clube   |   doar   |   idiomas
A pergunta para a qual os libertários simplesmente não têm resposta

Por algum motivo insondável, os insolentes progressistas de um famoso website pensam que nos deixaram atônitos e desconcertados com a seguinte pergunta, para a qual, segundo eles, nenhum libertário tem resposta:

"Se o arranjo que os libertários defendem é tão bom, então por que nenhum país do mundo nunca o implantou?"

Eles realmente juram que essa pergunta não apenas é irrespondível, como também destrói fragorosamente todo o edifício libertário.

Mas o que há de tão original nessa pergunta?  Pelo menos 90% de tudo o que libertários escrevem é uma resposta a esta pergunta, pelo menos implicitamente.

Para facilitar a compreensão de nossos detratores, vamos reformular ligeiramente esta pergunta para que eles possam deduzir a resposta.  Quando formulada corretamente, fica fácil perceber o quão ridícula ela é, pois há uma total falta de conexão entre a premissa inicial e a conclusão.

(1) "Se o arranjo que os libertários defendem é tão bom, então por que as grandes empresas não aceitam concorrer abertamente no livre mercado, encarando desafios e sofrendo prejuízos, preferindo ser protegidas e socorridas pelo governo sempre que possível?"

(2) "Se o arranjo que os libertários defendem é tão bom, então por que as pessoas preferem ganhar dinheiro por meio de privilégios especiais em vez de por meio da produção de bens e serviços de qualidade, e da satisfação dos consumidores?"

(3) "Se o arranjo que os libertários defendem é tão bom, então por que algumas pessoas preferem alcançar seus objetivos por meio da violência, da fraude e do roubo?"

(4) "Se o arranjo que os libertários defendem é tão bom, então por que os grandes empresários sempre preferem receber subsídios e privilégios, e ainda pedem ao governo que aumente as tarifas de importação?"

(5) "Se o arranjo que os libertários defendem é tão bom, então por que a polícia não quer abrir mão do dinheiro, dos armamentos e de toda a autoridade que lhe é concedida em nome da guerra às drogas?"

(6) "Se o arranjo que os libertários defendem é tão bom, então por que a classe política prefere viver parasiticamente à custa do trabalho dos outros e adora exercer seu vasto poder sobre toda a população?"

(7) "Sabemos que lobistas e grupos de interesse conseguem sempre ganhar benefícios especiais porque, ao passo que tais benefícios são concentrados e individualmente significativos, seus custos são dispersos entre toda a população e são individualmente irrisórios, o que significa que o público em geral não tem nenhum interesse em se organizar contra isso. 

Por exemplo, a obrigatoriedade do uso de canudinhos plastificados (devidamente fornecidos pela empresa lobbista) em bares e restaurantes dificilmente estimulará alguém a dedicar sua vida a se opor aos lobistas, mas um ganho extra de $100 milhões por ano em lucros para essa empresa certamente é algo pelo qual é válido gastar tempo e esforço.

Se o arranjo que os libertários defendem é tão bom, então por que isso acontece?"

(8) "Se o arranjo que os libertários defendem é tão bom, então por que as pessoas não se esforçam para tentar implantá-lo após terem passado uns 18 anos de sua vida sofrendo lavagem cerebral nas escolas e universidades, ouvindo diariamente sobre o quão maravilhoso e insubstituível é o estado?"

 

pergunta.jpgPortanto, quando alguém, pela enésima vez, lhe fizer a seguinte pergunta: "Se o libertarianismo é tão bom, então por que não existem países libertários?", apenas responda utilizando a mesma tática:

"Espere aí, você está me perguntando por que motivo todas aquelas pessoas que estão em uma posição de poder absoluto e que podem dar ordens e espoliar a população impunemente não abrem mão deste poder e voluntariamente renunciam?  Ótima pergunta!"

_____________________________________________________

Leia também:

A Escola Austríaca e um tal Renatão


3 votos

autor

Thomas Woods

  • Rodrigo  08/06/2013 20:33
    Muito bom!
  • O MESMO de SEMPRE  05/08/2016 10:49
    .
    Esse é o mesmo caso de se dizer que estudar, trabalhar e empreender não é tão bom. Melhor seria participar de uma quadrilha de assaltantes.

    ...AFINAL, se poderia fazer a pergunta "irrespondível": "se estudar, trabalhar e empreender é tão bom, porque até hoje nenhuma quadrilha de assaltantes se transformou em um grupo de trabalhadores?"

    Ou ainda se poderia afirmar que se ateísmo fosse bom, porque nenhuma Igreja (organização religiosa), de qualquer religião, até hoje, nunca se tornou uma organização atéia?

    Francamente, a imbecilidade destes adeptos de ideologias é realmente algo que extrapola a humanidade: só pode ser uma DOENÇA MENTAL.

    Me faz lembrar a frase símbolo dos relativistas que provam sua "tese" proferindo a frase "esta frase é falsa" ...aí dizem estar demonstrando, com tal frase, que não há verdade. PQP!!!
  • Oneide teixeira  06/08/2016 16:21
    ""Se o comunismo (coloque aqui qualquer ismo) é tão bom, então por que não existem países comunistas?", apenas responda utilizando a mesma tática:

    "Espere aí, você está me perguntando por que motivo todas aquelas pessoas capitalistas que estão em uma posição de poder absoluto e que podem dar ordens e espoliar a população impunemente não abrem mão deste poder e voluntariamente renunciam? Ótima pergunta!"

  • Alexandre  06/08/2016 17:00
    Quer dizer então que o dono da padaria, o pipoqueiro, o dono do restaurante, o dono da oficina mecânica, o dono da loja de tecidos, o pequeno agricultor (todos eles capitalistas) estão em "posição de poder absoluto" e "espoliam a população impunemente"?

    Não sabia disso. Obrigado por me alertar que o dono da mercearia da esquina aqui da minha rua é um tirano que me oprime e me espolia, ainda que eu tenha uma vida muito mais confortável que a dele.

    Todo e qualquer poder que esses coitados têm lhes são cada concedidos voluntariamente pelos consumidores. Tão logo estes deixem de consumir seus produtos, tais pessoas vão para a miséria.

    Ah, você se refere aos megaempresários que operam em conluio com políticos e são protegidos e privilegiados pelas políticas intervencionistas do estado? Ora, mas é exatamante contra isso que os libertários lutam. E é exatamente a isso que a frase original do autor se refere.

    Melhore seus intelecto para não mais passar vergonha em público. Essa foi de uma auto-humilhação atroz.
  • Capital imoral  06/08/2016 20:47
    "ainda que eu tenha uma vida muito mais confortável que a dele."

    Isso só revela que você é mais capitalista, portanto mais errado, do que o seu vizinho de exploração.
  • Denison Ribeiro  07/08/2016 03:55
    Mas, e se ele for funcionário público?
  • Marcelo Vasconcelos  07/08/2016 01:43
    Oneide, seu comentário foi "bizonho".

    ""Se o comunismo (coloque aqui qualquer ismo) é tão bom, então por que não existem países comunistas?", apenas responda utilizando a mesma tática:

    Por exemplo, o comunismo, que você citou, é um sistema que já foi implementado em vários países e só trouxe para o povo miséria, expropriação, desigualdade, trabalhos forçados, morte, canibalismo, entre outros. O mesmo vale para o socialismo.

    Ademais, no comunismo (socialismo) as "pessoas capitalistas" (ou seja, os governantes e seus apadrinhados) aumentam ainda mais seu poder, esmagando todas as classes mais baixas, assim como qualquer opositor, estes independentemente de classe. Grande parte dos governantes adoraria isso, especialmente os sul americanos (Lula, Maduro, Morales...).

    Ou seja, você até pode fazer a mesma pergunta, mas, dependendo do "ismo", a resposta será completamente diferente.


    Abraço.
  • Oneide teixeira  09/08/2016 14:20
    Para um comunista nunca existiu um país comunista, assim como para um anarquistas,libertário etc.
    Evidente que não sou comunista, o texto apenas denuncia a simplificação de algo complexo, não tão preto no branco.
  • anônimo  09/08/2016 19:54
    Oneide, se você não é comunista não está evidente em seus comentários. No primeiro comentário você inclusive acrescenta o termo "capitalistas" ao questionamento feito pelo texto, prática comum entre comunistas/socialistas;

    "Espere aí, você está me perguntando por que motivo todas aquelas pessoas capitalistas que estão em uma posição de poder absoluto e que podem dar ordens e espoliar a população impunemente não abrem mão deste poder e voluntariamente renunciam? Ótima pergunta!"

    Ademais, seu comentário foi completamente equivocado.


    No segundo comentário você afirma que nem os comunistas assumem que algum país já é/foi comunista, mas o mesmo não se aplica ao socialismo, que na prática é um estágio pré-comunismo.

    Por mais estúpido que seja o socialista em questão, não conheço nenhum que negue a existência de países socialistas (Cuba, Rússia, China...), apesar de muitas vezes negarem os efeitos deste tipo de governo.

    Sendo assim, se nos Estados socialistas a situação já é medonha (miséria, expropriação, desigualdade, trabalhos forçados, morte, canibalismo, entre outros...), imagine em um Estado verdadeiramente comunista? O inferno seria um parquinho!!

    Não se trata de ser "preto no branco", mas de ser realista.
  • Heitor Fonseca  19/11/2016 20:37
    Disse tudo, Oneide
  • O MESMO de SEMPRE  09/08/2016 15:55
    Seria reconhecido demente quem argumentasse:

    "se a cura do cancer é tão boa, porque ainda não foi implantada?"

    Ou mesmo um demente poderia questionar:
    "se o fim da pobreza é tão bom, porque ainda não se conseguiu realizar tal intento?"

    Ou seja há dementes e safados em excesso e é exatamente por isso que a Liberdade ainda não foi implantada.
    Continue-se então tentando implantar aquilo que é bom, mesmo que ainda não se tenha conseguido.

    PORÉM o MAIS IMPORTANTE não é usar da NÍTIDA FALÁCIA (falsa lógica) para argumentar contra o que ainda não foi realizado, como se o fato de ainda não ter sido conseguido fosse a prova cabal de que é ruim. Essa é nitidamente uma FALÁCIA, uma falsa lógica ou um SOFISMA para IMBECIS.

    Aquilo que não foi realizado não é por isso algo ruim, como a falsa lógica pretende induzir como conclusão.

    O que se pode concluir a partir de pergunta e com verdadeira lógica é é exatamente o contrário, referindo-se a algo que foi realizado:

    - Se o sociaismo é tão bom, porque onde FOI IMPLANTADO os governos precisam impedir suas populações de fugir de tal "Paraiso"?

    - Se o Socialismo é tão bom, porque em todo lugar onde FOI IMPLANTADO o resultado, SEMPRE e em TODO LUGAR, é miséria da população e uma classe governante hierarquizada e nababesca???

  • Comerciante  08/06/2013 20:56
    Ou então "porque, como você, a maioria da população é estupida*".

    *Estupidez: ignorância + arrogância.
  • TPC  08/06/2013 21:50
    Interessante essa reformulação das perguntas...

    "Se o arranjo que os libertários defendem é tão bom, então por que os governantes preferem usufruir do poder de criar dinheiro a ter que administrar recursos escassos e finitos?"
  • Ale  08/06/2013 21:57
    Se uma sociedade sem roubo é tão boa, como nunca existiu uma sociedade sem roubo?
  • Robinson  10/08/2017 02:33
    Isso que eu chamo de síntese... rs
  • Nigro  08/06/2013 22:50
    Nenhum comentário. O título do post está certo.
    Rsrs
  • Típico Filósofo  08/06/2013 22:53
    Apesar de crítico severo da retórica burguesa austro-liberal, confesso a fraqueza de tal crítica e a insensatez de tal comunidade.

    É mister inocular que nada melhor resume todo o arcabouço anti-libertário que a jamais respondida porém incansavelmente discutida refutação magna e produto dos mais complexos processos cognitivos inteligíveis aos homens; a réplica destruidora de qualquer proposta da ausência de um estado:

    Quem construirá as estradas?
  • Francisco  10/06/2013 12:01
    De fato! Não é mesmo?

    Afinal "antes do estado" pessoas de diferentes cidades e vilarejos ficavam enclausuradas em uma único local e não havia comunicação com sua região, simplesmente porque não existia alguém que fizesse uma "estrada".

    De fato, seguindo um raciocínio tão dúbio, há de se chegar a conclusão que sem o estado a comunicação ainda se daria com rabiscos em pedras.

    É de se esperar que um sujeito tão instruído nunca tenha estado presente em qualquer sitio, chácara ou fazenda, de qualquer região que não seja a metropolitana. Afinal que tipo de filósofo se mistura com roceiros? Se tivesse estado também não seria de grande utilidade, pois jamais se perguntaria de onde surgem tantas estradas em uma zona rural. Qual não seria a surpresa, se soubesse que maior parte dessas estradas são privadas, não só por serem feitas com recursos dos próprios agricultores, mas por serem feitas efetivamente no próprio terreno que a eles pertence.

    Será que Vs. Senhoria sabe como surgem estradas? E cidades?
  • Jeferson  10/06/2013 14:51
    Hahahahaha!! Essa foi excelente, Filósofo!
  • Jeferson  10/06/2013 14:52
    Esse artigo foi simplesmente perfeito. O que mais me assusta é existirem pessoas que fazem uma pergunta tão óbvia como essa e ainda têm a audácia de dizer que "os libertários não têm resposta".
  • Pedro Ivo  10/06/2013 20:37
    Você é tão covarde intelectualmente, desonesto conceitualmente e fracassado argumentativamente que, diante de uma objeção à qual não é capaz de articular resposta, retoma algo que já foi refutado e coloca como se o tema fosse polêmico. Você apela para a ignorância, se dissimulando de desinformado e fingindo que o tema não foi abordado. Você é tão despreparado que nem é capaz de usar um tema que possa de fato levantar polêmicas e questões mal solucionadas, e conta com a burrice e ignorância alheia p/ jogar para a galera
  • Rafael  30/10/2013 14:14
    Típico Filósofo, sem você estes comentários seriam cinzentos e sem nenhuma graça! Nunca desapareça por favor!
  • Paulo Azevedo  04/08/2016 16:32
    que linguagem pedante, típico filósofo!
  • Rodrigo  08/06/2013 22:54
    Bom dia amigos, gostaria se possível que alguem comentasse esse video do youtube que está circulando pelo facebook.

    www.youtube.com/watch?v=1NwHQr8GQ20&feature=youtu.be

  • Realidade  09/06/2013 14:00
    Que vídeo horroroso. Só podia ser coisa de sindicato, e ainda do sindicato de auditores fiscais da receita.

    Não da para entender como alguém positiva tanta merda.

    A solução necessária é acabar com Imposto de renda para todos.
  • anônimo  09/06/2013 16:46
    Um problema em responder a vídeos do youtube é que não dá pra linkar os artigos daqui
  • Rodrigo  09/06/2013 23:24
    O mais ridiculo é que querem colocar as pessoas a assinarem uma proposta ridicula, usando como argumento o de que 'voce paga, esta revoltado? então tente colocar mais pimenta dos olhos dos outros'...

    Porque se for olhar a proposta, até a diferença de faixas proposta é ínfima, já os novos impostos criados muito polpudos
  • Pedro  10/06/2013 01:22
    Ein??? Os caras sequer mencionaram o IRPJ, a CSLL, que somados chega a 34% do lucro liquido. E ainda acham que o empresário paga pouco?

    Segundo o Ease of Doing Business Index do Banco Mundial, somados todos os impostos, encargos, etc, as empresas no Brasil pagam 69% de imposto sobre o lucro (mais do que o dobro da Dinamarca) e os caras da receita vem me falar que isso é pouco?

    E o pior de tudo já vem logo no começo do vídeo: falar que o imposto de renda é um instrumento de justiça social. È rir para não chorar mesmo.
  • Caio  10/06/2013 01:52
    O interessante é que no próprio vídeo nos 2:00 ele assume que reajustando o limite de isenção pra cima, "ampliaria o consumo, aquecendo a economia e melhorando a qualidade de vida dos brasileiros" já que deixaria de cobrar o imposto. ORA!! Por que não seguem a lógica e para de cobrar de todo mundo?

    Deixaram escapar essa.
  • Pedro  10/06/2013 16:28
    Pois é. Só que eles esqueceram que diminuir o imposto dos assalariados às custas de um aumento dos impostos sobre investidores e empresários irá no máximo, elevar o consumo às custas do investimento (um péssimo negócio) e que não se eleva o gasto privado total (consumo + investimento) diminuindo imposto de um lado e aumentando do outro.

    Enfim, essa é só uma estratégia para tentar aumentar a arrecadação por parte do Estado. Mesmo que no curto prazo a diminuição de imposto de um lado apenas compense o aumento de imposto do outro lado, não mexendo na arrecadação (algo que eu duvido muito), no longo prazo basta o governo continuar fazendo o que já vem fazendo que é não ajustar a tabela de IR de acordo com a inflação. Assim não só empresários como assalariados pagarão mais.
  • Sérgio  08/06/2013 23:18
    Permitam-me contribuir um pouco com este debate.

    Dizer que nunca houve na História da Humanidade, uma experiência libertária, ou pelo menos parecida com os libertários sugerem, é uma grande falácia. Arranjos libertários já existiram sim na História da Humanidade. Na época da Revolução Neolítica, por exemplo, a humanidade foi mais libertária. A sociedade já era baseada na propriedade privada (o que possibilitou a Revolução Agrícola) e ainda não havia um Estado constituído. Também tivemos experiências semi-libertárias na Irlanda e na Islândia Medieval. Entao, o argumento do empirismo é uma falácia.

    Sendo assim, restaria aos libertários refutar o argumento evolutivo. Pois se não existia Estado, pode-se concluir que o Estado seria produto da evolução da humanidade.
  • pensador barato  09/06/2013 00:28
    Excelente resposta devolvendo a pergunta para um interlocutor distraído e insolente...
  • Tiago Gomes  09/06/2013 01:54
    Temos que fundar um partido logo, acho que conseguimos as 101 + 500 mil assinaturas em pouco tempo. Realismo e progresso!
  • Daniel Fraga  09/06/2013 03:12
    Outra resposta simples: os libertários não praticam coerção contra não agressores. O ideal libertário vencerá pelo convencimento e não pela coerção (e convencimento leva muito mais tempo: por isso os estatistas apelam para a força bruta já que ninguém voluntariamente aceitaria ser governado).
  • pensador de esquerda  09/06/2013 04:52
    É porque muitos economista aqui não tem diploma credenciado pelo MEC.
  • Fabricio  09/06/2013 16:59
    Ad Hominem detected.
  • pensador barato  09/06/2013 19:19
    E alguém precisa da chancela do MEC para ser economista pensador de esquerda de araque,seu preconceito te cegou...Diploma do MEC não vale nada no mercado o que vale é o conhecimento,o papel(Diploma)é mera formalidade energúmeno.
  • pensador de esquerda  09/06/2013 22:51
    Perguntem ao Típico Filósofo. Ele só dá um banho de sabedoria em seus comentários porque seu diploma em filosofia tem a chancela do MEC.
  • Típico Filósofo  10/06/2013 00:14
    Sou pós-doutor em filosofia pela USP, honoris causa obtida em meu trabalho "A natureza tirânica do arranjo mercantil como vislumbrado pelas convergências de Platão, Frankfurt e Fromm", muitíssimo respeitado entre colegas por incansáveis críticas à cultura da ignorância fomentada pelas sucessivas reproduções capitalistas.

    Formei-me anos após em historiografia, antropologia e história da arte, explorando pasmo o abertíssimo mundo das ciências sociais e observando o impacto do capitalismo sobre a erosão cultural sofrida pelos costumes nacionais após a abertura à globalização. Mostra-los-ia o imensurável e irrefutável arcabouço argumentativo por mim edificado após 45 anos de estudos e adendo de inúmeras apostilas, artigos e trabalhos científicos; somando mais de 12000 páginas de indescritível contribuição ao legado humano.

    Como especificado cirurgicamente por meu companheiro de causa, títulos acadêmicos não me formam ausência, dos quais receio acumular mais de qualquer cientista reacionário cujo nome seja conhecido pela inteligência brasileira. Entretanto, observo a sociedade em rápido suicídio espiritual: renegando meus trabalhos sociais - advindo de baluartes louváveis, em prol do fútil, do egoísta e de um nazismo corrupto. À exceção do tolo alienado, qualquer homem de idéias sentir-se-á menosprezado e perdido em uma sociedade pedante que não lhe dá o reconhecimento en meritum como escasso produtor do legado humano.

    Horror.
  • André   10/06/2013 15:17
    Então vamos lá:
    Mostre-nos onde está todo este seu magistral trabalho. Qual o seu nome? Onde estão seus livros e seus artigos? Quem são estes colegas que tanto respeitam você e seu trabalho? Dê-nos alguns nomes, por favor.
    E mais uma coisa: honoris causa? Isto qualquer um tem, um tal de Lula tem uma penca.
    E outra coisa: não sabia que honoris causa requeria um trabalho, acho que você se confundiu aí, amizade.
    E finalmente: eu nunca ouvi falar neste seu trabalho nem em nada levemente parecido. E olha que eu passei 10 anos do antro do chororô anti-capitalista: 6 anos na História (entre graduação e mestrado) e 4 na Sociologia (doutorado).

    Abração!

  • anônimo  10/06/2013 16:48
    Meu caro colega acadêmico, ouso discordar de vossa reverendíssima.
    O âmbito das esfereas teleoléticas não engloba apenas a natureza humana a nível de ser, mas também o sentir e o sonhar, como já foi previsto na dialética hegeliana dos conflitos e contradições fenomenológicas originais do amor
    O humano se desumaniza ao encontrar em si mesmo a ausência de algo que transcenda a espiritualidade tanto moral quanto pragmatística, não admitir isso é regredir aos instintos primitivos do ego, este ente tão relegado ao desprezo pelas áreas do estudo intelectual do processo de conscientização das comunidades primitivistas
    O homem-massa, assim como o homem lasanha e o homem pizza está tão atrás de sua libertação quanto busca a felicidade, mas quem é realmente feliz sem contar com a anestesia acética dos meios de comunicação de massa? Somente os filisteus, aqueles malditos.
    Isto dito, discordo totalmente que o processo de conscientização capilar, originado pelos governos ditos neo paleolíticos, seja relevante no processo de aculturação indígena perpretado pela visão arrogante de mundo eugenistica e eurocêntrica.Afinal, todo mundo sabe que os fetos abortados usados na pepsi cola não tem o poder de alterar as correntes marítmas e consequentemente, gerar o efeito estufa que está contribuindo pro fim da vida em marte.
  • Mestre Madeira  10/06/2013 19:12
    Tá mais pra "Rolando LERO" que pra filósofo.
  • Jeferson  10/06/2013 21:07
    O "Típico Filósofo", é um dos personagens criados por um dos leitores do site para exemplificar a mentalidade dominante no meio intelectual. Tentem não se exaltar. ;-) Ele tem uma função didática muito importante: mostrar o tipo de ignorância que domina a mente dos formadores de opinião da sociedade.
  • Paulo Azevedo  05/08/2016 16:29
    Traduzindo:
    não é só o Temer que abusa da mesóclise. O Típico filósofo gosta de mesóclises, e de uma verborragia
  • Rodolfo  09/06/2013 07:06
    O autor está repleto de razão, sem dúvidas. Agora, todavia, o grande problema que surge é o seguinte: Existindo tantos grupos de interesses que se beneficiam do atual arranjo estatal, somados a enorme massa que depende de auxílios governamentais, embora o próprio estado as mantenham em permanente situação de pobreza em decorrência das intervenções econômicas e da elevada tributação, poderá o libertarianismo lograr algum êxito?

    Curioso é que a esquerda continua a adotar o velho discurso contra o "neoliberalismo" para explicar as causas da crise atual. Culpam, vejam só, as desregulamentações e às concessões ao livre-mercado, além da "diminuição" de investimentos sociais, para todos os problemas atuais.
  • anônimo  09/06/2013 10:58
    Claro que tem gente em posições de poder com interesses contra, mas considerando que gente ruim sempre vai existir, não é justamente o liberalismo que torna possível que o rico fique rico e tenha dinheiro pra subornar o governo? (governo leia-se justiças privadas, justiças privadas, se for o caso)
  • Rafael  09/06/2013 16:31
    É verdade, anônimo.

    É por isso que nos estados que mais interviram na economia, como, por exemplo, o soviético, não havia ricos para subornar o governo, já que todos eram iguais: pobres. Claro que os políticos e funcionários públicos não eram tão iguais ao resto da população, mas esses mereciam todo o poder e dinheiro que possuíam, afinal, eram seres iluminados, incorruptíveis e de grande sabedoria.

    OBS: acho que estou lendo muito "Um Filósofo"...
  • Scalper Trader  09/06/2013 16:42
    Governo é governo. Justiça é prestação de serviço por ora monopólio do governo.
    Suborno é a facilidade criada pelo governo pra ajudar o rico a escapar da dificuldade criada pelo próprio governo do rico continuar a ficar rico - que é o objetivo fundamental de todo indivíduo livre. Agora quando o ladrão do rico é dono da justiça, como faz?...
  • anônimo  09/06/2013 16:50
    Não, liberalismo não pressupõe governo corporativista.
  • Fabrício  09/06/2013 16:57
    No liberalismo verdadeiro, não há estado, logo, não há quem subornar. O rico, se pessoa ruim for, terá de vencer exclusivamente dentro do que rege as leis de mercado; certamente desta forma ele sucumbirá. Se há estado, e você diz que alguém vai ficar mais rico por causa disso, então é justamente por quê o SOCIALISMO torna os poderosos mais poderosos, e não o contrário.
  • anônimo  09/06/2013 21:26
    'No liberalismo verdadeiro, não há estado, logo, não há quem subornar. '

    Claro que há.É muita ingenuidade achar que não existe poder só porque não existe governo.Então se o filhinho de papai filho do dono de uma justiça privada matar alguém numa auto estrada, sendo que essa auto estrada está sob jurisdição dessa mesma justiça privada, ou seja é o pai dele que julga tudo que acontece ali, então será que vai acontecer algo? Claro que não.
    Além disso o mesmo dinheiro que compraria o governo pode subornar N justiças privadas.
  • Rodrigo  09/06/2013 23:33
    n justiças que perdem credibilidade logo que se descobre algo assim... se logo eu descubro que determinado juiz privado é corrupto, não aceito o julgamento dele. Se eu descubro que determinado juiz de um fórum público hoje é corrupto, e não quero que me julguem lá, não tenho escolha de outro, me é imposto esse...
    Ninguém está dizendo que o mundo seria perfeito, pessoas são pessoas e enquanto não estiver evoluídas o suficiente injustiças permanecerão acontecendo. Mas você prefere qual dos dois tipos, que você tem mais ou menos escolha de fugir da injustiça?

    O maior caso que vejo de pessoas criticando, é que acham que o liberalismo não será a solução de todos os problemas, então se não será um paraíso na terra, melhor ficarmos com um que é uma merda comprovada? De fato não entendo porque deste raciocínio
  • anônimo  10/06/2013 10:32
    'se logo eu descubro que determinado juiz privado é corrupto, não aceito o julgamento dele'

    Isso mesmo, SE. Agora vamos voltar a achar que alguém que tem poder, dinheiro e competência pra fazer uma negociata bem feita, não o fará.
  • anônimo  11/06/2013 01:20
    Tá bom, vamos supor que uma agência de Justiça privada cresça muito, de tal forma que o dono se sua família se torne respeitada pela população. E esta agência comece a aproveitar o prestígio que tem para cometer abusos, mentir, caluniar. Por exemplo, no caso citado: o filho do dono de uma justiça privada matar alguém numa auto estrada, sendo que essa auto estrada está sob jurisdição dessa mesma justiça privada, ou seja, é o pai dele que julga tudo que acontece ali. Se o pai dele for dono de uma agência de justiça privada com prestígio social, ele pode usar deste prestígio para manipular os fatos. Digamos, mentir que o filho foi inicialmente agredido, forja provas para "provar" que o filho agiu em legítima defesa, etc. Afinal, quem vai negar? Quem se atreveria a desmentir? Estamos tratando aqui de agência respeitada, e mais: terá muitas "provas" para mostrar que o filho agiu por legítima defesa. Aliás, basta ver o que acontece em algumas cidades do Brasil, onde determinadas famílias dominam uma cidade e usam do seu prestígio social para exercer poder sobre as pessoas. Acham que no libertarianismo ia ser diferente? Por que você acha que os Sarneys dominam certas regiões? Apenas porque utiliza o poder do estado. Não. Eles utilizam de mil e um artifícios. Acham que o libertarianismo tiraria o prestígio e a riqueza que a família Sarney têm???
  • Wagner  11/06/2013 12:35
    Você esquece de um detalhe... se o filho do Eike Batista faz m**** de carro e mata meia dúzia a família dele tem o auxílio político e a verba do BNDES para manter o status quo, você não pode boicotar o Eike e parar de dar dinheiro pra ele, o governo vai dar, através do BNDES, quanto quiser e ponto final.
    Se for o dono de uma empresa privada que faz uma coisa dessas você pode simplesmente boicotar a marca, você faz o empresário sentir no bolso e pode forçá-lo a tomar uma atitude para ganhar novamente a confiança dos seus consumidores.
  • Eu  09/06/2013 23:45
    ~...É muita ingenuidade achar que não existe poder só porque não existe governo.Então se o filhinho de papai filho do dono de uma justiça privada matar alguém numa auto estrada, sendo que essa auto estrada está sob jurisdição dessa mesma justiça privada, ou seja é o pai dele que julga tudo que acontece ali, então será que vai acontecer algo? Claro que não.
    Além disso o mesmo dinheiro que compraria o governo pode subornar N justiças privadas.''

    (anônimo)


  • Eu  09/06/2013 23:48
    Concordo,no libertarianismo a possibilidade de existir monopólios também existe,as formas de poder e espoliação continuam,só mudam de forma e de agentes! na verdade, a história econômica tem sido assim!
  • Anarcofóbico  10/06/2013 03:07
    Finalmente alguém veio a razão por aqui! Vc está coberto de razão, anônimo! Graças ao governo isso não acontece hoje!
  • Fabricio  10/06/2013 03:30
    Meu caro amigo, vamos partir do ponto pacífico que pessoas interessadas em praticar suborno sempre existirão, seja qualquer o sistema econômico. Ótimo. Agora veja bem, você diz que num suposto sistema liberal haverá pessoas em condições plenas de por a cabo suas intenções vis, uma vez que, segundo os pressupostos liberais, tudo é quantificado pelo dinheiro (e é mesmo, oras). Passa incólume em sua análise o fato que em qualquer que seja o sistema, também, sempre haverá alguém em plena condições de sair subornando geral. A única diferença é que o "poder", nesses outros lugares, é determinado por outros fatores que não propriedades privadas e conta corrente. Concentração de poder governamental é uma delas. Vai dizer que se algum garotinho da família Castro atropelar um "companheiro" numa auto-estrada cubana será condenado? (eu acho que não, mas por quê lá mal existe carro, muito menos estrada haha). Pois bem, então deixe de olhar para o lado dos subornadores. A questão é: em qual modelo os agentes (seja da justiça, segurança, o que for) seriam menos susceptíveis à corrupção? Com certeza não seria num sistema onde o "poder" é intransferível e monopolizado. Acredito que você não seja assíduo leitor deste sítio; não vou explicar agora como funcionam as leis de mercado, era só o que faltava. Mas não é difícil imaginar que o dia que uma justiça privada for pega recebendo propina a sua clientela esvai-se. Você pode até achar pouco, mas já é bem melhor que um certo país com governo de tendências socializantes, em que boa parte do alto escalão foi pego pagando e recebendo suborno, e que a metade destes que já não está mais de posse do "poder" está por aí tirando férias com o dinheirinho suado que me foi tirado coercitivamente.
    Mas ainda há uma terceira opção, como nos tempos de Che Guevara e, agora, na Coreia do Norte: a condenação sumária. Talvez você seja mais afeito por esta última.
  • Marcus Benites  11/06/2013 12:59
    O pai teria que escolher entre a justiça para o filho ou a falência do seu negócio... Uma empresa de justiça venderia, exatamente, justiça... Seria o mesmo que descobrirem mercúrio e chumbo na água de uma empresa que vende água. Os concorrentes iriam adorar. Isso em um mundo sem "processo por danos morais" ou outras bobagens, em que poderíamos, sim, publicar o que quiséssemos... Claro que sempre há o risco da fraude: os empregados do pai escondem o corpo e dão um jeito do crime "não ter acontecido". Mas, provavelmente, nada que se compare às dezenas de jovens mortos pela polícia a cada dia e jogados nos rios por aí...
  • TPC  10/06/2013 00:01
    "No liberalismo verdadeiro, não há estado, logo, não há quem subornar."
    Acho que o ponto não é bem este. O suborno ocorre também entre instituições privadas e em ambientes de livre concorrência. Mas os mecanismos para combatê-lo são muito mais eficientes nesta situação do que quando há uma entidade estatal envolvida, na qual a corrupção é endêmica ou até inerente.
  • Andre Cavalcante  10/06/2013 13:28
    Suborno em instituições privadas?

    Ora se alguém vende seus serviços por alguns trocados isso não é suborno. Agora se "os serviços" não são éticos é outro problema.

    Corrupção somente acontece quando se envolve "dinheiro público", ou em palavras dos estatistas de plantão: "dinheiro do povo". Se envolve dinheiro privado não há corrupção ou suborno, mas uma simples relação de compra e venda. De novo: se envolve um serviço não ético é outro problema. Justamente porque as pessoas condenam certos comportamentos, em caso de isso aparecer publicamente, a pessoa que foi pega realizando tal ato será desacreditada na sociedade. Então, se um juiz quiser "vender sentenças", temos simplesmente um caso de um serviço não ético. Provavelmente o juiz quererá não ser visto fazendo tal transação, mas isso não configura suborno ou corrupção. Se for visto perderá toda a credibilidade e perderá seus clientes.

    Isso é muito diferente do conceito de corrupção realizada por um juiz público.

  • anônimo  11/06/2013 11:23
    Então, se um juiz quiser "vender sentenças", temos simplesmente um caso de um serviço não ético. Provavelmente o juiz quererá não ser visto fazendo tal transação, mas isso não configura suborno

    Ou seja, não é suborno apenas porque você redefine o significado da palavra suborno.E eu que achava que só a esquerda fazia essas coisas...
  • Marcus Benites  11/06/2013 13:10
    Com a diferença de que, em uma empresa privada, se o fato vem a público e a empresa não pune o juiz, a empresa corre o maior risco de todos: justamente a perda de poder, uma vez que põe em risco o seu próprio dinheiro (negócio), que é a fonte dessa influência - não sendo um monopólio, a empresa sempre contará com o risco de perda de clientes, e não há melhor incentivo a "andar na linha" que esse.

    O modelo anarcocapitalista não tem obrigação de ser perfeito. Ele se propõe como melhor e o prova através da lógica. Lógica, aliás, que falta a quem propõe: "se não é perfeito, não nos serve, ficamos com a porcaria total que temos hoje, mesmo que pior".
  • Andre Cavalcante  11/06/2013 14:26
    Do Michaellis:

    suborno su.bor.no (ô) sm (der regressiva de subornar)
    1 Ação ou efeito de subornar.
    2 Corrupção, por meio de dinheiro, honrarias ou coisas equivalentes; peita.
    3 Dir Delito de funcionário, que, no exercício de suas funções ou em razão delas, recebe recompensa ou vantagens para omitir-se na prática de seus deveres funcionais, com prejuízo de terceiros.

    Vide o item 2. Corrupção, só tem sentido de falar em corrupção com dinheiro público, e item 3. Delito de funcionário. Como um juiz privado não é funcionário público, logo, suborno somente ocorre com funcionários públicos. E isso é óbvio: se é uma entidade privada a relação é de compra e venda de serviços - simples assim. Se um juiz "vender" uma sentença é só uma venda que não é bem vista na sociedade. Não tô inventando nada. É só olhar o dicionário.

    Parece até aquela senhora no Fantástico, pega em flagrante delito de corrupção, dizendo que aquilo era coisa do mercado ("O mercado é assim...") - nada!... isso é coisa de estado.

  • Fabricio  09/06/2013 17:02
    A resposta é simplíssima: para implantar o socialismo, "dai-me o poder". Para estabelecer o libertarianismo, "tirai-me o poder, e de todos outros que o detenham". Misteriosamente, até hoje, ninguém na vigência do "poder" guiou seus domínios significativamente para o libertarianismo. Estranho, não?
  • Um Filósofo  09/06/2013 18:57
    O poder deve ser exclusivo ao Estado pois o mercado não possui justiça. Apoiará desigualdades extremas inaceitáveis(Em vestiário, alimentação, capacitação, etc.) e permite que os indivíduos apenas obtenham sucesso caso ofereçam algo que outros(Em especial, uma classe média nazista)desejam ao invés de um trabalho legitimamente produtivo à comunidade.

    É um absurdo.

    A mais terrível das ditaduras, receio, ainda será preferível a um "governo libertário". O que seriam de milhões de operadores do bem comum, artistas, radialistas, filósofos e criadores do real legado humano em uma sociedade que vive através da coerção voluntária?
  • Vinicius Costa  09/06/2013 22:04
    "O que seriam de milhões de operadores do bem comum, artistas, radialistas, filósofos e criadores do real legado humano em uma sociedade que vive através da coerção voluntária?"

    Excelente hahaha

    Não é surpresa que desde que o estado assumiu essa responsabilidade o único movimento que surgiu foi o modernismo.
  • Porkheimer  09/06/2013 20:30
    "O que seriam de milhões de operadores do bem comum, artistas, radialistas, filósofos e criadores do real legado humano em uma sociedade que vive através da coerção voluntária?"

    Poderiam ir trabalhar em uma fábrica, como operários, algo que gostam de falar bastante e que, na verdade, pouco ou nada sabem...

  • Eu  09/06/2013 23:42
    ''Se o arranjo que os libertários é tão bom á ponto de beneficiar a maioria da população, então pq nunca ninguém pensou em uma Revolução?''
  • Marcus Benites  11/06/2013 13:19
    É, as pessoas são realmente sábias em suas "revoluções"... A russa de 1917, por exemplo, foi de uma sabedoria ímpar. A iraniana também foi exemplar. A chinesa. A cubana... A norma é revoluções serem completamente estúpidas e acéfalas.
  • Felipe  10/06/2013 01:44
    Gente, quando falam que esse país está se tornando uma ditadura velada socialista, não estão brincando....

    noticias.terra.com.br/educacao/revista-veja-tera-de-indenizar-professor-retratado-como-esquerdista,26eb7033dd92f310VgnVCM3000009acceb0aRCRD.html
  • Emerson Luis  10/06/2013 13:26
    Simples:

    Esquerdistas defendem uma liberdade sem responsabilidade, onde as pessoas teriam cada vez mais direitos especiais e isenções de deveres básicos.

    Libertários defendem liberdade com responsabilidade, onde todos teriam os mesmos direitos e deveres básicos e cada um seria responsável por administrar sua vida.

    O psiquiatra Viktor Frankl sugeria que fizessem uma Estátua da Responsabilidade na Costa Oeste dos EUA, em contrapeso da outra. Imagino porque nunca fizeram.

    * * *
  • Vitor Sousa  10/06/2013 14:12
    Quando eu era adolescente, joguei muito INTERNATIONAL SUPERSTAR SOCCER.

    Eu lembro que no jogo, você tinha o "handicap" (acho que é assim que se escreve) onde você colocava a defesa, meio campo e ataque mais ou menos ofensivos de acordo com o handicap.

    Supondo que os indicadores à esquerda sejam o "estatismo" e à direita a "liberdade"... as nações que colocaram seus handicaps mais a direita prosperaram. Os que colocaram mais à esquerda fracassaram... com direito a muita probreza, mortes e genocídios generalizados.
  • joao  10/06/2013 16:56
    Se tem algo que tirei de positivo das minhas leituras de Economia Evolucionária foi a noção de que os arranjos econômicos/políticos vigentes não precisam ser necessariamente os mais eficientes para serem postos em prática.

    Desta forma, esvazia-se de sentido a pergunta original.

    Entretanto, eu sempre quis saber: existe alguma estratégia política, qualquer uma que seja, sendo articulada para por em prática o arranjo libertário?
  • Robinson  10/06/2013 23:48
    Humildemente, penso que a pergunta do texto pode ser respondida da seguinte forma: "Se você não acredita no liberalismo econômico, então, porque quanto mais liberal é uma nação, mais a economia desta cresce vigorosamente? E quanto mais intervencionista e estatizante é uma nação, mais vagarosamente se desenvolve sua economia?"

    Acho que o problema atual não reside somente nisto. O problema fundamental é que não dá para se anular o Estado por completo em todos os cantos do mundo. Pelo menos não a curto e médio prazos. Seria uma questão de séculos. A questão é: uma nação não pode simplesmente deixar de possuir um Estado. Pois ela ficaria vulnerável a intervenções estrangeiras. E o tiro poderia sair pela culatra.

    Imagine se resolvessem abolir o Estado americano. Os EUA salvaram o mundo de tiranias por três vezes em um só século. Isto foi feito por causa de um esforço de guerra, inclusive, durante a II Guerra transformando quase toda a indústria em máquina de guerra. Caso o contrário, o Mundo seria dominado por uma tirania sem precedentes históricos. Salvaram até a URSS, enviando armas para que a Rússia se protegesse (o famoso, "arsenal da democracia").

    Dizer que, atualmente, o Estado pode ser abolido, é de uma terrível infantilidade. Imaginem Israel sem Estado, não existira nem pó do povo judeu.

    Não se deve misturar uma constatação prática - menos estado leva a desenvolvimento econômico - com uma utopia (possibilidade de se viver, no mundo atual, sem a proteção estatal).

    Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

    Economia é economia - é uma ciência humana-, suicídio é suicídio...
  • Rafael  11/06/2013 06:36
    O problema fundamental é que não dá para se abolir a escravidão em todos os cantos do mundo. Pelo menos não a curto e médio prazos. Seria uma questão de séculos. A questão é: uma nação não pode simplesmente deixar de possuir escravos. Pois ela ficaria vulnerável a concorrência e intervenções de estados escravagistas. E o tiro poderia sair pela culatra.

    Por que não podíamos abolir a escravidão ontem e não podemos abolir o governo hoje


    Imagine se resolvessem abolir o Estado americano. Não haveria tratado de Versalhes, nem sanções pós guerra. Consequentemente, não haveria Führer, nem segunda guerra mundial.

    Myths of World Wars

    Myths of World Wars Part 2


    Dizer que, atualmente, o Estado pode ser abolido, é de uma terrível infantilidade. Imaginem um pequeno território neutro no meio de uma guerra continental, não restaria nem pó desse povo.

    Como o porte irrestrito de armas garantiu a liberdade dos suíços

    Não se deve misturar uma constatação prática - o estado é uma organização criminosa - com uma utopia (possibilidade de o estado, no mundo atual, fazer algo bom).

    Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

    Economia é economia - é uma ciência humana -, suicídio é suicídio...

    DEMOCIDE (DEATH BY GOVERNMENT) HAS KILLED OVER 260,000,000 PEOPLE


  • Robinson  11/06/2013 10:39
    Ok, Rafael. Vamos raciocinar, através da História, ficticiamente. Guerra fria. A URSS pretende expandir seu modus operandi para todo o globo. Milhares de grupos esquerdistas surgem em todo o mundo com o objetivo de tomar o poder, coordenados a partir de Moscou, segundo a estratégia da KGB e dos sociopatas que lá, tomaram o poder. Nesta época, John Kennedy, após proferir a sua famosa frase (Ask not, what your country can do for you. Ask, what you can do for your coutry), afirma ser um libertário e deicide abolir o estado norte-americano, no que, toda a população norte-americana prontamente aceita, passando, todos, a viver de acordo com os princípios do livre-mercado-total. Não haverá sequer um "estado mínimo". Nada. Neste panorama, o que você realmente acha que aconteceria? (a) A Rússia se compadeceria dos princípios do livre-mercado, deixaria o gigante americano na sua e dominaria o resto do mundo? (b) O Mundo se converteria ao livre-mercado por osmose? (c) A Rússia mandaria umas bombas no gigante capitalista para extirpar essa praga do mundo.

    Eu penso que o livre-mercado, ou algo que mais pode se aproximar disto, é algo muito bom. Mas, abolir o Estado não é como abolir a escravidão. Não existe um só estado no mundo. São muitos estados e muitos governos. Abolição do Estado demanda estratégia. Se feito inconsequentemente seria algo totalmente adolescente. Os Estados belicistas são estratégicos. E esta ineficiência, tanto dita aqui, não é algo rotineiro. Na verdade, a ineficiência estatal só pode ser vista a longo prazo. A curto prazo, o Estado pode ser bem eficiente. Inclusive, aniquilando outros, ou povos desprotegidos.

    Os curdos não souberam se proteger como os suíços. Além disso, os Suíços tinham um Estado por trás. Fraco, mas tinham. Tinham coordenação geral.
  • Denis  22/11/2013 07:16
    Para mim a resposta dessa pergunta é que é a real pergunta sem resposta. Explico: o texto deixa bem claro que não é de interesse de ninguém que tenha poder abdicar desse poder em prol de um arranjo libertário. Deixa bem claro que é terrivelmente difícil convencer alguma nação a adotar um arranjo libertário.

    Pois bem, dai surge a pergunta: "se é tão difícil assim que alguma nação assuma um arranjo libertário, como é que será possível que isso venha a acontecer?"
  • Andre Cavalcante  22/11/2013 19:14
    Será possível no dia em que a população, hoje escravizada justamente pelos poderosos que mandam no estado, estiver suficientemente esclarecida e não aceitar mais, isto é, não mais ser submissa às ordens desse estado.

    Primeiro passo: libere a sua mente.
    Segundo passo: divulgue as ideias.
    Terceiro passo (e último): se um número suficientemente grande (não precisa nem ser a maioria) não quiser mais, o governo some
  • Denis  22/11/2013 20:51
    Pois é, eu acho isso extremamente utópico. Como alguma parcela significativa da população vai se esclarecer a esse ponto, sendo que o governo controla a educação e os meios de comunicação do país? O segundo passo é uma luta infinita.

    Não é só isso, toda civilização humana da História teve um governo. Até as tribos mais primitivas possuíam estrutura de poder clara. Isso não é por acaso, também não é por conhecimento de economia ou sociologia. É da natureza humana clamar por um governo, por uma entidade superior que reja a sociedade. O problema da "mão invisível" é justamente que ela é invisível, pois as pessoas precisam ver e sentir uma forma de governo concreta para se sentirem amparadas.

    Temos exemplos disso na vida real, nos poucos exemplos de nações que reduziram seus governo ao máximo, isso não se sustentou por muito tempo, não por falta de prosperidade, mas por um clamor popular por mais governo, sem sequer haver calamidades sociais que justificassem.
  • Sérgio Alan  12/02/2014 20:57
    Tipo utopia então?..
  • Andre Cavalcante  13/02/2014 11:53
    Não entendi a "utopia". O que tem a ver o fato de que as pessoas que estão no governo, que tem todo o poder, que recebem parte dos lucros expropriados de terceiros, não quererem abrir mão desse poder com utopia? Acho que isso é uma simples constatação.

    Utopia é achar que uma revolução armada e cultural pode, à força, levar a uma igualdade que está fora da natureza.

    Minha utopia:

    "Sonho com um mundo onde as pessoas tem consciência de si mesmas, de suas responsabilidades, de seu trabalho, de suas vidas...
    Sonho com um mundo onde todas as pessoas são tratadas exatamente assim: como pessoas, não como "autoridades" ou como se fizessem parte de outro mundo, como se fossem as escolhidas ou filhos únicos de Deus
    Sonho com um mundo onde as pessoas, porque tem consciência da importância do seu trabalho, jamais admitiriam que outra pessoa, "mesmo com chapéus bonitos", venham lhe tirar aquilo que é fruto do seu trabalho justo."

    Sabe o que é preciso para este mundo acontecer? Convença a si mesmo.
  • Renê  07/04/2014 12:55
    "Apenas responda utilizando a mesma tática: "Espere aí, você está me perguntando por que motivo todas aquelas pessoas que estão em uma posição de poder absoluto e que podem dar ordens e espoliar a população impunemente não abrem mão deste poder e voluntariamente renunciam? Ótima pergunta!""
    *************************************************
    Não não não, essa não é uma pergunta equivalente àquela, de jeito nenhum. A pergunta que os libertários devem fazer é: Porque a população não se revolta, abandona a democracia e derruba a tapa toda a estrutura do governo e deixa então que as coisas se conduzam por si próprias. Porque isso ainda não aconteceu? Primeiro porque poucos sequer chegaram a pensar em algo assim. Segundo, porque mesmo tendo pensado nisso poucos iriam querer correr o risco de ver no que vai dar, a maioria das pessoas é conservadora e jamais se arriscaria a tanto.
  • Andre Cavalcante  07/04/2014 13:13
    Não, Rene. A questão inicial e a reformulada são equivalentes. A que você propõe é que não.

    O que está implícito na questão porque um país não se torna libertário é exatamente equivalente a porque quem está no poder simplesmente não renuncia de seu poder em favor (aí sim e verdadeiramente) dos outros.

    Já a questão porque a população não se revolta não é equivalente, porque a população não é equivalente a país. E sobre revoltas populares... bem, basta ver que a história mostra uma contínua revolta, que, como sempre, apenas muda quem tá no poder. O problema realmente está na superestrutura, no sistema, no governo.

    A mudança, ao meu ver, tem que ser de baixo para cima. Tem um ditado (me parece que é oriental) que diz: "É na mente e no coração que todas as guerras são ganhas!". Acho que é por aí o caminho.

    Abraços

  • anônimo  08/04/2014 11:32
    Porque a população não se revolta, abandona a democracia e derruba a tapa toda a estrutura do governo e deixa então que as coisas se conduzam por si próprias. Porque isso ainda não aconteceu?

    Por ignorância ou medo.
  • anônimo  08/04/2014 14:43
    Tem outro motivo também: muitos não condenam a escrotidão do governo porque querem entrar pro time dos que mamam nas tetas do governo.
  • Jefferson Banks Miranda  13/05/2014 03:33
    Outra questão interessante é que, dentro da filosofia libertária, a mudança para implantação do modelo dependeria de toda a população, caso fosse unilateral, seria algum modelo totalitário. Estou correto?
  • Pobre Paulista  04/08/2016 16:54
    Sim, está.

    Não é proposta do Libertarianismo abolir o estado. A proposta libertária é a emancipação do indivíduo, a secessão individual. Qualquer coisa fora disso não passa de um mero totalitarismo.
  • anônimo  04/08/2016 18:38
    Isso mesmo.

    O melhor passo é a secessão até o nível individual.

    Com a secessão as pessoas podem se agrupar em territórios e adotarem o regime de governo que quiser.

    Alem do que, mesmo com a abolição de estado não signfica a abolição de governo.

    Basta decretar o secessão ao nível individual que o governo se torna opcional, ou seja, se você quer pagar imposto que pague, só não obrigue ao outro a pagar.

    Porém as leis do seu estado irão valer para o outro a menos que ele decrete que seu território que pode ser a sua casa, rua, bairro, cidade ou estado como uma nação soberana.

    Mesmo assim este território independente pode ter um acordo com outros formando uma confederação voluntaria, onde apenas algumas leis seriam seguidas.

    Essa é a mágica da coisa... a liberdade de seguir algo ou não.
  • CIRO GOMES 2018  04/08/2016 14:46
    Se o libertarianismo é tão bom e a intervenção do estado na econômia é tão ruim por que eu não vejo nenhum japones, sul-coreano, sueco, norueguês,italiano e francês migrando pra somalia?
    Antes que alguém diga de Hong Kong e Cingapura e altamente estatista com por exemplo 80% das moradias construidas pelo governo.
    Sabem por que o neo-liberalismo não resolve problemas de paises pobres?
    A nível internacional, mercados fortes e industrializados obrigam mercados emergentes a abrir suas fronteiras a seus produtos com alto valor de trabalho agregado, enquanto fortalecem a vocação "agrícola" desses países, numa concorrência desleal e discrepante.
    A livre concorrência não resolve os problemas que o homem causa. Ela é o problema.
  • Rachadel  04/08/2016 15:11
    A resposta é simples, um povo totalmente dependente do estado é fácil de ser controlado. Já um povo livre....
  • Jammerson  04/08/2016 15:12
    Para essas perguntas serem respondidas os que perguntam teriam que estudar o verdadeiro e desastroso papel do estado na sociedade, bem como estudar e reconhecer o conceito de propriedade privada e auto propriedade.
  • Gisele  04/08/2016 15:12
    Se o arranjo que os socialistas defendem é tão bom, então pq nenhum país do mundo nunca o implantou (pois insistem em deturpar Marx)?
  • Sérgio  04/08/2016 15:35
    A questão é que o estado é necessário para proteger a nossa civilização. Várias vezes na história isso foi demonstrado. Se não fossem grandes estadistas heróis como Carlos Martel, se não fosse os heróis que derrrotaram os turcos-otomanos na batalha de Lepanto, os heróis que resistiram aos cercos de Viena no séc. XVI e XVII, há muito teríamos sido dominados pelos bárbaros...
  • Sérgio  04/08/2016 15:44
    O problema não é o Estado em si, como dizem os libertários de internet. O problema é o Estado moderno. Até porque, como disse Hans-Hermann Hoppe, o estado é fruto das elites naturais.
  • Ricardo  04/08/2016 16:23
    Libertarianismo é tão utópico quanto socialismo, só que logicamente mais válido evidentemente, mas apenas isso.

    A pegadinha que tantos liberais como socialistas caem é que os interesses das pessoas podem se aliar, grande bobagem, no fim do dia alguns querem apenas mamar na teta do governo, outros querem poder, empresários que só querem dinheiro não importa a qualidade de seus produtos, e independente do sistema sujeira vai ter e retrocessos idem.

    Pergunta se um empresário que ver seu funcionário crescendo ou se ele quer "concorrência justa" como pregado no liberalismo, principalmente aqui no brasil, enfim...

    O problema dos liberais é querer ser logicamente correto em tudo, livre mercado é bom e tal faz um nação evoluir, mas é muita endeusação, teorização... aí quando surgem fatos que corroboram com "a perfeição" os caras racionalizam mais ainda como no caso do desfecho desse texto.
  • Bruno  04/08/2016 17:14
    Que comentário mais confuso. Sua total incapacidade de apresentar uma formulação minimamente coerente e inteligível mostra bem seu estado de confusão mental.

    Aliás, normal. Realmente dá "bug" quando se tenta refutar o irrefutável. Por exemplo, que diabos você quis dizer em sua última frase?
  • Ricardo  05/08/2016 12:29
    Bruno -->> Em resumo o que quis dizer foi que a teoria libertária é perfeitamente lógica, mas apenas isso, na vida real tem muito mais em jogo.

    Incluir liberalismo numa nação é bom por um tempo, mas não mais necessário para além disso, liberdade para maioria é algo perigoso, poucos homens é que merecem determinado poder.

    Vocês libertários estão no mesmo nível dos socialistas e nem se dão conta até porque o sistema libertário é mais "bem feito".

    Não é culpa dos poderosos por não existir o que vocês desejam, eles só estão lá porque tem gente que gosta de ser mandado, gente que prefere ficar na ignorância mas estando seguro.
  • Marcelo Vasconcelos  05/08/2016 17:38
    Ricardo, seu comentário foi engraçado.

    "Em resumo o que quis dizer foi que a teoria libertária é perfeitamente lógica, mas apenas isso, na vida real tem muito mais em jogo. "

    Acredito que nenhum libertário discorde disso. Sabemos que existem muitas coisas em jogo, tais como: poder político, cartéis formados por grandes empresas, etc... Ora, você não leu o artigo? Todos estes itens foram citados.


    "Incluir liberalismo numa nação é bom por um tempo, mas não mais necessário para além disso, liberdade para maioria é algo perigoso, poucos homens é que merecem determinado poder."

    Até aí você continuar mencionando extamente o que artigo mencionou.


    "Vocês libertários estão no mesmo nível dos socialistas e nem se dão conta até porque o sistema libertário é mais "bem feito"."

    Os libertários possuem um grande grupo com influência política que está, entre outros, intervindo na economia e doutrinando as pessoas nas escolas e universidades?

    Talvez você se refira a utopia marxista, pois bem o fato de não ser benéfico para a "casta" política, assim como para as grandes corporações significa que os liberais devem abdicar de seus ideais?

    Então é uma utopia tentar mudar o sistema vigente, para permitir que as pessoas sejam livres e possam usufruir do fruto de seu trabalho?


    "Não é culpa dos poderosos por não existir o que vocês desejam, eles só estão lá porque tem gente que gosta de ser mandado, gente que prefere ficar na ignorância mas estando seguro."

    Vamos "chover no molhado"... O motivo para não haver muito interesse na implementação do liberalismo está descrito artigo (ponto!).

    Com relação a pessoas que preferem "ficar na ignorância (sic) mas estando seguro." parece ser o seu caso. Todos os seus argumentos demonstraram que o liberalismo está bem fundamentado, porém você afirma que o sistema é utópico por desagradar uma classe dominante e por que muitas pessoas são covardes.

    Em suma, você precisou utilizar vários argumentos apenas para dizer que prefere manter o sistema do jeito que está, tendo em vista que mesmo sendo expropriado de seus bens, você se sente seguro lambendo as botas do governo.
  • Ricardo  06/08/2016 21:41
    Não, não é o meu caso, mas de muitos... separe-me do meu argumento, não entro aí. Se existissem pessoas só como eu garanto que existiria um sistema libertário. Mas aí onde entra a pegadinha olhe ao seu redor e veja se é culpa das corporações, poderosos ou políticos... repito liberdade não é para todos.

    É utopia sim porque sempre vai ter uma classe dominante com seus próprios interesses, sempre existirá uma hierarquia.

    Alguns esquerdistas/marxistas se deram conta da merda porque sentiram na prática, vocês liberais talvez terão que passar pelo mesmo choque de realidade, mas vai ser difícil já que vocês não são pragmáticos.

    Para mim ambas as ideias, liberais, marxistas tem seus efeitos práticos(que é o mais importante) mas fazer disso um sonho já é absurdo.

    O que está em jogo são os interesses pessoais de cada um, nem sempre podem estar aliados com o interesse libertário, e isso vai do nível micro, olhe o seu convívio, até o macro como citado corporações e etc... infelizmente mas é a verdade.
  • Arthur  04/08/2016 17:34
    Seguindo a lógica do Ricardo vamos parar de condenar estupradores e assassinos!! é utópico que isso vá se acabar um dia! bobagem tentar argumentar logicamente e racionalmente contra essa realidade... deixem que os estupradores e assassinos façam o que quiser sem se preocupar tanto com isso!
  • Amonino  04/08/2016 21:07
    Se o estado é tão criminoso quanto um estuprador ou assassino, o que decorre:

    Deve-se agir de maneira coercitiva para punir e/ou dissuadir o estado, bem como se é proposto fazer com criminosos?

    Deve-se desmoralizar os criminosos através de ideias, bem como se é proposto fazer com o estado?
  • anônimo  04/08/2016 23:31
    O estado é criminoso, mas considerando que a maioria das pessoas não sabe disso, o mais correto hoje é ficar somente nas idéias.
  • Ricardo  05/08/2016 15:35
    Arthur -->> Realidades diferentes, nada a ver o que você disse. O que eu quero dizer é que o livre mercado é um meio dentre vários, não um fim em si mesmo como prega os libertários, ele tem seus lados positivos mas não é a solução total e também tem seus limites. Não sou esquerdista nem keynesiano nem mesmo direita, é só uma crítica construtiva.

    Por mais que vocês critiquem marx ou keynes... pelo menos eles mudaram o mundo de algum modo, vocês apenas teorizam o que já é auto-evidente e faz parte apenas da ponta do iceberg. Sem falar que politicamente são fracos, é por isso que ninguém os respeitam, e também o do porque ninguém lembrar de mises.
  • Amorim  05/08/2016 16:39
    "Por mais que vocês critiquem marx ou keynes... pelo menos eles mudaram o mundo de algum modo"

    Por mais que as pessoas critiquem Hitler, Stálin, Mao, Joseph Mengele e Eichmann, pelo menos eles mudaram o mundo de algum modo.

    Para um sujeito que veio aqui arrotar sua humanidade e sua preocupação para com os semelhantes, a sua preocupação em venerar apenas pessoas que "mudaram o mundo de algum modo" (para pior) mostra bem sua real alma.

    "Sem falar que politicamente são fracos, é por isso que ninguém os respeitam, e também o do porque ninguém lembrar de mises."

    Ah, sim, pois o objetivo supremo dos libertários é ver políticos e burocratas fazendo merda em nosso nome. Nosso maior sonho é ver nossas idéias sendo papagaiadas por políticos e esculhambadas por eles.

    Você, além de ignorante e patético, simplesmente ainda não entendeu o mínimo daquilo que você quer criticar. Isso o coloca na categoria dos hipócritas.
  • Marcelo Vasconcelos  05/08/2016 17:53
    Amorim, ótimo comentário!
  • Renan Merlin  04/08/2016 23:44
    Eu gostaria de saber se o IMB tem algum artigo explicando o efeito da Doença Holandesa ou a escola austriaca não reconhece que isso seja algo nocivo?
  • Leandro  05/08/2016 00:04
    "Doença holandesa" é a tese de que existiria uma tendência fatal à sobrevalorização das taxas de câmbio nos países exportadores de commodities em decorrência da entrada de capitais externos, o que acarretaria a "desindustrialização".

    O nome ocorre em homenagem ao fato de que, na Holanda da década de 1960, uma descoberta seguida de volumosa exportação de gás natural apreciou a taxa de câmbio e, supostamente, teria derrubado as receitas dos outros exportadores.

    O argumento é o mesmo mercantilismo de sempre.

    A primeira pergunta é: e aí? Destruiu o país? A Holanda empobreceu? Virou uma África? Pois é. Essa teoria não se sustenta, e o motivo está explicado em detalhes aqui.

    Essa teoria da "doença holandesa" faz sucesso apenas em países subdesenvolvidos, principalmente no Brasil, cuja economia são controladas protecionistas e mercantilistas a serviço da FIESP (tanto é que seu centro de difusão está nas universidades paulistas).

    Não obstante, vale dizer que "doença holandesa" ocorre justamente em um cenário de câmbio flutuante. Com câmbio fixo por um Currency Board, que é o arranjo mais propício para países em desenvolvimento, não há doença holandesa.

    Todos os países ricos do Oriente Médio que são exportadores de petróleo trabalham com câmbio fixo em relação ao dólar. Na prática, é como se estivessem em um padrão-ouro, só que com o dólar no lugar do ouro. O princípio é o mesmo.
  • Renan Merlin  05/08/2016 02:25
    Mas a Argentina não chegou a adotar o Corrency Board na quebradeira de 2001? E o cambio flutuante não é mais Pró-mercado?
  • Leandro  05/08/2016 12:03
    "Mas a Argentina não chegou a adotar o Corrency Board na quebradeira de 2001?"

    Adotou em 1991 e o levou a sério até 1995. O crescimento econômico explodiu e inflação de preços desabou. Aí, a partir de 1996, começou a adulterar o Currency Board. Ao final de 1999, começou a falar em alterar a taxa de câmbio, algo absolutamente inaceitável para um Currency Board. Em 2000, alterou totalmente o funcionamento do Currency Board, desfigurando-o totalmente. Em 2001, já nem havia mais Currency Board.

    Todos os detalhes foram apresentados neste artigo:

    Cambalache - a história do colapso econômico da Argentina

    "E o cambio flutuante não é mais Pró-mercado?"

    Não. Explicado também em detalhes aqui:

    Os três tipos de regimes cambiais existentes - e qual seria o mais adequado para o Brasil
  • O MESMO de SEMPRE  05/08/2016 11:26
    Olha um bom exemplo do PORQUÊ a esquerda, apesar da crueldade e fracassos se mantém como "utopico oxímoro":

    Lá no site tradutoresde direita.org eles escrevem em dois artigos:

    1 - "A ideia de utilizar um salário mínimo para superar a pobreza é antiga e louvável, mas totalmente equivocada."

    Estão criticando a idéia apenas por ela não oferecer os resultados (i)moralmente desejados.
    Ou seja, estão DE FATO defendendo que os FINS justificam os MEIOS.

    Não há nada de louvável na imposição de vontade por meio da força (INICIO da AGRESSÃO).
    Porém, tal fato se dá porque a MORAL incutida milenarmente nas mentes é que ajudar os pobres é uma OBRIGAÇÃO de todos e que portanto é DIREITO dos pobres obter benefícios, mesmo que ao custo da injustiça (justiSSa social).
    O que esta tal direita defende é o objetivo moralmente consagrador e não a justiça dos meios.

    É IMPRESCINDÍVEL CONTESTAR a IDEOLOGIA MORALÓIDE que se opõe à idéia de ÉTICA como filosofia da moral em busca de uma MORAL OBJETIVA ou simplesmente em busca de um absoluto ético.

    Perceba-se agora isso que lá esta também:

    2 - "DIFERENÇA Nº 1: O homem é essencialmente bom?
    As ideologias de esquerda sustentam que as pessoas são essencialmente boas. Por outro lado, as ideologias conservadoras sustentam que o homem nasce moralmente imperfeito: não que ele nasça necessariamente mau, mas, sem dúvida, ele não nasce bom."

    Essa afirmação absurda e Rousseauniana decorre da mesma moral milenar e POLITICAMENTE CORRETA:

    um indivíduo ao afirmar que o ser humano em si é bom, esta se INCLUINDO nesta definição e livrando-se da sua responsabilidade sobre seus atos.
    POR QUE ASSIM PROCEDE? Simplesmente porque a ideologia moralóide POLITICAMENTE CORRETA estabeleceu que a BONDADE possui um valor moral superior à HONESTIDADE.

    Sendo que "BONDADE" é atender aos necessitados. O próprio ALTRUÍSMO é tido como o maior valor moral que alguém pode exercitar. Assim op egoísmo tornou-se um mal e o egoísta alguém moralmente inferior.

    Ninguém quer ser moralmente inferior e a moral estabelecida PELA PROPAGANDA, enaltecendo a bondade, leva a que todos queiram OSTENTAREM-SE BONZINHOS, sobretudo ao custo alheio. Daí exibem-se tão benevolentes com os pobres defendendo que os outros os ajudem. Assim exibe toda a sua "BONDADE" e mais das vezes sem custo.

    Sim, os "comunistas" (socialistas-"científicos") invocam essa moral milenar em suas perorações ideológicas e desconexas (como toda ideologia). Porém ao se imporem no Poder praticam atrocidades e não se dispensam da desigualdade ante o povo. Dando a si mesmos os mais luxuosos desfrutes materiais enquanto o povo vive na miséria.

    Algo como uma auto recompensa por serem tão bonzinhos e igualitários.

    Ora, o POLITICAMENTE CORRETO se fundamenta EXATAMENTE nesse APELO MORALÓIDE de que a BONDADE (atendimento de necessidades e absoluta inofensividade) é o mais absoluto valor de um indivíduo.

    Enquanto essa MORAL IDEOLÓGICA (milenar) do POLITICAMENTE CORRETO se mantiver, o PODER POLÍTICO terá seu sucesso garantido.

    É PRECISO COMBATER ESSA MORAL SENTIMENTALÓIDE ASCÉTICA e HIPÓCRITA que se estabeleceu destruindo completamente a MORAL ESTÓICA e suas pretensões OBJETIVISTAS.
  • O MESMO de SEMPRE  05/08/2016 12:32

    "As ideologias de esquerda sustentam que as pessoas são essencialmente boas. Por outro lado, as ideologias conservadoras sustentam que o homem nasce moralmente imperfeito: não que ele nasça necessariamente mau, mas, sem dúvida, ele não nasce bom."

    - Ao afirmar a "imperfeição" humana o autor esta dizendo que "a perfeição é ser bonzinho". Assim o objetivo moral é esse.

    Essa afirmação absurda e Rousseauniana decorre da mesma moral milenar e POLITICAMENTE CORRETA.

    O politicamente correto se dá ao atribuir valor generalizado a todos indistintamente. Isso leva a uma explicita comunicação de afeição e amizade. Daí ser politicamente correto.

    O valor da BONDADE como supremo moral esta valorizando exatamante a idéia de CARIDADE e INOFENSIVIDADE ABSOLUTA.

    Sim, bondade é ser absolutamente inofensivo e absolutamente altruísta.

    Se tais absolutos não são característica do indivíduo ele é IMPERFEITO. Porém o objetivo é ser BONZINHO, para obter a absoluta qualificação moral:

    PRIORIZAR os demais até em detrimento próprio (suprasumo do COLETIVISMO).

    Esse acima seria o "HOMEM PERFEITO", nada diferente do "NOVO HOMEM" idealizado pelo profeta Karl Marx.

    Ou seja, em Marx a velha moral capitulacionista do decadente Império Romano foi apenas maquiada para dizer a mesma coisa:

    "a quem te agride a face direita, oferece-lhe a face esquerda"
    "dai a todos que te pedirem"
    "não acumulai tesouros na terra"

    Simplificando: seja BONZINHO = absolutamente INOFENSIVO e absolutamente CARIDOSO.

    Eis o máximo valor moral estipulado e propagandeado como "verdade revelada" e POLITICAMENTE CORRETA.

    Perceba como é exatamente o atual conhecido como "politicamente correto" ...rsrsrs ...essa invenção moral milenar para tornar as massas submissas e resignadas.
  • anônimo  05/08/2016 14:46
    ótimo comentário "O mesmo de sempre".

    Acha irritante liberais sempre querendo partir para argumentos utilitaristas e de eficiência ao invés de usar a ética como argumento.

    Quando atacam os direitos trabalhistas, o salário mínimo, o protecionismo, ao invés de usar como argumento a liberdade do individuo, sempre partem para argumentos do tipo "Não é eficiente, não produz resultados desejados e etc...", argumentos que não convencem ninguém que já não seja liberal.


  • O MESMO de SEMPRE  06/08/2016 01:18
    .
    De fato, anônimo, é irritante esse "BOM MOCISMO" liberalóide.

    Infelizmente a propaganda é a alma do negócio e a propaganda moral define a escala de valor do indivíduo perante a comunidade. Assim, sobretudo os fracos, vacilantes, frustrados e com baixa autoestima se entregam ÁS APARÊNCIAS em busca de APOIO COMUNITÁRIO.

    Há muitos anos tenho insistido em passar a idéia da "pressão comunitária presumida" e que descobri há alguns anos pesquisa de uma cientista alemã - Elisabeth Noelle-Neumann - que nomeou de ESPIRAL do SILÊNCIO. Vale a pena conhecer e gostei qdo O. de Carvalho citou-a em um artingo um tanto recente.

    Todos querem ser "bem vistos" na comunidade ou numa comunidade qualquer (desejo de pertencer a um grupo de apoio mutuo: ASINUS ASINUN FRICAT) e assim se entregam a pressupostos propagandeados. É bem a ideia de Popper sobre PROFECIA AUTO REALIZAVEL onde a PROPAGANDA PRODUZ o EFEITO PROPAGANDEADO.

    A moral é a ESCALA de VALOR do indivíduo para o grupo que a adota. Cada grupo ou "cultura" tem a sua escala moral para "medir" o valor do indivíduo. Tal escala é ARBITRÁRIA, pois que a idéia de moral não é objetiva e decorre das tradições ou costumes que SÃO PROPAGANDEADOS como moral e assim adotados com base na propaganda e depois na tradição ou costumes.

    É pena que não se tenha a ambição (estóica) de conceber uma moral objetiva, ou ÉTICA, com base em raciocínios axiomáticos progressivos, como ocorre nas ci?ncias que prosperam somando conhecimentos que levam a outros.

    Enfim, divulga-se uma ideologia que estabelece uma moral. Esta então é martelada nas cabeças através da propaganda massificante (lavagem crerebral) e livrar-se disso é quase que livrar-se da dependencia quimica: exige muita reflexão e força de vontade para encarar a REALIDADE.

    Esse é o grande trunfo das IDEOLOGIAS FARISAICAS que subliminarmente estipulam MORAIS ARBITRARIAS altamente nocivas ao bom convivio humano.

  • Emerson Luis  16/09/2016 20:24

    "Estão criticando a idéia apenas por ela não oferecer os resultados (i)moralmente desejados.
    Ou seja, estão DE FATO defendendo que os FINS justificam os MEIOS."


    Mostrar que uma ideia produz resultados ruins como prova de que ela é ruim não significa necessariamente pressupor que os fins justificam os meios.

    Ainda não li o texto, mas criticar uma ideia por ela apresentar resultados ruins é diferente de criticar uma ideia apenas por ela apresentar resultados ruins.

    Quem defende que existem princípios universais e atemporais pode sim apresentar os maus resultados de uma ideia como indício de que ela é ruim sem estar caindo no utilitarismo ou relativismo.

    Afinal, se uma ideia é ruim, é de se esperar que de alguma forma e em algum momento ela seja prejudicial para alguém.

    * * *
  • Leandro Campos  06/08/2016 05:43
    Para mim a pergunta é uma bobagem.
    A pergunta a ser respondida é: Como implantar o arranjo libertário?

    Essa é a pergunta que deveria ser respondida.

    Pelos políticos não vai, e contradiz a ideologia libertária, afinal político é um ladrão, logo não pode roubar e fazer o bem.

    Uma ditadura também não seria aceita (eu apoio essa forma) pelos mesmos motivos, e as ditaduras que existiram passam a ideia de mais estado e mais coerção.

    Finalmente chega ao que os libertários pregam, que as pessoas tenham consciência de que não precisam do estado e que podem viver normalmente.

    Agora o problema, num país com mais consciência "política", mais educação e pessoas que dependem menos de estado, o sistema libertário nem passa pela cabeça dessas pessoas, imagine no Brasil onde sempre tem alguém recorrendo ao estado para algo, mesmo que seja ruim ou fora do valor real que o mercado colocaria, como isso ocorreria?

    Se alguém discorda ou sabe a resposta, por favor, diga!
  • Vitório  06/08/2016 06:00
    Totalmente errada sua posição.

    Eis a maneira certa:

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=2341

    www.mises.org.br/Article.aspx?id=1692
  • Leandro Campos  06/08/2016 23:22
    Não sei onde está o erro, talvez por dizer que ditadura seja a minha opção? O problema não é qual o modo como EU acho melhor, mas a pergunta que fiz, como colocar o arranjo libertário?

    Os artigos são bacanas, mas fica muito na ideia de conscientização(exatamente como tinha colocado na minha pergunta), o segundo artigo ainda coloca o político libertário como alguém que pode alcançar este objetivo até o ponto em que ele próprio deixe de ter sentido no sistema libertário, neste caso fica até estranho, artigos que dizem que não se deve usar de forma alguma o político para alcançar os objetivos libertários por serem ladrões, no outro exatamente diz que deve aparecer alguém (político como única opção) que deve iniciar o processo de desestatização. Basta ler os comentários e verá que aqueles que se julgam libertários tem sérias dúvidas sobre esta forma

    Mas tudo bem, se esse é a forma correta estamos ferrados, vai uns 2 mil anos para alcançar esse arranjo infelizmente.
  • Paulo Bat  09/08/2016 02:03
    Uma pergunta interessante:

    "Se o arranjo que os libertários defendem é tão bom, então por que nenhum país do mundo nunca o implantou?"

    O articulista falou, falou e não respondeu a pergunta.
  • Ricardo Gomes  09/08/2016 12:18
    Não? Então seu analfabetismo funcional alcançou níveis alarmantes. Caso grave.

    Aliás, isso me lembra uma anedota. Um keynesiano chega para um austríaco e o desafia: se o keynesianismo é tão ruim quanto vocês dizem, por que todos os políticos o adotam?

    E o austríaco responde:

    "O keynesianismo é a teoria econômica favorita dos políticos simplesmente porque ela lhes concede um passe livre para fazer tudo aquilo que eles mais gostam de fazer: gastar dinheiro.

    O keynesianismo diz que os gastos do governo impulsionam a economia; que expandir o crédito (melhor ainda se for subsidiado) gera crescimento econômico; que os déficits do governo são a cura para uma economia em recessão; que inchar a máquina estatal, dando emprego para burocratas, é uma medida válida contra o desemprego (quem irá pagar?); que regulamentações, se feitas por keynesianos, são propícias a estimular o espírito animal dos empreendedores. E, obviamente, que austeridade é péssimo.

    Qual político resiste a isso?"

    Isso resume perfeitamente o artigo acima. Que político vai voluntariamente abrir mão de políticas que lhes concedem plenos poderes e adotar políticas que lhes retiram o máximo de poder?
  • André  09/08/2016 14:40
    Se você não entendeu até agora, por favor se dirija a este site aqui:

    www.cartacapital.com.br/

    Parem de perder tempo com esses esquerdistas, é por isso que os liberais vivem sendo taxados de inocentes, insistem em atirar pérolas aos porcos.
  • Refrão de Go Back  09/08/2016 16:16
    Nenhuma das perguntas do artigo responde à questão inicial (claro, sã perguntas e não respostas!). Tampouco o site sugerido.

    Dessa forma, as perguntas (retóricas?) do artigo estariam sugerindo que poder absoluto, coerção, fraude, anti-competitividade etc., seriam melhores que o libertarianismo, posto que, quando confrontados com este, saem em vantagem?

  • Coro  09/08/2016 18:37
    As perguntas do artigo estão demonstrando (para os inteligentes, é claro) que poder absoluto, coerção, fraude, anti-competitividade são práticas que beneficiam (1) quem está no poder e (2) quem é ligado a quem está no poder, de modo que essa gente jamais irá voluntariamente abrir mão dessas práticas, por mais perniciosas que sejam para o resto da sociedade, principalmente para os mais pobres, que são os mais prejudicados por esse arranjo.

    Você acha, por exemplo, que a FIESP vai pedir abolição das tarifas de importação, que existem exatamente para proteger a ela própria? Você acha que as empresas de telefonia vão defender a abolição da ANATEL e a abertura total do mercado de telefonia, permitindo que qualquer empresa, de qualquer lugar do mundo, possa vir pra cá ofertar seus serviços? Você acha que Gol e Tam irão defender a abertura total do mercado aéreo, de modo que qualquer empresa aérea, de qualquer lugar do mundo, possa fazer vôos nacionais dentro do Brasil? Você acha que o funcionalismo público vai defender o fim da estabilidade e o congelamento de seus salários nababescos?

    Se você ainda não entendeu essa obviedade, aí realmente já é questão de insuficiência intelectual.
  • Refrão de Go Back  09/08/2016 19:54
    Pelo raciocínio do Coro:

    Se instituições (pessoas, enfim) empreendem conscientemente de postura criminosa para garantir seus interesses, não deveriam essas pessoas serem tratadas por libertários como criminosos? Seria a desmoralização através das ideias a maneira adequada para tratar criminosos deliberados?

    Os que não participam dos grupos citados mas conscientemente se omitem diante de uma conduta que conhecem ser criminosa incorrem também em crime?

    O "entendimento" da obviedade (nada óbvia) alegada implica que provavelmente nunca teremos nações libertárias, posto que grupos de interesse provavelmente nunca abandonarão seus interesses?

    Existe expectativa que os grupos citados abandonem tal conduta através de desmoralização ideológica?

    Libertarianismo, seria um meio ou um fim? (Se é que uma filosofia pode ser fim...)
  • Paciente  09/08/2016 20:31
    "Se instituições (pessoas, enfim) empreendem conscientemente de postura criminosa para garantir seus interesses, não deveriam essas pessoas serem tratadas por libertários como criminosos?"

    Sem dúvidas. E é isso o que fazemos. E também alertamos aos outros -- os espoliados -- quanto a isso. Agora, se eles aceitam passivamente, aí nada mais podemos fazer.

    "Seria a desmoralização através das ideias a maneira adequada para tratar criminosos deliberados?"

    Por mim, tudo bem.

    "Os que não participam dos grupos citados mas conscientemente se omitem diante de uma conduta que conhecem ser criminosa incorrem também em crime?"

    Não. Tais pessoas não estão cometendo nenhuma agressão contra a vida e a propriedade de terceiros. São omissas e ignorantes, ok. Mas não são criminosas.

    "O "entendimento" da obviedade (nada óbvia) alegada implica que provavelmente nunca teremos nações libertárias, posto que grupos de interesse provavelmente nunca abandonarão seus interesses?"

    Nenhum libertário advoga que o país deve ser transformar em uma nação libertária. A única coisa que nós queremos -- imploramos -- é para sermos deixados em paz. Só isso. Apenas isso e nada mais do que isso.

    Como nos deixar em paz? Permitindo, por exemplo, que tenhamos a liberdade de nos seceder de um governo e criar uma comunidade própria. Mas nem isso vocês deixam. Simplesmente não abrem mão de viver às nossas custas.

    "Existe expectativa que os grupos citados abandonem tal conduta através de desmoralização ideológica?"

    De novo, esse não é o nosso objetivo. Nosso objetivo é conscientizar as pessoas de que estão sendo espoliadas. Caso elas acordem e se revoltem contra isso, aí sim podemos começar a pensar em aglutinar pessoas para pressionar por uma secessão para vivermos em um território próprio, transacionando livremente com todas as outras pessoas do mundo. É só isso que queremos. Mas vocês não deixam, pois não abrem mão de viver à custa dos impostos que somos forçados a pagar.

    "Libertarianismo, seria um meio ou um fim?"

    A propriedade privada é um meio. Todo o resto advém dele.
  • Paciência é uma virtude  09/08/2016 21:32
    Desculpe a insistência, mas é importante para a clareza reflexiva:

    Libertários advogam mesmo que a maneira adequada de se lidar com criminoso é implorando para ser deixado em paz? Ou isso é uma visão pessoal?

    Entendo que não exista pretensão de "converter"países. Mencionei nações (na falta de melhor termo) para designar um contingente grande de adeptos do libertarianismo. Esse grande contingente teria de pedir permissão aos estados para seceder? A pressão para seceder seria implorar para serem livres?

    Existe expectativa de ser atendido nesse "pleito" por aqueles que se habituaram a manter seus privilégios através de violência e coerção?

    Não existiria uma justificativa de mercado para o estado criminoso (e correlatos), se considerarmos que existe um incentivo econômico para mantê-lo e, portanto, grupos sempre se esforçarão para viabilizá-lo?

    Posto que o libertarianismo não é uma filosofia exatamente nova e que, mesmo assim, parece não ter atingido essa massa crítica para "pleitear" secessão em parte alguma, existe expectativa de arregimentar esse grande contingente adeptos?
  • Paciente  10/08/2016 00:28
    "Libertários advogam mesmo que a maneira adequada de se lidar com criminoso é implorando para ser deixado em paz? Ou isso é uma visão pessoal?"

    Nem uma coisa nem outra.

    A filosofia libertária segue diz que nenhum inocente deve ser agredido. No entanto, ela deixa claro que, a partir do momento em que o inocente é agredido, o agressor perde todos os seus direitos e, consequentemente, está liberado para ser agredido de volta.

    Isso é o exato oposto tanto do belicismo quanto do pacifismo, o qual diz que, se um inocente for agredido, ele deve ficar quieto e apanhar ainda mais, sem oferecer qualquer resistência.

    Isso é ideologia de masoquista.

    "Esse grande contingente teria de pedir permissão aos estados para seceder? A pressão para seceder seria implorar para serem livres?"

    Não dá para pegar em armas contra um estado que detém o monopólio da violência, que detém o monopólio dos armamentos e que pode utilizar todas as suas forças armadas contra você. Além do mais, revoluções armadas são totalmente contraproducentes.

    Tudo é na base das idéias. Idéias, no longo prazo, são mais poderosas que exércitos.

    "Existe expectativa de ser atendido nesse "pleito" por aqueles que se habituaram a manter seus privilégios através de violência e coerção?"

    Não sei.

    "Não existiria uma justificativa de mercado para o estado criminoso (e correlatos), se considerarmos que existe um incentivo econômico para mantê-lo e, portanto, grupos sempre se esforçarão para viabilizá-lo?"

    De mercado, não. De grupos de interesse.

    "Posto que o libertarianismo não é uma filosofia exatamente nova e que, mesmo assim, parece não ter atingido essa massa crítica para "pleitear" secessão em parte alguma, existe expectativa de arregimentar esse grande contingente adeptos?"

    Não sei. E, de novo, nenhum libertário está preocupado em decidir eleições. Não respeitamos democracia.
  • Ainda insistente com os pacientes  09/08/2016 21:42
    Seria a propriedade privada meio bastante e suficiente para o libertarianismo? Sem mais nenhum reparo ético, moral ou metodológico?
  • Paciente  10/08/2016 00:29
    Oi? Todo o artigo acima apresentou respostas baseadas inteiramente na ética e na moral, e você disse que não bastava. Agora está clamando por mais ética e moral?
  • O MESMO de SEMPRE impaciente  10/08/2016 02:06
    .
    O que falta é FORÇA para impedir que um governo com exército e policias sob seu comando se meta na minha vida.

    Esses pulhas só vão parar de roubar e explorar populações quando a sociedade se unir e formar uma FORÇA capaz de impedir que o Estado a explore.

    Para isso é preciso persuadir apresentando FATOS e RACIOCÍNIOS e é isso que um libertário pode fazer racionalmente.

    Há inúmeras ideologias que prometem "Paraísos" para todos os gostos. Tal como as drogas físicas(quimicas) estas ideologias IMBECILIZAM ao seduzirem os espertalhões e oportunistas tanto quanto os frustrados e com baixa autoestima que veem nas ideologias uma fantasia conveniente e tentam sobrepo-las à realidade. É uma LUTA dificil, não é fácil demover alguém com argumentos racionais de convicções ou conveniências que não foram adotadas pela razão.

    O convencimento deveria se dar sobre aqueles que COMPÔEM a FORÇA do Estado e que JAMAIS obterão grandes ganhos. Tais como policiais mal remunerados e soldados, estes OBEDECEM como se animais adestrados mesmo que nada obtenham para si e sempre vendo seus familiares sem qualquer vantagem. Afinal os que obtem vantagem da FORÇA é a ALTA HIERARQUIA ESTATAL e SEUS AGREGADOS.

    Os antigos coronéis do nordeste também possuiam JAGUNÇOS com baixa remuneração, mas que OBEDECIAM seus RICOS CORONÈIS como se CÃES ADESTRADOS que obedecem SEM SABER O PORQUÊ.

    Soldados vão à guerra para MORRER para que governantes, que nunca se arriscam, persistam usufruindo de grandes luxos MESMO DURANTE AS GUERRAS, enquanto a população trabalha para pagar pela guerra e soldados de baixa remuneração sofrem horrivelmente e morrem NÃO pela tal de PÁRTRIA (seja lá o que iso possa ser), mas POR SEUS GOVERNANTES e AGREGADOS ENCASTELADOS na HIERARQUIA ESTATAL.
  • Quase satisfeito  10/08/2016 15:05
    Não se trata de um clamor. A dúvida é:

    Ciente que o conceito de propriedade privada, para os libertários, tem relação íntima com conceitos como jusnaturalismo e PNA, entre outros, seria a propriedade privada meio bastante e suficiente para formar contingentes libertários? Não seriam outros meios necessários para formar a propriedade privada como meio? Recorde que diversas apresentações sociais reconhecem a propriedade privada (e a autopropriedade) baseada em conceitos distintos com distintos resultados.

    Ainda:

    Grupos de interesse não são forças de mercado?

    Visto que grande parte da produção intelectual libertária é de propostas para formação de contingentes (e, provavelmente, territórios) libertários e essas propostas não têm surtido efeito substancial, não haveria a possibilidade dessas propostas estarem adotando premissas erradas ou impraticáveis?

    Seria mesmo necessário destituir a atual hegemonia social-democrata-keynesiana para o avanço libertário?

    É possível uma ascensão libertária concorrencial, sem embate com a ordem hegemônica vigente?


  • Tulio  09/08/2016 18:39
    E, como bem disse o André, continuam jogando pérolas aos porcos, mostrando como são inocentes. Essa gente nunca quis diálogo nenhum; querem apenas continuar mamando impunemente. Da FIESP ao funcionalismo público.
  • Primo  09/08/2016 23:11
    "Se o arranjo que os libertários defendem é tão bom, então por que nenhum país do mundo nunca o implantou?"

    Ora, é justamente o conceito de estado que permite a existência de propriedade privada. Toda posse é um roubo, com o estado é possivel legítimar e legalizar o roubo, criando a propriedade privada. Sem estado não há propriedade privada, sem propriedade privada não há livre mercado.
  • Irmão  11/08/2016 19:43
    Como é que é? Quer dizer que o dinheiro que eu ganho com o meu trabalho não é meu? É um roubo? Trabalhar é roubar? Tô lascado!!!!!

    Puts, Leandro, o nível dos comentários do IMB nos últimos meses tem baixado muito... Tá bom começar uma moderaçãozinha vez em quando...

  • Primo  15/08/2016 15:30
    " Quer dizer que o dinheiro que eu ganho com o meu trabalho não é meu? "

    Não, o que quero dizer é que o conceito de propriedade não tem legitimidade moral.

    O que você ainda não entendeu, prezado irmão, é que o ladrão também se considera um trabalhador.

    Ninguém tem o direito natural e legítimo de cercar um pedaço de terra e dizer que aquilo é seu. O ato de roubar um peixe do rio e tirar sua vida fere totalmente o pacto de não agressão. Se o ser humano ainda é incapaz de se organizar de outra forma, isso é outro problema. O que não podemos é relativizar o roubo.
  • anônimo  15/08/2016 18:40
    "o conceito de propriedade não tem legitimidade moral"

    Bobagem sem tamanho, além de uma enorme hipocrisia de quem diz, pois aposto que se eu invadir a sua casa você vai choramingar para o 191, correto?

    As pessoas naturalmente reconhecem uma posse ou uma propriedade de outra pessoa. Até meu filho de 1 ano e meio já tem noções de propriedade. É tão obvio que não vale a pena fica discorrendo sobre isso.
  • anônimo  11/08/2016 20:06
    "Toda posse é um roubo"

    sent from my iphone


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.