Desarmamento e genocídios
por , domingo, 23 de novembro de 2014

versão para impressão


395264_268506006556285_894269043_n.jpgNo dia 24 de abril deste ano, o primeiro genocídio do século XX completou 99 anos: o governo turco dizimou mais de um milhão de armênios desarmados.  A palavra-chave da frase é justamente esta última: "desarmados".

Os turcos escaparam de uma condenação mundial porque utilizaram a desculpa de tudo ter sido uma 'medida de guerra'.  Findada a Primeira Guerra Mundial, eles não sofrerem nenhuma represália por este ato de genocídio.  É como se o governo turco não houvesse conduzido absolutamente nenhuma medida de homicídio em massa contra um povo pacífico.

Outros governos perceberam que o ardil funcionara e rapidamente tomaram nota do fato.  Era um precedente internacional conveniente demais para ser ignorado.

Setenta e nove anos após o início daquele genocídio, o famoso Hotel Ruanda abriu as portas.

Os Hutus também se safaram.  Ironicamente, pelo menos uma década antes do massacre em Ruanda — gostaria de me lembrar da data exata —, a revista americana Harper's publicou um artigo em que profetizava com acurácia este genocídio, e por uma razão muito simples: os Hutus tinham metralhadoras; os Tutsis, não.  O artigo foi escrito em um formato de parábola, sem se preocupar em fazer previsões especificamente políticas.  Lembro-me vivamente de, ao ler aquele artigo, ter imediatamente pensado: "Se eu fosse um Tutsi, emigraria o mais rápido possível".

O fato é que, em todo o século XX, não foi um bom negócio ser um civil.  As chances sempre estavam contra você.

Péssimas notícias para os civis

Tornou-se um lugar comum dizer que o século XX, mais do que qualquer outro século na história conhecida da humanidade, foi o século da desumanidade do homem para com o homem.  Embora esta frase seja memorável, ela é um tanto enganosa.  Para ser mais acurada, o certo seria modificá-la para "o século da desumanidade dos governos para com civis desarmados".  No caso do genocídio, no entanto, tal prática não pode ser facilmente descartada como sendo um dano colateral imposto a um inimigo de guerra.  Trata-se de extermínio deliberado.

O século XX começou oficialmente do dia 1º de janeiro de 1901.  Naquela época, uma grande guerra já estava em andamento; portanto, vamos começar por ela.  Mais especificamente, era a guerra iniciada pelos EUA contra as Filipinas, cujos cidadãos haviam sido acometidos da ingênua noção de que a libertação da Espanha não implicava uma nova colonização pelos EUA. 

Os presidentes americanos William McKinley e Theodore Roosevelt enviaram 126.000 tropas para as Filipinas para ensinar àquele povo uma lição sobre a moderna geopolítica.  Os EUA haviam comprado as Filipinas da Espanha por US$20 milhões em dezembro de 1898.  O fato de que os filipinos haviam declarado independência seis meses antes dessa compra era irrelevante.  Um negócio é um negócio.  Aqueles que estavam sendo comprados não podiam dizer nada a respeito, muito menos protestar.

Naquela época, era uma prática comum fazer a contagem de corpos dos combatentes inimigos.  A estimativa oficial foi de 16.000 mortos.  Algumas estimativas não-oficiais falam em aproximadamente 20.000.  Para os civis, tanto naquela época quanto hoje, não há estimativas oficiais.  O número mais baixo fala em 250.000 mortos.  A estimativa mais alta é de um milhão.

E então veio a Primeira Guerra Mundial e as comportas foram abertas — ou melhor, os banhos de sangue foram institucionalizados.

Turquia, 1915

O genocídio armênio de 1915 foi precedido por uma limpeza étnica parcial, a qual durou dois anos, 1895—97.  Aproximadamente 200.000 armênios foram executados.

Os armênios eram facilmente identificáveis.  Alguns séculos antes, os invasores turcos otomanos os haviam forçado a acrescentar o "ian/yan" aos seus sobrenomes.  Como os armênios estavam dispersos por todo o império, eles não possuíam o mesmo tipo de concentração geográfica que outros cristãos possuíam na Grécia e nos Bálcãs.  Eles nunca organizaram uma força armada para oferecer resistência.  E foi isso o que os levou à destruição.  Eles não tinham como lutar e resistir.

Os armênios eram invejados porque eram ricos e mais cultos do que a sociedade dominante.  Eles eram os empreendedores do Império Otomano.  O mesmo ocorreu na Rússia.  O mesmo ressentimento existia na Rússia, embora não com a intensidade do ressentimento que existia na Turquia.

As estimativas não-turcas falam em algo entre 800.000 e 1,5 milhão de armênios mortos.  Embora a maioria destes homicídios tenha ocorrido com o uso de baixa tecnologia, os métodos eram extremamente eficazes.  O exército capturava centenas ou milhares de civis, levava-os até áreas desertas e inóspitas, e os deixava lá até que literalmente morressem de fome.

O nome Arnold Toynbee é bem conhecido.  Já na década de 1950 ele era um dos mais eminentes historiadores do planeta.  Seu estudo, compilado em 12 volumes (1934—61), sobre 26 civilizações não possui precedentes em sua amplitude.  Sua obra O Tratamento dos Armênios no Império Otomano foi sua primeira grande publicação.

Por que algumas organizações armênias não dão ampla divulgação e notoriedade a este documento é algo que me escapa completamente.  O livro está em domínio público.  A seção a seguir, que está na Parte VI, "As Deportações de 1915: Procedimento", é iluminadora.  Leia-a com atenção.  Trata-se do aspecto crucial de todo o genocídio.  O governo confiscou as armas dos cidadãos.

Um decreto foi expedido ordenando que todos os armênios fossem desarmados.  Os armênios que serviam no exército foram retirados das fileiras combatentes, reagrupados em batalhões especiais de trabalho, e colocados para construir fortificações e estradas.  O desarmamento da população civil ficou a cargo das autoridades locais.  Um reino de terror foi instaurado em todos os centros administrativos.  As autoridades exigiram a produção de uma quantidade estipulada de armas.  Aqueles que não conseguissem cumprir as metas eram torturados, frequentemente com requintes satânicos; aqueles que, em vez de produzir, adquirissem armas para repassá-las ao governo — comprando de seus vizinhos muçulmanos ou adquirindo por qualquer outro meio —, eram aprisionados por conspiração contra o governo.

Poucos desses eram jovens, pois a maioria dos jovens havia sido recrutada para servir o estado.  A maioria era de homens mais velhos, homens de posse e líderes da comunidade armênia, e tornou-se claro que a inquisição das armas estava sendo utilizada como um disfarce para privar a comunidade de seus líderes naturais.  Medidas similares haviam precedido os massacres de 1895—96, e um mau presságio se espalhou por todo o povo armênio.  "Em uma certa noite de inverno", escreveu uma testemunha estrangeira desses eventos, "o governo enviou soldados para invadir as casas de absolutamente todos os armênios, agredindo as famílias e exigindo que todas as armas fossem entregues.  Essa ação foi como um dobre de finados para vários corações".

Desarmamento

Lênin desarmou os russos.  Stalin cometeu genocídio contra os kulaks ucranianos durante a década de 1930.  Pelos menos seis milhões de pessoas foram mortas.

Como mostrou a organização Jews for the Preservation of Firearms Ownership (Judeus pela Preservação da Posse de Armas de Fogo), o modelo do Decreto do Controle de Armas de 1968 nos EUA — até mesmo as palavras e o fraseado — foi copiado da legislação de 1938 de Hitler, a qual, por sua vez, era uma revisão da lei de 1928 aprovada pela República de Weimar.  Uma boa introdução a esta história politicamente incorreta da história do controle de armas pode ser vista aqui.

Quando as tropas de Mao Tsé-Tung invadiam um vilarejo, elas capturavam os ricos.  Em seguida, elas ofereciam a devolução das vítimas em troca de dinheiro.  As vítimas eram libertadas quando o pagamento fosse efetuado.  Mais tarde, o governo voltava a sequestrar essas mesmas pessoas, só que desta vez exigindo armas como resgate.  Ato contínuo, assim que as armas eram entregues, as vítimas eram libertadas.  Essa mudança de postura — exigir armas em vez de dinheiro — fez com que a negociação parecesse razoável para as famílias das próximas vítimas.  Porém, tão logo o governo se apossou de todas as armas de uma comunidade, os aprisionamentos e as execuções em massa começaram.

A ideia de que o indivíduo tem o direito à autodefesa era tão comum e difundida no século XVIII que ela foi escrita na Constituição americana: a segunda emenda.  Carroll Quigley, eminente historiador e teórico da evolução das civilizações, era também um especialista na história do uso de armas pela população.  Ele escreveu um livro de 1.000 páginas sobre o uso de armas como meio de defesa durante a Idade Média.  Em sua obra Tragedy and Hope (1966), ele argumenta que a Revolução Americana foi bem sucedida porque os americanos possuíam armas de poder de fogo comparável àquelas em posse das tropas britânicas.  Foi exatamente por isso, disse ele, que houve toda uma série de revoltas contra governos despóticos em todo o século XVIII. 

Tão logo as armas em posse do governo se tornaram superiores, os movimentos e manifestações em prol da redução do tamanho do estado deixaram de ter o mesmo êxito que haviam tido nos séculos anteriores.

Há uma razão por que os governos são tão empenhados em desarmar seus cidadãos: eles querem manter seu monopólio da violência a todo custo.  A ideia de haver cidadãos armados é apavorante para a maioria dos políticos.  Afinal, para que serve um monopólio se ele não pode ser exercido?  Cidadãos armados impõem um limite natural à tirania do estado. 

Conclusão

Genocídios acontecem.

Mas não há genocídio quando os alvos estão armados.

 

 

Leia também:

O direito de portar armas é um direito humano essencial

Como o porte irrestrito de armas garantiu a liberdade dos suíços 

Armas e liberdade

O desarmamento e as lições sobre a violência europeia 

O anárquico Velho Oeste não era nada selvagem


Gary North , ex-membro adjunto do Mises Institute, é o autor de vários livros sobre economia, ética e história. Visite seu website


124 comentários
124 comentários
anônimo 02/01/2013 13:23:33

Eu acho que o governo e as 'celebridades' cabeça-oca só não se incomodam mais ainda com essas coisas porque no final das contas, nem faz tanta diferença assim
De que adianta, você com seu riflezinho, eles vem com um tanque e derrubam tua casa. Ou te matam usando um drone sem você nem ver a cor dele

Responder
void 02/01/2013 23:37:44

Um drone ou um tanque não podem matar o povo todo. A questão não é sair incólume de uma guerra contra o estado, mas resistir o máximo. A palavra heroísmo parece que vai ser a próxima a cair de todos os dicionários de todas as línguas. Os políticos estão cada vez mais brutais, e os civis cada vez mais bundões.

Responder
Pedro. 25/09/2013 13:50:50

É isso aí Void!

A sociedade esta cada vez mais covarde, mais acomodada e submissa aos senhores "salvadores da humanidade".

Ler é sempre bom, mas antes é preciso pensar bastante para não ser mero papagaio a repetir o leu ou ouviu. Assim, o pensador Nietzsche estava coberto de razão quando afirmou que ler é bom, mas não ao ponto de perder os próprios pensamentos. Porém, é justo referenciar o pénsador que antes percebeu aquilo que vem se confirmando no tempo.

Nietzsche combatia oq ele afirmava ser a feminilização humana.
Claro que ele via a mulher como um ser frágil, dependente e mesmo tolo. Coisa em que estava errado, posto que muitas, a larga maioria, das mulheres são mais efetivas do que os homens. Estes sempre desejosos, por atualmente contaminados com a culpa de serem "os fortes", de apresentarem-se condescendentes, excessivamente tolerantes, pacificos e mesmo frágeis. Como se a fragilidade fosse
uma qualidade. Assim as mulheres sob a idéia de serem mais frágeis se permitem ser mais sinceras, firmes e mesmo pujantes em suas atitudes e opiniões.

Essa degeneração moral que faz da fraqueza uma qualidade, da fragilidade um mérito, da hipocrisia, covardia e submissão a mais elevada demonstração de humanidade e valor comunitário foi implantada pela "moral do escravo".

A moral é o comportamento determinado como valorizador do indivíduo no meio.
Isso se dá em vista de costumes, tradições, anteriormente arbitradas como a forma correta de proceder perante os demais. Estes costumes e tradições por vezes demasiado estéreis e por vezes decorrentes de erros de avaliação (acertos tb). Ou seja, A MORAL É ARBITRÁRIA, consensualmente subjetiva, em contrária a pretensão ética que se pretende objetiva.

Ou seja, todos querem ser valiosos, respeitados, admirados, amados e etc.. Assim, a pressão moral ou ética tem grande influencia na conduta humana. Daí que sendo a moral passivel de arbítrio, basta que se propagandeie um comportamento valorizador no meio e PRONTO! ..aqueles, sobretudo os vacilantes inseguros, imediatamente tentam moldar-se a tal modelo de "ser valioso". Quanto mais inseguro e sobretudo reconhecidamente desprezível, mais o indivíduo tentará vestir a fantasia moral apregoada eficientemente. Afinal, AQUILO QUE MAIS SE VÊ E OUVE TENDE A SER ACEITO COMO VERDADE.

Não for por acaso que Goebbels percebeu que "uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade".

Ora, alguém possuir uma opinião bem avaliada, coerente, ante aos demais nada importa se estes aceitam, por ignorancia e preguiça de analisar, uma opinião qualquer que se faça mais eficietemente PROPAGANDEADA. A idéia é ESTAR SEMPRE COM O REBANHO DE APOIO. Assim, se imagina-se que o rebanho apoia algo e então valoriza os apoiantes, a tendencia é EXIBIR-SE ALINHADO.
ESTE FATO foi pesquisado e chamado de "A ESPIRAL DO SILÊNCIO".

Voltando a "moral do escravo", não é dificil perceber que estes formando uma CORPORAÇÃO uniram-se sob uma MORAL SOB MEDIDA que lhes tornassem admiráveis aos olhos de seus pares. Assim A MORAL DO ESCRAVO PASSOU A VALORIZAR O COMPORTAMENTO SERVIL. Afinal, a submissão era mais conveniente, mesmo que indignificante, pois poupava os escravos de castigos. Ou seja, nada melhor que estabelecer uma moral sob medida para aquilo menos arriscado para individuos acomodados ao seu estado atual. Mudanças, PENSAR e JULGAR pode ser assustador, causar angustia e inconformidade com a injustiça. Assim, a idéia é valorizar exatamente o procedimento aparentemente mais confortável ou menos arriscado para o momento. Os covardes INVENTAM UMA MORAL ONDE A COVARDIA É VALORIZADA, os fracos uma que valorize a fraqueza, os pobres uma que valorize a pobreza, os perversos uma que valorize a perversidade, os safados inventam uma moral que valorize a safadeza como se esperteza inteligente (o mito carioca do malandro) e POR AÍ VÃO AS MORAIS SOB MEDIDA.

Claro que tais morais arbitrárias, inventadas sem nenhuma teoria ou filosofia racional podem ser difundidas e adotadas por grupos de apoio comunitário. Grupos que como Trotski concebem a idéia de praxis moral e relativisam "A NOSSA MORAL E A DELES", como se uma ciencia da moral (pretensão ética) fosse uma tolice e que apenas o APOIO COMUNITÁRIO significasse a verdade grupal. Coletivistas assim querem entender o mundo como Hitler e uma física ou matemática nazista. Como se a física ou matemática dependessem apenas da vontade humana, para tornarem-se realidade. Ocorre que a NATUREZA NÃO CONSULTA INTERESSES IDEOLÓGICOS E SEGUE SUA PRÓPRIA LÓGICA INDEPENDENTEMENTE DOS ANSEIOS HUMANOS E SUAS IDEOLOGIAS SOB MEDIDA PARA SUAS AMBIÇÕES.

Ora, a idéia das MUITAS LÓGICAS apenas teve o objetivo de relativizar a natureza para eliminar a idéia de lógica. Ou seja, se não uma pretensão estúpida, pelo menos uma empulhação mal formulada para engrupir estúpidos e safados interessados em violar a sequecia natural em próprio benefício. Mas é lógico que tal não consegue manter-se confrontando a natureza. Daí a dinâmica histórica, onde TUDO CONSTANTEMENTE MUDA PARA PERMANECER A MESMA COISA.

Conclusão:
Interessados em escravizar propagandearam a moral inventada para valorizar o escravo submisso. Pelo mesmo lado os covardes adotaram tal moral visando pouparem-se da LUTA pela LIBERDADE.

Assim, CANALHAS E COVARDES, SENHORES E ESCRAVOS se uniram pelo interesse comum. Aquele onde a servidão dignifica tanto quanto a senhoria. O par perfeito. Estes unidos combatem aqueles que, racionalmente, não conseguem convencerem-se que sendo os indivíduos naturalmente portadores de iguais direitos, é inconcebível que alguns se atribuam direito sobre os outros.

Indivíduo = Corpo e Mente inseparáveis.

Quando a mente de um individuo se apossa do corpo alheio submetendo este a sua vontade através da ameaça de danos ao outro indivíduo, de modo que ameaça IMPOR SUA AÇÃO NOCIVA AO CORPO ALHEIO, SEM A ANUÊNCIA DA MENTE ALHEIA, esta de fato apossando-se de dois corpos, pois que se da o direito mesmo de aniquilar o outro indivíduo, como se uma propriedade sua.
...EIS AÍ A ESCRAVIDÃO!!!

ESCRAVIDÃO É estar sujeito à vontade alheia para manter-se vivo perdendo a individualidade. Deixando sua mente sem um corpo a comandar, apenas para mater a vida que outro indivíduo se atribui o direito (o PODER) de tirar ou o direito de OPRIMIR sem qualquer acordo prévio nesse sentido. Ou seja, é o pleno ARBÍTRIO DE UNS SOBRE A VIDA DE OUTROS.

Os covardes, receosos do enfrentamento adotam a moral que os valoriza e se submetem arrebanhados e rastejantes àqueles que ousam ameqaça-los.

Abs.

Responder
Bruno 02/01/2013 13:41:48

Conclusão, ser civil e não ter arma é uma merda.

Sinceramente estou pensando em ter uma arma por meios ilegais.

Responder
anônimo 02/01/2013 13:50:54

Não ter arma é uma merda.
Isso de 'ser civil' não exite. Civil, militar, funça, tudo é gente. Só uns que inventam que tem mais direitos que os outros, mas tudo é gente.

Responder
Ricardo 23/11/2014 14:33:41

Já tenho e não só uma!

Responder
Kondde 02/01/2013 13:54:02

Brilhante texto,

Só de pensar o governo que nos temos, ontem foi a posse dos prefeitos(PT ganhando na maioria dos municipios) e dos vereadores, enfim, só de pensar o governo que nos temos e a quase que instranponível distãncia entre a demagogia que nos vivemos e a verdadeira democracia.

Ainda temos muito o que sofrer.

Nos não temos nenhuma resistencia mesmo que cultural organizada, como cursos, instituições, movimentos politicos (hoje quem é de direita no Brasil?).
Exigir uma matéria dessas em um curso universitário, só pode ser uma piada.

Perto da minha casa, existe um velho sobrado, sempre que passo por ali, vislumbro um local para que sejam ministrados cursos com iformação realmente crucial para que possamos formar mesmo que organicamente uma elite intelectual, sem isso, com todo o dinheiro que o PT investe e recebe, com todo o aparato midiático comprado pelo partido, nos nunca iremos sair desse estado de coisas.
Pensar infimamente é melhor do que não pensar em nada.

Quando penso no governo Obamista de Washington (que irá acabar com a segunda emenda não levará tempo), fico mais atemorizado pois mesmo o norte-americano com toda cultura libertária que possuí conseguiu eleger praticamente um antiocristo para sua nação. Nação essa que deveria ser considerada um bastião da cultura libertária no mundo.

Para onde estamos indo?

Att

Responder
Aex 09/05/2014 22:25:03

Prezado Kondde,

o perfil da população americana mudou muito do que era quando escreveram sua constituição. Os que votaram no Obama são, em sua maioria, imigrantes que fugiram de seus países de origem pois não tinham coragem de lutar contra seus dominadores. Chegaram aos EUA e mantiveram sua forma de pensar de colonizados.
O resultado é este, eleição do Obama, desgoverno no Congresso e aumento da desigualdade. Os EUA estão cada vez mais parecidos com republiquetas sul-americanas, Brasil incluso.

Responder
Rodrigo Amado 10/05/2014 11:52:41

Essa explicação do declínio da liberdade nos EUA também me parece bem sensata.
Já li em muitos lugares que há algumas décadas os EUA recebiam hordas e mais hordas de imigrantes. Isso, obviamente tem um impacto cultural na sociedade.

Recentemente mesmo li um artigo em que fica demonstrado que existem MUITOS imigrantes que saíram dos seus países e foram viver nos EUA:

maldadedestilada.wordpress.com/2014/05/09/empreendedores-mortos-no-ninho/

O problema dos imigrantes é que eles fogem dos seus países sem discernimento do "porquê" os seus países serem tão horríveis à ponto de que eles tenham que fugir.
Muitos devem pensar que em seus países de origem as coisas eram ruins apenas porque os governantes de lá é que eram ruins.
Sem atentar para o fato de que o estado é que é o mal.

Daí, concluem, erradamente, que como as coisas nos EUA funcionam muito melhor do que nos seus países podres de origem é possível deixar os EUA "ainda melhor" aumentando-se o welfare state cada vez mais e mais, e à cada nova geração a coisa vai piorando cada vez mais. E essas hordas de idiotas úteis que votam em cada vez mais bem estar social ficam bem confusas ao perceberem que quanto mais medidas de bem estar social são adotada mais aumenta o mal estar social.

Responder
anônimo 10/05/2014 02:35:53

Pra onde estamos indo? Seasteading.

Responder
Henrique Mareze 02/01/2013 13:56:24

É bom para os políticos terem carneirinhos ingênuos... Carneirinhos armados não é uma boa ideia.

Responder
Philippe Leite 02/01/2013 14:15:12

Sou completamente a favor do direito ao cidadão de ter/portar armas de fogo, mas só é útil para se defender contra bandidinhos de meia-tigela. Em se tratando de se defender contra governos tirânicos, acho que não faz diferença alguma estar armado ou não. Uma pessoa comum com uma pistolinha mixuruca não vai conseguir se defender de fuzis e metralhadoras.

Responder
Jonathan Madurkas 02/01/2013 14:26:13

E quem está defendendo o uso apenas de "pistolinha mixuruca"?

Outra coisa: você realmente acha que mesmo uma população armada apenas com pistolinhas mixurucas já não impõe um certo temor nos agentes estatais? Eu não visualizo famílias inteiras sendo retiradas de suas casas e mandadas para campos de concentração caso seus integrantes possuíssem pistolinhas mixurucas. Não só haveria muita resistência, como os próprios burocratas seriam bem mais temerosos. E o motivo é simples: ao contrário do que você parece imaginar, burocratas estatais são pessoas medrosas e covardes. Elas só atacam quando têm a certeza de que ganharão sem baixas e sem risco de danos físicos.

Essa sua postura é perigosa. Ela leva a conclusão de que, já que atualmente só é permitido o porte de um .38, então não faria mal algum o governo banir também esse direito, dado que um .38 é uma "pistolinha mixuruca". O próximo passo é banir a venda de facas. Depois, de automóveis. E você estará lá dizendo: "Ah, não faria diferença nenhuma, mesmo..."

Responder
anônimo 02/01/2013 14:46:37

'E quem está defendendo o uso apenas de "pistolinha mixuruca"?'

Ninguém está, mas na prática é o que vai acontecer
Sabe quanto custa um drone?

Responder
Daniel Flores 04/01/2013 04:01:12

Anônimo, um fuzil de assalto calibre custa menos que um smartphone (ou custava, sofreu um aumento de preço momentâneo pela grande demanda gerada pela ameaça de banimento do Obama).

Um drone é muito caro mas não coleta impostos para auto-pagar sua construção e operação. E um cidadão com um fuzil de assalto não vai pagar caso a merda atinja o ventilador. Simples assim.

Outra coisa, RPGs, mísseis e "technicals" (canhões leves ou metralhadoras pesadas em pickups) são baratos e efetivos. E vale lembrar que uma insurgência armada NÃO é o equivalente a uma guerra assimétrica país X país. Os pró-governo perdem meios (de combate, produção e financiamento) no processo e correm contra o relógio.

Finalizo com um comentário rápido: já checaste as condições de defesa das bases aéreas e de tanques do Brasil? Qualquer grupo de insurgentes com fuzis e granadas medianamente treinados toma uma base dessas com um golpe de mão e inutiliza ou captura os equipamentos.

Responder
Philippe Leite 02/01/2013 14:48:10

O problema é que a maioria da população, principalmente no Brasil, só teria poder aquisitivo para comprar armas portáteis, por isso digo que não faria diferença. Duvido muito que soldados/policiais com ordens pra matar teriam medo de invadir uma casa com o dono portando uma pistolinha. Minha opinião.

Responder
Guilherme Marinho 02/01/2013 15:21:52

Philippe, mas há de concordar que o risco é maior de invadir uma casa com "pistolinha" do que sem nada. Assim como é mais difícil invadir um local extremamente armado do que com uma "pistolinha".

Antes ela do que nada.

Responder
Gabriel 02/01/2013 16:18:34

Vocês já ouviu falar da Revolta de Warsaw Ghetto?

www.ushmm.org/outreach/en/article.php?ModuleId=10007745

Um pistolinha faz diferença. E muito.

Responder
Philippe Leite 02/01/2013 16:41:10

Guilherme,

Sim, concordo contigo. É melhor uma pistolinha do que nada, mas se o governo quer te exterminar, seja porque motivo for, as chances de você escapar da morte são pequenas.
A única saída viável ao meu ver é o refúgio.

Imagine uma situação em que 10 soldados altamente treinados e bem armados e com ordem pra matar você e sua família cercam sua casa. A não ser que você seja um super herói Rambo de filmes, o máximo que você pode fazer é mandar 1 ou 2 pro inferno. Mas no fundo você já sabe que está morto. É esse meu ponto.

No que se refere a proteção contra bandidos comuns, a pistolinha mixuruca é extremanente eficaz !! rsrsrsrs


Saudações fraternais.

Responder
Ricardo 02/01/2013 16:55:35

Discordo. Imagine um bairro de judeus na Alemanha da década de 1930. Embora de fato seria fácil para o governo nazista invadir um apartamento, como ele faria isso para todos os apartamentos de todos os prédios de todo o bairro? Dado que toda a vizinhança estaria armada, quem garante que os vizinhos não formariam uma resistência?

Como perfeitamente lembrou o leitor Gabriel acima -- e como já havia sido discutido neste artigo -- foi uma pistolinha mixuruca que salvou vários judeus num gueto em Varsóvia.

Responder
anônimo 02/01/2013 17:03:23

Ricardo, infelizmente o poder do governo hoje não é o mesmo que ele tinha nos anos trinta.

Responder
Fran Lorenzon 03/01/2013 16:22:25

Bem, certamente a cada soldado derrubado, seria mais uma arma pesada na mãos de civis. No Egito, os militares em desacordo com o governo de murabak, fugiam com seus equipamentos, desviavam armas e munição e treinavam os civis.
Uma arma leve é melhor que nenhuma.

Responder
Tiago RC 02/01/2013 17:50:20

Phillipe, se alguém (governo ou não) quer matar especificamente você, e esse alguém não se preocupa muito com eventuais conseqüências posteriores ao ato, então sinto muito cara, mas você vai morrer. Você só teria chances de sobreviver se descobrir a intenção dessa pessoa antes, e conseguir fugir ou matar o teu algoz antes que ele te mate.

Infelizmente é muito fácil matar uma pessoa. Basta vigiar, esperar o momento certo e atacar.

Armas são úteis para se proteger de bandidos que só querem roubar alguém, por exemplo, mas não necessariamente matar um indivíduo em específico.

E o artigo não fala de assassinatos cujos alvos foram escolhidos a dedo. Fala de assassinatos em massa. Não é a mesma coisa.

Pense por exemplo naquela desocupação daquele bairro que fez notícia faz algum tempo, onde houve vários relatos de abuso de violência policial. Agora imagine a mesma coisa com metade dos moradores do bairro armados. No mínimo a polícia mudaria para uma estratégia mais pacífica, não acha?

Responder
Renato Souza 03/01/2013 20:28:05

Tiago

Aquele "bairro" era uma invasão, e os donos legítimos da terra haviam ganho na justiça uma ação de desocupação. A suposta violência da polícia foi uma fraude inventada pela Agência Brasileira de Notícias (que inclusive inventou vários "mortos" que depois foram entrevistados).

Antes que alguém cite o princípio do usocapião, os donos ganharam a ação na justiça justamente por terem movido a ação judicial tempestivamente.

Responder
Luis 03/01/2013 09:15:46

"Imagine uma situação em que 10 soldados altamente treinados e bem armados e com ordem pra matar você e sua família cercam sua casa. A não ser que você seja um super herói Rambo de filmes, o máximo que você pode fazer é mandar 1 ou 2 pro inferno. Mas no fundo você já sabe que está morto. É esse meu ponto."

Aposto que os 8 soldados que sobraram irão pensar duas vezes antes de atacar a casa do seu vizinho. É como quando você esta na escola e o garoto grandão começa a lhe ameaçar. Você corria ou ficava para apanhar? Se você corresse você se tornaria a chacota da escola para sempre. Mesmo sabendo que iria apanhar a maioria ficava. Não se trata de vencer, se trata de dizer que você não aceitará aquilo. Infelizmente temos cada vez mais pessoas que escolhem correr.

Responder
Pedro Neto 02/01/2013 16:30:05

Mas acho que uns 50 milhões de "pistolinhas mixurucas" faz diferença, né.

Responder
Alan 03/01/2013 16:54:01

O fato de uma pistolinha poder matar, ja é um motivo para ter uma. Se você vai morrer ou não, não importa, só o motivo de criar uma resistência ja é valido.

Responder
anônimo 25/09/2013 12:11:22

se sei que vou ser levado para um campo de concentraçao essa pistolinha vai fazer estrago nos agentes do governo
todo desarmamento na historia da humanidade era para cometer atrocidades e genocidios
por tanto que toda populaçao armada duvido que um governo safado vai querer meter a cara sabendo que vai encontrar resistencia

Responder
Wasabi 30/04/2014 18:00:03

É só ver como foi a pacificação das favelas.

Ou a invasão do Iraque.

Responder
Nelson de Azevedo Neto 03/01/2013 20:53:50

Caro Philippe, você ficaria surpreso o que um cidadão astuto numa luta pela sobrevivência pode fazer com uma "pistolinha mixuruca"... Na verdade, na hora do sufoco, até uma caco-de-vidro ou um tijolo embrulhado pra presente já quebraria o galho para se preparar um ardil na tentativa de se apossar de um fuzil ou uma submetralhadora de um agente tirano/opressor... Mas, é claro, que com uma com pistolinha mixuruca "em mãos de mentes hábeis", tornaria a empreitada bem menos arriscada... Mas, felizmente, tenho a certeza que, pelo menos aqui no Brasil, o Povo (leia-se: os bons cidadãos) não ficaria totalmente desassistido por parte da maioria das nossas Forças Armadas, ou mesmo de boa parte das nossas Forças de Segurança Pública, caso o um GOVERNO TIRANO tentasse rasgar completamente a nossa Constituição Federal para implantar um regime autoritário e/ou totalitário... Afinal, as nossas FAs são guardiãs dos institutos democráticos, e tanto os militares quanto policiais civis também são POVO, além de cidadãos contribuintes... E, na atual conjuntura, duvido que houvesse uma adesão majoritária por parte dos membros destes aparatos de estado há uma empreitada governamental nefasta que levasse ao TOTALITARISMO... Novos Tempos, meus caros!... E, nestes novos tempos, até os militares preferem uma democracia... MAS, em contrapartida, e como a maioria de Nós, JAMAIS aceitarão de bom grado uma (pseudo)democracia "engana e explora trouxas" como esta a que estamos vivenciando desde promulgada a CF de 88... POIS JÁ BASTA DE NOS CUVARMOS A TIRANIA DOS CANALHAS... AMÉM!

Responder
Neto 02/01/2013 14:48:30

Primeira arma feita numa impressora 3d
O negócio é correr antes que os governos tornem impressoras 3d ilegais

www.extremetech.com/extreme/133514-the-worlds-first-3d-printed-gun

Responder
Bruno 02/01/2013 15:01:10

Deixa as impressoras virar moda no Brasil. No minimo eles vão querer regulamentar, a manira de usar.

Responder
Ferdinand araujo 02/01/2013 15:01:51

Para a defesa da liberdade até bacalhau velho já foi usado contra governos tirânicos camaradas imaginem pistolinhas .38!

Responder
Pedro 02/01/2013 15:05:56

Sou a favor do desarmamento.

Responder
Jonathan Madurkas 02/01/2013 15:25:37

Pois então experimente vir aqui em casa tomar minhas armas. Prometo entregar a você toda a minha munição. Bala por bala.

Responder
Pedro 02/01/2013 17:16:30

Liberar as armas? Ainda mais num país como o Brasil? Vc quer que esse país entre em guerra civil?

Responder
Jonathan Madurkas 02/01/2013 17:29:30

A guerra civil já existe no cenário atual, em que o cidadão decente é proibido pelo governo de portar armas (e, consequentemente, só os bandidos podem fazê-lo). Segundo as estatísticas, são 50 mil homicídios por ano (segundo o jornalista espanhol Luis Mir, de esquerda, são 150 mil).

Em estados como Alagoas, a população está totalmente desarmada e a taxa de homicídios por 100.000 habitantes é superior à do Afeganistão (o que significa que é mais seguro passar férias em Cabul do que em Maceió).

Se você defende manter tudo como está, é você quem tem de prestar contas -- em vez de ficar com essa afetação de espanto e elitismo, deixando implícito que pais de família armados sairiam fazendo chacina pelas ruas. Acorda para o mundo real, Pedro.

Responder
Pedro 02/01/2013 18:28:49

A cultura do brasileiro em todas as cidades, especialmente nas regiões mais atrasadas, é da valentia, de querer matar por qualquer besteira. Uma discordância no futebol, olhar para a mulher do outro, etc. e outros motivos absolutamente banais geram milhares de assassinatos no Brasil todos os anos. Facilitar o acesso dessa população, que pensa como bicho, infelizmente, às armas, só iria fazer a taxa de homicídios crescer exponencialmente. Por isso acho que é uma ideia totalmente tresloucada cogitar mais armas nas mãos dos brasileiros. O que é preciso é menos tolerância com armas de fogo e desarmar a população.

Responder
Jonathan Madurkas 02/01/2013 18:38:14

Mais elitismo e estupidez de sua parte. Brasileiros são "bichos atrasados" que "matam por qualquer besteira". Só você que é a doçura e delicadeza em pessoa.

Qual cidadão decente que você conhece que age "como bicho atrasado" e que "mata por qualquer besteira"? Todos que eu já vi agirem assim são bandidos, justamente os únicos que têm acesso a armas de fogo no atual arranjo que você defende. Todas as pessoas com quem convivo são cordatas, cultas e educadas, e todas estão involuntariamente desarmadas. Baseado em quê você diz que elas virariam bichos?

Aliás, como estão seus esforços para proibir o automóvel? Esse também mata e de fato transforma muita gente impotente em bicho quando está atrás do volante.

Responder
anônimo 02/01/2013 18:47:47

Um cara desses que mata por qualquer besteira não precisa de arma pra isso.
Coisa mais comum é matar com faca mesmo. E aí, vamos proibir as facas de cozinha também?

Responder
Ak47 02/01/2013 19:48:48

Todas as pessoas que conheço que parecem bichos são comunistas.

E eu estou falando muito sério.

Responder
Pedro 02/01/2013 22:29:37

Jonathan, acabo de crer que vc vive numa bolha. Vc julga que todos os brasileiros agem e pensam como as pessoas do seu círculo social, acha que todos são "educadinhos", "riquinhos", com cara de europeu, vivem em condomínio e estudaram em escola particular. Vc não conhece o Brasil, vc não conhece o povo brasileiro. Saia do seu mundinho e venha para a realidade. O Brasil é muito diferente dos países europeus para os quais vc viajou para fazer intercâmbio ou turismo internacional.

Responder
Jonathan Madurkas 02/01/2013 23:28:32

Meu caro Pedro, largue de arrogância. Era só o que faltava, um sujeito qualquer que não tem a mínima noção de quem eu seja vir aqui dizer que conhece detalhes íntimos de minha. Eu nem deveria, mas vou falar: moro em um bairro de classe média em uma pequena cidade do interior de MG. Para os padrões do sudeste, a minha vizinhança seria considerada pobre. Ela é majoritariamente formada por pessoas rústicas, que mal completaram o ensino médio. Estão longe de serem "educadinhos", "riquinhos", "com cara de europeu", e tampouco "vivem em condomínio e estudaram em escola particular".

Embora este seja meu mundinho, tive a boa sorte de ser um homem de posses e, talvez por morar em uma cidade do interior, onde tudo é mais barato, tive a possibilidade de viajar boa parte do Brasil. As pessoas e faces mudam de acordo com a região, mas repilo por completo essa sua inferência -- completamente elitista -- que diz que apenas indivíduos "educadinhos", "riquinhos", "com cara de europeu", e que "vivem em condomínio e estudaram em escola particular" podem ter armas sem saírem cometendo chacinas.

Acho que quem vive em uma bolha é você, e quem tem desprezo pelas classes sociais mais baixas é você, que os vê com "bichos" incapazes de assumirem responsabilidade caso tenham uma arma em mãos.

Embora seja uma postura lamentável, aplaudo sinceramente sua coragem em manifestá-la, pois se trata de uma opinião pra lá de politicamente incorreta.

Saudações.

Responder
Renato Souza 03/01/2013 20:45:29

Pedro

Como você explica então que TODOS os países onde os civis podem portar armas livremente, tem uma taxa de homícidios (por 100.000 habitantes) menor que a nossa? Seria o brasileiro um sujeito de natureza pior que todos os outros seres humanos do mundo? Note que, fora os funcionários de empresas de segurança, quase nenhum civil no Brasil tem uma arma legal. Entretanto, se estas armas legais em posse de civis são, supostamente a "causa" da violência, os nossos índices de violência deveriam ser os menores do mundo.

Note que há várias décadas atrás, no início do século XX, qualquer pessoa podia ter uma arma, fosse revolver ou espingarda, e a taxa de homicídios era muito menor que hoje. Como explicar isso? Note que na Inglaterra, há algum tempo, a taxa de homicídios era muito baixa, e o porte de armas permitido. Hoje nenhum civil pode portar uma pistola, legalmente, mas a taxa de homicídios cresceu.

Será que a disposição briguenta dos brasileiros não advém justamente do fato do uso das armas ser incomum e ilegal?

Além disso, todos os genocídios do século XX (estamos falando de talvez quase 200.000.000 de pessoas) foram efetuados contra populações totalmente (ou quase totalmente, o que dá na mesma) desarmadas. Pense nisso: As piores atrocidades do século XX não teriam acontecido sem o desarmamento civil (ou teriam acontecido em grau muito menor). Isto não é motivo suficiente para ser a favor do porte de armas por civis?

Responder
anônimo 03/01/2013 21:03:45

Renato, o Pedro explicaria falando que esses países tem educação de país europeu.

Responder
Renato Souza 05/01/2013 17:10:32

Anônimo

Então eu responderia ao Pedro que o Brasil, há 70 ou 80 anos, tinha uma alta taxa de analfabetismo, e uma taxa de homicidios bem menor que hoje. Não existe relação direta entre escolaridade e Homicídios.

Responder
Tory 02/01/2013 18:42:53

Sua solução só iria garantir que qualquer um possa morrer nas mãos de um PM bêbado, um filho de político irritado no trânsito, ou um bandido (já que, por definição, bandidos não respeitam leis, especialmente as de porte de armas) em qualquer situação. Exatamente o que acontece hoje, e não é por facilidade de civis portarem armas legalmente.

Responder
Tory 02/01/2013 17:32:16

E se entrar você quer que só o lado dos bandidos esteja armado? Não vale citar a proteção do estado, afinal, ele está sob o controle dos bandidos.

Responder
Kondde 02/01/2013 17:38:17

O brasil já esta em guera civil.. É só questão de contar,

Tomamos um exemplo atual, a guerra civil na síria matou até a gora 45 mil civis.

Aqui no brasil, o reino do politiacamente correto, onde a cada massacre no terrivel inundam-se criticas ao regime do cidadão poder portar armas e se defender, nos EUA onde as armas são liberadas morre em 10 anos na cidade de newton 28 pessoas contanto com o massacre na escola, aqui em 10 anos morreram MEIO milhão de pessoas.

Uma cidade com um pais não é comparação muito correta, então voltemos ao exemplo da síria:

Na síra como foi dito morreram até a gora 45 mil pessoas, aqui em um ano morrem praticamente uma média de 50 Mil pessoas,

Afinal estamos ou não em guerra civil?


Att

Responder
Kondde 02/01/2013 17:29:15

Pedro,

Todos nos temos o direito de não usar ou de usar armas, ou alías, deveríamos ter eesse direito. O problema principal não é em relação ao desarmamento em si, afinal você tem o direito de manifestá-lo não usando armas.

O problema é a coerção do estado em não deixar você usar armas e garantir o seu direito de defesa, afinal para defesa, não é direito e sim a obrigação que um pai de família ou cidadão de bem de se defender não só a ele mesmo como a sua comunidade.

Eu espero que você nunca se arrependa da revogação ao direito de se denfender que voce se impôe.

Att

Responder
Ak47 02/01/2013 17:28:43

Desculpe a ignorância, mas uma parte do artigo diz que um grupo de Judeus era a favor do porte de armas e etc.

Mas os Judeus não são conhecidos por estarem entre os governos? Eu li certo livro uma vez que disse que o movimento comunista tinha origem no judaismo e que 75% do governo da URSS era de composto por Judeus.

E tem uns vídeos do David Duke no Youtube que diz que o governo do EUA é lotado de judeus.

Esse vídeo:


Por favor não digam que sou anti-semita pq isso é coisa de gente burra. Eu só quero saber sobre a veracidade desse vídeo, se alguém puder me ajudar eu agradeço.

Responder
Costa-Gavras 02/01/2013 17:35:46

Judeus não são um grupo monolítico. Um judeu ortodoxo que anda com uma metralhadora nas costas não tem absolutamente nada a ver com os judeus progressistas e politicamente corretíssimos que moram no Upper East Side de Manhattan, que defendem aborto, gayzismo, desarmamento e vivem à base de Prozac.

Essa generalização é irracional. Existem vários judeus ortodoxos antisionistas, por exemplo.


Responder
Kondde 02/01/2013 17:44:51

Boa!

Responder
anônimo 24/11/2014 10:54:53

Lotado de judeus ou não, o fato é que os EUA dão milhões de dólares do taxpayer americano, todo ano, pra Israel.E que os EUA protegem Israel sob todas as circunstâncias, quando tem alguma resolução da ONU contra Israel é sempre o voto dos EUA que barram a coisa.

Responder
anônimo 02/01/2013 17:42:24

Você encontra judeus em todos os grupos, uns são pró governo, outros contra, uns são pró armas, outros contra, etc
Escola de Frankfurt, marxismo cultural total, a maioria ali é de judeus
Já nos libertários, Peter Schiff, Rothbard, Mises, Patri Friedman, também são judeus

Responder
Renato Souza 03/01/2013 21:00:23

O judeus não poderiam ser 75% do governo da antiga URSS, mesmo porque este governo (e mais ainda, o partido que mandava nele) continha dezenas de milhões de pessoas. Muitos membros do governo (inclusive alguns importantes) eram judeus, mas certamente a grande maioria não era. A imensa maioria dos judeus da antiga URSS não só não pertencia ao governo, como era perseguida por ele. Uma enorme quantidade deles queria emigrar, e muitos deles foram cabeças de movimentos de resistência contra o governo soviético.

Mas creio que conheço alguns dos motivos desse mito. Judeus normalmente tem um nível de educação e cultura superior ao das populações entre as quais vivem. Por isso, normalmente se destacam nas mais diversas áreas de atuação (ciências, artes, literatura, indústria, comércio, jolheria, profissões liberais, medicina, advocacia, ensino, etc). Num regime de estado pequeno, a imensa maioria dos judeus proeminentes, estará na iniciativa privada. Num regime de estado grande, a massa de funcionários públicos é enorme. Pessoas muito dedicadas ao estudo, como os judeus, ascenderão aos cargos mais altos em proporção maior que outros grupos.

Responder
anônimo 03/01/2013 21:11:49

'Mas creio que conheço alguns dos motivos desse mito. Judeus normalmente tem um nível de educação e cultura superior'

Opa, muita calma nessa hora, educação pode até ser, mas cultura, nenhuma cultura é superior não.Achar isso é um atestado de arrogância gratuita.

Responder
Ricardo 03/01/2013 21:28:54

É claro que existem culturas superiores e inferiores. Que bobagem é essa de dizer que não? Esse câncer do politicamente correto ainda vai dizimar o mundo. Você por acaso vai dizer que a cultura ocidental é idêntica à cultura africana? Qual foi a contribuição positiva e duradoura da áfrica para a humanidade? Quanto besteirol...

Responder
Fernando Soares 27/01/2013 20:29:44

Não creio em culturas superiores e inferiores, até porque culturas não são estáticas, mudam com o tempo. Não, uma é a "cultura ocidental" e a a outra é a "cultura africana", logo são diferentes. Só pra citar uma contribuição, a própria humanidade, que nasceu na África.

Responder
Renato Souza 07/03/2013 09:15:20

Até teria sentido você dizer que não sabe se uma cultura é superior ou inferior a outra, ou dizer que não é possivel conhecer essa informação, ou dizer que agregar tanta informação num único rótulo não tem sentido. Faria sentido, mas discordo. Embora seja impossível criar um critério absoluto para "medir" o valor das culturas, há muitos aspectos importantes que são comparáveis, e assim a grosso modo, muitas vezes é possivel emitir uma opinião sobre a superioridade de uma cultura específica sobre outra.

Mas quando você diz que não há culturas superiores e inferiores, fica parecendo que você está afirmando que elas são todas iguais em valor, o que é uma opinião impossível de ser embasada.

Responder
Fernando Soares 27/01/2013 20:31:03

Acho que você interpretou errado o significado de cultura nesse caso. Está mais para conhecimento

Responder
anônimo 11/02/2013 12:33:27

Mesmo assim ainda tem a ver com cultura. A cultura brasileira por ex não incentiva ninguém a buscar ou criar conhecimento, é só futebol cerveja carnaval e putaria.

Responder
Nilo BP 24/11/2014 00:55:28

Não, é cultura mesmo.

Digamos que alguém diga que sua mãe é uma meretriz. Agora, qual das seguintes atitudes culturais você acharia superior como resposta a esse insulto:

1) Matar o sujeito;
2) Matar a família do sujeito;
3) Xingar a mãe do sujeito;
4) Ignorar o sujeito.

Você teria a cara de pau de dizer que não podemos comparar a cultura #2 desfavoravelmente à cultura #4?

Sim, eu sei, culturas são mais complexas que isso. Algumas atitudes culturais podem ter vantagens e desvantagens. Outras são triviais. Mas existem várias que podem muito bem ser julgadas e comparadas por critérios praticamente universais.

E note que não estou advogando a "missão civilizadora do homem branco" ou coisa do tipo. Não seja aquele esquerdista da fallacia ad hitlerum.

Responder
Servidor Federal 02/01/2013 19:57:11

Eu tenho a impressão de que essa campanha de desarmamanto no brasil atinge mais os pobres, que moram em bairros populares. A maioria das pessoas que eu conheço que tem boas condições tem armas em casa. A idéia do desarmamento não foi bem aceita pela população. Basta conversar com conhecidos. Sei que o governo não se cansará de promover o desarmamento, mas enquanto eu puder eu sempre defenderei o direito de todos portarem armas. Eu não confio nos políticos brasileiros, confio menos ainda no PT. Nada me tira da cabeça que o objetivo do PT é implantar no brasil o Socialismo nos moldes na URSS. Uma união latino americana de repúblicas socialistas. Aí será um salve-se quem puder. Infelizmente a esquera venceu no brasil. Não é derrotismo. É o que eu vejo nas redes sociais. Todos apelando pelo fortalecimento do estado. Apontam os problemas criados pelo estado e apontam o estado como solução.

Responder
Fran Lorenzon 03/01/2013 16:57:29

"Apontam os problemas criados pelo estado e apontam o estado como solução."

Nunca vou entender isso....

Responder
Dalton C. Rocha 02/01/2013 23:59:54

Lista de governantes que impuseram leis de desarmamento aos seus povos, apenas nos últimos cem anos: Lenin, Stalin, Hitler, Mussolini, Mao Zedong, Pol Pot, Idi Amin, Ceausescu, Mobutu, etc.
No Brasil, o desarmamento foi imposto aos índios e aos escravos negros, antes mesmo da República ser proclamada, em 1889. E sob a República, três governantes fizeram leis de desarmamento do povo brasileiro: Getúlio Vargas, FHC e Lula.

Responder
void 03/01/2013 00:11:17

De políticos é compreensível que sejam contra as armas em mãos populares, mas o que eu não entendo são os idiotas úteis que defendem isso. Pessoas que guardam algum tipo de medo, ou sentimento emotivo. Parecem animais adestrados, daqueles que creem que quem bate é o chicote, nunca a mão do seu senhor. É puro preconceito, pois muitos desconhecem, simplesmente, o que é uma arma: apenas um objeto que lança projéteis, como um arco, um estilingue ou mesmo uma mão que joga pedras ou dá pauladas.

Responder
void 03/01/2013 15:05:16

Agora vejam esta notícia.

www.estadao.com.br/noticias/internacional,tres-mulheres-sao-mortas-em-tiroteio-em-vilarejo-suico,980140,0.htm

Eu me perguntom, qual o sentido de colocar na matéria tal informação: "A posse de armas é generalizada na Suíça e eleitores rejeitaram uma proposta em fevereiro de 2011 para endurecer a legislação liberal no país."?

Pura tentativa de incutir um sentido negativo ao porte de armas.

Veja bem a relação que ele tenta criar: Tiroteio/Mulheres mortas/porte de armas livre. A mídia dá, ao estado, a própria corda com qual serão enforcados.

Responder
Nilo BP 25/11/2014 00:36:35

Se alguém aqui gosta de jogar, Deus Ex: Human Revolution é feito quase completamente do tipo de teoria da conspiração "marginalmente plausível" que você pode encontrar, por exemplo, no LewRockwell.com.

Minha parte favorita é quando o protagonista infiltra o prédio de um conglomerado de mídia. Um ambiente corporativo perfeitamente "normal" em que as pessoas trocam e-mails discutindo como deixar um artigo o mais enviesado possível, e outras táticas baixas de desinformação. É impagável. A única diferença é que o objetivo deles é "regular" próteses cibernéticas ao invés de armas de fogo.

deusex.wikia.com/wiki/Picus_TV

"The basement turns out to be a secret bunker run by the Illuminati. Here, evidence can be found on computers and in studios that the station is engaged in a propaganda campaign against Augmentation rather than journalism, with emails detailing everything from deliberately using loaded language to wholesale falsification of stories using advanced digital image manipulation technology."

"Picus' newsroom seems to be entirely modeled after the New York Times newsroom."

Além de ter uma história deliciosa para quem não agüenta mais a propaganda estatista, é um jogo muito bom. Recomendo.

Responder
anônimo 25/11/2014 10:15:08

Rapaz, o blog do Lew Rockwell não tem teoria da conspiração nenhuma, aquilo lá é coisa séria, não é coisa de olavetes.

Responder
void 03/01/2013 00:30:15

Recado do nosso amigo Steve Lee:

https://www.youtube.com/watch?v=IXYZItcm2vE

Responder
Gustavo BNG 03/01/2013 02:27:34

www.youtube.com/watch?v=IXYZItcm2vE

Responder
Dam Herzog 03/01/2013 02:18:23

O direito a auto defesa.
"Quando portar armas for contra a lei, apenas quem não respeita a lei estará armado"
"Igualdade: Não existe quando apenas um dos lados estiver armado." Gostei das frases.
Porque Hitler não invadiu a Suiça se ela era pequena e fraca? Armas para a auto defesa. Porque os paises cujas populações são as mais armadas é onde o indice de criminalidade é o menor do mundo? Muitos homens batem na mulher, mas mesmo bebados respeitam o Paulão.
Aos poucos eles vão tomando conta do Brasil,com a anuencia da Globo, da Record e da imprensa em geral,e veja eles adoram um ditador, Lula era chegado num ditador ex: presidente do Irã, do Fidel Castro, Chavez, Pol Pot: ditador bom é aquele que está debaixo da terra.José Dirceu este do Mensalão gostava de passar fim de ano e ferias em Cuba, adorava o Paraiso Vermelho de sangue do carrasco cubano. Existe até um livro: Death by Government - R. J. Rummel - Google Books que relata o quanto e onde estes ditadores mataram milhões de pessoas. O Governo mata, basta não obdecer, em nome de seu amor ao povo e para defender os humildes. Existe até um livro: Death by Government - R. J. Rummel - Google Books, que relata a atrocidades deste ditadores mundo afora. Eu pensava que havia o Holocausto Russo, da China, Nazista, Cubano, mas não sabia que Havia o Holocausto Turco (pobres aramenios desarmados.Concordo com o que disse o Servidor Federal: Eu não confio nos políticos brasileiros, confio menos ainda no PT. Nada me tira da cabeça que o objetivo do PT é implantar no Brasil o Socialismo nos moldes na URSS. Uma união latino americana de repúblicas socialistas. Aí será um salve-se quem puder. Infelizmente a esquerda venceu no Brasil. Não é derrotismo. É o que eu vejo nas redes sociais. Todos apelando pelo fortalecimento do estado. Apontam os problemas criados pelo estado e apontam o estado como solução. E até quem sabe possamos comvencer ao Pedro que ele tem direito a vida.Um dia eles entraram no nosso quintal e nós não fizemos nada. Outro dia eles entraram no nosso quintal e roubaram as nossas flores e nós não fizemos nada nada.Outro dia entraram na nossa casa e não fizemos nada porque não tinhamos feito nada antes.É isso ai gente,vamos parar de não fazer nada, feito uma cachorro adestrado. Enfim armemos uns aos outros.

Responder
toni 03/01/2013 15:55:10

Até Aristóteles se não me engano no livro "A Politica" descreve algo parecido como essa, uma frase para os governos "Empobrecer os civis a ponto que, não tenham dinheiro para possuir armas ou um grupo organizado armado" era algo assim a frase que estava no livro. Outra frase que tinha eu não lembro também era que o governo tinha que tipo "inventar" alguma coisa para botar terror nos civis, assim eles sempre ficariam em alertas e sempre o governo dava aquele ar que estavam "protegendo" eles, nunca poderia haver muito tempo de paz, e quando tinha, tinha que ser inventado alguma história para assustar o povo.

Responder
Cleiton 03/01/2013 16:49:32

https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=V9Z4XT1ieAk

Responder
Servidor Federal 03/01/2013 17:34:19

População da Finlândia é a terceira mais armada no mundo, diz pesquisa
www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u447974.shtml

"Pela Lei de Armas de Fogo da Finlândia, de 1998, civis com idade acima de 18 anos podem manter armas para a prática de esportes, caça ou para coleção. Com o consentimento dos pais, a posse para esses propósitos pode ser autorizada, inclusive, a maiores de 15 anos. Nos dois casos, não há limite para compra de munição."

Pelos argumentos dos que são contra a posse de armas, a Finlândia deveria ser mais perigosa que o Brasil.

Responder
Henrique 04/01/2013 06:40:24

Só não gostei da legenda da imagem, não condiz muito com os objetivos do Instituto ao meu ver.

Responder
Leandro 04/01/2013 07:40:17

"Não existe igualdade quando apenas um dos lados está armado."

O que há de errado com esta frase? Por que ela não condiz com os objetivos do IMB?

Responder
Henrique 04/01/2013 16:14:36

Ficou a impressão que igualdade é um ideal a ser alcançado, daí minha ressalva. Enquanto eu poderia concordar com a afirmação, igualdade é geralmente interpretada com outros sentidos, conflitantes com os ideais deliberdade.

Responder
Heisenberg 07/01/2013 04:01:05

A palavra igualdade poderia ser substituída por "justiça" ou por "paz" ou por "liberdade" mesmo.

Responder
Renato Souza 09/01/2013 10:52:02

Henrique

A igualdade no sentido entendido pelos primeiros minarquistas modernos: "igualdade de direitos". É evidente que, no atual sistema brasileiro, a cúpula do poder tem mais direitos que a maioria das pessoas.

Responder
anônimo 09/01/2013 11:40:00

Igualdade de direitos: os dois começam sem nada, só com o direito natural. Um é trabalhador e o outro é preguiçoso, logo um vai poder comprar armas e o outro não.

Acho que a frase ficava melhor se fosse: não existe igualdade quando só um lado TEM O DIREITO de andar armado.

Responder
Angelo Viacava 04/01/2013 08:58:38

Mais lógica, irretocável e apropriada, impossível, Henrique.

Responder
anônimo 14/04/2013 00:41:31

eu sou a favor do porte de armas,mas de pequeno porte como pistolas ou revólveres,mas eu sou contra a legalização de armas de grande porte,pois eu acho que quem quer essas armas,não são para defesa própria e sim para matar as outras pessoas,a pessoa pode muito bem se defender com uma arma de pequeno porte

Responder
Anônimo 01/05/2013 23:51:30

Criança mata irmã de 2 anos c/ arma oferecida:

expresso.sapo.pt/menino-de-cinco-anos-mata-irma-de-dois-com-arma-oferecida=f803985

Se tal caso explodir, preparem-se para defender a posse de armas.

Responder
Sérgio 03/05/2013 21:35:57

Isso não tem nada a ver com posse de armas. Os pais é que foram incompetentes e irresponsáveis por deixarem a arma ao alcance das crianças. Agora as armas são culpadas pela irresponsabilidade e incompetência dos pais? Era só o que faltava.

Responder
Anarcofóbico 04/05/2013 00:41:54

Eu vou além! Esses dias um menor pegou o carro de seu pai e atropelou uma criança! Isso é um absurdo, carros deveriam ser proibidos!

Responder
saoPaulo 03/05/2013 23:52:23

"Texas Dad Shoots and Kills 2 Armed Thugs to Protect His Family."
"Pai texano atira e mata 2 bandidos armados para proteger sua família."

www.khou.com/news/local/21-year-old-protects-family-kills-suspect-during-home-invasion-in-NW-Harris-County-192475271.html

Enquanto isso, no Brasil:

"Bandidos invadem casa e atiram em criança de 6 anos na Paraíba."

g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2013/04/bandidos-invadem-casa-e-atiram-em-crianca-de-6-anos-na-paraiba.html

Não se trata de defender o porte de armas por si só. No mundo perfeitinho das polianas ninguém agrediria ninguém, no máximo surras de pétalas de rosas, e não haveria a menor necessidade de armas de fogo. Agora, no mundo real, onde bandidos portam armas ILEGAIS, algumas vezes de uso que deveria ser exclusivo militar (Vai defender que o exército também não porte armas para evitar seu desvio para traficantes?), inclusive onde há a possibilidade do ataque de bandidos legalizados, conforme bem mostra o artigo, as pessoas (deveriam) têm sim o direito de se proteger! E não são argumentos sentimentalóides, como este, que vão mudar isso.

Além disso, uma das maiores idiotices da atualidade é usar objetos inanimados como bode espiatório.

O sujeito fica esquentadinho e mata alguém com arma de fogo? A culpa é da arma! Não importa se ele poderia ter atingido seu objetivo com uma peixeira ou uma simples faca de cozinha.

O sujeito é um alcoólatra que bate na família? A culpa é do álcool! Pouco importa que, na inexistência da bebida, sua falha de caráter provavelmente substituiria o álcool por algum outro vício.

Drogas destroem famílias? Não, imbecis drogados destroem suas próprias famílias.

Armas não matam pessoas, pessoas matam pessoas. Pais irresponsáveis, como bem apontou o Sérgio, matam seus filhos.

Além do mais, a probabilidade de uma criança morrer afogada em uma piscina domiciliar é cerca de 100 vezes maior que a de ela morrer por um acidente com arma caseira. Se tal fato explodir, prepare-se para defender as piscinas!

scienceblogs.com/deltoid/2001/07/27/levittpoolsvsguns/

Responder
Edson 30/04/2014 15:03:52

Lá eles podem ter arma ;)

Responder
Andre 30/04/2014 16:32:40

Nem sempre o desarmamento precede um genocídio, no Japão existe desarmamento, mas não parece que vá ocorrer qualquer genocídio nos próximos anos.

Só digo isso para explicitar que isso não é uma regra que sempre funciona.
Porém sou contra qualquer desarmamento, e acho que o ideal seria que a esmagadora maioria (só não digo TODA pois sem que nem todos querem se armar, e nem todos tem condições para isso) da população esteja armada até os dentes, o tempo todo.
Pois mesmo que não vá ocorrer um genocídio sempre tem um bandido aqui e ali que deve ser impedido de cometer crimes.

Responder
Martinez 30/04/2014 17:28:53

Lei essa que fez a alegria da Yakuza e das quadrilhas de jovens delinqüentes, que barbarizaram o país na década de 1990 (ver link abaixo).

Aliás, a lei do Japão é esquisita: você não pode ter um .38, mas a compra de rifles e espingardas é liberada, desde que você se declare caçador ou esportista.

en.wikipedia.org/wiki/Overview_of_gun_laws_by_nation

Responder
Marcos 30/04/2014 19:41:42

Isso vem acontecendo no Japão em outra perspectiva. Lá se discute o aumento dos investimentos militares por causa da ameaça chinesa. Não envolve indivíduos, mas a lógica é a mesma: se os japoneses estiverem desarmados ficarão a mercê de seu vizinho bem armado.

Responder
Emerson Luis, um Psicologo 30/04/2014 17:24:15


Os políticos e artistas também defendem o desarmamento dos seus seguranças particulares?

* * *

Responder
Régis 30/04/2014 17:42:19

Sei, e agora me digam como uma população civil sem treinamento militar portando armamentos leves poderia resistir a um exército bem treinado? Em qual país do mundo isso aconteceu?

Responder
Roesling 30/04/2014 17:49:03

Suíça.

www.mises.org.br/Article.aspx?id=975

Fato histórico e comprovado.

Responder
Régis 30/04/2014 22:43:11

Mas o caso da Suíça é diferente: lá o exército é o próprio povo, devido às suas necessidades de defesa e ser um país pequeno e historicamente cercado por vizinhos poderosos. Portanto, lá é o próprio estado quem treina e fornece armamentos aos cidadãos.

Responder
Angelo Viacava 01/05/2014 03:02:01

Roesling e demais leitores:

Só pra botar um pouco de água no chocolate dos suíços.
Não foi nos bancos suíços que foram depositadas riquezas roubadas pelos nazistas de suas vítimas?
Por que os nazistas, então, quereriam invadir a Suíça, se lá estava depositado parte de seu espólio de guerra?
A Suíça só precisava se defender de não-alemães.
Se os alemães ganhassem a guerra, era só ir aos bancos suíços e realizar um saque.
Admiro muito a autonomia da Suíça e de seus cidadãos, mas não será uma lenda bem contada esta história de cada suíço dar cinco tiros e ir para casa, acaso a Alemanha invadisse seu território? Isso seria realmente necessário?
É só um cisma que tenho com essa parte da História.
Quero muito estar errado.

Responder
Roesling 01/05/2014 03:59:40

Essa pergunta não pode ser séria.... Tipo, pode haver algum incentivo maior do que tomar o controle de um país cujo sistema bancário guarda o ouro do restante do mundo?!

Estando em posse desse ouro, Hitler teria financiamento quase que infinito para custear suas investidas belicistas. O mundo ficaria de joelhos perante ele.

De resto, para dirimir suas dúvidas, apenas veja as frases de Hitler sobre a Suíça, todas elas devidamente documentadas no livro sobre o qual fala o artigo.

Responder
Rodrigo Amado 30/04/2014 18:05:59

Além do exemplo da Suíça citado pelo Roesling, eu lhe respondo que:
Se a população estiver desarmada aí mesmo é que não terá NENHUMA chance de defesa.

Responder
Ricardo 30/04/2014 23:08:26

Exato, Rodrigo. Esse é o ponto que o idiotas não entendem -- ou fingem que não entendem.

Com a população armada, ao menos ainda há alguma chance de resistência. Ao menos algum temor ainda é instilado nos governantes (vide o recente caso de vaqueiros em Nevada que expulsaram burocratas do governo que foram lá para sequestrar o gado de um rancheiro com a desculpa de que o gado representava um perigo para as tartarugas de região).

Já uma população desarmada é facilmente feita de reféns por qualquer trombadinha adolescente com um .38 enferrujado. Uma vergonha.

Responder
Marcelo Almeida 01/05/2014 00:59:23

Gostaria de fazer um contra ponto no assunto. As armas modernas do exercito são desenvolvidas e compradas através do dinheiro do cidadão. Assim também os desenvolvedores (inventores) de equipamento bélico são pagos através de impostos. Já ficou bem evidente que para uma sociedade liberal existir, é necessário no mínimo semear a ideia em todos os setores. Os socialistas utilizam a mesma tática. Resumindo. Os gênios da criação de armamento deverão ter ideal libertário. Só assim, é possível imaginar que armas sofisticadas cheguem às mãos da população de bem. O mundo digital oferece uma fresta da solução para o cidadão adquirir armamentos modernos: Maquinas impressoras 3D. Não sejamos ingênuos. O bom e velho revolver 38 serve no máximo para espantar criminosos com mesmo calibre. Ironia para definir o máximo do que hoje nos é possível. Ineficaz para enfrentar grandes exércitos. O poder de fogo do ''três-oitão'' não intimida lideres políticos corruptos. Sonhar é necessário sempre, melhor ainda se o sonho seja dia a dia construído.

Responder
Carlos Prado 01/05/2014 02:30:52

Armas de calibre pequeno pelo menos já fazem um bom estrago. É uma reação que atrapalha os planos dos burocratas e os faz pensar um pouco antes de tomar tal medida. Com os dois lados armados leva mais vantagem quem atira primeiro, e com todos os vizinhos reagindo com armas de pequeno calibre já dá para atrapalhar bem a operação se a situação ainda não virou uma guerra civil.

Responder
Roger 01/05/2014 01:58:05

Perturbador este artigo. Quando temos o conhecimento e sabedoria de avaliar a questão "de cima", percebemos que o desarmamento é somente uma peça do quebra-cabeça.

"Eles" [o governo] não estão preocupados com o controle da violência, pois advogam a tese do direito penal mínimo, sendo partidários da tese da libertação antecipada de criminosos, inclusive de autores de crimes hediondos, como o terrorismo e o sequestro, bem como da descriminalização das drogas, além da maioridade penal.

Então vejam: ao mesmo tempo em que "eles" [o governo] pregam o controle da violência retirando as armas dos civis, incentivam a criminalidade para atuarem com mais liberdade (e bota mais liberdade nisso!), através do afrouxamento das leis (maioridade penal, regressão da pena, etc) e concessão de benefícios e indultos a criminosos.

Enfim, coisas que nós (exceto ignorantes e "useful idiots") vemos todos os dias, basta ler um jornal para se perceber como os valores estão invertidos quando um criminoso mata um civil e ganha uma matéria de 2 linhas no jornal (isso se sair no jornal), ao mesmo tempo que se um civil mata um criminoso, vira manchete de jornais e chega a ser assunto para o Twitter da nossa presidanta.

Realmente só ignorantes e "useful idiots" para acreditarem na história do desarmamento.

Responder
Valeria 01/05/2014 02:49:22

Quem governa o estado tem a posse temporária do monopólio da violência. Quem governa o estado com intenções de transformar a posse desse monopólio em definitiva, lança mão de desarmamento dos civis, enfraquecimento das forças militares que não estão sob seu comando direto e leniência com a criminalidade em aberto - conivência em segredo.
Junte-se uma população desarmada e a gratidão dos criminosos beneficiados pela leniência e conivência do governo e está pronta a fórmula para a perpetuação desse no controle do estado, sem oposição.
E eu não estou falando apenas da Venezuela.

Responder
Lucas Silveira 01/05/2014 13:07:03

Bom dia!

Em primeiro lugar parabéns pelo posicionamento. O Instituto DEFESA luta especificamente pelo direito de acesso Às armas e à legítima defesa há anos e apoiamos todos aqueles que se manifestam da mesma forma.

Aproveitando o ensejo, as imagens que criamos e publicamos podem ser usas livremente. Todavia, pelo bem comum da causa, solicitamos a gentileza de citar nosso Instituto ao invés de apagar nossas informações, constantes no lado direito da imagem original.

Trata-se apenas de uma questão ética, que tenho certeza que será compreendida pelos senhores.

No mais, eu e o nosso Instituto estamos a disposição.

Lucas Silveira

Responder
Relações Públicas 01/05/2014 15:55:56

Prezado, a foto estava disponível no Google Image, sem qualquer tipo de identificação de autoria, de modo que era impossível fazer tal atribuição.

Grande abraço!

Responder
'Bob 01/05/2014 16:59:33

Penso que existe uma estrategia muito mais sutil do que se possa imaginar por parte de governos que desejam e poem em pratica politicas de desarmamento com aqueles argumentos de promover a paz social.

São estrategias geralmente pensadas por governos de tendencias socialistas, com raras exceções, com a finalidade de deixar bandidos armados dentro da sociedade, enquanto que a maior parte dessa fica refem e com medo, totalmente recuada, enquanto bandos agem de forma totalmente fora da ordem estabelecida, justificando o estado agir de forma cada vez mais totalitária contra toda a sociedade de forma indiscriminada, pagando os inocentes pelos mal feito daqueles desordeiros, que o proprio estado estimula andarem armados sem nenhum controle por parte dele. Podem notar que sempre que algum grupo social tenta reagir a tais ondas de violencia sempre aparecem grupos de intelectuais ou até mesmo algum segmento organizado da sociedade em questão para criticar as atitudes de reação da população contra a violencia e o crime, seja ele de cunho individual, ou coletivo.

Responder
Roger 01/05/2014 21:25:18

Exato.

Foi o que eu quis dizer com "avaliar a questão de cima", em um comentário acima.

Enfim, já estou um pouco velho para me lembrar de detalhes, mas pelo menos lembro que nos meados dos anos 60, o Brasil começou a fervilhar com os mesmos problemas que temos hoje: violência crescente, divisão da sociedade em minorias, campanhas esquerdistas como a legalidade (Leonel Brizola), restabelecimento de relações diplomáticas com o bloco soviético e 'aproximação' com regimes comunistas.

Mas teve um ponto que não esqueço, nem dos detalhes: o estímulo ao desarmamento geral e progressivo, bandeira do então recém empossado 'presidente' esquerdista João Goulart e que foi conduzida pelo seu arauto das relações exteriores San Tiago Dantas.

Naquele tempo o Brasil começou a declinar em tudo: cultura, educação, saúde, etc. Não foram quedas tão acentuadas como as que temos agora, mas visíveis. E tudo culminou no nefasto golpe militar. Nefasto pois, apesar de terem colocado a esquerda para escanteio, o 'golpe' não a destruiu, mas a fortaleceu. Entretanto o 'golpe' teve uma vítima fatal: a direita. Esta acabou-se e nunca mais voltou a cena política.

Por isso eu digo: o desarmamento é somente um item da agenda desses governos socialistas. E dessa agenda nada de bom advém, tenham certeza disso.

Responder
'Bob 02/05/2014 04:49:56

Roger, obrigado pela consideração. Na sua opinião anterior, você é incrivelmente certeiro no que está ocorrendo no Brasil, simplesmente é como se você tirasse uma foto da realidade nacional em termos de violência e criminalidade.

Para reforçar com o que você disse, o candidato a presidente da republica pelo partido dos tucanos disse no fórum da liberdade em Porto Alegre, que o governo federal participa no orçamento da segurança publica dos estados, com apenas 13%, enquanto que os estados e municípios com os 87% restantes. Fica evidente que uma federação que centraliza em excesso os recursos arrecadados, como é o caso do Brasil, as unidades federativas ficam a pão e água para se rebolar para cumprirem com suas obrigações, e não dá outra, é o que vemos ai hoje, o sucateamento de toda a logística de segurança, de todo o aparato policial, de todos os aparelhos da justiça.

De fato, o desarmamento é mais um item na agenda desses governos de esquerda que querem uma população humilhada, com medo, indefesa e sem o direito de auto defesa, inclusive de sua propriedade mais preciosa que é a vida. É humilhante ver um bandido armado eliminar um cidadão de bem sem esboçar qualquer atitude de reação, e mesmo assim ser eliminado, e depois receber uma redução de pena.

Responder
Eduardo Marzbanian 01/05/2014 23:09:10

Como neto de subreviventes do Genocídio Armênio, gostaria de expressar o meu agradecimento ao Dr. Gary North, por este artigo, cujo tema tem a ver o desarmamento de populações, que indefesas são massacradas sem piedade, como foi o caso dos armênios em 1915. Pessoas como o senhor nos enchem de esperança quanto ao justiçamento desse crime. O primeiro ministro da Turquia, Recep Erdogan, disse semana passada lamentar o massacre dos armênios, e disse que turcos também morreram, como se o ocorrido tivesse sido uma guerra entre turcos e armênios, o que é uma solene mentira. O artigo de North nos traz a verdade, que o Estado Turco está a todo custo tentando esconder do mundo, que os armênios não fizeram guerra, e que ainda por cima foram premeditadamente desarmados, a ponto dos armênios, que faziam parte do exército turco, serem proibidos de portarem armas.

Responder
anonimo 02/05/2014 01:31:58

De acordo com Olavo Carvalho, 20 milhões de Russos foram mortos pelo governo soviético.

Nunca ocorreu um sistema comunista de fato nos países citados como tal.

Mal Tsé-tung era estuprador de menores.

Todos os líderes de esquerda mundiais foram escolhidos pelo baixo caráter.

Tudo não passa de uma farsa, pois comunismo nunca existiu em nenhum país.

Responder
anonimo 02/05/2014 01:39:23

No Brasil, alguns videntes estimam que haverá um grande banho de sangue, principalmente na região Norte

Responder
anônimo 04/10/2014 00:56:49

Caras...vcs precisam ter um fórum
www.wired.com/2014/10/1200-machine-making-untraceable-guns-just-sold-36-hours/

Responder
anônimo 23/11/2014 17:33:48

Retomando a discussão, o brasileiro não pode ter só uma "pistolinha". O calibre 12 é permitido e uma espingarda deste calibre é mais barata e infinitamente mais potente que a maioria das pistolas disponíveis aqui. Se os cidadãos precisassem se defender do governo, tenho certeza que uma milícia de civis portando espingardas seria de botar medo em qualquer policial ou político.

Responder
Marcos 23/11/2014 17:49:03

Falar que é "permitido" é bem forçado. Você tem de enfrentar uma papelada e uma dor de cabeça sem fim. Você tem de comprovar idoneidade, capacidade técnica e aptidão psicológica. Na maioria dos caos, você tem de ter até um CR do Exército.

Liberdade é quando você pode entrar numa loja e comprar, como ocorre nos estados mais seguros do EUA. E na Suíça.

Responder
Lucas 23/11/2014 20:40:59

Concordo plenamente com você Marcos. O Brasil é mesmo um país ridículo. Só falei das espingardas porque alguém havia falado que não adiant aestar armado com uma pistolinha, tendo em vista que o governo possui armas mais potentes.

Responder
Dw 25/11/2014 16:41:51

Concordo com o senhor Marcos,e mais, sou um exemplo desta burocracia, pois estou na "luta" para conseguir adquirir o registro apenas, de uma pistola .380 e alem de toda essa burocracia que o senhor marcos comentou, temos ainda que declarar a efetiva necessidade, onde um angelical, extremamente ético e incorruptível membro da policia federal, avaliará se de fato me é necessário mesmo a arma em questão. Detalhe, esta aprovação já segue a mais de 90 dias, e ainda não é o fim, pois depois de autorizado, a "papelada" ainda será novamente enviada a polícia federal para que então, outro burocrata me envie o registro.
Depois de muitos anos, finalmente entendi o por que da idade mínima para requerer um registro de uma arma de fogo para sí ser 25 anos: a pessoa começa o processo aos 25 anos, e até obter de fato o registro, já ultrapassou a expectativa de vida que é de 85 anos. E nesse meio tempo, reze para que nunca precise usa-lá. Aliás, a nós brasileiros, só nos resta mesmo é rezar.
Segue um exemplo de noticiário padrão, cujo qual podemos observar desde o estatuto do desarmamento:
g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2014/11/latrocinios-sobem-20-e-roubos-crescem-14-em-outubro-em-sp.html

Quero que os desarmamentistas me expliquem por que só ladrão pode ter armas?

Responder
Vagner 24/11/2014 10:41:54

Sou a favor do controle de armas... Por isso usa as duas mãos para segura-las.

Responder
anônimo 16/12/2014 08:44:46

Crianças mortas no pakistão por ataques de drones:

drones.pitchinteractive.com/

Responder
Rodrigo Amado 16/12/2014 15:31:53

indianexpress.com/article/world/neighbours/live-6-terrorists-storm-pakistan-army-school-take-children-hostage/

Os drones são muito ineficientes mesmo.

Os terroristas são muito mais eficientes em matar crianças:
Ao invés de ficarem tentando matar agentes do estado que os está atacando com drones e no processo matarem algumas crianças acidentalmente, eles vão direto atacar uma escola para poderem matar o maior número possível de crianças.

Agora voltando ao tópico, se armas fossem permitidas na escolas do Paquistão talvez a quantidade de inocentes mortos pudesse ser menor.

Responder
anônimo 14/04/2015 09:38:28

Terroristas são eficientes e o governo americano que os financia é mais eficiente ainda.

Responder
J.Pereira 14/04/2015 02:18:56

Ninguém fala do genocídio cometido pelos Estados Unidos na "libertação" das Filipinas do colono espanhol, no final do século XIX...

Responder
J. Madeira 14/04/2015 02:30:00

Quê?! Esse artigo gasta três parágrafos falando exatamente sobre isso, citando inclusive o número de mortos: 250 mil.

Por que você mentiu?

Responder

Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
  Nome
  Email   (também utilizado para o Avatar, crie o seu em www.gravatar.com)
  Website
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.







Multimídia   
  Podcast Mises Brasil
        por Bruno Garschagen - 06/01/2019
  Conferência de Escola Austríaca 2014
        por Diversos - 23/10/2014
  Fraude - Explicando a grande recessão
        por Equipe IMB - 31/10/2012
veja mais...



Instituto Ludwig von Mises Brasil



contato@mises.org.br      formulário de contato           Google+
Desenvolvido por Ativata Software