tornarem a maior economia do planeta. Pode explicar?
  • Tales  03/02/2014 22:49
    Pujante e promissora em que sentido? Não era uma sociedade baseada na exploração da terra pra produzir bens primários (cana, café, tabaco, etc.) para os impérios, como os demais países da America Latina? Onde os governantes eram decididos com o aval do império e qualquer forma de organização no sentido de mudar isso era esmagada pela CIA (já no século XX), como sempre ocorreu na América Latina e até hoje ocorre, os EUA estão por trás dos golpes e dos regimes ditatoriais.. Aprenderam com os britânicos, que, no fim do século XIX, com a ajuda das elites brasileira argentina e uruguaia esmagaram o Paraguai, que esse sim, mostrava uma economia pujante e promissora por mérito próprio. O resultado se vê até hoje.
    Assim é fácil ser a maior economia do planeta! Pilhando e explorando o resto do mundo...

    E no caso da colonização, tem uma diferença "sutil" entre o processo de colonização que ocorreu na América Latina inteira e o processo que ocorreu nos EUA, Canadá, Austrália e Nova Zelândia, por exemplo, que acredito ter bastante relação com o estado que as sociedades desses países se encontra hoje. Aquela história que agente ouvia no colégio de colônia de exploração e colônia de povoamento.. Enfim, claro que têm muitos outros fatores.. Recomendo a leitura de "As veias abertas da América Latina" do Eduardo Galeano e "Para Entender o Poder - O melhor de Noam Chomsky", de Peter R. Mitchell. É no mínimo interessante pra ver esses assuntos de uma outra perspectiva e enriquecer o debate.

    Abraço!
  • Gunnar  21/07/2014 22:34
    De novo essa ladainha de colonização? Sinto lhe dizer, mas seu professor de História mentiu para você. Essa e outras falácias são velhas conhecidas nossas, e já foram exaustivamente discutidas (e desmentidas):
    "A Pobreza é Fácil de ser Explicada" www.mises.org.br/Article.aspx?id=971

    Sobre Cuba pré-revolucionária: "Um Giro por Havana" www.mises.org.br/Article.aspx?id=1793
  • João  27/09/2014 12:17
    Tu só pode estar brincando, pra recomendar que leiamos o livro do Galeano. Tá falando sério?
    Até o próprio Galeano admitiu recentemente que não leria mais o seu livro, que o mesmo foi escrito em um contexto mundial totalmente diferente, e que ele era jovem demais e não tinha o mínimo conhecimento de economia política para escrever algo como aquilo!
    É melhor te informares sobre as obras referenciais que citaste!

    Aí vai a reportagem:

    agenciabrasil.ebc.com.br/cultura/noticia/2014-04/galeano-diz-que-realidade-mudou-e-que-nao-releria-seu-livro-mais-conhecido
  • Rafael Queiroz  12/02/2016 02:42
    Desisti de ler quando começou a falar que o Paraguai era um país promissor. Isso é coisa que se ensina no fundamental apenas, por professores não muito competentes. Pesquise, e verá a pobreza e o sub-desenvolvimento que o Paraguai já vivia antes mesmo do louco Solano Lopez resolver invadir o Brasil.
  • Ricardo  04/02/2014 09:45
    É verdade. Cuba era muito rica. Eis aqui um histórico de como a ilha enriqueceu?

    www.miseshispano.org/2014/01/%C2%BFcomo-se-enriquecio-la-isla-de-cuba/
  • ezekyel reyes  31/07/2014 14:39
    Quem te disse que Cuba é a Suécia do caribe? Teu professor de história que só sabe Marx e usar camisa de Che Guevara? Esse teu discurso é uma cópia idêntica dos discursos de professores de sociologia de alguma universidade federal e copiado por alunos comunistas que não fazem nada na vida e ainda desfrutam dos auxílios oferecidos aos "pobres estudantes". O governo cubano mente descaradamente sobre os dados em relação á saúde e educação e escravizam seus profissionais com o objetivo de repassar seus rendimentos para o bolso dos irmãos Castro.
  • Elias  01/02/2014 18:36
    Lula falou que apesar de o país ser pobre sente inveja da dignidade do povo cubano no Foro de SP, enalteceu a revolução e o regime. Lula é como uma espécie de Deus em nossa nação e sua palavra é a boa nova anunciada..um dia chegaremos a ter a dignidade do povo cubano.
  • Rennan Alves  01/02/2014 18:50
    Queria entender que tipo de embargo é esse em que Cuba não pode comercializar com os Estados Unidos, sendo que alguns dados mostram justamente o contrário.

    data.un.org/Data.aspx?d=ComTrade&f=_l1Code%3a1

    Li em algum lugar que entre os países que comercializam com Cuba, os Estados Unidos estão em 8º no ranking. Procurarei as fontes e postarei depois.
  • Socialista  03/02/2014 04:10
    É o capital que deixa o trabalho mais produtivo

    Como funciona o "capital" na produtividade dos chineses? Sabemos que a produção chinesa, em sua maioria, utiliza menos capital e mais mão de obra barata na produção do seus bens altamente competitivos. Alguém pode me explicar o porquê de o mesmo não ter acontecido em cuba, seguindo o raciocínio da produtividade estar relacionado com capital.
  • Capitalista  03/02/2014 10:58
    "Como funciona o "capital" na produtividade dos chineses?"

    Os chineses, assim como quase todos os países minimamente industrializados do mundo, utilizam bens de capital (tanto de fabricação própria quanto importados) em seus processos de produção. Algo que não ocorre em Cuba.

    "Sabemos que a produção chinesa, em sua maioria, utiliza menos capital e mais mão de obra barata na produção do seus bens altamente competitivos."

    Por isso seus bens são de qualidade bem mais inferior do que seus congêneres europeus, taiwaneses, cingapurianos e honconguêses.

    "Alguém pode me explicar o porquê de o mesmo não ter acontecido em cuba, seguindo o raciocínio da produtividade estar relacionado com capital."

    De novo: porque em Cuba quase não há bens de capital, pois o país não tem como adquiri-los.

    Artigo essencial:

    Sociedades pobres e sociedades ricas - o que faz a diferença
  • Socialista  04/02/2014 02:43
    Por isso seus bens são de qualidade bem mais inferior do que seus congêneres europeus, taiwaneses, cingapurianos e honconguêses.

    Produtos tipo iphones? Ou roupas? Ou aeronaves?

    Sobre os bens de capital, existem várias empresas que operam lá em Cuba há muito tempo, como a Souza Cruz(18 anos). Creio eu que ela tenha levado bens de capital para suas fábricas.
  • Capitalista  04/02/2014 09:19
    Ué, se você realmente acha que absolutamente todos os produtos chineses são de qualidade -- e não apenas alguns poucos fabricados em ilhas de excelência, normalmente parques industriais criados por multinacionais estrangeiras, com capital estrangeiro --, então tá tudo ótimo. Do que você está reclamando?

    Igualmente, se a Souza Cruz já levou para Cuba todos os bens de capital necessários para o país prosperar e praticar comércio com o resto do mundo (algo que o país é totalmente livre para fazer), então o fato de isso não ter acontecido só pode implicar que a população cubana é muito burra e despreparada para o trabalho, o que mostra que seu sistema educacional é de fato uma lástima.

    Obrigado por comprovar duplamente o meu ponto e sinto por você involuntariamente ter piorado a sua linha de defesa. Isso sempre acontece com despreparados.
  • Socialista  04/02/2014 11:01
    Igualmente, se a Souza Cruz já levou para Cuba todos os bens de capital necessários para o país prosperar e praticar comércio com o resto do mundo (algo que o país é totalmente livre para fazer), então o fato de isso não ter acontecido só pode implicar que a população cubana é muito burra e despreparada para o trabalho, o que mostra que seu sistema educacional é de fato uma lástima.

    O que? Meu ponto é que de microeconomia você não entende nada( nem a maioria dos liberais). Estou criticando a relevância que vocês dão aos bens de capital para a produção competitiva. A razão de uma GM produzir carros aqui é que a mão de obra é qualificada para a produção com bens de capital de alto valor e produtividade. Os salários dos metalúrgicos é ínfimo comparado aos outros insumos de produção. Enquanto a JAC motors na china usa poucas máquinas na produção de bens e muita mão de obra barata, e por ser barata a mão de obra é que eles optaram por esse tipo de produção. Compensa mais contratar 40000 chineses para produzir do que investir em capital. No momento em que os chineses exigirem salários mais altos, as empresas deverão investir em bens de capital ou rumar para outro pais onde a mão de obra barata compense esse tipo de produção.

    Se a população é muito burra e improdutiva, porque a Souza Cruz ainda opera lá? Isso faz sentido pra você?
  • Capitalista  04/02/2014 11:47
    "O que? Meu ponto é que de microeconomia você não entende nada( nem a maioria dos liberais)."

    Vejamos então quais serão seus preciosos ensinamentos.

    "Estou criticando a relevância que vocês dão aos bens de capital para a produção competitiva."

    Ou seja, você já começa deixando explícito que, no seu entendimento, o que gera uma produção competitiva -- isto é, uma grande oferta de produtos baratos e de alta qualidade -- não é o uso de bens de capital. O que seria então? Vejamos mais abaixo.

    "A razão de uma GM produzir carros aqui é que a mão de obra é qualificada para a produção com bens de capital de alto valor e produtividade."

    Aqui você já se contradisse. Você havia acabado de dizer que liberais dão aos bens de capital uma relevância imerecida, o que dá a entender que bens de capital são muito menos importantes do que parecem.

    No entanto, na sua frase acima, você contraditoriamente afirma que a GM utiliza bens de capital de alto valor e produtividade. Ou seja, a GM discorda de você. Em vez de dar apenas um martelo e uma régua de madeira para seus operários, ela utiliza robôs de alta precisão.

    No que mais, se a GM está atrás apenas de mão-de-obra qualificada, então ela não tem nada o que fazer na América Latina. O sudeste asiático e os indianos são comprovadamente melhores no que tange a uma mão-de-obra adestrada em questões tecnológicas.

    Duas contradições em uma única frase. Até agora, você ainda não falou coisa com coisa.

    "Os salários dos metalúrgicos é ínfimo comparado aos outros insumos de produção."

    Na Índia, na China e no sudeste asiático (Vietnã, Indonésia, Filipinas, Laos, Camboja) também. Os salários só são altos em Hong Kong, Cingapura e, vá lá, Taiwan (estou desconsiderando EUA, Europa e Oceania) Qual o ponto?

    "Enquanto a JAC motors na china usa poucas máquinas na produção de bens e muita mão de obra barata, e por ser barata a mão de obra é que eles optaram por esse tipo de produção. Compensa mais contratar 40000 chineses para produzir do que investir em capital."

    Se ela de fato usa poucas máquinas e muita mão-de-obra barata, então eu não preciso ser nenhum especialista em automóveis para dizer com a mais absoluta certeza que a qualidade de seus carros será muito pior do que os de BMW, Mercedes, Porsche, Rolls Royce, Honda, Toyota etc.

    Continue me ensinando microeconomia, por favor.

    "No momento em que os chineses exigirem salários mais altos, as empresas deverão investir em bens de capital ou rumar para outro pais onde a mão de obra barata compense esse tipo de produção."

    Descobriu a pólvora. Aliás, em termos de produção mecanizada e em massa, quem der mais ênfase à mão-de-obra e menos aos bens de capital irá apenas produzir produtos vagabundos. Caso contrário, estará fazendo milagres.

    "Se a população é muito burra e improdutiva, porque a Souza Cruz ainda opera lá? Isso faz sentido pra você?"

    É sério mesmo que você fez esse argumento? Você realmente acha que fabricar cigarros (nada mais do que enrolar um papel fino em volta de tabaco picado) exige o mesmo grau de automação do que fabricar carros?

    E você dizia que é você que domina as paradas de microeconomia? Acho que seu único talento está no humor involuntário..

    Aqui termina a lição. Dispensado.
  • Cauê  09/05/2014 16:24
    Não exatamente. Os melhores carros do mundo são produzidos com auxílio de máquinas (ferramentas) porém não "automatizados". Os tais carros artesanais.

    Isso é outro mito.
    Assim como, Educação = Inteligência ou "Produtividade".
    Vocês às vezes tiram o mérito pessoal. Do tal "empreendedor".

    Automatização não produz bens de qualidade em nenhum setor.
    Produz bens e pessoas padronizadas.
    Se estiver duvidando pergunte para o CEO da Toyota.
    Ou seja, se o projeto for ruim todos serão ruins, se for bom todos serão bons.
    Nunca excelentes. Podem querer argumentar que seja questão de utilidade.

    Já deixo a resposta: Quer trocar sua Ferrari pelo meu Corolla?

    Pense. Móveis, Aviões, Ferraris, Lamborghinis, Relógios, Instrumentos Musicais, Sistemas de Som, Vinhos, Queijos (qualquer comida), etc, etc. Quase tudo.

    Automatização é melhor que trabalhadores destreinados e mal pagos.
    Mais definitivamente não produz excelência.

    Os carros da JAC não são ruins por serem "menos automatizados".
    São ruins por seus funcionários serem/tentarem ser "produtivos".
    Como um empregado na Ferrari pode lhe atestar.

    Acho que talvez a única exceção seja em informática.
    Ainda assim, as máquinas são bastante imprecisas comparando à outros setores.(E os produtos não são tão confiáveis).

    Portanto, podemos concluir que a mão-de-obra manual tem mais qualidade que a robotizada. (Pelo menos por enquanto).

    Portanto discussão totalmente inoportuna.
  • JubaKR  04/02/2014 23:11
    Esqueceu-se de falar que os ditadores em cuba vivem nababescamente, como é comum entre os tiranos.
    Em documentário sobre Pablo Escobar, fica bem claro que Raul Castro era o responsável por receber a droga que chegava via aérea a Cuba e colocá-la em lanchas rápidas para difundir nos EUA.
    Eu sempre achei que o comunista, ou é um ideologista sem experiência, ou um bandido, repleto de malícia
  • Socialista  05/02/2014 11:09
    Pô capitalista, ao menos me diga que você estudou em ensino público e fez graduação em Letras( ou antropologia, ou Ciência sociais, ou qualquer faculdade que o estudo de economia é desnecessário) em uma universidade particular de 4º escalão? Não existe problema nenhuma em fazer essas faculdades e admitir que você não sabe nada de Produção.

    Em momento algum eu disse que bens de capital não eram importantes, mas que a produtividade de uma empresa não necessariamente depende disso.

    Eu não vou ficar repetindo tudo de novo pra você vir com essa retórica sofista lambedor das bolas do Marx. Mas fica a dica campeão: A BMW tem industria em Shanyang, no norte da china.
  • Capitalista  05/02/2014 11:24
    A primeira parte de sua postagem apenas mostra seu desespero ao ser retrucado. Enquanto eu me foco em argumentos e me concentro em destrinchar em detalhes cada linha de seu argumento, você recorre apenas a ataques pessoas. Algo bem típico das pessoas de sua ideologia.

    Logo, vou partir direto para a parte que interessa:

    "Em momento algum eu disse que bens de capital não eram importantes, mas que a produtividade de uma empresa não necessariamente depende disso."

    Pra começar, primeiro você disse: "Estou criticando a relevância que vocês dão aos bens de capital para a produção competitiva".

    Ou seja, você deixou explícito que bens de capital são coisas secundárias, quiçá terciárias.

    Depois disse que o que importava era mão-de-obra barata e qualificada. Faltou apenas explicar como uma mão-de-obra se tornar competitiva sem estar operando com bens de capital.

    Entenda uma coisa: embora o capital humano de fato seja essencial, ele não é absolutamente nada se não estiver munido de máquinas e equipamentos que permitam que todo o seu potencial frutifique.

    Coloque um gênio para arar terras na Índia com um ancinho e coloque um indiano médio para trabalhar em uma empresa americana munida dos mais sofisticados computadores e produtos tecnológicos. Qual dos dois será mais produtivo? Qual acabará sendo mais rico?

    "Eu não vou ficar repetindo tudo de novo pra você vir com essa retórica sofista lambedor das bolas do Marx."

    Você é o socialista, eu sou o capitalista e sou eu quem usa "retórica sofista lambedor das bolas do Marx"? Você já chegou àquele ponto em que é impossível me xingar sem cair em contradição. No mais, essa é a velha estratégia leninista: xingue-os do que você faz; acuse-os do que você é.

    "Mas fica a dica campeão: A BMW tem industria em Shanyang, no norte da china."

    E, pela sua lógica, ela não deve utilizar nenhuma máquina automatizada, mas sim apenas chineses muito inteligentes munidos de martelos, foices, enxadas, carrinhos de mão, réguas de madeira e máquinas de escrever.
  • Yoda  19/12/2014 22:44
    Capital humano e capital tecnológico são bens de capital. Ambos estão discutindo sobre a mesma coisa.

    Se uma Ferrari exige mais bens de capital humanos, e seu valor agregado é proporcional a sua qualidade - na medida que o segmento irá utilizar esse parâmetro para precificá-la, junto com outros parâmetros - essa qualidade exigirá altos investimentos de capital humano.

    Se um corolla é um carro de qualidade, mas padronizado e de custo bem mais inferior, ele exigirá mais capital de máquinas e menos capital humano.

    Se um Jx é um catro padronizado de qualidade inferior, é por que foi empregadomenos capital nele, seja humano, seja de máquinas

    Nos 3 casos, a qualidade é proporcional ao capital empregado.
  • José Ramos  05/02/2014 11:25
    Apontem-me um esquerdista inteligente, honesto e minimamente coerente, e eu viro castrista.
  • Andre Cavalcante  05/02/2014 11:59
    Opa!

    Inteligente todos são, ou você acha que eles fazem o que fazem sem saber o que estão fazendo?

    Honesto, sim senhor, com a sua própria ideologia, todos igualmente são. Eles mentem na maior honestidade aos seus princípios (aqui caberia apenas a discussão se tais princípios são bons ou maus, éticos ou não etc.)

    Minimamente coerente, não, eu diria MUITO coerente. Pra realizar o seu intento de poder eles, coerentemente, querem matar meio mundo, isto é, aqueles que não compartilham com suas ideias ou se submetem às suas ambições de poder e riquezas fáceis (na costa dos outros), nem que seja matar de fome!

    Por exemplo, Lula é um deles - inteligente, honesto com seus princípio e bem coerente com eles pra fazer o que faz (ou você acha que ele "não sabia de nada" sobre o mensalão?)
  • Juno  05/02/2014 12:36
    Esquerdistas inteligentes mesmo são poucos (lembrando que inteligência e moralidade não necessarimente andam juntas). A grande maioria deles é composta de idiotas úteis e ignorantes econômicos, como o presunçoso "Socialista" acima.
  • Tales  05/02/2014 13:33
    Taí um argumento inteligente e coerente!

    A lógica maniqueísta é a mesma quando dizem que direitistas são egoístas racistas elitistas estúpidos sem noção de história.

    Mas fica difícil não acreditar nisso quando vemos esse ódio visceral ao Lula e ouvimos "mimimi" do mensalão..
  • Moderador  05/02/2014 13:51
    "Ódio visceral ao Lula" é algo que nunca houve nos artigos deste site. Nem remotamente.

    Quanto a "mimimi do mensalão", o que significa isso? Embora este site não tenha artigos falando sobre mensalão, gostaríamos de saber o que significa esse tal "mimimi do mensalão". Por acaso você está dizendo que o mensalão foi algo inócuo, insignificante e indigno de grandes atenções?

    Ao agir assim, quem se comprova um grande maniqueísta é você. Você dá a entender que, quando a corrupção é feita por gente de sua ideologia, ela é válida e indigna de receber críticas.
  • Tales  05/02/2014 14:05
    Estou me referindo aos comentários que se vê com frequência pela internet, e que notei por aqui..

    Não conheço muito bem esse site, conheci por esse artigo que um colega postou, mas as outras poucas coisas que li aqui achei interessantes e consistentes.

    De maneira nenhuma acho o mensalão insignificante. Só acho que há muita coisa que as pessoas ignoram e é no mínimo ingenuidade ou má fé tratar dele como "o maior escândalo de corrupção da história da humanidade"... Se a pessoa vem argumentar alguma coisa falando do mensalão nessa linha, já perde bastante a credibilidade.

    E o deprimente é com isso se passar por petista..

    E de fato é difícil escapar do maniqueísmo. Principalmente em discussões na internet heheh.. Mas eu tento manter a mente aberta.
  • anonimo de cima  05/02/2014 14:28
    "Não conheço muito bem esse site"

    Então mãos à obra:

    Dez lições de economia austríaca para iniciantes
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=1397

    Como parei de inventar desculpas e finalmente libertei minha mente
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=1540

    Artigos por assunto
    www.mises.org.br/Subjects.aspx
  • JubaKR  05/02/2014 11:57
    O Comunismo/socialismo é tão bom, que via de regra você tem que sair de balsa ou largar todos seus bens e fugir como um cachorro de um país tomado por essas aberrações.

    Tanto que na Alemanha oriental, tiveram que fazer um muro e fuzilar quem tentasse ultrapassá-lo somente para impedir que seus felizes cidadãos viessem a cruzar a fronteira e conhecer as mazelas do capitalismo.

    Governos comunistas e socialistas, via de regra, são os governos mais corruptos, tiranos e incompetentes. Causam a miséria por sufocar quem produz.

    Um governo que tem a coragem de investir em Cuba e na Copa em detrimento do bem estar do povo Brasileiro, só pode ter parte com o cão.

    Se investisse seriamente nesse país, poderíamos ter algum serviço público prestado com qualidade.

    Poderiam começar demitindo todos os inúteis que filiados ao seu partido, possuem cargos comissionados pagos por trabalhadores produtivos, mas despendem seu tempo no serviço, que deveria ser direcionado à alguma função pública, para ficar tentando ofender internautas que se opõe à sua ideologia historicamente condenável (ou abominável)
  • TigerFox  23/02/2014 20:17
    O Comunismo/socialismo é tão bom, que via de regra você tem que sair de balsa ou largar todos seus bens e fugir como um cachorro de um país tomado por essas aberrações.

    Tanto que na Alemanha oriental, tiveram que fazer um muro e fuzilar quem tentasse ultrapassá-lo somente para impedir que seus felizes cidadãos viessem a cruzar a fronteira e conhecer as mazelas do capitalismo.

    Governos comunistas e socialistas, via de regra, são os governos mais corruptos, tiranos e incompetentes. Causam a miséria por sufocar quem produz.

    Um governo que tem a coragem de investir em Cuba e na Copa em detrimento do bem estar do povo Brasileiro, só pode ter parte com o cão.

    Se investisse seriamente nesse país, poderíamos ter algum serviço público prestado com qualidade.

    Poderiam começar demitindo todos os inúteis que filiados ao seu partido, possuem cargos comissionados pagos por trabalhadores produtivos, mas despendem seu tempo no serviço, que deveria ser direcionado à alguma função pública, para ficar tentando ofender internautas que se opõe à sua ideologia historicamente condenável (ou abominável)
  • willian   22/07/2014 00:39
    porque o Haiti é pobre, la não tem embargo comercial nem ditadura comunista, creio que os países do caribe tem essa tendência de ser pobre, a pobreza esta neles assim como o futebol esta para os brasileiros.
  • Eduardo  19/12/2014 16:25
    Estado intervencionista e desastres naturais ajudam.
    A América Latina é pobre porque jamais teve uma fase de livre mercado, por menor que seja, o Chile talvez seja uma exceção, mas se analisar os governos dos países latino-americanos, todos eles sempre foram grandes e intervencionistas.
  • Luiz Afonso  28/11/2014 12:27
    Quero só fazer uma ressalva. Os embargos econômicos foram feitos em represália a crise dos mísseis de Cuba. É imoral o embargo? Pode até ser. Infelizmente quem sofre mais é o povo, mas foi uma forma do governo dos EUA dar uma resposta ao povo americano de uma ameaça nuclear que os EUA sofreram. Se você brasileiro fosse ameaçado de morte você não iria retaliar?

    Por favor né sejamos menos hipócritas. Estes comunistinhas vivem gritando Anti Imperialismo, eles odeiam os EUA e odeiam os americanos porque tem inveja do sucesso deles. Inclusive quando o World Trade Center foi atacado teve petista aqui no Brasil comemorando. Eles apoiam terroristas e qualquer ataque contra o povo americano é comemorado por estes bastardos.

    O mínimo que um Presidente dos EUA iria fazer é você me odeia então porque eu sou obrigado a comercializar com você? E mais o povo americano exigiu uma retaliação, nada mais justo.

    Isto também é uma forma de enfraquecer o governo Cubano. Infelizmente quem sofre é o povo cubano, mas quem procurou a guerra? Não tem como separar povo de governo.

    Quem elege ou mantém um governo é o povo. Portanto ele, o povo, sofrerá as consequências de suas péssimas escolhas. É o que estamos sentindo na pele com o governo do PT.

    Da mesma forma os governo que abrigam terroristas no Oriente Médio. O que vocês preferem?

    Uma guerra a custo de vidas humanas para derrubar os tiranos locais ou embargos econômicos?

    E como bem frisado os embargos só proíbem a comercialização com os EUA.
  • Lopes  19/12/2014 13:49
    Uma pequena intervenção: apenas proíbe Cuba DE EXPORTAR aos EUA. Apesar disso, eles ainda configuram um dos 10 maiores parceiros comerciais cubanos.

    Sugiro consultar a OEC: atlas.media.mit.edu/profile/country/cub/

    Foi uma boa adição ao debate. Apenas queria deixar este fato que é desconhecido a muitos.
  • Cristina  19/12/2014 13:20
    Exelente texto!!!
  • Giovano  19/12/2014 13:43
    Acho que Cuba faz bem o que diz a cartilha comunista, onde a maioria da população é tratada de igual para igual, fala no texto que não existe apoio aos agricultores, mas o que tenho dúvida é que se o apoio não é diferente do que estamos acostumados em nosso país, onde o governo entra com todo o capital, da apoio no melhoramento genético das sementes, financia os estudo de nossos agrônomos, e no final nem mesmo o custo desses financiamentos consegue de volta, pois muitos dos grandes agricultores acabam comprando veículos importados para o filho, sogra, amante, esposa, com o dinheiro que deveria investir, na produção(construção de barragens, compra de pivos, e equipamento agrícolas de ultima geração, etc). Enquanto isso um deputado, senador, eleito com o financiamento do produtor(dinheiro público), consegue anistia de suas dividas junto a bancos públicos e privados. Pois é como saber se o Comunismo não é um boa se os países comunistas sempre foram discriminados?
  • Improtta  19/12/2014 14:10
    Você confundiu vários conceitos.

    O texto não diz que falta apoio do governo aos agricultores, mas sim que o governo praticamente proíbe a importação de insumos, máquinas e equipamentos. Não ajudar é completamente diferente da atrapalhar.

    De resto, não entendi muito bem suas colocações. Você mistura no mesmo raciocínio crédito direcionado (amplamente abordado neste artigo), dinheiro pra amante e discriminação de países comunistas. Um salseiro só.
  • Felipe  19/12/2014 15:31
    "como saber se o Comunismo não é um boa se os países comunistas sempre foram discriminados?"

    E você ainda pergunta por que alguém discrimina esse sistema?

    Todo sistema comunista é opressivo por natureza, necessita tomar toda a propriedade por meio da força, um burocrata é necessária para decidir sobre todas as ações de cada individuo, e ao mesmo tempo precisa usar a força para obrigar aqueles que questionam.

    E é isso que você defende?

    Fora que condena todos á pobreza, pois acaba com a inovação e a aloca de maneira ineficaz os recursos escassos.
  • Ane  19/12/2014 13:50
    Excelente. Bom artigo para despertar interesse para o liberalismo. Parabéns.
  • Alfredo  19/12/2014 14:33
    Matéria perfeita. Parabéns.
  • Jean Carlos  19/12/2014 14:55
    Acompanho o site do Mises a alguns meses, encontrei o site pesquisando sobre crises e achei artigo da crise 1921, a partir deste artigo meu pensamento mudou drasticamente, sabia que o Estado era um problema, mas não que a solução era sua extinção. O trabalho de vocês e excelente em todos os sentidos.

    Mas tenho uma dúvida referente a Cuba e seu novo porto. Vejo muitos comentários agora com a liberação do embargo dos EUA que o Porto de Mariel, foi uma boa iniciativa e tudo mais, que vai incentivar o Brasil e etc.

    Mas será tudo isso mesmo para o Brasil? Acredito que o único beneficiados deste Porto serão a construtura do mesmo e o Governo Cubano. Ou estou enganado?

    Obrigado pelo trabalho de vocês em abrir meus olhos para o tema da Liberdade, da livre iniciativa e do direito da propriedade.
  • Leandro  19/12/2014 15:11
    E como exatamente isso ocorreria?

    O porto foi construído por uma empreiteira brasileira com dinheiro do BNDES (ou seja, tudo pago por nós via inflação monetária), e atualmente é operado por uma empresa de Cingapura.

    Se alguém souber me explicar como é que nós brasileiros ganhamos com essa operação pela qual pagamos muito caro, agradecerei.
  • Jean Carlos  19/12/2014 15:38
    Exatamente!

    Eu também não sei, vou começar a questionar essas pessoas para verificar as respostas.

    Grato!
  • hebert  19/12/2014 15:22
    Como agora um apreciador de charuto, não poderia deixar de visitar e conhecer a Tal Cuba, e lá fui...

    Foram 5 dias e noites na capital havana e depois 2 dias descansando em Varadeiro, passando até pela cidade do Chê ( matanzas ). bom .. vamos lá..

    Um país miserável, pobres e mendigos se arrastando pelas vielas antigas do centro, caçando por turistas até na frente da Bodeguita Del médio, melhor Mojito do mundo....

    Você gasta como se estivesse em Páris, a moeda local para turistas é o CUC, 1EURO=1,2CUC, aproximadamente, sendo assim Caro..um simples agua é 3 CUC, que por sinal só deve se beber as minerais de garrafas, pois se beber de outra fonte, é hospital na certa, que não é bom e farmácias não existem, levei tudo daqui, até um simples aspirina.

    Internet no país é assim 1 hora de uso nos hoteis ( só tem neles )=14CUC... caró né, e lento.. muito lento.

    Os melhores bares, restaurantes, estão em prédios estilo americanos de 1950, lindos, e com muitas fotos antigas da época.

    Tudo é " proprina " ou gorjeta, tudo. realmente tudo, se o cubano olhar para você e sorrir, vai pedir propina.

    Fui nas vielas mais pobres e bairros mais ricos, andei a noite pelo centro sem ser roubado ou importunado por ninguém, a não ser os mendigos..

    Bom vi tanta coisa, que a única pergunta que não consegui responder é.

    Como um povo tão sofrido, tão esquecido, é tão feliz. ? poderia ser uma alegria falsa para passar uma boa impressão para os turistas, mas á de se duvidar.

  • D'Souza  19/12/2014 15:47
    Isso foi abordado neste artigo:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=1793
  • Leonardo Faccioni  19/12/2014 16:30
    Mais um indício para a longa lista histórica a demonstrar que, mantida na miséria, mesmo a população mais oprimida não encontra forças para se rebelar (isso é, na formulação mais difundida, "pobre não faz revolução"). Não fosse o exemplo chinês, poderíamos até encontrar esperanças de que eventual abertura de mercados na ilha, mesmo que tímida, fomentasse uma classe média que, um dia, viesse a demandar pelo fim do regime tirânico. O mais provável, todavia, é que sigam a enriquecer os dirigentes partidários, enquanto a população tome o lugar de charutos e médicos-de-baixo-padrão entre os commodities negociados pel'O Partido.
  • Stefan Carrão Pinto  19/12/2014 18:52
    Leandro
    Na maioria das vezes em tento transferir os textos do site para o meu Kindle (Kindle it) somente a parte dos comentários é transferida, o que aconteceu também com este do Diogo.
  • Dom Comerciante  19/12/2014 23:05
    Fico feliz pelo povo cubano que agora possam ter aparentemente um pouco mais de acesso ao mercado, isso ao menos pode trazer algum alívio para eles frente aos ditames do castrismo.
  • Vinicius  19/12/2014 23:41
    Será um alívio semelhante ao que Nixon e Deng deu aos chineses.
  • Amarílio Adolfo da Silva de Souza  20/12/2014 09:54
    Cuba e o outro fóssil "comunista", Coréia do Norte, precisam entender que escolheram o caminho errado do desenvolvimento econômico e social. Sem Liberdade de Empresa não existe Mercado e sem Mercado não existe Desenvolvimento. Sem Desenvolvimento não existem preços baixos e infinidade de produtos e serviços competitivos. Sem isso, não existe o mínimo para se falar em "país desenvolvido". O ser humano não se deve pôr limites. O único limite é a Lei Natural, isto é, a limitação natural dos recursos e o seu necessário aproveitamento racional. Enquanto não for descoberto um modo de quebrar esse limite natural, que se dará pelo Capitalismo, o ser humano estará incompleto. Isso não quer dizer que há um limite. O conhecimento humano cresce a cada segundo e deve ser incentivado e não bloqueado, como ocorreu na maldita coerção "comunista".
  • ricardson  20/12/2014 14:14
    Leandro,

    Você compartilha da opinião de que, com a abertura das relações diplomáticas e comerciais com os EUA, em poucos anos, Cuba poderá se transformar em uma potência econômica e militar?
  • Leandro  20/12/2014 15:59
    Compartilho. Compartilho, sim. Acredito inclusive que vai ultrapassar os EUA.

    Assim como o Paraguai.


    P.S.: como poderia uma economia comunista gerar riquezas para se tornar uma potência nuclear? Queria entender essa mágica. A própria Rússia nunca conseguiu. Os "mísseis" que o exército russo desfilava em suas marchas nas ruas eram fakes. Já os "mísseis" da Coreia do Norte não voam mais do que 10km sem se espatifar na água do mar.
  • Dam Herzog  20/12/2014 23:46
    Compartilho da teoria que só a poupança gera riqueza e que a economia é a ciencia que estuda as trocas entre os individuos.
  • pedro  21/12/2014 02:50
    Toda vez que se fala no embargo comercial dos USA a Cuba, vem sempre um chorinho perorativo, por mais que o chororô venha de alguém contrário ao regime. Sempre me surpreendo como o real motivo do embargo é ignorado. O embargo decorre do fato da não indenização às empresas americanas pelos bens que lhes foram confiscados pelo regime castrista. A última vez que vi o valor atualizado - e lá se vão entre 5 a 10 anos - o montante era superior a 80 bilhões de dólares. É que os Estados Unidos são um país valoroso, defende os legítimos interesses de seus nacionais. Não faz como o Brasil que, frente à tomada da refinaria da Petrobrás pela Bolívia, meteu o cabo entre as pernas e, sem nenhum brio como nação, continuous a condeder créditos subsidiados ao país espoliador. A conta dos Americanos está espetada no Departamento de Estado. Um dia Cuba haverá de se confronter com ela.
  • pedro  21/12/2014 03:14
    Meu caro Leandro, fica, aqui, a minha sugestão: o Instituto deveria fazer uma pesquisa e publicar sobre a quantas anda a conta atualizada do valor dos bens das empresas americans confiscados pelo castrismo. E mais: esclarecer, de uma vez por todas, se foi esse impasse o motive principal da imposição do embargo. Se é realmente isso, acabemos com essa choradeira contra o embargo. Os americanos têm o direito de defender os interesses de seus nacionais no exterior, e pronto.
  • ANDRE LUIS  21/12/2014 10:36
    O Brasil vai lançar um foguete,
    Cuba também vai lançar
    Quero ver se "Cuba lança"
    Quero ver "Cuba lançar".
    Balança o peitinho e o bumbum também
    Põe a mão na cabecinha num gostoso vai e vem
    Balança o piu-piu, balança o pica-pau,
    Balança o Xaropinho que é um cara bem legal
    O Brasil vai lançar um foguete,
    Cuba também vai lançar
    Quero ver se "Cuba lança"
    Quero ver "Cuba lançar".
    Vai, vem, vai, vai, vem princesa
    Vai, vem, vai, vai, vem
    O Brasil vai lançar um foguete,
    Cuba também vai lançar
    Quero ver se "Cuba lança"
    Quero ver "Cuba lançar".
    https://www.youtube.com/watch?v=qSvhe8JSXys
  • Thiago Diniz  21/12/2014 15:06
    Ola pessoal e Diogo, belo artigo, como sempre Mises arrebentando!

    Sou novo na area e, posso dizer assim, leigo na economia(porém aprendendo bastante, sempre lendo livros e agora o site do Mises).

    Desculpem pelos erros de acentuação, o teclado não é brasileiro.

    Por ironia do destino no momento me encontro na Austria, berço do pensamento. Aqui estou com minha nammorada austriaca e tentando aprender mais sobre o pais e economia em geral.

    Tenho 3 perguntas basicas:

    1) Invejo a Austria, qualidade de vida formidavel, riqueza sempre presente. Aqui os impostos são gigantescos e proporcional ao quanto se ganha, o assistencialismo ainda é bem presente! Educação gratuita até o ensino superior(quando se começa a ganhar 200 Euros por mês por ajuda de custo do governo), desempregado também ganha ajuda de custo. Morador de rua aqui quase não se vê pois o governo tenta eliminar esse problema dando condições basicas de vida. Sou a favor do estado minimo, porém, nesse caso, o Estado aqui é bem eficiente e o pais vai muito bem obrigado, gostaria de ver um dia o nosso Brasil com uma otima qualidade de vida, mas sabe la quando! Então, o Estado aqui funciona, seria ele realmente dispensavel?

    2) O que fazer com serviços basicos como: agua, energia, saude, educação e segurança? Tira-los do governo é realmente a solução? Porque?


    Agradeço a quem puder argumentar e esclarecer.
  • Lauro   21/12/2014 20:16
    Ué, por que você não fala da carga tributária sobre empresas, bem menor que a brasileira (alíquota máxima de 25% na Áustria contra 34% no Brasil)? Por que não fala da sales tax deles, que é menor que o nosso ICMS? Por que não fala da facilidade de se empreender -- ease of doping business -- na Áustria, muito melhor que no Brasil?

    Num ambiente assim, é muito mais fácil criar riqueza, e consequentemente muito mais fácil distribuir riqueza.

    Façamos o seguinte: apresente um plano para fazer com que o governo brasileiro seja igual ao austríaco. Dado que a carga tributária brasileira já é igual à da Alemanha (dados de 2013), a solução obviamente não passa por aumento de impostos,

    Faça isso -- e lembre-se que tudo começa com uma moeda forte; sem moeda forte, não há como a população que você de assistencialismo comprar nada -- e aí conversamos.

    Mostre como podemos deixar os brasileiros tão produtivos e inteligentes quanto os austríacos -- sem isso, o desenvolvimento é impossível.

    Mostre como o governo Dilma pode ser o motor disso tudo.

    Aliás, faça isso e dou de bandeja pra você a questão sobre água, energia, saude, educação e segurança. Pode manter o governo nessa área.
  • Thiago Diniz  21/12/2014 15:17
    Outra duvida é:

    1) Num pais como Brasil, tudo errado e desigual, o assistencialismo e presença do estado não é ainda essencial para equilibrar a balança?

    ps: nao sou a favor de socialismo ou governança, so quero ser contra argumentado, pois em paises desenvolvidos o governo é bastante presente na resolução de problemas.

    Att,
  • Leandro  21/12/2014 20:00
    O problema é que você quer dar mais poderes exatamente a quem causou todos os problemas.. Mostrar que os pobres são os que mais sofrem com o estado demanda apenas um pouco de lógica.

    Quem é que, ao estimular o setor bancário a expandir o crédito -- e, com isso, fazer com que a inflação de preços se mantenha continuamente alta --, aniquila o poder de compra dos mais pobres?

    Quem é que, ao estimular a expansão do crédito imobiliário via bancos estatais, encarece artificialmente os preços das moradias e joga os pobres para os barracões?

    Quem é que, ao desvalorizar a moeda e a taxa de câmbio, impede os pobres de utilizarem seu já escasso poder de compra para adquirir produtos importados?

    Quem é que, além de desvalorizar a moeda, a taxa de câmbio e gerar inflação de preços, ainda impõe tarifas protecionistas para proteger o grande baronato industrial -- e, com isso, impede duplamente que os mais pobres possam adquirir produtos baratos do exterior?

    Quem é que tributa absolutamente tudo o que é vendido na economia, e com isso abocanha grande parte da renda dos pobres?

    Quem é que, por meio de agências reguladoras, carteliza o mercado interno, protege grandes empresários contra a concorrência externa e, com isso, impede que haja preços baixos e produtos de qualidade no mercado, prejudicando principalmente os mais pobres?

    Quem é que cria encargos sociais e trabalhistas que encarecem artificialmente e mão-de-obra e, com isso, impede que os salários sejam maiores?

    Quem é que, por meio destes encargos sociais e trabalhistas, empurra os pobres para a informalidade, e dali para a cadeia?


    Após responder às perguntas acima (dica: a resposta é a mesma para todas elas), pergunte aos "adoradores dos pobres" por que a solução que eles advogam é dar ainda mais poderes legiferantes à entidade que criou essa calamidade.

    Abraços!
  • Carlo Germani  21/12/2014 21:59
    Thiago Diniz,

    O que você indiretamente defende,com a presença (destruidora) do governo é a inviável teoria de Keynes.

    O exemplo maior,está na zona do Euro,onde todos os países com bandeira socialista ou social-democrata estão falidos.Todos executores das teorias insanas de Keynes.

    Não é possível metade da população que trabalha,produz e paga impostos,sistentar a outra metade que parasita no governo (leia-se através da própria sociedade).

    E o pior é o endividamento público crescente.A Oligarquia Financeira Mundial agradece
    a escala das dívidas interna/externa e o pagamento de juros absurdos,uma vez que,90%
    dos empréstimos são dinheiro a partir do nada.

    PS:Quanto mais Estado,mais inviabilidade econômica-financeira-monetária.
    Estado gigantesco,centralizador,distribuidor de benefícios sociais insustentáveis sem
    a economia geradora (privada) é a certeza do fracasso total.
  • esfera g  21/12/2014 19:29
    Cuba é pobre mas o Fidel castro usa agasalho Adidas de seda pura que custa oito mil reais.
  • Carlo Germani  21/12/2014 20:28
    Obama foi planejado,produzido e "eleito" presidente dos EUA pela Oligarquia Financeira
    Mundial ("os senhores donos do mundo").

    Obama,como fantoche-farsante está a serviço da insana e satânica Nova (Des)Ordem Mundial (governo único ditatorial e totalitário mundial).

    Obama ao se aliar aos psicopatas assassinos,Fidel e Raúl,dará um verdadeiro "Cavalo de Troia" à América Latina.

    Dólares é o que interessa para Fidel e Raúl para continuarem a praticar sua insana ideologia marxista.Atualmente quem está bancando é o Brasil através do desgoverno petista-comunista (vide porto de Mariel,com US$ 800 milhões do BNDES).

    Cuba,só tem uma alternativa:a morte de Fidel e Raúl e a extinção do partido comunista cubano.Um choque de conservadorismo e liberalismo econômico são os complementos.
    A partir daí o resgate à vida para a população cubana,será uma consequência lógica.

  • Dam Herzog  21/12/2014 21:49
    Motivo do embargo: O embargo decorre do fato da não indenização às empresas americanas pelos bens que lhes foram confiscados pelo regime castrista. A última vez que vi o valor atualizado - e lá se vão entre 5 a 10 anos - o montante era superior a 80 bilhões de dólares. É que os Estados Unidos são um país valoroso, defende os legítimos interesses de seus nacionais. Não faz como o Brasil que, frente à tomada da refinaria da Petrobrás pela Bolívia, meteu o cabo entre as pernas e, sem nenhum brio como nação, continuou a condeder créditos subsidiados ao país espoliador. A conta dos Americanos está espetada no Departamento de Estado. Um dia Cuba haverá de se confronter com ela. Pegando um gancho do Pedro acima. O pais devida a Russia 31 bilhões. Só a sistema de espionagem é que agora ficou mais fácil para os sovieticos espionarem os Estados Unidas.
  • Thiago Diniz  21/12/2014 21:57
    Lauro e Leandro obrigado pelos argumentos. São bem complexos, mas diferentemente de esperar a resposta vou buscar mais informações sobre as o que foi escrito por vocês. Muito bom o pensamento!


    Dia desses li o livro sobre "23 coisas que não nos contaram sobre o capitalismo" do (aparentemente) keynesiano Ha-Joo Chang, amaria ver os 23 argumentos deles sendo contrariados pela galera do Mises! hehe
  • Mauro  21/12/2014 22:15
    Já foi feito. Veja a resposta do dada pelo Leandro ao Bruno na seção de comentários deste artigo: www.mises.org.br/Article.aspx?id=1921
  • Thiago Diniz  22/12/2014 18:11
    Obrigado Mauro!!
  • Thiago Diniz  21/12/2014 22:10
    Lauro:

    Você quer dizer então que tudo parte da moeda? Tais governos so fazem o que fazem e gerem bem como gerem nas nações desenvolvidas devido à suas moedas?

    Att,


    Leandro: Minha resposta para sua pergunta é: Governo BRASILEIRO(não enxergo tanta brutalidade contra a sociedade e o empreendedorismo em outros governos de nações desenvolvidas). Nesse caso,somando ao que Lauro falou da moeda e outros aspectos(diversos acreditos), pode-se dizer que para o BRASIL a solução seria realmente o empreendedorismo e nada de assistencialismo vide Austria, certo?

    Att,

    Espero que tenham entendido.

    Abraços
  • Lauro  21/12/2014 22:22
    Falei sobre a carga tributária que incide sobre as empresas, falei sobre os impostos sobre o consumo, falei sobre a facilidade de se empreender, falei sobre produtividade, e falei sobre o preparo.

    E ainda me esqueci de falar sobre as baixas tarifas de importação do país, sobre a robustez das instituições, sobre a eficiência do judiciário e sobre o respeito aos contratos e à propriedade privada.

    Aí o Thiago vem e diz que, segundo eu, tudo se resume à moeda.

    Ou seja, o diálogo está, logo de início, inviabilizado.
  • Thiago Diniz  22/12/2014 18:09
    Obrigado pelas informações meu caro!

    Att,
  • Eduardo  21/12/2014 23:42
    Excelente a sua reportagem!!! Vou compartilhar no meu face. Você poderia ter citado Adam Smith em seu artigo!
  • anônimo  22/12/2014 15:07
    O Embargo deveria continuar... Ele não é causador da tragédia cubana... Por outra lado, Cuba foi super privilegiada com investimentos maciços da União Soviètica... 10 bi por ano e não aconteceu nada!!!.. A União Soviética, comprava o açúcar deles por preços acima do mercado para ajudá-los e enviava petróleo baratíssimo... Cuba só foi privilegiada... Uma merda de Regime... Outra coisa, antes da revolução cubana, eles já tinham 70% da população alfabetizada, só Argentina e Uruguai tinham mais... Então concluímos que nem na Educação tiveram tanto sucesso... O povo está na miséria por causa deste Regime ditatorial!!!!!!!!!!
  • Ian Lacerda  22/12/2014 17:37
    internacional.estadao.com.br/noticias/geral,cubanos-temem-que-abertura-na-economia-aumente-criminalidade-imp-,1610782

    se por um lado o embargo genocída americano é um dos responsáveis pela pobreza cubana, por outro lado temos que ter cautela em liberar o livre comércio que inevitavelmente como qualquer abertura economica irá trazer várias mazelas, como o aumento da criminalidade. Aliás, ta ai uma coisa pros ''intelectuais'' desse site responderem, do por que da criminidalide em cuba ser praticamente inexistente
  • Carlos Lacerda  22/12/2014 18:11
    Só o desespero das viuvinhas de Che já vale por tudo.

    Livre comércio traz criminalidade? Hum, vai ver que é por isso que há um banho de sangue mas ruas da Suíça, de Cingapura, de Hong Kong, da Nova Zelândia, do Canadá, dos EUA etc.

    Aliás, mais ainda: se um país fechado é a solução para a criminalidade, então o Brasil -- cuja economia é a mais fechada do mundo -- certamente deve ser um oásis da tranqüilidade, né? Ooops...

    Sobre Cuba, por que lá haveria criminalidade? Vão roubar o quê? De quem?

    A única coisa que poderia ser roubada em um regime cujas universitárias são prostitutas é a carteira dos turistas. Mas isso certamente condenaria o meliante ao paredón, pois o regime precisa tão desesperadamente do dinheiro dos turistas, que é bem possível que os próprios irmãos Castro se encarregassem da execução por conta própria. Seu sonho molhado, né?

    Ficou pra próxima.

    P.S.: ah, sim. Pesquise como era a Iugoslávia de Tito. A criminalidade era zero. Como? O governo fez um acordo com as máfias e quadrilhas do país. "Querem roubar? Façam isso na Europa Ocidental. Prometo até deixar a riqueza de vocês em paz. Mas aqui, não atormentem os turistas. Precisamos do dinheiro deles."
  • Felipe  22/12/2014 18:20
    "ta ai uma coisa pros ''intelectuais'' desse site responderem, do por que da criminidalide em cuba ser praticamente inexistente"

    Por que onde não há riqueza não há o que se roubar.
  • Magno  22/12/2014 18:15
    Ué!

    O Ian diz que o embargo é genocida, mas logo em seguida diz que o fim do embargo vai aumentar os assassinatos!

    Ou seja, para o Ian, o embargo é genocida mas preserva vidas; já o fim do embargo seria anti-genocídio mas aumentaria os assassinatos!

    Sério mesmo: como é que alguém de esquerda consegue se levantar após cair de quatro? E essas antas aí votam, viu?
  • Jarzembowski  22/12/2014 19:01
    Quando você diz "criminalidade praticamente inexistente", certamente você não está considerando como crime o genocídio castrista, não é?
    Quando um Estado totalitário extermina 100 mil pessoas e controla todos os aspectos das relações humanas, reduzindo os cidadãos à condição de abelhas numa colmeia, é perfeitamente compreensível que as taxas de violência civil sejam baixas.

    Documented Cases:

    Firing squad executions
    4,074

    Extrajudicial killings not in prison
    1,334

    Missing and disappeared
    219

    Other, including deaths in prison(1)
    2,215


    7,842

    Estimate

    "Balseros" (estimate to 2003) (2)
    77,833

    Total
    85,675

    Fontes: www.CubaArchive.org
    www.genocidewatch.org/images/Cuba_08_02_19_Victims_of_the_Cuban_Revolution.doc


  • Pedro Rosa  23/12/2014 10:45
    Na União Soviética havia carros nas garagens e máquinas de lavar sim, Foi um comentário bem exagerado diga-se de passagem
  • Paulo Azul  23/12/2014 12:08
    Havia sim, de fato. Só que em posse do alto escalão da burocracia estatal. Para o cidadão comum, tais coisas eram artigos de luxo.

    Ou você vai dizer que um cidadão soviético comum tinha a mesma facilidade de acesso a esses bens que tinha um cidadão americano ou um europeu ocidental?
  • Pedro Rosa  23/12/2014 12:24
    Sobre carros até pode-se concordar. Um cidadão soviético tinha que guardar dinheiro por bastante tempo e ter um salário bom para comprar um carro Lada que era bem ruim, mas máquinas de lavar qualquer pessoa morando numa cidade já as tinha.

    filearchive.cnews.ru/img/zoom/2009/10/22/16_e0eb0.jpg

    Uma máquina de lavar nos anos 70.
  • Paulo Azul  23/12/2014 13:20
    Como assim?! Desde quando apenas colar a foto de uma máquina de lavar fuleira é a comprovação de que "qualquer pessoa morando numa cidade [da URSS] já as tinha"?

    Isso não é argumentação, meu filho.
  • Pedro Rosa  23/12/2014 18:25
    Não é, realmente. Apenas mostrando que tipo de máquina de lavar o cidadão comum da URSS poderia adquirir. Minha fonte é primária, um russo. Parto do pressuposto de que ele não está mentindo. Pelo que ele me falou é o que a mãe dele usava no início dos anos 70. O preço variava em torno de 50-60 rublos, enquanto o salário das pessoas era em torno de 100-250 rublos. Mas, assim como fazem no Brasil atualmente, podiam comprar em várias parcelas. Além disso, podiam pegar empréstimos bancários com juros ridículos.
  • Guilherme  23/12/2014 20:27
    A fila de espera para um carro era de 15 anos. Para uma máquina de lavar, 10 anos. Se ser russo tinha uma, então a mãe dele ficou uma boa década na fila de espera.
  • Giovanni Sponhardi  23/12/2014 12:10
    Esse Castros são um lixo, vampiros de seu próprio povo, lixo do século.
    Ótimo artigo.
    Tem uma matéria do Leandro Narloch na VEJA que diz que os Castros queriam o embargo, "se separar do mundo capitalista maligno"
  • Eduardo R., Rio  17/02/2015 16:49
    "Cuba e o desencanto do poeta", por Clóvis Rossi.
  • Amarilio Adolfo da Silva de Souza  01/04/2015 22:01
    Escutem meus filhos: quando se escolhe um caminho que se sabia ser errado e se cai, como aconteceu com Cuba e outros países comunistas, deve - se pagar pelo erro. Infelizmente, acredito que não há recuperação para quem caiu tão fundo, mesmo que os governos desses países fossem extintos hoje mesmo e que fosse adotado um Capitalismo sem restrições. Seriam necessários muitos séculos de liberdade para que esses países esquecessem o passado de opressão comunista.
  • Daniel  06/04/2015 19:30
    "Antes o problema era a presença das relações economicas com os EUA(...)"

    Não. O problema era como funcionava as relações economicas com os EUA.
  • anônimo  27/07/2015 15:00
    Num recente debate, um esquerdista teria assumido que cuba é pobre, mas disse que lá, de uma forma ou de outra, ninguém passa fome e tem teto.

    Bom, mas até ai os escravos negros também não passavam fome e tinham teto...

    Será que a esquerda não percebe que fome não é motivo para escravizar um povo, além do mais não me recordo de ouvir sobre alguém que morreu de fome aqui no Brasil.


  • Bernardo  27/07/2015 15:10
    Mas nem isso é verdade:

    A precária situação alimentar cubana
  • PITA BRAGA CÔRTES  09/02/2016 23:02
    O EMBARGO Americano sobre Cuba não é OBSCENO coisa nenhuma.
    Ou esqueceram do TRAIDOR da AMÉRICA Fidel,
    APONTANTO MÍSSEIS RUSSOS para Nova Yorque ???
    Enquanto esse SALVADOR ENTERRADOR de CUBA existir no Comando,
    os EEUU não tem obrigação nenhuma de Perdoá-lo.
    Viva o Povo Cubano ! Extinção dos Castros no Poder.
    CUBA um dia será Democrática e Respeitada e amada por todos.
    FORA FIDEL


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.