Afinal, quem são os racistas?

Alguns anos atrás, uma pessoa disse que, de acordo com as leis da aerodinâmica, um abelhão não pode voar.  Mas os abelhões, alheios às leis da aerodinâmica, vão em frente, contrariam os dizeres dos especialistas, e voam assim mesmo.

Algo semelhante ocorre entre as pessoas.  Enormes e tediosos estudos acadêmicos, bem como melancólicos e sombrios editoriais de determinados jornais, são produzidos às pencas lamentando o fato de que a maioria das pessoas pobres e negras não consegue ascender socialmente, e que isso seria uma fragorosa demonstração de discriminação. 

O curioso é que, em vários países ao redor do mundo, inclusive naqueles países chamados de terceiro mundo, vários imigrantes extremamente pobres, principalmente oriundos da Ásia, não apenas conseguem prosperar mesmo sendo de uma cultura totalmente distinta, como também conseguem enriquecer sem jamais recorrer a favores especiais e a políticas de ação afirmativa.

Normalmente, estes imigrantes asiáticos chegam a um novo país praticamente sem nenhum dinheiro, sem nenhum conhecimento do novo idioma e sem nenhuma afinidade cultural.  Eles frequentemente começam trabalhando em empregos de baixa remuneração.  Mas trabalham muito.  A norma é trabalharem em mais de um emprego.  Trabalham tanto que conseguem poupar e, após alguns anos, utilizam esta poupança para empreender. 

Muitos abrem um pequeno comércio, no qual continuam trabalhando longas horas e ainda continuam poupando, de modo que se tornam capazes de mandar seus filhos para a escola e para a faculdade.  Seus filhos, por sua vez, sabem que seus pais não apenas esperam, como também exigem, que eles sejam igualmente disciplinados, bons alunos e trabalhadores.

Vários intelectuais já tentaram explicar por que os imigrantes asiáticos são tão bem-sucedidos tanto em termos educacionais quanto em termos econômicos.  Frequentemente chega-se à conclusão de que eles possuem algumas características especiais.

Isso pode ser verdade, mas seu sucesso também pode ser atribuído a algo que eles não têm: "líderes" e autoproclamados porta-vozes lhes dizendo diariamente que são incapazes de prosperar por conta própria, que o sistema está contra eles, que eles não têm chance de ascender socialmente caso não sigam os slogans repetidos mecanicamente por estes líderes e sociólogos, e que por isso devem se juntar sob o rótulo de "vítimas do sistema" e exigir políticas especiais e tratamento diferenciado.

Vá a qualquer país, seja ele rico ou em desenvolvimento, e pesquise sobre a existência de "líderes" e de grupos de interesse voltados para a promoção de políticas de ação afirmativa para os asiáticos.  Você não encontrará.  Você não encontrará sociólogos dizendo que os imigrantes asiáticos, por serem minoria e por estarem culturalmente deslocados, estão em desvantagem e que por isso o governo deve criar leis de cotas para ajudá-los a ascender socialmente.

Infelizmente, é exatamente esta linha de raciocínio, só que em relação aos negros, que vem sendo diariamente propagada por acadêmicos e sociólogos irresponsáveis.  Eles são a versão humana das leis da aerodinâmica, que dizem precipitadamente que determinadas pessoas não podem ascender e prosperar a menos que haja um empurrão do governo.

Aquelas alegações morais que foram feitas no passado por gerações de genuínos líderes negros — alegações que acabaram por tocar a consciência de várias nações e que viraram a maré em prol dos direitos civis para todos — hoje foram desvalorizadas e apequenadas por uma geração de intelectuais, sociólogos e autoproclamados "líderes" de movimentos raciais que tratam os negros como seres abertamente incapazes de prosperar sem a ajuda destes pretensos humanistas, os quais agem abertamente de acordo com uma agenda política de escusos interesses próprios.

O que é perfeitamente perceptível é que, ao longo das gerações, as pessoas que dizem falar em prol do "movimento negro" sofreram uma mutação de caráter: se antes possuíam uma alma nobre, hoje não passam de charlatães descarados.  Após a implantação definitiva de políticas de ação afirmativa nos EUA, esses charlatães perceberam que era muito fácil ganhar dinheiro, poder e fama ao redor do mundo ao simplesmente se dedicarem à promoção de ações e políticas raciais que são totalmente contraproducentes aos interesses das pessoas que eles próprios dizem liderar e defender.

No passado, vários outros grupos de imigrantes também representavam minorias que tinham tudo para ser consideradas oprimidas e discriminadas, pois chegavam a outros países quase sem nenhum dinheiro, com pouquíssima educação e com total desconhecimento da cultura local, mas que não obstante ascenderam por conta própria, muito provavelmente porque não foram "privatizadas" por líderes raciais.  Imigrantes e outras minorias que nunca tiveram "porta-vozes" e "líderes" raramente dependeram de subsídios do governo e quase sempre apresentaram altos níveis educacionais obtidos com o esforço próprio.

Grupos que ascenderam da pobreza à prosperidade raramente o fizeram por meio de líderes étnicos ou raciais.  Ao passo que é fácil citar os nomes de vários líderes do "movimento negro" ao redor do mundo, tanto atuais quanto os do passado, quantos são os lideres étnicos que defendem os interesses dos asiáticos ou dos judeus em países em que eles são a minoria?

Ninguém pode negar que há anti-semitismo e que já houve discriminação aos asiáticos.  Sempre houve.  Mas eles nunca seguiram "líderes" cujas mensagens e atitudes serviram apenas para mantê-los presos à condição de bovinos.

Essa postura de dizer aos seus "seguidores" que eles são mais atrasados, tanto econômica quanto educacionalmente, por causa de outros grupos "opressores" — e que, portanto, eles devem odiar estas outras pessoas — tem paralelos na história recente.  Essa foi a mesma motivação utilizada pelos movimentos anti-semita no Leste Europeu no período entre-guerras, pelos movimentos anti-Ibo na Nigéria na década de 1960, e pelos movimentos anti-Tamil, que fizeram com que o Sri Lanka, outrora uma nação pacífica e famosa por sua harmonia intergrupal, se rebaixasse, por influência de intelectuais, à violência étnica e depois se degenerasse em uma guerra civil que durou décadas e produziu indescritíveis atrocidades.

Será tão difícil entender, mesmo com todos os exemplos históricos, que o progresso não pode ser alcançado por meio de líderes raciais ou étnicos?  Tais líderes possuem incentivos em demasia para promover atitudes e políticas polarizadoras que são contraproducentes para as minorias que eles juram defender e desastrosas para o país.  Eles se utilizam das minorias para proveito próprio, atribuindo a elas incapacidades crônicas que supostamente só podem ser resolvidas por políticas que eles irão criar.  Eles são os verdadeiros racistas.


1 voto

SOBRE O AUTOR

Thomas Sowell
, um dos mais influentes economistas americanos, é membro sênior da Hoover Institution da Universidade de Stanford.  Seu website: www.tsowell.com.




"ajustar as atividades produtivas de acordo com as mais urgentes demandas dos consumidores não pode ser redução de salário?"

Não. Ajustar as atividades produtivas de acordo com as mais urgentes demandas dos consumidores significa produzir e vender exatamente aquilo que o consumidor quer. Se o empreendedor vai pagar salário astronômico ou mínimo para a mão-de-obra, isso é totalmente irrelevante para o consumidor.

"o trabalho não é fator de produção (um dos)"

Sim.

"o trabalho é um recurso escasso?"

Mão-de-obra é, por definição, algo escasso. Por isso mesmo, sempre haverá mais demanda por mão-de-obra do que mão-de-obra efetivamente disponível.

Falta mão-de-obra para tanto emprego disponível.

Sendo assim, a taxa de desemprego sempre deveria ser zero e os salários dos empregados sempre tende ao aumento. E por que o desemprego não é zero?
Por causa disso.

"demanda pode ser "criada" pelo marketing?"

Desejo pode ser criado pelo marketing, não demanda. Demanda significa aquisição. Eu tenho desejo por uma mansão, por um helicóptero e por uma Ferrari, mas não tenho como demandá-los porque não tenho o poder aquisitivo para os três. E não há marketing que me faça demandar esses três itens. Resta-me apenas desejar.

"sobre o trabalho escravo, nem entrei no mérito e na discussão sobre quando havia mais lucro e riqueza. Mas, o trabalho escravo é um fato que ainda existe. Existe por interferência governamental ou porque tem muitos empresários gananciosos e que buscam o lucro a qualquer custo (humano inclusive)?"

Ué, ainda existe trabalho escravo? Não sabia. Ainda existem pessoas trabalhando sem salário, sob chicotadas, proibidas de pararem de trabalhar e proibidas de pedirem demissão? Não sabia. Manda aí um link, por favor.

Até onde sei, nenhum indivíduo sai escravizado de sua casa e é levado a contragosto para trabalhos compulsórios. Um indivíduo, por definição, encontra trabalho porque saiu à procura de trabalho. Sua intenção sempre é melhorar de vida. Ele faz isso porque quer; porque a situação atual (sem trabalho) não lhe é atraente. Se ele está disposto a "trabalhar muito" é porque ele acha que assim ficará em situação melhor do que aquela em que se encontrava até então.

A menos que você comprove que o indivíduo está sendo [u]obrigado[u] a trabalhar sob a ameaça de um chicote, sem a opção de sair do emprego quando quiser, tal escolha sempre será benéfica para ele.

E se ele se sujeita a condições que para nós parecem degradantes é porque, para ele, aquilo ainda é melhor do que a situação econômica em que ele se encontrava antes. Cabe a você provar que esse indivíduo foi seqüestrado, levado a um emprego e ali mantido em cativeiro, contra sua vontade, sendo proibido de parar de trabalhar. Caso isso não tenha acontecido, então a única conclusão empírica é que esse indivíduo ainda prefere seu atual trabalho (assalariado) ao desemprego.
Errado.

Na economia, conhecemos a causa de tudo, pois a ação humana, ao contrário do movimento das pedras, é motivada. Sendo assim, é possível construir a ciência econômica partindo de axiomas básicos -- como a existência incontestável da ação humana e as implicações lógicas da ação --, axiomas estes que são originalmente reconhecidos como verdadeiros.

Destes axiomas, podemos deduzir passo a passo várias leis que também são reconhecidas como incontestavelmente verdadeiras. E este conhecimento é absoluto, e não relativo, exatamente porque os axiomas originais já são conhecidos. Eis alguns exemplos:

• Sempre que duas pessoas, A e B, se envolvem em uma troca voluntária, ambas esperam se beneficiar desta troca. E elas devem ter ordens de preferência inversas para os bens e serviços trocados, de modo que A valoriza mais aquilo que ele recebe de B do que aquilo ele dá para B, e B avalia as mesmas coisas do modo contrário.

• Sempre que uma troca não é voluntária e ocorre em decorrência de uma coerção, uma parte se beneficia à custa da outra.

• Sempre que a oferta de um bem aumenta em uma unidade, contanto que cada unidade seja considerada idêntica em utilidade por uma pessoa, o valor imputado a esta unidade deve ser menor que o da unidade imediatamente anterior.

• Entre dois produtores, se A é mais eficiente do que B na produção de dois tipos de bens, eles ainda assim podem participar de uma divisão de trabalho mutuamente benéfica. Isto porque a produtividade física geral será maior se "A" se especializar na produção de um bem que ele possa produzir mais eficientemente, em vez de "A" e "B" produzirem ambos os bens autônoma e separadamente.

• Sempre que leis de salário mínimo forem impostas obrigando os salários a serem maiores do que os salários que vigorariam em um livre mercado, um desemprego involuntário será o resultado.

• Sempre que a quantidade de dinheiro na economia aumentar sem que a demanda por dinheiro também seja elevada, o poder de compra da moeda irá diminuir.

Por outro lado, não existem elementos simples ou "fatos da natureza" na ação humana; os eventos da história são fenômenos complexos, os quais não podem "testar" nada. Eles, por si sós, somente podem ser explicados se forem aplicadas várias teorias relevantes aos diferentes aspectos de um determinado "fato" complexo que está sendo analisado.

Por que a matemática é tão útil na física? Exatamente porque os próprios axiomas utilizados, bem como as leis deles deduzidas, são desconhecidos e, com efeito, sem significado. Seu significado é exclusivamente "operacional", uma vez que eles são significantes somente na medida em que podem explicar determinados fatos.

Por exemplo, a equação da lei da gravidade, por si só, não tem sentido nenhum; ela só adquire sentido quando nós humanos observamos determinados fatos que a lei pode explicar. Consequentemente, a matemática, que efetua operações dedutivas sobre símbolos por si só inexpressivos (sem significado), é perfeitamente apropriada para os métodos da física.

A ciência econômica, por outro lado, parte de um axioma que é conhecido e possui significado para todos nós: a ação humana. Dado que a ação humana, em si própria, possui significado (o que não quer dizer que ela sempre será avaliada como racional e correta), todas as leis deduzidas passo a passo da ação humana são significativas.

Esta é a resposta para aqueles críticos que exigiram que Mises utilizasse métodos da lógica matemática em vez da lógica verbal. Ora, se a lógica matemática tem de lidar com símbolos inexpressivos, então seu uso iria destituir a economia de todo o seu significado.

Por outro lado, a lógica verbal permite que toda e qualquer lei tenha sentido quando deduzida. As leis da economia já são conhecidas aprioristicamente como significativamente verdadeiras; elas não têm de recorrer a testes "operacionais" para adquirir significância. O máximo que a matemática pode fazer, portanto, é converter laboriosamente símbolos verbais em símbolos formais inexpressivos e, então, passo a passo, reconvertê-los em palavras.

www.mises.org.br/Article.aspx?id=1690
O melhor a fazer, no caso de dúvida, é perguntar a quem conseguiu sobreviver à Cuba, ou imigrou de certa forma. Conheci uma cubana que imigrou há alguns anos, formada em Teologia por lá. Ela contou, e parecia ter medo de falar ou vergonha, que muitos do que vivem em Cuba, necessitam dois empregos para conseguirem viver pelo menos dignamente. Como ela fazia. E quanto aos médicos tão bem falados na boca dos brasileiros, têm de ir de bicicleta para o trabalho e chegam com as mãos tremendo para realizar cirurgias.
O que me faz questionar como seria se o mundo todo fosse socialista e Cuba não tivesse sido isolada tantos anos pelo embargo econômico americano. E por esta mesma linha de pensamento me perguntou porque não olhamos para países como Zimbabwe. A solução não está na mudança drástica para o socialismo, mas em uma evolução gradual do capitalismo que minimize as diferenças tão abruptas que temos em nosso mundo. Será possível um hemisfério sul e norte com os mesmo índices de desenvolvimento humano ? Fico nessa dúvida.

Alguns fatos sobre Zimbabwe.
Desde 2000 encontra-se em uma profunda crise, além da hiperinflação, há um alto índice de desemprego, pobreza e uma crônica escassez de combustíveis, alimentos e moedas estrangeiras.

A hiperinflação vem destruindo a economia do país, arrasando com o sector produtivo. Uma medida governamental congelou os preços, causando desabastecimento, fortalecimento do mercado negro e prisão de comerciantes contrários à medida.[3]

Em Julho de 2007, foi lançada a cédula de 200 mil dólares zimbabweanos, que apesar do elevado valor de face, é capaz de comprar pouco mais do que um quilo de açúcar. No mercado paralelo, a moeda era cotada a 1 dólar americano.[2] Em maio de 2008, foi lançada a cédula de 500 milhões[4] e em julho do mesmo ano foram lançadas cédulas com valores a partir de 100 biliões de dólares zimbabweanos.

Houve uma reforma monetária que entrou em vigor em agosto deste mesmo ano, no entanto, a taxa inflacionária parece não ceder, havendo projeções de que haja a necessidade de nova reforma em breve.

ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS

  • Pupilo  07/11/2013 12:52
    Excelente. Se eu fosse negro, teria vergonha de segurar um cartaz daquele da imagem... É assinar um atestado de ignorância, incapacidade.
  • Apenas leitora  12/11/2013 14:03
    Acho que o problema maior é que os brasileiros tem a politica do menor esforço, ninguém quer realmente ter que trabalhar e se esforçar para conseguir algo nesse país. A questão das cotas para negros sou totalmente contra porque é dizer que negro não tem a mesma capacidade que um branco ou sei lá qual etnia e isso não é verdade. Já nas universidades também acho que quando os candidatos eram simplesmente escolhidos pelas respostas na folha, tudo era muito melhor, porque na realidade não faz diferença se o cara paga um colégio particular ou não, o que muda é a força de vontade do indivíduo de estudar e querer ser alguém na vida. Tanto é que existem sim muitos exemplos se pessoas que saíram da favela, são negras, e hoje em dia tem um ótima vida, estudaram e hoje tem bons empregos. O mesmo serve pra bolsa familia...pode até ter ajudado muitas pessoas, mas também tá cheio daqueles que não trabalham só pra ganhar a porcaria da bolsa. Assim também é com os presidiários e todo o resto de bolsas que tem nesse país. Nenhuma dessas coisas está realmente ajudando o povo, só está garantindo votos para a próxima eleição.
    Sei que provavelmente muitos vão dizer que estou sendo simplista, mas o maior problema do brasileiro é a mentalidade do "jeitinho brasileiro".
    PS. Pra mim xingamentos polidos são ridículos, se não sabe discutir, ou argumentar nem entre na discussão. Cada um sempre vai ter um ponto de vista, e xingar o outro de débil mental ou qualquer coisa do gênero não vai fazer com que a pessoa te respeite ou leve realmente em consideração o que você tem a dizer. Quem quiser dizer algo assim sobre minha pessoa será devidamente ignorado.
  • David  20/11/2015 17:38
    A bagunça chamada brasil

    A tua visão é de um branco de fato, um privilegiado, respeita o manual da discriminação racial, o povo que colonizou e formou esse território quando usou da mão de obra escrava para construir sua riqueza pensou que sempre seria daquele jeito para sempre, mas quando o mundo guiado pelos "os europeus" decidiram que este comportamento de subjugar outra raça era errado e que esta linha de desenvolvimento era errada "evoluirão" com isso proibiu e deu um salário e inclusão econômica e aqui no Brasil libertaram os escravos, só isso,deveriam ter organizado a libertação, mas não possuíam capacidade para tal ato,fracos intelectualmente, muito calor, e com isso o negro saiu da senzala e foi para favela, quando deveria ir para fazenda igual os imigrantes que chegaram aqui, contudo a irresponsabilidade, passividade, ignorância, ou burrice mesmo, dos nosso colonizadores que erraram em não pagar a dívida histórica, fazendo a oferta de terras e assentando este povo que trabalhou de graça por mais de 300 anos em suas próprias terras a fim de no futuro vermos o que hoje apresenta os colonos europeus e asiáticos, totalmente inseridos e produzindo riqueza. A falta de estrutura para aquelas populações negras demonstra o que uma parcela apresenta hoje cento e poucos anos depois este povo que diz não as cotas ou a inserção do negro na economia é o que rouba o governo, desorganiza a sociedade, aumenta a discriminação, e forma psicopatas, quando deveria ajudar a organizar a sociedade favorecer a fraternidade entre os vários povos que aqui vivem. #brasilumabagunça #diadaconciencianegra
  • Rodrigo Amado  20/11/2015 22:06
    Pois é, a vida miserável dos negros no Brasil é culpa dos brancos.
    Por isso que os negros da áfrica possuem uma vida muito melhor que os negros no Brasil.
    Afinal de contas lá não tem brancos para prejudicar eles.
  • David  20/11/2015 23:33
    1º Esta afirmação é correta! sabe, os brancos são fenomenais, mas por serem os protagonistas sociais deste país são eles que devem promover a inclusão social, e fazer junto com os povos que aqui vivem a organização da sociedade. Lembrando que estamos muito atrasados para colonização espacial. Somos quase que medievais ainda!
    2º a ironia eu dispenso isso não é debate de ideia!
    3º estamos falando do brasil! sou deste chão e é sobre a historia do brasil de devemos debater!
    4º para vies de historia a Africa tem seu ritmo, o progresso chegara até lá mas todos os países tem seu ritmo de promoção de desenvolvimento e desenvolvimento social.

    O processo de desenvolvimento dos países Africanos tem seu ritmo histórico não possível comparar com o desenvolvimento da Europa são situações e processos de desenvolvimento social diferentes mas que podem cooperar uns com os outros.

  • André  23/11/2015 18:37
    David, concordo em parte contigo...
    "Em parte" pq focar o passado é justamente o que mantem o atraso de um grupo/raça em relação a outro.
    Todo grupo antes discriminado/prejudicado tem SEMPRE duas opções: se apegar as injustiças cometidas anteriormente ou baixar a cabeça e trabalhar dobrado para recuperar o tempo perdido.
    Não venho aqui dizer que nós negros devemos esquecer a história, mas a energia dispendida no pedido de benesses (cotas para ensino, trabalho, etc) deveria ser utilizado no trabalho, suor, empreendedorismo, etc.

    Lembro claramente até hoje que no colégio eu era juntamente com um colega (branco) a referência de nossa turma, mas minhas notas eram levemente maiores e me sentia mais capaz que ele. Apesar disso, durante 3 anos ele foi eleito líder da turma. Ficava puto, mas me pergunta o que eu fiz:
    1) Encaminhei um pedido a direção para que os votos em mim valessem mais do que os dele para compensar o preconceito que eu e o povo negro sofremos;
    2) Estudei e me esforcei mais até chegar um ponto que ficou cada vez mais absurdo não me elegerem?

    Meu velho, não é fácil, mas o melhor para todas as parte é focar no trabalho, trabalho, trabalho... focar no pedido de tratamento diferenciado para reparar danos histórico é um legítimo tiro no pé.

    Abç
  • David  25/11/2015 07:21
    É um critica boa, mas em síntese é uma maneira de encarar a existência. O futuro é complexo, as mudanças feitas no presente interferem na trajetória do futuro a cada dia, mas imagina se no passado a elite negra ou grupos organizados tivessem sido agraciado com empréstimos para comprar suas terras a custo de produção para adquirir patrimônio, terras, produzissem com ajuda do estado, financiasse o desenvolvimento da cidade, estudassem... o presente seria um pouco melhor para grande parte dos negros na atualidade, e não este esteriótipo de bandido, sem representação digna da televisão, sem um desenvolvimento mais vertical, e ainda tendo como impedimento o racismo.

    Ainda quero mais benesses ou empréstimos a fundo perdido , eu não ganhei terra, mais meu bi-zavo trabalhou para um branco fica rico, não esqueça estas famílias tradicionais são as mesmas que negaram e hoje mandam na politica, nas empresas no desenvolvimento.

    Falta mais atitude da elite negra, os que sobem esquecem o que fomos oque muitos ainda vivem.
  • Andre Cavalcante  26/11/2015 09:56
    Nada a ver. Elite negra? So se for no tempo dos Faraós. Aliás nestas épocas os negros egípcios escravizaram os brancos hebreus.

    É sempre o mesmo problema. Quem tem poder, vai exercê-lo. Se há concorrência neste quesito melhor pra todos.

    Abraços.
  • Anonimo  26/11/2015 17:29
    'Nada a ver. Elite negra? So se for no tempo dos Faraós.'
    newobserveronline.com/thousands-blond-red-haired-mummies-found-egypt/

    Vejam, o certo é desconfiar de TUDO que esse pessoal esquerdinha fala.Inclusive o que supostamente deveria ser ciência está infestado de coisas que só estão lá por uma questão de política.
  • Alan  24/11/2015 12:08
    O problema brasileiro em relação a essa política nefasta de cotas pra negros (agora vão criar cotas pra homossexuais em concursos públicos) é que eles, "os negros", adoram isso sem se importar com questão da capacidade individual de cada um, desde que eles sejam beneficiados. Quando essa questão chegou ao aparelhado STF, denunciou casos de negros abastados, que tiravam férias nos EUA, entrarem na Federal de lá, enquanto brancos humildes de baixa renda foram impedidos de entrar. Não vislumbro solução pra esse país nem e longo prazo.
  • Anderson  15/02/2015 01:17
    Não seja por isso, eu sou afro-descendente e tenho vergonha disso.
  • Silvio  16/02/2015 03:23
    Todo ser humano, sem exceção, é afro-descendente. E toda política socialista, sem exceção, é uma vergonha para a humanidade.
  • Negro Consciente  21/11/2015 02:35
    Apesar de ser um grd economista tremendo equívoco. As cotas existiram e continuam existindo em vários lugares. Ela serve para prover uma igualdade aqueles que sempre foram relegados pela sociedade. Ela não deve ser permanente. É justo criar cotas para alunos de escola pública entrar nas universidades públicas e financiar de forma subsidiada os estudos destes alunos. É justo gerar mais oportunidades aos negros que são boa parte da população mais pobre, fruto de um passado bem injusto. Achar que todos aqueles que trabalharem duro vai ascender, ou que todos os imigrantes asiáticos vão ficar ricos é uma falácia.
  • Anonimo  21/11/2015 10:27
    Quem disse que todos os imigrantes asiáticos vão ficar ricos?
  • Izaque Fernando  21/11/2015 17:52
    Eu sou negro e tenho vergonha de segurar um cartaz assim. A minha luta é contra o preconceito que as vezes sofro, por ter a pele "escura". E isso o Governo jamais poderá resolver.
  • Melanie Schwartz  07/11/2013 13:07
    Adoro o Thomas Sowell. Recomendo a todos pesquisar os seus incríveis debates no YouTube, o cara tem um preparo e uma retórica fenomenal (pena que ele perdeu um pouco do vozeirão com a idade). Gostei muito do artigo que acrescenta novos argumentos a esse interminável debate.
    Recomendo também um texto do Reinaldo Azevedo que critica mais especificamente esse projeto de lei. veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/dilma-assina-projeto-para-cotas-raciais-no-servico-publico-o-racialismo-avanca-violentando-a-constituicao-ou-debates-delinquentes/

    Abraços e obrigada pela tradução. :)
  • anônimo  07/11/2013 14:15
    O problema do tio rei é que pra ele tudo é a constituição. E daí se é constitucional ou não? O que importa é se é moral.
  • anônimo  07/11/2013 15:29
    Aliás, um dos problemas...ainda estou esperando pra ver como a desculpa amarela dele de 'espionar por causa do terrorismo' vai incluir a Angela Merkel
  • André  07/11/2013 15:29
    "O problema do tio rei é que pra ele tudo é a constituição. E daí se é constitucional ou não? O que importa é se é moral."

    Isso me lembra os seis estágios do desenvolvimento moral de Lawrence Kohlberg:

    en.wikipedia.org/wiki/Lawrence_Kohlberg%27s_stages_of_moral_development

    É interessante notar que esse artigo na Wikipedia não tem versão em português.

    É difícil achar alguém no estágio 6.
  • ildomar  20/11/2015 15:56
    aqui tm alguma coisa:

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Lawrence_Kohlberg
  • anônimo  07/11/2013 13:07
    'Mas os negros/gays/judeus/mulheres/anões/travestis/leprosos foram perseguidos no passado, então é justo que haja alguma compensação hoje, e que seja paga por todos
  • Wagner Malheiros  07/11/2013 13:34
    'Mas os negros/gays/judeus/mulheres/anões/travestis/leprosos foram perseguidos no passado, então é justo que haja alguma compensação hoje, e que seja paga por todos"

    Quando você diz " que seja paga por todos ", inclui aí "todos" ou somente os brancos heterossexuais, judeus e não-judeus e não leprosos?

    No caso dos leprosos, quem os perseguiu? A bactéria responsável pela doença deve ser responsabilizada monetariamente?

    Essa história do anão ser perseguido, de onde saiu com essa? Como posso ressarcir o anão? Dando-lhe uma bolsa-anão ? Processando os circos por lhes dar emprego?

    E as mulheres perseguidas, como é que é? Elas eram perseguidas com boas ou más intenções? Eu persegui a minha patroa, devo pagar uma bolsa-patroa ?

    Jogadores de futebol que correm atrás de travestis devem ser compensados ou os travestis devem ganhar uma bolsa-transmutação-de-gênero-de-duas-vias?

    Dit mói aê mon amie !
  • anônimo  07/11/2013 14:18
    'Essa história do anão ser perseguido, de onde saiu com essa? '
    praticamentelegal.com.br/2011/disciplinas-2/novos-direitos/o-incrivel-campeonato-de-arremesso-de-anoes

  • Anarcofobico  07/11/2013 13:42
    Isso! Bem como cristãos, muçulmanos, gays, heteros, índios, brancos, negros, escravos, livres, etc. Mta gente querendo compensação!
  • anônimo  07/11/2013 14:13
    Cristãos não, cristãos só pagam a conta, cristão é o cara que mais pode ser esculachado, humilhado, espezinhado e no final...só vai oferecer a outra face!
    Massacre de cristãos acontece muito na áfrica, o Olavo já falou muito disso.Google.
  • Anarcofóbico  07/11/2013 15:29
    Contenha-se, os cristãos dominarão o mundo!
  • anônimo  08/11/2013 12:31
    O que tinha de ser pago já foi pago, calma ai amigo.
  • Becky  29/10/2014 22:02
    Vou criar uma hipótese de compensação baseando-se na sua ideia.
    Supondo que hoje, dia 29/10/2014, reabrissem o caso de Jack Estripador, pois foram encontradas novas provas, e após alguns meses de investigações, finalmente a identidade real de Jack é descoberta e mais, que o mesmo tem um descendente vivo.
    Agora, segundo a sua ideia de compensação, este indivíduo, que nunca cometeu crime algum, que nem ciente estava de sua ligação sanguínea com o serial killer, deveria ser preso e pagar pelos crimes que seu tatatata...avô cometeu, para COMPENSAR e dar sensação de justiça aos descendentes das vítimas do serial.
    Parece justo?
  • Corsario90  21/11/2015 14:22
    Excelente!!!
  • David   21/11/2015 16:47
    Deixe de ironia, não é bem assim!
  • Arpendiz  23/11/2015 13:16
    Não é bem assim como David? Então como é?
  • anonimo  01/12/2015 00:43
    meu deus quanta gente ignorante!!!!
    usando o exemplo dos negros, eles foram perseguidos E SOFREM ATÉ HOJE COM ISSO.
    ou vc quer dizer que as pessoas olham um negro de igual pra igual??
    eu sou branco e tenho amigos afrodescendentes COM EXATAMENTE O MESMO NÍVEL DE ESCOLARIDADE QUE EU, alguns até maior e com maior poder aquisitivo, e já passei por diversas situações constrangedoras de preconceito quando estamos juntos.
    eu concordo que ta errado deixar entrar só porque é negro. mas também não da pra negar que tem muito mais negro com baixa renda e não escolarizado do que branco.. e a culpa pode não ser sua nem minha, mas EU ME SINTO CULPADO, E EU QUERO FAZER PARTE DESSA LUTA PRA QUE ELES CONSIGAM SER VISTOS COMO REALMENTE SÃO, E NÃO PELO QUE A COR DA PELE -INFELIZMENTE- REPRESENTA!!!!!!!!
  • Rodrigo Amado  14/12/2015 18:46
    "EU ME SINTO CULPADO, E EU QUERO FAZER PARTE DESSA LUTA PRA QUE ELES CONSIGAM SER VISTOS COMO REALMENTE SÃO, E NÃO PELO QUE A COR DA PELE -INFELIZMENTE- REPRESENTA!!!!!!!!".

    E ao invés de doar o seu dinheiro quer que o estado arranque dinheiro dos outros à força para fazer isso acontecer, certo?

    Interessante como você embala em uma boa causa o seu apoio ao roubo.
  • Anonimo  14/12/2015 19:13
    'a culpa pode não ser sua nem minha, mas EU ME SINTO CULPADO'
    Então vc tem um problema mental.
  • Isabel  23/07/2016 00:35
    É exatamente assim. O crime nunca passa da pessoa do criminoso. E, mesmo se pensasse em reparação civil, cada negro, teria q provar que teve descendente escravo e teria q achar descendentes do senhor de escravo q escravizou o parente dele. Então, os dois se resolveriam civilmente. Nenhum antepassado meu teve escravos no Brasil. Na Europa, não sei, acho q não pois eram pobres de marrémarrédeci quando chegaram aqui, para trabalharem nas lavouras em SP. Portanto não devo nada a ninguém, obg.
  • Juliano  07/11/2013 13:19
    Sinceramente, chego a ter pena do Thomas Sowell. Ele precisa ficar repetindo exatamente o mesmo discurso há décadas e, ainda assim, precisa recomeçar do básico todas as vezes.

    Além de ser um exemplo vivo do que prega, é didático, sucinto, claro e corajoso. Ainda assim, é solenemente ignorado pela grande maioria das pessoas.
  • Felix  21/11/2015 00:47
    Se ele fosse branco, já estaria preso por "racismo",
    mas como não é o pessoal fica meio perdido sem saber o que fazer
  • Julio Heitor  07/11/2013 13:22
    Excelente texto!

    O que ainda me espanta é que até mesmo pessoas que se consideram cristãos defendem a ferro e fogo a "ajuda" e leis afirmativas para os "desfavorecidos" (bolsas familia com os mais diversos nomes, cotas para tudo quanto é cargo e etc).

    Quando mencionei o fato de que a ausencia destas "ajudas" seria a salvação destas minorias, fui até chamado de facista por um dos que se auto-proclamam Cristãos.(PS. eu mesmo sou católico, por isso meu contato com os "Cristãos")

    Bando de hipócritas!

    Abraços a todos e desculpem o desabafo.
  • Jeferson  07/11/2013 14:16
    É difícil fazer as pessoas entenderem que, ao defender ações afirmativas, ou melhor, ao defender qualquer coisa feita pelo estado, se está automaticamente defendendo a violência contra todas as pessoas.

    Isso independente de ser cristão ou não. A lavagem cerebral feita pelo estado não discrimina cor, origem, posição social ou religião!
  • Cleiton  07/11/2013 18:15
    Um dica, quando o sujeito disser que você é fascista mande-o imediatamente tomar no meio do cu.

    E depois diga que fascista é ele que que defende que o Estado deve resolver todos os problemas da humanidade.
  • Douglas  07/11/2013 21:17
    Cleiton, claro que dá vontade de fazer isso mesmo meu amigo, mas nem sempre isso vai pegar bem porque vão com certeza fazer isto se voltar contra a gente. Não acredito que vá resolver, mas sinta compaixão deste ignorante e mande-o(a) ler isto aqui olha só: www.midiasemmascara.org/artigos/cultura/13133-a-palavra-gatilho.html
    É incrível como as pessoas sabem os efeitos que estas palavras causam e as usam exatamente para o fim que o Olavo deixou bem claro no seu texto. Vejam também por favor meu amigos a Marilena Chauí(como esta mulher me causa repulsa) utilizando esta palavra. É de deixar qualquer um louco. Vejam aqui: www.youtube.com/watch?v=k6hI2iIVy9Q

    Abraços cordiais, preciso urgentemente virar doador mensal deste site.
  • Fernando Chiocca  07/11/2013 14:34
    Eu não sou contra cotas racistas em nada que é público, seja universidades ou concursos públicos.

    Primeiro que logo de início não existe nada de nobre nestas instituições. Elas são todas mantidas através do roubo e os cargos públicos são geralmente criminosos, com a função de agredir a propriedade.

    A essência da universidade pública não é ensinar, é roubar; é redistribuir riqueza roubada. Pessoas vão estudar "de grátis", a custa da espoliação de terceiros.
    Se meu dinheiro vai ser roubado pra pagar ensino superior pra outros, não importa que esses outros sejam selecionados por sua capacidade de decorar matérias inúteis ou pela cor da pele ou pela sexualidade.
    Dane-se.
    Quero meu dinheiro de volta.
    Só isso.

    Mas se além de tudo ainda ter um fator racista nessas instituições, melhor, pois pode servir para ajudar as pessoas a perceberem que elas não passam de ideias imorais e criminosas.
  • Magno  07/11/2013 14:39
  • Hudson  07/11/2013 15:22
    Jamais li tamanha asneira, e olha que leio bastante. Sugiro que você largue tudo o que tem e vire um mendigo. Assim não será roubado pelo Estado ;)
  • Fernando Chiocca  07/11/2013 22:29
    Que parte foi asneira e porque?

    De asno foi a sua sugestão: "Para não ser roubado por bandidos, não tenha nada."

    Que demente...

    Eu simplesmente quero manter os bens que conquisto com meu trabalho, ao invés de ser roubado e ficar pagando faculdade de playboy ou ficar sustentando parasitas públicos. Se para você isso é asneira, você é um grande asno.
  • Eduardo  08/11/2013 13:39
    Fernando, me pareceu que o Hudson estava se referindo aos links que o Magno postou, e não a sua citação...
  • Um leitor  08/11/2013 00:41
    Perfeita a sua colocação Fernando Chiocca. Excelente. Esse é o ponto, parabéns.
  • jaziel  08/11/2013 14:47
    Brilhante
  • Norbs  08/11/2013 21:46
    Se meu dinheiro vai ser roubado pra pagar ensino superior pra outros, não importa que esses outros sejam selecionados por sua capacidade de decorar matérias inúteis ou pela cor da pele ou pela sexualidade.
    Dane-se.
    Quero meu dinheiro de volta.
    Só isso.


    Isso aí, resumiu perfeitamente. Como o Olavo fala, vocês só ligam pra dinheiro e o resto não estão nem aí.O resultado é esse, vocês são uns míopes que não tem visão geral de nada, que vão perder pra sempre, que vão comprando todo lixo (i)moral da esquerda e depois se espantam quando ela vence.
  • Fernando Chiocca  11/11/2013 21:36
    Nossa, realmente... que sacrilégio eu ligar para dinheiro e querer manter para mim o que eu ganhei com o meu trabalho!

    Você acha errado isso?

    Então quem está comprando lixo imoral da esquerda nesse caso é você, achando ruim que eu tô reclamando do dinheiro roubado de mim pra pagar "facúl" pros outros.. obviamente vem de brinde a doutrinação ideológica marxista..

    E parece que você é meio burro (a outra metade é demência), pois propriedade privada não é só dinheiro. Pra começar tem a propriedade sobre o próprio corpo.



  • Norbs  12/11/2013 10:18
    Qualquer um entende que o problema não é querer ficar com o dinheiro, o problema é pensar SÓ no dinheiro.Propriedade privada (incluíndo o corpo) é só uma parte do todo, a esquerda sabe disso e é por isso que ela vence.
  • Fernando Chiocca  12/11/2013 13:29
    Não respondeu às minhas perguntas.

    E ainda fez uma acusação sem pé nem cabeça.

    O corpo é "SÓ dinheiro"? Besteirol completo e sem sentido.
  • Pancho Costa  20/11/2013 13:53
    Alguem não passou no vestibular...
  • Norbs  20/11/2013 15:44
    Como assim 'corpo é só dinheiro'? Esse é um dos piores espantalhos que eu já ví por aqui.Cara, será que vou ter que desenhar? O todo = economia, política, sociedade, cultura, valores, coisas que pra imbecis como vocês não tem importância contanto que ninguém roube tua 'propriedade'
    O que eu falei, e que todo mundo que lê o Olavo sabe, é que como vocês e a filosofia de vocês só liga pro dinheiro os comunistas atacam em todas as frentes, inclusive onde vocês acham que não faz diferença, e é por isso que eles vencem e pra vocês não tem nada além de ficar aí choramingando

    'Então quem está comprando lixo imoral da esquerda nesse caso é você, achando ruim que eu tô reclamando do dinheiro roubado de mim pra pagar "facúl" pros outros.. '
    Respondendo sua pergunta idiota, não, não acho que é certo cotas nem ser obrigado a pagar faculdade pra negros nem pra índios nem pra aidéticos nem pra ninguém. Isso é tão óbvio que nem era isso que eu estava me referindo, estava além, falando dos MOTIVOS pelos quais isso tudo acontece.
  • Fernando Chiocca  28/11/2013 19:13
    Foi você mesmo quem falou que só ligamos pra dinheiro e o resto não estamos nem aí.
    Eu dei só um exemplo de uma outra coisa que defendemos, o que já mostra que sua acusação foi completamente estúpida: a defesa de direitos sobre o próprio corpo, algo que não tem nada a ver com dinheiro. Só pra mostrar que você falou estultice.

    A liberdade é o valor dos libertários e é o que a esquerda ataca. Ou seja, quem defende a liberdade (= propriedade) é quem realmente está enfrentando a esquerda, e não imbecis "conservadores" que compactuam com muitos ataques à propriedade -- ou seja, com muita coisa da agenda esquerdista.
  • Norbs  20/11/2013 20:58
    Sem pé nem cabeça é esse espantalho que vc inventou.Tanto que não vou nem comentar.
    Quanto à sua pergunta, é claro que sou contra, capitão óbvio. O que eu estava comentando era o motivo pelo qual chegamos nessa situação. E entre as razões pra isso está o povo que, como tu, só liga pra dinheiro, 'propriedade', e deixam o resto correr solto.Deixam a esquerda fazer o que quiser com a cultura e com as instituições e quando chega no ponto inevitável, ficam espantados.
    Artigo do Olavo de 2004:
    www.olavodecarvalho.org/semana/040212jt.htm
  • Fernando Chiocca  28/11/2013 19:09
    "O que eu estava comentando era o motivo pelo qual chegamos nessa situação. E entre as razões pra isso está o povo que, como tu, só liga pra dinheiro, 'propriedade', e deixam o resto correr solto."

    Hilário. Quer dizer então que a coisa chegou a essa situação de cotas racistas por causa de gente como eu, que é contra até a existência do estado e, principalmente, de escolas ou universidades públicas!?

    Você tem problemas sérios de raciocínio lógico.

    Com certeza chegou a essa situação por causa de todo pensamento que não é libertário e que admite não só a existência do estado como também que o estado forneça educação. O Olavo outro dia estava falando sobre quem deveria ser o Ministro da Cultura ou da Educação! Ou seja, é por causa de gente assim que chegamos nessa situação.

    Se dependesse de mim, simplesmente não haveria como chegarmos a essa atual situação porque nem sequer haveria o instrumento de coerção que impinge essa situação.

    Parabéns. Essa conta é sua.
  • Norbs  28/11/2013 19:42
    'Hilário. Quer dizer então que a coisa chegou a essa situação de cotas racistas por causa de gente como eu, que é contra até a existência do estado e, principalmente, de escolas ou universidades públicas!?'

    A coisa chegou a essa situação por causa de gente que acha que não tem problema nenhum a esquerda fazer o que quiser na CULTURA.( como vc que inclusive acha até bonito uma tal de 'feminista cultural' que vive falando besteira) Aí depois, quando a esquerda quer dar um passo a mais e controlar o governo e as leis, é a coisa mais fácil.
    Você é um idiota porque só ataca as consequências.Tem orgulho de ser contra o estado, contra escolas públicas, como se isso não fosse só um pedaço de uma estratégia maior.
    E agora, contagem regressiva pra distorcer tudo de novo, como sempre.
  • Fernando Chiocca  28/11/2013 21:49
    "A coisa chegou a essa situação por causa de gente que acha que não tem problema nenhum a esquerda fazer o que quiser na CULTURA."

    Que cultura? Os valores de defesa de propriedade privada não fazem parte da CULTURA?

    É essa cultura que defendo, de absolutos direitos de propriedade. Como expliquei, essa conta é de quem relativiza os direitos de propriedade, ou seja, de quem não é um libertário como eu. A conta é sua, cidadão.

    "Aí depois, quando a esquerda quer dar um passo a mais e controlar o governo e as leis, é a coisa mais fácil."

    Exato, "um passo a mais", pois o passo da existência do estado é você quem apoia, não eu.

    "Você é um idiota porque só ataca as consequências."

    Só ataco consequências? De que diabos você está falando, rapaz?
    Eu não sou consequencialista. Eu defendo a liberdade, independentemente das consequências.

    "Tem orgulho de ser contra o estado, contra escolas públicas, como se isso não fosse só um pedaço de uma estratégia maior."

    Pior ainda é quem não ataca o estado e nem a democracia, mas defende sua existência. E depois ainda reclama de a esquerda fazer democraticamente o que quer com o estado.

    Pior é quem não ataca a educação pública e fica atacando distrações como cotas...

    Tudo isso são os pilares da "estratégia maior" que os libertários atacam, enquanto idiotas ficam perdendo tempo atacando PT, cotas, dominação do ministério da cultura e educação por esquerdistas etc.

    Para cada mil homens dedicados a cortar as folhas do mal, há apenas um atacando as raizes. -- Henry David Thoreau
  • Norbs  30/11/2013 12:19
    Então tá, você acha que não liga só pra dinheiro porque defende o direito à 'propriedade do corpo'. Grande por.ca.ria. No mundo real da luta contra a esquerda não faz diferença NENHUMA, na prática isso tudo vai dar nas exatas mesmas coisas que a esquerda já defende, principalmente a besteira do 'meu corpo minhas regras' das putas abortistas.
    Quando a esquerda vem com feminismo, abortismo (e os burros acham que o problema é onde começa a vida, isso é coisa de gente que não entende NADA de comunismo, o que comunista quer é o precedente pra esticar pra todo tipo de aborto) gayzismo ou um milhão de outros ismos, o objetivo deles é usar a cultura pra atacar a FAMÍLIA.E o que o dinheirista burro pensa? 'Ah, não tem nada a ver, deixando minha propriedade em paz a família que se foda, tudo bem ser abortista feminista etc etc etc' Tanto é que não dá um pio condenando nada disso.
    Nada a ver né? o pior, é que tem um artigo AQUI explicando a coisa toda
    www.mises.org.br/Article.aspx?id=557
    ...e mesmo assim nego acha legal as coisas da 'feminista libertária' (facepalm)

    E quanto ao 'isso tudo é irrelevante se o estado deixar de existir'...é, a conclusão ta certa se a premissa for verdade... SE for verdade.
    Mas mesmo que o anarco capitalismo seja possível isso não tira a culpa de vocês de ter subestimado o marxismo cultural, mesmo com Mises já ter alertado dessas coisas nos anos vinte. Tanto foi a estratégia errada que deu no que deu hoje.


  • Fernando Chiocca  02/12/2013 15:09
    Se você diz que tem um artigo aqui neste site, escrito pelo libertário Lew Rockwell que explica a coisa toda, e ainda diz que nós libertários não nos preocupamos com essas coisas, você tá com alguma disfunção mental grave.

    Melhor se tratar.


  • Anonimo  21/11/2015 15:47
    Revendo esse comentário vejo que eu estava certíssimo, vc que é um analfabeto funcional e fez bem em ser chutado daqui.
    Meu único erro foi ser um tanto vago, apenas dando nomes aos bois os libertários DE ESQUERDA não ligam pra essas coisas, já libertários DE DIREITA como Hoppe, ligam.
  • Diego  04/04/2014 19:36
    Eu estudo em uma universidade federal porque eu pago impostos altíssimos e passei no vestibular (sem cotas, sou branco). Acredito que o problema reside no fato de que já que pago tamanhos impostos e passei numa prova que dá direitos a vagas bem limitadas tenho o direito de lá estudar. Não sou liberalista, mas entendo o que você diz e concordo em partes. Se há tais impostos, tem que haver serviços por parte do Estado. A situação é: enquanto eu for obrigado que dar tanto dinheiro para o governo, eu me sinto no direito de usar um pouco dele. Até entendo a ideia de não haver universidade pública, mas e o que eu pago; ou você acha que é o único que paga impostos nesse país? A oportunidade de fazer uso das universidades federais existe para todos, contudo há de se passar no vestibular pois as vagas são bem limitadas. Creio que enquanto eu tiver que pagar caro para o governo, não estou tomando de ninguém, apenas usando o que é meu de direito.
    Quanto as contas raciais, discordo delas por um simples motivo: todos são ou deveriam ser iguais perante o Estado, sem privilégios e cotas raciais são privilégios. Se não se pode separar por raças em outras situações porque na hora de um concurso isso se torna adequado?
  • Douglas  22/11/2015 02:17
    Diego, concordo totalmente com você, até entendo em parte o ponto exposto pelo Fernando, no que pesa a relação entre tributos pagos versus benefícios/serviços de qualidade a população, ser de uma disparidade monstruosa em nosso país, e gerar uma grande indignação em qualquer pessoa, sempre me lembro do episódio do Pica Pau, onde ele e o lobo roubam um saco de comida e a divisão é mais ou menos assim, um pra você, dois pra mim, um pra você quatro pra mim, e no final das contas o Pica Pau fica com todq a comida.

    Agora achar que não deveria existir a facu pública porque o filho do playboy está estudando as custas do impostos que ele pagou, e de uma ignorância abissal, quanto será que o pai desse playboy já pagou em impostos na vida? Ou as vezes até o próprio "playboy" já pode estar caindo nas faixas que pagam imposto, e aí? Eu pago impostos pra KCT pois meu ganho é todo retido na fonte, e me gera revolta ver o quão pouco disso é revertido para a população como um todo? Quando digo população obviamente me incluo.

    Eu pago pela minha saúde, plano de saúde, remédios e tudo mais o que precisar, felizmente e graças a muito esforço, tenho condições, além de um emprego também sou proprietário de uma empresa, trabalho no mínimo umas 16 horas por dia, quando não trabalho mais ainda, não estou reclamando, escolhi esse caminho e sou feliz assim, seguindo a linha de raciocínio do nosso colega Fernando, eu deveria me sentir no direito de ver as pessoas pobres, não serem atendidas em hospitais e morrerem, afinal de contas muitas vezes são pessoas que não ganham o suficiente para sair da faixa de "isento" no IR, então como eu pago muitos impostos, deveria desejar suas mortes? Vamos segregar as pessoas pela quantidade de imposto pago, certamente este seria um excelente avanço, em nosso já avançado país.

    Sobre as cotas, sem comentários, nenhum negro que se preze de verdade aceita isso, conheço muitos de origem humilde, que se esforçaram e sucederam, sem ajuda de qualquer cota ou incentivo social, e sem envergonham quando vêem uma coisa dessas, principalmente pelo fato de outro negro estar empunhando uma faixa como esta da foto.

    Eu sou branco, estudei minha vida inteira em escola pública, e passei em dois vestibulares sem ajuda de qualquer tipo de cota também, portanto abomino esse tipo de sistema, quem gostaria de ser atendido por um médico que passou por cotas? Historicamente falando sempre são as ações desses grupos e seus líderes, o maiores criadores de segregação e ódio entre as pessoas, acreditem, sempre tem alguém que lucra, e muito com a desgraça alheia.

    Terminando de rebater a ideia da pessoa que não gosta dos playboys nas faculdades, acredito que pensar só pelo ponto de vista monetário sobre esta questão, é um pensamento extremamente limitado, pergunto quem nunca foi atendido por um médico? Muitas vezes este se formou por uma instituição pública, idem para engenheiros que constroem pontes, estradas, prédios, casas, o número de exemplos poderia beirar o infinito...

  • Renegado  23/11/2015 09:50
    Prezados, como pagamos muitos impostos, como já mencionado acima, todos vão se achar no direito de receber serviços por parte do estado. Nisso se inclui a edução pública. Algumas pessoas, acreditam que não devam pagar estudos de terceiros através de impostos, que isso é imoral. Como obviamente isso gera um impasse, (pago meus impostos e por isso tenho direito a educação X Não acredito que deva pagar à educação de terceiros), acredito que a solução, do ponto de vista libertário, seria primeiro deixar de cobrar impostos e na sequência retirar os direitos a educação (bem como todos os demais "serviços" públicos). Assim, todas as partes, de certa forma, seriam atendidas.
  • Vejamos  07/11/2013 14:47
    O texto leva a entender que os imigrantes conseguiram ascender social e economicamente pela ausência de líderes, o que é, ao meu ver, um tanto reducionista.

    Não se pode simplificar e igualar a condição do negro a do imigrante, tendo em vista que vieram em tempos e contextos diferentes. Além disso, educação e cultura dos que vieram, e mentalidade dos que ali estavam(espaço brasileiro) são fatores que devem ser analisados não superficialmente, de modo a entender a complexidade do passado.

    Repare que em momento algum disse aprovar políticas afirmativas ou benesses do estado. Minha crítica se resume à superficialidade do texto. Façamos, portanto, um debate maduro, sem ataques ao enunciador.
  • Auller  07/11/2013 15:16
    "Não se pode simplificar e igualar a condição do negro a do imigrante, tendo em vista que vieram em tempos e contextos diferentes. Além disso, educação e cultura dos que vieram, e mentalidade dos que ali estavam(espaço brasileiro) são fatores que devem ser analisados não superficialmente, de modo a entender a complexidade do passado."

    A arte de falar muito e não dizer absolutamente nada. Explicite seu raciocínio e fundamente-o com fatos, empirismo, provas e contra-provas.
  • Andre Cavalcante  07/11/2013 15:43
    Vejamos,

    "O texto leva a entender que os imigrantes conseguiram ascender social e economicamente pela ausência de líderes, o que é, ao meu ver, um tanto reducionista."

    Reducionista por quê? Por um acaso não é fato de que há lideres para a consciência negra e não os há para os asiáticos (especialmente chineses)?

    "Não se pode simplificar e igualar a condição do negro a do imigrante, tendo em vista que vieram em tempos e contextos diferentes."

    Você leu o texto?

    "Além disso, educação e cultura dos que vieram, e mentalidade dos que ali estavam(espaço brasileiro) são fatores que devem ser analisados não superficialmente, de modo a entender a complexidade do passado."

    Pelo jeito não leu. Copiando e colando texto do artigo: Normalmente, estes imigrantes asiáticos chegam a um novo país praticamente sem nenhum dinheiro, sem nenhum conhecimento do novo idioma e sem nenhuma afinidade cultural.

    A propósito da questão histórica: não mais nenhum negro que foi escravo vivo no Brasil. Que passado é esse?

    "Repare que em momento algum disse aprovar políticas afirmativas ou benesses do estado. Minha crítica se resume à superficialidade do texto. Façamos, portanto, um debate maduro, sem ataques ao enunciador."

    O texto tem uma tese, defende a tese, mostra os argumentos, alguns contra-argumentos e conclui em linha com a tese. Isso é ser superficial?
  • Vejamos  07/11/2013 17:12
    Pode postar sem o hate cara, é mais produtivo pra discussão. Toda vez que vejo alguém contrapondo o artigo parece que o cara é um liberal em um fórum marxista.

    >Reducionista por quê? Por um acaso não é fato de que há lideres para a consciência negra e não os há para os asiáticos (especialmente chineses)?

    E quem são os líderes negros de expressão na atualidade? Quais são suas influências nos ideais dos negros atuais?

    A grande maioria (negros ou brancos) vai dizer Zumbi dos Palmares. Existe, no entanto, parlamentares que lutam pela igualdade (ou desigualdade) racial, que em geral são petistas ou de outros partidos socialistas tirando proveito e utilizando essa forma de populismo para angariar votos. São esses os grandes líderes que o artigo fala?

    Grandes líderes negros se formaram pelo mundo em função da extrema opressão e da desigualdade civil e social que a raça vivia. Será que os imigrantes que chegavam nos EUA sofriam a mesma repressão que os negros? E no Brasil? É aí que entra a primeira parte superficial do texto: a origem dos grandes líderes, o contexto em que viviam e o que mudaram e porque os imigrantes não tiveram grandes líderes? O povo, principalmente os "pobres o oprimidos", vai sempre procurar em quem se apoiar, seja na igreja, em um abutre ou em um líder contra o establishment.

    Ademais, lá no século XIX, vivíamos uma política de branqueamento. Quando os subsídios para vinda de italianos foram cessados, no início do século XX, a mão de obra japonesa, por exemplo, passou a ser necessária. O governo de São Paulo inclusive fechou acordos com o Japão.

    >Pelo jeito não leu. Copiando e colando texto do artigo: Normalmente, estes imigrantes asiáticos chegam a um novo país praticamente sem nenhum dinheiro, sem nenhum conhecimento do novo idioma e sem nenhuma afinidade cultural.
    >A propósito da questão histórica: não mais nenhum negro que foi escravo vivo no Brasil. Que passado é esse?

    Eu concordo plenamente que a ascensão dos imigrantes, principalmente os asiáticos, foi honrável, é digna de estudos acadêmicos. Entretanto, veja como o texto aborda esse tema: "Eles frequentemente começam trabalhando em empregos de baixa remuneração. Mas trabalham muito. A norma é trabalharem em mais de um emprego. Trabalham tanto que conseguem poupar e, após alguns anos, utilizam esta poupança para empreender"

    A impressão que eu fiquei é que o preto é vagabundo. Em seguida a habilidade de empreender é destacada. E afinal, porque os asiáticos souberam empreender e os negros não? NO QUE e PORQUE os grandes líderes negros suprimiram isso? (o artigo não explica) É aí que entra o fator cultural no qual citei, como a habilidade em empreender que os judeus tinham. O quão mais fácil/difícil era o contexto para os Asiáticos terem essa liberdade de empreender? Até que ponto o branqueamento prejudicou mais os negros? Ou, no caso dos imigrantes, até que ponto as políticas nacionalistas-fascistas varguistas prejudicaram suas relações sociais e econômicas?

    Esse é o tipo de discussão que não se tira conclusões em 20 ou 30 linhas. Por isso (e pelo que expus agora) continuo afirmando que o artigo é superficial e argumenta de forma simplista.

    Obs. Reforço que não apoio quaisquer políticas afirmativas raciais ou benesses estatais do tipo.

    ps2: essa é a primeira vez que posto no Mises. Qual o propósito disso? "Comentários serão exibidos após aprovação do moderador."

  • Moderador  07/11/2013 17:36
    "E quem são os líderes negros de expressão na atualidade? Quais são suas influências nos ideais dos negros atuais? A grande maioria (negros ou brancos) vai dizer Zumbi dos Palmares".

    Nos EUA, Al Sharpton e Jesse Jackson. Aqui no Brasil, centenas de ONGs. Não faça da sua ignorância a prova cabal da inexistência de algo.

    "Existe, no entanto, parlamentares que lutam pela igualdade (ou desigualdade) racial, que em geral são petistas ou de outros partidos socialistas tirando proveito e utilizando essa forma de populismo para angariar votos. São esses os grandes líderes que o artigo fala?"

    Eles não são líderes. São meros criadores de leis inventadas para satisfazer os desejos desses líderes.

    "Grandes líderes negros se formaram pelo mundo em função da extrema opressão e da desigualdade civil e social que a raça vivia. Será que os imigrantes que chegavam nos EUA sofriam a mesma repressão que os negros?"

    Os imigrantes japoneses nos EUA foram enviados para campos de concentração durante a Segunda Guerra.

    en.wikipedia.org/wiki/Japanese_American_internment

    Já vietcongues e coreanos, que enfrentaram os americanos em duas guerras distintas, estão longe de terem sido bem recebidos nos EUA.

    De novo, você faz de sua ignorância a comprovação da inexistência de algo.

    "É aí que entra a primeira parte superficial do texto: a origem dos grandes líderes, o contexto em que viviam e o que mudaram e porque os imigrantes não tiveram grandes líderes? O povo, principalmente os "pobres o oprimidos", vai sempre procurar em quem se apoiar, seja na igreja, em um abutre ou em um líder contra o establishment."

    Não entendi nada. Você queria uma biografia de Malcolm X e de Luther King.

    "Ademais, lá no século XIX, vivíamos uma política de branqueamento. Quando os subsídios para vinda de italianos foram cessados, no início do século XX, a mão de obra japonesa, por exemplo, passou a ser necessária. O governo de São Paulo inclusive fechou acordos com o Japão."

    E daí? Governo "fechar acordos" não implica boa recepção do resto da população. O governo brasileiro "fechou acordo" com o governo cubano para enviar médicos para cá.

    "A impressão que eu fiquei é que o preto é vagabundo."

    Isso é seu racismo inconsciente. O autor deste artigo é negro.

    "Em seguida a habilidade de empreender é destacada. E afinal, porque os asiáticos souberam empreender e os negros não? NO QUE e PORQUE os grandes líderes negros suprimiram isso?"

    É essa a pergunta do artigo.

    "É aí que entra o fator cultural no qual citei, como a habilidade em empreender que os judeus tinham. O quão mais fácil/difícil era o contexto para os Asiáticos terem essa liberdade de empreender? Até que ponto o branqueamento prejudicou mais os negros? Ou, no caso dos imigrantes, até que ponto as políticas nacionalistas-fascistas varguistas prejudicaram suas relações sociais e econômicas?"

    Sobre as dificuldade de judeus e asiáticos imigrantes, isso já foi respondido acima. Sobre esse negócio de "branqueamento" de negros e de políticas varguistas, não tenho a mínima ideia do que você está falando.

    "Esse é o tipo de discussão que não se tira conclusões em 20 ou 30 linhas. Por isso (e pelo que expus agora) continuo afirmando que o artigo é superficial e argumenta de forma simplista."

    Profundo e argumentativo foram os seus pontos, que desconhecem até mesmo as atuais lideranças do movimento negro americano, bem como o dificil histórico do imigrantes asiáticos naquele país.

    "essa é a primeira vez que posto no Mises. Qual o propósito disso? "Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.""

    O mesmo propósito de você dormir com a porta da sua casa trancada: proteger a sua propriedade contra a invasão de arruaceiros.
  • Malthus  07/11/2013 17:52
    Prezado "Vejamos", já que você está interessado em ver uma abordagem muito mais aprofundada, com documentações e tudo, recomendo estes livros do próprio autor:

    Affirmative Action Around the World: An Empirical Study

    Intellectuals and Society

    Intellectuals and Race

    Dá pra aprofundar bastante, hein?
  • Francisco  08/11/2013 17:38
    Sabe o acho mais engraçado? Esses "zés-ruelas" acostumados a bater boca em blogs por aí chegam aqui, acham que vai falar qualquer merda e sair sem tomar "bordoadas". Acham que aqui o nível é o mesmo de outros sites por aí, que só tem gente ignorante que não sabe o que tá falando. Daí levam uma puta surra vergonhosa, enfiam o rabo entre as pernas e somem sem aprender nada. Lastimável.
  • daniel  19/11/2013 21:51
    Você pensa que o texto é simplista porquê não o entendeu. O Sowell diz lideres, mas quer claramente dizer, lideres messiânicos que prometem mundos e fundos e fazem com que seus seguidores não se responsabilizem por suas próprias vidas". Esclarecido?
  • Flavio  07/11/2013 14:51
    Desculpem-me, mas, esse um caso extremamente complexo... Não me lembro de nenhum asiático ter sido escravizado. Vcs se lembram em algum momento de História? Eu não. Se entendem um pouco de História, devem saber que o Brasil somente um pouco mais de 100 anos acabou com a escravidão. Aquelas favelas que existem no RJ surgiram de um dia pro outro? Ah me lembrei, será que foi porque depois de ''livres'' eles, simplesmente, não tinham pra onde ir e nem o que fazer? E depois disso o que foi feito por eles? Quais foram as ferramentas que o nosso país, justo por natureza, forneceu a eles para tentarem melhorar de vida? Vocês sabem o que é estar na pele de um negro? Vcs sabem realmente a condição do negro na nossa sociedade? Vocês sabem qual é a imagem do negro no nosso país? Aproximadamente 90% dos presidiários são negros. Essa é a imagem que temos negros, pobres e marginalizados... Um negro por mais bem formado que seja NUNCA vai estar em pé de igualdade com um branco numa disputa de emprego, por exemplo. Ou vcs vão ser HIPÓCRITAS de dizer que ''sim, com certeza! Os tempos são outros''. Se responderem isso, pergunto de antemão se moramos no mesmo país? Agora vêm dizer que é vergonhoso aceitar a única ajuda que essa BAGUNÇA que chamam de país, resolve oferecer a eles depois de anos de segregação, vão fazer o que? Dizer que ''não porque o branco vai ficar puto que vamos tirar o lugar dele'', me poupem... Depois que vc pega uma pessoa tira ela do lugar dela, tira a liberdade dela, trata ela como um animal, condena não só ela como as gerações futuras, coloca um estigma que perdura hoje depois de séculos qual tipo de reparação que ela deve ter? Vcs têm sugestão melhor?
  • Ricardo  07/11/2013 15:06
    "Essa é a imagem que temos negros, pobres e marginalizados... Um negro por mais bem formado que seja NUNCA vai estar em pé de igualdade com um branco numa disputa de emprego, por exemplo. Ou vcs vão ser HIPÓCRITAS de dizer que ''sim, com certeza! Os tempos são outros''."

    Caramba! E não é que esse tipo de gente não apenas existe mesmo, como ainda se manifestam desavergonhadamente?! São os "racistas humanistas".

    Segundo este cidadão chamado Flavio, o negro "NUNCA vai estar em pé de igualdade com um branco". Por quê? Não se sabe. Ele não disse. Ele apenas determinou que é assim. Certamente porque considera o negro uma raça inferior.

    Vale notar que, se o negro tiver a mesma produtividade do branco (e não há por que não crer nisso), então será muito mais negócio para qualquer empreendedor contratar a mão-de-obra negra. Afinal, a produtividade é a mesma, mas o salário, segundo os "humanistas racistas", será menor. Logo, os lucros serão maiores. Por que isso não ocorre? Será que os empreendedores odeiam tanto o lucro assim?
  • Atila Arruda  07/11/2013 15:47
    Flávio, Um ladrão rouba um celular de R$1.000,00 e se esconde na mata, a policia não consegue identificar o ladrão, o estado então resolve emitir 10 multas de R$ 100,00 para 10 moradores do bairro onde esta a mata que o ladrão se escondeu, para pagar a vitima do roubo, Um dos multados é o Flávio, foi feito justiça?

    2)Um assassino esta sendo procurado pela polícia a anos, o filho do assassino foragido se torna um jogador de futebol milionário, os descendentes das vitimas exigem que o jogador seja julgado pelos crimes do seu pai. É justo?
  • anônimo  07/11/2013 15:18
    'Não me lembro de nenhum asiático ter sido escravizado. Vcs se lembram em algum momento de História? Eu não.'

    Eles foram, superaram isso e hoje são ricos sem cota nenhuma

    en.wikipedia.org/wiki/History_of_slavery_in_Asia
  • Mauro  07/11/2013 16:20
    E há também o detalhe de que o governo americano, na figura do sempre repugnante Roosevelt, adotou a política de persguir explicitamente os japoneses que viviam nos EUA e mandá-los para campos de concentração.

    en.wikipedia.org/wiki/Japanese_American_internment
  • Rafael Franca  07/11/2013 15:20
    As favelas no rio vieram por conta da lei de aluguéis, que eliminou as moradias baratas que haviam na cidade, por conta de um congelamento de preços absurdo, que por fim acabou com essa opção e as camadas mais pobres começaram a invadir terrenos e contruir barracos; depois esses barracos evoluíram para casas de alvenaria e temos o que acontece hj. Coreanos foram escravizados por japoneses, brancos por mouros, e por aí vai.
  • Diones Reis  07/11/2013 20:10
    Não esqueça que as favelas do Rio começaram bem lá atrás, quando o governo do Marechal Deodoro mandou combatentes para Canudos, com promessas de casas e benesses (soldo).

    No fim do conflito, os combatentes voltaram ao Rio, e como o governo não honrou seus compromissos (grande novidade ¬_¬ ), acabaram por fazer moradias provisórios no Morro da Providencia, que deu início as favelas do Rio.
  • anônimo  07/11/2013 15:26
    [/i]'vão fazer o que? Dizer que ''não porque o branco vai ficar puto que vamos tirar o lugar dele'', me poupem...'[/i]

    Pra começo de conversa nem existe esse negócio de branco, isso aqui não é os EUA e o povo é todo mestiço.
    veja.abril.com.br/idade/exclusivo/060607/imagens/capa380.jpg

  • Andre Cavalcante  07/11/2013 15:34
    Interessante...

    "Um negro por mais bem formado que seja NUNCA vai estar em pé de igualdade com um branco numa disputa de emprego, por exemplo"

    Acho que o Joaquim Barbosa desmente você. Aliás, o próprio autor do texto desmente você. A propósito, ele é negro!
  • anônimo  07/11/2013 15:48
    Joaquim Barbosa que trabalha pro governo, não pra iniciativa privada e defende as cotas o tempo todo.
  • Andre Cavalcante  07/11/2013 15:56
    "Joaquim Barbosa que trabalha pro governo, não pra iniciativa privada e defende as cotas o tempo todo."

    Sim, mas a questão levantada não é essa, mas se o negro tem a mesma capacidade do branco ou não. Esses caras mostraram que tem tanta ou até mais capacidade. O Lewandowski não ganha uma nas discussões com o Barbosa.
  • Andre  07/11/2013 15:40
    Então, segundo você, os empresários não gostam de lucro.

    Pois, segundo você, eles vão preferir contratar um branco, pagando mais caro, por uma produtividade igual.
    Segundo você, os empresários preferem ter funcionários brancos mesmo que isso signifique menores lucros.

    Você está delirando.
    Procure tratamento.
  • TC  07/11/2013 19:17
    Os favelados fazem questão de morar na favela.
    É bem localizada, perto do trabalho, lá ninguém precisa pagar IPTU e eletricidade, os contratos de aluguel são livres, existe uma espécie de segurança, etc.
    Além disso, a grande concentração populacional faz com que os moradores gozem de um lobby muito forte, os espaços são disputados a ferro e fogo (literalmente) por ONGs, políticos, candidatos e afins.
    O fenômeno da favelização é demasiado complexo para ser reduzido a um sinônimo de pobreza, que é somente uma de suas facetas.
  • Marcos  08/11/2013 00:38
    "Não me lembro de nenhum asiático ter sido escravizado. Vcs se lembram em algum momento de História? "


    Não se lembra? China, Coréia do norte, Camboja, Vietna e etc. Todos socialistas.
  • anônimo  11/11/2013 23:18
    (Vocês sabem o que é estar na pele de um negro? Vcs sabem realmente a condição do negro na nossa sociedade? Vocês sabem qual é a imagem do negro no nosso país? Aproximadamente 90% dos presidiários são negros.)

    antes de qualquer me diga qual é o critério que você leva em consideração para determinar se uma pessoa é ou não negra

    diga qual é a fonte da sua informação que diz que 90% dos presidiários são negros

    ( Essa é a imagem que temos negros, pobres e marginalizados... Um negro por mais bem formado que seja NUNCA vai estar em pé de igualdade com um branco numa disputa de emprego, por exemplo.)

    nós quem?

    existem vários exemplos de pessoas que podem ser consideras como negras que são muito bem sucedidas

  • Felicio  20/08/2016 09:38
    Deve ser porque pardos são computados como negros pelo IBGE, meu caro.
  • Atila Arruda  07/11/2013 14:56
    Quantos estão dispostos a trabalhar duro e poupar?

    Pegando como exemplo a Venezuela, milhares de famílias que estavam na miséria, melhoraram levemente a sua condição econômica devido a programas tipo bolsa família,
    eles vão trabalhar quando o dinheiro do petróleo acabar ou vão exigir a taxação maior
    da pouca classe produtiva até a extinção desta. A plebe de Roma não satisfeita com os direitos civis passaram a exigir os bens dos aristocratas,dando apoio aos Césares.

    Césares+ Plebe do pão e Circo - Classe produtiva = Fim de Roma,Brasil, Eua, Grécia a antiga e atual, Venezuela, França , etc...
  • Sérgio  07/11/2013 15:30
    Um dos argumentos dos marxistas é que os asiásticos chegaram no topo como uma estratégia do governo americano vencer a guerra fria: os EUA financiavam programas de welfare state aos asiásticos, para garantir a vitória do capitalismo sobre o comunismo, já que a Ásia ficava no Oriente, que era "território comunista". Conseguem captar o raciocínio desta gente? É cada teoria maluca.
  • Dalton C. Rocha  21/11/2015 17:07
    Pois é. Nos testes de QI ( Quociente de inteligência), os asiáticos vencem os até europeus puros e, só perdem em QI médio para os judeus.
  • Hanrry Fermino  07/11/2013 16:49
    Como Thomas Sowell observou certa feita com extrema sagacidade, que os intelectuais de "esquerda" dividem a humanidade em três grupos: os desvalidos, os desalmados e os iluminados. Os primeiros, os pobres, são maltratados pelos segundos, os ricos, cabendo aos terceiros – os próprios intelectuais de "esquerda" – intervir munidos dos poderes coativos estatais para defender os bons dos maus e implantar a "justiça social" na Terra.

    Esses iluminados entoam a dança do apocalipse, convidando "os desvalidos" que sem apresentarem resistência são embalados num engodo satânicomarxista e persuadidos ao pé do ouvido que sem força sorriem e com olhos consentem como o beijo da morte; beijo este que tem sabor de subsidio "bolsa família" que delicia etc.. e, logo os faz apaixonar-se pelo "Robin Hood" chamado ESTADO. QUE PORCARIA, ISSO É ÁPICE DA ALMA ABATIDA
  • Charlton H. Hauer  07/11/2013 17:18
    Vídeo mais do que preocupante:

    Feminismo na Espanha: O Regresso à Inquisição:

    actualidad.rt.com/programas/desde_la_sombra/view/110506-feminismo-espana-regreso-inquisicion
  • Andre Canine  07/11/2013 18:54
    grande artigo. Parabéns ao Thomas Sowell pela lucidez e pelo tapa de luva de pelica na cara desses racistas
  • 'Robson  07/11/2013 19:08
    Sou negro e não sou a favor de nenhuma cota racial, não deve ser a cor da pele um critério para definir uma cota, pois uma familia de negros bem sucedidos, com uma boa condição pode usar a cor da sua pele para ter um beneficio.

    Porém sou a favor de qualquer cota social, pois o branco, o negro ou qualquer outra etnia que seja pobre não tem condições de disputar por exemplo uma vaga em uma universidade cursando uma escola pública em igual condições com quem frequenta uma escola particular.
  • Carlos  07/11/2013 19:16
    Isso é nonsense, Robson. A escola pública, em tese, existe justamente para os pobres.

    Sim, elas são péssimas, mas isso é inerente a todo e qualquer empreendimento estatal. Não tem correção.

    O que você está querendo é corrigir uma falha estatal aumento ainda mais a intervenção estatal. O que você quer é uma nova intervenção estatal para corrigir as falhas criadas pelas intervenções estatais anteriores. Isso seria um loop infinito.
  • 'Robson  07/11/2013 19:46
    Carlos apesar do texto se referir a cota no serviço estatal, referente as cotas de universidade, pegando o que você diz se a escola pública existe para os pobres logo a Universidade pública também deveria ser e não é isso que acontece na pratica, onde os que tem pouco dinheiro e se esforçam para fazer uma faculdade tem que cair nas Anhangueras da vida.

    Na época que existia o vestibular existia igualdade entre um aluno de escola particular e pública ?

    Logo quem tem dinheiro e pode bancar uma formação de base estudava na Usp e pobre se conseguisse bancar alguma coisa fazia alguma de 2ª linha é justo ?
  • Carlos  07/11/2013 19:53
    "pegando o que você diz se a escola pública existe para os pobres logo a Universidade pública também deveria ser e não é isso que acontece na pratica,"

    Não é o que ocorre na prática porque os pobres estudam em escolas estatais que são uma porcaria, e que existem justamente para, em tese, ajudar os pobres.

    Percebeu o loop de que eu lhe falei?

    "onde os que tem pouco dinheiro e se esforçam para fazer uma faculdade tem que cair nas Anhangueras da vida."

    De novo: é assim porque o estado fracassou completamente justamente naquele setor em que todos dizem que ele tem a obrigação de atuar. Aí você quer corrigir essa discrepância criando ainda mais discrepâncias.

    "Na época que existia o vestibular existia igualdade entre um aluno de escola particular e pública ?"

    Pela terceira vez: não havia igualdade porque a escola pública, um empreendimento estatal, é um fracasso. E você quer corrigir esse fracasso estatal criando novas intervenções estatais. Qual a lógica?

    "Logo quem tem dinheiro e pode bancar uma formação de base estudava na Usp e pobre se conseguisse bancar alguma coisa fazia alguma de 2ª linha é justo ?"

    Frase confusa. Mas digo apenas que, com o ENEM substituindo o vestibular, estamos já bem mais próximos deste sistema que você defende.
  • 'Robson  07/11/2013 20:18
    Carlos entendi o seu ponto de vista do loop do governo intervir em algo que é um fracasso do próprio governo.

    Então viveremos um eterno jogo onde quem tem dinheiro sempre vai ter as melhores oportunidades de estudo, de trabalho e os que não tem sujeitos a educação pifia e sub empregos independente de se terem líderes ou não, conforme cita o texto ou a qualquer forma de governos seja direita, esquerda, centro pois todos ja governaram e continua a mesma coisa.

    Como você é contra a esse loop qual seria a solução para resolver ou ao menos diminuir essa desigualdade sabendo que desde as diretas pouco mudou ?
  • anônimo  07/11/2013 21:03
    Deixando o mercado em paz, tudo que os ricos tem mais cedo ou mais tarde chega pros pobres.E o seu cel como vai? Já comeu tomate hoje? Teve um tempo que até o tomate era comida só de rico.

    (a esquerda é tão previsível que eu já sei até que o próx passo vai ser falar: mas educação não é mercadoria blablabla)
  • 'Robson  07/11/2013 22:29
    Defender um ponto de vista não é ser esquerda, alias esquerda, direita 2 porcarias que quando são oposição é cheio de criticas e soluções qdo chegam no poder fazem a mesma porcaria que criticaram e as soluções nunca aparecem.

  • Erick  20/11/2015 18:13
    Hahahaha exatamente!
    Acho que nós, as pessoas que tem que aturar a esquerda e suas estorinhas pra boi dormir, deveriamos montar um FAQ (Frequently Asked Questions) com os argumentos babacas típicos da esquerda. Que acham? Vale um artigo?
  • Occam's Razor  07/11/2013 19:37
    E os que estudam em escolas particulares baratas e de baixa qualidade? Esses são agora os estarão na situação mais desfavorável. Sempre que o governo cria critérios diferenciados para facilitar ou dificultar o acesso desse ou daquele grupo, na verdade cria-se uma nova injustiça, pois o governo não tem como saber quais fatores são relevantes ou não para o desempenho do candidato.

    Qualquer tentativa de corrigir esse problema que eu citei criaria novos problemas, ad infinitum.
  • Professor  08/11/2013 00:26
    A cota social se destina à promoção da inclusão dos mais pobres; a cota racial, por sua vez, à inserção do negro. Ambas são importantes e uma não substitui a outra. É preciso entender isso para não falar que é a favor da cota social na universidade no lugar da cota racial.
  • Diehl  20/11/2015 17:57
    Imagino que HOJE, se você faz parte dos "pobres e oprimidos" (como já fui), uma das formas de sair deste grupo é se aproveitar ao máximo do sistema atual (com Enem/bolsas/programas/tesouro direto/imóveis já perdeu a vez), trabalhar muito (como eu fiz), SE APRIMORAR PROFISSIONALMENTE com habilidades que lhe darão maior retorno financeiro e depois ensinar VALORES LIBERTÁRIOS, baseados no respeito e no trabalho aos seus filhos e que principalmente o indivíduo deve ser responsável pelo seu próprio sucesso.

    Depois de alguns anos como empregado, você terá condições (capital acumulado) para fazer aquilo que realmente gosta e ser remunerado pelo mercado se tornando um empreendedor.

    O problema do brasil não é simplesmente o governo,
    mas sim a grande maioria do povo que acredita que este governo é a salvação.

    Imagino que se eu estivesse em outro pais, ganhando 50% a mais (meu poder de compra não seria corrompido por impostos em cascata), e tendo um custo de vida 30% menor (devido a livre concorrência), provavelmente NÃO IRIA DEPENDENTE DE BOLSA OU NENHUM INCENTIVO para alcançar meu objetivo ideal de qualidade de vida.

  • Vania Bittencourt  07/11/2013 20:12
    RIDÍCULO! Nunca vi tanta polidez para defender algo tão escroto...
    Lembrete mental: nunca mais entrar nesse antro de coxinhas!
    Se o autor desse texto for realmente negro, só tenho a lamentar.
  • Negro Orgulhoso  07/11/2013 20:49
    Três perguntas, Vânia:

    1) O que é coxinha?

    2) O que há de tão escroto em dizer que os negros não precisam de ser tratados como gado? Por que você defende que o negro seja tratado como vaca?

    3) Por que seria lamentável o autor do artigo ser negro? Você é do tipo que acha que todo negro tem de fazer pose de coitadinho, né? Conheço bem seu tipo.

    Eis aqui uma foto do autor do artigo.
  • Douglas  07/11/2013 21:07
    Eu conheço coxinha sendo uma palavra ofensiva para policiais, mas acho que não foi assim que ela quis dizer. Ela é desses tipos de pessoas que sempre vão ganhar discussões no grito, não mostra argumentação, não refuta nada. Ela simplesmente crê em algo e aqueles que pensam diferente dela simplesmente merecem ser fuzilados. Ela não conhece o real significado de liberdades de expressão sendo o de você defender o direito de alguém dizer algo mesmo que seja algo totalmente contrário o que você pensa. Ainda bem que aqui temos muita gente inteligente que tem argumentação ótima e bom senso pra lidar com este tipo de gente.
  • Gilmar  09/11/2013 11:45
    Não dá pra querer muito de quem usa a expressão "Lembrete mental", existe outro lembrete que não seja mental? Seria um "Lembrete pulmonar" talvez?

    A maioria do povão brasileiro é analfabeto funcional.
  • Felipe  20/11/2015 19:05
    Gilmar,

    Quase dois anos depois, mas tudo bem...

    existe outro lembrete que não seja mental?

    Que tal um lembrete de papel colado na geladeira?

  • Shmuel  23/11/2015 13:26
    E o lembrete de papel colado na geladeira foi idealizado onde? No pâncreas?
  • Felipe  23/11/2015 13:40
    Qual a importância de saber onde foi idealizado?
  • cotista  07/11/2013 20:24
    Sabe o que me incomoda? Chegar na Universidade e quase não ver gente pobre ou negra estudando lá. E quando tem passam os maiores perrengues, tanto é que esses alunos estavam na luta por moradia e alimentação.

    Cotas constituem um instrumento para que o direito de ingresso em uma Universidade seja amplo. Há inumeras questões sobre a qualidade da educação básica e distribuição de renda, claro. Mas não creio que essas pendências se resolverão tão cedo.

    As cotas são uma medida provisória. Enquanto não houver igualdade racial, haverão cotas até que haja.
  • Andre  08/11/2013 13:35
    "Sabe o que me incomoda? Chegar na Universidade e quase não ver gente pobre ou negra estudando lá."

    Então você é um racista, pois fica verificando as pessoas pela cor da pele.
    Já o vestibular, antigamente, não era racista, pois avaliava as pessoas apenas pelas respostas numa folha de papel.

    "E quando tem passam os maiores perrengues, tanto é que esses alunos estavam na luta por moradia e alimentação."

    Então, na sua visão racista, se um negro passa por alguma dificuldade para adquirir moradia e alimentação,
    automaticamente você deduz que essa dificuldade tem alguma relação com a cor da pele da pessoa, ao invés
    de tentar realmente entender o porquê dessas dificuldades.
    Quanto racismo...
  • anônimo  08/11/2013 13:47
    'Cotas constituem um instrumento para que o direito de ingresso em uma Universidade seja amplo.'

    Não existe 'direito de ingresso' numa universidade.Você não tem direito nenhum sobre a vida dos outros, nem o direito de obrigar o professor a te ensinar nem o direito de obrigar os outros a pagarem o salário do professor.
  • anônimo  08/11/2013 16:12
    'Sabe o que me incomoda? Chegar na Universidade e quase não ver gente pobre ou negra estudando lá. '

    Então veja como estar numa universidade custava pouco antigamente,(o que obviamente beneficiava os mais pobres, como o pai do Peter Schiff) e o que acontece depois que o governo resolve se meter

  • anônimo  11/11/2013 23:24
    "Sabe o que me incomoda? Chegar na Universidade e quase não ver gente pobre ou negra estudando lá. E quando tem passam os maiores perrengues, tanto é que esses alunos estavam na luta por moradia e alimentação."

    qual o critério que você usa para definir se uma pessoa é pobre e negra?

    "Cotas constituem um instrumento para que o direito de ingresso em uma Universidade seja amplo. Há inumeras questões sobre a qualidade da educação básica e distribuição de renda, claro. Mas não creio que essas pendências se resolverão tão cedo.
    "

    cotas continua sendo um jeito do governo falar que o beneficiado pelas cotas não é capaz de conseguir uma vaga por si próprio na universidade

    "As cotas são uma medida provisória. Enquanto não houver igualdade racial, haverão cotas até que haja."

    igualdade racial nunca vai existir,uma raça não é igual a outra
  • Emerson Luís  11/09/2016 13:37

    "Não existe nada mais permanente que um programa provisório do governo" - Milton Friedman

    * * *
  • historiador  07/11/2013 21:20
    Se bem que no caso dos EUA, a situação dos negros era muito ruim. Primeiro teve a escravidão. Depois os criminosos Red Shirts e o Ku Klux Klan que praticavam o linchamento de negros (o Ku Klux Klan até hj tem apoio considerável da população branca do sul dos EUA). Depois as leis Jim Crows. Depois teve mais racismo ainda durante o governo do presidente Woodrow Wilson. A opressão dos negros durou muito tempo nos EUA. Então, lá nos EUA, as cotas são justificáveis. Mas aqui no Brasil não. A escravidão foi abolida em 1888 e depois disso vivemos no que se costuma chamar de "democracia racial". Nunca teve leis Jim Crows ou grupos como Ku Klux Klan aqui no Brasil.
  • Dalton C. Rocha  21/11/2015 17:50
    A situação do negro no Brasil é e sempre foi pior que que nos Estados Unidos. Por que a emigração de negros dos Estados Unidos para o Brasil, África, etc. não obstante todo o racismo, Ku Klux Klan, etc.
    É que a vida do negro nos Estados Unidos sempre foi melhor que no Brasil. Alguns fatos:
    1- Nos Estados Unidos a Abolição da Escravidão ocorreu mais de 20 anos antes do Brasil. 1865 lá, contra 1888 aqui.
    2- Os níveis de salários, saúde pública, infraestrutura, etc. para os negros, nos Estados Unidos, são e sempre foram maiores que no Brasil.
    3- Só nos anos 1970 é que o Brasil teve a maioria de sua população, em idade escolar matriculadas, em escolas. Ver livro Um Híbrido Fértil" autor: Jarbas Passarinho. Nos Estados Unidos, a maioria das crianças negras já estavam regularmente escolarizadas, já na década de 1900.
    Isto são fatos.
    Mais uma coisa. Lute de classes morta; luta de raças posta.
  • opinador  21/11/2015 19:43
    Pq ? Pois com toda intervenção os EUA são uma paraíso liberal em comparação com o Brasil.

    Com todos os problemas de racismo, os negros bastaram ir protestar e conseguiram.

    Mas o que conta lá mesmo é a situação econômica. Se fosse pobre eles iriam se ferrar como aqui.

    Não só nos EUA, mas na Inglaterra, na França que são países europeus com muitos negros, os mesmos estão bem melhores por estarem em economias mais dinâmicas em relação ao Brasil.

    Fora que eles absorvem a cultura de crescimento individual desses países.

    Enquanto aqui o unica meta do negro até uns dias desses era ser de um grupo de samba ou jogador de futebol (nada contra)
  • Anonimo  22/11/2015 03:27
    Qualquer porcaria é um paraíso em comparação com o brasil
  • anônimo  07/11/2013 21:39
    bullshit!
  • Abdula  07/11/2013 22:05
    Sou negro e a favor da cota racial no serviço público. Quando leio sobre isso, meus olhos brilham de alegria. É muito bom pensar que vai ser mais fácil conseguir um emprego público. Não ligo se vão pensar que sou limitado intelectualmente. Conseguindo um lugar naquele setor, está ótimo. O que me importa, de fato, é ter chances de melhorar de vida, de conseguir um emprego melhor, de elevar minha remuneração, de saber que amanhã não vou estar na estatística dos desempregados, etc. No mundo real, são essas coisas que contam; não se o sujeito foi beneficiado por uma cota. Esses são motivos egoístas meus. Porém também tenho razões de outra ordem, razões não egoístas, que deixo para um próximo post.
  • anônimo  08/11/2013 13:55
    Você apenas disse que é exatamente a mesma coisa da maioria do povo brasileiro, doido pra virar funça, ganhar um montão de dinheiro e não ta nem aí pros otários que tem que passar quase metade do ano trabalhando pra sustentar teu salário nababesco
    Não sei como é que gente assim consegue dormir de noite.
  • Aludba  08/11/2013 20:32
    O que deveria limitar os desejos individuais? A voluntariedade nas relações humanas ou o desejo imposto pela força guela abaixo financiado com nosso próprio dinheiro? Toda vez que vejo esse tipo de crítica cretina ao individualismo metodológico, como se ele fosse uma consagração do egoismo inescrupuloso, dá uma dó do cidadão que a pronuncia. Dó porque a defesa da limitação dos desejos individuais pelas imposição política foi justamente o que permitiu a escravidão. A lei servia aos interesses dos poderosos e permitia a transgressão à auto-propriedade.
    Quando se usa meios imorais para atingir um determinado fim, autoriza-se implicitamente o uso de imoralidades por parte de quem quer que seja. Se hoje você defende que o estado deve favorecer o grupo X, qual a legitimidade que se tem caso amanhã ele prejudique esse mesmo grupo? Ou que o outro grupo chegue ao poder e volte com a escravidão? Qual é o argumento para que o grupo X/ o indivíduo Y/ o país Z possa fazer uso de um meio imoral e os outros o aceitarem como legítimo? Se X, Y ou Z puderam ser imorais, o que os distinguem em direitos dos outros?
  • Guimarães  07/11/2013 22:05
    Aí, galera, cês tão tudo atrasado no debate. A coisa já está muito mais avançada:

    Usuários de drogas podem ter 10% de vagas em concurso

    Quer virar funça? É só queimar um mato ou aspirar uma carreira. Tô indo nessa. Fui.
  • Dalton C. Rocha  07/11/2013 22:09
    Esquerda ligada ao racismo, começou com Karl Marx, lá no século XIX. Ver site: occalertabrasil.blogspot.com.br/2013/03/o-racismo-de-karl-marx.html e sites similares.
  • Marcos  07/11/2013 23:15
    Tem que se analisar o contexto dos EUA e do Brasil. Nos EUA, as cotas são justificáveis, porque lá, os negros foram oprimidos por muito mais tempo. Veja bem: primeiro a escravidão, depois que a escravidão foi abolida, surgiram grupos criminosos racistas como Red Shirts, Ku Klux Klan, e o linchamento de negros; depois as leis Jim Crows; depois a expansão de cultura racista sob o governo Woodrow Wilson. Então, nos EUA, as cotas são justificáveis (principalmente no Sul) porque lá, a opressão racista foi muito pior. Aqui no Brasil é diferente. Aqui no Brasil, depois da abolição da escravidão, não houve mais opressão contra os negros. Não houve nada como as leis Jim Crows e aqui nunca existiu um grupos racistas como o Ku Klux Klan. Aqui vivemos algo como uma "democracia racial". Então, é diferente os contextos. Nos EUA, as cotas são justificáveis, no Brasil não.
  • anônimo  08/11/2013 12:12
    Oi Marcos, os imigrantes alemães, poloneses e italianos foram perseguidos e linchados pelos soldados de Getúlio Vargas no sul no Brasil. Que tipos de cotas vamos dar para eles para reparar esta dívida histórica?
  • thiago mota  08/11/2013 13:55
    Black Rednecks and White Liberals - recomendo esse livro do Sowell...
  • Melanie Schwartz  08/11/2013 15:07
    Eu não acho que as cotas sejam eficazes para reduzir o racismo.
    Sinto que definir critérios baseados na cor da pele na legislação promove ainda mais segregação. Tipo assim, "negros e brancos são diferentes! Que isso fique bem claro, ok?". Se a preocupação é com a redução nas disparidades de renda, então que as cotas sejam para pessoas pobres, independentemente da cor. Se a maioria das pessoas pobres são negros e mestiços, então os pertencentes a esse grupo seriam consequentemente os mais beneficiados.
    Finalmente, destaco que não estou defendendo o uso ou não de cotas, pois não tenho opinião formada a respeito. Só estou entrando no mérito do critério estabelecido para definição das cotas. :)
  • Ricardo Troutman  08/11/2013 15:24
    +1 gostei!
  • Cleiton  08/11/2013 16:19
    Que tal tentarmos cotas para os que tirarem melhores notas nos exames de admissão?
  • Ricardo Troutman  08/11/2013 19:01
    apoio também! não vejo problemas. na verdade, o que eu defendo é uma oportunidade aberta, seja com cota ou sem limite. eu gostaria de ver o setor público e privado colocando a mão no bolso e oferecer oportunidade dentro do padrão sustentável e adequado para a cultura brasileira! oferecer oportunidade apenas isso! ficou claro?
  • Mina Sangue Bom  08/11/2013 10:14
    Quantos negros gerente de banco, executivo, médico, empreiteiro, engenheiro, etc. vc vê no Brasil? Quase não existe, pois o povo negro foi negligenciado pelo Estado por séculos. Só recentemente na História Brasileira que começou a haver políticas de resgate dessa população historicamente marginalizada neste país.

    ps: Sou classe C, negra, moradora de periferia e cheguei a este site por acaso. É a primeira vez que comento aqui.
  • Rodrigo  12/11/2013 12:50
    Mina, você se diz Sangue Bom; porque? o sangue dos demais é ruim? O que se combate aqui é justamente a intromissão do estado (pessoas como as demais)na vida de pessoas livres. Se você "abrir a guarda" essas pessoas do aparato do estado que, na maioria das vezes não são melhores do que você, se convencem de que têm o direito até de te fazer atravessar a rua conduzida pela mão, só que você terá de aceitar a atravessar a rua que eles quiserem, no local que eles determinarem, e no horário que eles permitirem. Será que o teu sangue bom vai permitir tal humilhação?
  • Zulu dos Palmares  08/11/2013 10:25
    Pra mim Thomas Sowell é um racista. Se dependesse de pessoas assim, ainda seriamos escravos.
  • anônimo  08/11/2013 15:57
    O nome do cara era ZUMBI.
    E ele mesmo tinha escravos.Negros.E aí, é racismo reverso também?
  • Rafael  08/11/2013 20:46
    Se dependêssemos de de pensamentos racistas como o seu aí sim seriamos escravos. O que acabou com a escravidão foi a revolução industrial que tornou a mão de obra escrava inviável. A prova disto é que mesmo apos a lei abolicionista a escravidão continuou existindo por muito tempo. A escravidão alias sempre foi produto do Estado e sempre foi financiada pelo estado. So pra você saber, Thomas Sowell é NEGO PRETO.
  • Ricardo Troutman  08/11/2013 13:30
    Primeiro, não entendo suficiente o caso de cotas e "affirmative action" e muito menos a Universidade de Michigan, Stanford, e nem o governo norte americano ou brasileiro. Essa discussão não é tão fácil assim de generalizar. Se há recursos para desembolsar que seja feito adequadamente em proporções para o setor público e privado...perfeitamente! Distribuir uma quantia para colégios públicos e privados! Exemplo Detroit Country Day, um colégio de primeira e católico nos EUA, oferecia bolsa para alunos e atletas de baixa renda para estudar no seu colégio. Havia recurso público da região (municipal- ex. IPTU) e apoio privado, os dois trabalhando junto para agregar valor acadêmico e diversidade! Há inúmeros exemplos de como conquistar essa questão de cotas e inclusão, não é fácil mas tudo depende da questão humana e filantrópica. Acredito que devemos realmente estudar e dedicar um bom tempo sobre essa questão e construir um sistema sólido e honesto. Tem muito talento no Brasil que deveria ser procurado e investido para o nosso futuro. Mas eu procuraria apoio e investimento dos setores público e privado! A questão é saber interpretar inclusão e diversidade corretamente! Abs
  • anônimo  08/11/2013 13:49
    Mais um que acredita que a riqueza cai do céu e tem que ser 'distribuída'...
  • Ricardo Troutman  08/11/2013 14:50
    Na verdade não! apenas citei uma opinião, e apresento o meu discurso por conta da pouca experiência que tenho com grupos filantrópicos. Acredito que seja uma escolha pessoal de cada um e não obrigatória. Por meus pais sou grato, e um dia gostaria de pay it forward oferecendo oportunidade em forma de estudo, e isso não depende de raça, credo ou seja que for! Abs
  • Vito Fontenelle  08/11/2013 16:18
    Esse "lideres" do movimento negro no brasil deveriam ler Sowell e principalmente o discurso do Dr. King.
  • Eduardo  08/11/2013 17:31
    É por isso que eu digo e repito: nenhum pecado para Deus passará impune. Ai daqueles que acham que podem enganá-Lo, fazendo-se passar por cordeirinhos apenas pelo discurso sociológico fácil. Graças a Deus enxerguei a tempo de mudar para o pensamento libertário, pois já fui um pseudo-socialista com retórica esquerdopata. Hoje estou curado, aleluia!
  • Cauê  08/11/2013 18:35
    Esse pessoal é pago pelo governo pra dizer essas porcarias não percam o tempo de vocês.

    Pelo jeito o IMB foi "descoberto" agora isso aqui vai virar seção de propaganda esquerdista...Vai ser igual seção de comentário de jornais...lamentável

    Nem aqui temos paz desse governo desgraçado
  • Nilton  09/11/2013 02:41
    Sobre cotas nos concursos públicos o negócio é que as coisas chegaram tarde para os negros.. Tiveram azar na sorte. Explico a questão. O azar dos cotistas que sonham com o emprego público bem remunerado,num momento que o Governo promete cotas raciais para eles é que este Governo esta vermelho, e sangrando.

    O negócio é que o Governo não consegue mais arrecadar tributos suficientes para suas imensas,colossais despesas. O grito já foi dado. avaranda.blogspot.com.br/2013/11/governo-no-vermelho-e-sangrando.html


    È fácil as pessoas sejam negras ou de qualquer cor pensarem no Governo dando isto,aquilo para elas. Acontece que Governo não é DEUS ( o Deus bíblico) que pode todas as coisas. Os esquerdistas sonham com um deus-estado capaz de dar a todos( que os esquerdistas quiserem) todas as coisas.

    Mas ! Este deus-estado está falindo. Olha ! Como anda as contas do Governo brasileiro.
  • Brenno  10/11/2013 04:08
    É meus amigos esse era uns dos sites livres desses esquerdistas/marxistas, mas pareces que os mesmos descobriram esse site e inundarão com suas besteiras ideológicas.
  • Viktor  10/11/2013 15:50
    Os militantes virtuais pagos com dinheiro das estatais e do próprio governo estão infestando aqui o site do Mises somente com o intuito de atrapalhar o debate e o estudo daqueles que detestam as esmolas governamentais. Se a situação começar a piorar, vai ser o jeito deletar os comentários dos petralhas.
  • Rodrigo  11/11/2013 17:14
    Cleiton, mandar o sujeito tomar na porta retal pode não pegar bem como diz o Douglas, mas você pode presenteá-lo com uma copia daquela "música" da Cris Nicolotti, viu Douglas? É música, segundo consta, e é presente; ninguém pode negar.
  • Emerson Luis, um Psicologo  11/11/2013 17:39
    Os canhotos também sofreram preconceito e perseguição; logo, os canhotos devem ser compensados pelos destros. Obama, além de tudo, é canhoto!

    * * *

    O Típico Filósofo não apareceu, mas surgiram vários discípulos dele.

    * * *
  • Típico Filósofo  11/11/2013 18:39
    Julguei dispensável minha intervenção.
    Seria tautológico fazê-la após tantas já realizadas no passado.

    Não há nada que possa fazer pelo senhor Sowell:

  • Nel Oliveira  12/11/2013 18:28
    A cota é verdadeiramente válida só se for temporária. Brancos tiveram vantagem histórica sobre os negros durante um bom tempo. Agora é preciso dar alguma "vantagem para balancear". Mas vantagem finita, temporária, aos negros e índios. Porque a desvantagem também foi temporária. Cotas permanentes seria uma resolução racista, claro, concordo. Igualdade é fundamental. Mas Vejam: nós, negros, nem queremos açoitar, prender ou subjugar brancos como seus trisavós fizeram com os nossos antepassados. Queremos fazer algo com mais dignidade do que seus antepassados aprontaram... Nem estamos pedindo a vocês parte da herança (fruto do trabalho escravo, árduo e degradante das nossas famílias que enriqueceram muitos de vocês)... Pedimos apenas cotas (temporárias). Nada mais justo, pacífico e razoável. Digno. Melhor que 38 na cabeça nos faróis, melhor que apavorar os brancos endinheirados... A violência urbana e rural começou no Brasil com os brancos sequestrando, apavorando e espancando negros....nossa proposta é Simples assim: Cotas...Não é justiça total, mas já nos contentamos com isso (entre outras políticas publicas do gênero). Deviam agradecer: acreditem, estamos tendo a educação e a honra que seus familiares não tiveram. Uma solução pacífica, uma resposta pacífica para um ação violenta cometida "por vocês brancos" num passado brasileiro muito recente. Agradeçam por respondermos com honra e não com armas (como fizeram conosco no passado). Cotas é um caminho digno para uma verdadeira igualdade. Igualdade de verdade...com consciência histórica, econômica e social. Quem não consegue ver isso é cego ou não quer ver... isso sim é ignorância. Mas acredito que as pessoas podem aprender, acredito no ser humano.
  • Márcio  12/11/2013 18:38
    "Nós, negros, nem estamos pedindo a vocês parte da herança. Pedimos apenas cotas (temporárias). Melhor que 38 na cabeça nos faróis, melhor que apavorar os brancos endinheirados. [...] Agradeçam por respondermos com honra e não com armas."

    Que delicadinho! "Ou vocês nos dão cotas ou metemos o trabuco na sua cara nos semáforos."

    Obrigado pela franqueza. É sempre bom saber com quem estamos lidando.
  • anônimo  12/11/2013 19:17
    'Mas Vejam: nós, negros, nem queremos açoitar, prender ou subjugar brancos como seus trisavós fizeram com os nossos antepassados. Queremos fazer algo com mais dignidade do que seus antepassados aprontaram... '

    Primeiro, tu acha que é americano é? Essa besteira de 'brancos', 'negros' como se o brasil não fosse um país de mestiços? Na hora de bancar a vítima vale até inventar uma realidade alternativa, só pode
    Segundo, meus avós não acoitaram ninguém, e mesmo que tivesse sido o caso eu não tenho nada a ver com isso, o que eles tão falando é que um filho tem que pagar pelos crimes dos pais, patético isso.
    Não adianta essa choradeira, eu não devo NADA pra vocês.
  • Occam's Razor  13/11/2013 00:16
    Nel Oliveira é o Típico Filósofo?
  • Douglas  22/11/2015 03:03
    Já que é para ficar remoendo o passado, vamos voltar um pouquinho.

    É amplamente sabido que os maiores comerciantes de negros, erma outros negros ou seja, os poderosos lá da África eram os grandes "fornecedores" deste grande negócio.

    Essa é a grande diferença entre os negros de antigamente e os outros povos que sucederam, as pessoas erma traídas por sua própria "raça" (com aspas, pois ser branco ou negro não se refere a raça, a única raça que existe é a humana) ao passo que povos asiáticos e europeus defendiam seus pares até a morte se fosse necessário.

    Meus bisavós vieram da antiga Checoslovaquia para cá no início do século, fugindo da guerra que assolava o continente na época, praticamente sem um centavo no bolso, trabalharam muito, enriqueceram, e também perderam tudo em uma geada que assolou nossa região e destruiu praticamente todas as plantações que encontrou pela frente, eles foram alguns dos que nunca se recuperaram desta para valer, quando meu bisavó morreu minha querida bisavó não tinha dinheiro para comprar uma camisa para ele, de quem devemos cobrar essa dívida histórica? Tenha dó meu caro, essa conversinha fiada não cola mais.

    Esse seu papinho de me dê as cotas ou vamos colocar uma aram na sua cabeça, mostra bem qual é sua linha de raciocínio, existem outras pessoas negras que compartilham de sua ideia (e também brancas e de todas as outras cores), a última coisa que vocês devem adquirir é conhecimento, afinal de contas como diz o ditado conhecimento é poder, e é assustadora a ideia de ter pessoas com este ódio secular gravado no coração, tendo poder, comandando empresas, julgando casos, ou até governando países (ops isso já aconteceu aqui como nosso querido PT, veja só que beleza está nosso país).

    Sem mais
  • Ricardo Troutman  12/11/2013 18:46
    Baixou o nível total minha gente. Pessoas perderam a noção do tópico junto com o respeito ao próximo. Agora virou papo de puro preconceito e discriminação entre ambos! Parece que não conseguimos argumentar com lógica, razão e comportamento adequado. Boa sorte para todos! abs
  • Nel Oliveira  13/11/2013 18:07
    Para quem não sabe: MESTIÇOS NO BRASIL ERAM ESCRAVOS (por lei).
    Filhos de negros eram sempre escravos (antes da lei do ventre livre).

    Se MESTIÇOS eram escravos, agora MESTIÇOS terão COTAS.

    Justo e simples assim...

    Ninguém, pessoalmente, deve nada aos negros. O Estado Brasileiro deve. Agora esse mesmo estado deve pagar -- com impostos de todos (Aliás, os negros e pardos também pagam impostos no Brasil, vale lembrar).

    Quem acha que o passado passou... faço uma pergunta: vocês, brancos (sem nenhum preconceito, sério) abririam mão de parte de suas heranças? pesquisem a origem... mesmo que seja uma pequena fração (ou grande)... a herança ou em parte é fruto de vantagens dos brancos (de branco sobre negros-mestiços no mercado de trabalho) ou é fruto do trabalho escravo (mesmo em alguma porcentagem). Mesmo que indiretamente... Óbvio, muitas heranças são fruto de trabalho sério e honesto de brancos, negros, mestiços...Não posso generalizar. Mas, muitas heranças, a maioria talvez, são, logicamente, fruto em parte dessa exploração, dessa violência não muito distante...então, BINGO! O passado faz parte do presente. O passado construiu a realidade que vivemos hoje. VAMOS REPARAR ISSO? claro. Agora NÓS, NEGROS E MESTIÇOS, PODEMOS VOTAR E FAZER PRESSÃO POLÍTICA. Lindo isso! Muitos morreram por isso. Por liberdade e justiça. Estamos quase lá! Oxalá! Não é ironia... tô feliz mesmo. Desejo o bem para todos, de verdade. A reparação é o único caminho para a igualdade. E será bom para todos; negros, brancos, mestiços, índios... bom para o Brasil. E venceremos!


  • Malthus  13/11/2013 18:37
    "Ninguém, pessoalmente, deve nada aos negros. O Estado Brasileiro deve. Agora esse mesmo estado deve pagar -- com impostos de todos."

    Que lógica linda e impecável. Que entidade mágica é esse tal Estado que "está em dívida" com os negros mas pode quitar suas dívidas com o dinheiro de terceiros que nada têm a ver com a confusão? Como faça para também ser um credor dele? Gostei desta transubstanciação de "dívida própria" em "cobrança de todos".

    A miséria moral e intelectual deste país é sem fim.
  • Andre  13/11/2013 19:01
    "Quem acha que o passado passou... faço uma pergunta: vocês, brancos (sem nenhum preconceito, sério) abririam mão de parte de suas heranças?"

    Segundo essa lógica, se o seu pai tivesse cometido crimes você teria que pagar pelos crimes dele.

    E segundo essa lógica, até mesmo os brancos paupérrimos tem que pagar para que negros de classe média tenham privilégios.

    E mais ainda, segundo essa lógica o governo deveria então ter aplicado uma multa à todos os senhores de escravos na época da abolição. Ao invés de cobrar agora de TODO MUNDO, inclusive de imigrantes que vieram para o Brasil e que NUNCA eles, e nem os antecedentes deles escravizaram ninguém.

    Enfim, sua lógica não faz sentido algum.

    Eu poderia listar um enormidade de inconsistências e injustiças causada pela cotas.
    Mas como será em vão vou ficar só com essas.
  • Juliano  13/11/2013 19:05
    O coletivismo é mesmo uma praga! Quando a pessoa só enxerga grupos, conflitos de pessoas precisam necessariamente ser transferidos aos grupos. É fla x flu o tempo todo. Ou você está de um lado ou necessariamente está do outro.

    Todos os negros eram escravos? Todos os brancos tinham escravos? Todos os brancos foram beneficiados com a escravidão? E os que vieram depois de 1888 para o Brasil, também foram beneficiados? Negros não tinham escravos? Como era a vida de um branco pobre durante o império? Meus ancestrais nem estavam por aqui nessa época e minha esposa tem ancestrais índios e brancos. E daí, ela deve receber só meia cota?

    Lógica e realidade não têm espaço nesse debate. Para encaixar na visão de mundo simplista coletivista, todos os brancos devem arcar com uma dívida histórica e pronto. Se a realidade não é tão simples como a teoria, que se dane a realidade!

    Sou muito simpático à posição do Fernando Chiocca. Não existe um critério razoável para definir quem vai receber um curso superior que os outros são obrigados a sustentar. Da mesma forma, não consigo imaginar um critério para uma função que sou obrigado a contratar. Pode ser decorar um monte de bobagens ou a cor do cara. Tanto faz! Mas isso não significa que esse discurso pró-cotas seja menos ridículo.

    A cereja do bolo é "Ninguém, pessoalmente, deve nada aos negros. O Estado Brasileiro deve"... é de chorar!
  • Renato Souza  17/11/2013 04:44
    Vejamos esta questão.

    Descendentes de senhores de escravos poderiam ser cobrados? Isso até tem sentido. Justiça criminal não passa para os filhos, agora questões de direito civil sim. Quem receberia? Descendentes de escravos.

    Agora vejamos as implicações. Uma grande parte da população branca do Brasil teria de ficar fora do ressarcimento. Descendentes de italianos, alemães, húngaros, americanos, letos, sírios, turcos, libaneses, japoneses, coreanos, chineses e mesmo espanhóis e portugueses de imigração mais recente não poderiam ser considerados como descendentes de senhores de escravos, a não ser que tivessem, também algum ascendente que foi senhor de escravos. A rigor, teria de ser feita uma amplíssima pesquisa genealógica pois mesmo entre os brancos descendentes de brasileiros mais antigos, uma parcela importante não é descendente de senhores de escravos. Fica a questão de saber se a compensação é apenas para questões acontecidas aqui no Brasil ou também em outros países. Porque a escravidão foi um problema mais amplo do que alguns supõem. Por exemplo, a palavra "eslavo" significava escravo, porque povos eslavos foram no passado escravizados por outros povos. Há a questão dos europeus que foram escravizados por muçulmanos, principalmente durante o império turco, mas não só. Mas por simplicidade, deixemos essa questão de lado. E há uma grande quantidade de brancos que são descendentes de escravos negros. Se você me encontrar, jurará que sou branquinho da silva, mas minha avó era negra, logo sou descendente de escravos. Então posso provar que há escravos na minha ascendência, e provavelmente ninguém conseguirá provar que há senhores de escravos entre meus ascendentes, embora essa não seja uma hipótese impossível. Sou candidato a receber reparação?

    Agora pensemos numa solução simples: Qual a pior coisa que é feita contra os negros atualmente? Se forem pobres, são obrigados a mandar seus filhos para escolas péssimas (literalmente, porque se não mandarem vão presos). Penso que um bom princípio de reparação seria as crianças negras não serem mais obrigadas a estudarem nessas escolas horríveis, antros de criminalidade, desrespeito e ignorância.
  • Nel Oliveira  17/11/2013 18:37
    Não se faz política pública baseada em exceções, em expectativas de perfeição ou de conceitos de "ótimo" econômico, de exatidão administrativa. Também não tem nada a ver com direito civil ou criminal. Tipo: " sou descendente de escravo mas sou branquinho. Pronto, o critério de cor não é viável". Ou "Apenas descendentes de senhor de engenho devem pagar a reparação". Ora, estamos falando de uma nação, de um País. Óbvio que negros tiveram, têm e continuaram tendo desvantagens. Seja no passado pela escravidão e no presente por discriminação contra negros e pardos. Alguém nega isso? Então, é preciso dar vantagens aos negros, já que os negros deram vantagem aos brancos no passado. A vontade de fazer justiça (e fazer justiça de fato) não pode ser limitada por "problemas de métodos". Nenhum método será perfeito. Mas pior do que isso é cruzarmos os braços. Afinal, qual política pública social é perfeita? Nenhuma. Mas são totalmente necessárias. Mas por uma questão de descência, de ética e de moral. Poque A questão técnica-administrativa é algo muito menor, muito quadrada. Qualquer povo escravizado dentro de uma mesma nação, dentro de um mesmo estado (legal e geográfico) têm direito a exigir correções. Principalmente num passado tão recente. Quem dá vantagens precisa receber vantagens. É um direito moral inalienável exigir retorno daquilo que deu a contragosto (para dizer o mínimo). Acho que ignorar a situação atual dos negros hoje no Brasil ou é racismo ou é ignorar compatriotas que ajudaram a construir o Brasil de hoje. Pode ser também egoísmo de classe social, não "querer se misturar", não é mesmo? Façamos as cotas, não será totalmente justo. Mas muito menos injusto do que a situação como está. Sobre escola pública: tem muito burguesinho em escola de ponta que são tapados. E muitos gênios dando show que saíram de escolas publicas. O Brasil está mudando...
  • Magno  18/11/2013 20:42
    Ei, Nel, você, como contumaz defensor dos direitos dos negros, certamente está bem ocupado nas redes sociais fazendo uma defesa intransigente de Joaquim Barbosa -- que está sendo impiedosamente atacado por blogs financiados por estatais, sendo chamado de, entre outras amenidades, "macaco" e "capitão do mato". Tenho certeza de que você está agindo em defesa de um semelhante, certo? Cole aqui os links que mostram sua defesa do negro Barbosa. Vamos ver sua coerência.
  • Occam's Razor  18/11/2013 22:53
    Melhor esperar sentado. Barbosa teve o atrevimento de trair a revolução. Isso faz dele um negro de alma branca, o que significa que ele não mais possui qualquer direito individual.
  • anônimo  18/11/2013 21:07
    (...)O Brasil está mudando...(...)

    Sim, Nel, de fato está mudando. Pena que você só vai perceber que a luz no fim do túnel na verdade é um trem vindo na sua direção quando for muito tarde para sair da frente.

    Mas não vá dizer que foi por falta de aviso, viu?
  • Andre Cavalcante  19/11/2013 12:17
    "Seja no passado pela escravidão e no presente por discriminação contra negros e pardos. Alguém nega isso?"

    Eu nego. Veementemente.Já tive um chefe que era um negão muito bem educado, mas muito enérgico. Aprendi MUITO, mas muito mesmo com ele. Até hoje somos amigos. Sou colega de trabalho de um negão, que foi à Europa defender um trabalho em um congresso e foi 1º lugar. Detalhe, ele tirou o seu doutoramento antes de mim, que sou branco.

    Ah! Um detalhe. Sou branco, mas com vó índia, por parte de pai e vô português por parte de mãe. A lei me permite ter cidadania portuguesa (eu já tenho), mas não posso usar o mesmo critério para me dizer índio (o governo daqui não me dá o título), o que gostaria muito, porque o que tem aqui de concurso com cadeira cativa para índio... (Moro em Manaus, capital do Amazonas, excetuando Roraima, o 2º estado mais índio do país). Aonde está o racismo, neste caso?

    Concordo com o artigo. O que atrasa os negros é esse vitimismo absurdo que tentam impingir a eles. Eles tem as mesmas capacidades (às vezes até maiores, considerando os esportes e a música, por exemplo) que os brancos. Quem não "tá nem aí" para a sua origem negra e vai a luta, vence. Quem fica pelos cantos remoendo a época da escravidão a mais de 100 anos atrás continua morando na favela (ou na prisão) e achando bacana receber bolsa-esmola do governo - que aliás, tá cheio de pardos...

  • Nel Oliveira  19/11/2013 15:05
    Sua veemência apenas confirma a exceção, o que só confirma a regra: os negros e pardos, hoje, tem muito menos oportunidades. Apesar de terem as mesmas capacidades, como é provado no caso do seu amigo. Como dar mais oportunidades ao negros e pardos? Cotas. Essa é a resposta.

    Já sobre o bolsa família: Vai dizer para uma criança que o tênis que ela ganhou para ir a pé pra escola foi esmola do bolsa família e que ela não merecia o tênis... afinal, os pais dela não tiveram "capacidade" para comprar. Jesus. Diz também para a criança que ela está melhor nutrida de forma injusta porque ela não tem capacidade...e que deveria negar o "bolsa-esmola" e comer menos e pior. Gente, Precisamos ter bom senso, senso de história e de dignidade. Somos consequencia do nosso passado... de um presente injusto que vocês defendem. Como podem?
  • Andre  21/11/2013 15:17
    "os negros e pardos, hoje, tem muito menos oportunidades. Apesar de terem as mesmas capacidades"

    Então você está afirmando que os empresários preferem contratar um branco, pagando mais, mesmo podendo contratar um negro/pardo com a MESAM CAPACIDADE de trabalho, pagando menos, o que aumentaria o LUCRO do empresário.

    Você está afirmando que os empresários peferem discriminar ao invés de LUCRAR.

    Você vive no mundo da fantasia.
  • Andre Cavalcante  21/11/2013 17:33
    Nel,

    Você está confundindo as coisas.

    Oportunidade se faz com uma coisa apenas: que as mesmas regras valham para todos, correto. Se todos tem as mesmas oportunidades isso basta. E, para conseguir isso, basta uma única lei para todos.

    Cotas é exatamente o contrário disso.

    Se um negro puder abrir um negócio como um branco. Se um negro puder estudar como um branco etc. isso é oportunidade comum para todos.

    Eu não vejo isso acontecer no Brasil, justamente porque alguns "líderes" negros vem na TV falando de coitadismos. Pretos não são coitados. Pretos que são trabalhadores vencem. Quem não trabalha fica pra trás. Só isso. Se não ficam ricos em uma geração, podem preparar a próxima. E assim sucessivamente: evolução.

    Bolsa-família é outra história.

    O problema é que, no Brasil há uma redistribuição de renda dos mais pobres para os mais ricos. Porque? Porque para se criar um programa tipo bolsa família é preciso um estado que tenha um estrutura gigante, toda ela custeada por impostos e inflação.

    Em nosso país, quem paga impostos são exatamente os mais pobres, quando consomem, e a classe média, direto na fonte (e ninguém não tem pra quem reclamar, porque quem tá cobrando o imposto é exatamente o mesmo governo que vai julgar a causa).

    Você fala de oportunidades... Mas esquece-se que este governo esquerdista consome até 40% da renda dos mais pobres...

    A inflação, por outro lado, é a entrada de dinheiro na economia primeiro aos bancos e quem toma dinheiro deles. A medida que esse dinheiro novo, criado do nada, entra na economia, ele vai, aos poucos, se espalhando e o que faz? aumento do preço das coisas. Logo, quem recebe por último esse dinheiro, isto é, quem vive de bolsa-família, aposentados etc., já vão receber o dinheiro desvalorizado. Em outras palavras, inflação é um imposto, uma redistribuição às avessas, em que o dinheiro sai do pobre e vai para o rico.

    Agora, faça as contas. Quanto é a arrecadação do governo? 1,7 tri. Quanto vai para Educação e Saúde + bolsa família? 120bi + 23bi = 143bi. Logo, o resto vai para funcionários públicos e os amigos do rei. Sabe quanto vai para o pagamento dos juros da dívida (i.e. diretamente para os bancos)? 108bi. E você vem me dizer que cota vai resolver estes problemas?

  • Renato Souza  01/12/2013 14:07
    Nel

    Bom, para começar você reconhece que as cotas não são uma solução mágica e sem problemas (infelizmente a maioria da "militância negra" nem isso reconhece).

    Você fala que os negros são prejudicados HOJE pelo racismo. Bom, toda forma de racismo é ruim, e ninguém nega que seja prejudicial. A questão é saber se é relevante (econômica e socialmente). Eu acredito que não, pelos motivos que passo a expor:

    1. Na minha vida toda conheci poucas pessoas racistas. E suponho que entre essas pessoas, apenas uma pequena parte tomaria a iniciativa de prejudicar economicamente ou academicamente algum negro pelo fato dele ser negro. E tenho 50 anos. Creio que se o racismo fosse tão comum como a 'militância negra' afirma, eu o teria visto muito mais. Agora se racismo é contar piada, conheci negros que faziam piadas de negros assim como loiras que faziam piadas de loiras. Para falar a verdade, penso que os nordestinos e judeus em São Paulo são mais vítimas de 'racismo' do que os negros, mas nunca vi um nordestino (ou judeu ou japonês) dizendo que essa seria uma causa de suposta pobreza entre os nordestinos (ou judeus ou japoneses). O que poderia prejudicar econômica e socialmente os negros, de forma relevante seria se houvessem um grande número de pessoas que prejudicam negros numa contratação, numa promoção, numa banca de exame de doutorado. E isso me parece impossível. Quem seriam esses racistas, uma sociedade secreta? Porque na minha vida profissional eu não vi isso, nunca vi alguém ser preterido por ser negro.

    2. Os militantes negros (assim como militantes feministas) apontam como supostas provas de discriminação injusta as estatísticas que mostram menos contratações em cargos mais altos e salários mais baixos para os mesmos cargos. Essas são interpretações marotas das estatísticas. Um candidato que cursou uma faculdade, reconhecida no mercado como menos boa, terá menos chance de ser contratado pelas empresas que pagam mais, ele foi prejudicado não por ser negro, mas pelo nome da faculdade que cursou. Atribuir isso a racismo é desonestidade. A comparação entre salários para o mesmo cargo é muito mais desonesta ainda. As empresas costumam pagar salários semelhantes a pessoas no mesmo cargo, a diferença não é dentro da empresa, é diferença ENTRE empresas que pagam mais e empresas que pagam menos. As empresas que tem condições de pagar melhores salários são as mais produtivas. E são mais produtivas (entre outros motivos) por contratarem melhores profissionais (oriundos de escolas mais bem consideradas). As empresas que não podem disputar esses profissionais (não são rentáveis o suficiente para isso) se contentam com profissionais oriundos de escolas menos bem consideradas, e pagam salários menores. Olhe as turmas das melhores faculdades de medicina, engenharia, direito, economia, administração (são dessas faculdades que sairão as pessoas que ganharão os melhores salários) e verá que a porcentagem de negros é baixa. Seria inesperado que os negros, em média, ganhassem tanto quanto os não negros. Os militantes falam também que negros com qualificação igual são preteridos, mas isso é falso. Menos importante do que, por exemplo, quantos títulos a pessoa tem, é ONDE a pessoa conseguiu esses títulos.

    Aqui você dirá "Ahá! então a solução é estabelecer cotas". Errado. Você deve analisar o motivo de negros conseguirem uma educação inferior os brancos (mais preciso seria falar dos pobres em relação aos ricos). Aqui vejo uma confluência de dois fatores. Um é o fato de que pessoas pobres (e em média os negros partiram de uma condição econômica pior no passado) tem menos condições de fornecer uma boa educação acadêmica aos seus filhos. O outro fator (na minha opinião muito mais importante) é a importância que a família dá à educação e ao esforço pessoal. Em todo mundo, enormes contingentes de imigrantes pobres reverteram a situação e tornaram-se, depois de uma geração, mais afluentes que as populações nativas dos países que os receberam. Cotas não resolvem essa questão, que como eu disse, é mais importante que a questão econômica (se não fosse mais importante, as populações imigrantes pobres jamais conseguiriam reverter sua posição em relação às populações nativas).

    O que eu proponho? Para início de conversa, que se jogue no lixo o atual modelo falido de educação pública. Pobres em geral (entre eles a maioria dos negros) tem sido ENGANADOS pelos governantes que lhes prometem educação para seus filhos e lhes fornecem depósitos de crianças onde estas não aprendem muita coisa que presta, e aprendem muitas coisas que não prestam. Educação púbica no Brasil, só não é crime organizado por não ser organizada.
  • Doutorando  01/12/2013 18:00
    Renato,1-Quem é branco geralmente não vê muito racismo, porque branco raramente sofre racismo. Quem é negro sabe o que é isso...Vi os poucos negros de escolas particulares serem expulsos ou ignorados por grupos e rodas de alunos brancos (bullyng racial), tanto na colégio como na faculdade.Piadas, fofocas, humilhações.Esses grupos continuaram a isolá-los depois também no mercado profissional. Até hoje!Era só o começo.Eu, como sou "pardo-quase-negro" sofri um pouco menos de preconceito, mas meu amigo (e outros)... Jesus, você teria que estar na pele deles.Eram chamados de favelados, escravinhos fedidos, cabelo ruim, neguinho da periferia, nariz grande, etc...Muitos desistiam, pediam transferência, mesmo sendo ótimos alunos. Eu faço doutorado, estudei na melhor escola de elite de SP e nas melhores faculdades do Brasil. Sempre com bolsas de estudo, por mérito, por boas notas e processos seletivos pesados.Os alunos me respeitavam porque tinham medo. Eu era alto e mais forte que todos eles. E encarava cara-a-cara.E se mijavam de medo quando eu enquadrava os moleques. E protegia os demais sempre que podia. Hoje prefiro vencer com a palavra e com a política, assim caminho na estrada para a vitória verdadeira. Não mais pela força. Mas pela paz e pela honra. Quem me subestimou aqui porque eu sou negro e sou do Capão Redondo-SP caiu do cavalo.2-Você (e muitos outros aqui) insinuam que outras raças valorizam mais a educação.Tipo asiáticos, italianos etc seriam mais "esforçados", mais "trabalhadores", mais "inteligentes", teriam mais "QI".Caro, vocês e os demais deste fórum: muito cuidado, isso é racismo.Eé prisão inafiançável...Negros não foram explorados por uma geração apenas, você compara de forma muito pouco inteligente situações muito diferentes.Os negros no Brasil ficaram 358 anos proibidos de estudar--e colocados em trabalhos forçados, trancafiados, privados de liberdade.Muitas gerações seguidas...Não foi um italiano ou japonês que chegou aqui, sofreu 5,10,20 anos, foi explorado e se recuperou na geração seguinte...Eles já tinham educação razoável, não eram proibidos de estudar e, adivinhe... não eram negros. Tiveram pais e avós livres que ensinaram a importância da educação.Mesmo se fossem analfabetos, sabiam o valor da educação. Já o negro sabia que se estudasse seria punido e perseguido...(até hoje de certa maneira, por bullyng racial).A auto-estima dos negros foi, sim, prejudicada durante séculos e séculos de violência.Econtinua sendo.Luto pelos os meus ancestrais negros cativos que rezaram pelos seus Orixás para que meu povo fosse libertado.Muitos nasceram e morreram sem conhecer a liberdade.Ninguém vai nos convencer de esquecermos o passado, nossa história e nossas memórias.Não adianta.Vamos nos libertar da pobreza e da educação ruim.Não vamos vencer porque somos "coitadinhos".Mas porque somos fortes e somos guerreiros implacáveis.Sentimos a injustiça dos ferros, da senzala, do tronco.Honramos a memória de nos ancestrais hoje e não ontem.Os espírito dos nossos antepassados e a sede de justiça cristã nos guia a cada passo, a cada dia.Sem vingança e sem ódio no coração.Mas com justiça como objetivo(máximo de igualdade de oportunidades)e a luta política como estratégia.E vocês estão assistindo a nossa vitória:a cada lei, a cada cota, a cada avanço.Estamos chegando para conviver com a sua família nos aviões, nas escolas, nas ruas, nos shoppings, nos escritórios, nas vizinhanças, casaremos com seus filhos, seremos amigos de seus amigos...quem se incomodar têm duas opções:1-serem racista tentando nos impedir -- e, denunciados por nós, vocês irão direto para a cadeia(conquistamos uma lei para isso); e 2-tirar dupla cidadania e/ou mudar do Brasil. "Playboy bom é chinês, alemão, italiano...mora longe, fala feio e não me chama de mano".Estamos chegando--e com força política e econômica.É só uma questão de tempo.Oxalá!Nel Oliveira
  • Renato Souza  02/12/2013 13:58
    Doutorando

    Vamos por partes:

    Minha família é em parte negra. Minha avó paterna era negra, e meu pai meio moreno. Meus tios, alguns bem brancos, outros mais negros. Então não me venha com esse papo de me chamar de racista.

    Você fala que a diferença é cultural, e concordo plenamente. Também penso que ex-escravos não teriam visão (pelo menos a maioria) de instruir seus filhos a estudar. É justamente essa diferença que vejo entre os imigrantes e os negros, estes não sabiam que podiam estudar, buscar postos de trabalho melhores e ter uma vida melhor. Já os imigrantes (no geral) sabiam disso. Não considero que os negros sejam burros ou preguiçosos, mas penso que muitos ainda carregam essa carga cultural de "nasci pobre, morrerei pobre", e por isso deixam de tomar medidas práticas para buscar uma vida melhor. A mesma coisa acontece ainda com nordestinos. Haviam primas de minha esposa que não estudaram porque seus país achavam que mulher não precisa estudar. Veja que esse tipo de ambiente cultural prejudica a geração seguinte.

    Fiz escola pública até o nível fundamental (era chamado de 1º grau). O colégio (hoje chamado de nível médio) foi particular, mas eu tinha bolsa (fiz prova e passei em primeiro lugar). Não era um colégio dos mais caros, não era lugar de ricos. Pois bem, nesse ambiente de escola pública e escola privada relativamente barata, não vi racismo mesmo. Você fala de um outro ambiente, aparentemente de gente bastante rica. Desse ambiente eu não posso falar, não o conheço. Mas faz sentido o que você conta, já ouvi falar de crianças que sofrem desprezo em escolas muito caras. Tem um caso assim na minha família. Na descrição que você faz, todos, ou a maioria dos alunos brancos destratava você e outros alunos, foi isso que entendi do seu discurso. O que concluo, considerando como verdadeiro o seu testemunho:

    1. Crianças nesse tipo de ambiente apresentam um comportamento de racismo e preconceito injusto contra negros (ou pobres, aparentemente, porque segundo você conta elas o chamavam de favelado). Certamente elas fazem por imitação (provavelmente dos pais e outras, por imitação dos colegas). Como crianças tem menos restrições no que falam (são mais transparentes) demonstram claramente isso.

    2. Considerando que os que sofrem esse desprezo são crianças (pessoas mais sensíveis e frágeis que os adultos) o efeito deve ser geralmente prejudicial (no caso por exemplo de crianças que desistem daquela escola, o prejuízo é acadêmico).

    3. Com certeza seria responsabilidade da escola (professores, orientadores pedagógicos e direção) repreender esse tipo de comportamento. Em qualquer sistema de ensino infantil ou juvenil decente, ensina-se não só as disciplinas mas também ética. Inclusive diferentes escolas tem propostas diferentes de ensino ético-moral. Veja que é um problema bastante focado. Não são todas as crianças em todos os ambientes, mas um grupo específico (aparentemente classe média-alta ou classe alta) que apresenta esse comportamento. É inútil tentar mudar os país dessas crianças, mas uma escola fornece uma oportunidade de ouro para ensinar valores éticos para crianças.

    4. Me parece que uma solução bem focada poderia ser a criação de escolas que incluíssem, entre os valores éticos ensinados, a condenação do racismo. Um grupo de pessoas negras ricas (e pessoas não negras que quisessem colaborar) poderiam criar uma cooperativa, por exemplo (ou uma sociedade com grande número de sócios) que tivesse escolas nas diversas capitais, ou grandes cidades, e se anunciaria como tendo entre seus valores éticos a condenação do racismo - e anunciariam isso em destaque na sua propaganda. Pais cujos filhos tivessem comportamento racista não se importariam de que estes fossem repreendidos, pois estariam cientes de que essa ênfase faz parte da proposta pedagógica, na verdade contariam com isso. A direção da escola não se sentiria melindrada de repreender o filho de uma pessoa rica, pois sua primeira lealdade seria para com os sócios, que exigem essa ênfase. Com parte do lucro, as escolas dariam bolsas para crianças negras pobres (sendo uma sociedade privada, poderia ter essa ênfase). Isso poderia gerar comparações desabonadoras para escolas que não se importam com o racismo, levando suas diretorias e corrigir suas ênfases. Essa seria uma solução essencialmente não coerciva, com potencial para ter um efeito profundo, e focada no seguimento onde o problema de racismo parece ser bem mais agudo.
  • Moderador  01/12/2013 18:21
    O cidadão diz estar teclando do Capão Redondo, mas seu IP (177.133.52.114) indica que ele está em Brasília. Certamente é apenas mais um militante pago com dinheiro público para poluir sites não-alinhados com o governo e para insuflar conflitos raciais e de classe, algo que este cidadão vem fazendo com grande eximiedade.

    Esta foi sua última participação aqui.
  • Nel Oliveira  13/11/2013 19:53

    Thomas Sowell não pondera com Mandela (que favoreceu o desenvolvimento da A. do Sul), Luther King (direitos civis nos EUA) e muitos outros... que eram líderes étnicos e raciais (pela igualdade). Claro, líderes que pregam o ódio entre raças fazem uma coisa absurda. Disso, todos já sabem. Cota não é dar nada de mão beijada, porque há disputa entre os cotistas, entre os melhores (dentro de um determinado grupo étnico).
    Outra coisa: Afirmar que os negros foram prejudicados pelos brancos (com a escravidão) é totalmente correto. Isso não é chamar negros de "incapazes", como sugere Thomas. Mas é aceitar um fato histórico, de frente, que precisa de uma compensação. O Sr. Thomas Sowell está dizendo: "Olha, nessa corrida de 100 metros rasos, os brancos roubaram, começaram a correr antes do apito, do tiro de largada. Mas, tudo bem... nós alcançamos eles, somos capazes". Ora, ora, isso não parece nada inteligente... Nenhum diploma ou fama salva esse tipo de ideia. O melhor (mais justo e honesto) é trazer todos de volta e começar a corrida de novo -- com dignidade e vergonha na cara. E o método de Voltar todos para a linha de largada tem um nome: se chama cotas!

    E os brancos que chegaram depois da escravidão? Bom, tiveram muitas vantagens no mercado de trabalho, nas escolas, no comércio. Por que? Porque eram brancos (não eram discriminados -- as portas não se fechavam tanto como para os negros e mestiços, algo que acontece até hoje...). Então devem pagar também... Lógico. Afinal, quem teve vantagem no passado deve dar vantagem também no presente -- por que reclamar tanto? Quem escolhe um país para morar precisa respeitar sua lógica histórica, econômica e social. Quem entra na chuva é pra se molhar. Ficassem no país de origem então...E sem essa de querer, às vezes, ser "gringo-branco". Isso é cafona, é ter complexo de vira-lata, é ser muito pouco patriótico. Sugiro lerem Ariano Suassuna, Mangabeira Unger, Machado de Assis e os antropofagistas... Valorizem o Brasil, temos qualidades gigantescas. É á única maneira de vocês serem "elegantes de verdade"... acreditem. Rs! Querer ser gringo, babar ovo para os gringos, tirar dupla cidadania e se sentir superior é muito cafona!!!

    Preparem-se brancos-soberbos: estamos chegando com força (no melhor sentido da palavra)! Nós, negros e mestiços brasileiros que adoramos o sol e desprezamos o puritanismo hipócrita dos países do norte. Nós que trabalhamos muito (perdemos apenas para o japão e a china em horas trabalhadas por dia). Mas nunca seremos melhor nem pior que vocês brancos-brazucas. Apenas com oportunidades históricas iguais (corrigidas)! Espero que vivam pra ver isso. Espero que não amarguem isso, mas que fiquem felizes quando acontecer. Porque vamos vencer. Porque negro é foda! Vamos saber nos unir a vocês -- pacificamente -- e todos nós seremos felizes! Rá!

    Abs!
  • Sérgio  13/11/2013 20:16
    "Preparem-se brancos-soberbos: estamos chegando com força (no melhor sentido da palavra)! Nós, negros e mestiços brasileiros que adoramos o sol e desprezamos o puritanismo hipócrita dos países do norte. [...] Mas nunca seremos melhor nem pior que vocês brancos-brazucas. Apenas com oportunidades históricas iguais (corrigidas)!"

    Você já começa se assumindo incapaz de ser melhor que um branco-soberbo? Rapaz, você deve ser incapaz de desentupir uma pia.

    "Porque negro é foda! Vamos saber nos unir a vocês -- pacificamente -- e todos nós seremos felizes! Rá!"

    Rá! Pegadinha do Mallandro! Rá!
  • Juliano  13/11/2013 20:39
    "Olha, nessa corrida de 100 metros rasos, os brancos roubaram, começaram a correr antes do apito, do tiro de largada. Mas, tudo bem... nós alcançamos eles, somos capazes". Ora, ora, isso não parece nada inteligente... Nenhum diploma ou fama salva esse tipo de ideia. O melhor (mais justo e honesto) é trazer todos de volta e começar a corrida de novo"

    A vida não é uma competição, uma corrida, onde todos devem estar em condições de igualdade para competir. Não é uma competição, não tem um que ganha no final.

    A vida é feita de pessoas que trabalham, criam, conquistam, erram e acertam. Pessoas possuem características completamente diferentes entre si, desde sua família até as escolhas que são feitas. Não existe ninguém ganhando ou perdendo, apenas pessoas vivendo a vida da forma que melhor lhes convém, trocando produtos e serviços para que ambas as partes melhorem suas condições.

    Alguns negros foram prejudicados por alguns brancos, assim como alguns negros foram prejudicados por outros negros. Quando falamos de mais de um século, já virou uma salada completa. Restituição é válida quando a vítima localiza o agressor e, assim, é possível fazer uma compensação pelos prejuízos causados por uma agressão. O único objetivo com esse ato é preservar o direito original de quem criou a riqueza, destinar ao legítimo dono o fruto de seu trabalho.

    Isso não tem nada a ver com "colocar todos na linha de largada" ou "nivelar a competição". A vida não é um jogo!

    Punir e restituir com base em cor é ridículo, da mesma forma que punir e restituir com base em proximidade física também é (quem mora em uma bairro/cidade/estado/país deve compensação a outras pessoas de outras localidades). São apenas indivíduos que compartilham algumas características.

    O papinho xenófobo nacionalista não merece comentário.
  • anônimo  13/11/2013 20:52
    'Outra coisa: Afirmar que os negros foram prejudicados pelos brancos (com a escravidão) é totalmente correto. '

    A história correta é:

    brancos escravizaram brancos
    asiáticos escravizaram asiáticos
    negros escravizaram negros (e eram esses que vendiam pros europeus)

    Mas hora da dívida histórica só pros 'brancos' não é?
  • anônimo  13/11/2013 21:01
    'Por que? Porque eram brancos (não eram discriminados -- as portas não se fechavam tanto como para os negros e mestiços, algo que acontece até hoje...). Então devem pagar também... '

    Como é que é? O cara tem que pagar por um problema que ele não teve culpa nenhuma? Não tem a menor lógica isso.
    Cara, deixe de ser burro, não vai ter união nenhuma, não desse jeito.Vocês só estão piorando o problema.Quer uma prova? Basta ver que os EUA, que depois de décadas de cotas não melhorou nada, a situação dos negros lá é PIOR do que quando o estado não se metia pra dar esmolas.
  • Silvio  14/11/2013 03:54
    Nelson Mandela não desenvolveu a África do Sul, muito pelo contrário, afinal um socialista/comunista quando chega ao poder não consegue fazer outra coisa senão arrebentar a economia da nação que dirige. Minto, consegue sim. Além da pobreza, consegue também aumentar a violência.
  • Andre  14/11/2013 09:53
    "E os brancos que chegaram depois da escravidão? Bom, tiveram muitas vantagens no mercado de trabalho, nas escolas, no comércio. Por que?"

    Lá vem aquela velha historinha de que "os empresários não gostam de LUCRO".
    Vejamos, se um empresário tem duas pessoas na sua porta se oferecendo para um emprego.
    As duas pessoas tem A MESMA CAPACIDADE de trabalho.
    O negro, por não ter conseguido emprego há mais tempo (segundo VOCÊ mesmo!!!), está mais desesperado e irá aceitar um salário mais baixo.

    No mundo REAL o empresário simplesmente contrata o negro, pois o importante é LUCRAR, tanto faz a cor da pele do empregado.
    No mundo da fantasia dos retardados mentais o empresário contrata o branco, mesmo tendo que pagar MAIS, reduzindo assim seus próprios LUCROS.

    Vocês que ficam dizendo que os negros são discriminados no mercado de trabalho, apenas por serem negros, vivem o mundo da FANTASIA.
    Vivem achando que TODOS os empresários não gostam de LUCRO, que os empresários simplesmente contratam brancos mesmo tendo que PAGAR MAIS,
    pela mesma capacidade de trabalho.

    Ah, todo o resto da sua argumentação tem outras incoerências, mas não vou perder meu tempo contra-argumentado-as pois meu tempo é escasso.
    E sei que nem essa argumentação vai te convencer mesmo, só estou postando para que pessoas inteligentes, que vivem no mundo REAL, leiam.

    Continue mergulhado no seu mundo de fantasias, onde os empresários não gostam de LUCRAR.
  • Nel Oliveira  13/11/2013 21:28
    Quem tirou vantagem coletivamente por meio do estado terá que pagar impostos para compensar e oferecer cotas. Quem chegou depois no Brasil tirou vantagem por ser branco. Por não serem discriminados na concorrência, com larga vantagem sobre os negros. Agora paguem. Querem provar que sou incapaz... mas já perderam a razão apenas pela falta de educação e de argumentos. Muito sabidos....
  • Márcio  13/11/2013 21:45
    "Quem tirou vantagem coletivamente por meio do estado terá que pagar impostos para compensar e oferecer cotas."

    Genial. Quem usou o estado -- aliás, se o assunto é escravidão, lamento informar que todas os senhores de engenho já estão mortos -- deve dar dinheiro para o estado. Você realmente é bípede?

    "Quem chegou depois no Brasil tirou vantagem por ser branco. Por não serem discriminados na concorrência, com larga vantagem sobre os negros."

    Conheço vários brancos desempregados e sem nenhum auxílio estatal. E conheço vários negros empregados e outros que recebem auxílio estatal. Você irá protestar pela "igualdade dos direitos" destes brancos desafortunados?

    "Agora paguem. Querem provar que sou incapaz... mas já perderam a razão apenas pela falta de educação e de argumentos. Muito sabidos...."

    Você é tão totalitário que realmente crê que eu tenho o dever de ser fino e educado com gente que já afirmou que quer roubar tudo o que eu tenho e enfiar um .38 na minha cabeça no semáforo. Não. Gente assim eu xingo, humilho, chamo pro pau e depois mando ir à Petrobras.
  • anônimo  13/11/2013 22:23
    'Por não serem discriminados na concorrência, com larga vantagem sobre os negros. Agora paguem.'

    Engraçado, em média um imigrante japonês com sua cultura milenar geralmente é educado, esforçado, inteligente e deve ter lá seus 110 de QI.Comparado com um sujeito desses a maioria, inclusive os europeus de 100 de QI levam desvantagem.E agora, será que o japa tem uma dívida histórica também? Ele tem que pagar alguma coisa pro europeu também?Pela sua lógica sim, afinal não é esse o sonho de vocês, uma igualdade forçada onde a competição e o mérito vão por água abaixo e todo mundo tem que se nivelar por baixo?
  • Occam's Razor  14/11/2013 00:26
    Nel Oliveira

    Depois que toda a sua falta de lógica foi completamente destruída aqui, só se pode chegar a conclusão de que você não é nada além de um fracassado que não consegue subir na vida e viu agora uma oportunidade de ir chorar na barra da saia de políticos para eles lhe fornecerem uma moleta. Como é que alguém pode ter uma autoestima tão baixa a ponto de ficar desesperadamente chorando na internet para tentar convencer os outros de que você não é um moleque pedindo que políticos lhe deem mingau na boquinha? Sua sucessão desesperada de pedidos de "tenham pena de mim" é digna de um rato.

    Você vai ter coragem no futuro de olhar nos olhos de uma mulher e dizer que nunca virou homem e que depende da piedade dos outros para conseguir qualquer coisa (sem ter qualquer deficiência mas muita covardia)? Quando você disputa uma partida de futebol pede para pegarem leve, pois você é o coitadinho sem muita força física? Criança mimada.
  • Nel Oliveira  14/11/2013 11:30
    Quero ver você aqui no capão redondo em São Paulo chamando o movimento negro de fracos e incapazes ... Sua fúria branca revela sua insegurança intelectual e humana. Uma estrutura interna fragilizada pela soberba. Um típico comportamento branco colonial, anacrônico, não patriótico, de senhorzinho de engenho... É, a revolução negra está apenas começando... Vamos mudar essa cultura. Venceremos.
  • Cleiton  19/11/2013 12:45
    Tem certeza que você não é um troll tipo o Típico Filósofo?
  • Gilmar  14/11/2013 12:14
    Vou deixar só um nome aqui: Condoleezza Rice

    Pesquisa a história dela, faz gente igual a você espumar e espernear de raiva...

    Aliás, meu avô e bisavô foram presos durante o governo de Getúlio porque achavam que eles eram espiões, foram jogados num quartel, torturados e seus bens confiscados. Ainda por cima o governo proibiu a publicação de um livro sobre esses episódios, escrito por um senhor de Porto Alegre.

    Seguindo pela sua teoria, o estado passou um rapa nos imigrantes alemães durante a tal corrida. Vamos começar de novo, todo mundo.

    COTAS PARA GERMÂNICOS JÁ!!
  • Nel Oliveira  13/11/2013 23:07
    Paguem apenas aqueles que utilizaram a escravidão para enriquecer e seus descendentes. Pagar não é punir brancos, mas que permitam hoje algumas vantagens temporárias aos negros como forma de compensação. Quem tem qi alto ou baixo não tem nada a ver com escravizar ou não... Não trato de diferenças raciais. Mas de escravidão institucionalizada e reparação institucionalizada.
    Digo tudo isso educadamente. Não somos melhores ou piores que nenhuma raça ou etnia...mas posso afirmar, Venceremos.
  • Marcos  14/11/2013 15:37
    Vou resumir toda esta logorreia do Nel: ele quer que A roube de B para compensar algo que C fez a D.

    E ainda considera isso algo totalmente lógico. E o pior é que gente assim vota.
  • Nel Oliveira  13/11/2013 23:30
    Só para lembrar: foram 358 anos de escravidão no Brasil... (1530-1888) E isso foi apenas há 117 anos. Há pouco mais de 30 anos atrás ainda haviam ex-escravos vivos no Brasil... Muito recente. Há então filhos e netos de escravos vivos, muitos sem herança, nas favela e no meio rural, nas periferias. Tudo bem isso? Tudo normal?... São brasileiros como vocês, sofrendo...e vcs parecem que gostam mais dos gringos ricos do que de seus compatriotas. Incapazes de ceder um milímetro de vantagem para filhos e netos de oprimidos compatriotas. Vocês herdaram essa visão de quem??? Será que eu consigo adivinhar?...
  • anônimo  14/11/2013 15:50
    São brasileiros como vocês, sofrendo...

    Não sei porque é que um sofrimento tem que ser mais ou menos motivo de pena apenas pelo cara ter tido a sorte (ou o azar) de ter nascido geograficamente perto de onde eu nasci.
    Por aqui essa patriotada não vai convencer ninguém.
  • Marcos  14/11/2013 16:45
    Vantagem? Que vantagem eu tive para "ceder"? Nunca tive vantagem alguma, tudo o que tenho foi fruto do meu trabalho e do trabalho de meus pais, que por sinais são filhos de imigrantes pobres que sequer estavam no Brasil durante a escravidão.


    Se os ex-escravos não foram integrados a sociedade, agradeçam a proclamação da República, que acabou com qualquer plano de integração, já que se seguiram anos de turbulência e autoritarismo.

    E já que o negócio é reparação, é justo que os descendentes dos negociantes de escravos na África que venderam os cativos aos portugueses sejam co-responsáveis pela reparação.

    O que essas pessoas precisam não é de revanche ou de vitimismo por algo que seus bisavós sofreram, e sim de LIBERDADE para que possam prover seu próprio sustento. Se logo após a Lei Áurea houvesse alguma iniciativa para ocupação de terras ainda não exploradas os descendentes de escravos não teriam nenhuma desvantagem.

    Se há algo a reclamar, que seja do excesso de intervenção estatal.

    E me poupe desse moralismo mentiroso de "vocês gostam mais dos gringos do que dos brasileiros". Esse apelo falacioso a emoção não engana ninguém.
  • anônimo  15/11/2013 22:19
    Vantagem nenhuma.É óbvio que ele quer uma desculpa amarela pra justificar que inocentes paguem pelo crime que não cometeram.
  • Marcos  14/11/2013 12:15
    Se Thomas Sowell fosse mais ouvido, certamente teríamos um mundo mais pacífico, sem ódios raciais e com prosperidade para todos.
  • Cristiano  16/11/2013 17:46
    Engraçado como o "movimento negro" está em silêncio quando a turba petista está desferindo, nas redes sociais, os maiores descalabros racistas contra Joaquim Barbosa ao mesmo tempo que cai matando no humorista Danilo Gentili por algo que ele nem falou.
  • Andre  18/11/2013 13:33
    Prezados comentaristas que odeiam o racismo.
    Vi que em vários comentários varias pessoas dizem que existe racismo no Brasil, e pelo que pude perceber essas pessoas acham que racismo é algo errado e imoral.

    Então, presumo que se vocês vissem um caso de racismo com certeza iriam denunciar.
    Sendo assim, convido todos que odeiam o racismo, à denunciar esse caso:

    veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/imposturas-1-por-que-paulo-henrique-amorim-nao-suporta-ver-um-negro-numa-posicao-de-destaque-por-que-as-entidades-de-defesa-dos-negros-sao-tao-covardes-por-que-a-cef-patrocina-difamacao-achincalh/

    Quem quer que tenha dito que racismo é errado e não denunciar é um hipócrita.
    Vão!
  • historiador  19/11/2013 00:53
    Mas os asiáticos, muitos eram opositores políticos que receberam refúgio e incentivos do governo americano no tempo da guerra fria.

    E quanto aos japoneses, o governo americano já pagou as devidas reparações:

    In the U.S., the right to redress is defined as a constitutional right, as it is decreed in the First Amendment to the Constitution.

    Redress may be defined as follows:

    1. the setting right of what is wrong: redress of abuses.
    2. relief from wrong or injury.
    3. compensation or satisfaction from a wrong or injury

    Reparation is defined as:

    1. the making of amends for wrong or injury done: reparation for an injustice.
    2. Usually, reparations. compensation in money, material, labor, etc., payable by a defeated country to another country or to an individual for loss suffered during or as a result of war.
    3. restoration to good condition.
    4. repair. ("Legacies of Incarceration," 2002)

    The campaign for redress against internment was launched by Japanese Americans in 1978. The Japanese American Citizens' League (JACL) asked for three measures to be taken as redress: $25,000 to be awarded to each person who was detained, an apology from Congress acknowledging publicly that the U.S. government had been wrong, and the release of funds to set up an educational foundation for the children of Japanese American families. Eventually, the Civil Liberties Act of 1988 granted reparations to Japanese-Americans who had been interned by the United States government during World War II and officially acknowledged the "fundamental violations of the basic civil liberties and constitutional rights" of the internment.


    en.wikipedia.org/wiki/Japanese-American_history#Post-World_War_II_and_redress
  • Genserico  19/11/2013 15:09
    Você só esquece que os Norte Americanos despejaram os Japonese de suas casas e foram designados para locais afastados das cidades, tipo um campo de concentração por alguns anos. E com o fim da guerra estes requerem serem indenizados porque não tiveram nada a ver com os ataques a Pearl Harbor, além do que os injustiçados ainda estavam vivos, ao contrario dos escravos negros. Os brancos atuais não tem nada a ver com o que aconteceu no passado, muito menos culpados do que aconteceu. Não tem como pagar pelo que aconteceu no passado, se for assim, devemos indenizar todos os povos que foram escravizados.
  • Nel Oliveira  19/11/2013 18:10
    Não é indenização. É conceder vantagens. Não me diga que muitos brancos de hoje não herdaram propriedades adquiridas por meio do trabalho escravo? Se eles não podem pagar pelo passado (hoje), querem ter direito à heranças (fruto da escravidão)? Isto é: querem apenas os dividendos do passado, mas as dívidas não. Puta sacanagem!
  • Occam's Razor  19/11/2013 18:40
    Isso também demonstra como qualquer ação por parte do governo representa enorme perigo, pois os agentes envolvidos na ação (incluindo os que deram as ordens) não são pessoalmente responsabilizados pelos seus atos. Cria-se conceitos estranhos como crime coletivo e culpa coletiva. As indenizações não vem do patrimônio particular dos burocratas (e, dado o montante, provavelmente nem seria matematicamente possível).

    Um caso particular que demonstra isso é a questão do endividamento público. O governo faz dívidas, mas quem é que terá seu patrimônio expropriado para pagar essas dívidas? Alguém que não teve qualquer participação no acordo.

    OBS: não tenho formação jurídica, portanto usei os termos de maneira informal.
  • anônimo  19/11/2013 18:38
    Exatamente, a ajuda que eles deram pros japoneses foi planejada pra ser temporária, e terminou sendo temporária.Já a 'ajuda' que eles deram pros negros dura até hoje sem resultado nenhum
  • anônimo  19/11/2013 18:43
    obs: dura até hoje sendo que também foi planejada pra ser temporária.
  • Nel Oliveira  20/11/2013 10:46
    serm resultado nenhum... quem disse?
  • Anonimo  21/11/2015 10:20
    'serm resultado nenhum... quem disse?'
    www.businessinsider.com/affirmative-action-fisher-supreme-court-2013-4

    www.theatlantic.com/national/archive/2012/10/the-painful-truth-about-affirmative-action/263122/

    www.slate.com/articles/life/history/features/2014/the_liberal_failure_on_race/affirmative_action_it_s_time_for_liberals_to_admit_it_isn_t_working.html

  • Mauricio Torres  19/11/2013 06:29
    Se a engenharia genetica no futuro permitir ao negro que tenha pele branca é certo que vão acabar estas conversas de cotas. O caso é de discriminação racial mesmo, não que eu ache certo, mas é real. Ninguem mais estaria "na pele de um negro" e poderia desenvolver seu potencial natural, sem a famosa BELL CURVE do Murray, de infame memória.Há mais uma cota que falta : para os Idiotas, que devido às suas deficiencias
    não tem oportunidades iguais aos outros, e talvez mesmo merecessem uma Bolsa Idiota
    pois tem todos direitos de cidadão. E talvez como Alice em "Wonderland" cotas para todos já que todos que estão jogando merecem premios.
  • Nel Oliveira  19/11/2013 11:10
    Pessoas: o livro Bell Curve de Murray foi superado por muitos outros cientistas há anos: os negros apresentavam QI mais baixo na África porque o QI precisa de estímulo para ser desenvolvido. E na África esse Estímulo é muito deficitário. Estudos com brancos e negros que tiveram estímulos similares na educação infantil a superior apresentam QI similares, sem diferenças: ora o do negro é maior, ora o do branco é maior. Murray errou porque considerou que o QI é algo físico e imutável, quando que o ambiente é tão determinante quanto a genética. Peguem um negro, menino de rua, aplique um teste de QI e compare com um teste de QI de uma criança que estudou em ótimas escolAs e se alimentou muito melhor.... Qual seria o resultado? Cientista que quer Ignorar os fenotipos é que tem QI baixo. RS!
  • Doutorando  21/11/2013 13:29

    NOS EUA ESTUDANTE BRANCA PROCESSA UNIVERSIDADE CONTRA COTAS PARA NEGROS

    A estudante branca norte-americana Abigail Fisher não foi aceita na Universidade do Texas e entrou na justiça contra a instituição, alegando ter perdido a vaga por causa do sistema de cotas raciais. O caso foi subindo de corte em corte até chegar à Suprema Corte, que acabou de mandar o caso de volta para as cortes inferiores, se recusando a julgá-lo. Água ainda vai correr debaixo dessa ponte.

    Enquanto isso, Krystie Yandoli, escritora residente nos Estados Unidos, também branca, estagiária do site Huffington Post e colaboradora do Jezebel e do The Nation, escreveu a seguinte carta aberta à Abigail Fisher:

    ***

    Prezada Abigail Fisher,

    Cá entre nós, duas brancas de 23 anos que não foram aceitam pelas universidades que mais desejavam, preciso lhe dizer: acho que você levou essa história toda longe demais.

    Depois de transformar seu fracasso em entrar na universidade em um processo que nem mesmo a Suprema Corte dos Estados Unidos conseguiu resolver, sua invencível convicção em uma noção distorcida de "justiça" é preocupante.

    Estou falando como alguém que esteve em uma situação similar à sua, mas, se nós estivéssemos em um poema de Robert Frost, iríamos acabar em caminhos muito diferentes.

    Deixe-me explicar.

    Temos algumas coisas em comum. Também não fui aceita na universidade que eu mais queria. Mas, logo depois, também pude cursar outra universidade prestigiosa que me proporcionou uma ampla rede de oportunidades à minha escolha. Assim como você, que mesmo não tendo sido aceita pela Universidade do Texas, conseguiu entrar em outra boa universidade e conseguiu até um bem pago trabalho de analista financeira depois de se formar.

    Veja, existe uma coisa chamada privilégio branco. Você tem. Eu tenho. Nossos pais têm. E isso reduz consideravelmente a probabilidade de passarmos por qualquer tipo de discriminação ou desigualdade profunda.

    Privilégio branco significa que você, graças a normas sociais culturalmente arraigadas, possui uma vantagem automática sobre várias outras pessoas. Significa que existem hierarquias e sistemas agindo explicitamente para garantir o seu sucesso no mundo. Privilégio branco significa que, se você não não conseguir entrar na sua "universidade dos sonhos", você ainda poderá se formar em outra universidade e ainda assim conseguir um emprego acima da média, mesmo em uma economia sucateada.

    Também significa que, uma vez na universidade, você não será vítima frequente de nenhum tipo de racismo, seja ele óbvio ou sutil.

    Não ser aceita pela universidade que você sonha em cursar é horrível. Mas sabe como isso se chama? Vida. Mas sabe o que horrível mesmo? A complexidade do racismo sistêmico que atormenta os Estados Unidos desde que ele existe. Assim como também é horrível ser discriminado à primeira vista somente porque nasceu pertencente a uma raça de seres humanos que foi, desde sempre, historicamente ferrada e desfavorecida.

    O mais engraçado é você conseguiu convencer alguns juízes da Suprema Corte a levar tão a sério suas reclamações tão problemáticas e tão banais, e que advogados, políticos, jornalistas, ativistas e cidadãos gastaram o seu precioso tempo debatendo e refletindo sobre ação afirmativa, e tudo porque uma estudante que se formou no ensino médio com nota 8.0 não foi aceita em uma das mais competitivas e prestigiadas universidades públicas da nação.

    Sem contar que o seu nome será para sempre sinônimo de tentativa de retrocesso contra a igualdade social. Mas vou além.

    Essa coisa toda é maior do que você e eu. Não é apenas sobre esse caso isolado ou sobre o que uma pessoa (sem razões ou méritos legítimos) acha que merece em detrimento de outros estudantes. Na verdade, não existe isso de casos isolados. Tudo existe dentro de um contexto e, contextualmente falando, você não ter sido aceita pela Universidade do Texas não foi um caso de desigualdade.

    Peggy McIntosh, em seu famoso ensaio, "White Privilege: Unpacking the Invisible Knapsack" (ou seja, "Privilégio Branco: abrindo a mochila invisível", talvez você queira procurar no Google), escreveu:

    "Para mim, o privilégio branco se mostrou um assunto fugidio e impreciso. A pressão para ignorá-lo é enorme. Encará-lo de frente significa abandonar o mito da meritocracia. Se essas coisas forem verdade, então não vivemos em um país livre; então, a vida de um indivíduo não depende de suas ações; então, muitas portas se abrem para algumas pessoas por nenhum mérito da parte delas."

    Minha sincera esperança é que um dia você entenda e aceite a realidade de seu privilégio branco e de sua posição social. Até lá, tente refletir sobre as palavras sábias de Peggy McIntosh.

    papodehomem.com.br/carta-aberta-a-uma-estudante-que-perdeu-a-vaga-por-causa-das-cotas/

    * * *
  • Juliano  21/11/2013 16:52
    A própria origem da palavra privilégio já se entrega: privus (privada) + lex (lei). É uma lei que, ao invés de ser genérica, se aplicar a todos, é válida apenas para um grupo de pessoas.

    Na sociedade atual não existe, como diz o texto, "privilégio branco". É justamente o contrário, a política de cotas defende privilégios para os que se declaram negros.

    Isso não significa que todos são iguais e têm as mesmas oportunidades. A negação desse fato não implica em privilégios, implica em condições diferentes.

    Existe um problema básico de lógica difícil do pessoal superar!

    Depois entra na questão da moralidade. Querem ver o mundo por grupos de pessoas a defendem que membros de um determinado grupo paguem compensações por crimes cometidos por qualquer um de seus membros. Não interessa se vc fez algo errado, interessa se vc tem alguma característica parecida com alguém que tenha feito algo errado.

    Mas, como diz um outro comentário, temos que dar graças a Deus por não estarem tentando nos escravizar pra deixar tudo quites.
  • Andre Cavalcante  21/11/2013 17:38
    "Mas, como diz um outro comentário, temos que dar graças a Deus por não estarem tentando nos escravizar pra deixar tudo quites."

    Isso depende do que você entende por escravizar. Se tornar escravo significa trabalhar para o outro forçadamente, eu já sou escravo. Trabalho de 4 a 5 meses no ano para bancar justamente esse tipo de pessoa que julga que há "privilégio branco".

  • anônimo  21/11/2013 18:25
    Michael Jordan, Magic Johnson, Thomas Sowell, Lawrence Taylor, Pelé, Ray Leweis, Machado de Assis, Anderson Silva, Muhammad Ali, Walter Williams, Christopher Gardner entre outros.

    O que todos estes homens têm/tiveram em comum, fora o fato de serem/terem sido negros?

    Homens de verdade enfrentam o preconceito dando ao mundo apenas o melhor deles. E quanto maior o obstáculo a superar, maior deve ser a vontade em superar, e quando estes vencem, maior é a glória ao fim de todo o processo para se tornar o maior. Alguns destes nomes são os melhores entre todos os que já houveram em suas áreas. Cotas são privilégios, e privilégios por causa da cor da pele. Se isto não é visto como racismo, então eu só posso dizer que os conceitos de valor estão completamente invertidos, e isto é o maior dos motivos pelo qual nós ainda estamos discutindo sobre este assunto ainda hoje. Quando você nega ao homem o direito dele dar o melhor de si, então você conseguirá apenas o pior. Quando nomes como os daqueles homens que eu citei não surgirem mais, então o colapso desta sociedade será total, e a barbárie deverá imperar. Não haverá ideologia. Não haverá ideias, nem ideais. Não haverá amizade, nem compaixão. Vocês cotistas estão agindo exatamente como seus mestres querem e previram que seria. Estão btendo exatamente o contrário do que vocês acreditam estar obtendo. Estão plantando as sementes de algo muito pior do que o que a gente vive hoje.
  • anônimo  21/11/2013 19:13
    Inclua o neurocirurgião Benjamin Carson nesta lista. Nel, é imperativo que você assista este vídeo.

    https://www.youtube.com/watch?v=PFb6NU1giRA

    Ps. Dr. Carson é um médico norte-americano que nunca aceitou ser tratado como coitado ou vítima por causa da cor da sua pele. O discurso dele é um tapa na cara de todo esquerdita defensor das cotas baseadas na cor da pele.

    Ps2. Se você não entende inglês, ative a legenda do vídeo em português: clique no primeiro ícone do canto inferior direito, e clique em "ativar legenda", e depois clique a opção "Inglês (transcrito)"; em seguida, clique em "traduzir legendas - Beta", escolha o idioma português na lista de opções e por fim, clique em "OK".
  • cleber  21/11/2013 13:51
    O texto é interessante e o exemplo dos asiáticos nos leva a crer que o autor está correto e podemos generalizar todo o processo histórico do negro e fazer essa comparação.

    O mito da democracia racial de florestan fernandes denuncia perfeitamente o que ainda existe hoje: racismo invisível.

    Ninguém vê, ninguém faz mas todo mundo sabe que existe...

    De fato as políticas afirmativas são polêmicas, principalmente quando vamos separar raças geneticamente ou esteticamente e o fato de ser uma medida a curto prazo que no Brasil tudo se transforma em longo prazo.

    Basta ver o projeto do governo em colocar cotas em concursos públicos também...

    De fato, o autor do texto esqueceu completamente de processos históricos e fatores sociológicos neste meio, mas não deixa de ser um bom artigo, me dá uma reflexão em processos singulares, mas tratar pluralmente falando, me dá a visão de ser um artigo falacioso.
  • Guilherme  21/11/2013 14:45
    Cleber, quais são os "processos históricos e fatores sociológicos neste meio" de que o autor (que é negro) se esqueceu?

    Talvez você queira dar uma lida nos livros dele sobre justamente este tema:

    Affirmative Action Around the World: An Empirical Study

    Intellectuals and Society

    Intellectuals and Race
  • André  21/11/2013 14:19
    "Privilégio branco" quer dizer que os empresários preferem pagar MAIS CARO pra contratar um branco do que um negro com a MESMA CAPACIDADE.

    Logo, "Privilégio branco" quer dizer que empresários não gostam de LUCRO.

    Empresários que não gostam de LUCRO só existem no mundo da fantasia.
    Mundo da fantasia é onde vivem os progressistas, socialistas, esquerdistas e similares.

    Claro que o esquerdistas mais espertom só usam esse discuro pra aumentar o poder do governo, mas sabem que é tudo MENTIRA essa histórios de que empresários preferem contratar brancos ao invés de LUCRAR.

    Mas como a maioria das pessoas é formada por idiotas, e desses idiotas a maioria facilmente se tornar um idiota útil, pode-se concluir que a maioria das pessoas, por mais patético que isso possa parecer, acreditam que empresários preferem contratar um branco ao invés de LUCRAR.
  • anônimo  21/11/2013 16:19
    Pessoas como esse Nel passam a vida reclamando dos outros. Vivem reclamando do mundo. A vida passa, e passaram a vida reclamando. Se eles não tiveram sucesso no trabalho, é por que o patrão era racista. Não percebem que outros, em situação semelhante, que decidiram trabalhar de verdade, esquecer o passado, e pensar no futuro, se deram muito bem, melhoraram suas vidas e a dos outros. Pessoas que não aceitaram serem tratados como coitados, levantaram a cabeça e foram a luta.

    Nel, este mundo não é justo. É a natureza dele. Continuar a propagar a injustiça, como você prega, não vai ajudar ninguém, só vai ajudar a criar mais ressentimento. Afinal, seja franco, onde é que tem "branco" hoje no Brasil? O herdeiro do dono de escravo de São Paulo teve avós negros. E aí, qual herança genética prevalece? Aliás, aqueles que você chama de "brancos", são os que menos tiveram a ver com a escravidão. Aqueles brasileiros com pouca "ou nenhuma" mistura genética estão restritos a lugares isolados no sul do Brasil ( principalmente onde não houve escravidão ). Onde houve escravidão, os "brancos" todos têm parentesco com filhos dos escravos, mesmo pelo contato prolongado e a libertinagem sexual que é característica do brasileiro em geral.

    Os brancos que você critica são inocentes quanto a escravidão. E quanto a supostas vantagens, isto é ilusão sua. O colega, acima, explicou bem, vou citar seu comentário novamente:

    (...)"os negros e pardos, hoje, tem muito menos oportunidades. Apesar de terem as mesmas capacidades"

    Então você ( Nel ) está afirmando que os empresários preferem contratar um branco, pagando mais, mesmo podendo contratar um negro/pardo com a MESAM CAPACIDADE de trabalho, pagando menos, o que aumentaria o LUCRO do empresário.

    Você está afirmando que os empresários peferem discriminar ao invés de LUCRAR.

    Você vive no mundo da fantasia.(...)

    Nel, você vive no mundo da fantasia. Quando você decidir sair, você vai ver que o racista, na verdade, era você, o tempo todo. E quem sabe vai perceber que o que melhora a condição de vida é o trabalho duro, não supostas vantagens auferidas por causa da cor da pessoa, ao invés da sua competência.

    Ps. Veja o exemplo dos Estados Unidos. Existem muito mais pessoas de cor em cargos de gerência do que no Brasil, pois lá estes ESTUDAM, e não ficam o dia todo reclamando do mundo pra quem não tem nada a ver, e muito menos buscando culpados para algo que aconteceu quase duzentos anos atrás.

  • anônimo  28/11/2013 17:18
    Os Estados Unidos de hoje não são referência de nada.E que negócio é esse de 'estudam e não ficam reclamando'...? Vagabundo vitimista por lá não falta.A bandidagem americana tem todos os defeitos da brasileira, mas é ainda pior por causa da paranóia do racismo.
    É só num ambiente assim, onde o cara sabe que pode fazer o que for e ninguém pode dar um pio, porque se der é racismo, que aparecem coisas como a moda do knock out game que é na verdade um caso de racismo reverso, mas a mídia mostra como brincadeirinha de crianças

  • Márcio  22/11/2013 20:56
    Sou descendente de imigrantes europeus. E sabem o que os meus tataravôs tiveram que nenhum ex-escravo teve no início do século XX? ACESSO GRATUITO À TERRAS. Tremenda medida especial de promoção do "branqueamento" da população brasileira. Os imigrantes, que vieram para cá, eram pobres, mas eram considerados superior, disciplinados, trabalhadores. Vieram para cá cumprir uma política de "branqueamento". Vieram "melhorar" o Brasil. Os imigrantes foram trazidos para cá para impedir que este fosse um país de maioria negra. Que sua cor de pele 'superior' era necessária para que se pudesse imaginar esse país como uma nação.
  • anonimo   28/11/2013 16:41
    "nenhum ex-escravo teve"

    Falácia.

    As terras em questão não passavam de um monte mato sem ninguém. Da mesma maneira que estes imigrantes se instalaram nestas terras vazias, muitos escravos libertos se reuniam em quilombos, também criados a partir do nada em terras vazias. E não é verdade dizer que os colonos recebiam as terras de graça. A primeira leva de imigrantes, cerca de 10.000 pessoas, recebeu algumas terras, todo o restante teve de comprar.

    Além do que, estes imigrantes eram abandonados à própria sorte uma vez aqui. Suas colônias não contavam com nenhum auxílio do governo.

    O único favorecimento que o governo deu para estes foi a liberação quanto à cidadania ( para aqueles que se dispunham a comprar as terras e arcar com os custos da viagem ).

    Ao contrário do que o senso comum diz, ser imigrante europeu no sul do Brasil era algo bastante ingrato. Muito melhor era viver nos centros urbanos da época, coisa que a grande maioria dos escravos libertos foram fazer.

    O artigo da wikipedia sobre o assunto tem um bom resumo. Sugiro que leia:
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Imigra%C3%A7%C3%A3o_alem%C3%A3_no_Brasil#A_pol.C3.ADtica_imigrat.C3.B3ria
  • Márcio  29/11/2013 21:27
    No próprio link que vc colocou, diz:

    "A princípio, o governo brasileiro sempre reconheceu, desde a independência, que a imigração estrangeira seria indispensável para o crescimento do país.

    Por iniciativa de Dom Pedro I, foram criadas colônias alemãs de norte a sul do Brasil, porém com enfoque nos estados do Sul (1824)."


    Ou seja, por inciativa do governo brasileiro. O governo brasileiro pagava até viagem e dava terras:

    "Os imigrantes recebiam diversos auxílios governamentais, como viagem paga entre o porto do Rio de Janeiro até o núcleo colonial, recebimento de um lote de terra para a família imigrante, que poderia ser pago em várias prestações, uma casa provisória e auxílio para construir uma nova moradia."

    pt.wikipedia.org/wiki/Imigra%C3%A7%C3%A3o_italiana_no_Brasil#A_coloniza.C3.A7.C3.A3o_Italiana_no_Sul

    Os negros nunca tiveram nada disso...
  • Occam's Razor  29/11/2013 22:50
    E daí, Márcio? Qual é o seu ponto afinal? Suponha que você tenha descoberto que a soma dos quadrados dos catetos é igual ao quadrado da hipotenusa. Com base nisso, para onde vai o seu raciocínio? Por favor leia os outros comentários e exponha algo que ainda não tenha sido refutado aqui.
  • Renato Souza  30/11/2013 13:09
    Prezado Marcio

    Esta é uma questão muito bem colocada. Muitos imigrantes receberam terras e subsídios para iniciar sua vida aqui no Brasil. Quem Pagou por isso? Os pagadores de impostos (que na época refletiam principalmente no aumento dos preços de bens importados)que eram a maioria dos bens manufaturados e industriais usados pela população. O governo brasileiro agiu assim principalmente com o objetivo trazer mão de obra mais qualificada, com o intuito de ter aqui a mesma disponibilidade desse tipo de mão de obra que havia nos países mais ricos. Dizendo de outra forma, foi uma maneira de pular etapas no desenvolvimento do país. Se essa era a maneira mais eficaz (e mais moral) de atingir esse objetivo, isso é outra história... Quando ficou evidente para o governo que muitos imigrantes viriam, mesmo sem tantos incentivos, estes diminuíram até acabarem. As levas sucessivas de imigrantes alemães (e outros) receberam cada vez menos subsídios. Quando da imigração japonesa, os imigrantes vinha para trabalhar nas fazendas de outras pessoas, em condições precaríssimas. Enormes quantidades de imigrantes italianos, alemães, espanhóis, russos, letos, sírios, libaneses, judeus, coreanos, chegaram aqui com uma mão na frente e a outra atrás. A maioria vendeu tudo o que tinha para pagar a passagem e ter algum dinheirinho para aguentar as primeiras semanas. Muitos chegaram sem dinheiro nenhum, ou até com dívidas, que pagariam para os fazendeiros que os tinham contratado.

    Do ponto de vista dos pagadores de impostos, é evidente que os subsídios não são bem vistos. Porque não havia uma grita gera contra isso? Porque era evidente para o público em gera que o objetivo do governo (naquelas primeiras levas, quando houve esse subsídio) era gastar apenas no início. Era o interesse do governo que esses imigrantes se estabelecessem, e passassem eles a serem pagadores de impostos. A melhoria de produtividade almejada cobriria depois os gastos. Uma vez atingido certo nível de desenvolvimento, o crescimento da economia atrairia mais imigrantes. Os pagadores de impostos sabiam desse objetivo, sabiam que o governo não continuaria dando subsídios para sempre. Eles pensavam "estamos sendo surrupiados agora, o governo está tirando nosso dinheiros e dando para esses alemães, mas pelo menos o governo pretende parar de fazer isso".

    Comparemos os objetivos do governo de então com os objetivos do governo atual. Não é intenção do governo dar subsídios para os negros só por algum tempo, nem só para um número limitado deles. O interesse do governo (e os pagadores de impostos sabem disso) é criar uma ampla e permanente classe de pessoas que dependam cada vez mais do governo. Os governantes ganham poder político assim e mais dinheiro passa pelas suas mãos, e conseguem mais fortemente impor restrições sobre a sociedade, e mais infantilizada e dependente se torna toda a população. Se o racialismo é algo que dá poder e dinheiro ao governo, e infantiliza e torna dependente a população, porque cargas d'água o governo eliminaria tal política algum dia?
  • Juliano  30/11/2013 17:29
    Alguns trechos do livro 1889, de Laurentino Gomes:

    "Ao contrário dos Estados Unidos, que, por meio do Homestead Act, urna lei de 1862, autorizou a doação de terras a todos os que nela desejassem se instalar, no Brasil a Lei de Terras de 1850 ergueu barreiras à aquisição delas por parte dos imigrantes pobres que chegavam da Europa. As terras
    públicas seriam vendidas à vista e a preços suficientemente altos para evitar o acesso à propriedade por parte dos futuros colonos. Além disso, estrangeiros que tivessem passagens financiadas para o Brasil estavam proibidos de comprar terras até trés anos após a chegada. Era uma forma de obrigá-los a trabalhar nas fazendas no lugar dos escravos antes de conseguir, a muito custo, juntar a poupança necessária para comprar uma pequena propriedade. Na época da aprovação do Homestead Act, os Estados Unidos já haviam atraído mais de 5 milhões de imigrantes, especialmente da Europa. No Brasil, o número não passava de 50 mil. Com as novas leis de posse da terra, a diferença aumentou ainda mais."
    ..
    "Ao chegar ao Brasil, os imigrantes logo perceberam que as exigências contratuais de Vergueiro os colocavam na situação de escravos brancos. Como resultado, em fevereiro de 185— uma revolta de estrangeiros estourou na fazenda Ibicaba. Os colonos alegavam que o fazendeiro lhes comprava o café por preços inferiores aos do mercado, mas ao mesmo tempo lhes vendia mercadorias a preços
    extorsivos. Muitos deles, depois de trabalhar vários anos, se encontravam mais endividados do que na época da chegada ao Brasil. O tratamento dispensado pelos feitores era semelhante ao vigente nas antigas senzalas.
    Alguns desses imigrantes voltaram para a Europa. onde escreveram livros denunciando a fraude da imigraçäo para o Brasil. "Os colonos se acham sujeitos a uma nova espécie de escravidão, mais vantajosa para os patrões do que a verdadeira, pois recebem os europeus por preços bem mais moderados do que os dos africanos", reclamou o suíço Thomas Davatz, no livro Memórias de um colono no Brasil, no qual relata sua experiência de dois anos na fazenda Ibicaba."Não passam de pobres coitados miseravelmente espoliados. de perfeitos escravos, nem mais nem menos."
  • Dalton C. Rocha  21/11/2015 17:36
    Você escreveu: Alguns trechos do livro 1889, de Laurentino Gomes:

    "Ao contrário dos Estados Unidos, que, por meio do Homestead Act, urna lei de 1862, autorizou a doação de terras a todos os que nela desejassem se instalar, no Brasil a Lei de Terras de 1850 ergueu barreiras à aquisição delas por parte dos imigrantes pobres que chegavam da Europa. As terras
    públicas seriam vendidas à vista e a preços suficientemente altos para evitar o acesso à propriedade por parte dos futuros colonos. Além disso, estrangeiros que tivessem passagens financiadas para o Brasil estavam proibidos de comprar terras até trés anos após a chegada. Era uma forma de obrigá-los a trabalhar nas fazendas no lugar dos escravos antes de conseguir, a muito custo, juntar a poupança necessária para comprar uma pequena propriedade. Na época da aprovação do Homestead Act, os Estados Unidos já haviam atraído mais de 5 milhões de imigrantes, especialmente da Europa. No Brasil, o número não passava de 50 mil. Com as novas leis de posse da terra, a diferença aumentou ainda mais."
    ..
    "Ao chegar ao Brasil, os imigrantes logo perceberam que as exigências contratuais de Vergueiro os colocavam na situação de escravos brancos. Como resultado, em fevereiro de 185— uma revolta de estrangeiros estourou na fazenda Ibicaba. Os colonos alegavam que o fazendeiro lhes comprava o café por preços inferiores aos do mercado, mas ao mesmo tempo lhes vendia mercadorias a preços
    extorsivos. Muitos deles, depois de trabalhar vários anos, se encontravam mais endividados do que na época da chegada ao Brasil. O tratamento dispensado pelos feitores era semelhante ao vigente nas antigas senzalas.
    Alguns desses imigrantes voltaram para a Europa. onde escreveram livros denunciando a fraude da imigraçäo para o Brasil. "Os colonos se acham sujeitos a uma nova espécie de escravidão, mais vantajosa para os patrões do que a verdadeira, pois recebem os europeus por preços bem mais moderados do que os dos africanos", reclamou o suíço Thomas Davatz, no livro Memórias de um colono no Brasil, no qual relata sua experiência de dois anos na fazenda Ibicaba."Não passam de pobres coitados miseravelmente espoliados. de perfeitos escravos, nem mais nem menos."
    E por que?
    Nos Estados Unidos a fonte do poder do presidente era a prosperidade, que ele dava aos homens brancos(mulher só votou de 1920, nos Estados Unidos). Se houvesse prosperidade, o presidente podia até ser reeleito.
    Enquanto isto, no Brasil, a fonte do poder do rei; a fonte da monarquia era a escravidão. Como escreve a wikipedia ( https://pt.wikipedia.org/wiki/Lei_%C3%81urea ): João Maurício Wanderley, barão de Cotejipe, o único senador do império que votou contra o projeto de abolição da escravatura, ao cumprimentar a princesa logo após esta ter assinado a Lei Áurea, profetizou:
    "A senhora acabou de redimir uma raça e perder o trono"!
    Só que além de uma profecia, isto era também uma acusação muito bem fundamentada.
    A escravidão era o alicerce da monarquia no Brasil.
    Sem ela, o Império caiu sem dar um tiro; menos de dois anos depois.
    Os "amigos do rei" eram uma barafunda de corruptos, aduladores e incompetentes.
    Menos de 1% do gasto do Império era para saúde e educação; contra mais de 60% para a dívida pública. Como hoje, a dívida pública era a principal despesa do governo do Brasil.
    Estavam lançadas as bases para o Brasil de hoje.
  • Railthon  28/11/2013 20:09
    Decepcionante o post. Desanimei em ler qualquer outro artigo postado por vocês depois de me deparar com este pensamento retrógrado. Este discurso é recorrente na boca de quem jamais se questionou por que a maioria da população brasileira não circula em ambientes frequentados pela elite financeira e intelectual do País, como universidades, centros culturais, restaurantes, shows e centros de compra. Como diria Matheus Pichonelli no seu brilhante artigo para a Carta Capital: Não penso, logo relincho.
  • Monorail  28/11/2013 22:00
    "Este discurso é recorrente na boca de quem jamais se questionou por que a maioria da população brasileira não circula em ambientes frequentados pela elite financeira e intelectual do País, como universidades, centros culturais, restaurantes, shows e centros de compra."

    Quer dizer então que o seu padrão de igualdade racial é frequentar lixos como universidades brasileiras, centros culturais, shows e centros de compra? Ou você é piadista ou você é genuinamente sádico.

    "Como diria Matheus Pichonelli no seu brilhante artigo para a Carta Capital: Não penso, logo relincho."

    Os termos "relincho" e "Carta Capital" cabem perfeitamente na mesma frase. Faltou apenas um termo para designar o leitor da Carta Capital: asinino.

    "Decepcionante o post. Desanimei em ler qualquer outro artigo postado por vocês depois de me deparar com este pensamento retrógrado."

    Difícil imaginar coisa mais asinina do que frases como essa. Você realmente se acha original e provocativo? Ao menos tenha a hombridade de dizer algo como: "Nossa, nunca mais irei ler nada de você porque a única coisa que li de você me mostrou o quanto estou totalmente incapacitado para o debate"

    Aliás, cadê as refutações ao artigo acima?
  • Nel Oliveira  29/11/2013 16:14
    37,4% de jovens pretos e pardos estão no ensino superior, diz IBGE
    Já entre os estudantes brancos o índice é de 66%. Análise divulgada nesta sexta foi feita com bases nos dados da Pnad.
    29/11/2013 10h00 - Atualizado em 29/11/2013 10h34
    Do G1, em São Paulo
    Apesar do número de estudantes no ensino superior ter aumentado ao longo de dez anos, subiu de 9,8% em 2002 para 15,1% em 2012, a desigualdade entre brancos e pretos ou pardos na universidade ainda é grande. Segundo análise do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ( IBGE ) feita com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) divulgada nesta sexta-feira (29), em 2012, enquanto 66,6% do total de estudantes brancos de 18 a 24 anos frequentavam o ensino superior, 37,4% dos estudantes pretos ou pardos estavam no mesmo nível.
    Em relação aos dados regionais, em 2012, as regiões com maior concentração de estudantes no ensino superior, incluindo mestrado e doutorado, são Sul, Centro-Oeste e Sudeste, com taxas de 67,1%, 60,5% e 60%.
    Se for avaliada a cor e raça do estudante, a maior concentração de universitários da cor branca está no Sul (71,3%), seguida por Centro-Oeste e Sudeste (ambas com 70,4%), Nordeste (53,3%) e Norte (49,1%). Os estudantes pretos e pardos estão mais concentrados no Centro-Oeste (51,2%), em seguida aparecem mais nas Regiões Sul (45,9%), Sudeste (43,7%), Nordeste (31,6%) e Norte (29,7%).
    Analfabetismo estagnado
    A boa notícia dos dados da Pnad 2012 que serviram de base para esta análise é que a taxa de analfabetismo no Brasil parou de cair. Em 2012, a taxa de analfabetismo das pessoas de 15 anos ou mais de idade foi estimada em 8,7%, o que correspondeu ao contingente de 13,2 milhões de analfabetos. Em 2011, essa taxa foi de 8,6% e o contingente foi de 12,9 milhões de pessoas.
    Segundo o IBGE, a variação de 0,1 ponto percentual de 2011 para 2012 está dentro do "intervalo de confiança", e não significa necessariamente que o analfabetismo aumentou, e sim que se manteve estatisticamente estável.
  • Heber  08/03/2014 14:23
    É interessante que se note que nessa pesquisa eles consideram boa notícia o analfabetismo ter parado de cair! Eles querem que aumente!
  • johnson  18/12/2013 14:53
    Lamentável é ver os senhores usarem o argumento de um negro contrário às cotas como principal fundamentação da suposta invalidade delas. Que existe racismo no Brasil, isso é um fato; que os negros são marginalizados na nossa sociedade, isso é um fato; que essa condição é devida à herança maldita da escravidão, isso é um fato também. Acho irônico o fato de vocês liberais defenderem o direito de indenização aos descendentes dos judeus vítimas do Holocausto mas neguem esse mesmo direito aos descendentes dos escravos. Quem, como eu ,que conhece profundamente a História do Brasil, sabe que as cotas são uma reparação justa ao trabalho que os negros africanos fizeram aqui.Elas foram defendidas por grandes brasileiros como Castro Alves, Ruy Barbosa e Joaquim Nabuco.
  • Marcos  19/12/2013 13:18
    "Acho irônico o fato de vocês liberais defenderem o direito de indenização aos descendentes dos judeus vítimas do Holocausto mas neguem esse mesmo direito aos descendentes dos escravos."

    Como é que é?! Quem defende indenização para judeu?! Aponte um artigo deste site que faça isso ou retrate-se.

    "Quem, como eu ,que conhece profundamente a História do Brasil, sabe que as cotas são uma reparação justa ao trabalho que os negros africanos fizeram aqui."

    Traduzindo: você quer que A roube de B para compensar algo que C fez a D. E ainda considera isso algo totalmente lógico e justo.

    E o pior é que gente assim vota.
  • Andre  19/12/2013 15:48
    "Traduzindo: você quer que A roube de B para compensar algo que C fez a D. E ainda considera isso algo totalmente lógico e justo."

    E além disso o dinheiro que A vai roubar de B não será dado à D, pois D já morreu!
    Será dado à um E qualquer só por este ter uma cor de pele parecida com D.
    Mesmo que E seja rico.

    E no final A é que irá ficar com a maior parte desse dinheiro, como pagamento pelo serviço, não solicitado, de roubar em nome de D para dar uma pequena parte do esbulho para E.

    Os caras são completamente malucos!!!
  • Andre  19/12/2013 15:53
    "Que existe racismo no Brasil, isso é um fato"

    Você tem um vídeo de um branco cometendo racismo contra um negro?

    Ah, não tem né!?
    Incrível como hoje em dia todo mundo anda por aí com uma câmera e ninguém consegue filmar o racismo acontecendo.

    Vai ver que os racistas são como vampiros, não podem ser filmados.
    Acho que tem menos vídeo de racismo na internet do que vídeo de UFO's.
  • Andre Cavalcante  19/12/2013 16:17
    "Acho que tem menos vídeo de racismo na internet do que vídeo de UFO's."

    kkk. Essa foi boa. Melhor que é verdade... E olha que a maioria de vídeos de UFOs são fakes. Será que o pessoal não sabe nem fazer um fakezinho de racismo (muito mais fácil, nem precisa de 3DMax ou Blender...)?

  • johnson  19/12/2013 17:23
    Estou feliz com as cotas porque ,graças a elas, vou poder entrar no serviço público...
  • anônimo  19/12/2013 19:32
    Que legal né, o cara não consegue ver um palmo além do óbvio
  • anônimo  19/12/2013 20:56
    Eu me sentiria envergonhado de conseguir uma vaga em alguma coisa - imagine então algo como um emprego - só por causa da cor da minha pele. Mais envergonhado ainda caso o único motivo pelo qual eu estaria sendo contratado é porque meu patrão é obrigado sob ameaça da força. E muito, mas muito mais, se as pessoas para quem eu trabalho não prestam nenhum serviço para a sociedade, pior, recebem suas receitas por meio da força bruta, e tornam a vida de quem realmente fornece serviços úteis e demandados pela sociedade um verdadeiro inferno, através do sem número de regras arbitrárias que existem para justificar o emprego - agora meu e dos meus colegas.
  • anônimo  21/11/2015 01:57
    Estou feliz com as [strike]cotas[/strike] muletas porque, graças a elas, vou poder [strike]entrar no serviço público[/strike] ficar de pé...
    maior atestado de inferioridade nao ha, e quem critica cotas que eh discriminatorio...
    pq nao cobrar melhor educacao de base, pra nao chegar na vida adulta precisando de muletas do estado?
    respondo: pq vai precisar se dedicar mais...
  • Bruno Batista da Silva  16/01/2014 20:47
    Interessante que esses líderes, estudiosos e sabidos do assunto pregam que não há diferença racial, que cor não merece nem desmerece ninguém, mas são os primeiros a segregarem por meio de cotas... Há quem diga ainda que o Brasil tem uma dívida histórica com o negro... não acho nada justo tentarmos compensar um grupo que vive hoje e não é escravo, com os recursos daqueles que também vivem hoje, e não são donos de escravos... aliás, cadê o negro puro nesse Brasil??? Conheço várias pessoas branquinhas de pele que tem pais ou avós negros... enfim, separar por cor, seja no preconceito ou nas cotas, é ridículo.
  • Felix  21/11/2015 01:01
    Separar por cor da pele, já é uma forma de discriminar,
    vai vir com um espectromêtro medir quem pode e quem não pode?
    e a ascendência pode contar ou não?
    ou tem que ter passado por alguma discriminação na rua, registrada em boletim de ocorrÊncia?
    vai ter que passar por entrevistas com psicólogos para saber se tá mentindo ou não?
    tudo isso é discriminação pra quem prentende usar uma cota destas
  • anônimo  08/03/2014 00:36
    "Ao contrário do que o senso comum diz, ser imigrante europeu no sul do Brasil era algo bastante ingrato. Muito melhor era viver nos centros urbanos da época, coisa que a grande maioria dos escravos libertos foram fazer."

    Sabe porque as periferias são formadas, em sua maioria, por afro-descendentes, enquanto mais de 90% dos residentes de classe média e alta, são brancos? Por causa das políticas urbanas que empurraram os descendentes dos escravos para as periferias. Por exemplo, no Rio da Janeiro, Capital da época, a imensa maioria dos residentes dos cortiços eram descendentes dos escravos. O prefeito da época (Pereira Passos), ordenou a demolição dos cortiços para a construção de obras, como a Avenida Central (atual Avenida Rio Branco), forcando os residentes dos cortiços (90% descendentes de ex-escravos) a ir pros morros e favelas.
  • Afrânio  08/03/2014 05:53
    Ou seja, você está dizendo que quem impingiu a segregação foi o governo? Nossa, que espanto!
  • Tiago Moraes  08/03/2014 13:15
    Não, ele está relatando um fato e você está escrevendo bobagem, ponto.
  • Afrânio  08/03/2014 14:31
    Prezado Tiago, qual foi a minha "bobagem"? Se estou concordando com o anônimo, você não pode dizer que ele está certo e que eu estou falando bobagem. Aquele abraço.
  • anônimo  08/03/2014 13:46
    Falou, falou, esperneou e não refutou. Tente de novo, anônimo. Mas tente ser mais objetivo.
  • anônimo  08/03/2014 20:43
    O governo conluiado com a elite branca, demoliu os cortiços formados em sua imensa maioria por descendentes de escravos negros, estes que foram forçados a ir pros morros e favelas, para a execução de obras para favorecer aos interesses da elite, como a Avenidade Central (atualmente Avenidade Rio Branco).
  • Afrânio  10/03/2014 00:44
    Ou seja, você está dizendo que o estado atendeu aos desejos de grupos de interesses? Nossa, que espanto! Conte-me quando foi que isso deixou de acontecer em qualquer arranjo em que há estado.
  • Dalton C. Rocha  20/11/2015 18:43
    Luta de classes morta; luta de raças posta.
  • david  20/11/2015 18:59
    Dizer que o racismo no Brasil não existe é querer não enxergar a realidade e não ter empatia com as pessoas que sofrem deste mal.

    O problema é que as pessoas querem combater o racismo de uma forma errada. Elas querem combater o racismo utilizando a mesma ferramenta que cria o problema. Esta ferramenta se chama governo, e quanto mais você a usa mais o problema aumenta.

    O negro no Brasil tem uma condição de miséria justamente por culpa dos governos estrangeiros que tinham interesses em proteger seus privilégios, então adotaram politicas protecionistas, mercantilistas e mais atualmente a política assistencialista.

    E quanto mais política assistencialista, mercantilista e protecionista o governo adotar, mais pobre a população vai ficar. E quanto mais pobre fica, mais dependente do governo a população fica. E assim vemos governos populistas dominando a América Latina por anos.

    Quem realmente quer que a população negra seja rica e prospera, deve lutar para que ela tenha acesso a economia livre e libertaria ( que é diferente de mercantilismo) e sem um governo tentando decidir o que é melhor para o povo.

    A África é um bom exemplo de tudo que eu estou falando. Ela é um continente que não possibilita qualquer cidadão empreender ou ter uma propriedade privada.
  • Emerson Luís  20/11/2015 22:15

    Não Somos Racistas - Uma Reação aos que Querem nos Transformar Numa Nação Bicolor

    'Não Somos Racistas' é um livro nascido do espanto. Movido pelo instinto de repórter, Ali Kamel, diretor de jornalismo da Rede Globo, começou a perceber que a política de cotas proposta pelo Governo Lula - e que pode ser aprovada em breve pelo Senado - divide o Brasil em duas cores, eliminando todas as nuances características da nossa miscigenação.

    Ali constata, estarrecido, que, nesta divisão entre brancos e não-brancos, os 'não-brancos' são considerados todos negros: 'Certo dia, caiu a ficha: para as estatísticas, negros eram todos aqueles que não eram brancos. Cafuzo, mulato, mameluco, caboclo, escurinho, moreno-bombom? Nada disso, agora eram brancos ou negros. Pior: uma nação de brancos e negros, onde os brancos oprimem os negros. Outro susto: aquele país não era o meu'.

    A tentativa de entender e reconhecer este novo país fez com que o jornalista, ex-aluno do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ, revisse antigas leituras e pesquisasse documentos, livros e teses. O primeiro capítulo do livro mostra como a política de cotas começou a ser construída no governo Fernando Henrique Cardoso.

    Mostra, ainda, como o jovem sociólogo Fernando Henrique foi uma das cabeças de um movimento que dominou parte da intelectualidade nacional nos anos 1950. Um movimento que se afastava do conceito de multiplicidade e democracia racial proposto por Gilberto Freyre em obras como 'Casa Grande & Senzala' e dividia o Brasil entre duas cores: negros e brancos.

    www.saraiva.com.br/nao-somos-racistas-uma-reacao-aos-que-querem-nos-transformar-numa-nacao-bicolor-1446541.html?sku=1446541&force_redirect=1&pac_id=25371&utm_source=buscape&utm_medium=comparador&utm_campaign=cpc_Livros-1446541_25371

    * * *
  • David   21/11/2015 01:24
    Mesmo sendo sociólogo, o nome já o descreve estudante da sociedade, bom, não consigo entender sua ignorância a palavra racismo que é em si um movimento de raça, entendido com descriminação de uma raça para com a outra.
    Achei e considero superficial sua abordagem, o racismo é um movimento de raça que deve ser combatido na estrutura social moderna.

    Nós bípedes símios evoluídos chamados de humanos ou homo sapiens sapiens possuímos característica desenvolvidas de acordo com o ambiente e pelos estímulos existentes neste ambiente. Por esta razão existe diversos (raças) grupos denominados humanos no planeta cada uma sofreu um tipo de de transformação de acordo com seu estímulos próprios. Entendendo tudo isso observo que o racismo nada mais é que um comportamento estritamente animal que não condiz com a estrutura racional do bípede evoluído. Este comportamento revela o quanto o ser bípede evoluído ainda precisa evoluir mais socialmente fazendo o treinando seu filhotes para que no futuro não exista este comportamento. Atualmente o racismo acredito que seja um medo animal ao diferente na forma de característica física e morfológica, mas isso demonstra o quanto ainda somos primitivos e com isso podemos observar ainda hoje o comportamento averso a razão e ligado a emoção animal primitiva de exclusão de raças da mesma especie.

    Ser favorável a cotas significa remediar um descaso e uma falta de organização e justiça para com a população negra deste país chamado Brasil. O certo seria oferecer terra, assenta-los, garantir condição de produzir no campo ou favorecer a inclusão econômica na cidade.

    Organizar e bom para todos, esta maneira primitiva de pensar a especie bípede racional (humanos) e no minimo animal, e sendo animal existe todo o comportamento constituído a partir da palavra.

    Por fim pesquise melhor e evolua este pensamento primitivo!
  • david  21/11/2015 13:50
    David.

    Os programas sociais do governo assim têm como objetivo principal acabar com a desigualdade.

    O problema é que estes programas só ajudam a piorar o problema e causar ainda mais dependência do próprio governo que vai ficando eternamente no poder.
  • Zé do Caixão  20/11/2015 22:17
    Os negros serão eternamente tributados, taxados e fiscalizados pelo governo.

    Será que o Zumbi dos Palmares era libertário ?

    Deve ser difícil ser negro e ficar escutando essas merdas. É guerra de classes mesmo !
  • Elias Bueno  21/11/2015 01:51
    O que falta é o Brasil se conscientizar que a sua população é predominantemente composta de negros, e o governo já sabe disso, principalmente o do PT, dai a razão destas cotas para negros. A razão de se ter mais negros pobres do que brancos é simples, temos mais negros que brancos aqui no Brasil. O mundo já sabe disso, só o Brasil que não. Qualquer idiota sabe que qualquer ser humano é capaz de fazer e de acontecer seja ele branco, negro, amarelo, judeu ou muçulmano. Pelé foi o melhor jogador do mundo a sua época e era negro e agora temos o Messi e assim vai. Cotas? Claro que sou contra, pois sou a favor do mérito, mas para o governo do PT é mais um nicho de eleitores a ser seduzido, assim como os eleitores de 16 anos. Preconceito no Brasil? Sim, claro que temos preconceito no Brasil, mas não é contra o negro, mas sim a classe social que o cidadão pertence e esse tipo de preconceito, de classe social, com certeza é o preconceito mais execrável que existe, mais até que o preconceito racial. Chegue num restaurante ou num hotel de luxo de BMW sendo negro e chegue de chevete sendo branco e você entenderá o que é preconceito de classe.
  • Anonimo  21/11/2015 10:58
    Nan, o povo brasileiro é mestiço.
    E essa é uma discussão idiota.
  • Anonimo  21/11/2015 10:05
    'Vá a qualquer país, seja ele rico ou em desenvolvimento, e pesquise sobre a existência de "líderes" e de grupos de interesse voltados para a promoção de políticas de ação afirmativa para os asiáticos. Você não encontrará. Você não encontrará sociólogos dizendo que os imigrantes asiáticos, por serem minoria e por estarem culturalmente deslocados, estão em desvantagem e que por isso o governo deve criar leis de cotas para ajudá-los a ascender socialmente.'

    Mas o pior é que realmente existiram leis parecidas criadas pelo governo, depois da segunda guerra o governo americano teve um pacote pra ajudar o japão devastado, uma ajuda que foi planejada pra ser temporária e acabou sendo só temporária mesmo
    Diferente das cotas pra negros, que também começaram sendo só temporárias e estão aí até hoje.
  • Sandoval  21/11/2015 11:57
    Durante a Segunda Guerra, o presidente americano Roosevelt simplesmente enviou japoneses e americanos descendentes de japoneses para campos de concentração, sendo que a metade eram crianças. Desconheço que os japoneses tenham, desde então, pedido cotas e ressarcimento por essa escravização.

    en.wikipedia.org/wiki/Internment_of_Japanese_Americans

    www.ushistory.org/us/51e.asp

    historymatters.gmu.edu/d/5154

    www.history.com/this-day-in-history/roosevelt-ushers-in-japanese-american-internment

    www.pbs.org/childofcamp/history/

  • anônimo  21/11/2015 17:30
    A questão é a seguinte. No Brasil, metade da população é formada de negros e mestiços. Metade da população é não-branca. Se você observar os conselhos administrativos das grandes empresas, 95% é ocupado por brancos. Mais de 80% dos médicos são brancos. Negros são menos de 2% dos magistrados.

    Se vc for ver, por exemplo, um concurso de beleza, como Miss Brasil, quase 100% das candidatas são brancas. Parece que foi concurso Miss Noruega.

    Precisamos mudar esse quadro com ações afirmativas... Colocar mais negros nos cargos mais altos.
  • opinador  21/11/2015 19:30
    Meu amigo.

    Não existe esse de "colocar lá dentro".

    A escravidão foi abolida a uns 100 anos.

    Isso leva tempo.

    Olhe nos EUA que tem até presidente negro.

    Lá é comum ter diretores e donos de empresa negros. Por uma questão cultural.

    Lá ser bem sucedido não é feio como no Brasil.

    Como se faz os negros ou outra "raça" chegar a cargos altos ? Naturalmente.

    Primeiro resolva a educação básica, depois pense na universidade...rs

    O pessoal mal sabe ler e interpretar um texto e vc me fala de faculdade

  • David.  21/11/2015 19:42
    A melhor forma de acabar com o racismo é eliminar qualquer tipo de cargo público e permitir que os negros (tanto da Africa quanto do Brasil) tenham acesso a uma economia de livre mercado.
  • Gabriel  21/11/2015 21:24
    Daqui a pouco vão começar a defender uma Lei Racial para que em todos os bairros e em todos os empregos a divisão das vagas seja feita 50% para brancos e 50% para negros.

    E obviamente ao invés de o Estado propiciar o desenvolvimento econômico para que todos consigam explorar uma atividade rentável, ele acaba fazendo o inverso. Estimula pessoas incapacitadas por meio de benefícios e facilidade a ingressaram na mamata pública (me recuso a chamar de serviço).

    Porém para os burocratas isso é algo muito interessante, pois eles acabam atraindo um maior número de pessoas para debaixo das asas do Estado, aumentando cada vez mais o seu Poder.

    E quem se ferra? A iniciativa privada, que é quem produz e tem que ficar sustentando isso tudo.
  • Elias Bueno  21/11/2015 20:11
    Tudo que se refere ao Brasil é uma aberração.
    O Brasil foi o último país a "acabar" com a escravidão, além disso temos que levar em conta que na época da escravidão no Brasil as famílias de brancos tinham em seus lares uma quantidade maior de negros que seus familiares brancos, pois graças a indolência dos portugueses as famílias tinham mais escravos negros que os próprios familiares brancos. Após a Lei Áurea o Brasil para não ser identificado como um país de negros começou seu processo de imigração que na realidade foi uma tentativa de embranquecimento do país que não deu certo, pois havia uma proporção muito maior de negros escravos do que brancos donos de escravos, sem falar que este processo de imigração na realidade foi mais caracterizado pela fuga de imigrantes dos regimes de seus países do que o real desejo destes imigrantes de virem para o Brasil. O Brasil é um país condenado e de condenados, pois é um país formado por aqueles que nunca quiseram estar aqui. Os portugueses vieram somente para pilhar o país e sempre pensando em voltarem para Portugal, não queriam ficar no Brasil, os Negros vieram escravizados e sempre querendo fugir e voltar para a África, não queriam ficar no Brasil, os Italianos vieram fugidos do seu regime fascista, mas sempre querendo voltar para a Itália, os espanhóis, os alemães, os japoneses e até os haitianos agora também não vieram por opção. O Brasil é um país formado por aqueles que nunca quiseram estar aqui e por isso que é um país desprezível e continuará sendo. Ou você não iria embora deste país se pudesse?
  • Daniel  22/11/2015 00:42
    E desde de quando escravização é "imigração"? E quem disse que os outros imigrantes (esses sim, imigrantes) do Brasil não tiveram incentivos do governo? Esse texto não faz sentido algum, pois ignora solenemente coisas muito básicas da história do Brasil.
  • salve186@hotmail.com  22/11/2015 16:44
    Os imigrantes italianos conseguiram se desenvolver graças a liberdade econômica que eles tinham na época.
  • Batista  23/11/2015 02:06
    Daniel,


    Sim, os negros foram imigrantes. Saíram de seus países e vieram (ou foram trazidos) para cá.

    Se analisar do ponto de vista da saída, forçada, de seus países e migrar para outro país, a escravidão pode ser entendida como imigração. Repito: forçada.
  • Daniel   27/10/2016 04:04
    Por isso eu coloquei entre aspas. Se eles fossem considerados imigrantes de verdade, seria completamente diferente. Agora lembre-se que um escravo não era sequer considerado gente. Ele era um mero objeto, uma ferramenta. E objetos não imigram.