The Brazilian Philosophy Magazine Dicta & Contradicta Interviews Hans-Hermann Hoppe

Would the change from a statist to a libertarian society help or hinder the production of high culture?

Hoppe: A libertarian society would be significantly more prosperous and wealthy and this would certainly help both low and high culture. But a free society – a society without taxes and tax-subsidies and without so-called "intellectual property rights" - would produce a very different culture, with a very different set of products, producers, stars and failures.

You see a causal link between a society's form of government and its moral values and social development. Do you see a similar link between type of government and aesthetic standards and quality of art and entertainment? 

Hoppe: Yes I do. Democratic state government systematically promotes egalitarianism and relativism. In the field of human interaction, it leads to the subversion and ultimately disappearance of the idea of eternal and universal principles of justice. Law is swamped and submerged by legislation. In the field of the arts and of aesthetic judgment, democracy leads to the subversion and ultimately disappearance of the notion of beauty and universal standards of beauty. Beauty is swamped and submerged by so-called "modern art."

Given that libertarian communities could freely banish dissenters for disagreeing with any given opinion, would there be more or less free intellectual discussion in a libertarian world as opposed to ours? And as opposed to a world composed of traditional monarchies?

Hoppe: Private property entitles its owner to discriminate: to exclude or include others from his property and to determine the conditions of entry and inclusion. Both inclusion and exclusion have associated costs and benefits for the owner, which he weighs against each other when he makes his decision. In any case, the owner's decision is motivated by his concern for his property and by reason. His reasoning may turn out correct and he reaches his goal or it may turn out wrong, but in any case, the owner's is a reasoned decision.

The founder and developer of a private community, then, would not likely discriminate and exclude based on mere differences of opinion. Or if he did he would not likely attract more than a guru's following as subscribers. Typically, discrimination will be based on differences in conduct, expression and appearance, on what people do and how they act in public, on language, religion, ethnicity, customs, social class, etc.. The owner discriminates in order to achieve a high degree of homogeneity-of-conduct in his community and so avoid or reduce intra-communal tension and conflict - in economic jargon: to reduce transaction costs; and he does so in the expectation that his decision will be good for his property and community.

In any case, in a libertarian world there would indeed be far more discrimination than in the present statist world, which is characterized by countless anti-discrimination laws and, consequently, ubiquitous forced integration. In particular, whatever other criteria may be used for inclusion or exclusion, in a libertarian world, for instance, no private community owner would want to tolerate – and not discriminate against – communist or socialist activists on his property. As enemies of the very institution on which the community rests, they would be excluded or expelled – but they would of course remain free to establish their own communist commune, kibbutzim or whatever other "lifestyle experiment" they come up with.

In sum and to finally answer your question, then, a libertarian world would be characterized by a far greater variety of different, but internally relatively homogeneous communities, and consequently the range, diversity and vigor of intellectual discussion in all likelihood would far surpass anything experienced presently or at any time in the past.

Do libertarian political and ethical positions have any relation to certain aesthetic and artistic judgments? Is there any incoherence in a libertarian who is a lover of, say, Soviet Realism?

Hoppe: From a purely logical point of view, libertarianism is compatible with each and every aesthetic and artistic style or judgment. I am not the first one to notice, for instance, that famous libertarian Ayn Rand's artistic work displays a striking stylistic resemblance to Socialist Soviet Realism. Similarly, I have seen it possible to be a "perfect" libertarian and never aggress against anyone's person or property, and yet be an all-around useless, unpleasant or even rotten fellow.

Psychologically matters are different, however. Here, in the realm of psychology we sense that life as a peaceful bum or as a lover of Soviet Realist art is somehow incompatible and at odds with the life of a self-conscious libertarian. When we see such conduct or taste displayed in a professed libertarian, it causes us emotional or aesthetic distress and dissonance. And rightly so, I believe. Because the human experience is characterized by the integrated whole of three abilities: of the recognition of truth, of justice and of beauty. We can distinguish between true and false, we can distinguish right from wrong, and we can distinguish between the beautiful (and perfection) and the ugly (and the imperfect) - and we can speak and reflect on all three notions. A whole and complete human life, then, should not only be truthful and just, it should also be a good life. Maybe not beautiful and perfect, but a life striving toward beauty and perfection. An exemplary, morally and aesthetically uplifting and inspiring life. It is here, where the peaceful bum and the Soviet-Realism-lover are lacking.

Alternatively, does art have a role to play in shaping political and philosophical ideas? Can this be done other than as propaganda for a given ideology?

Hoppe: The purpose of the visual arts and of music is the creation of beauty in all its manifestations. It has no further philosophical implications. Yet beautiful art and music and libertarianism have one important commonality. Libertarianism, too, is beautiful. Not aesthetically, of course, but logically, as a simple and elegant social theory.

As for the wholly or partially discursive – narrative – arts, yes, they can serve as a vehicle for the promotion of political and philosophical ideas. You can call this propaganda. But these ideas can be true and good or false and evil. And although I am not an artsy person, I rather have more artists propagandizing the true and good ideas of private property and of capitalism as Ayn Rand, for instance, and fewer artists propagandizing the false and evil ideas of public property and of socialism as, let's say, Bertolt Brecht. But a philosophical agenda is neither necessary to make for art – one can also tell a story for its own sake. Nor is a philosophical purpose sufficient to make for art. To make for art, a narrative must above all be characterized by truthfulness (in the widest sense of the term), by intelligibility, logical coherence, a mastery of language, expression and style, and a sense of humanity and of human justice: of agency and the intentional and the non-intentional in life, of right and wrong, and good and bad.

Do the ideas discussed by intellectuals have any practical effect on the history of human society?

Hoppe: I am no fan of J. M. Keynes. But when he said, that "the ideas of economists and political philosophers, both when they are right and when they are wrong, are more powerful than is commonly understood. Indeed, the world is ruled by little else. Practical men, who believe themselves to be quite exempt from any intellectual influence, are usually the slaves of some defunct economist," he was right. In fact, Keynes is the very defunct economist, pronouncing wrong ideas at that, to whom the practical men of today are intellectually enslaved. 

Is academic life in its present state a healthy environment for an intellectual? Can he survive as an intellectual anywhere else?

Hoppe: That depends on the intellectual. Academic life can be very comfortable for someone spouting forth politically correct leftist platitudes for years on end. On the other hand, for an Austro-Libertarian - and even more so a culturally conservative Austro-Libertarian - academic life is difficult and often maddening. With persistence and some luck you can make it and survive, but if you don't sell out or at least shut up, you should be prepared to pay a price.

Nowadays, however, thanks to the Internet, you can also survive as an intellectual outside official academia. With minimal entrance-cost the competition is fierce, but the opportunities seem boundless. Encouragingly, there are already quite a few Austro-Libertarian intellectuals today, who have earned prominence and money via this route. 

If you could magically change one belief in the minds of all people in present societies, what would it be and why?

Hoppe: I agree in this with my principal teacher, mentor and master Murray Rothbard.  I would only want people to recognize matters for what they truly are. I would want them to recognize taxes as robbery, politicians as thieves and the entire state apparatus and bureaucracy as a protection racket, a Mafia-like enterprise, only far bigger and more dangerous. In short: I would want them to hate the State. If everyone believed and did this, then, as E. de la Boetie as shown, all power of the state would almost instantly vanish.

What positive influence did Habermas have on your thought? Were there negative influences from him as well?

Hoppe: Habermas was my principal philosophy teacher and Ph.D. advisor during my studies at the Goethe University in Frankfurt am Main, Germany, from 1968-74. Through his seminars I became acquainted with British and American analytical philosophy. I read K. Popper, P. Feyerabend, L. Wittgenstein, G. Ryle, J.L. Austin, J. Searle, W.v.O. Quine, H. Putnam, N. Chomsky, J. Piaget. I discovered Paul Lorenzen and the Erlangen school and the work of K.O Apel. I still believe that this was a pretty good intellectual training.

Personally, then, I have no regrets. As for Habermas' influence on Germany and German public opinion, however, it has been an unmitigated disaster, at least from a libertarian viewpoint. Habermas is today Germany's most celebrated public intellectual and High Priest of "Political Correctness:" of social democracy and welfare-statism, of multi-culturalism, anti-discrimination (affirmative action) and political centralization spiced, especially for German consumption, with a heavy dose of "anti-fascist" rhetoric and "collective guilt"-mongering.

Is it worthwhile to read literature? What is your favorite literary book?

Hoppe: This everyone must decide for himself. Personally, I have never read much literature. If I want to do some "lighter" reading, I typically read history, including historical novels, biographies, or literary and cultural criticism a la H.L. Mencken or Tom Wolfe.

0 votos

SOBRE O AUTOR

Joel Pinheiro da Fonseca
é mestre em filosofia e escreve no site spotniks.com." Siga-o no Twitter: @JoelPinheiro85


"Não é preciso um volume crescente de pessoas para estabilizar uma previdência. É preciso apenas que se estabilize a relação ativo/inativo e tempo de contribuição/tempo de benefício, ceteris paribus. Só isso."

Magnífico argumento. Por este seu argumento nenhum golpe de pirâmide é um golpe de pirâmide. Se conseguirmos organizar um golpe de pirâmide de uma forma que ele não acabe se esfacelando, i.e, "estabilizando a relação ativo/inativo", então, segundo sua argumentação, ele deixará de ser um golpe de pirâmide.
Mas o problema com golpes de pirâmide é justamente que é impossível estabilizar esta relação no longo prazo.

"Isso independe se há investimento ou não, porque em um regime 40/20 anos, 1 trabalhador "contribui" para 2 aposentadorias."

Esse seu exemplo é matematicamente risível. Um trabalhador não contribui para "2 aposentadorias". Vários trabalhadores contribuem para uma única aposentadoria. E o motivo é óbvio: eles apenas contribuem com uma pequena parcela de sua renda para a aposentadoria de um único aposentado".

Apenas pegue um exemplo comum no Brasil: Um benefício de cerca de 1500 reais, por exemplo.

Segundo sua afirmativa, todos os "contribuintes" não apenas pagam por uma aposentadoria de 1500 reais mensais, como eles ainda pagam uma aposentadoria extra, de mais 1500. Ou seja, todo trabalhador brasileiro contribui mensalmente com 3000 reais de sua renda, sendo que isto apenas pode representa, segunda a legislação brasileira, no máximo 20% de sua renda total. Ou seja, os "contribuintes" da previdência possuem um salário de no mínimo 15 mil reais, segundo seu exemplo. Certamente, algo facilmente observável todos os dias, meu nobre.

"Ignorar esse fator é um erro grosseiro, cometido pelo artigo. Daí a concluir que "previdências" são esquema de pirâmide é um pulo."

Sim, ignorar este fator, que tem lugar apenas em sua mente, é certamente um erro grotesco.

"Se for para ignorar o fator tempo, quero contribuir só por 5 anos e me apontar aos 30 anos de idade. Não vai fazer diferença, né? :-)"

Você não me parece entender a diferença entre um regime de capitalização e um regime de repartição. Ao menos procure a diferença entre estes dois sistemas antes de sair fazendo afirmações a respeito deste tema. Faça um favor a si mesmo.

O fator tempo não é relevante para determinar um esquema de pirâmide, justamente porque ele não é um sistema que está "guardando" seu dinheiro em algum lugar. Ele está simplesmente retirando uma parcela da renda de quem a paga agora e a transferindo para quem a recebe agora.
No futuro, quando os atuais contribuintes se tornarem receptores, será retirado uma parcela da renda dos atuais contribuintes para pagar pelos benefícios dos atuais receptores, que antes eram contribuintes. O que torna o sistema insustentável, é que o número de membros que participam estão continuamente aumentando, e o sistema de pirâmide necessita de aumento contínuo de contribuintes para sustentar o também aumenta contínuo de receptores. Este é o básico de um sistema de pirâmide, e é por isto que todos irão falhar.

"Já o fato do INSS não fazer investimento e ser um sistema distributivo não vem o caso para efeitos matemática. Mas se você descontar juros, inflação, e tratar tudo como um grande fluxo de caixa, dá pra desconsiderar o valor no tempo."

Afirmação sem sentido nenhum, baseado na sua ideia também sem sentido nenhum de que um único trabalhador contribui para a previdência de vários aposentados. Uma impossibilidade.

"Desconheço empresa que precise crescer seu quadro permanentemente ("pirâmide") para manter seu fundo estável."

Também desconheço qualquer empresa que empregue e tire uma parcela do salário de seus funcionários "contribuintes" e a utilizem para pagar uma constante renda para funcionários "receptores", que abandonaram o posto de trabalho, baseado na promessa de que quando estes funcionários, atualmente "contribuintes", se tornarem idosos, "receptores", ele terá outros empregados "contribuintes" pagando pela sua constante renda mensal. Caso você conheça alguma, por favor me apresente. E caso você conheça alguma que possua um sistema desses, então sim, é, também, um sistema de pirâmide.

"Se não está convencido que o fator tempo é importante, faça a simulação da "previdência de 2 pessoas": pegue um sistema 40/20, e comece simulando um trabalhador "A" contribuindo para a renda do aposentado "B". No início do seu "sistema", não há como não ser, vai ficar pesado para "A", porque ele(a) vai ter que contribuir com 100% do salário por 40 anos (vamos ignorar que parte da contribuição vem do empregador)."

Se "A" contribuir com 100% do seu salário ele irá morrer de fome. Provavelmente, antes mesmo da primeira semana.

"Algum tempo depois, "B" vai morrer (em média depois de 20 anos recebendo), mas espera!, metade da contribuição de "A" não foi usada. Isso significa que "A" poderia ter contribuído só com 50% do que contribuiu..."

Na verdade, nenhuma parte da contribuição de "A" foi utilizada, porque de acorda com as suas "hipóteses" ele teria morrido na primeira semana de contribuição.
Os sindicatos não conseguem garantir melhores salários aos trabalhadores pois não possuem o poder mágico de aumentar o bolo de dinheiro disponível na empresa para a massa salarial. O que aumenta essa massa é o aumento de produtividade (sindicatos não defendem e nem se preocupam com isso pois significa fazer mais com menos) ou aumento de volume de vendas (forças naturais do mercado, como o aumento populacional).

A empresa não cria dinheiro, a massa disponível para os salários é o que veio diretamente da receita de vendas da empresa naquele mês (se usar constantemente sua poupança para pagar os salários, irá quebrar inevitavelmente).

O que o sindicato faz de fato é redistribuir a massa salarial entre os trabalhadores, fazendo os que produzem pouco ganhar um pouco mais as custas de quem produz mais.

Além de incentivar a preguiça esse arranjo é totalmente injusto pois tira parte do fruto do trabalho de alguém para dar para quem produziu bem pouco.

Isso limita o poder da empresa de premiar quem produz mais, pois essa visibilidade de quem realmente fez o quê é da empresa e não dos sindicatos.

Um retrato do prejuízo que um sindicato causa para uma categoria é vista no funcionalismo público, onde não há como distinguir os funcionários bons que contribuem para a eficiência das repartições daqueles que simplesmente mamam nas tetas do governo. O sindicato garante que ambos ganhem o mesmo, não importando a produtividade, fazendo com que o dinheiro que deveria ir para o funcionário eficaz vá para os ineficazes.
Partindo-se do que temos de informação aqui, respondo:

1) João, do nada, agride José com um soco na cara.
(X ) Anti-ético e moralmente repreensível
Quem João acha que é para agredir alguém? Pois a liberdade de fazer o que ele quiser acaba quando ele coloca outros na equação de realizar qualquer ação.

2) João rouba o carro de José.
(X ) Anti-ético e moralmente repreensível
O carro é de José, ele não tem direito algum de fazer isto.

3) João rouba o dinheiro de José.
(X ) Anti-ético e moralmente repreensível
Mais uma vez ele não tem direito nenhum de fazer isto, pois o dinheiro é do trabalho honesto de José.

4) João rouba o dinheiro de José para dar aos pobres.
(X ) Anti-ético e moralmente repreensível
Quem João acha que é? Robin Hood? José não tem obrigação nenhuma para com os pobres, pois o dinheiro é dele e ele só dá para os pobres se quiser.

5) João rouba o dinheiro de José para pagar serviços médicos e educacionais para os pobres.
(X ) Anti-ético e moralmente repreensível
Mais uma vez José está sendo lesado, pois não é obrigação dele cuidar de pobre nenhum se ele assim não o quiser.

6) João pede para um grupo de pessoas roubar o dinheiro de José para redistribuir aos pobres e pagar-lhes serviços médicos e educacionais.
(X ) Anti-ético e moralmente repreensível
É pior ainda, pois João organizou uma quadrilha para roubar José que mais uma vez não tem obrigação nenhuma que ele não queira ter.

E então, a partir de qual cenário a agressão a um inocente honesto e trabalhador se tornou ética e moralmente correta?
Em todos os cenários e isto é tão óbvio que não consigo compreender qual é o teste. Poderiam explicar?
Olá Tulio,

agradeço-lhe também pelos dados apresentados.

Após o meu primeiro comentário acima, emitido em 26/02/17 às 16:10, busquei outras informações sobre o mercado de ovelhas neozelandês, e descobri esse interessante artigo
www.mises.org.br/Article.aspx?id=2260 que aborda em detalhes "como" foi
possível aumentar o preço unitário de cada cordeiro de 12,50 dólares em 1987 para 115 dólares em 1999 (algo que, de fato, rompe o paradigma do qual eu utilizei-me para fazer meu comentário).

Certamente, retiro o comentário inicial feito por mim, pois naquele momento eu ainda não tinha lido o artigo que, só depois, veio a esclarecer-me quanto ao ponto em questão.

A questão está completamente esclarecida para mim, aproveito o ensejo para desculpar-me se por acaso minha "provocação" foi de algum modo ofensiva aos que contribuíram para o artigo em questão e, mais uma vez, renovo meus votos de estima e consideração, desejando um excelente trabalho a todos.

Paz e bem,
Grande abraço

ARTIGOS - ÚLTIMOS 7 DIAS



Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.